You are on page 1of 43

1 EDITAL 01/2013 Concurso público para provimento do emprego público de ASSISTENTE ADMINISTRATIVO, ASSISTENTE TÉCNICO, ARQUITETO, ENGENHEIRO E TÉCNICO

DE NÍVEL SUPERIOR do Quadro Geral de Pessoal da Superintendência de Desenvolvimento da Capital - SUDECAP, ente autárquico municipal criado pela Lei nº 1.747, de 09 de dezembro de 1969. O Exmo. Superintendente Interino da SUDECAP torna público que estarão abertas, no período a seguir indicado, inscrições para o Concurso Público para provimento dos empregos públicos de ASSISTENTE ADMINISTRATIVO, ASSISTENTE TÉCNICO, ARQUITETO, ENGENHEIRO E TÉCNICO DE NÍVEL SUPERIOR descritos no Plano de Carreira da Superintendência de Desenvolvimento da Capital - SUDECAP, instituído pela Lei nº 9.330, de 29 de janeiro de 2007. 1. DA INFORMAÇÃO PRELIMINAR 1.1. O concurso público será regido pelo Decreto 15.352 de 21 de outubro de 2013, por este Edital, seus anexos e seus eventuais aditamentos, assim como pelas instruções, comunicações e convocações dele decorrentes, obedecidas as legislações pertinentes e sua execução realizar-se-á sob a responsabilidade da Fundação Mariana Resende Costa – FUMARC. 1.2. A Superintendência de Desenvolvimento da Capital - SUDECAP, durante o prazo de validade do concurso, reserva-se o direito de proceder às admissões em número que atenda aos interesses e necessidades do serviço, de acordo com a disponibilidade orçamentária e financeira, dentro do número de vagas previstas no Anexo I e ao preenchimento de futuras vagas, dentro do período previsto no item 11.4 deste Edital, observada a ordem classificatória dos candidatos aprovados. 1.3. O regime jurídico aplicável aos empregados públicos da SUDECAP é o da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT – Decreto - Lei n. 5.452, de 1º de maio de 1943, respeitados os dispositivos da Constituição da República de 1988 referentes à Administração Pública, às disposições da Lei Municipal nº. 9.330 de 29 de janeiro de 2007 e às demais normas municipais pertinentes. 1.4. Os candidatos aprovados no concurso público regido por este Edital, para emprego público na SUDECAP, terão suas relações de trabalho regidas pela Lei n.º 9.330/2007. 1.5. Os certames para cada emprego/especialidade regidos por este edital são independentes, podendo a SUDECAP homologar, por atos diferentes e em épocas distintas, os respectivos resultados finais. 1.6. Todas as publicações oficiais serão feitas no Diário Oficial do Município - DOM e divulgadas nos endereços eletrônicos <www.pbh.gov.br/dom> e <www.fumarc.org.br>, sendo que o Edital e suas eventuais alterações e nas condições de realização das provas serão também publicados em jornal de grande circulação. As publicações também serão afixadas no quadro de avisos da SUDECAP. Aos candidatos cumpre o dever de acompanhar as referidas publicações nos meios elencados. 2. DAS ESPECIFICAÇÕES DOS EMPREGOS PÚBLICOS E OUTROS DADOS 2.1. Os empregos públicos, habilitações, número de vagas, carga horária semanal e remuneração inicial constam do Anexo I deste Edital e suas atribuições são as previstas no Anexo II deste Edital. 2.2. Serão oferecidos, a título de benefícios adicionais, o vale-lanche no valor de R$ 3,00 por dia, o vale refeição/alimentação no valor de R$17,00 por dia, o auxílio-creche no valor R$196,00 (cento e noventa e seis reais) por mês e por filho menor de 07 (sete) anos, o auxílio-educação no valor de R$196,00 (cento e noventa e seis reais) por mês e por filho portador de deficiência mental e também será oferecida assistência médica e odontológica co-patrocinadas (contribuição do empregado e contribuição patronal) nas condições vigentes. 2.3 – As etapas do processo seletivo constam no ANEXO III deste Edital. 2.4. Os programas das provas e sugestões bibliográficas constam no ANEXO V deste Edital. 2.5. O presente concurso público, dentro do prazo de sua validade, destina-se ao preenchimento das vagas previstas no Anexo I deste Edital. 3. DAS CONDIÇÕES PARA INSCRIÇÃO

2 3.1. Ser brasileiro nato ou naturalizado. 3.2. Atender às exigências e requisitos contidos neste Edital e no Decreto 15.352 de 21 de outubro de 2013. 4. DAS DISPOSIÇÕES RELATIVAS ÀS INSCRIÇÕES 4.1. A inscrição do candidato implicará no conhecimento e na aceitação irrestrita das instruções e das condições do concurso tais como se acham estabelecidas neste Edital e nas normas legais pertinentes, notadamente pelo Decreto 15.352 de 21 de outubro de 2013 bem como em eventuais aditamentos, comunicações, instruções e convocações relativas ao certame, que passarão a fazer parte do instrumento convocatório como se nele estivessem transcritos e acerca dos quais não poderá o candidato alegar desconhecimento. 4.2. O valor da taxa de inscrição é de R$ 60,00 (nível médio) e R$80,00 (nível superior). 4.2.1. O valor da taxa de inscrição será recolhido em conta de titularidade da SUDECAP e constitui receita pública, devendo ser contabilizada de acordo com as regras do Direito Financeiro. 4.3. Para inscrever-se, o candidato deverá acessar o endereço eletrônico www.fumarc.org.br – link correspondente ao “Concurso Público Assistente Administrativo, Assistente Técnico, Arquiteto, Engenheiro e Técnico de Nível Superior SUDECAP – Edital 01/2013 das 9h00min do dia 14/01/14 às 23h59min do dia 13/02/14 e cumprir os procedimentos descritos neste capítulo. O candidato que não tiver acesso a Internet poderá realizar a inscrição pessoalmente ou por terceiro munido de procuração, diretamente na sede da FUMARC – Av. Francisco Sales, 540 – Bairro Floresta – CEP 30150-220, Belo Horizonte – MG, durante o período de inscrições, das 09h00min às 12h00min e das 13h30min às 17h00min do dia 14/01/14 à 13/02/14. 4.3.1. Ler atentamente o Edital. 4.3.2. Preencher o Requerimento Eletrônico de Inscrição, que, além de outras informações, exigirá o número do CPF, o número de um documento oficial de identidade do candidato (com fotografia), com a respectiva indicação do órgão expedidor. 4.3.2.1. O candidato que necessitar de condições especiais para realização das provas, independentemente de se tratar de candidato portador de necessidades especiais ou não, deverá preencher os campos indicados no Requerimento Eletrônico de Inscrição e solicitar as condições especiais para realização das provas, nos termos do item 6 e seus subitens. 4.3.3. Conferir os dados constantes no Requerimento de Inscrição e confirmá-los. 4.3.3.1. A declaração falsa dos dados constantes no Requerimento de Inscrição importará no cancelamento da inscrição e a anulação de todos os atos dela decorrentes, caso o candidato, deixe de justificar ou retificar a declaração no prazo de 5 dias após sua notificação a ser realizada pelos meios previstos no item 1.5, sem prejuízo de eventuais sanções civis e penais cabíveis. 4.3.3.2. As informações prestadas no Requerimento de Inscrição são de inteira responsabilidade do candidato. 4.3.4. Imprimir o boleto bancário para pagamento do valor da inscrição até o término das inscrições. 4.3.5. No ato da confirmação da inscrição via internet, os dados serão automaticamente transmitidos à FUMARC. 4.3.5.1. Uma vez confirmada a inscrição via internet ou presencial, em nenhuma hipótese, serão aceitos pedidos de exclusão e cancelamento do Requerimento Eletrônico de Inscrição. 4.3.6. O Requerimento de Inscrição e o valor pago referente à taxa de inscrição são pessoais e intransferíveis. 4.3.7. Não serão aceitas inscrições por vias não elencadas nos itens anteriores, nem inscrições condicionais ou extemporâneas. 4.3.8. O valor da taxa de inscrição não será devolvido sob nenhuma hipótese, salvo nos casos de cancelamento ou suspensão do certame, alteração na data das provas, pagamento em duplicidade. Nesses casos, o candidato deverá proceder da seguinte forma: 4.3.8.1. A restituição da Taxa de Inscrição deverá ser requerida por meio de formulário que será disponibilizado no endereço eletrônico www.fumarc.org.br ou diretamente na sede da FUMARC.

3 4.3.8.2. O formulário de restituição da Taxa de Inscrição estará disponível, no endereço eletrônico www.fumarc.gov.br ou na sede da FUMARC, em até 05 (cinco) dias úteis após a data de publicação do ato que ensejou o cancelamento ou suspensão do certame, alteração na data das provas, pagamento em duplicidade ou de deferimento de pedido de isenção, durante o prazo previsto no subitem 4.3.8.4. 4.3.8.3. No formulário, o candidato deverá informar os seguintes dados para obter a restituição da taxa de inscrição: a) nome completo, número da identidade e da inscrição do candidato; b) emprego público para o qual se inscreveu; c) nome e número do banco, nome e número da agência com dígito, número da conta corrente e CPF do titular da conta; d) número de telefones, com código de área, para eventual contato. 4.3.8.4. O formulário de restituição deverá ser entregue (das 09h00min às 12h00min e das 13h30min às 17h00min) ou enviado à sede da FUMARC (Av. Francisco Sales, 540 – Bairro Floresta – CEP 30150-220, Belo Horizonte – MG) por SEDEX, devidamente preenchido e assinado pelo candidato, ou seu representante, e acompanhado da cópia do documento de identidade do candidato, em envelope fechado, tamanho ofício, em até 30 (trinta) dias após o ato que ensejou a ocorrência de uma das hipóteses previstas no item 4.3.8. A tempestividade do pedido será aferida pela data de postagem ou do protocolo de entrega na FUMARC. 4.3.8.5. No envelope, na parte frontal, deverá constar “Ref. Restituição da Taxa de Inscrição - Concurso Público SUDECAP - Edital 001/2013”, além do nome completo, número da inscrição, número do documento de identidade, código e nome do emprego público para o qual se inscreveu. 4.3.8.6. A restituição da Taxa de Inscrição será processada nos 20 (vinte) dias úteis seguintes ao término do prazo fixado no subitem 4.3.8.4 por meio de depósito bancário na conta corrente indicada no respectivo formulário de restituição. Em se tratando de candidato não titular de conta bancária, o mesmo será contatado pelo número de telefone fornecido ou por carta no endereço fornecido para que se apresente na sede da FUMARC em data e horário definidos para o recebimento do numerário. 4.3.8.7. O valor a ser restituído ao candidato será corrigido monetariamente por índice oficial vigente, desde a data do pagamento da inscrição até a data da efetiva restituição. 4.4. Após a conclusão do preenchimento do Requerimento Eletrônico de Inscrição e da respectiva transmissão dos dados via internet, o boleto bancário será emitido em nome do candidato e deverá ser impresso em impressora a laser ou a jato de tinta para possibilitar a correta leitura do código de barras. 4.5. Em caso de inscrição presencial, o referido boleto bancário será emitido no mesmo local pelo próprio candidato em equipamento que lhe será disponibilizado especificamente para este fim. 4.6. A 2ª via do boleto bancário poderá ser emitida até a data limite para pagamento da Taxa de Inscrição – 14.02.2014. 4.7. O candidato deverá efetuar na rede bancária, o pagamento da importância correspondente à taxa de inscrição, por meio do boleto bancário, no valor previsto no item 4.2 e até a data prevista no item 4.6. 4.8. Não serão aceitos pagamentos por depósito em conta corrente, via postal, por transferência, DOC, ordem de pagamento ou por qualquer outra via que não a especificada neste edital. 4.9. O candidato deverá antecipar o pagamento caso, na localidade em que se encontre, o último dia de inscrição seja feriado que acarrete o fechamento das agências bancárias. 4.10. Serão indeferidas as inscrições cujos pagamentos forem insuficientes ou efetuados após a data do vencimento estabelecida no boleto. 4.11. A inscrição do candidato somente terá validade após a FUMARC receber a confirmação, pela instituição bancária, do respectivo pagamento. 4.12. O recibo de pagamento do boleto bancário será o comprovante de que o candidato requereu sua inscrição. Para esse fim, o boleto deverá ser autenticado até o horário limite das transações bancárias da data de vencimento constante no boleto. Não será considerado o comprovante de agendamento de pagamento. 4.13. A SUDECAP e a FUMARC, não se responsabilizam por inscrições não recebidas por problemas de ordem técnica dos computadores, falhas de comunicação ou congestionamento das linhas, falhas de impressão, bem como por outros

4 fatores que impossibilitem a transferência dos dados e/ou a efetivação do pagamento da taxa de inscrição, ressalvado, para tanto, quando a responsabilidade for atribuível exclusivamente aos organizadores do concurso. 4.14. O candidato cuja inscrição for validada pela FUMARC deverá obter seu CI – Cartão de Informação, via internet, ou presencialmente na sede da FUMARC, devendo apresentá-lo no dia de realização das provas. O CI estará disponível, no endereço eletrônico e na sede da FUMARC nos 05 (cinco) dias úteis antes das provas. Caso o candidato não consiga obter o CI no site da FUMARC, também deverá se dirigir, pessoalmente, ou por terceiro munido de procuração com poderes específicos, à sede da FUMARC, para obtê-lo. 4.15. No CI estará impresso o número de inscrição, o nome completo, a data de nascimento, o número do documento de identidade do candidato, indicação de candidato com deficiência (se for o caso), bem como a data, o horário e o local de realização das provas além de outras orientações úteis ao candidato. 4.16. É obrigação do candidato, conferir os dados constantes do CI, especialmente o seu nome, a data de seu nascimento, o número do documento de identidade utilizado na inscrição e a respectiva sigla do órgão expedidor e ainda o emprego público para o qual se inscreveu. 4.17. A correção de eventuais erros de digitação ocorridos no nome, no número do documento de identidade utilizado na inscrição ou na sigla do órgão expedidor deverá ser solicitada pelo candidato ao aplicador de sala, no dia e no local de realização das provas, e constar no Relatório de Ocorrências da Sala. 4.18. O candidato deverá apresentar na data de realização das provas o mesmo documento de identidade (com fotografia) indicado no CI. 4.19. O candidato poderá obter este Edital completo, por download do arquivo, no endereço eletrônico <www.fumarc.org.br>. 4.20. A candidata lactante que tiver necessidade de amamentar durante a realização das provas deverá entregar (das 09h00min às 12h00min e das 13h30min às 17h00min) ou enviar por SEDEX, em até 10 (dez) dias úteis antes da data de realização da prova, requerimento datado e assinado, em envelope tipo pardo, lacrado e identificado, diretamente na sede da FUMARC, situada na Av. Francisco Sales, 540 – Bairro Floresta, Belo Horizonte – MG – CEP 30150-220. 4.20.1. A candidata lactante poderá levar somente 1 (um) acompanhante, que será responsável pela guarda da criança e ficará em local determinado pela FUMARC no dia da realização da prova. 4.20.2. Durante o período de amamentação, a candidata lactante será acompanhada de fiscal da FUMARC, que garantirá que sua conduta esteja de acordo com os termos e condições deste Edital, não havendo compensação desse período no tempo de duração da prova. 4.20.3. Serão indeferidas as solicitações de condições especiais apresentadas fora do prazo estabelecido. 4.20.4. A tempestividade do requerimento será comprovada pela data de protocolo de entrega ou da postagem da carta registrada. 4.21. Considerando os princípios fundamentais estabelecidos na Constituição Federal/88 a Isenção do Pagamento da Taxa de Inscrição será concedida a todos aqueles candidatos que, em razão de limitação de ordem financeira, não possam arcar com o pagamento da taxa de inscrição, sob pena do comprometimento do sustento próprio e de sua família, independentemente de estarem desempregados ou não, podendo esta situação de hipossuficiência ser comprovada por qualquer meio legalmente admitido. 4.21.1 Para solicitar a isenção, o candidato deverá preencher, no período de 14 a 16/01/2014, o Requerimento Eletrônico de Inscrição informando os dados exigidos em todos os campos e, após confirmação dos dados, clicar em “Requerimento de Isenção da Taxa” e imprimi-lo. 4.21.2 O candidato firmará declaração de que é sua condição de hipossuficiência não lhe permite pagar a taxa de inscrição no concurso sem prejuízo do sustento próprio ou de sua família, respondendo civil e criminalmente pelo inteiro teor de sua declaração. “Modelo de declaração de hipossuficiência” À Comissão de análise de pedidos de isenção da Taxa de Inscrição

9. Floresta. O candidato cujo requerimento de isenção do pagamento da taxa for deferido estará automaticamente inscrito.21 e da declaração de hipossuficiência – modelo do item 4. poderá ser consultada junto ao órgão gestor do CadÚnico.11. após fase recursal. A comprovação da tempestividade dos requerimentos será feita pela data de entrega ou de postagem. sem prejuízo do sustento próprio ou de sua família. entre outros documentos. O candidato que tiver sua solicitação de isenção do pagamento da taxa de inscrição indeferida poderá recorrer desta decisão e. 4. o qual responderá civil e criminalmente pelo teor das afirmativas.br e demais veículos de comunicação previstos neste edital. comprovante de que está inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais – CadÚnico. nome. CEP 30150-220.8. sem prejuízo do sustento próprio ou de sua família será analisada pela FUMARC. c) deixar de instruir seu requerimento com os documentos necessários para comprovação da situação financeira que não lhe permita pagar a taxa de inscrição.5 Prezados Senhores. fechado e identificado com os dados: Concurso Público da SUDECAP – Edital 01/2013 – Requerimento de Isenção da Taxa. REQUISITOS PARA INVESTIDURA NO EMPREGO PÚBLICO 5. O candidato poderá.21.6.fumarc.21.5.1. 4. com indicação do Número de Identificação Social – NIS. poderá efetuar sua inscrição.21. à Fumarc. Ser brasileiro nato ou naturalizado . Local.10. em envelope formato ofício.21. em grau de recurso.21. 4. declarando que minha condição de hipossuficiência não me permite pagar a taxa de inscrição no referido concurso. O resultado da análise da documentação apresentada para solicitação de isenção do pagamento da taxa de inscrição será divulgado até o dia 31/01/2014 no sítio eletrônico www. ou entregar a documentação acima citada. O candidato que não regularizar sua inscrição por meio do pagamento do respectivo boleto terá o pedido de inscrição não efetivado. respondendo civil e criminalmente pelo inteiro teor desta declaração. Belo Horizonte/MG. 4. no endereço expresso neste subitem. 4.11. sem prejuízo do sustento próprio ou de minha família. vinculado ao Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome e/ou junto a outros órgãos e entidade públicas.9. O requerimento deverá ser instruído com todos os documentos pertinentes à comprovação da situação financeira do candidato. 4.21. exclusivamente no período de 14 a 16 de janeiro de 2014. 4. Não será concedida isenção de pagamento do valor de inscrição ao candidato que: a) deixar de solicitar o pedido de isenção dentro do período fixado ou por meios distintos dos previstos neste edital.21.12.1. exceto feriados.21. A veracidade das informações prestadas pelo candidato. 4.4. não sendo admitido em hipótese alguma a apresentação. por Sedex. imprimindo o boleto bancário e efetuando o pagamento do valor da inscrição até a data de encerramento das inscrições. no endereço Avenida Francisco Sales. /2013.21. 540. A documentação comprobatória da situação financeira que não permita ao candidato pagar a taxa de inscrição. As informações prestadas serão de inteira responsabilidade do candidato.3 – Encaminhar o Requerimento de Isenção da Taxa assinado e acompanhado da documentação comprobatória. ser convocado para apresentar documentação original. das 9h às 12h ou das 13h30min às 17h. a critério da FUMARC. bem como outros documentos complementares. cópia da CTPS. 5. entregando via Correios. no Requerimento Eletrônico de Isenção .1. tais como cópia da última declaração de imposto de renda completa ou declaração do próprio candidato de que é isento.2. em sendo o recurso julgado improcedente. Solicito isenção do pagamento da taxa de Inscrição no concurso público regido pelo Edital n.21. de novos documentos. 4. data Assinatura RG 4. 4.org. conforme subitem 4.7. com os custos correspondentes por conta do candidato.21.21. dependendo da necessidade de confirmação e diante do teor das declarações. número de controle e emprego público do candidato.21. b) omitir informações e/ou torná-las inverídicas. que decidirá sobre a isenção do pagamento da taxa de inscrição. 4. de segunda a sexta-feira.

a ser preenchido pelo candidato em formulário próprio. nos termos do art. letra "c". estará impedido de tomar posse e terá tornado sem efeito seu ato de nomeação. O candidato aprovado.4. conforme habilitação exigida para o emprego. serem exigidos novos exames e testes complementares considerados necessários para a conclusão do exame admissional. com fotografia. no ato de sua convocação para nomeação. § 2º.1. às suas expensas e os apresentará à Seção de Segurança e Medicina do Trabalho – SCSGMT-SD. h) original e fotocópia ou fotocópia autenticada do comprovante de Contribuição Sindical.6 5. Possuir a habilitação exigida para o emprego pretendido e apresentar a devida documentação comprobatória.9. O candidato considerado INAPTO no exame médico admissional.ASO. f) original e fotocópia ou fotocópia autenticada de certidão de casamento. bem como deixar de comprovar qualquer um dos requisitos estabelecidos no item 3. 5. ou comprovante de quitação com a Justiça Eleitoral. conforme previsão do art. Atender às exigências especiais para o seu provimento. 5. dos dois turnos. de documentação comprobatória de escolaridade. 5. nos termos da lei.1.5.9. Na inspeção médica poderão. k) original e fotocópia ou fotocópia autenticada do comprovante de residência atualizado. sensoriais e mentais necessárias ao exercício das atribuições do emprego público. 5. observada a legislação específica e protocolos internos da SUDECAP. Para a posse. 5. 5. A admissão do candidato deverá ocorrer em caráter experimental nos primeiros 90 (noventa) dias. 5.7. Estará impedido de ser admitido o candidato que deixar de apresentar qualquer dos documentos especificados como obrigatórios no subitem 5. . i)declaração de que não foi demitido a bem do serviço público de emprego público ou destituído de cargo em comissão ou de função pública nos últimos 5 (cinco) anos anteriores à sua posse. deverá apresentar. b) original e fotocópia ou fotocópia autenticada do CPF próprio. conforme procedimento de avaliação adotado pela autarquia. a critério clínico. para supervisão e emissão de Atestado de Saúde Ocupacional . observados os critérios do contraditório e da ampla defesa. 205 da Lei Municipal Nº 7. d) original e fotocópia ou fotocópia autenticada do título de eleitor com comprovante de votação na última eleição. no mínimo. se for o caso.9. se do sexo masculino. m) laudo médico atestando a aptidão física e mental do candidato fornecido pelo órgão municipal competente. ambos da CLT.6. 18 (dezoito) anos de idade completos. O atestado de que trata o item 5. 5. 443. g) original e fotocópia ou fotocópia autenticada do PIS/PASEP ou NIT. fornecido pelo órgão Municipal competente. se do sexo masculino. contido neste Edital e previsto em legislação específica.7. para efeito de conversão do contrato para prazo indeterminado. Estar em dia com as obrigações militares. salvo se já emancipado ou quando o cargo/emprego público exigir idade superior. obrigatoriamente. Estar em pleno gozo de seus direitos políticos e civis.2. 445. j) declaração de que não é aposentado por invalidez. para efeito de posse no emprego público.8. 5. 5. l) fotocópia. quando houver. período em que a SUDECAP avaliará o desempenho obtido pelo empregado. quando pago.7. 5.1. Ter. Gozar de boa saúde física e mental.3.169. n) declaração de bens e valores que constituem seu patrimônio até a data da posse. de valor legal. caso seja cadastrado. de 30 de agosto DE 1996. estando apto para exercer todas as atribuições do emprego para o qual for nomeado. autenticada em cartório. e art. a ser aferida em perícia médica oficial.8.2. os seguintes documentos: a) original e fotocópia ou fotocópia autenticada da carteira de identidade ou de documento único equivalente. conforme disposto no Anexo VII.1.11. parágrafo único.9. c) uma fotografia 3x4 recente. 5. o candidato nomeado realizará os exames admissionais. Estar em dia com as obrigações eleitorais.1 terá efeito conclusivo sobre as condições físicas. 5.10. e) original e fotocópia ou fotocópia autenticada do certificado de reservista ou documento equivalente.

relativamente a cada especialidade de que trata este edital. e do Decreto nº 15. das 09h00min às 12h00min e das 13h30min às 17h00min do dia 14/01/14 à 13/02/14.7 6. ou diretamente.1. bem como à nota mínima exigida. CEP 30150-220. relativa ao emprego objeto do certame. A entrega do laudo médico deverá ser feita em envelope formato ofício. O candidato que não tiver acesso a Internet poderá preencher o Requerimento Eletrônico e Inscrição – e assinalar no mesmo que deseja concorrer às vagas reservadas . exceto feriados. de 14 de junho de 1994. em decorrência deste concurso. durante o período de inscrições.6.298. inclusive.8.296. aos horários e dia de aplicação das provas.3. no máximo. 6. obedecida a ordem de classificação. 10% (dez por cento) das vagas oferecidas. de 20 de dezembro de 1999.352/2013. das 09h00min às 12h00min e das 13h30min às 17h00min. O ingresso definitivo do candidato está condicionado à aprovação da Seção de Segurança e Medicina do Trabalho da Sudecap – SCSGMT-SD e observado o disposto no parágrafo 2º do artigo 67 do Decreto 15. não cabendo questionamentos.853. de 24 de outubro de 1989 e da Lei Municipal nº 6. 6. diretamente na sede da FUMARC – Av.1. fechado e identificado. no mesmo endereço. na lista geral de classificação e na lista específica dos candidatos portadores de necessidades especiais.4. emitido. aos critérios de aprovação. O candidato deficiente que pretenda concorrer às vagas reservadas por força de lei deverá assinalar essa condição no Requerimento Eletrônico de Inscrição. se classificado. as vagas inseridas na reserva prevista neste capítulo serão revertidas para o cômputo geral de vagas oferecidas no certame. Floresta. 6.pessoalmente ou por terceiro munido de procuração. especificando o tipo e grau de deficiência. 13/02/2013. Belo Horizonte – MG.2. .1.4.2. via Sedex. à Fumarc (Av. 6.7. impreterivelmente até o último dia de inscrição. O candidato inscrito como deficiente. observando o disposto no subitem 6. DAS VAGAS DESTINADAS AOS CANDIDATOS COM DEFICIÊNCIA 6. 540 – Bairro Floresta. nos termos do item 6 e subitens deste Edital. no que se refere ao conteúdo das provas. 6. 6.661. A comprovação da tempestividade da solicitação de condições especiais para realização das provas será feita pela data de protocolo de entrega do Laudo Médico ou da data da postagem.661. 540.9. O candidato inscrito como deficiente participará do concurso em igualdade com os demais candidatos. 6.2. 6. Francisco Sales.1.5.3. há 90 (noventa) dias antes do término das inscrições. de 02 de dezembro de 2004. de 14 de junho de 1994. O candidato que não fizer a solicitação de condições especiais para realização das provas. terá as provas aplicadas nas mesmas condições dos demais candidatos. à avaliação. até a ocupação efetiva do quantitativo de vagas ofertadas. Belo Horizonte/MG). podendo ser preenchidas pelos demais candidatos aprovados. bem como a provável causa da deficiência. O candidato com deficiência que não realizar a inscrição conforme previsto no item 6 e seus subitens não poderá alegar posteriormente essa condição para reivindicar a prerrogativa legal.4. serão reservadas aos candidatos com deficiência. Ao candidato com deficiência é garantido o direito de se inscrever neste concurso para provimento de emprego público cujas atribuições sejam compatíveis com a deficiência de que é portador. 6. Considera-se deficiente o candidato que se enquadrar nas categorias discriminadas no Decreto Federal n° 3. com redação dada pelo Decreto Federal n° 5. bem como as que vierem a surgir ou forem criadas no prazo de validade do Concurso. por profissional da área de sua deficiência. para assegurar previsão de adaptação da sua prova. com expressa referência ao código correspondente da Classificação Internacional de Doença – CID. Francisco Sales.5 deste Edital. Inexistindo candidato com deficiência aprovado no concurso. figurará em duas listas classificatórias. 6. 6. Nos termos dos artigos 1º e 5º da Lei Municipal nº 6. por meio do preenchimento do Requerimento Eletrônico de Inscrição e ainda entregar na Fumarc. que participará do concurso em igualdade de condições com os demais candidatos.1. A nomeação da pessoa com deficiência classificada no concurso ocorrerá posteriormente a cada nona nomeação de candidato aprovado previsto na lista de classificação geral.4. 6.352 de 21 de outubro de 2013. considerando as condições especiais previstas neste Decreto e na Lei Federal n° 7. de segunda a sexta-feira. original ou cópia autenticada em serviço notarial e de registros (Cartório de Notas). durante o prazo de validade do concurso. durante a validade do concurso. laudo médico. O candidato que necessitar de condições especiais para realização das provas deverá solicitá-las até o término do período de inscrições. 6.

3. O indeferimento da posse na condição de pessoa com deficiência pelo órgão municipal competente acarretará a reclassificação do candidato na lista da concorrência ampla. classificados conforme critério de aprovação definido no item 7. 7. Serão corrigidas as provas discursivas dos candidatos com deficiência.1. DO PROCESSO SELETIVO 7. serão recebidos os Títulos/Formação Acadêmica e Experiência Profissional dos candidatos aprovados no prazo de 02 (dois) dias úteis. A classificação do candidato na Prova de Múltipla Escolha será feita observando-se a ordem decrescente das notas obtidas. Cada questão objetiva valerá 2.5 e no Anexo IV. 7. serão considerados classificados todos os candidatos que obtiverem o mínimo de aprovação definido no item 7.3. Prova Discursiva com 2 (duas) questões.8 6.2.2.3. ortografia. 7. segundo os seguintes critérios: 7. das quais apenas uma será correta.1.3.3. 7.4.1. Com relação aos cargos de nível Superior.2. O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.6. ainda que tenham obtida nota suficiente para aprovação.2.4.5. 7. podendo o candidato usar as duas formas de ortografia. implementado a partir de 1º de janeiro de 2009.1. conforme Anexo III. somente serão corrigidas as Provas Discursivas dos candidatos classificados conforme definido no item 7.1 Prova de Títulos/Formação Acadêmica e Experiência Profissional para os candidatos classificados no item 7.2. 7. Prova Objetiva de Múltipla Escolha. 7. para os cargos de nível superior.2.3. Com relação aos cargos de nível Médio. pontuação. Os títulos deverão ser entregues: .1. Propriedade e exatidão da resposta em relação ao conteúdo proposto: 10 (dez pontos). estarão automaticamente excluídos do concurso. conforme critérios estabelecidos no Anexo VI. não podendo obter nota 0 (zero) em nenhuma disciplina. Para julgamento de Títulos/Formação Acadêmica e Experiência Profissional. Da Segunda Etapa 7.7. consistindo na produção de um texto dissertativo. observados os limites definidos no item 7.2. acentuação e propriedade vocabular: 10 (dez pontos).5 (dois e meio) pontos. considerando o disposto no Decreto nº 7. de caráter classificatório. 7. 7. Da Primeira Etapa 7.5. 7.3. A segunda etapa será constituída de Prova de Títulos/Formação Acadêmica e Experiência Profissional.4.875.7. sendo a primeira etapa constituída de Prova Objetiva de Múltipla Escolha para todos os cargos e Prova Discursiva de caráter eliminatório e classificatório para os cargos de nível Superior.2. respeitados os candidatos empatados na última posição. conforme Anexo VI.7. Os candidatos que não atingirem classificação suficiente para terem a Prova Discursiva corrigida. 60% (sessenta) dos pontos no total da Prova de Múltipla Escolha. de caráter eliminatório e classificatório. 7. 7. 7.1. O candidato deverá obter.3. Argumentação coerente e suficiente em relação à questão apresentada: 10 (dez pontos).3 e que alcançarem o maior número de pontos. 7.1. • Arquiteto: 90 • Engenheiro: 300 • Técnico de Nível Superior: 210 7. com 4 (quatro) alternativas de resposta. com 40 (quarenta) questões objetivas.2. de 27 de dezembro de 2012. A seleção dos candidatos será realizada em duas etapas. não será exigido. no mínimo. dentro dos limites correspondentes aos empregos públicos relacionados abaixo. Correção linguística (morfossintaxe).10. publicado no Diário Oficial da União de 28 de dezembro de 2012. tendo como base temas específicos da área.3.2.4. conforme Anexo III.2. conforme quantitativos discriminados por especialidades no Anexo IV. valendo (30) trinta pontos cada uma e será aprovado o candidato que alcançar o mínimo de 50% (cinquenta por cento) do total de pontos distribuídos. 7. contados do 1º dia útil após a publicação do resultado final da Primeira Etapa.

Todos os títulos deverão ser entregues de uma única vez.7.7.2. Toda documentação deverá ser encaminhada em cópia autenticada em cartório de notas (frente e verso).5. na FUMARC. 7. situada à Av.7.7. Especificação do emprego público para o qual está concorrendo. não podendo ser enviada em um mesmo envelope por mais de um candidato.7.2.10.7.3. os seguintes dados: 7.12. 540 – Bairro Floresta – CEP 30150220 . 7. O candidato deverá apresentar a documentação em envelope lacrado. não sendo considerado para essa contagem o tempo de estágio. se houver. Os candidatos detentores de diplomas de mestrado ou doutorado realizados em universidades estrangeiras só terão seus cursos considerados para os fins deste Edital se seus diplomas tiverem sido revalidados conforme as regras estabelecidas pelo MEC. inclusão e/ou substituição de documentos durante ou após os períodos estabelecidos neste Edital. 7. devidamente assinadas. para a validade da entrega. por fax.16. custo por conta do candidato. não se admitindo complementação. Francisco Sales.7. A comprovação de experiência profissional na área de atuação para os candidatos far-se-á mediante a análise dos seguintes documentos: 7. situada à Av.13. 7. contendo externamente. Especialização em nível stricto sensu (mestrado e doutorado).2. se de cargo ou emprego ou função pública. 7. do contrato e alterações. em sua face frontal. a data da postagem deverá obedecer ao prazo estabelecido no subitem 7.14.2.1 (um) de Mestrado e 1 (um) de Doutorado.3. 7.7.7.PROVA DE TÍTULOS Edital n. endereçado à FUMARC.7. Francisco Sales. expedido por instituição superior reconhecida pelo MEC ou pelo CEE. O candidato que apresentar a cópia da carteira profissional deverá apresentar a folha de identificação. 540 – Bairro Floresta – CEP 30150-220 . para a qual não se aceitarão declarações.11.6. Para a contagem de tempo de experiência profissional não será considerada a fração de ano.7.7.7. 7. observará os seguintes critérios. com indicação da carga horária e dos conteúdos ministrados. Nome completo e número de inscrição do candidato. 7. comprovando a aprovação das dissertações ou teses. 7.1.7. contendo o início e o término do trabalho.7.7.SUDECAP . tamanho ofício.Belo Horizonte/MG.15.Belo Horizonte/MG. atestados e documentos em língua estrangeira.2 deste Edital. 7.3. 7.7. expedidos por instituição superior reconhecida pelo MEC ou de fotocópias autenticadas em cartório das Atas das Bancas Examinadoras.1. 7.1.7. mediante a apresentação de fotocópia autenticada em cartório do certificado de conclusão (frente e verso). 7.4.7.14. 7. Especialização em nível lato sensu.7. Serão pontuados apenas 1 (um) título de especialização lato sensu.14. Não serão aceitos títulos entregues fora do prazo. A comprovação de títulos referentes à pós-graduação. .7. domingos e feriados).9. 7. Postado nas Agências dos Correios via sedex.2. suplementação. 001/2013. Pessoalmente ou por terceiro.7. mediante a apresentação de fotocópias autenticadas em cartório dos respectivos diplomas (frente e verso). Concurso Público da Superintendência de Desenvolvimento da Capital . das 09h00minh às 12h00min e das 13h30min às 17h00min (exceto sábados.8. por internet ou por qualquer outra forma não prevista neste Edital. Será da exclusiva responsabilidade do candidato a entrega da documentação referente a títulos.7. 7.3.3. Cópia autenticada da carteira profissional devidamente assinada.9 7. 7. A documentação deverá ser encaminhada individualmente. 7. Certidão de contagem de tempo expedida pela repartição em que o candidato trabalhe ou tenha trabalhado. Nesse caso.

mesmo que possua o respectivo porte. Os candidatos deverão comparecer aos locais de prova 60 (sessenta) minutos ANTES do horário previsto para o início da realização das provas. Não será permitido o uso de lapiseira. liminarmente. do CI – Cartão de Informação. agenda . Serão recusados. Será eliminado deste concurso público o candidato que incorrer nas seguintes situações: a) apresentar-se após o fechamento dos portões.9.3 e. de caneta esferográfica de tinta azul ou preta.11. c) estabelecer comunicação com outros candidatos ou com pessoas estranhas. se for o caso.de 05 (cinco) horas para os cargos de nível superior (Prova Objetiva e Discursiva).17. 8.4.7. Havendo alteração da data prevista. filiação. Tablet. A inviolabilidade das provas será comprovada no momento do rompimento do lacre dos pacotes.de 04 (quatro) horas para os cargos de nível médio (Prova Objetiva). O documento deverá estar em perfeita condição. dos documentos referentes aos títulos. no dia 16/03/2014.2. aos candidatos. Não serão aceitos documentos de identidade com prazos de validade vencidos. fabricada em material transparente. lápis. 8. o candidato poderá apresentar outro documento de identificação equivalente.8. 8. com antecedência. a identificação do candidato e deverá conter. 8. 8.1. O candidato deverá apor sua assinatura na lista de presença e no gabarito da Prova Objetiva de Múltipla Escolha de acordo com aquela constante do seu documento de identidade.3. Depois de identificado e instalado. 8. Não haverá segunda chamada para quaisquer provas e avaliações. calculadora.1. walkman. tais como relógio. Carteira de Trabalho e Previdência Social. Serão considerados documentos de identidade oficial: Cédula Oficial de Identidade (RG). fotografia e data de nascimento. antes da realização das provas. Em nenhuma hipótese haverá prorrogação do tempo de duração da prova. 8. na presença de todos os candidatos. conforme o item 8. perfurante ou contundente no local de realização das provas. nas salas de realização das provas. o candidato somente poderá ausentar-se da sala acompanhado de um fiscal. 8. DA REALIZAÇÃO DA PROVA OBJETIVA DE MÚLTIPLA ESCOLHA E DISCURSIVA 8. 8. preferencialmente. 8. e) portar arma de fogo ou objetos similares de cunho cortante. a fim de permitir. será publicada.6. por qualquer meio.2. Ipod. 8. obrigatoriamente. por qualquer motivo. 8.3. fiscais ou autoridades presentes. 8. respeitando-se as condições previstas neste Edital. 7. munidos de documento original de identidade oficial e com foto. borracha e. Os horários e locais da realização das provas serão informados no CI e divulgados no endereço eletrônico www. 8.1. não autorizados por este Edital. nova data para a realização das provas. notebook. Certificado de Reservista. Carteira de Motorista com foto e Passaporte.12. não-identificáveis e/ou danificados. .5.18. Carteira Expedida por Órgão ou Conselho de Classe. auxiliares. 8. em um único turno e terá duração máxima: . ficando o candidato ausente.7.org.7. com clareza. ilegíveis. No caso de perda do Documento de Identificação com o qual se inscreveu no concurso. eliminado do concurso.br. A Primeira Etapa será realizada no Município de Belo Horizonte/MG. ser submetido à identificação especial que compreende a coleta de assinatura em formulário próprio.10 7. Em nenhuma hipótese serão devolvidas ou disponibilizadas cópias.10.1. d) usar de meios ilícitos para obter vantagem para si ou para outros.fumarc. os títulos que não atenderem as exigências deste edital.1.1. O ingresso do candidato à sala para a realização das provas só será permitido dentro do horário estabelecido no CI – Cartão de Informação e neste Edital (item 8. palm-top. b) tratar com falta de urbanidade examinadores.3). f) portar ou fizer uso de quaisquer equipamentos eletrônicos e/ou de instrumentos de comunicação interna ou externa.

8. não possuindo a SUDECAP ou a FUMARC qualquer responsabilidade sobre os mesmos. A SUDECAP e a FUMARC eximem-se de quaisquer despesas com viagens e estadia dos candidatos para prestar as provas do concurso.11 eletrônica. 8. molhar. Os itens perdidos durante a realização das provas escritas. a Folha de Resposta da Discursiva e o Caderno de Provas devidamente assinados. DO PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO E DESEMPATE .1. será atribuída nota zero à questão com mais de uma alternativa assinalada ou sem alternativa assinalada. receptor. do horário estabelecido ou do espaço físico predeterminado e informados no CI. Findo o horário limite para a realização das mesmas. h)fizer anotações de informações relativas às questões das provas e suas respostas no Cartão de Informação – CI – ou em qualquer outro meio que não os permitidos. respeitadas as condições estabelecidas no item 6. será lavrada a ocorrência pela FUMARC na "Ata de Ocorrências do Concurso" que será enviada à Comissão Organizadora do Concurso para a providência prevista no referido item. a lápis. nos locais apropriados. g) fizer uso de livros. 8. rasgar ou. Não haverá guarda-volumes para objetos. dobrar. a entrada e/ou permanência de pessoas não autorizadas pela FUMARC nos locais de realização das provas. impressos e anotações durante a realização das provas. A Folha de Respostas da Prova Objetiva de Múltipla Escolha e a Folha de Resposta da Discursiva que estiverem marcadas e escritas. a Folha de Resposta da Discursiva e o Caderno de Provas será automaticamente eliminado do concurso.5 e subitens. equipamentos eletrônicos ou similares. Não haverá substituição da Folha de Respostas da Prova Objetiva de Múltipla Escolha ou da Folha de Resposta da Discursiva por erro do candidato. dentre outros. telefone celular. ao Fiscal de Sala a Folha de Respostas da Prova Objetiva de Múltipla Escolha. perda. que porventura venham a ser encontrados pelo Setor de Concursos da FUMARC. O candidato não poderá amassar. documentos. 8.26. sob pena de arcar com os prejuízos advindos da impossibilidade de realização de leitura ótica.21. bipe.. Somente serão permitidos assinalamentos na Folha de Respostas feitas com caneta esferográfica.16. Não será permitida. 9.19.14.15. serão encaminhados à Seção de Achados e Perdidos dos Correios. O candidato poderá ser submetido a detector de metais durante a realização das provas.20. de qualquer modo. 8. 8.17. 8.12.24. danificar sua Folha de Respostas. Na leitura da Folha de Respostas da Prova Objetiva de Múltipla Escolha. pager ou outros similares.12. Não será permitido ao candidato prestar provas fora da data. 8. 8. Caso ocorra(m) alguma(s) da(s) situação(ões) prevista(s) no item 8. tinta azul ou preta. não será permitido o uso de bonés. o candidato entregará. 8.25. 8. As instruções constantes da Folha de Resposta da Prova Discursiva e em todos os Cadernos de Prova complementam este Edital e deverão ser rigorosamente observadas pelo candidato.20. i) deixar de atender às normas contidas nos Cadernos de Prova. serão guardados pelo prazo de 30 (trinta) dias. respectivamente. os candidatos somente poderão retirar-se do recinto de provas após decorridos 60 (sessenta) minutos do seu início. 8. chapéus e similares. Durante o período de realização das provas. durante o período de realização das provas. gravador. quando.1. 8. vedada qualquer colaboração ou participação de terceiros. 8.18. 8. 8.13. O candidato que não entregar a Folha de Respostas da Prova Objetiva de Múltipla Escolha. então. obrigatoriamente. códigos. por eventual extravio. máquina fotográfica. Período de Sigilo .Por motivo de segurança. furto. manuais. durante a realização das provas. ou com qualquer forma de identificação do candidato serão consideradas nulas.23.22. na Folha de Respostas e demais orientações expedidas pela SUDECAP ou pela FUMARC.

caso as publicações ocorram em dias diversos. c) ser elaborado com fundamentação e argumentação lógica.2. sucessivamente o candidato que: a) obtiver maior número de pontos na Discursiva. o nome e o número de inscrição do candidato.1. dirigido em única e última instância à Comissão Organizadora do Concurso da SUDECAP.1. emitirá ao candidato um protocolo de recebimento de recursos. quando houver. especialmente quando postulada matéria não exigida no Edital.1.4. em face de todas as decisões que tenham repercussão na esfera de direito dos candidatos. 10. os seguintes dados: “Concurso Público – SUDECAP – EMPREGO PÚBLICO ASSISTENTE ADMINISTRATIVO. Caso não haja expediente normal na FUMARC. conforme disposto no item 10. No protocolo constará o nome do candidato.2. obrigatoriamente. no caso de interposição de recurso presencial. c) obtiver maior número de pontos na Prova de Língua Portuguesa. de 1º de outubro de 2003 . b) ao indeferimento de pedido de condições especiais para realização das provas. iniciado no 1º dia útil subsequente ao dia da publicação no DOM e demais meios de comunicação previstos.3. ARQUITETO. d) tiver mais idade. A publicação da classificação final do concurso será feita em duas listas. 9.Estatuto do Idoso. por SEDEX. 9. na sede da FUMARC. 9. somente a classificação destes últimos.3. Será classificado o candidato que obtiver. Apurado o total de pontos. A FUMARC. 9.1. Para interposição de recursos previstos no item 10. 10. desde que coincida com dia de funcionamento normal da FUMARC. Caberá a interposição de recursos. d) conter a indicação da nota atribuída que está sendo contestada. desde que se refira a erro de cálculo das notas. em caso de empate.4.3. 5º. no caso de provas objetivas. 27 da Lei Federal nº 10. a primeira.1 e 10. no mínimo.1 excluir-se-á o dia da publicação e incluir-se-á o dia de vencimento do prazo recursal. consistente e acrescido de indicação da bibliografia pesquisada pelo candidato para fundamentar seus questionamentos. A classificação final do candidato de nível superior será feita pela soma dos pontos obtidos na Prova Objetiva de Múltipla Escolha. inclusive dos portadores de deficiência e a segunda. valendo para início da contagem a última publicação realizada. em envelope tipo pardo. no prazo de 03 (três) dias úteis. em observância aos princípios constitucionais do contraditório e da ampla defesa consagrados no art. incisos LIV e LV da CF/88. A classificação final do candidato de nível médio será feita pelo resultado obtido na Prova Objetiva de Múltipla Escolha. ENGENHEIRO E TÉCNICO DE NÍVEL SUPERIOR Edital 01/2013”. quais sejam: a) ao indeferimento de pedido de isenção da taxa de inscrição. e) à correção das provas discursivas. o período previsto será prorrogado para o primeiro dia seguinte de funcionamento normal dessa Fundação. lacrado. 60% (sessenta por cento) de acerto na Prova Objetiva de Múltipla Escolha e 50% (cinquenta por cento) da Prova Discursiva. c) ao gabarito oficial e questões. atestando exclusivamente a entrega dos recursos. Para a interposição de recurso via sedex. com indicação precisa do objeto em que o candidato se julgar prejudicado. contendo externamente. ASSISTENTE TÉCNICO.12 9. contendo. em duas vias (original e cópia). Nos casos em que o empate persistir mesmo depois de aplicados todos os critérios de desempate previstos no item anterior. a classificação de todos os candidatos. f) ao resultado das provas de títulos. o número da inscrição. quando postulada matéria não exigida no Edital ou quando o gabarito contrariar texto legal ou normativo.741. desde que se refira a erro de soma de pontos. 10. 10.2. DOS RECURSOS 10. 9. terá preferência após a observância do disposto no parágrafo único do art.1. . em sua face frontal.2. d) ao resultado das provas objetivas. 10. Prova Discursiva e Prova de Títulos. b) obtiver maior número de pontos na Prova Objetiva de Conhecimentos Específicos. b) apresentar cada questão ou item em folha separada. não sendo permitido zerar qualquer conteúdo da Prova Objetiva. a comprovação da tempestividade será feita pela data de postagem. O recurso contra questão de prova deverá ser apresentado em obediência às seguintes especificações: a) ser. g) à classificação final. digitado. O recurso deverá ser individual. a ser acompanhado pela Auditoria Geral de Belo Horizonte.1. a SUDECAP realizará Sorteio Público. o emprego e a data da entrega.1. e entregue ou enviado.

9. telex. 10.5. . eventualmente. O candidato terá vista de sua Prova Discursiva.10. não serão objeto de avaliação nas provas do concurso. bem como os intempestivos. somente no período recursal. 10. no horário de 09h00min às 12h00min e das 13h30min às 17h00min. os recursos que forem encaminhados via fac-símile (fax). pela internet. poderá obter vista de sua Prova Discursiva. na sede da FUMARC e em seu site até a data da homologação deste concurso. mediante apresentação de documento oficial de identificação. Serão indeferidos.2. Em nenhuma hipótese serão aceitas justificativas dos candidatos pelo não cumprimento dos prazos determinados nem serão aceitos documentos após as datas estabelecidas. independentemente de interposição de recursos. do documento de identidade:__________________ N. a critério exclusivo da SUDECAP.4. 11. contínuos e comuns a todos os candidatos. bem como as alterações em dispositivos de lei e atos normativos a ela posteriores. Legislação com entrada em vigor após a data de publicação deste Edital. Os prazos estabelecidos neste Edital são preclusivos.12. 10. alteração da nota/classificação inicialmente obtida para uma nota/classificação superior ou inferior ou. ainda. de inscrição:_______________________________ Emprego/especialidade: ___________________________________ Data: ___/ ___/___ Assinatura: __________________________________ 10. A autoridade competente para decidir em única e última instância.5. bem como os casos omissos é o Superintendente da SUDECAP. O candidato que desejar interpor recurso conforme o disposto na alínea “e”. ou outro meio que não seja o especificado neste Edital. telegrama.6. para consulta individual dos candidatos.8.7. no site da FUMARC. O(s) ponto(s) relativo(s) à(s) questão(ões) eventualmente anulada(s) será(ão) atribuído(s) a todos os candidatos presentes à prova. somente no período recursal. do item 10.6. O gabarito divulgado poderá ser alterado em função dos recursos impetrados. na sede da FUMARC. devendo acessar a área do candidato e seguir as instruções fornecidas.1. e as provas serão corrigidas de acordo com o novo gabarito oficial definitivo. o resultado da análise das provas. O candidato que preferir. A decisão dos recursos será publicada no DOM e demais veículos previstos neste edital. O prazo de validade deste concurso público é de 02 (dois) anos. dos recursos. f) ser identificado na capa de cada recurso / questão conforme modelo a seguir: Concurso: SUDECAP– Edital 01/2013. Não haverá divulgação da relação de candidatos reprovados. a partir da publicação do resultado no DOM e demais veículos previstos neste Edital. poderá ocorrer a desclassificação do candidato que não obtiver a nota mínima exigida para a prova.7. a contar da data de sua homologação. 10. A análise das provas e dos recursos para subsidiar a decisão da Comissão Organizadora do Concurso será efetuada pela FUMARC. A fundamentação das respostas aos recursos ficarão disponíveis. não havendo justificativa para o seu não cumprimento. 10. 11. Após análise dos recursos interpostos poderá haver.1 poderá ter vista da prova discursiva. 10. 11.11. 11. liminarmente. 11. podendo ser prorrogado uma vez por igual período. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS 11. Candidato:___________________________________ N. disponibilizada para consultada individual no site da FUMARC e em sua sede. 11. 10.3.13 e) não conter qualquer identificação do candidato no corpo do recurso. 11.

A SUDECAP responsabiliza-se pela guarda do material referente aos candidatos.16. situada à Av. podendo vir a ser novamente convocado para nomeação ou contratação.br. a FUMARC não fornecerá exemplares de provas relativas a concursos anteriores. dentro do prazo de atendimento à convocação para nomeação ou contratação poderá renunciar à sua classificação. responsabilizando-se por .gov. seu endereço residencial e endereço eletrônico completo. 11.pbh.br/Media/resolucao_14. 11. Até a homologação do concurso. não o fizer na segunda convocação. A aprovação de candidatos classificados além do número de vagas previsto neste Edital assegurará apenas a expectativa de direito à nomeação. não se responsabilizam por eventuais prejuízos ao candidato decorrentes de: a) endereço não atualizado.org. combinado com o disposto na Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos do Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte. Por razões de ordem técnica e de segurança. Belo Horizonte . passando o seu nome a constar no final da lista de aprovados.8. nos termos previstos na Resolução nº. FUNDAÇÕES.10. avisos e comunicados relacionados ao concurso é de responsabilidade exclusiva do candidato.18.14. e quando for o caso.1. ARQUIVO PÚBLICO DA CIDADE DE BELO HORIZONTE.pbh. b) endereço de difícil acesso. www. Critério: Concurso.11. c) correspondência devolvida pelos Correios por razões diversas de fornecimento e/ou endereço errado do candidato. correto e atualizado. atenderá ao previsto no Decreto 15.fumarc. 5454. da estrita ordem de classificação. 11. ficando a concretização desse ato condicionada ao surgimento de novas vagas. A aprovação no concurso público regido por este Edital assegurará apenas nomeação dentro do número de vagas previsto neste Edital. pelos endereços eletrônicos: www. pelo prazo de 6 (seis) anos.org. desde que dentro do prazo de validade do concurso e se houver vaga disponível. do Contorno. será eliminado do concurso.MG – Departamento de Recursos Humanos. textos.13. como tal. do prazo de validade do concurso e do cumprimento das disposições legais pertinentes. 11. que pode ser acessado no sítio <www.gov. a partir da homologação do concurso. 11.gov. Após a homologação do concurso. 11. dentro do prazo assinado aos candidatos.br. circunstância que será mencionada em Edital ou aviso a ser publicado nos meios de comunicação previstos neste Edital. 11.12. o candidato. conforme o caso. nos termos estabelecidos no edital. cujo inteiro teor pode ser acessado no sítio eletrônico: <http://www.O atendimento tempestivo à convocação efetuada pela entidade ou órgão promotor do concurso público implica dever de comprovação.br (clicar em concursos e no link correspondente – “Concurso Público SUDECAP – Edital 01/2013”).18. de todos os requisitos para nomeação ou contratação. os documentos ficarão sob a responsabilidade da FUMARC. atualizações ou acréscimos enquanto não consumada a providência ou evento que lhes disser respeito. d) correspondência recebida por terceiros. 11. Fundação Municipal de Cultura. 15. 11. § 3º .A renúncia prevista no caput deste artigo só poderá ser exercida uma única vez. A SUDECAP e a FUMARC não se responsabilizam por quaisquer cursos. até a data da convocação dos candidatos para as provas correspondentes. Os itens deste Edital poderão sofrer eventuais alterações. 11. as informações serão prestadas somente pela SUDECAP.17. ao exclusivo interesse e conveniência da Administração.352/2013. 1º andar.arquivonacional.352 de 21 de outubro de 2013. Funcionários. 14 do Conselho Nacional de Arquivos (CONARQ). O acompanhamento das publicações de Editais. 11. tendo renunciado à sua classificação. As comunicações feitas por outros instrumentos não eximem o candidato da responsabilidade de acompanhamento pelo DOM ou outro veículo oficial. ou no endereço eletrônico www. da disponibilidade orçamentária. as publicações oficiais. durante o prazo de validade do concurso público. Nos termos do Decreto n. A emissão de declaração de aprovação neste concurso. participação em curso de formação profissional. A SUDECAP e a FUMARC.pdf>. valendo ainda. O candidato aprovado deverá manter junto a SUDECAP. § 2º .19.br>. § 1º .15.fumarc.14 11. Outras informações referentes ao concurso serão fornecidas pela FUMARC e podem ser obtidas pelo telefone (31) 3249-7455.9. apostilas e outros materiais impressos ou digitais referentes às matérias deste concurso ou por quaisquer informações que estejam em desacordo com o disposto neste Edital. Tabela de Temporalidade.O candidato que não atender tempestivamente à convocação original ou que. 11.conarq.

o total de vagas e as vagas reservadas aos portadores de deficiência são os estabelecidos na tabela a seguir. conforme estabelecido no artigo 60 do Decreto 15. número 5.SUDECAP. endereçada ao Superintendente da SUDECAP. do Contorno. se for o caso. equívoco ou alterações dos dados por ele fornecidos. Integram este Edital os seguintes anexos: Anexo I: EMPREGOS PÚBLICOS Anexo II: ATRIBUIÇÕES POR EMPREGO PÚBLICO Anexo III: ETAPAS DO PROCESSO SELETIVO Anexo IV: TABELA DE CORREÇÃO DE PROVAS DISCURSIVAS Anexo V: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E BIBLIOGRAFIA SUGERIDA Anexo VI: AVALIAÇÃO DE TÍTULOS Anexo VII: EXAMES MÉDICOS COMPLEMENTARES Belo Horizonte. Certificado de conclusão do curso técnico da área reconhecido pelo MEC e registro no CREA . 11. Após o término do concurso.82 . atos. salário-base. 11.23.MG. ouvida a FUMARC.24.352/2013. 11. para todos os efeitos. Estradas 16 2 40 hs R$ 1. avisos e convocações relativas a este Concurso Público que vierem a ser publicados no "DOM" e outros veículos. estadia. em até 10 (dez) dias corridos. Minas Gerais. quaisquer editais complementares. observando os termos da Resolução nº 14 do CONARQ. posteriores à data de sua publicação. 15.20. jornada de trabalho.11 e 11. e a autoridade competente. qualificações exigidas. proferida no prazo de (10) dez dias. para arquivamento. bairro Funcionários. 11.21.12. CEP 30110-036. A impugnação a este Edital deverá ser encaminhada via correios ou entregue pessoalmente. áreas de atuação. apresentação para posse e exercício correrão às expensas do próprio candidato.26. 27 3 40 hs R$ 1. no âmbito da Administração Indireta. 11.15 eventuais falhas no recebimento das correspondências a ele enviadas pela Administração Municipal em decorrência de insuficiência. realização de exames admissionais. Incorporar-se-ão a este Edital. poderá o Secretário Municipal Adjunto de Recursos Humanos. alimentação. a contar da ciência do ato pela Administração. a FUMARC encaminhará toda documentação referente a este concurso para a SUDECAP.454. ocorrendo nulidade insanável ou preterição de formalidade substancial capaz de alterar o resultado do concurso. de ofício ou mediante recurso do interessado.572. 05 de novembro de 2013 José Lauro Nogueira Terror Superintendente Interino ANEXO I EMPREGOS PÚBLICOS Os empregos públicos. no endereço: av. As despesas relativas à participação do candidato no concurso.22. anular o concurso. total ou parcialmente. 11.82 Assistente Técnico Téc. 11.25. observada a regra no item 11. promovendo a apuração da responsabilidade. em decisão fundamentada. Nos termos do Decreto n. no âmbito da Administração Direta.572. VAGAS Emprego Público Especialidade Habilitação exigida Número de Vagas Vagas reservadas ao portador de deficiência Jornada de Trabalho Semanal Proventos Assistente Administrativo Administrativa Certificado de conclusão de ensino em nível médio reconhecido pelo MEC. Os casos omissos serão resolvidos pela Superintendência de Desenvolvimento da Capital .352/2013. Belo Horizonte. no que couber.

27 (salário base + gratificações) Eletricista 3 0 40 hs R$ 6. Certificado de conclusão do curso técnico da área reconhecido pelo MEC.043. Curso superior de Engenharia Elétrica reconhecido pelo MEC e registro no órgão competente.16 Certificado de conclusão do curso técnico da área reconhecido pelo MEC e registro no CREA .572.043. Segurança do Trabalho. Curso superior de Engenharia reconhecido pelo MEC com especialização (360h) em Segurança do Trabalho e registro no órgão competente.572.043. 1 0 40 hs R$ 1. 17 2 40 hs R$ 6.043.MG. Téc.82 Téc.572.043. Certificado de conclusão do curso técnico da área reconhecido pelo MEC. Certificado de conclusão do curso técnico da área reconhecido pelo MEC.27 (salário base + gratificações) 1 R$ 6.82 VAGAS Emprego Público Especialidade Habilitação exigida Número de Vagas Vagas reservadas ao portador de deficiência Jornada de Trabalho Semanal Proventos Engenheiro Civil Curso superior de Engenharia Civil reconhecido pelo MEC e registro no órgão competente.27 (salário base + gratificações) 0 1 40 hs Agronomia R$ 6.572.572.82 Téc.27 (salário base + gratificações) Segurança do Trabalho 0 40 hs . Edificações 19 2 40 hs R$ 1. Informática 2 0 40 hs R$ 1. Curso superior de Engenharia Agronômica ou Engenharia Florestal reconhecido pelo MEC e registro no órgão competente.82 Téc.27 (salário base + gratificações) Agrimensura 2 0 40 hs R$ 6. Curso superior de Engenharia de Agrimensura reconhecido pelo MEC e registro no órgão competente.82 Téc. em Agrimensura Certificado de conclusão do curso técnico da área reconhecido pelo MEC 2 0 40 hs R$ 1. em Eletricidade 4 0 40 hs R$ 1.

27 VAGAS Emprego Público Especialidade Habilitação exigida Vagas reservadas ao portador de deficiência 0 Jornada de Trabalho Semanal Proventos Número de Vagas Técnico de Nível Economia Bacharel em 1 40 hs R$ 4.27 Biologia 1 0 40 hs R$ 4.043.043.043.27 Assistência Social 1 0 40 hs R$ 4.043.043.27 Biblioteconomia Técnico de Nível Superior 1 0 40 hs R$ 4.043.043.27 .27 Comunicação Social 2 0 40 hs R$ 4.27 (salário base + gratificações) VAGAS Emprego Público Especialidade Habilitação exigida Número de Vagas Vagas reservadas ao portador de deficiência Jornada de Trabalho Semanal Proventos Arquiteto Arquitetura e urbanismo Curso superior de Arquitetura ou Arquitetura e Urbanismo reconhecido pelo MEC e registro no órgão competente.27 (salário base + gratificações) Administração 4 0 40 hs R$ 4.27 Ciências Contábeis 2 0 40 hs R$ 4.043.043. Bacharel em Administração reconhecido pelo MEC e registro no órgão competente Bacharel em Arquivologia reconhecido pelo MEC e registro no órgão competente Bacharel em Comunicação Social reconhecido pelo MEC e registro no órgão competente Bacharel em Biblioteconomia reconhecido pelo MEC e registro no órgão competente Bacharel em Biologia reconhecido pelo MEC e registro no órgão competente Bacharel em Ciências Contábeis reconhecido pelo MEC e registro no órgão competente Bacharel em Comunicação Social.17 Curso superior de Engenharia reconhecido pelo Meio Ambiente e MEC com Saneamento especialização (360h) em Meio Ambiente e Saneamento 2 0 40 hs R$ 6.27 Arquivologia 1 0 40 hs R$ 4. ênfase em RP e Jornalismo reconhecido pelo MEC e registro no órgão competente 8 1 40 hs R$ 6.043.

dispondo-os em ordem cronológica ou alfabética para facilitar o controle e a consulta dos mesmos.043.registrar ocorrências de ponto diariamente para cumprir exigências trabalhistas e normas administrativas. X . .registrar as horas trabalhadas. pessoalmente.monitorar e desenvolver as áreas de protocolo. guias de recolhimento. tais como telefone. XIII . IV . calculadoras. relatórios e correspondências. XII . XVI . contribuindo para os processos de automação. formulários diversos e outros conteúdos para atender às necessidades administrativas. ofícios. V .operar microcomputadores e/ou terminais. requisições.efetuar e auxiliar no preenchimento de processos. fax.preparar dados e cálculos para processamento da folha de pagamento. realizando estudos e levantamentos de dados. cheques. XV .043. III . catalogar. classificar. folha de freqüência e outros apontamentos para controlar a movimentação de pessoal. XIX . XI .18 Economia reconhecido pelo MEC e registro no órgão competente Bacharel em Geografia reconhecido pelo MEC e registro no órgão competente Bacharel em Geologia reconhecido pelo MEC e registro no órgão competente Bacharel em História reconhecido pelo MEC e registro no órgão competente Bacharel em Informática reconhecido pelo MEC e registro no órgão competente Bacharel em Psicologia reconhecido pelo MEC e registro no órgão competente Geografia 2 0 40 hs R$ 4. VIII .27 Informática 3 0 40 hs R$ 4. documentos. requisições e outros impressos.auxiliar nos processos de leilão.organizar. mediante a utilização dos meios postos à sua disposição. minutas. selecionar. VII .colaborar em levantamentos.operar máquinas de reprografia. II .realizar procedimentos de controle de estoque. por meio de ofícios e processos ou através das ferramentas de comunicação que lhe forem disponibilizadas.prestar atendimento e esclarecimentos ao público interno e externo. boletins. alimentação de dados e agilização das rotinas de trabalho relativos à sua área de atuação. observando prazos. VI . correio eletrônico. vistoriando cartões de ponto. as condições de armazenagem nas diversas unidades da Administração Municipal relacionadas às suas competências. pregão e demais modalidades licitarias de bens e serviços.27 ANEXO II ATRIBUIÇÕES POR EMPREGO PÚBLICO . XVIII . arquivar e desarquivar processos. encadernadoras e outras máquinas de acordo com as necessidades do trabalho. fax. com observância das regras gramaticais e das normas de comunicação oficial. fichas. a fim de fornecer dados para elaboração de folhas de pagamento.043. XIV . os prazos de validade. programas. formulários e outros documentos. guias.otimizar as comunicações internas e externas.27 Superior História 1 0 40 hs R$ 4. relatórios. registrar.digitar correspondências. utilizando adequadamente os programas e sistemas informacionais postos à sua disposição.redigir textos. XVII . inclusive verificando o manuseio de materiais.zelar pela guarda e conservação dos materiais e equipamentos de trabalho.043.27 Psicologia 1 0 40 hs R$ 4.arquivar correspondências. relatórios.27 Geologia 1 0 40 hs R$ 4. entre outros.Compete ao Assistente Administrativo: I . projetos e ações públicas. IX .instruir requerimentos e processos.043. e efetivando o registro e o controle patrimonial dos bens públicos. serviço de malote e postagem. normas e procedimentos legais. periódicos e outras publicações.verificar a frequência de pessoal. estudos e pesquisas para a formulação de planos.

contribuir.executar serviços correspondentes à sua habilitação. XXV . de acordo com as orientações recebidas. em empreendimentos e atividades pontuais na organização relacionados às suas atribuições.executar outras tarefas de acordo com as atribuições próprias de sua unidade funcional. manutenção e reparo de materiais e equipamentos.acompanhar a execução de trabalhos na fase da implantação de planejamentos específicos e o desenvolvimento de serviços regulares ou eventuais. quando convocado. alimentação de dados e agilização das rotinas de trabalho relativos à sua área de atuação.tratar com zelo e urbanidade o cidadão. realizando estudos e levantamentos de dados.colaborar em levantamentos.operar computadores. manutenção e reparo de materiais e equipamentos.manter-se atualizado sobre as normas municipais e sobre a estrutura organizacional da Administração Municipal. relatórios e correspondências técnico-administrativas. XXVIII . documentos. participando da execução de programas. especialmente os princípios da legalidade. XIII . em empreendimentos e atividades pontuais na organização relacionados às suas atribuições. . XVI . inclusive indicando a necessidade de aquisição.executar outras tarefas de acordo com as atribuições próprias de sua unidade funcional. da moralidade. pareceres e projetos em sua área de habilitação. XXIII .participar de cursos de qualificação e requalificação profissional e repassar aos seus pares informações e conhecimentos técnicos proporcionados pela Administração Municipal.ter iniciativa e contribuir para o bom funcionamento da unidade em que estiver desempenhando as suas tarefas. ofícios. periódicos e outras publicações técnicas. substituição. selecionar. VIII . preservando o sigilo das informações.contribuir. XXI .participar de cursos de qualificação e requalificação profissional e repassar aos seus pares informações e conhecimentos técnicos proporcionados pela Administração Municipal. III . II . com observância das regras gramaticais e das normas e instruções de comunicação oficial. estudos e pesquisas técnicas para a formulação de políticas. X . da impessoalidade.Compete ao Assistente Técnico: I . da moralidade. requisições e outros impressos técnico-administrativos.zelar pela guarda e conservação dos materiais e equipamentos de trabalho. XVIII .ter iniciativa e contribuir para o bom funcionamento da unidade em que estiver desempenhando as suas tarefas.manter-se atualizado sobre as normas municipais e sobre a estrutura organizacional da Administração Municipal. normas e procedimentos legais.zelar pelo cumprimento das normas de saúde e segurança do trabalho e utilizar adequadamente equipamentos de proteção individual e coletivo. individualmente ou em equipes multidisciplinares.manter conduta profissional compatível com os princípios reguladores da Administração Pública.colaborar na elaboração de normas e procedimentos pertinentes à sua habilitação. da razoabilidade e da eficiência. pessoalmente.acompanhar a execução técnica dos projetos. XVII . da impessoalidade.zelar pelo cumprimento das normas de saúde e segurança do trabalho e utilizar adequadamente equipamentos de proteção individual e coletivo.subsidiar a análise técnica de requerimentos e processos. conferindo prazos. relatórios.19 XX . XXI . XI .efetuar vistorias técnicas observando as normas e regulamentos existentes. IV . por meio de ofícios e processos. especialmente os princípios da legalidade. projetos e ações públicas. da razoabilidade e da eficiência.efetuar e orientar o preenchimento de guias. XV . reposição. da publicidade. arquivar e desarquivar processos. registrar. V .organizar. XXVI . XII . classificar. estudos.tratar com zelo e urbanidade o cidadão . quando convocado. XXIV .elaborar laudos. programas.prestar atendimento e esclarecimentos técnicos ao público interno e externo em sua área de habilitação. da publicidade. XXIV . inclusive indicando a necessidade de aquisição. planos. XXVII .propor à gerência imediata providências para a consecução plena de suas atividades.auxiliar os profissionais de nível superior na realização de suas atividades. pesquisas e outras atividades técnicas. utilizando adequadamente os programas e sistemas informacionais postos à sua disposição. catalogar. colaborando na supervisão das obras. VI . substituição. conforme determinação superior. XXII . XXII . IX . XIX . reposição. contribuindo para os processos de automação. XIV . XXIII . ou através das ferramentas de comunicação que lhe forem disponibilizadas. objetivando seu cumprimento.manter conduta profissional compatível com os princípios reguladores da Administração Pública. VII .redigir textos. preservando o sigilo das informações. conforme determinação superior.propor à gerência imediata providências para a consecução plena de suas atividades. XX .

bem como revisar estimativas de custo e elaborar cronograma físico-financeiro destinado a programas e serviços da SUDECAP. especialmente quanto à qualidade. relacionando mão-de-obra e especificando materiais. da moralidade. bem como coordenar atividades e equipes de atuação na sua área específica de trabalho. XVI . XXVI .analisar e emitir pareceres técnicos específicos. dirigir. XVII . . quando convocado.manter conduta profissional compatível com os princípios reguladores da Administração Pública. da razoabilidade e da eficiência. substituição. reposição.propor à gerência imediata providências para a consecução plena de suas atividades.tratar com zelo e urbanidade o cidadão. tabelas.20 .ter iniciativa e contribuir para o bom funcionamento da unidade em que estiver desempenhando as suas tarefas. da publicidade. supervisionar e/ou executar avaliações e vistorias técnicas. comissões e grupos de trabalho. VI . participando da execução de programas.analisar e emitir pareceres técnicos específicos. XXII . para assegurar padrões de custos. XII . XIX . XXV .contribuir.Compete ao Engenheiro: I . relatórios.registrar junto ao órgão competente a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) da obra ou serviço sob sua responsabilidade.participar de cursos de qualificação e requalificação profissional e repassar aos seus pares informações e conhecimentos técnicos proporcionados pela Administração Municipal. conforme determinação superior e de acordo com os dispositivos legais que regulamentam a profissão. projetos. XI . relatórios e correspondências técnico-administrativas. aferindo a observância das normas técnicas e especificações pertinentes a esses serviços.zelar pelo cumprimento das normas de saúde e segurança do trabalho e utilizar adequadamente equipamentos de proteção individual e coletivo. em empreendimentos e atividades pontuais na organização relacionados às suas atribuições. por determinação legal ou quando solicitado pela gerência imediata e mediata. XX . especialmente quanto à fidelidade do projeto.orientar os empregados na execução dos serviços de engenharia.executar serviços correspondentes à sua habilitação. selecionando as alternativas mais adequadas à execução dos trabalhos de acordo com as prioridades.determinar e coordenar a utilização de equipamentos e a aplicação de técnicas operacionais.executar serviços correspondentes à sua habilitação. efetuar medições e orientar a execução de projetos. estudos de viabilidade técnico-econômica.vistoriar a execução de obras e projetos sob a responsabilidade da SUDECAP. projetos. tabelas. V . II . próprios e/ou contratados.coordenar. XVIII . de realização de projetos. gráficos e outros instrumentos técnicos relacionados à sua área de atuação. VII .emitir pareceres técnicos específicos e analisar projetos. preservando o sigilo das informações. inclusive indicando a necessidade de aquisição. estudos. . à quantidade. VIII .operar equipamentos de informática. à quantidade. XXIII .manter-se atualizado sobre as normas municipais e sobre a estrutura organizacional da Administração Municipal. XXVII . aos prazos e aos custos estipulados. com observância das regras gramaticais e das normas e instruções de comunicação oficial. dentro de sua especialidade. participando da execução de programas. da impessoalidade. regularizando anotações técnicas. coordenar. X . IX .supervisionar. pesquisas e outras atividades técnicas. II . XIV . IV . por determinação legal ou quando solicitado pela gerência imediata e mediata. aos prazos e aos custos estipulados. ofícios. internos ou externos. III . relatórios. inclusive os contratados.Compete ao Arquiteto: I .elaborar orçamentos com a finalidade de contratação e/ou execução de obras e/ou programas. prazos e qualidade desejados. estudos. III . gráficos e outros instrumentos técnicos relacionados à sua área de atuação. XXIV . individualmente ou em equipes multidisciplinares. pesquisas e outras atividades técnicas. XV . manutenção e reparo de materiais e equipamentos. fiscalizar. XXI . demonstrativos. recursos disponíveis e necessidades. estudos de viabilidade técnico-econômica. elaborar e analisar plantas e descritivos.definir cronograma de planejamento.elaborar documentação técnica destinada à instrução de processos licitatórios e/ou prestação de serviços. atendendo às demandas da Autarquia.executar outras tarefas de acordo com as atribuições próprias de sua unidade funcional. individualmente ou em equipes multidisciplinares.zelar pela guarda e conservação dos materiais e equipamentos de trabalho. de acordo com a amplitude e complexidade de sua atuação. especialmente os princípios da legalidade. demonstrativos.planejar. à qualidade.participar de reuniões.redigir textos.manter atualizado o Diário de Obras. serviços técnicos e obras.

execução e acompanhamento de políticas.zelar pelo cumprimento das normas de saúde e segurança do trabalho e utilizar adequadamente equipamentos de proteção individual e coletivo. projetos. textos. XIX . planejamento. individualmente ou em equipes multidisciplinares. simpósios. internos ou externos. perícias e avaliações de serviços técnico-administrativos. da publicidade.zelar pela guarda e conservação dos materiais e equipamentos de trabalho. definindo índices e revisando cálculos. substituição. conforme especificado nas políticas da Administração Municipal. especificações e orçamentos em sua área de atuação. elaborando laudos. projetos e ações públicas. orientar e executar pesquisas de mercado.sugerir.participar de reuniões. X .desenvolver. XVII . coordenação. de equipes multiprofissionais.preparar e analisar tabelas e gráficos. . individualmente ou em equipes multidisciplinares. para ajuste e correção de valores. programas. XX . sistematizar. com observância das regras gramaticais e das normas e instruções de comunicação oficial. IV . análises e estudos.registrar junto ao órgão competente a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) da obra ou serviço sob sua responsabilidade. da moralidade. .realizar vistorias. estudos. demonstrativos. XIV . gráficos e outros instrumentos técnicos relacionados à sua área de atuação.ter iniciativa e contribuir para o bom funcionamento da unidade em que estiver desempenhando as suas tarefas. III . ofícios. cálculos. quando convocado. reposição.desempenhar funções de interação e mediação públicas. XI .prestar serviços públicos correspondentes à sua habilitação. projetos e serviços da SUDECAP. propor e desenvolver trabalhos técnico-administrativos de elevada complexidade.21 III .operar equipamentos de informática.participar de cursos de qualificação e requalificação profissional e repassar aos seus pares informações e conhecimentos técnicos proporcionados pela Administração Municipal. atendendo às demandas da SUDECAP. XII . avaliações e pareceres técnicos em sua área de atuação.executar outras tarefas de acordo com as atribuições próprias de sua unidade funcional. XIV . VIII . especialmente quanto à qualidade.elaborar estudos. pesquisas. destinados a programas e projetos que envolvam conhecimentos de interesse da SUDECAP. orientar e analisar projetos arquitetônicos para cumprimento de regulamentos e normas específicas. atendendo às demandas da Administração Municipal. VI . planejamentos.participar de comissões e grupos de trabalho.executar serviços correspondentes à sua habilitação. dentro de sua especialidade. IX .Compete ao Técnico de Nível Superior: I . IX . II .manter-se atualizado sobre as normas municipais e sobre a estrutura organizacional da Administração Municipal. XIII . inclusive indicando a necessidade de aquisição.propor. IV . internos ou externos. inclusive os contratados. comissões e grupos de trabalho. minutas de contratos e convênios. elaborar relatórios dos trabalhos executados. observada a sua respectiva regulamentação profissional. à quantidade. VII . correspondentes à sua habilitação. preservando o sigilo das informações. realizar estudos de viabilidade técnico-econômica para ulterior conhecimento e deliberação da gerência imediata e mediata. V . da impessoalidade. e outros. processando dados e informações. tabelas. pareceres.tratar com zelo e urbanidade o cidadão. VIII . de acordo com as diretrizes e políticas da SUDECAP. conforme determinação superior e de acordo com os dispositivos legais que regulamentam a profissão. relatórios. manutenção e reparo de materiais e equipamentos. observada sua respectiva regulamentação profissional. para realização de diagnósticos. X .realizar vistorias.contribuir. VII . aferindo a observância das normas técnicas e especificações pertinentes a esses serviços.participar da formulação. estimulando e favorecendo o exercício pleno da cidadania. objetivando o intercâmbio e a divulgação dos trabalhos desenvolvidos. especialmente os princípios da legalidade. XVI .propor à gerência imediata providências para a consecução plena de suas atividades. XV . aos prazos e aos custos estipulados. XIII . planejar. correspondências técnico-administrativas. individualmente ou em equipes multidisciplinares. VI .participar. estudos de viabilidade técnico-econômica.redigir relatórios. XI . por determinação legal ou quando solicitado pela gerência imediata e mediata. XVIII . congressos. da razoabilidade e da eficiência.vistoriar a execução de obras e projetos sob a responsabilidade da SUDECAP. coordenar. seminários.supervisionar. V .analisar e emitir pareceres técnicos específicos. desenvolvendo análises. em empreendimentos e atividades pontuais na organização relacionados às suas atribuições.planejar. elaborar e coordenar campanhas. aperfeiçoar e corrigir métodos e técnicas de trabalho em programas. XII .manter conduta profissional compatível com os princípios reguladores da Administração Pública.orientar e participar da elaboração de estudos e análises de contratos firmados pela SUDECAP.

ANEXO III ETAPAS DO PROCESSO SELETIVO EMPREGO PÚBLICO EFETIVO PROVAS NÍVEL ESPECIALIDADE CONTEÚDOS Nº DE QUESTÕES 15 DURAÇÃO DA PROVA Assistente Administrativo Administrativa Língua Portuguesa Informática Legislação e Direito Administrativo Objetiva 15 10 5 4 Horas Assistente Técnico Objetiva Técnico em Estradas Técnico em Edificações Técnico em Agrimensura Técnico Seg.22 XV . mediante orientação da chefia imediata. contribuindo para os processos de automação. 5 5 5 25 5 Horas Aberta Objetiva 2 Discursiva NÍVEL EMPREGO PÚBLICO EFETIVO PROVAS ESPECIALIDADE CONTEÚDOS Nº DE QUESTÕE S 5 DURAÇÃ O DA PROVA Técnico de Nível Superior Informática SUPERIOR Língua Portuguesa Legislação e Direito Administrativo Conhecimento Específico Objetiva 5 30 2 5 Horas Aberta Discursiva Administração Arquivologia Assistência Social Biblioteconomia Biologia Objetiva Língua Portuguesa Informática Legislação e Direito Administrativo Conhecimento Específico 5 5 5 Horas . alimentação de dados e agilização das rotinas de trabalho relativos à sua área de atuação. do Trabalho Técnico em Eletricidade Língua Portuguesa Informática Legislação e Direito Administrativo Conhecimento Específico MÉDIO 5 5 25 8 4 Horas Técnico em Informática Língua Portuguesa Legislação e Direito Administrativo Conhecimento Específico 7 4 Horas 25 5 Língua Portuguesa Informática Legislação e Direito Administrativo Conhecimento Específico Objetiva 5 5 25 5 Horas Engenheiro Civil Meio AmbienteSaneamento Elétrica Agrimensura Agronomia Segurança do Trabalho SUPERIOR Aberta Discursiva 2 Arquiteto Arquitetura e Urbanismo Língua Portuguesa Informática Legislação e Direito Administrativo Conhecimento Específico. XVI .operar computadores.prestar atendimento e esclarecimentos ao público interno e externo. utilizando adequadamente os programas e sistemas informacionais postos à sua disposição. pessoalmente ou através das ferramentas de comunicação que lhe forem disponibilizadas.

2. composição. 2. 2. 2.23 5 Ciências Contábeis Comunicação Social Economia Geologia Geografia História Psicologia 25 Aberta 2 Discursiva ANEXO IV TABELA DE CORREÇÃO DE PROVAS DISCURSIVAS Emprego Público Especialidade Civil Eletricista Engenheiro Agrimensura Agronomia Segurança do Trabalho Meio ambiente e Saneamento Arquiteto Arquitetura e urbanismo Administração Arquivologia Serviço Social Biblioteconomia Biologia Ciências Contábeis Técnico de Nível Superior Comunicação Social Economia Geografia Geologia História Informática Psicologia Provas a Serem Corrigidas 198 34 23 11 11 23 90 40 10 10 10 10 20 20 10 20 10 10 30 10 ANEXO V CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E BIBLIOGRAFIA SUGERIDA ENSINO MÉDIO COMPLETO E ENSINO SUPERIOR COMPLETO Língua Portuguesa 1. concordância ideológica (silepse).3 Estrutura dos vocábulos e processos de formação das palavras: elementos mórficos.5 Sintaxe da concordância: concordância verbal e nominal (casos gerais e particulares). formas.4 Estrutura da oração e do período: aspectos sintáticos e semânticos. 2. compreensão e interpretação de textos. 2. emprego. crase.1 Estrutura fonética: encontros vocais e consonantais. ortografia. Leitura. 2. flexões. 2.6 Sintaxe de regência: regência nominal e verbal.8 Pontuação. dígrafo. Conhecimento gramatical de acordo com o padrão culto da língua: 2.7 Colocação de pronomes: próclise. acentuação.2 Classes de palavras: definições. divisão silábica. derivação. . mesóclise e ênclise. hibridismo.

Componentes de um computador: hardware (barramentos. (arts. características. Internet: Arquitetura básica. Gerenciamento de e-mail com o Microsoft Outlook: Produção. navegadores (browse) e Correio. Pasquale.4. classificação. dispositivos de entrada e saída. Informática 1. Lei n. procedimento.1. 5. finalidade. São Paulo: Malheiros. 44 a 47. 4. II e III Bibliografia sugerida: Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. periféricos.2. Conceitos básicos de Internet. órgãos e agentes públicos. motivação e invalidação.1990: Título I. 2000. 8. Criação e manipulação de tabelas. Utilização de fórmulas. Da administração Pública: conceito. 59) 1.4. 92 a 100) 2. 6. 7. 2001. manipulação e organização de mensagens eletrônicas (e-mail). Planilha Eletrônica Microsoft Excel: Criação.3. Direito Administrativo Brasileiro.3.2. Da Organização dos Poderes. Título II.2. princípios. . II. edição. Hely Lopes. Celso. II. Direito Administrativo. CIPRO NETO. mover. modalidades. Nova gramática do português contemporâneo. Intranet. Da Organização do Estado. finalidade. Contrato administrativo: conceito. Windows 95/98/2000/XP e Linux. DI PIETRO. 2. espécies.1. 8. São Paulo: Moderna. Luis Filipe Lindley.4. princípios. 9. Do Poder Legislativo (arts.Lei de Licitação e Contratos Administrativos. Nova Fronteira: Rio de Janeiro. edição. fontes e evolução. 18 e 19) 1. 4. V. 3. entidades políticas e administrativas. espécies. formatação e impressão. Gramática ilustrada.3. MEIRELLES. 2. Power Point e Access. V).1. requisitos. Lei Orgânica do Município de Belo Horizonte . 1o a 4o) 1. 5. Maria Sylvia Zanella.666/93 – Capítulos I. Ato Administrativo: conceito. etc. São Paulo: Scipione. . IV. excluir e renomear). INFANTE. formatação e impressão. Dos Princípios Fundamentais (arts. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS (ENSINO MÉDIO COMPLETO) Informática/Técnico em Informática 1. Do Poder Judiciário. Inserção e formatação de gráficos e figuras. 5o ao 17) 1.3. poderes e deveres do administrador público. de. Direito Administrativo: conceito. anulação e revogação. Bibliografia sugerida: Manuais impressos ou eletrônicos dos sistemas em questão. III. Procedimento Administrativo. 8. Legislação e Noções de Direito Administrativo 1. 2005. Administração Pública direta e indireta. 76 a 83) 1. Lei n.24 Bibliografia sugerida: CUNHA. Licitação: conceito. Editor de Textos Microsoft Word: Criação. Navegação e busca de documentos. atributos. Geração de mala direta. 1. Ulisses. título III/Capítulo I. Sistemas Operacionais: MS-DOS (operações básicas). IV). dispensa e inexigibilidade.4. São Paulo: Atlas. 3. Disposições gerais. Excel. 37 a 41) 1. Classificação e organização de dados. Da Organização político-administrativa da República Federativa do Brasil (arts. Gramática da Língua Portuguesa. 3. Sistema Operacional Microsoft Windows: Configurações básicas do Sistema Operacional (painel de controle). Microsoft Office: Word. CINTRA. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 (com as alterações introduzidas pelas Emendas Constitucionais) 1. Operações de manipulação de pastas e arquivos (copiar. Título IV/Capítulo I (Seção I. Da Administração Pública (arts. Organização de pastas e arquivos. Do Poder Executivo (arts. inexecução e extinção. 1.666/93 . Hildebrando A. Geração de gráficos. II. Lei Orgânica do Município de Belo Horizonte 1990.) e software. ANDRÉ. Capítulo II (Seção I. Dos Direitos e Garantias Fundamentais (arts.

Pini. PowerPoint XP . recursos e utilitários. G. Construção Civil: Projetos de edificação: instalações prediais. Redes de computadores. ângulos. Expandindo o harware do seu PC. Laércio. Microsoft Office 2000 Professional: conceitos básicos. 2001. ed.2003): conceitos básicos. Curso básico de mecânica dos solos.T. F. PINTO. Interpretação de desenhos de topografia. 4. recursos. Sistema Operacional Linux: conceitos básicos. Santa Catarina: Visual Books. 3. Projetos de algoritmos. estrutura de dados. Orçamento de Obras. Drenagem urbana e controle de enchentes. Bibliografia sugerida: MICROSOFT. P. recursos. Bibliografia sugerida: BORGES. instalação de softwares. Pini. A. Sistema Operacional Windows 98: conceitos básicos. ISBN: 8522103909 Técnico em Estradas 1. execução de planilhas de custos e medições. J.R. Instalações elétricas. MS ACCESS 2002 . 5. MEDINA. comandos e utilitários. Outras questões versando sobre atribuições específicas do cargo. 2. Revestimentos. Elaboração e interpretação de cronogramas.Ensaios técnicos de materiais de solo. H. M. Terraplenagem. Word 2003 . Coberturas. clientes de rede. 1 e 2. CREDER. Topografia. 6. LTC. conectividade. noções sobre configuração. P. estrutura. 7. 6. LTC. Campus. A. 2000. ISBN 8575220241 ZIVIANE. 2000. Bookman. clientes de rede. administração. Alvenarias de tijolo cerâmico.básico e detalhado. 7. ISBN: 85-7502-087-0. 2000. Criando planilhas profissionais com Excel. Orçamento na construção civil. cálculos de áreas e noções de curvas de nível.Noções de drenagem e taludes. Campus. Pintura. Oficina de Textos. Mecânica dos pavimentos. Desenho técnico. ISBN: 8535205527 Que Publising. Conceitos de Higiene e Segurança no trabalho. O concreto de cimento Portland: dosagem e controle tecnológico. 5. clientes de rede. 2. ed. FERREIRA. Sistema UNIX: conceitos básicos. 2005 BORGES. correio eletrônico. 10. arquitetura. Escalas métricas. Normas ABNT. 2. fundações superficiais e profundas. procedimentos e funções.. Técnico em Edificações 1.. Miceli. Estabilidade de taludes naturais e de escavação. C. Orçamentos. CANHOLI. vol. Sistema Operacional Windows Server (NT. NIEBLE. Tecnologias. conectividade. C. M. 1997. ISBN: 8535211853 OLIVEIRA. Makron. XP. TERZIAN. NEGRINI. hidráulicas e especiais. SQL Curso prático. editor de texto. Conceitos e fundamentos aplicados à manutenção de edificações públicas e industriais (manutenção preventiva e corretiva). 2002. GUIDICINI. Santa Catarina: Visual Books. Topografia: Noções básicas. arruamento e pavimentação. CREDER. sistemas de numeração. H. comandos e utilitários. administração. Santa Catarina: Visual Books. Noções básicas de lógica de programação. 4. principais tipos de aplicativos e utilitários. Celso. S. 2006. C. Leitura e Interpretação de desenhos técnicos. Instalações hidráulicas e sanitárias. conectividade. administração. ISBN: 8535200053 BORGES. Windows XP Professional. Oficina de Textos. tipos de dados. Usando a Internet. Canteiro de obras. noções sobre configurações.PASSO A PASSO. 3. Pearson. Segurança de dados e de acesso. Nivio. 2006. Andrew. concreto e movimentos de terra. hidráulica e elétrica... P. backup e antivírus. Planejamento e controle da obra. A. 3.básico e detalhado. 8. 6. Campus. drenagem. VERRONE. modelagem de dados e linguagem SQL. ed. 1992. 2005. Esquadrias. conectividade.L. Thomson Pioneira. . ISBN-13: 9788534613941 TANENBAUM. Ao Livro Técnico. Administração do Linux. ISBN: 8536305711 VASCONCELOS. noções sobre configuração. Fiscalização de obras: conhecimento de materiais e especificações técnicas de pavimentação. 2. HELENE.25 4. Internet: conceitos básicos. 2006. Editora UFRJ. Instalações prediais elétricas. TISAKA. 1995 e 1997. Redes de computadores: conceitos e configuração de serviços básicos em Windows e Linux. Editora Edgard Blücher.M. ISBN: 8534614695 BELLOMO. L. 5. Manual de dosagem de concreto. Editora Edgard Blücher. Novatec. Locação da obra. 9. Louiseana. Michael. sistemas gerenciadores de banco de dados.

Hélio de Souza & CATALANI. Bibliografia sugerida: . 13. métodos. CREDER. São Paulo: Atlas. 1992. Rio de Janeiro: Globo. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico. fechamento de poligonal: cálculo de áreas e erro de fechamento angular. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. seções transversais e aerofotogrametria. Organização do trabalho: uma abordagem interdisciplinar e sete estudos sobre a realidade brasileira. Técnico em Segurança do Trabalho 1. 2001. 10. Cêurio de Oliveira. perigosas e penosas. 3. Acidentes de trabalho. Associação Brasileira De Normas Técnicas. 1990. Hélio. trigonométrico e taqueométrico. Eládio G. Gerenciamento de resíduos sólidos. CARDÃO. Guilherme. PIANCA.133: execução de levantamento topográfico. noções de ângulos azimutais e de declinação magnética. PETRUCCI. 6.ed. Instalações elétricas. José Anibal Comastri.26 Bibliografia sugerida: CAPUTO. João Francisco Galera Mônico. Editora do Autor. 2. cálculos de poligonais através de ângulos internos. 1994. Topografia aplicada. Atividades e operações insalubres. R. 3. Riscos ambientais de trabalho. Posicionamento pelo NAVSTAR – GPS. 2000. OBERG. Métodos: geométrico. divisão e demarcação. FLEURY. Joel Gripp. UFV. Pedrinho.comprimento. UNESP. Altimetria: nivelamento e contra-nivelamento. 9. Proteção contra incêndio. Topografia aplicada à Engenharia Civil. 2. rumos ou azimutes. Topografia. 6. Riscos de acidentes. Equipamentos de proteção individual. TCPO12: tabelas de composições de preços para orçamentos. Juiz de Fora. Edgard Blucher. GOLDMAN. 7. NBR 13. Planimetria. Comunicação de Acidentes do Trabalho. Desenho arquitetônico. Ed. PCMSO. trigonometria e noções de escala. São Paulo: Pini. João Batista. Noções de geometria analítica. 12. Carlos. Bibliografia sugerida: Alberto de Campos Borges. 11. Tipos de carta topográfica: noções. 1990. São Paulo: Pini. Manual do construtor. Outras questões versando sobre atribuições específicas do cargo. 4. Hélio. Unidades de medida . Ed Globo. A interpretação de imagens aéreas: noções básicas e algumas aplicações nos campos profissionais. Homero Pinto. medição. Afonso Carlos Correa. IBGE. Lelis Espartel. Mapa de Risco Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. José Cláudio Tuler. UFV. RICARDO. 2000 José Anibal Comastri. Rio de Janeiro: LTC. Ergonomia. UFV. 1993. Medidas de ângulos e distâncias entre pontos inacessíveis. Curvas de nível: método de obtenção: irradiação taqueométrica. Introdução ao planejamento e controle de custos na construção civil. Belo Horizonte: Edições Arquitetura e Engenharia. 5. José Anibal Comastri. 1986. Manual prático de escavação: terraplenagem e escavação de rocha. Materiais de construção. Celso. noções de coordenadas cartesianas e arbitrárias. 4. Geoprocessamento tecnologia transdisciplinar. superfície e medidas angulares (cálculos e operações com graus e grados). 4. Locação de curvas: métodos e aplicações. Normas Regulamentadoras relativas à Medicina e Segurança do Trabalho. Cezar Henrique Barra Rocha. noções de cadastro: amarrações quanto às medidas. 5. Cadastro de acidentes. Mecânica dos Solos. Cálculo de áreas e volume e de coordenadas. Curso de Topografia. CREDER. de rumos. 1972. Florianópolis: UFSC. Rio de Janeiro: LTC. ed. Lamartine. 8. Cartografia Moderna. processo aos ângulos internos ou externos de uma poligonal em azimute ou rumos. quanto aos ângulos e quanto aos ângulos e medidas (irradiação). Topografia Altimetria. Técnico em Agrimensura 1. Porto Alegre: Globo. Interpretação de desenhos e plantas. Topografia Planimetria. volumes 1 e 2. São Paulo: PINI. 7. Instalações hidráulicas e sanitárias. v2. LOCH.

G. São Paulo: Mc Graw-Hill. Máquinas elétricas e transformadores. Teoria de campo girante. Cálculo do triângulo das potências em sistemas trifásicos equilibrados e desequilibrados. 4. Circuitos Magnéticos: Lei de Ampère. projeto. manutenção. equipamentos de proteção individual. Afonso. sedimentos. Sistema de esgotos sanitários: Instalações domiciliares. lesões por esforços repetitivos. 3ed. Circuitos elétricos. Rio de Janeiro: LTC.) Sistema de micro drenagem.Editora Atlas 60 Edição Oliveira.instcut. Prospecção geotécnica do subsolo.br/Temas/SegSau Couto. Cálculo de corrente e impedância em sistemas monofásicos de corrente alternada: Circuitos monofásicos paralelos resistivos. Disponível para download gratuito no endereço www. Características de conjugado. Máquinas de indução: Princípio de funcionamento.ed.legislação. etc.org. destino do lodo). Movimento de terra: aterro e desaterro. Belo Horizonte: Ergo. Coleção Shawn. Saneamento: Saneamento básico como instrumental no controle das endemias (esquitossomose. Circuitos elétricos. Sistema alternativo para . 1. Análise de Riscos nos Locais de Trabalho. Revisão Ampliada Atual. 2. construção. estatística. Ar: padrões de qualidade e medições. Coleta.). 2001. 6. Legislação Previdenciária. FITZGERALD.27 BRASIL. Ergonomia Aplicada ao Trabalho em 18 Lições. reservação.gov.gov. fontes de poluição (esgoto doméstico. Perdas magnéticas. sistemas de controle e tratamento de efluentes de fontes de poluição. São Paulo: LTr. etc. Transformadores monofásicos: Princípio de funcionamento. Máquinas elétricas. análise de acidentes de trabalho. KOSOW. Joseph A. H. 10. Sistemas polifásicos: Ligação estrela e triângulo equilibrado.br Técnico em Eletricidade 1. Disponível no endereço www81. calor.org. Rio de Janeiro: Editora Mc Graw-Hill do Brasil Ltda.2. São Paulo: Inst/Cut. Processo de dinâmica superficial. Temas em Segurança e Saúde no Trabalho . Proteção Jurídica à Saúde do Trabalhador. M. Interceptação. Água: padrões de qualidade e métodos de coleta e análise. Motores trifásicos.d. Fossas (modalidades. análise de riscos nos locais de trabalho.br Manual de Legislação Atlas . Máquinas de Corrente Contínua: Princípio de funcionamento. Características e propriedades gerais.1982. abastecimento (captação. Vicent del. MARTGNONI. Dimensionamento de condutores pelo critério limite de condução de corrente e queda de tensão 9. apacidade de autodepuração dos cursos d’água. Bibliografia sugerida: BARTKOWIAK. padrões de lançamento de efluentes. Ligação estrela e triângulo desequilibrado. Hélio. TORO. Geotécnica: Fundamentos de geologia aplicada.Br/sislex.1997.Transformadores. Motores monofásicos. 1973. Porto Alegre: Editora Globo. sistemas de controle e tratamento de efluentes de fontes de poluição. Ministério da Previdência Social. Irving Leonel. S. indutivos e capacitivos. Transformadores estrela triângulo e triângulo estrela. 3a Ed. Características do conjugado e estabilidade. 5. A. Classificação segundo o tipo de excitação. Disponível em português em www. ciclo hidrológico e riscos de erosão. Porto Alegre: Editora Globo. efluentes industriais.S. Documentos disponíveis no endereço www. Fundamentos de máquinas elétricas. s. cólera. Correção de fator de potência em sistemas de baixa tensão. Compactação. Cálculo de iluminação em ambientes fechados pelo método de lumens. Robert A. Série Cadernos de Saúde do Trabalho. 3. 1977. conciliação com soluções de fundo de vale. dispersão atmosférica. Ensaios de curto circuito e ensaio aberto dos transformadores.dataprev.tem. Engenheiro Civil 1. prevenção da LER / DORT. 8. Autotransformadores. Série Cadernos de Saúde do Trabalhador: riscos devidos a substâncias químicas.instcut. Características dos motores síncronos. Máquinas Síncronas: Tipos e aspectos construtivos. Diretrizes sobre sistemas de gestão de segurança e saúde no trabalho. acidentes de trabalho com máquinas. padrões de lançamento de efluentes. Análise de Estabilidade de Taludes. E. Urbanização 1. EDMINISTER. Operação como motor e gerador. BRASIL. Definição de grandezas magnéticas. água subterrânea (disponibilidade e contaminação). F. ruído. Equação de força eletromotriz induzida. Noções sobre tratamento.1. São Paulo: Mc Graw-Hill. Circuitos ressonantes em paralelo.CREDER.org.instcut. Instalações elétricas. Observação: apenas os aspectos relacionados à segurança e saúde no trabalho. fontes de poluição (móveis e fixas). Operação motora e geradora. Ministério do Trabalhoe Emprego. distribuição). 7. 11. Ligação estrela desequilibrado a 3 (três) fios com tensão de deslocamento de neutro. A. disponíveis para download gratuito no endereço www. Caracterização e classificação dos solos. tratamento. Organização Internacional do Trabalho (OIT). Riscos Geológicos.br Porto. 2002. 2. Relação de transformação.

Legislação em segurança do trabalho. 1. radiações ionizanantes e não ionizantes. Noções de instalações para prevenção e combate a incêndio e pânico. 7. perícia judicial e laudo pericial. Noções de acessibilidade para portadores de necessidades especiais. Análise Ergonômica do Trabalho (AET). M. sistemas de disposição e reaproveitamento. 1.3. Noções de instalações de água fria. Direito ambiental e meio ambiente do trabalho. Insalubridade e periculosidade: NR 15 e 16. Avaliação de imóveis. TISAKA. de efluentes industriais. 1. 08 e 18. H.13. 8. Controle de vetores. Higiene do trabalho. manutenção e divulgação do PPRA. 2. G. AZEVEDO NETO. Energia de deformação. roedores. Ferramentas preventivas. Ações e segurança das estruturas. Materiais cerâmicos. Medidas de controle. Legislação. 12 e 13. 1. 5. Thompson Pioneira. 1 e 2. 1. de esgotos sanitários.R. C. Eliminação ou neutralização da insalubridade e/ou periculosidade. Proteção de encostas. Antropometria (medidas. iluminação. aplicações). Editora Edgard Blücher Ltda. Restauração. LTC. Ruídos. PCMAT. A. Agregados.4. Disposição no solo (aterro sanitário e industrial). Drenagem pluvial e drenos superficiais e profundos. calor e frio. 3.5. Trabalho em atividades perigosas ou penosas. 6. Metodologia de ação.. 2006. 2006. LTC. Editora Edgard Blücher. Flexão. Elaboração de planilhas de quantitativos e custos. Curso básico de mecânica dos solos.16. HELENE. NIEBLE. 1988. Registro. Circuitos. 3. Conceito. Torção. Segurança. P. Fatores ambientais. Gerência de riscos: Fundamentos básicos de gerenciamento da segurança e saúde do trabalhador. vol. Oficina de Textos. recomposição de solo e de vegetação. 2000. 4. 1. Edificação: Execução de obras de construção civil. Madeiras.L. Aposentadoria e laudos técnicos. Projetos complementares: especificação de materiais e serviços e dimensionamento básico. C. Conceito e caracterização de periculosidade. CANHOLI. temperaturas extremas. linhas e tipos.M. Hidráulica: Mecânica dos fluidos. resíduos da construção civil.S. 1. 1992. GUIDICINI. Prevenção e controle de riscos em máquinas. Noções de instalações eletromecânicas. Estática. Programa de prevenção de riscos ambientais (PPRA): NR 09. Orçamento na construção civil. Métodos e técnicas em ergonomia. drenagem. 2. Considerações acerca da identificação e gerenciamento dos riscos no trabalho. de ar comprimido. Ferramentas. Normas técnicas. Estruturas de aço. Aglomerantes. resíduos de serviços de saúde.9. ed. . Editora Edgard Blücher. Perícia judicial. Engenheiro /Segurança do Trabalho 1. Estabilidade de taludes naturais e de escavação. Manual de dosagem de concreto. Instalações hidráulicas e sanitárias. Conceitos básicos da análise estrutural: Estruturas de concreto. Planejamento e controle de construções. Soldas e caldeiras. Conceito de insalubridade. PINTO. Aposentadoria especial. Legislação da Medicina do Trabalho.15. 1. de água quente. J. ventilação industrial e riscos químicos. 1. Proteção. 1. H. moluscos. Conceito de Higiene do trabalho. Solicitação axial (tração e compressão). Manual de hidráulica. Cimento. Responsabilidade pela implantação. poeiras. Pini. Dosagem e controle tecnológico dos concretos. Importância e objetivos da Higiene do trabalho. Eletricidade. Biomêcanica (posturas e movimentos). de vapor. Modelos de gestão da Segurança e saúde do trabalhador (SST). M. Drenagem urbana e controle de enchentes. 1. A. Legislação e normas técnicas: NR 03. vibrações. Conceito de trabalho e sua relação com acidentes e doenças.7.12. Resíduos sólidos: características. de resíduos sólidos e de GLP. CREDER. 1. Tensão e deformação. 2003. 8.10. 1995 e 1997. Viabilidade técnico-financeira. PCMSO e Legislação da Medicina do trabalho: Introdução à Higiene do trabalho. Identificação de sintomas e causas das patologias em estruturas. Ferramentas utilizadas para investigação dos acidentes. Aplicação e objetivo da ergonomia. Corrosão química e proteção. Tecnologia dos materiais de construção civil: principais propriedades dos materiais. Bibliografia sugerida BORGES.28 ocupações de urbanização precária. ed. C. 1. de prevenção e combate a incêndios. Patrimônio cultural: Patrimônio histórico e cultural urbano. Drenagem Urbana: Microdrenagem. Noções de instalações de lógica e telecomunicações. Projetos de urbanização: Execução de obras e projetos viários. Vidros. Pini. Posto de trabalho. Instalações elétricas. Cargas perigosas. insetos. Cálculo e dimensionamento. Soluções de fundo de vale (canais. et al. Mecânica dos materiais. GERE. Recuperação de áreas degradadas – estabilidade de taludes. Os danos a saúde do trabalhador. Perícia extrajudicial. Aços. Ergonomia: NR-17. de águas pluviais. cinemática e dinâmica dos corpos rígidos.6. M. 2006. Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) NR 07. 1. Proteção jurídica. soluções de menor impacto ambiental e paisagístico). edição atualizada. Solicitação por corte (cisalhamento). CREDER. Controle e manejos. equipamentos e instalações: NR 10. Revitalização urbana e patrimônio cultural. gases vapores. Topografia. J. 2000.8. Flambagem.14. P.11. Oficina de Textos. TERZIAN. 1.17.

et al. Legislação referente aos acidentes. Lançamento em corpos receptores.. Proteção jurídica à saúde do trabalhador. Controle de roedores. Bibliografia sugerida ARAÚJO. Comunidades e ecossistemas. P. Perfil profissiográfico previdenciário. lagos e reservatórios. Adução de água bruta e tratada. Coleta e transporte.A. BARBOSA FILHO. Parâmetros e padrões de qualidade da água: Parâmetros físicos. Sistemas de águas pluviais: Sarjetas. São Paulo: LTr. W. Escoamento superficial. rer. Lançamento de esgoto tratado em corpos receptores. 1979. O sistema de limpeza urbana. 7. Deimitação de bacias hidrográficas. Bibliografia sugerida. 2004. M. OLIVEIRA. C. SIT.29 9.ed. 1997. 2. 1998. Vol 1 e 2. Belo Horizonte: Ergo. prevenção e proteção jurídica. Condição Insegura. Rio de Janeiro. 446p. A legislação de EPI’s e EPC’s. Redes distribuidoras. Normas regulamentadoras comentadas. Bacias hidrográficas: Conceito. FANTAZZINI. Como fazer saneamento no seu Município. São Paulo: Edgard Blücher. Interceptação. Tubulações para transportes. Caracterização dos acidentes e incidentes. ASSEMAE. apoiados e elevados. Classificações e tipos de EPI’s e EPC’s. Acidentes: Conceito de acidentes e doenças ocupacionais. Escoamento da água em condutos forçados. Eutrofização. Saneamento básico.G. IIDA. 2a edição revista ampliada e atualizada. Ciclos biogeoquímicos. Manual de saneamento.. SALIBA. . Escoamento da água em condutos livres. Minimização. 1999. M. CHAVES. 1997. J. O uso e normas dos EPI”s e EPC’s. DACACH. Elementos de hidráulica: Propriedades físicas da água. A. Brasília: MTE. Tipos de acidentes. Estações de tratamento de água. Dispositivos legais. Objetivos. Sucessão ecológica. 10. et al. ODUM. 2003. ROCHA. 2003. MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO site: www. Belo Horizonte: FUNDACENTRO/CEMG. I. 1999. Irrigação e dessedentação de animais. Ergonomia prática São Paulo: Edgard Blucher. N. 3. C. Amortecimento de vazões. Acondicionamento. 4. MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. S. Aspectos da biologia e comportamento dos roedores. OLIVEIRA. S. ampl e atual. Bocas de lobo. Interceptores. Engenheiro/Meio Ambiente e Saneamento 1. 2003. 1997. Conceito de EPC. 1998. Biologia e controle de artrópodos e roedores: Importância sanitária. Sifões.. Balanço hídrico. J. Abastecimento urbano de água: Captação superficial e subterrânea. L. Ecologia. Perfil Profissiográfico Previdendiciário: Definição. Espécies de roedores de interesse sanitário.G. Taxa de freqüência e de gravidade. Disposição final. FUNASA. 9. Poços de visita. 4. Estrutura e mecanismos de funcionamento de rios. Biodiversidade. 1995.gov. 3. Balneabilidade. Brasília. Ligações prediais. Cinemática dos fluidos. Didática e Científica. Causas do acidente. J. Sistemas urbanos de esgotos: Ligações prediais. Introdução à engenharia de segurança de sistemas. A.. Elementos de ecologia: Populações. N. Brasília: Fundação Nacional de Saúde. São Paulo: LTr. Geração. VIEIRA. Padrão de potabilidade. DUL. Atos inseguros. – Segurança do Trabalho e Gestão Ambiental. M.. Direito ambiental e meio ambiente do trabalho: dano. 2003. N. doenças transmitidas e medidas de controle. Gestão de risocs no trabalho: uma proposta alternativa. Preservação e proteção das comunidades aquáticas. F. F. 2. Belo Horizonte: Folium. E. Evapotranspiração. aspectos técnicos. Caixas de reunião. S. Resíduos sólidos urbanos: Caracterização. Classificação dos corpos d’água segundo seus usos preponderantes. I. Modelo de formulário. T. Assoreamento.mte. Coletores. ed. São Paulo: Atlas. 2001 CICCO. 2. Os recursos e a finalidades dos EPC’s.ed. 3. Os resíduos sólidos e a saúde. et al. São Paulo: LTr.. 1990. São Paulo: Edgard Blücher. JÙNIOR. EPI’s e EPC’s: NR 6. G. 10. poços de visita. 5.. 2001. WEERDMEESTER. Reservatórios enterrados. questões polêmicas. C. G. Tratamento. MARTINEZ. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Sinais indicativos da presença de roedores. Compreender o trabalho para transformá-lo. B. Elementos de hidrologia: O ciclo hidrológico. A utilização e manutenção. Caminhos da análise de acidentes do trabalho. J. Infiltração. Estatística. 8. GUÉRIN. ed. Ergonomia Projeto e Produção. Aposentadoria especial. habitats e nichos. Dinâmica dos fluidos. São Paulo: FUNDACENTRO. 11. Estações elevatórias de água bruta e tratada. Reciclagem. Higiene do trabalho e programa de prevenção de riscos ambientais.. ed. F. Importância econômica. 6. São Paulo: LTr. Fluidostática.rev. 1988. Principais artrópodos de importância sanitária.br. químicos e biológicos utilizados para a caracterização da qualidade da água. M. Interações entre as espécies. Rio de Janeiro: Ed. Emissários. Estações elevatórias. A política de recursos hídricos do Estado de Minas Gerais. Regularização de vazões e controle de estiagens. J. Guia prático do perito trabalhista: aspectos legais. Estações de tratamento de esgoto. Responsabilidades. Precipitação.

Vol 1 2. rastreio. Júlio César de Oliveira. São Paulo: CETESB. VILLELA. Limites de atuação da topografia. residenciais e comerciais. Circuito com amplificador operacional. 4. Operação econômica de sistemas de potência. 3. Conceitos de banda passante e canal. São Paulo: Edgard Blucher. Sistemas de comunicações AM.M. 2005.M. Eduardo Barbosa. São Paulo: Érica. 1993. Hidrologia aplicada. Tipo de informação em sistemas de comunicações.6 Eletrônica analógica e digital: Circuitos elétricos e eletrônicos. meio ambiente e poluição. Bibliografia sugerida MEDEIROS.B. Espectro eletromagnético. Divisão da topografia. Ademaro A. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. UHF e por microondas. 581p. Conceitos de potência de transmissão. Noções de obras e projetos viários. PERRI. Orientação de plantas. M.. Elementos de análise de sistemas de potência. Máquinas elétricas. Cadastro multifinalitário. Sistemas de coordenadas (polares e retangulares). Máquinas Síncronas. Circuitos polifásicos. ópticas. Belo Horizonte: Imprimatur. Belo Horizonte: Depto. Soluções e controle de fluxo de carga. 1. Novas tendências em sistemas de comunicação. Sistema de transmissão e de distribuição de energia elétrica. M. 1974. Medidas angulares (horizontais e verticais). 2001. monitoramento e definição de parâmetros de interferência e ruído. Zoneamento e setorização. São Paulo: Érica. Urbanização: Cadastro Técnico e Planejamento Urbano. FITZGERALD. São Paulo: Mc Graw Hill do Brasil.1 Circuitos elétricos: Indutância e capacitância. Componentes simétricos. VIANNA.S. Cadastro urbano. 243p. via satélite. COTRIN. John. Fontes dependentes e independentes. Identificação de sinais.Máquinas elétricas: Transformadores. 2006. KIGSLEY Jr. 1993. ALBUQUERQUE. Identificação dos componentes de sistemas de comunicação. suas funcionalidades e parâmetros. Telefonia fixa. Luis Gonzaga.. Tipos básicos de antenas. Aspectos de sinalização e de interconexão. Teoremas de rede. Circuitos lógicos.ed. Taqueometria. Fenômenos de reflexão. Conceitos de multiplexação e de múltiplo aceso. 1. 1. Rômulo Oliveira. Máquinas de corrente contínua. Análise transitória em circuitos.4 Plataformas: Componentes de sistemas de comunicações. Instalações Elétricas 2. J. Conceitos de comutação. Amplificadores operacionais. 1.2 Transmissão e recepção: Conceitos de modulação analógica e digital. Taxa de transmissão.T. Comunicações móveis. FM. Viçosa: Departamnto de Engenharia Civil da Universidade Federal de Viçosa. WILKEN. Classificação dos sistemas. VIANNA.3 Sistemas elétricos: Cálculo de rede. ed. Conceitos de equipamentos e métodos de medições de parâmetros técnicos e análise espectral. 2002. M. William D. 477p. STEVENSON JR. ed. Faltas trifásicas simétricas. Belo Horizonte: Imprimatur. Freqüência complexa. Técnicas de manutenção de sistemas de comunicações. Noções de interferência: tipos. Traçado de cidades. Processos funcionais de inspeção de campo e monitoramento do espectro eletromagnético. Topografia: Elementos da Topografia. São Paulo: Makron Books.3 Propagação e antenas: Fundamentos de antenas. Conceitos de propagação nas diferentes faixas de freqüência. Sistemas de Comunicações 1. Mattos. Instalações elétricas prediais.5 Processamento de sinal: Codificação. São Paulo: Mc Graw-Hill do Brasil. Resposta em freqüência e filtros. 2002. VON SPERLIING. RIOS. Sistemas digitais de supervisão e controle.2. Evolução dos equipamentos topográficos. 1992. Medidas agrárias. 2. Compressão.. Métodos de análise de circuitos. 145p. 576p. 1998.ed. Transdutores. Acionadores.R. Princípios do tratamento biológico de águas residuárias. Dispositivos eletrônicos. Sanitária e Ambiental – DESA/UFMG. Onda estacionária e coeficiente de reflexão. Elementos ativos e passivos em circuitos. Engenharia de antenas. VHF. E. Engenharia de drenagem superficial.30 PEREIRA NETO. São Paulo: Mc Graw-Hill do Brasil. São Paulo: Makron Books. S. Máquinas Assíncronas. P. Princípios de telecomunicações: teoria e prática. técnicas de identificação. Conceitos de desempenho de sistemas analógicos e digitais. Engenheiro Eletricista 1. Medidas de distância (processos direto e indireto). Elementos de um sistema de comunicações. Potência e energia em circuitos. Arquitetura de redes. Análise de circuitos em corrente alternada. Hidráulica aplicada às estações de tratamento de água. 2. 2.1 Conceitos básicos: Terminologia geral de sistemas de comunicações. Medidas em comunicações. Ecologia.A. Controladores lógicos programáveis. Mecânica dos fluidos para engenheiros.J. Proteção de sistemas elétricos. Quadripolos. Norte . Análise de Fourier e Transformada de Fourier. Transformada de Laplace. refração e difração. Circuitos com acoplamento magnético. 1. 4. Instalações elétricas. A. Faltas assimétricas. Análise senoidal em regime permanente. Parcelamento do solo urbano. 2. Casamento de impedâncias. De Eng. Charles. O'MALLEY. 1975. 1987. Propagação no espaço livre.R. Engenheiro Agrimensor 1. Análise de circuitos.

Projeções planas. Produção e cultivo de espécies ornamentais de forração e arbustivas. leguminosas. Processamento digital de imagens. Geometria das fotografias e fotogramas. Triangulação geodésica. beneficiamento. LTM e RTM. Aerofotogrametria. compatibilidade com equipamentos urbanos. Perícias judiciais.ed. Representação gráfica do relevo (perfis e planos cotados). Sistemas de referência na geodésia. etc.31 verdadeiro e Norte magnético. Fitotecnia: Olericultura. 1996. São Paulo: Saraiva. Transformação de data geodésicos. Instituto de Geociências e Ciências Exatas. MASCARÓ. Métodos e processos. sistemas de irrigação. Satélites para estudos ambientais. Florestas: Conceitos. fruticultura e grandes culturas agrícolas: aspectos gerais. Comportamento espectral de alvos. destinação final de embalagens. GEMAEL. Fertilizantes e corretivos. Evlyn Márcia Leão de Moraes. Irradiações. SIQUEIRA. José Aníbal. Características técnicas dos sistemas UTM. Carlos A. 1981. 4. Transformações geométricas. GEMAEL. RTM e LTM. São Paulo: Edgard Blücher. fitopatologia e invasoras: Manejo Ecológico de Pragas. Juan Luís. José Aníbal & TULER. 5. Dendrometria: medidas. conceitos. métodos de controle. Receituário Agronômico. Instituto Mineiro de Avaliações e Perícias de Engenharia. 2. áreas verdes e unidades de conservação: espécies indicadas. medidas mitigadoras e compensatórias. volumetria. geoidal. Rio Claro: UNESP. Erosão. Sistemas sensores. tratos culturais. Curitiba: UFPR. Cartografia digital. Sistemas de informações geo-referenciadas: conceitos e fundamentos. substratos e recipientes. LOCH. fertilidade. Operações sobre fotografias aéreas. relações ecológicas. calagem. morfologia. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Memorial Descritivo. Transporte de coordenadas nas projeções UTM. Relações solo-água-clima-planta. Lei 7802/89 e Decreto 4074/2002. Geodésia Física. A. NOVO. Convergência meridiana. Uso da água: irrigação e drenagem. Topografia: altimetria . classificação. características. Ecologia e Biodiversidade. Campinas: UNICAMP. Bibliografia sugerida BORGES. 3. Nivelamento geodésico. ed. Planialtimetria. cerrado e Mata Atlântica. Cartografia: Cartas topográficas. 2. propagação. Belo Horizonte: PINI. adubação. Poligonação (taqueométrica e eletrônica). Geodésia: Trigonometria esférica. C. Projeto de levantamento fotogramétrico. 1997. Propagação sexuada e assexuada das plantas. José Aníbal. Transformação de coordenadas geodésicas curvilíneas em plano-retangulares UTM. José Cláudio. Viçosa : UFV . esférica. CARVALHO. Agrimensura legal: Ações de demarcação de terras. Princípios de cartografia sistemática. C. Altimetria. cônicas. Fundamentos de avaliações patrimoniais e perícias de engenharia. resistência. adubação. Estradas: traçado geométrico. CASTRO. Ação de demarcação de terras. Topografia: planimetria. Viçosa: UFV . Engenheiro Agrônomo 1. 2. B. 5. 3. Triangulação fotogramétrica. Arborização urbana: Arborização de logradouros públicos. avaliação. 1981. lotes. Banco de dados e ferramentas de geoprocessamento. Sistemas de projeção. Porto Alegre: Sagra Luzzatto. matéria orgânica. 2. Doenças e Invasoras. Fotogrametria terrestre. Modelagem digital de terreno. Desenho cartográfico. Geodésia geométrica. métodos e processos de levantamento. Institutos básicos do direito agrário. Noções de Inventário Florestal. viveiros florestais. Transformação de coordenadas planas UTM em locais. mecanização. 1998. Manejo florestal sustentado. Manejo e conservação dos recursos naturais renováveis: Solos. ed. SILVA. Fotogrametria analítica. 2001. Estudos ambientais: impactos. colheita. Sensoriamento remoto: princípios e aplicações. identificação. Interpretação de fotografias aéreas. 6. ed. Curitiba: UFPR. formações vegetais. Entomologia. elipsoidal. florestas plantadas. 1985. 1990. Planimetria. produção de mudas arbóreas. Degradação ambiental. C. Sistema geodésico brasileiro. Carlos.). COMASTRI. biomassa. recuperação de áreas degradadas. Tolerância. São Paulo: Saraiva. Introdução à geodésia geométrica: 1a e 2a partes. Bioengenharia. fases de construção da carta. Terra: plana. Processamento digital de imagens. Manual de loteamentos e urbanizações. Paulo Torminn. 1987. plantio. de. COMASTRI. Topografia de precisão: equipamentos. cilíndricas – UTM. COMASTRI. José Flávio Morais. Dispersão de medidas. Equipamentos e princípios de medição. aptidão e capacidade de uso. ed. A interpretação de imagens aéreas: noções básicas e algumas aplicações nos campos profissionais. Ardemirio de Barros. 1991. Demarcação de propriedades. de. Florianópolis: UFSC. cartografia temática e sistema de informação geográfica (SIG). armazenamento. Batimetria. 4. Cálculo de posições geodésicas. 1992. comercialização. Registros públicos. 6. Posicionamento por satélites. Locações (obras civis. poda. Viçosa: UFV. nutrição. Bibliografia sugerida . Poligonação geodésica. 1999. Fotogrametria: Fotogrametria e Fotoidentificação e Sesoriamento Remoto. 4. técnicas de cultivo. c. propriedades físicas e químicas. 1992. 2. práticas de conservação e manejo. Teoria das distorções. Ações de desapropriação de terras. Geometria do elipsóide de revolução. ed.

e outros. 1998. Noções de sistema cartográfico e de geoprocessamento. Kenneth. telefonia. acústico e luminoso). 1976. Carlos Antônio Leite.Procedimentos Gerais. 220 – Agroecologia. As aparências em arquitetura. NBR 6118 .Conservação de Solos. 2005. Programação de necessidades físicas das atividades. 2. Clima e Arquitetura. HILL. 2001. coleta e destinação de resíduos sólidos).T. pavimentação. Aldo. 1986. TÉCNICO DE NÍVEL SUPERIOR Administração .Projeto de estruturas de concreto – Procedimento. ed. Arquiteto 1. Belo Horizonte: Escriba Editora Gráfica. A arquitetura da cidade. 1988. Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais – 5a aproximação. Rio de Janeiro: ABNT. & SOUZA. Manual de Fruticultura. Dendrometria e Inventário Florestal. e outros.M. ed. Métodos e técnicas de desenho e projeto. C. 2000. 1981. NBR 14653-1 . 2004. GOMES. Manual de Entomologia Agrícola. Gestão Ambiental de áreas degradadas.H. São Paulo: Ed. prevenção contra incêndio. N. THIBAU. H. Luz.Instalação predial de água fria. P. NETO. São Paulo: Martins Fontes. Rio de Janeiro: ABNT. GALLO. 2006. 1998. Manual de Arborização. 1 e 2. coleta e tratamento de esgotos. GALLI. O Livro Definitivo de dicas e sugestões de jardinagem. Arquitetura Brasileira.R. 2.R. cálculo de áreas e volumes. Compêndio.. J.. 1992. COMISSÃO DE FERTILIDADE DO SOLO DO ESTADO DE MINAS GERAIS. 212 – Agricultura Alternativa.. 3. MALAVOLTA. Revitalização urbana e patrimônio cultural. Avaliação de imóveis. Belo Horizonte: EPAMIG: N. Viçosa: UFV. 2006. Controle ambiental das edificações (térmico. espaço. Giulio Carlo. E. G. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. Árvores Brasileiras. L. Projeto urbanístico: Arquitetura paisagística.S. LORENZI. GUERRA.E. São Paulo: Nobel. Belo Horizonte: CEMIG. Dimensionamento e programação dos equipamentos públicos e comunitários. Rio de Janeiro: ABNT. Métodos e técnicas de desenho e projeto. Plantarum. III. MASCARÓ. 1976. 2002. Manual de Olericultura. Noções de ergonomia. Agronômica Ceres. Revista INFORME AGROPECUÁRIO. Rio de Janeiro: ABNT. 3. Noções de acessibilidade para portadores de necessidades especiais. NBR 12722 – Discriminação de serviços para construção de edifícios. Convenções e representações de plantas planialtimétricas de áreas urbanas. Segredos da Propagação de Plantas. São Paulo: Agronômica Ceres. A. MALARD. N. & PAIVA. Noções de Sistemas de infra-estrutura de parcelamentos urbanos: energia.Atividades técnicas. Projetos complementares: especificação de materiais e serviços e dimensionamento básico. Bibliografia sugerida ARGAN. CEMIG/IEF. N. 2003. 1999 FRAMPTON. A formação do homem moderno vista através da arquitetura. 2003. BRANDÃO.Avaliação de Bens . 2000. mobiliário e equipamento urbanos. 1999. 1995. Noções básicas de instalações elétricas e hidrosanitárias. Produção Sustentada em Florestas. NBR 9077 .N. Desenho da paisagem.Saídas de emergência em edifícios. F.B. 2. UFMG. Sistema viário: noções de hierarquização.P. São Paulo: Agronômica Ceres. S. Rio de Janeiro: ABNT. Manual de Química Agrícola.A. ROSSI. DAKER. 210 – Recuperação de Áreas Degradadas. São Paulo: Nobel. 1990. Manual de Fitopatologia. vol. 1971. 72). São Paulo: Ed. 191 . Rio de Janeiro: Freitas Bastos. 2001. ar condicionado. SOARES. I. I. Ed. vol.L. SIMÃO. perfis topográficos. A. GREENWOOD. F. São Paulo: Agronômica Ceres. A. madeira e aço. Viçosa: UFV. 2001. UFMG. 1997. ed. Viçosa. Belo Horizonte: Ed. H. Projeto de edificação: Arquitetura. J. FILGUEIRA. Belo Horizonte: Ed. São Paulo: Martins Fontes. Patrimônio cultural: Patrimônio histórico e cultural urbano. alvenaria. Noções de instalações para prevenção e combate a incêndio e pânico. D. Lucia Raffo. 2. 1998. 202 – Agropecuária e Ambiente. São Paulo: Martins Fontes.P. 1996. Rio de Janeiro: ABNT. greides de ruas.J. Evolução do conceito de memória e patrimônio e políticas públicas de preservação. ALMEIDA. dimensionamento e geometria. NBR 13531 – Elaboração de projetos de edificações .32 ARAÚJO. História crítica da arquitetura moderna. 1994. Noções de viabilidade técnico-financeira. 2001 NBR 9050 – Acessibilidade de pessoas portadoras de deficiências a edificações. Restauração. F. Rio de Janeiro: ABNT. ed. Maria Lucia. vol. Nobel. 1978. Noções de saneamento ambiental (drenagem. abastecimento. N. C. 1999. NBR 5626 . 1995. São Paulo: Agronômica Ceres. História da arte como história da cidade. Noções básicas de estrutura de concreto. A Água na Agricultura. Viveiros florestais (Propagação sexuada) (Cadernos didáticos n.

projeto em gestão da produção. tipos de clientes e papei. administração do disponível. 2001. mudanças no sistema de distribuição. 2007. administração de produtos: componentes e estratégias. 2 Recursos Humanos: A interação entre pessoas e organizações. 2000. 3. Salvaguarda de documentos sigilosos. princípios. São Paulo: Atlas. caracterização). evolução e estágio. registro. órgãos de documentação. gestão eletrônica de documentos. 4 Administração pública: Reforma da Administração Pública. teoria das três idades. enfoque comportamental. Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial. estratégias. tratamento. de. Gestão de marketing (vários autores). Noções básicas de Administração. poder e liderança e relações trabalhistas e sindicatos. Arquivologia CONCEITUAÇÃO Arquivos: origem. GITMAN. análise de mercado: segmentação. recuperação. Sylvia. Idalberto. armazenamento. MRP. John R. ARQUIVOS INTERMEDIÁRIOS Vantagens. transferência e recolhimento. histórico. 2003. 2002. necessidade de capital de giro. projeto da rede de operações produtivas. Eugene F. ed. utilização. São Paulo: Makron Books. estratégias de diferenciação. Bibliografia sugerida MAXIMIANO AMARU. vantagens . Luis Carlos Bresser e Spink.33 1 Administração Geral: Fundamentos da Administração: introdução e significado da Administração. ARAÚJO. projeto de produção e serviços. planos de carreira. instalação e equipamentos. São Paulo: Atlas. eliminação. Antonio César. classificação. da escola clássica ao sistema Toyota. Documentos: classificação (natureza. benefícios sociais. as organizações e o ambiente. administração dos valores a receber. recebimento e conferência de documentos. temporalidade e destinação de documentos de arquivo. São Paulo: Harbra. Noções básicas de elaboração e implementação de projetos organizacionais. empréstimo e consulta dos documentos. planejamento e controle de capacidade. o sistema de administração de recursos humanos. WESTON. . conhecendo mercados e compreendendo o comportamento do cliente. CHIAVENATO. tratamento de arquivos especiais. conservação. cargos e salários. tipos de arquivamento. características dos acervos. Sérgio Roberto. avaliação convencional e diferenciada de desempenho. construção. conservação e recolhimento dos documentos. planejamento e controle da cadeia de suprimentos. 5 Administração da Produção: Papel estratégico e objetivos da produção. missão. ciclo de vida. Ciclos operacional e financeiro. Luiz César G. terminologia. 6. planejamento e controle de estoques. J. Marketing: Fundamentos de marketing: conceitos básicos. 2000. Lawrence J. 3 Gestão pessoas: evolução e estágio atual. fluxo de caixa. correspondências (classificação. definições. Elaboração de códigos ou planos de classificação de documentos. classificação. características. operações de arquivamento. GESTÃO DE DOCUMENTOS Produção. conservação. São Paulo: Prentice Hall. recrutamento e seleção. classificação dos produtos e serviços. teoria da informação. liderança e conceitos emergentes. fatores que influenciam o comportamento do cliente e processo de compra. função. destinação de documentos. P. restauração e microfilmagem. preservação de documentos. Revan. ARQUIVOS CORRENTES Protocolo: recebimento. Recursos Humanos: o capital humano das organizações 8. LEGISLAÇÃO ARQUIVISTA Política nacional de arquivos. cultura organizacional. o profissional de gestão de pessoas. TROSA. transferência. SCHERMERHORN JR. Classificação. aplicações. Rio de Janeiro: LTC. Teoria Geral da Administração: da revolução urbana à revolução digital. Fundamentos da administração financeira. desenvolvimento de produtos. saúde e segurança no ambiente de trabalho. requisitos para a construção. 2006. Fred. Gestão pública por resultados. Administração de marketing. arquivística. treinamento e desenvolvimento. Editora Fundação Getúlio Vargas. política de acesso. avaliação e seleção de documentos. finalidade. tipologia e suporte físico). tipos. 7. localização. função e administração de marketing. São Paulo: Atlas. KOTLER. tecnologia de processo. sistema e métodos de arquivamento. Coordenação de DIAS. 10. 1997. Princípios de administração financeira. BRIGHAM. PEREIRA. Elaboração de tabelas de temporalidade. ed. capital de giro e saldo de tesouraria. Gestão de Pessoas. 2004. Capítulos 1 a 5. São Paulo: Saraiva. gerenciamento arquivístico de documentos eletrônicos. gerenciamento da informação. administração dos estoques. ed. estratégia de distribuição: gestão. principais correntes: escola clássica da administração. estratégia da produção. tramitação e expedição de documentos. ed. Peter. comportamento do cliente: conhecendo clientes. Finanças: Políticas de administração de recursos a curto prazo. formas e critérios. Administração. papel dos gerentes. quantificação.

p. Usuários da informação: comportamento. O MARC bibliográfico: um guia introdutório. Atendimento ao usuário. Perspectivas em Ciência da Informação. p. A prática do serviço de referência.) Introdução às fontes de informação. 2. Código de catalogação angloamericano. Suécia. Formato MARC. Organização e recuperação da informação: Representação descritiva de documentos. NAVES. preservação e gestão de coleções. Eliane. Fundamentos.34 ARQUIVOS PERMANENTES Funções. 7. 4. Brasília: Briquet de Lemos/Livros./jun. 2. Disseminação da informação.. análise de dados coletados. orçamento dos recursos. Metadados.2. circulação. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.1) CAMPOS. necessidades. Nice Menezes de. Brasília: Briquet de Lemos/Livros. GROGAN. MEY. 2. Organização da informação: princípios e tendências. v. Ética profissional. Adelaide Ramos et al. Belo Horizonte. 1995. KURAMOTO. 2006. 2004.245-254. conceitos. Estudos de uso e de usuários. Gerenciamento arquivístico de documentos eletrônicos. RONDINELLI. 1997. demandas. ed. Indexação e resumo: teoria e prática. Denis. Não brigue com a catalogação. 19-22 de setembro de 1999. evolução e relações. Conselho Internacional de Arquivos. Ciência da Informação e Biblioteconomia: Objeto. Sociedade da informação: aspectos históricos e conceituais. (Coleção Ciência da Informação. Rosely Curi. necessidades. PAES. diagnóstico. Tefko. Formação. 5. Perspectivas em Ciência da Informação. CAMPELLO. relatórios.1. Serviços e produtos: referência. Bibliotecas digitais. produtos. destinação: transferência e recolhimento de acervos. Estocolmo. ISAD(G): Norma Internacional de Descrição Arquivística. Biologia . Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. Novas tecnologias: impacto sobre a formação de coleções.1. ROWLEY. 1996. Redes e sistemas de informação. 2001. SARACEVIC. ferramentas e estratégias de recuperação da informação.ed. 2002. conservação. Brasília: Briquet de Lemos/Livros. título. Paulo da Terra. programação de atividades. Elaboração de projetos. versão final aprovada pelo CIA. arranjo. manuais de serviços e procedimentos. desenvolvimento. Normalização de trabalhos e publicações Bibliografia sugerida ALMEIDA. Hélio(orgs). Recursos informacionais eletrônicos. Biblioteconomia 1. v. Beth. (Org. Heloísa Liberalli. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. 3. Jennifer. Planejamento de bibliotecas e serviços de informação.Niterói: EDUFF. LANCASTER. Brasília: Briquet de Lemos Livros. Recursos e serviços informacionais: Conceituação. planejamento. avaliação. ed. CORTE. assunto e analíticas. n. 2003. 184p. Bernadete. produtos finais). Brasília: Briquet de Lemos Livros.ed. FURRIE. implantação e acompanhamento (introdução. metodologia. Madalena Martins Lopes. Análise e representação de documentos por assunto: conceitos. Junia Lessa. FIGUEIREDO. FRANÇA. Catalogação legível por computador. n. Frederick Wilfrid. Maria Luíza de Almeida. demandas e uso da informação. ed. Informação e conhecimento. Usuários: Comportamento. tipologia e características das fontes de informação. acesso. processos. 2000. 2001. expectativas e usos da informação. justificativa. v.2004. Arquivos permanentes: tratamento documental. jan. Belo Horizonte: Editora UFMG. PROJETOS ARQUIVÍSTICOS Levantamento de dados. revisão 2002. 2002. instrumentos. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. A biblioteca no contexto das organizações: Funções gerenciais: planejamento. Brasília: Briquet de Lemos/Livros.1. Brasília: Thesaurus. 2005. 3. fornecimento de documentos e comutação bibliográfica. Linguagem documentária: teorias que fundamentam sua elaboração. 1996. descrição e publicação (tipos e elaboração de instrumentos de pesquisa). Ciência da Informação: origens. 2004. Marilena Leite. Arquivo: teoria e prática. adotada pelo Comitê de Normas de Descrição. jul. Maria Christina Barbosa de. organização. Bibliografia sugerida BELLOTTO. objetivos. Pontos de acesso: entradas de autor. Manual para normalização de publicações técnico-científicas. 2002. 2. CALDEIRA. 2000. fundamentos e paradigmas. A biblioteca eletrônica. São Paulo: Polis. 41-62. Belo Horizonte: Autêntica. O bibliotecário na sociedade da informação. Avaliação de softwares para bibliotecas e arquivos: uma visão do cenário nacional./dez. Sistemas de gerenciamento de bibliotecas. Descrição e representação de conteúdos informacionais na Web. Belo Horizonte.

35 1. ed. Biologia celular..submarino. Retorno de vendas. ed. Interpretação ambiental: conceitos e características. 2. Impacto ambiental : aspectos da legislação brasileira. função e mecanismos fisiológicos da regulação em vegetais e animais.795. 2003. Fluxo de caixa 1. ed. Demonstração das variações do Patrimônio Líquido. extinção). http://www. Tendências e propostas pedagógicas para zoológicos. 2002. organização. 2001. Contas de Resultado. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. em nível molecular.htm#link10 MIRRA. Editora Bertrand Brasil.9 Análise das demonstrações contábeis: Análise horizontal e vertical. genética e imunológica. ed. ORIANS. Noções de etnobiologia. Plano de Contas. Ecologia: Relações entre os seres vivos e destes com o ambiente ao longo do tempo geológico.2 Contas: Contas Patrimoniais. Mobilização social: conceitos. Evolução: o Sentido da Biologia. biogeografia.V.7 Demonstrações contábeis: Balanço Patrimonial. Diogo. 2. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan. celular e evolutivo. 1. RAVEN. depreciação. fundamentados pela informação bioquímica. O resultado e sua destinação. fusão e liquidação de sociedades. Análise do capital de giro. jardins botânicos. CUNHA.1 Escrituração contábil: Sistemas de escrituração. Biologia Vegetal. 1. Educação ambiental formal e não formal . Operações de encerramento do exercício. SADAVA. Regimes contábeis. comunidades e ecossistemas. objetivos e processo. Sistema Patrimonial.Conceitos. Depleção. et. RICKLEFS. 2. 9. São Paulo: Artmed.3 Diferimentos: Diferimentos ativos. São Paulo. Notas explicativas às demonstrações contábeis. 5.http://www.4 Orçamento 2. Álvaro L. Retorno de compras. A prática da conservação in situ e ex situ. Susan E. Demonstração das origens e aplicações de recursos.1 Plano Plurianual 2. 6. Plano de contas. Ciências Contábeis 1. Ray F. filogenia. ed. com ênfase em vertebrados. Educação Ambiental e sua relação com a Interpretação Ambiental. incorporação. da conservação e manejo da fauna e flora e da relação saúde. fisiologia e estratégias adaptativas morfo-funcionais dos seres vivos. Reavaliação de ativos. criptógamas e fanerógamas. etologia. W. 7.6 Encerramento do exercício: Avaliação dos investimentos. Impactos Ambientais Urbanos no Brasil. 3. Portaria n. Contas retificadoras.10 Execução Orçamentária: Escrituração.8 Emendas e vetos 2.. Charbel Nino. David. Contabilidade Governamental 2. UNESP. Demonstração do resultado do Exercício.7 Elaboração da Proposta Orçamentária 2. taxonomia.9 Créditos Adicionais 2. 1. Biologia da conservação e educação ambiental: Conceitos. Diferimentos passivos. Peter H.5 Reservas: Reservas livres (formação e utilização). Sistema orçamentário. 2007. CITES. Bibliografia sugerida PURVES. Compreensão dos mecanismos de transmissão da informação genética. Economia da Natureza. Vol.br/legislacao/legislacao.522 de 19 de dezembro de 1989. molecular e evolução: Visão ampla da organização e interações biológicas. Sistema Financeiro. 1. Robert E.5 Previsão de Receitas 2. 3. Consolidação das demonstrações contábeis.Lei de Crimes contra o Meio Ambiente. Diversidade biológica: Conhecimento de sistemática. SNUC.crbio4.com. EL-HANI. coeficientes e quocientes.6 Fixação de despesas 2.. atribuições e legislações relevantes (CBD.3 Lei de Orçamento 2. Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção etc).org. Partidas. Áreas prioritárias para a conservação e espécies ameaçadas em MG. Análise econômica e financeira por índices.4 Provisionamentos 1. 2005.. 4. biofísica. 1. Gordon H. K. parques e áreas verdes. Educação para sustentabilidade. 1. 1. Conhecimento da dinâmica das populações. 9. amortização de diferimentos. ed. EVERT. Lei – Lei n. educação e ambiente. EICHHORN. Variações patrimoniais. Vida: a Ciência da Biologia. padrões.br/books_bio. Antônio José. classificação. construída a partir do estudo da estrutura molecular e celular. Transações entre partes relacionadas. Trilhas interpretativas: tipos e características. exaustão . 2005. Lei Federal n. MEYER.asp?Query=ProductPage&ProdTypeId=1&ArtistId=52628&Type=1 GUERRA. al. . principais causas da perda de diversidade. Lançamentos sintéticos. Contas de apuração.2 Lei de Diretrizes Orçamentárias 2.8 Tópicos especiais: Cisão.605/98 . Reservas vinculadas (formação e utilização). Elementos de Contabilidade Geral 1. 27/04/1999. 1.. objetivos e metodologias. Lançamentos 1. Noções de interpretação ambiental. Estratégia global para a conservação de Biodiversidade (conceitos gerais. Sandra Baptista da. Avaliação dos investimentos por equivalência patrimonial.

São Paulo: Saraiva. Papel estratégico da comunicação nas organizações. Arnaldo. 8. São Paulo: Atlas. MATARAZZO. Efeitopreço. Margarida M. e BARBOSA. Comunicação pública: interfaces entre sociedade. Tratado de comunicação organizacional e política. Maria Helena. 3. Nilson. José Carlos. Campus. Gerenciamento do fluxo de informação instituição/meios de comunicação/usuário. MARION. questões legais e logística. 1999. 256 p. 10. A reportagem: teoria e técnica de entrevista e pesquisa.br Economia 1. K. Alves. 7. A evolução e as tendências da pesquisa em comunicação. Mauricio .São Paulo. Heilio. ed. Alexandre Assaf. televisão e internet. Contas públicas e contas privadas 2. São Paulo: Atlas.Sete Portas da Comunicação Publica . Dante C. Oferta do Produtor: Teoria da produção. rádio. Organização de eventos: teoria e prática. ed.Teoria e Pratica -5ª Ed. Summus KUNCZIK. São Paulo: Atlas. São Paulo: Atlas. G.17 Perícias Contábeis Bibliografia sugerida FIPWCAFI. Site: Código de Auto Regulamentação Publicitária. OLIVEIRA. 2002. João. 2. inferiores. Estrutura e Análise de Balanços. efeito-renda e efeito-substituição. Gestão de eventos: planejamento. HENRIQUES. Teorias da comunicação. Função de produção com proporções fixas e variáveis. ed.conar. Planejamento. mensuração de resultados. REIS. 2006. interpretativos e opinativos. Equilíbrio do consumidor e mudanças pela variação de preços e renda. Mauro. Balanço Orçamentário. 3. FRANCO.. Contabilidade Avançada.Assessoria de Imprensa . Contabilidade Pública. Ed. Lisboa: Editorial Presença.org. ed. 2. Técnicas de produção de textos informativos. NETO. José Hernandez. 2003. São Paulo. Belo Horizonte: Gênesis: 2002. Em dívidas flutuantes. Contabilidade Avançada. OLIVEIRA. 2. PISCITELLI.15 Responsabilidade Fiscal: Ordenadores de Despesas. Contabilidade Pública. Estratégias de mobilização social. Gaudêncio.36 2. WOLF. 9. Hilário. organização e execução das ações de comunicação institucional. 8. São Paulo: Atlas. Contabilidade Governamental. Planejamento de Relações Públicas na Comunicação Integrada. SODRÉ. Maria Cecília. São Paulo: Atlas. Análise e Interpretação de Balanços. Em dívidas fundadas. Elisa . Lino Martins de. Roberto Boccacio. Assessoria de imprensa 6. 8. 2002.16 Cálculos e Perícias Trabalhistas 2. Fatores de produção. 15 ed. avaliação e resposta.Brasil. 2006. 2003. 2. Record. . Campo da Comunicação: caracterização e perspectivas. 11. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. canais. Dispensas de licitação. Técnica de redação: o texto nos meios de informação. 2004.12 Operações Orçamentárias: Em disponibilidades. C. Dicionário de Comunicação. 2002. Excedente do consumidor.11 Encerramento do exercício: Tomada de contas. Custo de oportunidade. Rio de Janeiro: Ed.) Comunicação e estratégias de mobilização social. Inexigibilidade de licitação. 2003. 2004. 1. governo e esfera pública não-estatal. Balanço Patrimonial. São Paulo: Atlas. Muniz e FERRARI. Demanda do Consumidor: Curvas de indiferença e limitação orçamentária.Comunicação estratégica: modelos e atores da comunicação. Rio de Janeiro: F. Microeconomia: Curva de possibilidades de produção. Classificação dos bens (normais. 2006. ed. ed. Em ativos permanentes. IN: www. Estrutura. São Paulo: Cengale LEarning. Comunicação interna e endomarketing. para veículos impressos. LAGE. Edusp Friedrich-Ebert. KOHAMA. 1994. 9. 2003. 12. A.Editora: Gutenberg . Ética na Comunicação Social e responsabilidade social. Isoquantas.13 Compras de Bens e Serviços.Norte e Sul . Curva de demanda. 4. 7. LARA. ambiente. Conceitos de Jornalismo . Kopplin. RABAÇA. ed. Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações. Limitações 2.14 Licitações: Modalidades e realização de processos licitatórios. Contabilidade Pública. São Paulo: Summus. Comunicação Social 1. TORQUATO. 1977. PEREZ.UFMG. Giffen. 6. ANGÉLICO. Bibliografia sugerida GIACAGLIA. ed. Elasticidade. São Paulo: Atlas. Balanço Financeiro. cerimonial público. coordenação. Luís Martins de. componentes estratégicos. Michael. 7. 5. 9. 2008. ed. Análise Financeira de Balanços. Em créditos. Rio de Janeiro . Função de produção e suas propriedades. substitutos e complementares). Márcio Simeone. 1997 KUNSCH. 2005. (Org.

Curva de isocustos. 6. Contabilidade Geral: Conceito. Indicadores econômico-financeiros. Bens públicos. real e aparente). execução e inexecução. Equação fundamental do patrimônio. Licitação: Conceito. Pagamento das despesas. inciso XXI da Constituição Federal. Contabilidade patrimonial e industrial. Dispensa. Tópicos da Lei de Responsabilidade Fiscal: Princípios. Restos a pagar. Taxa de redesconto. Cálculo financeiro do custo real efetivo de operações de financiamento. Análise do fluxo de caixa. Contrato Administrativo: Conceito. Avaliação Econômica de Projetos: Métodos de análise de investimentos: Valor anual uniforme equivalente. Métodos não exatos. custos de produção. patrimonial e demonstração das variações patrimoniais. de 21/06/1993. Avaliação de alternativas de investimento. Modalidades. Estruturas de mercado (concorrência perfeita. formalização. Moeda e Bancos: Funções da moeda. Revisão e rescisão. Custo fixo e variável. financeiro. Curva de Philips. Obrigatoriedade. 101. objetivos e efeitos no planejamento e no processo orçamentário. Gastos Públicos: Conceito e classificação. Determinação da Renda e do Produto Nacionais: Macroeconomia neoclássica. Privatizações e estado regulador. Suprimento de fundos. Definição de moeda e quase-moeda. 2000. Títulos públicos. Pregão Eletrônico. Política fiscal e política monetária. institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Inflação e políticas de estabilização. Tabela de relações insumo/produto. Controle dos meios de pagamentos. de 21 de março de 1990. Classificações orçamentárias da despesa e da receita. Limites para despesas de pessoal. Orçamento e Contabilidade Pública: Orçamento Público: Evolução histórica e correlação orçamento / planejamento. Ana Cláudia. Débito. Externalidades. Eugênio Celso. Bibliografia sugerida BAPTISTA. equivalentes. Taxa mínima de atratividade. Lei Complementar n. Fatos contábeis e suas variações. Custeio por absorção. São Paulo: Atlas. efetiva. Nelson Casarotto. 2000. neutralidade e simplicidade. Regulamenta o art. Custos. Lei Federal n. 4. Rendas uniformes e variáveis. Balanço de pagamentos (conta de transações correntes. KOPITTKE. Livros. Demonstração do resultado do exercício. Sistemas de custeamento (custo real. déficit público e dívida pública. de 15/12/1976. Plano de contas. Crescimento e desenvolvimento econômico. Objetivos da política fiscal e funções do governo. no patrimônio e no consumo. Processo de elaboração da proposta orçamentária. custos orçados ou estimados). Orçamento na Constituição de 1988 (Plano Plurianual. Gastos e receitas do Governo. Patrimônio: Componentes patrimoniais. Liquidação da despesa. James. Determinantes do consumo e do investimento. 5. Finanças Públicas: Falhas do mercado. conceitos de déficit e superávit). empréstimo e investimento. Lei Orgânica do Município de Belo Horizonte. Ponto de equilíbrio. Análise horizontal. Análise vertical. monopólio. Impostos com base de incidência na renda. São Paulo: Atlas. senhoriagem e curva de Laffer. Inflação e Crescimento Econômico: Causas e efeitos da inflação. Fábio e ALÉM. Taxas de juros (nominal. Decreto n. Lei de Diretrizes Orçamentárias e Lei Orçamentária Anual). . técnicas contábeis e princípios fundamentais. concorrência monopolística e oligopólio). Controle interno e externo. e dá outras providências. 2. Equivalência de capitais. Antônio Eustáquio e GONÇALVES. Bruno Hartmut e FILHO. Tópicos Especiais: Sistema tributário brasileiro. de 04/05/2000 (Responsabilidade Fiscal). Princípios. Orçamento público. custo médio e custo marginal. Métodos de escrituração. São Paulo: Atlas. 2004. Macroeconomia: Contabilidade Nacional: Conceito de renda e produto. objetivos. Créditos adicionais. Análise do capital de giro. para aquisição de bens e serviços comuns. Empenho.450. Regulamenta o pregão. Contabilidade Gerencial: Análise das demonstrações financeiras: Análise de balanço. Contabilidade geral. 3. Capitalização e operações de desconto. conta de capital. Orçamento tradicional e orçamento-programa. 6. Registros contábeis. Valor presente líquido. 8. Cálculo do imposto por dentro e por fora. 8. 7. Rio de Janeiro: Campus. 2005. Contabilidade Pública: Contabilidade orçamentária e financeira. Teoria da Tributação: Conceitos de eqüidade. Princípios orçamentários. Análise custo/volume/lucro: Margem de contribuição. na forma eletrônica. Dispõe sobre as Sociedades por Ações. Mecanismos de transparência fiscal.666. Números índices. crédito e saldo. Firma multiprodutora. Lei n. custo padrão. progressividade. 37. de 31/05/2005. Comparação de alternativas de investimento e financiamento. Finanças públicas: teoria e prática no Brasil. Sistema federativo e descentralização. Imposto sobre o valor adicionado.404.37 Combinação ótima de fatores. Taxa interna de retorno. Demonstrações de lucros ou prejuízos acumulados e de origens e aplicações de recursos. Balanços orçamentário. Custeio direto ou variável. Contas nacionais do Brasil. GIAMBIAGI. Análise de investimentos. Curva de oferta de produto e de demanda do trabalho. Execução do orçamento e controle da execução orçamentária: Programação da despesa. GIACOMONI. Finalidades. Matemática Financeira: Juros simples e compostos. Desenvolvimento do sistema monetário. Imposto inflacionário. Limites para a dívida. Escrituração: Conceito. Balanço patrimonial. Despesas de exercícios anteriores. Modelo Keynesiano Simples. Inexigibilidade. Financiamento do déficit público. Modelo IS-LM e Modelo Keynesiano Completo. Custeio baseado em atividades (ABC). Fórmulas e processos de escrituração. 5. Produto e renda das empresas e das famílias. Objeto. Balancetes de verificação. Planos de amortização de empréstimos e de financiamentos. Federalismo fiscal. Alavancagem operacional. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Contas: Conceito e função.

3. 1989. 2. 2.6 Entrada. 1990.M. projeção cônica conforme de Lambert. Rio de Janeiro: IBAM. PADOVEZE.1 A fotografia aérea (características e tipos).1. Organização do Território no Brasil 3. CORRÊA.2.1. Oficina de textos. p. 3.2.5 Aquisição de dados em geoprocessamento (dados espaciais e alfanuméricos. Geografia 1.3.C.2. medição de distâncias/áreas e métodos de modificação da escala de um mapa.6 Elaboração de mapas temáticos e suas convenções. Haroldo. Teixeira e COSTA REIS. Juiz de Fora.2. M. Geoprocessamento – tecnologia transdisciplinar. 183-196.M. 2001. Região: a tradição geográfica. hierárquico. 2001. 2. relacional e orientado a objetos). ed.2. N. A. E.4 Projeção Universal de Mercator (UTM). 2003.4 Sistemas sensores (LANDSAT.4 Ortofotos (tipos e características). hidrografia.2. conformes. ed. 2. bases digitais) 2.320 comentada. do autor.1. classificação).3 Estrutura de dados espaciais em um SIG (vetorial.1. 1.1.2.4 Modelos de bancos de dados (seqüencial. 1997. Manual de fundamentos cartográficos e diretrizes gerais para elaboração de mapas geológicos. C. 2. FLORENZANO.2 Estereoscopia (definição.1.2.2. 2. 2.1 Definições. 2.2 Diferenças entre os sistemas SIG e CAD. montagem de estereomodelos. 1997.1 Definições.3 Projeções cartográficas: classificação (equivalentes. Sensoriamento remoto – princípios e aplicações. vegetação. São Paulo.8 Operadores algébricos de mapas 2.Aéreo 2. relevo) e elaboração de perfis topográficos.1. Contabilidade gerencial. integração e gerência de dados em um SIG. métodos).1. 1.2. Imagens de satélite para estudos ambientais. 2. Rio de Janeiro. J. 2.38 MACHADO JR.2.2.2. 2. processamento.2 Características de uma imagem de sensoriamento remoto. Sandra Maria Correia de.S.5 Princípios básicos de processamento digital de imagens de sensoriamento remoto (pré-processamento. Processo geoistórico da formação territorial brasileira.1.3 Resolução (espacial. Curso de cartografia moderna.R.2 – Sensoriamento Remoro 2. São Paulo: Contexto.4. São Paulo. azimutais e afiláticas) e propriedades. T. 2002 OLIVEIRA. eqüidistantes. 2. Geoprocessamento 2. manipulação. 2. 1. 4.1. 2.10 Saída e visualização de mapas. 2. 1988. ANDRADE. MANKIW. NOVO. IKONOS e CBERS). São Paulo.1.H. 1. projeção policônica e outras. A Federação brasileira. Dinâmica territorial da população brasileira. estereoscópios e paralaxe estereoscópica).5 Foto interpretação (elementos. M.3 Foto índice e mosaico. Cartografia 1. 2. São Paulo: Atlas. 2.1. Introdução à Economia: princípios de micro e macroeconomia. 2. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. SANTOS. Economia: micro e macro. radiométrica e espectral). 3.1 . Rio de Janeiro: Campus. Trajetórias geográficas.2.7 Consulta ao banco de dados.1. IPT. IBGE. . A Lei n. Clóvis Luiz. Roberto Lobato. Ed.5 Convenções e representações cartográficas (planimetria. São Paulo: Atlas.G. C.2. cadastro urbano e rural. Edgard Blücher Ltda. Gregory.2 Localização de objetos na superfície: latitude/longitude e coordenadas UTM. rede.2 – Orbital 2.2. Manuel Correia de. 1999.1 Sistemas de Informações Geográficas 2. 2. matricial e alfanuméricos).L.2. geomorfológicos e geotécnicos. Roberto Lobato.1. SPOT. Bibliografia sugerida ROCHA. VASCONCELLOS. Organização regional do território brasileiro: dimensão geopolítica. In: CORRÊA.1 Escala métrica: determinação da escala. 3. Região e produção do conhecimento geográfico no Brasil.1.1. 2000.9 Operadores de distância e de contexto.1. Sandoval. 1.B. temporal. ANDRADE.

preservação e valorização do Patrimônio Cultural. LEMOS. Stela Maris. Suplemento especial. FONSECA. Guia básico de educação patrimonial. Secretaria de Estado da Cultura. Isabelle. Estadual e Municipal. 1997. Estratigrafia / Sedimentologia 4. Da proteção cultural: o tombamento como principal instituto.) Interpretar o patrimônio: um exercício do olhar. Museu Imperial. 1985. Rio de Janeiro: Record. 1994. Milton. Uma visão de Belo Horizonte. Metodologia para a proteção do patrimônio cultural. 1997. funcionamento. Quem deve preservar o Patrimônio Cultural: legislação Federal. Aloísio.( Lições de Minas. São Paulo: Editora Brasiliense. patrimônio cultural. Preservação e Comunidade. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Educação. 3 ed.ICMS PATRIMÔNIO CULTURAL: História. MINAS GERAIS. Política Cultural. 1 IEPHA 20 ANOS. Wilson et al. Belo Horizonte: 1990. UFMG: Território Brasilis.ofitexto. 504 p. Jurisprudência. Mapas Geológico. São Paulo: Ed. Rio de Janeiro: IPHAN. Maria de Lourdes Parreiras. C. Rio de Janeiro: IBGE. Reflexões e Contribuições para Educação Patrimonial. Belo Horizonte. Belo Horizonte: Del Rey. O estado na preservação de bens culturais: o tombamento. SILVEIRA. Celina (org. Metalogenético e de Ocorrências Minerais de Minas Gerais e Nota Explicativa – COMIG – 1994 Projeto Espinhaço – cd rom – COMIG / UFMG.º 26. São Paulo: Estações Liberdade: UNESP. 1). (www. CURY. 23). Suplemento Especial IEPHA 20 anos. 2000.br) História Conceituação: cultura. 1999. Belo Horizonte. Deliberação Normativa 01/2005. . ALBANO. Maria Cecília Londres. N. Geologia 1. Legislação. Belo Horizonte. 2000. 1999. Mineralogia e Petrografia 3. MAGALHÃES. Cartas Patrimoniais. Belo Horizonte: Editora Del Rey. Inventário do Patrimônio Cultural: Plano de Inventário e metodologia – Tombamento: metodologia. PIRES. 2001. MIRANDA. Bibliografia sugerida CASTRO. Rio de Janeiro: UFRJ IPHAN. HORTA. 2000. 1989. (Caderno Técnico. São Paulo: Departamento do Patrimônio Histórico. A alegoria do patrimônio. O que é patrimônio histórico. 2002. CONDIE. INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO DE MINAS GERAIS. identidade. Thrid edition. MURTA.COMIG / CPRM. Pergamon Press. Edésio Teixeira. Decifrando a Terra. Maria Coeli Simões. Metodologia para a proteção do patrimônio cultural – Educação Patrimonial: Conceito e métodos. COSTA. SANTOS. Geologia Geral 2. Maria Laura. 1992. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. n. 1991. 2002. Belo Horizonte: Ed. 2006. Geologia de Engenharia 7. Geologia urbana para todos. Marcos Paulo de Souza. Arte e políticas de patrimônio. Kent C. Plate Tectonics & Crustal Evolution. O Patrimônio em Processo: trajetória da política federal de preservação no Brasil.com. Projeto Leste – cd rom . Françoise. Atlas Nacional do Brasil. Geologia Ambiental 8. novembro de 1991. 1993. Sônia Rabello de. 1981. bens culturais. Rio de Janeiro: Renovar. Brasília: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. setor da prefeitura responsável pelo Patrimônio Cultural. Diretoria de Geociências. Tutela do patrimônio cultural brasileiro: Doutrina. INSTITUTO ESTADUAL DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO DE MINAS GERAIS. Marilena. In: O Direito à Memória: patrimônio histórico e cidadania. Rio de Janeiro: IPHAN. elaboração de laudos técnicos – O Registro do Patrimônio Imaterial e a legislação correspondente – Constituição Federal de 1988 – Cartas Patrimoniais . Rio de Janeiro: Nova Fronteira. Brasília: IPHAN. (Edições do Patrimônio). Belo Horizonte. 87p. CHAUÍ. Cultura Política e Patrimônio Histórico. 2000. Cartilha do patrimônio histórico e artístico de Minas Gerais. estrutura do Dossiê de tombamento.39 IBGE. Carlos A. Secretaria de Estado da Cultura de Minas Gerais. 1991. Geologia Estrutural 5. TEIXEIRA. 2001. Lygia Martins. memória. Geologia e Recursos Minerais de Minas Gerais Bibliografia sugerida CARVALHO. Hidrogeologia 6. REVISTA DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTISTICO NACIONAL. O Conselho Municipal do Patrimônio Cultural e suas atribuições. 1997. Oficina de Textos. CHOAY. E Triunfo?: a questão dos bens culturais no Brasil.

segurança.htm Informática 1.gov. arquitetura de sistemas de bancos de dados.minc. vulnerabilidade de sistemas. 1992. estruturadas de dados. Preservação do patrimônio cultural em núcleos históricos. integridade. design e acessibilidade. 3. Cristina.br www.d.com. componentes e eventos do Developer (Forms e Reports). Web Services. /www. Belo Horizonte: Autêntica. Engenharia de software: Processo de software.zazclub.hpg. 12. criptografia. grupos de processo e áreas de gerenciamento de projetos. Antônio A. 1998.com.br/ http://www. segurança. crimes contra computadores. físicos. Carlos Frederico Mares de. interações. modularização (pacotes.1997. certificação digital. 8.com/7hm3tf7me02oe/bemvindo.trilogiams. 2001. 2. fundamentos da tecnologia Java e suas plataformas Padrão. Análise essencial de sistemas: Modelagem funcional.educacaopatrimonial. meios de acesso. modelo ambiental.) Sites de interesse www. privacidade. JSTL e JSF. 16. 7.universiabrasil. SIMÃO.gov. distribuição de aplicações. pesquisa em memória primária e secundária. estados. modelo relacional. otimização.iepha. modelagem de análise.br www. multithreading. concorrência. projeto. manipulação de cursores.msn. modelo comportamental. Desenvolvimento cliente/servidor com os componentes de banco de dados da VCL. Análise e desenho orientados a objeto e UML: Conceitos de orientação a objetos.nupep. arquivos e fluxos.net/patrimonios http://www. São Paulo: Secretaria Municipal de Cultura/Departamento do Patrimônio Histórico. UML: diagramas de classes.br/textos/olhar/acoespatrimonio.geocities. (s. arquitetura da Visual Component Library (VCL).gov. Corporativa e Móvel. PL/SQL. tratamento de exceções.ig. TELLES. MANs e WANs) 15. modelagem: classes.or http://www. objetos do banco de dados Oracle. 10. persistência de dados. ciclo de vida dos projetos. estruturas de controle e dados.40 SEMINÁRIO INTERNACIONAL PRESERVAÇÃO: A Ética das Intervenções. projeto de banco de dados. Servlet.com.trembrasil. Delphi: Linguagem Object Pascal.br/ www.gov. 6. 9. classificação dos sistemas. linguagens OO. Tombamento e seu regime jurídico. processo de design de interação. estrutura de sistemas operacionais.minc. tratamento de exceções. Redes de computadores: Conceitos e fundamentos. atividades. concepção do sistema: análise de domínio e aplicação.Proteus Patrimônio Cultural http://www. processos. visões. implementação: modelagem da implementação. Anais do Seminário Preservação: A Ética das Intervenções. gerenciamento de projetos. avaliação de usabilidade de aplicações.descubraminas.org. PL/SQL e Oracle Developer: tipos e estruturas de dados em PL/SQL. 13. gestão dos recursos da informação.com.iphan. projeto de sistemas e classes. Java: Introdução à linguagem. Padrões de interoperabilidade de governo eletrônico: Especificação técnica dos componentes da e-ping.unesco.ferroviva. Segurança digital: fundamentos de segurança da informação. Tecnologia da informação: Conceitos e gestão. Gerenciamento de projetos: Características dos projetos. estados.br Núcleo de Pesquisa em Educação Patrimonial.br www. TOMBAMENTO E PARTICIPAÇÃO POPULAR. modelagem e desenvolvimento nos modelos de objetos. tecnologias de redes (LANs. EJB. Queiroz. ordenação. www. interação. 4. introdução aos bancos de dados relacionais. interconexão.estacoesferroviarias. programação orientada a objetos. 5. gerenciamento de dispositivos de armazenamento.br – Movimento de Preservação Ferroviária. testes de software. sistemas de entrada e saída. 1996: Belo Horizonte.com/baja/cliffs/5086/ferroloco/historialoco. Belo Horizonte: IEPHA. . São Paulo: Editora dos tribunais.msnw . SQL.com. Banco de dados: Gerenciamento de banco de dados. modelagem de dados. procedimentos e funções). JSP. Porto Alegre: Unidade Editorial. normalização.org. 14. sincronização entre processos. Sistemas gerenciadores de banco de dados (SGBD): Arquitetura do Oracle. Desenho de interação: Usabilidade.asp?id_municipio=107 www. engenharia de requisitos.br/DestinosTuristicos/hpg_municipio. alocação da CPU. modelo entidade relacionamento. Sistemas operacionais: Introdução aos sistemas operacionais. estruturas de sistemas computacionais. modelos de processo.mg. organização e troca de informações. 11. análise de eventos. Bens culturais e proteção jurídica.br/ http://www. arquitetura de aplicações Web. Algoritmos e estruturas de dados: Paradigmas de projeto de algoritmo.br/ http://groups. SOUZA FILHO. áreas e integração. recuperação.htm http://www.

Andrew.. CHIAVENATO. dinâmica de grupo. Treinamento e desenvolvimento de recursos humanos: como incrementar talentos na empresa.. 6. Sistemas operacionais modernos. Emilio T. Gestão de Pessoas: estratégias e integração organizacional. 1994. 4. Organização do trabalho e saúde do trabalhador.E. PRESSMAN. Psicologia do trabalho: saúde mental e trabalho. Shamkant B. Saúde ocupacional: qualidade de vida no trabalho. C. Comunicação nas organizações..R. KORTH.41 Bibliografia sugerida ABITEBOUL. Acompanhamento de pessoal: Processos de Avaliação de Desempenho e modelo de Gestão por Competências. Rio de Janeiro: Campus. tendências. NAVATHE. CHIAVENATO. L. Peter. aprendizado em equipes. 2nd edition. Serge. indicadores estratégicos de gestão de pessoas. Transtornos mentais e do comportamento relacionados ao trabalho. 8. 4. Mudança organizacional. treinamento à distância. Roger. São Paulo: Atlas. Preparação para aposentadoria 10. Morgan Kaufmann. Shamkant B. São Paulo: McGraw-Hill. Dan. Clima e Cultura Organizacionais: Motivação. 9. Joel S. edição americana. I. etapas do processo: diagnóstico de necessidades. PAULA FILHO. Elementos de formação de equipes eficazes. Software Engineering. Psicologia 1. Psicodinâmica do trabalho: contribuições da Escola Dejouriana à análise da relação prazer. Rio de Janeiro: Campus. 5. Ed. Alteração. métodos de seleção. 2000. 2006. execução e avaliação das atividades de treinamento. 15. ed. 1999. estresse. Wilson de Pádua. Ramez. CERI. G. Desenvolvimento e Acompanhamento de Pessoal: Conceito e objetivos do recrutamento e seleção. SUCIU. Liderança. TANENBAUM. PETERSON. Entrevista de saída. Makron Books. estratégica com foco na pessoa.. SOMMERVILLE. Segurança de redes em ambientes cooperativos. Proteção à maternidade. Keith W. 2. Competências: conceitos e instrumentos para a gestão de pessoas na empresa moderna. Pearson Brasil. BOOCH. 13. Programa de Estágio Bibliografia sugerida ARAUJO. BATINI. JAYET. Andrew. DATE. BUNEMAN. Organização Sindical. ergonomia. Larry L. DEJOURS.. 2006. 3. 2003. JACOBSON. recrutamento e seleção ontem e hoje: tendências. SUDARSAN. RUMBAUGH. BOOCH. Remuneração: funcional ou tradicional com foco no cargo.. ed. Conceptual database design: an entity-relationship approach. Qualidade de vida no trabalho 7. . NAKAMURA. Editora Futura. Pearson Brasil. sofrimento e trabalho. de GEUS. 1999... Carreiras: conceitos. Carlo. Abraham. São Paulo: Atlas. 14. 2005. I. 1999. 2003. métodos e padrões. 7. NAVATHE. Paulo L. Ian. J. Assédio moral no trabalho. JACOBSON. Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas: distinção entre treinamento. ed. Computer networks: a system approach. James F. 2003. J. 16. Férias. Desenvolvimento gerencial. Direito do Trabalho: Contrato Individual de Trabalho. Comportamentos organizacionais. I. TANENBAUM. DAVIE. Christophe. California: The Benjamin / Cummings Publishing Companhy. ROSS. Manuais de produtos diversos. Data on the Web: From Relations to Semistructured Data and XML. 11. Gestão de Pessoas. Introdução à Sistemas de Banco de Dados. ed. Rio de Janeiro: Campus/Elsevier. desenvolvimento e educação. ABDOUCHELI. ELSMARI. Duração do trabalho. ed. 2. novas tendências em treinamento: educação corporativa. 2. administração participativa. Engenharia de Software. São Paulo: Pearson Education do Brasil. Desenvolvimento Organizacional. os vínculos nas instituições. 1992. J. 6. Sistemas de Banco de Dados. Seleção. Unified Modeling Language Reference Manual Addison Wesley. interrupção e rescisão do Contrato de Trabalho.. SILBERSCHATZ.. São Paulo: Atlas. Elisabeth. tendências. The Unified Software Development Process Addison Wesley KUROSE. 3. Salário e remuneração. 2003. Bruce S. 12. Redes de computadores e a Internet: Uma abordagem top-down. RUMBAUGH. 5. Christian. vantagens. Engenharia de Software: fundamentos. Stefano. Rio de Janeiro: LTC. 2004. Acordos e Convenções Coletivas do Trabalho. Redes de computadores – tradução da 4. Henry. Readaptação e reabilitação profissional. Idalberto. Luis César G. limitações. DUTRA. S. suspensão. planejamento de carreiras ontem e hoje. Gestão de Pessoas e o Modelo de Competências: conceitos e abordagem metodológica. planejamento. redes de aprendizagem. G. ed. São Paulo: Atlas. Sistemas de Banco de Dados: fundamentos e aplicações. Rio de Janeiro: LTC. 2005. 2002.

MOTA. março 2005. 2004/2005. SILVA. 1989. J. Evilásio.662/93.cfess. São Paulo: SESC. Ricardo. O sentido do trabalho. IAMAMOTO. D. Lei Orgânica de Assistência Social. e IV. (org). Antônio C. 1996. LEITE. ZANELLI. p. restruturação produtiva e o processo de trabalho do Serviço Social. Conceitos e práticas complementares. Lei Federal 11. Qualidade de vida no trabalho e ergonomia.537/2009 Serviço Social 1. Domingos. Serviço Social e interdisciplinariedade. Revista Serviço Social e Sociedade. Martins de. II. (org). (org) A nova fábrica de consensos. A questão da interdisciplinariedade. São Paulo. 2001. 8. 2003. Edição. São Paulo: Saraiva. Petrópolis: Vozes.5-28. n.) A família contemporânea em debate. Rosângela.42 FRANÇA. Noções de Psicopatologia do trabalho. SALVADOR. Seção V. FRANCISCO. Revista Serviço Social e Sociedade. São Paulo: Editora Saraiva.2. Manual de Avaliação de projetos sociais. Alfred. Manual prático das relações trabalhistas. Revista Brasileira de Medicina Psicossomática. Maria Amália Faller.79-83. Osvaldo Gonçalves. 1994. Cleonice Silveira da. São Paulo. outubro de 1989. 8742 de dezembro de 1993. P. P. ROBBINS. BENJAMIN. São Paulo: Cortez. 2006. Administração de Recursos Humanos: do operacional ao estratégico. Martins de. p. p. LTr. BRASIL. Capítulos de livro SEVERINO. Jeanete L. 1993. julho 2003. Revista Serviço Social e Sociedade. 2000. Título VI. 53-68. IN: SÁ. 2005. 7. III e IV. (disponível em http://www. CARVALHO. Política Nacional de Assistência Social. Maria Tereza. inovações e desafios nas empresas brasileiras. Serviço Social e interdisciplinariedade. A entrevista de ajuda. Métodos e técnica de pesquisa social 6. J. Como elaborar projetos sociais? Porto Alegre: Tomo Editorial (Coleção Amencar). abordagens. V. 9. SÁ. Artigos de periódicos LA MACCHIA. FRITCH. Martins de. São Paulo: Pearson Prentice Hall: 2010. GIL. São Paulo.1. Scatigno S. 2003. Rio de Janeiro. observação. 69. Cláudia Salles Vilela.br – link Legislação) BRASIL. Comportamento Organizacional: teoria e prática no contexto brasileiro 14ª. José Francisco. diagnóstico social. C. Código de Ética do Assistente Social e Lei de Regulamentação da Profissão (lei 8. DA SILVA.2. Recursos Humanos: princípios e tendências.788/2008 e Decreto Municipal 13. Ana Elizabete. Especialização versus interdisciplinariedade: uma proposta alternativa. 2003. Ana Cristina Limongi. Implicações da reforma da Previdência sobre o mercado de trabalho. Programa de preparação para a aposentadoria. n. CLT atualizada – Capítulo II do Título II – Seções II. Antonio Joaquim. São Paulo. Ana Rojas e VILALE. Legislações CFESS – CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social. São Paulo: Artmed. LACOMBE. p 40-48. O mundo do trabalho. São Paulo: Cortez. Jeanete L. laços e políticas públicas. Políticas Públicas e o trabalho intersetorial. Lei n.. ROCHA. Subsídios para uma reflexão sobre novos caminhos da interdisciplinariedade. 2010. São Paulo: Cortez. ano XXIII. São Paulo: Cortez. Ângela L. (org. VIANNA. São Paulo. 5. 1995. Martins Fontes. plano. Capítulo III do Título III. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. Instrumentais de operacionalização da prática do serviço social: processo metodológico. São Paulo: Cortez. ANTUNES. ARMANI. São Paulo: Editora Saraiva. 2009. Eduardo. Qualidade de Vida no Trabalho: conceitos. Cortez. Capítulos I ao VII do Título IV. programa e projeto. Brasília. 2. A prática do serviço social: referências teórico-práticas. Maria Cecília de Souza (org) Pesquisa social. IN: SÁ. março 2002. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome. p. n. Cortez. entrevista. São Paulo: Atlas. Jeanete L. QUIRINO. Marilda Vilela. Aspectos socioculturais de um modo de adoecer: a somatização. Família: redes.7-36. MINAYO. Narbal e SOARES. . Bibliografia sugerida ACOSTA. 3. São Paulo: IEE/PUC SP. n. SÁ.org. H. Teoria. 3ª edição. Stephen et alli. Noções de ergonomia. 10. planejamento. MARINO. Revista Terceira Idade. n. Orientação para aposentadoria nas organizações de trabalho: construção de projetos para o pós-carreira. A prática profissional – desafios e ética. MARRAS. 1989. método e criatividade. Gestão de Pessoas: um enfoque nos papéis profissionais. Maria do Carmo Brant de. Cortez. São Paulo: Bointempo.81 – ano XXVI. 1999. 1997. O Serviço Social no campo do trabalho 4.74 – ano XXIV. Capítulo IV do Titulo II – Seções I. Capítulo II e Seção I do Capítulo III do Título V.

Doutorado na área de habilitação realizado em instituição de ensino reconhecida pelo MEC. com duração mínima de 360 (trezentos e sessenta) horas presenciais. ministrados por instituições reconhecidas pelo Ministério da Educação – MEC. 0.5 (um e meio) pontos Pontuação geral máxima Experiência Profissional na Habilitação/Especialização do Emprego Público inscrito.5 (meio) ponto por ano Curso de especialização lato SENSU na área de habilitação. 1 (um) ponto Até o máximo de 4.5 (um e meio) pontos 2 (dois) pontos ANEXO VII EXAMES MÉDICOS COMPLEMENTARES Hemograma Glicose Urina Rotina Acima de 45 anos: Eletrocardiograma .43 ANEXO VI AVALIAÇÃO DOS TÍTULOS TÍTULOS PONTOS Até o máximo de 1. Mestrado na área de habilitação realizado em instituição de ensino reconhecida pelo MEC.5 (quatro e meio) pontos 6 (seis) pontos 1.