You are on page 1of 38

1

03

Geometria do Avião, Forças Aerodinâmicas
Prof. Diego Pablo

2

Geometria do Avião
- Asa - Hélice - Spinner - Carenagem da Roda - Roda - Trem de Pouso do Nariz / Bequilha - Trem de Pouso Principal - Trem de pouso - Fuselagem - Estabilizador Vertical ou Deriva - Estabilizador Horizontal - Profundor - Leme de Direção - Empenagem - Flape - Aileron

3

Geometria do Avião
- Asa - Hélice - Spinner - Carenagem da Roda - Roda - Trem de Pouso do Nariz / Bequilha - Trem de Pouso Principal - Trem de pouso - Fuselagem - Estabilizador Vertical ou Deriva - Estabilizador Horizontal - Profundor - Leme de Direção - Empenagem - Flape - Aileron

4 Geometria do Avião Freios Aerodinâmicos .

mas não produzem força útil ao voo Spinner Carenagem da Roda .5 Geometria do Avião Superfícies Aerodinâmicas: Produzem pequena resistência ao avanço.

6 Geometria do Avião Aerofólios: Produzem forças úteis ao voo Hélice. Estabilizador . Asa.

7 Geometria do Avião Elementos de uma Asa Bordo de fuga Corda Bordo de ataque Ponta da asa Raiz da asa .

8 Geometria do Avião Área da Asa .

9 Geometria do Avião Alongamento Envergadura b b² ou S CMG Corda Média Geométrica Área da Asa .

10 Geometria do Avião Perfil Perfil assimétrico Perfil simétrico .

11 Geometria do Avião Elementos de um Perfil Extradorso Linha de Curvatura Média Corda Intradorso Bordo de Fuga Bordo de Ataque .

12 Geometria do Avião Ângulo de Incidência Corda Ângulo de Incidência Eixo Longitudinal .

13 Geometria do Avião Diedro: Ângulo formado entre o plano da asa e o plano horizontal Diedro Positivo Diedro Diedro Negativo .

14 Geometria do Avião Enflechamento: Ângulo formado entre o eixo lateral e o bordo de ataque das asas Enflechamento Positivo Enflechamento Negativo .

15 Geometria do Avião Ângulo de Atitude: Ângulo entre o eixo longitudinal e a linha do horizonte Ângulo de Atitude Horizonte Indicador de Atitude ou Horizonte Artificial .

16 Forças Aerodinâmicas Resultante Aerodinâmica Maior velocidade Maior Pressão Dinâmica Menor Pressão Estática Resultante Aerodinâmica Vento Relativo Centro de Pressão Menor velocidade Menor Pressão Dinâmica Maior Pressão Estática .

17 Forças Aerodinâmicas Ângulo de Ataque Corda Vento Relativo α Ângulo de Ataque .

18 Forças Aerodinâmicas Ângulo de Ataque Perfil Assimétrico RA RA CP Avanço do Centro de Pressão CP Vento Relativo .

19 Forças Aerodinâmicas Ângulo de Ataque Perfil Simétrico RA RA CP CP Vento Relativo .

20 Forças Aerodinâmicas Sustentação e Arrasto L Vento Relativo RA D L = Lift = Sustentação D = Drag = Arrasto .

21 Forças Aerodinâmicas Sustentação e Ângulo de Ataque L L L L=0 Vento Relativo α>0 L=0 L=0 α=0 α<0 α=0 L α<0 L Vento Relativo α<0 Ângulo de Ataque de Sustentação Nula α < Ângulo de Ataque de Sustentação Nula .

22 Forças Aerodinâmicas Ângulo de Ataque Crítico Ultrapassado o Ângulo de Ataque Crítico Vento Relativo L máx Vento Relativo Turbilhonamento L D D Ângulo de Ataque Crítico Ângulo de Estol Ângulo de Sustentação Máxima Ângulo de Perda α > Ângulo de Ataque Crítico .

Velocidade .Área da Asa .Densidade do Ar .Ângulo de Ataque Sustentação depende de: .Densidade do Ar .Coeficiente de Sustentação Sustentação é proporcional a: .Quadrado da Velocidade . etc) .Coeficiente de Sustentação .Formato do Aerofólio (espessura.23 Forças Aerodinâmicas Fórmula da Sustentação Densidade do Ar Velocidade Coeficiente de Sustentação Sustentação 1 L= ρV²S C L 2 Área da Asa C L depende de: . curvatura.Área da Asa .

24 Forças Aerodinâmicas Arrasto Vento Relativo D Vento Relativo Vento Relativo D D .

Velocidade .Coeficiente de Arrasto Arrasto é proporcional a: .Área da Asa .Densidade do Ar .Ângulo de Ataque Arrasto depende de: . etc) .Quadrado da Velocidade .25 Forças Aerodinâmicas Fórmula do Arrasto Densidade do Ar Velocidade Coeficiente de Arrasto Arrasto 1 D= ρV²S C D 2 Área da Asa C D depende de: .Área da Asa .Densidade do Ar . curvatura.Coeficiente de Arrasto .Formato do Aerofólio (espessura.

26 Forças Aerodinâmicas Arrasto Induzido Baixa Pressão Baixa Pressão Alta Pressão Alta Pressão .

27 Forças Aerodinâmicas Arrasto Induzido Reduzindo os efeitos do Arrasto Induzido Alongamento Tanque de Ponta de Asa Quanto menor a velocidade. maior o arrasto induzido Winglets .

28 Forças Aerodinâmicas Arrasto Parasita: Arrasto do avião quando a sustentação é nula Dp = Arrasto Parasita Ângulo de Ataque de Sustentação Nula Área Plana Equivalente Vento Relativo Vento Relativo .

29 Exercícios .

30 Exercícios A superfície aerodinâmica é aquela que sempre produz: a) Pequena resistência ao avanço b) Grande resistência ao avanço c) Pequena resistência ao avanço e sustentação d) Pequena resistência ao avanço e reações úteis .

31 Exercícios A força de sustentação deve-se a: a) Diferença de pressão entre o extradorso e o intradorso da asa b) Movimento do ar na asa. tornando o avião mais leve que o ar c) Diferença entre a pressão dinâmica e a estática em torno da asa d) Impacto do ar contra a asa .

32 Exercícios O ângulo formado entre a corda e a trajetória chama-se: a) Ângulo de ataque b) Ângulo de incidência c) Ângulo de trajetória d) Ângulo de atitude .

33 Exercícios Assinalar a resposta errada: a) Centro de Pressão é o ponto de aplicação da resultante aerodinâmica b) Resultante aerodinâmica é a força resultante de todas as forças aerodinâmicas que agem numa asa c) Numa asa atuam a resultante aerodinâmica. a sustentação e o arrasto d) Sustentação é a componente da resultante aerodinâmica perpendicular à direção do vento relativo .

É correto afirmar que: a) A sustentação é a componente vertical da resultante aerodinâmica b) O arrasto é a componente paralela à direção do vento relativo c) A sustentação não pode ter valores negativos d) O arrasto pode ser positivo.34 Exercícios A resultante aerodinâmica é imaginariamente dividida em duas forças chamadas sustentação e arrasto. negativo ou nulo .

35 Exercícios O coeficiente de sustentação torna-se máximo no: a) Ângulo de sustentação nula b) Ângulo de ataque positivo c) Ângulo de estol d) Ângulo de ataque negativo .

anulando a sustentação .36 Exercícios O estol ocorre quando: a) A pressão deixa de aumentar no intradorso da asa b) O turbilhonamento no extradorso faz com que a sustentação diminua rapidamente c) A pressão no extradorso torna-se igual à do intradorso d) A velocidade do vento relativo cai a zero.

temos as seguintes condições: a) CL máximo e o CD mínimo b) CL mínimo e o CD máximo c) CL máximo e o CD máximo d) CL mínimo e o CD mínimo .37 Exercícios Quando um aerofólio atinge o ângulo de ataque crítico.

38 Exercícios A resistência ao avanço induzido é produzida pelo: a) Avanço do perfil b) Formato do perfil c) Atrito com o ar d) Turbilhonamento na ponta da asa .