D. Internacional Público - Evolução do DIP - Prof.

Carlos Dörner –

Pg 1

O DE E!"O#"I$E!%O DO DI&EI%O I!%E&!'CIO!'# 'ntecedentes re(otos) *1++ a.C. %ratado entre Eunnatu(, sen-or de #agas-, e o .ovo de /((a, na $eso.ot0(ia tratado (ais antigo de 1ue se te( not2cia. !o antigo Egito e3istia u(a c-ancelaria de neg4cios estrangeiros, ocu.ando-se da di.lo(acia. &egistra-se u( tratado entre &a(s5s II e 6attisuli - rei dos 6ititas - 1ue .7s fi( 8 guerra da 2ria, e( 19:+ a.C., .revendo .a; .er.5tua, aliança contra ini(igos co(uns, entrega de cri(inosos .ol2ticos e co(5rcio. !a <ndia o C4digo de $anu =codificação costu(eira datada dos s5cs. I-II d.C.> contin-a nor(as de Direito Internacional) regulava a di.lo(acia, a guerra, .roibia a utili;ação de ar(as .5rfidas, .roibia o ata1ue ao -o(e( desar(ado. E( Israel o %al(ude babil7nico distinguia entre as guerras volunt?rias .ara au(ento de territ4rio e as guerras obrigat4rias, de cun-o defensivo. !or(as internacionais co(uns a todos os .ovos na antig@idade) Inviolabilidade dos tratados &es.eito aos e(bai3adores. !a Ar5cia antiga desenvolvera(-se diversos institutos de Direito Internacional)    ' arbitrage( facultativa e a arbitrage( obrigat4ria, res.eito .ela autono(ia das Cidades-Estado - igualdade Bur2dica, %ratados suBeitos 8 '.rovação do Consel-o e da 'sse(bl5ia do Povo antes de sere( C.ro(ulgadosC e -aver troca de ratificaçDes, seu te3to era afi3ado nos te(.los, enseBando seu descu(.ri(ento sançDes de car?ter .úblico e religioso.

E( &o(a)

eito a ca(. 1. Co( a consolidação do . O Pa.ara 1ue os cristãos . Concilio de !arbona . anto 'gostin-o reflete acerca da guerra Busta .1*M.ri(ento de u( tratado. era o ?rbitro su. Posterior(ente esta tr5gua foi estendida a todos os dias santos.ondendo ao 1ue -oBe designa(os Direito Internacional Privado.1+9H) .or1ue não era elaborado . Conc2lios de #atrão . defende o .1.e do cu(.       . !a Idade $5dia) 6ouve u( grande desenvolvi(ento do Direito Internacional sob a influGncia da IgreBa. (ul-eres. Carlos Dörner – Pg 9 Eus Aentiu() nor(as de Direito &o(ano 1ue os estrangeiros .udesse( atender ao dever do(inical. era u( Direito legislado .1+K+) sus.Prof. co(erciantes. Internacional Público .Conc2lio de Elna . %in-a( o intuito de facilitar as relaçDes co(erciais co( os estrangeiros.endia as lutas desde Luarta-feira 8 tarde at5 egunda de (an-ã.19*.roibia a guerra das 1I)++ -s. Concilio de $arsel-a .re(o das 1uestDes entre os diversos &einos.não foi res. . de egunda-feira. de Deus introdu.a 1. .adas nas relaçDes co( naçDes estrangeiras.a.D.eitado. de ?bado at5 as J)++ -s. Proibia a destruição de col-eitas e instru(entos agr2colas. ' %r5gua de Deus . Eus Fetiale) conBunto de nor(as utili. corres.odia( invocar.1HM) Estende( a %r5gua de Deus a toda a Cristandade. I(. ContribuiçDes $arcantes)  ' Pa.iu no (undo ocidental o conceito de beligerantes e não-beligerantes.un-a o res.oder civil) as 1uarentenas do rei gradativa(ente vão substituindo estas tr5guas. al5( de %er a faculdade de liberar u( Pr2nci.oneses. !ão era u( verdadeiro Direito Internacional .Evolução do DIP .or &o(a. viaBantes. Constitu2a-se de nor(as de car?ter religioso e Bur2dico.ais dos b?rbaros e a casa contra os bandidos. 1.ela ociedade Internacional.1+IK) estabelece 1ue cristão 1ue (ata cristão derra(a o sangue de Cristo .eregrinos.

religiosa na 'le(an-a. . al5( de revogar o Direito Internacional Convencional anterior.lo(?ticos.u( siste(a e( 1ue -? u(a distribuição de forças.endGncia dos Pa2ses Oai3os. f> estabelece a . Internacional Público .1P ConferGncia de 6aia) cria a Corte .lano do Direito Internacional Privado) estabelece o .Pa.. 1ue a intenção dos beligerantes seBa reta . 1H:M .rinci. .oração da 'ls?cia 8 França.ara o Direito Internacional) a> a internacionali.ara 1ue . d> Estabelece a classificação dos agentes di.ação dos grandes rios euro. b> a condenação do tr?fico negreiro.&evolução Francesa) %eve grandes re.er(anentes. !o Per2odo $oderno) a> b> c> 1JK: .rinci. e> o fraciona(ento do acro I(. c> Declaração e recon-eci(ento da neutralidade . de /trec-t) estabelece + .io do e1uil2brio euro.5rio Aer(0nico.e.er(anente da u2ça. b> a inde. 1H1* .rinc2.eu .a. o Direito dos Povos.acifica dos lit2gios internacionais.ara a solução .D. 1:1I .eus. e( 1ue u( Estado não .er(anente de 'rbitrage( de 6aia.lo(?ticos.ecial(ente no .elo . d> o estabeleci(ento de legaçDes . e> &egula o credencia(ento dos agentes di. c> a incor.Pa. de Nestf?lia) ter(ina a guerra dos *+ anos. 1ue sua causa seBa u( Direito violado.io das nacionalidades.ode i(.or sua vontade a outro Estado. Carlos Dörner –  Pg * ão %o(?s de '1uino considera a e3istGncia de * condiçDes essenciais .ortantes .Prof.ossa ser considerada Busta u(a guerra) 1ue fosse declarada .r2nci.ais decisDes destaca(-se) a> a criação da u2ça.Evolução do DIP . Entre suas . as garantias do cidadão. 1:MM .Congresso de "iena) DeliberaçDes i(.ercussDes es.ro(over u( be( ou evitar u( (al.

*. K.ara o surgi(ento da R.eracional da antiga #iga das !açDesQ 9. afastara(-se todos e 1uais1uer vest2gios de gl4ria ou caval-eiris(o tornando o e(bate u(a (era 1uestão de efic?cia no (atarQ e.ri(eiro conflito e( escala (undial.lano do DIP fora() 1. no .era( deste conflito o (ais trau(?tico da 6ist4ria) 1. Ocasiona a criação a Corte Per(anente de Eustiça Internacional. a.Evolução do DIP . dis. .o.Des fi. e( 6aiaQ I.lano o. Carlos Dörner – Pg K 1M+H . . Foi o 1T conflito de car?ter global – nen-u( recanto terrestre esca.eração entre as !açDesQ 9.ri(eiras bo(bas at7(icas.açDes Internacionais. ' criação da Corte Internacional de Eustiça.ou a seus efeitosQ nele se e(.D. 1M1: – Final da I Auerra $undial) o .roble(as da antiga CPIEQ . Internacional Público . de. EnseBa a abolição da Rdi.rescindibilidade de evitar a re. "er(el-a.resenta as seguintes re.ar1ues industriais.Prof.regou a c-a(ada Rguerra totalS – seus efeitos atingira(. etc. ' criação da O!/.ondo acerca da guerra terrestre e da guerra naval. 'bre es.urada dos . . fontes de recursos econ7(icos.Q nela se e(. corrigidos os erros detectados no .ara conclu2-la entrara( e( cena as . 9.ri(eira geraçãoS de Organi. $otiva a Fundação da #iga das !açDesQ K.rinci. Os .lo(acia secretaSQ *.etição de conflitos e( tal escala.ara tal encontrados. ao c-egar a seu t5r(ino.ulaçDes civis. .redo(inante(ente.ais (eios .9P ConferGncia de 6aia) estabelece u(a regula(entação dos conflitos internacionais.regou o terror co(o (5todo. co(o a OI% e a Cru.aço . &esulta da2 a i(. 1MKI – Final da II Auerra $undial) Diversas ra. Evidencia a necessidade de tender-se 8 coo.lano do DIP) 1.ercussDes no .

entretanto. E( alguns (o(entos.olaridade) ' desarticulação da antiga /nião das &e.) Huntington. ' tendencial substituição do D.ol2ticos internacionais.rofunda rearticulação estrutural e nor(ativa. .ois 1ue nesta transição ainda não se consolidou u( novo iste(a Internacional.ondo ao funda(entalis(o religioso o funda(entalis(o !eoliberal co( os seus dog(as do livre-(ercado.úblicas ocialistas ovi5ticas.Ue3.roBeta( a ociedade Internacional e( u(a . e(bora algu(as obras =co(o . a . 1MM+ – Fi( da Oi. !este conte3to torna(-se referenciais. . contra. Internacional Público . e( CO!F&O!%O DE F/!D'$E!%'#I $O .roscrição dos .D.osição da Orde( $undial> B? os . Carlos Dörner – *.Evolução do DIP .ia. de car?ter funda(entalista. ousare(os fa.resença de u(a nova dial5tica. . a .rotecionis(os.roteção da . costu(eiro .ortanto. co(o o . se(el-ante 81uelas fotos antigas.arece indicar a . da c-a(ada globali.es. .renuncie(.or outro lado. .italista. u( iste(a Internacional. Samuel P. convencionalQ K. o esgota(ento do conflito entre as ideologias socialista e ca.riedade intelectual e os Direitos 6u(anos.ação e da integração de (ercados.recedGncia 1ue os fatores econ7(icos internacionais ad1uire( e( face dos fatores .er algu(as consideraçDes acerca da nova realidade 1ue se vai descortinando ante nossas vistas.or u( D.or ve. %rata-se de u( (o(ento de transição e( 1ue os novos . O in2cio do %erceiro $ilGnio. ' crescente . . ' abordage( atual desta (at5ria ser?.reocu..Prof.I.ara(.arece indicar %ari1 'li. co(.I.lano dos Direitos 6u(anos.ro(isso de u(a (aior e1uitatividade internacionalQ Pg I I. . e( to( s5.aradig(as ainda não se cristali. O C6OL/E DE CI"I#IV'WXE – e a reco(.ro. ao discutir u(a Orde( Internacional. a .ação co( garantias internacionais no .