You are on page 1of 16

1

Y"3J6 à ,lv I
-T l

I

RCtt
Associação Comercial e lndusüial d€ Foz da lglaçu

:l

J
:/

:P

.p

Premissas para o Desenvolvimento Regional Sustentável lntegrado BRASIL.PARAGUAI

,p

.p
.P

,p

MPF/FIIPR .25.003.006227 / 2oO7 _g9 Apenso n. 05 (Helerente ao ofício 1712009 - DNIT)
1

._

'p
p
,P
Rua Padre
CEP 85851-080 - Foz

EDITAL- O5O
Foz do lguaçu - Paraná - Brasil Dezembro de 2003

Montoya,490 Fone/Fax: (45) 521'3300 - E-mâil1 acifi@aciÍi.org br
do lguaçu - Paraná

Premissas ara o Desenvolvimento Reqional Sustentável lnteqrado Brasil-Paraquai
1.

Os ciclos pêlos quais a região de Foz do lguaçu passou com o advento de Itaipu ê do mercado de compras e de exportação ao Paraguai são de todos conhecidos, não necessitando de maiores comentáriosi sêrão trabalhos de historiadores de onde, certamente, seráo tìradas profundas lições.

2.

Se olharmos o cênário atual dâ TríplÌce Fronteira, sem paixõês e sem entrarmos no Ínérito de sLlas causas, por cêrto encontrarêmos algumas rêspostas e nos qlestionaremos como comunidade pela nossa falta de envolvimento e comprometimento no fortâlecimento das instituicões. Em conseqüência. não houve rìecanjsÍos de conversação com ôs vários segmentos federais, estaduais e do l\rercosul, e, bem assim, corn a indústria
nacional,.que pudessem ter funcionado como instrumentos de pressão legítima na busca dos interesses mercantis e da sociedade em oerâ1. CENARIO AÌUAL
a) Verifica-se
ul.1,]a mudança de postura do Govêrno Brasileiro nos últimos três anos com relação a Tríplice Fronteira, corn sérios impactos em

nossa economia por decisões do próprio Governo, dos demais parcei.os do lvlercosul e dês pressões internacioFais

{'
(.ì

b)

A

i'

('
c)

indústria nacìonal não respêitou o trabalho dêsenvolvido peìos exportadores e pelo mercado interno, que trabalharam o mercado paraguaio para comprar produtos brasíleiros via Foz do lguaçu, passando a exportar diretamente para Assunção, fragilizando as êxportadoras da fronteira; Estado (lúunÌcipal, Estadual e Federal) em infraestrutura e políilcas integradas e adequadas de desenvolvimento auto-sustentável da
do

ç,:

Ao longo. do tempo sempre houve insuficiência de investimento
tríplice frontêira;

r:
(' {-,. (-

t..
(' ('
(

O empresariado local adotou uma polítìca passìva de desenvo'vimento não investíndo em indúsirias permanecendo basicarnente na comerciaÌização de produtos fabricados em outros pontos do Brasil. Criou-se com isto o estigma de que em Foz do lguaçu não é possÍvei ter Ìndúsúia, mas somente nos vizinhos municípios de Santa Ìerezinha de ltaipu, São Miguel do lguaçu, l\,4edianeira, Cascavel, tornando-se nossa cidade um mero corredor de exportâção:

e

(

e)

A

cídade não se inseriu nas esferas consuÌtivas e delÌberativas do lvlercosul, permitindo que decisões fossem tomadas sem seu conhecimento, sem sua anuência e sem medidas de reduÇáo do
impacto;

t
i i

L".'., ::
,/ at ''

7) ::' .
J z:.

)

', 1l2 , '

"'t'

t

Foz do lguaçu não levê representatividade política a nível Fêderat (Deputado / Senador), a nâo ser interesses políticos circunstanciâis que deram pão e circo ao povo;
sociêdade inebriada e com a visão ofuscâda pelo crescimento da rêgião permitìu e aceitou que interesses não legíiimos florescêssem na Tríplice Fronteira;

g) A

h) Os

mecenismos e políticas dos governos não foram instrumentos inibidores e permjtiram, em maior ou menor estagio, que interesses nacionais, e até internacionais, utilizassem a cidâdê ê a região para íins

escusos;

i)

A insegurança, a corrupção, o enriquecinìento iiícito, a especulação e a

ação dê monopólios oligopólios são fatores impeditivos do desenvolvimento, sendo dever do Estado âssegurar e promover o bem comumi

e

A Associação Comercial ê lndustrial de Foz do lguaçu, vêm buscando nos últimos anos de forma ferrenha a mudança do modelo de desenvoÌvimento da cidade, promovendo fóruns e debates com o erìlpresariado enì geral e com autorÌdades brasilejras de todas as esfetas, assim como dos paises vizinhos.
Visto êste cenário e consideradas algunìas de suas causas, fazemos sugestôes ern trabalhos realizados e em desênvolvimento pela AClFl, não nos colocando como a única instituição, mas como uma das maís ìmportantes com representatividade ê

t(

estatura moral, paìlicipando nas profundas mudanças dê nossa fronteira, com alguns posicíonarnentos deflnidos.

Premissas de Desenvolvimento Sustentável
Não existe uma mc(lida única. É

-

BRyPY

('

o conjunto

que deíine um novo cenárÍo,

1.

Definição de um3 estratégia comum de desenvolvimento que conduza a uma efetiva iransformação da TrÍplice Fronteira, devendo ser estabelecioos os fundamentos poJítícos e econômicos, tendo como ponto de partida a conskução de uma nova contratualidade socÌai:

!-'
!I

2.

(':

Envolvímento e comprometimento dos covernos MunÌcipal, Estadual e Federal em projetos macro de desenvolvimento sustentável, na busca de geração de eTnpregos, renda e iributos, com vistas aos interesses Nacionais, Regionais e do Ìúercosul;

(.'
I I

3.

Revitalização da região Ponte da Amizade em parceia com â PrefeiÌura [4unicipal, Receita Federal e ACIFI e com tantos outros órgãos e entidades quê queiram participar de um projêto inovador em termos conceituaís e de resultados as6eguradosi

f1.

t

4.

Conhêcimento pleno da agênda de negociâçóes dos Governos Brasileiro e Paraguaio em acordos bilaterâls quê têrão repercussões em todos os níveis, como por exemplo: Cigarro, Não Bi-tributação e lnvêstimêntos do BNDES e Fomplata no Paraguai e Foz do lguaçu;
Desenvolvimento de AgroindústrÌas no Paraguaí, complêmêntares com um pólo indüst'iai e'Ì Foz do lgLaçu e região: Antêcipação da ocupação dos espaços dê rnercado previstos pela implântação das "rnaquilas" do Paraguai, que podem se constituÌr em ameaças à indústrÍa brasileira à exportação de seus produtos para os vizinhos países do continente;

5.
6.

ê

7.
8.

lmplantação de portos intermodais no Lago de ìtaipu, seguindo através do Rio Pâraná Tiete - São Paulo e navegação pêlo Rio Paraná com ligação a Argentina;

-

Construção dê um brâço da Ferroestê para Foz do lguaçu, buscando iransportes de gráos do Paraguai pelo Porto de Paranaguá, não pêrmitindo a
perda deste mercado, estimada em 5,0 rnilhões de toneladas/ano.

L

Fnvolvimênto e compromêtimento do Governo BrasÌlêiro, po. intermédio do l\,4inistério de Relações Exteriores, Embaixada em Assunção e o Consulado em Ciudad del Este interagindo num projeto único regional;

l0.Consoljdação de um Distrito Turístico

e

lndusirial através de incentivos

à

i1

implantação de empreendimentos com susteniabilidade ambientali
1. Prodetur

-

Projêto de integração e desenvolvimento ACIFI / 2002;

(-

'12. Reconhecimento do comércio varejista

fronteiriço com implantação de slstema ad"anei.o e fiscal compatível com a realidade;

13.

Abedura da ACIFI para âlianças êstratégicas com o Govêrno Fêderal, ltaipu Bìnacional, ABRINQ, FIESP, FlÊRGS, FIEP, lvlercosul, FcES-lvlêrcosul, BNDES, ABCF, ETCO, Fomplata e outros.

(:

.,

14. lnvestimento da lndústria Nacional ho valor de R$ 6.000.000,00 para imediata revitalização da região da Ponte da Amizade e de R$ 600.000,00 para

ampliaçâo e adequação das instalações da AClFl, abrigando um projeto inédito em nível de Mercosul-

I

({

{

(
{
(

Carta de Brasília
Uma série de acontecimentos posilivos tem maÌcado. nos últimos meses, o conbate à concorência antitética no País. Onde antes pÌeponderava a inÌpunidade. agora cada vez mais se impõe a saudável combinação de atitudes,poìíticas. de alcance es(ralêgico. com o rjgor na fiscaìização. O Seminário Nacional Comércio IÌegâl: lmplicações e AÌtemativas, organizado pela Executivâ Nacional do PaÌtido dos Trabalhadores em colaboracão com o InstirrÍo BÌâsileiÌo de Etica ConcoÍenciaÌ - ETCO. e um novo passo a frente no crescjmento e abrangência das ações em defesa da Etica na Concorrência-

Evidência desta realidade foi a sugestão apreselltada peÌo Ministro da Justiça. Márcio Thoú'laz Bastos, e relerendada pelo Ministro-Chefe da Casa Civii, José Dirceu, no sentido de ciar um Sistema Nacional de Conbaìe â Ilegalidade e Defesa da Ética na ConcoÌrênciâ. Enl outras paÌavÌâs, semear a cultura da legalidade no conlércio como fonna de forlaÌecer a cada dia os vinculos do cidadão com o progresso socjal e econômico.
Ëm paralelo, merecem registros também duas propostas que se destácam pela atuaÌidade formuìadas pelo Secretário da Receita Federal, Jorge Antônio Rachid, e o SecÌetáÌio de Direito Econônico, Daniel Goìdberg, a saber: As alianças estratégicâs entre órgãos do govemo e a iniciativa privada nâ busca de aúecipar informações prévias para o trabaÌho da Receita Federal.

A realização de convênios entre
t--

a Secretaria de Direito Econômjco e diferentes órgãos do Govemo, como a Receita Federal, a ANP e o IPEM, pâIa fazer prevalecer a Lei de Delesa do Consumidot, em especìâl nos câsos de aduiteração de

Uma visão de conj unto
{r,ì

a-

í(-

Nesse quadro de transiçãd e mudanças positivas, o Instituto BrasiÌeiro de Etica Concorrencial - ETCO e a Executiva Nacional do PT, formÌrÌâm as seguiDtes sugestões: Fortaìecer e ampliar a coordenação de ações na esfera federal. que possam daÌ respâldo às ações de combate à ilegalidade em curso nos Estados e nos Municípios.

' '

I
((('

Consolidar a sinergia entre os diferentes agentes econômicos e o Govemo visando criar um banco de dados e de informações que sedam o alicerce de uma Inteligência de Combate à Iiegalidade.

' .

Definir PoÌíticâs de InclÌrsão Social que pennitam gerar emprego

e renda,

aÍremariras ao rrabalho ilegal e in[ormaJ. Revisar e fortaÌecer a atual ìegislação existente como forma de diminuir a impunidade, aumentando penas e criminalizando condutas de práticas ilegais e confedndo ao Ministério Público legjtinidade paÌa propor as ações penais, cuja

tI

(
1.

natureza passaria a ser púbÌica incondicionada. As Cpl,s da pirataria e dos Combustíveis seriam a fonte natural pâra inspiÌar estas mudanças.

fonaJecer asaçü<seogriu de informaçâo para o Minisrerio púbjico. estabelecendo convênio entre os diversos serores e entidades com o CNCOC NacionaÌ de Combate às Organizações Crìminosas).

'

lcÍupo

Ìntercámbio de inlbnnações entt.e órgãos Públicos de investigação (Minìstério Público. Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, poljcias Civii e Militar e órgãos integrantes do SISBIN) para formar banco de dados de açôes repressivas. Lllplementação de con\'ênios entre as ONG's, Ministérjo público e as SecretaÌias Estaduais de Segurança e Superìntendêr'rcia da polícia Federal.

'

.

AceleÌara aprovação do Projeto de Lei do Deputâdo Gonzaga Mota, ent tramitação na Cânau Federal, que trata do conìbâte a ilegalidadejunto aos países do Mercosuì
t

'

Campanha de esclarecimento e mobilização da opinião púbÌica e do consun.ìidor com o objetivo de criar e consolidar uma ética de consumo.

.

Transfomrar os nu1ìcipios em agentes prioritiirios e capilares no conìbate a iìegaÌìdade, contando com o apoio dos Estados e da fJnião, alán dos agentes econômjcos, visândo lortâÌecer as âções exelìplâres de lìscalização e controÌe nos pontos de venda.

.

1

íI

Arnpliar a implantação dôs nedidores de vazão para o setor de cervejas em outos Estados da Federação, segÌrindo o caminho já aberto peÌos estâdos de São pauÌo, PaÌá. Minas Gerâis, Ceará, Pemambuco e Bahia. Tanbém dar inicio à implantaçào dos medidores para o setor de refrigerântes.
Apror,ar no Congresso Nacionai o PLP 20. enl tramitaÇão na Câmara. encerrando assim a reforma tdbutária no estratégico setor de combustíveis. Além disso. é fundâmental a redução dâcarga tributária no álcool hidratado, bem como a obtenção da ADC - Ação Declaratória de Constitucionalidade da CIDE. no âmbito do Supremo Tribunal Fecleraì.

'

f(,

'

(,,:

C.

((\ ((-

Aumcntar a fiscalização do Ministério do Trabâlho nas empresas em função do nào cumprìntento da legisìâção trabaÌhista.
FortaÌecer a fiscaliza(:ão no varejo do setor de fumo, de modo a inibir o comércio
ilega1.

'

t(
(
( (

Proibir a comerciaÌjztção de produtos de consumo, não rcgularizados pela An\isa, nas feirrs públicas e c.ìmelódromos organizados pelas pr.efeituras. lntensificar a fiscaliz:ìção na prodüção de alimentos de modo a combater as falsifi cações e adulterações.

'

{-( ( (

i.

3

_

.

Coiscientizar a Sociedade dos riscos ambientaìs e ecoÌógicos qüe a iÌegâljdade

pode trâzer. Ar-npliar o combate à conupção e sua colexão coÌtì a FalsiÍìcação, è Sonegação e o

Contrabando.

' .

Idciar estudos de Inplântação de

un1 Projeto de Desenvolvimento altefl.ìativo para

a Região de Foz do Iguaçu.

Aurpliar a fiscalização em empresâs de turisno que fomecem ônibus para a região da triplice fronteira.
Palavras Finais

Todas as ações precisam convergir para conscientjzar o cidadão dos riscos representados pela concolÌêllcia ilegai. Sobrctudo, os seus vínculos com o Crime Organizado. Canpaúas de esclarecimento à opinião pública devem ser levadas à prática, assim como deve-se incentivar o consumjdor a exigir notas Íiscais. Convictos de quë assjD'l estanos contribuindo para o progresso e bem estaÌ da sociedade, assim como o desenvolvimento susteotado brasileiro, agradecemos a todos aqueles que contdbuíram para o êxito deste Sen'iütârio pioneiro qi.:e, cefiamente, terá repercussões das mais posìtivas no combate ao comércio iÌegal e na afinaçâo dos ' alores élicos da conconéncia.

Execütiva Nacional do PaÌtido dos Trabalbadores - PT

lnstituto Brasileiro de Ética Conconencial - ETCO

nctFp
AcIFI defende política de desenvolvlmento su6tentávêl para Foz do

Ações coordenadas com outras entidedes prètendem auxltiar no
cfescimênto fegional

lguaçu

Com â realização do Fórum de Desenvolvlmento em junho de 2000, a Associação Comercial e Industriêl de Foz do Iguaçu (ACIFI) aniciou um movimento em busca de soluções para problemas comuns e mudança do modelo de crescimento na fronteÌra entre o Brasil e o Pôraguai, envolvendo autoridades dos dois parses, Diante de ações realizadas para o fortalecimento econômico e social da regrão, a ACIFI percebeu que o caminho têria que ser mais abrangente até mesmo para se adeqLrar no contexto do papel da Ìnstituição, representante de mais de 820 empresas,

A idéaa de buscar novas parcerias aproximou a associação do Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (ETCO), entidade que atua contra a evêsão fiscaÌ, a falsificação de produtos e o contrabando, Numa reunião corn o presidente da ETCo, Ernerson Kapaz, em São Paulo, os dirigentes da ACÌFI, Arnaldo Bortoli, Wanderley Teixeira e Dênilo Vendrúscolo apresentaram os posicionamentos da ACIFI e o projeto que êponta várías sugestões para o desenvoTvimento sustentável da fronteira. "O desafio é fazer com que esse projeto saÌa do papel, Estamos diante de uma oportunidade de mudar o modelo de desenvolvlmênto de Foz do lguaçu, resgatando sua credibilidade e valorizando os bons empresários", explica Arnaldo BoÍtoli.

Após o encontro com os empresários iguaçuenses, o ETCo e a Executiva Nacional do PT realizaram o seminário "comércio llegãl: Implicaçôes e Alternativàs", Juntamente com os ministros José Dirceu, dê Casa Civili 14árcio Thomas Bastos, da Justiça; e Jacques Wagner, do TrabaÌho e ãutoridades federais, êstaduais e municipais, o instituto debateu sobÍe os impactos negativos da concorrência antiéçiça na economia. No evento foi formulada a carta de Brasília, documento que apresenta várias propostas, entre elas, a formâção de allanças estratégicas entre ór9ãos do governo e a iniciativa privada na busca de antecipar iníormações prévias para o trabalho da Receita Federal. A sugestão mais significativa do documento é ô de iniciar estudos para implantèção de um Projeto de Desenvolvimênto Alternatìvo para a região de Foz do Iguaçu.

a

Na avaliação do presidente do Conselho Superior da AclFI, Wanderley Teixeira, aproximação com o ETCO suÍgiu no momento apropriado e que esse é o primeìro passo para mudar efetivamente a realidade da fronteirê. "O caminho é buscarmos parcerias, se trabalharmos de forrna isolada não há como fazer um trabâlho de maior amplitude", afirma.

Há dois anos e meio a ACIFÌ tem se dêclarado em defesa das atividades empresarÌais, dentro de uma ordem econômica fundada na livre inlclativa, a valorização do trabalho, levando em conta princípios dê propriedade privõda, livre concorrência e justa remuneração. Entre as propostas da ACIFI para o
Dêsenvolvimênto Sustentável estão:

- Envolvimento e comprometimento dos Governos |4unjcipal, Estadual e Federâl em projetos na busca de geração de empregos, renda ê tributos;

-

Revitalização da região Ponte da Amizade êm parceria com Municipal, Recêita Federal, ACIFI e outros órgãos e entidades;

a

prefejtura

- Conhecimento dê agendô de negocìações dos covernos Brasileiro e paraguaio em acordos bilèterais que terãô repercussôes em todos os níveis, como por exemploi Cígarro, Não Bì-tributação e Investimentos do BNDES e Fomplata no
ParaguaÌ e Foz do Iguaçu;

-

Desênvolvimento de Agro - Indústrias no paraguai complementares com um pólo industnèÍ em Foz do lguaçu e regiâo;

- Antecipação da ocupação dos espaços de mercado previstos pela implantaçâo das "maquilâs" do Paraguai, que podem se constitulr em ameaças à indústria brasiÌeÌra e à exportação de sêus produtos para os vizinhos países do continentej
- Implantaçâo de portos intermodais no Lago de Itaipu, seguindo através do Rio Paraná - Tiete - São Pauio e navegação pelo Rio pôraná com ligaçào a

Arqentina;

Construção de urn braço da Ferroeste pâra Foz do Iguaçu, buscando transportes de grãos do Pèraguaí pelo Porto de Paranaguá, mercado estimado ern cinco milhões de toneladas/ano.

-

-

Consolìdação de um Distrito TLlrístico e Industrial através de incentivos implantação de empreéndÌmêntos com sustentabilidade ambiental;

á

- Reconhecimento do comércio varejista fronteiriço com implantação de sistema aduafleiro e fiscai compatível com a realjdade;
OqueéoETCO
O Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO - é uma organização sem fins lucratrvos que reú1e entdades empresariais e não governarnentais com o objetivo de delim tar 'pàrâmetros éticos para a concorrêncra e estiFUlar ações
eficazes contra a evasão fìscal, a falsifÍcação de produtos e o contrabando,

As atividades começaram em abril deste ano. O instituto é fruto dè iniciâtiva de

empresas brasileiras dos setores de combustíveis, cigarros, cervejas refrigerantes. A proposta é que, em conjunto, eías possam contribuir para
desenvolvimento sustentado e ã criação de novos postos dê trêbalho,

e

o

ERËlEflI

É

55

-ri.1r:

rj!

PHrlr{Ë

r.rü.

:

+995?1 2r2Ét3

àpr. q9 2trq2 69. LÈFtt1 Pr

CI\IBÂI.\ADÀ DO BRÁSIL ENI ASSL!\( ÃO
CoÍonel lrraT*ibal esq. Eligio Aya.la Casilla de Correo 22 AsuncióÌì - PaÌagxay Telefono: (5952Ì) 214.466/53"1 Fe.r í!9521ì 112 691

Òr- .. L- ì
PaÍ1L
NÍ deFAX1
Dr, Míluro

llüto

fecha
Nr. de Das:

91412002

DeÌegÍdo da Receita FedeÍal em Foz dô lguaçu 5S4s 574 479s

5

RubÍicai

Com releralcia à nossa conygrsa tel€tônjÇa d9 oÌÌ1eÍÌl dia 8, encaminho. em anexo, para tiÌ$ dç

r

istro, cópia do roteiro entregug ao Minislro da Fazenda, James Spaiding, coin

o

sÌrÈá4io dos pedidos fonnulados pela çomitiva da Profeitura de Foz do Íguaçu e da Âssoçia9go
Cornercìal e

llldustial (ACIFI)

dêssâ cidâdè, reÌativâ3 a ques'tões âduaneiras envolüdas no comércio

fiorteiriço

,

,

Cordiais sarrdaÉes,

Ì

f-

L-t*
CoueìÌreiro

4_-

FRÁNCISCO N{AURO BRASIL DE HOLANDA

'

,

pREFEITURA MUNrcrpAL e on.nssoctnçÃo coMERcrAL E ïgstÇÕes on INDUSTRTAL DE Foz Do rGUAÇu (AcrF) soBRE o cot'4ERcIÒ FRoNTEtRtço

Premissas

- As particularÌdades do comércio froÀtèiriòo comportam a adgção de medidas
especificas, que contribuam para a simplificação e transparêncla dos controles aduaneìros; a expânsão do comércio fionteiriçO formal; a consequente crtação I de enrpregos; e a ampliação das receitas tributárias em ambos os países;

.-

Dadas ,ab especificÌdadeS da temática frqntelrìça, há uma margem de atuaião em nívèl bilateral, ao amparo das respectivas tegìslaçõe9 nacionais e
dos cornpromissos assuntidos no âmbito do MERCOSUL,

Ihstrumentos llásicos

. -,.No âmbito do MERCOSUL/ avançar na formulação de um "Estatuto r Frontelriço", que abarque tamllém questões lidadas à .pì-evldência social,
e aperÍeiçoamento da infraestrutura, dentre outros temas que contribuarn para a melhoia -das.. condições de vida das populações
saúde, educação
ÍÍor'ìLeiriças;

- Estimular a dlscussão da temátlca fronteirlça no âmbito do Foro Consultlvo
Econômico-Social do MERC0SUL;

- No plano.bllateÍal, estimular o adensamento da cooperação entre os grêmlos empresarlals representatlvos dos 'dolg, países; lmplementar os controles lntégrados de aduana nos prlnclpals passos (e frontelra bllateràls; e

'..'

aprofundar a cooperação entre as Aduanas dos dols paÍses, na formaçã0, trelnamento e aperfelçoamento de recursos humanos.
Ì"ìeüldas pontuals que poderlam ser adotadas no âmblto bllateral

METI;s para ltens.ot pr"r"nçá mais importantê no comércìo írontelriço (lista em anexo), lsso contrìbulrá para controlar o contrabando €j--para. aumentar as receitas tributárias

- Isentar prqvisori;mente a aplicação das

paraguaias;

\--

.

'\
,

: , .. - ; .,. *.' '' ''',', '" ' .:i i : ,
.1

- .Isentar provlsqrlamente

.,t,

a. aplic€ção

do INAM às expo,rtaçÕès de produtos

allmentícios bràslleiros; explorar a possiOttiOaae Oe estabelecèi-se mecanlsmo bllaterdl de facttttação do ieconhdctmento de regtsiros, a e*cimplo oo que exlste'entie. Brasll e -"'-.'' : ''-":',-

,
,

- '

:'

Aroentlnà:
:':-",'":"" j ì

'r' 1ì
.1

Ì ! ' i, , j l- ' , '' ' : ':"

,' .

.. , braslleiros expoÍtàdos , para cdafàsuail,. s.9 ,amparo-'dos mecanlsmos de. cómércio .slmpllflcado (slstãma ìÈ ,tmpo*içõès menoies) e .dos controles 1 úercadorlas'no'Paiaguai, s' no'Pa iag ual e lnteorados, radds, torn toÍn llvre ctrcülaçêo das úercadorla aduanelros ad ua nelros. lnteg clrculação dài
medlante recolhimento dos grayames através da Íede bancárla' .
.

tlxar um teto de

130ó para os gràvames lnpldentes sgbrê os produtog

.\-

"

.9

q--.-!' ..r.r rlii F: q 5' -7:j"-:;: ;ll:I * E Â iJ: ::! i5lì- /

ãÊ"ËËÉ;#Ì'

' :lJ i,iúji
tíil

I

.itl
ry-J

s.ã
ê

t.

o {r oõs
,9.Ë

È<
ËË

\e
ÈE a

E Ë
E

4
É É É

E

e
j
lal

tsi

Êì E
Ê
(.ì

c
E
('?

E
Ê

z I

E E .E

E c- \l _9

ì

q
_i

'E

!9

€Ì
E
.ga

G

€)

G
.9

G
.9

!

E E

s

c

:
,.ì

o

,ì Íì

O

X

cl

í'

z
"*-dÉ

'
((' ((í:'ì
(."

€F tÈ r :È

(n
È

L'
GE

&

Ì ì õ
rÍl

9

E

Q
E

É

d

zo
I

?

I ã

.9

z

õ

ü
-9

O E FO
.9
.N

o! õ
I

o
cc


'E

ç

-l
.9

= s U
U
J

J

E
E

d

.N

t\
t
(

E

9
E

(J .9

F

(-) L!

(l
I

(J

(,
F

É


.9
E

OJ

Ê

E

UO

ã
_9

irl

E

c

.9
g

I

g

b q
()
g

z

ú,

I

E

.9

I

È Ê E E

Èì
É E É E E E


È

I
Ë E
(.Ì

Ë
Ê

E
('?


G)
Ê

trì

q
E

6
e Êì .E LÈ)

'a
.2

t
E

4
E

g
G)

E

9

i
.3

g)
2

-E .9

G) G,

E
(È_l

i

!:e)

õ ,9
G)
à

.É G)
E E

I
È

ã

o EI b"

oE

e .5
.E

:

(8)

3

G]

'õl E .à

õ
a 5

.ej

J
Fì O

I t!

9trì ài

Q

E'

U a
t.i
E

9o ,< '! =ÈF ã2 z^
U

=! CDR

x

a!

x

ì

r-ì

z
trì

z
U

a

z

z

.9
,E E

I

e j
.E
E

E

= õ
g

&tffit

N

o
:Z
L

()

I 6
e
E r!
I

H

f - rt g
I

tG

9o z o

Ê J

E .! .9

z
E

't
l

E

G .9 (,
E

ì tr
I

.E

J :
'E .9
È

õ

J

:
õ
.9

.E

&

ca

F

(J

i! F F F j z i! Á õ l ) ) J I ,-.ì F F F ) f ! t- F- F
LÌì

L!

!
O

J

:E

J

E

É

q


F
.q (!
_q

(!

Ê .9)

c
E

q
N
0)

o

I

o

Ê

o F F È
-o
V) É,

I
o

o

E

o

€) o @ .à o cr, q d o o

c o o

I

ì,
i?
1ï :_6

rr.ì

1
ô ii

lrJ

J f J

o
È@

o o
tf.f--

ttc{
(o
o.)

ì!

o

È-

t Ët e! .Ëx
r-l

o

o

x
Lr-

o
NC{

j o
N N N N
N N
@

f.-

N

N
(o

uJ

z
o IL
a\-

N N

f.-

o o to o t- o N a.c!
@

o o

N N

N

1
_q
IJJ

l-

_q

= oa

z

o o

.o

õ o 'tr E o 4
o

@

o
-o

LL

!o
E

.9
E

U)

c)

(!

=

o
m

_o. o o O o o ! .q. Ë .9 o o o TL

.q

€ d)

co

o

z

IY