REINO MONERA

Stefane Assunção Jonathan Reis Jounes Junior Iuri Nascimento Ruan Teixeira 5841 Reino Monera Orientadora: Lídice Arlego de Almeida Paraguassu Salvador – BA 2014 .

.................................................2 Microcystis Aeruginosa .................................................................................................................7 Vibrio cholerae .............................................................................3 Staphylococcus Aureus ................................9 Avaliação do Crescimento da Bactéria Escherichia Coli tratada com preparados homeopáticos ........11 Laboratório testa bactérias em comida que cai no chão ..............................................................................................................................................................................................................................................................................................................12 Referências Bibliográficas .............5 Bacillus Anthracis ..........8 Experiências Científicas ...............................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................Sumário Organismos .......................................4 Proprionibacterium Acnes ..............................................6 Clostridium Botulium ..............................................................................................................................1 Escherichia Coli ..............................13 .....................................10 Dor Miofascial dos músculos da Mastigação e Toxina Botulínica ...............

ORGANISMOS .

Família: Enterobacteriaceae. E.coli. coli se reproduz por dois meios: a divisão celular (assexuado). Gênero: Escherichia. Espécie: Escherichia coli. Relação mútua com o seu hospedeiro. Nome Popular: E.  Ocorrência: Por todo o Planeta onde haja um organismo hospedeiro. e transferência de material genético através de um pilus sexual (conjugação).  Características Gerais: Heterotrófico. Habitat: Lúmen intestinal dos seres humanos e de outros animais endotérmicos. Classe: Gamma Proteobacteria. Ordem: Enterobacteriales. 2 .Escherichia coli         Filo: Proteobacteria.

Classe: Cyanophyceae.  Ocorrência: Alastrou-se por todo o mundo.  Características Gerais: A sua reprodução é assexuada. Gênero: Microcystis. Tóxica. aeruginosa. Habitat: Tanto nos solos como nas águas (quer sejam limpas ou eutrofizadas). 3 .Microcystis Aeruginosa         Filo: Cianobactérias. Espécie: M. Nome Popular: Algas verdes-azuis. Família: Microcystaceae. Ordem: Chroococcales. por simples divisão da célula.

 Ocorrência: Se alastrou por todo o mundo. Ordem: Bacillales. aeróbia ou anaeróbia facultativa. Classe: Bacilli. Gênero: Staphylococcus. Espécie: S.Staphylococcus Aureus        Filo: Firmicutes. cabelo.  Habitat: Pele. gram positiva que cresce na forma de cachos de uva. nariz. garganta. ferida com pus e espinhas.  Características Gerais: bactéria esférica. aureus. 4 . Nome Popular: Estafilococodourado. Família: Staphylococcaceae.

5 . Nome Popular: Acne.  Ocorrência: Está presente na maioria da população em todo o mundo. Espécie: P.Propionibacterium Acnes         Filo: Actinobacteria. Ordem: Actinomycetales. Gênero: Propionibacterium. acnes. Classe: Actinobacteria. Habitat: Flora bacteriana normal da pele humana.  Características Gerais: Anaeróbia. Família: Propionibacteriaceae.

Bacillus Anthracis          Filo: Firmicutes. América Central. África. Europa Oriental. Ocorrência: Ásia. anthracis. Ordem: Bacillales. Ela também pode ser encontrada muito raramente em partes dos Estados Unidos. Nome Popular: Anthrax. Classe: Bacilli.  Características Gerais: Tem forma de bastonete e é Gram positiva. América do Sul. 6 . e no México. Espécie: B. Oriente Médio. É capaz de resistir à falta de alimento e ao calor. Habitat: Solo. Família: Bacillaceae. Caribe. Gênero: Bacillus.

Tipo (A. F e G). fezes humanas e excrementos animais. verduras. fritas.5 a 8. pH: 4. Toxina é inativada se aquecida em 100C por 10 minutos. Espécie: C. D. Anaeróbio.0. legumes. é a única letal por ingestão. Habitat: Solo. Toxina age no sistema nervoso. C. B. Ordem: Clostridiales.  Características Gerais: É um bacilo (forma de bastonete). botulinum.  Ocorrência: Presente em todo o mundo. 7 . Gênero: Clostridium. Nome Popular: Botulismo. Família: Clostridiaceae. Classe: Clostridia.Clostridium Botulinum         Filo: Firmicutes. Temperatura ótima: 30 a 37C. E. Produtor de esporos.

Cresce em meio que contenha NaCl (Cloreto de Sódio). Gênero: Vibrio. crustáceos e insetos. Classe: Gammaproteobacteria.  Características Gerais: Tem baixa tolerância a ácido. Espécie: V. Produção de toxinas intracelulares (endotoxinas).Vibrio Cholerae         Filo: Proteobacteria. Sul da Ásia e Estados Unidos.  Ocorrência: Japão. algas verdes filamentosas. Habitat: superfícies de plantas. cholerae. zooplâncton. Ordem: Vibrionales. Nome Popular: Cólera. Família: Vibrionaceae. 8 .

EXPERIÊNCIAS CIENTÍFICAS .

Após a aplicação dos tratamentos foi medida a absorbância em espectrofotômetro. exceto nos controles.AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO DA BACTÉRIA ESCHERICHIA COLI TRATADA COM PREPARADOS HOMEOPÁTICOS Priscila Alves dos Santos. Foi aplicada 1 gota dos tratamentos. 2 e 4 horas de incubação. Verificou-se efeito significativo da interação tratamentos e tempo de crescimento. Vicente Wagner Dias Casali O objetivo foi avaliar o crescimento ao longo do tempo de Escherichia coli tratada com preparações homeopáticas. tintura mãe de E. no delineamento experimental inteiramente casualizado. nos tempos 0. tendo na parcela 12 homeopatias. em cada tubo de ensaio. com 4 repetições. Fernanda Maria Coutinho. A unidade experimental constou de tubos de ensaio contendo 9 ml de água destilada e 1 ml de caldo nutriente acrescido de E.coli.coli e 2 controles (água mineral e caldo nutriente acrescido de E. 10 . Luiza Pereira Bittencourt. Ajustaram-se equações lineares na descrição da absorbância das amostras tratadas em função do tempo de crescimento. O experimento foi instalado em parcelas subdivididas. Mariana Oliveira Araújo. Os dados foram interpretados por meio da análise de variância e regressão. coli) e na subparcela o fator tempo.

tem sido objeto de estudos no controle da dor. Antonio Sérgio Guimarães Disfunção temporomandibular (DTM) abrange um conjunto de alterações craniofaciais.DOR MIOFASCIAL DOS MÚSCULOS DA MASTIGAÇÃO E TOXINA BOTULÍNICA Magali Dall Antonia. As DTM musculares são as mais frequentes e um dos seus subtipos compreende a dor miofascial. Regina Martins de Oliveira Netto. 11 . A toxina botulínica tipo A (BoNT A). os músculos da mastigação e/ou estruturas associadas. O objetivo deste estudo foi acessar os artigos que abordam o uso da BoNT A no tratamento da dor miofascial nos músculos da mastigação. e está relacionada ao mecanismo de alívio da dor. incluindo dor miofascial. que pode envolver a articulação temporomandibular (ATM). não somente nos receptores da junção neuromuscular. Monique Lalue Sanches.

da Universidade Queen Mary. Acompanhado pela reportagem da BBC. Depois ele analisou a quantidade de micróbios nos alimentos. em Londres. ele foi contaminado 12 . um de maçã e uma torrada com manteiga e os deixou cair em superfícies diferentes. Além disso. Cutler mostrou que os três alimentos ficaram cobertos de bactérias.LABORATÓRIO TESTA BACTÉRIAS EM COMIDA QUE CAI NO CHÃO Ronald Cutler Um pesquisador britânico resolveu testar a crença comum de que se um alimento que caiu no chão for pego de volta em poucos segundos. decidiu verificar o nível de contaminação. foi testado um pedaço de alimento que ficou no chão por menos de um segundo. o pesquisador Ronald Cutler. De volta do laboratório. não há risco à saúde em consumi-lo. para provar que o alimento representa um risco à saúde não importa o tempo que fica caído. onde ficaram por apenas cinco segundos. O professor de biomedicina pegou um pedaço de pizza. Mesmo assim.

br/revistas/index.wikipedia. Disciplina: Controle de Doenças Transmitidas por Alimentos. Setembro-2010.br/scielo.php/cad/article/view/14878 http://www.uwlax. E se um bloom de cianobactérias batesse à sua porta? Escola Secundária Júlio Dantas – Lagos.wikipedia. Orientadora: Mara Silvia Pires de Campos.wikipedia.aba-agroecologia.scielo.wikipedia.edu/bio203/s2008/cottor_mick/index_files/Page689. 2009/2010.org/wiki/Microcystis_aeruginosa http://pt.wikipedia. Grupo: Volvox.globo.org/wiki/Vibrio_cholerae http://www.org/wiki/Bacillus_anthracis http://pt. http://www.com/ciencia-e-saude/noticia/2013/04/laboratorio-testa-bacterias-em-comidaque-cai-no-chao.htm http://en.uwlax.infoescola.php?pid=S1806-00132013000100013&script=sci_arttext http://g1.org.html 13 .Referências Bibliográficas              http://bioweb.org/wiki/Staphylococcus_aureus http://pt.org/wiki/Propionibacterium_acnes http://bioweb.edu/bio203/s2008/moder_just/classification.htm http://pt.com/reino-monera/vibriao/ 2º Módulo Nutrição e Dietética.