Núcleos de preenchimento

Diversos materiais vêem sendo utilizados na confecção de núcleos de preenchimentos ao longo dos anos devido à necessidade de reconstrução da anatomia e recondicionamento do tecido para receber próteses e pinos. Os principais usados são os amálgamas, os Ionômeros de vidro, os Ionômeros de vidro modificados por resina e as resinas compostas. Outras materiais mais novos ainda necessitam estudos como os núcleos pré-fabricados de fibra de vidro e zircônia. Com o estudo da literatura e a experiência clinica empírica, muitos pesquisadores chegaram a conclusão de que quando o remanescente dental tem hígido menos do que ½ da sua coroa, devemos fazer o uso de núcleos de preenchimento e pinos, principalmente se for um paciente com hábitos parafuncionais como o bruxismo. Já o núcleo de preenchimento pode ser feito em qualquer situação onde se quer o restabelecimento da anatomia e função perdida de modo que o remanescente possa proporcionar resistência e retenção adequadas para receber uma prótese ou restauração. Morgano e Brackett (1999) citaram quais seriam as propriedades desejadas de um material de preenchimento que incluem adequada resistência para resistir aos esforços mastigatórios, suficiente força flexural, biocompatibilidade, resistência à infiltração de fluidos orais para a interface dente-núcleo, facilidade de manipulação, adesão com o remanescente dental, coeficiente de expansão térmica e contração similar à estrutura dental, estabilidade dimensional, mínimo potencial para absorção de água e inibição da doença cárie. Analisando as características citadas acima, podemos ver que o material de preenchimento prefeito ainda não existe, mas, alguns materiais possuem características mais favoráveis e outros menos favoráveis para serem usados como núcleo de preenchimento. A grande maioria dos profissionais opta por usar as resinas compostas como material de preenchimento devido às suas propriedades estéticas, facilidade de manipulação, boa resistência e baixa solubilidade. Toda resina usada como material de preenchimento deveria ser radiopaca, ter em sua composição uma grande porcentagem de carga para conferir resistência e ser pigmentada para mostar o tamanho e limites do preenchimento. Como principais limitações das resinas podemos citar a contração de polimerização, expansão higroscópica e a formação de bolhas e falhas no momento de sua inserção. Outro ponto importante é a incompatibilidade das resinas com os cimentos de óxido de zinco e eugenol que são amplamente utilizados em dentes tratados endodonticamente. Outros materiais são utilizados para preenchimento como os amálgamas, que vêem caindo em desuso devido às suas limitações e dificuldade para uso com essa finalidade, os cimentos de ionômero de vidro puros e os modificados por resinas, que são excelentes materiais para preenchimento mas devem ser utilizados com cautela e somente em áreas de pouco esforço mastigatório, pois não possuem uma resistência muito grande. Um estudo feito por Pilo R et al (2002) mostrou que não existem muitas diferenças na fratura e falhas quando comparou-se resinas com ouro e amálgama. Por outro lado, o cimento de ionômero de vidro mostrou ser fraco para suportar forças de tensão e compressão e no estudo de Millstein PL

(1991) mostrou não ter resistência à fratura para ser um material de preechimento, portanto, deve-se usar com cautela e em áreas de pouco ou nenhum esforço mastigatório. Mannocci F et al (2005) fez um estudo comparando dentes com lesão de classe II restaurados com amálgama e pinos de fibra + compósitos mostrando resultados de 5 anos. Como conclusão o autor viu que o pino + compósito foi mais eficiente em evitar fraturas no dente, enquanto o amálgama foi mais eficiente evitando cáries secundárias. Uma opção interessante de material foi relatada por Mcardle BF (2000) no JADA, onde ele diz usar uma resina flow, devido a sua viscosidade e fluidez, para preencher os espaços entre os pinos e o dente, com isso, consegue-se uma estrutura com pouco ou nenhum espaço entre o dente e o pino. Além de conseguir uma melhor resistência devido à ausência de espaços vazios também é conseguida uma melhor adaptação da resina de preenchimento. Ainda nas pesquisas sobre resinas do tipo flow, mas dando ênfase à adesividade, que é o assunto mais pesquisado quando falamos de núcleos de preenchimento, Ferrari M et al (2006) investigou a força de adesão de 2 resinas para preenchimento, uma flow e uma densa, somadas à 3 tipos diferentes de adesivos. A conclusão foi que o tipo da resina não influencia a adesão com o pino ou com a dentina. Por outro lado, o adesivo tem influência direta sobre a força de adesão com o pino e a dentina. Salameh Z et al (2006) estudando a adesão resina-pino com diferentes tipos de resinas usadas para preenchimento, chegou a conclusão de que resinas de polimerização dual são mais indicadas na confecção desses núcleos. A resina MultiCore flow obteve melhores resultados do que as resinas Filtek Flow, Tetric Ceram, e Filtek Z250. Sendo que a Tetric Flow obteve resultados bem melhores do que a Filtek Z-250. Aksornmuang J et al (2006) estudou forças de adesão de uma resina dual sobre a superfície de de um pino de fibra de quartzo. Nos resultados pode-se observar que o grupo que era silanizado obteve os melhores resultados e que a aplicação de adesivo no pino aumentou significativamente a adesão quando comparado com o grupo controle, sendo que nas porções mais apicais do pino a resistência era diminuída, fato que não aconteceu com o grupo sinalizado. Wrbas KT et al (2006) afirma que a força de adesão entre o material de preenchimento resinoso e o pino de fibra é diretamente influenciado pelo desenho do pino e pela própria resina. A combinação de materiais de preenchimento com o tipo do pino em fibra tem uma grande influência na força de tensão adesiva desta interface. Outras opiniões são encontradas na literatura como Sadek FT et al (2007) que como conclusão do seu estudo sobre força de adesão de diferentes compósitos usados como núcleo de preenchimento ao redor de pinos de fibra, diz que resinas modificadas para preenchimentos e resinas híbridas são melhores do que resinas flow para se fazer um núcleo de preenchimento. E, todos os grupos tiveram resultados semelhantes com exceção do grupo das resinas flow que obtiveram resultados bem inferiores, sendo que todos adaptaram bem ao pino e todos mostraram pequenos espaços não preenchidos quando analisados no microscópio eletrônico. Por outro lado, Monticelli F (2005) comparou 11 marcas e tipos de resinas: Z100, Light-Core, Lumiglass, Gradia Direct, Build-It!, Tetric Ceram, Biscore self-curing, Unifil Flow, Definite Flow, Tetric Flow e AEliteFlo. Os espécimes foram seccionados e por meio da análise das bolhas e falhas nos

compósitos em microscópio eletrônico, gerou-se um score. As resinas do tipo flow geraram a melhor integridade e adaptação ao redor do pino. Uma pesquisa interessante foi feita por Tachibana K el al (2004), onde foi avaliado o stress de contração gerado pela técnica incremental de polimerização em vários tipos diferentes de resinas usadas para preenchimento. Como resultado, o autor observou que o tipo da resina e o modo em que era feito o incremento tem influência direta sobre o stress de contração das resinas. Construções incrementais, com resinas de baixo modo de elasticidade, não reduziram a intensidade do stress de contração quando comparadas com técnicas de incremento único. Chutinan S et al (2004) em sua pesquisa sobre mudanças de dimensão volumétrica em 6 diferentes materiais para núcleo de preenchimento pode ver que todos os materiais exibiram mudanças dimensionais. O Ketac-Silver foi o que apresentou o maior encolhimento em óleo de silicone e o Fuji II LC foi o que apresentou a maior expansão em água destilada. Os materiais à base de ionômero de vidro mostraram uma maior diferença na expansão e contração quando comparados com os materiais resinosos.

Referências Millstein PL, Ho J, Nathanson D. Retention between a serrated steel dowel and different core materials. J Prosthet Dent 1991;65: 480-2. Morgano SM, Brackett SE. Foundation restorations in fixed prosthodontics: current knowledge and future needs. J Prosthet Dent 1999;82:643-57. Pilo R, Cardash HS, Levin E, Assif D. Effect of core stiffness on the in vitro fracture of crowned, endodontically treated teeth. J Prosthet Dent 2002;88:302-6. Cheung W. A review of the management of endodontically treated teeth: Post, core and the final restoration. JADA 2005; 136:611-619 Christensen GJ. Post and cores: State of art. JADA 1998; 129:96-97. Christensen GJ. When to use fillers, build-ups or post and cores. JADA 1996; 127:1397-1398. Mcardle BF. Enhancing the retention of prefabricated metal posts and resin cores. JADA 2000; 131:1470-1471. Ferrari M et al. An investigation of the interfacial strengths of methacrylate resinbased glass fiber post-core buildups. J Adhes Dent 2006; 8:239-45. Salameh Z et al. Adhesion between prefabricated fiber-reinforced posts and different composite resin cores: a microtensile bond strength evaluation. J Adhes Dent. 2006; 8:113-7. Aksornmuang J et al. Regional bond strengths of a dual-cure resin core material to translucent quartz fiber post. Am J Dent 2006; 19:51-5. Wrbass KT et all. Bond strength of different resin composites to fiber-reinforced posts. Schweiz Monatsschr Zahnmed 2006; 116:136-41. Sadek FT et al. Bond strength performance of different resin composites used as core materials around fiber posts. Dent Mater 2007; 23:95-9. Monticelli F et al. Scanning electron microscopic evaluation of fiber post-resin core units built up with different resin composites. Am J Dent 2005; 18:61-5 Mannocci F et al. Randomized clinical comparison of endodontically treated teeth restored with amalgam or with fiber posts and resin composite: five-year results. Oper Dent 2005; 30:9-15. Tachibana K et al. Effects of incremental curing on contraction stresses associated with various resin composite buildups. Quintessence Int 2004; 35:299-306.

Chutinan S et al. Volumetric dimensional change of six direct core materials. Dent Mater 2004; 20:345-51. Baratieri LN. Odontologia Restauradora: Fundamentos e possibilidades. 1ª edição. São Paulo: Editora Santos 2006. P.673-722. Pegoraro, LF. Odontologia Restauradora: Fundamentos e possibilidades. 1ª edição. São Paulo: Editora Santos 2006. P.673-722.