Faculdade de Ciências Médicas de CG Curso: Fisioterapia Disciplina: Fundamentos de Imagenologia Professor: João Paulo C.

de Souza
1a. Aula: Introdução à Imagenologia - Histórico da Radiologia - Produção e Formação da Imagem - Propriedades dos Raios X - Contrastes Radiológicos - Riscos e Proteção Radiológica

Histórico da Radiologia
 

1895: Wilhelm Conrad Röntgen descobre os Raios X Pesquisas físicas e desenvolvimento da indústria elétrica >> Preparou o terreno para a descoberta Raios catódicos, Tubos de vácuo (Hittorf e Crookes), Geradores de alta tensão (descargas elétricas nos tubos e centelhas no ar), Substâncias fluorescentes, Fotografia Tubo de Hittorf envolvido com papelão >> radiações não luminosas >> écran de platino-cianureto de Bário fluorescente >> Radiações invisíveis = Raios X Raio X da mão (minutos), do crânio (1 hora)

Histórico da Radiologia

Disseminação do uso dos Raios X leva à melhorias: - Geradores mais potentes; - Filmes de dupla camada; - Localizadores e diafragmas antidifusores melhoram a imagem; - Tubos mais flexíveis e duráveis, tubos autoprotegidos e o anticatódio de Bowers melhoram a proteção pessoal.

Histórico da Radiologia

1896: Esforços convergentes para a melhoria do contraste e da nitidez Primeiras imagens apresentam contrastes espontâneos ou acidentais (peso atômico; ossos e carnes; corpos estranhos metálicos) Introdução do Bismuto (Bário) nas cavidades acessíveis (via esfincteriana) Vísceras maciças e não-acessíveis: Cérebro

Histórico da Radiologia

 

1918: Introdução de ar nos Ventrículos pelo neurocirurgião Dandy 1923: Canal raquidiano torna-se visível com o Lipiodol (A. Sicard – Neurologista) 1927: Início das arteriografias de vísceras, Cérebro e Aorta (Escola Portuguesa – Moniz) 1924: Vesícula e Vias Biliares tornam-se visíveis 1930: Vias Urinárias tornam-se visíveis

Histórico da Radiologia

Depois do entusiasmo, as dificuldades e insuficiências - Superposição, em um único plano, dos detalhes anatômicos e das lesões situadas em profundidades diferentes - Incidências em AP e P não bastaram 1958: Utilização do Ultra-som em ginecologia e obstetrícia (prolongamento da técnica de localização de submarinos)

Histórico da Radiologia

Anos 70: Desenvolvimento da Tomografia >> Estudo da absorção de um feixe de Raios X pelo computador >> Aplicação da informática em Radiologia Recentemente: Surgimento da Ressonância Magnética (RM) - Revolução do estudo de imagens - Imagens obtidas por meio da utilização de campos magnéticos - Imagens altamente exatas e sem incorrer em risco para o paciente - Único inconveniente = Alto preço do equipamento

Histórico da Radiologia

Anos 70: Desenvolvimento da Tomografia >> Estudo da absorção de um feixe de Raios X pelo computador >> Aplicação da informática em Radiologia Recentemente: Surgimento da Ressonância Magnética (RM) - Revolução do estudo de imagens - Imagens obtidas por meio da utilização de campos magnéticos - Imagens altamente exatas e sem incorrer em risco para o paciente - Único inconveniente = Alto preço do equipamento

Produção e Formação da Imagem

Será abordado individualmente, conforme a categoria de exame por imagem a ser abordada

Propriedades dos Raios X
 

  

Facilmente atravessam o corpo humano; Sua intensidade é reduzida na trajetória pelo corpo humano (espessura e densidade elevada) Originam raios secundários ao entrar na matéria, gerando uma radiação difusa que diminui o contraste do filme. (diafragma, cones localizadores, redes antidifusoras); Provocam fluorescência de algumas substâncias cristalinas (écrans de radioscopia e intensificadores); Desencadeam o escurecimento das emulsões fotográficas; Ioniza o ar que atravessa e se propaga em linha reta; Efeitos biológicos usados em radioterapia.

Os Contrastes Radiológicos

 

Diferença entre as imagens claras e escuras no filme; depende das condições técnicas de tomada da imagem e da acuidade visual do observador Raios X com penetração pequena ou média: imagem rica em contraste (raios usados na radiografia óssea >> contraste máximo entre o osso e as partes moles) Raios penetrantes ou de alta voltagem: apresentam um menor contraste entre as estruturas, porém apresenta vantagens como menor dose útil, diminuição do tempo de exposição, maior número de informações fornecidas pelo filme (radiografia do tórax e tubo digestivo) Natureza e modo de tratamento dos filmes podem interferir com o contraste >> procedimento automático Negatoscópio

Riscos e Proteção Radiológica

Unidades - Becquerel (Bq): unidade de radioatividade - Gray (Gy): unidade de dose absorvida. Representa uma energia de um Joule absorvido por um quilograma de matéria. O Gray vale 100 rads (1 rad = 1cGy)

Ordem de grandeza das Radiações
- Alguns milhares de Rads - Centenas de Rads - Uma dezena de Rads - Um Rad (1 cGy) - Um décimo de Rad - Um centésimo de Rad - Um milésimo de Rad Radioterapia (4.000/7.000); Subdosagem / Superdosagem Dose de 500 rads geralmente é fatal Não é letal no caso de irradiação total Dose máxima admissível para indivíduos com risco de exposição é de 5 Rads Indicação anual recebida pela totalidade de nosso organismo Dose aproximada que as gônadas recebem nas radiografias pulmonares (dispersão de raios) Grandeza liberada pela indústria nuclear no país onde desenvolve sua atividade

Riscos e Proteção Radiológica

Órgãos Sensíveis - Pele: sensível à radiações de pouca energia. Lesões cutâneas decorrentes da radioterapia (150 a 200 rads: eritema; 300 a 400 rads: radioepidermite; 600 a 800 rads: radiodermite) - A medula óssea - O cristalino: risco mínimo nas radiações usadas em radiodiagnóstico; pode acelerar seu envelhecimento - Gestação: o efeito no feto vai variar com a dose absorvida e a data da irradiação (5 rads antes da 12a. Semana = interrupção da gestação; Abaixo desta dose = não garantia da normalidade da criança; A partir do 8o. Mês = riscos inexistem)

Riscos e Proteção Radiológica

Proteção radiológica - Radiação primária: radiação à qual se submete o paciente durante o exame. Equipamento bem calibrado, campo de exposição da radiação necessário - Radiação secundária: aquela que atinge o profissional e o pessoal de apoio. Manter a maior distância da fonte de radiação, colocar-se atrás de anteparos plumbíferos e usar avental plumbífero, dar preferência à ampolas de Raios X localizadas abaixo da mesa de exame (feixes refletidos para os pés)

Riscos e Proteção Radiológica

Objetivos da Proteção Radiológica

1) Proteger indivíduos, seus descendentes e a humanidade contra os efeitos danosos da radiação; 2) Evitar a ocorrência de efeitos não estocásticos, ou seja, aqueles para os quais a gravidade do efeito é função da dose e para os quais existe dose limiar; 3) Limitar a probabilidade de ocorrência de efeitos estocásticos a níveis aceitáveis. Tais efeitos são aqueles em que a probabilidade de ocorrência foi considerada função linear da dose sem limiar, ou seja, qualquer dose, por menos que seja, tem a probabilidade de induzir dano.

Por Hoje é Só!!!!! Obrigado