You are on page 1of 29

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

METEOROLOGIA

FCA 105-3

CÓDIGOS METEOROLÓGICOS METAR E SPECI

2008

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA
DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

METEOROLOGIA

FCA 105-3

CÓDIGOS METEOROLÓGICOS METAR E SPECI

2008

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

PORTARIA DECEA Nº 77 /SDOP, DE 16 DE OUTUBRO DE 2008.

Aprova a reedição do Folheto sobre os Códigos Meteorológicos METAR e SPECI.

O CHEFE DO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES DO DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO, no uso das atribuições que lhe confere o Artigo 1°, inciso III, da Portaria DECEA nº 1-T/DGCEA, de 1º de janeiro de 2008, RESOLVE: Art. 1° Aprovar a reedição do FCA 105-3 “Códigos Meteorológicos METAR e SPECI”, que com esta baixa. Art. 2° Este Folheto entra em vigor em 05 de novembro de 2008. Art. 3º Revoga-se a Portaria DECEA Nº 25/DGCEA, de 11 de novembro de 2004, publicada no BCA nº 229, de 9 de dezembro de 2004.

(a) Brig Ar JOSÉ ROBERTO MACHADO E SILVA Chefe do Subdepartamento de Operações do DECEA

(Publicada no BCA nº 206, de 31 de outubro de 2008)

FCA 105-3 / 2008

SUMÁRIO
1 1.1 1.2 1.3 2 2.1 2.2 2.3 3 3.1 3.2 3.3 4 4.1 4.2 4.3 5 6 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES................................................................................ FINALIDADE.................................................................................................................. ÂMBITO........................................................................................................................... CONCEITUAÇÕES E SIGLAS....................................................................................... O SERVIÇO DE METEOROLOGIA AERONÁUTICA..........................................
OBJETIVO E RESPONSABILIDADE........................................................................................ FORNECIMENTO, GARANTIA DA QUALIDADE E UTILIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES METEOROLÓGICAS.................................................................................................................. NOTIFICAÇÕES EXIGIDAS DOS USUÁRIOS........................................................................

7 7 7 7 8 8 8 9 11 11 11 12 22 22 23 25

CÓDIGOS METEOROLÓGICOS METAR E SPECI............................................... FORMA SIMBÓLICA..................................................................................................... DEFINIÇÃO..................................................................................................................... CONTEÚDO..................................................................................................................... PREVISÃO DE TENDÊNCIA...................................................................................... FORMA SIMBÓLICA..................................................................................................... INDICADOR DE MUDANÇA........................................................................................ ELEMENTOS DA TENDÊNCIA....................................................................................

DISPOSIÇÕES GERAIS............................................................................................... 28 DISPOSIÇÕES FINAIS................................................................................................. 29 REFERÊNCIAS.............................................................................................................. 30 Anexo A - Tabela 4678.................................................................................................. 31

FCA 105-3 / 2008

1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1 FINALIDADE O presente Folheto tem por finalidade divulgar aos aeronavegantes as formas de codificação e interpretação dos Códigos Meteorológicos METAR e SPECI. 1.2 ÂMBITO Este Folheto aplica-se no âmbito do Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB) e entre os usuários da Meteorologia Aeronáutica. 1.3 CONCEITUAÇÕES E SIGLAS 1.3.1 NUVENS DE SIGNIFICADO OPERACIONAL Nuvem com altura da base abaixo de 1.500 metros (5.000 pés) ou abaixo da altitude mínima de setor mais elevada, destes valores o maior, ou nuvens Cumulonimbus (CB) ou Cumulus congestus de grande extensão vertical (TCU), em qualquer altura. NOTA : Altitude mínima de setor é definida como a altitude mais baixa que pode ser usada, provendo-se uma separação mínima de 300 metros (1.000 pés) acima de todos os obstáculos contidos em um setor circular de 46 km (25 NM) de raio centrado no auxílio à navegação básico do procedimento.

1.3.2 PONTO DE REFERÊNCIA DO AERÓDROMO Localização geográfica de um aeródromo. 1.3.3 VISIBILIDADE Visibilidade, para fins aeronáuticos, é definida como a maior distância em que um objeto, de dimensões apropriadas, pode ser visto e identificado, quando observado de encontro a um fundo brilhante; ou, a maior distância em que luzes na vizinhança podem ser vistas e identificadas, quando observadas de encontro a um fundo escurecido. 1.3.4 VISIBILIDADE PREDOMINANTE O maior valor de visibilidade, observada conforme a definição de visibilidade, que cubra, pelo menos, a metade do círculo do horizonte ou, pelo menos, a metade da superfície do aeródromo. Estas áreas podem compreender setores contíguos ou não.

8

FCA 105-3 / 2008

2 O SERVIÇO DE METEOROLOGIA AERONÁUTICA 2.1 OBJETIVO E RESPONSABILIDADE 2.1.1 O objetivo do Serviço de Meteorologia Aeronáutica é o de contribuir para a segurança, regularidade e eficiência da navegação aérea internacional. 2.1.2 Este objetivo é alcançado através do fornecimento de informações meteorológicas necessárias ao desempenho das respectivas funções dos seguintes usuários: operadores, tripulantes de vôo, órgãos do Serviço de Tráfego Aéreo, órgãos do Serviço de Busca e Salvamento, aeroportos e outras pessoas envolvidas com o desenvolvimento da navegação aérea internacional. 2.1.3 Cada país membro da OACI deve determinar os tipos de serviço de Meteorologia Aeronáutica que irá disponibilizar para atender às necessidades da navegação aérea internacional. Essa determinação será feita conforme as disposições da OACI e em respeito aos Acordos Regionais de Navegação Aérea, que deverão incluir a determinação do serviço a ser prestado à navegação aérea internacional, sobre as águas internacionais e em outras áreas que se encontram fora do território do país em questão. 2.1.4 Cada país membro da OACI deve designar uma autoridade meteorológica para fornecer ou solicitar que sejam fornecidos serviços meteorológicos à navegação aérea internacional, em seu nome. Detalhes desta designação devem ser incluídos em publicação nacional de informações aeronáuticas. NOTA : A autoridade meteorológica no Brasil é o Diretor-Geral do DECEA. 2.1.5 Cada país membro da OACI deve assegurar que a autoridade meteorológica cumpra os requisitos da Organização Meteorológica Mundial (OMM) em matéria de formação, qualificação e treinamento do pessoal de Meteorologia que presta serviços para a navegação aérea internacional. 2.2 FORNECIMENTO, GARANTIA DA INFORMAÇÕES METEOROLÓGICAS QUALIDADE E UTILIZAÇÃO DE

2.2.1 Uma estreita ligação deve ser mantida entre todos os responsáveis por fornecer as informações meteorológicas e aqueles que as utilizam, em questões que afetem o fornecimento de serviços meteorológicos para navegação aérea internacional. 2.2.2 Para cumprir o objetivo do Serviço de Meteorologia Aeronáutica para a navegação aérea internacional, o país membro da OACI deve assegurar que a autoridade meteorológica designada estabeleça e implemente um sistema de qualidade que inclua procedimentos, processos e recursos necessários para possibilitar a gestão da qualidade da informação meteorológica a ser fornecida aos usuários. 2.2.3 O sistema de qualidade estabelecido deve estar em conformidade com o padrão ISO 9000, que constitui numa série de normas padrões de garantia da qualidade certificadas por um organismo aprovado. NOTA : O padrão ISO 9000 fornece uma base para o desenvolvimento de um programa de garantia da qualidade. Os detalhes desse programa estão a cargo de cada país.

FCA 105-3 / 2008

9

2.2.4 O sistema de qualidade deve garantir aos usuários que a informação meteorológica fornecida cumpra os requisitos em termos de cobertura geográfica e espacial, formato e conteúdo, horário e freqüência de emissão e período de validez, bem como a precisão das medições, observações e previsões. Quando este sistema indicar que a informação meteorológica fornecida aos usuários não está em conformidade com os requisitos, a informação não deverá ser fornecida, a menos que seja validada pelo órgão que a originou. 2.2.5 Em relação ao intercâmbio de informações meteorológicas operacionais, o sistema de qualidade deve incluir um processo de verificação e validação dos procedimentos e recursos para acompanhar as transmissões de mensagens e/ou boletins individuais, bem como os horários e períodos preestabelecidos para o respectivo envio. O sistema de qualidade deve ser capaz de detectar períodos de demora no recebimento de mensagens e/ou boletins recebidos. 2.2.6 A constatação de conformidade do sistema de qualidade deve ser aplicada por auditoria. Se forem identificadas não-conformidades no sistema, devem ser iniciadas ações no sentido de determinar e corrigir a causa. Todas as observações feitas pela auditoria deverão ser, devidamente, comprovadas e documentadas. 2.2.7 As informações meteorológicas fornecidas devem ser apresentadas de maneira que exijam um mínimo de interpretação por parte dos usuários. 2.3 NOTIFICAÇÕES EXIGIDAS DOS USUÁRIOS 2.3.1 O usuário do Serviço de Meteorologia Aeronáutica que queira sugerir mudanças na prestação do referido serviço deve notificar, com antecedência, à autoridade meteorológica ou ao Centro Meteorológico, conforme o caso. 2.3.2 Esta notificação, por parte do usuário, será realizada quando: a) novas rotas ou novos tipos de operações forem planejados; b) forem realizadas mudanças em vôos regulares, de caráter permanente; c) forem planejadas outras alterações que afetem a prestação do referido serviço. NOTA : Essas informações devem conter todos os detalhes necessários ao planejamento.

2.3.3 O CMA deve ser comunicado por um usuário ou por um membro de tripulação de vôo: a) sobre os horários dos vôos; b) quando os vôos não-regulares estão sendo utilizados; e c) quando os vôos estão atrasados, cancelados ou adiantados. 2.3.4 A notificação ao CMA, de cada um dos vôos, deverá conter as seguintes informações, exceto no caso dos vôos regulares, onde o requisito para todas ou algumas destas informações pode ser dispensado por acordo entre o CMA e o usuário: a) aeródromo de partida e hora prevista de partida; b) aeródromo de destino e hora prevista de chegada; c) rota a ser voada e hora estimada de chegada e de partida de qualquer aeródromo intermediário;

10

FCA 105-3 / 2008

d) aeródromos de alternativa necessários para completar o planejamento do vôo; e) nível de cruzeiro; f) tipo de vôo (por instrumento ou visual); g) tipo de informação meteorológica solicitada por um membro da tripulação de vôo (documentação de vôo, briefing meteorológico ou consulta); e h) horários e período de validez das referidas informações.

FCA 105-3 / 2008

11

3 CÓDIGOS METEOROLÓGICOS METAR E SPECI 3.1 FORMA SIMBÓLICA
METAR ou SPECI CCCC YYGGggZ AUTO dddffGfmfm KMH ou KT ou MPS dndndnVdxdxdx NsNsNshshshs ou VVhshshs ou NSC ou NCD

VVVV ou VVVVNDV ou CAVOK

VNVNVNVNDV

RDRDR/VRVRVRVRi ou RDRDR/VRVRVRVRVVRVRVRVRi

w'w'

T'T'/T'dT'd

QPHPHPHPH

REw'w'

WS RDRDR ou WS ALL RWY

(WTsTs/SS’)

(RDRDRERCReReRBRBR)

(TTTTT ou NOSIG) (RMK .......)

TTGGgg

dddffGfmfm

KMH ou KT ou MPS

VVVV ou CAVOK

w'w' ou NSW

NsNsNshshshs ou VVhshshs ou NSC

3.2 DEFINIÇÃO 3.2.1 METAR Nome do código utilizado para a descrição completa das condições meteorológicas observadas em um aeródromo. É reportado em intervalos regulares. 3.2.2 SPECI Nome do código utilizado para a descrição completa das condições meteorológicas quando ocorrerem variações significativas entre os intervalos das observações regulares. NOTA 1: Ambas as informações destinam-se à divulgação de informações meteorológicas para fora do aeródromo de origem, principalmente para planejamento de vôo e difusão VOLMET e D-VOLMET. NOTA 2: Os informes METAR e SPECI podem conter uma previsão de tendência, quando estabelecido por Acordo Regional de Navegação Aérea. NOTA 3: Os grupos indicados entre parênteses se utilizam em conformidade com decisões regionais ou nacionais.

12

FCA 105-3 / 2008

3.3 CONTEÚDO Os códigos METAR e SPECI contêm as seguintes informações na seqüência: a) grupos de identificação; b) vento à superfície; c) visibilidade; d) alcance visual na pista (quando houver); e) tempo presente; f) nuvens (ou visibilidade vertical, se for o caso); g) temperaturas do ar e do ponto de orvalho; h) pressão (QNH); e i) informações suplementares de inclusão condicional, se for o caso, sobre tempo recente, cortante do vento, temperatura da superfície do mar e estado do mar. NOTA : A abreviatura RMK indica o início de uma seção contendo informações incluídas por decisão nacional, e que não serão divulgadas internacionalmente. 3.3.1 GRUPOS DE IDENTIFICAÇÃO 3.3.1.1 Formato METAR SBGL 131000Z 3.3.1.2 Descodificação a) nome do código – METAR (ou SPECI); b) indicador de localidade da OACI – SBGL; e c) dia do mês e horário da observação, em horas e minutos UTC, seguidos, sem espaço, da letra indicadora Z – 131000Z. NOTA : Quando a palavra AUTO for inserida antes do grupo de vento indica que o informe foi gerado por uma EMS automática, sem intervenção humana. Somente aplicável em horários que o aeródromo não estiver em funcionamento. 3.3.2 VENTO À SUPERFÍCIE 3.3.2.1 Formato METAR SBGL 131000Z 31015G27KT 280V350 NOTA 1: A direção do vento à superfície será sempre informada em relação ao norte verdadeiro. NOTA 2: O Brasil adotou o nó (KT) como unidade de velocidade do vento.

FCA 105-3 / 2008

13

3.3.2.2 Descodificação 3.3.2.2.1 Normalmente, teremos um grupo de cinco algarismos indicando o vento médio dos dez minutos precedentes à observação, seguido da unidade usada. Os três primeiros algarismos indicam a direção e os dois últimos, a velocidade. Exemplo: 31015KT

3.3.2.2.2 Se, durante o período de dez minutos que precede a observação, a rajada máxima do vento exceder a velocidade média de 10 nós (5 m/s ou 20 km/h) ou mais, esta velocidade máxima será indicada por Gfmfm (gusts – rajadas) imediatamente depois de dddff, seguido, sem espaço, pela unidade utilizada para informar a velocidade do vento. Exemplo: 31015G27KT

3.3.2.2.3 Se durante o período de dez minutos precedentes à observação, a variação total da direção do vento for de 60º ou mais, porém inferior a 180º, e a velocidade média for de 3 nós (2 m/s ou 6 km/h) ou mais, as duas direções extremas observadas serão informadas em dndndnVdxdxdx, no sentido horário, com a letra V inserida entre as duas direções. Exemplo: 31015G27KT 280V350

NOTA : Se durante os dez minutos precedentes à hora da observação, tiver ocorrido descontinuidade significativa de, no mínimo, dois minutos, os valores médios do vento deverão ser medidos no período pós-descontinuidade. 3.3.2.2.4 Casos especiais a) vento calmo – será codificado 00000 seguido, sem espaço, da unidade de velocidade; Exemplo: 00000KT b) vento variável – será informado como VRB quando, - a variação total da direção for de 60º ou mais, porém inferior a 180º, com velocidade média inferior a 3 nós (2 m/s ou 6 km/h); e Exemplo: VRB02KT - a variação da direção for de 180º ou mais, ou quando é impossível se determinar uma única direção do vento, por exemplo, quando uma tempestade passa sobre o aeródromo, com valores de velocidade maiores; Exemplo: VRB23KT c) vento de 100 kt ou mais – os grupos ff e fmfm serão precedidos da letra P e informados como P99KT. Exemplo: 240P99KT (direção 240º, velocidade de 100kt ou mais).

14

FCA 105-3 / 2008

3.3.3 VISIBILIDADE 3.3.3.1 Será sempre informada a visibilidade horizontal predominante. Exemplo: 8000 (oito mil metros)

3.3.3.2 Além da visibilidade predominante, será informada a visibilidade mínima e sua direção geral em relação ao aeródromo, indicando um dos pontos cardeais ou colaterais, quando esta for: a) inferior a 1.500 metros; ou b) inferior a 50% da predominante e inferior a 5.000 metros. Exemplos: 8000 1400S (8.000 m de predominante e 1.400 m no setor sul) 6000 2800NE (6.000 m de predominante e 2.800 m no setor nordeste) NOTA 1: Quando for observada visibilidade mínima em mais de uma direção, deverá ser notificada a direção mais importante para as operações. NOTA 2: Quando for utilizado um sistema automático de observação e, os sensores de visibilidade estiverem instalados de forma que a variação direcional não possa ser indicada, a abreviatura NDV (no directional variation) deverá ser anexada à visibilidade informada. NOTA 3: Quando a visibilidade for de 10 km ou mais, esta será informada como 9999. NOTA 4: Quando a visibilidade horizontal não for a mesma em diferentes direções e quando a visibilidade flutuar rapidamente e a visibilidade predominante for menor que 5.000 metros, o grupo VVVV será utilizado para informar a visibilidade mínima, sem notificar a sua direção. 3.3.4 ALCANCE VISUAL NA PISTA (RVR) 3.3.4.1 Quando o RVR puder ser determinado e for informado, o grupo será formado pela letra R seguida do designador de pista e de uma barra (/) seguida do RVR em metros. Exemplo: R10/1100 (RVR na pista 10, 1.100 metros)

3.3.4.2 O valor de 50 metros será considerado como o limite inferior e o valor de 2.000 metros como o limite superior para as avaliações do alcance visual na pista. Fora destes limites, as informações serão dadas, unicamente, como sendo o alcance visual na pista inferior a 50 metros ou superior a 2.000 metros. 3.3.4.3 O RVR será informado em incrementos de 25 m até 400 m, em incrementos de 50 m entre 400 e 800 m e em incrementos de 100 m acima de 800 m. 3.3.4.4 Casos especiais 3.3.4.4.1 Quando a visibilidade no aeródromo for menor que 2.000 metros e o valor do RVR for maior que o máximo que pode ser medido, será informado como P2000. Exemplo: R10/P2000 (RVR na pista 10, maior que 2.000 metros)

FCA 105-3 / 2008

15

3.3.4.4.2 Quando o RVR for menor que o mínimo valor possível de ser medido, será informado como M0050. Exemplo: R10/M0050 (RVR na pista 10, menor que 50 metros)

3.3.4.4.3 Se os valores do RVR, durante o período de dez minutos que antecede a observação, mostrarem uma clara tendência a aumentar ou diminuir, tal que a média dos primeiros cinco minutos varie de 100 metros ou mais da média dos cinco minutos seguintes do período, serão indicados por i = U ou i = D para valores crescentes e decrescentes de RVR, respectivamente. Quando não for observada mudança significativa, utilizar-se-á i = N. Quando não for possível determinar a tendência, i deverá ser omitido. Exemplo: R12/1100U (RVR na pista 12, 1.100 metros com tendência a aumentar)

3.3.4.4.4 Quando os valores do RVR de um minuto, durante o período de dez minutos precedentes à hora da observação, diferirem dos valores médios em mais de 50 metros ou em mais de 20%, qualquer que seja o maior, os valores (média mínima e média máxima) deverão ser reportados, respectivamente, como exemplo abaixo, ao invés da média dos 10 minutos. Exemplo: R10/1000V1500

3.3.4.4.5 O designador de cada pista sobre a qual se informa seu alcance visual será indicado por DRDR. As pistas paralelas serão distinguidas adicionando-se a DRDR, as letras L, C ou R, que indicarão, respectivamente, pista paralela esquerda, central ou direita. A(s) letra(s) necessária(s) será(ão) adicionadas à DRDR de acordo com a prática normalizada pela OACI para designação de pistas. Exemplo: R09L/1000

3.3.5 TEMPO PRESENTE 3.3.5.1 Formato METAR SBGL 131000Z 31015G27KT 280V350 4000 1800N R10/P2000 +TSRA 3.3.5.2 Descodificação Quando existir um fenômeno a ser reportado, codifica-se o tempo presente considerando cada coluna da Tabela 4678 (Anexo A). Exemplo:
existe trovoada...................... com precipitação.................. é forte .................................. a codificação resulta em: ..... TS RA + +TSRA

3.3.5.3 Se forem observados mais que um fenômeno, serão codificados grupos separados, no máximo três grupos. No entanto, se for observada mais que uma forma de precipitação, devem ser combinadas num único grupo com o tipo de precipitação predominante reportado na frente, como nos exemplos a seguir:

16

FCA 105-3 / 2008

a) mais que um fenômeno: - chuvisco leve e nevoeiro, codifica-se: -DZ FG e b) precipitação: - chuva moderada e neve com predominância de neve, codifica-se: SNRA. NOTA 1: NOTA 2: Neste grupo único de precipitação, a intensidade será referida à precipitação total e será informada com um único indicador ou nenhum, conforme o caso. Os indicadores de intensidade e abreviaturas apropriadas (Tabela 4678) serão combinados em grupos de dois a nove caracteres para indicar fenômenos de tempo presente.

3.3.5.4 A intensidade será indicada, somente, quando houver: precipitação, precipitação associada a pancadas e/ou trovoada, tempestade de poeira ou tempestade de areia. Esta será indicada por sinal apropriado de acordo com a Tabela 4678. NOTA : Quando for utilizado um sistema automático de observação e o tipo de precipitação não for detectado por este sistema, deverá ser utilizada a abreviatura UP (unknown precipitation) para informar a precipitação e, se necessário, combinada com um destes descritores: FZ, SH e TS. Exemplo: FZUP 3.3.5.5 Restrições para os fenômenos: a) cristais de gelo (IC), fumaça (FU), névoa seca (HZ), areia (SA) e poeira levantada pelo vento (DU), exceto areia soprada (DRSA), serão reportados somente quando a visibilidade predominante reduzir a 5.000 metros ou menos; b) névoa úmida (BR) será reportada quando a visibilidade predominante for reduzida por gotículas d'água ou cristais de gelo, entre 1.000 e 5.000 metros; c) nevoeiro (FG) será reportado quando a visibilidade predominante for reduzida por gotículas d'água ou cristais de gelo, para menos de 1.000 metros; d) granizo (GR) será usado somente quando o diâmetro dos maiores granizos observados for de 5 mm ou mais. Granizo pequeno e/ou pelotas de neve (GS) será(ão) usado(s) quando o diâmetro for menor que 5 mm; e) VC (na vizinhança) indica fenômenos de tempo significativo ocorridos numa área circular entre 8 km e 16 km do ponto de referência do aeródromo; e f) quando se ouvem trovões ou se detectam raios e relâmpagos no aeródromo, mas não se observa precipitação no aeródromo, deverá ser utilizada somente a abreviatura TS. NOTA: No aeródromo – É a área compreendida em um raio de 8Km do ponto de referência do aeródromo.

g) quando o qualificador de pancada (SH) vier associado ao indicador VC, o tipo e intensidade da precipitação não serão especificados.

FCA 105-3 / 2008

17

3.3.6 NUVENS (OU VISIBILIDADE VERTICAL) 3.3.6.1 Formato METAR SBGL 131000Z 31015G27KT 280V350 4000 1800N R10/P2000 +TSRA FEW005 FEW010CB SCT018 BKN025 3.3.6.2 Sob circunstâncias normais, os grupos de nuvens são formados por 6 dígitos. 3.3.6.2.1 Os três primeiros dígitos indicam a quantidade de nuvens: a) 1 a 2 oitavos serão informados como FEW (Few); b) 3 a 4 oitavos serão informados como SCT (Scattered); c) 5 a 7 oitavos serão informados como BKN (Broken); e d) 8 oitavos será informado como OVC (Overcast). 3.3.6.2.2 Os três últimos dígitos indicam a altura da base da nuvem em unidades de 30 metros (100 pés) até 3.000 metros (10.000 pés). Exemplo: 3/8 de Stratocumulus com base a 1.850 pés será codificado como SCT018. NOTA 1: A altura da base será arredondada para menos, neste caso para 1.800 pés. NOTA 2: Quando a EMS utilizar um sistema automático de observação e as nuvens não forem detectadas por este sistema, deverá ser utilizada a abreviatura NCD. 3.3.6.3 Tipo de nuvem Os tipos de nuvens não serão identificados, exceto os das nuvens convectivas significativas. Nuvens convectivas significativas são: a) cumulonimbus, indicado por CB; e b) cumulus congestus de grande extensão vertical, indicado por TCU. 3.3.6.4 Grupos de nuvens O grupo de nuvens poderá ser repetido para informar diferentes camadas ou massas de nebulosidade; o número de grupos, normalmente, não excederá a três, exceto quando existirem nuvens convectivas significativas. Para a seleção das camadas será usado o seguinte critério: a) 1ª camada – a mais baixa independente da quantidade; b) 2ª camada - a próxima com 3 oitavos ou mais; c) 3ª camada – a seguinte com 5 oitavos ou mais; e d) adicionalmente, nuvens convectivas significativas (CB ou TCU), se já não tiverem sido informadas numa das três camadas acima. NOTA : Quando uma camada individual for composta por nuvens CB e TCU, com bases comuns, o tipo de nuvem será informado somente como CB e a quantidade de nuvens será codificada como a soma das quantidades de CB e TCU.

18

FCA 105-3 / 2008

Exemplo: Existindo 1 oitavo de Stratus a 500 pés, 2 oitavos de Cumulonimbus a 1.000 pés, 3 oitavos de Cumulus a 1.800 pés e 5 oitavos de Stratocumulus a 2.500 pés, as nuvens serão informadas da seguinte maneira: FEW005 FEW010CB SCT018 BKN025. NOTA 1: Os grupos de nuvens serão reportados na ordem crescente de altura. NOTA 2: Não existindo nebulosidade, estes grupos serão omitidos. NOTA 3: Quando nuvens CB ou TCU forem detectadas por sistema automático de observação e suas quantidades e alturas da base não puderem ser observadas, estas informações devem ser substituídas por //////. NOTA 4: Quando um sistema automático de observação for utilizado e o tipo de nuvem não puder ser observado pelo sistema, o tipo de nuvem em cada grupo de nuvens deve ser substituído por ///. 3.3.6.5 Visibilidade vertical Quando o céu estiver obscurecido e os detalhes da nebulosidade não puderem ser observados, mas com a visibilidade vertical disponível, o grupo de nebulosidade será substituído por um grupo formado por cinco dígitos, sendo os dois primeiros "VV", seguidos da visibilidade vertical em unidades de 30 metros ou 100 pés. Quando o céu estiver obscurecido e não for possível determinar a visibilidade vertical, o grupo será codificado VV///. Exemplo: VV003 (visibilidade vertical igual a 300 pés)

3.3.7 SUBSTITUIÇÃO DE INFORMAÇÕES PELO TERMO CAVOK O termo CAVOK substituirá as informações sobre visibilidade, alcance visual na pista, tempo presente e nuvens quando ocorrerem, simultaneamente, no momento da observação, as seguintes condições: a) visibilidade: 10 Km ou mais; b) nenhuma nuvem de significado operacional; e c) nenhum fenômeno de tempo significativo (ver Tabela 4678). NOTA : Quando o termo CAVOK não for apropriado, será usada a abreviatura NSC (No Signicant Clouds).

3.3.8 TEMPERATURAS DO AR E DO PONTO DE ORVALHO 3.3.8.1 Formato METAR SBGL 131000Z 31015G27KT 280V350 4000 1800N R10/P2000 +TSRA FEW005 FEW010CB SCT018 BKN025 10/03 3.3.8.2 As temperaturas do ar e do ponto de orvalho observadas, cada uma com dois algarismos, são arredondadas para os valores inteiros mais próximos, em graus Celsius.

FCA 105-3 / 2008

19

Exemplo:

Temperatura do ar .......................................... Temperatura do Ponto de Orvalho ................. Será informado como 10/03.

9,5°C 3,3°C

NOTA 1: Exemplos:

Os valores de temperatura de -9ºC à +9ºC irão precedidos de zero e as temperaturas negativas serão precedidas pela letra "M". +9ºC será informado 09. -9°C será informada como M09.

NOTA 2: Exemplos:

Temperaturas com valores de 0,5°C serão arredondadas para o inteiro superior. +11,5ºC será informado 12. -7,5ºC será informado M08.

3.3.9 PRESSÃO (QNH) 3.3.9.1 Formato METAR SBGL 131000Z 31015G27KT 280V350 4000 1800N R10/P2000 +TSRA FEW005 FEW010CB SCT018 BKN025 10/03 Q0995 3.3.9.2 O último grupo obrigatório indica o valor de QNH arredondado para o hectopascal inteiro inferior mais próximo. O grupo é formado pela letra Q seguida, sem espaço, por quatro algarismos. 3.3.9.3 Se o valor do QNH for inferior a 1.000 hPa, deverá ser precedido por 0 (zero). Exemplo: Um QNH de 995,6 hPa será reportado como Q0995.

3.3.10 INFORMAÇÕES SUPLEMENTARES 3.3.10.1 Destinada à divulgação internacional, esta seção será utilizada somente para: a) informações sobre fenômenos de tempo recente de significado operacional; b) informações de cortante do vento nos níveis inferiores; e c) informações sobre a temperatura da superfície do mar, estado do mar e estado da pista, quando houver acordo regional. 3.3.10.1.1 Tempo recente de significado operacional O tempo recente de significado operacional será informado através de grupos, até o máximo de três, iniciados pelas letras RE seguidas, sem espaço, das abreviaturas dos fenômenos de tempo que tiverem sido observados desde o último horário regular (inclusive), até o período da próxima observação, mas não na hora da observação (dez minutos precedentes). Os fenômenos são os seguintes:

20

FCA 105-3 / 2008

a) precipitação congelante; b) chuvisco, chuva ou neve (moderados ou fortes); c) pelotas de gelo, granizo, granizo pequeno e/ou pelotas de neve (moderados ou fortes); d) neve soprada; e) tempestade de poeira ou tempestade de areia; f) trovoada; g) nuvem(ns) funil (tornado ou tromba d'água); e h) cinzas vulcânicas. Exemplo: Entre 0920Z e 0930Z, ocorreu chuvisco moderado, mas na hora da observação ocorre trovoada com chuva forte. Será codificado REDZ como tempo recente. METAR SBGL 131000Z 31015G27KT 280V350 4000 1800N R10/P2000 +TSRA FEW005 FEW010CB SCT018 BKN025 10/03 Q0995 REDZ NOTA 1: Não serão informados os indicadores de intensidade. NOTA 2: Quando for utilizado um sistema automático de observação e o tipo de precipitação não for detectado por este sistema, deverá ser utilizada a abreviatura REUP para informar precipitação recente ou ela combinada com uma dessas características: FZ, SH e TS. Exemplo: REFZUP

3.3.10.1.2 Cortante do vento nos níveis inferiores A cortante do vento, na vertical entre a o nível da pista e 500 metros (1.600 pés), quando significativa para as operações de pouso e decolagem, deverá ser informada sempre que reportada por aeronaves, durante as fases de subida ou aproximação para pouso. Será usado um dos seguintes grupos: a) WS RDRDR ou b) WS ALL RWY. Onde DRDR é o designador da pista. Exemplo: METAR SBGL 131000Z 31015G27KT 280V350 4000 1800N R10/P2000 +TSRA FEW005 FEW010CB SCT018 BKN025 10/03 Q0995 REDZ WS R10 3.3.10.1.3 Temperatura da superfície do mar e estado do mar Informações sobre a temperatura da superfície do mar e sobre o estado do mar serão incluídas nos códigos METAR e SPECI, das Estações Meteorológicas Aeronáuticas localizadas em plataformas marítimas, para apoio às operações de helicóptero, conforme Acordo Regional de Navegação Aérea.

FCA 105-3 / 2008

21

Exemplo: METAR SBGL 131000Z 31015G27KT 280V350 4000 1800N R10/P2000 +TSRA FEW005 FEW010CB SCT018 BKN025 10/03 Q0995 REDZ W15/S5 Exemplo descodificado: A temperatura da superfície do mar é de 15ºC (quinze graus Celsius) e o estado do mar é agitado com ondas que variam de 2,5 a 4 metros de altura. NOTA : O estado do mar será reportado de acordo com as descrições da Tabela 3700 do MCA 105-10 “Manual de Códigos Meteorológicos”. 3.3.10.1.4 Estado da pista Informações sobre o estado da pista serão incluídas nos códigos METAR e SPECI, conforme Acordo Regional de Navegação Aérea, não sendo adotado pelo Brasil. Exemplo: R09421595 (RDRDRERCReReRBRBR) Exemplo descodificado: Na pista 09, existe de 11% a 25% da pista coberta por neve seca, com 15 mm de profundidade do depósito, onde o coeficiente de frenagem da pista é bom. NOTA 1: O designador de pista 09 será reportado de acordo com critérios da OACI. NOTA 2: O indicador de depósito na pista ER, o indicador de extensão de pista coberta CR, a profundidade do depósito eReR e o coeficiente de atrito/frenagem BRBR serão indicados conforme as Tabelas 0919, 0519, 1079 e 0366, respectivamente, do MCA 105-10. NOTA 3: Quando o aeródromo estiver com as operações de pouso e decolagem suspensas devido a grande quantidade de neve depositada, o grupo do estado da pista será substituído pela abreviatura “SNOCLO”. NOTA 4: Se numa única pista ou em todas as pistas de um aeródromo, detritos tiverem deixado de existir, estes serão reportados substituindo-se os últimos seis dígitos do grupo por “CLRD//”.

22

FCA 105-3 / 2008

4 PREVISÃO DE TENDÊNCIA 4.1 FORMA SIMBÓLICA
(TTTTT ou NOSIG) TTGGgg dddffGfmfm NsNsNshshshs ou VVhshshs ou NSC

KMH ou KT ou MPS

VVVV ou CAVOK

w'w' ou NSW

4.1.1 A previsão de tendência será elaborada quando estabelecida por Acordo Regional de Navegação Aérea, não sendo adotada pelo Brasil. 4.1.2 Tendências anexadas ao METAR ou SPECI são preparadas pelos previsores, pressupondo-se que treinamentos e instruções estejam disponíveis para garantir que a codificação das previsões siga as práticas dos padrões internacionais. Diferentes pessoas são encarregadas da descodificação dessas previsões: pilotos, operadores dos serviços de Tráfego Aéreo, pessoal de operações e meteorologistas. 4.1.3 O primeiro e mais importante ponto a ser apreciado é que as informações contidas nesta tendência são uma previsão que cobre um período de duas horas, a partir da hora da observação, e que os valores são as melhores estimativas que o previsor tem para a provável ocorrência. Devido à heterogeneidade da atmosfera, ocorrem, naturalmente, imensas variações na visibilidade e na altura da nebulosidade. 4.1.4 A hora prevista de ocorrência é o resultado da melhor estimativa do previsor. Estatisticamente, a diferença entre a hora prevista e a hora real de ocorrência do fenômeno tem uma defasagem de trinta minutos em várias ocasiões. 4.1.5 Uma tendência prevista consiste numa afirmativa concisa das mudanças significativas, anexada ao METAR ou SPECI. O período de validez da tendência é de duas horas a partir da hora do boletim e ele forma parte integrante da previsão. A tendência indica mudanças significativas em relação a um ou mais dos seguintes elementos: vento, visibilidade horizontal, tempo presente, e, nebulosidade ou visibilidade vertical. 4.1.5.1 Após os grupos indicadores de mudanças, somente serão incluídos os dados referentes aos elementos cujas mudanças são previstas. Somente serão incluídos aqueles elementos cujas mudanças são esperadas. NOTA 1: Contudo, no caso de mudança significativa da nebulosidade, todos os grupos de nuvens, incluindo a(s) camada(s) significativa(s) que se prevê(em) que não mudará(ão), deverão ser informadas. No caso de mudanças significativas na visibilidade, deverá ser informado também o fenômeno que provoca a sua alteração.

NOTA 2:

FCA 105-3 / 2008

23

4.2 INDICADOR DE MUDANÇA 4.2.1 FORMATO TTTTT TTGGgg ou NOSIG 4.2.1.1 Codificado Exemplo: BECMG FM1100 (transformando a partir das 1100 UTC) NOTA : Quando uma mudança significativa for esperada num dos elementos observados (vento, visibilidade, tempo presente, nebulosidade ou visibilidade vertical), será usado um dos seguintes indicadores para TTTTT: BECMG ou TEMPO. 4.2.2 O grupo horário GGgg será usado precedido, sem espaço, por um dos indicadores TT: FM (from - a partir de), TL (until - até) ou AT (at - hora precisa), conforme o caso. Exemplo: 4.2.3 BECMG 4.2.3.1 O indicador de mudança BECMG será utilizado para descrever mudanças esperadas das condições meteorológicas que alcancem ou ultrapassem os limites especificados como critérios num regime regular ou irregular. 4.2.3.2 O período (ou horário) pelo qual a mudança é prevista ocorrer, será indicada pelas abreviaturas FM, TL ou AT, conforme os casos que se seguem. 4.2.3.2.1 Quando a mudança for prevista começar e terminar dentro do período da previsão, o começo e o fim desta alteração serão informados por FM e TL respectivamente, seguidos de seus grupos horários associados. Exemplo: BECMG FM1030 TL1130 (Tendência prevista para o período das 1000 às 1200 UTC) 4.2.3.2.2 Quando se prognostica o início da mudança coincidente com o começo do período, mas terminando antes do fim daquele período, somente será usado TL seguido do grupo horário associado para indicar o fim da mudança. Exemplo: BECMG TL1100 3000 BR (Embora no horário da observação, a visibilidade seja de 6 km, espera-se que diminua na próxima hora, devido à névoa úmida e que seja de 3.000 metros às 1100 UTC) 4.2.3.2.3 Quando a mudança for prevista começar durante o período e se completar no fim do período, será usado FM seguido do grupo horário associado para indicar o começo da mudança. Exemplo: BECMG FM1100 TEMPO FM1030

24

FCA 105-3 / 2008

4.2.3.2.4 Quando a mudança for esperada ocorrer numa hora específica durante o tempo da tendência, será usado AT seguido do grupo horário associado para indicar a hora da mudança. Exemplo: BECMG AT1100

4.2.3.2.5 Quando a mudança for prevista começar no início do período de tendência e completada no fim deste período ou quando for previsto ocorrer neste período, mas não se tem certeza do horário, as abreviaturas FM, TL ou AT e seus grupos horários associados serão omitidos, e será apenas usado o grupo indicador de mudança BECMG. 4.2.3.2.6 Quando as mudanças forem previstas acontecerem à meia-noite UTC, o horário será indicado por: a) 0000, quando associado a FM e AT e b) 2400, quando associado a TL. 4.2.4 TEMPO 4.2.4.1 O indicador de mudança TEMPO será utilizado para descrever previsões de flutuações temporárias nas condições meteorológicas que atinjam ou ultrapassem valores específicos e permaneçam por um período menor que uma hora no total em cada situação e não podendo ultrapassar a metade do período durante o qual as flutuações são esperadas. O período será indicado pelas abreviaturas FM e/ou TL, conforme os casos que se seguem. 4.2.4.1.1 Quando o período das flutuações temporárias for previsto começar e terminar dentro do período de tendência, o começo e o fim do período serão indicados pelas abreviaturas FM e TL, respectivamente, com os seus grupos horários associados. Exemplo: Período de tendência das 1000 às 1200 UTC: TEMPO FM1030 TL1130 4.2.4.1.2 Quando o período de flutuações temporárias for previsto começar no início do período de tendência, mas terminar antes do fim daquele período, somente será usado TL seguido do grupo horário associado para indicar o fim das flutuações. Exemplo: TEMPO TL1130

4.2.4.1.3 Quando o período de flutuações temporárias for previsto começar durante o período de tendência e continuar ao longo do período restante, será usado FM seguido do grupo horário associado para indicar o começo das flutuações. Exemplo: TEMPO FM1030

4.2.4.1.4 Quando o período de flutuações temporárias for previsto começar no início do período de tendência e continuar ao longo do período restante, será usado apenas o indicador TEMPO.

FCA 105-3 / 2008

25

4.2.5 NOSIG 4.2.5.1 Quando não forem previstas mudanças significativas para o período de tendência, os grupos indicadores de mudanças serão substituídos por "NOSIG" (nenhuma mudança significativa). 4.3 ELEMENTOS DA TENDÊNCIA 4.3.1 VENTO À SUPERFÍCIE 4.3.1.1 Formato dddffGfmfm Exemplo: BECMG FM1100 25035G50KT

Exemplo descodificado: Um aumento na velocidade do vento para 35 kt com rajadas máximas de 50 kt, transformando a partir das 1100 UTC. 4.3.1.2 A Previsão de Tendência indica mudanças que envolvam: a) uma mudança de 60° ou mais na direção do vento, com velocidade média, antes ou depois da mudança, de 10 kt (18 km/h) ou mais; b) uma mudança na velocidade média do vento de 10 kt (18 km/h) ou mais; e c) uma mudança de valores de significado operacional. Estes valores são estabelecidos mediante Acordos Regionais de Navegação Aérea. 4.3.2 VISIBILIDADE 4.3.2.1 Formato VVVV Exemplo: BECMG FM1100 25035G50KT 6000

Exemplo descodificado: visibilidade transformando-se para 6.000 metros a partir das 1100 UTC. 4.3.2.2 Alterações na visibilidade que se espera atingir ou ultrapassar os valores de 150, 350, 600, 800, 1.500 e 3.000 metros devem ser informadas. Dependendo do número de vôos estabelecidos visualmente, o valor de 5.000 metros poderá ser adicionado à lista. Exemplo: Ocorrendo uma redução temporária da visibilidade, dentro do período de previsão da tendência, para 750 metros por nevoeiro, esta será indicada por TEMPO 0700. 4.3.3 FENÔMENO DE TEMPO 4.3.3.1 Formato w'w' ou NSW Exemplo: BECMG FM1100 25035G50KT 6000 NSW

26

FCA 105-3 / 2008

4.3.3.2 A inclusão do tempo previsto significativo w'w', utilizando-se abreviaturas apropriadas de acordo com a Tabela 4678, será referente e restrito a: a) começo, término ou mudança de intensidade dos seguintes fenômenos de tempo: - precipitação congelante; - precipitação, moderada ou forte (incluindo pancadas); - tempestade de poeira; - tempestade de areia; e - trovoadas (com precipitação); b) começo ou término dos seguintes fenômenos de tempo: - nevoeiro congelante; - cristais de gelo; - poeira, areia ou neve, baixa flutuante; - poeira, areia ou neve, sopradas pelo vento; - tempestades; e - nuvem(ns) funil (tornado ou tromba d'água). 4.3.3.3 Para indicar o término de ocorrência de um fenômeno significativo, NSW (No Significant Weather – ausência de tempo significativo) será colocado no lugar de w'w'. Exemplo: Para uma previsão tipo tendência, no período de 0300 a 0500 UTC, de trovoada com chuva, prevista acontecer entre 0300 e 0430 UTC: TEMPO TL0430 TSRA Com o término do tempo significativo às 1630 UTC: BECMG AT1630 NSW 4.3.4 NUVENS (OU VISIBILIDADE VERTICAL) 4.3.4.1 Formato NsNsNshshshs (ou VVhshshs) ou NSC Exemplo: BECMG FM1100 25035G50KT 6000 NSW OVC010

4.3.4.2 Serão mudanças significativas na nebulosidade quando: a) a altura da base da camada de BKN ou OVC for prevista ou estiver abaixo de 450 metros (1.500 metros) e for prognosticado mudar para ou ultrapassar um ou mais dos seguintes valores: 30, 60, 150, 300 e 450 metros (100, 200, 500, 1.000 e 1.500 pés); Exemplo: Uma previsão baixando a base da camada mais baixa para 500 pés às 1130 UTC será reportada como BECMG TL1130 OVC005. b) a altura da base da camada esteja abaixo ou se espera que desça para menos de 450 metros (1.500 pés) e a quantidade for prevista mudar: - de FEW ou SCT para BKN ou OVC ou - de BKN ou OVC para FEW ou SCT;

FCA 105-3 / 2008

27

Exemplo: Uma previsão de um rápido aumento na camada de Stratus às 1130 UTC de SCT para OVC será reportada como BECMG AT 1130 OVC010. c) quando se espera que o céu permaneça ou se torne obscuro, tendo-se dados para a visibilidade vertical de, ou ultrapassando um ou mais dos seguintes valores: 30, 60, 150 ou 300 metros (100, 200, 500 ou 1.000 pés); e d) quando não se espera mudanças significativas na nebulosidade durante o período da tendência, os grupos não serão repetidos e nem detalhes da nebulosidade serão dados. 4.3.5 Critérios para indicar mudanças na tendência, baseados nas operações mínimas locais, adicionais às instruções acima, somente quando submetidos a acordos.

28

FCA 105-3 / 2008

5 DISPOSIÇÕES GERAIS 5.1 A ordem dos elementos, a terminologia, as unidades e as escalas usadas na confecção dos códigos METAR e SPECI estão detalhadas no MCA 105-10. 5.2 Os códigos METAR e SPECI são divulgados conforme estabelecido no MCA 105-10 e na ICA 105-1 “Divulgação de Informações Meteorológicas”.

FCA 105-3 / 2008

29

6 DISPOSIÇÕES FINAIS 6.1 Este Folheto entrará em vigor a partir de 0000 UTC de 05 de novembro de 2008. 6.2 Este Folheto substitui o FCA 105-3, de 1° de dezembro de 2004, aprovado pela Portaria DECEA nº 25/SDOP, de 11 de novembro de 2004. 6.3 Os casos não previstos neste Folheto serão submetidos ao Exmo. Sr. Chefe do Subdepartamento de Operações do Departamento de Controle do Espaço Aéreo. 6.4 As sugestões que visem ao aperfeiçoamento deste Folheto deverão ser encaminhadas para: DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES Av. General Justo, 160 – 2º andar Centro CEP 20021-130 - RIO DE JANEIRO, RJ Tel: (21) 2101-6285 / Fax: (21) 2101-6233 Endereço eletrônico: nor3@decea.gov.br 6.5 Esta publicação poderá ser adquirida através de solicitação ao: PAME-RJ SETOR DE ASSINATURAS Av. General Gurjão, 4 - Caju CEP 20931-040 - RIO DE JANEIRO, RJ Tel: (21) 3184-8363, 3184-8237 / Fax: (21) 2580-5966

30

FCA 105-3 / 2008

REFERÊNCIAS BRASIL. Comando da Aeronáutica, Diretoria de Eletrônica e Proteção ao Vôo. Manual de Códigos Meteorológicos - MCA 105-10. [Rio de Janeiro], 2001 com 5ª modificação de 5 de novembro de 2008. CANADÁ. OACI, Normas e Métodos Recomendados Internacionais, Serviço Meteorológico para a Navegação Aérea Internacional, Anexo 3, 15ª edição. [Montreal], 2004. SUÍÇA. OMM, Mensagens Meteorológicas das Estações de Observação. Publicação nº9, Volume A [Genebra], 1998.

FCA 105-3 / 2008

31

Anexo A – Tabela 4678
TABELA 4678 w’w’ – TEMPO SIGNIFICATIVO PRESENTE E PREVISTO QUALIFICADOR
INTENSIDADE ou PROXIMIDADE (1) Leve DESCRITOR (2) MI Baixo DZ

FENÔMENO DE TEMPO
PRECIPITAÇÃO (3) Chuvisco BR OBSCURECEDOR (4) Névoa úmida PO OUTROS (5) Poeira/areia em redemoinhos Tempestade Nuvem(ns) funil (tornado ou tromba d’água) Tempestade de areia Tempestade de poeira

Moderada (sem sinal) + Forte (“bem desenvolvido” para redemoinhos de poeira/areia e nuvens funil) Nas Vizinhanças

BC PR

Banco Parcial (cobrindo parte do aeródromo) Flutuante Soprada Pancada(s) Trovoada ou Raios e Relâmpagos Congelante

RA SN

Chuva Neve

FG FU

Nevoeiro Fumaça

SQ FC

VC

DR BL SH TS

SG IC PL GR

Grãos de neve Cristais de gelo Pelotas de gelo Granizo

VA DU SA HZ

Cinzas vulcânicas Poeira extensa Areia Névoa seca

SS DS

FZ

GS

Granizo pequeno e/ou grãos de neve

NOTA 1: Os grupos w’w’ serão construídos considerando-se as colunas de 1 a 5 da Tabela acima, numa seqüência que contenha a intensidade seguida da descrição e do fenômeno de tempo. Exemplo: +SHRA (pancada de chuva forte)

NOTA 2: Aplicam-se as regras referentes ao uso do grupo w’w’ do FM 15 METAR e FM 16 SPECI do MCA 105-10.