MINrsrÉRIo PúBLIco FEDER

AI-

PRocuRÀDoRrA DA RËPúBUC{ No MUNCÍPIO DE Foz Do IcuAÇu/PR

éÈ'

fo\

2,

k

?

\e)^ PORTARIA DE INSTAURACÃO DE INQUÉRITO CIVIL N. 00 09 /2008/l/lPF/PRM FOZ

ReÍ. : Procedimento Administrativo MPF/PRI\,1/FyPR 1 25 0o3 006227l2oo7'99

O Nilìnistério Público Federal, por meio do Procurador da Rêpública signatário, no uso de suas atribuiqóes constitucionais (aft. 127 e 129, ll e lll, da CRFB) e legais (art. 6€ Vll, b, e 70, l, da Lei Complementar n.o 75193) vem
instaurar o oresente inquérito civil, nos termos do art. 40, ll, e an. 50,
Resoluçao CSMPF n.o 87106.

lV, ambos da

Objeto

O objelo do presenle inquérito é a tutela do direiÌo coleÌivo

ao meio ambiente ecologicamenÌe equilibrado, com foco na consÍuçáo da segunda ponte internacional sobre

o Rio

Paraná, na regiâo do Marco das Três Fronteiras,

divisa entre

o

Município

de Foz do

lguaçu/Brasll

ea

cidade PresÌdente

Franco/Paraguaì.

O local para a construçáo da segunda ponte internacional

e a escolha do modêìo de integraÉo entre Brasil e Paraguai está engÌobado no mérito do ato administrativo; desse modo, busca-se analisar a legalìdade do ato,
prÌncipalmente sob o viés do meio ambienÌe, do patrirnônio histórico, do paÌrimônio público e do direito coleiivo a servÌços de fronteira aduaneiro, vigilância sanilaria, segurança

pública.

-

controle migratório, controle

/./
,/

O despacho deÍls.2351248 fornece quadro conpley/das
inÍormaÇóes já angariadas bem como das providências já

encetadas.

L/

MrNrsrÉRÌo PúBLIco FEDEB,{I
PRocriRADoNA DA Rr?úBUcÁ No MLNCÍpro DE Foz Do IcuAÇu/PR

Providências

Nos termos do art. 40, ll, e art. 50, I à lV, ambos da Resolução CSN,4PF n.o 8206, autue-se a presenÌe portaria e os documentos em
referência, eÍeÌuando-se os devidos registros nos sistemas Íuncionais. Após, adotêm-se as seguintes providências:

a) OÍicÌar, êm

cumprimento

ao disposÌo no art. 60

da

Resoluçáo CSI\.4PF n.o 87106, à 4a Câmara de Coordenaçáo e Reviúo, ciêntiïìcando-a

da ìnstauraçáo do presente inquérÌto civiì, com o envio de cópia desta portaria;

b)
expedidos.

Aguarde-se

a

vinda das respostas aos oÍícios já

Foz do lguaçu, 20 de junho de 2008.
/l

Ãlexandre Collarôs Berbôse
Procurador da República

,/

/

,''

PRM/FtlPth/1.25.003

FOZ DO ÌGUAÇU, 18 DË r4ÂRÇO DE 2.007

20y/r228

c^'{ffi#,s,,," :NILSO RAFAGNIN (Á^t tcz tt , '. PARA: DR ALEXANDRÌ PORCÚNCULA. EXCELËNTÌSSMO SENHOR PROCT]R{DOR GERAL DA TINIÃO DA
DE
REPIJBLICA FEDERATIVA DO BR-{SÏL
ASSUNTO:

,

tq á ,a'

0t

PORTOS DE CARGA EM ÁREA TURÍSTICA O SEGI]NDA PONTE BR.PY
RespeitosaÍDe[te veúo junto a Vos6a Excelêtcia expor as seguintes cot.rsiderações.
1. úNtala-se cada vez mais atividades portuiidas de carga nos rios ]guaçu e paraná

n"o^ A

\,.:*/
julto

aos n1arcos Íìonteiriços brasileiro e paraguaio uos rnunicipios de Foz do Iguaçu(BR) e

PÍesidente Franco(PY); atividades completamente il1compativeis com a vocaçào türistica do lugar, iuaceitávei do polto de vista ambiental, ulúa vez qu€ existe anpla possibilidade de iostalação desse tìpo de atividade em outÌas áreas desses nunicipios, seü que se conìprometa um dos ceuários do maior iDteresse paisagistico, listóricogeográfico e turistico nacionais da AR-BR-PY.

2. Segundo matérias jornalisticas, em principio, os govemos do BR e py pretendenì construiÍ a Segunda Ponte entre Foz do Iguaçu(BR) e presideúe Fra[co@y), l1a região do Porto Meira, justo na área de influêlcia direta dos Três Marcos de Fronteiias da AR_ BR-PY, o que criará um processo de afunilamento urbano, olde se levará todo o tráfeso pesado para a área central do..Pólo Turíslico Internacionâl do Iguassu", região eía coÍÌstituída pela Resolução 4Il 97 do Grupo Mercado Comum no Mercosul, junto a um dos.nìais inlporta{tes sitios de lossa região, existindo um amplo território dispo[ivel de vazios urbanos ao norte do municlpio de Foz do Iguaçu para inplantar a refe;ida ponte,
desviando do centro, sçm causar maleficios ao nosso potencial Íutístico regional.

3 A rápida ação do Miuistério Público Federal neçessária. teldo em vista o inurelìte velcimento do prazo úo dia 22 de maÍço de 2.007 pala a deÍirÌição do projeto de e[geúaria para a 2". Ponte BR-PY preterdido pelo DMT, segundo matéria jãrnalística óa ('iazeta do Po1'o de Curitiba - pR do dia L0 de março de -.00;, cópia em anexo, já
ao patrimôrÌio da União. Somado a que o projeto vencedor seÍá remunerado a valor superior a R$ 4 Ìrllhôes de reais, passivel de ser requerido sua nulidade.
4,Corsiderando, ainda, o pedìdo de Licença prâ,ia feito pelo DNIT Depadanelto Nacional de IÍfra-Estrutura ao IBA_ì-{ Instituto Brasiieiro de Meio Ánbiente e Recursos Naturais Renováveis objetivando deselvolver os prcjetos de infia-estrutura de acesso que inclui os ceúros de fronteira para a construção da 2n. ponte BR_py entre Foz do lguaçu@R) e Presidente FÍa[co(PY) couforme matérìa jornalistiça do jomal local "A Gazeta do lguaçu" do dia 06 de março de 2.007, em arexo.
que além dos argumentos aprese[tados rlos itëns acima, representará dá0os irreparáveis

-

5. Que en reunião com o pÍesidente do COMTTIR - Conselho de Turismo de Foz do lguaçu e alguns membros. após consultâlos, nos afirmamrtÌ descon]Ìecer a masnitude dos inìpactos negativos que a localização dos portos fluviais e a 2". ponte na ãrea de itúuâlcia direta dos Três Marcos de Fro[teiÍa da AR-BR-py, edre Foz do Iguaçu(BR) e Presidente Fra[co(PY) provocariam na atìvidade do tÌlrismo regional, convo-catdo_nos pata apres€ltar a exposição de nìotivos e nossas eveltuais propostas alteiìativas na teunião ordinária do Conselho no dia 22 deste més. Na reunião nos infonrraran descorúecer o lugar da nova poüte, nunca debatido especificamelúe ali, o que fere Aontallnente Lei 10.25 7, de 10 de julho de 2001 que definìu nosso Estatuto da Cidade.

/,

A,

vimos para tanlo junto ao nosso mrnistérìo público Ìlrqucler:

REQUERIMEMOS:
1. Nulidâde imediata do processo licitatório do proÌeto paÌa construção da 2". poúe enüc Foz do

Igüaçu(BR) e Pr€siderte Franco(PY) eú raáo dos grales riscos e danos iffeparáveis ao meio ambiente. à aúvidade turistica- a economia regional e ao patdmôrrio da União.

2. Por precaução. a suspensâo antecipadâ da Licença Previa que veDla colceder o IBAMA Instituto Brasil€iro do Meio Ambiente e RecuÍsos Reno

áleis ao DNIT para a coústruÉo da 2^. Ponte etrtre Foz do Iguaçu(BR) e PÍesidente Fnnco(PY) ou a nulidade da Licença Prévia
eventualmente.iá concedida.

3. Que de imediâto. o govemo brasileúo promova coÍl o gorerno parrguaio os estudos pert$entes à implaffâção do pÍojeto da 2". Ponte BR-PY entre Foz do Iguaçu(BR) e Hernarüáfias(PY). visando a construção de um ',4ncl l'iarío ddN TIês Frcnteins . Ou âlteúaürâmente entre Foz do Ìguaçü(BR) e Ciudad del Este(BR) - Ver €studos Íealizãdos. O anel proposto pelo "MovimeÍIto Iguassu - Teffâ GuaÍaÂi" coDtoma. iutegra e pÍotege o meio Âmbiente da Região Tri-nacìoÍ!Âl- hìemrquizando todos os sistcmas de trânspoíc intm-regìonal e eÍra-regioDal tÍansformando-a no -Maior Centro Logistico e Turistico da A.$érica do Sü1" como propõe o PROJETO AGUÂS GRANDES. projeto que vem sendo apÍesentado e debatido iunto à sociedade civil e âutordades das tÍês fÍonteiÌâs desde 1.988. conformè registÍos eÍÌ ane\o. principalmetrte pelo fato que se preë Da Íegjão a constnÌção da 1". Ponte AR-PY entÍe Puerto lgrrâzu(AR) e PÍeside!ìte Franco(P\-)- coDfonne dèrnonsüâ oópia matéria jomal ABC Color do 13 de âbril d€ 2.005- em Âne\o. Faltardo ía progÍarnação oficial uÂican€nte a 2". poote BR-AR paÍa fechameÀto do "Anel ViiiÌio' proposto. lcando para o firturo.
4. Que o governo bmsiÌeiro retome e conclüa imediatamente a plogrâlìrâção da construção da PeÍinetral Leste em Foz do Iguaçu(BR) que visa o desvio do tráfego pesado em direção à Poúte dâ Fràtemidade(BR-AR). sÈm levar o tÌáfego dÈ câmiúões ao Eixo Turisüco Princrpâl. nâ A!.enida das Cataratas- na BR 469.
5. At.avés dos mgcarismos adequados. o Midstério Público Federal gestioDe de folma ulgente junto aos gol'eíoos brasileiÍo e paraguaio o Íeposiciondneoto dos Portos Fluviais de carga do Rio lguaçü no Porto Meira em Foz do Iguaçu-PR(BR) e o Termiúl Portuiirio Três Fronteúas em Ciudad Presidente Frãnco(PY). 6. Que os Municipìos e Estados PaÍe se riarifestem oficiâlme[te sobÍe o inteÍesse de realizar o PROJErO AGUAS GR-4NDES. Íegistrado no CartóÍio Estei es SaDtos de Foz do lguaçuPR(BR) em 19 de outubro de 2.001. em especial 0 construçõo do "Anel Viá{io" e a co$tituição dos Três Parques Ajnbientais do 'Complerio Turistrco Cultural € de LazeÌ lntegrado das Três Frontciras da ÂR-BR-PY" incluindo-os na agenda do MeÍcosuÌ. 7, Propõe-se coDvocaÌ paÍâ o dia 26 de nurço de 2.007. adlersáflo do Mercosul. a sociedade oÌgaruzxdô. luBtamente com as autoÍidades do poder legislativo. executivo. judiciirrio e ministério público da "REGIAO INTERNACIONAL DO IGU,{SSU"- Ìodos os que possam

cr\rl

estar presentes. cü\:ol!:endo os münicipios e estados paítes da AR-BR-PY. regiào essa coììstituida pela resoÌuçâo 4ll 97 do Grupo MeÍcâdo ComÌÌÌÌ do Mercosul compÍeendida pelos münicipios de HERNANDARIAS. CIUDAD DEL ESTE. PRESIDENTE FRANCO e MINGA GUAZU no Paraguai - P1JERTO IGUAZU. PUERTO ESPERANZA. PUERTO LIBERTAD e WANDA na Argentim - e FOZ DO IGUAÇU no Brasil. para rc HoteÌ SturióÀ pró\imo Jo N,Íarco Frorteiíiço AÌgeúino. às 9:00 hs(AR). a l'. Reunião de debates sobÍe o Estatuto Juridico
proposto paÍa a constituição da Entidade de Trirìacional. que seó. de comurn acordo. a o 'Desenvoh'incnto RegioDal Integmdo e S

vel pcla implaiÌtação da infÉ-estrufura pam da Regiio Intemacional do lglassu '

Á\-.

JÉ r3r9-ADro

2Í-

ârista Nilso
râiìh.br,?ÌrlÌonnail.cotrì

; (0.15) 9135 .l{l0o(C€l-) e (0.15) 3027 l90.r(Coe,) -

- RG 967.001-7

-1.!ìrì9s FoÍocópia de ndúiusjontoli!.titüs, ,cha Ucni.a do PROETO AGUÁS GRANDES ë deêlsruçao dc i'úercsse d( comu itude Ic urílaitctos, cttpills dè ptotocolos junto u óìgao6 públicos a !ìtìda.Ls, rcsolt ções, rcgisnot e docutt .túos, noLlo ílë rclt!.êncifl, rclc&\e e cotwôcuçiio paru d.büe e$üt!!o.

í

FRoNTEIRAt oBRAVAIDEsaFoGAR TúNslÍo

NÁ poNTE

DÀÂMtzaoE

es.no
rozDoÌeu çu - AS EMTRESÀS QnD CoNCOnÌIM NÀ UCnA çÁo prÌaclaDorâr o p'ojoro dc cnsÒÌlrarjè da scstr a po.te soLre o Ìio Parâná,lisaÍdo o
ao Parasuai. tutregarão prcposlas n0 prórlho dia 22 eúl B.8iliâ Á oüÍa. asüardada há naÁ dc rmdé.a,Ìa, d.vc,á ati

üa22
1iÍl3s :s

INVÈsÌIMENÌtr

el.Fs slriì cDr.luíhs

Ìo pru o rÌcvhlo,

Bnsil

s

R$

tzo
*e.üóo

a3 ohÌ{s drv. riocomçaÌ Msesurla múadc

MILHOES

i.f

a pd'r Ls rodo

viao trârsito

dc reicdos €rFtêi te hojcüa Po e da Aniãdq que üga tôz do Ìsuçú a ciuddd det

reb de êi9euhãrià á

'ìo dÈcído5 ú n.,giao ocís dÌ trn oLÍa mdoíorDvit imúÍr
liírda ão rdnúl dâ !ìÍocstc, 4m Creavel lüas hrveiÌ ÉsisLaicia por |a.le do govêmo brasìlciro jí
que

irt€rcs.

liina,

aJasaÌ

liirÌarças

.

Èsk, inìpulsionil'lo

a ecoDoÌniâ

úo

há termliÁ

iotâd,,!,trr

IÍicialÌtreÌr1ê, as proposras sciâ'n crtÌogLcs ú diâ B d. jdeiD .s o pra! IoipÌomqà
,io

gtrâio e eft |oz do

porqr

4 úopass alesd;n

r30 dias |ara a chhoÍaçío do ptuleto No edìtaÌ âiìda coís
zo dc

xürúÌià

lsuçl,

o .ÌÌ

.

oscL{rsdopmjct!

dúvidas em reiação ao êdi3l.
Scsx!.ro o Departdênto Nadio

tan aÌgm4 cá.acteristicas

Iì.ivìÌidjcaÉo a úsx {li Ír teira, o p'!eto dâ yÂtrDdâ pôntc

da

liiElomadoc

lal

de l'Íra.IslÍtrtura dô poÌ1c IDiitl. o atrúú da êfrpre. e vflicedoh Íelto aÉs ura ávaljaçâô de tada p@poís Depois desta otápa o Drit íhúá

Ìrc.

pdntq I7 35 motros de tarsx.a _ @h dus raiÌâsde tutmofo co,.
3,ó

i

2004 c

âru,Ìrcr

e3ú
çô6

met'G , accLmÌs
dc pèd6tres e
âLé a

ò

de 14 {0 qdlônDtros, úlchúdo ìjAa

ace

os,

p6.

mva [.itaçâo, pda conlJâ tâÍ oúra enpre. quê 6caáÌes p.rúvelpelã qe.uçáo dá obra.

üa

dteNáo de p.lo n.nos
no

BR.z77. Avia tcráúnÂ

io ÌÌosÌâ'na dc do creimetrlo tP^q ^celcrâçáo do a!yê.ro Ícd.rat viá ser; .oìstÍrida a pâí; ^ do [anÍ, Ibrro ri.kâ, em rì' do tBnâai.
te cstá inclúi.lo

ilé

745 mêLÍos. Aindâ cíá Frcvistá a .onslÌtrEão trma aduãna ro lído bÌasìÌoito 'le e u'na
1do

'ìuìi.ipìo FÍaÌo. iô tàraÂuâj. úírlrr a cirLdãd del Esre. Lsltírli!is Íri
.iais üìdìaD qre o vaÌar di obn será dc Dslo nnos r:{r nÌillr ôcs, r,gos tÌ | solcmo tÍi si Ìeis conÍome acordo Ísito coÌn

o

de PÍesidc'

.

suio, âÌân de.spaços para ã
ÌÌücn
?

E*

pr

à^qô 4r Nàornrr Ll. vf. htr'ã Sar rn.r l,^nvsÀl Cr:o

Fedüãt, a Recsitâ IedeEI

õNRE,à ÌERçA
FE

IRÂ, ó OE MARCO DE 2OO7 PÁGINA

3

]tlinistÉriu descarla bimodalidade da 2a pulì
CheÍe da Assessoria lnteruacional diz que Íerrovia triplicaria valor de construcão Nelson Figueira da bìmodalidude paÍa a região
Fotô: BÒbsÕn Meircles

O MìnisréÍio dos TrrìnsÌror
tes

Mrria Ì,úcia Íefo.çou a in-, ÍorÌnâção dc que I cstrulUÍa
-

ãesii'Lo"ãG""
in

Ue a segurdr lìo,rÌe elJrç Erts!1-p-lsls-suai ser rodof cl1o-

lide

--.*iilì'i,
1râ

v_l!ai{ A

ldÌì.]çio,

conr râ-

mão do qLre descjânr âlgumas

lì-

deranças, cnipresários e dirclo,

foisrìbstituídopeloatüal fir, tnrdo enr 2005 "pois dx Ììa, - sido neirâ como linhr assinâd
há scte dnos a obra seriâ

iniaicl ent r os fJ

\e\

Je 2lrUU,

.

veículos que tÍrlcgrrn entre as fronteiÍas te.ia demonsrrado que â empreìtada não seÍir arra, tivâ à iniciativa privâda urnâ vez qte a pon!e seriâ pedagia,

-

declarâção dâ ass€ssoü. onlem, portelefone, coÌoou uúh série de interpelaçóes que a ca,
zetâ doÌguâçu tem f€ilonosentidodeobteÍ ìnformações do Mi-

A

da. ô o Dnecadado

rloseri. lu-

crativo. "Por isso o acordo foì
refeilo c o governo brâsileiro assunliu o corÌprcmisso de cons-

Seg nda t,onte dewrá ter

u

seúido

de

nislério dos Transportes. Erlre
as questões levadâs até a pâsta,

oposlo ao da PonÍe da Antizade

tlt$o

por meio de sua âssessoria de
comuniciìção, está a publìcação de un aliso de Ìicença na edição do Diírio OliciâÌ da União de l3 de lèlereìÍo.

deo pedidopìrblÌcado no Carta de Foz oficial não âpenas envolver lnformâda sobre a Porte dâ Amìzade e a rduana "CaÍrâ de Foz" fi rmxdr drReceirJ Fc,ler!l rrr.rrmb{n por Ldcr r.r!rs tJtr.ic,. c
o Je Jrr rb.llu rpJrcíìLr"- :
gação entre Foz e PueÍo

óÍgão a
Frân-

.u!l-!99!!tdiÌ!r19iq1'"-Prs: \il e Prrrgu3i reÌa ilenJs u!Ì
sentrdo de ilu.(o, pas(Jndo

Estudos ini! r,rLs JnontJnl

r

-

ell,re.lr!rsJrBrJsitepl

Jlurr em corrLnto corn 1 PL 'rrÊ dr Amizadc com o rÌi.q;ro,ii, reìlõ n a-ãõìc-iõ íiÌ ìilõìi,iislo.

No texto, o Deprrt0ììcniq Nrc u tul Jc lnlr:ì-EíruLLrÍJ dc
'I rrrìsDoItes íDNll'r tôn)Õ1, n,l Dlrco cruc rcoucrcú rô lIslirIr.

cosejâÍodoleüoviáriâ.Ìnicial, pêctivos presìdêntcs, nìerìLc, o Minislério dos Trlns, rnostralldo ! ìrìo,Ìrin{ìir
podes inlornìou que se lrâlava de urnâ ouúâ obra. Após ttsis lrc, in crlm. oq,

raguâi e djrjgida ros rcs

Iq-uç16yq1

qn"inmdrl.

-

reÌá após c0nclu.siò ilo!rojeLo bíslco dc crScÌrhrìriá.

ffiTÌ"i'.ìi:'fiE1fiL.ffii:ì;.

r

FiÌÍA5T:ìÌ-da du I lia;ìç.o dn I lì 277lPR. ntcho I'onles0br€ o Iìio EììbogLÌrìçü FtunrciÍr Bnsil Paüìsuai (PonLc dâ AnÌizade) subtrecho Aduan Foz do Ìgu.Ì, FÍonteim Brasil/ PrÍâguai çu (PonLc da Arnizr.le). nosesÌrcn-

e

\niu no

Diln ()

Ollcirl

c tenho a

irlornÌÌr

-

que (o lexlo) serÍ revìsto, poi não eslÍ corleto. Não ó sobre Rio Enrboguaçu (conro consra

-

noDOU). EsobreoRio Pâmná, para construção da segundâ ponle. e já licou decidìdo q

':tá.'999I!s9]geeg*
. dos centros dc

lìonteim Bl

Õ

CoÌnissão M ista B rasilcim I'â11Ì gurìi que tralr do proieio, a âs-

sessorr comDlemedÌr agjjs_qql|q9-d!.4! r!4o!t,l9

2?fDR-ç3!I? llPf
daSilvr.

". A nora é

Lrulurr nio seri
uue

n,,.. .\ binìorlil ,ol

assinada pelo diretor-eeral do

llii unl la00 rì,ìo LenÌ lefl ovrr s-qs-uJils]e!1b.!!utës^p_p!ueiDulLnente DoÍaue o Drcco tripL crÍrJ e es(r ponre ecra scfd(J

Equívocos
En(re os questìonaìÌentos
leitos pelâ cquipe esta!a o fato çdo dos acessos do lâdo pam-

El agua contribuye al desarrolkt rlel Paragutty, aÍirìnó ayt el enbajador argetlíitlo Félix Cónla').1 llayato. S,úaÌ,' .1r', Pnr,,qt',tv r, lr Ku\a d.I utttLt . l,,tquc t;attc,1,): tcl'r. ras li,Jtr(l,, trì, or bítrtrcìonales y una en ctunìrn (proyecto Corpus con

tl,,{-

Arge

íiúd).

!!sM

í&#
-i
EntÌèvista dê Pãblo
. .1!Ác,c!.u!
G

El agua contribuye a! desarroËlo del

Faraguay, aÍirma embaiaãor Górdovm
qÀÍ À húru de .unÍo,,iô, Lle eÌ "e DtrrÀrte um viliri r trueíiÍ redr.ìnn, in, snrióe h necesidd ,lc poìcncìâ. las ncs nonÌÈks irÍcsnd.! por PrmÂuRy, AF

E!

CóÍdovr Ìvloyrm con.lrJc eee vier qL n,i\,; d0 h[\ Èn l,r rsLiy

uèÌre.o

EIEJ]

üd!i!!, ì1jll!.lr!lb,

' arl !\h!nlç ,! der^r-rI ! ,!,Iq1qì1ì\ !tr \ú!ìo qlelir fcn,rr y nôsÍír deb8,n$ cnrend.r otr! ( ic ,EdG4&FUElA-iLi.rrip;úi";
r_!aatr4r, re

-Nú , qtcJ l!tr,1! rf,

l::-!r4*rlrci!úÃ!a+!i' .
ii''ì t
e

CiLlrmetro.ubtrurlcu!ues
el

tr L

!r,i

Ìicr'ilo l. rpus !,rn

trrút,,.tprorecl,' hirhr

,

r,' Irran.tl

!{rin hri.rdo eÍudios g.orécni.os en Ìazooa Dajr firrr
.Òn nìüchx
Se

Es hiio (ìc Yrcy.srá

nrüìsiúJ

vr rhl: Ì I

.r

ÌltcgÍâción y Mejorâs de lâ.Edncación Universirariâ del MERCOSÌlìÌ
tte
rrìviÍdN plcs
dcnres dc Ììs Asocirciorcs dc {Jniversìdid!s rÌtvâdâs dcl

N..ras estrat"glas

rLÌ[rÌ..r.íf.n dc c,,F$zí,ifÍo - I,cn, nry r$lírtrcjr ol proyccto
Ì,roÌin.iadoMisiones,
Pârtr

ên Ìâ

- Ení . I .!p.Ía
-

i,ipulrï uì

ilìrr rr ronosrum! d€ obrtrsl - sÍ. ! mo rôro n.d c tros r r.,l quc \irÌ: i hx.cr coÍtìr1. n (E,o
qu.

Yrc\rcLiL,rcnìnxÍ ms|trx,. mctlii.Lnìb -nre ,;{r0ì lìri dir.n) sc fin!.rixr:i,l l,xrrrìr{fro\ rtr rtrsrn.nlto itr trs rr! o.
. li M,) pr\tú0 r\ c,,.i1,r,. r.. tl Rrrlì \ n,rlìrLRi.l\r t,idicroÌ: irì.r d. lrro ltrLr,Ì,cÍqx,,tr t)$iÍ,ìlf ítìll)l J) rritrrrrs lAhsi:\. rrr Drtr paiiìrq\,rn ( c uDis lrst ?0 í)r)rrn L (ì di pii\ n n dÈ! r ìrr.orÍrlrÌ6 r 1 !.1

í'icN,lÌi,r cjtu rrctrí,vccú, oi t,,trrr cDrjL'r. Dl BID üì\ li úì Í0Ìtri ,lr

fi61

r:r,ir.

hs e s.. rytr ô, ê uÊrir úò, p, úú. i. efd',iicfresú eu^4dde Mal
L

iiieli1 ladcDis ) c j"r. dcÍi: ". shr{3l!\tìrqtrciúr 'nís$fiíi.i
ei

.

LLAn+? g.l. lìr.s"gfi o",6 '

*

3.QEo-

&EIa,St{'FmYryffi

EL

Dt^Rt0

CorúntTo

1.1tr

fi8r4

Notícias Ambientãis
Terminal fluvial no Rlo Iguaçu tem 3utorlzaçáo lnlciar ob.as

Brasília (25108/05) - A empresa ontem do lbama. a licenca oue
Paraná.

rminâ

uvìal do Ri! Ìquaçu, no

O têrminal, const'tuído de dois berços, será construíd; em Porto Ìeira, município de Foz do Iguaçu/PR. No Berço I será fêita a importação e no IÌ a exportôção de granéis sólidos, como trigo e soja, Durânte a implantação da obra, a empresa deverá reaiizar duas coletas pala monitoramênto dê qualidade da água do Ìguaçu paË análise de sêu pH, temperâtura, cor e coliformes fecais, entre outros,
A licença de instalação também exiqe a implantação de proqramas ambientais de monitoramento da fauna terrestre e da ictiofauna (peìxes), de recomposição da vegetação no local, apoio aos moradores do entorno e de segìrrança no trabalho.

das condicionantes, por omissão de ínformação relevante por parte do empreendedor ou em caso de graves riscos ambìentais e de saúde.

O d_ggllognlo vale por 5 ãnos,. a partir de sua publicação, e depende do cumprimento das condicionantes descritas na licença, Porém, a autarquia esclarece que, mediante decìsão motivada, o lbama poderá cancêlaÍ a licença em caso de vìolação ou inadequação de quaisquer

Telma Peixoto Ascom/Sede

http://www.ibama.gov.br/novo_ibarua,/paginas/mateda.php?id

arq=3088

8/3/2007

FICHA TÉCNICA DO PROJETO 'ÁGUAS GRANDES'

MARco LóGIco DA INTEGRAçÃo E Do DEsENvoLvIMENTo sUsTENTÁvEL DA REGúO DO PóLO TURÍSÏICO INTERNACIONAL DO TGUASSU . AR-BR-PY 2006/201O

7.
2, 3.

PROJETO NA

O1

TÍTULO
ÁRÊÀ ÌEMÁÍICA
e

PROJETO "ÁGUAS GRANDES".

tnfra-Estrutura para o Desenvolvimênto EconômÌco do Turasmo, Comércio, Indústria Prestação de Serviços no âmbito da Região Internacional do Iguassu.
ÁREA A sER ATTNGIDA

Do ponto dê vÌsta espacial, o projeto abrange toda a Região do..pólo Túristico Internacionaì do Iguassu" constituída juridicamente pela resoludo 4f/97 dô cMC Grupo Mercado Comum no lercosuì, abrangendo um circulo de ralo médio variável entre 15km e 30 Km â pârtir do poíito de confluência dos Rios Iguaçu e paraná junto
aos três marcos de frcnteiras da Argentina, Brasil e paraguai, âlcançando as prcvínciâ de Missiones(AR), o Estado do Paraná(8R) e o Departamento do Alto paraná(py).

4.

DESCRIçÃO GERAL O Projeto "Águas Grandes" paÍa essa regÍão caracteriza-se como uma proposta para Lrm Plâno paË Desenvolvimento lntegrado Composto poÍ Cinco Dimensões FundamentaÌs da Sustentãbiljlidade: A) Ambjental; B) Social; C) político-Institucionat; D) Infrâ-Fstrutu ral; E) Eco nómico- Fìnanceira.

a) Translbrmar a

5.
b)

OBJETIVOS

c)
d) e)

0
g)

RegÌão Internacional do Iguassu em um Grande Centro Logístìco, Turístico da América do Sul geÌando impactos positivos e substantivos nos cdmpos econômicos, sociais, politicos-instituciona,s, ambientais e infra-êstruturals; fomentar a geração d€ emprego e renda formais, asseguÍando a quôlidade de vida das atuais e futuras gerações, aumentando substanciaÍmente o Índice de Desenvolvimento Humano - IDH atual de nossa população; consolidar estrategÌcamente a imagem da "Região do pólo TuÍístico lnternacìonal do Iguassu" junto aos mercados nacionais e lnternacionais de cada país envoìvido, oferecer as condìções ideais para o efetivo controle fÌsco-alfôndegário e migrdtório, eliminando íscos e ameaçâs à Segurança Física Regional; otimizar nossos recursos na forma compartidã, fortaleceído a competÍtjvidade dos Estados-Pârte no âmbito do Mercosul; potencializar a qerôção de novos nêgócios com vistas a re-covercão econômica da rêgião, agregando valor às á.eas de abrangência do projeto ',Águas Grandes,'; corrigir os desvios do crescimento urbano desordenado, vjsando o desenvolvimento harmônìco integrado; assêgurando a qualldade espacial e êmbiêntal dessa região.

tr.tEÌAS rÍSICAS e SOCletS - Uetas Físicas - lmplantação do Complexo turístico cuÍtural de lazer integrado (AR BÍ e PY);4 (quatro) pontes intêrnacionais; 3 (três) portos fluviais com alfândega integradâs; 3 (três) portos secos; 1(um) anel rodo-ferroviário da trípljce frontetra àe raio médio variável entre 1sKm e 30Km tangenciando os três aeroportos internacionais da AR-BR-PY; 3 (três) parquês ambientais - um em câda país; 1 (um) sistemê de transporte telêferico Internacional; 3 (três) atracadouros para novos circuitos náuticos ffriviais; 3 (três) heljportos; - Netas Sociaís - 6,000 empregos diretos; 30.000 indiretos só no período da obra; Melhoria do ÌDH/ VarlaÉo Prevista de 0,78 para 0,81 (Bâse: paraná-BR) - Metas Econômicas - Efeito multiplicador dos invesumentos: U95.000,000.OOO,OO Retorno de U$ 60,000.000,00 anuais a partir do término - Aumento anual previsto para as arrecadações federais: 0,29 7o - Aumento anual previsto para as arrecadações estaduais 70lo - Aumento anual previsto para as arrecadações municipais 0,92olo - Aumento do PI8 municipal anual: 7,61o/o - Aumento da renda per capita municlpal: 7,61o/o - Tempo de retorno: 16,6 anos.

6.

7.

BËNEFICIÁRIOS

População - Ocupação e Renda.

Êconomia - Reconversão Econômica, Autosustentabilìdade, Aumento da arrecadação. Turismo - Aumento do tempo de permanência. Nível Qualidade dos Servlços. Meio-êmbiente - Compartìlhamento dos recursos natqrais ê seu potencial. Exportação/ Importação/ Controle -Integração Hidro-Aéro e Rodo-Ferroviária Regional. SeguÊnça - Maior racionalidade e controle através da hierarquização dos sìstemas, Municipios - l"lelhorià da qualldade de VIda - Arrecadação, Estados/Províncla/Depto - Desenvolvimento Agro-Negócio e Turismo - Arrecadação. l4ercosul - Polítlco-Intìtucionalassegura pleno cumprimento do Tratado de Asunclón. Educação - Animação, Identidade e meìhora Auto-estima - Ìcone - Símbolo da Região.

s.

pRAzo DE EXECUçÃO

10(dez) anos - Alternativamente êm 04(quatro) anos. 9. ESTIMÁTIVA RECURSOS FINANCEIROS U$ 33.333.O0O,OO(Trinta e três mllhões, trezentos e trinta e três mil dólares), anuals êm cadâ paísi não inclusos os custos com a extensão da FERRO-OESTE trecho Cascavel-Foz(BR), as AvenÌdês Beira-Rio da AR-8R-PY e o Pàrque Desportivo TrìNacional AR-BR-PY - Custo do Projeto: 2,3ok - U$ 23,3 milhões de dólares. 10. CAPTAçÃO DOS RECURSOS Estudo de Viabilidade: Recursos à Fundo Perdido - Implantação: Recursos da Inicìativa privada, governos, organismos ff nanceiros nacìonais e internacionais. Il.PLANOS-ENTIDADES-POLÍTICAS QUE SE HARMONTZAM COH A pROpOSTA PÌefeituras e Legislativos f4unicìpais - (AR-BR-PY) - "Carta de Foz do Íguaçu"(B\) Governo do Estado/ Províncla e Depaftamento (AR-BR-PY) Governo Nacional (AR-BR-PY) COMITÊ DE FRONTEIRA CIUDAD DEL ESÌE(PY) - FOZ DO ÌGUAçU(BR) Planos e Programas Nâcionais de Desenvolvimento do Tuíismo (AR-BR-PY) Planos e Programas de Desenvolvimento Nacionais de Faixas de Fronteira IRSA - Ìntegração Regional SuFAmericana Itaipu Binacional/ Instituto Pólo Iguassu - Programa de Integração TuÍistlca(AR-8R-PY) AMOP - Associação dos Munìcípios do Oeste do Paraná - BR ANCEICAP - Asociación de los l'4unicipjos Lindêros de Itaipu - PY LINDEIROS - Conselho dos Iunicipios LindelÍos de ltaipu Entidades Não-Governamentais - Sociedade Civìl Orgãnizada Regional IES - Instituições de Ensino SupeÍior e correlatos da AR e PY CODESUL - Conselho de Desenvolvìmento e Integração Sul- BR PEDITS - Programa de Desenvolvìmento Ìntegrado de Turismo Sustentável feito pelas Secretarias de Turismo e Planejamento do Estado do Pêraná. FoNPLATA - Fundo de Desenvolvimento da Bacla do Rio da Pratâ cNT - confederação Nacional dos Trênsportes ABCT - Associação Brasileira de Transporte de Carga ANTT - Ágênciâ Nacional de Transporte Terrestre Conselho Nàcionâi dê I n fra -Estrutu ra/ B R Âgência Nêcional de TranspoÍtê Terresre - BR ABAV - AssodaÉo Brasileirâ dos Agentes de Vlagens - BR COMTUR - Conselho Municipalde Íurismo de Foz do Iguaçu Conseìho Estadual e Nacionâl de Turismo CNI/ FIEPI ACÌFI - Associação Comerciale Industrial de Foz do Iguaçu - PR(8R) ETCO - Instituto dê Eticô Concorrencial(BR) Organismos correlatos da AR e PY FCES - Fórum Consultivo Econômlco e Social do lvlercosul CPCM - Comissão Parlâmentar Conjunta do Mercosuì Frentes Parìamentares p/ Navêgabilidade da Bacìa do Prâta MERCoSUL - Fundo de Convergência Estrutural (FoCEM) 12. ESTÁGIO DE DESENVOLVIMENTO Büsca.le dêfiÌÌçâo do EstÀtlrb iuridico - Propostar Consiinrição dc Socieüde dc Proposío E:Jpecitiúo {SPE)
,41',

Ii.

Tecturn - -ltUrìtutun, PlonèJat cnto L:tb.r,o-AÌtìbìcttal. Etlilcaçòes e ltrca4)anções I319 - Stut Côn'adal Dd Solc .lo' Git.Éó;t - 7ët2. - Ììúa4anL I,DM' e Ciz Irìã - cEP 31 9ó1-000 Fa do lanact-PRIBR) - Forr: (015) 3017 Ì90! - (Ns) 9103 sJs7{c.L) - ,-!&!!!4!34ui!'e!!!

ob^-

#&F
í:.rRi.\ lìa R[c;tsír\D !{.'ii] fi Á r.l{}ìtr: tü.\ile DilS,!Rci'-ìïf:Tris

&&e

í:l.rãnn;t{i!o üristìirin dr i.litEü ç!1tnxi= Y'{]!i$ui Ò Colxiié Er(ecutivo da !P-{Á ' F.déÍaén PsÌ4ntericànê {ís ,t$cieçóes dos fuquiÌeto5'

PROJ [.

IO \GI . GRA\DËS
no

lloEl no diB li dc Àòrìl dc o IAE/PR - 'lÌruÌüro dD Bnsil. Lr:t'ruto or.{rqüreÌË i Lt3/ D\!.oo;, i**o** "õr útr'entc $ol .l fÈrl f04 em c,oncoÍd.in€r4 lrB\úcìto oo+ Àrq.ri*tos do Par:ni e o d&r Ciddd't dÈ L?bdtto tlc i aìnado ll Dç,ejdrsll\rnt'ta, CeÃJãênút a: 'lf.

,*.;a" *.1.,

a" re*çu-pR(BR)

]!Ierc!l;t G.!n rnle''ìâciooèl

'erf;:rçi" FÍ(e&8r 4F39,t:

i da.idflhdo 'Jf' l. O mOJEfÕ ,i&ÁS GitÁNDÉS, dè rèlÈlart€ iÌ@ortâÍçis: 4Ìes.ntãdô É ú'l'd" la F^ lss Cì&d.s ns4nrËtknlo Urbúo ldtèmadtu ad+fo#ncrd proçonoo.r conurmos hJJmótl.cl è pÍlüca çÌÌn: os Dovo' ':. O!ç pROIEro.{GU-ìS CÈ\NDES, pèlô !èL csrsÍer cìe:1Ìifi(o. podc çl.-ürÍu:ì-.^' c;,no üm .._\oro Modctô dc Desmvoh'LÌìenro' p{!a a: reg ò.\ dÊ úonlàr3 de nor13 jgusssu .oníj$ido ÀrÌerìcs i p$rrir ds "F.egìÀo do Polo TurisÌico tíÌctneÈionaÌ do i 6rupo llercãdo CJm!Ín' Juridic4Í,e$ê pe.s Í€sol.Ìçlo +l 97 do Mcrçooul n.r 0ÈÍC snicà flamu lo eífre ÁR'BR-FY. i. Oue o PROJËTO 'ICIJ.AS GÊ-IVDFS us:! Ì.{ìJomìjr'r 1tugiso LBlems{rorul oo È** * *'G3nde ceÌüo Logauco. Tuütico d{ lÍnÉrili Jo Suì gcrraio iáslcros positiros I sú5'!ãnt8o! trÈÉ campos +cotiLlriiÈôs' socinÌs. poljnco!irÌstrl@iiojÌâls. anbi€ÌlÈis c rnlì:a'rsm]Àur'il

+.

Que o ?ROIÊTO ÁGUÀS GR.{\DES fnÊico çe9!-tÈÍ1zÀdD corDo "''y'dt

ít

mÈnLonndã

Ê visr oÈrcer 3s

do FkneÌtnèntd FJoa{}8i'o " dí regiào .c,Ddi!òÈ ;JrBis p.xr o eíenrro conrol; itüo
r Segutúçs Friicr Reg'oÉ]

(rorn a mtis

iÍnpk pân;6iFÊçio pôprìhr

rem se

rliìndeg.irio c mrgrÀloÍio. eLiBinlnJa nscc ê atnÈâç.xs

i.

Í Qre o pÍojeto poderá conÌgit os desvji$ do crtrscimì:oto uÍhÀnÒ Ãiequr3nC'o ÍÈgioml q"ulidldì ;T*i"l e arnbicnol; n+o<ioonardo èsí3tegiçsnìçtìiÈ s imagem oo' c!'!ÊíÌas lncionis : úÌÊtuaciooãi:! d{ cada td$.
lesiãr
na foímJ ür)mpanldi. <c

{r, Que o PROJET0 iGU,.{S GRANTES

cÍqu&hsrto

'rrss

oÍììrizlt o€ lecursos

EtislÈntÈs nessn

denÍo ors Politic$ do DcsÚrollrrndrÍo

dJrs.:s os;sÊJ. meìorando as RÉì*tjcs Lolcrorcilnú com Plrtrcrporlo oúbhcr. Èo!ìi'ôrrì]è ,rri.rtú ô rssrluqnô n". 3ì lv4,r Òo) do "tIDÍ ' ConsElhë !òt paft o Desin\drìtltcún In!ea.{rl" ns "Y R!ì!i!o Ordinrárìi & OEÁ - O€'JÌtz,1çlo
doü

I

l iudoç Ànericino;'

càÍ(r de Rêcomendeçào que Èzeú 35 çttidÈdss 1EprcsenÉrivã3 !búi!o_s$in$dÍìs rnle'l süciedrde CiÍiI e CovêÍoq$ dog ''À{ndcipios c E$edotPsrte'ds RsJiÀo TrinÂ{ionsl d{ prcpìrlïlÂmo' pelÀ;Lr mÂjs urqcnrc íÌue lmdo em üí{ ÀR"BR.

RE(Ïllll:\D,\d"lo

ffi#ffiBffi

re lAl
,

rs

Fozdo guaçu' 1l a 17 d€ março de 2007 " Ano

Vll'n!

235

Açadêrnicos de Arquitetura patticipam de proieto para testauraÍ museu Bertoni

Pesquisador sugere Agência de Desenvolvimento

Trinacional

Os.íLd Írs(lo9 t)crí{11'rlc^ltÌril.1trrxcUrlìriisnr.(LrLll)Ccorlr.cÍrnìo|).rlo cvi\.!o Iri ìrlr)ricfLisr..s(iLtnclì(tlfisrLL,ìdrIonlcirr.^risiljrÚ { r.! N1{ris{s lleíoni. m PorgLÌri, !lü rrtrr Ì ' | 'r ìì tn,ÌicL,i r rx .s Ìr ](tLrir|r.n.v;thrrr.olrlr.iÌNÌrhrrsÌ.rli7x(õ.s{cixr(trs
t,.,,",tu,ti,,",

ffi

UDC Nctícias - 11 a 17 de maÍço de 2007

SUGESTAO

Pesquisador sugeÍe metas paÍa turismo trinacional
PARA o doutor em lurismo, a f ronteira reúne o melhor destino, mas precisa de mais integraçáo

í\.gE5|91g!9LEÊ3;gCgEglS

f-Z plfg1g!gg,g!é114l!gg.

ggégEslglgglgl3Ca,

gPlglglgr

doutor Mário Carlos Beni. estudc compoítamento turísticodas frontçiras Brasil. Argenrinr e Pârrguai 20 anos. Pala o estudioso, o no Cataratas e o complexo turístico

o

ha desti-

pós graduâçào da UDC. Beni ilusrr.ou com exemplos a rmoonâncra da Agência TÍinacional.',E$ta asênci a seria composta por uma direloria e com um conselho formado por represenrantes dos Lrés naíses . A meta do grupo estaÍia na formatação de programas contem-

formado pelos trê s países é o melho r A fronteíra tem o exemplo de "beleza tripé turístico completa". perfeíto: nqtureza, Na opinião do ógua e conúrcio prolessor u ìâÌ
1it

pÌandooqueoprofessor chamou de "tripé tuútico". "A fronteira tem os tÉs elc-

da

Univclsiclrrdc dc Siio l,Âulo (usl,), pglllggllt Èjgljg .orrro rrrì1 rrrilrr rlc |cr:cDeirr rr rÌc

mentos que se csperâm de u ì dcstino. O foco prìncipôì são as Cataratas cotÌl o l)arcluc Nacionaì, o prrtencial hìclÌ ogrÍÌlico constituícl{) Felo Lago dc I1.ripLt c o cotnótcjo"

turismo iì.llì(os". disse crÌì entrcvistà ao UDC Nolíciâs, DuÍante iÌ aulâ magna do curso dc tulismo c abertura do per'íodo de
r)ÌLuls. lsto a: oensar o

A Agôncia cabcÍia olhrÌr estc cornpìcxo c utuilr sinÌult nc rncrìÍo corn os 1rês destiros, Foz, l)Ltcrlo lguazú e Ciud{d dcl ljstc. "'Ìcm tudo aqui. Não pÍccisa invenlaÌ nacìâ. C) que precisâ é âgir de lorma iììtcgl1Ìdit para valorizâr por Íìcio dc açõcs este potencial", rcpeti!l incarìsavelmcnle-

Quem é Mário Garlos Beni
Mário CarJos Beni possui gracÌuação eÌn Ciências JLu.íclicas pcla Unive$idade FedeÍal Fluminense (1968), mestrado em Ciências Sociâis pelo FundaçÍo Escola de Sociologiae PolíticadeSão Puulo (1981) edoutorado emCiências da Comunicação pela Universidade de São Paulo ( t 988), Atualrncnte é Profcssor'Iitular da Univcrsidode dc São Paulo. Tcm cxpcriêncir nu úeu deTurismo, atuando principaÌmente nos seguintcs temüs: Sistema Ììôcional deTudsmo, Administração Pública e TurisrÌto.

PÁOINA 2

SEGUNDA.FE]RÀ, ]2 DE MARçO DÊ

2OO7

giLuan
-0
CttJgtA1 DE ÍiTA

'ÍAADE/n

ã

q

I iittÍtlr;ltntu awtÍiliri
ttrdo
trndo-sc disso, governântes de paíscs do pÍimeiÍo ìnundõ tiraÍânÌ o "poder" de del.cisão dos goverlìos ìocâis. Sem.rpre depcndcm dc unì âvâl ou ccÍtilicldo de rlgLrnr "conselho" ou
,

namento da mesma. Ao analisar os problenras qu

Foz tem tido, verifica-se que as

l)e Iú I:í narl n.ri '\Ì nisid ,lisrrnÌ. .lisrrLDtc. De "coDriÁsno c.l. t)oÚenìos vrr cuc r cl0rde leln
rn conì acusâções

iniciativas partiram poÍ soÌicitaçõcs de empíesas nìaioÍes, principalmente iìs (ranstiìcìorìÂis, motivadas DeÌâ comoelicão in isso que está âcontecendo. podcmos rcvertcr fuzendo uso dc i tcligência competiti' vaj no entânto, só podcrcnìos inpÌantá-la se unidos lli&lg! iad;cilo ou
Lle

e

oÍa geoeÍalìz:ìrdo e ìrìjustânìente subjugando-rcs por participàção no terrorisrnÒ, descâmirìho e contrabândo- Se nos !profundnrnìos, verenlos que a última boa olhada dos governos que Foz do Iguaçu recebeu Dos últimos anos foi a constlução da Usinâ de ltâie funcio-

"irìlelìAéncin cornpeütivc noc
!

corernos das sr'anLles c idiÌdcs
como meio de reconstruir:r ecooomia. Esse fator, iniciâlÌnentc

oodc muito bem ser trabrlllado

Pl]g' s]I!$illr-g:

=r-

i

MODELO Df, REFERTNCIÁ

NE\ü YORK & NEW JERSEY. AT]TIIORITY AUTORIDADE DO PORTO DE NOVA YORI( E NOVA JERSEY (NYNJPA)

t.

É urna Corporaçâo Pública crìada por urn âcordo celebrado entre os Estados de New YoÍk (NY) e New Jersey (NJ) - (SegurÌdo penüite â corìstituição dos EEUA) para administração conjulÌla do porto eltre aDbos os estâdos.

Foi a primeira "Entidade Bi-Estadual" nos EEUA dedicada a tarefa senìelhânte e se ìnspirou na "AutoÍidade de Portos de Londres", lugar onde diversos muricrpros

tiúam jurisdição
Seguodo a

sobre o rio Inglês Tamesis na Europa.

legislação lericâna é u$a "EntidaLle Bt-EstaLhtul de Dircìto Públi'o , alguns câsos inclusive isenta de ilÌ1postos, adninistrâda pelos govefios

estaduâis, pode[do obter lLìcros e adnlinistrar seus bens como se fosse !ìma enÌpresa privada (algo parecido corilo a CaÍta Orgânica da NASA)

O

Órgdo Bi-EstaduaÌ de Aclminisnação tle Poì.tos de Novt fork e Nor.a Jerscl e Lìsüfrutuário de todâs as terras do Porto, dos seus edificios incluindo as "Tones Gêmeas" dernrbadas em I I de setenbro de 2.001 e suâs instalações.

-

A entidade tem a sua disposição ainda urna Policia Especial Própria que coÌltrcla tÌrdo, menos q Contrabando Terrorismo e Drogas (Ndo possui exercrto) À parte existindo ainda a Atttoridãde de A.lnÌinistração ..1o Rio H dson que barúra NY e NJ - A "Entidade Bi-Estadual" ünculada que aciona e administra especificamente a seguralça em loda a área de influêlcia direta.
2

Fpoca que se Seca proibia e reprimia a impoÍtação de bebidas nos EEUII) e passou a ser a soluçào ideal para resolver problemas e disputâs nas úas navegáveis incluindo confioversias sobre os Ln'Ììites Interestaduais - JuÍisdições - Saturação das Ponïes - Coiìbate a Delinqüêücia - Combate às Ações da Máía Italiana e klandesa em especial a adnrinist.ação do maror porto dos EEIfU no ponto mais critico dos EUA. local de acesso da maior corÍente de imigranles estralgeiros e unÌ vollÌne gigantesco de nercadorias que deviam ser râpidaÌnente distribuidas eft várias partes desse pais

A enídade criada em 30/ abrrl I 1.921 (No tempo dâ Ler

-

-

A

área de influência da Região MetÍopolirana BiEstadual inclui os bainos de ManlÌâttar, Broocly, Queefis, RichoÌond (Staten Island) e o Bronx, os subúÌbios de New York compreendidos erìtÍe os condâdos de Nassau. SLrffoÌk, Rockland and Westcheslerì e os 8(oito) condados de New Jersey denominados: Bergerq Essex, Hudson, Middlesex, MoÍis, Passaic, Some$ety Union.

Essa árrea de influência da N\AUPA são t.500 ftilhâs quadradas o equivalente a 388.500 hectaÍes ceotrados ao redor da Estátua da Liberdade

OBJETIVOS PRINCIPAIS

L

Ìdentiícar e etrcootraÌ solÌrções para o Desenvolvinento da lÍrfÍa-EstrutuÍa de Comunicações e Transpodes enúe Nova Yo4 e Nova Jersey e atualnìelÌte o vizioho estado de Connectirut senÌ usaÌ drnierm dos contribuintes. estúelecelÌdo mecanismos de auto-srÌsteotabilidade com flnanciamento através de ta{as de pedágio/ lucros obtidos da pópria atividade e venda de bônus e títulos pírblicos
próprios nas bolsas mundiais.

Facilitâr os Sewiços e atiüdades pottuárias que acâbou resultândo oo terll1inal de tra0sporte coÌú tra[sbordo de "contâirüe$" criado l1o tììundo.
3.

p

nerro

Favorecer o DesenvoÌvirnento na área de sualurisdição.

Coltribuir para a geraçào de riqueza incentivando uma saudável "competitividade', econômica em toda a ârea netÍopolitana Bi-Estadual e Trì-Estadì.ral de entorno. ADMINISTRA _ INIERVÉM _ RTGULA LOCAIMENTE, E E)<PLORA O FIINCìONAMENTO DE: .

t. Todas

as pontes e tuneis que construiu desde i.921 na região (os mais trânsitados da metrópole cobrando os pedágios que correspondem).

As IrtercorÌexões Feroviárias.
O Parque Indust'riá 4. Parque Comercial da costa que possui unl "Status" que tende a se caücteÍizat corÌ1o
uÌÌ1a 5.

"Zona Frânca".
e

Aspectos da navegação comercial

todo tipo de transbordos de cargas.

6. 7. 8.

Grândes Depósilos e AnnazenageÈì de "ContainneÍs".
Cvrandes

Edificios incluiüdo o das "ToÍes Gêmeas" (hoje infelizmente destruidos).

Centro de Telecorrunicações Satelitais de Alta Complexidade "Staten lsland".

e

Segurânça na

9. Os Aeropoltos de

"La Grardia" - "J.F. Kennedy" (Urn dos rnaìs grandes e visitados planela) do e "Newark", pelos quais; se beÌn as terrâs nas quais os rDesmos estão assentados são cada unr propriedade dos seus estados. a entidade não paqa neúulll alueuel A ponto que jìoje em dra esta se cogìtando a possibilidade de negociar seus territórios em tmca da Area do Ponto Zero onde estava as toffes gêmeas que é de sua propriedade.

IO

Adrniristra também o terìüinal de ônibus e todas as linhas de transportes coÌetivos que entreol e saiam de sua jurisdição no terdtório da entidade ou que se
comuniquem entre si à Nova York, NewJeÍsey e CoDnecticut. Possui uma competente rede e estrufura própda de conìu caçôes visando promover o corÌlércio ìnteÌnaciolìaÌ úcluiDdo represeÌìtações de poderosas entidades no ellerior nas Íegiões daEuropa e Oriente.

II

MERCOSUUCMCIN' 18/05

INTEGRÁçÃO E FUÍ\ICIONAMENTO DO FUNDO FARA A CONVERGÈNCIA ESTRUïUÍìAL E FORTALECIMENïO DA ESTRUTURA INSTTUC{ONAL DO
MERCOSUL

TÊNDO ÊM vlSTAi O Íretado de Assunção, o Proiocclo de Ouro Pietc. as Decis5es N'11103,27103, 3104, 191A4 e 45/04 do Conselho do NÌercado Comum. CONSIDÊRANDO;

Que o Tratado de Assunção assÌnado pelos Esiados P3rt€s cria o ÌVlercado
Comum do Sul (MERCOSUL).

Que, para assegurar a consolidação do processo de convergência para o Mercado Comum. é necessárìo ìmpulsìonar o processo de integração
reforçando o prìncípio de solidariedade.

Que é prioítério desenvoiver açÔes destinadas a promover a conìpetiiividêde dos Estados Pêrtes e a convergência estruiural. Que os benefícjos resultantes da ampliaÉo dos mercados não poderão ser pìenamenie aproveitâdos pelas economiâs menores enquántb subsistam marcadas condições de assimetrÌa. Que os Estados PaÍ1es decìdiram estabelecer o Fundo para a Convergenciê Éstruturai do MERCOSUL (FOCEìvl). a fim de promcver a convergliaja esirutural. {cse!ySlvif_C_-ç!rnp9!!iu!€.de, ÍÊ!grcsel-C_9s.c!€e-_9!9tal. flar tìcular das èõnoq!9-gg19199 e ÍgÉeleqg!-s -e$U1gq-119!1ggorìel-{o

9!

O CONSELHO DO MERCADO COMU[,7 DECIDE:

Objetivos do FOCEM
EstÍuturãl do MÉRCCSUL (FOCÊNI) Decìsão CVIC N" 451C4. está Cestinado a financìâr prcEremâs parà criado promover â ccnvergêncja eslrutuÍal; deseflvolver a competitlvidêCe: pÍotnover 3 rêliôes menas coesão sociei ern panicular das èconomias menores aooiaí o funcionamento da estÍ-utura insiitucional e o desenvolvidas. ,onalecrmenro ro processo le rnÍegração.

Art. 1

O Fundo para a Ccnvergência pela

e

:

Art. 2

-

Com bãse no disposto no artigo anterìor seráo desenvolvidos os
Progrâmâ de Convergênciâ Estrutural Programâ de Desenvolvimênto da Competitividade Programa de Coesáo Social Prograrna de Fortalecimento da Eslrutura {nstitucional e do Processo de lntegração. everáo contrib! e reotoes

segLJnles prograFas

'1. 2. 3. 4.

L ll. lll. iV.

Art. 3 - Os âìuste

o dêsênvolvirnento ê

das econornia
dos sislemas

e dos sistemas de

Os projeios dc ProgÍama ll õeveÍáo contribuir à competitividade no âmbito Co IVIERCOSUL. incluindo processos de reorganização produÌiya e trabalhista que facjlitem a ffìãção de comércio intrã lllERCOSUL e projetos de integração de cadeias produtivãs e de forìalecrmento da insÌrluqelaìidad€ nos asp€Ctos vrnculados quaíidêde oa producéO lpadroes técnicbs. cêftificação. avaliaÉo da conformidade, sanidade animal e vegetãl. etc.). êssim pesquisa processos corno desenvolvimenÌo de novos produtos produtivos

à

a

e

e

Os

etos do P

ral,€qn interesse obreza e do

desemoreoo.

Os projetos dc Prcgaema lV deveÍão visar à melhoÍa da estrutuÍa institucional do N4ERCOSUL e a seu evenlual desenvoìvjmenio. Uma vez cumprìdos os objetivos dos projetos, as estuhrras e atividades que venham a Íesultar serão financiadas em pãries iguãis pelos Êstados Partes

Conformacão do FOCEM
An. .l - O FOCEIVì se conioÍmará ccm contr'b-licóes anuals dos Estados Paries. efetuadas ern quotâs semestrais. Tais contrjbuições serão deposìtadas ern Llma instjtuição financeira dos Estados Partes, selecionada de ãcordo conl os, critérios e pÍocedimentos que eslabeleça o Regulamento do FOCEi!|, previsto nos an{qos 19 e 20 Ja presente Decrsáo.

Art. 5

-

Âs aoortes dos Estêdos Partes ao FOCEII teráo o caraier de

coniíjbuiçóes náo reembolsávers. Art. 6 O moniantê torai anual da contribuição dos Estados Pêrtes ao FOCEM será de cem ,.nilhões de dólares e será integrado conforme JS seguintes Êcrcenlagens, que loram estabelecjdas tendo em vislâ a med a hisicncE :o Pl8 do tulÊRCOSllll

5.

-

'. . .
Art. 7
6.

Argentina: 27% Bresil: 70% Paraguari 1%
Uruguai.2o/o

constituiÉo do FOCEM deveÍá realizar-se do processo de inccrporsçáo da presên'te Decisão aos crdenamentcs juridicos nâcionais e a aprovacáo das dotações orq:mentáriâs correspondentes nos quairo Êstados Pêrt€s.
No piimêiro ano orç3mentário do FOCEM. os Esiados Partes deverão intêgrar 50yo de suas conlribuiçóes anuais, parâ a execução de proietos- piloto previstos no artigo 21. No segundo ano orçameniárìo do Fundo. de'/eráo ìntegrar 75% de suas contribuiçóes anuais. A partir do tercelro ano. passarão a iniegrar 100% de suas contriouições ènLâjs

dos Ésladôs Partes parâ a - A pdmeir3 contdbuiçáo semestral eté noventa dias êpós a conclLlsão

O FOCEM podêrá receber coniribuições provenientes de terce ros países, instiluìçóes ou organismos inlernêcionais para o desenvolvìmento de
Art.

I-

Art. 9

sido efetuãdas as conlrÌbuiçóes iniciais dos quâtro Estados Partes. A pariÍr desse momento. os Eslados Partes deverão esiar em dia com suas contribuições senìestrars ao FOCEM e conl ãs quotas estabelecidas para o funcionamento da estruturã Ìnsiitucional do MERCOSUL. pêra que seus ptojetos sejam aprovados.

-

O tuncÌonamento o FOCEM somente inicìará após terem

Distribuição dos Recursos
Ari. 1O - Os recursos do FOCEM destinados ao financiamenlo dos projetos dos Programas I, lÍ e lll. previstos no afiigo 2 da presente Decisão s.'rão distrìbuídos entre os Estados PaÌ1es de acordo com as segulnles
porcentagens:

. . . ,

Aos Aos Aos Aos

prclelos proietos projelos projetos

êpresenlacos âpresentados apresentados âpreseniados

pe o Palê-auà,. -l8ob pelo Uruguêj: 32oÁ peJa Argentina: 10% pelo Brasil: '10o/o

Os recursos rão êicÉCos Curênie o :no orç:men1êrjo setáo edicionadcs aos recurscs io ano s€-cuinte s sôrãc 'iìsÌnbuídcs ae ecardo com J êsiaDeiecido no paragrafo :nterior.

FOCEM deverá tarnbém prever os recursos necessários para o finâncìamento das aiividades no êmbito da SecÍetaria do MERCOSUL,

O

prevjstas no anì9015 da presenÌe Decisão

Art. 11 - Os Estados Partes correspondentes devetáo padicipar

do projeios pelo do Mercado Cornurn apíovâdos Conseiho financìamento de seus do MERCOSUL com fundos pÍópÍÌos squivalentes, no mÍnimo, a 1syo do valat total de tais projetos.

Art. 12

Durante os primeiros quâtro anos, os recursos do FOCEM serâo destìnados prioritariamenie ao Programa ldo artigo 2 da presente Decisão. Poderá dês!Ìnar-se. durante esse período, até 0.5% dos recursos do Fundo ao PÍogrâma lV.

-

Ait. 13 - Duíante os primeiros quatro anos, os recuÍsos fÌnanceiros do FOCEI

Related Interests

I destjnados a projetos do Programa ldeverão empregâr-se prioritariamente para aumentar a dotaçáo de infra-estrutura Íisicã dos Estados Pãrtes. em
panicular para Íacilitar o processo de integração.

A partir do quarto ano do efeiivo funcionamento do FOCEM, os Estados Parles tealizarão uma avaliação gerai do mesmo e uma revisão dâs prioridades. cujos resultados serão apl;cáveis a partir do quinto ano de funcionarnento.

Alr. 14 - Os recursos do FOCËM destinados a projetos aprovados terão caráter dê conirjbuiçôes não reembolsáveìs. Não obstanie, poderão considerer-se
alternativâs para a concessáo de empréstimos reembolsáveis.

Procedimentos e Aspectos lnstÍtucionais

Afi. 15 - A reguÌamentação dos aspeclos procedimenÌais e jnstìiucionais do
funcionamento do FOCEM deverá contemplaí as segúinÍes bases: a) Os projetos correspondentes aos Programas previstos no arligo 2 da presente Decisáo serão apíese,ìlados peios Estados Partes à Cornrssão de Representantes Permanentes do MERCOSUL quê, assistida pelos represenÌantes que cada Estado Pa,1e estime adequados. verificara o cumpÍimento dos requisiios que se estabeleçâm para atapresentagáo de projetos, assim como a êlêgibilidade dos mesmos.

b) Uma instância téorjc€ no âmbiio da SecÍetârja do MERCOSUL. junlo com um Grupo Ad HÕc de especiaiistas postos à disposição pelos Estados PaÍtes. se encarregerá da avaliaçao e o acompanhamento da execução dos projetos.

c) DiÌa instancia técnica elailcrará um anteprojeto de orçãmento

do FOCÉfu]. eÍetuará os desembolsos de recursos em ïavor dos Estados Partes e anaÍisará os resultâdcs ias êudÌiorias exiemas previstas no

artigo 17 dâ presente Decisão. A Secrelaria do MERCOSUL Ênv a[a os reÌatórios Ce suas atividades. e o antepÍoieto cje crçamento. á CL.missãc de RepÍeseniantes Pennanenies do ÌvIERCOSUL.
d) A Comissão de RepÍesentantes Permanentes do N4ERCQSUL eievará os relatóÍios recebidos e o seu píóprìo ao G.upo Mercado Comum Co MERCOSUL.

e) O Grupo Ìvìercâdo Comum do MERCOSUL eievará ao Conselho do MercaCo Comum do MERCOSUL o projeto dê orç?mênto e es orojetos. acornpanhãdos de seu telatóÍio. de acordo com os critérios que se estabeleçam no Reguiarnento.

f) O Conselho do Mercado Comum do MÊRCOSUL

eprov3ra

o

orçamento do FOCEM e os projelos a Ínanciar. e aloc€rá os iecursos correspondentes conforme as caiegodas dê porcentagens eslabeiecidas no artigo Í0 da presente Declsão.

Os Estados Partes benêiiciados com a transferència de rêcursos deverão apresentâr relâtórìos semestÍais. à instâncja conespondenie, relâiivos ao estado de execuçáo dê cãda projeto, dê acordo com as especificações quê se esÌabeleçam no Regularnento do FOCEi.

Art. 16

-

Ad. 17- Os proietos que sejam executados estarão sujeitos ê âuditcnas externas. contábejs e de gestão. nos terrnos que se estabeleçsm no
Regulamento do FOCEM.

A.t. 18

Na execucão dos píojetos financiados preferêlìcia

peÌo FOCEM serâ dadâ

a empresas e entÌdâdes com sede no MERCOSUL.

Regulamentâção do FOCEM

Art. 19 - O Grupo de Alto Nível sobre Converg-ÂncÌa Estruturâl do I\ìERCCSUL e Financiamento do Processo _de inlegração elabcrârá o projeto :e Regulamento do FOCEM alé 30 de novembro de 2005. O prcleto sêré subrneiido. oportunamente, à ccnsideraÉo do Conselho do lvÌercedo Cüntum
do MERCOSUL. após exame pelo Gíupo Mercãdo Comum do |VIERCCSUL.

- O Regulamento do FOCEM Íegulará todos os asoectos procedimentais e institucionais de seu funcionamento de accrdo .om o estêbelecjdo na presênte Decjsão. Enì paniculaÍ. especiÍcêÍa ,,.s procedimentos a serem curnpridos pela SêcÍetariâ do MERCCSLL :
Art. 20
estabeleceÍá o limite dcs recursos do FOCEM que pcdeÍá sêr cesitnâdo
âoministraçao do mesmo
à

:1 - O FOCEM começará a trâbâlhar êtravés da metcdcicEia :e:rileli:p lcto com Íone impaclo nos c'dadãos do IIIERCOSUL. O Requìsmerrc
An.
esÌeDelecerá proceCimemos tÍansitórics pâr3 e impÍemenracéc

:

:,/aii:c=c :È

tais projetos- Essa experiência oÍientará

a

formulação definitiva dos

procêdimênlos e aspectos institucionais do FOCEM.

Vigência ê lncoÍpoÍação
AÍl- 22 - A presente DecÌsão terá vigènciâ de dez anos a partir da priíneiÍa contÍibuição efetuâda por um dos Estados Partes ao FOCEM- Cumprido esse prazo. os Eslados PâÍtes avaliaráo a eiêtividade dos programas do FOCEM e a conveniênoa de sua ccntinuidade. Art. 23 - Os Estados PaÍtes deveráo incoíporar a presente oecisâo ordenâmentos jurídícos nacionâis.

aos

seus

XXVlll cMC

-

Assunção, 19 r'U05

Release

DENUNCIADO PORTOS DE CARGA E SEGT]NDA PONTE BR.PY ENI AREA TURISTICA
PoÍtos Flüviais - I[compâtíveis com o âtrativo O arqrìiteto e urbarÌista Nilso RaÍagnin" e[carniúou pedido para que o Ministérìo Público Federal Brasileúo na pessoa do Senhor Dr Alexandre Porciúncula gestione nâ fonna urgelÌte junto aos governos bmsileiro e paraguaio o Íeposrcionarnento dos Portos Fluviais de carga do Rio Iguaçu no Porto Meim em Foz do Iguaçu-PR(BR) e o Ternilal Portüário TÍês Fro eiÌas ern Ciudad PÌesidente FÌanco(PYl junio ao Ìnarco fronteiriço brarileiro e paÍagüa.io- entende[do que são atiúdades completamente incompativeìs com a rocação natuÍal turistica do lugar. irÌaceitiiLvel do ponto de vista ambielúal. uma vez que eriste ampla possibilidade de instâlação d(ssc tipo d< alrudadc cm outrxs áÍÉas dcsses murÌìciploc. 2'. Ponte

pretendida entre Foz do Iguaçu-PR(BR) e PÍesidente Frutco(P! localizar-se Ìú área de influêrcia direta dos Três Marcos de Frcnteira da AR-BR-PY. mais imceitá\el aindâ. criândo u,n processo de afunilamento uÍbano. olÌde levará todo o triífego pesado pam a á{ea certra] do "Pólo Turístico IntenacionaÌ do lguassu", região essa cotútituÍda pela Resolução 4ll 97 do Grupo Mercado ColÌrufir no Mercosul. juDto a um dos úais impoÍantes sitìos de [ossa rcgÈo. não esisthdo razão paË â realizaçâo da referida obra nesse local uÌTra vez que existe aruplo Ìerritório djsponi\el to noric do Lnunlcipio de Foz do tguaçu e dos münicipios paraguaios cle Ciudad del Este c HenìrndìÍtrs parâ rmplaltar a obm pÌetendida. desüândo o tráfego pesado de area cenlÍal do referìdo pólo sem causar mâleficios ao nosso imenso potenciaÌ lurístico regionâI. O presidenle do COMTUR Paulo Àngelis jrÌntamente com algum mernbros da diretoda reuddos com o arquiteto Nilso Rafagnin se ússeram surpreendidos eÌn saber que a localização dos portos flLì

Related Interests

iâis e da 2". Ponte podedam causaÍ danos irrepar,ár,eis ao rneio aÌìbiente e a atividade turistica regiolal o que Ìevou o conselho a convocar o profissional para a e\posição de motivos Ìra pró\ima reulìião do conselho dia 22 de m.arço de 2.00?. quilta-feira proilre. Conclarnâ o proflssÌoMl para que juntos. "kilÒ aceiíemos btais o caos urbano se estabel ecer enÌ nossa regíiio, Qlk|reütos transíomú nossa regiiio ent unt los mais belos ceníirkì!ì dc nosso planetu, q e seja corrrlizente com as belezas naturais e culturaís tlc nosso entorÍ1o", convocaÌÌdo toda Sociedade Cì

Related Interests

il e as autoridades locaìs. regioDais 9 nacionâis. paú intôgrar o "Movìnento Iguassu - Terra GüâÌâni" que visâ a participaçâo púbüca oas tomadâs de decisão pam o desenvolvimerto slÌstentável ÌÌa Regiâo de conl'luêrcia dos úos Iguaçu e paraná. Essa fe dô que e possivel compaÍibilizrt dese 'olvinento com pres€ríaçâo foi que leÌou o utbanista a encaniúar pedido de nulidade da ücitâção do pÍojeto que visa â coüstrução da segünda ponte entre Foz do Iglaçu(BR) e Presidente Franco(PY) iuÍIto ao MinistéÍjo Público Federal e o pedido para que o governo brasileirc de cornurn acordo com o govemo paErguaio estudem a

Cumulândo â essa denúucia. segundo o ubanìsta. o graüssimo fato da localìzação da 2". Ponte

-

Nulidade, incÌuindo uma nova proposta

viabiÌidade de contÍatação imediata de novo prqeto entre Hemandâdas(p1.) e Foz do Iguaçu{PY) \,_isâr1do a mnstrução do 'Anel Vúrio' pãssando pelos tr& gra!Ìdes aeÌoportos existedes da AR-BR-PY que traDsfo Ììará nossa rcgìão lÌo "MaioÍ CeDtro Logistico e Turistico da América do Sul" presen ando o Ìrosso rneio ambieÌ e.
-

\iko R.tfsgÌtht - Átq ìteto c t;ba isto, a .Dqrc!óno do &r1o de hatelatut, eí|l;cações . ntotpÒtnçõc!. póy gtltd!údo ún TqisÌto - Espccrlì1tdo a Der."r'obú"t 1tÒ tÌò -.lb\i.].!te XtlcÌeos tÌc ïvisno Recapfio, pòsGrcd dttlo . i EàÌtcnçda e Gestda ,1ubie Íol a\ ni.r3r!r \nì
r 1Ì

-

3J s6-l-nm

-

Foz Jo Ì8uâ!n-PR

!ôr

a0r5r 9 r:5

.rJfr{cèl

j.

(0.15)

r0t7

lro{ün

r caìn

hídtrinsú

nn

Conrocâção:.,

O -Molimento lguâssu - Terra Guarani con\oca [üra o diâ 26 de março de 2.007. ânilersfuÌo do Mercosul. ã sociedade ciïil oÌgârìizada. jüntâmente com as âütorìdâdes do poder legislabì o. enecütiÌ o. iudiciário e rürtrisrério púbüco da "REGúo INÏERNACIoNAL DO IGUASSU".
todos os que possâm estü presentes. en\ ohrndo os Írunicipios e estâdos partes dâ AR-BR-PY. regiâo essa coDstituida pela resoluçâo,U/ 97 do Grupo Mercado Comll1r do NÍercosül compreerúìda pelos nìrüÌicípios de HEìNANDARIAS. CIUDAD DEL ESTE. PRÌSÌDENTE F&INCO e MINGA GUAZU no Paragüai - PLTERTO IGUAZU, PUERTO ESPERANZA PLIERTO LIBERTAD e WANDÀ na Argentim - e FOZ Dô IGUÀçU rc Brasil. para no Hotel Sturióü pró\imo ao Marco Froúeiriço AÌgentìno. às 9:0{l bs (hora argentina). partìcipaÍ da 1". ReuEão de debates sobrc o Estatuto JüÍidico pÍoposto para a constituição dã Entidade de Proúsito Específico/ Agência de Dese$ oh imento Trinacionâl e o Fórum do Iguâssu. que seri. de conum acordo. a responsá\rl pela implantâçâo da inÈâ-estÍuturâ pârâ o -Desen

Related Interests

ohimento

Regionâl Inlegrado e Sustenlado da Rcgião loternÂciornl do Igüâssu-

.

Release

DENUNCIADO PORTOS DE CARGA E SEGTJNDA PONTE BR.PY EM ÁREA TURÍSTICA

O aÍqúteto e übÂbrstâ Nilso Rsfirgnin. tendo em usta o risco irnine[te e úreÏersiÍel ao neio a-úbiefte. ao patÍi ôdo da União e atil idâde tuÌisticâ regiolaì. encandúou peúdo da nulidade da licilatão pffa o projeto que \isâ a constÍução da seguÌlah porìte entre Foz do Iguaçu(BR) e
PresidenÍe Franco(PY) junto ao Ministério PúbÍico Federôl tra pessoa do

seúoÍ DÍ Álelâlldre
aos

PorciúncuÌà, e .iunto. pedrdo para qüe o Miústério Público gestioE rÌa folüa uÍge[te
Presidenre Fmnco(PY).

goeenros brasileiro e paÍâgrraro o r€posicionamento dog Portos F wiais de cargâ do Rio Iguaçu no Por(o Meim em Foz do lgüâçu-PR(BR) e o TerrÌinÁl Poítüirio TÍês FronteiÌas em Ciudrd

O p.ofissioÍâl que vem estudaodo e debatendo pÍopoctas pam o deseNohimetrto regoDal integÍado desde 1.988 denunciô os impactos negatí

Related Interests

os que fatalmente irôo ocasìonar esses portos nâs pro\inidades dos marcos Èonteiriços brâsilefo e paÍaguaro. âti\idâdes completamenle inconpatir€is com a \ocação turistica do lugaÍ. ioaceitá

Related Interests

el do ponto de Ìtla âmbieúal. uDa ïez que e\iste ampla possibiüdade de iosrâlâção dêsse úpo de âtir idade em outÍas áreâs desses Bunicipios. CÍa\ issimo. Um dâno irrepaÌá\el â ati\idade turística e ao rneio aubieJlte. segundo âfumÀ o urbarista. â lomlização da 2". Ponte prerendìda entre Foz do Igüaçü-PR(BR) e PresiderÍe Franco(PY) ao prcteodet-sc localizjr-se na riLrea de bíuê cra direta dos Três MaÌcG de FÍonteia da AR-BR-PY. criâúo um pÍocesso de âirúlamento
uôano. que leÌará todo o tÍifego pesado pam a áreâ central do .póÌo TuÍí!Íico emìcional do Iguaisu", região constitoida pela Resoluçâo.+l/ 97 do Grüpo McÍcado Cornrun Do Mercosul. Íum dos lÌrâis ilüpoÍtãntes sitios de üossa região- úo existindo mzão para a reâliz!ção dessa obÍa rcsse local ÌìÍ]a ïez que eriiste aÍcplo teni(ódo úsponilel ao noíe do municipio de Foz do Iguaçu(BR) e Ciudad del Esre(PY) ou HemândáÍiâs(py) paÍa impÌantar inDonade obm de iDta-estnrturÀ deniürdo o tnifego pesado da fuea cenlral do referido pólo. seÌn côusar maleÍicios âqìieÌe que é colsiderado unÌ dos Ììrais impoíâDtes pólos lìuisticos da

l

América do Sul. O pÍofissional afima tanÌbénr que ao toÀur conhecirnento de suas porderaçòes e píoposlâs. o COMTUR descoúecendo que a localiz!ção dos poíos e da 2.. Ponte poderia caìrsar danos üio gmndes e inepará\€is ao nìeio ambiente e a ati\idade türisticô regional corìÍocoü o profissional pâra a exposição de motiÌos m próúrúâ Ìeüniâo do coosellìo üa 22 de mãrço de 2.007. qúntâ-feira pÍóNilÍì-a. Não aceíí nos Mait o caos rbano em hotso rcsiãô. Quercnos trantfornar notsa rcgião en uü dos ü.tìs b.los cenarios de nosso ploneta, ttÌE scto

con @ belezas nonraìs e arlurais de notso entorno". A proposta objeti\a aFesentôda pelo pÍolssioúl é a cotrstrução do _Anel Virilrio'' passando pelos três gÍandes aeroportos eúteotes Ìra região enhe AR-BR-PY tedo em \ista que já existc madfesto
condi'.eníe

pelos goïerms de pÍateDsão de coDstruçâo dc umâ po{te entre Puerto Iguôzu(AR) e Presidente FÍêtrco(PY). O -Anel Viário" tem o propósito biisico de ofereceÍ as condições ideais para o

coftrole fisco-alfandegifuio e nÌigratório, integrando e protegendo nossa Íegião
transfoÍma-la no "Maior Centro Logistico
e

e

Turistico da América do Sul'.
.!e hot.I@ia Ì.tú.dções e nDo,t o,úçõès.

^'ìl:o r ï'aii"o - Espa.ialiad. no D.ÉrDoh,id.r,to .ta !U^,i.tut \,icÌ@,.L ïú,is o RcepÍío, Atut@do.
Gtuduado
eo' E.lucação e

Ralasni

-

,lry

t.tÒ e L:úoústu, è

d|,esiho .Io ia"o

p6pós-

Geedo {núiebtol

al

rKj3r9-{(Ò11-3j3ar40r-lozüorsuaçu_pR.FdÉ(0!i)91rsJso{\(.íljr(oljìlotrlmlLcüDì$Àou-âìdnr

!o

.cll

'Ë'E
tìt -S r

!? cs

ãe
LF

FË HS ËE Éi €tt
.ËE ar\
rU

ËE Ít ',= F.3

ftu

t-

-

9i:,

.

Èd

s

'cE Ü!EE È.E *i !
E


ú

c: 6 s)
õ; .':
,o-

í*H
a\ a\
O

8

ë
Ë

a ;a BU €

3 le

et
:3
JJH

'fl5

H{
.Ërs

õ l_lJ

g:

-+J \a \a
bL) -

(.\) -

Ê*
qË ËËËË$',ËãsË$ËãããËËã dB s.9
É

o
O
O-

É (,

Lrl

t-l.r.l

z
o
O

È.t a
u

,ql

bL) -

E

F Lr.l

d

fr È

O

Ë.i

I '$ E
Ë

Í

.9

È

(]

i-i

Lr_l

É

co

o
(!:

Í É ú F (Í : .ô* g
f-

\C)

E 3 èL

ãá #d: t !E

IE a it

(n

Ìf $

ËË ããË

z o
LL
Lr..t

ãËËtËãËãË FÍË SE; í ãS

(J

b\) o

h.5 Èat
,E

g

.EÉ

É
O

m

o a

a
r-{
nE_Ë

Èl

' E'

I Á EéPÈ

s.s{

ë

€.e

3oü ãtf;'fi S*áE €89:
.i Eoâi 3 Èg!q E Eë t1 d:d 9i

Ê

l-

È-i -í É .Fl o ô ç{-r
Lll

c)

s dÈ

€àìL üB ç* E ãËl

íEs

ãEt

:l

È.t

L! c:

IJ \. \a

çrã

Ë.óu
ã

{€E Ëã 5-

ë d

,8.

!

ÈË

ajã

POLITICA,
rÌntruGltultça

'oÍiação dG

t t I

loJ!ìnacioMl

de

Mudi-

.
.

UM
buída ã

minuta desic

novo prqjeto foi

hdo!

ôs!E@'

disbi-

t€s

Cânrârâ

lelo llesiderl€ da iie Fou do

Bl& Ié-

.

(lmôdor eú PresiC$Ì.! 9ssq. qeÌüdo $rF iiloÌ tleühê!âítè e
dèrle lÌânc.).

R!' Ílo B

.Muni.jlais d@idir@ mr un bloco per@
condugÀo dê

úenle dè dLscu3sÁo e
qve dderâ ter o Doo! olcializado na plirei.

trabàU6

!a

reu

ão narcad4

3)

w,

*? çìsúoela+'
'/l
uíadora da Repub ca

tv

MrNrstÉnro Púsuco FpoeruÈ
PRocuRÀDoNA DA REpúBLrc No MUMCÍpro
DE

Foz Do Icuaçuhn

CONCLUSAO

Aos 21 de março de 2007, íaço estes autos
conclusos à Procuradora da República Dra.
Gabriela Rodrigues Figueiredo. Para constar, lavreÍ este termo.

MARCY M. O. RAMOS Matrícula 6355-0

MINISTÉRIO ?ÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA DA RXPÚBLICÀ NO MUNICÍPIO DE FOZ DO IGUAçU/PR

PA n. 1 .25.003.00622712007 -99

1)

OÍicie-se ao IBAMA para que preste iníormações sobre eventual pedido de licenciamento para a construçáo da SEGUNDA PONTE ENTRE FOZ DO IGUAÇU (BR) E PRESIDENTE FRANCO (PY), juntando na resposÌa toda a documenlaçáo reÍerenÌe ao procedimento;
Oficie-se ao DNIT (Departamento Nacional de InÍra-eslrutura de Transporte) para que prêste ìnformaçóes acerca do projeto de construçáo da SEGUNDA PONTE ENTRE FOZ DO IGUAçU (BR) E PRESIDENTE FRANCO (PY), bem como inÍorme sobre todas as medidas tomadas frente aos órgáos públicos

competentes para liberaçáo
3)

da obra, juntando na

resposta toda a

documentâçáo referenÌe ao referido procedimentoi Oficie-se à Prefeìtura lvlunicipal de Foz do lguaçu para que preste inÍormaçoes acerca do projeto de construçáo da SEGUNDA PoNTE ENTRE FOZ DO IGUAÇU (BR) E PRESIDENTE FRANCO (PY), bem como inÍorme sobre a exislência de eventual procedimento no âmbito municipal envolvendo a mencionada obÍa, encaminhando com a resposÌa a documentaçáo que
dispuser.
4)

Com as resposlas, votem-me conclusos.
Foz do lguaQu, 22 de ma(eo de 2007.

IGUES FIGUËIREDO radora da República

MwtsrÉnro PusI-rco

FEoen,A.r

?RocuRÀDoRÌA D^ RÈ?úrLrcA No MuNÌciplo DE Foz oo Ìcu,ccu/pn

OF/PRM/FIIPR n. 378/20A7 Foz do lguaçu,23

de frarço de 2007.

Senhor Chefe,

Cìimprimentândo,o
Pr-ocedirnento Adminisrrativo

com a finalidade de ilsrruir
II,
da Lei Complemenrar

o

n.

I.25.AA3.AA6227

/2002-99, soÌiciro a \rossa

Senhoria nos tem-ros do anigo 80, inciso

\a

75/9J,

no prazo de 10 (dez) dias, a contar do recebimenro deste, que ìnforme sobre
eventual pedido de licenciamento para a consrrução da SEGUNDA PONTE

ENTRE FOZ DO ÌGUAÇU @R) E PRESIDENTE FRANCO (PY),
juntando na respostatoda
a documentação reÍerente ao

procedinenro;

Atenciosamente,

c"br.ltiía iô

"/' drillé.

E

i

g,.'ei'..ao

/iócr.rradora da Repúb1ica

ê 1ì!"

Ao Senhor ELI BARRETO DE LIMA Chefe do ÌBAMA em Foz do Igr.raçu/PR

MnrsrÉaro Púerrco FeoeneL Pnocuneoone oe RepúBLrca No MuNrclpro DE Foz oo lourÇu/pn Avenida das Cataratas, 42 M. Boicy Faz do lguaçu/Pr.

Telefone /fax (45) 352í-4500 Foz do lguaçu,23 de março de 2007.

-

-

Ofício n. 380/2007/PRM/Fl/PR

ExceientÍssimo Senhor PrefeÍto,

Cumprimentando-o com a finalidade de instruir o Procedimento

Administrativo

r,.

1.25.AA3.0A6227

/2007-99, solicito

a

Vossa Senhoria nos

rermos do anigo !o, inciso II, da Lei Complementat

Ío

75/93, no prazo de 10

(dez) dias, a contar do recebimento deste, que preste informaçôes acerca do

projeto de conslmçâo da SEGUNDA PONTE ENTRE FOZ DO IGUAÇU
(BR) E PRESÌDENTE FRANCO

(P!,

bem como informe sobre a existência

de eventual procedimento no âmbito municipal envolvendo a mencionada obra,

encaminhando com a resposta a documentação que dispuser.

GABRI

UES FIGUEIREDO rocuradora da República

ExcelentíssÌmo Senhor Paulo Mac Donald Gisi Prefeito de Foz do lguaçu-PR

"-

|

' - Luk)h.a-

,$a4 tf _1_*

- --,

. .,,

- i.,, ["-]--

27rlA,{F 'a=
MlNtsTÉRro

a
__i,_,

-t
i;r;,_
]

PúBllco

FÉoËRAL

oo lcurçu/en Avenlda das Cataratas, 42 - Nr. BoÌcy - Foz do lguaçu/Pr. Telefone /íax (45) 3521 -4500
PRocuRÂDoRra DA REpúsLrcA No MuNoipro oÊ Foz

Oíício n.37912007lPRMi

FIiPR

Foz do lguaçu, 23 de março de 2007.

Senhor Superintendente,

Cumprimenando-o com a íinaìidade de insrruir o Procedimenro

Adrninistrativo

n,

1.25,0A3.006227

/2007-99, soliciro

a Vossa Senhoria nos
10

termos do anigo 8", inciso II, da Lei Complementar na 75/93, no prâzo de

(dez) dim, a contar do recebimênto deste, que preste infoÍmeções eceica do

projeto de construçâo da SEGUNDA PONTE ENTRE FOZ DO ÌGUAÇU
(BR)

E PRESÌDENTE FRAIíCO (PYl, bem como irform€ sobre todâs
a documentação referente ao referi<ìo

as

medidas tomadas írente aos órgãos públicos competentes para Ìiberação cla obra,

juntando na resposta toda

procedimeo:o.

,,/ -,.. ,.J*_ GABRIELA-RODRIGUES FIGUEIREDO Procufadora da Repúblicâ

llustrÍssimo Senhor, DAVID JOSÉ OE CASTRO GOUVÊA Superjntendente Regional do DNIT no Estado do Paraná Av. Victor Ferreira do Amâr41,1500 - Tarumã 82.800-000 - Cuririba/PR

DNIT$"#ã#lg'J$ï!ffisi+'ïã'Ëïilã'J:HR^'^FNspoRrEs
or

N.o:

O Ug S

Curitiba/PR, Z9

1.4

ÀR zC07

PRM/FíPR ,Í.25.003
2007.ooo2aa

IMPF

Á Sua Senhoria a Senhorâ GABRIELA RODRIGUES FIGUEIREDO DD. Procuradora da República Avenida das Cataratas, 42 - M. Boicy Foz do lguaçu - Paraná

Senhora Procuradora.

março de 2007, visando instruir o

1.

Em atenção aos termos do Ofício n.o 379/2007/PRM/F|/PR, de 23 de

Procedimênto Administrativo

n.o

1.25.003.00622712007-99, informamos a Vossa Senhoria o seguinte:

2. 3.

O projeto de construção da segunda ponte entre Foz do lguaçu (BR) e Presidente Franco (PY), não foi elaborado por esta Superintendência Regional do DNIT no Estado do Paraná;

Assim, face à exigüidade de prazo, 10 dias, sugerimos a Vossa Senhoria dirigìr-se à Direção de Planejamento e Pesquisa - DPP, Departamento Nacional de lnfra-Estrutura de Transportes - DNIT, SAN Quadra 3 - Lote A Edifício Núcleo dos Transportes

-

CEP: 70040-902

-

Brasília

-

DF.

Atenciosamente

SUPERI

DAV|D JosÉ Ê cAsrRo couvÊa DENTE REG AL No ESTADo Do PARANÁ

Offcio Ministério Pìiblico

rÓz oO rCUaçÚ.aoc

t. l1t5/-/

3,P"i upa"

'ü "y' n *ln/, 7 -/f,n*' ao. z c4* vuà.zs +e *'* dSZ e"Arr,' f íá..-;,.
c-,oy-"z,.oer-.

F:,oe/o+1ot

@)/'ar-* o%."a**
ESTADO DO PARANÁ

eZ
51

Offcio n" 043/2007 PGN4/gma

4'l
7.

,i

Q^. \.)t oaj-acL)J7 /).r;) -j

"'

Foz do Ìguaçu, 10 de abril de

DRM/FVPR 1 25 003
2007.000309

Prezada Senhora:

ü â

Em atendimento ao contido no Ofício 380/2007/PRM/FyPR consoante informações prestadas pela Secretaria Municipal de Pianejamento Urbano, o projeto de construção da segr.rnda ponte entre Foz do Iguaçu (BR) e Presidente Franco (PY) é de competência do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte - DNIT. Por oportuno, tem-se conhecimento que o responsável pelo DNIT em Foz do lguaçu é o Engenheiro Vicente Verissìmo, com endereço na Rua Santo Rafagnin, 512, Vìla Portes. telefone 3528 636.1 Expressando sobrelevados votos de consideração e respeito,

Ascoli Procuradora-Geral d Municipìo

Gláucid

Excelentissìma Senhora DoutoÍa

GABRIELA RODRIGUES FIGUEIREDO
Procuradora da Repúbiica Procuradorìa da República no Municipio

FOZ DO IGUAÇU/PR

MnrsrÉnto Púerrco Feoen-ar
PRocuRADoRA oA REPüBLca No l\,4uN Çlpro DE Foz oo lcu,rçu/en

Avenida das Caiaratas, 42 - l\,4. Boicy - Foz do lguaçu/Pr. Telefone /fax (45) 3521 -4500

Olício n. 43712007IPRM/FI/PR Foz do lguaçu, 03 de abril de 2007.

Senhor Superintendente,

Cumprimentando-o com a finalidade de ìnstruir o Procedimenro

Administrarivo

n.

1.25.AA3.AA6227

/2007-99, solicito

a

Vossa Senhoria nos
10

termos do aÌ1igo 8', inciso ÌÌ, da Lei Complementat Í###BOT_TEXT###quot; 75/93, no prazo de

(dez) dias, a contaÍ do recebimento desle, que presre informações acerca do

projeto de construção da SEGUNDA PONTE ENTRE FOZ DO IGUAÇU (BR) E PRESIDENTE FRANCO @Y], bem como informe sobÍe rodas
juntando na resposra toda a documentação referente ao referido procedimenro.
as

medidas tomadas frente aos órgãos públìcos competentes para Ìiberação da obra,

GAB

RODRIGUES FIGUEìREDO Procuradora da Repúbllca

llustríssÌmo Senhor, Direção de Planejamento e Pesquisa Departamento de Ìnfra-Estrutura de ïransportes DNIT SAN Quadra 03 - Lote A Edifício Núcleo dos Transpones CEP 70040-902 - Brasília-DF

JUNTADA

-o*Htuu,*ffu
quc âiudrta

l.

vè. Pola

cortuÍ, :avrü c6ta talDô

cr 024/07
Foz do Iguaçu, 10 de abril de 2007. \. ). Õa3. aô6 ))+)),tc?-71 Ilmo. Sr.

ac!#
PRM,/FI/PR í.25.003
2007-ooo357
,qlessalìdÍo

DR. ALEXANDRE HALFEN DA PORCIUNCULA Procurador da RepúblÌca em Foz do lguaçu
NESTA
Sen

f1-9

la

hor Procurador:

Em 30 de março último, por ocasião da reunião ordinária do CO[4TUR, recebemos formalmente do Sr. Nilso Rafagnin um documento onde ele informa haver ingressado "com denúncia no [4inistério Público Federal e nô IBAlvlA - Instituto Brasileìro de 14eio Ambiente com

pedido de intervenção federal brasileiro para reposicionamento da atividade industriai e portuéria que estão se estabeìecendo junto aos marcos fronteiriços brasileiro e paraguaio, por ser lsso inaceitável do ponto de vista urbanístico e ambiental uma vez que existem outros lugares nesses munÌcípios para desenvolverem esse tipo de atividade sem causar danos ao turÌsmo regional". Afirmou também que requereu junto aos mesmos organismos "a nulidade da licitação da 2a ponte BR-PY entre Foz do Iquaçu(BR) e Presìdente Franco(PY) uma vez que o lugar pretendido se encontra na área de influencia direta dos Três lvlarcos da Fronteira da AR-BR-PY, a 2.500 metros do marco fronteiriço brasììeiro na região da foz do rio Ìguaçu, onde levará todo o tráfego pesado para o Centro do "Pólo Turístico Internacional do Iguassu..." (anexo 01).

No mesmo documento o Sr. Nilso solicitou apoio do COIVITUR Conselho 14unicipaÌ de ïurismo para 08 bandeiras de lutas propostas
que especifica, Tendo em vista que a construção de portos intermodais e a 2a ponte são antigas reivindicações da comunidade iguaçuense, especiaìmente da classe empresarial representada pela Associação Comercial e Industrial de Foz do lguaçu - ACIFI, além de outras entÌdades da sociedade organizada, tomamos a liberdade de fazer as seguintes considerações a respeito.
ÀsÍì.r 9il. a oDreÌcrrle ÌìLLusLli!Ì.lc foz J! fur.rr! A(llìl Iì lrc ì

Related Interests

l,,rrNx .Mr a.nlL1ì lìnn.ir!\ li lill-llttr, til: ltrrrl) .- |()l l)() 1(ìL l,\(lll - l'R c DrâiÌ rdÌì a!rL!!]!

Já em 13 de junho de 2000 a ACIFI promoveu o

Desenvolvimento Econômico, onde, entre outras importantes reìvindicações, estava a construção de um porto intermodal no Lago de ltaipu - entâo chamado de "f4ercoporto".- cuja localização seria na parte do município de Foz do Iguaçu encravada no município de São lvliguet do Iguaçu - Ponta do Bananal- Para esse porto o DNIT já havia feiao os estudos pÍeliminares, o que na época não foi possível
prosseguir por falta de TecuTsos.

I

Fórum de

Daquele encontro participaram o Prefeito de Foz do Iguaçu, dois deputados estaduais, representantes do Governo do Paraná, da Receita Federal e da ACIFI, além de assocìados e demais interessados (a nexo 02).
Em de outubro de 2000 no Seminário Caminhos do Desenvolvimento o tema portos intermodais também foi discutìdo e apresentado como reivindicação. Em 20 de abill de zoot, no II Fórum de Desenvolvimento Econômico, o assunto voitou a ser debatido e reivindicado (anexo 03). Em 3O de abril de 2002, no Seminário lntegração e Desenvoìvimento,

promovido pela ACIFI

em parceria com outTas instituições,

a

reivindicação voltou à baila (anexo 04).

ente'. "Manter gestões nas esferas competentes para a implantação de infraestrutura logística para o transporte de mercadorias no âmbito regÌonal, nacional e internacional, ìnclusÌve uma extensão ferroviária para Foz do lguaçu e portos íntermodaìs no Lago de ltaipu" (anexo 05).

Em fevereiro de 2004 foi aprovado pela Diretoria e pelo Conselho Superior Deliberativo o Plano Estratégìco da ACIFI - 2004/2005, onde
consta explicita
m

No auge de uma crise econômica e social que atingiu a fronteira Brasil/Paraguai em decorrência do l4ercosul, e que em meados de novembro de 2OQ4 culminava com o fechamento da Ponte Internacional da Amizade por manifestantes paraguaios durante vários dias, a AGENDA 19 foi um instrumento de fundamental Ìmportância para a reabertura da ponte naquela oportunidade, o que
prova que suas reivÌndicações eram viáveìs, exeqüíveis e aceitas pelas partes envolvidas.

Arsocioçii. ( one.cirtc lÌlhsLrrll Je !.7 fo lgurçr Acll_'1 R j)ú lvldnr)r tì. t1l0 c.rúì fonc/Fr\ 1i rjr Ì-:ri'L) euan ncrLi.]lgd trsu - SjljI08{r FOZ Do ÌL,llAÇÌ J ' l'R

Trata-se de um conjunto de reivindicações/ quase todas de há muÌto defendidas pela AssocÌação Comercial e Industrial de Foz do Iguaçu ACIFI em diversos fóruns e oportunidades, e que passaram a ser compartilhadas com representantes do empresariado local e de autoridades do Brasil e do Paraguai, que acrescentou ainda o Anexo Paraguaio à Agenda 19.

A AGENDA 19 e seu Anexo Paraguaio, portanto, tinham e têm como propósito maior servir de marco referencial para a mudança do modelo econômico da região trinacional Arg entina/ B rasiì/Pa rag ua i e passaTam a ser invocados em muìtos aspectos nas negociações bìlaterais com o Paraguai que se seguÌram ao fechamento da Ponte lnternacionâl da Amizade naquela oportunidade,
Entre as propostas apresentadas novamente surge a infra-estrutura de transporte - leia-se portos ìntermodais - e uma extensão da Ferroeste até Foz do lquaçu. Com efeito, o item 18 do referido

diz textualmentei "Manter gestões nas esferas competentes para a ímplantação de infra-estrutura logístÌca para o transporte de mercadorìas no âmbito regional, nacional e
documento
internacional, especialmente uma extensão ferroviária para Foz do Iguaçu, facilìtando a exportação de produtos do Paraguai, in natura ou benefÌciados, pelo Porto de Paranaguá, não permitindo a perda deste mercado" (a nexo 06).

Em 02 de março de 2OO5 um novo documento "PROPOSIçÕES DA PREFEÌTURA I4UNICIPAL DE FOZ DO IGUAÇU E DA ASSOCIAçÃO CON4ERCIAL E INDUSTRIAL PARA A CONSOLIDAçAO DA AGENDA 19" foi encaminhado a diversas autoridades, buscando soluções de caráter mais imediato para a grave crise social que vinha sendo ampliada pelas ações de repressão ao contrabando e descaminhos pelos órgãos federais. Este documento também propõe o estabelecimento de IÌnhas de crédito para a implantação de portos e outros intermodaÌs, visando a transposição da barragem de ltaìpu para a utilização da plena navegabiìidade da bacia Tietê-Paraná e Paraná-Prata (anexo 07)
Em 27 de março de 2006 esses documentos foram encamìnhados ao Embaixador José Eduardo N4artins Felício, Subsecretárìo-Geral da América do Sul do Mìnistério das Relações Exteriores, no contexto de uma crise que mais uma vez fechava a Ponte da Amìzade por manìfestantes paraguaios de diversas agremiações laborais (anexo

08).

Ass..irciì,' CorleÌchl e IIdusrri.ìl Je FÒ7 JÒ ÌAtrçn AcÌIrÌ I{ Pr Motrtor. -191)-CcnÌi. [,DcÀ.\ .1ì ìt-]l-llirr)
e nìüÌ: lciLì

ri!q6.!re.\

tjNiÌ'L)N(r fozDO(,ÌlAÇli'PR

Ainda em 13 de maio de 2005, em reunÌão com diversas autoridades e empresários locaìs e o l4inistro do Planejamento, Orçamento e

Gestão Paulo Bernardo foram apresentados os conceitos, as vantagens e as pTemissas básicas para F implantação de portos
intermodais na fronteira,
Nesse perÍodo

tanto que em 11 de agosto de 2005 foi lançada na Câmara dos Deputados a Frente Parlamentar pelo Transporte 14ultìmodal e Logística do Rio Paraná e seus Entornos, contando naquela

o

tema do transporte aquavÌário foi se robustecendo,

oportunidade com mais de 05 dezenas de deputados federaÌs (anexo 0s). Avançando maìs no tempo e estendendo aos países vizinhos os interesses a respeito do assunto, em 25 de novembro de 2005 foÌ realizado em Foz do Iguaçu o Seminário sobre Transporte lulultimodal e Logística da Bacia do Rio Paraná e seus Entornos, reunindo autoridades, empresários do transporte, armadores, lnvestidores e dirigentes de cooperativas do Brasil, do Paraguai e da Argentina.

o evento foì uma idealização da Assocìação Comercìal e Industrial de Foz do Iguaçu - ACIFÌ, da Frente Parlamentar pelo Transporte 14ultìmodal,.. e da. Prefeltura de Foz do Iguaçu, com o patrocínio

empresarial do Cimbessul, da Cooperat'va de Crédito - Credioeste e a Brasil Telecom. Contou aÌnda com o apoio institucional das seguintes entidades:Sindicato Patronal do Comércio Varejista de Foz do Iguaçu e Região - SINDÌLO.IAS; Sindicato de HotéÌs, Restaurantes, Bares e SimÌlãres de Foz do Iguaçu - SINDHOTÉIS; Associação de Câmaras de Vereadores do Oeste do Paraná - ACAMOP; Conselho de Desenvolvimento dos 14unicípios Lindeiros ao Lago de Itaipu; SEBRAE/PR; Associação dos Arquitetos, Agrônomos e Engenheiros de Foz do Iguaçu - AEFI; Ordem dos Advogados do Brasil - oAB/Foz; Assocìação Brasileira da Indústria de Hotéis - ABIH; Associação Brasileira de Odontologia - ABo/Fozi Associação dos Municípios do Paraná - AMP; Associação dos MunicÍpios do Oeste do Paraná AN4OP; Centro de AÌtos Estudos da Conscienciologia - CEAEC; Cámara de lvlediação e Arbitragem de Foz do Iguaçu - ARBITRAFI; Associação Comercial e Industrial da Vìla Portes e lardim Jupira - ASSOPORTES; e ainda as seguintes câmara setoriais da ACIFI: Câmara Setorlaì de Comércio, de Comércio Exterior, de Automecânicas, de Hotelaria, de Indústria e Turismo, de confecção, Moda e Design, de contabilidade, Auditoria e Perícia, além dos conselhos da lVulher Empresária e do Jovem Empreendedor, cujas logomarcas estão apostas no convite e no foldeÍ do evento (anexos 10 e 11).
A!*r.jicrìo (ônrelcl.lc irÌdu\nr.ld. F.z Jo Igurgu - ACIÌ'l R P. ÌíürÌ.\r. tr'rlr - ( e ÌÍN - F.Dc[.r 4i ] il Ì-3 ilrrl eìn.ìil eclli r4!!ir4.U - 858jÌ0Sl-IOZDOt(iÌÌAÇll PR
4

Essas entidades acreditaram, e com certeza ainda acreditam, q exploração da hidrovia é um dos caminhos para a redução dos cust do transporte, reduzindo o chamado "custo Brasil", para dar brasileiroè no exterior, gerando co mpetitividade aos Produtos emprego e renda.

A simples ìeltura do programa do seminário e de sua lista de
presenças dá uma idéia da ìmportância do encontro (anexos 12 e 13).

Já nos primeìros meses de 2006 foram retomadas as articulações da ACIFI com diversas entidades do Paraguai, visando ações concTetas e ìmediatas para obtenção de recursos para os estudos inicÌais para a implantação de portos intermodais na regìão. Para tal propósito juntou-se a CCTI - Câmara de ComércÌo de Tecnologia de Informação ie Ciudad del Este - PY, tendo em vista os estudos de transposição da barragem de Ìtaipu devem contemplar os dois países - Brasil e Paraguai - entre os quais ela está construída e por ser o Rio Paraná um Bem Públìco Regìonal, assim considerado pelos organismos internacionais,

Assim, em 01 de agosto de 2006 foÌ encaminhado ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão o Termo de Referência do, projeto "ÌNTERLIGAçÃO DAS HIDROVIAS TIETE-PARANA E PARANA-PRATA CON4 A TRANSPOSIçÃO DA REPRESA DE ITAIPU, N4EDIANTE A CONSTRUçÃO DE PORTOS ÌNTERMODATS E ESTRUTURAS CO N4 PLE IvIENTARES NA FRONTEIRA BRASIL/PARAGUAI" (anexo 14).
Nele estão contidas as justificatÌvas, os objetivos, o custo total de US$ 943.656,00 e fontes de recursos (BlD - Banco Interamericano de Desenvoìvimento) como empréstimo não reembolsável (doação) para a elaboração dos estudos para integrar vias de transporte multimodal na região, bem como as ações previstas para a implementação das propoltas, abrangendo os aspectos físicos, sociais, ambientais, econômico-financeiros, hidrológicos, estruturaìs, paisagísticos e assim por d iante,
Não há pois o que temer sobre a segurança ambiental do projeto.

Entre os documentos anexados destacam-se:

Assncrc ) Loirercrl e Ìn,lusrri.Ì d. Fo1dlr ÌgÌÌrçx AaÌfÌ It pc M.Dlòa. {1ll) Ccnl!ì l.rc,f'r\ .1j ljll-iito eìÌarl noúi íllldigl]]! ' 8i351-|Etl F1)Z íJo ÌailÌ^çli ìrR

â
1. Cópia

realização de estudos e pesquÌsas para implantação de terminal intermodal em área específica no Lago de Itaipu; 2. cópia da Carta E/CD/O227/O6 da ItaiÈu Binacional em resposta ao ofício acima, concedendo a permissão para a realização dos trabalhos solicìtados; 3. Cópia do OfÍcio no 0441006 - Sf4PU da Secretaria Ìvlunìcipaì de Planejamento Urbano para a Associação Comercial e Industrial de Foz do Iguaçu informando estarem incluídos os portos intermodais e suas vias de acesso no Plano Diretor N4unicipal de Foz do Iguaçu-2006, juntando mapa ilustrativo;
O

Iguaçu solicitando autorização da Itaipu Binacional para

do Ofícìo no 166/06- GP da Prefeitura Municipal de Foz do

Ìermo de Referência recebeu parecer favorável no âmbito do BID,

tanto que em 05 de dezembro de 2006 em Foz do Iguaçu houve uma reunião técnica com autorÌdades daquele banco, do FONPLATA Fondo Financiero para el Desarollo de la Cuenca del Plata, da IIRSA -

Iniciativa para

la

Integración

de la

Infraestructura

Regional

Suramericanâ, da ACIFI, da CCTI, da Prefeitura 14unicipal de Foz do Iguaçu, da Itaipu Binacional, assim como de outros interessados para dÌscutir as bases do estudo, sua factibilidadde, operacionalização e assim por diante.

Por se tratar de projeto de interesse regional que envolve vários países, fÌcou decidido na oportunidade que a Itôipu Binacional passaria a liderar o processo de detalhamento e aperfeiçoamento do Termo de Referência, em articulação com as outTas entidades e autoridades do Paraguai e da Argentina, cujos interesses devem também ser contemplados,

Como se observa pelo até aqui exposto,

a

reivindicação está

perfeitamente ancorada tanto nos desejos da sociedade, manifestados em diversas oportunidades e eventos - todos eles abertos ao público -? como no rigor dos procedimentos exigìdos pelas entidades demandadas. A implantação de portos intermodais e estruturas complementares na fronteira Brasil/Paraguai/Argentina não é, pois, um devaneio, mas uma necessidade real para conseguir maior eflciência, eficácia e economia logísticã regional, além de oferecer oportunidades de utilização da Região Iguassu como plataformã de competitivìdade das empresas e produtos regionals nos mercados internacionais.

lÌ I'c l\l(ìDl{\n. +,rl LculrÌì-lìrr.r[l\.l:IilI ì rii ejD!rl .ì.ili.l!!qìrug!r - iíirjl!rl'!! Ì:( )Z D( ) l(il :,\( I i ' lR

.\s$ìcirça! C. ìì,irürìl

e

h!h!u rL dtltì7JrìLÈniçr ..\( lrl

Cabe aqui, de forma bem resumida, incluir as vantagens comparativas

do transporte hidroviárìo, a participação das hidrovias no transporte de cargas no BrasÌl e outras informações relevantes sobre a matéria, extraídas de uma palestra do Dr. Luiz Eduardo Garcia, Diretor do Departamento do Fundo Nacional de Infra:estrutura de ïransportes do lvlinistério dos Transportes (anexo 15).
É imperativo acrescentar também que o Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Via Navegáveis são regidos e amparados pela Lei no 9.433, de 08 de janeiro de 7997, também conhecida como Lei das Aguas, de onde destacamos;
Artigo 1', inciso lV, prevê o uso múltiplo das águas;

2', inciso ll, uso racional ê integrado, incluindo transporte aquaviárioi
Artigo

Aíigo 13, parágrafo único, estabelece as condições de outorga, incluindo "...a manutenção de condiçóes adequadas ao transporte aquaviário..." (grifo nosso).

Disto depreende-se que, respeitadas as demais leis que regem

a

matérÌa, não se pode tolher a liberdade e a iniciativa de usar de forma racional as vias navegáveis, utilizando o argumento da suposta intocabilidade de atratÌvos turísticos adjacentes. Observe-se ainda que em muitos dos documentos aquÌ anexados, aparece também a reivindicação da extensão de uma linha férrea de Cascavel até Foz do lguaçu, como uma alternativa muito importante para o transporte de graneis sólidos e líquìdos e mesmo como meio de integração dos dÌversos modais para a interligação das Bacias Tietê-Paraná e Paraná-Prata.

Paraguai, por intermédio de representações empresarjais e integrantes de seu Governo, reivindica que a 2a Ponte Brasil/Paraguai seja ro dofe rroviá ria, como se comprova com a "Carta Aberta dos Presidentes do Brasil e Paraguai", fìrmada em 01 de fevereiro de 2OO1, que a ACIFI também subscreveu (anexos 76 e 77).
Sublinhe-se que a construção dessa ponte no local indicado, além de um compromìsso formal do Brasil para com o Paraguai no contexto de acordos maiores, está prevista no planejamento da URSA - Iniciativa para la Integración de la Infraestructura Regional Suramericana, com recomendação de ser rodoferroviária - G-03 - Eje de Capricórnio Argentina, Brasil, Chile e Pìr;g,,âi (ânêYo 18). .\sso.[ç.. (,Drr!r.l c ÌlrÌL jÌ|ildr llz,Ìr lsÌÌrcr r\(Ìfl 7 I{ l'j( lvldn{i\r.lrlr- alcft n -Intr.,Ìrr\ .1-i rjll-1.ìLrir erÌarl rcrlì,/riüli,r!1ìr Nisil (!1i-lr():/l)()Ì(ìll^(lll IR

Não por acaso,

o

7

Nesse mesmo eixo que propõe a promoção do desenvolvimento socioeconômìco regional estão incluídas; a título de ilustração, a construção de ramais ferroviários entre capcavel e Foz do Iguaçu e Cascavel e Guaira e a construção de uma Èerrovia entre Assunção e Ciudad deì Este no Paraguai (anexo 19) Dìante do exposto, Senhor Promotor, permitimo-nos supor haver contribuído de alguma forma para que Vossa Senhoria tenha informações concretas e verdadeiras para dar o encaminhamento justo e éorreto à demanda do Sr. NÌlso Rafain exposta no Ìntróito.

Atenciosa mente,

Wa

nderley Presidente,

Teìxeiía,

c/c

COMTUR

Conselho Municìpal de Turismo

Asírci.cìo (],ìììerci.l

e

Ìrìlusln!Ì

ciÌârì rcüì'atrcriì.rÊ br

R lrc. M.ntÒ!. .l!lr

de Foz Llo Ìguiçu FotrcFu .15 lil ^CÌÌ'l i-ll|0 alcnnn 8;8i l-080 F{.jZ DO ÌGlÌÀÇlÌ'

PR

Anêxo 0í
Foz do lguaçu, 30 de março de 2007.

DE

:NILSO RARAGNIN PARA: NEWTON PAULO DE.A'BREU ANGNLI
MD PRESÌDENTE CONSELHO DE TURISMO FOZ DO IGUAÇU _ PR
C:óPiI' P'ËPÈãSê^I'Ìa N.TE DA

Áü;I )

ASS TNTO: DENI]NCIADO PORTOS DE CARGA E SEGT]NDA PONTE BR-PY EM AREA TTJRISTICA
Teudo em vista

o irnilente

prejuizo ao meio anbiente e tumno rcgiouaÌ. eDcaÌnjdÌgi

pessoaLÍÌeDte deDúrciâ ao Ministério Público FedeÉl na pessoa do Dr âìeríaldre loÌciúrcula e jÌuto ao IBÁMA - Instituto BrasileiÌo de tr{eio AItlbierte. pedido dç úterveofo do goveroo brasileiro para leposicionâIÌteilto da atividade hdìrstrial e poduâia qÌìe es1ão se estabeÌeceudo ju!Ío aos marcos fÍo[teiriços bÌasileüo e paÍaguaio. Declarei ser isso inaceitável do ponto de vista üÌbanistico e ambie Í!a lez aÌue eriisteÌn ouúos lugares oesses üulicipios para deseDvoì

Related Interests