You are on page 1of 8

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E OS DESAFIOS PARA UM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Alessandro L. da Silva ssilengenharia@gmail.

com Mestre / MPDR Universidade de Taubaté, Rua Expedicionário Ernesto Pereira, 225, Portão 2 CEP 12.020-030- Taubaté/SP – Brasil Edson A.A. Q. Oliveira edsonaaqo@gmail.com Professor Doutor Pesquisador do Programa de Pós-graduação em Gestão e Desenvolvimento Regional da Universidade de Taubaté, Rua Expedicionário Ernesto Pereira, 225, Portão 2 - CEP 12.020-030- Taubaté/SP – Brasil José L. G. Silva gomesdasilvaster@gmail.com Professor Doutor Pesquisador do Programa de Pós-graduação em Gestão e Desenvolvimento Regional da Universidade de Taubaté, Rua Expedicionário Ernesto Pereira, 225, Portão 2 - CEP 12.020-030- Taubaté/SP – Brasil RESUMO: A atualidade do “pensar” sobre inovação tecnológica e os desafios para um desenvolvimento sustentável tem sido o fomento em diversas articulações, inclusive sócio-políticas, sob a relevância das perspectivas ambientais, sociais e econômicas, concatenadas entre si, considerando, sobretudo a perspectiva cultural, uma vez que o complexo processo de desenvolvimento sustentável demanda formação, transferência e a absorção de novas tecnologias, com relevância à perspectiva ambiental, observada principalmente pela elevação da escassez de recursos em escala global. Desta forma, o artigo, por meio de uma abordagem qualitativa, baseado em pesquisa bibliográfica documental, com delineamento descritivo, buscou discutir os processos para o desenvolvimento inovativo e sustentável por meio dos modelos teóricos definidos como Estadista Triangula de Sábato (Laissez-faire) e Hélice Tripla, considerando o conceito de organizações inovadoras e sustentáveis. Como resultado, verificou-se que os processos inovativos e seus “desafios” demandam cada vez mais, alta complexidade, fazendo-se necessário a transferência e a absorção tecnológica, para um efetivo desenvolvimento, que concatene todas as perspectivas da sustentabilidade, e que, sobretudo, atinja as várias escalas da sociedade, prevalecendo assim como primordial à sinergia entre as Instituições de Ensino Superior (IES), Empresas (E) e o próprio Governo (G), observada, sobretudo no modelo denominado Hélice Tripla. Palavras-chave: Desenvolvimento, Inovação Tecnológica, Sustentabilidade. ABSTRACT: The actuality of the "thinking" about technological innovation and the challenges for sustainable development has been encouraging in several joints, including socio-political perspectives on the relevance of environmental, social and economic, concatenated together, considering especially the cultural perspective since the complex process of sustainable development demands training, transfer and absorption of new technologies relevant to the environmental perspective, observed mainly by rising resource scarcity on a global scale. Thus, the article by means of a qualitative approach, based on bibliographical documentation, with descriptive design, sought to discuss the process for developing innovative and sustainable by means of theoretical models defined Statesman, Sábato Triangle (Laissez-faire) and Triple helix, considering the concept of sustainable and innovative organizations. As a result, it was found that the innovative processes and their "challenges" demand increasingly high complexity, making it necessary to transfer and technology absorption, for effective development, which concatenates all
The 4th International Congress on University-Industry Cooperation – Taubate, SP – Brazil – December 5th through 7th, 2012 ISBN 978-85-62326-96-7

cada vez mais estampados nos processos mercadológicos. mas novidades que atendam as múltiplas dimensões da sustentabilidade em bases sistemáticas e colham resultados positivos para ela. Na mesma abordagem. . 1. Assim. p. (2010. 150) na mesma abordagem definem ainda que “os dois conceitos de organização podem entrar em contradição. define-se que uma organização é de fato inovadora quando ela agrega “novidades de qualquer tipo em bases sistemáticas e colhe os resultados esperados” (BARBIERI. as well as prevailing primary synergy between Higher Education Institutions (HEI). Sveiby (1998. 2. com base nas definições de Amartya Sen. uma organização inovadora sustentável “não é a que introduz novidades de qualquer tipo. prevalecendo o sistema e as instituições educacionais. p. p. considerando sua magnitude e abrangência. Triangulo de Sábato e Hélice Tripla. influenciando diretamente todo o processo. é extremamente relevante à adoção de um Governo (G) menos conservador. apenas inovar constantemente. contextualiza que as denominadas “organizações do conhecimento” são aquelas caracterizadas por possuírem poucos ativos tangíveis sendo os seus ativos intangíveis muito mais valiosos do que seus ativos tangíveis. 98-99). 2007. Todavia. relacionadas direta ou indiretamente com governos e com os “atores locais”. e o próprio progresso tecnológico. ambiental e social. conforme define (BARBIERI. reaches the various scales of society. and. Na mesma abordagem. inerente às novas condições. para a sociedade e o meio ambiente” (BARBIERI.the prospects of sustainability. Barbieri et al. 2. sobretudo frente aos modelos Estadista. que atinja as diversas camadas econômicas da sociedade. já que a expressão “bases sistemáticas” significa a realização de inovações com autonomia. para que haja um efetivo desenvolvimento. para as empresas. pois inovar em bases sistemáticas pode se tornar sinônimo de degradação sistemática do meio ambiente e da vida social”. definem que “não basta. definidas no Quadro 1. Outrora. mas inovar considerando as três dimensões da sustentabilidade”. considerando as três dimensões: social. cunhado na modernização social. sob os aspectos inovativos e tecnológicos. p. intencionalidade e proatividade. (2010. INTRODUÇÃO O conceito de desenvolvimento. Ainda na mesma concepção.1 REFERENCIAL TEÓRICO Organizações Inovadoras e Sustentáveis Mais especificamente. a pesquisa sobre tecnologia em países em desenvolvimento adotou uma perspectiva dinâmica. Enterprise (E) and the government (G). p. 2007. Key words: Developing. estampada na expansão da liberdade humana. no início dos anos 70. O objetivo deste artigo foi avaliar a inovação tecnológica e seus desafios para um desenvolvimento sob as perspectivas da sustentabilidade. above all . necessário para um efetivo desenvolvimento tecnológico. p. e de organizações. quer sejam as condições de um país ou simplesmente as particularidades regionais. (SEN 2000). uma organização sustentável é a que simultaneamente concatena a eficiência econômica. 88). considerando a formação do capital intelectual. Barbiere et al. Technological Innovation. pode ser definido como sendo um conjunto de processos de industrialização. 24). 105). Sustainability. ambiental e econômica. 2007. Na mesma abordagem. cabe ressaltar que o efetivo o desenvolvimento possui vários papéis vitais. 150).

a capacidade tecnológica é de natureza difusa. Preocupação com os impactos ambientais pelo uso de recursos naturais e pelas emissões de poluentes. Embora os benefícios da capacidade tecnológica inovadora para o desenvolvimento econômico de indústrias e países tenham sido observados. p. Essa definição baseiase em outras formuladas anteriormente. absorção de novas tecnologias. define que a inovação é um elemento essencial do modus operandi deste árduo processo. emergiu um conjunto de estudos sobre o desenvolvimento tecnológico em empresas de países emergentes. 2. Figueiredo (2005. considerando as Faculdades. diversidade organizacional). habilidade e acima de tudo o know-how. 2007. além das informações geográficas e demográficas. o capital humano. Dimensão Ambiental Dimensão Econômica Fonte: Adaptada de Barbieri et al. Dimensão Social Preocupação com os impactos sociais das inovações nas comunidades humanas dentro e fora da organização (desemprego. (FIGUEIREDO. exclusão social. foi Joseph Schumpeter. prevalecendo à contemporaneidade e a relevância da sustentabilidade cultural. p. conhecimentos e experiência) e aos sistemas organizacionais. o que pressupõe que ela desenvolva continuamente recursos tangíveis e intangíveis para inovar permanentemente e de fato os “recursos naturais. incluindo-se a criatividade e a inovação. Na mesma percepção. quem enfatizou a importância da inovação para o desenvolvimento econômico das nações. 1987. p. é um bem intangível. Com base nesta teoria. 150). Centros Universitários. e nele pode estar concatenada toda capacidade. desde a revolução industrial.2 DESAFIOS PARA UM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Os desafios do desenvolvimento sobre a abrangência da inovação transcendem os aspectos tecnológicos e ambientais.Quadro 1: Dimensões da Sustentabilidade. Além disso. ainda nos revela que os fatores de contribuição direta no desenvolvimento. Figueiredo (2005.. 64). os ativos tangíveis contribuem muito menos para o valor de seu produto ou serviço final do que os ativos intangíveis”. “[. nestas instituições. considerando a capacidade tecnológica e sua importância. Karl Marx. Barbieri et al. na década de 30. 6). 56) conclui que: A capacidade tecnológica incorpora os recursos necessários para gerar e gerir mudanças tecnológicas. estão estampados na capacidade de formação do capital intelectual (capital humano). Preocupação com a eficiência econômica. por Adam Smith. valor este representado pela Figura 1. dentre outros. capital físico e mão-de-obra bruta não é suficiente para o desenvolvimento de uma economia altamente produtiva” (SCHULTZ. . Schultz (1997). Alexis de Tocqueville. 54). Desta forma.. (2010. Institutos Federais e Públicos. é o conhecimento. MARTINS. 55) nos revela que já no final dos anos 70. conhecimento. p.] de fato. Desta forma. Tais recursos acumulam-se e incorporam-se aos indivíduos (como aptidões. pobreza. sob a influência intelectual da “abordagem baseada em recursos” e da perspectiva de Joseph Schumpeter. 2005. uma vez que tal processo demandará transferência e sobretudo. Segundo Stewart (1998. (2010). apud ANTUNES. é o combustível. sem a qual elas não se perpetuariam. Para as empresas essa dimensão significa obtenção de lucro e geração de vantagens competitivas nos mercados onde atuam. que pode migrar de lugar juntamente com as pessoas. Com base nesta definição. p. ou de industrialização tardia. p.

uma região pode se desenvolver mais ou menos do que outra. Definem ainda que “o que é novidade para uma instituição pode ser rotina para outra. e das estruturas locais. necessário na absorção do conhecimento tecnológico (inovação). fomenta o desenvolvimento. (BARRETO. p. seja arte ou método. considerando as raízes endógenas dos modelos de modernização. “[. Assim. já que a variável tempo é um valioso dispêndio. embora a capacidade de inovar dependa diretamente do capital intelectual. p. tanto em termos quantitativos quanto qualitativos” . “a inovação. Na atualidade. em todas as escalas da sociedade. 15). neste final de século. No mesmo contexto. produtos e serviços disponibilizados à sociedade”.] o quadro socioambiental que caracteriza as sociedades contemporâneas revela que o impacto dos humanos sobre o meio ambiente” está “[. e isto reflete na distinção comum entre ser novo para a instituição. sendo muitas vezes observado por cenários irreversíveis. um papel central na reflexão em torno das dimensões do desenvolvimento e das alternativas que se configuram”. definem que a vantagem competitiva sustentável ocorre de fato. Os desafios sobre o conceito de um desenvolvimento sustentável estão concatenados desde o surgimento da crise ambiental em meados de 1980. 199). Na mesma abordagem.. p. Considerando a abordagem de Jacobi (1999). representado no Quadro 2. sobretudo os processos normativos de melhoria contínua.Figura 1: Identificação do capital humano. conforme afirma Sveiby (1998. localização geográfica e seus investimentos em PD&I. p. de certa forma.3 TRANSFERÊNCIA E ABSORÇÃO TECNOLÓGICA A capacidade de absorção tecnológica pode ser definida pelas observações de Cohen e Levinthal (1990). 2009. 1999. inerente a capacidade de absorção tecnológica.24). Fonte: Adaptada de Figueiredo (2005).. p. Desta forma. é de fundamental importância. por intermédio dos processos de comercialização”... 2001 apud FERNANDES et al.. ..] está estreitamente relacionado com estratégias de atuação para a implementação de um conjunto de medidas e. 2. e ser novo para o mercado e novo para o mundo todo”. representada por novos processos e métodos de fabricação.] se tornando cada vez mais complexos. Sachs (1993) descreve que a sustentabilidade cultural. Bessant e Tidd (2009. “a problemática da sustentabilidade assume. TIDD. sendo extremamente necessário que haja assimilação. nesta mesma abordagem. assume papel de relevância no processo de desenvolvimento sustentável. 2007. (JACOBI. considerando que este conceito pode ser compreendido uma vez que se tenha habilidade para reconhecer o “valor de um novo conhecimento”. Este processo de aprendizado. 175). “[. 199). mas apenas instrumental”. (BESSANT. portanto não é exatamente um conceito teórico. quando as “organizações” beneficiam-se do “conhecimento e de suas competências tecnológicas para que se traduzam as inovações em estratégias e iniciativas em prol da sociedade. considerando-se uma gama de variáveis tais como.

O desenvolvimento em termos conceituais é a explicação de virtualizações preexistentes no processo histórico-social. dentre elas a de Schumpeter (1988). de certo modo pode até se opor a ideia de progresso econômico.5 MODELOS ESTADISTA. Outra grande e importante variável a ser considerada. incentivo a pesquisa e desenvolvimento. 2.19). Fatores Determinantes Escolaridade Tempo de emprego Habilidades Individuais Experiência profissional Contratação de profissionais de empresas estrangeiras Diversidade de formações Dispêndios em treinamento Dispêndios em P&D / Receita líquida de vendas Realização de P&D contínuo Não inovou Não possui capacidade de absorção Inovou Não usou fontes externas de informação Não possui capacidade de absorção Inovação e Capacidade de Absorção Usou fontes externas de informação Possui capacidade de absorção Conhecimentos prévios Fonte: Da Silva.. sobretudo pela ausência governamental. conforme afirma Sachs (1993). 2. assim prevalecendo os aspectos culturais nesta análise. Oliveira. “[. sem dúvida são os desafios ambientais. conforme representação na Figura 3. contextualiza que: Desenvolvimento é um processo social global. (NOVELLI.] a integração dessas instituições é apontada como possível solução para a questão da inovação tecnológica”. requer estudar alguns indicadores. que faz uma abordagem a inovação tecnológica. . p. O desenvolvimento depende dos valores de cada sociedade. social ou cultural só deve ser realizada por razões metodológicas ou para tratar de um desses sentidos particulares. que propõe uma relação direta e dinâmica entre o Estado. sob a ótica de inovação tecnológica. ou seja. já a “[. De acordo com Figueiredo (2005). Mais do que o desenvolvimento de novos produtos nas empresas.. TRIÂNGULO DE SÁBATO E HÉLICE TRIPLA Considerando a contemporaneidade. é também a criação de novos arranjos entre as esferas institucionais que propiciam as condições para a inovação”. p. 83). no desenvolvimento. Silva (2011.] formulação conhecida como Triângulo de Sábato monstra como os vértices desse triângulo se encontram desconectados”. de fato “tem tomado um sentido mais amplo. a classificação de desenvolvimento econômico.Quadro 2. dentre eles os educacionais.4). 299). Desta forma. pois seu objetivo é mais do que a oferta de bens e serviços resultante do aumento de produtividade. hoje em escala internacional.] modelo da Hélice Tripla.. p. Fatores determinantes na capacidade de absorção tecnológica.4 DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA O desenvolvimento econômico possui várias interpretações. SEGATTO. sustentando-a sob como sendo um fator primordial para o desenvolvimento da economia. nas abordagens de Etzkowitz (2003. politico. 2012. estes definidos como indicadores convencionais. O mesmo observado ao modelo Estadista. estudar o desenvolvimento econômico. observado no “[.. setores industriais e países. a ciência realizada na universidade e a tecnologia desenvolvida na empresa”... considerando a magnitude de sua importância. p. Porém considerando os aspectos culturais. de cada região Vieira (2009. Indicadores relativos à base de pesquisa e desenvolvimento (P&D) e patentes têm sido extensivamente usados para medir a capacidade tecnológica de empresas. o conceito de inovação.

e. que por sua vez incide diretamente nos aspectos sociais. Etzkowitz (2003). destaca a importância da cooperação direta. p. p. econômicas e sociais. 85). com uma abordagem às publicações científicas.MÉTODO A pesquisa apresentou-se por meio de cunho teórico.RESULTADOS E DISCUSSÃO Um “pensar” crítico. sobretudo. Novelli e Segatto (2012. Desta forma. com abordagem qualitativa. cabe ressaltar os aspectos econômicos e espaciais. enfatizando a relação entre Universidades (U) e Empresas (E). haja vista a elevação da escassez de recursos em escala global. a saber: Governo (G). considerando a tecnologia e.Figura 3: Modelos Estadista. Triângulo de Sábato e Hélice Tripla. Considerando a complexidade e magnitude da sustentabilidade por meio da interação entre tais aspectos. cultural e política. pois como formar o capital intelectual. A amostragem documental considerou publicações de livros. artigos e periódicos que contextualizam inovação tecnológica e os desafios para um efetivo desenvolvimento. como disseminar o conhecimento em larga escala a fim de efetivamente promover o desenvolvimento. sem dispêndios? E sem este capital intelectual. de certa forma emergem a profundas reflexões sobre as questões ambientais. que considere a sustentabilidade. Fonte: Noveli e Segatto (2012. 4 . O trabalho apresenta-se por meio de um delineamento descritivo. . sob a forma de gerar inovação. demandará ainda altos investimentos. indo de encontro às abordagens de Sachs (1993). abordadas nos modelos Estadista. em distintas regiões. sobre os demais. conclui-se que os aspectos da sustentabilidade. e Hélice Tripla. e promovem a chamada sinergia socioeconômica. sobretudo pela problemática geográfica. permeando sobre as esferas espaciais (geográficas) e culturais. 3 . e as questões demográficas das mais diversas. prevalecendo o modelo da Hélice Trilha. estão concatenados entre si. os aspectos econômicos e culturais incidem diretamente no desenvolvimento. sobre um efetivo desenvolvimento. certamente. Buscou-se ainda uma correlação e suas contribuições nas discussões sobre inovação tecnológica. nas abordagens de Schultz (1987). Assim. 83) definem que a “geração de inovação pode ser considerada dentro de um processo que integra três esferas”. Desenvolvimento e Inovação – PD&I. Triângulo de Sábato. Universidade (U). Da mesma forma. considerando os desafios da inovação e da sustentabilidade desenvolvimento. que indique uma sociedade de fato produtiva? Assim. Tais aspectos envolvidos e que devem ser considerados. principalmente em Pesquisa. refletidas no desenvolvimento. haja vista a complexidade dos aspectos envoltos sobre a abrangência do tema sustentabilidade. refletidos. com base nestas afirmações. independente de seus valores. sob os aspectos da inovação e da capacidade de absorção tecnológica. Empresa (E). nesta abordagem.

FERNANDES. O Município no Século XXI: Cenários e Perspectivas. A. DA SILVA. Organizações inovadoras sustentáveis: uma reflexão sobre o futuro das organizações. . LEVINTHAL. desenvolvimento. F. 2010.C. Porto Alegre: Bookman. sobretudo demandará a formação do capital intelectual. 2007./mar. abril-junho. p. FIGUEIREDO. P. 1974. Rio de Janeiro. A. In: XII Mostra de Pós-Graduação. já que a variável tempo incidirá diretamente neste processo. n.. 2005. em particular a cultural. Fundação Getúlio Vargas. 58p. Revista São Paulo em Perspectiva. n. P.. incide diretamente no desenvolvimento e demonstrou-se como um fator essencial. C. C. J. v. In: CEPAM Fundação Professor Faria Lima. J. J. 19. 2009. M. In: STANZICK. v. NOVELLI. P.1.. Internacionalização da Universidade: desafios no cenário global. Organizações inovadoras sustentáveis. A. 2007. Ensayos sobre política tecnológica en América Latina.81-105. J. BESSANT. Brasília: IPEA. H. In: BARBIERI. inovação e aplicação propriamente ditas dos recursos envolvidos? Considerando todas as variáveis apontadas nesta e em outras pesquisas. A. DE NEGRI. Inovação e empreendedorismo. D. 1990. ETZKOWITZ. BARBIERI. 1. In: DE NEGRI. 128-52. p. Quito: Instituto Latinoamericano de Investigaciones Sociales. M.. considerando recursos humanos cada vez mais qualificados. J. Grandes minas e comunidade: algumas questões conceituais. Determinantes da Capacidade de Absorção das Firmas Brasileiras: Qual a influencia do perfil da mão-de-obra?. D.R./mar. Karl-Heinz. OLIVEIRA. Bases para un régimen de tecnología. Administrative Science Quarterly. São Paulo. F. questionase: Estamos preparados para um desenvolvimento inovativo e de fato sustentável? REFERÊNCIAS BARBIERI. São Paulo.CONCLUSÕES A sustentabilidade. p. COELHO. n. J. SILVA. L.5 . 32(1). DE NEGRI. v. n. Como estará o sincronismo entre pesquisa. ed. São Paulo. 2011. vol. Acumulação e inovação industrial: conceitos. Research groups as quasi-firms: the invention of the entrepreneurial university. 54-69. JACOBI. SÁBATO. 2012. 109-121. Geografia da Inovação Industrial: uma análise da microrregião de são José dos Campos . 9. Inovação e Sustentabilidade: novos modelos e proposições. W. C.). 146-154. Ecuador. 1. 1999.2. São Paulo. Taubaté. SEGATO. 2006. Peter (Ed. et al. Absorptive capacity: a new perspective on learning and innovation. Atlas. Research Policy. pp. CETEM/MCT. Processo de cooperação universidade-empresa para a inovação tecnológica em um parque tecnológico: evidências empíricas e proposição de um modelo conceitual. TIDD. 35. et al.Revista de Administração e Inovação. Exportação e Emprego. L. Especial. N. M. E. incidindo diretamente na curva de absorção tecnológica. A.. J. (2003). G. F. Tecnologia. considerando a transferência e a absorção tecnológica. SIMANTOB. RAI . Uma vez que tal processo. mensuração e evidências no Brasil. Meio Ambiente e Sustentabilidade. jan. 2011. CHENKEL.SP. A. 50. J. In: RAE Revista de Administração de Empresas. COHEN. (Orgs). Brasil. jan. Q.

E. T. Universidade de São Paulo. 1ª Edição. A. 1987. Estratégias de transição para o século XXI – desenvolvimento e meio ambiente. Capital Intelectual: A nova vantagem competitiva das empresas. A Nova Riqueza das Organizações: gerenciando e avaliando patrimônios de conhecimento.. 1993. SCHULTZ. Industrialização e Políticas de Desenvolvimento Regional: O Vale do Paraíba Paulista na segunda metade do século XX. T. J. Rio de Janeiro: Campus. K.2000 SVEIBY. STEWART. Filho. 1998.SACHS. Tese (Doutorado em História Econômica) – Faculdade de Filosofia. I. SCHUMPETER. K. 1988. Investindo no Povo – O significado econômico da qualidade da população. 2009. SEN. 177f. 2009. 1998. F. Departamento de História. Tradução de Luiz Euclides T. VIEIRA. Rio de Janeiro: Forense Universitária. T. E. São Paulo: Studio Nobel/Fundap. A. – Rio de Janeiro: Campus. Editora Nova Cultura Ltda. A. . São Paulo. A Teoria do Desenvolvimento Econômico. W. Desenvolvimento como Liberdade – São Paulo: Companhia de Letras. Letras e Ciências Humanas. 3ª ed.