CURA E ASCENSÃO MAYA

Orientador: Carlos Alberto de França Rebouças Junior

INTRODUÇÃO
A TERAPIA MAYA nos conecta com energias em altíssimas frequências vibratórias na 4a dimens o ! tem"o# nos convertendo em canais$ % "leno contato com essa vibra& o "ermitir' restabelecer a memória celular# equilibrar e alin(ar o cor"o físico e es"irituais acessando "lanos de )ura e Ascens o su"eriores# de forma a "rodu*ir mudan&as favor'veis na vida quotidiana e a inicia& o no estado de "lenitude$ % sistema de )ura e Ascens o Ma+a ! ,unab-u foi desenvolvido com base na sabedoria contida no T*ol-in. % )alend'rio /agrado dos Ma+as$ % /istema 0 uma e1tens o dessas energias "odendo ser a"licado diretamente sobre desequilíbrios ou desarmonias de qualquer nature*a$ 2 um sistema que nos "ermite "otenciali*ar nossa energia original atrav0s da constru& o da nossa cone1 o com ,unab-u# o /ol )entral da 3al'1ia$ Ao entrar em contacto com a Energia ,unab-u elevamos nossa frequência vibratória conquistando uma vis o e com"reens o mais am"la de nossa realidade$ % contato com essa frequência de energia des"erta três fatores im"ortantes de nossa nature*a# (' muito tem"o adormecidos4 A Tele"atia# a /icronicidade e o Amor$ Reativar a "resen&a desses as"ectos na nossa vida quotidiana ir' nos "ermitir vivenciar nossa evolu& o e voca& o cósmica de forma acelerada$ TELEPATÍA: Para estar mais rece"tivos as energias sutis que nos rodeiam e fluem em nossa volta# carregadas de informa& o e mensagens$ Para ca"t'!las e inter"reta!las com maior facilidade obtendo maior clare*a de como encamin(ar nossa vida$ Estamos vivenciando atualmente a id0ia de que

unab-u# vivendo as sensa&.todos em essência somos iguais.unab-u "ode ser muito sutil# as ve*es# trabal(ando nos "lanos mais elevados e manifestando!se em seguida no "lano físico# de forma mais densa# de acordo com o que necessitamos ou com o que necessita a "essoa que esta recebendo$ Ao entrar em contato com essa frequência vibratória nós n o a controlamos "orque sua sabedoria 0 su"erior a nossa e entraremos nas *onas de frequência ou "lanos necess'rios "ara restaurar o flu1o e a freq<ência energ0tica que estava deteriorada$ .unab-u# estendemos a outros no momento em que a"licamos essa energia como canais sobre o cor"o da outra "essoa$ 5esse momento a outra "essoa tamb0m entra em contato e e1"erimenta a frequência de .es e as mudan&as necess'rias "ara encamin(ar e mel(orar sua "ró"ria vida$ % contato com a frequência . A tele"atia nos "ermite entrar em contato com a essência do outro$ SINCRONICIDADE: Para atuar no momento certo e da mel(or maneira "ara nosso desenvolvimento$ Assim# estaremos em constante (armonia com nós mesmos# com o que nos rodeia e com o )osmos e "oderemos com"reender que nada 0 casual e que tudo est' no lugar e1ato# no momento "reciso# cons"irando "ara nossa evolu& o$ /e n o nos sintoni*amos com essa frequência# n o "oderemos "erceber isso# "erdendo infinitas "ossibilidades de crescimento$ AMOR: Porque somente atrav0s do desenvolvimento e do sentimento de Amor "or nós mesmos 0 que "odemos Amar ao "ró1imo# a 5ature*a e a 6ida$ Ao Amar dessa maneira sentimos o Poder e a im"ort7ncia de cada "essoa# de cada coisa e de cada circunstancia que se a"resenta em nosso camin(o$ E# ao sentir e com"reender "odemos aceitar cada "essoa# cada coisa e cada circunstancia como "arte de um "rocesso necess'rio "ara nosso crescimento$ Ao Amar tanto o que consideramos 8%M# tanto quanto o que n o nos agrada# facilitamos o "rocesso da 9 a e 4a dimens o na vida# alcan&ando a :elicidade$ Esse Amor nos "ermite res"eitar e viver o Es"írito da 3ra&a em nossa vida$ Esse benefício "essoal que recebemos ao trabal(ar com a frequência da energia .

es gerais o convido a entrar no mundo de .A"ós essas considera&.unab-u "or isso4 AYUM HUNABKU EVAN MAYA EMA HOU Meu coraç o !a"#a !eu Coraç o e $o#o! o! coraç%e! #a &a'a()a: Hu*a+.u- .

S)!$e.a #e CURA E ASCENSÃO MAYA HUNABKU .

OS PILARES DO DESPERTAR O SISTEMA DE CURA E ASCENSÃO MAYA HUNABKU /0 I*$e1r)#a#e: /endo um com nossos sentimentos# "ensamentos e a&.0 Ver#a#e: na nossa vis o da vida "ara evitar autoenganos$ <0 Lea'#a#e: a nossos sentimentos# ideais e "ro=etos "ara saber escol(er$ /=0 Va'or: seguran&a e confian&a em nossa ca"acidade "ara leva!los a cabo$ //0 L)+eraç o: de todas as estruturas de "ensamentos que nos limitam$ /20 U*)8er!a')#a#e: ca"acidade "ara com"artil(ar com alegria nossas vivencias$ /40 L)+er#a#e: "ara viver "lenamente a vida segundo a segundo# conseguindo a felicidade que 0 o verdadeiro "ro"ósito de estar aqui$ .or: "orque só com ele se "ode crescer e vencer os desafios da vida$ 70 L)8re ar+9$r)o: "ara "oder escol(er o que nosso cora& o nos dita$ :0 S)*cer)#a#e: em tudo que e1"ressamos "ara conseguir e1celentes relacionamentos$ .es$ 20 Re!3e)$o: "or tudo e todos# es"ecialmente "elo distinto ou diferente$ 40 Sa+e#or)a: recebida atrav0s do reencontro com nossa fonte interna$ 50 U*) o: com a nature*a e a vida# "ara que guiem nossos atos$ 60 A.

unab A? se e1"ressa como uma troca em ondas de es"iral nos segue mostrando que todo "rinci"io de vida vai evolucionando em es"a&os cíclicos e elevando!se em cada ciclo a uma maior e1"ress o e e1"ans o desse "rinci"io de vida$ O*#a! .e*$e !)1*)>)ca : O "*)co ?ue >or*ece a Me#)#a e o Mo8).e*$o >entro do conceito do mundo sagrado Ma+a4 2 o construtor deste e de todos os mundos# 2 um /er de inteligência Pura# que se move "or dois as"ectos fundamentais4 % Movimento como "rinci"io eterno de vida# o movimento fa* que tudo "ulse dentro da )ria& o# que "ermite gerar!se e recriar!se a si mesma$ A Medida 0 a matem'tica do )riador# n o (a nada que n o "ossa ser medido# "ois tudo tem uma "ulsa& o de vida# tem ondas constantes ca"a*es de "rodu*ir uma conta que nos leva a com"reens o deste as"ecto da nature*a$ Tudo 0 medido# n o (' nada que esca"e a medi& o$ % Movimento 0 um "rincí"io fundamental "elo se di* que tudo esta mudando# nada "ermanece o mesmo# "or isso# dentro da )ria& o a ?nica constante 0 a mudan&a @ a troca$ .HUNABKU HUNAB KU L)$era'.

es# sem embargo# temos es"irais de e1istências "ró"rias e tamb0m# (a momentos em que cada qual tem que seguir seu "ró"rio camin(o# "orque sua "ró"ria es"iral o esta levando a outro movimento# es"a&o# tem"o de sua "ró"ria e1istência$ / o as sístoles e di'stoles de nossas "ró"rias rela&.es# reali*ando todos os diferentes as"ectos de nossa "ró"ria e1istência# sem =ulgar# "ois tudo foi "arte da es"iral da vida e nada mais# que n o "ermanecer "arado nos tra* sem"re situa&.es renovadas$ .es (umanas# que "odemos entender atrav0s do Movimento Bniversal$ /e seguirmos a sabedoria de . sem embargo# cada um esta se movendo em suas "ró"rias es"irais de e1istência# "or isso (a tantas sintonias e divergências# encontros e desencontros# movimentos que unem e movimentos que se"aram# sístole!di'stole# atra& o e re"uls o# como "artes essenciais do mesmo movimento$ /e tradu*irmos isso "ara a "sicologia (umana nos damos conta que estamos nos movendo em nossa "ró"ria es"iral de consciência# muitas ve*es temos coincidências com outros seres que nesse momento est o formando "arte de nossa e1istência com um "ro"ósito es"ecifico#se=a "or uma e1"eriência em "articular que nos une# se=a "orque estamos a"rendendo algo =untos4 uma li& o da vida ou "or outras ra*.unab A?.E!3)ra)! A es"iral tamb0m nos mostra que todos estamos num camin(o.unab A? na qual tudo esta em movimento constante "odemos "enetrar no grande segredo da E1istência. esse camin(o "ode ser coincidente com outras entidades de vida ou com outros es"a&os vitais. que 0 "ermanecer na troca# na mudan&a# aceitando as transforma&. Muitas ve*es quando alcan&amos a com"reens o mais elevada de algo# imediatamente a vida nos coloca em outro circuito de e1istência aonde con(ecemos "ouco ou quase nada do seu funcionamento e# assim# sucessivamente numa viagem a"arentemente intermin'vel de sucessos# acontecimentos e a"rendi*agens $ A Medida de todas as coisas esta na com"reens o que temos# dos diferentes elementos integrantes do universo con(ecido$ A )or tem uma "ulsa& o rítmica medível e quantific'vel e# de"endendo da gama crom'tica "odemos determinar sua frequência# tamb0m as bandas de som# cada uma com "ró"ria medida$ Tanto a lu* como o som s o os .a um s'bio refr o que di*4 Bma ve* que consegui todas as res"ostas# mudaram as "erguntas$ Esta 0 uma maneira de entender o movimento .

. as "artes de .unab A? n o (a nada que sobre e nada que falte na unidade# "erfeita em si mesma# e essa 0 uma com"reens o da din7mica do universo "orque . todos formamos "arte de .unab A? n o tem nen(uma forma antro"omórfica "ois 0 a sust7ncia da vida que inter"enetra toda a cria& o$ 5 o (' nada que n o se=a .unab A? n o "erdem a qualidade da com"le1idade que tem a totalidade.e*$e@ !eu! !)1*)>)ca#o! ! o: HUN: um# unidade# ?nico# "rinci"io# inicio$ AB: diversidade# variedade# multi"licidade$ .unab A?# tem seu centro em todas as "artes e sua circunferência em nen(uma# quer di*er# o e"icentro mesmo de .criadores intrínsecos de toda a E1istência$ .unab A? 0 sem =uí*os e sem limita&. "or0m# tamb0m a flor 0 o centro de .unab A?# seu "onto radiante# "odemos encontrar sem"re e em todo lugar que vemos# "orque Ele# seu centro esta ali# aonde coloques sua consciência# e a "eriferia que n o termina em nen(uma "arte 0 ilimitada em sua multidimensionalidade# e se veres assim# Tu 0s o centro de .unab A? e n o (' nada que esca"e a esse grande cor"o de unidade$ >entro de .unab A? e sua irradia& o 0 ilimitada.unab A? e estaremos certos "orque 0s a Bnicidade que se fa* uma com todas as suas "artes.unab A? e sua irradia& o 0 ilimitada# n o e1iste nada que "ossas conferir a outro na consciência .unab A? "orque Ele 0 o Bno$ A unidade "erfeita que guarda toda a cria& o.unab-u era considerado "ela civili*a& o Ma+a como o /ol dos /óis# o /ol )entral da 3al'1ia$ Re"resenta o )riador# o doador da 6ida e o Movimento no )osmos$ I*$er3re$a*#o a! !9'a+a! !e3ara#a. cada "arte cont0m o T%>% e o todo se fa* "leno "or suas m?lti"las "artes$ A sabedoria Ma+a# tra* a id0ia de que .unab A? cada um tem seu es"a&o e dimens o# nível e frequência atuando no "onto que l(e corres"onde dentro da grande unidade$ Em .unab A? que "or direito n o corres"onda a qualquer as"ecto da cria& o$ .unab A? 0 um conceito metafísico dentro da cosmo vis o Ma+a# 0 di*er que 0 um con(ecimento su"erior do que fornece 6I>A.es# 0 oni"otente# onisciente# oni"resente# tudo isso em si mesmo e# sem Ele nada e1istiria e# assim# "odemos di*er a "edra# a uma estrela ou a outro (omem4 tu 0s .

armonia$ A frequência energ0tica que criou tudo# de onde tudo "rocede$ Isso ".unab-u estava "resente em nossas vidas$ .es de )onsciência$ E nos "ro"orciona a "ossibilidade de# entre outras coisas# sermos criadores de uma realidade diferente# mel(or# mais abundante e satisfatória$ Recu"erando conscientemente a memória ancestral "ara entender "or que e "ara que estamos aqui no Planeta Terra$ )om"reendendo a miss o individual# mas tamb0m a miss o que todos temos con=untamente como (umanidade$ Restaurar o contato "leno com a fonte de energia .e em evidencia que cada ser# cada ob=eto e1istente# "ossui em si mesmo todo o "otencial desta energia$ Porem sucede que ao se"ararmo!nos de nossa fonte interior de sabedoria esquecemos que .KU: (armonia divina# "a*# amor# cura# equilíbrio$ 2 o que .unab-u em nosso ser# o qual atua como antessala "ara "oder canali*ar todo o "otencial desde a fonte de energia$ )ertamente .unab-u emana uma energia que nos fortalece es"iritualmente "ara vencer a ilus o do Ego que nos limita na forma da terceira dimens o da consciência# "odendo assim vivermos a liberdade do /er# que nos leva a 4C e a outras >imens.o=e voltamos a recordar e a tomar consciência de nossa essência# des"ertando novamente a frequência .unab-u re"resenta4 A Bnidade na >iversidade com .unab-u nos a=uda a equilibrar!nos# centrar!nos e conectar!nos com nosso es"írito# curar!nos em todos os "lanos e restabelecer a memória "erdida$ Atrav0s da qual "odemos recon(ecer e instalar em nossas vidas cotidianas o res"eito continuo e a (armonia$ .

unab A?# o grande "rinci"io da vida se manifesta# s o os quatro fundamentos essenciais "or onde "enetra seu ('lito de vida at0 alcan&ar a manifesta& o$ %s quatro cantos do Mundo s o os quatro "ontos cardiais# o 8alameb como os denominavam os Ma+as$ Tanto "ara os Ma+as como "ara todos os "ovos aborígenes# os "ontos cardiais s o muito im"ortantes .AS AUATRO ESAUINAS DO MUNDO Duatro for&as essenciais sustentam o universo criado "elos Ma+as4 / o elementos essenciais que se encontram em toda a vida# constituem a base material que sustenta a manifesta& o# mas igualmente s o as quatro substancias energ0ticas sutis que# com suas qualidades e características nutrem a cria& o constituindo!a de uma maneira es"ecífica tal como a con(ecemos$ %s quatro camin(os nos falam de quatro elementos essenciais con(ecidos tamb0m "elos Alquimistas e metafísicos de todas as grandes escolas de con(ecimento4 / o o fogo# a agua# o ar e a terra# nature*a de todas as coisas# "rincí"ios ativos geradores "or sua combina& o de tudo que e1iste$ Para os Ma+as estes quatro elementos atuantes s o a maneira como .

unab-u$ Parte deste circuito invisível de energia "ode ser im"erce"tível# mas 0 real e ben0fico "ara todos$ Por isso# em cada sess o re"resentamos os Pontos )ardeais e os Elementos )orres"ondentes$ .es com seus elementos# energias e símbolos corres"ondentes nos acom"an(am durante a sess o# fortalecendo a "assagem da energia e a restaura& o da frequência que estamos reali*ando$ Por0m ao mesmo tem"o sua "resen&a "ermitir' estender a sess o de )ura e Ascens o ao Planeta e aos seus elementos com"onentes$ Assim# em cada sess o n o só estamos canali*ando a energia . % s'bio mestre solar nos disse que estas energias se movem em forma de (0lice# energia em movimento e isso fica claro no gr'fico$ Estes quatro elementos nos "ermitem encontrar a nature*a das coisas e a e1"lica& o que nos da Ainic( A(au 0 que isso acontece "orque estas est o atuando numa es"iral de energia# Equando c(ega a "rimavera ainda "odemos encontrar resíduos do outono# e ao come&ar o ver o ainda encontramos resíduos da "rimavera e# assim# sucessivamente# um toca o outro com"artimentando!se sem que nada na nature*a se=a abru"to# com cortes lineares ou radicais $$$$só de"ois que um dia "assa "aulatinamente "elas (oras do entardecer 0 que c(ega a com"leta escurid o da noite$ E esta n o "assa abru"tamente a claridade do dia# mas "aulatimanente vai aman(ecendo at0 que a lu* se=a total$ Ao trabal(ar com o /istema de Ascens o e )ura Ma+a# as quatro dire&.unab-u# enviamos ao "aciente e ao Planeta e o "laneta a envia a tudo que vive nele e atrav0s dele volta a ."ela energia que "ossuem e mobili*am$ Ainda# simbolicamente se associam a eles tamb0m os quatro elementos b'sicos com os quais tudo est' constituído$ Toda a cosmovis o se baseia em con(ecer estes quatro elementos essenciais e leva!los a todos os níveis da e1"eriência (umana# de nossa e1"eriência de vida# dentro de nós como cor"o físico# emocional# mental e fora "ara recon(ecer a nature*a e a intera& o com tudo o que e1iste$ %s quatro elementos est o no =ogo din7mico da e1istência# um n o "ode estar se"arado do outro na com"reens o que Ainic( A(au nos ofereceu sobre os quatro elementos onde n o sabemos onde come&a e termina cada um.unab-u "ara nós ou "ara o "aciente# mas tamb0m "ara o "laneta$ 2 como reali*ar um intercambio# gerando um circuito de energia que se recicla fortalecendo!se$ 5ós canali*amos energia de .

a TrD! 3o*$o! B 4 B u( Aua$ro 3o*$o! B 5 B .a B:B uu.es$ Duando integramos a frequência vibratória dos Tons Funares a nosso cor"o# restauramos a cone1 o com a frequência . 3o*$o B /B Cu* Do)! 3o*$o! B 2 B .es do cor"o# "orque estas articula&. 3o*$o e.es devem fluir constantemente "ara assegurar o flu1o de energia no cor"o$ >e fato# esse tra=eto gerado forma um circuito de energia que regula a energia de todo o cor"o$ Para os Ma+as esses "ontos se associam a energia dos Tons Funares# fluido de frequência cósmica que nos (armoni*am com a vibra& o da vida atrav0s de G9 frequências energ0ticas que "ossuem uma rela& o direta com nosso cor"o a trav0s das articula&.anab-u I$ Para os ma+as os n?meros eram re"resentados "or um "onto e uma barra$ U. c).OS PONTOS DE TRABALHO 5essa do sistema . c).a B 7 B ua. .unab-u# obtendo o "oder do movimento que emana dele H .es s o "ontos c(aves de acumula& o energ0tica$ Esta energia que se acumula nas articula&.unab-u trabal(aremos fundamentalmente sobre as "rinci"ais articula&. Barra e #o)! 3o*$o! e.a* Barra B6 B Co Barra e u.

a B < B +o'o* Du3'a +arra B /= B 'aCu* Du3'a +arra e u* 3o*$o B // B +u'u. c).o!% "oder do movimento que nos obtemos a=uda a desbloquear e drenar de nosso cor"o o e1cesso de energia que "oder' estar estancada em algum destes "ontos em "articular ou em alguma outra "arte do cor"o# im"edindo a cone1 o e fluido energ0tico de todo o circuito$ )omo tamb0m nos a=udar' a recarregar ou restaurar a energia necess'ria naquelas *onas aonde (a=a falta "ara reativar todo o circuito$ O! 3o*$o! !o+re o! ?ua)! $ra+a'Care.Barra e $re! 3o*$o! e.o! *e!!a e$a3a ! o o! !e1u)*$e!: La#o e!?uer#o #o cor3o: G!torno*elo4 HUN 4 iniciativa J!Koel(o4 KA 4 desafios 9!6iril(a4 OE4 "ermiss. B ua(a. c). Barra e ?ua$ro 3o*$o! e.es 4!Pulso4 KAN 4 ordem L!)otovelo4 HO4 autoestima M!%mbro4 UAK4 ritmo N!% Pesco&o como centro e articula& o reflete4 UUK 4 equilíbrio La#o #)re)$o #o cor3oF O!%mbro4 UAEAK 4 realidade P!)otovelo4 BOLGN4 decis o GQ!Pulso$ LAHUN4 a& o . Du3'a +arra e $re! 3o*$o!B/4 B o('aCu* E!!e! ! o o! To*! ?ue $ra+a'Care.a B . Du3'a +arra e #o)! 3o*$o! B/2 B 'aCa.

GG!6iril(a4 BULUK 4 desa"ego GJ!Koel(o4 LAHAK 4 coo"era& o G9! Torno*elo4 OELAHUN 4 trascendencia %s G9 n?meros que formam o circuito da Roda da /abedoria nos ensinam como se transforma a energia desde a /u"rema Bnidade e# como se vai alcan&ando diferentes níveis de manifesta& o que v o reali*ando um trabal(o desde o Es"írito at0 a Mat0ria e de"ois como essa manifesta& o regressa novamente ao Es"írito$ .

a E*er1J$)ca: Bnidade O Po#er ?ue Co*>ere: T%TAFI>A>E Per1u*$a E!!e*c)a': Dual 0 min(a metaR Tra+a'Co 3'a*o 3!)co'K1)co: Iniciativa ! >ecis.a' *a Co*!$e'aç o MaHa: Morcego Ior.un A*).e MaHa: . No.U.es im"ortantes da vida ! indicado quando (' esgotamento! :alta de energia! /em iniciativa S A"atia$ Tra+a'Co 3'a*o >9!)co: )ircula& o! M?sculos das "ernas! >iabetes$ .

a' *a Co*!$e'aç o MaHa: 6eado Ior.a E*er1J$)ca: Polaridade O Po#er ?ue Co*>ere: P%FARITAR Aç o: E/TA8IFITAR Per1u*$a e!!e*c)a': Duais s o meus obst'culosR Tra+a'Co 3'a*o 3!)co'K1)co: >esafios! Medos! Inseguran&as na vida tanto e1ternas físicas como "sicológicas ! Est' relacionado com a dualidade$ Tra+a'Co 3'a*o >9!)co: órg os se1uais ! Reten& o de líquidos!Rins! Redu& o de "eso$ TrD! No.Do)! No.a' *a Co*!$e'aç o MaHa: Escor"i o Ior.e MaHa: Aa A*).a E*er1J$)ca: Ritmo O Po#er ?ue Co*>ere: >I5AMITAR Aç o: B5I:I)AR Per1u*$a E!!e*c)a': Dual 0 meu servi&oR Tra+a'Co 3'a*o 3!)co'K1)co: Permitir! A"render a di*er n o no momento correto$ S Fimites ! )ul"as$ Tra+a'Co 3'a*o >9!)co: Urg os se1uais e intestino delgado$ .e MaHa: %1 A*).

a E*er1J$)ca: Medida O Po#er ?ue Co*>ere: )%5)RETITAR Aç o: >E)I>IR ! ME>IR Per1u*$a E!!e*c)a': % que necessito dar formaR Tra+a'Co 3'a*o 3!)co'K1)co: %rdem Tra+a'Co 3'a*o >9!)co: Matri*! Vtero$ 3esta& o ! Tratamentos de fertilidade! Intestino grosso! Reten&.a' *a Co*!$e'aç o MaHa: Pav o Ior.e MaHa: Aan A*).% A*).e MaHa: .es!Alergias! Asmas! 8a&o! P7ncreas$ C)*co No.Aua$ro No.a' *a Co*!$e'aç o MaHa: )oru=a Ior.a E*er1J$)ca: )entro Aç o: FI>ERAR! MA5>AR Per1u*$a E!!e*c)a': Dual 0 meu Ponto de PoderR % Due me a=uda a ter Autoridade# sobre meu mundo e as circunstanciasR Tra+a'Co 3'a*o 3!)co'K1)co: Autoestima! /oberba! )one1 o do Ego com o /er Interno! 8loqueios n o liberados de inf7ncia$ Tra+a'Co 3'a*o >9!)co: 8a&o e suas fun&.es ! vias res"iratórias! Tiróide$ .

Se)! No.a' *a Co*!$e'aç o MaHa: Macaco O Po#er ?ue Co*>ere: )anali*ar Aç o: I5/PIRAR Pre1u*$a! E!!e*c)a)!: % que me a=uda a "ro=etar min(a essênciaR % que me ins"iraR )om que me sinto mais conectadoR Due as"ectos da vida me "rodu*em um estado de maior for&a interior o "oder$ Tra+a'Co 3'a*o 3!)co'K1)co: Relacionamentos Tra+a'Co 3'a*o >9!)co: )abe&a! /entidos! )oluna vertebral .a E*er1J$)ca: Equilíbrio %rg7nico O Po#er ?ue Co*>ere: I5>I6I>BAFITAR Aç o: EDBIFI8RAR Per1u*$a! E!!e*c)a)!: % Due me a=uda a equilibrar!meR % que me fa* sentir!me bem comigoR % que me tra* bem a mimR % que me a=uda a estar mel(orR Tra+a'Co 3'a*o 3!)co'K1)co: % Ritmo Interno!)oerência entre o que fa*emos e sentimos$ Tra+a'Co 3'a*o >9!)co: )ora& o! Arritmia! Ritmos menstruais! Regulador de "ress o$ Se$e No.e MaHa: BBA A*).e MaHa: BAA A*).a' *a Co*!$e'aç o MaHa: Fagarto Ior.

a E*er1J$)ca: Resson7ncia .armXnica O Po#er ?ue Co*>ere: .a' *a Co*!$e'aç o MaHa: :alc o Ior.e MaHa: BAWA) A*).OITO No.ARM%5ITAR Aç o: M%>EFAR! >AR :%RMA Per1u*$a! E!!e*c)a)!: % que me a=uda a ressonar (armonicamenteR )omo vivo o que acreditoR )omo irradio o que /ouR Tra+a'Co 3'a*o 3!)co'K1)co: 6ivo a realidade que queroR )omo a "erceboR Tra+a'Co 3'a*o >9!)co: /istema cardíaco! sistema res"iratório He1cesso o faltaI! Press o! Asfi1ia! fobias$ 5%6E .

a' *a Co*!$e'aç o MaHa: Kaguar O Po#er ?ue Co*>ere: PBF/AR Aç o: REAFITAR! M%8IFITAR Per1u*$a E!!e*c)a': )omo alcan&o meu "ro"ósitoR % que me e1"andeR % que me "ermite "ulsar em min(a vibra& o mais elevadaR Tra+a'Co 3'a*o 3!)co'K1)co: Pro=etos ! Ideias! Tomada de decis o ! Due 0 o mel(or "ara nós ! Elei& o S Ideologias S )ren&as$ Tra+a'Co 3'a*o >9!)co: :ígado! 6esícula! Transtornos (e"'ticos! Problemas musculares$ DEL No.e MaHa: FA.a' *a Co*!$e'aç o MaHa: )ac(orro Ior.No.B5 A*).a E*er1J$)ca: Manifesta& o do /er O Po#er ?ue Co*>ere: PER:E))I%5AR Aç o: PR%>BTIR ! EWP%R Per1u*$a! E!!e*c)a)!: % que me a"erfei&oaR % que me "ermite manifestar meu verdadeiro /erR Due qualidades e1"ressa meu /er quando se e1"ressa com clare*aR Tra+a'Co P'a*o P!)co'K1)co: )omo "osso a"erfei&oar min(as a&.es S 5 o "oder "lasmar nem reali*ar o que "oderia fa*er$ Tra+a'Co 3'a*o >9!)co: Estomago! Processos digestivos! Blcera! gastrite! inc(a&os# ardor de estomago$ .e MaHa: 8%F%5 A*).

a E*er1J$)ca: Estabilidade )om"leta O Po#er ?ue Co*>ere: >E)I>IR!/E Aç o: >E)I>IR!/E Pre1u*$a! E!!e*c)a)!: % que me universali*aR Due necessito "ara ter uma mel(or com"reens oR )omo me fa&o um ser BniversalR )omo "osso interagir a e1istência no meu interiorR Tra+a'Co P'a*o P!)co'K1)co: /eguran&a ao brindar com os outros S )om"artil(ar S Fa&os$ Tra+a'Co 3'a*o >9!)co: M?sculos! %ssos! Problemas de "ele$ .a' *a Co*!$e'ac)K* MaHa: /er"ente Ior.e MaHa: Fa(aA*).ONLE No.a' *a Co*!$e'aç o MaHa: )oel(o Ior.emorróidas! Intestino "reso$ DOLE No.e MaHa: 8uluc A*).a E*er1J$)ca: >isson7ncia O Po#er ?ue co*>ere: >I//%F6ER Aç o: E/PRE//AR!>I6BF3AR Per1u*$a E!!e*c)a': % que ten(o que /u"erar "ara /erR % que me esta "edindo a vida agoraR )omo e1traio min(a m'1ima ca"acidade "ara dissolver a disson7nciaR )omo "osso integrar a disson7ncia e voltar a ser ressonante com meu /erR Tra+a'Co P'a*o P!)co'K1)co: FI8ERAYZ%! RE3BFA>%R %B >E/I5TE3RA>%R# >E/APE3% Tra+a'Co 3'a*o >9!)co: Urg os /e1uais H"óli"os# nódulos# tumores# c'lculos! 3ordura no cor"o$ .

B5 A*).e MaHa: %W FA.TRETE No.a' *a Co*!$e'aç o MaHa: Tartaruga O Po#er ?ue Co*>ere: PER>BRAR Aç o : TRA/)E5>ER Per1u*$a e!!e*c)a': % que me a=uda a transcender e a "erdurarR % que me a=uda a liberar meu es"íritoR Tra+a'Co P'a*o P!)co'K1)co: Encerrar ciclos$ >is"arador de mudan&as! sentimentos de felicidade ! Medo da mudan&a! de"ress o ! Ansiedade$ Tra+a'Co 3'a*o >9!)co: >iabetes$ /istema muscular das "ernas$ .

.

% "ara BAWAA >e BAWAA "ara BAA .Ao trabal(ar todos estes "ontos tamb0m estamos equilibrando os c(ac-ras físicos e et0ricos# assim como os órg os e "artes do cor"o relacionadas com cada articula& o$ >evemos ter "resente que# em cada "onto que trabal(amos# a energia que se mobili*a atua de forma radial# atingindo o "onto trabal(ado e sua "eriferia# em forma circular# ou se=a# tudo que estiver nesse es"a&o ser' tocado "ela energia a"licada$ >urante a a"lica& o em que a energia .B5 >e FA.B5 "ara FA.% >e .B5 e v' subindo da seguinte forma4 em cada articula& o "asse os dedos 9 ve*es H da esquerda "ara a direita I e verbali*e o Mantra H % nome Ma+a da Articula& o I seguindo o seguinte camin(o4 >e .AA "ara %W >e %W "ara FA.B5 "ara .AA >e FA.unab-u esta sendo transmitida# visuali*amos uma esfera de lu* branca e bril(ante que cresce desde o centro do "onto tratado at0 sua "eriferia$ Assim# lim"amos e energi*amos o canal que conecta uma articula& o com outra$ 6ale destacar que a energia circula no cor"o em sentido anti! (or'rio# "u1ando a energia da terra "elo "0 esquerdo e descarregando!a "ara a terra com o "0 direito# e# assim# se com"leta o circuito "erfeito$ TMCNICA DE ASCENSÃO E CURA MAYA /e inicia a a"lica& o colocando sua m o direita sobre o cora& o do Paciente e# a esquerda# sobre seu "ró"rio cora& o$ Manten(a sua inten& o na )ura do Paciente enquanto verbali*a EIn Fa-ec([$ Pedindo ao )entro da 3al'1ia que o a=ude a ser um canal de energia$ Mol(e os dedos Indicador e M0dio H deve ter colocado "reviamente uma tigela com 'gua I de sua m o dominante$ )omece "elo "onto .

>e BAA "ara BBA >e BBA "ara 8%F%5 >e 8%F%5 "ara AA5 >e AA5 "ara 8BFBA >e 8BFBA "ara AA >e AA "ara %WFA.es$ 6erifique scaneando com ambas as m os# uma ao lado da outra# se deve a"licar o tratamento novamente em alguma articula& o$ /e Positivo# lim"o a articula& o a ser trabal(ada com os dedos indicador e m0dio mol(ados# e desen(e os símbolos do movimento e da es"iral e o n?mero da articula& o sobre a articula& o visuali*ando a energia es"iralada do n?mero entrando enquanto re"ete 9 ve*es o nome do /ímbolo em Ma+a$$ I*)c)aç o MaHa Pon(a suas m os em seu cora& o e manten(a a inten& o de se conectar com o /ol )entral da 3al'1ia$ )om sua m o direita# desen(e sobre a "alma da esquerda os símbolos# que s o os Tons ou 5?meros Ma+as Hre"resentados "or "ontos e tra&os I# re"etindo seus Mantras 9 ve*es S do nome de cada n?mero em Ma+a "ara selar e re"ita na direita$ Pon(a suas m os no cora& o e agrade&a$ .B5 Trabal(e assim todas as articula&.