You are on page 1of 29

EDITAL PROGEP Nº 63, de 18 de Dezembro de 2013 A CHEFE DA COORDENADORIA DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL no exercício do cargo de PRÓREITOR DE GESTÃO DE PESSOAS E DO TRABALHO DA FUNDAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL, no uso de suas atribuições legais, e de acordo com o disposto na Portaria RTR nº 1268, de 16 de dezembro de 2013, e nas Leis nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990, nº 12.072, de 7 de agosto de 2012, nº 12.772 de 28 de dezembro de 2012 e Medida Provisória nº 614 de 14 de maio de 2013; nos Decretos nº 94.664, de 23 de julho de 1987, nº 6.944, de 21 de agosto de 2009 e nº 7.485, de 18 de maio de 2011; nas Portarias Interministerial MP/MEC nº nº 405, de 30 de agosto de 2012 e nº 182, de 20 de maio de 2013; nas Portarias MEC nº 475, de 26 de agosto de 1987 e nº 1.181, de 19 de setembro de 2012; em cumprimento à Resolução CNE/CEB n° 1, de 3/4/2002, ao Decreto nº 7.352, de 04/11/2010 e em consonância com o Programa Nacional de Educação do Campo – PRONACAMPO e nos demais dispositivos aplicáveis, e nas Resoluções CD nº 76, de 2 de julho de 2013,nº 147, de 11 de dezembro de 2013 e nº 149, de 16 de dezembro de 2013 e na Resolução COUN nº 86, de 16 de dezembro de 2013; torna pública a realização de CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS para provimento de vagas para o cargo de Professor das Classes Auxiliar, Assistente A e Adjunto A do quadro permanente da UFMS especificamente para a Resolução CNE/CEB n° 1, de 3/4/2002, ao Decreto nº 7.352, de 04/11/2010 e em consonância com o Programa Nacional de Educação do Campo – PRONACAMPO e nos demais dispositivos aplicáveis, mediante as condições estabelecidas neste Edital e demais disposições legais: 1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1 O Concurso Público será executado pela Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. 1.2 Este Edital faz parte do Programa de Apoio à Formação Superior em Licenciatura em Educação do Campo – PROCAMPO e está em consonância com o Programa Nacional de Educação do Campo – PRONACAMPO em convênio com a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, que provê cursos de graduação visando a ampliação e a interiorização do ensino superior público, contribuindo para a expansão da oferta da educação básica nas comunidades rurais e para a superação das desvantagens educacionais históricas sofridas pelas populações do campo. 1.3 A divulgação oficial das informações referentes a este Concurso Público dar-se-á pela divulgação dos editais no endereço eletrônico www.copeve.ufms.br e publicação no Boletim de Serviço (BSE) da UFMS e no Diário Oficial da União (DOU), quando for o caso. 1.4 Todos os horários previstos neste Edital correspondem ao horário oficial do Estado de Mato Grosso do Sul. 1.5 A Secretaria do Concurso Público, durante a realização das Provas funcionará das 7 às 19 horas, ininterruptamente. 1.6 O provimento dos cargos observará as diretrizes e normas deste Edital, bem como a conveniência administrativa, devendo o candidato permanecer em exercício no Centro de Ciências Humanas e Sociais, Curso de Licenciatura em Educação do Campo, pelo período mínimo de 3 (três) anos, ressalvados os casos de remoção no interesse da Administração, nos termos do art. 36, parágrafo único, inciso I, da Lei nº 8.112/90. 1.7 As provas serão realizadas na cidade de Campo Grande, MS, no período de 14 a 18 de fevereiro de 2014, em locais e horários a serem divulgados no Edital de deferimento das inscrições. 1.7.1 A relação das inscrições deferidas e indeferidas será divulgada por meio de edital disponibilizado no endereço eletrônico www.copeve.ufms.br, na data de 28 de janeiro de 2014. 1.8 A identificação do cargo, o quantitativo das vagas, a lotação, o regime de trabalho e os requisitos da vaga constam no Anexo I deste Edital. 1.9 O conteúdo programático e respectiva bibliografia constam no Anexo III deste Edital. 1.10 A jornada de trabalho será cumprida durante o turno diurno e/ou noturno, inclusive aos finais de semana, de acordo com as especificidades do cargo, as necessidades da Instituição e a dinâmica do Curso de Licenciatura em Educação do Campo. 1.10.1 A organização curricular está pautada na Pedagogia da Alternância e prevê períodos de Tempo-Universidade e períodos de Tempo-Comunidade, em período integral. Os períodos de Tempo-Universidade serão desenvolvidos no Centro de Ciências Humanas e Sociais e demais espaços da UFMS, Cidade Universitária, Campo Grande-MS. Os períodos de Tempo-Comunidade serão desenvolvidos em escolas do/no campo e em outros espaços localizados no campo de Mato Groso do Sul que possibilitem a realização de atividades de ensino, pesquisa e extensão. Essas atividades poderão ser desenvolvidas durante a semana, como também aos sábados e domingos, no período diurno e noturno. 1.10.2 Para efeito deste Edital entende-se por: I - Populações do campo: os agricultores familiares, os extrativistas, os pescadores artesanais, os ribeirinhos, os assentados e os acampados da reforma agrária, os trabalhadores assalariados rurais, os quilombolas, os caiçaras, os

povos da floresta, os caboclos e outros que produzam suas condições materiais de existência a partir do trabalho no campo, incluindo as comunidades indígenas; II – Educação do/no Campo: educação que se volta às populações do campo, ao conjunto dos trabalhadores e das trabalhadoras do campo e que se contrapõe às concepções da educação rural, por ser contra-hegemônica e emancipatória; por se identificar com a luta pelo direito de todos à educação; por estar vinculada às lutas sociais do campo; por não hierarquizar os saberes; por identificar a construção coletiva de um projeto educativo dos protagonistas do campo. III – Pedagogia da Alternância (França, 1935): proposta política, pedagógica e metodológica que alterna TempoUniversidade com Tempo-Comunidade e pressupõe o diálogo das experiências cotidianas da vida do/no campo com os saberes escolares, no exercício da práxis transformadora. IV - Escolas do Campo: aquelas que desenvolvem suas práticas político-pedagógicas em diálogo com os interesses, a política, a cultura e a economia dos diversos grupos de trabalhadores e de trabalhadoras do/no campo, nas suas diversas formas de trabalho e de organização, na sua dimensão de permanente processo, produzindo valores, conhecimentos e tecnologias na perspectiva do desenvolvimento social e econômico igualitário destas populações. 1.11 As vagas serão preenchidas em ordem rigorosa de classificação de candidatos homologados, de acordo com a Unidade de lotação da vaga. 1.12 No quiosque da COPEVE, localizado no corredor Central da UFMS, em Campo Grande, no período de 6 a 9 de janeiro de 2014, no horário das 8 às 11 horas e das 13 às 16 horas e 30 minutos, estará à disposição dos candidatos, servidor da UFMS que fará a conferência da cópia mediante apresentação do original. 2. DOS REQUISITOS PARA A INVESTIDURA NO CARGO 2.1 O candidato aprovado e classificado no concurso, na forma estabelecida neste Edital, será investido no cargo, se atendidas as seguintes exigências: a) ter nacionalidade brasileira e, no caso de estrangeiro, estar em conformidade com a legislação específica; b) estar em dia com as obrigações eleitorais; c) estar em dia com as obrigações do Serviço Militar, para candidatos do sexo masculino; d) estar em gozo dos direitos políticos; e) comprovar por ocasião da posse o nível de escolaridade e os demais requisitos básicos exigidos para o cargo, previstos no Art. 7º da Resolução CD nº 76/2013; f) ter aptidão física e mental para o exercício das atribuições do cargo, comprovada por exame realizado pelo Médico do Trabalho da Divisão de Atenção Integral ao Servidor/CAS/PROGEP; g) ter idade mínima de 18 anos completos na data da posse; h) não acumular cargos, empregos, e funções públicas, ressalvados os casos previstos no art. 37, inciso XVI da Constituição Federal; e i) apresentar outros documentos que se fizerem necessários por ocasião da convocação para a posse. 2.2 Estará impedido de ser empossado o candidato que: a) deixar de comprovar os requisitos especificados neste Edital; ou b) tiver sido demitido ou destituído do cargo em comissão por infringência do art. 117, incisos IX e XI, Lei nº 8.112/90, enquanto perdurar a incompatibilidade; c) tiver sido demitido ou destituído do cargo em comissão por infringência do art. 132, incisos I, IV, VIII, X e XI da Lei nº 8.112/90.

3. DA REMUNERAÇÃO BÁSICA
TABELA SALARIAL DOCENTE CARGA HORÁRIA DE Especialização 496,08 3.594,57 AUXÍLIO ALIMENTAÇÃO Doutorado 4.455,20 373,00

CLASSE

NIVEL

DENOMINAÇÃO Auxiliar

RT Mestrado 1.871,98 -

A

1

Assistente A Adjunto A

4. DAS INSCRIÇÕES 4.1 DO PERÍODO E DA TAXA 4.1.1 As inscrições serão realizadas exclusivamente pela internet, no endereço eletrônico www.copeve.ufms.br, no período compreendido entre 9h do dia 31 de dezembro de 2013 e 23h59m do dia 16 de janeiro de 2014, observado o horário oficial do Estado de Mato Grosso do Sul.

Dedicação Exclusiva Assistente A – Dedicação Exclusiva Adjunto A – Dedicação Exclusiva R$ 111. 4. 4.4 Os Valores da taxa de inscrição estão discriminados no quadro abaixo: Cargo Auxiliar .ufms.2. 4. observado o horário oficial de Mato Grosso do Sul. o candidato deverá optar pelo cargo ao qual deseja concorrer.135/2007. de 2 de outubro de 2008. salvo em caso de cancelamento do certame por conveniência da Administração Pública. o prazo e os horários previstos neste Edital.5 O resultado dos pedidos de isenção do pagamento da taxa será divulgado por meio de edital até o dia 13 de janeiro de 2014.9 A inscrição do candidato implica o conhecimento e a aceitação das normas e condições estabelecidas neste Edital. não será permitida.2. 4. e c) encaminhar a seguinte documentação: Ficha de Inscrição. de 6 de setembro de 1979. confirmado na base de dados do CadÚnico.2 O pagamento da taxa de inscrição deverá ser efetuado até o dia 16 de janeiro de 2014.593/2008. 4. previsto no Decreto nº 6.3.7 As informações fornecidas no Requerimento de Inscrição serão de inteira responsabilidade do candidato podendo ele ser excluído deste Concurso Público se o preenchimento for feito com dados incompletos ou incorretos. 4.2.2.br.1. na data de sua inscrição. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SOBRE A INSCRIÇÃO 4.3 A COPEVE disponibilizará em seu quiosque localizado no corredor central da UFMS em Campo Grande. 4.copeve. aplicando-se ainda o disposto no parágrafo único do artigo 10 do Decreto nº 83.3. 4. no período de 6 a 9 de janeiro de 2014.593.3. exceto para os candidatos amparados pelo Decreto nº 6. em hipótese alguma.4 As informações fornecidas no Requerimento de Isenção são de inteira responsabilidade do candidato. nos termos do Decreto nº 6.3 Cada pedido de isenção do pagamento da taxa será consultado através do SISTAC pela COPEVE.1 Estará isento do pagamento da taxa de inscrição.2. e recolher o valor da taxa de inscrição pela Internet Banking ou em qualquer agência bancária. 4. e b) for membro de família de baixa renda.2. equipamentos de informática para aqueles candidatos que não têm acesso à Internet.1 A COPEVE consultará o órgão gestor do CadÚnico quando necessário.copeve.2.6 Não haverá isenção total ou parcial do valor da taxa de inscrição.3. emitir o boleto bancário até 23h59 do dia 16 de janeiro de 2014. Requerimento de Isenção.copeve. 4. Uma vez efetivada a inscrição. o candidato que: a) estiver inscrito no Cadastro Único para Programas do Governo Federal (CadÚnico). bem como se constatado posteriormente serem inverídicas as informações. após ter cumprido todas as instruções previstas neste Edital. 4. no período compreendido entre 9h do dia 2 de janeiro de 2014 e 23h59m do dia 3 de janeiro de 2014.936.8 O candidato somente será considerado inscrito neste Concurso Público.2.2.1 Antes de efetuar a inscrição.2. DA ISENÇÃO DO PAGAMENTO DA TAXA DE INSCRIÇÃO 4. 4. o candidato deverá conhecer o Edital e se certificar de que preenche todos os requisitos.ufms.2 No momento da inscrição. o que acarreta sua eliminação do concurso. .3. 4.5 O valor referente ao pagamento da taxa de inscrição não será devolvido em hipótese alguma. a via fax ou a via correio eletrônico. no horário das 8 às 11 horas e das 13 às 16 horas e 30 minutos.3.135/2007.3. a sua alteração.4 É vedada a transferência do valor pago a título de taxa para terceiros ou para outros concursos.ufms.3.6 O candidato que tiver seu pedido de isenção do pagamento da taxa indeferido. para efetivar a sua inscrição neste Concurso Público.br.1. deverá acessar o endereço eletrônico www. documento comprobatório do NIS (Número de Identificação Social) e cópia do RG por SEDEX ou AR.2 Terá seu pedido de isenção do pagamento da taxa de inscrição indeferido o candidato que: a) omitir informações e/ou torná-las inverídicas.40 R$ 169.br e imprimir a Ficha de Inscrição. para fazer jus à isenção do pagamento da taxa de inscrição.45 R$ 249.3. conforme Decreto nº 6. a via postal. 4. a extemporânea.3. no endereço eletrônico www.3 É vedada a inscrição condicional.50 Valor taxa de Inscrição Cento e onze reais e quarenta centavos Cento e sessenta e nove reais e quarenta e cinco centavos Duzentos e quarenta e nove reais e cinquenta centavos 4. até o dia 17 de janeiro de 2014. b) que não possua o Número de Identificação Social – NIS. observado o horário oficial do Estado de Mato Grosso do Sul. até a data limite. 4. podendo responder este.3. c) não observar a forma. deverá obrigatoriamente: a) acessar o endereço eletrônico www. 4. por crime contra a fé pública. b) preencher o Requerimento de Isenção. 4.2 O candidato que se enquadrar em uma das situações previstas no subitem 4. 4. e constar no Edital de Deferimento das Inscrições.1 deste Edital.3. a qualquer momento.1.4.

3. b) preencher o Requerimento de Inscrição. resguardadas as condições especiais previstas no Decreto nº 3. cientes de que. 4. do Registro Nacional de Estrangeiro (RNE). 4.4 Será indeferida a inscrição do candidato que: a) não observar a forma ou os prazos definidos neste edital.por meio do Protocolo Central da UFMS (Seção de Comunicação).ufms. inciso VIII da Constituição Federal. c) cópia autenticada em cartório do Cadastro de Pessoa Física (CPF) emitido pela Receita Federal.4.298/1999.pelas agências dos Correios. instruída ou complementada após a postagem.5. participarão do Concurso Público em igualdade de condições com os demais candidatos no que se refere ao . conforme especificação no Anexo I deste Edital. c) acionar o botão “CONCLUIR”.4.2 Será dispensada a apresentação do CPF.5.3.6. independentemente da sua classificação.1 Às pessoas com deficiência que pretendam fazer uso das prerrogativas que lhes são facultadas pelo artigo 37. no caso de estrangeiro.3 A documentação exigida para inscrição não poderá ser aditada. até o dia 17 de janeiro de 2014: . durante o horário normal de funcionamento. terá prioridade o candidato com deficiência.5 Para fins de inscrição neste Concurso Público não é necessário que o candidato tenha concluído o Curso de Pós-graduação.298/99.4.4.2.5.2 deste Edital em envelope único.4.1 As autenticações cartorárias poderão ser substituídas por conferência de servidor da UFMS se realizadas conforme o subitem 1. 4.2. DOS PROCEDIMENTOS PARA A INSCRIÇÃO 4.12 deste Edital. pela internet Banking ou em qualquer agência bancária. para o seguinte endereço: Comissão Permanente de Vestibular Cidade Universitária CEP 79070-900 Campo Grande – MS 4. 4. ou c) não atender aos requisitos especificados no Anexo I deste Edital do Concurso Público. 4.853/89 e pelo Decreto nº 3. b) cópia autenticada em cartório da Cédula de Identidade Oficial ou. DA INSCRIÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA (PCD) 4. 4. d) cópia autenticada em cartório do diploma de Curso de Graduação. e f) encaminhar os documentos relacionados no subitem 4. com Aviso de Recebimento (AR).5. e) recolher o Valor da taxa de inscrição.6 deste Edital estará automaticamente excluído deste Concurso Público.1 Para efetivar sua inscrição. no período de 7h30 às 10h30 e de 13h30 às 16h30. correspondentes a um percentual mínimo de 5% (cinco por cento) do Total das vagas do Concurso Público. conforme especificação no Anexo I deste Edital. é assegurado o direito de se inscrever neste Concurso.5.3 Os candidatos sem deficiência que se inscreverem para as áreas contempladas por vagas de reserva concorrerão com os candidatos com deficiência.1 O candidato que tiver o seu pedido de isenção do pagamento da taxa de inscrição indeferido e não efetuar o pagamento na forma e no prazo estabelecido no subitem 4.br. neste Edital.2.4.EDUCAÇÃO DO CAMPO 2014”.4.4. ou . por SEDEX ou AR. será 1 (uma) das vagas.5. Unidade “Prof. para fins deste Edital. d) imprimir o boleto bancário. 4. 4. de segunda à sextafeira. porém a conclusão do curso é obrigatória para a investidura no cargo. com compensação do pagamento até o dia 17 de janeiro de 2014. desde que as atribuições do cargo pretendido sejam compatíveis com a sua deficiência.4.298/1999. 4.1 A vaga de reserva para pessoas com deficiência. Letras e Artes/Linguística/Linguística Aplicada. pela Lei nº 7.4. perfazendo um total de 1 vaga.4 Os candidatos com deficiência. se o número constar no documento de identificação. 4. serão definidas vagas de reserva para pessoas com deficiência. o candidato deverá efetuar os seguintes procedimentos: a) acessar o endereço eletrônico: www. melhor classificado. (848) Grande Área/Área: Linguística. imprimí-lo e assiná-lo.2 Para efeito do cumprimento do disposto nos § 1º e 2º do art. 37 do Decreto nº 3. 4. Hércules Maymone” (Prédio das Pró-Reitorias) em Campo Grande MS. ou da Ata de Defesa.2 Documentos necessários para a inscrição: a) requerimento de inscrição preenchido e assinado. b) deixar de encaminhar todos os documentos solicitados neste artigo.copeve. e) cópia autenticada em cartório do certificado/diploma do Curso de Pós-Graduação (ou da declaração de conclusão emitida pela Instituição responsável. ou de documento que comprove matrícula no Curso de Pós-Graduação). lacrado e identificado com a frase “CONCURSO DOCENTE .

fiscal transcritor.4 A candidata que tiver necessidade de amamentar durante a realização das provas. ao horário e local de aplicação das provas e à nota mínima exigida.7 O candidato que no ato da inscrição não se declarar Pessoa com Deficiência e não encaminhar a documentação solicitada perderá a prerrogativa em concorrer às vagas reservadas. 4.14 Na falta de candidatos aprovados para as vagas reservadas às Pessoas com Deficiência. encaminhar: a) laudo médico (original) atestando a espécie. de acordo com o item 5 deste Edital.5.8. 4.9 A documentação mencionada no subitem 4. do art.5.1 O candidato poderá ser convocado antes da prova. 4º do Decreto nº 3.298/99. 4.5. 5.5. se aprovado e classificado.10. de acordo com a lei.5. 4.5.12 Será indeferida inscrição do candidato na condição de Pessoa com Deficiência. e/ou emitidos no período superior a 6 (seis) meses antes da início das inscrições previsto neste Edital.1 É assegurado ao candidato o direito de requerer atendimento diferenciado para realização das Provas.5. o candidato também deverá encaminhar justificativa acompanhada de parecer emitido por especialista da área de sua deficiência.5. b) não observar a forma.5.copeve.1 deste Edital.11 Não serão considerados resultados de exames e/ou outros documentos diferentes dos descritos no subitem 4.8 deste Edital deverá ser encaminhada no mesmo envelope dos documentos necessários à efetivação da inscrição.5.5 O candidato com deficiência que se inscrever para uma vaga que não tenha sido reservada estará ciente de que concorrerá em absoluta igualdade de condições com os demais candidatos. 4. em conformidade com o § 2º.1.2.3. 4. para comprovação de sua situação como Pessoa com Deficiência.8 O candidato Inscrito na condição de Pessoa com Deficiência deverá. e e) não comparecer para a realização do exame clínico. bem como a provável causa da deficiência. com estrita observância da ordem classificatória. desde que seja realizado no ato da inscrição. acesso e mesa para cadeirante.11. o prazo e os horários previstos neste Edital.5. além de solicitar atendimento diferenciado. grau ou nível de deficiência. com expressa referência ao código correspondente da Classificação Internacional de Doenças (CID) vigente. para submeter-se a exame clínico por meio da Junta Médica Oficial da UFMS. 4.1 Não serão aceitas cópias autenticadas de laudos médicos. intérprete de libras. 4.5.5. que: a) não encaminhar a documentação solicitada no item 4. . 4. c) apresentar laudo médico com o nome do candidato ilegível e que não possa ser identificado. deste Edital.6 O candidato com deficiência deverá declarar essa condição no ato da inscrição. conforme item 4. no que diz respeito à ordem geral de classificação.4. composta somente por candidatos com deficiência. 4. 5.2 O laudo médico (original) terá validade somente para este Concurso Público e não será devolvida nem fornecida cópia desse laudo. tempo adicional para a realização da prova e espaço para amamentação.3 Em se tratando de solicitação de tempo adicional para a realização da prova escrita. letra a. 4º do Decreto nº 3.298/99.3 deste Edital deverá ser encaminhada no mesmo envelope dos documentos necessários à efetivação da inscrição.10 Caberá à Junta Médica Oficial da UFMS analisar a documentação apresentada para aferir se o candidato se enquadra em uma das categorias discriminadas no art. d) não for considerado Pessoa com Deficiência. figurará em duas listagens: a primeira contendo a lista de classificação geral dos candidatos ao cargo de sua opção e. a segunda. 5.2 O atendimento diferenciado consistirá em: fiscal ledor.br.5.11. 5.8. atestado pela Junta Médica Oficial da UFMS.5.5.conteúdo das provas.13. 4.2 deste Edital.15 O candidato inscrito como Pessoa com Deficiência. deverá.1 No atendimento diferenciado não se inclui atendimento domiciliar.4. aos critérios de aprovação. especificando a deficiência que possui em consonância com o art. será inscrito neste Concurso sem a prerrogativa da vaga reservada.10.5. 4.1 No caso de indeferimento da inscrição na condição de Pessoa com Deficiência. DOS CANDIDATOS QUE NECESSITAM DE ATENDIMENTO DIFERENCIADO 5.ufms. e b) solicitação de condições diferenciadas para a realização da prova. 40 do Decreto nº 3. à avaliação. se o candidato houver atendido a todos os requisitos do item 4. hospitalar e transporte.13 O resultado do pedido de inscrição na condição de Pessoas com Deficiência será divulgado por meio de Edital no endereço eletrônico: www.1 e 4.5. levar um acompanhante que ficará em espaço reservado para essa finalidade e que se responsabilizará pela criança. obrigatoriamente. letra a. estas serão preenchidas pelos demais candidatos concorrentes aprovados na forma deste edital. 5. 4. A documentação solicitada no subitem 5. 4. provas em Braille.5.298/99. obrigatoriamente. 4. 5. até o dia 27 de janeiro de 2014.

.1 Descrição Sumária das atividades: compete ao professor elaborar. DAS FASES DO CONCURSO 7. k) participar da vida acadêmica da Instituição. 7. a critério de seu superior imediato. com peso trinta.copeve.2 Atribuições: a) participar da elaboração e cumprimento do Plano de Ensino das disciplinas em conformidade com o Projeto Pedagógico do Curso para os quais suas disciplinas forem oferecidas. q) zelar pela guarda. leituras. g) organizar e aplicar os instrumentos de avaliação do aproveitamento escolar dos alunos. objetivando o desenvolvimento científico da UFMS. em diário de classe. o) votar e ser votado para as diferentes representações de sua Unidade Setorial. por meio de Instrução de Serviço. n) participar da elaboração e execução de projetos de pesquisa. conforme designação da unidade de lotação. em período integral. 6. reunir-se com seu superior imediato. conservação e manutenção dos materiais e equipamentos que utiliza. e não somente naquelas da área do concurso. 6. com peso um.7 O atendimento diferenciado para realização da prova não implica a concorrência do candidato às vagas destinadas às Pessoas com Deficiência. estudos. em observação aos objetivos de ensino da UFMS.br e no Boletim de Serviço da UFMS. aplicar e acompanhar o planejamento das atividades.1 As provas consistirão de 3 fases sucessivas: a) Prova Escrita – de caráter eliminatório e classificatório. as notas das provas e os resultados de sua disciplina. c) utilizar metodologias condizentes com a disciplina. m) atualizar-se constantemente.2. visando preparar os alunos para uma formação geral na área específica. elaborar. O candidato. d) observar a obrigatoriedade de frequência e pontualidade às atividades didáticas.1. 5. r) cumprir e fazer cumprir normas e padrões de comportamento estabelecidos pela Instituição.3. inclusive aos sábados e domingos. 5. por meio de metodologia específica para cada turma. b) Prova Didática – de caráter eliminatório e classificatório.1 Não será permitida a realização das provas escrita e didática pela candidata que não levar acompanhante. DAS PROVAS 7. i) elaborar Relatório de Atividades do Semestre. constituída pela Pró-Reitora de Ensino de Graduação. e c) Prova de títulos – de caráter classificatório. DAS ATRIBUIÇÕES DO CARGO 6. f) registrar. respeitando aos princípios político-pedagógicos da Pedagogia da Alternância.5.1 Os candidatos serão avaliados por Banca Examinadora específica para cada classe e área/subárea de conhecimento. 7. cumprindo integralmente o Plano de Ensino da disciplina e sua carga horária. coordenar e executar projetos de pesquisa e de extensão. com peso quarenta. visitas. em conjunto com os demais docentes.6 Somente será concedido o atendimento diferenciado àqueles candidatos que cumprirem o estabelecido neste Edital.2 A Instrução de Serviço de designação das Bancas Examinadoras será divulgada e publicada no período de 5 a 8 de fevereiro de 2014. s) executar tarefas afins. e t) orientar e acompanhar os alunos nos Tempos-Universidade (na Cidade Universitária. 5. 6. h) apresentar as frequências. por meio da participação em congressos. l) exercer outras atribuições previstas no Regimento da UFMS ou na legislação vigente. obedecendo aos prazos previstos. mas com capacidade de atuar transdisciplinarmente.ufms. após investidura no cargo. a frequência dos alunos em sua disciplina. entre outros meios. p) participar de reuniões e trabalhos dos órgãos colegiados a que pertencer e de comissões para as quais for designado. analisar a classe como grupo e individualmente. poderá atuar. no endereço eletrônico www.4. observando-se os critérios de viabilidade e razoabilidade. DAS BANCAS EXAMINADORAS 7.2. buscando atualização permanente. b) ministrar o ensino sob sua responsabilidade. e) estimular e promover pesquisas e atividades de extensão à comunidade. colegas e alunos visando à sincronia e transparência das atividades. 7. nas diversas disciplinas oferecidas. na forma e nos prazos previstos.1. palestras. participar de atividades administrativas institucionais.5 Os candidatos que solicitarem prova em Braille deverão levar no dia da aplicação da prova escrita reglete e punção.2. j) participar de comissões e atividades para as quais for convocado ou eleito. MS) e nos Tempos-Comunidade (nas escolas e comunidades do campo de MS). Campo Grande.

32. seja o parentesco por consaguinidade. 7. caractere ou referência textual que o identifique em sua Prova Escrita.2 A Prova Escrita terá início uma hora após o término da Sessão de Sorteio dos Temas. sem consulta a qualquer material.1 O Secretário da Banca Examinadora informará aos candidatos quando faltarem quinze minutos para o término do tempo da Prova Escrita.00 (dez) pontos. até segundo grau. nos últimos cinco anos civis. todos com titulação igual ou superior à exigida para o cargo.3.4.3 As Bancas Examinadoras serão compostas. e terão uma hora para consultar material bibliográfico e retornar para o início da Prova Escrita.2. 7.4.1 Será eliminado o candidato que chegar após o horário previsto para o início da Prova Escrita.3. entre os pontos restantes.5 As folhas de resposta da Prova Escrita e as folhas de rascunho conterão somente o código de identificação do candidato.2. testemunha ou representante. os candidatos deverão retirar-se do local. 7. e.3 A Prova Escrita será desenvolvida utilizando-se. nos últimos cinco anos civis.4.6 Após o término da Prova Escrita.2.4. 7. .3.1 No primeiro dia do Concurso.2. em nível igual ou superior ao de Especialização.3. 7. companheiro ou parente e afins até terceiro grau. o presidente da Banca Examinadora informará aos candidatos do horário da divulgação do resultado da Prova Escrita e os critérios que serão utilizados para a sua correção. sendo eliminado o candidato ausente. ou utilizar qualquer tipo de marca.7 Será eliminado do Concurso o candidato que obtiver pontuação na Prova Escrita inferior a 7. antecedendo o início das provas. DA SESSÃO DE SORTEIO DOS TEMAS 7.4. 7.2 Os dois últimos candidatos deverão.00 (sete) pontos. e consequentemente.4 A duração máxima da Prova Escrita será de três horas.3 Após o sorteio dos temas.3. 7. das folhas de papel fornecidas pela Organização do Concurso. 7. e/ou g) tenha participado ou venha a participar como perito. companheiros. 7.4. 7.4.7. ou se tais situações ocorrem quanto ao cônjuge. por examinadores da área/subárea de conhecimento da vaga definida no Anexo I deste Edital. ou h) esteja litigando judicial ou administrativamente com candidato ou respectivo cônjuge ou companheiro. no entanto. parentes e afins até o terceiro grau. c) sócio de candidato em atividade profissional. 7.1 A Banca Examinadora será composta por três docentes.4.3. 7.4 Não poderão compor a Banca Examinadora: a) cônjuge ou companheiro de candidato.1 Poderão ser utilizadas folhas de rascunho.4. unicamente. b) ascendente ou descendente de candidato. em concordância com o art. f) co-autoria na publicação de trabalhos científicos. 7. mesmo que divorciado ou separado judicialmente. 7.2. sair juntos ao final da prova. 7.4. preferencialmente.2 Um dos candidatos deverá sortear um tema comum a todos os candidatos para a Prova Escrita.4.4.3. eliminado do Concurso o candidato que assinar. fornecidas pela Organização do Concurso. 7. 7.8 O resultado da Prova Escrita será divulgado na Ata de Resultado da Prova Escrita.5.1 A Banca Examinadora em consenso atribuirá apenas uma nota ao candidato na escala de 0. 7. 7. obrigatoriamente. haverá uma Sessão Pública na qual serão sorteados os temas para as Provas Escrita e Didática.2. assim como sua capacidade de expressão em linguagem técnica. com a informação do horário de sua divulgação e data e horário de início do Sorteio da Ordem de Apresentação dos candidatos para a Prova Didática. d) orientador ou co-orientador acadêmico do candidato.00 (zero) a 10. e) membro que tenha amizade íntima ou inimizade notória com algum dos interessados ou com os respectivos cônjuges. a Banca Examinadora se reunirá para efetuar sua correção.2 O sorteio dos temas das Provas Escrita e Didática será realizado na presença dos candidatos. DA PROVA ESCRITA 7. afinidade ou adoção.4. o mesmo candidato sorteará um tema comum a todos os candidatos para a Prova Didática. 7.3.4. 7.6.2. com duas casas decimais.4. elas não serão consideradas para fins de avaliação e deverão ser devolvidas juntamente com as folhas de resposta da prova.1 Será anulada a prova. afixada no local em que foi realizada a prova. inciso I da Resolução nº 76.1 Os temas sorteados para as Provas Escrita e Didática deverão ser distintos.1 A Prova Escrita tem como objetivo avaliar os conhecimentos do candidato na área/subárea de conhecimento da vaga. de 2 de julho de 2013 .4. rubricar. ou colateral até o quarto grau.3.2. 7.4.4 Ao final da Sessão de Sorteio dos Temas.

7. d) estruturação e desenvolvimento da aula.1 A pontuação da Prova Didática será divulgada somente na Sessão de Apuração do Resultado Final.2 A Prova Didática será realizada em sessão pública.5. 7.5. 7. deverá ser observado um período mínimo de cinco horas do horário de divulgação do resultado da Prova Escrita.2. 7.5. o candidato iniciará sua aula mesmo que não tenha conseguido preparar todos os recursos instrumentais. c) capacidade de comunicação.5. corresponderá à média aritmética das notas atribuídas individualmente pelos examinadores. .1 Os candidatos. 7.00 (zero) a 10. 7.7.2 O sorteio da Ordem de Apresentação dos candidatos somente será realizado após vinte e quatro horas da Sessão de Sorteio dos Temas. 7. e e) tempo de aula excedente. 7. além do intervalo previsto no subitem anterior.5. 7.5.5 A Prova Didática consistirá na apresentação de uma aula.00 (dez) pontos. 7. em três décimos da nota por minuto excedente.5.1 A Prova Didática terá como objetivo aferir a capacidade do candidato em relação à comunicação.10.2.4 Respeitada a ordem de apresentação definida no sorteio.10 A pontuação referente à avaliação da Prova Didática na escala de 0.8 Durante a apresentação de um candidato é vedada a presença dos demais concorrentes.2. é de inteira responsabilidade do candidato a utilização/operação. resguardando-se o sigilo da nota de cada examinador. 7.10. b) domínio do conteúdo.5.5.5. para efeito de registro. 7. que não estiverem presentes no Sorteio da Ordem de Apresentação.5. 7. serão eliminados.5.3 O candidato não poderá adentrar o local da Prova Didática sem que estejam presentes todos os membros da Banca Examinadora.7 É vedado aos membros da Banca Examinadora fazer arguição ao candidato. com duração mínima de quarenta e máxima de cinquenta minutos.5. 7.9 A Prova Didática será gravada em áudio. 7. 7. ao domínio e conhecimento do assunto abordado na área/subárea de conhecimento do Concurso.2 O candidato que ultrapassar cinquenta minutos de aula será penalizado.5. à organização do pensamento. 7.4 Após o preenchimento da Ficha de avaliação.10. o candidato chamado pela Banca Examinadora que não estiver presente será eliminado.1 Após o tempo estabelecido no caput do art.4 O candidato será eliminado se o tempo da sua aula for inferior a quarenta minutos.5. antes do seu início.5. ao planejamento.4 Considerando o dispositivo no § 2º do art 37 da Resolução CD nº 76/2013. 37 da Resolução CD nº 76/2013.5.1 Aos quarenta minutos de apresentação o presidente da Banca Examinadora deverá informar ao candidato que restam dez minutos para o término do tempo da prova. à apresentação da aula.5. anotando-a na sua Ficha de avaliação.5.10. 7. DA PROVA DIDÁTICA 7.5 Os envelopes com as notas dos candidatos permanecerão fechados e somente serão abertos na Sessão de Apuração do Resultado final. sobre o ponto sorteado. bem como o funcionamento de qualquer recurso instrumental utilizado na Prova Didática.5. 7. incluindo o uso da lousa ou quadro.10. com duas casas decimais. 7. esta será acondicionada em envelope único.5.3 No momento do sorteio da ordem de apresentação.5.2 Não é permitida a operação dos equipamentos de que trata o subitem anterior por terceiros.3 O candidato será interrompido ao alcançar sessenta minutos de apresentação. bem como os minutos excedentes.00 (dez) pontos. limitando-se a dez minutos o tempo de montagem e/ou preparação.5.5. na escala de 0. o Presidente da Banca Examinadora informará o tempo registrado de aula. 7.2. e aos procedimentos didáticos de desempenhar atividades docentes em nível do Magistério Superior. inclusive aqueles que interpuseram recurso contra a Prova Escrita.2.5.5. 7. cada examinador atribuirá uma nota ao candidato. 7.5.4.5.5. 7.4.6 Ao término da apresentação do candidato.2.5.5. que terá início com o Sorteio da Ordem de Apresentação dos candidatos. 7. resguardando-se o sigilo da nota de cada examinador.00 (zero) a 10. com duas casas decimais.2 Os critérios utilizados para a pontuação na Prova didática são: a) procedimentos didáticos.3 Ao término da apresentação da aula.1 Para a definição do horário do Sorteio da Ordem de Apresentação da Prova Didática. a ser descontado na nota de cada membro da Banca Examinadora. a Banca Examinadora deverá divulgar o horário de início de apresentação da aula e a previsão da data e horário de início da Sessão de Apuração do Resultado Final. que então será lacrado e assinado pelo candidato e por todos os membros da Banca Examinadora.

uma obra de autor brasileiro e três obras representativas do repertório erudito.7. e a segunda parte. 7.2 Será atribuída apenas pontuação referente ao maior título acadêmico (título de especialista.7.8. será penalizado com a não pontuação dos itens que estiverem fora dos grupos e subgrupos.6. romântico e Século XX. DA PROVA DE TÍTULOS 7.6. responsabilizando-se pela sua perfeita execução.3 deste Edital. caso julgue necessário.8.3 A composição da nota da Prova Didática.6. em envelope lacrado e identificado com nome.8. 7. em um recital. ou livre-docência) ao candidato que: a) deixar de entregar no prazo estabelecido. c) cópia dos comprovantes do exercício das atividades de administração universitária.4.1 Não se aplica a regra do subitem anterior aos produtos e processos com patente registrada no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual. a nota da Prova Didática será calculada na seguinte proporção: 7. a Banca Examinadora poderá solicitar ao candidato a apresentação dos originais das cópias dos documentos anexados ao currículo. porém. por força da interposição de recurso contra a correção da Prova Escrita.1 O candidato que ultrapassar quarenta minutos de recital será penalizado.4 O candidato que participar da Prova Didática. 7. de conotação mais teórica.2 No recital.8.1 A pontuação da Prova de Títulos será aferida pela análise dos documentos entregues conforme subitens 7. evidenciando os trabalhos acadêmicos do candidato em relação às atividades de ensino.8 As atividades de projetos de pesquisa e extensão.1 A prova Didática para a vaga destinada à área de Música. será calculada na seguinte proporção: setenta por cento. 7. de pesquisa. produção bibliográfica.00(sete) pontos.8. 7.2 deste Edital deverá ser encadernada.4 O candidato será eliminado se o tempo de seu recital for inferior a vinte minutos. com uma casa decimal.5 A abertura dos envelopes para análise dos títulos somente será realizada após o Final da Fase da Prova Didática e análise e julgamento do recurso da Prova Escrita. 7. somente serão pontuadas se forem realizadas com data a partir dos últimos cinco anos civis.6.6.11 Será eliminado do Concurso o candidato que obtiver pontuação na Prova Didática inferior a 7.8.5. 7. 7. no formato da Plataforma Lattes/CNPq. e/ou c) deixar de entregar a documentação encadernada e rubricada.6.3. científica. de extensão e de administração acadêmica.5 A UFMS não oferecerá serviços de pianista co-repetidor ou quaisquer outros acompanhantes. a Banca Examinadora deverá utilizar a Tabela . deverá entregar à Banca Examinadora os documentos abaixo relacionados.8.8.4. consistindo a primeira parte em aula expositiva. utilizando como parâmetro a Tabela de Pontuação constante no Anexo II deste Edital.8.1 Somente serão abertos os envelopes dos candidatos aprovados na Prova Escrita.5. DA PROVA DIDÁTICA PARA A VAGA DESTINADA À ÁREA DE MÚSICA 7. ao ingressar no local para dar início à sua aula (Fase da Prova Didática). 7. com duração mínima de vinte e máxima de quarenta minutos.8. por minuto excedente em três décimos na nota de cada membro da Banca Examinadora.3 A documentação constante nas alíneas do subitem 7. mestre. deverá entregar os documentos para a Prova de Títulos da mesma forma que os demais candidatos.6. a serem escolhidas entre os períodos renascentista.8.8. completo. deste Edital. obrigatoriamente. de acordo com o disposto no subitem 7.0 (trezentos) pontos. anteriores à data de publicação deste Edital.6. 7. 7.2 e 7. área/subárea do Concurso e localidade para a qual se inscreveu: a) Curriculum Vitae. se houver. equivalente à aula expositiva. 7.6. classe.9 Para efeito de pontuação da produção científica em periódicos. barroco. 7. participação em eventos e participação em bancas. 7. e rubricada exatamente na mesma ordem dos itens do Curriculum Vitae da Plataforma Lattes/CNPq. 7.8. 7. o candidato deverá providenciá-lo. orientações concluídas. b) deixar de entregar a documentação em envelope lacrado e identificado. doutor. deverá ser executada. tecnológica e artística/cultural. e trinta por cento ao recital.6 A pontuação referente à Prova de Títulos corresponderá a uma nota na escala de 0.8.2 Na área de instrumento musical e regência. os quais não serão pontuados se a solicitação não for atendida.8. o crescimento de sua produção intelectual e a atualização científica.8.3 O candidato que entregar os comprovantes em ordem diferente daquela disposta no subitem 7.6.2 O candidato.5 deste Edital.0 (zero) a 300. 7.6.1 A Prova de Títulos terá como objetivo avaliar o aperfeiçoamento profissional. e d) cópia dos comprovantes da produção pedagógica.8.8.8. produção artística e cultural. clássico. produção técnica ou tecnológica. 7. nas demais áreas da música.7 Em caso de dúvidas. b) cópia dos comprovantes do exercício das atividades docentes. paginada. 7. bem como às premiações recebidas. 7.

). documento de identidade original. por meio de Ata Final. será o resultado da pontuação obtida em cada fase do concurso. não poderá fazer as provas e será automaticamente eliminado do concurso público.2 A nota final (NF) do candidato. não identificáveis e/ou danificados.1 Serão homologados os candidatos aprovados neste Concurso Público. no máximo. a Banca Examinadora se reunirá. inferior a 7. carteira nacional de habilitação (somente modelo com foto).1.1.3. para apurar a nota final dos candidatos na escala de 0. conselhos etc.2 Não serão aceitos como documentos de identidade: cópia do documento de identidade. a Banca Examinadora divulgará a relação dos candidatos aprovados em ordem decrescente da classificação. na ordem a seguir: a) for inscrito como pessoa com deficiência. nos termos da Lei nº 10. que será afixada no local onde as provas foram realizadas. b) tiver idade igual ou superior a sessenta anos.3. ocasião em que será submetido à identificação .QUALIS da área/subárea da vaga mais recente da avaliação.1. DOS CRITÉRIOS DE DESEMPATE E DA HOMOLOGAÇÃO DOS RESULTADOS 8. 9. roubo ou furto. o candidato que não apresentar documento de identidade original. considerando uma casa decimal. certidões de nascimento. para o caso de vagas de reserva. carteiras funcionais expedidas por órgão público que.4 Ao final da sessão de apuração do resultado final. 9.1. carteiras funcionais sem Valor de identidade.1. títulos eleitorais.2 Os candidatos cuja classificação seja superior ao número de candidatos homologados previsto na tabela acima.944/09. em sessão pública. 9. 8. estarão automaticamente eliminados. deverá ser apresentado documento que ateste o registro da ocorrência em órgão policial. 9.0 (mil) pontos. 9.1 deste Edital. ainda que autenticada em cartório. ainda que tenham atingido a nota mínima. DA HOMOLOGAÇÃO DOS RESULTADOS 8.8. quaisquer outros não especificados no item anterior. pelos Institutos de Identificação e pelo Corpo de Bombeiros Militares. DA NOTA FINAL. com apenas uma casa decimal.3 Será eliminado o candidato que obtiver nota. e e) tiver maior pontuação na prova de títulos.3. conforme tabela abaixo: Quantidade de vagas previstas no Edital por Cargo 1 2 Número máximo de candidatos homologados 5 9 8. carteiras de motorista (modelo sem foto).8. pelas Secretarias de Segurança Pública.1 Em caso de empate na nota final.741/03 (Estatuto do Idoso).2.1. passaporte brasileiro.00 pontos. d) tiver maior pontuação na prova escrita.0 (zero) a 1. carteiras de estudante. documentos ilegíveis.000.1. 7. hora e local. c) tiver maior pontuação na prova didática. até o último dia de inscrição Concurso Público.1.3 Por ocasião da realização das provas. na forma definida no subitem 9. sob pena de ser impedido o acesso ao local de provas e consequentemente eliminado do Concurso. carteira de trabalho. previamente definidos por ela. 8. trinta dias.4 Caso o candidato esteja impossibilitado de apresentar. 8. por motivo de perda. DA NOTA FINAL 8. somente será considerada aqueles trabalhos vinculados à área da vaga do Concurso. reservista. DISPOSIÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DAS PROVAS 9. carteiras expedidas pelos órgãos fiscalizadores de exercício profissional (ordens. 7.10 Para efeito de pontuação dos itens do Grupo VI – Produção Artística e Cultural.1. classificados até o limite do Anexo II do Decreto Nº 6. expedido há.1 Em todas as sessões e fases do Concurso é obrigatório que o candidato apresente documento de identificação oficial.2.1 Serão considerados documentos de identidade: carteiras expedidas pelos Comandos Militares.1 Após a realização de todas as fases do Concurso. por lei federal. na Prova Escrita ou Didática.11 A forma de comprovação da documentação está relacionada na Tabela de Pontuação constante no Anexo II deste Edital. nem protocolo deste documento. 8. 8. no dia da realização das provas. DA CLASSIFICAÇÃO 8. valham como identidade. conforme segue: NF = (Prova Escrita x 30) + (Prova Didática x 40) + (Prova de Títulos x 1) 8. CPF. terá preferência o candidato que.1. a ser realizada em data. disponibilizada eletronicamente pela Capes. variando de zero até 1000 pontos.

ter o candidato se utilizado de processo ilícito. 10.3.1.1 A disposição prevista no subitem anterior não se aplica ao prazo de vinte e quatro horas entre a sessão de Sorteio de Temas e o início da Prova Didática. a qualquer tempo. momento em que disponibilizará ao candidato a mídia original.1 Os recursos devidamente fundamentados e instruídos devem ser dirigidos à Banca Examinadora. ao candidato cujo documento de identificação apresente dúvidas relativas à fisionomia ou à assinatura do portador. gravadores ou outros equipamentos eletroeletrônicos. e entregues à Comissão Organizadora. câmeras fotográficas e/ou de vídeo. 9.4 deste Edital. previsto no subitem 1. 9. 9.7 Não será admitido ingresso de candidato no local de realização das provas após o horário fixado para o seu início.3 deste Edital.br ou entregues no Protocolo Central da UFMS. autorização para que a sua aula seja gravada em mídia removível.4 Serão indeferidos os recursos que não observarem a forma. no máximo.11 Ao público presente durante as provas didáticas não é permitida a utilização de telefone celular. visual.1. respeitado prazo do subitem 10. concomitantes aos necessários para montar os recursos audiovisuais da Prova Didática. também. e demais dispositivos necessários para que seja possível providenciar a cópia da mídia utilizada na gravação da aula. o prazo e os horários previstos neste Edital.1. 9. grafológico ou por investigação policial. 10.6. ou qualquer outro tipo de equipamento eletroeletrônico. 9.1. data ou horário. em caráter provisório até o julgamento do seu recurso.especial. por meio eletrônico.1. compreendendo coleta de dados. 9. câmera fotográfica ou de vídeo. estatístico.1. até uma hora depois da divulgação dos resultados. 9. . A Organização do Concurso não se responsabilizará pela guarda do objeto.5 A identificação especial será exigida. 9. 10. drivers. 10. de realizar a Prova Didática.5.1 No ato da solicitação.8.2 O candidato será o único responsável pela operação do equipamento.1 Os documentos enviados via e-mail deverão ser remetidos. para cópia.10 O candidato poderá solicitar por escrito.1 Computador pessoal e projetor multimídia poderão ser utilizados como recurso audiovisual na Prova Didática. suas provas serão anuladas e ele será automaticamente eliminado do concurso público.2 O candidato poderá requerer à Comissão Organizadora cópia de sua prova escrita.1.1.12. 9. sob pena de não conhecimento do recurso. do Deferimento das Inscrições.1. exclusivamente para instruir seu recurso.ufms.3. com duas horas de antecedência do Sorteio da Ordem de Apresentação da Prova Didática.6 O candidato não poderá adentrar o local das provas portando aparelho celular. será considerado o horário de funcionamento da Secretaria do Concurso.12 Para efeito de contagem dos prazos que transcorram entre o início da Sessão de Sorteio dos Temas e o encerramento da Sessão de Apuração do Resultado Final.1. 9.1 O prazo para interposição de recursos será de até 2 (dois) dias úteis após a divulgação das seguintes etapas: Da publicação do Edital de Abertura do Concurso Público.13 Se.2 Os recursos. além das cominações legais cabíveis. 10. DOS RECURSOS 10.10. independentemente do horário de funcionamento da Secretaria do Concurso.3 A interposição dos recursos garantirá ao candidato o direito. 9. um dia útil após o envio. e terá para a sua instalação dez minutos. 9.1.10. 10. poderão ser encaminhados (assinados e digitalizados) para e-mail ccdocente@copeve. diferentes daqueles previstos no edital.1. devidamente fundamentados e instruídos. de assinaturas e de impressão digital em formulário próprio. com data de postagem de. 9.3 O prazo para interposição do recurso da Prova Escrita será de até uma hora antes do horário definido para o início da Prova Didática.2.3.1. respeitados os prazos estabelecidos. até a sessão de apuração do resultado final.1. da Constituição das Bancas Examinadoras e do Resultado Final. por Sedex ou AR com Aviso de Recebimento. 10.10.1 A recusa em atender o disposto no caput deste artigo será impedimento para a permanência no local da prova. bem como manifestações de apreço ou desapreço.9 Não serão aplicadas provas em local. Não será permitida a entrada de candidatos no ambiente de provas portando armas. a mídia ficará retida com a Comissão Organizadora. 9.11. for constatado. que será contado em horas corridas.1. preferencialmente digitais.4 deste Edital. previsto no subitem 7. 9. 10. utilizando-se de dispositivos portáteis. o candidato deverá fornecer à Comissão Organizadora cabos.3 Ao final da aula. à Comissão Organizadora.

por igual período.5 Quaisquer alterações nas regras fixadas neste Edital só poderão ser feitas por meio de outro Edital. 11. bem como documento comprobatório de classificação neste Concurso Público.copeve. 11.10 Os casos omissos serão resolvidos pela Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas e do Trabalho. de 2 de julho de 2013. 11. 11.2 O prazo de validade do concurso esgotar-se-á após um ano. 11. podendo ser prorrogado. valendo para esse fim a publicação no Diário Oficial da União. 11.6 Os documentos enviados para fins de inscrição e os documentos entregues para prova de títulos não serão devolvidos aos candidatos.8 O resultado deste Concurso Público não poderá ser utilizado como processo seletivo para contratação de Professores Substitutos ou Temporários.3 A Legislação com entrada em vigor após a data de publicação deste edital. bem como a UFMS poderá disponibilizar para outras IFES candidatos habilitados neste concurso. 11. 11. não será objeto de avaliação nas provas deste Concurso Público. candidatos aprovados em outros concursos da UFMS ou de outras Instituições Federais de Ensino Superior. uma única vez. observados sempre a ordem de classificação do candidato do concurso.ufms.br. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS 11.11.4 Não serão fornecidos ao candidato cópia ou demais documentos de controle interno desta Universidade.7 Outras informações acerca dos procedimentos deste Concurso Público constam na Resolução CD nº 76. CARMEM BORGES ORTEGA . poderão ser aproveitados para nomeação. 11. contado a partir da data de publicação da homologação do resultado final.1 A homologação do resultado final deste Concurso Público será publicada no Diário Oficial da União e divulgada no endereço eletrônico http://www.9 Havendo interesse institucional e não sendo preenchidas as vagas.

Lotação: Centro de Ciências Humanas e Sociais N° de Vagas: 01 Regime de Trabalho: DEDICAÇÃO EXCLUSIVA Classe: Professor Auxiliar (848) Grande Área/Área: Linguística. e 2. Nº VAGAS. Lotação: Centro de Ciências Humanas e Sociais N° de Vagas: 01 Regime de Trabalho: DEDICAÇÃO EXCLUSIVA Classe: Professor Assistente A . LOTAÇÃO. ou Mestrado e/ou Doutorado em: (Grande Área/Área CAPES): Multidisciplinar/Ciências Ambientais/Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional. ou Mestrado e/ou Doutorado em: (Grande Área/Área CAPES): Multidisciplinar/Interdisciplinar/Cultura e Sociedade ou Desenvolvimento Local ou Desenvolvimento Regional. Graduação em: Licenciatura em Letras .Português/Inglês. Graduação em: Licenciatura em História. e 2. Letras e Artes/ Artes/ Música Formação Exigida: 1. ou Mestrado e/ou Doutorado em: (Grande Área/Área CAPES): Multidisciplinar/Ensino/Ensino de Ciências. ou Mestrado e/ou Doutorado em (Grande Área/Área CAPES): Multidisciplinar/Ciências Ambientais/ Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional.Português/Espanhol ou Licenciatura em Letras . Mestrado e/ou Doutorado em (Grande Área/Áreas CAPES): Ciências Humanas/Educação. Mestrado e/ou Doutorado em: (Grande Área/Áreas CAPES): Ciências Humanas/História ou Educação.ANEXO I ÁREAS. Graduação em: Licenciatura e/ou Bacharelado em Música. e 2. Letras e Artes/Artes. Mestrado e/ou Doutorado em: (Grande Área/Áreas CAPES): Linguística. Especialização na Área de Música. ou Mestrado e/ou Doutorado em: (Grande Área/Área CAPES): Ciências Humanas/Educação. REGIME DE TRABALHO e CLASSE (847) Grande Área/ Área: Linguística. Lotação: Centro de Ciências Humanas e Sociais N° de Vagas: 01 Regime de Trabalho: DEDICAÇÃO EXCLUSIVA Classe: Professor Adjunto A (850) Grande Área/Área: Ciências Humanas / História Formação Exigida: 1. e 2. ou Mestrado e/ou Doutorado em (Grande Área/Áreas CAPES): Multidisciplinar/Ensino/Ensino de Ciências. Letras e Artes/Letras ou Linguistica. ou Mestrado e/ou Doutorado em: (Grande Área/Área CAPES): Linguística. ou Mestrado e/ou Doutorado em: (Grande Área/Área CAPES): Multidisciplinar/Interdisciplinar/Desenvolvimento Local ou Estudos Fronteiriços. ou Sociologia ou Psicologia ou Filosofia ou Antropologia. Letras e Artes / Linguística / Linguística Aplicada 1. FORMAÇÃO. ou Mestrado e/ou Doutorado em (Grande Área/Áreas CAPES): Multidisciplinar/Interdisciplinar/Desenvolvimento Local ou Desenvolvimento Rural Sustentável ou Estudos Fronteiriços. Lotação: Centro de Ciências Humanas e Sociais N° de Vagas: 02 (01 vaga de reserva e 01 vaga de ampla concorrência) Regime de Trabalho: DEDICAÇÃO EXCLUSIVA Classe: Professor Assistente A (849) Grande Área/Área: Ciências Humanas/ Educação/ Fundamentos da Educação/Filosofia da Educação Formação Exigida: 1. ou Mestrado e/ou Doutorado em: (Grande Área/Área CAPES): Multidisciplinar /Interdisciplinar/Desenvolvimento Local ou Estudos Fronteiriços. Graduação em: Qualquer Licenciatura.

ou Mestrado e/ou Doutorado em: (Grande Área/Área CAPES): Multidisciplinar/Ensino/ Ensino de Ciências. Graduação em: Licenciatura em Geografia. Mestrado e/ou Doutorado em: (Grande Área/Área CAPES): Ciências Exatas e da Terra/Matemática. e 2. ou Mestrado e/ou Doutorado em: (Grande Área/Área CAPES): Multidisciplinar/Ciências Ambientais/ Meio Ambiente e Desenvolvimento ou Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional. Lotação: Centro de Ciências Humanas e Sociais N° de Vagas: 01 Regime de Trabalho: DEDICAÇÃO EXCLUSIVA Classe: Professor Assistente A (852) Grande Área/Área: Ciências Exatas e da Terra / Matemática Formação Exigida: 1. Graduação em: Licenciatura em Matemática ou Educação Matemática. ou Mestrado e/ou Doutorado em: (Grande Área/Área CAPES): Ciências Sociais Aplicadas/Demografia. Lotação: Centro de Ciências Humanas e Sociais N° de Vagas: 01 Regime de Trabalho: DEDICAÇÃO EXCLUSIVA Classe: Professor Assistente A . Mestrado e/ou Doutorado em: (Grande Área/Áreas CAPES): Ciências Humanas/Geografia ou Educação. ou Mestrado e/ou Doutorado em: (Grande Área/Área CAPES): Ciências Humanas/Educação.(851) Grande Área/Área: Ciências Humanas / Geografia Formação Exigida: 1. ou Mestrado e/ou Doutorado em: (Grande Área/Área CAPES): Multidisciplinar/Ensino/Educação Matemática ou Educação em Ciências e Matemática ou Ensino de Ciências e Matemática ou Ensino de Ciências. e 2. ou Mestrado e/ou Doutorado em: (Grande Área/Área CAPES): Multidisciplinar/Interdisciplinar/ Desenvolvimento Local ou Desenvolvimento Rural Sustentável ou Estudos Fronteiriços.

contrato ou outro documento equivalente) Exercício de Cargos de Direção Superior em atividades de administração acadêmica em Instituição de Ensino Superior.0 80. por Comissão (acréscimo de 30% para cada comissão relacionada com as temáticas da Educação do Campo) Participação como membro em Comissões Permanentes (p. por ano SubtotalGrupo I – B (máximo de 50.0 40. por participação (acréscimo de 30% para cada participação relacionada com as temáticas da Educação do Campo) Subgrupo Valor 100. por cargo e no mínimo seis meses (acréscimo de 30% para cada direção relacionada com as temáticas da Educação do Campo). e/ou Comissões de Concurso Público de Instituição de Ensino Superior.0 10.0 50.: Comissão Própria de Avaliação (CPAs)).0 2. por ano Docência na Educação Básica.0 Total A Total B Valor Total 2.0 60. Chefia de Departamento ou equivalente em Instituição de Ensino Superior.0 90. por cargo e no mínimo seis meses Exercício de Cargos/funções de Coordenação de Curso. ex.0 30.: Comissão Própria de Avaliação (CPAs)). e/ou Comissões de Concurso Público de Instituição de Ensino Superior.A Docência (comprovado com declaração do empregador/responsável) Docência em cursos de pós-graduação stricto sensu.0 2. por cargo e no mínimo seis meses (acréscimo de 30% para cada cargo relacionado com as temáticas da Educação do Campo) Exercício de Cargos de Chefia e/ou de Coordenação Pedagógica em setores relacionados com a educação do campo em secretarias de educação e/ou órgãos públicos relacionados com as questões do campo.0 Valor 3. Exercício de Cargos de Direção e/ou de Coordenação Pedagógica em instituições de educação básica.5 .0 3.0 0.0 2. Por titularidade (comprovado com declaração. com pós-doutorado na área ou área afim IV – Título de Doutor na área afim. por cargo e no mínimo seis meses (acréscimo de 30% para cada cargo/função relacionado com as temáticas da Educação do Campo) Coordenação/Presidência de Comissões Permanentes (ex. por disciplina com carga horária igual ou superior a 30 horas (incluindo pós-graduação lato sensu) Docência na Educação Básica do Campo.0 pontos) Atividades Administrativas e de Representação.0 70.0 C 1. não cumulativa) I – Título de Livre-Docente na área II – Título de Livre-Docente em área afim III – Título de Doutor na área.0 20.0 1. com pós-doutorado na área ou em área afim V – Título de Doutor na área VI – Título de Doutor em área afim VII – Título de Mestre na área VIII – Título de Mestre em área afim IX – Título de Especialista na área X – Título de Especialista em área afim Subtotal Grupo I .Anexo II Tabela de Pontuação da Prova de Títulos GRUPO I Dados Gerais da Titulação (titulação máxima. por disciplina Docência em curso superior.0 1.

: Comitê Estadual de Educação do Campo). por projeto (acréscimo de 30% para cada coordenação de projeto relacionada com as temáticas da Educação do Campo). etc.0 Total Valor 3. CAPES/ CNPq/ Fundações de Apoio.: Comitê Estadual de Educação do Campo). seis meses (acréscimo de 30% para coordenação relacionada com as temáticas da Educação do Campo) SubtotalGrupo I – C Premiações ou menções por desempenho pedagógico e científico Por prêmio (comprovado com certificado.: CNPq. por cargo exercido por.A Projeto de Extensão Universitária Coordenação de projeto de extensão institucional aprovado e concluído ou em andamento.D Total Grupo I (A+B+C+D) 1. e/ou Comissões Especiais relacionadas com a Educação Básica. seis meses (acréscimo de 30% para coordenação relacionada com as temáticas da Educação do Campo) Participação como membro em Comitês Permanentes (ex. diploma ou outro documento válido) SubtotalGrupo I . concluído ou em andamento. Capes. Fundect.0 Total . por cargo exercido por.0 1.0 Total Subgrupo A B C GRUPO II .). RD. Fundect. Finep. Capes.C Projetos Educacionais (exemplos ao final da tabela) Coordenação de projeto educacional em instituições de educação Valor Total 3.: CNPq. entre outras agências). e/ou Comissões Especiais relacionadas com a Educação Básica.5 Valor 3. no mínimo. (comprovado com declaração ou outro documento equivalente) SubtotalGrupo II .0 1.0 3. comprovado com declaração ou outro documento equivalente) Coordenação de projeto de pesquisa aprovado por agência de fomento (ex. Finep. por ano (comprovado com declaração ou outro documento equivalente) Bolsista de programa de fixação de doutores (professor visitante. entre outras agências).0 5. e/ou Fóruns relacionados com a Educação Básica. por projeto Bolsista de Produtividade em Pesquisa CNPq.D Coordenação/Presidência de Comitês Permanentes (ex.PROJETOS DE PESQUISA E EXTENSÃO Projetos de Pesquisa (aprovado. (comprovado com declaração ou outro documento equivalente) Subtotal Grupo II – B Tutor de Grupo PET Por programa e no mínimo seis meses (acréscimo de 30% para cada projeto relacionado com as temáticas da Educação do Campo). por ano (comprovado com declaração ou outro documento equivalente) Bolsista de pesquisa de órgãos de fomento relacionados com as temáticas da Educação do Campo.0 0. no mínimo.0 Valor Total 3. por projeto Coordenação de projeto de pesquisa institucional.0 5. por projeto (acréscimo de 30% para cada projeto relacionado com as temáticas da Educação do Campo) Participação em projeto de pesquisa aprovado por agência de fomento (ex.0 Valor 2. Produtividade em Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora CNPq. por ano (comprovado com declaração ou outro documento equivalente) SubtotalGrupo II . e/ou Fóruns relacionados com a Educação Básica. DCR.

por capítulo Verbetes (comprovado com cópia integral). comunitários em instituições de educação básica e/ou em espaços e tempos do/no campo por projeto (comprovado com declaração ou outro documento equivalente) Coordenação de campanhas em instituições de educação básica e/ou em espaços e tempos do/no por campanha/ação (comprovado com declaração ou outro documento equivalente) Subtotal Grupo II . esportivos. por livro Capítulos de livros publicados. no caso de artigo cono prelo.0 6. anexar Carta de Aceite do Editor Chefe. associação científica e/ou cultural.0 9. Para ser pontuada.0 Conceito QUALIS C ou publicados em periódicos que não tiverem 1.0 Conceito QUALIS B4 5.0 0.0 Conceito QUALIS B2 10.5 classificação Qualis. 10) Resumos expandidos em anais de eventos (máx.0 Conceito QUALIS B1 12. Capítulos de Livros ou Verbetes (comprovado com cópia da capa. 10) Resumos simples em anais de eventos (máx. tenha mais de 49 páginas (cf.0 5.0 4.0 Subgrupo A Valor Artigos publicados ou aceitos em periódicos científicos especializados Comprovado com cópia da primeira página do artigo e.0 2. contracapa e sumário).0 1. Compreende-se por livro um produto impresso ou eletrônico que possua ISBN (ou ISSN para obras seriadas). por item SubtotalGrupo III .0 Conceito QUALIS B3 8.0 1.0 1.D Partitura Musical Total Valor Total B 8.0 0. científicos. Produtos com menos de 50 páginas são tecnicamente classificados como folhetos e não serão avaliados como livros.D básica e/ou em espaços e tempos do/no campo por projeto (comprovado com declaração ou outro documento equivalente) Coordenação de eventos pedagógicos.5 Conceito QUALIS B5 2. 10) SubtotalGrupo III .0 Valor 0. instituição de pesquisa ou órgão oficial.5 Total B C Valor 2. autoria autori a Conceito QUALIS A1 20.0 10.C Publicações em eventos científicos (comprovado com certificado ou cópia integral da comunicação) Trabalhos completos em anais de eventos (máx.0 3. por livro (Livro Publicado ou Organização de Obra Publicada) Organização de Obra Publicada.0 1. ABNT) e seja publicado por editora pública ou privada.B Texto em Jornal de Notícias ou Revista (magazine) Com corpo editorial e comprovado com cópia integral do texto que inclua a data e o número/fascículo de publicação SubtotalGrupo III . a obra deverá ser classificada como livro didático ou de referência para a área/subárea do concurso Livros publicados.PRODUÇÃO BIBLIOGRÁFICA 2.0 Conceito QUALIS A2 18. por artigo.0 3.5 Valor Total D E Total . mas que tiverem corpo editorial Subtotal Grupo III – A Livros.D Total Grupo II (A+B+C+D) GRUPO III .

0 SubtotalGrupo III . apresentação.E Desenvolvimento de Material Didático ou Instrucional Valor Total Comprovado com cópia da capa.I . por processo SubtotalGrupo IV . por tradução 1.0 cópia integral da resenha).G Resenhas bibliográficas publicadas em periódicos científicos Valor Total especializados Resenhas bibliográficas publicadas em periódicos científicos especializados. por produto SubtotalGrupo IV . por resenha SubtotalGrupo III -H Total Grupo III (A+B+C+D+E+F+G+H) GRUPO IV . comprovado com cópia integral 1.H Programa de Rádio e TV Valor Total Produção técnica (comprovado com declaração ou documento 1. por tradução 3.0 produto) SubtotalGrupo IV .0 Carta de Registro e/ou de Renovação). contracapa e sumário) Tradução de livros completos. com corpo editorial (comprovado com 2.5 SubtotalGrupo IV .0 SubtotalGrupo IV . capítulos e artigos Total Valor (comprovado com cópia da capa. por tradução 1.D Confecção maquetes Valor Total Por maquete (comprovado com documentação de autoria) 1.B Processo Valor Total Processo de desenvolvimento ou geração de trabalho com patente registrada junto ao INPI (comprovado com Carta de Registro e/ou de 5.C Confecção de mapas ou cartas geográficas Valor Total Por produto (comprovado com cópia da capa. por resenha Resenhas bibliográficas publicadas em periódicos científicos especializados.E Traduções de livros completos.0 SubtotalGrupo IV . nacionais.0 SubtotalGrupo IV .0 Tradução de artigos.0 Subtotal Grupo III .F Participação em corpo editorial de livros e periódicos Valor Total Comprovado com declaração ou documento equivalente 2.0 cópia integral da resenha).0 Subtotal Grupo III . contracapa. com corpo editorial (comprovado com 1. introdução Valor Total Por item.A Produto Valor Total Produto com patente registrada junto ao INPI (comprovado com 5.F Prefácio.F G H Subgrupo A B C D E F G H I Pr partitura (comprovada com cópia) 5.PRODUÇÃO TÉCNICA OU TECNOLÓGICA Software Valor Total Software com patente registrada junto ao INPI (comprovado com 5.0 Carta de Registro e/ou de Renovação).0 equivalente) SubtotalGrupo IV .0 Tradução de capítulos de livros. internacionais. por software SubtotalGrupo IV . posfácio. contracapa e sumário 0.0 Renovação).G Manutenção de Obra Artística Valor Total Comprovado com declaração ou documento equivalente 2. sumário e 1.

por composição Arranjo para orquestra.B Total Grupo V (A+B) Valor Total 0.C .B Premiação como intérprete Valor Total C Por premiação.5 0. sinfonia.0 9.0 6. big-band.0 Valor 2. poema sinfônico e afins) que tenha sido estreada ou gravada 2.0 com documentação da premiação) SubtotalGrupo VI . por programa completo Apresentação (concerto.A Co-orientações concluídas e aprovadas (comprovado com declaração ou cópia da ata de defesa do orientando) Mestrado (acréscimo de 30% para cada projeto relacionado com as temáticas da Educação do Campo) Doutorado (acréscimo de 30% para cada projeto relacionado com as temáticas da Educação do Campo) SubtotalGrupo V .Subgrupo A B Total Grupo IV (A+B+C+D+E+F+G+H+I) GRUPO V – ORIENTAÇÕES CONCLUÍDAS Orientações concluídas e aprovadas por orientação (comprovado com declaração ou cópia da ata de defesa do orientando) Monografia/Trabalho de final de curso de graduação ou equivalente (acréscimo de 30% para cada projeto relacionado com as temáticas da Educação do Campo) Aperfeiçoamento (acréscimo de 30% para cada projeto relacionado com as temáticas da Educação do Campo) Especialização/Residência/MBA (acréscimo de 30% para cada projeto relacionado com as temáticas da Educação do Campo) Iniciação Científica (PIBIC) ou Iniciação à Docência (PIBID) (acréscimo de 30% para cada projeto relacionado com as temáticas da Educação do Campo) Mestrado (acréscimo de 30% para cada projeto relacionado com as temáticas da Educação do Campo) Doutorado (acréscimo de 30% para cada projeto relacionado com as temáticas da Educação do Campo) SubtotalGrupo V .0 ou gravado comercialmente ou publicado.5 0.0 Total GRUPO VI – PRODUÇÃO ARTÍSTICA E CULTURAL A pontuação nos itens deste Grupo somente será atribuída à(s) atividade(s) vinculada(s) à área do Concurso Subgrupo Exibição de obra musical Valor Total Apresentação (concerto. por programa completo Participação em apresentações (concertos. show ou recital didático) solo ou música de câmara (programa completo) com estreia de programa (50% ou mais de 3. show ou recital didático) solo ou música de A câmara (programa completo) com repertório já apresentado 0.A Composição e arranjos Valor Total Composição de obra no mínimo oito minutos (ópera. por composição Composição de canção que tenha sido estreada ou gravada comercialmente ou 1. em concurso nacional ou internacional (comprovada 3.0 repertório novo). shows ou recitais didáticos) 0.5 estreado ou gravado comercialmente ou publicado. musical.0 3.5 anteriormente.0 publicada. banda ou coral que tenha estreado 1.0 B comercialmente ou publicada. por arranjo B Arranjo para instrumentos e/ou acompanhamento de canção que tenha 0.1 SubtotalGrupo VI . por arranjo SubtotalGrupo VI .5 2.

0 1.5 1. vídeo. TV.0 5. capas. por CD.0 Valor 1. conferência. fôlderes. por CD Faixa de CD solo ou música de câmara.G Incorporação de obra de artes visuais. Por premiação. Por obra SubtotalGrupo VI . audiovisuais ou gráficas em evento nacional ou internacional.5 3. (por exposição coletiva SubtotalGrupo VI . seminário. ou equivalentes (por apresentação) Participação como moderador ou debatedor em congresso. seminário. conferência.K Total Grupo VI (A+B+C+D+E+F+G+H+I+J+K) Valor 1.0 Valor 5. palestra. por faixa Faixa de CD como músico acompanhante. rádio. conferência.0 1. audiovisual ou gráfica em acervo de museu.F Obra de artes gráficas Projeto gráfico de livro. (por exposição individual) Pintura. palestra.0 Valor 3.0 2. SubtotalGrupo VI . seminário. Teatro) Comprovado com declaração ou documento SubtotalGrupo VI . seminário. simpósio. Comprovada com fôlder ou convite. por faixa Mais de 30 (trinta) minutos de gravação de música em programa de TV ou rádio relacionado a atividade musical. simpósio.0 Valor 1. palestra. desenho.I Sonoplastia (cinema. desenho. ou equivalentes (por apresentação) Participação como membro da comissão organizadora de congresso. Comprovada com fôlder ou convite.H Premiação de obra de artes visuais. website.5 Total Total Valor 0. Instalação ou outra.0 1. (comprovada com documentação da premiação) SubtotalGrupo VI . palestra.0 0. simpósio. gravura. ou equivalentes (por apresentação) Participação como avaliador em congresso. gravura. escultura.E Exibição de obra audiovisual Cinema.D E F G H I J K Programa de Rádio ou TV Produção cultural (comprovado com declaração ou documento equivalente) SubtotalGrupo VI .0 Total . ou equivalentes (por Valor 1.0 0.D Exposição de artes visuais Pintura. televisão. Instalação ou outra. Comprovado com cópia do material publicado. simpósio.5 1. catálogo ou programação (por obra) Exibição isolada Exibição em festivais Emissões televisivas Programa de sala de cinema SubtotalGrupo VI . revista. Comprovada com fôlder. fotografia. conferência. por programa CD solo ou música de câmara (todo o CD).0 0. por projeto SubtotalGrupo VI .0 Total Total Valor 5.J Gravações CD solo ou música de câmara (todo o CD). escultura.0 Total Total Total Total Subgrupo A GRUPO VII – PARTICIPAÇÕES EM EVENTOS Participação em Eventos (comprovado com declaração ou outro documento equivalente) Apresentação como convidado em congresso.0 Valor 1. fotografia.

Projetos Educacionais Exemplos de: Projetos educacionais: Projeto de reaproveitamento do lixo escolar. Valor 0. Campanhas em instituições: Campanha contra o preconceito na escola. Gincana. A soma das pontuações dos grupos II a VIII não poderá exceder a 200 pontos. Exposições. Eventos pedagógicos.0 4. Subtotal Grupo II – C . Aperfeiçoamento.A Total Grupo VIII (A) PONTUAÇÃO FINAL DA PROVA DE TÍTULOS Total do Grupo I (máximo 100 pontos) Soma dos Totais dos Grupos II a VIII (máximo 200 pontos) TOTAL DA PROVA DE TÍTULOS (máximo 300 pontos) Obs. Especialização Concurso Público para Docentes Qualificação de Mestrado A Mestrado Qualificação de Doutorado Doutorado Livre-Docência SubtotalGrupo VIII . Ciclo de Palestras. a pontuação total da prova de títulos não poderá exceder a 300 pontos.apresentação) SubtotalGrupo VII . Seminários. Mostras. Ação socioeducativa com famílias de usuários de drogas.: A pontuação total do Grupo I não poderá exceder a 100 pontos.0 1. esportivos.0 Total . Desta forma. Projeto Incubadora. Jogos. Projeto dançando na escola.0 4. científicos.0 2. Projeto cultura popular. Projeto de horta escolar. Campanha de prevenção da violência na escola.A Total Grupo VII (A) GRUPO VIII – PARTICIPAÇÃO EM BANCAS Participação em bancas Subgrupo (comprovado com declaração ou outro documento equivalente) Graduação.5 1.0 2. Campanha de ampliação da cidadania. comunitários: Feira de Ciências. Projeto poesia na escola.

P. 27. RS.BRASIL.scielo. av. 15. . 1. RS.ARROYO. MOLINA. Rio de Janeiro. 2001 . Institui o Programa Nacional de Educação do Campo PRONACAMPO. 3. PORTARIA Nº 86. 5. ._____ . Poder Executivo. Brasília. v. Pedagogia da esperança. Educação Básica do Campo: agricultura familiar camponesa e agroecologia. A educação básica e o movimento social do campo. Expressão Popular. Digitalizado. 2000. CALDART. 35-64. nº 2)./jun. C. São Paulo. Pedagogia do oprimido. 2004. Educação Básica do Campo: legislação. 157-176. Dicionário da Educação do Campo. (Coleção por uma Educação Básica do Campo. Educação do campo: movimentos sociais. . 6. .FREIRE. 352. Boletim DATALUTA. RS. expressões culturais._____. . 1999. 1987. . 28 p. cultura. 17. Decreto nº 7. Petrópolis: Vozes. Disponível em: http://www. 15 a 17 de agosto 2012. MG. Lei n. vol. e define suas diretrizes gerais.2009. além do programa específico da área da vaga. . PROGRAMA COMUM PARA TODAS AS ÁREAS: EDUCAÇÃO DO CAMPO 1. maio/ago. pp. 2012. Ministério da Educação._____. Projeto popular e escolas do campo.CALDART. Educação do Campo: notas para uma análise de percurso.FÓRUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO . 1. Brasília. p. 2002. 7.ALMEIDA. Rio de Janeiro: Paz e Terra. . v. tecnologias e mídias.ARROYO. Notas para análise do momento atual da Educação do Campo. 2005 . São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio. Constituição da República Federativa do Brasil. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: EDUCAÇÃO DO CAMPO . Seminário Nacional – BSB. 7 n. Gabinete do Ministro. DF: Articulação Nacional Por uma Educação Básica do Campo. todos os candidatos. Alfabetização e Diversidade. Rio de Janeiro. (orgs. Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária . 2008. n. Caderno CEDES. Educação Básica do Campo: identidade. Pedagogia do Movimento Sem Terra: escola é mais do que escola. Por uma educação do campo. 1988._____ . 72._____.CALDART. . (Org. . ._____ . 2000. .). RS. 1. 2. 4. P.FONEC. IB. Assistente A e Adjunto A do quadro permanente da UFMS. Brasília/DF: Secretaria de Educação Continuada.ANEXO III PROGRAMA E BIBLIOGRAFIA BÁSICA Considerando que esse Edital dispõe sobre o Concurso Público de Provas e Títulos para provimento de vagas para o cargo de Professor das Classes Auxiliar.PRONERA. Estud. DE 1º DE FEVEREIRO DE 2013. SP: Unicamp. 28). MC. FERNANDES. Resolução CNE/CEB n. Educação do Campo x educação rural: fundamentos filosóficos. 1992. v. MG. Educ. FRIGOTTO. Brasília. . Campinas. políticas públicas. de acordo com a sua área de formação.º 9. 9. políticos e econômicos. 2007. BM. nº 3). .394. sociológicos. Dec. pág. Campo Grande: Editora da UFMS.br/scielo. 2002. . 3 abr. CALDART. . n. São Paulo: Paz e Terra. Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. p. (Coleção Por uma Educação Básica do Campo. mar. Articulação Nacional Por uma Educação Básica do Campo. Seção 1. para atuação específica no Curso de Licenciatura em Educação do Campo. RA. ed. Trab. MG. A questão agrária em Mato Grosso do Sul: uma visão multidisciplinar. Acesso em: 19 dez. 02-10. Políticas de formação de educadores(as) do campo. ALENTEJANO.). A nova fronteira do eucalipto e a crise da Reforma Agrária. escolas do campo. 8. G. O MST e a formação dos sem terra: o movimento social como princípio educativo. PEREIRA.ALMEIDA. 2012. DOU de 04/02/2013 (nº 24. históricos. DF: Articulação Nacional Por uma Educação Básica do Campo.. Ministério da Educação. . de 20/12/1996. independente de suas áreas de formação e de atuação.ARROYO. de um programa básico sobre Educação do Campo e a.BENJAMIN. 43. Estabelece a lei de diretrizes e bases da educação nacional. Educação Básica do Campo: saberes escolares x saberes do campo. Saúde. Educação Básica do campo: currículo e práticas político-pedagógicas. Petrópolis: Vozes. RA. Educação Básica do Campo: Pedagogia da Alternância._____ . de 4/11/2012. deverão atender.

Porto Alegre: Sulina. A música e o risco: etnografia da performance de crianças e jovens. . Disponível em <http://www. CR. . 2008.GAINZA. CALDART. MTO.PEREIRA. Secretaria de Estado de Educação. E. nº 8. . música folclórica. Descobrindo a música: idéias para sala de aula. São Paulo: Editora USP.FONTERRADA. 65.O. . . Os territórios da educação musical: ensino formal e não-formal 4. SP: Papirus. 1. v. 9. . Princípios teóricos da música: conceitos e definições 2. VH. O ensino de música na escola fundamental. São Paulo: Outras Expressões. sonorização de histórias. 1988. 2012. apreciação e performance na educação musical: teoria.scielo. 21. 2012.FRANÇA. ALMEIDA. p. Belo Horizonte: Editora UFMG. 2003. 2008. Metodologia da educação musical (métodos ativos) 8. Letras e Artes/ Artes/ Música PROGRAMA: 1..PENNA. Soc. RS (orgs. São Paulo: Grupo Editorial Summus. Elementos da linguagem musical. Etnomusicologia e estudos de manifestações culturais 11. Estruturação de projetos culturais.). Curitiba: Ibpex. 62-82. ALMEIDA. 2004. Brasília.br/scielo. Teoria da música. M. DF: Fundação Universidade de Brasília.). RESOLUÇÃO/SED nº. SWANWICK. v. B. v. . 1998 . 2003. fundamentos de análise. . .MATO GROSSO DO SUL.) Educação do Campo: identidade e políticas públicas. (847) Grande Área/ Área: Linguística. Seção Três Lagoas.MOLINA.096 de 26 de dezembro de 201. Temas e problemas no ensino em escolas do campo. MOLINA. harmonia e arranjos BIBLIOGRAFIA BÁSICA: .JEANDOT. L & DEL BEN.PAULINO. São Paulo: Unesp. Rio de Janeiro: Funarte.. . GUIA. Campinas. n. 2004.). fundamentos de história da música 7._____. CERIOLI. RA. 10. M. 2008.KATER. pesquisa e prática. música erudita).LOUREIRO. .). Educação no/do campo em Mato Grosso do Sul. ALMEIDA. Contribuições para a construção de um projeto de Educação do Campo. Brasília: Musimed. AMA. Memorial. MC. DF: Articulação Nacional Por uma Educação do Campo. RA. de 20 de dezembro de 2011. nº 4). C. Por uma educação básica do campo (memória). a voz e o corpo em jogos de improvisação. 2011. De tramas e fios: um ensaio sobre música e educação.ILARI. Pedagogias em educação musical. Criação do Comitê Estadual de Educação do Campo. . Editorial. brinquedos musicais 10. Editora Moderna. Ensino de música: propostas para pensar e agir em sala de aula. MC (orgs. Música (s) e seu ensino. TP. ET. KUDLAVICZ. N. (Coleção Por uma Educação do Campo. Meios e materiais para o fazer musical: confecção de instrumentos alternativos. 1997. 2. 1999. . CC. 2006. Brasília. 13. Introdução ao solfejo e à percepção musical 3. B.KRIEGER. . SMS (orgs. EJ. 1996.KOLLING. dez. RLM.SILVA. K. & JESUS. São Paulo: Scipione. T (orgs. L. São Paulo: Expressão Popular.FRANÇA. Explorando o universo da música. I. 2002. Composição. . AUED. republicado no D. Paisagem sonora e ecologia acústica 5. n. Campinas. Os Assentamentos Rurais em Mato Grosso: espaço de vida e luta camponesa. Campo Grande: UFMS. NÉRY.TRAGTENBERG.MED. M. PR. Prática musical individual e em conjunto (interpretação vocal / instrumental e composição) 6.HIKIJI. . RA (orgs. Estudos de psicopedagogia musical. Revista Eletrônica da Associação dos Geógrafos Brasileiros. Porto Alegre: Revista Em Pauta. EJ. Resolução SED/ nº 1507/2001.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73301998000400001&lng=pt&nrm=iso>.HENTSCHKE. 2002. Porto Alegre: Sulinas. . . RSG. . MATEIRO. 2010. Jogos pedagógicos para educação musical. DF: Articulação Nacional “Por Uma Educação do Campo”.VENDRAMINI. nº 1). Revista da ABEM no. Brasília. Apreciação musical de diferentes estilos e períodos (música popular. . 19.KOLLING. O que podemos esperar da educação musical em projetos de ação social.501. 2005. CC. 2005. Educ. . JH do V. Dispõe sobre a Educação do Campo da rede estadual de ensino. . (Coleção por uma Educação Básica do Campo. BW. Terra e território: a questão camponesa no capitalismo.

.). cotidiano e educação. São Paulo: Parábola.ANTUNES. . São Paulo: Parábola. AB. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.BARALO. (coord. 7. JCP. MC. As influências indígenas e africanas na língua portuguesa. C. Rev Claves nº 2. . O português brasileiro: o contínuo de oralidade-letramento. 2012. O som e o sentido: uma outra história das músicas. Diversidade cultural. 5. J. R. Competência comunicativa: documentos básicos en la enseñanza de lenguas extranjeras. . códigos e suas tecnologias. 2004. 6. IGV. Oficina de gramática: metalinguagem para principiantes. 4. . Preconceito linguístico: o que é.ILARI. Problemas de comunicação interdialetal. Letras e Artes / Linguística / Linguística Aplicada PROGRAMA: 1. a língua que falamos. AG. 1995. La adquisición del español como lengua extranjera. Orientações curriculares nacionais para o ensino médio: Linguagens.br/ojs/index. I. necessidades. UNESP. 1999. n. Muito além da gramática: por um ensino de línguas sem pedras no caminho. DELTA. R. p. Brasília: MEC/SEF.RIBEIRO. SM. São Paulo: Contexto. estratégias de aprendizagem. Brasília: MEC/SEF. 2006. Para falar e escrever melhor o português.SCHAFER. 31. 9. dez 1984. Secretaria de Educação Média e Tecnológica._______._______. como se faz. SP: Pontes. 385-417. São Paulo: Companhia das Letras.php/claves/article/view/2719/2324 . 9-31. (Org). JCP. 2006. 1989. 2003. 2012. Madrid: Edelsa. 3 ed. . Tempo Brasileiro. produção e compreensão oral e suas relações com o ensino da gramática. São Paulo: Moderna. Campinas: Pontes Editores. 1999. Ensino de língua espanhola: políticas.LLOBERA. Parâmetros curriculares nacionais: ensino médio. 2000. A. AA. . 2004. vol. Parâmetros Curriculares Nacionais terceiro e quarto ciclo do Ensino Fundamental. SEPULVEDA. RM. Códigos e suas Tecnologias / Secretaria de Educação Básica. nov de 6. – Brasília: Ministério da Educação. São Paulo: Loyola. LRS. Madrid: Arco Libros. . (848) Grande Área/Área: Linguística. Língua Estrangeira. . Uakti: um estudo sobre a construção de novos instrumentos musicais acústicos. . . 1999.. . 2007. Linguagens. São Paulo: Contexto. interculturalidade e ensino de línguas. 8. JM.WISNIK.BAGNO. 2004. . 2011. 78/79. p. O ouvido pensante._______. 2001. 1989. Parâmetros Curriculares Nacionais terceiro e quarto ciclo do Ensino Fundamental: Língua Portuguesa.ALMEIDA FILHO._____ . Ensino e aprendizagem das habilidades de leitura.SWANWICK. . BRASIL. Belo Horizonte: C/Arte.SCHOENBERG. Brasília: MEC/SEMTEC. Harmonia. Uma metodologia específica para o ensino de línguas próximas? In: Português para estrangeiros interface com o espanhol.QUEIROZ.). AM (Orgs. Estudos sobre educação bilíngüe e escolarização em contextos de minorias lingüísticas no Brasil. SECRETARIA DE ENSINO FUNDAMENTAL.ANTUNES. R. Campinas. escrita. . 15-21. O texto e a construção dos sentidos. coerência e contexto discursivo). Dimensões comunicativas do ensino de línguas. . . 1998. 2. SECRETARIA DE ENSINO FUNDAMENTAL. 1991. ed.biblionline. 10. M. questões identitárias.SOUZA. BASSO. Porto Alegre: UFRGS. .KLEIMAN. . . número especial. Prática da escrita de gêneros acadêmicos. Textualidade (coesão. Práticas de ensino do português. Música. 9. Educação em língua materna: a sociolingüística na sala de aula. O sujeito aprendiz: autonomia. K.KURY. São Paulo: Fundação Editora da UNESP. São Paulo: Parábola. . Ed. Ministério da Educação. Ensinando música musicalmente. Disponível em: http://www. 2007. I. Campinas: Pontes. 1998.ufpb.PALOMANES. 15. ed.KOCH. 2003. Pesquisa quantitativa e pesquisa qualitativa: Perspectivas para o campo da etnomusicologia. M..CAVALCANTI. São Paulo: Contexto. 1993.BORTONI-RICARDO. A variação linguística em sala de aula. currículos e legislação. 3. . O português da gente: a língua que estudamos.ALMEIDA FILHO. Aula de português: encontro & interação. . M. BRAVIN. Leitura e produção de textos na educação básica. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: . p.

F. 2002. Ideologia e currículo. VR (Orgs. Acesso: mar. A importância do ato de ler. . .FREITAS.TRAVAGLIA. Campinas Dec 2003. 21. Legislação e organização da educação nacional.MINAYO. presente. Rio de Janeiro: Graal. MA de M & SENA. 1996./2002 p. 2000.ucdb.br/scielo. J (Org. . vol.). 9. LC. . 1982. MB. Disponível em http///wwww. 17 ed. Certificação docente e formação do educador: regulação e desprofissionalização. MATO GROSSO. São Paulo: Paz e Terra. Cotidiano escolar: as diferentes linguagens. 96. Educação e Sociedade Vol. Campinas: Pontes. E. São Paulo: Brasiliense.FREITAS. 2005. ed. 2001. Porto Alegre: ArtMed. 6.scielo. Disponível em http://www.169-2001. 2012 . . São Paulo:Cortez e Moraes.BITTAR. 2.SEDYCIAS.br/Mestrados/ Revistas Interações/n3. P.SANCHEZ LOBATO. Currículo: teorias e práticas. Disponível em: http://wwwcedes. A. MC de S. Vol. H. . AJ. São Paulo: Hucitec. SANTOS GARGALLO. Educação e Sociedade. CR. Metodologia do trabalho científico. A Educação Básica no Brasil. . M. 2012. UnB. HC. 10._______. Soc. Revista Internacional de Desenvolvimento Local. Lutar com a palavra: escritos sobre o trabalho do educador. Campinas. 3. 6. São Paulo: Contexto. set.br/scielo. .APPLE.scielo. .FREITAS. 1988. 11. FERREIRA JR. 2004.scielo. Seminário Nacional por uma Educação do Campo.. Saberes necessários para ser professor na Educação Básica. Educação e Sociedade. 100 Campinas 2007. 2007.www. 1982. . 7. O Currículo: uma reflexão sobre a prática. . Madrid: SGEL. vol. A coerência textual.SOARES.br/scielo. Política. Acesso: mar. . ed. 2005. Linguagem e escola: uma perspectiva social. O ensino do espanhol no Brasil: passado. . 1986.unicamp.BRANDÃO. Acesso: mar. . 2. p. SILVÉRIO. 29. SP: Papirus. Disponível em http. Processo histórico e político da Educação do Campo no Brasil. 2005. Os gêneros digitais e as novas tecnologias de ensino. Pedagogia do oprimido.ARANDA.php?pid . ed. Planejamento educacional: intencionalidade da atuação docente. . Rio de Janeiro: Paz e Terra. 26 a 29 de dezembro de 2002. Rio de Janeiro: Abrasco.DAVIES. 2007.br/serieestudos. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Parábola Editorial. 4. 8. A Constituinte Escolar na Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul (1999-2001): acertos e desacertos com a democracia. Brasília.SEVERINO. Vademecum para la formación de profesores – Enseñar español como segunda lengua (L2) / lengua extranjera (LE). São Paulo: Ática. J. . Disponível em: http://www. 1999. 2005. 1983. (849) Grande Área/Área: Ciências Humanas/ Educação/ Fundamentos da Educação/Filosofia da Educação PROGRAMA: 1.ECO. São Paulo: Perspectiva. N.24 Nº 85. CRJ. Campinas.27 no. Escolas e práticas político-pedagógicas. Oct. n.br . O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde.CURY. Coleção polêmicas do nossotempo. 22. 3. H. set. Serie Estudo UCDB nº 20 Campo Grande MS. Fundeb: a redenção da educação básica? Educ. 2006. 5. em três artigos que se completam. futuro. ed.SERRANI. . Madrid: Arco Libros.FREIRE. Lingüística aplicada a la enseñanza-aprendizaje del español como lengua extranjera. Políticas Sociais: política de educação do campo. A. métodos e técnicas de pesquisa). 3. HCL.ucdb. I. A escola e as diferenças.forumeja. M. 2 ed. A produção do conhecimento (registro de experiência. (Coleção Papirus Educação). 69-78. 80. São Paulo: Autores Associados/Cortez. I. S. . A (nova) política de formação de professores: a prioridade postergada. 1987. 2006. ed. Campinas. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: . Afirmando diferenças: montando o quebra-cabeça da diversidade na escola. Educação Especial. .br Acesso em 06 mar. Partido e Estado: uma análise do governo de esquerda em Mato Grosso do Sul. Disponível em http//www.SACRISTÁN. 2008. Disponívelmhttp://www.org. ed._____.). n. Discurso e cultura na aula de língua: currículo – leitura – escrita. JG.SANTOS GARGALLO. 28 n. 17. a arte e as tecnologias. Como se faz uma tese.ABRAMOWICZ.

39-57. NL.br Acesso: mar. CIAVATTA. GOELLNER. ed. 7. Diversidade na educação: reflexões e experiências. O fracasso da reforma agrária no Brasil. A tragédia da terra. Da monarquia à república: momentos decisivos. 1995. 6. 9. Brasília: MEC .MARX. . JN. A(s) crítica(s) e os entraves históricos à reforma agrária. pp. 11.COSTA. 6. 2.FRIGOTTO. n. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 3.RODRIGUEZ.GORENDER. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.DEAN. M da G. 1985. São Paulo: Brasiliense. 9. O Cativeiro da Terra. 2010. . 07-20. . 7. ed.. 4. Educação Básica no Brasil na década de 1990: subordinação ativa e consentida á lógica do mercado. CF. necessidade e vigência da reforma agrária. ed. Brasília: MEC. RV (Org. 2006.php/educereeteducare . 1989. 2008.scielo. . JM de. Tangará da Serra. Formação dos Professores: Uma política de qualificaçãoou desqualificação do trabalho docente? Trabalho docente os professores a sua formação. EV. EducereetEducare – Revista de Educação (eletrônica) Vol. M. AP. CJ. São Paulo: Ciências Humanas. RJ: Vozes. São Paulo: IGLU/FUNEP/UNESP.SANTOS. 1989. escravidão e capitalismo. Raízes do Brasil.JESUS. 1984. 4. J de S. 1977.MARTINS. Petrópolis. 2003. n. MV et al. M. A natureza do desenvolvimento capitalista no campo brasileiro. Vol1. . edição. Terra e política: os distintos interesses dos grupos políticos e a questão agrária. . Luta e resistência: gênese histórica dos movimentos camponeses no Brasil. 2007. .FERNANDES. JP. BM. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: . 10. O. W. 2003. Disponível em: http://www.) Conselho Escolar e Educação no Campo. . 24 N° 82 Campinas abr 2003. Quatro séculos de latifúndio. 5 – Nº 10 – 2010. (850) Grande Área/Área: Ciências Humanas / História PROGRAMA: 1. gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. ed. 1. Das sesmarias ao latifúndio: o processo histórico da apropriação da terra no Brasil. Rio Claro: um sistema brasileiro de grande lavoura 1820-1920. Educação na diversidade e as diferentes populações agrárias. F. GL. J. SB de. .GOMES. . Formação e avaliação de diretores de escolas no âmbito da parceria entre municípios e o Instituto Ayrton Senna.GIMONET. razão e emoção. MEC. STÉDILE.IANNI. 1999.HOLANDA. VM. Revista NERA – ANO 14. RJ: Vozes. A conjuntura histórica e o tempo na questão agrária. ed. A natureza do espaço: técnica e tempo. Presidente Prudente. pp. . R. JF. NECKEL. . São Paulo. São Paulo: Fundação Editora da Unesp. 8. UFMS. 2005. Origens Agrárias do Estado brasileiro. Cia das Letras.GRAZIANO. 2001. .CARDOSO.GARCIA.) Corpo. Petrópolis: Vozes. ed. São Paulo: Ática. HMM de. março 1981.br/index. SV (Orgs. Ed. . 18 – jan/jun2011. Paris: AIMFR – Associação Internacional dos Movimentos familiares de Formação Rural. Brava Gente: a Trajetoria do MST e a Luta pela Terra no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 3. 4. Agricultura. Movimentos sociais e educação. Disponível em: http://e-revista. K. São Paulo. São Paulo: Editora da USP.unioeste.LOURO. Movimentos sociais X agronegócio: o conflito agrário em tempos de neoliberalismo e globalização. 1986. In: Revista Brasileira de História. 5. 2007. . 2003. A modernização frustrada: a política de terras no Império. Educação e Sociedade Vol. Importância. G. São Paulo: Fundação Perseu Abramo. . Ao sul da história: lavradores pobres na crise do trabalho escravo.) Alda Maria do Nascimento Osório. In. . Educação e Diversidade Étnico-cultural. São Paulo: Brasiliense. O ensino de história na educação do campo e a transformação social. MT: Sanches.Secretaria de Educação Básica. O capital: crítica da economia política. . Praticar e compreender a pedagogia da alternância dos CEFFAs – tradução de Thierry Burghgrave – Petrópolis. 1979. O Escravismo Colonial.GRACINDO.GOHN. 1991. Consolidação das políticas educacionais do campo.CASTRO. . 2006. Livro Primeiro.GUIMARÃES. (Org. A pedagogia da alternância e o debate da educação no/do campo no estado de Goiás. 13. . . Desafios e perspectivas dos movimentos sociais e a luta de classes no campo para o Século XXI.RODRIGUEZ. São Paulo: Cortez. .CARVALHO.

Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. .GRAZIANO da SILVA.MARTINS. . Rio de Janeiro: Editora UERJ. . ALMEIDA. São Paulo: Paulus. ano 2. 2009. São Paulo: Expressão Popular. 3.RIBEIRO. Campo Grande: Editora UFMS. n.). A modernização dolorosa: estrutura agrária. 1995. produção e sustentabilidade socioambiental. Da lavoura às biotecnologias. AU. 2° ed. 1999 (editado em fev. . Tempo Social. p. BM. WILKISON. M. SP: Papirus. 2013.ROSENDAHL. 2008. PC da C.SANTOS. O campo como espaço de vivência. A Agricultura camponesa no Brasil. Rev. 11(2): 97-128. 1991. 1997. SUZUKI. MIM. 1981. Geografia e Educação do Campo: conceitos e temas. desenvolvimento local e regional. 2. . A crise agrária. São Paulo: Brasiliense. R. 2010. O mito da desterritorialização. . Campus. . São Paulo: Expressão Popular. GOMES. Campo Grande: Editora da UFMS. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: . Agricultura familiar camponesa: território e territorialidades. Terras devolutas e latifúndio: efeitos da lei de 1850. Geografia: conceitos e temas. NW. Rio de Janeiro: PTA/Fase.RUA. . .LACOSTE. 1988. 4. . Questão Agrária no Brasil. (851) Grande Área/Área: Ciências Humanas / Geografia PROGRAMA: 1. MMM. . IE de. São Paulo: Contexto. A organização do espaço agrário brasileiro e sul-mato-grossense. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.OLIVEIRA. Nas Fronteiras do poder: conflito e direito à terra no Brasil do século XIX. USP. . . 6. Reforma agrária – o impossível diálogo sobre a História possível. A questão agrária em Mato Grosso do Sul: uma visão multidisciplinar. PC da C. . 1972. MG de. 2. J.ALMEIDA. Manifestações da cultura no espaço. J de S. Rio de Janeiro: Brasiliense. 45-66. . 2004.MOTTA. Pro Jovem Campo.SODRÉ. Y. 2007. A geografia isso serve. 10. A relação cidade-campo no capitalismo contemporâneo.HAESBAERT.MARTINS. 9. Goiânia: Editora Alternativa. A. Teoria e Poder. J. . ed. São Paulo: Ática. O ensino de Geografia na Educação do Campo.FERNANDES. D. Movimento camponês. Expansão do capitalismo no campo e a luta pela terra no Brasil. JC (Orgs. Campinas-SP: Editora da UNICAMP. 2005. São Paulo: Hucitec. Paisagem e lugar no contexto das transformações do campo brasileiro.ALMEIDA. 2008. São Paulo: Paz e Terra.BURSZTYN.CASTRO.).PRADO JUNIOR. . Brasília. C. Revista da ANPEGE. . J de S. JH do V. Exclusão social e a nova desigualdade. .MARTINS. RL (Orgs. 1990. São Paulo: Fulgor. 45-66. CORREA. out. fronteiraagrícola e trabalhadores rurais no brasil. MARQUES.Ensaio sobre a grande propriedade pastoril. Do fim dos territórios à multiterritorialidade. 7 e 8.. J. M (org. São Paulo: Governo do Estado de São Paulo/Arquivo do Estado.). Roberto Lobato (Orgs. 6. Agroecologia: as bases científicas da agricultura alternativa. 1999. 2012. Z & CORREA. 2003. CORREA. 5. Para pensar o desenvolvimento sustentável.______________. RL (Orgs. para fazer a guerra. M. 1963. Campinas.).ALTIERI.SILVA. A natureza do espaço: técnica e tempo. . . . Modo capitalista de produção e agricultura. V. Geografia: leituras culturais.OLIVEIRA. J de S. Geografia Agrária. trabalho e educação. 1999. . Petrópolis: Vozes. Educação no/do campo em Mato Grosso do Sul. Oeste .). B. Desenvolvimento rural sustentável e agricultura familiar.STÉDILE. 5. 1993. Fortaleza. SORJ. S.GOODMAN. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 1995. 1998.). GOMES.MEC/Secad. Os camponeses e a política no Brasil: as lutas sociais no campo e seu lugar no processo político.PEREIRA. A ressignificação do rural e as relações cidade-campo: uma contribuição geográfica.). Paulo. . Rio de Janeiro: Ed. 7. Quatro séculos de latifúndio. 1990. em primeiro lugar.Rio de Janeiro: Vício de Leitura/Arquivo do Estado. . AJP. IE de. . Explorações Geográficas. Rio de Janeiro: Zahar. razão e emoção. Formação do Brasil Contemporâneo. 1978 . RATTS. 2000). JP (org). São Paulo: Expressão Popular.GUIMARÃES. .CASTRO. Agricultura familiar camponesa. LO. M. 1989. AP. RA (Org. Sociol. RA (Orgs. Projeto Base. 2008. 1986. Saberes da Terra. 8.

Um Curso de Cálculo.BORBA. Modelagem matemática & implicações no ensino aprendizagem em matemática. Santa Cruz do Sul: EDUNISC. Cedes. São Paulo. .BIEMBENGUT. 2007.Petrópolis: Vozes. 29-64.ANTONIO. . tempo. 1ª ed. espaço. São Paulo: Expressão Popular. MEB. Volume 1. G. 2. IA & SOUZA. Tecnologias em Educação Matemática e suas relações com o Campo. Juiz de Fora: Feme. 272-286. O currículo de Matemática e as escolas do Campo: possibilidades e desafios BIBLIOGRAFIA BÁSICA: . Blumenau: Editora da URB. 4. 5.2001. 2005. 9. vol. MARTINS-SALANDIM. OLIVEIRA. . MG.ALRO. 8. 2007 . currículo e formação de professores. Território e territorialidades em Mato Grosso do Sul. 3. Brasil. O. 446p . W. Belo Horizonte. 72. . Rio Claro. 2011. JC. 8. . 1998c.KNIJNIK. p. EA & ALMEIDA. p. IN: V Colóquio Internacional “Educação e Contemporaneidade”. . . .SILVA. Porto Alegre. H. Etnomatemática.). . . p. . . OLIVEIRA. 2007. (852) Grande Área/Área: Ciências Exatas e da Terra/ Matemática PROGRAMA: 1. ME. O ambiente é a natureza e a natureza é o campo: o espaço rural e as áreas protegidas. RC. 1. G. Espaços e Identidades em processos de aprendizado e desenvolvimento. Etnomatemática e Educação no Movimento Sem-Terra. Modelagem Matemática na Educação no Campo. CA & LUCINI. Ideias matemáticas de povos culturalmente distintos.).). São Cristovão-SE. Editora Exato. Etnomatemática:elo entre tradições e modernidade.BASSANEZI. AM (Orgs. São Paulo: Outras Expressões. Zetetike (UNICAMP). Recife: Sociedade Brasileira de Educação Matemática. 6. p.BARBOSA.pdf. SM. Campinas. 2001. Volume 1. Etnomatemática: novos desafios teóricos e pedagógicos.). U. AD. CALDEIRA. SP. 2002. Educação Matemática e a geometria no Campo: noções de espaço e localização. MC.2013.GERDES. In: Maria Cecilia de Castello Branco Fantinato. 2001. In: SILVA. 2002. Diálogo e aprendizagem em Educação Matemática. Informática e Educação Matemática. WANDERER. In: BERNDFICHTNER.ARAÚJO. 195-215. 1994. Acesso em jan. F. CR. (Coleção Tendências em Educação Matemática). . Técnica. Cidade e campo: relações e contradições entre urbano e rural. .GARNICA. LTC Editora. Maria Teresa de Assunção Freitas. 2004. FERREIRA. A aplicação da metodologia de Resolução de Problemas na Educação no Campo. Etnomatemática:reflexões sobre Matemática e diversidade cultural. p. M. Autentica: 2003. PENTEADO. 123-132.D’AMBROSIO. 2002a. São Paulo: Contexto. cad. 7. CJ de (Org. MKL.). A formação do professor de Matemática para trabalhar na Educação no Campo: exclusão e resistência. Um estudo Etnomatemático de Espacialidade em Laranjal do Jari. Modelagem Matemática na Educação Matemática Brasileira: pesquisas e práticas educacionais.VARGAS. Ensinar e aprender na educação do campo: processos históricos e pedagógicos em relação.br/pdf/ccedes/v27n72/a05v2772. 2007. Cálculo.FERREIRA.Ciência & Tecnologia. Conhecimento. São Paulo: Global. . Belo Horizonte: Autêntica. 2006. Comunicação e Tecnologias da Informação no contexto da Educação do Campo.CASTRO. 177-195. ed. ARAÚJO.A escola cidadã no contexto da globalização. 2010. H & SKOVSMOSE. 27. Ribeirão: Edição Húmus. 3. Etnomatemática. 248p . MS. HL. Roberto Alves Monteiro.). JL (Org. Educação Matemática e Educação no Campo: distanciamentos e aproximações. 2006. v. 8 No2.SANTOS.GUIDORIZZI.BeloHorizonte: Autêntica. M.scielo. . 1999.KNIJNIK.. Ano VIII Vol.CLARETO.CLARETO. Janeiro Junho/2008. LCL. Cálculo Diferencial e Integral e suas aplicações no Campo. Editora Bookman. . v. Santa Cruz do Sul: EDUNISC. . 5a ed. CJ (Orgs. In: Revista OLAM . (Org.ANTON. P. 10. ed. F. 14. Investigações Matemáticas no contexto da Educação no Campo. 2009. currículo e formação de professores.). RA de (Orgs. Luiz Heron da. Aprendendo matemática com o Geogebra. Educação e Educação Matemática em escolas rurais do oeste paulista: um olhar histórico.SPOSITO. Niterói: Editora UFF. AVM. Disponível em http://www. Rio de Janeiro. São Paulo: HUCITEC. . . maio/ago. Etnomatemática e Educação do Campo: reflexões sobre Matemática e diversidade cultural. Ensino-aprendizagem com modelagem matemática. WANDERER. (Org._______. M. inventividade e experiência: potências do pensamento etnomatemático. SM. n.2010. WHITACKER.

2000. DOMITE. VAS. Educação e Pesquisa (USP. Etnomatemática em movimento. Rio de Janeiro: Interciência. p. 59. Boletim de Educação Matemática (UNESP. E. p. v. 2011. G & WANDERER. 112p . 1996. Cenários para investigação. K. v. 1978.MEDEIROS.PONTE. A influência da calculadora na resolução de problemas matemáticos abertos. Belo Horizonte: Autêntica. S. São Paulo: ZOUK. 2001. . Autentica: 2003. DINIZ. Boletim de Educação Matemática (UNESP. F. BOLEMA. v. JP. NSG.).SMOLE. ano 10 (2000). Belo Horizonte. 62-72. Impresso). 2004.KNIJNIK. .RIBEIRO. Educação Matemática em Revista. 14. H. IN: Revista Eventos Pedagógicos.VALLE. . J. v. p. p. 1. 73-98. Etnomatemática: papel. n°14. p. . BOLEMA. Ler. GIONGO. Porto Alegre: Artmed. avanços e novas perspectivas.ONUCHIC. . ALLEVATO. JPM. MISV (Org. Programa Escola Ativa.POLYA. Educação matemática e jogos de linguagem da forma de vida rural do município de Santo Antonio da Patrulha: um estudo sobre o medir a terra e suas unidades de medida. . LR. MCS. Ago-Dez. . escrever e resolver problemas: habilidades básicas para aprender matemática. 2012. ed. FERREIRA.SKOVSMOSE. OLIVEIRA. .KNIJNIK.3. DUARTE. 2011. KNIJNIK. Boletim GEPEM. 211-225. v. Rio Claro. IM. .. F. R (Ed. WANDERER.º 3.OLIVEIRA. Porto Alegre: Artes Médicas. Investigações matemáticas na sala de aula. Impresso). George (1978) A arte de resolver problemas: um novo aspecto do método matemático. 474-483. 2012.). . V.185-202. CG. Impresso). 1a. n. escolas multisseriadas do campo e educação matemática.KNIJNIK. Matemática do Campo: ensinando geometria utilizando o cotidiano do campo. 66-91. p. BROCADO. Rio Claro.). valor e significado. 25. Pesquisa em Resolução de Problemas: caminhos. FALCHETTI. G. 2013. KCS (Org. G. 39. O. G. Exclusão e resistência: educação matemática e legitimidade cultural. .