A Classificação de Risco na Regulação Médica e nos Atendimentos PréHospitalares em Minas Gerais Cesar Augusto Soares Nitschke (cesarnits@gmail.

com) Welfane Cordeiro Júnior (welcj@uol.com.br) Nara Lúcia Carvalho da Silva (carvalho.nara@gmail.com) Rasível dos Reis Santos Júnior (rasivel@gmail.com)

A Classificação de Risco de Manchester será utilizada em Minas Gerais como auxiliar do processo de Regulação Médica das Urgências tentando objetivar e diminuir o tempo-resposta da tomada de decisão. A tomada de decisão pelo Médico Regulador poderá ser respaldada apenas com a utilização da Classificação de Risco ou quando o mesmo julgar procedente mudanças quanto à decisão ou avançar no processo regulatório, caberá ao mesmo executá-las, permanecendo assim a liberdade da utilização do discernimento clínico para as situações de urgência. Utilizar-se-á três níveis de cores para a regulação médica das urgências: Vermelho, Amarelo e Verde. Assim sendo, para fins de regulação médica do SAMU, atribuiremos como prioridade vermelha (emergência) todas as situações que correspondam às cores vermelha e laranja do protocolo de Manchester, ou seja situações que exijam atendimento imediato como comprometimento de via aérea, respiração ineficaz, hemorragia exanguinante, convulsão atual, choque, hipoglicemia, etc; e situações que tenham dez minutos como tempo alvo como dor severa, mecanismo de lesão, história significativa de incidente, grande hemorragia incontrolável, alteração do estado de consciência, dor precordial, etc. Isto é perfeitamente compreensível, pois o tempo máximo para o atendimento dos pacientes que se encaixam nestes níveis de prioridade é de dez minutos e precisamos levar em consideração o tempo de deslocamento da equipe do SAMU, ou seja, o tempo resposta. Em relação às demais urgências, utilizaremos as cores amarelas, conforme preconizado pela Classificação de Risco de Manchester e por fim a cor Verde, sendo que nesta última englobase as situações Verdes e Azuis da Classificação de Risco de Manchester. As urgências amarelas deverão ser priorizadas em relação às verdes, sendo que, em nenhuma hipótese as verdes poderão exceder, para fins de tratamento como urgências, o tempo final de quatro horas para seu atendimento/resolução/destino final.

TABELA RELACIONANDO MANCHESTER E SAMU

Discriminadores gerais Obstrução de vias aéreas Respiração inadequada Hemorragia exangüinante Choque Convulsionando Criança irresponsiva Dor intensa Hemorragia maior incontrolável Alteração da consciência Criança febril Hipotermia Dor moderada Hemorragia menor incontrolável História de inconsciência Adulto febril Dor leve recente Febre baixa Evento recente

Prioridade pelo Manchester

Tipo de código pelo SAMU

Tempo alvo em minutos 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 60 60 60 60 120 120 120 240

Não problema recente

Vermelho Vermelho Vermelho Vermelho Vermelho Vermelho Laranja Laranja Laranja Laranja Laranja Amarelo Amarelo Amarelo Amarelo Verde Verde Verde Azul

Vermelho Vermelho Vermelho Vermelho Vermelho Vermelho Vermelho Vermelho Vermelho Vermelho Vermelho Amarelo Amarelo Amarelo Amarelo Verde Verde Verde Verde

No atendimento pré-hospitalar, pelas unidades móveis, a Classificação de Risco de Manchester, em sua forma original, deverá ser utilizada como primeira abordagem ao paciente/vítima, priorizando ações a serem tomadas assim como facilitando a interface de comunicação com a Central de Regulação Médica das Urgências do SAMU assim como com as Unidades de Saúde que receberão o paciente/vítima.