You are on page 1of 46

3

DP S
L abor at or i o de D esenvol vi ment o de Pr ocessos de Separ ação





CAPÍTULO I

INTRODUÇÃO: ENGENHARIA DAS
SEPARAÇÕES E SUA INTERRELAÇÃO COM
PROPRIEDADES DOS SISTEMAS























I.1




- End of pipe technique
(Final do processo)


- Clean Technology
(Tecnologia limpa)

- Optimization
(OTIMIZAÇÃO DAS UNIDADES E DA PLANTA )








I.2








1- PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DIFUSIONAIS E
MECÂNICOS


Os processos de separação difusionais são
processos opostos aos processos de separação
mecânicos.


Quando o equipamento de separação recebe uma
alimentação heterogênea, consistindo de mais do que
uma fase da matéria e somente serve para separar as fases
entre si, ele se constitui em equipamento que promove
processos de separação mecânicos. Eles são importantes,
mas não serão tratados aqui. Como exemplo tem-se os
ciclones, centrífugas, filtração, flotação, separação
magnética, entre outros.



I.3


Quando o equipamento de separação recebe uma
alimentação homogênea e o processo de separação
envolve uma transferência difusional de matéria a partir
de uma corrente de alimentação para uma das correntes
de produto, tem-se um processo de separação difusional.




Nos processos de separação mecânicos há sempre a
presença da fase sólida, enquanto que no difusional, a
mistura a ser separada deve ser homogênea, embora possa
haver misturas do tipo líquido mais vapor, como a que
pode acontecer no processo de destilação.








I.4

A maioria dos processos de separação difusionais
opera através do equilíbrio entre duas fases imiscíveis,
as quais têm diferentes composições no equilíbrio. Na
destilação, por exemplo, as fases líquida e vapor são as
duas fases mencionadas. Outros exemplos seriam:
evaporação, cristalização, extração líquido-líquido, etc.



Por outro lado, alguns processos de separação
funcionam em virtude de diferenças na taxa de
transporte através de algum meio sob a ação de uma
força imposta, resultante de um gradiente na pressão,
temperatura, composição ou potencial elétrico. Estes são
os chamados "processos governados por taxas".








I.5
Usualmente, estes últimos fornecem produtos cujas fases seriam
completamente miscíveis se misturadas umas com as outras,
enquanto que processos de equilíbrio convencionais
necessariamente geram produtos que são imiscíveis um com o
outro. Exemplos destes processos: destilação molecular,
membrana líquida, permeação gasosa, difusão térmica, etc.



Processos de separação por equilíbrio têm sido
referenciados como "potencialmente reversíveis" e
como "processos de separação por partição"
enquanto que os governados por taxas como
"irreversíveis" ou processos de separação de não-
partição.









I.6



2- IMPORTÂNCIA DESTES PROCESSOS E ESTADO
DA ARTE



Durante a guerra de 1939 – 1945, os processos de
separação assumiram uma nova importância. Isto se deu
devido à demanda de combustível para aviação e aos
estoques de compostos petroquímicos.

Normalmente, nas Indústrias Químicas e
Petroquímicas, 40 - 50% dos equipamentos se
referem a equipamentos de separação e 70% do
consumo de energia refere-se à parte de separação.
Destes, 95% são gastos com o processo de
destilação.






I.7
Engenharia Química está relacionada com a transformação de
materiais para estados e/ou condições nas quais eles são mais úteis e
preencham as necessidades de mercado. Estas transformações
caracterizam processos e, praticamente, todos os processos requerem um
“input” de energia em maior ou menor quantidade. Depende do
engenheiro químico fazer o melhor uso possível desta energia,
tanto do ponto de vista de tornar o processo possível e seguro quanto de
como otimizá-la.

Embora processos de separação tais como filtração e destilação
tenham sido usados há centenas de anos, há um grande interesse
atualmente em processos de separação, principalmente devido aos
seguintes fatores:

1º) Reservas de matéria prima de alta qualidade
estão começando a se esgotar, sendo necessária a utilização de fontes
inferiores, ampliando a necessidade de purificação, essencialmente
relativo ao uso de processos de separação para eliminar contaminantes
indesejáveis.

2º) O mercado está se tornando mais sofisticado e demanda,
portanto, produtos de alta pureza, muitas vezes difíceis de se remover.





I.8
3º) Alguns dos mais convencionais processos de separação,
particularmente, evaporação, secagem e destilação podem demandar uma
grande quantidade de energia e aumentos no preço desta
energia, como vêm ocorrendo, têm estimulado esforços para a
diminuição do consumo de energia.

4º) Têm crescido muito o uso de processos de
fermentação e outras formas de reação bioquímica. Os produtos
são, usualmente, na forma de sistemas aquosos diluídos e o processo de
recuperação pode ser bastante complexo, às vezes, envolvendo 8 - 10
estágios, os quais podem dominar o custo do processo.

5º) Muitos produtos a partir de biorreatores são de alta massa
molar e são facilmente degradados por tratamento químico e, por
isso, tem sido necessário o desenvolvimento de novos solventes. Por
exemplo, proteínas são desnaturadas por solventes orgânicos usados na
indústria química.

6º) Desenvolvimentos na indústria farmacêutica, em
particular, tem levado à necessidade de se produzir materiais de alta
pureza. Isto demanda alta tecnologia, uma vez que estes produtos, em sua
grande maioria, são termosensíveis.



I.9

7º) Os avanços em " hardware " e " software " propiciam
significativas melhoras na modelagem e simulação de processos de
separação difusionais (PLANTAS VIRTUAIS), equipamentos
altamente complexos, devido à natureza multiváriavel do sistema e às
inter-relações entre as variáveis, o que os caracteriza como geradores de
sistemas altamente não lineares.

8º) Com a disponibilidade dos simuladores comerciais é
possível sintetizar, simular e otimizar de forma rigorosa equipamentos
para específicos casos em processos de separação.

9º) No presente momento, a preocupação está com o
desenvolvimento da modelagem matemática dos processos. Para alguns
processos no estado estacionário já se têm modelos razoavelmente bem
representativos. A preocupação deve ser voltada para análise,
otimização e controle de tais processos. A maioria, no entanto,
ainda necessita de estudos intensos de modelagem, simulação ,
otimização e controle.

10º) O estudo da eficiência dos processos é matéria de
grande interesse prático, científico e econômico nos dias atuais.




I.10
11º) A aplicação de inteligência artificial aos processos é de
interesse crescente, uma vez que a transferência e a quantidade de
informação muito grandes e a tarefa e complexa do ponto de vista
operacional.

Para separar dois materiais é necessário identificar, entre outros
fatores, uma propriedade na qual os componentes
diferem. Em geral, quanto maior a diferença na propriedade, mais
fácil a separação. Os componentes podem estar presentes como fases
separadas (sólido em líquido, líquidos imiscíveis, etc), ou como misturas
as quais formam fluidos simples (líquido ou gás). Em muitos casos, há
uma escolha dos métodos de separação quando há diferença significativa
em mais do que uma propriedade física (ex: volatilidade, solubilidade,
etc). A técnica mais utilizada é a destilação.

12º) A minimização da geração de poluentes é
atualmente, umas das principais atividades da engenharia das
separações. Ela pode modificar plantas e escolhas de processos.

13º) Finalmente, a globalização e a competitividade de
mercado fazem do engenheiro das separações um dos principais
profissionais nos cenários das indústrias e do desenvolvimento de
processos e produtos.



I.11



APLICAÇÕES COMPUTACIONAIS


Nos últimos 20 anos "Computer - Aided - Process -
Design" (CAPD) tem se tornado uma importante sub-disciplina da
engenharia química. Este campo está muito atuante nos dias de hoje e
continua a crescer. O número de usuários, número de publicações,
número de aplicações de programas de "flowsheet" e técnicas de
simulação são muito grandes.

Este rápido crescimento, por outro lado, torna difícil o
acompanhamento dos desenvolvimentos. Avanços significantes têm sido
encontrados em:

a-) síntese e análise de processos

b-) otimização e solução de equações

c-) " design " de equipamentos

d-) modelagem de unidades e processos



I.12

e-) teoria e técnicas de estimativas de propriedades
termofísicas e de transporte

f-) novos desenvolvimentos de " software "
(Simuladores Comerciais de Processo)

g-) novos desenvolvimentos de " hardware "

h-) avanços nas áreas de informática, nas técnicas matemático -
numéricas, transferência e manipulação de arquivos, desenvolvimento de
output gráficos, técnicas de programação lógicas e não lógicas tais como
LISP, PROLOG, Computação paralela, teoria Fuzzy, Algoritmo
Genético, etc.

Estes avanços têm sido estimulados por:

a-) aumento no preço da energia e, portanto,
necessidade de otimizar o seu consumo

b-) competitividade e, daí, aumento da eficiência de
um processo



I.13

c-) mudança na situação de ofertas de matérias
primas.

d-) desenvolvimento de novos produtos e processos

e-) segurança e minimização da geração de poluentes

f-) maior contato entre os pesquisadores devido aos
meios de comunicação

g-) facilidades computacionais

h-) interação dos problemas práticos com os
pesquisadores (indústria e universidade)










I.14
3- OPERAÇÕES DE SEPARAÇÃO


As operações de separação difusionais podem ser classificadas
como:

- processos de transferência de massa interfase

- Processos de transferência de massa intrafase

Os processos de transferência de massa interfase envolvem a
criação de uma segunda fase, seja pela adição de calor (agente de
separação energético) ou de um outro componente que irá funcionar
como um agente de separação mássico. A seguir, haverá uma
separação seletiva dos componentes químicos (que antes formavam
uma mistura monofásica) através da transferência de massa para a
nova fase criada.

Como exemplo, podem ser citados os mais conhecidos processos
de separação tais com destilação, absorção, extração líquido-
líquido, adsorsão, cristalização, etc.






I.15

Novas tecnologias estão emergindo, também na indústria
química, graças às mudanças nas necessidades sociais e nas condições
econômicas. Estas estão baseadas em aplicações de
barreiras ou campos que fazem as espécies se difundirem a
velocidades diferentes. Não há necessidade da introdução de energia
ou da criação de uma nova fase. Como exemplos, podem-se destacar
processos bem menos convencionais, tais como: pervaporação,
difusão gasosa, osmose inversa, etc.


CLASSES DOS PROCESSOS DE SEPARAÇÃO


Os processos de Separação Mecânicos são caracterizados por
possuírem alimentação heterogênea, consistindo de mais de uma fase
da matéria e simplesmente servem para separar as fases umas das
outras. Por exemplo, um filtro ou uma centrífuga servem para separar
as fases sólida e líquida que compõem a alimentação. Estes processos
não serão tratados neste documento. Entretanto, pertencem a esta
categoria:

- centrifugação: baseia-se em diferenças de densidade e a
alimentação é constituída por líquido + sólido ou por líquidos



I.16
imiscíveis

- ciclone: idem acima, mas a alimentação consiste de um gás + sólido
ou gás + líquido

- filtração: baseia-se em diferenças no tamanho das partículas e a
alimentação é líquido + sólido.

- flotação: baseia-se em diferentes propriedades de adsorção da
superfície dos sólidos depois de adicionado um surfactante. A
alimentação consiste de sólidos finos misturados.

- precipitação eletrostática: baseia-se na carga de partículas finas
de sólidos e a alimentação é constituída por gás + sólidos finos.

Os processos de Separação Difusionais se caracterizam por
possuírem alimentação homogênea e envolvem uma
transferência difusional de matéria da corrente
de alimentação para as correntes de produtos.
Estes processos serão os vistos aqui. Os exemplos, portanto, virão a
seguir.






I.17
4- PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DIFUSIONAIS



1º) Processos de Equilíbrio

2º) Processos governados por gradientes
(taxas)



Os processos baseados no equilíbrio operam através
do estabelecimento do equilíbrio de duas fases imiscíveis, as quais
possuem diferentes composições no equilíbrio. São estes os processos
que serão tratados com mais detalhes.



Os processos governados por taxas se caracterizam por
possuírem diferenças na taxa de transporte através de
um meio sob o ímpeto de uma força imposta, resultante de um
gradiente na pressão, temperatura, composição, potencial elétrico, etc.






I.18


Os processos governados por taxas são essencialmente aqueles
processos de transferência de massa intrafase, anteriormente
citados.

Os principais exemplos dos processos governados por taxas e
suas características são demonstrados abaixo:


ITENS IMPORTANTES NOS PROCESSOS DE
SEPARAÇÃO DIFUSIONAIS


Processo Alimentação Agente de
Separação
Princípio de
Separação
Difusão Gasosa Gás Gradiente de Pressão Diferenças nas
taxas de difusão
através de uma
barreira porosa
Difusão Térmica Gás ou
Líquido
Gradiente de
Temperatura
Diferenças nas
taxas de difusão
térmica
Diálise Líquido Membrana Seletiva Diferenças no



I.19
transporte
difusional através
da membrana
Eletrodiálise Líquido Membranas
aniônicas e catiônicas
Tendência da
membrana
aniônica passar
somente ânions
Permeação
Gasosa
Gás Membrana Seletiva:
gradiente de pressão
Diferenças em
solubilidade e
taxas de
transporte através
da membrana
Eletroforese Líquido
contendo
colóides
Campo elétrico Diferentes
mobilidades
iônicas dos
colóides
Osmose Inversa Solução
líquida
Gradiente de pressão
+ membrana
Diferentes
permeabilidades
através da
membrana
(tamanho
molecular)
Destilação
Molecular
Mistura
líquida
Calor + vácuo Diferenças nas
taxas de



I.20
vaporização




AGENTES DE SEPARAÇÃO




1º) Energia


2º) Massa





PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DIFUSIONAIS (EXEMPLOS)


Evaporação – Expansão Flash – Destilação – Adsorção – Cristalização –
Stripping - Lixiviação – Absorção – Extração Líquido – Líquido –
Destilação Extrativa e Azeotrópica – Secagem de Sólidos – Fusão zonal



I.21
– Precipitação – Troca Iônica.



PROCESSOS DE EQUILÍBRIO


ENERGIA

evaporação

expansão flash

destilação

cristalização

secagem de
sólidos

fusão zonal
MASSA

Stripping

Absorção

Extração

Adsorção

Lixiviação

Precipitação

Troca iônica




I.22
CASO ESPECIAL: Destilação Extrativa e Azeotrópica que possuem
ambos os agentes de separação.



Agentes de Separação (AS)

PROCESSOS AS
Evaporação Calor
Expansão Flash redução de pressão (energia)
Destilação Calor
Absorção líquido não volátil
Extração líquido imiscível
Adsorção adsorvente sólido
Destilação Azeotrópica líquido adicionado mais calor
Destilacão Extrativa líquido adicionado mais calor
Cristalização resfriamento ou adição de calor
Secagem de Sólidos Calor
Fusão zonal Calor
Stripping (dessorção) gás não condensável
Precipitação reagente químico
Troca iônica resina sólida
Lixiviação Solvente




I.23
TIPOS DE ALIMENTAÇÃO

PROCESSO ALIMENTAÇÃO
Evaporação Líquida
Expansão flash Líquida
Destilação Líquida e/ou Vapor
Cristalização Líquida
Absorção Gás
Extração Líquida
Adsorção Gás ou Líquida
Destilação azeotrópica Líquida e/ou Vapor
Destilação extrativa Líquida e/ou Vapor
Secagem de sólidos Mistura de Sólidos
Fusão zonal Sólida
Stripping Líquida
Precipitação Líquida
Troca iônica Líquida
Lixiviação (Lavagem) Sólidos



PRINCÍPIOS DE SEPARAÇÃO

PROCESSOS PRINCÍPIO



I.24
Evaporação Diferença em volatilidade (pressão
de vapor)
Flash Diferença em volatilidade (pressão
de vapor)
Destilação Diferença em volatilidade (pressão
de vapor) (repetida internamente)
Cristalização Diferença em tendências de
congelamento: participação
preferencial em estrutura de cristais
Absorção Solubilidade preferencial
Extração Solubilidades diferentes das espécies
nas 2 fases líquidas
Adsorção Diferenças em potenciais de
adsorção
Destilação azeotrópica Diferenças em volatilidade
Destilação extrativa Diferenças em volatilidade
Secagem de sólidos Evaporação de água
Fusão zonal Sólidos de composição não
uniformes
Stripping Diferenças em volatilidade
Precipitação Formação de precipitados insolúveis
Troca iônica
Lixiviação Solubilidade Preferencial




I.25


EXEMPLOS


PROCESSO USO
Evaporação Concentração de suco de frutas
Flash Desalinização da H
2
O no mar
Destilação Produção de p-xileno
Cristalização Produção de açúcar a partir da cana
Absorção Remoção de CO
2
e H
2
S do gás
natural por absorção em etanolamina
Extração Extração do ácido acético de uma
solução aquosa usando como
solvente metil-isobutil-cetona
Adsorção Secagem de gases (remoção de H
2
O
do ar por adsorção sobre alumina
ativada
Destilação azeotrópica Obtenção de álcool anidro
Destilação extrativa Obtenção de álcool anidro
Secagem Desidratação de alimentos
Fusão zonal Ultrapurificação de metais
Stripping Remoção de hidrocarbonetos leves a
partir de óleo cru



I.26
Precipitação Tratamento de H
2
O com sólidos
Troca iônica Produção de H
2
O leve


5- SIMBOLOGIA


EVAPORAÇÃO



FLASH







I.27
DESTILAÇÃO
V




CRISTALIZAÇÃO








I.28
ABSORÇÃO
G



EXTRAÇÃO







I.29
ADSORÇÃO



DESTILAÇÃO EXTRATIVA







I.30
DESTILAÇÃO AZEOTRÓPICA


STRIPPING
OU
DESSORÇÃO



VAPORIZAÇÃO FLASH VERSUS CONDENSAÇÃO PARCIAL



I.31
V.F.
AS = REDUÇÃO DA PRESSÃO
RECUPERAÇÃO DA H
2
O A
PARTIR DA H
2
O DO MAR
C.P.
AS = TRANSFERÊNCIA DE CALOR
RECUPERAÇÃO DE H
2
E N
2
A PARTIR DA AMÔNIA


6- PRATOS VERSUS RECHEIO


Condições que favorecem colunas de recheio:

1-) para diâmetros menores que 61 cm (mais baratas).

2-) operação com ácidos e outras substâncias corrosivas (cerâmica,
carvão ou outro material resistente).

3-) operações a vácuo: a torre de recheio pode ser projetada com
características mais desejáveis de eficiência (contato líquido-vapor) e
queda de pressão que são críticas na destilação a vácuo.



I.32

4-) operações com líquido que tendem a formar espumas (grau
relativamente baixo de agitação do líquido pelo gás).

5-) processos com líquidos termicamente sensíveis ou que possam ter
reações laterais indesejáveis (retenção do líquido geralmente é mais
baixa nestas colunas).


Condições que favorecem colunas de pratos:

1-) a presença de sólidos no líquido ou no gás (limpeza mais fácil).

2-) pressões maiores que a atmosférica.

3-) fragmentação de certos materiais do recheio no processo de
enchimento da coluna ou resultante da expansão e da contração
térmica

4-) operações com grande número

de estágios e/ou diâmetro.

5-) incorporação fácil de serpentinas de resfriamento (nas colunas de
pratos). Isto é vantajoso quando o calor de solução exige o
resfriamento interno.




I.33
6-) quando a taxa de escoamento do líquido é baixa, a molhagem do
recheio é incompleta, o que diminui a eficiência de contato. Um
exemplo disto é a desidratação do gás natural por meio de um glicol.
As torres de bandeja têm vantagem, pois podem ser projetadas para
reterem uma certa quantidade do líquido na bandeja.

7-) as colunas de recheio têm faixas de operação menores que as
colunas de pratos a fluxo cruzado.

8-) em processos com taxas maiores de líquido que, com muita
freqüência, podem ser manipuladas mais economicamente nas colunas
de pratos.

9-) o peso total de uma torre de bandeja é, em geral, menor que o de
uma torre recheada projetada para uma mesma tarefa. Quando o
material do recheio tiver pequena resistência ao esmagamento, torna-
se importante o uso de diversas chapas para suportar o peso de uma
coluna com grande altura de recheio.

10-) as colunas com pratos são preferidas nas operações que exigem
grandes números de unidades de transferência ou de pratos teóricos.
As torres recheadas tendem a ser sujeitas à canalização das correntes
de vapor ou de líquido e uma distribuição apropriada é difícil de ser
mantida, sem a adoção de dispositivos e redistribuidores complicados.




I.34
11-) colunas de pratos tendem a apresentar um maior holdup

de
líquido por unidade de volume da torre do que colunas recheadas. Isto
pode ser valioso quando uma reação química lenta na fase líquida
estiver ocorrendo.

12-) a construção de uma coluna de pratos é tal que as eficiências de
estágios são em torno de 50-90%. Como resultado, a proporção da
altura da torre a estágios de equilíbrio equivalentes não varia muito
para muitas destilações. A altura de uma coluna recheada equivalente
a um estágio de equilíbrio varia mais e, freqüentemente, torna-se
maior, para diâmetros de torre maiores, devido a problemas de
distribuição de líquidos. Quando grandes mudanças de temperatura
ocorrem, como é o caso de muitas destilações, há uma ameaça de
expansão ou contração térmica no recheio.

13-) a diferença em termos de custo entre os tipos de colunas não é
muito grande, embora enchimento é mais caro do que pratos.

14-) a eficiência da torre empacotada diminui com o diâmetro,
enquanto que, a eficiência da torre de prato aumenta.

MAIS ALGUNS COMENTÁRIOS

a-) as colunas com recheio para o contato gás-líquido são usadas
extensivamente em operações de absorção e, até certo ponto, em



I.35
destilação. (Nos dias de hoje há o Revamp).

b-) a coluna recheada é bem mais simples que a de pratos. Uma coluna
típica é constituída por um casco cilíndrico que contém uma placa para
suportar o material do recheio e um sistema distribuidor do líquido
(irrigar convenientemente este recheio). Numa mesma coluna podem
existir diversos leitos de recheio.

c-) as colunas recheadas são usualmente recomendadas quando as de
prato não são utilizáveis, em virtude de as características do fluido
serem indesejáveis ou em conseqüência de exigências especiais do
projeto.

d-) na Inglaterra, por exemplo, colunas de pratos são as mais utilizadas
para os processos de destilação de média e larga escalas a pressões
atmosféricas ou outras pressões.

e-) nas refinarias de óleo acredita-se que todas as colunas à pressão
atmosférica sejam operadas com pratos. Colunas com recheio são
usadas extensivamente em colunas menores e de destilação difícil e
separações a vácuo. Também se aplica quando a separação envolve
materiais sensíveis à temperatura e material de alto valor agregado.





I.36
7- CONCEITO DE ESTÁGIOS DE EQUILÍBRIO



As operações de transferência de massa intrafase são
inerentemente operações de não equilíbrio. Assim, o máximo grau de
separação possível não pode ser predito pela termodinâmica do
equilíbrio de fases (propriedades termodinâmicas de cada espécie).
Nas operações interfase, todavia, as fases entram em contato nos
chamados “estágios”. Se um tempo de contato suficiente for
permitido neste estágio, as espécies químicas vão se distribuir entre as
fases de acordo com os critérios de equilíbrio termodinâmico
(igualdade de temperatura, pressão e potencial químico de cada
espécie). Após subsequente separação destas fases, pode-se dizer que
no prato houve um contato de equilíbrio e o estágio pode ser chamado
de "estágio de equilíbrio".

Equipamentos industriais nem sempre consistem de estágios (são
os pratos da coluna) que representam estágios de equilíbrio.
Freqüentemente, somente uma fração muda das condições iniciais em
direção ao estado de equilíbrio em um único prato (ou contato).

No entanto, o uso do conceito de equilíbrio tem sido muito útil e
largamente utilizado nos procedimentos de projeto e otimização de
processos, os quais calculam o número de estágios de equilíbrio (os
chamados "estágios teóricos") necessários a uma desejada separação.



I.37
Quando utilizado juntamente com a "eficiência de estágios", baseada
em taxas de transferência de massa, o número de estágios de equilíbrio
pode ser usado para determinar o número de estágios reais requeridos.


8- OPERAÇÕES DE TRANSFERÊNCIA DE MASSA


Um grande número de operações unitárias em Engenharia
Química está relacionado com a mudança de composições de
soluções ou misturas através de métodos que não envolvem
necessariamente reações químicas. Normalmente, estas operações são
para separar constituintes da mistura. No caso geral de misturas, tais
separações podem ser inteiramente mecânicas, tais como filtração de
um sólido a partir de uma suspensão em um líquido, a classificação de
um sólido em frações de diferentes tamanhos de partículas ou a
separação de partículas de acordo com suas densidades. Por outro
lado, se as operações envolvem mudanças na composição de
soluções, elas são conhecidas como operações de transferência de
massa.

É grande a importância destas operações. Praticamente, a
totalidade dos processos químicos requerem uma etapa preliminar de
purificação de matérias primas ou separação final dos produtos dos
sub-produtos.




I.38
As operações de transferência de massa são caracterizadas pela
transferência de uma substância para outra em uma escala molecular.
Por exemplo, quando a água evapora de um tanque para uma corrente
de ar fluindo sobre a superfície da água, moléculas de vapor de água
difundem através daquelas do ar na superfície para a porção principal
da corrente de ar. Neste caso, não é um movimento global de volume
como se fosse um resultado de diferença de pressão, como é o caso do
bombeamento de um líquido através de uma tubulação, mas sim a
transferência de massa é um resultado de uma diferença de
concentração, ou gradiente, a substância que se difunde, move de um
lugar de alta para um de baixa concentração.




9- CARACTERÍSTICAS DO EQUILÍBRIO

Um aspecto é a consideração da difusão de substâncias
dentro de uma única fase. Na maioria das operações de transferência
de massa, no entanto, duas fases insolúveis são colocadas em contato
para permitir a transferência de substâncias entre elas. Para se
encontrar uma separação entre espécies químicas, um potencial
precisa existir para as diferentes espécies se distribuírem entre as duas
fases em diferentes extensões. Este potencial é governado pelo



I.39
equilíbrio termodinâmico e a taxa de aproximação da composição de
equilíbrio é controlada, como já foi dito, pela transferência de massa
interfase.

Vamos considerar uma situação (PROCESSO) em que uma
mistura de amônia e ar está em contato com água líquida. A amônia se
dissolverá na água. Vamos supor que uma quantidade fixa de água é
colocada em um vaso fechado com a mistura gasosa de amônia e ar em
condições de temperatura e pressão constantes.

Uma vez que a amônia é muito solúvel na água, algumas
moléculas de amônia vão se transferir instantaneamente do gás para
o líquido. Uma porção das moléculas de amônia voltarão para o
gás, a uma taxa proporcional à sua concentração no líquido.
Quanto mais amônia entra no líquido (com conseqüente aumento na
concentração dentro do líquido) a taxa de retorno de amônia para o gás
aumenta, até que as taxas se igualam. Ao mesmo tempo, através do
mecanismo de difusão, as concentrações dentro de cada fase tornam-se
uniformes. Um Equilíbrio Dinâmico agora existe. Ele significa que
embora haja movimento das moléculas, a transferência líquida é
zero. As concentrações dentro de cada fase não mudam mais. O dado
encontrado fornece a relação entre as concentrações de equilíbrio em
ambas as fases (X
A
, Y
A
), se A = amônia). É importante notar que no
equilíbrio as concentrações nas duas fases não são iguais, mas o



I.40
potencial químico da amônia é o mesmo em ambas as fases. Assim, a
verdadeira força matriz para a difusão é o potencial químico e não a
concentração de qualquer constituinte que é a mesma numa fase.

RELAÇÃO ENTRE POTENCIAL QUÍMICO E
TRANSFERÊNCIA DE MASSA


Consideremos um sistema isolado, consistindo de 2
subsistemas separados por uma parede diatérmica, rígida e permeável.

U
(1)
T
(1)
) 1 (
i
N
U
(2)
T
(2)
) 2 (
i
N


=
) 1 (
i
N número de moles do componente i no subsistema 1.

A parede é permeável a um componente; os outros
componentes permanecem constantes.

Condição de Equilíbrio dS = 0




I.41


Condições de Isolamento:




V = constante





I.42



Portanto:

T N
S T
S
N µ ÷
=
|
.
|

\
|
c
c
÷
µ
÷
=
c
c . 1


Daí:



Considerando-se a equação
) 2 ( ) 1 (
dU dU ÷ = , tem-se:




I.43





Portanto:

inicial N final N
0 inicial N final N
0 N
) 1 (
i
) 1 (
i
) 1 (
i
) 1 (
i
) 1 (
i


<
< ÷
< A




I.44




REFERÊNCIAS: O MATERIAL DESTA APOSTILA CONTÉM TEXTOS DE VÁRIAS REFERÊNCIAS PUBLICADAS NA
LITERATURA. REFEREM-SE A LIVROS CLÁSSICOS DE PROCESSOS DE SEPARAÇÃO E DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE.
ALGUNS EXEMPLOS:
- Henley, E.J. e Seader, J.D., Equilibrium-Stage Separation in
Chemical Engineering, John Wiley & Sons, , Inc., 1981.
- King, C.J., Separation Processes, Mc Graw Hill, 1980

EXERCÍCIO
1-) ENCONTRE UM FLUXOGRAMA DE PROCESSO E
IDENTIFIQUE NELE TODOS OS ITENS PERTINENTES A
ESTE CAPÍTULO.

2-) IDENTIFIQUE NO FLUXOGRAMA CONSIDERADO
ACIMA EQUIPAMENTOS INTERMEDIÁRIOS DE
PROCESSOS. VEJAM A IMPORTÂNCIA DELES NO
CONTEXTO GERAL DA PLANTA.

3-) DIANTE DO QUE VOCÊS APRENDERAM NESTE
CAPÍTULO, FAÇAM UMA ANÁLISE CRÍTICA DA
IMPORTÂNCIA DAS PROPRIEDADES DE UM SISTEMA NO
CONTEXTO DA ENGENHARIA DAS SEPARAÇÕES.




I.45
4-) ANALISANDO O FLUXOGRAMA ESCOLHIDO,
VERIFIQUEM A IMPORTÂNCIA DA CARACTERIZAÇÃO
DOS SISTEMAS PARA ANÁLISE, OTIMIZAÇÃO E MESMO
PROJETO CONCEITUAL DA PLANTA COMO UM TODO.