You are on page 1of 169

Matemática Aplicada

Administração
Economia
Ciências Contábeis
a
b
Prof. Hiroshi Ouchi
0
y
x
a
b
f(x) dx
Agradecimentos
O meu agradecimento a Deus pela vida e pelo
privil´egio de ser um profissional da Educa¸c˜ao;
`a minha querida esposa Silvinha, pelo incen-
tivo, carinho e apoio em todos os meus projetos
de vida; a meus filhos e neto, raz˜oes da minha
existˆencia.
A meus alunos pelo crescimento profissional e
pessoal e ao licenciado em matem´atica Sidclay
Silva, pelo excelente trabalho de digita¸c˜ao e for-
mata¸c˜ao.

Sum´ario
Introdu¸c˜ao 3
O C´alculo 5
Hist´orico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1 A Derivada 7
1.1 A reta tangente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.2 C´alculo do coeficiente angular da reta tangente . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.3 Defini¸c˜ao da reta tangente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.4 Defini¸c˜ao de derivada de uma fun¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.5 Fun¸c˜ao derivada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.6 A derivada como taxa de varia¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
1.7 Regras de deriva¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
1.7.1 Fun¸c˜ao afim . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
1.7.2 Fun¸c˜ao potˆencia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
1.7.3 Regra da homogeneidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
1.7.4 Regra da soma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
1.7.5 Regra do produto de uma constante por uma fun¸c˜ao . . . . . . . . . 21
1.7.6 Regra do produto ou regra de Leibniz . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
1.7.7 Regra do quociente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
1.7.8 Derivada de uma fun¸c˜ao composta (Regra da Cadeia) . . . . . . . . 27
1.7.9 Derivada de fun¸c˜oes impl´ıcitas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
1.7.10 Derivada da fun¸c˜ao exponencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
1.7.11 Derivada da fun¸c˜ao logar´ıtmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
1.7.12 Derivadas de ordem superior . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
1.8 Taxa de varia¸c˜ao percentual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
1.9 A an´alise marginal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
1.9.1 Custo marginal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
1.9.2 Receita marginal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
1.9.3 Lucro marginal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
1
1.9.4 Custo m´edio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
1.10 Estudo da varia¸c˜ao das fun¸c˜oes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
1.10.1 Fun¸c˜ao crescente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
1.10.2 Fun¸c˜ao descrescente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
1.10.3 Fun¸c˜ao constante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
1.10.4 Casos especiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
1.10.5 Crit´erio da derivada para fun¸c˜oes crescentes e decrescentes . . . . . 53
1.10.6 Extremos relativos ou locais de uma fun¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . 55
1.10.7 Teste da derivada primeira para determina¸c˜ao de extremos relativos 58
1.10.8 Concavidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
1.10.9 Teste da concavidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
1.10.10Ponto de inflex˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
1.10.11O teste da derivada segunda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
1.11 Estudo das ass´ıntotas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
1.11.1 Ass´ıntota horizontal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
1.11.2 Ass´ıntota vertical . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
1.11.3 M´aximos e m´ınimos absolutos de uma fun¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . 77
1.11.4 Teorema do valor extremo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
1.12 Otimiza¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
2 A Integral 93
2.1 Antideriva¸c˜ao: A integral indefinida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
2.2 As antiderivadas de uma fun¸c˜ao f . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
2.3 Nota¸c˜ao de integral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
2.4 Regras b´asicas para integrar fun¸c˜oes simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
2.5 Propriedades alg´ebricas da integral indefinida . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
2.5.1 Regra da multiplica¸c˜ao por uma constante . . . . . . . . . . . . . . . 95
2.5.2 Regra da soma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
2.5.3 Regra da diferen¸ca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
2.5.4 Curvas integrais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
2.5.5 Movimento em linha reta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
2.5.6 Regra da exponencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
2.5.7 Integra¸c˜ao por substitui¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
2.6 Equa¸c˜oes diferenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
2.6.1 Equa¸c˜oes diferenciais com vari´aveis separ´aveis . . . . . . . . . . . . . 111
2.6.2 Aplica¸c˜oes das equa¸c˜oes diferenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
2.7 Integra¸c˜ao por partes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
2.8 Teorema Fundamental do C´alculo: A integral definida . . . . . . . . . . . . 126
[Prof. Hiroshi Ouchi] 1
2.8.1 A integral definida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
2.8.2
´
Area da regi˜ao compreendida entre duas curvas . . . . . . . . . . . . 140
A Teorema de Rolle 145
B Teorema do Valor M´edio 149
C O teste da derivada segunda para extremos relativos 157
D O teste da concavidade 159
Referˆencias Bibliogr´aficas 163
2 [Matem´atica Aplicada]
Introdu¸c˜ao
A apostila foi desenvolvida para atender a alunos dos cursos de Administra¸c˜ao, Economia
e Ciˆencias Cont´abeis.
Cabe informar que este material did´atico n˜ao dispensa a utiliza¸c˜ao do livro-texto e de
outros livros citados na bibliografia.
Como a apostila foi desenvolvida com o objetivo de facilitar a aprendizagem, alguns
t´opicos de excelentes livros foram copiados na ´ıntegra, n˜ao tendo o autor da apostila
pretens˜ao de usufruir dos m´eritos profissionais dos autores citados, mas t˜ao somente de
apresentar de maneira clara, eficiente e did´atica os principais conceitos e v´arios exemplos
b´asicos.
Professor Hiroshi Ouchi - Licenciado em Matem´atica pela UFJF e com curso de p´os-
gradua¸c˜ao em Matem´atica pela UFF.
3
4 [Matem´atica Aplicada]
O C´alculo
Hist´orico
O C´alculo ´e regularmente dividido em duas partes principais, C´alculo Diferencial e
C´alculo Integral.
Quase todas as id´eias e aplica¸c˜oes do C´alculo tiveram origem em quest˜oes envolvendo
o conceito de limite relacionado a dois problemas geom´etricos, que se referem ao gr´afico de
uma fun¸c˜ao y = f(x). Para simplificar, consideremos o gr´afico de y = f(x) inteiramente
acima do eixo x.
Problema 1
O problema b´asico do C´alculo Diferencial ´e o problema das tangentes: como calcular
o coeficiente angular da reta tangente ao gr´afico de f num dado ponto P da sua curva.
Figura 1: reta tangente
Problema 2
O problema b´asico do C´alculo Integral ´e o problema das ´areas: como calcular a ´area
entre o gr´afico de y = f(x), o eixo x e as retas verticais x = a e x = b.
5
6 [Matem´atica Aplicada]
Figura 2: ´area
Os dois problemas b´asicos foram objeto de estudo de muitos cientistas no s´eculo XVII,
dentre os quais se destacam Fermat, Newton e Leibniz.
A grande realiza¸c˜ao de Newton e Leibniz foi descobrir e explorar a estreita conex˜ao
entre os dois problemas. Foram os primeiros a entender o significado do Teorema Fun-
damental do C´alculo, de que a solu¸c˜ao do problema da tangente pode ser usado para
resolver o problema da ´area. O teorema foi reconhecido por cada um independentemente
do outro e seus sucessores usaram-no posteriormente numa arte de resolu¸cao de problemas
da Matem´atica Aplicada, de longo alcance em in´ umeros ramos da atividade humana.
NOTA: Calculus, na Roma antiga, era uma pedra utilizada para contagem e jogo, e o
verbo latino calculare passou a significar “figurar”, “calcular”.
Cap´ıtulo 1
A Derivada
1.1 A reta tangente
O problema da tangente consiste em determinar uma equa¸c˜ao que descreva a tangente em
um ponto M do gr´afico de uma fun¸c˜ao y = f(x).
A id´eia da tangente a uma curva origina-se da palavra latina tangere, que significa
“tocar”. Portanto, uma reta tangente a uma curva ´e uma reta que “toca” a curva. Por
outro lado a palavra secante vem de secare, que significa “cortar”.
No caso de uma circunferˆencia, n˜ao h´a dificuldade em assimilar o conceito inicial de
tangente como a reta que intercepta a circunferˆencia em um ponto M da mesma, que ´e
chamado, ponto de tangˆencia. No caso ´e a reta perpendicular ao raio R, no ponto M.
Figura 1.1: ponto de tangˆencia
Esta situa¸c˜ao sugere a possibilidade de definir a tangente a uma curva em um ponto
M, como a reta que intercepta a curva apenas no ponto M.
O conceito atual de reta tangente originou-se com Fermat, em torno de 1630.
A defini¸c˜ao inicial mostra-se inadequada ao considerarmos curvas mais complicadas,tais
como a curva (c), apresentada a seguir:
7
8 [Matem´atica Aplicada]
Figura 1.2: pontos de intersec¸c˜ao
A reta (t) toca a curva em M e tamb´em a intercepta em N e P. Nas proximidades
de M, a reta (t) se confunde com a curva (c), tendo entretanto, outros pontos em comum
com a mesma, tais como N e P. A reta (l) intercepta a curva (c) somente uma vez em
M, mas na realidade n˜ao constitui uma tangente `a curva no ponto M, de acordo com o
conceito inicial.
Para definirmos tangente a uma curva em um de seus pontos, devemos abandonar a
id´eia de unicidade do ponto comum da reta tangente com a curva e adotar uma propriedade
not´avel que a mesma possui, de car´ater local, significando que ao tomarmos arcos cada
vez menores

aa

,

bb

, ...,

nn

, contendo o ponto M, o arco da curva aparentar´a ser um
segmento de reta (t), dando a impress˜ao de que arcos suficientemente pequenos confundem-
se, aproximadamente, com um segmento de reta tangente (t).
Figura 1.3: arcos em (c)
Seja (c) uma curva de equa¸c˜ao y = f(x), definida em um intervalo que contenha os
pontos M e P, e seja (s) a reta secante que passa por M e P.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 9
Figura 1.4: reta limite
Quando o ponto P desloca-se sobre a curva aproximando-se de M, a reta secante MP,
tamb´em muda de posi¸c˜ao ao girar em torno de M. Se a reta secante (s) tende para a
posi¸c˜ao-limite (t), consideramos que esta reta limite ´e a tangente `a curva (c) no ponto M,
sendo este ponto denominado ponto de tangˆencia ou ponto de contato.
Figura 1.5: inclina¸c˜ao das restas (s) e (t)
NOTA: A inclina¸c˜ao m
s
da reta secante tende para a inclina¸c˜ao m
t
da reta tangente,
quando P tende a M sobre a curva (c).
OBSERVAC¸
˜
OES: (revis˜ao de Matem´atica I)
1. Coeficiente angular da reta (r) que passa por A(x
A
, y
A
) e B(x
B
, y
B
)
m
r
=
y
B
−y
A
x
B
−x
A
ou m
r
=
y
A
−y
B
x
A
−x
B
2. Equa¸c˜ao da reta (r) que passa por M(x
M
, y
M
) e de coeficiente angular m
r
y −y
M
= m
r
· (x −x
M
)
3. Condi¸c˜ao de perpendicularismo das retas (r) e (s)
m
r
· m
s
= −1
10 [Matem´atica Aplicada]
4. Condi¸c˜ao de paralelismo das retas (r) e (s)
m
r
= m
s
1.2 C´alculo do coeficiente angular da reta tangente
Seja y = f(x), M(a, f(a)) um ponto do gr´afico de y = f(x) e P(a+h, f(a+h)) um ponto
pr´oximo de M.
Figura 1.6: coeficiente angular da reta (t)
Temos:
tg β = m
s
(inclina¸c˜ao de (s))
tg α = m
t
(inclina¸c˜ao de (t))
h = ∆x (suficientemente pequeno, pois P = M)
∆y = f(a +h) −f(a) ou ∆y = f(a + ∆x) −f(a)
Encontrar a reta tangente em um ponto M da curva (c) consiste na determina¸c˜ao da
inclina¸c˜ao m
t
da reta tangente (t) procurada. Para isto, utilizamos uma reta secante (s),
que passa pelo ponto de tangˆencia M e por um ponto P da curva (c).
m
s
= tg β =
f(a +h) −f(a)
h
ou m
s
= tg β =
f(a + ∆x) −f(a)
∆x
NOTA: A raz˜ao correspondente a m
s
recebe o nome de quociente de Newton, taxa
de acr´escimo, raz˜ao incremental.
Obtemos aproxima¸c˜oes cada vez mais exatas da inclina¸c˜ao da reta tangente, escolhendo
uma seq¨ uˆencia de pontos P cada vez mais pr´oximos do ponto M na curva (c). Neste caso,
x tende para a, quando h = ∆x, tende para zero.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 11
Temos:
P tende para M =⇒
_
¸
¸
_
¸
¸
_
(h = ∆x) −→ 0
m
s
−→ m
t
β −→ α
1.3 Defini¸c˜ao da reta tangente
Seja y = f(x) uma fun¸c˜ao cont´ınua em um intervalo aberto contendo o ponto M(a, f(a))
e P(a +h, f(a +h)) (figura 1.6).
Defini¸c˜ao
Reta tangente ao gr´afico de y = f(x) no ponto M(a, f(a)), ´e a reta que passa por M
e tem inclina¸ c˜ao (coeficiente angular) dada por:
1. m
t
= lim
∆x→0
∆y
∆x
2. m
t
= lim
∆x→0
f(a + ∆x) −f(a)
∆x
3. m
t
= lim
h→0
f(a +h) −f(a)
h
A inclina¸c˜ao existe se o limite existir.
OBSERVAC¸
˜
OES:
1. A equa¸c˜ao da reta (t), tangente ao gr´afico de f em M ´e y −f(a) = m
t
(x −a)
2. A reta paralela ao eixo x, tem coeficiente angular nulo (m
t
= 0)
Sua equa¸c˜ao ´e y = f(a)
3. A equa¸c˜ao da reta (n), normal ao gr´afico de f em M, ´e a reta que passa por M e ´e
perpendicular `a reta tangente (t) no ponto M
Como m
t
· m
n
= −1, temos: m
n
= −
1
m
t
Sua equa¸c˜ao ´e y −y
M
= −
1
m
t
(x −x
M
) ou y −f(a) = −
1
m
t
(x −a)
4. Se lim
h→0
f(a +h) −f(a)
h
= ∞, ent˜ao a reta tangente ´e vertical e a equa¸c˜ao da reta
tangente ´e x = a.
Exemplo, f(x) = 1 +
3

x −2 no ponto de abscissa x = 2.
12 [Matem´atica Aplicada]
Defini¸c˜ao Alternativa
No gr´afico apresentado em 1.6, consideremos M(a, f(a)) e P(x, f(x)). Assim, x = a+h.
Figura 1.7: defini¸c˜ao alternativa
Temos:
_
¸
¸
_
¸
¸
_
h = x −a
∆y = f(x) −f(a)
h →0 =⇒ x →a
m
s
=
f(x) −f(a)
x −a
Assim, m
t
= lim
x→a
f(x) −f(a)
x −a
1.4 Defini¸c˜ao de derivada de uma fun¸c˜ao
A derivada de uma fun¸c˜ao y = f(x) em um ponto M de abscissa a ´e denotada por f

(a)
e definida por:
1. f

(a) = lim
∆x→0
f(a + ∆x) −f(a)
∆x
2. f

(a) = lim
h→0
f(a +h) −f(a)
h
3. f

(a) = lim
x→a
f(x) −f(a)
x −a
NOTA: A defini¸c˜ao ´e v´alida se o limite existir.
Outras nota¸c˜oes
_
dy
dx
_
x=a
;
dy
dx
¸
¸
¸
¸
x=a
[Prof. Hiroshi Ouchi] 13
Seja a fun¸c˜ao f definida por f(x) = x
2
.
(a) Determine o coeficiente angular da reta tangente ao gr´afico de f no ponto M de
abscissa 2.
(b) Determine a equa¸c˜ao da reta tangente ao gr´afico de f no ponto M de abscissa 2.
(c) Determine a equa¸c˜ao da reta normal ao gr´afico de f no ponto M de abscissa 2.
(d) Trace o gr´afico de f(x) = x
2
e no mesmo sistema cartesiano os gr´aficos da tangente
e da normal no ponto M de abscissa 2.
Solu¸c˜ao
f(2) = 2
2
= 4 . Logo, M(2, 4)
(a) m
t
= f

(2)
f

(2) = lim
h→0
f(2 +h) −f(2)
h
= lim
h→0
(2 +h)
2
−4
h
= lim
h→0
4 + 4h +h
2
−4
h
= lim
h→0
h(4 +h)
h
= lim
h→0
(4 +h) = 4
Assim, m
t
= f

(2) = 4
Defini¸c˜ao alternativa
m
t
= lim
x→2
f(x) −f(2)
x −2
= lim
x→2
x
2
−4
x −2
= lim
x→2
(x + 2) · (x −2)
x −2
= lim
x→2
(x + 2) = 4
(b) y −y
M
= m
t
· (x −x
M
)
y −4 = 4 · (x −2)
y = 4x −4 equa¸c˜ao reduzida
4x −y −4 = 0 equa¸c˜ao geral
(c) y −y
M
= −
1
m
t
(x −x
M
)
y −4 = −
1
4
(x −2)
y = −
1
4
x +
9
2
equa¸c˜ao reduzida
x + 4y −18 = 0 equa¸c˜ao geral
(d)
14 [Matem´atica Aplicada]
Exerc´ıcios Propostos
1. Seja a fun¸c˜ao f definida por f(x) = x
2
−2x.
(a) Determine a derivada da fun¸c˜ao no ponto P de abscissa 4.
(b) Determine as equa¸c˜oes da tangente e da normal `a curva no ponto P de abscissa
igual a 4.
2. Determine f

(3), sabendo que f(x) = x
2
+ 2x − 1 e escreva a equa¸c˜ao da tangente
no ponto P de abscissa 3.
3. Seja f(x) = x
2
+ 5x + 2. Determine a taxa de varia¸c˜ao de f no ponto de abscissa
x = −1 e escreva a equa¸c˜ao da tangente ao gr´afico de f nesse ponto.
4. Escreva a equa¸c˜ao da reta tangente e da reta normal `a curva de equa¸c˜ao
y = 3x
2
−4x + 3, no ponto P de abscissa 1.
Respostas
1. (a) m
t
= 6
(b) 6x −y −16 = 0 e x + 6y −52 = 0
2. f

(3) = 8 e 8x −y −10 = 0
3. f

(−1) = 3 e 3x −y + 1 = 0
4. 2x −y = 0 e x + 2y −5 = 0
1.5 Fun¸c˜ao derivada
Seja f uma fun¸c˜ao deriv´avel em um intervalo aberto I.
Defini¸c˜ao
A derivada de uma fun¸c˜ao f em rela¸c˜ao a x ´e a fun¸c˜ao f

(x) definida por:
1. f

(x) = lim
∆x→0
f(x + ∆x) −f(x)
∆x
2. f

(x) = lim
h→0
f(x +h) −f(x)
h
O dom´ınio da fun¸c˜ao derivada f

(x) ´e o conjunto de todos os n´ umeros x do dom´ınio
da fun¸c˜ao f para os quais o limite existe. Se o limite n˜ao existir, dizemos que a fun¸c˜ao f
n˜ao ´e deriv´avel, ou diferenci´avel, no intervalo I.
Dizemos que uma fun¸c˜ao y = f(x) ´e deriv´avel no ponto de abscissa a, se existe f

(a),
ou seja, se o limite existe no ponto x = a.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 15
Nota¸c˜oes de fun¸c˜ao derivada
Seja y = f(x)
1. Leibniz:
dy
dx
ou
df
dx
2. Lagrange: y

ou f

(x)
3. Cauchy:
Dy
x
ou
Df
x
NOTA: D ´e chamado operador diferencia¸c˜ao.
OBSERVAC¸
˜
OES:
Newton usou a nota¸c˜ao
˙
S para indicar a taxa de varia¸c˜ao no tempo lim
∆t→0
∆S
∆t
de uma
quantidade vari´avel S = f(t). A nota¸c˜ao de Newton ´e usada com certa freq¨ uˆencia em
cursos de mecˆanica t´ecnica e te´orica.
Seja f(x) = 3x
2
−12x + 4
(a) Determine f

(x).
(b) Determine f

(1).
(c) Determine a equa¸c˜ao da tangente ao gr´afico de f no ponto P de abscissa 1.
(d) Detemine o ponto do gr´afico em que a reta tangente ´e paralela ao eixo das abscissas
(reta horizontal).
Solu¸c˜ao
f(x +h) = 3(x +h)
2
−12(x +h) + 4
f(x +h) = 3(x
2
+ 2xh +h
2
) −12x −12h + 4
f(x +h) = 3x
2
+ 6xh + 3h
2
−12x −12h + 4
f(x +h) −f(x) = 3x
2
+ 6xh + 3h
2
−12x −12h + 4 −(3x
2
−12x + 4)
f(x +h) −f(x) = 3x
2
+ 6xh + 3h
2
−12x −12h + 4 −3x
2
+ 12x −4
f(x +h) −f(x) = 6xh −12h + 3h
2
(a) f

(x) = lim
h→0
f(x +h) −f(x)
h
= lim
h→0
h(6x −12 + 3h)
h
= lim
h→0
(6x −12 + 3h) = 6x −12
f

(x) = 6x −12
(b) f

(1) = 6(1) −12 = 6 −12 = −6
f

(1) = −6
16 [Matem´atica Aplicada]
(c) x = 1 ⇒y = f(1) = 3(1)
2
−12(1) + 4 = 3 −12 + 4 = −5
Temos P(1, −5)
y −y
P
= f

(1)(x −x
P
)
y + 5 = −6(x −1)
y + 5 = −6x + 6
(t) 6x +y −1 = 0
(d) f

(x) = 0 ⇒6x −12 = 0 ⇒x = 2
x = 2
f(2) = 3(2)
2
−12(2) + 4
f(2) = 12 −24 + 4
f(2) = −8
M(2, −8)
1.6 A derivada como taxa de varia¸c˜ao
Se y = f(x), ent˜ao a taxa de varia¸c˜ao instantˆanea de uma grandeza f(x) em rela¸c˜ao a x
no ponto de abscissa a ´e f

(a).
Um empres´ario calcula que quando x unidades de um certo produto s˜ao fabricadas, a
receita bruta associada ao produto ´e dada por R(x) = (0, 5)x
2
+3x −2 milhares de reais.
Qual ´e a taxa de varia¸c˜ao da receita com o n´ıvel de produ¸c˜ao x quando 9 unidades s˜ao
fabricadas? Para esse n´ıvel de produ¸c˜ao, a receita aumenta ou diminui com o aumento de
produ¸c˜ao?
Solu¸c˜ao
R(x +h) = 0, 5(x +h)
2
+ 3(x +h) −2
R(x +h) = 0, 5(x
2
+ 2xh +h
2
) + 3x + 3h −2
R(x +h) = (0, 5)x
2
+xh + (0, 5)h
2
+ 3x + 3h −2
R(x +h) −R(x) = (0, 5)x
2
+xh + (0, 5)h
2
+ 3x + 3h −2 −(0, 5)x
2
−3x + 2
R(x +h) −R(x) = xh + 3h + (0, 5)h
2
R(x +h) −R(x) = h[x + 3 + (0, 5)h]
R

(x) = lim
h→0
R(x +h) −R(x)
h
= lim
h→0
h[x + 3 + (0, 5)h]
h
= lim
h→0
[x + 3 + (0, 5)h] = x + 3
R

(x) = x + 3 (fun¸c˜ao afim crescente, coeficiente positivo)
R

(9) = 9 + 3 = 12
R

(9) = 12
[Prof. Hiroshi Ouchi] 17
A receita aumenta de R$12.000,00 por unidade com o aumento da produ¸c˜ao, quando
9 unidades est˜ao sendo fabricadas.
Como R

(9) = 12 > 0, ent˜ao a reta tangente `a fun¸c˜ao receita no ponto a = 9 tem
inclina¸c˜ao positiva.
Conclus˜ao: a receita aumenta com o aumento da produ¸c˜ao.
Suponha que o lucro de um fabricante de camisetas seja dado pela fun¸c˜ao P(x), tal
que, P(x) = 400(15 − x)(x − 2), onde x ´e o pre¸co pelo qual as camisas s˜ao vendidas.
Encontre o pre¸co de venda que maximiza o lucro.
Solu¸c˜ao
Temos, P(x) = −400x
2
+ 6800x −12000
P(x +h) = −400(x +h)
2
+ 6800(x +h) −12000
P(x +h) = −400x
2
−800xh −400h
2
+ 6800x + 6800h −12000
P(x +h) −P(x) = h(−800x −400h + 6800)
P

(x) = lim
h→0
P(x +h) −P(x)
h
P

(x) = lim
h→0
(−800x −400h + 6800)
P

(x) = −800x + 6800
P

(x) = 0
0 = −800x + 6800
800x = 6800
x = 8, 5
Resposta: O pre¸co de venda que proporciona lucro m´aximo ´e de R$8,50.
Exerc´ıcios Propostos
1. Em que ponto P da curva y = x
2
+8 o coeficiente angular da tangente ´e 16? Escreva
a equa¸c˜ao da tangente.
2. Em que ponto da curva y = 3x
2
+ 5x + 6 a tangente ´e paralela ao eixo x?
Respostas
1. P(8, 72); (t) y = 16x −56
2. P
_

5
6
,
47
12
_
18 [Matem´atica Aplicada]
1.7 Regras de deriva¸c˜ao
As t´ecnicas de deriva¸c˜ao s˜ao regras pr´aticas cuja utiliza¸c˜ao direta nos leva a calcular a
derivada de uma fun¸c˜ao sem recorrer `a defini¸c˜ao. Naturalmente essas t´ecnicas s˜ao obtidas
mediante o emprego da defini¸c˜ao e de conceitos estudados anteriormente.
1.7.1 Fun¸c˜ao afim
f(x) = mx +p
f(x +h) = m(x +h) +p
f(x +h) −f(x) = mx +mh +p −mx −p
f(x +h) −f(x) = mh
f

(x) = lim
h→0
f(x +h) −f(x)
h
= lim
h→0
hm
h
= lim
h→0
m = m
Portanto: f(x) = mx +p =⇒f

(x) = m
Exemplo
f(x) = 3x −2
f

(x) = 3
OBSERVAC¸
˜
OES:
1. m = 0 e p = 0
f(x) = p (fun¸c˜ao constante)
f(x +h) = p
f

(x) = lim
h→0
f(x +h) −f(x)
h
= lim
h→0
p −p
h
= lim
h→0
0
h
= lim
h→0
0 = 0
f(x) = p =⇒f

(x) = 0 A derivada de uma constante ´e zero
2. m = 1 e p = 0
f(x) = x (fun¸c˜ao identidade)
De acordo com a primeira conclus˜ao, temos:
f(x) = 1x
f

(x) = 1
Portanto: f(x) = x =⇒f

(x) = 1
[Prof. Hiroshi Ouchi] 19
1.7.2 Fun¸c˜ao potˆencia
f(x) = x
n
, sendo n inteiro positivo e x = 0
f(x +h) = (x +h)
n
De acordo com a teoria do Binˆomio de Newton, temos:
f(x +h) = x
n
+
_
n
1
_
x
n−1
h +
_
n
2
_
x
n−2
h
2
+. . . +h
n
f(x +h) −f(x) = x
n
+
_
n
1
_
x
n−1
h +
_
n
2
_
x
n−2
h
2
+. . . +h
n
−x
n
f(x +h) −f(x) =
_
n
1
_
x
n−1
h +
_
n
2
_
x
n−2
h
2
+. . . +h
n
f

(x) = lim
h→0
f(x +h) −f(x)
h
f

(x) = lim
h→0
_
n
1
_
x
n−1
h +
_
n
2
_
x
n−2
h
2
+. . . +h
n
h
f

(x) = lim
h→0
h
__
n
1
_
x
n−1
+
_
n
2
_
x
n−2
h +. . . +h
n−1
¸
h
f

(x) = lim
h→0
__
n
1
_
x
n−1
+
_
n
2
_
x
n−2
h +. . . +h
n−1
¸
Como cada termo dentro dos colchetes tem uma potˆencia de h como fator, exceto o
primeiro, por teoria de limites podemos concluir:
f

(x) = lim
h→0
(
n
1
)x
n−1
Como (
n
1
) = n, de acordo com a An´alise Combinat´oria, temos:
f

(x) = lim
h→0
(n · x
n−1
) = n · x
n−1
Portanto: f(x) = x
n
=⇒f

(x) = n · x
n−1
Para encontrar a derivada de x
n
, devemos subtrair 1 do expoente de x e multiplicar pelo expoente
original n
Exemplos:
1. f(x) = x
5
f

(x) = 5x
5−1
f

(x) = 5x
4
2. f(x) = x
3
f

(x) = 3x
3−1
f

(x) = 3x
2
3. f(x) = x
f

(x) = 1x
1−1
f

(x) = 1x
0
f

(x) = 1
20 [Matem´atica Aplicada]
OBSERVAC¸
˜
AO:
A regra ´e tamb´em v´alida quando o expoente ´e inteiro negativo ou uma fra¸c˜ao
1. f(x) = x
−4
f

(x) = −4x
−4−1
= −4x
−5
2. f(x) =

x = x
1/2
f

(x) =
1
2
· x
1/2−1
=
1
2
· x
−1/2
=
1
2
·
1
x
1/2
=
1
2
·
1

x
=
1
2

x
1.7.3 Regra da homogeneidade
f(x) = c · x
n
De acordo com item anterior, temos:
f

(x) = c · n · x
n−1
A derivada de uma constante vezes uma fun¸c˜ao ´e a constante vezes a derivada da
fun¸c˜ao.
Exemplos:
1. f(x) = 2x
5
f

(x) = 2 · 5x
5−1
= 10x
4
2. f(x) =
2
x
3
= 2x
−3
f

(x) = 2 · (−3)x
−3−1
= −6x
−4
= −
6
x
4
1.7.4 Regra da soma
Seja f(x) = u(x) +v(x)
f

(x) = lim
h→0
f(x +h) −f(x)
h
f

(x) = lim
h→0
u(x +h) +v(x +h) −u(x) −v(x)
h
f

(x) = lim
h→0
u(x +h) −u(x) +v(x +h) −v(x)
h
f

(x) = lim
h→0
u(x +h) −u(x)
h
+ lim
h→0
v(x +h) −v(x)
h
f

(x) = u

(x) +v

(x)
Portanto: f(x) = u(x) +v(x) =⇒f

(x) = u

(x) +v

(x)
ou f = u +v =⇒f

= u

+v

A derivada de uma soma de fun¸c˜oes ´e a soma das derivadas das fun¸c˜oes parcelas.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 21
Podemos estender a regra para n fun¸c˜oes de x
f(x) = u
1
(x) +u
2
(x) +. . . +u
n
(x)
f

(x) = u
1

(x) +u
2

(x) +. . . +u
n

(x)
Exemplos:
1. f(x) = 6x
4
+ 2x
3
+ 4x
2
+ 5x + 1
f

(x) = 24x
3
+ 6x
2
+ 8x + 5
2. f(x) = x
4
+
2
3
x
3
+ 4x + 2
f

(x) = 4x
3
+ 2x
2
+ 4
OBSERVAC¸
˜
OES:
1. f(x) = u(x) −v(x)
De maneira an´aloga, concluimos:
f

(x) = u

(x) −v

(x)
2. Podemos derivar qualquer fun¸c˜ao polinomial termo a termo, usando as regras da
soma, subtra¸c˜ao, homogeneidade, potˆencia, identidade e constante.
f(x) = x
3
−5x
2
+ 4x −2
f

(x) = 3x
2
−10x + 4
1.7.5 Regra do produto de uma constante por uma fun¸c˜ao
f(x) = c · v(x)
f

(x) = lim
h→0
f(x +h) −f(x)
h
f

(x) = lim
h→0
c · v(x +h) −c · v(x)
h
f

(x) = lim
h→0
c · lim
h→0
v(x +h) −v(x)
h
f

(x) = c · v

(x)
Portanto: f(x) = c · v(x) =⇒f

(x) = c · v

(x)
ou f = c · v =⇒f

= c · v

A derivada do produto de uma constante por uma fun¸c˜ao ´e igual ao produto da constante pela derivada
da fun¸c˜ao.
22 [Matem´atica Aplicada]
1.7.6 Regra do produto ou regra de Leibniz
Seja f(x) = u(x) · v(x).
Utilizamos o artif´ıcio subtrair e somar
f(x +h) −f(x) = u(x +h) · v(x +h) −u(x) · v(x)
Subtraindo e somando a express˜ao u(x +h) · v(x), temos:
f(x +h) −f(x) = u(x +h) · v(x +h) −(u(x +h) · v(x)) +(u(x +h) · v(x)) −u(x) · v(x)
f(x +h) −f(x) = u(x +h) · [v(x +h) −v(x)] +v(x) · [u(x +h) −u(x)]
Temos:
f

(x) = lim
h→0
f(x +h) −f(x)
h
f

(x) = lim
h→0
u(x +h)[v(x +h) −v(x)] +v(x)[u(x +h) −u(x)]
h
Aplicando propriedades de limites temos:
f

(x) = lim
h→0
[u(x +h)] · lim
h→0
v(x +h) −v(x)
h
+ lim
h→0
v(x) · lim
h→0
u(x +h) −u(x)
h
f

(x) = u(x) · v

(x) +v(x) · u

(x) ou
f

(x) = u

(x) · v(x) +u(x) · v

(x)
Portanto: f = uv =⇒f

= u

v +uv

A derivada do produto de duas fun¸c˜oes ´e igual `a derivada da primeira vezes a segunda, mais, a primeira
vezes a derivada da segunda.
OBSERVAC¸
˜
OES:
A regra pode ser aplicada para mais de duas fun¸c˜oes
f = uvw = (uv)w
f

= u

vw +uv

w +uvw

Calcule a derivada da fun¸c˜ao f(x) = (x + 4)(3x −2).
(a) Expandindo f(x) e usando a regra do produto de polinˆomios.
(b) Usando a regra do produto.
Solu¸c˜ao
(a) f(x) = 3x
2
−2x + 12x −8
f(x) = 3x
2
+ 10x −8
f

(x) = 6x + 10
[Prof. Hiroshi Ouchi] 23
(b) f

(x) = (x + 4)

(3x −2) + (x + 4)(3x −2)

f

(x) = 1(3x −2) + (x + 4)3
f

(x) = 3x −2 + 3x + 12
f

(x) = 6x + 10
OBSERVAC¸
˜
OES:
A derivada de um produto ´e diferente do produto das derivadas.
1.7.7 Regra do quociente
Seja f(x) =
u(x)
v(x)
, definida nos pontos em que v(x) = 0.
Por comodidade, podemos determinar a regra do quociente utilizando a regra do pro-
duto.
f =
u
v
fv = u
Aplicando a regra do produto, temos:
f

v +fv

= u

f

v = u

−fv

f

v = u


u
v
· v

f

v =
vu

−uv

v
f

=
vu

−uv

v
2
Portanto: f =
u
v
=⇒f

=
vu

−uv

v
2
ou f =
u
v
=⇒f

=
u

v −uv

v
2
Determine a derivada da fun¸c˜ao racional f(x) =
4x
2
+ 2x + 3
x −1
Solu¸c˜ao
f

(x) =
(x −1)(4x
2
+ 2x + 3)

−(4x
2
+ 2x + 3)(x −1)

(x −1)
2
f

(x) =
(x −1)(8x + 2) −(4x
2
+ 2x + 3)1
(x −1)
2
f

(x) =
8x
2
+ 2x −8x −2 −4x
2
−2x −3
(x −1)
2
f

(x) =
4x
2
−8x −5
(x −1)
2
24 [Matem´atica Aplicada]
OBSERVAC¸
˜
OES:
A regra do produto ´e, muitas vezes, usada para evitar o uso desnecess´ario da regra do
quociente, que ´e mais complicada.
1. f(x) =
2
x
3
= 2x
−3
f

(x) = −6x
−3−1
= −6x
−4
= −
6
x
4
2. f(x) =
2
3x
2

x
5
+
4
3
+
x + 1
x
f(x) =
2
3
x
−2

1
5
x +
4
3
+ 1 +
1
x
f(x) =
2
3
x
−2

1
5
x +
4
3
+ 1 +x
−1
f

(x) = −
4
3
x
−2−1

1
5
−1x
−1−1
f

(x) = −
4
3
x
−3

1
5
−x
−2
f

(x) = −
4
3x
3

1
5

1
x
2
Casos particulares em que o numerador ´e 1.
f(x) =
1
g(x)
, e g(x) = 0
f

(x) =
g(x) · (1)

−1 · g

(x)
(g(x))
2
f

(x) =
g(x) · 0 −g

(x)
(g(x))
2
Portanto: f(x) =
1
g(x)
=⇒f

(x) = −
g

(x)
(g(x))
2
Encontre a derivada de f(x) =
1
x
.
Solu¸c˜ao
f

(x) = −
g

(x)
(g(x))
2
= −
x

x
2
= −
1
x
2
Exerc´ıcios Propostos
1. Usando a defini¸c˜ao de derivada, determine f

(x) das seguintes fun¸c˜oes:
(a) f(x) = 2x
2
−x
(b) f(x) = −3x
2
+ 5x −4
2. Calcule o coeficiente angular da reta tangente ao gr´afico da fun¸c˜ao f(x) = x
3
+ 2x,
no ponto P de abscissa 1 e escreva as equa¸c˜oes das retas tangente e normal `a curva
neste ponto P.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 25
3. Calcule a derivada das seguintes fun¸c˜oes:
(a) y = x
4

2
x
3

8
x
+ 2
(b) y = 3x
2/3
−4x
1/4
−2
(c) f(x) =
3
4x
4
(d) g(x) =
3
4x
−2
(e) h(x) = 5

x
(f) l(x) =
3
2
3

x
2
4. Calcule a derivada das seguintes fun¸c˜oes:
(a) y = (1 −2x)(2x −4)
(b) y = (3x
2
−5)(2x
3
−4x)
(c) f(x) = (2x + 3x
2
)(5x −1)
(d) y =
_
1 +
1
x
2
_
(x −2)
5. Calcule a derivada das seguintes fun¸c˜oes:
(a) y = (2x −5)(x + 2)(x
2
−1)
(b) y = (1 −3x)
2
(2x + 5)
6. Calcule a derivada f

(x) das seguintes fun¸c˜oes:
(a) f(x) =
2x −1
x
2
+ 2x
(b) f(x) =
3x
2
+ 7
x
2
−1
7. Escreva a equa¸c˜ao da tangente e da normal `as curvas seguintes nos pontos pedidos
(a) f(x) =

x no ponto P de abscissa 4.
(b) f(x) = 7 −7x
2
+ 2x
3
no ponto P de abscissa 2.
8. Determine a inclina¸c˜ao da curva g(x) =
x
2
x
2
+1
no ponto P de abscissa x = 1 e escreva
a equa¸c˜ao da reta tangente neste ponto.
9. Estima-se que, em x meses, a partir de agora, a popula¸c˜ao de uma certa comunidade
ser´a de P(x) = x
2
+20x+8000. A que taxa a popula¸c˜ao estar´a variando em rela¸c˜ao
ao tempo 15 meses, a partir de agora?
10. O lucro obtido com a venda de x unidades de um certo produto ´e P(x) =
−x
3
+27x
2
+160x+7
x+5
,
em milhares de reais. Determine a taxa de varia¸c˜ao do lucro em rela¸c˜ao `as vendas
para x = 2.
26 [Matem´atica Aplicada]
Respostas
1. (a) f

(x) = 4x −1
(b) f

(x) = −6x + 5
2. f

(1) = 5; y = 5x −2; y = −
1
5
x +
16
5
3. (a) y

= 4x
3
+
6
x
4
+
8
x
2
(b)
dy
dx
=
2
3

x

1
4

x
3
(c) f

(x) = −
3
x
5
(d) g

(x) =
3
2
x
(e) h

(x) =
5
2

x
(f) l

(x) = −
1
3

x
5
4. (a)
dy
dx
= −8x + 10
(b) y

= 30x
4
−66x
2
+ 20
(c) f

(x) = 45x
2
+ 14x −2
(d) y

= −
1
x
2
+
4
x
3
+ 1 ou y

=
x
3
−x+4
x
3
5. (a) y

= 8x
3
−3x
2
−24x + 1
(b) y

= 54x
2
+ 66x −28
6. (a) f

(x) =
−2x
2
+2x+2
(x
2
+2x)
2
(b) f

(x) =
−20x
(x
2
−1)
2
7. (a) x −4y + 4 = 0
4x +y −18 = 0
(b) y = −4x + 3
y =
1
4
x −
11
2
8. m =
1
2
; y =
1
2
x
9. A taxa de varia¸c˜ao da popula¸c˜ao, 15 meses a partir de agora, ser´a de 50 pessoas por
mˆes.
10. O lucro estar´a aumentando a raz˜ao de R$27.857,00.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 27
1.7.8 Derivada de uma fun¸c˜ao composta (Regra da Cadeia)
y = f(u) e u = g(x) =⇒y = f[g(x)]
Exemplos:
y = u
5
e u = x
3
+ 5
Assim, y = (x
3
+ 5)
5
=⇒y = f[g(x)]
Se y ´e uma fun¸c˜ao de u e
dy
du
existe, e se u ´e uma fun¸c˜ao de x e
du
dx
existe, ent˜ao y ´e
uma fun¸c˜ao de x e
dy
dx
existe, e ´e dada por
dy
dx
=
dy
du
·
du
dx
.
Uma demonstra¸c˜ao rigorosa da regra da cadeia ´e bastante complicada e ser´a omitida,
devido `a proposta de nosso curso. Entretanto daremos um argumento v´alido para in´ umeras
fun¸c˜oes.
Iniciaremos a demonstra¸c˜ao com a varia¸c˜ao usual ∆x = 0, na vari´avel independente x.
Esta produz uma varia¸c˜ao ∆u na vari´avel u, e esta, produz uma varia¸c˜ao ∆y na vari´avel
y. Sabemos ainda que a derivabilidade implica continuidade, e assim ∆u → 0 quando
∆x →0.
Sabemos que:
dy
dx
= lim
∆x→0
∆y
∆x
;
dy
du
= lim
∆u→0
∆y
∆u
e
du
dx
= lim
∆x→0
∆u
∆x
Por ´algebra simples, temos:
∆y
∆x
=
∆y
∆u
·
∆u
∆x
se ∆u = 0
Logo,
lim
∆x→0
∆y
∆x
= lim
∆x→0
∆y
∆u
· lim
∆x→0
∆u
∆x
se ∆u = 0
Quando ∆x →0, ∆u →0
lim
∆x→0
∆y
∆x
= lim
∆u→0
∆y
∆u
· lim
∆x→0
∆u
∆x
se ∆u = 0
Logo,
dy
dx
=
dy
du
·
du
dx
OBSERVAC¸
˜
OES:
Pode acontecer que ∆x n˜ao induza uma vari´avel real em u, de modo que ∆u = 0, e
esta possibilidade invalida a nossa demonstra¸c˜ao. Esta dificuldade pode ser administrada
por um engenhoso artif´ıcio matem´atico que n˜ao ser´a utilizado devido `a sua complexidade.
28 [Matem´atica Aplicada]
RESUMO:
1. Nota¸c˜ao de Leibniz
Se y = f(u) e u = g(x), ent˜ao
dy
dx
=
dy
du
·
du
dx
2. Nota¸c˜ao de Lagrange
Se y = f(g(x)), ent˜ao
dy
dx
= f

(g(x)) · g

(x)
A derivada da fun¸c˜ao ´e obtida multiplicando-se a derivada da fun¸c˜ao externa pela
derivada da fun¸c˜ao interna.
Exemplos: Ache a derivada das fun¸c˜oes
1. y = (x
3
+ 2)
5
Seja y = u
5
e u = x
3
+ 2
Logo,
dy
du
= 5u
4
e
du
dx
= 3x
2
dy
dx
=
dy
du
·
du
dx
dy
dx
= 5u
4
· 3x
2
dy
dx
= 15(x
3
+ 2)
4
x
2
dy
dx
= 15x
2
(x
3
+ 2)
4
2. y =

x
2
+ 1
Seja y =

u e u = x
2
+ 1
y = u
1/2
Logo,
dy
du
=
1
2
· u
−1/2
=
1
2
·
1
u
1/2
=
1
2

u
e
du
dx
= 2x
dy
dx
=
dy
du
·
du
dx
dy
dx
=
1
2

u
· 2x =
x

u
dy
dx
=
x

x
2
+ 1
Exerc´ıcios Propostos
Determine
dy
dx
, sabendo que
(a) y = (3x
2
+ 1)
2
(b) y =

u e u = 2x
3
−4x + 5
[Prof. Hiroshi Ouchi] 29
Respostas
(a)
dy
dx
= 36x
3
+ 12x
(b)
dy
dx
=
6x
2
−4
2

2x
3
−4x+5
ou
dy
dx
=
3x
2
−2

2x
3
−4x+5
NOTA: A regra da cadeia pode ser extendida para os casos em que a composi¸c˜ao ´e de
mais de duas fun¸c˜oes
y = h(v) , v = g(u) e u = t(x)
dy
dx
=
dy
dv
·
dv
du
·
du
dx
Caso particular da regra da cadeia
A fun¸c˜ao composta ´e do tipo y = f(u) = (u(x))
n
, sendo u = g(x) uma fun¸c˜ao difer-
enci´avel de x e n um n´ umero qualquer.
Aplicando a regra da cadeia, temos:
dy
dx
=
dy
du
·
du
dx
dy
dx
=
d
du
(u(x))
n
·
du
dx
dy
dx
= n(u(x))
n−1
·
du
dx
Leibniz
ou
y

= n(u)
n−1
· u

Lagrange
Exemplos:
1. Calcule a derivada de y =

x
2
+ 1
y = (x
2
+ 1)
1/2
y

=
1
2
· (x
2
+ 1)
1/2 −1
· (x
2
+ 1)

y

=
1
2
· (x
2
+ 1)
−1/2
· 2x
y

=
x

x
2
+ 1
2. Calcule a derivada de f(x) =
2
(4x
2
+ 6x −7)
3
Temos: f(x) = 2 · (4x
2
+ 6x −7)
−3
f

(x) = 2 · (−3) · (4x
2
+ 6x −7)
−3−1
· (4x
2
+ 6x −7)

f

(x) = −6 · (4x
2
+ 6x −7)
−4
· (8x + 6)
f

(x) = −
6
(4x
2
+ 6x −7)
4
· (8x + 6)
f

(x) =
−48x −36
(4x
2
+ 6x −7)
4
30 [Matem´atica Aplicada]
NOTA: Esta regra ´e conhecida como regra da potˆencia generalizada.
Aplica¸c˜ao Pr´atica
O custo para produzir x unidades de um certo produto ´e C(x) =
x
2
3
+ 4x + 53 em
reais e o n´ umero de unidades produzidas em t horas de trabalho ´e x(t) = (0, 2)t
2
+(0, 03)t
unidades. Determine a taxa de varia¸c˜ao do custo com o tempo ap´os 4 horas de trabalho.
Solu¸c˜ao
Temos:
C = f(x) e x = g(t)
C =
x
2
3
+ 4x + 53 e x = (0, 2)t
2
+ (0, 03)t
Temos:
dC
dx
=
2
3
x + 4 e
dx
dt
= (0, 4)t + (0, 03)
Regra da cadeia
dC
dt
=
dC
dx
·
dx
dt
dC
dt
=
_
2
3
x + 4
_
· [(0, 4)t + (0, 03)]
t = 4 =⇒x = (0, 2)(16) + (0, 03)(4) = 3, 32
dC
dt
=
_
2
3
(3, 32) + 4
_
· [(0, 4)(4) + (0, 03)]
dC
dt
= 10, 1277
Conclus˜ao: Ap´os 4 horas de trabalho, o custo est´a aumentando `a raz˜ao de aproxi-
madamente R$ 10,13 por hora.
1.7.9 Derivada de fun¸c˜oes impl´ıcitas
A maioria das fun¸c˜oes que estudamos at´e o momento foi da forma y = f(x), em que y
´e expressa diretamente, ou explicitamente, em termos de x. Entretanto, acontece com
freq¨ uˆencia que y ´e definida como uma fun¸c˜ao de x por meio de uma equa¸c˜ao da forma
F(x, y) = 0 que n˜ao est´a resolvida para y, mas em que x e y est˜ao intimamente relacionadas
entre si. Quando ´e dado um conveniente valor a x, a equa¸c˜ao resultante determina nor-
malmente um ou mais valores correspondentes para y. Nesse caso, dizemos que a equa¸c˜ao
F(x, y) = 0 determina y como uma ou mais fun¸c˜oes impl´ıcitas de x. Para cada valor de
x, existe um valor correspondente de y que satisfaz a equa¸c˜ao.
Exemplos:
1. A equa¸c˜ao xy = 1 determina uma fun¸c˜ao impl´ıcita de x, que pode ser escrita na
[Prof. Hiroshi Ouchi] 31
forma y =
1
x
(forma explicita).
2. A equa¸c˜ao x
2
+ y
2
= 36 determina duas fun¸c˜oes impl´ıcitas de x, que podem ser
escritas explicitamente como y =

36 −x
2
e y = −

36 −x
2
.
OBSERVAC¸
˜
OES:
Muitas vezes n˜ao ´e poss´ıvel definir y explicitamente como fun¸c˜ao de x.
Para determinar
dy
dx
, usamos um processo simples, baseado na regra da cadeia pensando
conscientemente em y como uma fun¸c˜ao de x, sempre que aparecer. Esse processo ´e
denominado deriva¸c˜ao impl´ıcita.
Regra pr´atica
1. Devemos derivar termo a termo, ambos os membros da equa¸c˜ao, em rela¸c˜ao a x,
usando a regra da cadeia ao derivar os termos que cont´em y.
2. Resolvemos a equa¸c˜ao resultante considerando
dy
dx
como inc´ognita.
A deriva¸c˜ao impl´ıcita d´a, normalmente uma express˜ao para
dy
dx
em termos, tanto de x
como de y, em vez de somente em termos de x.
Exemplos:
Determine
dy
dx
sabendo que 2x
2
−2xy = 9 −y
2
.
Solu¸c˜ao
Derivando em rela¸c˜ao a x, temos:
4x −2y −2x
dy
dx
= −2y
dy
dx
2x −y −x
dy
dx
= −y
dy
dx
x
dy
dx
−y
dy
dx
= 2x −y
(x −y)
dy
dx
= 2x −y
dy
dx
=
2x −y
x −y
NOTA: Pode-se tamb´em obter derivadas de ordem superior por diferencia¸c˜ao impl´ıcita.
1.7.10 Derivada da fun¸c˜ao exponencial
Se f(x) = a
x
; a ∈ R

+
, a = 1 e x ∈ R, ent˜ao f

(x) = a
x
· lna
Portanto, f(x) = a
x
=⇒f

(x) = a
x
· lna
32 [Matem´atica Aplicada]
Seja y = a
u
e u ´e uma fun¸c˜ao de x.
Aplicando a regra da cadeia, temos:
dy
dx
= a
u
· lna ·
dy
dx
ou y

= a
u
· lna · u

Caso Particular:
f(x) = e
x
=⇒f

(x) = e
x
· lne = e
x
· 1 = e
x
Portanto, f(x) = e
x
=⇒f

(x) = e
x
Seja y = e
u
e u ´e fun¸c˜ao de x.
Aplicando a regra da cadeia, temos:
dy
dx
= e
u
·
du
dx
ou y

= e
u
· u

1.7.11 Derivada da fun¸c˜ao logar´ıtmica
Vimos que log
e
a · log
a
e = 1
Assim,
log
a
e =
1
log
e
a
log
a
e =
1
lna
Seja f(x) = log
a
x onde a > 0 e a = 1 e x ∈ R

+
f(x) = log
a
x =⇒
_
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
_
f

(x) =
1
x
· log
a
e
ou
f

(x) =
1
x · lna
Seja y = log
a
u onde u ´e fun¸c˜ao de x
Aplicando a regra da cadeia, temos:
1.
dy
dx
=
1
u
· log
a
e ·
du
dx
ou y

=
1
u
· log
a
e · u

ou
2.
dy
dx
=
1
u · lna
·
du
dx
ou y

=
u

u · lna
Caso Particular:
y = lnx ou y = log
e
x
dy
dx
=
1
x · lne
=
1
x
Seja y = lnu onde u ´e fun¸c˜ao de x
dy
dx
=
1
u
·
du
dx
ou y

=
u

u
[Prof. Hiroshi Ouchi] 33
Exemplos:
1. f(x) = 5
x
3
+2x
2. f(x) = e
x
2
+4
3. f(x) = ln(2x
4
+ 5)
4. f(x) = log
2
(3x
2
−5)
1.7.12 Derivadas de ordem superior
Se uma fun¸c˜ao y = f(x) ´e diferenci´avel em um certo intervalo, sua derivada f

(x) ´e tamb´em
diferenci´avel nesse intervalo. Se f

(x) tamb´em for diferenci´avel, ent˜ao a sua derivada ´e
chamada derivada segunda da fun¸c˜ao y = f(x) e ´e representada por f

(x).
A derivada terceira da fun¸c˜ao ´e a derivada de sua derivada segunda, isto ´e, f

(x) = [f

(x)]

.
A derivada de ordem n, ou derivada n-´esima de f(x) ´e indicada por f
(n)
(x). Assim
f

(x) tamb´em se escreve f
(2)
(x). Podemos escrever f(x) = f
(0)
(x).
Nota¸c˜ao de Leibniz
d
dx
_
dy
dx
_
=
d
2
y
dx
2
: derivada segunda
d
dx
_
d
2
y
dx
2
_
=
d
3
y
dx
3
: derivada terceira
· · ·
· · ·
d
dx
_
d
n−1
y
dx
n−1
_
=
d
n
y
dx
n
: derivada n-´esima
Em Geometria, o sinal de f

(x) nos informa se a curva de y = f(x) ´e cˆoncava para
cima ou para baixo.
Em F´ısica, se s = f(t) d´a a posi¸c˜ao de um corpo m´ovel no instante t, ent˜ao a primeira
derivada corresponde `a velocidade do m´ovel e a segunda derivada corresponde `a acelera¸c˜ao
do corpo m´ovel no instante t, isto ´e, v =
ds
dt
e a =
dv
dt
=
d
2
s
dt
2
.
Exerc´ıcios Propostos
1. Determine a derivada das seguintes fun¸c˜oes:
(a) f(x) = (2x
3
−5x
2
+ 4)
5
(b) f(x) =
1
4x
3
+ 5x
2
−7x + 8
(c) f(x) =

2x
3
−4x + 5
(d) f(x) =
3

x
2
+x + 1
34 [Matem´atica Aplicada]
2. Calcule a derivada
dy
dx
das fun¸c˜oes seguintes, aplicando a regra da cadeia.
(a) y =

u e u = x
2
+ 1
(b) y =

u e u = x
2
+ 3x + 2
(c) y =
1
u −1
e u = x
2
(d) y =
1

u
e u = x
2
+ 9
3. Uma proje¸c˜ao do aumento de popula¸c˜ao indica que daqui a t anos a popula¸c˜ao de
certa cidade ser´a P(t) = (−t
3
+ 9t
2
+ 48t + 200) mil habitantes.
(a) Qual ser´a a taxa de aumento da popula¸c˜ao daqui a 3 anos?
(b) Qual ser´a a taxa de varia¸c˜ao da taxa de aumento da popula¸c˜ao daqui a 3 anos?
4. Um estudo de eficiˆencia realizado no turno da manh˜a de uma certa f´abrica revela que
um oper´ario que chega ao trabalho `as 8 horas ter´a produzido Q(t) = −t
3
+6t
2
+24t
unidades t horas mais tarde.
(a) Calcule a taxa de produ¸c˜ao dos oper´arios `as 11 horas.
(b) Qual ´e a taxa de varia¸c˜ao da taxa de produ¸c˜ao dos oper´arios `as 11 horas?
5. Um estudo ambiental realizado em certo munic´ıpio revela que a concentra¸c˜ao m´edia
de mon´oxido de carbono no ar ´e c(p) =
_
(0, 5)p
2
+ 17 partes por milh˜ao, onde p
representa a popula¸c˜ao, em milhares de habitantes. Calcula-se que daqui a t anos
a popula¸c˜ao do munic´ıpio ser´a p(t) = (3, 1) + (0, 1)t
2
milhares de habitantes. Qual
ser´a a taxa de varia¸c˜ao da concentra¸c˜ao de mon´oxido de carbono daqui a 3 anos?
6. Determine a equa¸c˜ao da tangente ao gr´afico de f(x) =
5
1 +x
2
no ponto P de abscissa
x = −2.
7. Determine
dy
dx
sabendo que xy −x
2
y
3
+ 3x = 4.
8. Determine a tangente e a normal `a curva x
3
+y
3
−9xy = 0 no ponto P(2, 4)
9. Escreva a equa¸c˜ao da tangente e da normal `a curva x
6
− y
4
+ 2x
2
y = 2 no ponto
P(1, 1)
10. Numa certa ind´ ustria, se C ´e o custo total da produ¸c˜ao de x unidades, ent˜ao
C =
1
4
x
2
+ 2x + 1000. Se x unidades s˜ao produzidas durante t horas desde o in´ıcio
da produ¸c˜ao, ent˜ao x = 3t
2
+ 50t. Determine a taxa de varia¸c˜ao do custo total em
rela¸c˜ao ao tempo, 2 horas ap´os o in´ıcio da produ¸c˜ao.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 35
Respostas
1. (a) f

(x) = 5(2x
3
−5x
2
+ 4)
4
· (6x
2
−10x)
(b) f

(x) =
−12x
2
−10x+7
(4x
3
+5x
2
−7x+8)
2
(c) f

(x) =
3x
2
−2

2x
3
−4x+5
(d) f

(x) =
2x+1
3
3

(x
2
+x+1)
2
2. (a)
dy
dx
=
x
x
2
+1
(b)
dy
dx
=
2x+3
2

x
2
+3x+2
(c)
dy
dx
=
−2x
(x
2
−1)
2
(d)
dy
dx
= −
x

(x
2
+9)
3
3. (a) 75.000 habitantes por ano
(b) zero
4. (a) 33 unidades por hora
(b) a taxa de decr´escimo de eficiˆencia `as 11 horas ´e de 6 unidades por hora ao
quadrado
5.
dc
dt
= 0, 24 por milh˜ao por ano
6. 4x −5y + 13 = 0 ou y =
4
5
x +
13
5
7.
dy
dx
=
−y+2xy
3
−3
x−3x
2
y
2
8. y =
4
5
x +
12
5
e y = −
5
4
x +
13
2
9. 5x −y −4 = 0 e x + 5y −6 = 0
10. O custo total est´a aumentando a uma taxa de R$ 3.596,00 por hora.
Exerc´ıcios Diversos
1. Estima-se que daqui a t anos, a circula¸c˜ao de um jornal ser´a c(t) = 100t
2
+400t+5000.
(a) Encontre uma express˜ao para a taxa de varia¸c˜ao da circula¸c˜ao com o tempo
daqui a t anos
(b) Determine a taxa de varia¸c˜ao da circula¸c˜ao com o tempo daqui a 5 anos. Nessa
ocasi˜ao a circula¸c˜ao estar´a aumentando ou diminuindo?
(c) Qual ser´a a varia¸c˜ao da circula¸c˜ao durante o sexto ano?
36 [Matem´atica Aplicada]
2. Um estudo realizado em certa f´abrica mostra que os oper´arios do turno da manh˜a,
que chegam para trabalhar `a 8 horas, ter˜ao montado em m´edia f(x) = −x
3
+ 6x
2
+ 15x
receptores de r´adio, x horas mais tarde.
(a) Determine uma express˜ao para o n´ umero de receptores por hora que os oper´arios
estar˜ao montando x horas depois de come¸carem a trabalhar.
(b) Quantos receptores por hora estar˜ao montando `as 9 horas?
(c) Quantos receptores os oper´arios estar˜ao montando entre 9 e 10 horas?
3. Um fabricante de rel´ogios pode produzir determinado tipo de rel´ogio a um custo de
R$ 15,00 por pe¸ca. Estima-se que se o pre¸co do rel´ogio for x cada, ent˜ao o n´ umero de
rel´ogios vendidos por semana ser´a 125 −x. Seja P(x) o lucro semanal do fabricante.
Determine o pre¸co de venda para que o lucro semanal seja m´aximo. Determine o
lucro m´aximo.
4. Numa certa ind´ ustria, se C ´e o custo total de produ¸c˜ao de x unidades, ent˜ao
C(x) =
1
4
x
2
+ 2x + 1000 reais. Se x unidades s˜ao produzidas durante t horas desde
o in´ıcio da produ¸c˜ao, ent˜ao x = 3t
2
+ 50t. Determine a taxa de varia¸c˜ao do custo
total em rela¸c˜ao ao tempo, duas horas ap´os o in´ıcio da produ¸c˜ao.
5. Quando um determinado modelo de liquidificador ´e vendido a p reais a unidade, s˜ao
vendidos D(p) =
8000
p
liquidificadores por mˆes. Calcula-se que daqui a t meses o
pre¸co dos liquidificadores ser´a p(t) = (0, 04)t
3/2
+15 reais. Calcule a taxa de varia¸c˜ao
da demanda mensal de liquidificadores com o tempo daqui a 25 meses. A demanda
estar´a aumentando ou diminuindo nessa ocasi˜ao?
6. Ache a equa¸c˜ao da reta tangente `a curva y = 2x
2
+ 3 que ´e paralela `a reta
(s) 8x −y + 3 = 0
7. Determine o ponto P da curva de equa¸c˜ao f(x) = 5x − x
2
, onde a inclina¸c˜ao da
tangente ´e 45
o
.
8. Determine o ponto P em que a reta tangente ao gr´afico de f(x) = x
3
+10 ´e paralela
ao eixo x.
9. Determime a equa¸c˜ao da reta tangente `a curva dada no ponto P especificado pelos
valores de x.
(a) f(x) = (3x
2
+ 1)
2
; x = −1
(b) f(x) =
1
(2x −1)
6
; x = 1
[Prof. Hiroshi Ouchi] 37
10. Determine todos os valores de x para os quais a reta tangente `a fun¸c˜ao dada ´e
horizontal.
(a) f(x) = (x
2
+x)
2
(b) f(x) =

x
2
−4x + 5
11. Determine a fun¸c˜ao derivada das seguintes fun¸c˜oes:
(a) f(x) =
x
(x
2
−1)
4
(b) f(x) =
1
(8x −7)
5
(c) f(x) =
3

8x
3
+ 27
(d) y = 5

x
2
+ 3
(e) y =
x + 1

x
2
−3
(f) y = x
8
+ (2x + 4)
3
+

x
12. Seja y =

u e u = 1 −x
2
, determine
dy
dx
.
13. Considere y =
1
u −1
e u = x
2
. Determine
dy
dx
.
14. Considere c =

s e s = 2t
3
−4t + 5. Determine
dc
dt
.
15. Use a regra da cadeia para calcular
dy
dx
sabendo que y = 3u
4
−4u+5; u = x
3
−2x−5.
Determine
dy
dx
para x = 2.
16. Seja y =

u onde u = 2 +v
3
e v = x
2
−3x + 2. Determine
dy
dx
.
17. Seja y =

u onde u = x
2
−2x + 6. Determine
dy
dx
para x = 3.
18. Considere y =
1
u
onde u = 3 −
1
x
2
. Determine
dy
dx
para x =
1
2
.
19. Determine
dy
dx
atrav´es da deriva¸c˜ao impl´ıcita.
(a) x
2
+y
2
= 25
(b) x
3
+y
3
= xy
(c) y
2
+ 2xy
2
−3x + 1 = 0
(d) xy + 2y = x
2
(e) xy −x = y + 2
(f) x
6
−2x = 3y
6
+y
5
−y
2
(g) 3x
4
y
2
−7xy
3
= 4 −8y
38 [Matem´atica Aplicada]
(h) x
3
+y
3
= 9
20. Determine o coeficiente angular da reta tangente ao gr´afico de y
4
+3y −4x
3
= 5x+1
no ponto P(1, −2).
Respostas
1. (a) c

(t) = 200t + 400
(b) c

(5) = 1400; aumentando
(c) 1.500 exemplares
2. (a) f

(x) = −3x
2
+ 12x + 15
(b) f

(1) = 24; 24 receptores de r´adio por hora
(c) 26 receptores de r´adio
3. O pre¸co de venda ´e de R$ 70,00.
O lucro semanal m´aximo ser´a de R$ 3.025,00.
4. Duas horas ap´os o in´ıcio da produ¸c˜ao o custo estar´a aumentando a uma taxa de
R$3.596,00 por hora.
5.
_
d
dt
D
_
t=25
= −6
6. y = 8x −5
7. P(2, 6)
8. P(0, 10)
9. (a) y = −48x −32
(b) y = −12x + 13
10. (a) x = 0, x = −1 e x = −
1
2
(b) x = 2
11. (a) f

(x) =
−7x
2
−1
(x
2
−1)
5
(b) f

(x) =
−40
(8x−7)
6
(c) f

(x) =
8x
2
3

(8x
3
+27)
2
(d)
dy
dx
=
5x

x
2
+3
(e) y

=
−x−3
(x
2
−3)

x
2
−3
(f)
dy
dx
= 8x
7
+ 6(2x + 4)
2
+
1
2

x
12.
dy
dx
= −
x

1−x
2
[Prof. Hiroshi Ouchi] 39
13.
dy
dx
=
−2x
(x
2
−1)
2
14.
dc
dt
=
3t
2
−2

2t
3
−4t+5
15.
_
dy
dx
_
x=
1
2
= −16
16.
dy
dx
=
3(x
2
−3x+2)
2
·(2x−3)
2

2+(x
2
−3x+2)
3
17.
_
dy
dx
_
x=3
=
2
3
18.
_
dy
dx
_
x=
1
2
= −16
19. (a)
dy
dx
= −
x
y
(b)
dy
dx
=
y−3x
2
3y
2
−x
(c)
dy
dx
= −
3−2y
2
2y(1+2x)
(d)
dy
dx
= −
2x−y
x+2
=
x(4+x)
(x+2)
2
(e)
dy
dx
= −
y−1
1−x
=
−3
(x−1)
2
(f)
dy
dx
=
6x
5
−2
18y
5
+5y
4
−2y
(g)
dy
dx
=
7y
3
−12x
3
y
2
6x
4
y−21xy
2
+8
(h)
dy
dx
= −
x
2
y
2
20.
dy
dx
¸
¸
¸
(1,−2)
= −
17
29
1.8 Taxa de varia¸c˜ao percentual
[HOFFMANN; BRADLEY, 2002: 85]
Defini¸c˜ao
Seja Q(x) a grandeza da qual se quer calcular a taxa de varia¸c˜ao percentual.
t
p
= 100 ·
taxa de varia¸c˜ao de Q(x)
valor de Q(x)
t
p
= 100 ·
Q

(x)
Q(x)
Exemplos:
1. O produto interno bruto (PIB) de um certo pa´ıs ´e dado por P(t) = t
2
+ 5t + 106
bilh˜oes de d´olares, onde t ´e o n´ umero de anos ap´os 1990.
(a) Qual foi a taxa de varia¸c˜ao do PIB em 1998?
(b) Qual foi a taxa de varia¸c˜ao percentual do PIB em 1998?
(c) Qual foi a taxa relativa de crescimento do PIB em 1998?
40 [Matem´atica Aplicada]
Solu¸c˜ao
(a) A taxa de varia¸c˜ao do PIB ´e a derivada P

(t) = 2t + 5. A taxa de varia¸c˜ao em
1998 foi
P

(8) = 2(8) + 5 = 16 + 5 = 21.
t(8) = 21 bilh˜oes de d´olares por ano
(b) A taxa de varia¸c˜ao percentual do PIB em 1998 foi de
t
p
(8) = 100 ·
P

(8)
P(8)
= 100 ·
21
210
= 10%
t
p
= 10% ao ano
(c) A taxa relativa de crescimento do PIB em 1998 foi
t
r
=
P

(8)
P(8)
=
21
210
=
1
10
= 0, 1
t
r
= 0, 1
2. Calcula-se que daqui a x meses a popula¸c˜ao de certa cidade ser´a P(x) = 2x + 4x
3/2
+ 5000.
(a) Qual ser´a a taxa de varia¸c˜ao da popula¸c˜ao com o tempo daqui a 9 meses?
(b) Qual ser´a a taxa de varia¸c˜ao percentual da popula¸c˜ao com o tempo daqui a 9
meses?
Solu¸c˜ao
(a) P

(x) = 2 + 4 ·
3
2
x
3/2 −1
= 2 + 6x
1/2
= 2 + 6

x
P

(x) = 2 + 6

x
t = P

(9) = 2 + 6

9 = 2 + 6(3) = 2 + 18 = 20
A taxa de varia¸c˜ao dapopula¸c˜ao daqui a 9 meses ser´a de 20 habitantes por mˆes.
(b) P(9) = 2(9) + 4(3
2
)
3/2
+ 5000 = 18 + 4(27) + 5000 = 5126
t
p
= 100 ·
P

(9)
P(9)
= 100 ·
20
5126
= 0, 39
Logo, t
p
= 0, 39%
A taxa de varia¸c˜ao percentual da popula¸c˜ao daqui a 9 meses ser´a de 0, 39%.
Exerc´ıcios Propostos
1. Os registros mostram que depois de 1994, o imposto predial m´edio que incidia sobre
um apartamento de trˆes quartos em um certo munic´ıpio era T(x) = 20x
2
+ 40x + 600
reais.
(a) Qual era a taxa de aumento do imposto predial no in´ıcio do ano 2000?
(b) Qual era a taxa de aumento percentual do imposto predial no in´ıcio do ano
2000?
[Prof. Hiroshi Ouchi] 41
2. O lucro bruto anual de uma dada empresa t anos ap´os 1
o
de janeiro de 1981 ´e p
milh˜oes de reais e p(t) =
2
5
t
2
+ 2t + 10.
(a) Determine a taxa segundo a qual o lucro estava crescendo em 1
o
de janeiro de
1983.
(b) Determine a taxa relativa de crescimento do lucro bruto em 1
o
de janeiro de
1983.
(c) Determine a taxa de varia¸c˜ao percentual do crescimento do lucro bruto em 1
o
de janeiro de 1983.
3. Espera-se que a popula¸c˜ao de uma certa cidade, t anos ap´os 1
o
de janeiro de 1982
seja f(t) = 30t
2
+ 100t + 5000.
(a) Ache a taxa segundo a qual se espera que a popula¸c˜ao esteja crescendo em 1
o
de janeiro de 1990.
(b) Ache a taxa relativa de crescimento da popula¸c˜ao em 1
o
de janeiro de 1990.
(c) Ache a taxa percentual de crescimento da popula¸c˜ao em 1
o
de janeiro de 1990.
Respostas
1. (a) T

(6) = R$280,00 por ano
(b) 17, 95% ao ano
2. (a) Em 1
o
de janeiro de 1983 o lucro bruto dever´a estar crescendo a uma taxa de
3,6 milh˜oes de reais.
(b) A taxa relativa de crescimento do lucro bruto foi de 0,231.
(c) A taxa percentual de crescimento do lucro bruto foi de 23,1%.
3. (a) Espera-se que a popula¸c˜ao esteja crescendo a uma taxa de 580 habitantes por
ano.
(b) A taxa relativa de crescimento da popula¸c˜ao em 1
o
de janeiro de 1990 seria de
0,075.
(c) A taxa percentual de crescimento da popula¸c˜ao em 1
o
de janeiro de 1990 seria
de 7,5%.
1.9 A an´alise marginal
[HOFFMANN; BRADLEY, 2002: 100-101]
[LEITHOLD, 1998: 106-108]
42 [Matem´atica Aplicada]
´
E uma parte da Economia qua analisa o que ocorre com grandezas como o custo, a
receita e o lucro, quando o n´ıvel de produ¸c˜ao varia de um valor unit´ario.
Seja C(x) o custo total para produzir x unidades de um determinado produto.
O custo real para produzir a unidade (x
1
+ 1) ap´os produzidas x
1
unidades ´e
C
r
= C(x
1
+ 1) −C(x
1
) e o custo marginal, ´e C

(x
1
) a ser estudado a seguir.
1.9.1 Custo marginal
1. Seja a fun¸c˜ao custo C e n um inteiro positivo.
C

(n) = lim
h→0
C(n +h) −C(n)
h
Se h ´e pequeno, ent˜ao C

(n)
C(n +h) −C(n)
h
Quando o n´ umero n de unidades fabricadas ´e grande, os economistas costumam fazer
h = 1 na ´ ultima f´ormula para aproximar o custo marginal, obtendo
C

(x
1
) C(x
1
+ 1) −C(x
1
)
Para o n´ıvel de produ¸c˜ao x = x
1
, o custo exato ou real para produzir uma unidade
a mais a partir de x
1
unidades ´e aproximadamente igual ao custo marginal C

(x
1
)
associado `a produ¸c˜ao de x
1
unidades, desde que o n´ umero de unidades x
1
seja grande.
Figura 1.8: custo marginal
2. O custo real para produzir a unidade (x
1
+ 1) ´e C
r
= C(x
1
+ 1) −C(x
1
)
C
r
= C(x
1
+ 1) −C(x
1
)
Conclus˜ao: C

(x
1
) ≈ C
r
1.9.2 Receita marginal
Seja R(x) a fun¸c˜ao receita proveniente da venda de x unidades de um produto.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 43
Figura 1.9: custo real
Denomina-se receita marginal da fun¸c˜ao receita R(x) a fun¸c˜ao RM(x) = R

(x).
A receita marginal quando x = x
1
´e dada por R

(x
1
) e corresponde `a receita aproxi-
mada da venda de uma unidade adicional a partir de x
1
unidades, desde que o n´ umero de
unidades seja grande.
Assim, R

(x
1
) ≈ R(x
1
+ 1) −R(x
1
)
1.9.3 Lucro marginal
Seja P(x) a fun¸c˜ao lucro.
Denomina-se lucro marginal quando x = x
1
(unidades) o lucro aproximado da produ¸c˜ao
e venda de uma unidade adicional, a partir de x
1
unidades.
PM(x
1
) = P

(x
1
) P(x
1
+ 1) −P(x
1
)
RESUMO:
Custo, Receita e Lucro Marginal
Se C(x) ´e o custo total para produzir x unidades de um produto e R(x) e P(x) =
R(x) −C(x) s˜ao a receita e o lucro correspondentes, ent˜ao:
• a fun¸c˜ao de custo marginal ´e CM(x) = C

(x);
• a fun¸c˜ao de receita marginal ´e RM(x) = R

(x);
• a fun¸c˜ao de lucro marginal ´e PM(x) = P

(x).
1.9.4 Custo m´edio
Seja C(x) o custo total da produ¸c˜ao de x unidades de um certo produto.
O custo m´edio da produ¸c˜ao de cada unidade do produto ´e obtido dividindo-se o custo
total pelo n´ umero de unidades produzidas. Seja C(x) ou Q(x) o custo m´edio.
C(x) =
C(x)
x
ou Q(x) =
C(x)
x
44 [Matem´atica Aplicada]
1. A receita total de um produto ´e R(x) = 240x+(0, 05)x
2
em reais, quando x unidades
s˜ao produzidas e vendidas durante o mˆes. Atualmente o produtor produz 80 unidades
por mˆes, e est´a planejando aumentar a produ¸c˜ao em uma unidade.
(a) Use a An´alise Marginal para determinar a receita adicional aproximada que
ser´a gerada pela produ¸c˜ao e venda da 81
a
unidade.
(b) Use a fun¸c˜ao receita para calcular a receita adicional real que ser´a gerada pela
produ¸c˜ao e venda da 81
a
unidade
Solu¸c˜ao
R

(x) = 240 + (0, 1)x
R

(80) = 240 + (0, 1)(80)
R

(80) = 240 + 8
R

(80) = 248
RM(80) = R$248,00
R(81) = 240(81) + (0, 05)(81)
2
R(81) = 19440 + (0, 05)6561
R(81) = 19440 + (328, 05)
R(81) = 19768, 05
R(80) = 240(80) + (0, 05)(80)
2
R(80) = 19200 + (0, 05)6400
R(80) = 19200 + 320
R(80) = 19520
R
r
= R
e
= R(81) −R(80)
R
r
= (19768, 05) −19520
R
r
=R$248,05
Conclus˜ao, RM(80) R
r
2. Seja C(x) o custo total de fabrica¸c˜ao de x unidades de um produto e
C(x) = 110 + 4x + (0, 02)x
2
. Determine:
(a) a fun¸c˜ao custo marginal;
(b) o custo marginal quando 50 unidades s˜ao produzidas, isto ´e, o custo aproximado
da quinquag´esima primeira unidade;
(c) o custo real da quinquag´esima primeira unidade;
[Prof. Hiroshi Ouchi] 45
(d) o custo m´edio.
Solu¸c˜ao
(a) CM(x) = C

(x) = 4 + (0, 04)x
(b) CM(50) = C

(50) = 4 + (0, 04)50 = 4 + 2 = 6
C

(50) =R$6,00 ´e o custo aproximado da produ¸c˜ao da quinquag´esima primeira
unidade ap´os a produ¸c˜ao da quinquag´esima unidade. O custo marginal ´e a taxa
de varia¸c˜ao instantˆanea de C(x) em rela¸c˜ao a uma unidade de varia¸c˜ao em x.
(c) C(51) = 110 + 4(51) + (0, 02)(51)
2
= 366, 02
C(50) = 110 + 4(50) + (0, 02)(50)
2
= 360
C
r
= C(51) −C(50)
C
r
= (366, 02) −360 = 6, 02
O custo real de produ¸c˜ao da quinquag´esima primeira unidade ´e de R$6,02.
OBSERVAC¸
˜
AO:
Os economistas frequentemente aproximam o custo de produ¸c˜ao de uma unidade
adicional usando a fun¸c˜ao custo marginal pois o c´alculo de C

(50) ´e muito mais
simples do que o c´alculo de C(51) −C(50).
(d) Q(x) =
C(x)
x
=
110
x
+ 4 + (0, 02)x
Q(50) =
110
50
+ 4 + (0, 02)(50) = 7, 20
OBSERVAC¸
˜
AO:
Quando as 50 primeiras unidades tiverem sido produzidas, o custo m´edio de
produ¸c˜ao de uma unidade ´e de R$7,20.
3. Um fabricante estima que quando x unidades de um certo produto s˜ao fabricadas,
o custo total ´e C(x) =
x
2
8
+ 3x + 98 reais e que todas as x unidades s˜ao vendidas
quando o pre¸co ´e p(x) = 25 −
x
3
reais por uinidade.
(a) Use a fun¸c˜ao de custo marginal para estimar o custo para produzir a nona
unidade. Determine o custo exato para produzir a nona unidade.
(b) Determine a fun¸c˜ao de receita do produto. Em seguida, use a fun¸c˜ao de receita
marginal para estimar a receita obtida com a venda da nona unidade. Calcule
a receita exata obtida com a venda da nona unidade.
(c) Determine a fun¸c˜ao de lucro associada `a produ¸c˜ao de x unidades e calcule o
n´ıvel de produ¸c˜ao para o qual o lucro ´e m´aximo. Determine o lucro marginal
associado ao n´ıvel ´otimo de produ¸c˜ao.
46 [Matem´atica Aplicada]
Solu¸c˜ao
(a) CM(x) = C

(x) =
x
4
+ 3
CM(8) = C

(8) =
8
4
+ 3 = 5
CM(8) = R$5,00 (custo aproximado da nona unidade)
C
r
= C(9) −C(8) = 5, 13
C
r
= R$5,13 (custo real de produ¸c˜ao da nona unidade)
CM(8) C
r
(b) R(x) = x · p(x)
R(x) = x
_
25 −
x
3
_
R(x) = 25x −
x
2
3
RM(x) = R

(x) = 25 −
2x
3
RM(8) = R

(8) = 25 −
16
3
= 19, 67 (receita aproximada com a vanda da nona
unidade)
RM(8) = R(9) −R(8) = 19, 33
RM(8) =R$19,33 (receita exata obtida com a venda da nona unidade)
(c) P(x) = R(x) −C(x)
P(x) = 25x −
1
3
x
2

_
1
8
x
2
+ 3x + 98
_
P(x) = −
11
24
x
2
+ 22x −98
O gr´afico da fun¸c˜ao lucro ´e uma par´abola com a concavidade voltada para baixo
e o m´aximo (v´ertice) ´e o ponto de abscissa,
x
v
= −
b
2a
=
−22
2(−
11
24
)
= 22 ·
24
22
= 24
P

(x) = −
22
24
x + 22
Seja P

(x) = 0
0 = −
22
24
x + 22 =⇒
22
24
x = 22 =⇒x =
24 · 22
22
= 24
O lucro ´e m´aximo quando s˜ao produzidas e vendidas 24 unidades e o pre¸co
neste caso ´e p(24) = 25−
24
3
= 25−8 = 17. Logo, o pre¸co ´e R$17,00 a unidade.
Para o n´ıvel ´otimo de produ¸c˜ao x = 24, o lucro marginal ´e
P

(24) = −
11
12
x · 24 + 22 = 0.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 47
OBSERVAC¸
˜
AO:
O lucro ´e m´aximo para o n´ıvel de produ¸c˜ao no qual o lucro marginal ´e nulo.
OBSERVAC¸
˜
OES IMPORTANTES SOBRE AN
´
ALISE MARGINAL:
1. Quando o n´ umero de unidades x ´e um pouco grande, o custo marginal C

(x) pode
ser observado como uma boa aproxima¸c˜ao do custo C(x+1) −C(x) da produ¸c˜ao de
uma unidade a mais.
Exemplo:
A empresa E acha que o custo da produ¸c˜ao total de x unidades do produto p ´e dado
por C(x) = R$ (500 + 30

x). Se 5000 unidades s˜ao produzidas, ache o custo exato
da produ¸c˜ao de mais uma unidade e compare isto com custo marginal.
Solu¸c˜ao
(a) O custo exato de fabrica¸c˜ao de mais uma unidade ´e:
C
e
= C(5001) −C(5000)
C
e
= 500 + 30

5001 −(500 + 30

5000) = 30(

5001 −

5000)
C
e
= R$0,21212
(b) Custo marginal:
C

(x) =
30
2

x
=
15

x
C

(5000) =
15

5000
C

(5000) ≈ R$0,21213
OBSERVAC¸
˜
AO:
O erro cometido no uso do custo marginal para estimar o verdadeiro custo de fab-
rica¸c˜ao de mais uma unidade ´e menos que R$0,00002.
2. Se R(x) denota o rendimento obtido quando x unidades de uma mercadoria s˜ao de-
mandadas, ent˜ao o rendimento marginal R

(x) denota a taxa de varia¸c˜ao do rendi-
mento por varia¸c˜ao da demanda. Para grandes valores de x o rendimento marginal
R

(x) ´e uma boa aproxima¸c˜ao do rendimento adicional R(x + 1) −R(x) gerado por
uma unidade adicional da demanda.
Suponha-se que o rendimento total atinge um valor m´aximo quando x unidades s˜ao
demandadas. Ent˜ao o rendimento marginal R

(x) precisa ser zero. Isto significa que
quando o rendimento m´aximo ´e gerado por x unidades de demanda, praticamente
n˜ao ser´a gerado rendimento adicional por mais uma unidade de demanda.
48 [Matem´atica Aplicada]
Exemplo:
Uma fabrica¸c˜ao em s´erie varia R$24,00 por s´erie. O custo total de produ¸c˜ao de x
s´eries por semana ´e dado pela equa¸c˜ao C(x) = 150 + (3, 9)x + (0, 003)x
2
reais.
(a) Determine o custo aproximado para se fabricar a s´erie de ordem 1001.
(b) Determine o custo exato de fabrica¸c˜ao da s´erie de ordem 1001.
(c) Determine o lucro total do fabricante, por semana, em fun¸c˜ao de x.
(d) Quantas s´eries dever˜ao ser fabricadas e vendidas por semana para o fabricante
obter lucro m´aximo?
(e) Determine o lucro m´aximo.
Solu¸c˜ao
(a) C

(x) = (3, 9) + (0, 006)x
C

(1000) = R$9,90
(b) C
e
= C(1001) −C(1000)
C
e
= (7059, 903) −(7050, 00)
C
e
= R$9,903
(c) R(x) = p x
R(x) = 24x
P(x) = R(x) −C(x) onde P(x) denota o lucro
P(x) = (20, 1)x −150 −(0, 003)x
2
(d)
dP
dx
= (20, 1) −(0, 006)x
dP
dx
= 0 =⇒x =
20, 1
0, 006
x = 3350 s´eries
Dever˜ao ser fabricadas e vendidas 3.350 s´eries para ser obtido lucro m´aximo.
(e) Para x = 3350, P(x) = 33517, 50
O lucro m´aximo por semana ser´a de R$33.517,50.
A equa¸c˜ao da demanda para um determinado produto ´e 5x + 3p = 15. Ache as
fun¸c˜oes receita total e marginal. Fa¸ca esbo¸cos das curvas de demanda, receita total
e receita marginal no mesmo conjunto de eixos.
Solu¸c˜ao
Seja x o n´ umero de unidades vendidas e p o pre¸co.
Assim, p = −
5
3
x + 5
[Prof. Hiroshi Ouchi] 49
R(x) = p x
R(x) =
_

5
3
x + 5
_
x
R(x) = −
5
3
x
2
+ 5x
R

(x) = −
10
3
x + 5
R

(x) = 0 =⇒x =
3
2
Figura 1.10: curva de demanda
OBSERVAC¸
˜
OES:
(a) A equa¸c˜ao de demanda ´e aquela que d´a a rela¸c˜ao entre p e x, onde x unidades
de um produto s˜ao demandadas quando p ´e o pre¸co por unidade.
(b) A curva de receita marginal, R

(x), corta o eixo x no ponto cuja abscissa ´e o
valor de x para o qual a receita total ´e m´axima. A curva de demanda corta o
eixo x no ponto cuja abscissa ´e igual ao dobro da abscissa de ponto m´aximo.
Exerc´ıcios Propostos
1. Suponha que R(x) seja a receita total recebida da venda de x mesas, e
R(x) = 300x −
x
2
2
.
(a) Determine a receita marginal quando x = 40.
(b) Determine a receita efetiva da quadrag´esima primeira mesa.
2. Seja C(x) = 40 + 3x + 9

2x. Determine:
(a) O custo m´edio quando x = 50.
(b) O custo marginal quando x = 50.
50 [Matem´atica Aplicada]
3. A fun¸c˜ao receita total para um dado produto ´e dada por R(x) = 6x −
3
2
x
2
. Deter-
mine:
(a) A equa¸c˜ao da demanda.
(b) A fun¸c˜ao receita marginal.
4. Se a equa¸c˜ao da demanda para um dado produto ´e 5x + 4p = 20, ache:
(a) A fun¸c˜ao receita total.
(b) A fun¸c˜ao receita marginal.
Respostas
1. (a) R$260,00 por mesa.
(b) R$259,50 por mesa.
2. (a) R$5,60
(b) R$3,90
3. (a) 3x + 2p = 12
(b) R

(x) = 6 −3x
4. (a) R(x) = −
5
4
x
2
+ 5x
(b) R

(x) = −
5
2
x + 5
1.10 Estudo da varia¸c˜ao das fun¸c˜oes
Fun¸c˜oes: crescente, decrescente e constante
1.10.1 Fun¸c˜ao crescente
Uma fun¸c˜ao f ´e denominada crescente em um intervalo A, se f(x
2
) > f(x
1
) sempre que
x
2
> x
1
, onde x
1
e x
2
pertencem ao intervalo A.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 51
Figura 1.11: fun¸c˜ao crescente
Se f ´e crescente em um intervalo A, ent˜ao o gr´afico de f ´e ascendente quando o ponto
que o descreve se move da esquerda para a direita.
OBSERVAC¸
˜
AO:
A derivada em cada ponto do gr´afico de y = f(x) ´e o coeficiente angular da reta
tangente ao gr´afico de f(x).
Se f

(x) = tg α > 0 (0 < α <
π
2
), no intervalo A, ent˜ao a fun¸c˜ao f ´e crescente no
intervalo A.
1.10.2 Fun¸c˜ao descrescente
Uma fun¸c˜ao f ´e denominada decrescente em um intervalo A, se f(x
1
) > f(x
2
), sempre
que x
1
< x
2
, onde x
1
e x
2
pertencem ao intervalo A.
Figura 1.12: fun¸c˜ao decrescente
Se a fun¸ c˜ao f ´e decrescente em um intervalo A, ent˜ao o gr´afico de f ´e descendente
quando o ponto que o descreve se move da esquerda para a direita.
Se f

(x) = tg α < 0 (
π
2
< α < π) em todo o intervalo A, ent˜ao f ´e decrescente em A.
52 [Matem´atica Aplicada]
1.10.3 Fun¸c˜ao constante
Uma fun¸c˜ao f ´e constante em um intervalo A, se x
1
= x
2
tivermos f(x
1
) = f(x
2
),
∀x
1
, x
2
∈ A.
Figura 1.13: fun¸c˜ao constante
Se uma fun¸c˜ao ´e constante em um intervalo A, ent˜ao f(x) admite derivada nula em
todos os pontos do intervalo A. ∀x ∈ A, f

(x) = 0 =⇒f(x) ´e constante em A.
1.10.4 Casos especiais
1. Se a fun¸c˜ao f(x) ´e crescente no intervalo A, a tangente `a curva de f(x), em cada
ponto da mesma, forma com eixo x um ˆangulo agudo e, em alguns pontos, pode ser
paralela ao eixo. Assim, f

(x) ≥ 0.
Figura 1.14: tangente em ˆagulo agudo
2. Se a fun¸c˜ao f(x) ´e decrescente no intervalo A, a tangente `a curva de f(x), em cada
ponto da mesma, forma com eixo x um ˆangulo obtuso e, em alguns pontos, pode ser
paralela ao eixo. Assim, f

(x) ≤ 0.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 53
Figura 1.15: tangente em ˆagulo obtuso
Portanto:
1. ∀x ∈ A, f

(x) ≥ 0 =⇒f(x) ´e crescente em A.
2. ∀x ∈ A, f

(x) ≤ 0 =⇒f(x) ´e decrescente em A.
1.10.5 Crit´erio da derivada para fun¸c˜oes crescentes e decrescentes
1. f(x) ´e crescente nos intervalos em que f

(x) > 0
2. f(x) ´e decrescente nos intervalos em que f

(x) < 0
Exemplo:
Considere a fun¸c˜ao f(x) = −x
3
+ 6x
2
−9x + 5.
(a) determine o(s) intervalo(s) onde a fun¸c˜ao ´e crescente e onde ´e decrescente.
(b) trace o esbo¸co do gr´afico de f.
Solu¸c˜ao
Temos:
f

(x) = −3x
2
+ 12x −9
Seja f

(x) = 0 =⇒−3x
2
+ 12x −9 = 0 =⇒−x
2
+ 4x −3 = 0
Ra´ızes de f

(x): 1 e 3
Temos: f

(1) = f

(3) = 0
f(x) pode mudar de sinal apenas em x = 1 e x = 3.
O sinal da derivada deve permanecer constante nos intervalos x < 1, 1 < x < 3 e
x > 3.
Em cada um desses intervalos, devemos escolher um n´ umero de teste c e devemos
determinar o sinal de f

(x) em todo o intervalo achando o sinal de f

(c).
54 [Matem´atica Aplicada]
Sejam 0, 2 e 4 os n´ umeros de teste escolhidos.
f

(0) = −3(0)
2
+ 12(0) −9 = −9 < 0
f

(2) = −3(2)
2
+ 12(2) −9 = 3 > 0
f

(4) = −3(4)
2
+ 12(4) −9 = −9 < 0
Figura 1.16: exemplo do crit´erio da derivada
Intervalo N´ umero de teste (c) Sinal de f

(c) Conclus˜ao
x < 1 0 f

(0) < 0 f(x) ´e decrescente
1 < x < 3 2 f

(2) > 0 f(x) ´e crescente
x > 3 4 f

(4) < 0 f(x) ´e decrescente
A fun¸c˜ao f ´e decrescente em x < 1 ou x > 3.
A fun¸c˜ao f ´e crescente em 1 < x < 3.
Figura 1.17: gr´afico do crit´erio da derivada
Exerc´ıcios Propostos
1. Seja a fun¸c˜ao f(x) = x
3
+x
2
−5x−5. Determine os intervalos em que f ´e crescente
e os intervalos em que f ´e decrescente.
2. Determine os intervalos em que a fun¸c˜ao f(x) = x
2
− 4x + 5 est´a aumentando ou
diminuindo.
3. Determine o intervalo em que a fun¸c˜ao f(x) = −x
2
+x+6 ´e crescente ou ´e decrescente.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 55
4. Especifique os intervalos nos quais a derivada da fun¸c˜ao dada ´e positiva e os intervalos
nos quais ´e negativa.
(a) (b)
5. Determine os intervalos em que a fun¸c˜ao f(x) =
x
3
3

7
2
x
2
+ 12x + 3 ´e crescente ou
´e decrescente.
Respostas
1. f ´e crescente em x < −
5
3
ou x > 1.
f ´e decrescente em −
5
3
< x < 1.
2. f est´a aumentando em x > 2.
f est´a diminuindo em x < 2.
3. f ´e crescente em x <
1
2
.
f ´e decrescente em x >
1
2
.
4. (a) f

(x) > 0 para −2 < x < 2.
f

(x) < 0 para x < −2 ou x > 2
(b) f

(x) > 0 para x < −4 ou 0 < x < 2.
f

(x) < 0 para −4 < x < −2, para −2 < x < 0 ou para x > 2.
5. f ´e crescente em x < 3 ou x > 4.
f ´e decrescente em 3 < x < 4.
1.10.6 Extremos relativos ou locais de uma fun¸c˜ao
Seja a fun¸c˜ao y = f(x) cujo gr´afico est´a representado abaixo.
56 [Matem´atica Aplicada]
Figura 1.18: extremos relativos ou locais
Dizemos que uma fun¸c˜ao f(x) possui um m´aximo relativo em x = c, se f(c) ≥ f(x)
para todos os valores de x em um intervalo a < x < b, que contenha o ponto c. No exemplo
dado os m´aximos relativos s˜ao f(x
2
) e f(x
4
).
Dizemos que uma fun¸c˜ao f(x) possui um m´ınimo relativo em x = c, se f(c) ≤ f(x)
para todos os valores de x em um intervalo a < x < b, que contenha o ponto c. No exemplo
dado os m´ınimos relativos s˜ao f(x
1
), f(x
3
) e f(x
6
).
OBSERVAC¸
˜
OES:
1. Uma fun¸c˜ao pode admitir mais de um m´aximo local ou mais de um m´ınimo local.
2.
´
E poss´ıvel um m´ınimo local ser maior do que um m´aximo local, dependendo da
vizinhan¸ca a ser considerada no dom´ınio da fun¸c˜ao.
3. Usa-se o termo local ou relativo porque focalizamos nossa aten¸c˜ao em uma vizinhan¸ca
de x = c. Fora dessa vizinhan¸ca a fun¸c˜ao f pode tomar outros valores m´aximos ou
m´ınimos locais.
4. Existem fun¸c˜oes que n˜ao admitem nem m´aximo nem m´ınimo relativos.
Exemplo: f(x) = x
3
5. Os m´aximos e m´ınimos relativos de f s˜ao conhecidos por extremos relativos e os
valores x = c s˜ao chamados extremantes de f.
6. Como uma fun¸c˜ao f(x) ´e crescente quando f

(x) > 0 e decrescente quando f

(x) < 0,
ent˜ao os pontos nos quais f(x) possui um extremo relativo s˜ao aqueles em que
f

(x) = 0 ou f

(x) n˜ao existe.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 57
Figura 1.19: f(x) = x
3
Defini¸c˜ao
[HOFFMANN; BRADLEY, 2002: 146-147-149]
N´ umeros cr´ıticos e Pontos cr´ıticos
Um n´ umero x = c pertencente ao dom´ınio da fun¸c˜ao f ´e chamado de n´ umero cr´ıtico
se f

(c) = 0 ou se f

(c) n˜ao existe. O ponto correspondente P(c, f(c)) no gr´afico de f(x)
´e chamado de ponto cr´ıtico.
Exemplos de pontos cr´ıticos nos quais a derivada ´e nula, isto ´e, f

(c) = 0
Figura 1.20: pontos cr´ıticos (f´(x)=0)
OBSERVAC¸
˜
AO:
Nos trˆes casos, a reta tangente ao gr´afico da fun¸c˜ao no ponto cr´ıtico P(c, f(c)) ´e
horizontal (f

(c) = 0).
Exemplos de pontos cr´ıticos nos quais a derivada n˜ao existe (∃f

(c)).
58 [Matem´atica Aplicada]
Figura 1.21: pontos cr´ıticos (∃f

(c))
Nos casos (b) e (c), a reta tangente ´e vertical no ponto (c, f(c)) pois f

(c) n˜ao existe.
No caso (a) n˜ao ´e poss´ıvel tra¸car uma ´ unica tangente passando pelo “vertice” situado
em P(c, f(c)).
1.10.7 Teste da derivada primeira para determina¸c˜ao de extremos rela-
tivos
[HOFFMANN; BRADLEY, 2002: 146-147-149]
Seja x = c um n´ umero cr´ıtico de f(x), isto ´e, f

(c) = 0 ou f

(c) n˜ao existe. Neste caso,
o ponto cr´ıtico P(c, f(c)) ´e:
1. um ponto de m´aximo relativo se f

(x) > 0 `a esquerda de c e f

(x) < 0 `a direita de
c.
Figura 1.22: M´aximo relativo
2. um ponto de m´ınimo relativo se f

(x) < 0 `a esquerda de c e f

(x) > 0 `a direita de c.
Figura 1.23: M´ınimo relativo
[Prof. Hiroshi Ouchi] 59
3. um ponto ordin´ario se f

(x) > 0 ou f

(x) < 0 em ambos os lados de c.
Figura 1.24: Ponto ordin´ario (f

(x) > 0)
Figura 1.25: Ponto ordin´ario (f

(x) < 0)
Roteiro pr´atico para tra¸car um gr´afico da fun¸c˜ao y = f(x), usando a derivada primeira
de f:
1. Assinalam-se os n´ umeros cr´ıticos de f sobre uma reta (eixo x), dividindo o dom´ınio
de f em intervalos. Calcula-se f

(x) para os n´ umeros de teste p, como o objetivo de
determinar os intervalos em que f ´e crescente (f

(p) > 0) e em que f ´e decrescente
(f

(p) < 0).
2. Para cada n´ umero cr´ıtico c, calcula-se o valor f(c) e determina-se o ponto cr´ıtico
P(c, f(c)) em um sistema de coordenadas cartesianas.
3. Tra¸ca-se o gr´afico de f com uma curva suave ligando os pontos destacados, de modo
que a curva seja crescente nos intervalos em que f

(x) > 0 e decrescente nos intervalos
em que f

(x) < 0.
Estude a fun¸c˜ao e trace o esbo¸co do respectivo gr´afico.
f(x) = x
3
−3x + 1
Temos
f

(x) = 3x
2
−3
f

(x) = 0 =⇒3x
2
−3 = 0
N´ umeros cr´ıticos: ±1
60 [Matem´atica Aplicada]
Sejam -2, 0 e 2 os n´ umeros de teste.
f

(−2) = 3(−2)
2
−3 = 9 > 0
f

(0) = 3(0)
2
−3 = 3 < 0
f

(2) = 3(2)
2
−3 = 9 > 0
Figura 1.26: Estudo da fun¸c˜ao
f ´e crescente em x < −1 ou x > 1
f ´e decrescente em −1 < x < 1
f(−1) = (−1)
3
−3(−1) + 1 = −1 + 3 + 1 = 3 (m´aximo local)
A(−1, 3): ponto de m´aximo local
f(1) = (1)
3
−3(1) + 1 = 2 −3 = −1 (m´ınimo local)
B(1, −1): ponto de m´ınimo local
f(0) = (0)
3
−3(0) + 1 = 1 = 1
C(0, 1): ponto de interse¸c˜ao com o eixo y
Figura 1.27: Esbo¸co do gr´afico
Conclus˜ao sobre o teste da derivada primeira
O sinal da derivada primeira f

(x) pode ser usado para verificar se a fun¸c˜ao f ´e
crescente ou decrescente em um intervalo e se o ponto P(c, f(c)) ´e um ponto de m´aximo
relativo, m´ınimo relativo ou ponto ordin´ario.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 61
Exerc´ıcios Propostos
1. Determine os pontos cr´ıticos da fun¸c˜ao dada e classifique cada ponto cr´ıtico como
m´aximo relativo, m´ınimo relativo ou ponto ordin´ario.
(a) f(x) = 3x
4
−8x
3
+ 6x
2
+ 2
(b) g(x) = x
3
+x
2
−5x −5
2. Determine o ponto A de m´aximo relativo e o ponto B de m´ınimo relativo da fun¸c˜ao
f(x) = x
3
−3x
2
+ 5. A seguir trace um esbo¸co do gr´afico da fun¸c˜ao f.
3. Seja a fun¸c˜ao f(x) = x
3
−6x
2
+9x. Utilizando o teste da derivada primeira, determine
o ponto A de m´aximo local, o ponto B de m´ınimo local e trace o esbo¸co do gr´afico
de f(x).
4. Determine o valor de m e p de modo que a fun¸c˜ao f(x) = x
3
+mx
2
+px + 3 tenha
extremos relativos em x = 1 e x = 3.
Respostas
1. (a) A(0, 2) ponto de m´ınimo relativo ou local
B(1, 3) ponto ordin´ario
(b) A(−
5
3
,
40
27
) ponto de m´aximo relativo
B(1, −8) ponto de m´ınimo relativo
2. A(0, 5) ponto de m´aximo relativo
B(2, 1) ponto de m´ınimo relativo
3. A(1, 4) ponto de m´aximo local
B(3, 0) ponto de m´ınimo local
4. m = −6 e p = 9
62 [Matem´atica Aplicada]
1.10.8 Concavidade
O conceito de concavidade tem muita utilidade na descri¸c˜ao do gr´afico de uma fun¸c˜ao f.
Seja f um fun¸c˜ao diferenci´avel em x = c.
1. O gr´afico de uma fun¸c˜ao f tem concavidade voltada para cima em um ponto P(c, f(c)),
se ∃f

(c) e se existe um intervalo aberto I, contendo c, tal que, ∀x, x = c em I, o
ponto M(x, f(x)) sobre o gr´afico est´a acima da reta tangente.
Figura 1.28: Concavidade voltada para cima
2. O gr´afico de uma fun¸c˜ao f tem concavidade voltada para baixo em um ponto
P(c, f(c)), se ∃f

(c) e se existe um intervalo aberto I, contendo c, tal que ∀x, x = c
em I, o ponto M(x, f(x)) sobre o gr´afico est´a abaixo da reta tangente.
Figura 1.29: Concavidade voltada para baixo
Defini¸c˜ao
Se a fun¸c˜ao f(x) ´e deriv´avel no intervalo aberto I, ent˜ao o gr´afico de f ´e:
1. cˆoncavo para cima em I, se f

(x) ´e crescente em I;
2. cˆoncavo para baixo em I, se f

(x) ´e decrescente em I.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 63
1.10.9 Teste da concavidade
Se a derivada segunda f

(x) existe em um intervalo aberto I, ent˜ao o gr´afico de f ´e:
1. cˆoncavo para cima em I, se f

(x) > 0 em I;
2. cˆoncavo para baixo em I, se f

(x) < 0 em I.
1.10.10 Ponto de inflex˜ao
Um ponto P(c, f(c)) ´e um ponto de inflex˜ao se a derivada segunda muda de sinal em x = c
e neste caso, existe um intervalo aberto ]a, b[, contendo c, tal que o gr´afico de f ´e cˆoncavo
para baixo em ]a, c[ e cˆoncavo para cima em ]c, b[,ou vice-versa.
Figura 1.30: Ponto de inflex˜ao
OBSERVAC¸
˜
AO:
Se f

(c) = 0 ou ∃f

(c) e f

(x) muda de sinal em x = c, ent˜ao f tem um ponto de
inflex˜ao em P(c, f(c)).
1.10.11 O teste da derivada segunda
O teste da derivada segunda pode ser utilizado para classificar os pontos cr´ıticos de uma
fun¸c˜ao, como m´aximos ou m´ınimos relativos.
Seja f uma fun¸c˜ao diferenci´avel em um intervalo aberto I e seja c um ponto em I, tal
que f

(c) = 0.
1. Se f

(c) < 0, ent˜ao f tem um m´aximo relativo em x = c.
2. Se f

(c) > 0, ent˜ao f tem um m´ınimo relativo em x = c.
Se f

(c) = 0, ent˜ao a tangente ao gr´afico em P(c, f(c)) ´e horizontal. Se f

(c) < 0,
ent˜ao o gr´afico ´e cˆoncavo para baixo em c e neste caso existe um intervalo tal que o gr´afico
est´a abaixo das tangentes. Assim, f(c) ´e um m´aximo local para f.
64 [Matem´atica Aplicada]
Figura 1.31: Teste da derivada segunda
Se f

(c) > 0, ent˜ao o gr´afico de f ´e cˆoncavo para cima em c, e neste caso, existe um
intervalo tal que o gr´afico est´a acima das tangentes. Assim f(c) ´e um m´ınimo relativo.
Figura 1.32: Teste da derivada segunda
OBSERVAC¸
˜
OES sobre o teste da derivada segunda:
O teste da derivada segunda apresenta algumas limita¸c˜oes:
1. N˜ao se deve aplicar o teste quando o c´alculo da derivada segunda ´e muito trabalhoso.
2. O teste n˜ao pode ser aplicado nos pontos cr´ıticos em que a derivada primeira n˜ao
existe
3. O teste n˜ao pode ser aplicado quando f

(c) = f

(c) = 0, como nos exemplos a seguir:
(a) f(x) = x
4
f

(x) = 4x
3
f

(x) = 12x
2
f

(0) = f

(0) = 0
[Prof. Hiroshi Ouchi] 65
Figura 1.33: (0, 0) ponto de m´ınimo relativo
(b) f(x) = −x
4
f

(x) = −4x
3
f

(x) = −12x
2
f

(0) = f

(0) = 0
Figura 1.34: (0, 0) ponto de m´aximo local
(c) f(x) = x
3
f

(x) = 3x
2
f

(x) = 6x
f

(0) = f

(0) = 0
66 [Matem´atica Aplicada]
Figura 1.35: (0,0) ponto ordin´ario
Exerc´ıcio
Seja a fun¸c˜ao f(x) = x
3
−3x + 1.
(a) Determine o ponto A de m´aximo local e o ponto B de m´ınimo local utilizando, o teste
da derivada segunda.
(b) Estude a concavidade da fun¸c˜ao.
(c) Determine o ponto de inflex˜ao.
(d) Trace um esbo¸co dos gr´aficos de f(x), f

(x) e f

(x).
Solu¸c˜ao
f

(x) = 3x
2
−3
f

(x) = 6x
f

(x) = 0 =⇒3x
2
−3 = 0
N´ umeros cr´ıticos: −1 e 1
TDS:
f

(−1) = 6(−1) = −6 < 0
x = −1 ´e ponto de m´aximo local.
f(−1) = (−1)
3
−3(−1) + 1 = −1 + 3 + 1 = 3 (m´aximo local)
A(−1, 3) ponto de m´aximo local
f

(1) = 6(1) = 6 > 0
x = 1 ´e ponto de m´ınimo local.
f(1) = (1)
3
−3(1) + 1 = −1 (m´ınimo local)
B(1, −1) ponto de m´ınimo local
[Prof. Hiroshi Ouchi] 67
f

(x) = 6x
f

(x) = 0 =⇒6x = 0 =⇒x = 0
Figura 1.36: Estudo da concavidade
Esquema
x 0
f

(x) − 0 +
concavidade ∩ ∪
A fun¸c˜ao f tem a concavidade voltado para baixo para x < 0 e a concavidade voltada
para cima para x > 0.
x = 0 ´e abscissa do ponto de inflex˜ao.
f(0) = 0
3
−3(0) + 1 = 1
C(0, 1) ponto de inflex˜ao.
Figura 1.37: Esbo¸co dos gr´aficos
OBSERVAC¸
˜
OES:
1.
_
¸
¸
_
¸
¸
_
f

´e crescente para x > 0
o gr´afico de f ´e cˆoncavo para cima
f

(x) > 0 para x > 0
68 [Matem´atica Aplicada]
2.
_
¸
¸
_
¸
¸
_
f

´e decrescente para x < 0
o gr´afico de f ´e cˆoncavo para baixo
f

(x) < 0 para x < 0
Estude a fun¸c˜ao f(x) =
3

x.
Solu¸c˜ao
Temos:
f

(x) =
1
3
3

x
2
; ∃f

(0) e f

(x) > 0, ∀x = 0
A fun¸c˜ao f ´e estritamente crescente (mon´otona).
O ponto cr´ıtico (0, 0) ´e um ponto ordin´ario.
f

(x) = −
2
9
3

x
5
; ∃f

(0)
Figura 1.38: Estudo da concavidade
Para x < 0, o gr´afico de f tem a concavidade para cima.
Para x > 0, o gr´afico de f tem a concavidade para baixo.
x = 0 ´e abscissa de ponto de inflex˜ao apesar de n˜ao existir f

(0).
(0, 0) ´e ponto de inflex˜ao.
Figura 1.39: Esbo¸co do gr´afico
[Prof. Hiroshi Ouchi] 69
IMPORTANTE:
O gr´afico de uma fun¸c˜ao f pode ter um ponto de inflex˜ao em x = c e f

(c) n˜ao existir.
Exerc´ıcios Propostos
1. Determine atrav´es do TDS (teste da derivada segunda) o ponto de m´aximo relativo
e o ponto de m´ınimo relativo das seguintes fun¸c˜oes:
(a) f(x) = −x
3
+ 2x
2
−x −1
(b) f(x) = x
3
−9x
2
+ 15x + 7
2. Fa¸ca um estudo completo da fun¸c˜ao f(x) =
x
3
3
−2x
2
+ 3x + 5.
3. Fa¸ca um estudo completo da fun¸c˜ao f(x) = x +
1
x
.
Respostas
1. (a) A(
1
3
, −
31
27
) ponto de m´ınimo relativo
B(1, −1) ponto de m´aximo relativo
(b) A(1, 14) ponto de m´aximo relativo
B(5, −18) ponto de m´ınimo relativo
2. f ´e crescente para x < 1 ou x > 3
f ´e decrescente para 1 < x < 3
A(1,
19
3
) ponto de m´aximo local
B(3, 5) ponto de m´ınimo local
C(2,
17
3
) ponto de inflex˜ao
O gr´afico ´e cˆoncavo para baixo em x < 2
O gr´afico ´e cˆoncavo para cima em x > 2
70 [Matem´atica Aplicada]
3. f ´e crescente em x < −1 ou x > 1
f ´e decrescente para −1 < x < 0 ou 0 < x < 1
A(−1, −2) ponto de m´aximo local
B(1, 2) ponto de m´ınimo local
Caso interessante: o m´aximo local f(−1) = −2 ´e menor que o m´ınimo local
f(1) = 2.
O gr´afico de f ´e cˆoncavo para baixo em x < 0 e cˆoncavo para cima em x > 0
1.11 Estudo das ass´ıntotas
[HOFFMANN; BRADLEY, 2002: 167]
Seja o gr´afico de f(x),
Figura 1.40: estudo das ass´ıntotas
O s´ımbolo ∞ (infinito) n˜ao representa um n´ umero e ´e usado para representar uma
grandeza que aumenta (ou diminui) indefinidamente.
Em in´ umeros casos o uso do s´ımbolo ∞ em um limite tem uma importˆancia muito
relevante.
Seja a fun¸c˜ao y = f(x) e os n´ umeros reais L e M.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 71
1. lim
x→+∞
f(x) = L
2. lim
x→−∞
f(x) = M
Interpreta¸c˜ao geom´etrica
1. A curva de f(x) se aproxima da reta horizontal y = L quando x aumenta indefinida-
mente.
2. A curva de f(x) se aproxima da reta horizontal y = M quando x diminui indefinida-
mente.
Seja a fun¸c˜ao y = f(x) e o n´ umero real c.
1. lim
x→c

f(x) = −∞
2. lim
x→c
+
f(x) = +∞
Interpreta¸c˜ao geom´etrica
1. f(x) diminui indefinidamente quando x tende a c pela esquerda.
2. f(x) aumenta indefinidamente quando x tende a c pela direita.
1.11.1 Ass´ıntota horizontal
A reta y = b ´e uma ass´ıntota horizontal da fun¸c˜ao f(x), se:
lim
x→−∞
f(x) = b ou lim
x→+∞
= b
A reta y = b ´e uma reta horizontal, isto ´e, uma reta paralela ao eixo x.
1.11.2 Ass´ıntota vertical
A reta x = c ´e uma ass´ıntota vertical da fun¸c˜ao f(x), se:
lim
x→c

f(x) = +∞ (ou −∞) ou lim
x→c
+
= +∞ (ou −∞)
A fun¸c˜ao f ´e descont´ınua em x = c.
A reta x = c ´e vertical, isto ´e, perpendicular ao eixo x.
NOTA: A fun¸c˜ao f(x) =
p(x)
q(x)
possui uma ass´ıntota vertical x = c sempre que p(x) = 0
e q(x) = 0
72 [Matem´atica Aplicada]
Exemplos:
1. Seja o gr´afico de f(x)
lim
x→±∞
f(x) = 1
y = 1 ´e ass´ıntota horizontal
lim
x→2

f(x) = −∞
lim
x→2
+
f(x) = +∞
x = 2 ´e ass´ıntota vertical
2. Seja o gr´afico de f(x)
lim
x→±∞
f(x) = 1
y = 1 ´e ass´ıntota horizontal
lim
x→0

f(x) = +∞
lim
x→0
+
f(x) = −∞
x = 0 (eixo y) ´e ass´ıntota vertical
[Prof. Hiroshi Ouchi] 73
3. Seja o gr´afico de f(x)
lim
x→+∞
f(x) = 1
lim
x→−∞
f(x) = −1
y = 1 e y = −1 s˜ao ass´ıntotas horizontais
4. Seja o gr´afico de f(x)
lim
x→0

f(x) = +∞
lim
x→0
+
f(x) = −∞
A reta x = 0 (eixo y) ´e uma ass´ıntota vertical
5. Seja o gr´afico de f(x)
74 [Matem´atica Aplicada]
lim
x→−∞
f(x) = 1
lim
x→+∞
f(x) = 1
y = 1 ´e ass´ıntota horizontal
lim
x→−2

f(x) = +∞
lim
x→−2
+
f(x) = −∞
x = −2 ´e ass´ıntota vertical
lim
x→2

f(x) = −∞
lim
x→2
+
f(x) = +∞
x = 2 ´e ass´ıntota vertical
NOTA: O gr´afico de f ´e descont´ınuo em x = −2 e em x = 2.
Fa¸ca um estudo da fun¸c˜ao f(x) =
1
x
.
Solu¸c˜ao
Temos:
f

(x) = −
1
x
2
; n˜ao existe f

(0)
Como f

(x) < 0, ∀x = 0, concluimos que f ´e sempre decrescente.
Temos:
f

(x) =
2
x
3
; n˜ao existe f

(0)
x 0
f

(x) − ∃ +
concavidade ∩ ∪
O gr´afico de f ´e cˆoncavo para baixo em x < 0 e cˆoncavo para cima em x > 0.
NOTA: x = 0 n˜ao ´e abscissa de ponto de inflex˜ao, pois x = 0 n˜ao pertence ao dom´ınio
da fun¸c˜ao, a fun¸c˜ao ´e descont´ınua em x = 0.
lim
x→±∞
f(x) = 0
y = 0 (eixo x) ´e ass´ıntota horizontal
lim
x→0
+
f(x) = +∞ e lim
x→0

f(x) = −∞
x = 0 (eixo y) ´e ass´ıntota vertical
[Prof. Hiroshi Ouchi] 75
Determine as ass´ıntotas de f(x) =
3x
x −1
e a seguir trace um esbo¸co do gr´afico de f(x)
Solu¸c˜ao
lim
x→±∞
3x
x −1
= lim
x→±∞
3
1 −
1
x
= 3 ou lim
x→±∞
3x
x −1
= lim
x→±∞
3x
x
= lim
x→±∞
3 = 3
y = 3 ´e ass´ıntota horizontal
Temos que f ´e descont´ınua em x = 1
lim
x→1

f(x) = lim
x→1

3x
x −1
= −∞
lim
x→1
+
f(x) = lim
x→1
+
3x
x −1
= +∞
x = 1 ´e ass´ıntota vertical
f

(x) = −
3
(x −1)
2
; ∃f

(1) ; f

(x) < 0 e n˜ao existe x tal que f

(x) = 0
x = 1 ´e n´ umero cr´ıtico e a fun¸c˜ao f ´e sempre decrescente
f

(x) =
6
(x −1)
3
; ∃f

(1)
f

(x) < 0 para x < 1 (concavidade para baixo): ∩
f

(x) > 0 para x > 1 (concavidade para cima): ∪
x 1
f

(x) − ∃ −
f(x)
%%
99
f

(x) − ∃ +
concavidade ∩ ∪
NOTA: N˜ao h´a extremo (f

(x) < 0) e n˜ao existe ponto de inflex˜ao pois 1 n˜ao pertence
ao dom´ınio de f.
76 [Matem´atica Aplicada]
Exerc´ıcios Propostos
1. Determine as ass´ıntotas e trace um esbo¸co do gr´afico de f(x) = 2 +
1
x
.
2. Seja a fun¸c˜ao f(x) =
_
¸
_
¸
_
1 +
1
x
se x > 0
−1 +
1
x
se x < 0
Determine as ass´ıntotas e a seguir, trace um esbo¸co do gr´afico de f.
3. Seja a fun¸c˜ao f(x) = (x−2)
−3
. Determine as ass´ıntotas e trace um esbo¸co do gr´afico
de f.
Respostas
1. y = 2 ´e ass´ıntota horizontal
x = 0 (eixo y) ´e ass´ıntota vertical
2. y = 1 e y = −1 s˜ao ass´ıntotas horizontais
x = 0 (eixo y) ´e assintota vertical
[Prof. Hiroshi Ouchi] 77
3. y = 0 (eixo x) ´e ass´ıntota horizontal
x = 2 ´e ass´ıntota vertical
1.11.3 M´aximos e m´ınimos absolutos de uma fun¸c˜ao
Seja f uma fun¸c˜ao cont´ınua em um intervalo I, que cont´em o n´ umero real c.
1. f(c) ´e o m´aximo absoluto de f em I, se f(c) ≥ f(x), para todo x ∈ I;
2. f(c) ´e o m´ınimo absoluto de f em I, se f(c) ≤ f(x), para todo x ∈ I;
OBSERVAC¸
˜
OES:
1. Os m´aximos e m´ınimos absolutos recebem a denomina¸c˜ao de extremos absolutos,
que nem sempre coincidem com os extremos relativos.
2. Cada um dos extremos absolutos de uma fun¸c˜ao f(x) cont´ınua no intervalo fechado
[a, b] pode ocorrer em um dos extremos a ou b ou em um ponto c tal que a < c < b.
1.11.4 Teorema do valor extremo
Se uma fun¸c˜ao f(x) ´e cont´ınua em um intervalo fechado [a, b], isto ´e, a ≤ x ≤ b, ent˜ao f
toma seu valor m´aximo absoluto e seu valor m´ınimo absoluto, pelo menos uma vez nesse
intervalo [a, b].
78 [Matem´atica Aplicada]
Diretrizes para determinar os extremos absolutos de uma fun¸c˜ao cont´ınua f(x) no
intervalo [a, b]
(a) Determinar todos os n´ umeros criticos de f
(b) Calcular f(c) para cada n´ umero cr´ıtico c obtido em (a)
(c) Calcular os valores extremos f(a) e f(b)
(d) Os valores m´aximo e m´ınimo absoluto de f(x) em [a, b] s˜ao o maior e o menor dos
valores da fun¸c˜ao obtidos em (b) e (c)
Exemplo:
Determine o m´aximo absoluto e o m´ınimo absoluto de f(x) = x
3
− 12x no intervalo
[−3, 5].
Solu¸c˜ao
f

(x) = 3x
2
−12
f

(x) = 0 =⇒3x
2
−12 = 0
Ra´ızes: x = −2 e x = 2
(a) Os n´ umeros cr´ıticos s˜ao −2 e 2
(b)
_
_
_
f(−2) = 16
f(2) = −16
m´ınimo absoluto
(c)
_
_
_
f(−3) = 9
f(5) = 65
m´aximo absoluto
O valor m´aximo absoluto de f(x) em [−3, 5] ´e 65 e ocorre em x = 5 (extremo do
intervalo).
O valor m´ınimo absoluto de f(x) em [−3, 5] ´e −16 e ocorre em x = 2 (interior do
intervalo).
Esquema
Valor de x Classifica¸c˜ao de x Valor de f(x)
−2 n´ umero cr´ıtico de f f(−2) = 16
2 n´ umero cr´ıtico de f f(2) = −16
−3 extremo de [−3, 5] f(−3) = 9
5 extremo de [−3, 5] f(5) = 65
Esbo¸co do gr´afico de f(x) = x
2
−12x, com escalas diferentes para os eixos x e y, afim
de mostrar melhor visualiza¸c˜ao.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 79
Figura 1.41: esbo¸co do gr´afico
Exerc´ıcios Propostos
1. Determine os extremos absolutos de f(x) = x
3
+x
2
−x + 1 no intervalo [−2,
1
2
].
2. Determine o m´aximo absoluto e o m´ınimo absoluto da fun¸c˜ao f(x) = 2x
3
+ 3x
2
−12x −7
no intervalo [−3, 0].
3. Determine o m´aximo absoluto e o m´ınimo absoluto da fun¸c˜ao f(x) =
1
3
x
3
−9x + 2
para 0 ≤ x ≤ 2.
Respostas
1. O m´aximo absoluto ´e 2 e ocorre em x = −1
O m´ınimo absoluto ´e −1 e ocorre em x = −2
2. O m´aximo absoluto ´e f(−2) = 13 e o m´ınimo absoluto ´e f(0) = −7.
Cuidado: 1 ∈[−3, 0]
3. O m´aximo absoluto ´e f(0) = 2 e o m´ınimo absoluto ´e f(2) = −
40
3
1.12 Otimiza¸c˜ao
[HOFFMANN; BRADLEY, 2002: 182-192]
[LEITHOLD, 1998: 167-168]
[MORETTIN; et al, 2001: 197-198]
[SWOKOWSKI, 1983: 178-179]
Na maioria dos problemas de otimiza¸c˜ao, o objetivo ´e encontrar o m´aximo absoluto
ou o m´ınimo absoluto de uma fun¸c˜ao dentro de um certo intervalo de interesse.
80 [Matem´atica Aplicada]
Exemplo 1:
Deve-se contruir uma caixa com base retangular utilizando-se um retˆangulo de cartolina
com 16 cm de largura e 21 cm de comprimento, cortando-se um quadrado em cada quina.
Determine as dimens˜oes desse quadrado para que a caixa tenha volume m´aximo poss´ıvel.
A seguir determine o volume m´aximo dessa caixa.
Figura 1.42: otimiza¸c˜ao - exemplo 1
Solu¸c˜ao
A quantidade a ser maximizada ´e o volume V da caixa.
V (x) = x(16 −2x)(21 −2x)
V (x) = 4x
3
−74x
2
+ 336x
Como 0 ≤ 2x ≤ 16, o dom´ınio de x ´e 0 ≤ x ≤ 8
V ´e cont´ınua no intervalo [0, 8]
V

(x) = 12x
2
−148x + 336
V

(x) = 0 =⇒12x
2
−148x + 336 = 0
Temos, 3x
2
−37x + 84 = 0 ; ra´ızes: 3 e
28
3
Como x =
28
3
n˜ao pertence ao dom´ınio de V (x), o ´ unico n´ umero cr´ıtico no dom´ınio ´e
3. Aplicando o teorema do valor extremo, temos:
V (3) = 450 valor m´aximo absoluto
V (0) = V (8) = 0
Deve-se cortar um quadrado de 3 cm de lado e o volume m´aximo da caixa ´e 450 cm
3
.
Exemplo 2:
Uma caixa fechada com uma base quadrada deve apresentar um volume de 2000 cm
3
.
O material para a tampa e o fundo da caixa custa $3 por cm
2
, e o material para os lados
custa $1,50 por cm
2
.
(a) Se x cm for o comprimento de um lado do quadrado da base, expresse o custo do
[Prof. Hiroshi Ouchi] 81
material como fun¸c˜ao de x.
(b) Determine o dom´ınio da fun¸c˜ao resultante.
(c) Ache as dimens˜oes da caixa para as quais o custo do material seja m´ınimo.
Figura 1.43: otimiza¸c˜ao - exemplo 2
Solu¸c˜ao
V = x
2
y
Assim,
x
2
y = 2000
y =
2000
x
2
C = 3(x
2
) + 3(x
2
) + (1, 5)(4xy)
C = 6x
2
+
3
2
· 4xy
C(x) = 6x
2
+ 6x ·
2000
x
2
C(x) = 6x
2
+
12000
x
Observe que x n˜ao pode ser nulo, pois aparece no denominador de
12000
x
. Entretanto
x pode ser qualquer n´ umero positivo. Ent˜ao, o dom´ınio de C(x) ´e o intervalo ]0, ∞[.
C

(x) = 12x −
12000
x
2
; n˜ao existe C

(x) quando x = 0 e 0 ∈ D(C(x))
C

(x) = 0 =⇒
12x
3
−12000
x
2
= 0
x
3
= 1000
x = 10
C

(x) = 12 +
24000
x
3
Aplicando o teste da derivada segunda, vem:
C

(10) = 12 +
24000
1000
82 [Matem´atica Aplicada]
C

(10) = 36 > 0 (m´ınimo)
Como C

(10) > 0, podemos concluir que x = 10 minimiza C(x). Temos, y =
2000
100
= 20
Assim, o custo total do material ser´a m´ınimo quando o lado do quadrado da base ´e 10
cm e a profundidade ´e 20 cm.
Exemplo 3:
Durante v´arias semanas, o departamento de trˆansito de certa cidade vem registrando
a velocidade dos ve´ıculos qua passam em certo quarteir˜ao.
Os resultados mostram que entre 13 h e 18 h de um dia da semana, a velocidade nesse
quarteir˜ao ´e dada aproximadamente por v(t) = t
3
− (10, 5)t
2
+ 30t + 20 quilˆometros por
hora, onde t ´e o n´ umero de horas ap´os o meio-dia (12 h).
(a) Determine o instante entre 13 h e 18 h em que o trˆansito ´e mais r´apido.
(b) Determine o instante entre 13 h e 18 h em que o trˆansito ´e mais lento.
Solu¸c˜ao
O objetivo ´e calcular o m´aximo absoluto e o m´ınimo absoluto da fun¸c˜ao v(t) no inter-
valo 1 ≤ t ≤ 6, isto ´e, [1, 6]
v

(t) = 3t
2
−21t + 30
v

(t) = 0 =⇒3t
2
−21t + 30 = 0
t
2
−7t + 10 = 0 ; ra´ızes: t = 2 e t = 5
N´ umeros cr´ıticos: 2 e 5
Aplicando o teorema do valor extremo, temos:
v(2) = 46 m´aximo absoluto
v(5) = 32, 5 m´ınimo absoluto
v(1) = 40, 5
v(6) = 38
(a) O trˆansito ´e mais r´apido `as 14 h (t = 2h) e os carros passam no quarteir˜ao com
velocidade m´edia de 46 Km/h.
(b) O trˆansito ´e mais lento `as 17 h (t = 5h) e os carros passam no quarteir˜ao com
velocidade m´edia de 32,5 Km/h.
Outro processo
v

(t) = 3t
2
−21t + 30
v

(t) = 6t −21
[Prof. Hiroshi Ouchi] 83
n´ umeros cr´ıticos: 2 e 5
v

(2) = −9 < 0 m´aximo
v

(5) = 9 > 0 m´ınimo
Figura 1.44: otimiza¸c˜ao - exemplo 3
Exemplo 4:
Uma lata de zinco de 16π cm
3
de volume deve ter a forma de um cil´ındro circular reto.
Determine o raio e a altura de modo que o material usado na sua fabrica¸c˜ao seja m´ınimo.
Figura 1.45: otimiza¸c˜ao - exemplo 4
Solu¸c˜ao
Seja,
r cm o raio da base
h cm a altura
84 [Matem´atica Aplicada]
S cm
2
a ´area total da superf´ıcie do cilindro
A ´area lateral ´e 2πrh cm
2
, a ´area da tampa e da base s˜ao πr
2
cm
2
V = πr
2
h
16π = πr
2
h
h =
16
r
2
S = 2πrh + 2πr
2
S(r) = 2πr
16
r
2
+ 2πr
2
S(r) =
32π
r
+ 2πr
2
O dom´ınio de S ´e ]0, +∞[ e S ´e cont´ınua em seu dom´ınio.
S

(r) = −
32π
r
2
+ 4πr
S

(r) n˜ao existe para r = 0, mas zero n˜ao est´a no dom´ınio de S.
S

(r) = 0
−32π + 4πr
3
r
2
= 0
4πr
3
= 32π
r
3
= 8
r = 2
S

(r) =
64π
r
3
+ 4π
Aplicando o teste da derivada segunda, vem:
S

(2) = 12π > 0 (m´ınimo)
Quando r = 2, h =
16
2
2
= 4
r = 2 minimiza S(r).
O m´ınimo de material usado ir´a ocorrer quando r = 2 cm e h = 4 cm.
Exemplo 5:
Uma empresa de turismo aluga ˆonibus com capacidade para 50 passageiros, para trans-
portar grupos de 35 ou mais pessoas. Se o grupo contiver exatamente 35 pessoas, cada
uma paga R$60,00. Para grupos com mais turistas, a passagem de todos ´e reduzida R$1,00
para cada pessoa al´em de 35. Determine o n´ umero de pessoas para o qual a receita da
empresa ser´a m´axima.
Solu¸c˜ao
Seja R a receita da empresa.
R = (n´ umero de pessoas no grupo) · (pre¸co por pessoa)
x: n´ umero de pessoas que excede 35
[Prof. Hiroshi Ouchi] 85
35 +x: n´ umero de pessoas no grupo
60 −x: pre¸co por pessoa
R(x) = (35 +x) · (60 −x)
R(x) = −x
2
+ 25x + 2100
Como x representa o n´ umero de pessoas que excede 35 e como o total de passageiros
´e 50, ent˜ao x deve estar no intervalo [0, 15], isto ´e, 0 ≤ x ≤ 15.
Aplica-se o teorema do valor extremo no intervalo [0, 15]
R

(x) = −2x + 25
R

(x) = 0 =⇒0 = −2x + 25
O n´ umero cr´ıtico ´e
25
2
= 12, 5
_
¸
¸
_
¸
¸
_
R(12, 5) = 2256, 25 (m´aximo absoluto)
R(0) = 2100
R(15) = 2250
O m´aximo absoluto ocorre em x = 12, 5
Figura 1.46: otimiza¸c˜ao - exemplo 5
Como x representa n´ umero de pessoas, ent˜ao x deve ser um n´ umero inteiro e 12, 5 n˜ao
pode ser a solu¸c˜ao pr´atica do problema.
Observe que R(x) ´e crescente para 0 < x < 12, 5 e decrescente para x > 12, 5. Os
valores inteiros que solucionam o problema na pr´atica s˜ao x = 12 ou x = 13, pois R(12) =
R(13) = 2256.
Conclus˜ao:
A receita da empresa ser´a m´axima quando o grupo for formado por 12 ou 13 pessoas
al´em de 35, isto ´e, o grupo deve ser constitu´ıdo por 47 ou 48 pessoas e a receita m´axima
correspondente ser´a de R$2.256,00.
86 [Matem´atica Aplicada]
Exemplo 6:
O custo m´edio de fabrica¸c˜ao de x unidades de um produto ´e C
m
=
200
x
+ 20 + x e a
fun¸c˜ao receita ´e R(x) = 200x −2x
2
.
(a) Obtenha a fun¸c˜ao lucro.
(b) Obtenha o n´ umero x de unidades que devem ser produzidas e vendidas para maximizar
o lucro.
(c) Obtenha o lucro m´aximo.
Solu¸c˜ao
C
m
=
C
x
C = x · C
m
C(x) = x
_
200
x
+ 20 +x
_
C(x) = 200 + 20x +x
2
(a) Seja P(x) o lucro
P(x) = R(x) −C(x)
P(x) = 200x −2x
2
−(200 + 20x +x
2
)
P(x) = −3x
2
+ 180x −200
(b) P

(x) = −6x + 180
0 = −6x + 180
6x = 180
x = 30
P

(x) = −6 < 0 (m´aximo)
x = 30 maximiza P(x)
Devem ser produzidas 30 unidades para se obter lucro m´aximo.
(c) P(30) = −3(30)
2
+ 180(30) −200 = 2500
O lucro m´aximo ´e R$2.500,00.
Exemplo 7:
O departamento de estradas de rodagem est´a planejando construir uma ´area de lazer
para motoristas, `a margem de uma rodovia bem movimentada. O terreno deve ser re-
tangular com uma ´area de 5000 m
2
e deve ser cercado nos trˆes lados que n˜ao d˜ao para a
rodovia. Determine o menor comprimento da cerca necess´aria para a obra.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 87
Solu¸c˜ao
Figura 1.47: otimiza¸c˜ao - exemplo 7
xy = 5000
y =
5000
x
f = x + 2y
f(x) = x +
10000
x
f

(x) = 1 −
10000
x
2
f

(x) = 0 =⇒
x
2
−10000
x
2
= 0
x
2
= 10000
x = 100
f

(x) =
20000
x
3
f

(100) =
20000
(100)
3
> 0 (m´ınimo)
x = 100 minimiza f(x)
y =
5000
100
= 50
f = x + 2y
f = 100 + 2(50) = 200
O menor comprimento ´e 200 m.
Exerc´ıcios Propostos
1. Obtenha dois n´ umeros positivos cuja soma ´e 16 e cujo produto ´e o m´aximo poss´ıvel.
2. Sabe-se que o custo C para produzir x unidades de um certo produto ´e dado por
C(x) = x
2
−80x + 3000 em reais. Nessas condi¸c˜oes, calcule:
88 [Matem´atica Aplicada]
(a) O n´ umero de unidades produzidas para que o custo seja m´ınimo.
(b) O valor m´ınimo do custo
3. Deseja-se construir uma ´area de lazer de forma retangular de 1.600 m
2
de ´area.
Determine as dimens˜oes para que o per´ımetro seja m´ınimo.
4. O custo total de fabrica¸c˜ao de x unidades de um produto ´e dado por C(x) = 3x
2
+ 5x + 192
em reais. Quantas unidades dever˜ao ser fabricadas para que o custo m´edio seja o
menor poss´ıvel ?
5. Uma caixa, sem tampa, de base quadrada deve ter um volume de 32 cm
3
. Determine
as dimens˜oes da caixa que exijam o m´ınimo de material para a sua confec¸c˜ao.
6. Determine o n´ umero cuja diferen¸ca entre ele e o seu quadrado ´e o m´aximo poss´ıvel.
7. Deseja-se construir uma piscina de forma circular, com volume igual a 125π m
3
. De-
termine a raio e a profundidade (altura), de modo que a piscina possa ser constru´ıda
com menos quantidade de material poss´ıvel.
8. Numa empresa que produziu x unidades mensais, verificou-se que a receita total de
produ¸c˜ao ´e dada por R(x) = 6000x −x
2
e o custo total de produ¸c˜ao ´e
C(x) = x
2
−2000x. Nessas condi¸c˜oes, verifique qual deve ser a produ¸c˜ao x para que
o lucro seja m´aximo.
9. Num vˆoo com capacidade para 100 pessoas, uma companhia a´erea cobra R$200,00
por pessoa quando todos o lugares s˜ao ocupados. Se existirem lugares n˜ao-ocupados,
ao pre¸co de cada passagem ser´a acrescida a importˆancia de R$4,00 por cada lugar
n˜ao-ocupado. Quantos devem ser os lugares n˜ao-ocupados para que a companhia
obtenha faturamento m´aximo ?
10. Uma pessoa deseja construir uma piscina de forma circular com volume de 64π m
3
.
Sabendo que o pre¸co por metro quadrado de azulejo ´e de R$100,00, calcule o custo
m´ınimo de azulejo para a constru¸c˜ao da piscina.
11. Quais devem ser as dimens˜oes de uma lata cil´ındrica de volume fixo V , de forma que
a quantidade de material a ser utilizado para a sua fabrica¸c˜ao seja a menor poss´ıvel?
12. Uma f´abrica de componentes eletrˆonicos tem um custo para produzir x componentes
dado por C(x) =
x
3
3000

x
2
2
+ 260x + 200, com C dado em reais. Qual ´e o custo
marginal que essa f´abrica tem para produzir mais um componente quando x = 400?
13. A demanda de um produto ´e D(p) = −200p + 12000 unidades por mˆes, quando o
pre¸co ´e p reais a unidade. Nessas condi¸c˜oes, determine:
[Prof. Hiroshi Ouchi] 89
(a) A fun¸c˜ao gasto total dos consumidores com o produto em fun¸c˜ao de p.
(b) O pre¸co para o qual o gasto total dos consumidores ´e m´aximo.
14. Em um painel retangular de comprimento (60 +x) cm e de largura 80 cm, deseja-se
reservar no canto superior esquerdo um quadrado de lado x cm. Qual o valor de x de
modo que a diferen¸ca entre a ´area do painel e a do quadrado seja a maior poss´ıvel?
15. Determine o n´ umero positivo cuja soma com seu inverso seja o menor poss´ıvel.
Respostas
1. Os n´ umeros 8 e 8.
2. (a) 40 unidades
(b) R$1.400,00
3. As dimens˜oes s˜ao 40 m e 40 m.
4. Dever˜ao ser fabricadas 8 unidades.
5. Arestas da base iguais a 4 cm e arestas laterais iguais a 2 cm.
6. O n´ umero ´e
1
2
.
7. r = 5 m e h = 5 m
8. 2.000 unidades mensais
9. 25 lugares
10. R$15.072,00
11. A lata de volume fixo e ´area m´axima tem altura igual ao dobro do raio, isto ´e, h = 2r.
12. R$20,00
13. (a) g(p) = −200p
2
+ 12000p
(b) O gasto ´e m´aximo quando o pre¸co ´e R$30,00.
14. x = 40 cm
15. O n´ umero ´e 1.
Exerc´ıcios Diversos
1. Dada a fun¸c˜ao receita R(x) = −2x
2
+ 10x, obtenha o valor de x que a maximiza.
90 [Matem´atica Aplicada]
2. Dada a fun¸c˜ao demanda p = 40 − 2x, obtenha o pre¸co que deve ser cobrado para
maximizar a receita.
3. Considere a fun¸c˜ao demanda p = 40 −2x. Determine o pre¸co que deve ser cobrado
para maximizar o lucro, se a fun¸c˜ao custo for C(x) = 40 + 2x.
4. A fun¸c˜ao custo de fabrica¸c˜ao de um produto ´e C =
1
3
x
3
−2x
2
+ 10x + 1 e a fun¸c˜ao
demanda do mesmo produto ´e p = 10 − x. Que pre¸co deve ser cobrado para maxi-
mizar o lucro?
5. O custo total mensal de fabrica¸c˜ao de x unidades de um produto ´e
C(x) = (0, 1)x
2
+ 3x + 4000.
(a) Obtenha a fun¸c˜ao custo m´edio.
(b) Para que valor de x o custo m´edio ´e m´ınimo?
6. Dada a fun¸c˜ao custo C(x) = x
3
−20x
2
+ 400x:
(a) Obtenha o custo m´edio e o custo marginal.
(b) Mostre que, no ponto de m´ınimo do custo m´edio, a custo m´edio ´e igual ao custo
marginal.
7. Um agricultor pretende construir um viveiro de forma retangular utilizando uma tela
de 16m de comprimento. Sabendo que ele vai usar um muro da casa como um dos
lados do viveiro, determine as dimens˜oes do mesmo para que sua ´area seja m´axima.
8. A demanda de um produto ´e dada por D(p) = −200p + 12000 unidades por mˆes,
quando o pre¸co ´e p reais a unidade. Nessas condi¸c˜oes, determine:
(a) O gasto total dos consumidores com o produto em fun¸c˜ao de p.
(b) O pre¸co total para o qual o gasto total ´e m´aximo.
9. Fa¸ca um estudo completo da fun¸c˜ao f(x) =
3x
x −1
.
Respostas
1. x =
5
2
2. p = 20
3. p = 21 reais
4. p = 8 reais
5. (a) C
m
(x) = (0, 1)x + 3 +
4000
x
[Prof. Hiroshi Ouchi] 91
(b) x = 200
6. (a) C
m
= x
2
−20x + 400
C

(x) = 3x
2
−40x + 400
(b) C
m
(10) = C

(10)
7. 4m e 8m
8. (a) G(p) = −200p
2
+ 12000p
(b) O gasto ´e m´aximo quando o pre¸co ´e R$30,00.
9. y = 3 ´e ass´ıntota horizontal e x = 1 ´e ass´ıntota vertical.
A fun¸c˜ao ´e decrescente para x = 1 e neste n˜ao admite extremos.
O gr´afico ´e cˆoncavo para baixo em x < 1 e cˆoncavo para cima em x > 1.
A fun¸c˜ao n˜ao tem ponto de inflex˜ao.
92 [Matem´atica Aplicada]
Cap´ıtulo 2
A Integral
2.1 Antideriva¸c˜ao: A integral indefinida
Denomina-se antideriva¸c˜ao ou integra¸c˜ao indefinida a opera¸c˜ao que consiste na obten¸c˜ao
de uma fun¸c˜ao F(x), a partir de sua derivada f(x).
Defini¸c˜ao
Primitiva de uma fun¸c˜ao f: Uma fun¸c˜ao F(x) ´e uma primitiva, antiderivada ou integral
indefinida de f(x) se F

(x) = f(x), para qualquer x no dom´ınio de f.
Seja f(x) = 12x
2
e F(x) = 4x
3
De acordo com a defini¸c˜ao dada, temos:
F

(x) = 12x
2
= f(x)
Logo, F(x) = 4x
3
´e uma antiderivada, ou integral indefinida, de f(x) = 12x
2
.
2.2 As antiderivadas de uma fun¸c˜ao f
Se F(x) e G(x) s˜ao antiderivadas de f(x), ent˜ao existe uma constante C, tal que
G(x) = F(x) +C.
Seja F(x) = 4x
3
G(x) = 4x
3
+ 2
G(x) = 4x
3
−8
G(x) = 4x
3
+

3
G(x) = 4x
3
+
3
5
. . . . . . . . .
Assim,
_
_
_
G(x) = 4x
3
+C
_
12x
2
dx = 4x
3
+C
Todas as antiderivadas de f(x) podem ser obtidas adicionando-se constantes `a anti-
derivada particular de f(x), isto ´e, F(x).
93
94 [Matem´atica Aplicada]
Conclus˜ao: Um fun¸c˜ao f tem n antiderivadas.
2.3 Nota¸c˜ao de integral
_
f(x) dx = F(x) +C
O s´ımbolo
_
´e chamado de sinal de integra¸c˜ao e se assemelha a um s alongado que ´e
a inicial de soma.
A fun¸c˜ao f(x) ´e o integrando de uma integral.
O s´ımbolo dx indica que a primitiva deve ser calculada em rela¸c˜ao `a vari´avel x.
A constante C ´e arbitr´aria e ´e conhecida por constante de integra¸c˜ao.
A equa¸c˜ao
_
f(x) dx = F(x) + C deve ser lida como “a integral indefinida de f em
rela¸c˜ao a x ´e F(x)+C”. Quando encontramos F(x)+C, dizemos que conseguimos calcular
a integral.
Para verificar se a integral foi calculada de maneira correta, devemos determinar a
derivada de F(x) +C. Se a derivada for igual a f(x) o c´alculo est´a correto.
A integra¸c˜ao ´e a opera¸c˜ao inversa da deriva¸c˜ao. Portanto, muitas regras de integra¸c˜ao
podem ser obtidas atrav´es das regras de deriva¸c˜ao correspondentes.
OBSERVAC¸
˜
AO:
_
f(x) dx = F(x) +C
DEFINIC¸
˜
AO:
d
dx
[F(x) +C] = f(x)
Conclus˜ao: f(x) =
_
f

(x) dx ou F(x) =
_
F

(x) dx
2.4 Regras b´asicas para integrar fun¸c˜oes simples
1. Regra da constante
_
K dx = K
_
dx = Kx +C ; K = cte
2.
_
x
n
dx =
1
n + 1
· x
n+1
+C ; ∀n = −1
Verifica¸c˜ao:
d
dx
_
1
n + 1
· x
n+1
_
=
1
n + 1
· (n + 1) x
n+1−1
= x
n
3. Regra do logar´ıtmo
_
1
x
dx = ln|x| +C ; para n = −1 e x = 0
Demonstra¸c˜ao:
(I) x > 0 =⇒|x| = x
d
dx
(ln|x|) =
d
dx
· lnx =
1
x
[Prof. Hiroshi Ouchi] 95
(II) x < 0 =⇒|x| = −x e −x > 0
d
dx
(ln|x|) =
d
dx
[ln(−x)] =
−1
−x
=
1
x
Assim,
_
1
x
dx = ln|x| +C
As regras 2 e 3 podem ser resumidas da seguinte forma:
_
x
n
dx =
_
¸
_
¸
_
x
n+1
n + 1
+C , se n = −1
ln|x| +C , se n = −1
4.
_
e
Kx
dx =
1
K
· e
Kx
+C ; para K = cte e K = 0
Verifica¸c˜ao:
d
dx
_
1
K
· e
Kx
_
=
1
K
· Ke
Kx
= e
Kx
2.5 Propriedades alg´ebricas da integral indefinida
2.5.1 Regra da multiplica¸c˜ao por uma constante
Um fator constante K pode ser retirado da integral.
_
Kf(x) dx = K
_
f(x) dx ; K = cte
2.5.2 Regra da soma
Uma antiderivada de uma soma ´e a soma das antiderivadas.
_
[f
1
(x) +f
2
(x) +. . . +f
n
(x)] dx =
_
f
1
(x) dx +
_
f
2
(x) dx +. . . +
_
f
n
(x) dx
2.5.3 Regra da diferen¸ca
Uma antiderivada de uma diferen¸ca ´e a diferen¸ca das antiderivadas.
_
[f(x) −g(x)] dx =
_
f(x) dx −
_
g(x) dx
OBSERVAC¸
˜
AO:
Quando da aplica¸c˜ao das propriedades, devemos colocar uma constante na ´ ultima etapa
dos c´alculos, a fim de obter respostas mais simples.
Exemplos:
_
(2x
4
+ 6x
2
+ 5x) dx
Temos,
_
2x
4
dx +
_
6x
2
dx +
_
5x dx
2
_
x
4
dx + 6
_
x
2
dx + 5
_
x dx
2
5
x
5
+ 2x
3
+
5
2
x
2
+ C
96 [Matem´atica Aplicada]
Exerc´ıcios Resolvidos
Calcule as seguintes integrais indefinidas:
1.
_
x
4
dx =
x
4+1
4 + 1
+C =
1
5
x
5
+C
2.
_
x dx =
x
1+1
1 + 1
+C =
1
2
x
2
+C
3.
_
dx =
_
x
0
dx =
x
0+1
0 + 1
+C = x +C
4.
_
x
−5
dx =
x
−5+1
−5 + 1
+C =
x
−4
−4
+C = −
1
4x
4
+C
5.
_
x
3/5
dx =
x
3/5 +1
3
5
+ 1
+C =
x
8/5
8
5
+C =
5
8
x
8/5
+C
6.
_
1

x
dx =
_
1
x
1/2
dx =
_
x
−1/2
dx =
x
−1/2 +1

1
2
+ 1
+C =
x
1/2
1
2
+C = 2

x +C
7.
_
(3x
4
+ 6x
2
+ 4) dx = 3
_
x
4
dx + 6
_
x
2
dx + 4
_
dx =
3
5
x
5
+ 2x
3
+ 4x +C
8.
_
x
3
+ 5x −2
x
dx =
_ _
x
2
+ 5 −
2
x
_
dx =
_
x
2
dx + 5
_
dx −2
_
dx
x
=
=
x
3
3
+ 5x −2 ln|x| +C
Exerc´ıcios Propostos
Calcule as seguintes integrais:
1.
_
5x
4
dx
2.
_
_
x
2


x
_
dx
3.
_
(5 −2x
5
+ 3x
11
) dx
4.
_

x dx
5.
_
2
7x
2
dx
6.
_ _
4
x
3
+
5
x
2
+ 20
_
dx
7.
_ _
3

x +
1
2

x
_
dx
8.
_
_

x
3
+
3

x
2
_
dx
9.
_ _
3

x −
2
x
3
+
1
x
_
dx
[Prof. Hiroshi Ouchi] 97
10.
_
_

x −3
3

x
2
+ 6
_
dx
Respostas
1. x
5
+C
2.
1
3
x
3
+
2
3

x
3
+C
3. 5x −
1
3
x
6
+
1
4
x
12
+C
4.
2
3
x
3/2
+C
5. −
2
7x
+C
6. −
2
x
2

5
x
+ 20x +C
7. 2x
3/2
+x
1/2
+C = 2

x
3
+

x +C = 2x

x +

x +C
8.
2
5
x
5/2
+
3
5
x
5/3
+C =
2
5

x
5
+
3
5
3

x
5
+C
9. 2

x
3
+
1
x
2
+ ln|x| +C
10.
2
3

x
3

9
5
3

x
5
+ 6x +C
2.5.4 Curvas integrais
Os gr´aficos das antiderivadas de uma fun¸c˜ao f s˜ao denominados curvas integrais de f.
Se y = F(x) for uma curva integral de f, as infinitas curvas s˜ao obtidas por transla¸c˜ao
do gr´afico de F(x), uma vez que tˆem equa¸c˜oes da forma G(x) = F(x)+C ou y = F(x)+C.
Em in´ umeros problemas, devemos encontrar uma fun¸c˜ao cuja derivada satisfa¸ca a
condi¸c˜oes espec´ıficas, denominadas condi¸c˜oes de contorno.
Suponha que um ponto material movimenta-se ao longo de uma curva y = f(x) no
plano xy, de tal forma que, em cada ponto (x, y) da curva, a reta tangente tem inclina¸c˜ao
2x. Determine a equa¸c˜ao da curva sabendo que ela passa pelo ponto P(2, 5).
Solu¸c˜ao
Interpreta¸c˜ao gr´afica:
Existe uma constante C, tal que G(x) = F(x) +C.
Se F ´e uma antiderivada de f, ent˜ao F

(x) = f(x). Logo, f(x) ´e a inclina¸c˜ao da
tangente ao gr´afico de F(x). Se G ´e antiderivada de f, ent˜ao G

(x) = f(x). Logo, a
inclina¸c˜ao de sua tangente ´e tamb´em f(x).
98 [Matem´atica Aplicada]
Seja F(x) = x
2
, G(x) = x
2
+C e f(x) = 2x
y =
_
2x dx = 2
_
x dx
y = 2
x
2
2
+C
y = x
2
+C solu¸c˜ao geral ou solu¸c˜ao completa
Como para x = 2, y = 5, temos:
5 = 2
2
+C
5 = 4 +C ⇐⇒ C = 1
x
2
+ 1 solu¸c˜ao particular
Figura 2.1: curvas integrais
Vimos que a diferencial de uma fun¸c˜ao y = f(x) ´e
dy
dx
= f

(x) =⇒dy = f

(x) dx.
Propriedades
1. Os s´ımbolos d e
_
, nesta ordem, se anulam, isto ´e:
d
_
f(x) dx = f(x) dx
2. Os s´ımbolos
_
e d, nesta ordem, podem ser omitidos, desde que seja acrescentada
uma constante ao resultado, isto ´e:
_
d(F(x)) = F(x) +C
Generaliza¸c˜ao
_
¸
_
¸
_
_
dx = x +C
_
du = u +C
Lembrete:
1) f(x) =
_
f

(x) dx
2) y =
_
dy
dx
dx
3)
_
du = u +C
[Prof. Hiroshi Ouchi] 99
Aplica¸c˜oes Pr´aticas
1. Determine a fun¸c˜ao cuja tangente tem inclina¸c˜ao x
2
, para qualquer valor de x e cuja
curva passa pelo ponto P(2, 1).
OBSERVAC¸
˜
AO:
A inclina¸c˜ao da tangente a uma curva no ponto (x, f(x)) ou (x, y) ´e a derivada f

(x)
ou
dy
dx
.
Solu¸c˜ao
Temos, f

(x) = x
2
ou
dy
dx
= x
2
1
o
processo: 2
o
processo:
f(x) =
_
f

(x) dx y =
_
dy
dx
dx
f(x) =
_
x
2
dx y =
_
x
2
dx
f(x) =
x
3
3
+C y =
x
3
3
+C
1 =
2
3
3
+C 1 =
2
3
3
+C
1 =
8
3
+C C = 1 −
8
3
= −
5
3
C = 1 −
8
3
= −
5
3
y =
x
3
3

5
3
f(x) =
x
3
3

5
3
2. O custo fixo de produ¸c˜ao de uma empresa ´e de R$8.000,00. O custo marginal ´e dado
por C

(x) = (0, 03)x
2
+ (0, 12)x + 5. Determine a fun¸c˜ao custo total.
Solu¸c˜ao
Vimos que o custo marginal ´e a derivada da fun¸c˜ao custo C(x). Para achar C(x),
devemos integrar a fun¸c˜ao custo marginal.
C(x) =
_
C

(x) dx
C(x) =
_
_
(0, 03)x
2
+ (0, 12)x + 5
¸
dx
C(x) = (0, 03)
_
x
2
dx + (0, 12)
_
x dx + 5
_
dx
C(x) = (0, 03)
x
3
3
+ (0, 12)
x
2
2
+ 5x +C
C(x) = (0, 01)x
3
+ (0, 06)x
2
+ 5x +C
100 [Matem´atica Aplicada]
Se a produ¸c˜ao for nula (x = 0) o custo fixo ´e de R$8.000,00. Logo,
C(0) = (0, 01)(0)
3
+ (0, 06)(0)
2
+ 5(0) +C
8000 = C
Logo, C = 8000
Conclus˜ao: C(x) = (0, 01)x
3
+ (0, 06)x
2
+ 5x + 8000
3. Estima-se que daqui a t meses a popula¸c˜ao de certa cidade estar´a aumentando `a
raz˜ao de 2 + 6

t habitantes por mˆes. Sabe-se que a popula¸c˜ao atual ´e de 5.000
habitantes. Diante do exposto, determine a popula¸c˜ao daqui a 1 ano e 4 meses.
Solu¸c˜ao
Seja P(t) a popula¸c˜ao daqui a t meses.
dP
dt
= 2 + 6

t (taxa de varia¸c˜ao da popula¸c˜ao)
P(t) =
_
dP
dt
dt
P(t) =
_
_
2 + 6

t
_
dt
P(t) = 2
_
dt + 6
_
t
1/2
dt
P(t) = 2t + 4t
3/2
+C
Para t = 0 (popula¸c˜ao inicial), P(0) = 5000
P(0) = 2(0) + 4(0)
3/2
+C
5000 = C
Logo, P(t) = 2t + 4t
3/2
+ 5000
Para t = 16 meses, temos:
P(16) = 2(16) + 4(2
4
)
3/2
+ 5000
P(16) = 32 + 4(2
6
) + 5000
P(16) = 32 + 4(64) + 5000
P(16) = 32 + 256 + 5000
P(16) = 5288
A popula¸c˜ao daqui a 1 ano e 4 meses ser´a de 5.288 habitantes.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 101
2.5.5 Movimento em linha reta
Quando um corpo est´a se movimentando em linha reta e sua posi¸c˜ao ´e dada por s(t), a
velocidade ´e dada por v =
ds
dt
e a acelera¸c˜ao por a =
dv
dt
. Se a acelera¸c˜ao do corpo ´e dada,
a velocidade e a posi¸c˜ao podem ser determinadas por integra¸c˜ao.
Depois que os freios s˜ao aplicados, um carro perde velocidade `a taxa constante de 6
metros por segundo. Se o carro est´a com velocidade de 18 metros por segundo, quando o
motorista pisa no freio, que distˆancia percorre o carro at´e parar?
Solu¸c˜ao
Seja s(t) a posi¸c˜ao do carro t segundos depois que o motorista pisa no freio. Se o carro
perde velocidade `a raz˜ao de 6 m/segundo, isto significa que a a(t) = −6 (sinal negativo
indica que a velocidade est´a diminuindo).
a(t) = −6
dv
dt
= −6
v(t) =
_
dv
dt
dt
v(t) = −6
_
dt = −6t +C
1
v(t) = −6t +C
1
Quando t = 0, v = 18
18 = −6(0) +C
1
=⇒C
1
= 18
Logo, v(t) = −6t + 18
ds
dt
= −6t + 18
s(t) =
_
ds
dt
dt
s(t) =
_
(−6t + 18) dt
s(t) = −3t
2
+ 18t +C
2
Quando t = 0 =⇒s(t) = 0
0 = −3(0)
2
+ 18(0) +C
2
=⇒C
2
= 0
s(t) = −3t
2
+ 18t
A velocidade ´e zero quando o carro p´ara.
v(t) = −6t + 18
0 = −6t + 18
6t = 18 =⇒ t = 3 segundos
102 [Matem´atica Aplicada]
O carro leva 3 segundos para parar e a distˆancia percorrida ´e:
s(3) = −3(9) + 18(3)
s(3) = −27 + 54
s(3) = 27
O carro percorre 27 metros at´e parar.
Exerc´ıcios Propostos
1. Determine a equa¸c˜ao da curva cujo coeficiente angular em um ponto qualquer (x, y)
´e 5x
4
, sabendo que a curva passa por P(1, 3).
2. A fun¸c˜ao custo marginal C

´e dada por C

(x) = 4x − 8, onde C(x) ´e o custo total
da produ¸c˜ao de x unidades. Se o custo de produ¸c˜ao de 5 unidades ´e R$80,00, ache
a fun¸c˜ao custo total. Determine o custo de produ¸c˜ao de 20 unidades.
3. Um fabricante estima que o custo marginal seja (6q +1) reais por unidade quando q
unidades s˜ao fabricadas. O custo total (incluindo custo fixo) para produzir as duas
primeiras unidades ´e R$214,00. Determine o custo para produzir as primeiras 30
unidades.
4. Ap´os um per´ıodo de testes, um fabricante determina que se x unidades de um certo
artigo s˜ao produzidas por semana, o custo marginal ´e dado por C

(x) = (0, 3)x−11,
onde C(x) ´e o custo total de produ¸c˜ao de x unidades. Se o pre¸co de venda do artigo
est´a fixado em R$19,00 por unidade e o custo fixo ´e R$200,00 por semana, ache o
lucro total m´aximo que pode ser obtido por semana.
5. Se a receita marginal ´e dada por R

(x) = 27 −12x +x
2
, ache a fun¸c˜ao receita total
e a equa¸c˜ao de demanda.
6. Se o custo marginal m´edio, C

(x) =
_
1
4

17
x
2
_
em reais, calcule:
(a) A fun¸c˜ao custo m´edio C

(x), sabendo que C(4) = 57.
(b) A fun¸c˜ao custo C(x), sabendo que C(x) =
C(x)
x
.
7. O custo marginal para a produ¸c˜ao ´e dado por C

(x) = 18

x + 4. Se o custo fixo ´e
de R$800,00, escreva uma fun¸c˜ao para o custo total.
8. A inclina¸c˜ao da reta tangente a uma curva em qualquer de seus pontos ´e
1
2

x
. Se
P(1, 1) ´e um ponto da curva, ache sua equa¸c˜ao.
9. Para um certo artigo, a fun¸c˜ao receita marginal ´e dada por R

(x) = 15 −4x. Ache:
(a) a fun¸c˜ao receita total.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 103
(b) a equa¸c˜ao da demanda.
10. Estima-se que daqui a x semanas, o n´ umero de passageiros de uma nova linha de
metrˆo estar´a aumentando `a raz˜ao de (18x
2
+ 500) passageiros por semana. No
momento, 8000 passageiros est˜ao usando a linha. Quantos a estar˜ao usando daqui a
5 semanas?
Respostas
1. y = x
5
+ 2
2. C(x) = 2x
2
−8x + 70
C(20) =R$710,00
3. R$2.930,00
4. R$1.300,00 ´e o lucro m´aximo, quando est˜ao sendo produzidas 100 unidades por
semana.
5. R(x) = 27x −6x
2
+
1
3
x
3
3p = 81 −18x +x
2
6. (a) C
m
(x) =
1
4
x +
17
x
+
207
4
(b) C(x) =
1
4
x
2
+
207
4
x + 17
7. C(x) = 12x
3/2
+ 4x + 800
8. y =

x
9. (a) R(x) = 15x −2x
2
(b) p = 15 −2x
10. 11.250 passageiros
2.5.6 Regra da exponencial
_
e
Kx
dx =
1
K
· e
Kx
+C ; para K constante e K = 0
Calcular
_
e
−3x
dx no caso, K = −3
_
e
−3x
dx =
1
−3
· e
−3x
+C = −
1
3
· e
−3x
+C
104 [Matem´atica Aplicada]
Calcule
_
_
3e
−5t
+

t
_
dt
= 3
_
e
−5t
dt +
_
t
1/2
dt = 3 ·
1
−5
· e
−5t
+
t
1/2 +1
1
2
+ 1
+C =
= −
3
5
· e
−5t
+
t
3/2
3
2
+C = −
3
5
· e
−5t
+
2
3
· t
3/2
+C
2.5.7 Integra¸c˜ao por substitui¸c˜ao
(Mudan¸ca de vari´avel em integral indefinida)
1. Este m´etodo consiste em substituir a vari´avel de integra¸c˜ao x por uma vari´avel
auxiliar u de modo a obter uma integral imediata (simples), na qual a vari´avel de
integra¸c˜ao ´e u.
2. Para escrever dx em termos de u, deve-se calcular o valor de
du
dx
e explicitar dx como
se
du
dx
fosse um quociente.
3. Deve-se calcular a integral resultante e substituir u em termos de x para dar a solu¸c˜ao
da integral. Assim
_ _
f(u)
du
dx
_
dx =
_
f(u) du
Exerc´ıcios Resolvidos
1. Calcule
_
(2x + 5)
9
dx
Seja u = 2x + 5
du
dx
= 2 =⇒du = 2 dx
Assim, dx =
du
2
_
(2x + 5)
9
dx =
_
u
9
·
1
2
du =
1
2
_
u
9
du =
1
2
·
u
10
10
+C =
1
20
· u
10
+C =
=
1
20
· (2x + 5)
10
+C
2.
_
5x
x
2
−1
dx
u = x
2
−1
du = 2x dx =⇒x dx =
du
2
= 5
_
x dx
x
2
−1
= 5
_
du
2
u
=
5
2
_
du
u
=
5
2
· ln|u| +C =
5
2
· ln|x
2
+ 1| +C
3.
_
dx
5x + 4
u = 5x + 4
du = 5 dx =⇒dx =
du
5
_
dx
5x + 4
=
_
du
5
u
=
1
5
_
du
u
=
1
5
· ln|u| +C =
1
5
· ln|5x + 4| +C
[Prof. Hiroshi Ouchi] 105
4.
_

3x −4 dx
u = 3x −4
du = 3 dx =⇒dx =
du
3
_

3x −4 dx =
_

u
du
3
=
1
3
_
u
1/2
du =
1
3
·
u
1/2 +1
1
2
+ 1
+C
=
1
3
·
u
3/2
3
2
+C =
1
3
·
2
3

u
3
+C =
2
9
_
(3x −4)
3
+C
5.
_
x
2
+ 1
x + 1
dx
x
2
+ 1
x + 1
= x −1 +
2
x + 1
_
x
2
+ 1
x + 1
dx =
_ _
x −1 +
2
x + 1
_
dx =
_
x dx −
_
dx + 2
_
dx
x + 1
u = x + 1
du = dx
_
x dx −
_
dx + 2
_
du
u
=
x
2
2
−x + 2 ln|x + 1| +C
6.
_
3x + 6

2x
2
+ 8x + 9
dx
u = 2x
2
+ 8x + 9
du = (4x + 8) dx
du = 4(x + 2) dx
(x + 2) dx =
du
4
_
3x + 6

2x
2
+ 8x + 9
dx = 3
_
x + 2

2x
2
+ 8x + 9
dx = 3
_
du
4

u
=
3
4
_
u
−1/2
du =
=
3
4
·
u
1/2
1
2
+C =
3
4
·
2
1

u +C =
3
2

2x
2
+ 8x + 9 +C
7.
_
ln5x
x
dx =
_
ln5x ·
dx
x
u = ln (5x)
du
dx
=
5
5x
=
1
x
du =
dx
x
_
ln5x ·
dx
x
=
_
u du =
u
2
2
+C =
1
2
(ln5x)
2
+C
106 [Matem´atica Aplicada]
8.
_
x e
x
2
dx =
_
e
x
2
x dx
u = x
2
du = 2x dx
x dx =
1
2
du
_
e
x
2
x dx =
_
e
u
1
2
du =
1
2
_
e
u
du =
1
2
e
u
+C =
1
2
e
x
2
+C
Exerc´ıcios Propostos
1. Calcule as seguintes integrais:
(a)
_
x(3x
2
+ 4)
7
dx
(b)
_
6(x
2
+ 4x + 3)
8
(2x + 4) dx
(c)
_
x
2
5
_
3 −4x
3
dx
(d)
_
5x dx
3x
2
+ 4
(e)
_
5x + 9
x
dx
(f)
_
x
x + 1
dx
(g)
_
x
2 4
_
(x
3
+ 1)
3
dx
(h)
_
3u −3
(u
2
−2u + 6)
2
du
(i)
_
1
x(lnx)
2
dx
(j)
_
e
1−x
dx
Respostas
1. (a)
1
48
(3x
2
+ 4)
8
+C
(b)
2
3
(x
2
+ 4x + 3)
9
+C
(c) −
5
72
5
_
(3 −4x
3
)
6
+C
(d)
5
6
ln|3x
2
+ 4| +C
(e) 5x + 9 ln|x| +C
(f) x −ln|x + 1| +C
(g)
4
21
4
_
(x
3
+ 1)
7
+C
(h)
−3
2(u
2
−2u+6)
+C
(i) −
1
ln x
+C
(j) −e
1−x
+C
[Prof. Hiroshi Ouchi] 107
Integrais Especiais
1. Calcule a integral
_
x
2

x + 3 dx
Solu¸c˜ao
Artif´ıcio
Seja u =

x + 3
u
2
= x + 3
x = u
2
−3
dx = 2u du
Temos:
_
x
2

x + 3 dx =
=
_
(u
2
−3)
2
· u · 2u du =
= 2
_
(u
4
−6u
2
+ 9)u
2
du =
= 2
_
(u
6
−6u
4
+ 9u
2
) du =
= 2
_
u
6
du −12
_
u
4
du + 18
_
u
2
du =
=
2
7
u
7

12
5
u
5
+
18
3
u
3
+C =
2
7
(

x + 3)
7

12
5
(

x + 3)
5
+ 6(

x + 3)
3
+C
Portanto:
_
x
2

x + 3 dx =
2
7
(x + 3)
7/2

12
5
(x + 3)
5/2
+ 6(x + 3)
3/2
+C
2. Calcule a integral
_
x
5
_
x
2
+ 4 dx
Solu¸c˜ao
Temos:
_
x
5
_
x
2
+ 4 dx =
_
x
4
_
x
2
+ 4 x dx
Artif´ıcio
u =

x
2
+ 4
u
2
= x
2
+ 4
x
2
= u
2
−4
2x dx = 2u du
x dx = u du
108 [Matem´atica Aplicada]
_
x
5
_
x
2
+ 4 dx =
=
_
x
4
_
x
2
+ 4 x dx =
=
_
(u
2
−4)
2
· u · u du =
=
_
(u
4
−8u
2
+ 16)u
2
du =
=
_
(u
6
−8u
4
+ 16u
2
) du =
=
_
u
6
du −8
_
u
4
du + 16
_
u
2
du =
=
1
7
u
7

8
5
u
5
+
16
3
u
3
+C =
1
7
(

x
2
+ 4)
7

8
5
(

x
2
+ 4)
5
+
16
3
(

x
2
+ 4)
3
+C
Temos:
_
x
5
_
x
2
+ 4 dx =
1
7
(x
2
+ 4)
7/2

8
5
(x
2
+ 4)
5/2
+
16
3
(x
2
+ 4)
3/2
+C
Exerc´ıcios Propostos
Calcule as integrais
1.
_
x
3
_
1 +x
2
dx
2.
_
x
2

1 +x dx
Respostas
1.
1
5
(1 +x
2
)
5/2

1
3
(1 +x
2
)
3/2
+C
2.
2
7
(1 +x)
7/2

4
5
(1 +x)
5/2
+
2
3
(1 +x)
3/2
+C
2.6 Equa¸c˜oes diferenciais
Denomina-se equa¸c˜ao diferencial qualquer equa¸c˜ao que cont´em derivadas. As equa¸c˜oes
diferenciais tˆem aplica¸c˜oes importantes em v´arios setores da atividade humana. Estudare-
mos apenas as equa¸c˜oes diferenciais simples.
Exemplos:
(a)
dy
dx
= 4x + 1
(b)
dy
dx
= 3x
2
+x −2
(c)
d
2
y
dx
2
= 4x −3
[Prof. Hiroshi Ouchi] 109
(d)
dy
dx
=
2x
y
2
(e) dy = e
5x
dx
(f )
dy
dx
=
y
x −1
Seja a equa¸c˜ao diferencial
dy
dx
= f(x) ou dy = f(x) dx.
A solu¸c˜ao dessa equa¸c˜ao ´e a fun¸c˜ao y = F(x) +C, que ´e denominada solu¸c˜ao geral ou
solu¸c˜ao completa. Muitas vezes desejamos encontrar uma solu¸c˜ao que satisfa¸ca a condi¸c˜oes
espec´ıficas, tais como, y = y
1
, quando x = x
1
, denominadas condi¸c˜oes de contorno ou
condi¸c˜oes iniciais.
Conhecida a solu¸c˜ao geral y = F(x) +C, se substituirmos x e y, respectivamente por
x
1
e y
1
, obteremos o valor particular de C, isto ´e, C = C
1
, que substitu´ıdo na solu¸c˜ao
geral nos fornece a solu¸c˜ao particular y = F(x) +C
1
.
Seja a equa¸c˜ao diferencial
dy
dx
= 2x −3.
Determine a solu¸c˜ao geral e a seguir a solu¸c˜ao particular que satisfaz a condi¸c˜ao de
contorno y = 1 quando x = 2.
1
o
processo
y =
_
dy
dx
dx
y =
_
(2x −3) dx
y = 2
_
x dx −3
_
dx
y = 2
x
2
2
−3x +C
y = x
2
−3x +C solu¸c˜ao geral
Considerando y = 1 quando x = 2, determinamos C
1
1 = 2
2
−3(2) +C
1 = 4 −6 +C
Logo, C = 3
Temos: y = x
2
−3x + 3 solu¸c˜ao particular
2
o
processo
dy = (2x −3) dx
Integrando os dois membros, temos:
_
dy =
_
(2x −3) dx
_
dy = 2
_
x dx −3
_
dx
y = x
2
−3x +C
110 [Matem´atica Aplicada]
Calculando C, temos:
y = x
2
−3x + 3
Determine a solu¸c˜ao particular da equa¸c˜ao diferencial
dy
dx
= e
3x
sabendo que y = 1
quando x = 0.
Solu¸c˜ao
y =
_
dy
dx
dx
y =
_
e
3x
dx
y =
1
3
e
3x
+C solu¸c˜ao geral
1 =
1
3
e
3(0)
+C
1 =
1
3
+C
C = 1 −
1
3
=
2
3
y =
1
3
e
3x
+
2
3
solu¸c˜ao particular
Encontre a solu¸c˜ao completa ou geral da equa¸c˜ao diferencial de 2
a
ordem
d
2
y
dx
2
= 4x−1.
Determine em seguida, a solu¸c˜ao particular que atenda `as condi¸c˜oes de contorno
dy
dx
= 2
quando x = 2 e y = 3 quando x = 1.
Solu¸c˜ao
1
o
processo
dy
dx
=
_
d
2
y
dx
2
dx
dy
dx
=
_
(4x −1) dx = 4
_
x dx −
_
dx = 4
x
2
2
−x +C
1
dy
dx
= 2x
2
−x +C
1
(I)
y =
_
dy
dx
dx
y =
_
(2x
2
−x +C
1
) dx = 2
_
x
2
dx −
_
x dx +C
1
_
dx
y =
2
3
x
3

1
2
x
2
+C
1
x +C
2
(II) Solu¸c˜ao completa
Substituindo em (I),
dy
dx
por 2 e x por 2, temos:
2 = 2(2)
2
−2 +C
1
Logo, C
1
= −4
[Prof. Hiroshi Ouchi] 111
Considerando C
1
= −4 na solu¸c˜ao completa, temos:
y =
2
3
x
3

1
2
x
2
−4x +C
2
(III)
Como y = 3 quando x = 1, por hip´otese, temos:
3 =
2
3
(1)
3

1
2
(1)
2
−4(1) +C
2
Logo, C
2
=
41
6
Substituindo este valor em (III), temos:
y =
2
3
x
3

1
2
x
2
−4x +
41
6
Solu¸c˜ao particular
2
o
processo
d
2
y
dx
2
= 4x −1
d
dx
_
dy
dx
_
= 4x −1
d
_
dy
dx
_
= (4x −1) dx
Integrando os 2 membros, temos:
_
d
_
dy
dx
_
=
_
(4x −1) dx
dy
dx
= 4
x
2
2
−x +C
1
dy
dx
= 2x
2
−x +C
1
dy = (2x
2
−x +C
1
) dx
_
dy =
_
(2x
2
−x +C
1
) dx
_
dy = 2
_
x
2
dx −
_
x dx +C
1
_
dx
y =
2
3
x
3

x
2
2
+C
1
x +C
2
De acordo com o exposto no 1
o
processo, concluimos:
y =
2
3
x
3

1
2
x
2
−4x +
41
6
NOTA: A ordem de uma equa¸c˜ao diferencial corresponde `a da derivada de maior ordem
que aparece na equa¸c˜ao.
2.6.1 Equa¸c˜oes diferenciais com vari´aveis separ´aveis
Consideremos:
dy
dx
=
g(x)
h(y)
Logo, h(y) dy = g(x) dx
112 [Matem´atica Aplicada]
O 1
o
membro envolve somente a vari´avel y e o 2
o
membro envolve somente a var´avel
x. As vari´aveis s˜ao separadas. Uma solu¸c˜ao geral pode ser obtida integrando os dois
membros da equa¸c˜ao, isto ´e:
_
h(y) dy =
_
g(x) dx
Encontre a solu¸c˜ao geral da equa¸c˜ao diferencial x dx +y dy = 0
Solu¸c˜ao
x dx = −y dy
Integrando, temos:
_
x dx = −
_
y dy
x
2
2
+C
1
= −
y
2
2
+C
2
x
2
2
= −
y
2
2
+C
2
−C
1
x
2
2
+
y
2
2
= C
3
x
2
+y
2
= C
Processo pr´atico
_
x dx = −
_
y dy
x
2
2
= −
y
2
2
+C
1
x
2
2
+
y
2
2
= C
x
2
+y
2
= C
Determine a solu¸c˜ao geral da equa¸c˜ao diferencial
dy
dx
=
x
2
y
Solu¸c˜ao
Temos:
y dy = x
2
dx
Integrando, temos:
_
y dy =
_
x
2
dx
y
2
2
=
x
3
3
+C
Determine a solu¸c˜ao particular da equa¸c˜ao diferencial
dy
dx
= x

y que satisfaz a
condi¸c˜ao de contorno y = 1 quando x = 0.
Solu¸c˜ao
dy

y
= x dx
[Prof. Hiroshi Ouchi] 113
Integrando temos:
_
dy
y
1/2
=
_
x dx
_
y
−1/2
dy =
_
x dx
y
1/2
1
2
=
x
2
2
+C
2y
1/2
=
1
2
x
2
+C
2

y =
1
2
x
2
+C
2

1 =
1
2
(0)
2
+C
Logo, C = 2
Conclus˜ao,
2

y =
1
2
x
2
+ 2
2.6.2 Aplica¸c˜oes das equa¸c˜oes diferenciais
1. A inclina¸c˜ao da reta tangente a uma curva em um ponto qualquer (x, y) na curva ´e
igual a 3x
2
y
2
. Determine a equa¸c˜ao da curva, sabendo que o ponto P(2, 1) est´a na
curva.
Solu¸c˜ao
dy
dx
= 3x
2
y
2
dy
y
2
= 3x
2
dx
_
y
−2
dy = 3
_
x
2
dx
y
−1
−1
= 3
x
3
3
+C

1
y
= x
3
+C

1
1
= 2
3
+C
Logo, C = −9
Conclus˜ao

1
y
= x
3
−9
2. O custo de uma certa m´aquina ´e 700 d´olares e seu valor ´e depreciado de acordo com
a f´ormula
dV
dt
= −500(t +1)
−2
, onde V ´e o seu valor t anos ap´os a sua compra. Qual
ser´a o seu valor 3 anos ap´os sua compra?
114 [Matem´atica Aplicada]
Solu¸c˜ao
t = 0 =⇒V = 700 (valor inicial)
V =
_
dV
dt
dt
V = −500
_
(t + 1)
−2
dt
c´alculo auxiliar:
u = t + 1
du = dt
V = −500
_
u
−2
du = −500
u
−1
−1
+C
V (t) =
500
t + 1
+C
V (0) =
500
0 + 1
+C
700 = 500 +C =⇒C = 200
Logo, V (t) =
500
t + 1
+ 200
V (3) =
500
3 + 1
+ 200
V (3) =
500
4
+ 200
V (3) = 325
Conclus˜ao: O seu valor ser´a 325 d´olares.
3. A popula¸c˜ao de uma certa cidade vem crescendo a uma taxa de
400

t + 1
pessoas por
ano, t anos ap´os 1996. Sabe-se que a popula¸c˜ao em 1999 era de 6.000 pessoas.
(a) Qual era a popula¸c˜ao em 1996?
(b) Qual ser´a a popula¸c˜ao em 2004 se for mantida a mesma taxa de crescimento?
Solu¸c˜ao
Temos:
dp
dt
= 400(t + 1)
−1/2
e p(3) = 6000
p(t) =
_
dp
dt
dt
p(t) = 400
_
(t + 1)
−1/2
dt
[Prof. Hiroshi Ouchi] 115
p(t) = 400
(t + 1)
1/2
1
2
+C
p(t) = 800

t + 1 +C
t = 3 =⇒p(3) = 800

3 + 1 +C
6000 = 800(2) +C =⇒C = 4400
Logo, p(t) = 800

t + 1 + 4400
(a) t = 0
p(0) = 800

0 + 1 + 4400
p(0) = 800 + 4400 = 5200
Em 1996 a popula¸c˜ao era de 5.200 habitantes.
(b) t = 8
p(8) = 800

8 + 1 + 4400
p(8) = 800(3) + 4400
p(8) = 2400 + 4400
p(8) = 6800
Em 2004 a popula¸c˜ao ser´a de 6.800 habitantes.
4. A quantidade de bact´erias presentes em uma cultura cresce de 100 para 300 unidades
num intervalo de 2 horas. Suponha que a taxa de crescimento seja proporcional
`a quantidade de bact´erias presentes. Determine uma express˜ao que estabele¸ca a
quantidade de bact´erias em qualquer instante t.
Solu¸c˜ao
Seja Q a quantidade de bact´erias presentes em um instante t e seja K a constante
de proporcionalidade.
dQ
dt
= KQ =⇒
dQ
Q
= K dt
_
dQ
Q
= K
_
dt
lnQ = Kt +C
1
=⇒Q = e
Kt+C
1
=⇒Q = e
Kt
· e
C
1
Q = Ce
Kt
t = 0 =⇒Q = 100
100 = Ce
K(0)
=⇒100 = Ce
0
C = 100
Logo, Q = 100e
Kt
116 [Matem´atica Aplicada]
t = 2 =⇒Q = 300
Logo,
300 = 100e
2K
=⇒e
2K
= 3 =⇒2K = ln 3
K =
ln3
2
Conclus˜ao: Q = 100 e
ln 3
2
t
Exerc´ıcios Propostos
1. Determine a solu¸c˜ao geral das equa¸c˜oes diferenciais seguintes:
(a)
dy
dx
= −3x
2
+ 6
(b)
dy
dx
= x
4
+ 2x
2

1
x
2
(c)
dy
dx
= (3x + 1)
3
(d)
dy
dx
= x

x
2
+ 5
2. Ache a solu¸c˜ao completa das equa¸c˜oes diferenciais seguintes e a seguir determine a
solu¸c˜ao particular que satisfaz `as condi¸c˜oes de contorno dadas.
(a)
_
_
_
dy
dx
= 6x
2

1
x
2
+ 3
y = 10 quando x = 1
(b)
_
_
_
dy = x

x
2
+ 5 dx
y = 8 quando x = 2
(c)
_
_
_
dy
dx
= x
2
+ 3x
y = 2 quando x = 1
(d)
_
¸
_
¸
_
dy
dx
= (x + 1)(x + 2)
y = −
3
2
quando x = −3
3. Determine a solu¸c˜ao geral das seguintes equa¸c˜oes diferenciais:
(a)
dy
dx
=
2x
y
2
(b)
dy
dx
=
2x
2
3y
3
(c) x dy = −y dx
(d)
dy
dx
= y
2

4 −x
[Prof. Hiroshi Ouchi] 117
4. Determine a solu¸c˜ao particular da equa¸c˜ao diferencial dada, que satisfaz `a condi¸c˜ao
de contorno indicada.
(a)
dy
dx
=
x
y
2
; y = 3 para x = 2
(b) dy = e
5x
dx ; y = 1 para x = 0
(c)
dy
dx
= 4x
2
y
2
; y = −1 para x = 1
(d)
dy
dx
= y
2

4 −x ; y = 2 para x = 4
5. Nos exerc´ıcios seguintes, ache a solu¸c˜ao particular de cada equa¸c˜ao diferencial de 2
a
ordem que satisfaz `as condi¸c˜oes de contorno dadas:
(a)
d
2
y
dx
2
= 6x + 1 ; y = 2 quando x = 0 e
dy
dx
= 3 quando x = 0
(b)
d
2
y
dx
2
= x
2
+ 3x ;
dy
dx
= 1 e y = 2 quando x = 1
6. O custo marginal
dC
dx
para produzir x unidades de um determinado produto ´e dado
por
dC
dx
= 0, 05 +
5000
x
2
reais por item. Determine a fun¸c˜ao custo total sabendo que
C = 5500 reais quando x = 1000.
7. O custo de produ¸c˜ao de um produto ´e C(x) = 3, 5x + 100 reais por mˆes, onde x ´e o
n´ umero de consumidores do produto. A renda marginal ´e dada por
dR
dx
= 13 −
x
40
reais por mˆes e R = 0 quando x = 0.
(a) Determine R como uma fun¸c˜ao de x.
(b) Determine o lucro total P como uma fun¸c˜ao de x.
8. Se a fun¸c˜ao receita marginal ´e dada por R

(x) = 3x
2
−12x + 10, ache:
(a) a fun¸c˜ao receita total;
(b) a equa¸c˜ao da demanda.
9. Para um determinado produto, a taxa de varia¸c˜ao da fun¸c˜ao custo total por unidade
de varia¸c˜ao em x ´e 3x e a curva do custo total cont´em o ponto (5, 45). Ache a fun¸c˜ao
custo total.
10. A matr´ıcula em certa faculdade vem crescendo a uma taxa de 1000(t + 1)
−1/2
estu-
dantes por ano desde 2001. Se a matr´ıcula em 2004 foi de 10.000 alunos, verifique:
(a) qual foi a matr´ıcula em 2001?
(b) quantos alunos s˜ao esperados em 2009 se o crescimento continuar na mesma
taxa?
118 [Matem´atica Aplicada]
Respostas
1. (a) y = −x
3
+ 6x +C
(b) y =
1
5
x
5
+
2
3
x
3
+
1
x
+C
(c) y =
1
12
(3x + 1)
4
+C
(d) y =
1
3
_
(x
2
+ 5)
3
+C
2. (a) y = 2x
3
+
1
x
+ 3x + 4
(b) y =
1
3
_
(x
2
+ 5)
3
−1
(c) y =
1
3
x
3
+
3
2
x
2
+
1
6
(d) 6y = 2x
3
+ 9x
2
+ 12x
3. (a) y
3
= 3x
2
+C
(b) 9y
4
= 8x
3
+C
(c) xy = C
(d)
1
y
=
2
3
_
(4 −x)
3
+C
4. (a) y
3
=
3
2
x
2
+ 21
(b) y =
1
5
e
5x
+
4
5
(c) y =
3
1−4x
3
(d) y =
6
4(4−x)
3/2
+3
5. (a) y = x
3
+
1
2
x
2
+ 3x + 2
(b) y =
1
12
x
4
+
1
2
x
3

5
6
x +
27
12
6. C(x) = 0, 05x −
5000
x
+ 5455 reais
7. (a) R(x) = 13x −
x
2
80
(b) P(x) = 9, 5x −
x
2
80
−100
8. (a) R(x) = x
3
−6x
2
+ 10x
(b) P(x) = x
2
−6x + 10
9. C(x) =
3
2
x
2
+
15
2
10. (a) 8.000 alunos.
(b) 12.000 alunos.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 119
2.7 Integra¸c˜ao por partes
Se u = f(x) e v = g(x) s˜ao fun¸c˜oes cont´ınuas e deriv´aveis em um mesmo intervalo I, ent˜ao
_
u dv = uv −
_
v du.
Pela regra do produto, temos:
[f(x) · g(x)]

= f

(x) · g(x) +f(x) · g

(x)
f(x) · g

(x) = [f(x) · g(x)]

−f

(x) · g(x)
Supondo que f

(x) · g(x) admita primitiva em I e como f(x) · g(x) ´e uma primitiva de
[f(x) · g(x)]

, ent˜ao f(x) · g

(x) tamb´em admitir´a primitiva em I.
Ent˜ao,
_
f(x) · g

(x) dx = f(x) · g(x) −
_
f

(x) · g(x) dx
_
f(x) · g

(x) dx = f(x) · g(x) −
_
g(x) · f

(x) dx
Como u = f(x) e v = g(x), ent˜ao du = f

(x) dx e dv = g

(x) dx
Portanto:
_
u dv = uv −
_
v du F´ormula de integra¸c˜ao por partes
Ao aplicar esta f´ormula no c´alculo de uma integral, devemos fazer uma parte do inte-
grando corresponder a dv. A express˜ao que escolhermos para dv deve incluir a diferencial
dx. Indicamos a parte restante do integrando por u e calculamos du.
Como este processo implica em separar o integrando em duas partes, atribuimos a este
processo a “denomina¸c˜ao integra¸c˜ao por partes”.
OBSERVAC¸
˜
OES:
1. No processo de integra¸c˜ao por partes devemos omitir a 1
a
constante de integra¸c˜ao
C
1
, que desaparece no decorrer do processo. Portanto, devemos indicar a constante
de integra¸c˜ao somente no final do processo.
2.
´
E importante a escolha adequada de dv. Em geral, fazemos dv representar a parte
mais complicada do integrando de modo a facilitar o c´alculo da integral.
3. Existem muitos casos em que ´e necess´ario aplicar a integra¸c˜ao por partes mais de
uma vez para obter a primitiva procurada.
Exemplo 1:
Calcule
_
lnx dx.
120 [Matem´atica Aplicada]
Solu¸c˜ao
Seja u = lnx e dv = dx
Assim,
du =
1
x
dx e
_
dv =
_
dx =⇒v = x +C
1
_
lnx dx = lnx(x +C
1
) −
_
(x +C
1
)
dx
x
=
xlnx +C
1
lnx −
_
dx −C
1
_
dx
x
= xlnx +C
1
lnx −x +C
1
ln|x| +C
Conclus˜ao
_
lnx
.¸¸.
u
dx
.¸¸.
dv
= xlnx −x +C
De acordo com a observa¸c˜ao (1) a constante C
1
desaparece no decorrer do processo.
Logo, esta constante deve ser omitida.
Processo adequado: n˜ao consideraremos a constante C
1
nos exemplos seguintes.
u = lnx =⇒ du =
dx
x
e dv = dx
Assim,
_
dv =
_
dx e v = x
_
lnx dx = lnx(x) −
_
x
dx
x
= xlnx −
_
dx = xlnx −x +C
Portanto, lnx dx = xlnx −x +C
Exemplo 2:
Calcule
_
xe
2x
dx
Solu¸c˜ao
C´alculo auxiliar
u = e
2x
du = 2e
2x
dx
;
dv = x dx
_
dv =
_
x dx =⇒v =
1
2
x
2
_
xe
ex
dx = e
2x
·
1
2
x
2

_
1
2
x
2
· 2e
2x
dx
_
xe
ex
dx =
1
2
x
2
e
2x

_
x
2
· e
2x
dx
Observamos que o expoente associado a x aumentou de 1 para 2 e nesse caso, a integral
`a direita ´e mais complexa que a integral inicial. A escolha de dv foi incorreta.
Consideremos:
u = x
du = dx
;
dv = e
2x
dx
_
dv =
_
e
2x
dx =⇒v =
1
2
e
2x
[Prof. Hiroshi Ouchi] 121
_
xe
2x
dx = x
1
2
e
2x

1
2
_
e
2x
dx
_
xe
2x
dx =
1
2
x e
2x

1
2
·
1
2
e
2x
+C
_
xe
2x
dx =
1
2
_
x −
1
2
_
e
2x
+C
Exemplo 3:
Calcule
_
xln3x dx
Solu¸c˜ao
Artif´ıcio
(a) u = ln 3x
du =
3
3x
dx
du =
dx
x
;
(b) dv = x dx
_
dv =
_
x dx
v =
x
2
2
_
xln3x dx =
_
(ln3x)
. ¸¸ .
u
x dx
.¸¸.
dv
_
xln3x dx = (ln3x)
x
2
2

1
2
_
x
2
dx
x
_
xln3x dx =
1
2
x
2
ln3x −
1
2
_
x dx
_
xln3x dx =
1
2
x
2
ln3x −
1
2
·
x
2
2
+C
Portanto:
_
xln3x dx =
1
2
x
2
_
ln3x −
1
2
_
+C
Exemplo 4:
Calcule
_
x
2
e
2x
dx
Solu¸c˜ao
C´alculos auxuliares
(a) u = x
2
du = 2x dx
;
(b) dv = e
2x
dx
_
dv =
_
e
2x
dx
v =
1
2
e
2x
_
x
2
e
2x
dx = x
2
1
2
e
2x

_
1
2
e
2x
2x dx
_
x
2
e
2x
dx =
1
2
x
2
e
2x

_
xe
2x
dx (I)
122 [Matem´atica Aplicada]
Devemos repetir o processo
(c) u = x
du = dx
;
(d) dv = e
2x
dx
v =
1
2
e
2x
_
xe
2x
dx = x
1
2
e
2x

_
1
2
e
2x
dx =
1
2
xe
2x

1
2
·
1
2
e
2x
+C
1
De (I), temos:
_
x
2
e
2x
dx =
1
2
x
2
e
2x

_
1
2
xe
2x

1
4
e
2x
+C
1
_
_
x
2
e
2x
dx =
1
2
x
2
e
2x

1
2
xe
2x
+
1
4
e
2x
+C
Portanto:
_
x
2
e
2x
dx =
1
2
e
2x
_
x
2
−x +
1
2
_
+C
Exerc´ıcios Propostos
1. Use o m´etodo de integra¸c˜ao por partes para calcular as integrais seguintes:
(a)
_
ln(x + 1) dx
(b)
_
x
n
lnx dx
(c)
_
x
2
e
x
dx
(d)
_
xe
−x
dx
(e)
_
(1 −x)e
x
dx
(f)
_
t ln(2t) dt
(g)
_
x
2
e
−x
dx
(h)
_
lnx
x
2
dx
(i)
_
x

x + 5 dx
(j)
_
t
1
x lnx dx
2. Determine a solu¸c˜ao particular da equa¸c˜ao diferencial
dy
dx
= xe
x−y
que satisfaz `a
equa¸c˜ao de contorno y = ln 2 para x = 0.
3. Determine a fun¸c˜ao cuja tangente tem inclina¸c˜ao (x + 1) · e
−x
para qualquer valor
de x cujo gr´afico passa pelo ponto P(1, 5).
[Prof. Hiroshi Ouchi] 123
Respostas
1. (a) (x + 1) · ln(x + 1) +C
(b)
x
n+1
n+1
_
lnx −
1
n + 1
_
+C
(c) x
2
e
x
−2xe
x
+ 2e
x
+C
(d) −(x + 1) · e
−x
+C
(e) (2 −x) · e
x
+C
(f)
1
2
t
2
_
ln2t −
1
2
_
+C
(g) −e
−x
(x
2
+ 2x + 2) +C
(h) −
1
x
(lnx + 1) +C
(i)
2
3
x(x + 5)
3/2

4
15
(x + 5)
5/2
+C
(j)
1
2
t
2
· lnt −
1
4
t
2
+
1
4
+C
2. y = ln [e
x
(x + 1) + 3] +C
3. y = −e
−x
(x + 2) + 5 +
3
e
+C
Exemplos Especiais
Exemplo 5:
Calcule
_
arc tg x dx
Solu¸c˜ao
C´alculos auxiliares
(a) u = arc tg x
du =
dx
1 +x
2
(b) dv = dx
_
dv =
_
dx
v = x
(c) t = 1 +x
2
dt = 2x dx
x dx =
dt
2
_
arc tg x dx = ( arc tg x) x −
_
x ·
dx
1 +x
2
_
arc tg x dx = x · arc tg x −
_
dt
2
t
_
arc tg x dx = x · arc tg x −
1
2
_
dt
t
_
arc tg x dx = x · arc tg x −
1
2
lnt +C
Conclus˜ao:
_
arc tg x dx = x · arc tg x −
1
2
ln|1 +x
2
| +C
124 [Matem´atica Aplicada]
Exemplo 6:
Calcule
_
x
3
· cos x
2
dx
Solu¸c˜ao
Temos,
_
x
2
· cos x
2
· x dx
C´alculos auxiliares
(a) t = x
2
dt = 2x dx =⇒x dx =
1
2
dt
Assim,
_
x
3
· cos x
2
dx =
_
t cos t
1
2
dt =
1
2
_
t cos t dt
(b) u = t
du = dt
(c) dv = cos t dt
_
dv =
_
cos t dt
v = sent
1
2
_
t cos t dt =
1
2
_
t sent −
_
sent dt
_
=
1
2
(t sent + cos t) +C
Conclus˜ao:
_
x
3
· cos x
2
dx =
1
2
(x
2
· senx
2
+ cos x
2
) +C
Exemplo 7:
Calcule
_
e
x
senx dx
Solu¸c˜ao
C´alculos auxiliares
(a) u = e
x
du = e
x
dx
(b) dv = senx dx
_
dv =
_
senx dx
v = −cos x
_
e
x
senx dx = e
x
(−cos x) −
_
−cos x e
x
dx
_
e
x
senx dx = −e
x
cos x +
_
e
x
cos x dx (I)
C´alculos auxiliares
(c) u = e
x
du = e
x
dx
(d) dv = cos x dx
_
dv =
_
cos x dx
v = senx
[Prof. Hiroshi Ouchi] 125
_
e
x
cos x dx = e
x
senx −
_
senx e
x
dx
De (I), temos:
_
e
x
senx dx = −e
x
cos x +e
x
senx −
_
e
x
senx dx
_
e
x
senx dx +
_
e
x
senx dx = e
x
senx −e
x
cos x
2
_
e
x
senx dx = e
x
( senx −cos x)
Conclus˜ao:
_
e
x
senx dx =
1
2
e
x
( senx −cos x) +C
Exemplo 8:
Calcule
_
sec
3
x dx
Solu¸c˜ao
Temos,
_
sec
3
x dx =
_
sec x · sec
2
x dx
C´alculos auxiliares
(a) u = sec x
du = sec x · tg x dx
(d) dv = sec
2
x dx
_
dv =
_
sec
2
x dx
v = tg x
_
sec
3
x dx = sec x · tg x −
_
tg x · sec x · tg x dx
_
sec
3
x dx = sec x · tg x −
_
tg
2
x · sec x dx
_
sec
3
x dx = sec x · tg x −
_
(sec
2
x −1) · sec x dx
_
sec
3
x dx = sec x · tg x −
_
sec
3
x dx +
_
sec x dx
_
sec
3
x dx +
_
sec
3
x dx = sec x · tg x +
_
sec x dx
2
_
sec
3
x dx = sec x · tg x +
_
sec x dx
Conclus˜ao:
_
sec
3
x dx =
1
2
sec x · tg x +
1
2
ln| sec x + tg x| +C
Exerc´ıcios Propostos
4. Calcule
_
x · sec
2
x dx
5. Calcule
_
x · senx dx
6. Calcule
_
(x −1) · e
−x
dx
126 [Matem´atica Aplicada]
7. Calcule
_
xe
−x/5
dx
8. Calcule
_
e
3x
cos 4x dx
9. Calcule
_
x
2
· lnx dx
10. Calcule
_
arc senx dx
Respostas
4. xtg x + ln| cos x| +C
5. −xcos x + senx +C
6. −xe
−x
+C
7. −5(x + 5)e
−x/5
+C
8.
e
3x
25
(4 sen 4x + 3 cos 4x) +C
9.
1
3
x
3
_
lnx −
1
3
_
+C
10. xarc senx +

1 −x +C
2.8 Teorema Fundamental do C´alculo: A integral definida
Seja a fun¸c˜ao f(x), cont´ınua no intervalo fechado [a, b], isto ´e, a ≤ x ≤ b e seja F(x) a
antiderivada de f(x) nesse intervalo.
Assim,
_
f(x) dx = F(x) +C
A nota¸c˜ao
_
b
a
f(x) dx indica que a integral est´a definida de a at´e b, onde os n´ umeros
a e b s˜ao denominados limites de integra¸c˜ao. No caso, a ´e o limite inferior e b ´e o limite
superior.
Defini¸c˜ao
_
b
a
f(x) dx = F(x)
¸
¸
¸
¸
b
a
= F(b) −F(a)
onde F(x) ´e antiderivada da fun¸c˜ao f(x).
Este teorema relaciona a integral definida `a antideriva¸c˜ao.
NOTA: No c´alculo da integral definida devemos, por conveniˆencia, omitir a constante
C, para evitar c´alculos desnecess´arios, uma vez que a constante C ´e eliminada no decorrer
do processo.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 127
Justificativa:
_
b
a
f(x) dx = F(x)+C
¸
¸
¸
¸
b
a
= [F(b)+C]−[F(a)+C] = F(b)+C−F(a)−C = F(b)−F(a)
Conclus˜ao
_
b
a
f(x) dx = F(x)
¸
¸
¸
¸
b
a
= F(b) −F(a)
Exemplo 1
Calcule
_
3
1
(3x
2
+x −2) dx
Solu¸c˜ao
C´alculo da integral indefinida
_
(3x
2
+x −2) dx = x
3
+
1
2
x
2
−2x +C
Portanto
_
3
1
(3x
2
+x −2) dx = x
3
+
1
2
x
2
−2x
¸
¸
¸
¸
3
1
=
= (3)
3
+
1
2
(3)
2
−2(3) −
_
(1)
3
+
1
2
(1)
2
−2(1)
_
=
= 27 +
9
2
−6 −
_
1 +
1
2
−2
_
=
= 21 +
9
2

1
2
+ 1 = 22 +
8
2
= 22 + 4 = 26
Portanto,
_
3
1
(3x
2
+x −2) dx = 26
Outro processo:
_
3
1
(3x
2
+x −2) dx = x
3
+
1
2
x
2
−2x
¸
¸
¸
¸
3
1
Temos, F(x) = x
3
+
1
2
x
2
−2x
F(3) = 3
3
+
1
2
(3)
2
−2(3) = 27 +
9
2
−6 = 21 +
9
2
F(1) = 1
3
+
1
2
(1)
2
−2(1) = 1 +
1
2
−2 =
1
2
−1
F(3) −F(1) = 21 +
9
2

_
1
2
−1
_
F(3) −F(1) = 21 + 1 +
9
2

1
2
= 22 +
8
2
= 22 + 4 = 26
Conclus˜ao,
_
3
1
(3x
2
+x −2) dx = 26
Exemplo 2
Calcule
_
3
−2
(6x
2
−5) dx
128 [Matem´atica Aplicada]
Solu¸c˜ao
C´alculo da integral indefinida
_
(6x
2
−5) dx = 2x
3
−5x +C
_
3
−2
(6x
2
−5) dx = 2x
3
−5x
¸
¸
¸
¸
3
−2
=
= [2(3)
3
−5(3)] −[2(−2)
3
−5(−2)] =
= 54 −15 −(−16 + 10) = 39 −(−6) = 39 + 6 = 45
Portanto,
_
3
−2
(6x
2
−5) dx = 45
Outro Processo
F(x) = 2x
3
−5x
F(3) = 2(3)
3
−5(3) = 54 −15 = 39
F(−2) = 2(−2)
3
−5(−2) = −16 + 10 = −6
F(3) −F(−2) = 39 −(−6) = 39 + 6 = 45
Portanto,
_
3
−2
(6x
2
−5) dx = 45
Exemplo 3
Calcule
_
3
0
(x
2
−3x) dx
Solu¸c˜ao
_
(x
2
−3x) dx =
x
3
3

3
2
x
2
+C
F(3) =
3
3
3

3
2
(3)
2
= 9 −
27
2
F(0) =
0
3
3

3
2
(0)
2
= 0
F(3) −F(0) = 9 −
27
2
−0 =
18 −27
2
= −
9
2
Logo,
_
3
0
(x
2
−3x) dx = −
9
2
_
3
0
(x
2
−3x) dx =
x
3
3

3
2
x
2
¸
¸
¸
¸
3
0
=
3
3
3

3
2
(3)
2

_
0
3
3

3
2
(0)
2
_
= 9 −
27
2
−0 = −
9
2
Exemplo 4
Calcule
_
3
1
2x
3
−4x
2
+ 5
x
2
dx
[Prof. Hiroshi Ouchi] 129
Solu¸c˜ao
_
2x
3
−4x
2
+ 5
x
2
dx = 2
_
x
3
x
2
dx −4
_
x
2
x
2
dx + 5
_
dx
x
2
=
= 2
_
x dx −4
_
dx + 5
_
x
−2
dx = x
2
−4x −
5
x
+C
Portanto:
_
3
1
2x
3
−4x
2
+ 5
x
2
dx = x
2
−4x −
5
x
¸
¸
¸
¸
3
1
= 3
2
−4(3) −
5
3

_
1
2
−4(1) −
5
1
_
=
= 9 −12 −
5
3
−(1 −4 −5) = −3 −
5
3
+ 8 = 5 −
5
3
=
10
3
Conclus˜ao:
_
3
1
2x
3
−4x
2
+ 5
x
2
dx =
10
3
Exemplo 5
Calcule
_
10
2
3 dx

5x −1
Solu¸c˜ao
Devemos resolver a integral indefinida utilizando o m´etodo da substitui¸c˜ao.
Seja,
u = 5x −1
du = 5 dx =⇒dx =
1
5
dx
_
3 dx

5x −1
= 3
_
1
5
du

u
=
3
5
_
du
u
1/2
=
3
5
_
u
−1/2
du =
3
5
·
u
1/2
1
2
+C =
=
3
5
·
2
1

u +C =
6
5

u +C =
6
5

5x −1 +C
1
o
Processo
_
10
2
3 dx

5x −1
=
6
5

5x −1
¸
¸
¸
¸
10
2
=
6
5
_

5x −1
_
10
2
=
6
5
(

50 −1 −

10 −1) =
=
6
5
(

49 −

9) =
6
5
(7 −3) =
6
5
(4) =
24
5
Assim,
_
10
2
3 dx

5x −1
=
24
5
2
o
Processo
_
3 dx

5x −1
=
6
5

u +C
Logo,
_
_
_
x = 2 =⇒ u = 5(2) −1 = 9
x = 10 =⇒ u = 5(10) −1 = 49
130 [Matem´atica Aplicada]
_
10
2
3 dx

5x −1
=
6
5

u
¸
¸
¸
¸
49
9
=
6
5
(

49 −

9) =
6
5
(7 −3) =
6
5
(4) =
24
5
_
10
2
3 dx

5x −1
=
24
5
Exerc´ıcios Propostos
1. Calcule as seguintes integrais definidas.
(a)
_
2
0
(x
2
−4) dx
(b)
_
3
−1
3x
2
dx
(c)
_
4
1
2
dx
x
(d)
_
9
1

x dx
(e)
_
e
1
lnx ·
dx
x
(f)
_
3
0
(3y −y
2
) dy
(g)
_
2
1
(3x
2
−4x + 1) dx
(h)
_
2
0
(4x −2x
2
) dx
(i)
_
2
1
_
x
2
8
+
2
x
2
_
dx
2. Calcule as integrais definidas seguintes, usando o teorema fundamental do c´alculo.
(a)
_
1
0
(x
4
+ 2x
2
+ 1)(x
3
+x) dx
(b)
_
2
0
2x
2
_
x
3
+ 1 dx
(c)
_
4
0
4x dx

x
2
+ 9
(d)
_
1
0
8x(x
2
+ 1)
3
dx
(e)
_
3
0
x

1 +x dx
(f)
_
1
−1
(
3

x
4
+ 4
3

x) dx
Respostas
1. (a)
16
3
(b) 28
[Prof. Hiroshi Ouchi] 131
(c) 2 ln4
(d)
52
3
(e)
1
2
(f)
9
2
(g) 2
(h)
8
3
(i)
31
24
2. (a)
7
6
(b)
104
9
(c) 8
(d) 15
(e)
116
15
(f)
6
7
2.8.1 A integral definida
Interpreta¸c˜ao geom´etrica (Teorema fundamental do c´alculo integral)
Seja f(x) uma fun¸c˜ao cont´ınua definida no intervalo [a, b] e tal que f(x) ≥ 0.
A integral definida
_
b
a
f(x) dx representa a ´area da regi˜ao compreendida entre o gr´afico
de f(x), o eixo x e as retas verticais x = a e x = b.
Figura 2.2: interpreta¸c˜ao geom´etrica
Indicando por A a ´area destacada, temos:
A =
_
b
a
f(x) dx
132 [Matem´atica Aplicada]
OBSERVAC¸
˜
OES: A letra que representa a vari´avel independente pode ser escolhida
arbitrariamente.
A =
_
b
a
f(x) dx =
_
b
a
f(t) dt =
_
b
a
f(u) du , . . . , etc.
Seja A(x) a fun¸c˜ao que a cada x associa a ´area sob o gr´afico de f no intervalo [a, b].
Figura 2.3: A(x)
Segue-se ent˜ao que A(a) = 0 e A(b) =
_
b
a
f(x) dx
Devemos evitar escrever A(x) =
_
x
a
f(x) dx para poder destacar que a vari´avel x ´e
um dos extremos do intervalo de integra¸c˜ao.
Neste caso, devemos escrever A(x) =
_
x
a
f(t) dt.
Seja f(x) ≥ 0 , ∀x ∈ [a, b]
Figura 2.4:
´
Area
Temos A
1
= A
2
e:
1.
_
b
a
f(x) dx: representa a ´area sob o gr´afico de f, de a at´e b.
2. f(z) · (b −a): representa a ´area do retˆangulo ABCD.
Ent˜ao, existe um n´ umero z entre a e b tal que a ´area do retˆangulo de altura f(z) e
[Prof. Hiroshi Ouchi] 133
base (b − a) ´e igual `a ´area A da regi˜ao sob o gr´afico de f de a at´e b. (teorema do valor
m´edio)
Portanto
_
b
a
f(x) dx = f(z)(b −a)
Demonstra¸c˜ao do teorema fundamental do c´alculo integral para o caso em que f(x) ≥ 0.
Figura 2.5: demonstra¸c˜ao do teorema
Para qualquer valor de x entre a e b, consideramos A(x) a ´area sob a curva y = f(x)
no intervalo [a, b].
Sejam x e x +h n´ umeros no intervalo [a, b].
Por defini¸c˜ao, a express˜ao A(x + h) − A(x) representa a ´area sob a curva y = f(x)
entre x e x +h. Para pequenos valores de h, essa ´area ´e aproximadamente igual `a ´area de
um retˆangulo de altura f(x) e largura h.
A(x +h) −A(x) f(x) · h
A(x +h) −A(x) = f(z) · h (TVMI)
A(x +h) −A(x)
h
= f(z)
lim
h→0
+
A(x +h) −A(x)
h
= lim
h→0
+
f(z)
A

(x) = f(x)
Portanto A(x) ´e uma antiderivada de f(x).
Suponhamos que F(x) seja outra antiderivada de f(x). Nesse caso, de acordo com a
propriedade fundamental das antiderivadas, temos:
A(x) = F(x) +C
onde C ´e uma constante arbitr´aria e a ≤ x ≤ b. Como A(x) representa a ´area sob a curva
y = f(x) entre a e x, A(a) ´e a ´area entre a e a, isto ´e, A(a) = 0.
Assim,
_
_
_
A(a) = F(a) +C
0 = F(a) +C
134 [Matem´atica Aplicada]
Logo, C = −F(a)
A(b) representa a ´area sob a curva y = f(x) entre a e b.
A(b) = F(b) +C
A(b) = F(b) −F(a)
Como a ´area sob a curva y = f(x) ´e dada por
_
b
a
f(x) dx, concluimos:
A(b) =
_
b
a
f(x) dx = F(b) −F(a)
RESUMO: Teorema fundamental do c´alculo integral
Se f(x) ´e uma fun¸c˜ao cont´ınua no intervalo [a, b] e F(x) ´e uma fun¸c˜ao tal que
F

(x) = f(x), ∀x ∈ [a, b], ent˜ao
_
b
a
f(x) dx = F(x)
_
b
a
= F(b) −F(a)
OBSERVAC¸
˜
OES:
1. f(x) > 0
Figura 2.6: f(x) > 0
A =
_
b
a
f(x) dx > 0
2. f(x) < 0
Temos
_
b
a
f(x) dx < 0
A = −
_
b
a
f(x) dx
[Prof. Hiroshi Ouchi] 135
Figura 2.7: f(x) < 0
3. .
Figura 2.8: A = A
1
+A
2
A = −
_
c
a
f(x) dx +
_
b
c
f(x) dx onde A representa a ´area de y = f(x) de a at´e b
ou A =
¸
¸
¸
¸
_
c
a
f(x) dx
¸
¸
¸
¸
+
_
b
c
f(x) dx
Exemplo 1
Calcule a ´area da regi˜ao R limitada pelo gr´afico de f(x) = 8−2x e os eixos coordenados.
Figura 2.9: Exemplo 1
136 [Matem´atica Aplicada]
Solu¸c˜ao
1. Geom´etrica
A =
4 · 8
2
= 16
Logo, A = 16 u.a.
2. C´alculo
_
(8 −2x) dx = 8x −x
2
+C
A =
_
4
0
(8 −2x) dx = 8x −x
2
_
4
0
= 32 −16 −0 = 16
A = 16 u.a.
Exemplo 2
Determine a ´area limitada pela par´abola y = −x
2
+ 4x e o eixo x.
Figura 2.10: Exemplo 2
Solu¸c˜ao
_
(−x
2
+ 4x) dx = −
x
3
3
+ 2x
2
+C
A =
_
4
0
(−x
2
+ 4) dx = −
x
3
3
+ 2x
2
_
4
0
= −
64
3
+ 32 −
_

0
3
3
+ 2(0)
2
_
A =
−64 + 96
3
−0 =
32
3
A =
32
3
u.a.
Exemplo 3
Calcule a ´area da regi˜ao destacada abaixo, relativa `a fun¸c˜ao f(x) = x
2
−3x
[Prof. Hiroshi Ouchi] 137
Figura 2.11: Exemplo 3
Solu¸c˜ao
Seja A
1
a ´area destacada quando f(x) ´e negativa e A
2
a ´area destacada para f(x)
positiva.
A
1
= −
_
3
0
(x
2
−3x) dx = −
_
x
3
3

3
2
x
2
_
3
0
= −
_

9
2
−0
_
=
9
2
A
2
=
_
4
3
(x
2
−3x) dx =
_
x
3
3

3
2
x
2
_
4
3
=
11
6
A = A
1
+A
2
=
9
2
+
11
6
Portanto, A =
19
3
u.a.
Exemplo 4
Determine a ´area da regi˜ao plana compreendida pelo gr´afico de y = x
2
−4 e o eixo x.
(fun¸c˜ao par)
Figura 2.12: Exemplo 4
138 [Matem´atica Aplicada]
Solu¸c˜ao
_
2
−2
(x
2
−4) dx = 2
_
2
0
(x
2
−4) dx = 2
_
x
3
3
−4x
_
2
0
=
2
__
8
3
−8
_
−0
_
= 2
_
8
3
−8
_
= 2
_

16
3
_
= −
32
3
< 0
A = −
_
2
−2
(x
2
−4) dx = −2
_
2
0
(x
2
−4) dx = −2
_

16
3
_
=
32
3
A =
32
3
u.a.
Exemplo 5
Calcule a ´area entre o gr´afico de f(x) = x
2
−5x + 9 e o eixo x no intervalo [1, 4], isto
´e, 1 ≤ x ≤ 4.
Figura 2.13: Exemplo 5
Solu¸c˜ao
_
(x
2
−5x + 9) dx =
x
3
3

5
2
x
2
+ 9x +C
A =
_
4
1
(x
2
−5x + 9) dx =
x
3
3

5
2
x
2
+ 9x
_
4
1
=
52
3

41
6
=
21
2
A =
21
2
u.a.
Exerc´ıcios Propostos
1. Calcule a ´area da regi˜ao limitada pela curva y = x
3
+ 3x
2
e o eixo x no intervalo
[0, 2].
2. Ache a ´area da regi˜ao limitada pela curva y = x
2
− 4x, o eixo x a as retas x = 1 e
x = 3.
3. Ache a ´area da regi˜ao limitada pela curva y = −x
2
+ 4x −3 e o eixo x.
4. Ache a ´area limitada pela curva y = x
3
−4x e o eixo x.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 139
5. Calcule a ´area da regi˜ao R limitada pela curva y =

x, pelas retas x = 4 e x = 9 e
pelo eixo x.
6. Obtenha as ´areas destacadas:
(a) (b)
(c) (d)
Respostas
1. A = 12 u.a.
2.
22
3
u.a.
3.
4
3
u.a.
4. 8 u.a.
5.
38
3
u.a.
6. (a) 9 u.a.
(b)
8
3
u.a.
(c)
8
3
u.a.
(d) 4 u.a.
140 [Matem´atica Aplicada]
2.8.2
´
Area da regi˜ao compreendida entre duas curvas
Sejam f(x) e g(x) fun¸c˜oes cont´ınuas n˜ao-negativas e tais que f(x) ≥ g(x).
Figura 2.14: ´area da regi˜ao entre f(x) e g(x)
A
1
= ´area entre a curva y = f(x), o eixo x e as verticais x = a e x = b
A
2
= ´area entre a curva y = g(x), o eixo x e as verticais x = a e x = b
A = ´area entre as curvas y = f(x) e y = g(x) e as verticais x = a e x = b
Logo, A = A
1
−A
2
A =
_
b
a
f(x) dx −
_
b
a
g(x) dx
A =
_
b
a
[f(x) −g(x)] dx
OBSERVAC¸
˜
OES: Para determinar a ´area da regi˜ao R entre as curvas f(x) e g(x), de
x = a at´e x = b, deve-se subtrair a ´area da curva inferior y = g(x) da ´area da curva
superior y = f(x).
Exemplo 1
Calcule a ´area da regi˜ao limitada pela par´abola y = −x
2
+ 2 e pela reta y = −x.
Solu¸c˜ao
C´alculo da intersec¸c˜ao das curvas
−x = −x
2
+ 2
x
2
− x − 2 = 0
_
_
_
x = −1
x = 2
A(−1, 1) e B(2, −2) Intersec¸c˜oes da par´abola com a
reta
Pontos da par´abola: A(−1, 1), B(2, −2), C(0, 2) e D(1, 1)
[Prof. Hiroshi Ouchi] 141
Figura 2.15: Exemplo 1
∆A = [−x
2
+ 2 −(−x)] dx = (−x
2
+x + 2) dx
Limites de integra¸c˜ao:
_
_
_
limite inferior = −1
limite superior = 2
A =
_
2
−1
(−x
2
+x + 2) dx = −
x
3
3
+
x
2
2
+ 2x
_
2
−1
=
9
2
A =
9
2
u.a.
Exemplo 2
Determine a ´area da regi˜ao R compreendida entre as curvas y = x
2
e y = −x
2
+ 4x.
Solu¸c˜ao
C´alculo dos pontos de intersec¸c˜ao
x
2
= −x
2
+ 4x
2x
2
−4x = 0
x
2
−2x = 0
_
_
_
x = 0
x = 2
Intersec¸c˜oes: (0, 0) e (2, 4)
Figura 2.16: Exemplo 2
_
_
_
limite inferior = 0
limite superior = 2
142 [Matem´atica Aplicada]
A =
_
2
0
(−2x
2
+ 4x) dx = −
2
3
x
3
+ 2x
2
_
2
0
=
_

16
8
+ 8
_
−0 =
8
3
A =
8
3
u.a.
Exemplo 3
Determine a ´area da regi˜ao R compreendida entre as curvas y = x
2
+ 1 e y = 2x − 2
desde x = −1 at´e x = 2.
Solu¸c˜ao
Temos: x
2
+ 1 = 2x −2
x
2
−2x + 3 = 0 ; ∆ = 4 −12 = −8 < 0
A par´abola n˜ao intercepta a reta.
Figura 2.17: Exemplo 3
Temos:
∆A = [x
2
+ 1 −(2x −2)] dx = (x
2
−2x + 3) dx
A =
_
2
−1
(x
2
−2x + 3) dx =
x
3
3
−x
2
+ 3x
_
2
−1
= 9
A = 9 u.a.
Exerc´ıcios Propostos
1. Determine a ´area da regi˜ao R compreendida pelas curvas y = x
2
e y = x.
2. Determine a ´area da regi˜ao limitada pelas curvas y = x
3
e y = 2x
2
.
3. Determine a ´area da regi˜ao compreendida entre as curvas y = x
2
+ 12 e y = 4x
2
.
4. Determine a ´area da regi˜ao compreendida entre a curva y = x
3
e a reta y = 9x.
5. Determine a ´area da regi˜ao limitada pela curva y = x
3
+ 3x
2
e a reta y = 4x.
6. Calcule a ´area da regi˜ao limitada pelas retas y = x + 1, y = −2x + 7 e y =
−x + 2
2
.
7. Determine a ´area da regi˜ao limitada pelas curvas de equa¸c˜oes x = y
2
−2y e x = 2y−3.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 143
8. Calcule a ´area entre as curvas x =

y e y
2
= 8x.
Respostas
1. A =
1
6
u.a.
2. A =
4
3
u.a.
3. A = 32 u.a.
4. A =
81
4
u.a.
5. A =
131
4
u.a.
6. A = 6 u.a.
7. A =
4
3
u.a.
8. A =
8
3
u.a.
144 [Matem´atica Aplicada]
Apˆendice A
Teorema de Rolle
O teorema tem esse nome em homenagem ao matem´atico francˆes Michel Rolle (1652-1719).
Seja f uma fun¸c˜ao cont´ınua no intervalo fechado [a, b] e tal que f seja diferenci´avel
no intervalo aberto ]a, b[ e f(a) = f(b). Existe pelo menos um n´ umero real c no intervalo
aberto ]a, b[ tal que f

(c) = 0.
Temos dois casos a considerar:
1
o
caso: f(x) = f(a) = f(b) para todo x ∈ [a, b]
Nesse caso, f ´e uma fun¸c˜ao constante e ent˜ao f

(x) = 0 para todo x ∈ [a, b]. Logo,
todo n´ umero c em ]a, b[ ´e um n´ umero cr´ıtico.
2
o
caso: f(x) = f(a) = f(b)
1. f(x) > f(a) = f(b) para x ∈ [a, b]
Nesse caso o valor m´aximo de f em [a, b] ´e maior do que f(a) = f(b) e assim, deve
ocorrer em algum n´ umero c tal que c ∈ [a, b]. Como a derivada existe em todo ]a, b[,
concluimos que f

(c) = 0.
2. f(x) < f(a) = f(b) para x ∈ [a, b]
O valor m´ınimo de f em [a, b] ´e menor do que f(a) = f(b) e deve ocorrer em algum
c ∈]a, b[. Como a derivada existe em todo x ∈]a, b[, concluimos que f

(c) = 0.
OBSERVAC¸
˜
OES:
1. O teorema mostra que existe pelo menos um ponto P da curva onde a reta tangente
´e paralela ao eixo x.
2. Pode haver mais de um ponto no intervalo ]a, b[ cuja derivada seja nula.
145
146 [Matem´atica Aplicada]
Figura A.1: Observa¸c˜ao 2
f

(c
1
) = f

(c
2
) = f

(c
3
) = 0
3. N˜ao ´e necess´ario que a fun¸c˜ao seja diferenci´avel nos extremos a e b do intervalo para
garantir a existˆencia da reta tangente horizontal.
´
E fundamental que f seja cont´ınua
em [a, b] e deriv´avel em ]a, b[.
Figura A.2: Observa¸c˜ao 3
f(a) = f(b) = 0
∃f

(a) e ∃f

(b) e f

(c) = 0
Conclus˜ao
f deve ser cont´ınua em [a, b] e deve ser deriv´avel em ]a, b[ sendo f(a) = f(b).
4. A hip´otese do teorema de Rolle de que a fun¸c˜ao f ´e deriv´avel em ]a, b[ ´e fundamental
pois sem esta hipot´ese n˜ao podemos aplicar o teorema.
N˜ao existe c tal que f

(c) = 0 pois a fun¸c˜ao n˜ao ´e deriv´avel em ]a, b[.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 147
Figura A.3: Observa¸c˜ao 4
Aplica¸c˜ao
Verifique se a fun¸c˜ao f(x) = 4x
3
− 9x verifica as hip´oteses do teorema de Rolle em
cada um dos intervalos:
_

3
2
, 0
_
,
_
0,
3
2
_
e
_

3
2
,
3
2
_
.
Solu¸c˜ao
Considerando a = −
3
2
e b = 0, vem:
f

(x) = 12x
2
−9
12x
2
−9 = 0
4x
2
−3 = 0
4x
2
= 3
x
2
=
3
4
_
x = ±

3
2
No intervalo
_

3
2
, 0
_
consideramos c = −
1
2

3.
No intervalo
_
0,
3
2
_
consideramos c =
1
2

3.
No intervalo
_

3
2
,
3
2
_
temos c
1
= −

3
2
e c
2
=

3
2
.
OBSERVAC¸
˜
AO:
O teorema de Rolle ´e usado para demonstrar um dos teoremas mais importantes do
c´alculo, que ´e o teorema do valor m´edio, muito usado para demonstrar outros teoremas
do c´alculo diferencial e integral.
148 [Matem´atica Aplicada]
Apˆendice B
Teorema do Valor M´edio
(teorema de Lagrange ou teorema dos acr´escimos finitos)
Seja f uma fun¸c˜ao cont´ınua no intervalo fechado [a, b] e diferenci´avel no intervalo aberto
]a, b[. Existe pelo menos um n´ umero c no intervalo aberto ]a, b[ tal que f

(c) =
f(b) −f(a)
b −a
.
Consideremos os pontos A(a, f(a)) e B(b, f(b)) no gr´afico da fun¸c˜ao.
Figura B.1: Teorema do Valor M´edio
O objetivo do teorema (interpreta¸c˜ao geom´etrica) ´e mostrar que existe pelo menos um
ponto (T) na curva y = f(x) em que a reta tangente `a curva nesse ponto T ´e paralela `a
reta secante que passa por A e B.
Seja (s) a reta secante que passa por Ae B e cujo coeficiente angular ´e m
s
=
f(b) −f(a)
b −a
( tg α) e cuja equa¸c˜ao ´e y −f(a) = m
s
(x −a)
y −f(a) =
f(b) −f(a)
b −a
(x −a)
y = f(a) +
f(b) −f(a)
b −a
(x −a)
Seja g(x) uma fun¸c˜ao auxiliar que determina a distˆancia vertical entre um ponto
(x, f(x)) no gr´afico de f e o ponto correspondente (x, y) na reta secante (s) que passa
149
150 [Matem´atica Aplicada]
por A e B.
g(x) = f(x) −y
g(x) = f(x) −f(a) −
f(b) −f(a)
b −a
(x −a) (I)
Esta fun¸c˜ao g(x) satisfaz `as trˆes hip´oteses do teorema de Rolle.
1. A fun¸c˜ao g(x) ´e cont´ınua no intervalo fechado [a, b], pois ´e a soma de f com um
polinˆomio linear, que s˜ao cont´ınuos.
2. A fun¸c˜ao ´e deriv´avel em ]a, b[.
3. Da equa¸c˜ao (I), vemos que g(a) = g(b) = 0.
Logo, g(x) satisfaz `as hip´oteses do teorema de Rolle.
g

(x) = f

(x) −
f(b) −f(a)
b −a
Existe c tal que g

(c) = 0, de acordo como teorema de Rolle.
g

(c) = f

(c) −
f(b) −f(a)
b −a
0 = f

(c) −
f(b) −f(a)
b −a
Conclus˜ao, f

(c) =
f(b) −f(a)
b −a
OBSERVAC¸
˜
OES:
1. A demonstra¸c˜ao do teorema do valor m´edio ´e uma aplica¸c˜ao do teorema de Rolle,
enquanto o teorema de Rolle ´e uma caso especial do teorema do valor m´edio em que
f(a) = f(b) = 0.
2. f

(c) ´e o coeficente angular da reta tangente ao gr´afico de y = f(x) no ponto T de
abscissa x = c.
3. Como f

(c) =
f(b) −f(a)
b −a
e m
s
=
f(b) −f(a)
b −a
, vemos que m
t
= m
s
. Logo, a reta
tangente (t) ´e paralela `a reta secante (s).
4. Pode existir mais de uma reta tangente ao gr´afico de y = f(x) e que seja paralela `a
reta secante (s).
[Prof. Hiroshi Ouchi] 151
Figura B.2: Observa¸c˜ao 4
Determine um ponto c no intervalo [1, 2] tal que a tangente ao gr´afico de f(x) = x
2
,
nesse ponto, seja paralela `a reta definida pelos pontos de abscissas 1 e 2 da curva. A
seguir, determine o ponto P(c, f(c)) no gr´afico de f(x).
Solu¸c˜ao
f(2) = 2
2
= 4 e f(1) = 1
2
= 1
f

(x) = 2x
f

(c) =
f(b) −f(a)
b −a
2c =
f(2) −f(1)
2 −1
2c =
4 −1
1
c =
3
2
3
2
∈ ]1, 2[
f
_
3
2
_
=
_
3
2
_
2
=
9
4
P
_
3
2
,
9
4
_
152 [Matem´atica Aplicada]
Dada a fun¸c˜ao f(x) =
3

x
2
, trace um esbo¸co do gr´afico de f. Mostre que n˜ao existe
n´ umero c no intervalo aberto ] −2, 2[ tal que f

(c) =
f(2) −f(−2)
2 −(−2)
.
Que condi¸c˜ao da hip´otese do teorema do valor m´edio n˜ao ´e verificada para f quando
a = −2 e b = 2?
Solu¸c˜ao
f

(x) =
2
3
x
−1/3
f

(x) =
2
3
3

x
e f

(c) =
2
3
3

c
N˜ao existe c tal que
2
3
3

c
= 0. A fun¸c˜ao ´e cont´ınua no intervalo fechado [−2, 2].
Entretanto f n˜ao ´e deriv´avel no intervalo aberto ] −2, 2[, pois n˜ao existe f

(0). A condi¸c˜ao
do teorema de que f deve ser deriv´avel no intervalo aberto ] −2, 2[ n˜ao ´e verificada.
Exerc´ıcios Propostos
1. Seja f(x) = x
2
+ 5x. Verifique se existe um n´ umero c no intervalo aberto 1 < x < 3
que atenda `as hip´oteses do teorema do valor m´edio.
2. Dada a fun¸c˜ao f(x) = x
3
− 5x
2
− 3x, verifique se a hip´otese do teorema do valor
m´edio ´e satisfeita para a = 1 e b = 3. Encontre todos os n´ umeros c no intervalo
aberto ]1, 3[ tais que f

(c) =
f(3) −f(1)
3 −1
.
3. Mostre que as hip´oteses do teorema de Rolle s˜ao satisfeitas para a fun¸c˜ao f(x) = 6x
2
−x
3
no intervalo [0, 6].
Ache o valor de c no intervalo aberto ]0, 6[ para o qual f

(c) = 0 e fa¸ca o gr´afico da
fun¸c˜ao.
Respostas
1. c = 2
2. c =
7
3
[Prof. Hiroshi Ouchi] 153
3. Como a fun¸c˜ao f ´e polinomial, ela ´e cont´ınua e diferenci´avel em todo ponto e
f(0) = f(6) = 0.
c = 4
Exerc´ıcios Especiais
1. Mostre que a equa¸c˜ao e
x
+ x = 0 admite uma ´ unica ra´ız real utilizando o teorema
de Rolle.
Solu¸c˜ao
Seja f(x) = e
x
+x
lim
x→∞
f(x) = ∞ e lim
x→−∞
f(x) = −∞
Observamos ent˜ao que o gr´afico de f(x) corta o eixo x pelo menos uma vez, pois f
´e cont´ınua em R.
Devemos verificar que o gr´afico de f corta o eixo x uma ´ unica vez.
Suponhamos que x
1
e x
2
sejam duas ra´ızes distintas de f(x) e tais que x
1
< x
2
.
Consideremos o teorema de Rolle em [x
1
, x
2
].
(a) f(x) ´e cont´ınua em [x
1
, x
2
].
(b) f(x) ´e deriv´avel em ]x
1
, x
2
[.
(c) f(x
1
) = f(x
2
) = 0 pois por hip´otese x
1
e x
2
s˜ao ra´ızes de f(x).
De acordo com o teorema de Rolle existe um n´ umero c ∈ ]x
1
, x
2
[ tal que f

(c) = 0.
Mas isto ´e um absurdo, pois f

(x) = e
x
+ 1 = 0, ∀x ∈ R.
Conclus˜ao: f(x) s´o pode ter uma ´ unica ra´ız.
154 [Matem´atica Aplicada]
2. Mostre que senx ≤ x para x ≥ 0.
Solu¸c˜ao
Seja f(x) = x − senx onde D(f) = R
+
Como cos x ≤ 1 temos que f

(x) ≥ 0
Sendo f

(x) ≥ 0, concluimos que f ´e crescente para x ≥ 0.
Temos,
f(0) = 0 − sen0
f(0) = 0
Como f(0) = 0 e f(x) ´e crescente para x ≥ 0, ent˜ao
f(x) ≥ f(0)
f(x) ≥ 0
x − senx ≥ 0
−senx ≥ −x (−1)
Conclus˜ao: senx ≤ x para x ≥ 0
3. Seja f uma fun¸c˜ao cont´ınua no intervalo fechado [a, b] e deriv´avel no intervalo aberto
]a, b[. Mostre que se f

(x) > 0 para todo x ∈ ]a, b[, ent˜ao f ´e crescente em [a, b].
Solu¸c˜ao
Sejam x
1
e x
2
dois n´ umeros quaisquer em [a, b] tais que x
1
< x
2
. Ent˜ao f ´e
cont´ınua em [x
1
, x
2
] e deriv´avel em ]x
1
, x
2
[. Pelo teorema do valor m´edio, segue-
se que ∃ c ∈ ]x
1
, x
2
[ tal que f

(c) =
f(x
2
) −f(x
1
)
x
2
−x
1
(I).
Por hip´otese f

(x) > 0 para todo x ∈ ]a, b[.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 155
Ent˜ao f

(c) > 0. Como x
1
< x
2
, ent˜ao x
2
−x
1
> 0. Assim x
2
> x
1
.
Considerando a igualdade (I), concluimos que f(x
2
)−f(x
1
) > 0, ou seja, f(x
2
) > f(x
1
),
ent˜ao podemos concluir que f ´e crescente em [a, b].
4. Demonstre que, se uma fun¸c˜ao f ´e cont´ınua em [a, b] e f

(x) = 0 , ∀x ∈ ]a, b[, ent˜ao
f ´e constante em [a, b].
Solu¸c˜ao
Sejam x
1
e x
2
dois n´ umeros quaisquer em [a, b] com x
1
< x
2
. Ent˜ao f ´e cont´ınua
em [x
1
, x
2
] e deriv´avel em ]x
1
, x
2
[.
De acordo com o TVM, ent˜ao existe x ∈ ]x
1
, x
2
[ e tal que f

(x) =
f(x
2
) −f(x
1
)
x
2
−x
1
.
Como por hip´otese f

(x) = 0,
0 =
f(x
2
) −f(x
1
)
x
2
−x
1
f(x
2
) −f(x
1
) = 0
f(x
2
) = f(x
1
) , ∀x ∈ [a, b]
Conclus˜ao: O valor de f ´e constante para dois pontos quaisquer de [a, b] , o que
significa que f ´e constante no intervalo [a, b].
Exerc´ıcio Proposto
Mostre que se uma fun¸c˜ao f ´e cont´ınua em [a, b] e deriv´avel em ]a, b[, para qualquer
x ∈ ]a, b[, e se f

(x) < 0 para todo x ∈ ]a, b[, ent˜ao f ´e decrescente em [a, b].
OBSERVAC¸
˜
AO: Se uma fun¸c˜ao ´e crescente ou decrescente num intervalo, dizemos
que a fun¸c˜ao ´e mon´otona no intervalo.
5. Seja f(x) =
_
_
_
2x
2
−4 se x < 1
−x −1 se x ≥ 1
Determine os intervalos em que a fun¸c˜ao f ´e crescente ou decrescente.
Solu¸c˜ao
Para x < 1, temos f

(x) = 4x e f

(1) > 0
n´ umero cr´ıtico: x = 0
f

(x) > 0 para x ∈ ]0, 1[
f

(x) < 0 para x ∈ ] −∞, 0[
156 [Matem´atica Aplicada]
Para x > 1, temos f

(x) = −1
Ent˜ao f

(x) < 0 para qualquer x ∈ ]1, ∞[
x 0 1
f

(x) − 0 + ∃ −
f(x) decrescente crescente decrescente
Conclus˜ao: f ´e crescente em [0, 1] e f ´e decrescente em x ≤ 0 ou x ≥ 1.
Apˆendice C
O teste da derivada segunda para
extremos relativos
Seja f(x) uma fun¸c˜ao cont´ınua e deriv´avel no intervalo I e seja x = c tal que f

(c) = 0 e
f

(c) exista nesse intervalo.
(a) Se f

(c) > 0, ent˜ao f(c) ´e o m´ınimo relativo em x = c
(b) Se f

(c) < 0, ent˜ao f(c) ´e o m´aximo relativo em x = c
Vimos que f

(c) = lim
x→c
f(x) −f(c)
x −c
Seja a fun¸c˜ao f

(x).
De maneira an´aloga, concluimos que f

(c) = lim
x→c
f

(x) −f

(c)
x −c
Demonstra¸c˜ao de (a)
Por hip´otese, f

(c) existe e f

(c) > 0
Assim f

(c) = lim
x→c
f

(x) −f

(c)
x −c
> 0
Por teorema de limite, temos que existe um intervalo aberto I, contendo c, tal que
f

(x) −f

(c)
x −c
> 0 para todo x = c no intervalo.
Seja I
1
o intervalo aberto que cont´em todos os valores de x em I para os quais x < c.
Assim, c ´e o extremo direito do intervalo aberto I
1
.
Seja I
2
o intervalo aberto que cont´em todos os valores de x em I para os quais x > c.
Assim, c ´e o extremo esquerdo do intervalo aberto I
1
.
Se x ∈ I
1
, temos:
x −c < 0 =⇒f

(x) −f

(c) < 0
x < c =⇒f

(x) < f

(c)
Como f

(c) = 0, temos:
157
158 [Matem´atica Aplicada]
x < c =⇒f

(x) < 0 (I)
Se x ∈ I
2
, temos:
x −c > 0 =⇒f

(x) −f

(c) > 0
x > c =⇒f

(x) > f

(c)
Como por hip´otese f

(c) = 0, temos:
x > c =⇒f

(x) > 0 (II)
Temos por hip´otese que f

(c) = 0
Concluimos que
_
_
_
se x ∈ I
1
, f

(x) < 0
se x ∈ I
2
, f

(x) > 0
Logo, f

(x) troca seu sinal alg´ebrico de negativo para positivo `a medida que x passa
por c e pelo teste da derivada primeira podemos concluir que f tem um valor m´ınimo
relativo em c, isto ´e, f(c).
A demonstra¸c˜ao ´e an´aloga para o item (b), f

(c) < 0 (m´aximo relativo em x = c).
Quadro ilustrativo para f

(x) > 0 (m´ınimo relaivo).
x c
f

(x) − 0 +
f

(x) > 0
Apˆendice D
O teste da concavidade
Se uma fun¸c˜ao f ´e diferenci´avel em um intervalo aberto I contendo c e se existe f

(x) em
I, ent˜ao o gr´afico de f ´e:
(a) Cˆoncavo para cima em I, se f

(x) > 0 em I;
(b) Cˆoncavo para baixo em I, se f

(x) < 0 em I.
Temos: f

(c) = lim
x→c
f

(x) −f

(c)
x −c
Se f

(c) > 0, ent˜ao existe um intervalo aberto I contendo c tal que
f

(x) −f

(c)
x −c
> 0
e x = c.
Neste caso, f

(x) −f

(c) e x−c tˆem o mesmo sinal para x ∈ I e x = c. Vamos mostrar
que este fato implica em concavidade voltada para cima.
Figura D.1: Teste da concavidade
Para x arbitr´ario em I seja T(x, y) na reta tangente, que passa por P(c, f(c)) e o ponto
M(x, f(x)), no gr´afico de f. Fazendo g(x) = f(x) − y, estabeleceremos a concavidade
voltada para cima mostrando que g(x) ´e positiva para todo x = c ou seja o ponto M est´a
acima do ponto P da reta tangente.
159
160 [Matem´atica Aplicada]
Seja y −f(c) = f

(c)(x −c) a equa¸c˜ao da reta tangente `a curva em P(c, f(c))
y = f(c) +f

(c)(x −c)
Temos:
g(x) = f(x) −y
g(x) = f(x) −[f(c) +f

(c)(x −c)]
g(x) = f(x) −f(c) −f

(c)(x −c)] (I)
1
o
processo:
Aplicando o teorema do valor m´edio `a fun¸c˜ao f no intervalo [c, x], vemos que existe
um n´ umero w no intervalo aberto ]c, x[ tal que f(x) −f(c) = f

(w)(x −c)
Substituindo este valor em (I), temos:
g(x) = f

(w)(x −c) −f

(c)(x −c)
g(x) = [f

(w) −f

(c)](x −c) (II)
Como w est´a no intervalo I, sabemos que f

(w) −f

(c) e w −c tˆem o mesmo sinal.
Como w est´a entre c e x e w − c e x − c tˆem o mesmo sinal, consequentemente
f

(w) −f

(c) e x−c tˆem o mesmo sinal para todo x em I e x = c. Da forma fatorada (II)
concluimos que g(x) > 0 se x = c.
2
o
processo:
g(x) = f(x) −f(c) −f

(c)(x −c)
g

(x) = f

(x) −f

(c)
g

(x) = f

(x)
Para x = c, temos:
_
¸
¸
_
¸
¸
_
g(c) = 0
g

(c) = 0
g

(c) = f

(c)
Como por hip´otese f

(c) > 0, ent˜ao g

(c) > 0.
Em x = c, g(x) tem um m´ınimo relativo, que ´e g(c) = 0. Logo, em I, g(x) > 0, ∀x = 0
ou seja g(x) −y > 0.
A concavidade est´a voltada para cima.
De maneira an´aloga, demonstra-se que se f

(x) < 0 em I, o gr´afico de f ´e cˆoncavo
para baixo em I.
Conclus˜ao: O sinal de f

(x) em um intervalo I indica a concavidade da curva em I.
[Prof. Hiroshi Ouchi] 161
3
o
processo:
Seja f uma fun¸c˜ao cont´ınua em um intervalo [a, b] e deriv´avel at´e 2
a
ordem em ]a, b[.
(a) Se f

(x) > 0 em x ∈ ]a, b[, ent˜ao f ´e cˆoncavo para cima em ]a, b[;
(b) Se f

(x) < 0 em x ∈ ]a, b[, ent˜ao f ´e cˆoncavo para baixo em ]a, b[.
Demonstra¸c˜ao
Como f

(x) = [f

(x)]

, se f

(x) > 0 para todo x ∈ [a, b], temos que f

(x) ´e crescente
no intervalo ]a, b[. Logo, f ´e cˆoncava para cima em ]a, b[.
Exemplo
Determine o ponto de inflex˜ao P e reconhe¸ca os intervalos onde a fun¸c˜ao f(x) = (x−1)
3
tem concavidade voltada para cima ou para baixo.
Solu¸c˜ao
Temos:
f

(x) = 3(x −1)
2
f

(x) = 6(x −1)
f

(x) = 0 =⇒x = 1
No intervalo ] −∞, 1[, f

(x) < 0 e f ´e cˆoncava para baixo.
No intervalo ]1, ∞[, f

(x) > 0 e f ´e cˆoncava para cima.
Em x = 1, a concavidade muda de sentido e nesse caso, o gr´afico de f tem um ponto
de inflex˜ao.
x = 1 =⇒f(1) = (1 −1)
3
= 0 P(1, 0) ponto de inflex˜ao
162 [Matem´atica Aplicada]
Referˆencias Bibliogr´aficas
[1]
´
AVILA, Geraldo. C´alculo 1: fun¸c˜oes de uma vari´avel, vol. 1, 7. ed. Rio de Janeiro:
LTC, 2003.
[2] FLEMMING, Diva M.; GONC¸ ALVES, Mirian Buss. C´alculo A: fun¸c˜oes, limites,
deriva¸c˜ao, integra¸c˜ao, 5. ed. S˜ao Paulo: Makron Books Ltda., 1992.
[3] HOFFMAN, Laurence D. C´alculo: um curso moderno e suas aplica¸c˜oes, 7. ed. Rio
de Janeiro: LTC, 2002.
[4] LEITHOLD, Louis. Matem´atica aplicada `a economia e administra¸c˜ao, ed. 2001. S˜ao
Paulo: Editora Harbra Ltda..
[5] MORETTIN, Pedro A.; BUSSAB, Wilton O.; HAZZAN, Samuel. C´alculo: fun¸c˜oes
de uma vari´avel, 3. ed. S˜ao Paulo: Atual Editora, 1999.
[6] SILVA, Sebasti˜ao M. da;
´
Elio Medeiros da; Ermes Medeiros da. Matem´atica para
cursos de economia, administra¸c˜ao e ciˆencias cont´abeis, vol. 1, 5. ed. S˜ao Paulo:
Atlas, 1999.
[7] SWOKOWSKI, E. C´alculo, vol. 1, 2. ed., S˜ao Paulo: Makron Books, 1994.
[8] THOMAS, George B. C´alculo, vol. 1, 10. ed., S˜ao Paulo: Pearson Educativa do Brasil,
2003, 1. reimpress˜ao, 2003.
[9] WEBER, Jean E. Matem´atica para economia e administra¸c˜ao, ed. 2001. S˜ao Paulo:
Editora Harbra Ltda., 2001.
163