You are on page 1of 5

Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Centro de Ciências da Saúde Bacharelado Interdisciplinar em Saúde Jorge Nihei

Biointeração

!"#$%!

Caso Cl&nico Nome' ()dias de So*+a (lves Júnior ,ata'!"-"!-!"#.

#/ Marcos era saudável até os sete anos de idade, quando sua mãe notou que ele havia ficado muito pálido. Ela também notou pequenas hemorragias (petéquias) na pele de seus braços e pernas e levou Marcos ao pediatra. pesar da palide! e das petéquias, o e"ame f#sico não mostrou nada incomum. $ pediatra solicitou e"ame de sangue, que revelou que Marcos estava muito an%mico. &ua hemoglobina era de ' g(dl (normal) *+,*- g(dl) e a contagem de plaquetas era de .+.+++(ul (normal) *-+.+++ / .++.+++(ul). &eus leuc0citos também estavam abai"o do normal. $ pediatra encaminhou Marcos a um hematologista para reali!ar uma bi0psia da medula 0ssea. bi0psia mostrou que a medula 0ssea de Marcos tinha poucas células, e que os eritr0citos, as plaquetas e os precursores de leuc0citos eram praticamente ine"istentes. 1oi diagnosticada uma anemia aplásica (depleção) idiopática (causa desconhecida). anemia aplásica é, em 2ltima inst3ncia, fatal, mas pode ser curada com um transplante de medula 0ssea bem sucedida. 1eli!mente, Marcos tinha um 45 id%ntico ao de seu irmão de ** anos, que poderia ser o doador da medula 0ssea. Marcos foi admitido no hospital infantil e recebeu tratamento com bussulfano (imunossupressor) para eliminar sua pr0pria medula 0ssea. Então ele recebeu . " *+ 6 células nucleadas de medula 0ssea por 7g de peso, obtidas do osso il#aco de seu irmão. Marcos recuperou,se bem nas tr%s semanas seguintes ao transplante e recebeu alta. Entretanto, no .89 dia ap0s o transplante. Ele foi readmitido no hospital com erupç:es cut3neas e diarréia aquosa, consistente com ;<4= aguda (=oença en"erto,versus, hospedeiro). >a admissão, ele tinha placas de erupç:es na sola dos pés e das mãos, no couro cabeludo e no pescoço. Ele não apresentava febre nem estava ictérico. &eus pulm:es estavam limpos e seus batimentos card#acos estavam normais. &eu baço e f#gado não estavam aumentados. Marcos foi tratado com corticoster0ides e drogas imunossupressoras tais como o tacrolimus. vermelhidão de sua pele diminuiu, mas os sintomas intestinais permaneceram e a diarréia tornou,se profusa. Ele apresentou sangramento difuso no c0lon e a colonoscopia mostrou uma ;<4= difusa no intestino grosso. Marcos foi tratado com corticoster0ides e in?eção a cada tr%s dias de anticorpo monoclonal anti,@=. (molécula na superf#cie das células A). Este tratamento causou um decréscimo da diarréia e do sangramento intestinal. terapia foi continuada semanalmente por dois meses e seus sintomas desapareceram por inteiro. Marcos recebeu alta com o tratamento continuo de bai"as doses de corticoster0ides ap0s seis meses de hospitali!ação por ;<4=. Buest:es) * / Bual a finalidade do tratamento com bussulfano logo antes do transplante da medulaC R0S12S3(' 1a!,se necessário o uso de Dussulfano, pois, mesmo em bai"os n#veis, o sistema imune de Marcos ainda era e"istente e portanto era preciso redu!ir a sua atividade ou efici%ncia, evitando assim uma resposta imune por parte do mesmo, re?eitando o 0rgão.

.mg(dl). que se mostrou em grande quantidade em seu organismo. Hma amostra de sangue foi colhida e suas células mononucleares do sangue periférico foram estimuladas em cultura para testar a função das células A. @ulturas do sangue e escarro foram negativas para bactérias..se que elas estavam bastante redu!idas.=B e 45 .se completamente. atua como molécula co..estimulat0ria no linf0cito A e >7.se o diagn0stico de defici%ncia a M4@ II. $s n#veis de Ig. s células A de 1ernanda responderam normalmente e proliferaram como esperado. Ela foi tratada com %"ito pela droga pentamidina e pareceu recuperar. diminuindo a ação da A sobre o hospedeiro.se que elas não e"pressavam M4@ II. nálise do => verificou que ela não e"pressa os hapl0tipos 45 .<4= de Marcos era necessário agir sobre as células A do seu 0rgão transplantado. no caso a medula doada por seu irmão. tendo sua mãe como doadora. $ uso de anticorpo monoclonal anti. o colocar um to"0ide tet3nico na cultura das células A. !/ 1ernanda era o segundo filho de um casal. havia a possibilidade de que as células do en"erto reconhecessem as células de Marcos como ant#genos e produ!isse uma resposta imune contra estas. Mariana obteve uma pneumonia bilateral por um agente agressor e"terno. mas o aspirado traqueal revelou presença de grande quantidade de Pneumocystis carinii.*8++ mg(dl). acompanhada de tosse produtiva e febre. mesmo tomando as precauç:es necessárias para que não houvesse uma re?eição do 0rgão transplantado. R0S12S3(' Marcos apresentou problemas em seu transplante pois.se de que 1ernanda sofresse de imunodefici%ncia severa. Buando se detectou que as células A de 1ernanda não respondiam ao estimulo ant#geno espec#fico. suas imunoglobulinas séricas foram mensuradas e detectou. =efici%ncia na e"pressão de 4apl0tipos do M4@ II. quando apresentou pneumonia bilateral. elas falharam em responder ao ant#geno. @omo a sua pneumGnica foi causada por um agente oportunista. Pneumocystis Carinii. e foram detectadas todas as células. F / =urante o tratamento com anticorpo monoclonal anti. lém de suas propriedades de adesão. $ @aso se Marcos se caracteri!ou como a =oença En"erto <ersus 4ospedeiro. través de uma amostra de sangue foi poss#vel quantificar as células nucleadas sangu#neas. =escreva o processo na qual as células A de Marcos foram eliminadasC R0S12S3(' Eara tratar a . eram de JK mg(dl (normais) K++.=L. Buest:es) * / Bual problema 1ernanda obteve logo aos seis meses de vidaC E qual foi o diagn0sticoC R0S12S3(' os seis meses de vida. menos os linf0citos A @=8.@=.F6+ mg(dl) e IgM eram de F+ mg(dl (normais) 8+. Eor que Marcos teve problemas no transplanteC E"plique. Hma cultura de suas células D foi reali!ada e verificou. Ig eram de K mg(dl (normais) K+. tétano e pertussis) aos dois meses de idade. $ diagn0stico de 1ernando foi Imunodefici%ncia &evera. seria para cessar o estimulo das células A pelas moléculas @=.Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Centro de Ciências da Saúde Bacharelado Interdisciplinar em Saúde Jorge Nihei .. 1ernanda foi submetida a transplante de medula 0ssea.F8. determinando. suspeitou.@=. @omo terapia. 1ernanda recebeu imuni!aç:es de rotina como a vacina oral da p0lio e =AE (difteria. e se desenvolveu bem até os seis meses de idade.

irmão mais velho de . line tinha *+ meses de idade quando apresentou um resfriado que durou mais de duas semanas. &ua contagem de leuc0citos estava muito elevada.Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Centro de Ciências da Saúde Bacharelado Interdisciplinar em Saúde Jorge Nihei . Buando line apresentou convuls:es. que foram tratadas com %"ito. F / Eor que foi reali!ado transplante de medula 0sseaC R0S12S3(' $ transplante de medula 0ssea se fe! necessário para que as novas células do doador possam e"pressar o comple"o M4@ II e para que ha?a uma produção de imunoglobulinas em n#veis normais. eosin0filos. @ulturas obtidas do nari!. pneumonia e pneumonia. E"ame de hemograma revelou quantidades normais de linf0citos A e D. &ua mãe observou que sua temperatura havia atingido 8*. Marcos. garganta e sangue apresentavam Haemophilus influenzae . s células que e"pressam o M4@ II são as células D. Ele respondeu bem ao antibi0tico e recebeu alta. por pneumonia. bas0filos e mon0citos. cerebro espinhal. dendr#ticas e . 8 / Buais células e"pressam M4@ IIC E qual a sua funçãoC R0S12S3(' macr0fagos. 1oram reali!adas culturas de sangue. Em todas as culturas foram observadas o crescimento de Haemophilus influenzae. e então ele voltou para casa recuperado. foi admitido no hospital quando tinha . Eaulo de F anos de idade também apresentava febre de F6. Aodos produ!iam quantidades normais de anticorpos. / Buais as implicaç:es da doença de 1ernandaC E"plique. 1oram reali!ados a dosagem de anticorpos espec#ficos ao to"oide tet3nico no sangue. line. Ele teve outras duas ocorr%ncias.'9 @. R0S12S3(' $ M4@ II é responsável por apresentar ant#genos e"tracelulares Ms células A @=8. garganta e fluido. >o *'9 dia de infecção do trato respirat0rio superior. Buando line morreu. neutr0filos. Aodos receberam as imuni!aç:es de rotina) dAE (difteria. para quais agentes patog%nicos o paciente seria suscept#velC Buais células e"pressam M4@ classe I C E qual sua funçãoC R0S12S3(' $ paciente seria suscet#vel a todos os pat0genos intracelulares. s células que e"pressam esse comple"o são todas as células nucleadas e a sua função é reconhecer ant#genos intracelulares e apresentá. ela ficou sonolenta e febril. pois não haverá o reconhecimento dos ant#genos. e foi verificado que havia concentraç:es normais. Buando há uma defici%ncia nesse comple"o.los aos linf0citos A @=D. Buest:es) . $/ 4 Eaulo e Maria cresceram e casaram na !ona rural de &anto ntonio de Nesus e tiveram tr%s filhos. o organismo fica mais suscet#vel a infecç:es constantes.* meses de idade.se de dor no ouvido e seu t#mpano estava avermelhado. tipo b. também. mas morreu a caminho do hospital./ &e fosse defici%ncia em M4@ classe I. Ele não se quei"ava de qualquer outra dor e nenhuma anormalidade foi detectada no e"ame f#sico. tétano e pertussis) e oral da p0lio. com meningite causada por &treptococcus pneumoniae. ela foi levada imediatamente para a emerg%ncia. Ele quei"ava.J9 @. tipo b. Ele foi readmitido no hospital em outras tr%s ocasi:es durante o ano seguinte devido a otite. >o hospital foi administrada ampicilina intravenosa por *+ dias. Eaulo e Marcos.anos. respectivamente.

@omo voc% e"plica issoC R0S12S3(' 5ui!. mas continuava tendo repetidas infecç:es nos ouvidos e pneumonias. seu pediatra solicitou um e"ame de imunoglobulinas séricas que apresentou F+ mg(dl de Ig. * . tipo b. a e"emplo.o suscet#vel a infecç:es constantes.6 meses de vida.*-+mg(dl). o IgM é um anticorpo que consegue se difundir pela placenta da mãe. uma enfermeira. esses n#veis de Imunoglobulina vão redu!indo fa!endo com que a pr0pria criança produ!a seus anticorpos. @om o passar dos primeiros meses. Haemophilus influenzae . 5ui! foi tratado com in?eç:es intramusculares mensais de imunoglobulinas e seus n#veis séricos de Ig. Ele teria problemas com infecç:esC R0S12S3(' >ão. F . cresceu e se desenvolveu normalmente. . Bual o problema de 5ui!C Bual o provável diagn0sticoC R0S12S3(' $ problema de 5ui! são infecç:es constantes e repetidas (a mesma infecção acometendo o indiv#duo mais de uma ve!). ele teve pneumonia e vários epis0dios de otite (inflamação do ouvido). nenhuma Ig (normal) -+. porque o adulto ?á teria uma resist%ncia constru#da contra as outras infecç:es apresentadas pelas crianças que ainda não constitu#ram uma mem0ria imunol0gica capa! de combater esses ant#genos./ 5ui! foi saudável nos seus primeiros K. 5ui! era uma criança ativa e inteligente que ganhou peso. . Essa infecção foi tratada com %"ito mediante uso de antibi0tico. Buais as implicaç:es imunol0gicas do resultado de dosagem de imunoglobulinas séricas de 5ui!C R0S12S3(' &uscetibilidade a infecç:es constantes e repetidas.Fmg(dl) e somente . passando a incorporar o sistema imune da criança.mg(dl de IgM (normal) '-. $ provável diagn0stico de 5ui! seria uma imunodefici%ncia primária. que resultou nas infecç:es recorrentesC R0S12S3(' $ provável problema seria a falta de imuni!ação contra a bactéria 4ID. >o ano seguinte. / @aso um adulto tivesse este problema.Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Centro de Ciências da Saúde Bacharelado Interdisciplinar em Saúde Jorge Nihei * / Bual o provável problema dos tr%s filhos de Maria e Eaulo. parecia que ele estava constantemente sob tratamento antibi0tico. os dois anos. recebe de sua mãe quantidades que anticorpos que constituem a primeira imunidade. é poss#vel notar que há um problema na constituição da mem0ria imunol0gica desta criança assim como n#veis séricos bai"os de Imunoglobulinas. . 5ui! foi saudável nos primeiros K. Ná o Ig é passado para a criança através do aleitamento materno. .6 meses de vida.++mg(dl. foram mantidos em . =essa forma.*-++mg(dl). o que não aconteceu com 5ui!. . (normal) K++. como toda criança nessa fase. mas para sua mãe.*. dei"ando.

>o terceiro dia. $s sintomas de >atalie persistiram. ?á que haveria constitu#do uma mem0ria imunol0gica sobre esse pat0geno. ela apresentava febre e tonsilas aumentadas e vermelhas. . &eu e"ame de sangue revelou n2meros anormais somente para linf0citos A @=6 e uma diminuição de células D. &ua garganta estava tão inchada que ela tinha dificuldade de engolir.Darr (ED<). seu pediatra notou uma faringite grave e pediu uma cultura da garganta para estreptococo / cultura foi negativa. >os dias seguintes sua febre aumentou e sua garganta piorou e ela ficou progressivamente mais cansada e anoré"ica. &eus linfonodos anteriores e posteriores do pescoço estavam inchados e doloridos (linfadenopatia).-+O das pessoas. espec#ficos ao caps#deo viral do Epstein. / Esta é a primeira ou a segunda ve! que ela se infecta pelo ED<C E"plique. . pois se ?á tivesse contato com o v#rus não apresentaria esses sintomas. F / Bual a principal célula envolvida na resposta imune a v#rusC R0S12S3(' @élulas A @=6. R0S12S3(' primeira ve!. =osagem de imunoglobulina revelou n#veis aumentados de IgM e Ig.anos quando subitamente desenvolveu uma intensa dor de garganta acompanhada por febre e mal estar. * / $ ED< infecta uma célula do &istema Imune. >o *+9 dia. Bual célula voc% acha que ela infectaC R0S12S3(' @élulas D e epiteliais. Ela disse não ter dificuldade de respirar.Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Centro de Ciências da Saúde Bacharelado Interdisciplinar em Saúde Jorge Nihei 5/ 4 >atalie era uma adolescente saudável de *. e ela não conseguia comer. o analisar os sintomas e dados de e"ames o clinico chegou ao diagn0stico de infecção por ED< que possui um per#odo de incubação de F+ / 8+ dias e causa doença em F+.