You are on page 1of 24

08-01-2014

Projeto de estruturas mistas

Análise de secções transversais de vigas mistas
1

Análise de secções transversais de vigas mistas
Exemplos de secções transversais de vigas mistas

2013 | CAMIS

2

1

08-01-2014

Análise de secções transversais de vigas mistas
Largura efetiva do banzo de betão
Distribuição de tensões longitudinais nos banzos de betão

A deformabilidade por corte do banzo do betão, associado a uma dist ncia elevada entre vigas, pode originar uma distribuição não uniforme de tensões longitudinais no betão comprimido!

2013 | CAMIS

3

Análise de secções transversais de vigas mistas
Largura efetiva do banzo de betão
Para o c"lculo de tensões# Define$se largura efetiva como sendo a largura do banzo de betão na %ual ser" aceit"vel admitir uma distribuição uniforme de tensões longitudinais de valor igual & tensão m"xima, cuja resultante ser" id'ntica & da distribuição não$uniforme! Para o c"lculo de deformações ou flec(as# Define$se largura efetiva como sendo a largura do banzo de betão %ue funcionando com o perfil de aço, permite determinar as caracter)sticas de uma viga e%uivalente de secção uniforme %ue ten(a, nessa secção, um deslocamento vertical igual ao da viga real!
2013 | CAMIS 4

2

08-01-2014 Análise de secções transversais de vigas mistas Largura efetiva do banzo de betão Depende essencialmente de# • *eometria da estrutura# vão da viga e largura de influ'ncia • +ipo de carregamento# carga concentrada ou distribu)da • . etc! • Exist'ncia ou não de reforços longitudinais e transversais da laje de betão • +ipo de an"lise# an"lise el"stica ou pl"stica 2013 | CAMIS 5 Análise de secções transversais de vigas mistas Largura efetiva do banzo de betão -E. duplamente encastrada. consola.ondições de apoio# viga simplesmente apoiada. /001$/$/# 2!1!/!34 2013 | CAMIS 6 3 .

/001$/$/# 2!1!/!34 2013 | CAMIS 8 4 . /001$/$/# 2!1!/!34 2013 | CAMIS 7 Análise de secções transversais de vigas mistas Largura efetiva do banzo de betão -E.08-01-2014 Análise de secções transversais de vigas mistas Largura efetiva do banzo de betão -E.

34m beff = 1.08-01-2014 Análise de secções transversais de vigas mistas Largura efetiva do banzo de betão -E.70m beff = 1.28m 10 5ecção E# 5 . /001$/$/# 2!1!/!34 2013 | CAMIS 9 Análise de secções transversais de vigas mistas Largura efetiva do banzo de betão $ Exemplo .# 5ecção D# 2013 | CAMIS beff = 1.alcular a largura efetiva beff do banzo de betão de uma viga mista cont)nua nas secções assinaladas! 5oluções# 5ecção 6# 5ecção A# 5ecção .71m beff = 1.44m beff = 1.

mas a encurvadura local pode impedir %ue o momento resistente pl"stico seja atingido -secções semicompactas4 . numa distribuição el"stica de tensões. 9 a tensão na fibra extrema mais comprimida pode atingir a tensão de ced'ncia.lasse 1 9 ocorre a encurvadura local antes de se atingir a tensão de ced'ncia numa ou mais partes da secção -secções esbeltas4 2013 | CAMIS 12 6 .lasse .a an"lise de vigas mistas 7 8 necess"rio ter em atenção a possibilidade de encurvadura local! Encurvadura local 7 diretamente relacionada com as dimensões da secção transversal e com a capacidade de ela atingir a plastificação ou a ced'ncia antes de encurvar localmente! A encurvadura local 8 tida em conta atrav8s da classificação da secção transversal nas .lassificação da secção transversal .lassificação da secção transversal .lasse 3 9 8 poss)vel atingir o momento resistente pl"stico mas a capacidade de rotação 8 limitada pela encurvadura local -secções compactas4 .08-01-2014 Análise de secções transversais de vigas mistas .lasses / a 1! 2013 | CAMIS 11 Análise de secções transversais de vigas mistas .lasse / 9 8 poss)vel a formação de r:tula pl"stica e a capacidade de rotação 8 compat)vel com uma an"lise pl"stica. sem redução da sua resist'ncia -secções pl"sticas4 .

lassificação da secção transversal 2013 | CAMIS 13 Análise de secções transversais de vigas mistas .lassificação da secção transversal 6anzos comprimidos dotados de conetores poderão ser considerados como pertencentes & .08-01-2014 Análise de secções transversais de vigas mistas .lasse / se for respeitado o limite m"ximo definido na E./001$/$/ para o seu espaçamento -<!<!2!24! 2013 | CAMIS 14 7 .

7 usar uma distribuição pl"s=ca de tensões! 2013 | CAMIS 15 .lassificação das almas A classe da alma depende da posição do eixo neutro! A posição do eixo neutro depende do tipo de distribuição de tensões -el"stica ou pl"stica4! At8 & .lasse .lasses e3 Análise de tracionadas secções em transversais de /vigas mistas 2013 | CAMIS 16 8 .ontabilização das armaduras secções das .08-01-2014 Análise de secções transversais de vigas mistas .lassificação da secção transversal .

/001$/$/# @!1!34 2013 | CAMIS 17 Análise de secções transversais de vigas mistas .08-01-2014 Análise de secções transversais de vigas mistas .acional .oeficiente ?c -E.lassificação da secção transversal .A4 .lassificação da secção transversal 9 Exemplo Determinar a altura m"xima da alma da secção transversal representada de modo a %ue seja poss)vel a sua classificação como sendo da . > Anexo .lasses de ductilidade das armaduras -E./003$/$/# Anexo .lasse 3! A secção est" submetida a um momento fletor negativo! A "rea de aço 8 As = 15 cm2 2013 | CAMIS 18 9 .

lassificação da secção transversal 9 Exemplo .lasse / 2013 | CAMIS 19 Análise de secções transversais de vigas mistas .lassificação do banzo inferior# t A /3mm c A 02mm B A /.C 7 6anzo da .pl4# FGreasH a e%uilibrar FGreasH em e%uil)brio 2013 | CAMIS 20 10 .08-01-2014 Análise de secções transversais de vigas mistas .lassificação da secção transversal 9 Exemplo Determinação da posição do eixo neutro pl"stico -L.0 E 0.CC cDt A @.

08-01-2014 Análise de secções transversais de vigas mistas .pl4# 2013 | CAMIS 21 Análise de secções transversais de vigas mistas An"lise pl"stica 9 5ecções das .lassificação da secção transversal 9 Exemplo Determinação da posição do eixo neutro pl"stico -L./001$/$/# <!3!/!34 2013 | CAMIS 22 11 .lasses / e 3 -E.

08-01-2014 Análise de secções transversais de vigas mistas An"lise pl"stica 9 5ecções das .lasses / e 3 .lasses / e 3 -E./001$/$/# <!3!/!34 2013 | CAMIS 23 Análise de secções transversais de vigas mistas An"lise pl"stica 9 5ecções das . impondo$se o e%uil)brio entre trações e compressões! I valor do momento resistente 8 então obtido multiplicando a força resultante de cada 24 2013 | CAMIS bloco pelo braço respetivo! 12 ."lculo do valor do momento fletor resistente pl"stico A secção transversal pode ser dividida em blocos.

"lculo do valor do momento fletor resistente pl"stico 9 momento positivo K>pl.08-01-2014 Análise de secções transversais de vigas mistas An"lise pl"stica 9 5ecções das ."lculo do valor do momento fletor resistente pl"stico 9 momento negativo K$pl.Ld J desprezada a contribuição do betão entre as nervuras J desprezada a contribuição da c(apa perfilada para a tração 2013 | CAMIS 25 Análise de secções transversais de vigas mistas An"lise pl"stica 9 5ecções das .lasses / e 3 .Ld J contabilizada a armadura a armadura longitudinal existente na largura efetiva do banzo de betão -As4 As deve respeitar o valor m)nimo previsto em E.lasses / e 3 ./001$/$/# 2!2!/ -24 J desprezada a contribuição da c(apa perfilada para a tração 2013 | CAMIS 26 13 .

Ld 2013 | CAMIS 28 14 .08-01-2014 Análise de secções transversais de vigas mistas An"lise pl"stica 9 5ecções das .aso A3 9 LNpl na zona nervurada do banzo de betão • .lasses / e 3 .aso A.lasses / e 3 Expressões das forças m"ximas em cada bloco Morça m"xima de compressão no banzo de betão# Rc = hc beff 0. 9 LNpl no banzo superior do perfil de aço • .aso A/ 9 LNpl na zona maciça do banzo de betão • .aso A1 9 LNpl na alma do perfil de aço K>pl.85fcd Morça m"xima de tração no perfil de aço -A 9 "rea total do perfil4# Ra = A fyd Morça m"xima no banzo do perfil de aço# Rf = b tf fyd Morça m"xima na alma do perfil de aço# Rw = Ra – 2Rf Morça m"xima de tração na armadura longitudinal# Rs = As fsd 2013 | CAMIS 27 Análise de secções transversais de vigas mistas An"lise pl"stica 9 5ecções das ."lculo do valor do momento fletor resistente pl"stico 9 momento positivo Da posição do eixo neutro pl"stico -LNpl4 podem decorrer %uatro situações de c"lculo# • .

lasses / e 3 Posição do eixo neutro pl"stico 9 .08-01-2014 Análise de secções transversais de vigas mistas An"lise pl"stica 9 5ecções das .aso A3 7 Rc = Ra Eixo neutro pl"stico localiza$se na zona nervurada do banzo de betão 2013 | CAMIS 30 15 .lasses / e 3 Posição do eixo neutro pl"stico 9 .aso A/ 7 Rc > Ra Eixo neutro pl"stico localiza$se na zona maciça do banzo de betão 2013 | CAMIS 29 Análise de secções transversais de vigas mistas An"lise pl"stica 9 5ecções das .

o eixo neutro pl"stico localiza$se na fibra inferior 31 do banzo superior do perfil de aço 2013 | CAMIS Análise de secções transversais de vigas mistas An"lise pl"stica 9 5ecções das .aso A.aso NN 7 Rc Ra e Rc = Rw Rc Rf Rw Rf .estas condições.lasses / e 3 Posição do eixo neutro pl"stico 9 .lasses / e 3 Posição do eixo neutro pl"stico 9 . 7 Rc Ra e Rc ! Rw Eixo neutro pl"stico localiza$se no banzo superior do perfil de aço 2013 | CAMIS 32 16 .08-01-2014 Análise de secções transversais de vigas mistas An"lise pl"stica 9 5ecções das .

08-01-2014 Análise de secções transversais de vigas mistas An"lise pl"stica 9 5ecções das . e K -calculado em relação em centro de gravidade da zona maciça4 33 2013 | CAMIS Análise de secções transversais de vigas mistas E. ( se' efe)t( %( c*lc'l( d( m(me%t( flet($ $es)ste%te pl*st)c( de+e$* se$ t(mad( em c(%s)de$a&./00. parte & compressão 9 atenção & classe da secçãoO I diagrama de flexão composta pl"stica do perfil 8 decomposto em dois# .(- 2013 | CAMIS 34 17 .$/$/# <!3!0!/ "1# Na p$ese%&a de 'm esf($&( %($mal.lasses / e 3 Posição do eixo neutro pl"stico 9 .aso A1 7 Rc Ra e Rc Rw Eixo neutro pl"stico localiza$se na alma do perfil de aço Alma# parte & tração.

32D.C -fcd = 10.pl.Rd = 1514-22Nm 2013 | CAMIS 36 18 ./a4 6etão 9 .Rd Kpl.08-01-2014 Análise de secções transversais de vigas mistas An"lise pl"stica 9 5ecções das .7./a4 2013 | CAMIS 35 Análise de secções transversais de vigas mistas Exemplo de aplicação / i4 .lasse / representada Kateriais# Aço estrutural 9 53@2 -fyd = 275 .alcular a posição do eixo neutro pl"stico iv4 ."lculo das forças m"ximas associadas a cada zona da secção transversal ii4 Localizar o eixo neutro pl"stico iii4 .lasses / e 3 9 Exemplo de aplicação / Determinar o valor do momento fletor resistente pl"stico positivo da secção da .alcular .

/a4 6etão 9 .7."lculo das forças m"ximas associadas a cada zona da secção transversal ii4 Localizar o eixo neutro pl"stico 9 conclui$se %ue se localiza na alma da secção de aço iii4 .lasses / e 3 9 Exemplo de aplicação 3 Determinar o valor do momento fletor resistente pl"stico positivo da secção da .08-01-2014 Análise de secções transversais de vigas mistas An"lise pl"stica 9 5ecções das .22 -fyd = 355 .alcular a posição do eixo neutro pl"stico iv4 .alcular .pl.Rd dividindo a secção em blocos 2013 | CAMIS 38 19 .lasse / representada Kateriais# Aço estrutural 9 5./a4 2013 | CAMIS 37 Análise de secções transversais de vigas mistas Exemplo de aplicação 3 i4 .C -fcd = 10.32D.

08-01-2014 Análise de secções transversais de vigas mistas Exemplo de aplicação 3 3pl = 3.1$/$/# <!3!/!34 -risco de esmagamento do betão4 2013 | CAMIS 40 20 .1!2mm 2013 | CAMIS 39 Análise de secções transversais de vigas mistas Komento resistente em secções com reduzida espessura de betão -E.

aso 63 9 LNpl na alma do perfil de aço K$pl.08-01-2014 Análise de secções transversais de vigas mistas An"lise pl"stica 9 5ecções das .aso 6/ 9 LNpl no banzo superior do perfil de aço • .aso 6/ 7 Rs Ra e Rs ! Rw Eixo neutro pl"stico localiza$se no banzo superior do perfil de aço 2013 | CAMIS -calculado em relação em centro de 42 gravidade da armadura longitudinal4 21 .lasses / e 3 ."lculo do valor do momento fletor resistente pl"stico 9 momento negativo Da posição do eixo neutro pl"stico -LNpl4 podem decorrer duas situações de c"lculo# • .Ld 2013 | CAMIS 41 Análise de secções transversais de vigas mistas An"lise pl"stica 9 5ecções das .lasses / e 3 Posição do eixo neutro pl"stico 9 .

aso 63 7 Rs Ra e Rs Rw Eixo neutro pl"stico localiza$se na alma do perfil de aço Alma# parte & tração./a4 2013 | CAMIS 44 22 .2 -fyd = 235 .08-01-2014 Análise de secções transversais de vigas mistas An"lise pl"stica 9 5ecções das . e K -calculado em relação em centro de gravidade da zona maciça4 43 2013 | CAMIS -P4 Análise de secções transversais de vigas mistas Exemplo de aplicação .Ld da secção da representada Kateriais# Aço estrutural 9 53. Determinar o valor do momento fletor resistente pl"stico negativo Kpl./a4 Aço das armaduras 9 A2CC -fyd = 435 .lasses / e 3 Posição do eixo neutro pl"stico 9 . parte & compressão 9 atenção & classe da secçãoO I diagrama de flexão composta pl"stica do perfil 8 decomposto em dois# .

alcular a posição do eixo neutro pl"stico v4 .pl.08-01-2014 Análise de secções transversais de vigas mistas Exemplo de aplicação .alcular .1# <!3!34 2013 | CAMIS 46 23 .Rd 2013 | CAMIS 45 Análise de secções transversais de vigas mistas Esforço transverso -E."lculo das forças m"ximas associadas a cada zona da secção transversal iii4 Localizar o eixo neutro pl"stico 9 conclui$se %ue se localiza na alma da secção de aço iv4 . i4 Qerificação da classe da secção ii4 .

08-01-2014 Análise de secções transversais de vigas mistas Esforço transverso -E.1# <!3!34 2013 | CAMIS 47 24 .