Conexões Ministeriais: Pequenos Grupos

por Bill Donahue

(Artigo do Willow News – Vol. 14 – ed. 1) Dando Visão aos que têm problemas de visão
O Problema: Visão Nebulosa Cada líder ou pastor de pequeno grupo deseja retratar uma imagem clara do lugar para onde Deus está conduzindo o ministério. Empenhamos-nos bastante em passar a visão, em “vender” às pessoas a idéia do futuro que queremos ou a nossa “idéia brilhante”. Líderes fazem afirmações do tipo, “Imaginem como será a nossa comunidade daqui a 12 meses se nosso grupo for um grupo de transformação de vidas?” Ou, “Você pode imaginar como será a nossa igreja quando ela estiver cheia de equipes prontas a servir em toda parte?” Parece algo muito bom, mas por que tão poucos estão se comprometendo e abraçando a visão? Russ Robinson e eu temos estudado a vida de líderes visionários há algum tempo, tanto em pequenos grupos quanto na equipe de liderança. Como resultado desse estudo, descobrimos três razões que levaram a visão a ficar um pouco nebulosa nos pequenos grupos, nas equipes de ministério e na liderança das igrejas. Ajustando o Foco Primeiro, os líderes tem o foco voltado para o “lançamento da visão” enquanto negligenciam o “lançamento dos problemas”. Neemias evitou esse erro, definindo o problema antes mesmo antes mesmo de lançar a visão. “Jerusalém se encontra em ruínas, e seus portões foram queimados”. As pessoas precisam entender a natureza da questão em pauta e por que ela é tão essencial para o ministério, antes de pedir que dêem os próximos passos. Em Segundo lugar, os líderes tendem a focar em 1/3 da visão – o que queremos alcançar. Porém, existem duas outras partes – o que queremos preservar e o que queremos evitar. As pessoas estão cansadas de ouvir sobre a “próxima grande coisa” que queremos realizar, e ficam perguntando se o que já fizemos tem algum mérito e se irá durar. Garanta às pessoas que existem valores a preservar e problemas a evitar – e que você tem tanto interesse nessas coisas quanta na nova direção em que Deus está lhes levando. Finalmente, nós não conseguimos transmitir um sentimento de urgência juntamente com os próximos passos de forma simples, clara e que possa ser entendida pelas pessoas. O quadro abaixo demonstra essa situação. Sem urgência ou clareza as pessoas ficam entediadas. A “visão” é apenas um anúncio. Apenas criar um sentimento de urgência, no entanto, pode deixar as pessoas frustradas. Você explica com grande paixão por que é importante agir (Jesus o fez, e não fazê-lo acarreta graves conseqüências, as afeta pessoalmente), mas não lhes diz especificamente que ação deve ser feita. Ao mesmo tempo, alguns comunicadores visionários motivam as pessoas a agir sem explicar para as pessoas porque é essencial agir agora. Como resultado as pessoas tornam-se céticas e perguntam-se, “Por que estamos fazendo tantas coisas? Qual é a razão disso?” Mas quando existe uma razão convincente (sensação de urgência) que leva as pessoas a agir juntamente com um chamado a ação que é factível, desafiador e recompensador, as pessoas tendem a abraçar o problema e são inspiradas e ir adiante.

ALTA Urgência

• • • •

Bíblico Pessoal Relevante Consequências

^ | | | | |

Frustrada

Inspirada

Entediada

Cética

BAIXA BAIXA ----------------------> Chamado à Ação ALTA

• • • •

Claro Factível Desafiador Recompensador

Um Exame de Visão Mostre o quadro acima para cinco líderes ou membros do staff. Após uma breve explicação, faça as seguintes perguntas: “Como você descreveria a visão do nosso ministério? Como você avaliaria a visão do nosso ministério em relação ao chamado e à urgência?” Elas estão frustradas, entediadas, céticas ou inspiradas? Peça que as pessoas respondam sinceramente. Aí pergunte a si mesmo, “Como eu poderia me comunicar de forma diferente para inspirar as pessoas a ação?” Eu sei que se você trabalhar nisso, as coisas se tornarão bem mais claras para todos. E, como uma visão clara, quem sabe o que você verá Deus fazer? Bill Donahue é diretor executivo de pequenos grupos para a Associação Willow Creek