You are on page 1of 4

O PRIMEIRO MOTOR NO LIVRO XII DA METAFISICA DE ARISTÓTELES

Auro José da Silva Rafael Grupo PET- Ciências Humanas, Estética e Artes – UFSJ Orientadora: Profa. Dra.Glória Ribeiro (DFIME/UFSJ) Agência Financiadora: MEC/ SESu

Resumo: O Programa Especial de Treinamento integra atividades de ensino, pesquisa e exte nsão. O nosso Grupo de Ciências Humanas, Estética e Artes investiga a questão da obra de arte. Para isso o bolsista trabalha o autor de sua preferência – autor que permite estabelecer um diálogo com a perspectiva adotada pela estética contemporânea representada pelo pensador Martin Heidegger. Os resultados dessa pesquisa deverão servir de base teórica para o projeto de extensão e para o ensino da Estética. Nesse tr abalho iremos nos ater ao pensamento aristotélico, buscando compreender a questão do Primeiro Motor e do movimento de todas as coisas. Palavras-chave: Aristóteles, Existência, Primeiro Motor.

A
nosso mundo.

ristóteles trata, no Livro XII da Metafísica , de questões acerca da teologia e do m ovimento de todas as coisas. O cerne da discussão, aí, está no que seja a substâ n-

cia primeira de maneira a poder explicar o vir -a-ser das substâncias sensíveis que constituem

Uma vez que sua filosofia busca compreender os primeiros princípios e as causas , Aristóteles trata a questão da substância como a unidade indivisível de matéria e forma, do particular e universal, de potência e ato. A substância é a primeira coisa que se apreende, porque ela está presente em todos os entes – é o que há de comum entre eles. Ela (a substância) é entendida por Aristóteles como a união entre a matéria e a forma. A matéria é o que resguarda em si a p otência. A potência é o poder que a matéria tem de tornar -se algo, ou seja, assumir uma forma ( eidos). A forma é o que de ess encial possui a matéria, o que irá defini -la, delimitá-la. A essência é aquilo que é e não pode ser de outro modo. Assim o Filósofo distingue:
Existe três classes de substâncias. Uma é a sensível, que se divide em eterna e corruptível [...]; [essa é,] por exemplo, as plantas e os animais. A outra é a eterna, cujos elementos são necessários inquirir, são um e vários. A terceira é imóvel, [...]As duas primeiras pertencem ao domínio da Física (pois implicam movimento); mas a terceira corresponde a outra ciên cia, que não tem nenhum princípio comum a todas elas ( Met. XII, 1, 1069a 30 – 1069b 2).

Assim, Aristóteles afirma a existência de duas espécies de substâncias sensíveis: uma suje ita à corrupção, ao devir e à geração; e a outra, incorruptível e eterna, qu e inclui, por exemplo, os astros, e que é objeto da Astronomia. “Assim, pois, está claro que são substâncias, e que delas é primeira, e outra, segunda, segundo a mesma ordem das translações dos astros. Para averiguar quantas são as translações tem que busc ar à mais afim, à filosofia entre as ciê ncias matemáticas,

“Existência e Arte”- Revista Eletrônica do Grupo PET - Ciências Humanas, Estética e Artes da Universidade Federal de São João Del -Rei - Ano I - Número I – janeiro a dezembro de 2005

Assim sendo. e se todas fossem corruptíveis. a individual ou singular é composta da uni ão entre a matéria e a forma e é responsável na composição do indivíduo. quanto o da arte. por ca usalidade. exemplo: o homem que faz uma cadeir a. se é possível a existência fora da substância composta isso ocorreria nos entes produzidos por ante. à Astronomia” ( Met. como aquele que constitui a atualização da potência em que ocorre pela ação de um ser em ato. outra. é necessário que a passagem de um elemento a outro. o que move não é o contrário em si. As substâncias. A natureza tem em si a causa do movimento. Três são os modos pelos quais são apresentadas as sub stâncias: I. duas naturais e uma imóvel.2 RAFAEL. há que dizer acerca desta última que tem que haver um substância eterna imóvel. existe a substância não sensível igualmente eterna e imóvel. ou seja a transfo rmação da semente em árvore. Além dessas. seu princípio se dá em si mesma. É o aparente que é percebido pelos sentidos. a natural. Pois. Há também a substância eterna. Em estado de potência. Mas é impossível que o “Existência e Arte”. ou ganha forma. porém essa disposição é a própria disposição de m udança que se encontra no íntimo do ser. E no capítulo 6 (seis). Estética e Artes da Universidade Federal de São João Del-Rei . onde se principia todo esse movimento. A matéria ao aceitar ser determinada. M udança esta que se realiza do processo ato . são os entes primeiros. Auro José da Silva é dizer. Para Aristóteles. tanto da natureza. como algo determinado na tensão do que a matéria vem a ser. Para que ocorra a realização do movimento. A material é algo mutável e corruptível. que determina e delimita o ente a partir da forma. A arte. O Filósofo nos fala que as substâncias sensíveis são os objetos passíveis de mudança. ou por azar. Aristóteles concebe o movimento. ganha a forma que constitui o ente e possibilita o conhecimento da realidade. 8. com efeito. O Estagirita co ncebe o movimento como aquele que se constitui na passagem da potência ao ato. III. 1073b 1 – 5). prov ocando no ente. Por outro lado. em potência é o que pode ou não vir -a-ser. porém. é produzido por arte. e. ou seja. ou ainda. a árvore que produz o fruto e volta a ser semente. uma su bstância pode em determinado momento apresentar uma característica e em outro momento.ato. por ser a substância composta a que possibilita a variedade de elementos e coisas.potência .Ciências Humanas. a existência fora da substância composta seria inco mpreensível para os seres sensíveis. aquilo sem o qual o ente deixaria de ser. o que é determ inado o é enquanto substância composta e. tem seu princípio em outro. II.Revista Eletrônica do Grupo PET . quando se apresenta a imaterialidade da casa e a saúde como pertencentes à produção artística. a essência da coisa. Está é a causa de todo o movimento e obj eto de estudo da Metafísica. imóvel e imutável que é causa primeira. encontra -se uma argumentação acerca dessa sub stância: Posto que temos distinguido três classes de subs tâncias. a substância é gerada a partir de outra. todas as coisas seriam corruptíveis. O ser em ato é o que já é existente e. o movimento se dá na substância ao fazer com que suas potencialid ades se tornem ato.Ano I . ou por exemplo um homem gera outro homem. é a idéia. ou por sorte. E o que é produzido. mas uma força interna ou externa a este.Número I – janeiro a dezembro de 2005 . XII. Ela se transforma com os efeitos do tempo. a dinâmica de ato e potência. e.

nem outra substância a parte das Espécies. São por conseguinte. Mas tampouco este é suficiente. por conseg uinte. que o que existe em potência deixe de existir. o Primeiro Motor é a causa do movimento das estrelas e das esferas celestes. Ele é necessário. Ora.O PRIMEIRO MOTOR NO LIVRO XII DA METAFISICA DE ARISTÓTELES 3 movimento se gere ou corrompa (pois. devem ser eternas prec isamente elas. e deste. para se chegar à substância móvel tem de hav er a imóvel. devido ao fato de o movimento exigir uma força infinita que não possa provir dos entes. Também. é possível. se tem algo que pode mover ou fazer. tempo. incorruptível e im óvel. porque os seres m ovidos necessitam de um movente que os mova. e o único m ovimento possível é o local e deste. mas não opera nada. como causa de todas as coisas. tampouco. Segundo Aristóteles. este. que admitem as categorias de tempo e movimento. para tratar da substância móvel. XII. 6. Pois não poderia haver antes nem depois se não houver tempo. XII. ação e paixão). não haverá movimento. Já.Ciências Humanas. se tem alguma coisa eterna. pois. Essa substância imóvel é o Primeiro Motor. como os partidários das Espécies. ou bem é o mesmo que o movimento ou é uma afeição s ua. como temos dito. O Motor é o que move sem ser movido. que suponhamos substâncias eternas. é necessário. Por cons eguinte. que o que tem potência não atue. é preciso que haja um princípio tal que sua substâ ncia seja ato. Mas. ato (Meta. 1071b 4 11) . não haverá movimento. da substância pr imeira. com efeito. Imóvel. é possível. - Se a substância primeira. situação.Número I – janeiro a dezembr o de 2005 . circulam se mpre no mesmo local. incorruptíveis e têm existência na substância. referir -se então a fala da substância imóvel. posição. ai nda que atue. qualidade. uma vez que as categor ias de tempo e movimento são eternas. eterna e incorruptível. se não tem algum princípio que possa produzir mudanças. com efeito. tem existido sempre). rel ação. mas é causa última do movimento dos entes. fosse. E o movimento. pois não foi criado e se e ncontra dentro da eternidade de movimento e tempo que são eternos. exceto a de lugar. Aristóteles argumenta que. porque. pois não possui a matéria que é passível de corrupção. O Primeiro Motor ou Motor Imóvel é responsável pelo princípio do movimento dado na causa eficiente ou final. Incorruptível. não admitem a possibilidade de pe rmanência contínua. Necessário. podem ou não se tornar algo. já que. De nada serve tampouco. por hipótese. se sua substância é potência. 6.Ano I . nem o tempo. Mas. exceto o movimento local.Revista Eletrônica do Grupo PET . 1071b 12 . Eterno. quantidade. todas as demais substâncias necessariamente deveriam ser também corrupt íveis. é prec iso que estas substâncias sejam imateriais. distanciando assim. com efeito. deve haver uma substância que seja eterna e incor ruptível. corruptível. o circular. ou seja. é eterno. E os corpos celestes são as únicas substâncias ete rnas que comportam as tais categorias do movimento e do tempo como contínuos. o circular (Meta.22) . pios não a dmite possíveis alterações. existe de um único modo e não pode ser de outro. Mas o m ovimento não é contínuo. conclui Aristót e- “Existência e Arte”. E. se não atua. todas as demais categorias (substância. incluindo as acidentais. é contínuo no mesmo sentido que o tempo. Estética e Artes da Universidade Federal de São João Del -Rei . por conseguinte. pois não será um movimento eterno. porém.

exceto o movimento das coisas eternas que são movidas por translação. o objeto de desejo é o que parece bom. eterna. é eterno. A inteligência é a faculdade de compreender o inteligível e a essência. é um princípio. integralmente realizada em ato. Edição trilingüe. elas (as substâncias) não podem explicar o m ovimento. Susana de Castro Amaral. ou Théos. A inteligência pensa -se a si própria ao apreend er o inteligível. Valentin. Já o Motor Imóvel. pois o pensamento man ifesta sua excelência através da idéia simples e mais excelente de todas. pois a causa do movimento é o desejo que está na substância imóvel.Ano I . assim como inteligível. 1998. inteligível e incorruptível – o Primeiro Motor. E. que por sua vez . até a eterna e incorruptíveis. in tegramse na ordem do inteligível. é o pensamento de si em que enfrenta a existência excelente. sem a substância primeira. sensível. Daí. o movimento que exerce em torno de algo – a causa final. o que é primeiro e excelente. E o caráter divino da inteligência encontra -se em maior grau na inteligência divina que co ntempla.4 RAFAEL. move sem ser movido. muda em substancialidade. do bem por excelência. O que muda. O movido está em contínua mudança. embora o mov imento ocorra nas coisas sensíveis. O ser imóvel move enquanto é objeto do amor. quantidade. isto.Ciências Humanas. 244 “Existência e Arte”. Fora dessas cat egorias não pode haver o movimento. Théos é um pensamento em si. Referências bibliográficas: GARCIA YEBRA.Revista Eletrônica do Grupo PET . O movimento ocorre na matéria. In: livro XII. que é um ser necessário. Percebemos que. p. Maxim ante desejável. a teologia. o sumo bem e a sub stância primeira. por este motivo. deve haver uma substância que seja eterna. o necess ário é o bem. In: Sofia – ano VII – Nº 07. Ora. O pensamento é posto em movimento pelo inteligível – o belo e o desejável em si. VIEIRA. 2 ed. a substância primeira – causa de todo movimento.Número I – janeiro a dezembro de 2005 . O bom faz com que ocorra o m ovimento sem ele se mover. qualidade ou lugar. essência pura e ato puro. Ele deve ter existido se mpre. ou seja. Estética e Artes da Universidade Federal de São João Del-Rei . Auro José da Silva les. move sem ser movido. A causa final reside nos seres imóveis. o movimento não existe. O livro lambda da Metafísica. Metafísica de Aristóteles. 2001/1. percebe-se que a substância está presente em todas as coisas desde a material. o que Aristóteles chama de Théos. e uma vez que o movimento é algo eterno e existente na substância. O Primeiro motor opera como causa final pela atração do amor. ser supremo e forma pura sem matéria. Madri: Editorial Gredos. O movimento de translação é o primeiro movimento que existe em ato. A m udança primeira é o movimento de translação – movimento circular realizado pelo motor imóvel. 830 p. é impossível que ele tenha sido gerado ou que venha a corromper.