Disciplina : Filosofia 11ºAno

Escola Secundária de Carlos Amarante Ano lectivo de 2010/2011

M DE! S E"#!$CA%$& S D A) A!*+'S E"%,AC% S DE

C '(EC$ME'% ,$*EM D C '(EC$ME'%

-,AS DE F$!.S F S S -,E A

Qual destas posições é defendida em cada texto? Justifica
   Enfatiza-se o papel da razão que se considera determinante na produção do conhecimento; Realça-se a import ncia da experi!ncia e afirma-se que ela é suficiente para conhecermos; "oncilia-se razão e experi!ncia# entendendo que são as duas imprescind$%eis; "onsidera-se que é numa outra fonte que se de%e procurar a ori&em do conhecimento '


1)

/A0ora sei 1ue mesmo os corpos n2o s2o propriamente perce3idos pelos sentidos) nem pela faculdade da ima0ina42o5 mas apenas pelo entendimento)6 2) 6 esp7rito 8 capa9 n2o s: de con;ecer as verdades mas ainda de as encontrar em si < ))) =) > pois incontestável 1ue os sentidos n2o 3astam para fa9er ver a respectiva necessidade das verdades e 1ue assim o esp7rito tem uma disposi42o <tanto activa como passiva= para ele pr:prio a tirar do seu fundo5 em3ora os sentidos se?am necessários para l;e dar ocasi2o e aten 42o para isso e para o levar a umas de prefer@ncia a outras:A B) 6'a ori0em5 a alma 8 como uma tá3ua rasa5 sem 1uais1uer caracteres5 va9ia de 1ual1uer ideia) Como 8 1ue ad1uire ideiasC ))) Aonde vai ela 3uscar todos esses materiais 1ue fundamentam os seus racioc7nios e os seus con;ecimentosC D eEperi@ncia) > essa a 3ase de todos os nossos con;ecimentos)6 F) 6'2o resta dGvida de 1ue todo o nosso con;ecimento come4a com a eEperi@ncia < ))) = Se por8m todo o con;ecimento se inicia com a eEperi@ncia isso n2o prova 1ue todo ele derive da eEperi@ncia:A

-) A!*+'S E"%,AC% S DE

-,AS DE F$!.S F S S -,E A # SS$-$!$DADE D

C '(EC$ME'%

Qual destas posições é defendida no texto? Justifica  (e&a-se a possi)ilidade de conhecer;  *ceita-se que se+a poss$%el conhecer de modo a)soluto# que se+a poss$%el conhecer as coisas como elas realmente são;  "onsidera-se que h, al&uns dom$nios que não são suscept$%eis de ser conhecidos;  "onsidera-se que é poss$%el conhecer# mas com certas limitações' a- 6'2o ;á ou n2o eEiste nadaH se al0uma coisa eEistisse5 n2o poderia ser con;e cidaH se al0uma coisa pudesse ser con;ecida5 n2o poderia ser comunicada:A )- 6A re0ra por mim perfil;ada de 1ue s2o verdadeiras todas a1uelas coisas 1ue conce3emos muito clara e distintamente s: 8 válida pela ra92o de 1ue Deus 8 ou eEiste5 1ue 8 um ser perfeito5 e 1ue tudo o 1ue está em n:s vem dele5 resulta 1ue as nossas ideias ou no4Ies5 na medida em 1ue s2o reais e v@m de Deus5 ser2o necessariamente verdadeiras5 onde e sempre 1ue se apresentem como claras e distintas)6 c- 6#elo 1ue respeita Js causas de causas 0erais5 8 v2o tentar desco3riKlas5 pois ?amais ficar7amos satisfeitos com 1ual1uer eEplica42o particular 1ue l;es d8ssemos) Essas Gltimas fontes e princ7pios est2o inteiramente vedados J curiosidade e investi0a42o ;umanas)6 d- 6< ))) = as coisas 1ue intu7mos n2o s2o em si mesmas tais como as intu7mos5 nem as suas rela4Ies t@m em si mesmas o carácter com 1ue se manifestamH se fi9ermos a3strac42o do nosso su?eito5 ou mesmo apenas da condi42o su3?ectiva dos sentidos em 0eral5 toda a maneira de ser e todas as rela4Ies dos o3?ectos no espa4o e no tempo e mesmo o espa4o e o tempo desapareceriam5 uma ve9 1ue5 en1uanto fen:menos5 n2o podem eEistir em si mas unicamente em n:s))6

#á0ina 1 de 2

#rofessor da Disciplina: Los8 Au0usto A0uiar

Disciplina : Filosofia 11ºAno

Escola Secundária de Carlos Amarante Ano lectivo de 2010/2011

,ES# S%A A A  s eEemplos . e /5 constitu7dos por eEcertos de o3ras5 respectivamente5 de Descartes e de !ei3ni95 defendem uma posi42o racionalista relativamente ao pro3lema da ori0em do con;ecimento) Descartes considera 1ue n2o s2o os sentidos 1ue nos permitem con;ecer5 mas Gnica e simplesmente o entendimento) !ei3ni9 entende 1ue o esp7rito5 a1ui com o sentido de entendimento5 de ra92o5 tem em si mesmo certas verdadesH !ei3ni9 su3alterni9a o papel dos sentidos 1ue5 em sua opini2o5 apenas d2o oportunidade a 1ue o con;ecimento ocorraH despre9a os sentidos por1ue eles n2o nos d2o con;ecimentos dotados de necessidade l:0ica e5 portanto5 de universalidade) eEemplo 0 aponta nitidamente para uma concep42o empirista relativamente J ori0em do con;ecimento) > um eEcerto de uma o3ra de Lo;n !ocMe5 fil:sofo in0l@s do s8culo "&$$5 e nele se eEpIe5 de uma forma sint8tica5 a posi42o deste pensador: 8 a eEperi@ncia a fonte de todo o nosso con;ecimento5 tudo no con;ecimento prov8m da eEperi@ncia) eEemplo 1 8 um eEcerto da Cr7tica da ,a92o #ura de Nant e permite concluir 1ue este pensador concilia as posi4Ies anta0:nicas dos fil:sofos 1ue o precederam ?á 1ue considera 1ue a eEperi@ncia 8 necessária5 mas n2o 8 suficiente5 precisa do concurso do entendimento)

#odemos ent2o di9er 1ue eEistem5 pelo menos5 1uatro teorias 0noseol:0icas 1ue procuram eEplicar a ori0em do con;ecimento: o racionalismo5 o empirismo5 o apriorismo e o construtivismo) ,ES# S%A A O eEemplo a 8 um eEcerto de um sofista5 *:r0ias5 1ue viveu no s8culo $& a) C) e 1ue tivemos ?á oportunidade de referir a prop:sito da ret:rica e do lit707o entre sofistas e fil:sofos) *:r0ias ne0a fron talmente 1ue se?a poss7vel con;ecer5 o 1ue si0nifica di9er 1ue5 se0undo ele5 n2o podemos distin0uir entre verdade e opini2o) O eEemplo ) 8 um eEcerto de Descartes 1ue assume uma atitude radicalmente diferenteH para ele as nossas ideias5 desde 1ue se?am claras e distintas5 s2o verdadeiras5 portanto 8 poss7vel atin0ir a verdade5 em3ora5 curiosamente5 Descartes n2o consi0a passar sem a 0arantia divina: 8 Deus 1ue 0arante 1ue as nossas ideias s2o verdadeiras sempre 1ue se apresentam como claras e distintas) O Em c5 David (ume5 limita o campo do 1ue podemos con;ecer: n2o podemos con;ecer os primeiros princ7pios nem as primeiras causas5 o 1ue e1uivale a di9er 1ue5 no dom7nio da metaf7sica5 o con;ecimento n2o 8 poss7vel) O Em d' Nant limita o dom7nio do co0nosc7vel ao mundo fenom8nico5 Js coisas como elas nos aparecemH n2o 8 poss7vel con;ecer o 1ue as coisas s2o em si mesmas mas apenas filtradas pela nossa condi42o su3?ectiva 1ue espaciali9a e temporali9a as nossas impressIes)

#á0ina 2 de 2

#rofessor da Disciplina: Los8 Au0usto A0uiar