DISCIPLINA: Variáveis Complexas PERÍODO: 2013.

2
CURSO: Engenharia Elétrica TURNO: MANHÃ
PROFESSOR: Diogo de Santana Germano DATA: 10/12/2013
ALUNO(A): NOTA:
AVALIAÇÃO 1
1. (2,0) Números Complexos
(a) (1,0) Mostre que Re(|z) = −Imz e Im(|z) = Re z.
(b) (1,0) Esboce os conjuntos |z −4| . 4 e |z −4| ≥ |z|. Qual deles
é domínio? Justifique sua resposta.
2. (3,0) Derivadas
(a) (1,0) Seja í(z) = x
3
+ |(1 − ¸)
3
. Determine onde í

(z) existe e
encontre seu valor;
(b) (1,0) Mostre que í(z) =


|θ]2
(t . 0, α < θ < α + 2π) é
diferenciável e calcule í

(z) em termos de z.
(c) (1,0) Mostre que a função í(z) = z −z não é derivável em nenhum
ponto do plano complexo.
3. (3,0) Funções Analíticas e Harmônicas
(a) (1,0) Justifique por que í(z) = (z
2
−2)¢
−z
é inteira e calcule sua
derivada.
(b) (2,0) Mostre que u(x, ¸) = 2x − x
3
+ 3x¸
2
é harmônica no seu
domínio e encontre o seu conjugado harmônico.
4. (2,0) Funções Elementares
(a) (2,0) Resolva a equação
sen z = 2
usando sen
−1
z (lembre que: sen
−1
z = −| log[|z + (1 −z
2
)
1]2
]).
BOA PROVA!!!
RESPOSTAS DA AVALIAÇÃO 1
1. (a) Seja z = x + |¸, onde x = Re(z) e ¸ = Im(z). Temos
|z = |(x + |¸) = |x −¸ ⇒Re(|z) = −¸ = Re(z)
ou seja, Re(|z) = Re(z) e
|z = |x −¸ ⇒Im(|z) = x = Re(z).
isto é, Im(|z) = Re(z).
(b) O conjunto |z −4| . 4 está representado abaixo:
Este conjunto é claramente aberto e conexo e, portanto, trata-se de
um domínio.
Já a equação |z −4| ≥ |z| equivale a
|(x + |¸) −4| ≥ |x + |¸|
ou seja, |(x −4) +|¸| ≥ |x +|¸|. Usando a definição de valor absoluto
de um número complexo obtemos
(x −4)
2
+ ¸
2
≥ x
2
+ ¸
2
e fazendo as devidas simplificações, obtemos apenas x ≤ 2; este
conjunto está representado no seguinte gráfico:
2
O conjunto representado no gráfico anterior não é aberto, pois sua
fronteira x = 2 faz parte do mesmo; logo, não é um domínio.
2. (a) Seja í(z) = x
3
+|(1−¸)
3
, ou seja, u(x, ¸) = x
3
e v(x, ¸) = (1−¸)
3
,
onde z = x + |¸. Temos,
u
x
= 3x
2
v
¸
= −3(1 −¸)
2
u
¸
= 0 −v
x
= 0
.
Note que essas derivadas são contínuas. Mas, para as Condições de
Cauchy-Riemann (u
x
= v
¸
e u
¸
= −v
x
) serem satisfeitas devemos ter
3x
2
= −3(1 −¸)
2
⇔x
2
= −(1 −¸)
2
.
A última igualdade só é satisfeita se ambos os membros forem nulos,
ou seja, se x = 0 e ¸ = 1; assim, as condições de Cauchy-Riemann
só ocorrem quando z = |. Logo, a função í(z) só é derivável em z = |
e
í

(z) = u
x
+ |v
x
= 3x
2
+ |[−3(1 −¸)
2
]
apenas em z = |, isto é,
í

(|) = 3 · 0
2
+ |[−3(1 −1)
2
] = 0.
(b) Temos
í(z) =


|θ]2
=

t

cos
θ
2
+ | sen
θ
2

=

t cos
θ
2
+ |

t sen
θ
2
3
ou seja, u(t, θ) =

t cos
θ
2
e v(t, θ) =

t sen
θ
2
. Agora, calculando
as derivadas parciais, obtemos
u
θ
= −

t
2
sen
θ
2
v
t
=
1
2

t
sen
θ
2
⇒−tv
t
=
−t
2

t
sen
θ
2
= −

t
2
sen
θ
2
v
θ
=

t
2
cos
θ
2
u
t
=
1
2

t
cos
θ
2
⇒tu
t
=
t
2

t
cos
θ
2
=

t
2
cos
θ
2
ou seja, as equações de Cauchy-Riemann em coordenadas polares
u
θ
= −tv
t
e v
θ
= tu
t
são satisfeitas; além disso, é fácil ver que
essas derivadas parciais são contínuas. Logo, í é diferenciável em
z = 0. Além disso,
í

(z) = ¢
−|θ
(u
t
+ |v
t
) = ¢
−|θ

1
2

t
cos
θ
2
+ |
1
2

t
sen
θ
2

=
¢
−|θ
2

t
¢
|θ]2
=
¢
−|θ]2
2

t
=
1
2


|θ]2
=
1
2í(z)
=
1
2z
1]2
.
(c) Temos í(z) = z −z = x +|¸−(x −|¸) = 2|¸, ou seja, u(x, ¸) = 0
e v(x, ¸) = 2¸. Logo,
u
x
= 0 v
¸
= 2
u
¸
= 0 −v
x
= 0
.
ou seja, para esta função as condições de Cauchy-Riemann (em
particular a condição u
x
= v
¸
) nunca são satisfeitas no plano
complexo. Portanto í não é derivável em lugar algum do z plano.
3. (a) Como z
2
− 2 é inteira, por ser um polinômio e ¢
−z
é inteira, por
ser uma composição das funções inteiras ¢
z
e −z, concluimos que
í(z) = (z
2
−2)¢
−z
é inteira, pois trata-se do produto de duas funções inteiras.
4
(b) Sendo u(x, ¸) = 2x −x
3
+ 3x¸
2
, obtemos as seguintes derivadas
parciais
u
x
= 2 −3x
2
+ 3¸
2
u
xx
= −6x
u
¸
= 6x¸ u
¸¸
= 6x
todas contínuas; além disso,
u
xx
+ u
¸¸
= −6x + 6x = 0
isto é, u é harmônica. Agora, para encontrar o conjugado harmônico
de u, que denotamos por v, devemos ter
u
x
= v
¸
e u
¸
= −v
x
.
ou seja,
2 −3x
2
+ 3¸
2
= v
¸
e 6x¸ = −v
x
. (1)
Integrando a primeira equação anterior em relação a ¸, vem
v = 2¸ −3x
2
¸ + ¸
3
+ φ(x)
onde φ é uma função diferenciável na variável x; derivando esta última
equação e usando a segunda equação em (1), obtemos
−6x¸ = v
x
= −6x¸ + φ

(x)
isto é, φ

(x) = 0 donde segue que φ(x) = C, onde C é uma constante
real. Portanto, o conjugado harmônico de u é
v(x, ¸) = 2¸ −3x
2
¸ + ¸
3
+ C.
4. (a) Como sen z = 2 temos z = sen
−1
2. Daí
sen
−1
2 = −| log[2| + (1 −2
2
)
1]2
] = −| log[2| + (−3)
1]2
]
Note que
(−3)
1]2
=

3 exp

|

π
2
+ |π

, | = 0, 1
=










3 exp

|
π
2


3 exp

|

2

= ±|

3.
Logo,
5
sen
−1
2 = −| log[2| + |

3] = −| log[(2 +

3)|]
= −|

ln(2 +

3) + |

π
2
+ 2iπ

i ∈ Z
= −| ln(2 +

3) +
π
2
+ 2iπ i ∈ Z
=

2i +
1
2

π −| ln(2 +

3) i ∈ Z
ou
sen
−1
2 = −| log[2| −|

3] = −| log[(2 −

3)|]
= −|

ln(2 −

3) + |

π
2
+ 2iπ

i ∈ Z
= −| ln(2 −

3) +
π
2
+ 2iπ i ∈ Z
=

2i +
1
2

π −| ln(2 −

3) i ∈ Z
Como (2 +

3)(2 −

3) = 4 −1 = 1, podemos escrever
2 +

3 =
1
2 −

3
= (2 −

3)
−1
donde,
ln(2 +

3) = ln(2 −

3)
−1
= −ln(2 −

3).
Portanto,
sen
−1
2 =

2i +
1
2

π −| ln(2 +

3) i ∈ Z
=

2i +
1
2

π + | ln(2 −

3)
ou
sen
−1
2 =

2i +
1
2

π −| ln(2 −

3)
Finalmente, encontramos z como sendo
z = sen
−1
2 =

2i +
1
2

π ±| ln(2 −

3), i ∈ Z.
BOA PROVA!!!
6