You are on page 1of 5

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA CURSO DE LICENCIATURA À DISTÂNCIA EM MATEMÁTICA

. LISTA DE EXERCÍCIOS DE ÁLGEBRA I  15/08/2011 1a

Professora: JOANA DARC A. S. DA CRUZ Tutor à distância: DIEGO DA SILVA BARROS

Exercício 1. Consideremos as operações ∗ e ∆ no conjunto dos números inteiros, denidas por:
x ∗ y = x + ay − 2 x∆y = xy + bx + cy + d

em que a,b,c e d são números inteiros dados. Determine a,b,c,d de modo que o conjunto dos números inteiros munidos com as operações acima seja um anel comutativo com unidade. Resolução: Para que (Z, ∗, ∆) seja um anel comutativo, as operações ∗ e ∆ devem ser comutativas, ou seja, ∀x, y, ∈ Z devemos ter x ∗ y = y ∗ x. que equivale à x + ay − 2 = y + ax − 2. Após simplicarmos a igualdade, obtemos (a − 1)(x − y ) = 0. A igualdade anterior só se verica para todo x, y ∈ Z quando a = 1. Devemos ter também x∆y = y ∆x, ou seja, xy + bx + cy + d = yx + by + cx + d. Após simplicarmos, vemos que a igualdade é verdadeira se, e somente se, (b − c)(x − y ) = 0. Como a igualdade deve ser satisfeita para todo x, y ∈ Z, devemos ter b = c. Observe também que devem valer as propriedades associativa e distributiva, ou seja,
x∆(y ∆z ) = (x∆y )∆z

e
(x ∗ y )∆z = x∆z ∗ y ∆z, ∀x, y, z ∈ Z.

Como b = c, fazendo b = c = k e efetuando as operações acima temos
x∆(y ∆z ) = x∆(yz + ky + kz + d) = x.(yz + ky + kz + d) + kx + k (yz + ky + kz + d) + d e (x∆y )∆z = (xy + kx + ky + d)∆z = (xy + kx + ky + d)z + k (xy + kx + ky + d) + kz + d

Igualando as duas expressões obtidas e fazendo as contas encontraremos d = k − k2 Efetuando-se (x ∗ y )∆z temos 1

Para determinar o valor de k. 5x = −10. devemos provar que o conjunto L = a + b 2 | ∀a. para todo x ∈ Z. ∆) munido dessas duas operações é realmente um anel comutativo com unidade. ∀x ∈ Z. ∆) possui um elemento neutro para soma. é um corpo. Substituindo d = 6 na expressão d = k − k2 e resolvendo. Fazendo x = 1 na igualdade acima teremos e − 2e − 2 + 6 = 1 e portanto e = 3. ou seja. (ii) x + y = a + b 2 + c + d 2 = (a + c) + (b + d) 2 = (c + a) + (d + b) 2 = c + d 2 + a + b 2 = y + x Portanto o axioma A2 é satisfeito. Se trocarmos na igualdade acima k por 3. ∃y ∈ L tal que x.2 + kx + 6 = 2. Exercício 2.(x ∗ y )∆z = (x + y − 2)∆z = (x + y − 2)z + k (x + y − 2) + kz + d Da mesma forma. encontramos que k = −2 ou k = 3. então e∆x = x∀x ∈ Z. Portanto o elemento neutro da soma é 2. Logo as operações devem ser x ∗ y = x + y − 2 e x∆y = xy − 2x − 2y + 6. Logo ex − 2e − 2x + 6 = x. Seja e a unidade desse anel. para todo x ∈ Z. b ∈ IR}. obtemos 0 = d − 2 + 2(−2). Resolução: ∀x ∈ L − {0}. o qual chamaremos de 0. Isso nos dá d = 6. Com estes dados vocês devem vericar que (Z.y = 1. z = e + f 2 elementos de L. munido com as operações usuais de soma e produto. para todo x ∈ Z. efetuando-se x∆z ∗ y ∆z temos x∆z ∗ y ∆z = (xz + kx + kz + d) ∗ (yz + ky + kz + d) = (xz + kx + kz + d) + (yz + ky + kz + d) − 2 Igualando as duas expressões encontradas e simplicando-as obtemos k(−2 − z ) = d − 2 + 2z Como a igualdade acima deve ser verdadeira para todo z inteiro. encontraremos 2x + 6 + 3x + 6 = 2. fazendo z = −2. Agora vamos determinar a unidade deste anel. observe que (Z. Prove que o conjunto L = {a + b 2 | a. ∗. y = c + d 2. √ Nesse exercício. ∗. ou seja. (iii) Considere 0 + 0 2 = 0. Também deve valer a propriedade 2∆x = 2x + k. (i) (x + y ) + z = (a + b 2 + c + d 2) + e + f 2 = √ √ = (a + c) + (b + d) 2 + e + f 2 = √ = (a + c) + e + ((b + d) + f ) 2 = √ = a + (c + e) + (b + (d + f )) 2 = √ √ √ = a + b 2 + (c + d 2 + e + f 2) = x + (y + z ) √ √ √ Portanto o axioma A1 é satisfeito. Então 0 ∗ x = x. √ √ √ x + 0 = a + b 2 + 0 = a + b 2 = x. Isso é um absurdo e portanto k = −2. ∀x ∈ L Logo 0 é o elemento neutro da soma e o axioma A3 é satisfeito. b ∈ Q satisfaz todos os axiomas de anel e que √ √ √ √ Sejam x = a + b 2. 0 + x − 2 = x. √ √ √ √ √ √ 2 .

Tome x = a + b 2 ∈ L com x = 0. considere o elemento x−1 = √ x. y.(e + 2) = √ √ (ac + 2bd) + (ad + bc) 2 (e + f 2) = √ = (ac + 2bd)e + (2(ad + bc)f + ((ac + 2bd)f + (ad + bc)e) 2 = √ = ace + 2bde + 2adf + 2bcf + (acf + 2bdf + ade + bce) 2 √ √ √ x. Dessa forma o axioma A8 é satisfeito. vamos mostrar que L é um corpo. Resolução: Por hipótese. temos que (x + x)2 = x + x.x−1 = (a + b 2) a −b √ 2 + a2 − 2b a2 − 2b √ −b √ a + 2 vemos que.z = (a + b 2 + c + d 2)(e + f 2) = √ √ √ √ √ √ = a(e + f 2) + b 2(e + f 2) + c(e + f 2) + d 2(e + f 2) = √ √ √ √ √ √ √ √ = ae + af 2 + b 2e + b 2f 2 + ce + cf 2 + d 2e + d 2f 2 = √ √ √ √ = ae + af 2 + eb 2 + 2bf + ce + cf 2 + de 2 + 2df √ √ √ √ x.y ). y ∈ L e portanto o axioma A6 é satisfeito. z ∈ L. temos √ √ √ x + (−x) = a + b 2 + (−a) + (−b) 2 = a − a + (b − b) 2 = 0 √ √ Portanto O axioma A4 é satisfeito. ∀x ∈ A. Mostre que −x = x. Dessa forma. ∀x ∈ L. a2 − 2b a2 − 2b = 1. ∀x. (vi) x. ∀x ∈ A. y. Logo 1 é o elemento neutro do produto e o axioma A7 é satisfeito. Portanto L é um corpo. Logo o axioma A5 é satisfeito.x. z ∈ L. 3 . √ √ √ (viii) (x + y ).z + yz = (a + b 2)(e + f 2) + (c + d 2)(e + f 2) = √ √ √ √ = ae + 2bf + af 2 + be 2 + ce + 2df + cf 2 + de 2 √ Comparando as duas expressões acima.x = 1(a + b 2) = a + b 2 = x. ∀x. vemos que x. Logo todo elemento não nulo de L tem um inverso multiplicativo.(iv) Para cada x = a + b 2. observamos que (x + y )z = xz + yz. dado x ∈ A. Seja A um anel em que x2 = x. Exercício 3. (v) (x.z = ((a + b 2)(c + d 2).(y.z = x(y.y = y.x = (c + d 2)(a + b 2) = ca + 2db + (cb + da) 2 √ √ √ Comparando as duas expressões acima. A última igualdade é equivalente à x = −x. Concluímos dessa forma que L é um anel. (vii) Tomando 1 = 1 + 0 2 vemos que: √ √ 1.y = (a + b 2)(c + d 2) = ac + 2bd + (ad + bc) 2 √ √ √ y.y ). Simplicando esta igualdade teremos x + x = 0. Logo x2 + x2 + x2 + x2 = x + x e portanto x + x + x + x = x + x. tome o elemento −x = −a − b 2. ∀x.z ).z ) = (a + b 2) (c + d 2)(e + f 2) = √ √ = (a + b 2) (ce + 2df ) + (cf + de) 2) = √ = (a(ce + 2df ) + 2b(cf + de) + (a(cf + de) + b(ce + 2df )) 2 = √ = ace + 2adf + 2bcf + 2bde + (acf + ade + bce + 2bdf ) 2 √ √ √ Comparando as expressões acima vemos que (x.

e somente se. p | p! e p não aparece nos fatores de i! e de (p − i)!. Como A é uma anel comutativo segue que (a + b)(a − b) = a2 − ab + ba − b2 = a2 − ab + ab − b2 = a2 − b2 . ∀ a. Resolvendo-se o potência e simplicando a igualdade chegamos a seguinte relação. Neste caso. (⇐) Suponha que n seja um número primo. Isso signica que (a + b)p = ap + bp em Zp . b ∈ A. b < n e n = a. então (x + y )2 = x + y . Isso que signica que a é invertível. segue que xy = yx.Exercício 4. prove que Zn é corpo se. Observe que neste caso. ou seja. Tome a ∈ Zn tal que a = 0. i i Logo (a + b)p ≡ ap + bp ( mod p). Resolução: Sejam x. Portanto (−x)y = xy . ab = ba (⇐) Sejam a. (⇒) Sejam a. −xy = yx. Como estamos num anel. Como em Zn . . a2 − b2 = a2 − ab + ba − b2 .b. Podemos supor que 1 ≤ a < p. Dessa forma concluímos que se n não for primo. A é um anel comutativo. Prove que A é um anel comutativo. Logo existem a. após simplicarmos a2 e −b2 . segue que i!(p − i)!   ≡ 0 ( mod p). Segue da igualdade acima que ar + ps = ar + ps = 1. b ∈ Zp com p primo. p não aparece em i! e nem  Então  em (p − i)!. Resolução: (⇒) Suponha por absurdo que n não seja um número primo. segue que 0 = ab = a. s satisfazendo ar + ps = 1. aula 22 da página 38 do livro texto. Mostre que (a + b)p = ap + bp . um número inteiro. então Zn possui divisores de zero. Prove que a2 − b2 = (a + b)(a − b) ∀a. Neste caso. +  p p−1   abp−1 + bp . Prove o teorema 1. b ∈ Z.  4 . Resolução: Sejam a. b ∈ A. Logo mdc (a. Seja A um anel. Exercício 6. ou seja. Exercício 5. b ∈ A se. como   p|  p  p i =  p p! . que p não divide a.b. p) = 1 e portanto existem inteiros r. Isso é um absurdo pois um corpo não possui divisores de zero e por hipótese Zn é corpo. veja exercício anterior. . e somente se. ou seja. Logo n é um número primo. Resolução: Inicialmente observe que (a + b)(a − b) = a2 − ab + ba − b2 . . 1 < p − i < p e como p é um número primo. ou ainda. b ∈ Z tais que 1 < a. Pela fórmula do binômio de Newton. Seja 1 < i < p. Seja A uma anel tal que x2 = x para todo x ∈ A. Suponha que a2 − b2 = (a + b)(a − b). Portanto a é um divisor de zero. onde a e b são diferentes de zero. 0 = {nt | ∀t ∈ Z}. n for um número primo. a r = 1. Exercício 7. Como x = −x. podemos escrever  (a + b) = ap +  p p 1    ap−1 b + . teremos 0 = −ab + ba. y ∈ A.

com m.J . . + (kan )bn Como I é ideal. . an ∈ I e b1 . . α − β = a1 b1 + a2 b2 + . β ∈ I + J . segue que b ∈ I . . 0 ∈ I e 0 ∈ J . por absurdo. . b2 ∈ J .J e consequentemente I. Pelo algoritmo da divisão de Euclides. (a1 − a2 ) ∈ I e (b1 − b2 ) ∈ J e α − β ∈ I + J . Suponha. . . . Neste caso existe a ∈ I . n ∈ Z} é um ideal A. β ∈ I. (iii) Tome k ∈ A e α = a1 + b1 . r satisfazendo b = qn + r com r = 0 ou 0 < r < n. + an bn − (c1 d1 + c2 d2 + . kai ∈ I ∀i ∈ {1. . onde a1 . Então n m α= i=1 ai bi = a1 b1 + a2 b2 + . ka1 ∈ I e kb1 ∈ J e kα ∈ I + J Concluímos que I + J é um ideal de A. . Como I é um ideal podemos armar que qn ∈ I e portanto r = b − qn ∈ I . . Então kα = k(a1 b1 + a2 b2 + . . para algum a ∈ Z.0 ∈ I. então I =< 0 >. + an bn + (−c1 )d1 + (−c2 )d2 + . + (−cm )dm ∈ I. Portanto I =< n >. 0 ∈ I e 0 ∈ J . . . n} e portanto kα ∈ I. Provamos assim que I ⊂< n >. . então b = sn e como n ∈ I . . Vamos provar que I =< n >. Portanto 0 = 0 + 0 ∈ I + J . ai . + an bn + (−c1 )d1 + (−c2 )d2 + .J := { Resolução: i=1 ai bi | ai ∈ I e bi ∈ J.J. . Como a e −a ∈ I . a2 ∈ I e b1 . . bn ∈ J . com a = 0. Tome qualquer elemento b ∈ I . . . que r = 0.J (iii) Tome k ∈ A e α = a1 b1 + a2 b2 + . a1 . ou seja. segue que −ci ∈ I . Como I e J são anéis. Por outro lado se b ∈< n >. n (b) Mostre que I. . . . . + an bn . cj ∈ I e bi . Seja n o menor inteiro positivo de I . . Logo < n >⊂ I . podemos armar que I contém um número inteiro positivo. Logo α = a1 + b1 e β = a2 + b2 . (a) Mostre que I + J := {a + b |a ∈ I e b ∈ J } é um ideal de A. . Portanto r = 0 e b = qn. + cm dm ) α − β = a1 b1 + a2 b2 + . Mostre que os ideais de Z são da forma < a >. . n ∈ Z. + cm dm . Resolução: Seja I um ideal de Z. . (ii) Sejam α.Exercício 8. Se I = {0}. Portanto 0 = 0. J ideais de S . Como I é um ideal podemos armar que −a ∈ I . pois r ∈ I e 0 < r < n. . dj ∈ J . 5 . Resolução: (i) Como I e J são ideais. Isso contradiz a minimalidade de n. Logo α − β = a1 b1 + a2 b2 + . Como A é anel e I e J são ideais. a ≥ 0. 1 ≤ i ≤ n e 1 ≤ j ≤ m. (ii) Sejam α. Exercício 9. Sejam A um anel e I.J = ∅. . + (−cm )dm Como ci ∈ I e I é ideal. . Então kα = k(a1 + b1 ) = ka1 = kb2 . Portanto α − β = (a1 + b1 ) − (a2 + b2 ) = (a1 − a2 ) + (b1 − b2 ). b ∈< n >. . a1 ∈ I e b1 ∈ J . + an bn ) = (ka1 )b1 + (ka2 )b2 + . Suponha que I = {0}. + an bn e β = i=1 ci di = c1 d1 + c2 d2 + . existem inteiros q. (i) Como I e J são ideais. . .