MECÂNICA DOS SÓLIDOS

R Renato Aki Akio Ikeoka Ik k

ESTÁTICA Á DAS PARTÍCULAS Í

Aula 3

INTRODUÇÃO ROD ÇÃO
• Consideração: representação corpo como uma partícula. partícula de uma

• Efeitos das forças que atuam sobre uma partícula; • Utilização representar forças; da força o mesmo resultante para efeito de várias

• Estudo dos corpos em equilíbrio.

sua direção e seu sentido. sentido . sua intensidade.FORÇAS NO PLANO FORÇA SOBRE UMA PARTÍCULA Í – Ç RESULTANTE DE DUAS FORÇAS ▫ Uma força representa ação de um copo sobre geralmente caracterizada p por seu outro e é g ponto de aplicação.

força ▫ A linha de ação é a linha reta infinita ao longo da qual a força atua. ▫ A direção é definida pela linha de ação e pelo sentido da força.FORÇAS NO PLANO ▫ A intensidade i t id d de d uma a força f é caracterizada t i d por um certo número de unidades (N). caracterizada pelo ângulo que ela forma com o eixo fixo. .

FORÇAS NO PLANO 30º 30º .

MEDIDA ENERGIA VOLUME .GRANDEZA ESCALAR MASSA • GRANDEZA DEFINIDA POR: i) UM VALOR TEMPO ESCALAR TEMPERA TURA NUMÉRICO(módulo) ii) UNIDADE DE MEDIDA.

GRANDEZA VETORIAL • GRANDEZA DEFINIDA POR: i) MÓDULO.. ii) DIREÇÃO iii) SENTIDO FORÇA VELOCI DADE ACELERA ÇÃO VETORIAL MOMENTO ETC ETC.. .

) • E um sentido. ( Sentido Módulo Linha de ação . (Sentido da “flecha”). (Que é o comprimento da reta) • Tem uma direção (Linha de ação). E tem algumas características t í ti bá básicas.V t Vetor • É um ente t matemático t áti representado t d por um segmento de reta orientado. i • Possuí módulo.

letra V F d • Notação: V grandeza ou vetor V l V l = V intensidade ou módulo .Representação de uma Grandeza G Vetorial • A As grandezas d vetorial t i l são ã representadas t d com uma letra l t que representa a grandeza e uma a flecha sobre a letra.

C Comparação ã entre t vetores t • Vetores Iguais a b Mesmo Módulo Mesma Direção Mesmo Sentido a=b r s .

C Comparação ã entre t vetores t • Vetores Opostos a b c r s t Sobre os vetores b e c podemos afirmar: Tem o mesmo módulo. a=b=-c O vetor c é oposto aos vetores a e b. mesma direção mas sentidos opostos. .

S Soma V Vetorial t i l • Através da soma vetorial encontramos o vetor resultante R (substituição de todos os vetores envolvidos por apenas um). um) • Vamos utilizar duas regras para fazer a soma vetores: R Regra d Polígono do P lí e Regra R d Paralelogramo. do P l l .

A B B C D A C R D . t Li Ligam-se os vetores t origem i com extremidade formando um polígono.Regra do polígono: é utilizada na adição de qualquer quantidade tid d de d vetores.

Método Gráfico do Polígono g V1 V2 S .

formando assim um paralelogramo. 2) ) A B A R B O vetor resultante (R). será o vetor que une a origem dos dois vetores com o cruzamento das duas retas paralelas a cada vetor. .Regra do Paralelogramo: é utilizada para realizar a adição de apenas dois vetores que devem estar unidos pela origem (no mesmo ponto).

cos α 2 2 2 . a α b R Reta Paralela ao vetor a e que passa pela extremidade do vetor b. o valor desse vetor resultante será á dado d d pela l lei l i dos d cossenos: R = a + b + 2. E o módulo.b.Fazendo a Soma através da Regra do Paralelogramo Reta Paralela ao vetor b e q que p passa pela extremidade do vetor a.a. ou seja.

a.Regra do Paralelogramo: Casos P ti l Particulares 1º ) α = 0º R=a+b 3º ) α = 90º R=a+b 2 2 2 2 2 2 2º ) α = 180º R=a-b Sendo assim. qualquer que seja o ângulo entre os dois vetores o valor da resultante será: R = a + b + 2.cos α | a – b | ≤ R ≤ a + b .b.

Exemplos 1) VETORES DE MESMA DIREÇÃO E SENTIDO ( α =0º ) VR = VB + VC .

2) Vetores de mesma direção e sentidos contrários (α =180 º ) α = 180º Vvento α = 180º Vavião VR = Vaviao .Vvento .

3) Vetores perpendiculares ( α =90 º) V = V1 + V2 2 2 2 .

R=a-b R a -b .Subtração de vetores • Considere os dois vetores a seguir: b a Inversão do vetor originalmente representado.

têm o mesmo efeito sobre a partícula. juntas. partícula ▫ Da mesma maneira. . uma força única que atua sobre uma partícula pode ser substituída por duas ou mais forças que.FORÇAS NO PLANO DECOMPOSIÇÃO DOS COMPONENTES DE UMA FORÇA ▫ Duas ou mais forças que atuam sobre uma partícula podem ser substituídas por uma força única que tem o mesmo efeito sobre a partícula.

e o processo de substituição é denominado decomposição dos componentes da força. . o ça ▫ Conjuntos de d dois d componentes são ã os mais importantes no que concerne a aplicações práticas.FORÇAS NO PLANO ▫ Essas forças são chamadas de componentes da força original.

FORÇAS NO PLANO • COMPONENTES RETANGULARES DE UMA FORÇA Ç ▫ Em muitos problemas será desejável decompor uma força em dois componentes que são perpendiculares entre si. y r Fy 0 r F θ r Fx x .

sen(θ ) . cos(θ ) Fy = F .FORÇAS NO PLANO ▫ Em termos de vetores unitários: y r Fy 0 r F θ r Fx r r Fx = Fx i r r Fy = Fy j x r r r F = Fx i + Fy j Fx = F .

EXERCÍCIOS .

. g Determine os componente vertical e horizontal dessa força. . como mostra a figura.(1) Uma força de 800N é exercida no parafuso A.

(2) Um homem puxa com a força de 300N uma corda amarrada a um edifício. como mostra a fi figura. Q i Quais os componentes horizontal h i l e vertical da força exercida pela corda no ponto A? .

h i l . Determine a intensidade da força e o â ângulo l θ que ela l forma f com a horizontal.150i + 6.r r r F = 3.750 j ( ) Uma força (3) f é aplicada li d a um parafuso A.

Determine sua resultante. .(4) As duas forças P e Q atuam sobre um parafuso A.

45º (b) o valor l de α para o qual a tração do cabo 2 é mínima.250N 22 250N dirigida di i id ao longo l do d eixo i da d barcaça.(5) Uma barcaça é puxada por dois rebocadores rebocadores. (a) determine a força de tração em cada um d cabos. . dos b sabendo b d que o ângulo â l α = 45º. Se a resultante das forças exercidas pelos rebocadores é uma força f de d 22.

para uma dada velocidade. .(6) Como parte do projeto de um novo barco a vela. a tração é de 180N no cabo AB e de 270N no cabo AE. Leituras de dinamômetros indicam que. é colocado um modelo d l d do casco proposto t em um canal de teste e são usados três cabos para manter sua proa na linha l h d de centro do canal. Determine a força de arrasto exercida no casco e a tração no cabo AC. Para tal. deseja-se determinar a f força de d arrasto t que pode d ser esperada d a uma dada velocidade.