You are on page 1of 5

1

INSTITUTO DE LETRAS SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SECRETARIA GERAL DOS CURSOS CÓDIGO LET C47 CARGA HORÁRIA TEÓRICA PRÁTICA 68

PROGRAMA DE DISCIPLINA

ANO 2012

SEM 2

CRÉDITOS 4

Literaturas Africanas de Língua Portuguesa e o Cânone Ocidental UNIDADE INSTITUTO DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LETRAS VERNÁCULAS

EMENTA Estudo teórico-crítico das relações culturais, estéticas e políticas entre a produção literária nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e os parâmetros definidores do cânone ocidental. Discussão de obras representativas das especificidades das Literaturas Africanas de Língua Portuguesa (LALP). Problematização das noções de universalidade, lusofonia e africanidade. Proposição de aplicações pedagógicas das LALP tendo em vista a implementação da Lei 10639/03. OBJETIVOS 1. Através de um trabalho de leitura e discussão de textos literários de expressão africana, desenvolver sensibilidade s e estimular a reflexão de cunho pedagógico e crítico sobre o tema da diversidade cultural . 2. Construir no decorrer do curso um painel de obras literárias, questões teóricas, co ntextos históricos e dados bio -bibliográficos que proporci one uma visão sintética de elementos formadores e tendências estéticas nas LALP , designadamente nas literaturas de Angola e de Moçamb ique. 3. Introduzir elementos teóricos para aprofundar conhecimentos acerca dos seguintes conceitos e articulações: cultura, discursos culturais e l iteratura; identidade, alter idade e diferença; colonialismo e (pós-)colonialidade; racismo e etnocentrismo; africanidade. 4. Apresentar e discutir uma compreensão crítica do conceito de cânone literário oc idental a partir do questionamento aos parâmetros univers alizantes que o configuram. 5. Caracterizar, a partir dos materiais a serem trabalhados, representações de valores cu lturais africanos, tendo em vista prover os/as estudantes de referências que co ntribuam para a impleme ntação da Lei Federal 10639 /03, relativa à introdução de t emas africanos nos conteúdos escolares do Ensino Bási co brasileiro.

2

METODOLOGIA As atividades a serem desenvolvidas no curso pretendem estimular a produção de conhecimento, entendendo-se esse trabalho, conforme propõe Muniz Sodré, como “o processo pelo qual um sujeito, individual ou coletivo, entra em relação com um objeto ou uma informação, visando obter dele um saber novo” (2012, p.30). Para acionar esse processo, recorreremos à exposição participada de conteúdos, à leitura e discussão de textos literários e teóricos, à apresentação e comentário de slides, de imagens e de outros tipos de mídia. Acreditamos que todo conhecimento é sempre produzido em situação, isto é, em diálogo ativo com os contextos do presente e com as forças da história. Dessa forma, acreditamos que a principal competência a ser formada é a autonomia sobre as energias criativas individuais e culturais que podem ser mobilizadas pelos sujeitos. Através do blogue KUKALESA (http://kukalesa.wordpress.com) será oferecido suporte pedagógico extra-classe e facilitação do acesso a bibliografias e outras referências relevantes para o curso. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. A diversidade cultural como tema pedagógico e literário. Cânones, diferenças culturais e colonialidade: conceitos e problemáticas. Diversidade linguística, lusofonia e oralidade nas LALP. Universalismo, nacionalismo e africanidade nas LALP. Panorama de elementos formativos e temáticos nas literaturas de Angola e de Moçambique. Descolonizando o imaginário através das narrativas africanas de língua portuguesa Tradição e hibridismo nas literaturas de Angola e de Moçambique.

AVALIAÇÃO: A avaliação é entendida como processual e contínua. Desta forma, serão utilizados diferentes instrumentos para verificar o desenvolvimento do estudante, quais sejam: produção de textos escritos (resumos, resenhas, relatórios etc.); pesquisas; exercícios avaliativos; seminários.
 BIBLIOGRAFIA BÁSICA E DE APOIO
[estão marcadas com (*) as obras existentes no sistema bibliotecário da UFBA]

SODRÉ, Muniz. Cultura e educação. In: Reinventando a educação. Diversidade, descolonização e redes. Petrópolis: Vozes, 2012. MATTELART, Armand. A domesticação do diferente / A “revelação” da troca desigual. In: Diversidade cultural e mundialização. Tradução de Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola, 2005. (*) RUI, Manuel. Eu e o outro — o invasor ou em poucas três linhas uma maneira de pensar o texto. Comunicação apresentada no Encontro Perfil da Literatura Negra. São Paulo, 23/05/1985. GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005. MUNANGA, Kabenguele. Racismo. Da desigualdade à intolerância. In: Revista São Paulo em Perspectiva. n.2, v.4. São Paulo: Fundação SEADE, abril-junho 1990.

3

CANDAU, Vera Maria Ferrão, OLIVEIRA, Luiz Fernandes de. Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. In: Educação em Revista. v.26. n.1. Belo Horizonte: Faculdade de Educação da UFMG, abr. 2010. DUARTE, João Ferreira. Cânone. In: E-dicionário de termos literários de Carlos Ceia. Disponível em: <http://www.edtl.com.pt/index.php?option=com_mtree&task=viewlink&link_id=525&Itemid=2>. HAMILTON, Russel G. Introdução. In: SALGADO, Maria Teresa e SEPÚLVEDA, Maria do Carmo. África e Brasil: letras em laços. São Caetano do Sul: Yendis Editora, 2006. (*) MATA, Inocência. A literatura, universo da reinvenção da diferença / “Even Crusoe needs a Friday”: os limites dos sentidos da dicotomia universal/local nas literaturas africanas. In: A literatura africana e a crítica póscolonial: reconversões. Luanda: Editorial Nzila, 2007. MUNANGA, Kabengele. Algumas considerações sobre a identidade e a diversidade negra no Brasil. In: RAMOS, Marise Nogueira, ADÃO, Jorge Manoel, BARROS, Graciete Maria Nascimento. Diversidade na educação: reflexões e experiências. Brasília: Secretaria de Educação Média e Tecnológica, 2003. LUZ, Marco Aurélio. Agadá: dinâmica da civilização africano-brasileira. 2.ed. Salvador: EdUFBA, 2000. (*) MATA, Inocência. Laços de memória & outros ensaios sobre literatura angolana. Luanda: União dos Escritores Angolanos, 2006. CHAVES, Rita, MACÊDO, Tania. Marcas da diferença (orgs.). São Paulo: Alameda, 2006. (*) SANTILLI, Maria Aparecida. Paralelas e tangentes: entre literaturas de língua portuguesa. São Paulo: Arte & Ciência, 2003. (*) PADILHA, Laura Cavalcante. Novos pactos, outras ficções: ensaio sobre literaturas afro-luso-brasileiras. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002. (*) LEITE, Ana Mafalda. Literaturas africanas e formulações pós-coloniais. Lisboa: Edições Colibri, 2003. (*)

 BIBLIOGRAFIA LITERÁRIA PEPETELA. Estranhos pássaros de asas abertas. In: ALMEIDA, Domingas de (org.). Como se viver fosse assim. Antologia do conto angolano. Luanda: UEA, 2009. HONWANA, Luis Bernardo. As mãos dos pretos. In: CHAVES, Rita (org.). Contos africanos dos países de língua portuguesa. São Paulo: Ática, 2009. Coleção Para Gostar de Ler, n.44. (*) COUTO, Mia. O novo padre. In: O fio das missangas. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. (*) XITU, Uanhenga. “Mestre” Tamoda. In: “Mestre” Tamoda e Kahitu: contos. São Paulo: Ática, 1984. (*) DIAS, João. Indivíduo preto. In: SAÚTE, Nelson (org.). As mãos dos pretos. Antologia do conto moçambicano. 2.ed. Lisboa: D. Quixote, 2000. (*) VIEIRA, Luandino. Zito Makoa, da 4ª classe. In: CHAVES, Rita (org.), 2009. (*) VIEIRA, Luandino. À sexta-feira. In: Vidas novas. 5.ed. Cuba: Ediciones Cubanas; União dos Escritores de Angola, 1985. RUI, Manuel. Mulato de sangue azul / O aquário. In: Regresso adiado. Contos. Lisboa: Cotovia, 2000.

4

AGUALUSA, José Eduardo. Discurso sobre o fulgor da língua / Não há mais lugar de origem. In: Manual prático de levitação: contos. Rio de Janeiro: Gryphus, 2005. (*) SAÚTE, Nelson. A mulher dos antepassados. In: Rio dos bons sinais. Rio de Janeiro: Língua Geral, 2007. Coleção Ponta de Lança. (*) COUTO, Mia. Lenda de Namarói. In: Estórias abensonhadas. 1.ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. HONWANA, Luis Bernardo. Futebol na areia. In: SAÚTE, Nelson (org.), 2000. (*) MELO, João. Madinusa. In: PALLAS EDITORA. Contos do mar sem fim: antologia afro-brasileira (org.). Rio de Janeiro: Pallas; Guiné-Bissau: Ku Si Mon; Angola: Chá de Caxinde, 2010. MELO, João. Efeito estufa / Natasha. In: Filhos da pátria. Rio de Janeiro: Record, 2008.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul . São Paulo: Companhia das Letras, 2000. BALANDIER, Georges. A noção de situação colonial. In: Cadernos de Campo: Revista dos alunos de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade de São Paulo . Ano III, n.3, 1993. BLOOM. Harold. O cânone ocidental. Rio de Janeiro: Objetiva, 1994. BRASIL. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros curriculares nacionais: pluralidade cultural, orientação sexual. Brasília: MEC; SEF, 1997. BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília: MEC; SEPPIR, 2004. CHAVES, Rita, MACÊDO, Tania, VECCHIA, Rejane (org.). A kinda e a misanga. Encontros brasileiros com a literatura angolana. São Paulo; Luanda: Cultura Acadêmica; Nzila, 2007. COMPAGNON, Antoine. O valor. In: O demônio da teoria. Literatura e senso comum. Trad. Cleonice Mourão e Consuelo Santiago. Belo Horizonte: UFMG, 2003. GOMES, Heloísa Toller. Quando os outros somos nós: o lugar da crítica pós-colonial na universidade brasileira. In: Acta Scientiarum. Human and Social Sciences. v.29, n.2. Maringá: Editora da Universidade Estadual de Maringá, 2007. Disponível em: <www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciHumanSocSci/article/viewPDFInterstitial/725/436>. KANDJIMBO, Luís. Escrita e vertigem dos livros / Identidade e filosofia política. In: Ideogramas de Nganji. Exercícios angolanos de ler e parafrasear. Lisboa: Novo Imbondeiro, 2003. LOPES, Nei. Novo dicionário banto do Brasil. Rio de Janeiro: Pallas, 2003. MOREIRA, Antonio Flavio Barbosa, CANDAU, Vera Maria. Educação escolar e cultura(s): construindo caminhos. In: FÁVERO, Osmar, IRELAND, Timothy Denis. Educação como exercício de diversidade. Brasília: UNESCO; MEC; ANPEd, 2005. REIS, Roberto. Cânon. In: JOBIM, José Luis (org.). Palavras da crítica: tendências e conceitos no estudo da literatura. Rio de Janeiro: Imago, 1992. (*) VV.AA. Revista Tempo Brasileiro. As aporias do cânone . n.129. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, abril-junho 1997.

APROVAÇÃO PELO DEPARTAMENTO

DATA:

CHEFE DO DEPARTAMENTO: ____________________________________________________

5