Capítulo I TEXTOS DE ESTUDOS Para maior produtividade em seus estudos, percorra as descritas a seguir, segundo HUHNE (1990) 1!

"eitura E#plorat$ria presta aten%&o ' organi(a%&o do te#to, ' diretri( do pensamento do autor (título, su)títulos, negritos!!!), o)servando o *ue constitui a introdu%&o, o desenvolvimento e a conclus&o do te#to, ou se+a, a estrutura l$gica do te#to! ,rata-se de uma vis&o glo)al, panor.mica! /! "eitura 0nalítica e#aminar, parte a parte, como o autor apresenta o assunto de *ue 1ala o autor2, como o te#to est3 pro)lemati(ado2, *ual 4 o 1io condutor do assunto2, *ue tipo de raciocínio o autor desenvolve2 Etc! 4 preciso captar a id4ia central e as id4ias su)ordinadas! 5u)lin6ar! 7! "eitura Interpretativa 8ulgar o te#to, veri1icar criticamente a validade das id4ias do autor, at4 *ue ponto voc9 concorda com elas, ler al4m do te#to, perce)er as implica%:es de cada id4ia! ;! Pro)lemati(a%&o "evantar pro)lemas a partir do te#to lido, *uestionar, re1letir so)re a e#ist9ncia, ou n&o, de outras a)ordagens possíveis do tema, revendo todo o te#to!

Centro de Educação Teológica

O ATO DE ESTUDAR < 0to de estudar = Paulo >reire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se 1a(er uma re1le#&o so)re o sentido do estudo! 5egundo suas palavras ?,oda )i)liogra1ia deve re1letir uma inten%&o 1undamental de *uem a ela)ora a de atender ou despertar o dese+o de apro1undar os con6ecimentos na*ueles a *uem se o1erece a )i)liogra1ia@! 5e 1alta o .nimo de usar a )i)liogra1ia em *uem a rece)e, ou se a )i)liogra1ia, em si mesma, n&o 1oi capa( de desa1ia-lo, se 1rustra a re1erida inten%&o 1undamental! 0 rela%&o )i)liogr31ica, ent&o, permanece como um papel inAtil, entre outros, perdidos nas gavetas de um escrit$rio! Essa inten%&o 1undamental de *uem ela)ora a )i)liogra1ia e#ige dele um tríplice respeito a *uem se dirige a )i)liogra1ia, aos autores citados e a ele mesmo! 0 sugest&o de leituras de livros n&o 4 a c$pia dos títulos ao acaso, *uem sugere deve sa)er o *ue e por *u9 sugere! 0*ueles *ue rece)em a rela%&o )i)liogr31ica, por sua ve(, devem ter nela, n&o uma rota dogm3tica de leitura, mas um desa1io, desa1io *ue vai se concreti(ando na medida em *ue v&o estudando e n&o simplesmente lendo, por alto, os livros citados! Estudar, realmente, 4 um tra)al6o di1ícil! E#ige uma disciplina intelectual *ue n&o se gan6a a n&o ser praticando-a! Isto, in1eli(mente, 4 o *ue a educa%&o )ancaria n&o estimula! 0o contrario, sua t4cnica reside, 1undamentalmente, em matar nos educandos a curiosidade, o espírito investigador, sua criatividade! 5ua disciplina 4 a disciplina para a ingenuidade 1rente ao te#to, n&o para a indispens3vel criticidade! Este procedimento ing9nuo ao *ual 4 su)metido o educando, ao lado de outros 1atores, pode e#plicar ?as 1ugas do te#to *ue os / Pes*uisa Educacional

se d3 e#atamente o contr3rio! Paulo >reire. p! 9-1/) A LEITURA No te#to de Paulo >reire n&o s$ 4 possível analisar a pr$pria atitude 1ace ao estudo. mas sua memori(a%&o@! Paulo >reire nos mostra *ue em ve( do estudante tentar compreender o te#to. no seu te#to Considerações em Torno do Ato de Estudar. ele toma como Anico desa1io a sua memori(a%&o! No entanto. e#ige do su+eito uma re1le#&o so)re o pr$prio signi1icado de estudar! (Estes itens encontram-se e#plicitados no te#to *ue se encontra no livro Ação Cultural Para a Liberdade. se voltam a outras situa%:es! < *ue se l6es e#ige n&o 4 a compreens&o do conteAdo.erra. no caso de uma vis&o crítica. como re1le#&o crítica.Centro de Educação Teológica estudantes 1a(em. cu+a leitura se torna puramente mec. cu+o mediador 4 o temaD E! < ato de estudar. como tam)4m se pode estudar a rela%&o com a leitura! N&o nos di( Paulo >reire *ue o ato de ler s$ se reali(a 7 Pes*uisa Educacional .! < ato de estudar depende de uma atitude de 6umildade 1ace ao sa)er! B! < ato de estudar signi1ica compreender e criticar! C! Estudar signi1ica assumir uma misteriosa rela%&o dial$gica com o autor do te#to. prossegue o autor. Fio de 8aneiro Pa( e . nos c6ama aten%&o para os seguintes itens indispens3veis ao ato de estudar 1! < estudante deve assumir o papel de su+eito do ato de estudar! /! < ato de estudar 4 uma atitude 1rente ao mundo! 7! < estudo de um tema especí1ico deve colocar o estudioso a par da )i)liogra1ia em *uest&o! . em imagina%&o.nica. en*uanto.

dos sistemas educacionais 1uncionalistas. síntese. na 4poca atual. e#ige distanciamento e re1le#&o! H um ato *ue s$ se reali(a mediante os procedimentos l$gicos de analise. na margem. temos de nos su)meter a uma s4ria disciplina de tra)al6o 1! Delimitar a unidade de leitura *ue pode ser um capítulo. o *ue 1oi revelado no te#to! Ieste modo. o leitor poder3 levantar outros elementos *ue possam esclarecer mais a leitura! . de imediato n&o se consegue apreender claramente as di1iculdades inerentes ao tra)al6o te$rico! Gas o ato de ler. uma se%&o ou at4 mesmo um grande par3gra1o! < *ue caracteri(a a unidade de leitura 4 a apresenta%&o de sentido de modo glo)al! 5$ ap$s o entendimento dessa unidade 4 possível prosseguir na investiga%&o de novas unidades de leituras! /! Ler repetidas e!es o mesmo te#to para certi1icar-se do alcance da compreens&o verdadeira do assunto em pauta.Centro de Educação Teológica mediante um espa%o de rela%&o dial$gica com o autor2 Esta postura nos remete a *uest&o do pensar! . de modo a)rangente. dependemos das motiva%:es da leitura. 4poca dos meios de comunica%&o de massa. assimilar. escrevendo uma 1rase-resumo! PASSOS IMPORTANTES a! Leitura e"plorat#ria = 4 a 1ase em *ue se deve prestar aten%&o ' diretri( do pensamento do autor! Neste primeiro contato. *ue 4 um ato de concentra%&o. interpreta%&o e +uí(o crítico! Como Ler .Ii(ia um pro1essor de 1iloso1ia ?a intelig9ncia 6umana 4 lenta@! Isto pode signi1icar *ue passamos por um lento processo intelectual at4 vencermos os o)st3culos pessoais e culturais e alcan%armos a e#ata compreens&o de uma mensagem! Esta nem sempre se mostra de imediato no momento da comunica%&o! H necess3rio da nossa parte um espa%o de tempo para *ue possamos decodi1icar. Pes*uisa Educacional . se *uisermos desco)rir a mensagem de um te#to.odavia. gri1ando as id4ias principais de cada par3gra1oJ ao lado.

um es*uema das grandes partes do te#to. *ue e#pressam a estrutura l$gica do pensamento do autor! < es*uema serve para visuali(ar o te#to de modo glo)al! Poder3 procurar dados so)re a vida e a o)ra do autor. de pre1er9ncia dos tr9s momentos da reda%&o Introdu%&o. cu+o mediador n&o 4 o te#to considerado 1ormalmente. 1ase ?da rela%&o dial$gica com o autor do te#to. cu+as respostas revelam o sentido e o conteAdo da mensagem! E#emplos de perguntas 1) Ie *ue 1ala o te#to2 /) Como est3 pro)lemati(ado2 7) Kual o 1io condutor da e#plana%&o2 .Centro de Educação Teológica Nesta primeira leitura corrida n&o conv4m resumir nem su)lin6ar as id4ias-c6ave! . como di( Paulo >reire. so)re as in1luencias *ue rece)eu e at4 mesmo se elucidar so)re o voca)ul3rio *ue ele usa! )! Leitura anal$ti%a = 4 a 1ase do e#ame do te#to ou.) Kue tipo de raciocínio ele segue na argumenta%&o2 . mas o tema. 4 necess3rio *ue a id4ia central de1endida pelo autor s$ pode tomar corpo associada a outras id4ias *ue s&o c6amadas de secund3rias em rela%&o ' principal! Gas como tra)al6ar nesta 1ase da leitura2 0 partir de unidades )em determinadas (par3gra1os) tendo sempre ' 1rente o tema&problema. ou os temas nele tratados@! Nesta etapa 4 necess3rio dei#ar o autor 1alar para tentar perce)er o *u9 e como ele apresenta o assunto! Kuando estamos atentos ao te#to.odavia. Iesenvolvimento e Conclus&o. geralmente surge na mente um con+unto de perguntas. *ue 4 o 1io condutor de todo o te#to! Neste tra)al6o de analise o te#to 4 su)dividido re1a(endo toda a lin6a de raciocínio do autor! Para dei#ar claras a id4ia central e as id4ias secundarias do te#to 4 1undamental a t4cnica de su)lin6ar! B Pes*uisa Educacional .odavia. so)re o momento 6ist$rico *ue ele viveu. 4 possível ela)orar um modo sucinto.

+3 n&o mais estamos apreendendo apenas o 1io condutor do raciocínio do autor como na leitura analítica! Estamos nos posicionando 1ace ao *ue ele di(! Para isso precisamos muitas ve(es de outras 1ontes de consulta! Elas dever&o servir para ampliar a nossa vis&o so)re o assunto e o autor e deste modo servir de instrumento de avalia%&o do te#to! Este momento de crítica. como originalidade. esta postura considerada o)+etiva pode estar t&o presa ' diretri( de uma escola *ue pode at4 impedir a C Pes*uisa Educacional .! Feconstruir o te#to a partir das palavras su)lin6adas em cada par3gra1o! 0 leitura analítica serve de )ase para a ela)ora%&o do resumo ou síntese do livro! Conv4m lem)rar *ue o resumo n&o 4 uma redu%&o de id4ias apreendidas nos par3gra1os. *ue a1inal e#pressa a nossa capacidade de assimila%&o e crítica do te#to! Nessa nova etapa de interpreta%&o. mas 4 1undamentalmente a síntese das id4ias do pensamento do autor! c! Leitura interpretati a = o ato de compreender se a1irma no processo da interpreta%&o. nova contri)ui%&o ' e#plora%&o do assunto. etc!. e#ige uma consci9ncia dos nossos pressupostos de analise diante dos pressupostos do autor! 5e n&o 6ouver distin%&o. provavelmente 6aver3 inter1er9ncia na compreens&o dos 1undamentos )3sicos da mensagem! . coer9ncia interna.Centro de Educação Teológica DICAS 1! Nunca su)lin6ar na primeira leitura! /! 5$ su)lin6ar as id4ias principais e os pormenores signi1icativos! 7! Ela)orar um c$digo a 1im de esta)elecer sinais *ue indi*ue o seu modo pessoal de apreender a leitura! E#! um sinal de interroga%&o 1ace aos pontos o)scuros do par3gra1o um ret.am)4m 4 possível se esta)elecer crit4rios de +ulgamento. todavia. momento de muitas pondera%:es.ngulo para colocar em desta*ue as palavrasc6ave! .

mas. sem 1undamentos por 1alta de e#ame! Como esta)elecer a verdadeira correspond9ncia entre os conceitos de um te#to. nada mais indicativo do *ue o levantamento dos pro)lemas do te#to! Esse es1or%o nos 1a( rever todo o te#to. mas n&o estritamente l$gico! H o ato de se contrapor.Centro de Educação Teológica autocrítica e nos indu(ir a uma postura crítica inade*uada em rela%&o ao assunto e ao autor! < es1or%o de autocrítica nos permite perce)er os limites da certe(a de nossa interpreta%&o como tam)4m possi)ilita prestar maior a ten%&o aos argumentos apresentados pelo autor! Ieste modo. visando separar os elementos de uma realidade comple#a *ue pode ser tanto um o)+eto individual ou uma id4ia! E Pes*uisa Educacional . *ue e#ige uma postura de analise e síntese! 0 an3lise 4 um processo de decomposi%&o de um todo em partes. *ue e#ige uma consci9ncia e um domínio dos processos intelectuais pr$prios ' a)ordagem dos pro)lemas! Ie imediato. as coisas ou as id4ias surgem numa unidade con1usa. na maior parte das ve(es. dando-nos elementos para a re1le#&o pessoal e de)ate em grupo! A CR'TICA ("eda Giranda HL6ne) < *ue voc9 entende por criticar2 Fepare *ue o ato de criticar 4 um +uí(o! Como criticar sem con6ecer a mat4ria *ue esta analisando2 Criticar por criticar 4 um ato psicol$gico. se n&o esta)eleceu a liga%&o ou a separa%&o entre os dados2 < ato de estudar 4 um ato l$gico. sincr4tica. 1icamos sensíveis ' demonstra%&o da verdade e o e#ercício da sua )usca se torna o sentido do nosso estudo e tra)al6o acad9micos! d! Problemati!ação = Para termos certe(a da compreens&o do *ue 1oi lido. indi1erenciada.

E+TO DA CR'TICA DO (Garilena C6auí) !!! Normalmente se imagina *ue a crítica permite opor um pensamento verdadeiro a um pensamento 1also! Na verdade.Centro de Educação Teológica 0 an3lise n&o 4 apenas uma opera%&o. esta)elece ordem entre os elementos c6egando 's ultimas conse*L9ncias! Em)ora a an3lise muitas ve(es se opon6a ' síntese. demonstrar e conse*Lentemente criticar! I( O TRA)AL*O PE+SA. a crítica n&o 4 isso! N&o 4 um con+unto de conteAdos verdadeiros *ue se oporia a um con+unto de conteAdos 1alsos! 0 crítica 4 um tra)al6o intelectual com a 1inalidade de e#plicar o conteAdo de um pensamento *ual*uer. ou tornar e#plícito o implícito2 Essa 1inalidade 4 dupla! M Pes*uisa Educacional . 4 tam)4m um m4todo. para c6egar aos princípios gerais! 0 síntese 4 u processo de composi%&o dos elementos visando c6egar a uma totalidade! Gas tam)4m 4 um m4todo *ue. nem se*uer est3 sendo pensado de maneira consciente! <u se+a. de um discurso *ual*uer. nesse sentido a analise 4 uma divis&o. camin6ar +untas. em outros discursos! Kual 4 a 1inalidade de 1a(er 1alar o sil9ncio. elas devem. pode-se alcan%ar o nível de interpreta%&o ar)itr3ria! 5e o pensar n&o se identi1ica ao raciocinar por*ue sua e#tens&o 4 mais ampla. muitas ve(es. +3 *ue uma complementa a outra! 5e s$ se usa a an3lise 63 o perigo de se perder a vis&o de con+unto! 5e s$ se emprega a síntese. em geral. todavia 4 impossível pensar sem se usar os procedimentos da ra(&o! E s$ deste modo se pode argumentar. para encontrar o *ue est3 sendo silenciado por esse pensamento ou por esse discurso! < *ue interessa para a crítica n&o 4 o *ue est3 e#plicitamente pensado e#plicitamente dito. parte de um dado singular. mas e#atamente a*uilo *ue n&o est3 sendo dito e *ue. partindo de um todo. a tare1a da crítica 4 1a(er 1alar o sil9ncio contido um outros pensamentos.

ainda mais coerente do *ue 6avíamos imaginado. na o)ra de pensamento. de tudo a*uilo *ue pedia interpreta%&o. um con+unto de conteAdos verdadeiros. mas *ue ele n&o di(ia. no caso de uma ideologia. para e#plicitar o implícito ou 1a(er 1alar seu sil9ncio. a tare1a da crítica n&o 4 tra(er verdades para se opor ' 1alsidadeJ mas reali(ar um tra)al6o interpretativo com rela%&o a pensamentos e discursos dados. se destruir ' medida *ue vou e#plicitando tudo *ue nele 6avia. desdo)ramento. capa( de nos dar pistas *ue parecia ' vista estar contido nele! Nesse caso. mas uma 1orma de tra)al6ar! 0 1orma de um tra)al6o intelectual. ainda mais importante do *ue 6avíamos imaginado. o pensamento ou o discurso *ue estou e#aminando se revela insustent3vel. se come%a a desmanc6ar. tudo a*uilo *ue estava implícito. encontrou a ideologia! 0 Ideologia 4 e#atamente a*uele tipo de discurso. se 1or dito. a destrui%&o do pr$prio pensamento! 0ssim. de tal modo *ue a a)ertura de um novo campo de pensamento atrav4s da crítica revela a desco)erta de uma o)ra de pensamento. a desco)erta de tudo o *ue estava silenciosamente contido nela. o *ue se revela para n$s se+a um pensamento ainda mais rico do *ue 6avíamos imaginado. se dissolver.Centro de Educação Teológica 5e *uando e#plicito um pensamento ou um discurso. a crítica encontrou uma o)ra de pensamento propriamente dita! <u se+a. provavelmente. tem-se medo da 9 Pes*uisa Educacional . a*uele tipo de pensamento *ue cont4m um sil9ncio *ue. 1a(endo aparecer tudo a*uilo *ue estava em sil9ncio. e#clui a >iloso1ia de uma Universidade 4. *ue 4 o tra)al6o 1ilos$1ico por e#cel9ncia! Nesse sentido. o *ue di1erencia uma o)ra de pensamento de uma ideologia 4 o 1ato de *ue. 4 a*uilo *ue 1a(. ent&o a crítica encontrou algo muito preciso. a)olir o lugar privilegiado da reali(a%&o da crítica! <)viamente. ao e#plicitar o seu implícito. portanto. se. destr$i a coer9ncia. de tudo a*uilo *ue nela pedia revela%&o. en*uanto a destrui%&o da coer9ncia e da l$gica do *ue 1oi e#plicitado revela *ue desco)rimos uma ideologia! 0 Crítica n&o 4. e#plicita%&o. ao 1a(er isso. a l$gica da ideologia! Gas esse tra)al6o crítico pode encontrar uma outra coisa tam)4m! H per1eitamente possível *ue ao 1a(er 1alar o sil9ncio de um pensamento ou de um discurso.

mas 4 desco)erta de conteAdos escondidos.( SO)RE O CO+*ECI. considerado real. os mestres nos 1alam da necessidade de aprender a con6ecer o mundo e posteriormente da necessidade de autocon6ecimento! 0ssim.E+TO No dia-a-dia.odavia.E+TO . sem colocar em pauta o *ue signi1ica con6ecer! . esse modelo se ac6a comprometido muitas ve(es com os interesses do sistema! < estudo desses pro)lemas nos remete ' constata%&o de controvertidas respostas a e#igir uma an3lise esclarecedora do sentido 10 Pes*uisa Educacional . passivamente. com v3rios campos e 1ormas de con6ecimento. ' medida *ue nos de1rontamos.Centro de Educação Teológica crítica. atrav4s das institui%:es escolares. muitas ve(es deturpado do con6ecimento cientí1ico! Esse modelo tem a sua ra(&o de ser.AS DE CO+*ECI. entramos num emaran6ado de conceitos! Ent&o perce)emos *ue *uase n&o temati(amos *uest:es )3sicas como *uem con6ece2 Como con6ece2 Para *ue con6ece2 < con6ecimento verdadeiro 4 o con6ecimento o)+etivo2 E o con6ecimento su)+etivo 4 1also2 Ho+e. ent&o ela 4 muito perigosa!!! Capítulo II -OR. pois se a crítica n&o tra( conteAdos pr4vios. o ato de con6ecer se mani1esta t&o natural *ue n$s nem nos damos conta da sua comple#idade! Iesde cedo. e#prime um modo de con6ecer e dominar racionalmente a realidade. na rela%&o com o mundo. mas n&o deveria ser a Anica a)ordagem! E mais ainda. um modelo de con6ecimento imposto pela ideologia do sistema tecnocrata! H o modelo. rece)emos. entramos na engrenagem do con6ecimento do mundo.

em especial o)tidos mediante a o)serva%&o. Gito.Centro de Educação Teológica do con6ecimento! 83 *ue e#istem mAltiplas interpreta%:es a respeito do real.eologia s&o ci9ncias2 0 ci9ncia se op:e ao mito2 Em *ue sentido a ci9ncia 4 um mito2 5e procurarmos respostas a essas perguntas somente atrav4s do dicion3rio encontraremos respostas )em determinadas. e rece)ido por n$s. instru%&o. diversos s&o os modos de se en1ocar o con6ecimento! 5$ o e#ame nos possi)ilita compreender o *ue est3 sendo passado de o)scuro e de ideol$gico no meio cultural.AS DE CO+*ECI. Ci9ncia e . imp:e-se um con+unto de *uest:es tais como o *ue 4 con6ecimento2 Como se d3 o con6ecimento2 < *ue especi1ica o con6ecimento cientí1ico2 Kuais as rela%:es do con6ecimento cientí1ico com as outras 1ormas do con6ecimento com a >iloso1ia. sa)edoriaJ 1!7! Con+unto organi(ado de con6ecimento so)re um determinado o)+eto. sem nen6uma pro)lemati(a%&o! Por isso precisamos de outras 1ontes *ue possam nos esclarecer o signi1icado e as rela%:es entre essas 1ormas de con6ecimentos! /( AS -OR. se imp:e um estudo! Ele se diversi1ica em grandes 1ormas de con6ecimento como 5enso Comum.E+TO >ace ' comple#idade do real. 's ve(es am)íguas. na maioria das ve(es sem nen6uma crítica! >ace ' necessidade de se e#plicar a comple#idade do real onde se d3 o con6ecimento. a .! 5oma de con6ecimentos pr3ticos *ue servem a um determinado 1imJ 11 Pes*uisa Educacional . >iloso1ia. encontramos modalidades diversas de con6ecimento! Nesse sentido destacamos 1! Ciência = 1!1! Ci9ncia 4 con6ecimento 1!/! 5a)er *ue se ad*uire pela leitura e modi1ica%&o.eologia! 0o estudarmos estas 1ormas de con6ecimento. a e#peri9ncia dos 1atos e um m4todo pr$prioJ 1!.eologia e o 5enso Comum2 0 >iloso1ia e .

geralmente ligada ' cosmologia e relativa a deuses encarnadores das 1or%as da nature(a eNou de aspectos da condi%&o 6umanaJ 7!7! Fepresenta%&o de 1atos ou personagens reais. Mito – 7!1! Narrativa dos tempos 1a)ulosos ou 6er$icosJ 7!/! Narrativa de signi1ica%&o sim)$lica. *uer pela )usca da realidade capa( de a)ranger todas as outras. e#agerados pela imagina%&o popular. etc) num redu(ido nAmero de princípios *ue l6es servem de 1undamento e l6e restringem o alcanceJ . ou ' 6ist$ria. ela)orada ou aceita pelos grupos 6umanos. etc!J 7!. ou ' sociedade. n&o raro ilus$ria. e *ue tem signi1icativo papel em seu comportamentoJ 7!E! Coisa inacredit3vel.!/! Con+unto de estudos ou considera%:es *ue tendem a reunir uma ordem determinada de con6ecimento ( *ue e#pressamente limita seus campos de pes*uisa.!1! Estudo caracteri(ado pela inten%&o de ampliar incessantemente a compreens&o da realidade.!7! Fa(&o.Centro de Educação Teológica Processo pelo *ual o 6omem se relaciona com a nature(a visando domina-la em seu )ene1ícioJ 1!C! <s con6ecimentos 6umanos considerados em con+unto! /! Senso Comum = /!1! Con+unto de opini:es t&o geralmente aceitas em 4poca determinada *ue as opini:es contr3rias parecem como a)erra%:es individuais! 3. tornando-se o 6omem tema inevit3vel de considera%&oJ .! Pessoa ou 1ato assim representado ou conce)idoJ 7!B! Id4ia 1alsa. o Pensamento. irreal. filosofia – . pela tradi%&o. ou ' rela%:es num4ricas. correspondente na realidadeJ 7!C! Imagem simpli1icada. da pessoa ou de acontecimento. o 5er. no sentido de apreende-la na sua inteire(a. *uer pela de1ini%&o do instrumento capa( de apreender a realidade. ut$pica! 4. sa)edoria! 1!B! 1/ Pes*uisa Educacional . por e#! ' nature(a.

devemos padecer de pro1unda inseguran%a! H preciso *ue morra a ilus&o do Porto 5eguro! Por*ue 4 uma ilus&o t4trica! Fevela uma neurose geom4trica! 0o inv4s de vivermos das evid9ncias e das teorias certas.eoria do con6ecimento 4.Centro de Educação Teológica 0( O PRO)LE. como o seu nome indica. como se 1Ossemos propriet3rios da verdade.E+TO 17 Pes*uisa Educacional . pois no nosso caso. em *ue consiste a sua estrutura geral! 4( A EXPERI5+CIA DO CO+*ECI. de uma ilus&o ou de um sa)er mumi1icado! >ace ' verdade. n&o tratar3 de esta)elecer o *ue 4 pr$prio de um con6ecimento determinado. nen6um ramo do sa)er possui a verdade! Esta n&o se dei#a aprisionar por nen6uma constru%&o intelectual! Uma verdade possuída n&o passa de um mito.E+O DO CO+*ECI.E+TO 0 . por meio da auto-re1le#&o so)re a*uilo *ue vivemos *uando 1alamos do con6ecimento! Este m4todo c6ama-se >EN<GEN<"PQIC< e 4 distinto do psicol$gico! En*uanto *ue esse Altimo investiga os processos psí*uicos concretos no seu curso regular e a sua cone#&o com outros processos. isto 4. antes de 1iloso1ar so)re o o)+eto. essenciais deste 1enOmeno. esse peculiar 1enOmeno de consci9ncia! >a(emo-lo. mas sim o *ue 4 essencial a todo o con6ecimento. procurando apreender os tra%os gerais. uma e#plica%&o 1ilos$1ica do con6ecimento 6umano! Gas. o primeiro aspira a apreender a ess9ncia geral no 1enOmeno concreto! No nosso caso. o)servar com rigor e descrever com e#atid&o a*uilo a *ue c6amamos con6ecimento.A DA 1ERDADE Io ponto de vista epistemol$gico. n&o descrever3 um processo de con6ecimento determinado. 4 necess3rio e#aminar escrupulosamente esse o)+eto! Uma e#ata o)serva%&o e descri%&o do o)+eto devem preceder *ual*uer e#plica%&o e interpreta%&o! H necess3rio. precisamos viver de apro#ima%:es da certe(a e da verdade! 2( O -E+3. uma teoria.

E+TO 0 capacidade dos 6omens pode 1a(er con6ecimento. eles nascem como seres pensantes +untamente com a*uilo *ue eles pensam e con6ecem! E nessa rela%&o se estrutura o con6ecimento 6umano! R medida do desenvolvimento desse processo. eu estou simplesmente no mundo! C! 5e a mina ca)e%a posi%iona&se diante do %on:e%imento. posicionar-se diante do con6ecimento! 0! 5e a min6a ca)e%a 9a! %on:e%imento. ' sua 6ist$ria! <s 6omens interpretam a realidade e se mostram nesta interpreta%&o! 0í. assim os 6omens se con6ecem e se ela)oram! Iesse modo o con6ecimento 4 uma 1orma de estar no mundo! E o processo do con6ecimento mostra aos 6omens *ue eles +amais ser&o alguma coisa pronta na medida em *ue est&o sempre nascendo de novo. usar con6ecimento. os 6omens se a1irmam. Pes*uisa Educacional . e ir al4m da realidade imediata! <s 6omens s&o os seres *ue superam a animalidade com a racionalidade! 0ssim. eu estou %riti%amente no mundo! 1. RELA78O AO CO+*ECI. podemos o)servar *ue con6ecimento 4 nascer (naissance) com ( con )! <s 6omens se marcam como di1erentes dos outros seres e#atamente pela capacidade de con6ecer! Ii1erentemente dos outros animais. eu estou %riati amente no mundo! S! 5e a min6a ca)e%a usa %on:e%imento. os 6omens s&o os Anicos seres *ue possuem ra(&o.Centro de Educação Teológica 5e )uscamos a palavra 1rancesa connaissance. os 6omens. imediatamente apreendem essa realidade em rela%&o ao seu eu. *uando t9m a coragem de se mostrarem a)ertos diante da realidade! 6( POSSI)ILIDADES E. ' parte dos outros animais e seres! E. ao entrarem em contato com a realidade. capacidade de relacionar. *ue 4 6ist$rico. eles di(em da realidade e di(em de si mesmos! E *uando di(em. ' sua cultura.

o ato de estudar torna-se muitas ve(es mec. *uer no .E+TA78O PESSOAL < Para *uem cedo 1oi o)rigado a ir ' escola. o ato de estudar torna o estudante respons3vel pela sua aprendi(agem! Neste sentido. títulos e promo%:es! Paulo >reire.m)ito de cultura geral! Para guardar tal volume de dados. ou s$ ocasionalmente reali(amos.( A DOCU. todavia. da documenta%&o pessoal como 1orma de estudo pode se tornar um 1ator continuo de desenvolvimento intelectual! No início pode dar a impress&o ser uma atitude )urocr3tica.ICO . nos c6ama a aten%&o para o ?ato de estudar. a 1im de conseguir notas. estudar re*uer uma atitude de op%&o na diretri( *ue se *uer seguir no ato de estudar! <u procuramos compreender *ue o ?ato de estudar 4 uma ocupa%&o 6umildeJ e como tal 1a(emos rigorosos es1or%os para ad*uirir 63)itos de estudo. ao constatar a sua necessidade e utilidade. *ue 4 um tra)al6o di1ícil e *ue e#ige uma disciplina intelectual *ue n&o se gan6a a n&o ser praticando-a@! Ieste modo.nico! Estuda-se por*ue se deve estudar.ETODOLO. de modo improvisado. 4 necess3rio criar e organi(ar um 1ic63rio pessoal e um ar*uivo! N&o se trata de instalar 1B Pes*uisa Educacional . as dAvidas s&o dissipadas! 0 pr3tica de documenta%&o possi)ilita o domínio das in1orma%:es rece)idas *uer na 3rea especí1ica. na sua re1le#&o so)re o ato de estudar. a pr3tica.Centro de Educação Teológica Capítulo III .IA DO TRA)AL*O ACAD5. as tare1as de estudo! No primeiro caso.

> Um Es?uema a) Ieve evidenciar o es*ueleto da o)ra (a organi(a%&o l$gica do te#to. atrav4s de gr31icos. por conta pr$pria. /. colocando em desta*ue a inter-rela%&o das id4ias) )) N&o 63 regras para a e#ecu%&o! Cada um pode ela)orar. dar títulos e su)títulos 's id4ias.O . o seu modo de estruturar a síntese do te#to. 1!/!. nAmeros. a)revia%:es convencionais para 1acilitar a apreens&o r3pida das id4ias! 0( RESU. /!1!. a organi(a%&o de materiais coletados 1acilita a reali(a%&o de tra)al6os cientí1icos! 0r*uiva-los ordenadamente 4 tare1a simples e 1ar3 com *ue os dados constantes das 1ic6as este+am disponíveis para o uso rapidamente! /( ES=UE.> Di%as de Elaboração 1C Pes*uisa Educacional . etc! 0parentemente uma tare1a )urocr3tica. colunas para separar as divis:es sucessivas! Usar o sistema de numera%&o progressiva (1. letras maiAsculas. mas de esta)elecer um espa%o onde voc9 poder3 encontrar sempre o material coletado! 0os poucos voc9 perce)er3 a 1le#i)ilidade e a praticidade do uso de 1ic63rio! Kuanto 's 1ontes de documenta%&o ser&o n&o s$ as leituras. para indicar as divis:es sucessivas! c) Utili(ar alguns sím)olos. palestras. algarismos romanos. mas apontamentos de aulas. 1!1!. c$digos e palavras! /> Di%as para Elaboração de Es?uema a) 0p$s a leitura cuidadosa do te#to./!/ etc).Centro de Educação Teológica um 1ic63rio do tipo pr$prio aos setores administrativos. semin3rios.A . colocando-as em desta*ue na margem! )) 0dotar o sistema de c6aves.

indicando as p3ginas! 2( -IC*AS E -IC*ARIO .> Di%as sobre a TB%ni%a de -i%:amento Kuanto mais se estuda. ela)orada pelo pr$prio autor (ou editor)! c) Resumo ou abstra%t < 4 uma 1orma de síntese das id4ias principais de um te#to 1re*Lentemente seletivo. n&o se e1etua! 1E Pes*uisa Educacional . na maior parte das ve(es. o 1io condutor tra%ado pelo autor! c) Ieve e#pressar capacidade de síntese de tal modo *ue possam 1icar em desta*ue conceitos 1undamentais do te#to! d) Ieve ter um cun6o pessoal *ue permita mostrar a assimila%&o individual! /> Obser ações Importantes@ a) Re%ensão < um outro nome de resumo! H uma e#posi%&o. 4 uma enumera%&o das principais partes e se%:es da o)ra! Ie pre1er9ncia. isto 4. e#ige interesse. vir destituído de críticas! d) Sumario < n&o 4 um resumo (recens&o). devendo. por*ue 4 uma apresenta%&o concisa *ue acompan6a o te#to. es1or%o. deve aparecer no ca)e%al6o de cada capítulo enumerando os conceitos *ue v&o ser apresentados em cada par3gra1o do te#to! e) 'ndi%e < 4 uma ta)ela. mais se perce)e *ue o ato de estudar 4 e#tremamente lento. por*ue o o)+etivo )3sico da aprendi(agem. em síntese. desenvolvimento e conclus&o). disciplina! N&o adianta ler ou levantar dados super1icialmente. uma lista )em organi(ada *ue aparece no 1im e no princípio do livro.nica capa( de revelar o plano l$gico da reda%&o (introdu%&o. das principais id4ias de um te#to! )) Sinopse < n&o se con1unde com resumo (recens&o). *ue 4 a assimila%&o da mat4ria.Centro de Educação Teológica a) Um resumo deve se caracteri(ar pela 1idelidade 's id4ias do autor! 0 interpreta%&o deve 1icar ao nível da o)+etividade! )) Ieve apresentar uma estrutura org.

)aseando-se ou n&o em outros autores e outras o)ras! e) I ea!"o = colocando em desta*ue as novas id4ias *ue surgiram durante a leitura re1le#iva! 0> -i%:as@ )iblioCrD9i%as e de ConteEdo( 0 palavra 1ic6amento 4 um termo usado constantemente no meio intelectual. como uma 1orma de 1ic6a de leitura! . a palavra 1ic6amento e#pressa um tipo de investiga%&o *ue se caracteri(a pelo uso de 1ic6as ( de pre1er9ncia) ou de 1ol6as soltas.ra)al6o *ue se )aseia no es*uema (na introdu%&o pode 1a(er uma pe*uena apresenta%&o 6ist$rica ou ilustrativa)! c) Cita!%es = apresentando as transcri%:es signi1icativas da o)ra! d) Co$entários = e#pressando a compreens&o crítica do te#to.odavia. lem)ramos *ue o 1ic6amento 4 uma 1orma de investiga%&o *ue se caracteri(a pelo ato de 1ic6ar (registrar) todo o material necess3rio ' compreens&o de um te#to ou tema! Para isso. tendo por 1im registrar todo o material *ue 1oi assimilado ao longo das leituras 1eitas! Essa t4cnica de tra)al6o n&o s$ 1acilita a compreens&o do assunto como tam)4m a+uda na e#ecu%&o de tare1a! Para 1a(er o 1ic6amento 4 necess3rio usar principalmente dois tipos de 1ic6as a) &ic'a Bibliográfica ( visa dar in1orma%:es )3sicas so)re um livro (ou *ual*uer pu)lica%&o)! H3 duas variedades por assunto e por autor!  -i%:a )iblioCrD9i%a por assunto 1M Pes*uisa Educacional .Centro de Educação Teológica Ieste modo. de modo vago. 4 preciso usar 1ic6as *ue 1acilitam a documenta%&o e preparam a e#ecu%&o do tra)al6o! Iestacamos dois tipos de 1ic6as a) Bibliográfica (assunto e autor) )) Conteú o (resumo e c$pia-cita%&o) /) Um 9i%:amento %ompleto < deve apresentar os seguintes dados a) In ica!"o bibliográfica = mostrando a 1onte de leitura! )) Res#$o = sinteti(ando o conteAdo da o)ra! .

títulos da o)ra. Editora. a uma investiga%&o rigorosa! N&o 63 dAvida *ue a reda%&o liter3ria 4 mais 19 Pes*uisa Educacional 4( .ítulo da o)ra Intervalo de uma lin6a Iiversos di(eres apresentados sucessivamente autor (so)renome gri1ado. con1erencias. nAmero de p3ginas! )) &ic'a e Conteú o = . em geral se associa a uma composi%&o liter3ria ou a uma disserta%&o ou tese! No primeiro caso. volume. nome)! Editora. nome). p3ginas! REDA78O DO TRA)AL*O CIE+T'-ICO Kuando se 1ala de reda%&o. data. data. gri1ando-se a id4ia principal). capítulo.am)4m c6amada 1ic6a mnemOnica (au#iliar da mem$ria). local. etc)! H3 duas variedadesJ copia (cita%&o) e resumo (recens&o)!  -i%:a&%#pia = trata-se de uma transcri%&o *ue dever3 1icar entre aspas e os trec6os n&o citados dever&o ser su)stituídos por retic9ncias! Esta 1ic6a deve ser 1eita ap$s a leitura cuidadosa do trec6o a ser copiado! & Ela)ora%&o Colocar em desta*ue na primeira lin6a o assunto e as id4ias complementares entre par9ntese! "in6a seguinte a partir da margem 0utor (so)renome gri1ado. data.ítulos da o)ra (por e#tenso. usada para os diversos tipos de anota%:es (leitura. relaciona-se a um tra)al6o 1antasiosoJ no segundo. nAmero da edi%&o.& & &  & & & Centro de Educação Teológica . Editora. local. local. nAmero da edi%&o. nome)! Intervalo de uma lin6a Iiversos di(eres apresentados sucessivamente . nAmero de p3ginas! -i%:a )iblioCrD9i%a por autor Na primeira lin6a 0utor (so)renome gri1ado. nAmero da edi%&o.

Centro de Educação Teológica livre *ue a pes*uisa cientí1ica por*ue n&o tem compromisso com as verdades *ue 1oram enunciadas so)re uma *uest&o! Ela pode por isso mesmo 1icar no campo das impress:es! Gas antes de ela)orar uma reda%&o. 4 necess3rio uma pausa para re1le#&o e inven%&o! < primeiro momento. apesar dos o)+etivos di1erentes. e#ige ade*uada 1ormali(a%&o e e#press&o de id4ias! 0s t4cnicas de reda%&o n&o visam 1ormar escritores. e#ige *ue se ten6a domínio de determinadas regras de ela)ora%&o de um te#to! 0ssim. um relat$rio. n&o 4 produto de uma inspira%&o ou dom! Como um ato l$gico. *ue se desenvolve por tr9s 1ases introdu%&o. para poder levantar id4ias a respeito do assunto *ue se dese+a desenvolver e comunicar! Nos livros de t4cnicas de reda%&o 4 dado um con+unto de regras para se seguir a 1im de se conseguir um )om domínio da escrita. por*ue ela /0 Pes*uisa Educacional . a introdu%&o 4 a 1ase primordial e imprescindível. todos os tipos de reda%&o t9m um mesmo camin6o de ela)ora%&o um plano l$gico. psicol$gicos. voltado para a comunica%&o de massa. pode-se evitar uma s4rie de erros ao se tentar seguir as regras gramaticais! Entretanto. uma resposta a um *uestion3rio. uma prova na )ase da reda%&o. desenvolvimento e conclus&o! 1! Introdução = Ieve indicar o assunto da mat4ria a ser lida! N&o 4 possível apresentar uma regra geral por*ue depende do tipo de o)+etivo do tra)al6o! a) No )ornalis$o. para tornar claro o o)+etivo do tra)al6oJ o segundo. semel6ante ao ato de 1alar. econOmicos e políticos *ue a1inal orientam a educa%&o de cada pessoa! Entretanto. um semin3rio. mas a aprendi(agem envolve diversos 1atores sociais. mas apenas indicar condi%:es para se alcan%ar uma consciente concatena%&o de id4ias! Ie 1ato. 4 importante 1risar *ue escrever 4 um ato proveniente de e#ercício. um pensamento claro s$ se consegue alcan%ar *uando se c6ega ' lu( das 1al6as pertinentes ' estrutura%&o do plano ou ' incoer9ncia das id4ias! Kual*uer tra)al6o acad9mico se+a um resumo.

di(er onde. isto 4. )aseando-se num re1erencial te$rico e n&o nas suas impress:es! <s peritos recomendam o)+etividade durante a e#posi%&o das id4ias e criticam o uso do ver)alismo. ou apresentando-o em 1orma de 6ip$tese! 5egundo os estudiosos. na introdu%&o. *uando. por*ue ele ainda n&o 1oi e#posto! Desen ol imento = Considerado o corpo do tra)al6o. 4 comple#o o assuntoJ  Fe1erirse a dados 6ist$ricos *ue remetem a longas descri%:esJ  0present ar e#emplos *ue de início pouco ilustram o temaJ  Indicar solu%:es para o tema *ue de antem&o n&o interessam. a depender das e#ig9ncias a cumprir! Iesde modo. discute. prova o seu ponto de vista. 6armoni(a as duas partes anteriores e d3 unidade ao tra)al6o! 0í se encerra o círculo! /1 Pes*uisa Educacional . nesta 1ase ele e#plica.)) c) /! 7! Centro de Educação Teológica deve revelar a notícia. isto 4. visa desdo)rar a id4ia central (o tema) ' lu( da e#plora%&o ou da argumenta%&o! Num tra)al6o cientí1ico. das 1rases *ue nada di(em! Con%lusão = Caracteri(a-se por ser um resumo sint4tico da argumenta%&o empregada! H uma volta ' introdu%&o. o autor prop:e o assunto. nesta 1ase 63 algumas posturas *ue podem ser evitadas  Come%ar por lugares comuns! E#! 4 estran6o. deve persuadir o leitor atrav4s dos recursos da l$gica de demonstra%&o! 5e. a introdu%&o tem por 1im apenas sugerir o *ue vai ser e#plorado com arte no desenvolvimento! No trabal'o cient*fico 63 diversos modos de a)ordagem. ou se coloca o tema num *uadro te$rico pro)lemati(ando-o. *uem e como algo aconteceu! Na re a!"o literária.

se 1a( necess3rio cortes e adi%:es de palavras ou 1rases! Ieste modo. um período de tempo (?corte epistemol$gico@). desenvolvimento e conclus&o! Conv4m iniciar cada par3gra1o atrav4s do t$pico 1rasal (ora%&o principal).) . *uando se muda de assunto. *ue geralmente se )aseia na associa%&o livre de id4ias e imagens! Para conseguirmos e#planar as id4ias de modo coerente.ipos de tra)al6o escrito 1) Fela%&o de 1atos para in1ormar o leitor ou mostrar progressos 1eitos em uma 3rea de con6ecimento em determinado período de tempo! /) In1orma%&o. uma situa%&o. de início. constituído de v4rte)ras. ela deve aparecer mais uma ve(! REDA78O DO TRA)AL*O ESCRITO H uma e#posi%&o *ue tem por o)+etivo apresentar os resultados da investiga%&o so)re determinado assunto! . )aseada em investiga%:es do pes*uisador *ue analisa uma o)ra. um acontecimento. esta 4 desdo)rada pelas id4ias secundariasJ todavia.ese. desenvolve-se uma id4ia central *ue se encontra ligada 's ideais secund3rias devido ao mesmo sentido! 0ssim. ela n&o deve seguir o ritmo comum do nosso pensamento. interligadas entre si! < par3gra1o (v4rte)ra) 4 a unidade! Em cada um. muda-se de par3gra1o! c) Um par3gra1o segue a mesma circunstancia l$gica de toda a reda%&oJ introdu%&o. toda reda%&o 4 provis$ria e re*uer um rascun6o! )) 0 estrutura da reda%&o assemel6a-se a um es*ueleto.Centro de Educação Teológica DICAS@ a) Para a reda%&o ser )em concisa e clara. etc!J 7) Iisserta%&o de t4rmino de curso ou estudos de mestradoJ . onde se e#pressa a id4ia predominante! Por sua ve(. um tra)al6o *ue a1irma e sustenta uma opini&o com a 1inalidade de persuadir ou recomendarJ conclus&o de doutoradoJ 6( // Pes*uisa Educacional . no 1inal. ou se+a. constituído de um ou mais períodos.

i/#lgar #$ 0rocesso.-. analisada criticamente para se c6egar ' sua solu%&o! DESE+1OL1I. -. Infor$ar. procurando esgota-lo (disserta%&o e tese s&o tipos de monogra1ias)J C) 0presenta%&o pessoal de desco)ertas de v3rios autores so)re determinado assunto! Ponto de Partida = a e#ist9ncia de um pro)lema *ue precisa ser de1inido. #$a 20oca.E+TO DOS PASSOS DE ELA)ORA78O 1! A es%ol:a do tema = deve merecer o maior cuidado por parte do estudante.1. e#aminado. nunca tentar ela)orar um tra)al6o *ue n&o l6e agrade ou *ue n&o +ulgue digno de tempo.+.Centro de Educação Teológica B) Gonogra1ia um tra)al6o *ue a)orda apenas um assunto. o# /7 Pes*uisa Educacional .-.orna-se necess3rio levar em conta +. etc! /! O ObFeti o do Trabal:o o desenvolvimento do tra)al6o ser3 orientado pelo o)+etivo *ue o pes*uisador tem em mente! Ieve visar a -. o sucesso do tra)al6o! . cultural. As infor$a!%es sobre o te$o  0ntes de iniciar o tra)al6o. 6ist$rica. pois dela pode depender. aten%&o e es1or%o *ue a ele dedicar3! +.tens"o o te$a = deve ser cuidadosamente dosada em rela%&o ao pra(o determinado para a ela)ora%&o do tra)al6o! H possível delimitar-se um tema considerando 1!7!1! Período de tempo (?corte epistemol$gico@) 1!7!/! 5itua%&o geogr31ica (limite de a)rang9ncia) 1!7!7! 5igni1ica%&o política. analisar #$a obra. etc. veri1icar as in1orma%:es disponíveis so)re o assunto e a 1acilidade de acesso 's mesmas! 1!7! A e.+. social. em grande parte. O interesse o te$a  Teri1icar se o tema *ue pretende escol6er 4 de interesse geral. -.

7! A Elaboração do Plano Ini%ial esta)elecer um 6ierar*uia l$gico dos t$picos a serem desenvolvidos so)re o assunto! N&o 4 apenas a organi(a%&o convencional das partes de um todo. anu3rios estatísticos. para isto. mas uma estrutura. 0tlas.ncia a um título ou t$pico ou ainda. considerando /. a ar*uitetura l$gica do tra)al6o! No plano. etc! 3. &ase Pre0arat4ria5  Ie1ini%&o dos termos *ue constituem o tema e. Pes*uisa Educacional .!/!7! Procedimento 1a(er o levantamento do maior nU possível de 1ontes )i)liogr31icas de consulta. o pes*uisador dever3 consultar o)ras did3ticas *ue l6e dar&o uma vis&o glo)al do tema escol6ido! Iever3 1a(er uma lista das *uest:es mais importantes a pes*uisar! Quiando-se pelo plano inicial.! O Le antamento das -ontes )iblioCrD9i%as@ apresenta duas 1ases 3. enciclop4dia.3. ar*uivando as anota%:es so)re os títulos e su)títulos *ue ser&o desenvolvidos! . suprimir alguns ou acrescentar outros. o pes*uisador poder3 iniciar sua pes*uisa. as partes devem estar sistematicamente vinculadas entre si e ordenadas em 1un%&o da unidade do con+unto! < plano inicial 4 provis$rio e passível de ser modi1icado *uando ' ordem dos títulos e su)títulos.-. deve-se usar dicion3rios. considera-lo secund3rio! Para ela)ora-lo. 0ers#a ir o# reco$en ar. selecionar a*uelas mais signi1icativas. A Pes6#isa Bibliográfica5  Identi1ica%&o e sele%&o das o)ras *ue tratam do temo a ser estudado! .!/!/! <)ras de re1er9ncia organi(adas para guiar o leitor no uso da )i)lioteca e no aproveitamento dos recursos *ue pode proporcionar o acervo no pr$prio local! .!/!1! 0 consulta aos 1ic63rios da )i)lioteca . atri)uir maior import.+.Centro de Educação Teológica -.

pre1erencialmente em 1ic6as ou 1ol6as soltas.ncia e a 1inalidade do tra)al6o eNou as ra(oes da escol6a do temaJ 1) Em n&o ampli3-la demasiadamente! /B Pes*uisa Educacional . organi(andoas por t$picos e n&o por autor(es)! C! A Re isão do . cada parte guardando rela%&o ade*uada a ser desenvolvida com as demais. o autor deve se preocupar a) Em situar o tema no tempo e no espa%oJ )) Em 1ornecer os dados )iogr31icos necess3rios (*uando se tratar das id4ias de uma pessoa)J c) Em apresentar. *uando +3 se tiver uma vis&o glo)al do assunto! 0o preparala. )em como o estado da *uest&o a ser desenvolvida! Corresponder3 a mais ou menos 10V do tra)al6o.G plano@ A Redação do Plano De9initi o@ < plano dever3 ser organi(ado de uma maneira l$gica cada uma das divis:es e su)divis:es destacando-se convenientemente.Centro de Educação Teológica a) 5e o autor 4 considerado autoridade no assunto *ue trataJ )) 5e o período 4 recon6ecido como criterioso e s4rio no meio acad9mico! c) 5e a(s) enciclop4dia(s) 4(s&o) autentica(s)J d) 5e a o)ra 4 atuali(ada (*uando a atuali(a%&o 1or dese+3vel)! 4( A Leitura e a Anotação B!1! deve ser 1eita a leitura das o)ras selecionadas e a anota%&o es*uem3tica ou transcri%&o de trec6os +ulgados importantes para o tra)al6o. pelo menos resumidamente. deve ser 1eita por Altimo. 1undindo uma na outra e constituindo um todo! E! Redação do Ras%un:o@ o tra)al6o escrito. os o)st3culos *ue se op:em ao estudo e#austivo do tema *uando o tra)al6o n&o o esgotarJ d) Em evitar ?1rases 1eitas@ e ?de1ini%:es )atidas@J e) Em avaliar a import. em)ora diga respeito a temas di1erentes. apresenta-se geralmente em tr9s partes 0 Introdu%&o apresenta%&o clara e simples do tema *ue ser3 a)ordado.

e#plicativo ou incidental.estar.m)ito da discuss&oJ 1) >a(er re1er9ncia a ponto +3 mencionado ou a mencionar no corpo do tra)al6o! 0 Si)liogra1ia vem no 1im do tra)al6o e deve ser organi(ada em ordem al1a)4tica. atrav4s da cita%&o direta ou re1er9ncia )i)liogr31ica. principalmente /C Pes*uisa Educacional . levando-o a conclus&o e seguindo os t$picos e su)t$picos plane+ados pelo autor! 0 Conclus&o deve conter uma síntese da primeira parte do tra)al6o (o assunto tratado. da o)ra e da p3gina)J c) .Centro de Educação Teológica < Iesenvolvimento 4 a 1undamenta%&o l$gica do tra)al6o! Ieve seguir uma ordem *ue 1acilite o raciocínio do leitor. al4m da opini&o do autor so)re o tema estudado. dispens3vel no corpo do tra)al6oJ )) Esta)elecimento da 1onte da *ual se tirou o material citado (redu(ida ao nome do autor. de acordo com a nature(a do tra)al6o a) 0plica%:es pr3ticas da teoria estudadaJ )) Corol3rios *ue se dedu(em da tese geral e#posta c) 0)ertura a novos pro)lemas (sugest:es para *ue se reali(em novos estudos so)re o tema) 0s Notas podem ser e#plicativas (colocadas no p4 da p3gina) eNou )i)liogr31icas (colocadas no 1inal do tra)al6o) e t9m as seguintes 1inalidades a) Evitar so)recarregar o te#to com material e#planativo. a validade ou n&o da a1irma%&o 1eitaJ d) Gostrar diverg9ncias entre autores *ue a)ordaram o mesmo assuntoJ e) 0mpliar o . )em como respostas o)+etivas 's *uest:es levantadas! Ieve conter. seus limites *uanto ' e#tens&o e ' pro1undidade e os o)+etivos *ue o autor pretende atingir). segundo o so)renome dos autores! A CO+CLUS8O < sucesso na ela)ora%&o de *ual*uer tra)al6o escrito depende.

Centro de Educação Teológica a) Ia cuidadosa investiga%&o do temaJ )) Ia 6a)ilidade em escol6er e avaliar in1orma%:esJ c) Io desenvolvimento ordenado dos t$picos. em conson.ncia com os o)+etivos do tra)al6o! /E Pes*uisa Educacional .