You are on page 1of 34

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS DEPARTAMENTO DE DIREITO

PLANO DE ENSINO

I - IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DENOMINAÇÃO: CRIMINOLOGIA CÓDIGO: DIR 5131 CRÉDITOS: 04 (72 HORAS/AULA) TURMA: DIURNO PERÍODO LETIVO: 2013/II PROFESSORA: DRª VERA REGINA PEREIRA DE ANDRADE APG: MESTRANDO EDUARDO GRANZOTTO MELO II - OBJETIVOS 1. Proporcionar aos acadêmicos uma visão global do campo criminológico, ou seja, das origens e transformações da Criminologia, nas sociedades centrais (Euroamericanas) e periféricas (América Latina e Brasil) e, a partir deste estudo, fornecer instrumentos para uma compreensão crítica do funcionamento do sistema penal e para uma mudança de mentalidade em relação à ideologia penal dominante (senso comum); 2. Proporcionar a necessária articulação entre teoria e prática: a) evidenciando a funcionalização das teorias estudadas, e proporcionando contato empírico com a problemática da disciplina, com agências e atores do sistema penal; ( interação teóricoprática) b) Habilitar os acadêmicos a elaborar análises criminológicas críticas, aplicando o conhecimento construído na disciplina para apreender e analisar problemas e contextos concretos; (interação entre academia-comunidade-sistema penal) c) Promover a interação entre Graduação, Pós-Graduação, Pet e Projeto Universidade sem Muros, através da troca de experiências de ensino, pesquisa e extensão entre graduandos, mestrandos, doutorandos e petianos.( interação interna na Academia)

III- CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Unidade I O conceito de paradigma. Ciência normal, Ciência extraordinária e revoluções científicas.

1

Os paradigmas de Ciência Penal e Criminologia da modernidade. Criminologia e Criminologias. Dimensionamento histórico, epistemológico e político. O paradigma dogmático de Ciência Penal ou Dogmática Penal. Direito Penal do fato e segurança jurídica. O garantismo e a legitimação pela legalidade. Os paradigmas criminológicos da modernidade: O paradigma etiológico de Criminologia ou Criminologia positivista: o crime e o criminoso como objeto criminológico. Teses e conceitos fundamentais e herança. O conceito de Criminalidade (periculosidade, violência individual, estereótipos de criminoso e criminalidade) Direito Penal do Autor e defesa social. O defensivismo periculosista. A complementariedade funcional entre os paradigmas: funções declaradas, a ideologia penal dominante (senso comum), operacionalização e legitimação do sistema penal. O Ensino do Direito Penal e da Criminologia Unidade II A mudança de paradigmas em Criminologia e o paradigma da reação social dimensionamento: O controle social e penal e o sistema penal como objeto criminológico. Teses e conceitos fundamentais (o conceito de criminalidade, criminalização x vitimação, imunização e impunidade, cifra oculta). Das funções declaradas (eficácia simbólica) às funções reais e à eficácia instrumental invertida do sistema penal. Do combate à construção seletiva da criminalidade e dos criminosos. A seletividade do sistema penal no centro e na periferia. Da impunidade como disfunção à impunidade como lógica de funcionamento do sistema. Da violência individual à violência institucional. A desconstrução do paradigma etiológico. Pesquisas de auto-denúncia: quem são os criminosos? Que crimes cometem? Pesquisas prisionais empíricas : quem são os criminalizados? Por que crimes? Unidade III Criminologia Crítica e criticismo : dimensionamento. Da análise micro à análise macrossociológica: A relação funcional entre sistema penal , prisão e capitalismo. O caráter classista da seletividade. Da violência institucional à violência estrutural. A pena de prisão e a ideologia do tratamento. Unidade IV Da Criminologia crítica à Criminologia Feminista: dimensionamento. A relação funcional entre sistema penal, prisão e patriarcado. Mulher gênero criminalização e prisão. O caráter sexista da seletividade. O sistema penal nas sociedades capitalistas patriarcais e racistas: sentido da seletividade. Criminologia e racismo.

2

Unidade V As Criminologias na América Latina e no Brasil – Conteúdo de Pesquisa Unidade VI - Qual crise do sistema penal? Crise de legitimidade ou deslegitimação x crise de eficiência e relegitimação. Horizonte de projeção da Política criminal contemporânea: Minimalismos/garantismos, Abolicionismos e Eficientismo. A criminalização das Drogas. IV - ATIVIDADES E METODOLOGIA DIDÁTICO-PEDAGÓGICA A disciplina será desenvolvida através de metodologias, espaços e atividades diversificados, envolvendo elementos de Ensino Pesquisa e extensão, a saber: Aulas expositivas Entrevistas Pesquisas individuais e em grupo Participação em atividades do Curso de Pós-Graduação em Direito como defesas de trabalhos científicos e eventos Dinâmicas em sala de aula Discussão e/ou dissertação sobre textos, filmes, poesias, matéria de mídia, acórdãos e processos criminais, etc. Oficinas Visitas e trabalhos de campo em instituições de controle social e penal Palestras com convidados A turma será dividida em equipes que realizarão juntas todas as atividades coletivas, definidas em sala de aula. V- AVALIAÇÃO A avaliação será feita em caráter continuado e permanente, considerando a freqüência, o envolvimento e a responsabilidade para com a disciplina e a realização da totalidade das atividades programadas ( leituras, apresentações de atividades e pesquisas) objetivando-se mensurar seu integral aproveitamento e desenvolvimento acadêmico, tendo por referente os objetivos propostos. Será realizada, ainda, avaliação individual oral ou escrita, nas datas de 23 de abril e 18 de junho de 2013. A média final será resultado da média aritmética obtida através da avaliação individual e da avaliação continuada, ambos com idêntico peso. A recuperação, para os alunos que não obtiverem média final igual a 6,0 será realizada em 25 de junho de 2013. VI - FREQUÊNCIA Tendo em vista o que dispõe a legislação educacional, só obterá crédito e nota na disciplina o aluno que comparecer no mínimo a 75% das aulas ministrada. O não cumprimento desta exigência implica na reprovação do aluno com nota zero, independentemente do resultado das avaliações que ele eventualmente tenha realizado. VII - CALENDÁRIO DE LEITURAS *** Será indicado ao longo da disciplina

3

br/ http://www.net/~hsbecker/ http://www.com/ http://www.org/ www.2003. ( Pensamento criminológico.blogspot.ning.info/ http://portal.Textos principais de autoria da Professora para o acompanhamento da disciplina ANDRADE.br http://www.com.com/ http://alexandremoraisdarosa.leapbrasil.com/ http://www.blogspot.danielafelix.luizeduardosoares.neip. Rio de Janeiro: Instituto Carioca de Criminologia/Revan.earthlink. 2012.pt/ http://mvbill.org.org/ http://www. Pelas Mãos da Criminologia: o controle penal para além da (des)ilusão. 19). 2a edição.nu-sol.blogspot.blogspot.br/depen/data/Pages/MJC4D50EDBPTBRNN. Livraria do Advogado.com/ http://criminologiaealteridade. Porto Alegre. SUGESTÕES DE SITES E BLOGS CRIMINOLÓGICOS http://universidadesemmuros.com/ http://www.boaventuradesousasantos.com/ http://www. Vera Regina Pereira de.drogasedemocracia.antiblogdecriminologia.gov. ______.mj. VIII.ibccrim.com/ http://home.htm 4 .A ilusão de segurança jurídica: do controle da violência à violência do controle penal.

Leonera. de Marcos Jorge. de Walter Salles. de Walter Salles. O Cárcere e a Rua. Laranja Mecânica. de Sérgio Bianchi. Quanto vale ou é por quilo. de Joshua Marston. de Katia Lund e João Moreira Sales. Justiça e Juízo. Abril Despedaçado. suposta (Vico de mulheres encarceradas entrevista juízes de São 5 . Cronicamente Inviável. de Liliana Sulzbach. Crimes e Pecados. Estamira. de Paulo Sacramento. Estômago. Capote. de Laurent Cantent. de David Fincher. – SUGESTÕES DE FILMES Notícias de uma guerra particular. Linha de Passe. O processo. de Hector Babenco.IX. Ônibus 174. de Michel Haneke. de Maria Augusta Ramos Bagatela TV http://vimeo. de Marcos Prado. O bandido da luz vermelha.com/46332547# O filme prática de mostra crimes o de Cultura. Um estranho no ninho. de Pablo Trapero. de Milos Forman. de Stanley Kubric. o passageiro da agonia. Z. Entre os muros da escola. de Rogério Sganzerla. de Woody Allen. de Orson Welles. Clube da luta. de Rodrigo Pla. de Alan Parker. de Alan Parker. Maria Cheia de Graça. O expresso da meia-noite. A fita branca. Lúcio Flávio. A vida de David Gale. O prisioneiro da grade de ferro. de Costa-Gravas. cotidiano furto e de Clara pela Paulo Ramos. de Sérgio Bianchi. de Benett Miller. de José Padilha. Zona do Crime.

Criminologia de la liberación. Minority Report – A nova Lei ( 2002). Pelas Mãos da Criminologia: o controle penal para além da (des)ilusão. Tradução por Sérgio Lamarão. p.Por que a Criminologia ( e qual Criminologia) é importante no Ensino Jurídico? Revista de Estudos Criminais. 2008 (Pensamento Criminológico 15) ANIYAR DE CASTRO. 6 . Entre a cultura do controle e o controle cultural : um estudo sobre práticas tóxicas na cidade de Porto Alegre. Nota Dez. Livraria do Advogado. Marcelo Mayora. p.CPI do sistema penitenciário 2012 Our story in two minutes. 1987.you tube XI.Itec. Tradução e acréscimos de Ester Kosovski. n.Florianópolis: Conceito. Marcos César. ALVES. invisibilidade e inclusão no sistema penal. Gabriel Ignácio. História da Justiça Penal no Brasil.Também são Semer. maio-jun. Andrei. São Paulo : IBCCrim. Maracaibo: niversidad de Zulia. 19. O sistema de justiça criminal no tratamento da violência sexual contra a mulher.2003. Apontamentos para uma história da Criminologia no Brasil. Porto Alegre. Coleção Pensamento Criminológico n. Exclusão social. Rio de Janeiro: Revan/Instituto Carioca de Criminologia. Kathryn Morris) Vídeo construído para a disciplina Criminologia. com entrevistadas defensoras públicas e visões a distintas advogada sobre o Sonia Drigo.VIII. Criminologia da reação social.be O grito das prisões – Documentário. Pesquisas e Análises. p. v.Sistema penal máximo x cidadania mínima: códigos da violência na era da globalização. Rio de Janeiro: Forense. 2012. ALVAREZ.com/watch?v=Ygj1jsFQlQ8&feature=youtu.youtube.A soberania patriarcal.30. ANITUA. 2012. 1983. Revista Brasileira de Ciências Criminais. ______. 2008. jun. 2006. ( esgotado. de Steven Spielberg (com Tom Cruise. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES.Vera Regina Pereira de. Porto Alegre. A reincidência como resposta ao olhar do (O) outro. Reincidência criminal: um olhar transdisciplinar. 260-290.wmv por Mariana Dutra Garcia e Marcelo Mayora Alves: Vídeo construído para a disciplina por Mariana Dutra Garcia e Marcelo Mayora Alves Flores contra os tanques: http://www. Rio de Janeiro: Instituto Carioca de Criminologia/Revan. Rio de Janeiro: Lumen Juris. Lola. 19-24. 2010. Marcelo tema. 48. n. São Paulo: Revista dos Tribunais. ______. História dos pensamentos criminológicos. cópia do capítulo primeiro) ______. Ana Cristina. ______.Mañas. IN KOERNER. 129-152 ANDRADE. Borba. 2004. Airton Vieira).

Freitas Bastos. BATISTA. n.2. Horizonte de projeção do controle penal no capitalismo globalizado neoliberal. BARRETO. 1. V. Vera Malaguti.p.p. Revan. 1987. Florianópolis. Flagrante e prisão provisória em crimes de furto: da presunção de inocência à antecipação de pena. Os sistemas penais brasileiros. Flagrante e prisão provisória em casos de furto : da presunção de inocência à antecipação de pena. ______. n..Direitos Humanos: entre a violência estrutural e a violência penal.12. BATISTA. Fabiana. Vera Regina Pereira de (Org. 271-288./maio/jun 1993. p. Reforma e “contra-reforma” penal no Brasil: uma ilusão.253-267. 52. ABRAMOVAY.p. Ano V. AZEVEDO. Capítulo Criminológico.19. Prefácio Vera Andrade. 2002c. Fascículos de Ciências Penais. p. In BARATTA.O Alemão é muito mais complexo. Nilo. Difíceis ganhos fáceis: drogas e juventude pobre no Rio de Janeiro . Vera. Florianópolis. Rio de Janeiro: Revan. maio 2004. Ano 7. n. 1997.Princípios del Derecho penal mínimo (para una teoria de los derechos humanos como objeto y límite de la ley penal). ______. Julio-Septiembre 2009. ______. 2006. Florianópolis.8. verão 2007. 2002d. 2006. dez. Introdução crítica à Criminologia brasileira. São Paulo: Revista dos Tribunais. Mídia e sistema penal no capitalismo tardio . Alessandro. BARATTA. Rio de Janeiro: ICC . Venezuela-Maracaibo. São Paulo: Globo.163-182 ______. p.O paradigma do gênero: da questão criminal à questão humana. Introdução à Sociologia do Direito Penal. BARCELLOS. Compilación in memoriam. Criminologia y Sistema Penal. OAB-SC. 2º sem. abr.2004. Porto Alegre. ______. ______.44-61. 2010. ______. Florianópolis: Fundação Boiteux. Rio de Janeiro. ______. n. Edição comemorativa 20 anos. A sociedade espelhada: o humano e o animal. Revista da Esmesc. Sérgio Fabris. 138. 1998. (Cap. Rota 66: a história da polícia que mata. Caco. v. 2007. Montevideo-Buenos Aires:IBdeF. ______. BARRRETO.13. Ciências Penais: Perspectivas e Tendências da contemporaneidade. 3. ano 12. In MALAGUTI. Fabiana Costa Oliveira.58..XV) ______. Discursos Sediciosos: Crime. 2011b. Jackson. vol. 147-158. n. 7 . Doctrina penal.).459-488 ou Seqüência. Texto apresentado no 17º Seminário Internacional de Ciências Criminais em São Paulo em 23 de julho de 2011a. Sexo e gênero: a mulher e o feminino na Criminologia e no sistema de justiça criminal. MAYA. Buenos Aires. São Paulo: IBCCrim.363-389. Depalma (40): 447-457. 1999. Alessandro. ______. 2011. 37. Rio de Janeiro. Boletim do IBCCrim. André Machado. Pedro (Orgs. Depois do Grande encarceramento. Ney. In: ANDRADE.que sobrevive. n. Horizonte de Projeção da Política Criminal e crise do sistema penal: utopia abolicionista e metodologia minimalista-garantista. Minimalismos e abolicionismos: a crise do sistema penal entre a deslegitimação e a expansão. São Paulo: IBCCrim.. Curitiba: Juruá. Verso e reverso do sistema penal: (des) aprisionando a sociedade da cultura punitiva. Cr iminologia crítica e crítica do direito penal . In: FAYET JR. p. p. Jornal Miguelito.1992. Florianópolis. Direito e Sociedade. 2.). Horizonte de projeção do controle penal no capitalismo globalizado neoliberal. 2007. n.______. Rio de Janeiro: Revan-Instituto Carioca de Criminologia.p. 31-52. Escola Superior da Magistratura do Estado de Santa Catarina.

______. 1998. Traducción de Perfecto Andrés Ibáñez. 5ª edição.492 de 16/6/1986. 2005. PPU. Antimanual de Criminologia. SCOTSON. Notas sobre la sobressocialización de los criminólogos. Introdução à Criminologia brasileira. Rio de Janeiro: Lumen Juris. Zahar.). Vozes. Tradução Soneli M. O sistema penal e o projeto genocida do Estado brasileiro. Lola Aniyar de. Tráfico de Drogas e Constituição. Buenos Aires: Tiempo Contemporáneo. Vol 1. RJ: Lumen Juris. ano 17 p. Roma-Bari: Laterza. 1988. CHRISTIE. Diritto e ragione. COHEN. Estudos de Sociología do Desvio. Vera Regina Pereira de. Visiones de control penal. Luigi. CASTR0. p. Los extraños. Teoria Del garantismo penale. Enrico. Ana Luiza Pinheiro. história da violência nas prisões. 2008. ______. ______. A caminho dos GULAGs em estilo ocidental. Pena e garantias. Nils. Tradução de Vera Ribeiro. Barcelona. Tradução por Luis Leiria. _______. Dos delitos e das penas. FERRI. A política criminal de drogas no Brasil (estudo Criminológico e Dogmático). Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Sorocaba/SP. Theodomiro. complexidade e as fronteiras de pesquisa em ciências criminais. 81. H. BECKER. Petrópolis. Pondé Vassalo. Belo Horizonte. 141 et. Cesare. Racío Cantarero Bondrés. Tradução de Maria Luiza X. 1997. Minelli:2006. ANDRADE. São Paulo:Saraiva. RJ: Jorge Zahar. ( especialmente p.Rio de Janeiro: contraponto. Tradução por Ligia M. Rio de Janeiro: Zahar. Revista Brasileira de Ciências Criminais. Forense. _____ . 1989. FERRAJOLI. DIAS NETO. RJ . Seq). al. FLAUZINA. 8 . Criminologia e racismo. Michel. 2008. CASTILHO. Evandro Charles Piza. 1988. 2006. Criminología da libertação. O controle penal nos crimes contra o sistema financeiro nacional . John. 294-338. Alfonso Ruiz Miguel. Buenos Aires: ad hoc. Juan Terradillos Basoco. 1987. Madrid: Trotta. BECCARIA. 2006. Vigiar e Punir. Ela Wolkmer de. Del Rey. Teoria del garantismo penal. Curitiba: Juruá. Norbert. Cuatro obstaculos contra la intuición. Verso e Reverso do controle penal: (des)aprisionando a sociedade da cultura punitiva. São Paulo. Salo.dez 2009. Em busca da política. 2003. São Paulo. Corpo negro caído no chão.2ª Ed. Florianópolis: Boiteux. BOITEAUX et. Outsiders. Maximo (org. Borges. 1983. Relatório final do projeto de pesquisa da Série Pensando o Direito. 2002. Nils.Disponível no site do Ministério da Justiça. Zahar.BAUMAN. In: SOZZO. Criminologia cultural. ______. A Nova prevenção: uma política integrada de segurança urbana. Tradução de Sylvia Moretzsohn. Melloni Farina. 2000. Tradução de: Torrieri Guimarães São Paulo: Hemus. Rio de Janeiro: Revan. 1971. A indústria do controle do delito. Zigmund Globalização: as conseqüências humanas. 2007. CHRISTIE. Nov. n. Sociología Criminal. CARVALHO. Tradução de: Elena Larrauri. de A. Stanley. Lei nº 7. FOUCAULT. ELIAS. RJ . Reconstruyendo las criminologias criticas. 173-187 DUARTE. 2000. 2013. Derecho y razón. Juan Carlos Baón Mohino.

Drogas e criminalidade. Pensar em clave abolicionista. Massimo. Tradução de: Xavier Massimi.). 5474. LOMBROSO. _______. Rio de Janeiro: Revan. Porto Alegre: L&PM. Criminologia: estudo sobre o delito e a repressão penal. Tradução de Maria Lúcia Karam. Bernat J de. ______. jan.) Mujeres. Tradução por Júlio Matos. CANCIO MELIÁ. Um estudo do Linha Direta. 2006. Rio de Janeiro. Elena (Comp. JAKOBS. ______.p. La cultura del control. GALEANO. Pena e estrutura social. MENDONÇA. Criminologia dialética. Roberto. p. 1999. Cinap.p. Penas perdidas: o sistema penal em questão. Quinta edizione. HULSMAN. 2007. 1999. Dario.Tradução por Beatriz Viana Boeira de Nelson Boeira./mar 1971. Crimen y orden social em la sociedad contemporânea. Manuel. 1994. 1. Tradução de: Maria Carlota Carvalho Gomes. México.A Criminologia radical. 31. LARRAURI. 9 . São Paulo : Teixeira & Irmãos-editores. Tradução por Júlio Matos. 1997. In SOZZO. Tradução por Alejandra Vallespir. Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. GIORGI. 1993. Revista de Direito Penal. Forense. GARLAND. Dario & PAVARINI. LINS. Günther . Buenos Aires. Rio de Janeiro. Cidade de Deus. Rio. MELOSSI. São Paulo: Teixeira & Irmãos. ______. p. 7-31. LYRA FILHO. GOFFMAN. 2005. São Paulo: Saraiva. Siglo XXI. n. Carcel y f abrica: los origenes del sistema penitenciario./jun 1980. La Donna delinqüente. A punição pela audiência. GAROFALO. Louk & CELIS. Luam. 137) GAROFALO. De pernas pro ar: a escola do mundo ao avesso. 1972. n. SP: Companhia das Letras. 1987. 1931. Tradução de Marcia Bandeira de Mello Leite Nunes. 1976. n. KIRCHEIMER. Cesare. Forense. Madrid: Siglo Veintiuno. Madrid: ThonsonCivitas. Rio de Janeiro. 2003. Criminologia e dialética. Rio de Janeiro: Quarter. Rio de Janeiro: Revan/Instituto Carioca de Criminología. Maximo (org. ______. Erving. 1983. Un estudio de teoría social. ______. O homem criminoso. Criminologia: estudo sobre o delito e a repressão penal. Tradução de Sergio Faraco. La prostituta e la donna normale. A miséria governada através do sistema penal . Torino: Fratelli Bocca: 1927. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara: Borsoi. R. Kleber. Princípios de direito criminal. Tradução por Luiz Lemos D’Oliveira. MELOSSI. 1975. Revista de Direito Penal. 1983. Estigma.Castigo y sociedad moderna . Revista de Direito Penal. São Paulo: Perspectiva. 1983. ( El castigo como ideología y medio de control de clases: variaciones sobre el enfoque marxista. jan.FERRI. ______. RJ: LTC. KUHN. Traducción de Berta Ruiz de la Concha. Traducción de Máximo Sozzo. Alessandro de. Eduardo. derecho penal y Criminologia. Barcelon: Gedisa.º 21/22. 2006. p. Otto. 1988. Teoria social y cambios en las representaciones del delito. Buenos Aires: ad hoc. Reconstruyendo las criminologias criticas. México: siglo veintiuno. David. 2002. R. Derecho Penal Del enemigo. Thomas. Paulo. A estrutura das revoluções científicas. Henrique.

Adolescentes e Justiça. A América Latina e sua Criminologia. Drogas: distorsiones y realidades. SCHEERER. 1938 ou Salvador: Livraria Progresso Editora. Abril de 2009. 1995. 2010. Thiago. MACRAE e CARNEIRO. Guerra. São Paulo: IBCCrim. ano II. In Revista Nueva Sociedad. Control y dominación. 2004. CARVALHO. São Paulo: Forense. Org. julho de 2009. Alexandre. Violentados. A Criminologia radical. In Drogas e Cultura: novas perspectivas. 10 . SILVA. Alexandre Morais da.º 130. n. Nina. Abolicionismo penal. HULSMAN. Carole. Revan/Instituto Carioca de Criminologia. GOULART. 1989. Crianças. RODRIGUES. OLMO. ______. ROSA. n. 2004. As raízes do crime: um estudo sobre as estruturas e as instituições da violência. Projeto de tese de doutorado. 2006.º 102. 1990. MOCCIA. Dias da.º 3. As raças humanas e a responsabilidade penal no Brasil. Rosa del. Revan/Instituto Carioca de Criminologia. 1989. In Revista Novatio Iuris. ______. PINTO NETO. Decisão Penal: Bricolage de significantes. (Orgs) Conversações abolicionistas: uma crítica do sistema penal e da sociedade punitiva. Sérgio. Napoli: Edizioni Scientifiche Italiane. PRANDO. PANDOLFO. A América Latina e sua Criminologia. Tráfico. PASSETTI. Rio de Janeiro: Lumen Juris. Rio de Janeiro: Lumen Juris. El contrato sexual. Barcelona: Antropos.1988. ROGRIGUES. Processo penal eficiente & Ética da Vingança: em busca de uma Criminologia da não violência. Juarez Cirino dos.2010. ________. Texto inédito. Moysés da Fontoura. Massimo. Rio de Janeiro: Lumen Juris. PATMAN. Alexandre Morais da. In Revista Nueva Sociedad n. São Paulo: Nacional. Buenos Aires: EDIAR. Camila Cardoso de Mello. 2009. Criminologia e Narratividade. SANTOS. Las relaciones internacionales de la cocaína. 2º ed. ______. Seconda edizione riveduta ed ampliata. STEINERT. Thiago Fabres. ROSA. Guilherme. 2008. ______. Roberto B. México:Siglo XXI.MEROLLI. 1997. Rosa del. 1957. PAVARINI. OLMO. São Paulo: imaginário. 1984. Fazendo ecoar a alteridade. LABATE. Mathiesen. teorias criminológicas burguesas y proyecto hegemónico. Trad. Curitiba: ICPC/Lumen Juris. Mexico: Universidad Autonoma Metropolitana. 2006. Proibição. Censos Penitenciários Brasileiros (Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária Ministério da Justiça). La perenne emergenza: tendenze autoritarie nel sistema penale. DE FOLTER. A influência da teoria da periculosidade na produção legislativa durante a década de 1930 no Brasil. História do Pensamento Criminológico no Brasil: a Revista de Direito penal (19331937) e o debate entre os juristas. _______________. Curso de PósGraduação em Direito da UFSC. 1994. Rio de Janeiro: Revan. 1997. Tradução de: Ignacio Munagorri. Christie. Maria Luisa Femenías. 2010. Salvador: Edufba. Fundamentos críticos de Direito Penal. Edson. A face oculta da droga. Traducción del inglés por Mariano Alberto Ciafardini y Mirta Lilián Bondanza.

Punir os Pobres. 1º vol. Criminología. 2011. Rio de Janeiro. ZAFFARONI. Aproximación desde una margen. Buenos Aires: Ad-Hoc-Villela Editor. BATISTA. 1. 1991. São Paulo: Revista dos Tribunais. 11-12. Cabeça de Porco.SILVA SÁNCHEZ. Escribiendo en la cúspide del cambio: Una nueva criminologia para una modernidad tardia. RJ: Objetiva. 117-130. Jesús-María. Tradução de: Vânia Romano Pedrosa & Almir Lopes da Conceição. edição revista e ampliada. ____________. Cortesia. 13. 2007. Aproximación desde una margen. A sociedade excludente. Tradução de Sérgio Lamarão. 2003. n. n. pp. Questão criminal e política de drogas: as razões do proibicionismo e da guerra ao tráfico. 25-36. SOUZA. Bogotá: Temis. ______. Aspectos da política criminal nas sociedades pós-industriais.Dezembro /2011. Alejandro .p. WACQUANT. importación cultural e Historia Del presente de la Criminologia em América Latina. SOARES. Lombroso entre nós: a persistência da personalidade como critério de aumento de pena no direito brasileiro. ZAFFARONI. Jock. 3a. Luis Eduardo.) Buenos Aires: ad hoc. CUADERNOS DE DOCTRINA Y JURISPRUDENCIA PENAL. p. MV Bill.p.. Traducción. 2002. Rio de Janeiro. ALAGIA. Exclusão social.com/trabalhos-cientificos/> ________. Revan. 2005. Rio de Janeiro: Revan. Bogotá: Temis.4 . Instituto Carioca de Criminologia/Freitas Bastos. Rio de Janeiro. 2007. Rio de janeiro: Revan. Eugenio Raúl. Rio Janeiro: Revan/Instituto Carioca de Criminologia. Anais do 32o Encontro Nacional de Estudantes de Direito. 11 . 1988. Boletim IBCCRIM nº 229 . Marcel Soares de. ______. ______. A nova gestão da miséria nos Estados Unidos. São Paulo. YOUNG. criminalidade e diferença na modernidade recente. O inimigo do Direito Penal. “Tradutore Traditore”. ________. A expansão do Direito Penal. 2º semestre 1997. Disponível em: <http://ened2011. SOZZO. 1988. Maximo (org. Direito Penal Brasileiro: Teoria Geral do Direito Penal. Löic. SOZZO. Discursos sediciosos. Alejandro. Criminología. Año VII.wordpress. SLOKAR. Eugenio Raúl. Jock. Rio de Janeiro. Celso Athaide.2001. _____. Tradução por Renato Aguiar. 2002. Discenso: Revista de Graduação do PET-Direito-UFSC. 2001. . In Reconstruyendo las criminologias criticas. Roberto Lyra Filho: a dignidade dialética da Criminologia. Máximo. 2009.p. Tradução de Luiz Otavio de Oliveira Rocha. ______. Em busca das penas perdidas: a perda de legitimidade do sistema penal. Globalização e sistema penal na América Latina: da segurança nacional à urbana. 2006. Zahar.354-431. n. As Prisões da Miséria. Nilo. YOUNG.

Fundação Boiteux.) Verso e Reverso do controle penal: (des)aprisionando a sociedade da cultura punitiva.2003. Porto Alegre.) Anuário do PET – PETARDO. Códigos da violência na era da globalização. Porto Alegre. Vera Regina Pereira de. 3ª edição. Sistema penal Maximo x cidadania mínima. Livraria do Advogado.No prelo ______. A ilusão de segurança jurídica: do controle da violência à violência do controle penal. Livraria do Advogado. Livraria do Advogado. 2002. Livraria do Advogado. São Paulo: Acadêmica. 2012. (Org. ______.2003. Porto Alegre: Livraria do Advogado. Florianópolis. Rio de Janeiro: Instituto Carioca de Criminologia/Revan. 1997. 2a edicao Porto Alegre: Livraria do Advogado. ______. (Org. 12 . Sistema penal Maximo x cidadania mínima. No prelo. Fundação Boiteux. Porto Alegre. 2012. A ilusão de segurança jurídica: do controle da violência à violência do controle penal. ANDRADE. Porto Alegre. A ilusão de segurança jurídica: do controle da violência à violência do controle penal. 2006. Florianópolis: Boiteux. Pelas Mãos da Criminologia: o controle penal para além da (des)ilusão. 2002. ______. ______. 2a edição. ______. ______. Florianópolis. Cidadania: do direito aos direitos humanos. ______. 1993. Vera Regina Pereira de & MEZZAROBA. ______. Códigos da violência na era da globalização. 2003. Porto Alegre. 19.PUBLICAÇÕES PESQUISAS e ORIENTAÇÕES TRABALHOS PUBLICADOS . Dogmática Jurídica: escorço de sua configuração e identidade. 1996. Livraria do Advogado. ______.LIVROS ANDRADE. Dogmática Jurídica: escorço de sua configuração e identidade.) Verso e Reverso do controle penal: (des)aprisionando a sociedade da cultura punitiva. Orides ( Orgs.2012.volume 1. 2ª edição.volume 2. Coleção Pensamento Criminológico n.

105-130. Carmen Hein de.1. Rio de Janeiro. RODRIGUES. ______.) Direitos Humanos como educação para a Justiça. Introdução crítica ao estudo do sistema penal: Elementos para a compreensão da atividade repressiva do Estado. Reinaldo. Leonel Severo (Org. Porto Alegre.151-166 ______. 1998. 1998. In: PEREIRA E SILVA. Florianópolis.Reconstrução do conceito de cidadania. 197-216 ______. p.-CAPÍTULOS DE LIVROS ANDRADE. Vera Regina Pereira de. ______.119-127. Criminologia e Feminismo. Horácio Wanderley ( Org.p. In: VARELLA. Cidadania e Municipalismo Anais da 1ª Conferência Estadual dos Advogados do Pará. Vera Regina Pereira de. In: SANTOS. A construção social dos conflitos agrários como criminalidade. In: CAMPOS. José Alcebíades (Org. Fundação Boiteux. (Org. LTR. Revista discursos Sediciosos. 2º semestre de 2002. 2002. 1999.).) Revoluções no campo Jurídico.p. ______.. 1994. ______.). p. Sulina. 13 . (Org. Florianópolis. Cortesia. direitos humanos e democracia: reconstruindo o conceito liberal de cidadania.pp. p. Dogmática e Controle penal: em busca da segurança jurídica prometida. Porto Alegre: Livraria do Advogado.). Revan/Instituto Carioca de Criminologia. Santarém. Violência sexual e sistema penal: proteção ou duplicação da vitimação feminina? in: DORA. 1997. Rogério Dutra dos. O poder das metáforas: Homenagem aos 35 anos de docência de Luis Alberto Warat. Sulina.) Verso e Reverso do controle penal: (des)aprisionando a sociedade da cultura punitiva.v. Criminologia e Feminismo: da mulher como vítima à mulher como sujeito de construção da cidadania. 2000.) O Direito no III milênio. Ulbra. A construção social dos conflitos agrários como criminalidade. Diploma Legal.Homenagem a Alessandro Baratta.pp. 411412. Canoas. p.Feminino Masculino : igualdade e diferença na justiça. In. São Paulo. Denise Dourado (Org. ______. Cidadania. Porto Alegre.A reconstrução do conceito liberal de cidadania: da cidadania moldada pela democracia à cidadania moldando a democracia. 1999. Porto Alegre.121-135 ______. 23-54. In ROCHA. OAB Seção do Pará.31-61 ______. Teoria do Direito e do Estado. In:ANDRADE.pp. pp. (Org. 325-354 ______. 123-134. São Paulo. p. In OLIVEIRA JR. 1997.Fragmentos de uma grandiosa narrativa: homenagem ao peregrino do Humanismo ( Alessandro Baratta). Sérgio Fabris. Marcelo Dias. O novo Código de trânsito brasileiro: desafio vital para o terceiro milênio.

p.In: Il Diritto e la differenza – scritti in onore di Alessandro Baratta a cura di Raffaele De Giorgi . Sidney Francisco Reis dos. Imprensa Universitária/UFSC. Lúcio José .p. ______. 1031-1036. 849p. Giovani de Lorenzi ..253-267. ABRAMOVAY. p. Florianópolis: Insular. p. Volume II. Joel Corrêa . Anais da IX Conferência Nacional dos Advogados . In: BINS. DIESEL. 95-117. Do treinamento à educação tutorial: o Pet na UFSC/Pró Reitoria de Ensino de Graduação/UFSC. 555579.37-47. Multimedia.Risco e prevenção: visão multidisciplinar.). Nota Dez. Vol.Fragmentos de uma grandiosa narrativa: homenagem ao andarilho do Humanismo. PIRES. A colonização da Justiça pela Justiça penal: potencialidades e limites do judiciário na era da globalização neoliberal. Brasília: OAB. Minimalismos e abolicionismos: a crise do sistema penal entre a deslegitimação e a expansão. Rio de Janeiro: Revan-Instituto Carioca de Criminologia. Vera Helena Morro. 2010. Lúmen/Júris. Vera.).II.p. (Orgs)Acidentologia. LACERDA. Rio de Janeiro. 2010. Rubens R. Florianópolis. 2007. ______. ISBN -9788537507858 ______. v. Horizonte de projeção do controle penal no capitalismo globalizado neoliberal. n. Direitos Humanos e Globalização: Fundamentos e Possibilidades desde a Teoria Crítica. Debate Interdisciplinar sobre os direitos humanos das mulheres . In: BOTELHO. Conselho Federal. Alessandro Baratta. 2003 . Uma promessa de segurança e uma aposta na vida: limites e possibilidades do Código de Trânsito Brasileiro na redução da acidentalidade. Depois do Grande encarceramento. In: SANCHEZ RÚBIO. dez. Salo de. IN SANTOS.41-48. p. Fragmentos de uma grandiosa narrativa: homenagem ao peregrino do Humanismo. Porto Alegre.______. Do Pet-estudante ao Pet-pesquisador militante: o desafio da qualidade na era eficientista da quantidade. Temas para uma perspectiva crítica do Direito: Homenagem ao Professor Geraldo Prado. In MALAGUTI. 14 .A soberania patriarcal: o sistema de justiça criminal no tratamento da violência sexual contra a mulher. ______. 219-243 ______. Florianópolis: UFSC/PREG.Lecce.817-828. p.). 2009. Pedro (Orgs. XIX. CASARA. 2006. CARVALHO.p.Revista de Estudos Criminais. A colonização da justiça pela justiça penal: potencialidades e limites do judiciário na era da globalização neoliberal. Joaquim. 33. 2009.R ( Orgs. p. Rio de Janeiro: Lumen Juris. 33-54 ______. HERRERA FLORES. David. In LIMA. Poder e Cidadania. 2004. ______. República. ______. Carmen Miranda de ( Orgs. 2010. Lilian Elizabete. p.

2011. SONTAG. Belo Horizonte: Del Rey.). 827-840. p. Homenagem a Louk Hulsman In: Tributo a Louk Hulsman ed.p.) Processo Penal. P. A construção da Dogmática Penal entre o final do século XIX e o início do século XX. Arno. Alternativas penais. 281-306. 129-170. v. Rio de Janeiro: Revan. 2011.In: BATISTA. Congresso Nacional de alternativas penais. p. ????????? ______. André Machado.363-389. p. 2012. In: FAYET JR. In: BATISTA.Rio de Janeiro : Revan. Ciências Penais: Perspectivas e Tendências da contemporaneidade. Rio de Janeiro: Lumen Júris. Tradução de Sérgio Lamarão. 2012. Vera Regina Pereira de. Vera Malaguti ( Org. 379-411. Rio de Janeiro: Revan.p.. ANDRADE. Anais VII CONEPA.DF: Ministério da Justiça. 2011. Horizonte de projeção do controle penal no capitalismo globalizado neoliberal. p. Löic Wacquant e a questão penal no capitalismo neoliberal. Política criminal e crise do sistema penal: utopia abolicionista e metodologia minimalista-garantista. 2012. História do Direito Penal entre medievo e modernidade.). 2012. Ney. _______. Vida: vocação para a liberdade. Curitiba: Juruá. ANDRADE. Vera Regina Pereira de. 2012. HERMANN. Brasília . M. Constituição e Crítica Estudos em Homenagem ao Dr. HERMAN. p. ______. Jacinto Nelson de Miranda.Curitiba : LedZe. MAYA. Ricardo. KOSOVSKI.147 – 167 ARTIGOS 15 . 1ª ed. Rio de Janeiro: Revan. BONATO. A construção de uma política pública. Gilson ( Org. Homenagem a Louk Hulsman. Horizonte de Projeção da Política Criminal e crise do sistema penal: utopia abolicionista e metodologia minimalista-garantista. (Org. Vera Regina Pereira de. 2012.1ª ed. DAL RI Júnior. 281-305. . Vida: vocação para a liberdade.p. L. Nilo.______. Política criminal e crise do sistema penal: utopia abolicionista e metodologia minimalista-garantista In: Löic Wacquant e a questão penal no capitalismo neoliberal. ANDRADE. ANDRADE. 117-123. Tributo a Louk Hulsman.117-123. ______. Em busca da latinidade criminológica: da recepção da Criminologia crítica em América Latina à construção da(s) criminologia(s) crítica(s) latino-americana(s) e brasileira(s) In: Estudos críticos sobre o sistema penal. Ester. Leda. Vera Regina Pereira de.

1991-2. n. Vera Regina Pereira de. abr. Da domesticação da violência doméstica: politizando o espaço privado com a positividade constitucional. A soberania patriarcal. 1994. Revista Brasileira de Ciências Criminais. Dos discursos enunciados aos discursos silenciados: recuperando a dignidade da Política Criminal pelo e para o homem.165-188. 1995. jun. Florianópolis. 2000. pp.Violência contra a mulher e controle penal.4. p.24-36. Fêmea. 41.Revista Jurídica da UNOESC. ______. São Paulo. 1. São Paulo: Revista dos Tribunais. 1997. Da mulher como vítima à mulher como sujeito de construção da cidadania. Cidadania e democracia: repensando as condições de possibilidade da democracia no Brasil a partir da cidadania. O estatuto teórico da Dogmática Jurídica: dilemas de um saber em busca de identidade epistemológica.l. Sistema penal criminalização e cidadania no trânsito: da promessa de segurança à eficácia invertida do código de trânsito brasileiro. Direito e sociedade. 10-11.1998 ______. 1. 276-287. Revista Brasileira de 16 . ______ .p. ______. Da domesticação da violência doméstica: politizando o espaço privado com a positividade constitucional. 12. ______.. Boletim do IBCCrim. p.110-127. ______. Revista da Faculdade de Direito da UFSC. dez. Violência sexual e sistema penal: proteção ou duplicação da vitimação feminina? Seqüência.1997. n.99-102.30.102-110. Discursos sediciosos: Crime. Seqüência. Do paradigma etiológico ao paradigma da reação social: mudança e permanência de paradigmas criminológicos na ciência e no senso comum. ano VI . 3. Brasília. Criminologia e feminismo. Porto Alegre. O sistema de justiça criminal no tratamento da violência sexual contra a mulher. n. n. maio 2004. 4. n. ______. Revista dos Tribunais. Discursos sediciosos: Crime.especial p. O município como matéria constitucional. Rio de Janeiro. Direito e sociedade. 1º sem.207-217. p. pp. p. ______. ______. ______./jun. UFSC.42-49. p. 35.1998. Rio de Janeiro. jun. n. 87-114.Florianópolis. 2º sem. n.1997. 33. ano 12. n. dez. Seqüência. n. Florianópolis. Seqüência. pp. Chapecó. Do paradigma etiológico ao paradigma da Reação Social: mudança e permanência de paradigmas criminológicos na ciência e no senso comum. 10-14. n. 1996. dez.Florianópolis. Sexo e gênero: a mulher e o feminino na Criminologia e no sistema de justiça criminal. n. p. ______. 2. ______.14. p. 1996.ANDRADE. ______. n. Direito em Debate. Jan. Seqüência.Florianópolis. 1986. p. 138.225-228.

Movimentos contemporâneos de controle do crime. 50. São Luis.) A construção do Direito Penal e do Processo Penal modernos. 2008. Revista Jurídica do Ministério Público de Mato Grosso. n. 2004.3. ______.71-102. n. Movimentos contemporâneos de controle do crime.Por que a Criminologia ( e qual Criminologia) é importante no Ensino Jurídico? Revista de Estudos Criminais. jun. ______. Edição comemorativa 20 anos. p.13. Arno e SONTAG. ______. ______. dez. n. IN: III Ciclo de Estudos e debates sobre violência e controle social. Florianópolis. Seqüência. Porto Alegre. Seqüência. ano 3. ______. ano 15. 2006. 2004. ______.VIII. p. jan.2008. Porto Alegre: PUC/RS. 227-244. Minimalismos abolicionismos e eficientismo: a crise do sistema penal entre a deslegitimação e a expansão. 17 . verão 2007. n. 22-3. In:DAL RI JÚNIOR. 52. Discursos Sediciosos.30. 260290.Por que a Criminologia ( e qual Criminologia) é importante no Ensino Jurídico? Carta Forense. Revista da Esmesc. 48.2007. Programa de Pós-Graduação em Ciências Jurídicas. A soberania patriarcal: O sistema de justiça criminal no tratamento da violência sexual contra a mulher. O sistema de justiça criminal no tratamento da violência sexual contra a mulher: a soberania patriarcal. ______. Florianópolis.58. p. Justiça e Direito: Revista de Pós-Graduação em Ciências Jurídicas do UniCEUMA. Anais do Encontro de História do Direito/Jornada do IBDH. n.1.n. p. ______. São Paulo: Revista dos Tribunais. p. Ricardo ( Orgs. v./dez.Ciências Criminais.2005. A sociedade espelhada: o humano e o animal. ______. Cuiabá: Entrelinhas.Itec. 16 a 17 de abril de 2008.163-182 ______.Escola Superior da Megistratura do Estado de Santa Catarina. 2008. 184.459-488. 1º e 2º sem. dez. Ano V. 15-6. Florianópolis. Porto Alegre: Anais do III Ciclo de Estudos e debates sobre violência e controle social.143-148./jun. Nota Dez. n. Minimalismos abolicionismos e eficientismo: a crise do sistema penal entre a deslegitimação e a expansão. São Paulo: Revista dos Tribunais. março de 2008.Rio de Janeiro. v. O sistema de justiça criminal no tratamento da violência sexual contra a mulher: a soberania patriarcal.p. 7-8. ano 11.8. 19-24. n.p. Jornal Miguelito.167-185. p. p. v. p. Florianópolis-SC. Florianópolis. n. ______.v. A construção da Dogmática Penal entre o final do século XIX e o início do século XX. jul. maio-jun.1. ______. São Paulo. 2006. Minimalismos e abolicionismos: a crise do sistema penal entre a deslegitimação e a expansão.19. p. mar 2008. n. Boletim do IBCCrim.4.

Porto Alegre. Coleção Doutrinas essenciais . ______ . René Ariel . São Paulo: Revista dos Tribunais. IV. 793-809. PRADO. n. Correio Regional. v. v. Revista Discenso. São Paulo: Revista dos Tribunais. 17 de maio de 1996. v. _______. Florianópolis. Cruz Alta.-dez 2009. 2011. Entrevista.13-14. Teoria Geral da Tutela transindividual. 2011. Que garantismo é possível do compasso Criminologia e penalismo críticos? Seqüência. pp. ______. n. O perigo está simbolicamente encarcerado. Flávia. -ENTREVISTAS e MATÉRIAS PARA JORNAL RADIO E TV ANDRADE. Boletim IBCCRIM. v. 57. ISSN 0798-9598 ______.1415-5400 ______.Revista de Estudos Criminais. p. de 2008.). I. Diário Catarinense. Luiz Regis. ago 98. 59 p. O Projeto Universidade sem Muros: puxando a prisão.41-48.). 37. ISSN 1984-1698 ______. JulioSeptiembre 2009. 22 de janeiro de 2000. p. p. 18 . n.237-260.. Volume I. Revista Brasileira de Ciências Criminais. 2012. 33. Grupos vulneráveis (Coleção Doutrinas essenciais . n. Matéria sobre Código de Trânsito brasileiro.2-5. René Ariel. Nov.1. 2º aniversário. p. Florianópolis. A soberania patriarcal. 2009. Venezuela-Maracaibo. 81. dez. 2009. Ano II. p. ______.161-192. A colonização da Justiça pela Justiça penal: potencialidades e limites do judiciário na era da globalização neoliberal. Vera Regina Pereira de. . ano 17 p. GARCIA.339-356. Flagrando a ambigüidade dogmática com a lupa criminológica. Seqüência. XIX. Vol.______. 575-605.dez 2009. Capítulo Criminológico. In: DOTTI. vol. n. .São Paulo.página 4. 31-52.15. 3. Construção e identidade da Dogmática Penal: do garantismo prometido ao garantismo prisioneiro.. (Org. In: O mundo vai acabar? -Informativo do Curso de Direito da UFSC. _______. Nota Dez. ______. R. Sábado. número II. DOTTI. (Org. n. ______. PIOVESAN. O controle penal no capitalismo globalizado. O controle penal no capitalismo globalizado. O Direito Penal e o político: do limite do poder penal ao poder penal sem limite. Florianópolis. PRADO. Maria. p. dez. ISSN.Direitos Humanos). Horizonte de projeção do controle penal no capitalismo globalizado neoliberal. L.Direito Penal econômico e da empresa .20.

Matéria sobre Código de Trânsito brasileiro. Entrevista telefônica para a Rádio do Doutorado em Jornalismo da Universidade Fluminense (UF). Domingo. Luis Alberto Warat . 3º aniversário. 4 de abril de 2007. ______. Diário Catarinense. 19 . Setembro de 2002. Gazeta de Caçapava. Gazeta de Caçapava. da emissora RBS -sobre violência no carnaval e punição aos crimes de trânsito.Tempo total: 29’ 54” ______. Sílvia Moretson . 22 de fevereiro de 2007 (12h) ______.n.______. 20 de março de 2007. 16 de novembro de 2001. Sexta-feira.Florianópolis. Veiculação em 9 de novembro de 2005 . Entrevista no Programa Justiça do Trabalho na TV (3 blocos) sobre a obra “Sistema penal máximoxcidadania mínima: códigos da violência na era da globalização”. Diário Catarinense. Caçapava do Sul-RS. oferecido em nível de extensão na UFSC. Florianópolis. sobre inimputabilidade penal. da emissora RBS -sobre violência no carnaval. Participação no Programa Opinião – sobre criminalidade – da TV da Assembléia Legislativa – RBS – Florianópolis.596. Matéria sobre Código de Trânsito brasileiro. ______. da emissora RBS ( repórter Peterson Daniel) sobre o Projeto “ Universidade sem Muros” . “40% a mais de motoristas embriagados ” . 23 de junho de 2002. Entrevista no Programa Jornal do Almoço.página 07. 14 de janeiro de 2001. ______.página 07. Rádio Pontointernet. Rio de Janeiro. A Crítica.página 4-5. 26 e 27 de março de 2007. ______. Manaus-AM. Participação em Programa sobre segurança no Campus da UFSC . Domingo.TV digital sobre a trajetória do Curso de Pós-Graduação em Direito da UFSC. ______. Florianópolis. Entrevista no Programa Jornal da RBS. ______. 09 de agosto de 2002. Página 08. ______. coordenado pela Professora Dra. com duração de 00:02:32. setembro de 2002. Entrevista com o título “Só punir não resolve”. ______.Entrevista no Programa Bom Dia Santa Catarina. Segunda-feira. Entrevista concedida ao Professor Dr. Matéria sobre Produção Literária do Município de Caçapava do Sul. ______.Laboratório de Rádio do Curso de Jornalismo da UFSC.Florianópolis. ano 21.página 26. Florianópolis. 10 de março de 2003 (19:00h) ______. Florianópolis. Sexta-feira.7. Matéria sobre o lançamento do primeiro volume da obra “Ver so e Reverso do Controle Penal: (des)aprisionando a sociedade da cultura punitiva”. 5 de fevereiro de 2007.

p.. Matéria: Local para instalação de cadeia em Florianópolis é decisão do governo. Além da Lei: a face oculta do sistema penal.br. 1996. ______. Prefácio de NEPOMUCENO. Estigmas da criminalização: dos antecedentes à reincidência criminal.Entrevista para Matéria São José registra 20 assassinatos desde janeiro.clicrbs. n° 51. ______. Joinville. Niterói. Julho de 2009.Gilberto Poli.06/04/2009. Jornal Mensal da Associação dos Magistrados Catarinenses. à Rádio CBN Diário. Prefácio de CARVALHO. Diário Catarinense.com. ______.2008. 24/06/2010.html -PREFÁCIOS e APRESENTAÇÕES ANDRADE. Florianópolis. Mediador: Renato Igor.com. ______. Longe da progressividade. 33/09/2010.xml ______.p. Jackson.3. Vera Regina Pereira de. ______. Entrevista sobre Justiça restaurativa. Luam. Florianópolis. Do limite do sentido ao sentido do limite do reformismo penal. Entrevista Jornal A Notícia. OAB-SC.Participação no Programa Conversas Cruzadas sobre criminalidade juvenil. Alessandro. Sérgio 20 . perto da segurança? : a ambigüidade da política criminal brasileira. Elliane Viegas e Newton Ramon. duração 43 minutos. Francisco Ferreira. Florianópolis. Salo de.jsp?uf=2&local =18&section=Geral&newsID=a2949700. Entrevista concedida ao Jornal ZERO. Mediador: Renato Igor. Reforma e “Contra”Reforma Penal no Brasil: uma ilusão. Segurança continua presa a mitos. Disponívelhttp://www.RBSTV . Prefácio de BISSOLI FILHO.pozagora.10. Curso de Jornalismo da UFSC. Rio de Janeiro: Revan.org. ______.______.br/noticias/local-para-instalacao-decadeia-em-florianopolis-e-decisao-do-governo. TV com. Dos discursos enunciados aos discursos silenciados: recuperando a dignidade da Política Criminal pelo e para o homem. ______. Disponível em:http://noticias. ______. Agosto de 2010. duração 43 minutos. Florianópolis. ______. em 6 de abril de 2007.amc. A tecedura da Biografia criminal seletiva e estigmatizante. Obra Jurídica. A Política Criminal de Drogas no Brasil. Debatedores: Vera Andrade. 1999. TV comRBSTV . Ano V..Participação no Programa Conversas Cruzadas sobre monitoramente eletrônico de presos.br/diariocatarinense/jsp/default. Mario Antônio da Silva e Tatiane de Souza Leandro. Prefácio de AZEVEDO. Debatedores: Vera Andrade. Entrevista no Programa de Mário Mota. Jornal O Judiciário. Francisco. sobre o Projeto “ Universidade sem Muros” oferecido em nível de extensão na UFSC.que sobrevive. Prefácio de GRAZIANO SOBRINHO. www. 1998.

p. Porto Alegre: OAB/RS. Contradogmáticas. A secular discursividade prisional e a legitimação do ilegitimável: Para que(m) serve(m) as prisões ? Prefácio de:GUIMARÃES. Dezembro de 2002. n. A concepção de cidadania em Kelsen: os limites políticos do liberalismo jurídico e o modelo brasileiro. “Penas perdidas violentam famílias de presos: as penas não contabilizadas na matemática da violência prisional. 2007. ANDRADE.p 269-270. ANDRADE.6/7/8.br/?sub=produto&id=2830&menu=digitais -SÍNTESES OU RESUMOS DE OBRAS OU TRABALHOS APRESENTADOS ANDRADE.As funções da pena privativa de liberdade no capitalismo: do que se oculta(va) ao que se declara. Vera Regina Pereira de & MEZZAROBA. Fabiana Costa Oliveira. " Dogmatic Penal Science and penal system: from de control of the violence to the violence of the social-penal control. 2011. Como se estivesse morrendo:a prisão e a revista íntima realizada em familiares de presos.com. Rio de Janeiro: Lumen Juris. Orides. Vera Regina Pereira de & MEZZAROBA.Francisco Carlos. Rio de Janeiro: Revan.lumenjuris. E-book. Orides. 1995. Prefácio de DUTRA. Flagrante e prisão provisória em casos de furto: da presunção de inocência à antecipação de pena. 2006. Cláudio Alberto. Resumo da obra Verso e Reverso do Controle Penal: (des)aprisionando a sociedade da cultura punitiva. Disponível em : http://www.SC. São Paulo. A progressão de regime prisional no Brasil: a vedação legal e a interpretação restritiva nos crimes hediondos como elementos de estigmatização do condenando. ______. American Society of Criminology. 2007. ______. Anuário do PET – PETARDO. Florianópolis . 2 v. Prefácio de: BARRRETO. The American Society of Criminology-47th Annual Meeting. 1986. Revista Seqüência 45. Crimen and Justice: National and International.49-50. ______. Vera Regina Pereira de. O discurso da cidadania: das limitações do jurídico às potencialidades do político. Apresentação de ANDRADE. 2006. Yuri Frederico. ______. Vera Regina Pereira de. 1988. -RESENHAS 21 . Florianópolis: Boiteux. Columbus. _____. IBCCrim: São Paulo.

ANDRADE. -EDITORIAL ANDRADE. Florianópolis. Julho de 2002. Vera Regina Pereira de . Revista Discursos Sediciosos 12.SC MONOGRAFIA DE ESPECIALIZAÇÃO Título: Crise e reforma do ensino jurídico: uma problemática in(definida). Revista Katálysis/Universidade Federal de Santa Catarina.1. 2 sem 2002. Página 201-03. PRINCIPAIS TRABALHOS ACADÊMICOS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Título: O discurso da cidadania: das limitações do jurídico às potencialidades do político. Centro Sócio Econômico. junho de 2006. Florianópolis . Resenha da obra Verso e Reverso do Controle Penal: (des)aprisionando a sociedade da cultura punitiva. ANDRADE. Página 411-412. Rio de Janeiro – RJ . Departamento de Serviço Social. Vera Regina Pereira de.SC. Vera Regina Pereira de .da elaboração: março de 1986 a julho de 1987 da defesa: agosto de 1987 Local: Florianópolis. Revista Seqüência 44. Instituição: Faculdades Integradas de Santa Cruz do Sul Faculdade de Direito Destinação: para obtenção do título de Especialista em Direito Período: da elaboração: março a novembro de 1989 da apresentação: dezembro de 1989 22 . Homenagem a Baratta. n. Resenha da obra Verso e Reverso do Controle Penal: (des)aprisionando a sociedade da cultura punitiva. Instituição: Universidade Federal de Santa Catarina -Curso de Pós-Graduação em Direito Destinação: para obtenção do título de Mestre em Direito Período: . A colonização da justiça pela justiça penal: potencialidades e limites do Judiciário na era da globalização neoliberal.

MONOGRAFIA DE DOUTORADO Título: Da Dogmática Jurídica à Dogmática Jurídico-Penal: em busca da gênese e identidade de um paradigma. Instituição: Universidade Federal de Santa Catarina Curso de Pós-Graduação em Direito Destinação: defesa para exame de qualificação no Doutorado Período: da elaboração: março a julho de 1992 da apresentação: 31 de agosto de 1992 TESE DE DOUTORADO Título: Dogmática e sistema penal: em busca da segurança jurídica prometida Instituição: Universidade Federal de Santa Catarina Curso de Pós-Graduação em Direito Destinação: para obtenção do titulo de doutor em Direito Período: da elaboração: setembro de 1992 a novembro de 1994 da apresentação: 20 de dezembro de 1995 -PRINCIPAIS PESQUISAS Título: Sistema da justiça penal e violência sexual contra as mulheres: análise de julgamentos de crimes sexuais violentos em Florianópolis na década de oitenta Instituição: Universidade Federal de Santa Catarina /CNPq Período: de elaboração da pesquisa: 1º de agosto 1996 a 30 de julho de 1997 Período:de elaboração do relatório final: fevereiro de 1998 Título: Código de trânsito Brasileiro ( Lei n.503 de 23.1997) e cidadania: decodificando o impacto da nova lei na sociedade brasileira Instituição: Universidade Federal de Santa Catarina /CNPq Período: de elaboração da pesquisa: 1º de agosto de 1999 a 31 de julho de 2003 Título: Humanismo Latino Prostituição e Homossexualismo Instituição: Universidade Federal de Santa Catarina /Fondazione CassamarcaTreviso-Itália Período: Março de 2003 a Dezembro de 2005 23 .9.09.

7492 de 16.06.86) **Ela Wiecko Wolkmer de Castilho 2000 A LEI MODERNA : Uma abordagem a partir de leitura cruzada entre Direito e Psicanálise **Jeanine Nicollazi Philipi 2003 A CIDADANIA NA ERA DA GLOBALIZAÇÃO NEOLIBERAL: A CONVERGÊNCIA DOS ESPAÇOS PARA A RADICALIZAÇÃO DA DEMOCRACIA Maria de Fátima Wolkmer 24 .TESES DE DOUTORADO ORIENTADAS e DEFENDIDAS 1996 O CONTROLE PENAL NOS CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ( Lei n.pesquisando Título: Globalização controle penal segurança pública cidadania e direitos humanos Instituição: Universidade Federal de Santa Catarina Período: Março de 2002 /pesquisando Título: Bases para uma Criminologia do controle penal no Brasil: em busca da brasilidade criminológica Instituição: CNPq/ Universidade Federal de Santa Catarina Período: Março de 2012 /pesquisando -ORIENTAÇÕES **Trabalhos publicados 1.Título: Em busca da latinidade criminológica: da recepção da Criminologia crítica em América Latina à construção de criminologias críticas latino-americanas e brasileiras Instituição: Universidade Federal de Santa Catarina Período: Março de 2006 a março de 2007 Título: Globalização controle penal cidadania e direitos humanos Instituição: Universidade Federal de Santa Catarina Período: Março de 2003.

2005 O CONTROLE PENAL DA ORDEM TRIBUTÁRIA NO BRASIL : O USO DO DIREITO PENAL PARA A IMPUNIDADE DA SONEGAÇÃO FISCAL Márcia Aguiar Arend 2006 FUNÇÕES DA PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE: DO QUE SE OCULTA(VA) AO QUE SE DECLARA ***Cláudio Guimarães 2008 DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL À LEI MARIA DA PENHA: TEORIA E PRÁTICA DA VITIMIZAÇÃO FEMININA NO SISTEMA PENAL BRASILEIRO Marília Montenegro Pessoa de Mello 2011 O SABER DOS JURISTAS E O CONTROLE PENAL: O DEBATE DOUTRINÁRIO NA REVISTA DE DIREITO PENAL (1933-1940) E A CONSTRUÇÃO DA LEGITIMIDADE PELA DEFESA SOCIAL Camila Cardoso de Mello Prando 2) DISSERTAÇÕES DE MESTRADO ORIENTADAS E DEFENDIDAS 1995 O MINIMALISMO PENAL COMO POLÍTICA CRIMINAL DE CONTENÇÃO DA VIOLÊNCIA PUNITIVA Samira Haydêe Naspolini A REABILITAÇÃO SOCIAL DO DELINQÜENTE NA REFORMA PENAL DE 1984: O OLHAR DA MAGISTRATURA SULISTA Ângela de Quadros 1996 A POLÍTICA CRIMINAL DE DROGAS ILÍCITAS NO BRASIL: DO DISCURSO OFICIAL ÀS RAZÕES DA DESCRIMINALIZAÇÃO **Salo de Carvalho DA REPRESSÃO À MEDIAÇÃO PENAL: UM ESTUDO DAS FUNÇÕES NÃO DECLARADAS DA POLÍCIA CIVIL CATARINENSE 25 .

Andréa Irani Pacheco 1997 POLÍTICAS INTEGRADAS DE SEGURANÇA URBANA: MODELOS DE RESPOSTAS ALTERNATIVAS À CRIMINALIDADE DE RUA Cristina Jackseski REFORMA E “CONTRA”-REFORMA PENAL NO BRASIL (1984-1995): UMA ILUSÃO.. QUE SOBREVIVE **Jackson Azevedo O ESTIGMA DA CRIMINALIZAÇÃO NO SISTEMA PENAL BRASILEIRO: DOS ANTECEDENTES À REINCIDÊNCIA **Francisco Bissoli Filho 1998 CAPITULAÇÃO PENAL: O PODER (IN)VISÍVEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO Márcia Aguiar Arend CRIMINOLOGIA E RACISMO: UMA INTRODUÇÃO AO PROCESSO DE RECEPÇÃO DAS TEORIAS CRIMINOLÓGICAS NO BRASIL Evandro Charles Piza Duarte JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS E VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: A DOR QUE A LEI ESQUECEU **Leda Maria Herman A FUNÇÃO SELETIVA DO MINISTÉRIO PÚBLICO NO SISTEMA DA JUSTIÇA PENAL Vera Lúcia Ferreira Copetti O DISCURSO FEMINISTA CRIMINALIZANTE NO BRASIL: LIMITES E POSSIBILIDADES Carmen de Campos Hein 2. PESQUISAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ORIENTADAS 1991 CONFLITOS DE PROPRIEDADE NA FAVELA DA SERRINHA Adriana Bertoncini 1997 SABEM QUE EU FUI SINCERA: O TRATAMENTO DISPENSADO PELO PODER JUDICIÁRIO ÀS MULHERES VÍTIMAS NOS CRIMES SEXUAIS Cristina Pacheco 26 ..

7716/89 no combate aos crimes de racismo.MONOGRAFIAS DE GRADUAÇÃO ORIENTADAS E DEFENDIDAS 1996 A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA NOTÍCIA SOBRE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER .2001 CRIMINALIZAÇÃO DOS CONFLITOS AGRÁRIOS NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: UMA VISÃO DO ESTADO DE SANTA CATARINA Henrique de Campos Porath 2008 O PAPEL DA MASS MEDIA E DO SENTIMENTO DE INSEGURANÇA NO ENDURECIMENTO PENAL Alexandre Pereira Hubert 3. Luis Alberto Lemme de Abreu 1997 A INSTRUMENTALIZAÇÃO DA PROVA LEGITIMANDO A SELETIVIDADE DO SISTEMA PENAL Nádea Clarice Bissoli O MITO DA IGUALDADE E A PROBLEMÁTICA DA SELETIVIDADE RACISTA NO SISTEMA PENAL BRASILEIRO Margarida Maria Vieira A DESCRIMINALIZAÇÃO DO ABORTO: DA CRIMINOLOGIA CRÍTICA À CRÍTICA FEMINISTA Fábio Jablonski Philippi OS DESLOCAMENTOS DA CIDADANIA NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS Alexandre Botelho 2004 OS MECANISMOS DE CRIMINALIZAÇÃO COMO FATORES GERADORES DA REINCIDÊNCIA CRIMINAL Cynthia Alesandra Custel dos Santos 27 .A IMAGEM DA VITIMAÇÃO FEMININA NA FOLHA DE SÃO PAULO NO ANO DE 1995 Raquel de Córdova A (IN)EFICÁCIA DA LEI n.

628/2002 Diana da Costa Chierighini DESCRIMINALIZAÇÃO JUDICIAL DO CONSUMO DE ENTORPECENTES ATRAVÉS DA APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA Gustavo Schlupp Winter ASSÉDIO SEXUAL : UMA ABORDAGEM CRIMINOLÓGICA SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER Ramila Rossi 2005 PERICULOSIDADE E EXAME CRIMINOLÓGICO: A RECEPÇÃO LEGITIMADORA DA CRIMINOLOGIA POSITIVISTA NA EXECUÇÃO PENAL BRASILEIRA Jacqueline Amaral O MINIMALISMO PENAL DE ALESSANDRO BARATTA APLICADO À RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA Caroline Camilo Dagostin 2007 LEI MARIA DA PENHA: A ILUSÃO DE PROTEÇÃO PELO SISTEMA PENAL Fernanda Pereira Garcia 2008 O DIREITO DE VOTO DO PRESO PROVISORIO Juliana Camargo ANTROPOCENTRISMO E ÉTICA ANIMAL – QUAL TUTELA PENAL DOS ANIMAIS? Carolina Knabben 2009 28 .COMPETÊNCIA ESPECIAL POR PRERROGATIVA DE FUNÇÃO APÓS A CESSAÇÃO DO EXERCÍCIO DA FUNÇÃO PÚBLICA: UMA ANÁLISE SOBRE A (IN)CONSTITUCIONALIDADE DA LEI Nº 10.

Estudo sobre as possibilidades de prevenção em delitos de trânsito Márcia 2006 ALINE GUIDA – LEI MARIA DA PENHA 5. MONOGRAFIAS DE ESPECIALIZAÇÃO ORIENTADAS 2004 PUNIR E EDUCAR – É POSSÍVEL PREVENIR.POLICIAMENTO COMUNITÁRIO: DEMOCRATIZAÇÃO DA SEGURANÇA PÚBLICA CONTROLE Claus Enrique Bianco de Castro 2011 FUNDAMENTOS POLÍTICOS E INTELECTUAIS DA POLÍTICA CRIMINAL ALTERNATIVA DE ALESSANDRO BARATTA Eduardo Granzoto Melo UM PANORAMA DA OBRA DE BOAVENTURA DE SOUSA SANTOS: AS BASES EPISTEMOLÓGICAS DE UMA CONCEPÇÃO PÓS-MODERNA DE DIREITO Rafael Caetano Becker 4.DISSERTAÇÕES DE MESTRADO ORIENTADAS E DEFENDIDAS 2001 A FUNÇÃO SIMBÓLICA DO DIREITO PENAL COMO MATRIZ OCULTA DA POLÍTICA CRIMINAL BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA Quitéria Tamanini Vieira Péres O JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS : AS PROMESSAS DE CONSTRUÇÃO E A REALIDADE CONSTRUÍDA NA COMARCA DE CHAPECÓ Eduardo Pianalto de Azevedo PRISÃO E RESSOCIALIZAÇÃO : A (IN)EXISTÊNCIA DA RESSOCIALIZAÇÃO NA PENITENCIÁRIA AGRÍCOLA DE CHAPECÓ Valmor Vigne 29 .

09.A UNIFICAÇÃO DA POLÍCIA CIVL NO BRASIL: LIMITES E POSSIBILIDADES Jorge da Silva Giulian MODELOS PENAIS MINIMALISTAS: CONTRIBUIÇÕES E LIMITES NA RECONSTRUÇÃO DA LEGITIMIDADE DOS SISTEMAS PENAIS CONTEMPORÂNEOS Ester Eliana Hauser ALÉM DA LEI: AS FALAS E OS SILÊNCIOS DO JUDICIÁRIO NO SISTEMA PENAL Alessandro Nepomuceno DE CRIMINOSOS À CRIMINALIZADOS: O PROCESSO DE CRIMINALIZAÇÃO NO TRÂNSITO NA COMARCA DE MONTES CLAROS-MG Leonardo Linhares Drumond Machado O DESAFIO DE APLICAR A PENA Paulo Renato Nicola Capa O CARÁTER “ALTERNATIVO” DAS PENAS ALTERNATIVAS: PARA QUE E PARA QUEM? Eunice Anisete de Souza Trajano CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO ( Lei n.97) COMO INSTRUMENTO PUNITIVO: UMA ABORDAGEM DE SEUS LIMITES E POSSIBILIDADES Elizete Lanzoni Alves A PROGRESSÃO DE REGIME PRISIONAL NO BRASIL: A VEDAÇÃO LEGAL E A INTERPRETAÇÃO RESTRITIVA NOS CRIMES HEDIONDOS COMO ELEMENTOS DE ESTIGMATIZAÇÃO DO CONDENANDO Sérgio Graziano Sobrinho ABORTO EUGÊNICO: ANÁLISE DO ATUAL ESTÁGIO NO BRASIL Sheila Luft A POLÍTICA CRIMINAL DE DROGAS CONTEMPORÂNEA: O CASO DA INTERVENÇÃO AMERICANA NA COLÔMBIA Alicildo José dos Passos 30 . 9.503 de 23.

2002 ABOLICIONISMO DO CONTROLE PENAL: UTOPIA DA REALIDADE OU REALIDADE DA UTOPIA? Deise Helena Krantz JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS: FUNÇÕES INSTRUMENTAIS E SIMBÓLICAS Salin Schead dos Santos O PRINCÍPIO DA LEGALIDADE NO SISTEMA PENAL BRASILEIRO: DO QUE SE CALA AO QUE SE FALA Antônio Coelho 2003 CONSTRUÇÃO SOCIAL DO TRABALHO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: O CONTROLE SOCIOPENAL DO TRABALHO ESCRAVO RURAL NA AMAZÔNIA Camila Cardoso de Mello Prando 2007 ENSINO DE CRIMINOLOGIA NA FORMAÇÃO POLICIAL Giovanni de Paula JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL: O CONTROLE PELO CONTROLE NA GLOBALIZAÇÃO Fabiana de Assis Pinheiro A FALÁCIA TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL: DAS PROMESSAS NÃO CUMPRIDAS À REPRODUÇÃO DAS DESIGUALDADES Carolina Pecegueiro 2008 A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA CRIMINALIDADE: UM ESTUDO SOBRE O PAPEL DO JORNALISMO NA CRIMNALIZAÇÃO DOS CONFLITOS AGRÁRIOS Marília Denardin Budó 31 .

PESQUISAS DO PET(PROGRAMA ORIENTADAS E CONCLUÍDAS DE EDUCAÇÃO TUTORIAL) 32 .O SISTEMA PRISIONAL E A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA NO ATO DA REVISTA ÍNTIMA EM VISITAÇÃO DE FAMILIARES DE PRESOS EM FLORIANÓPOLIS Yuri Frederico Dutra A CIDADANIA DESAFIADA: O DIREITO A CONSUMIR CONSUMIU O CIDADÃO Mara Leal 2009 CONTROLE PENAL ATUARIAL E PRISÃO CAUTELAR: O MODELO DE SEGURANÇA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS (2004-2008) Daniela Teixeira Félix POLÍCIA COMUNITÁRIA: LIMITES E POSSIBILIDADES NA CRISE DO SISTEMA DE JUSTIÇA PENAL Valter Cimolin O IMPACTO DA CONSTRUÇÃO SOCIAL DO MEDO E DO SENTIMENTO DE INSEGURANÇA URBANA NA/PARA A FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS DE SEGURANÇA NA CIDADE DE FLORIANÓPOLIS Eduardo Pazinato Melo 2010 PARA UM MODELO PENAL NÃO PUNITIVO: ELEMENTOS DE UMA TEORIA LATINO-AMERICANA DO CONFLITO SOCIAL Felipe Heringer Roxa Motta 2012 O CONTROLE SOCIAL PUNITIVO ANTIDROGAS SOB A PERSPECTIVA DA CRIMINOLOGIA CRÍTICA: A CONSTRUÇÃO DO TRAFICANTE NAS DECISÕES JUDICIAIS EM SANTA CATARINA Marco Aurélio Souza da Silva 7.

2009 POLÍTICA CRIMINAL E TRANSFORMAÇÃO SOCIAL: A SUPERAÇÃO DA IDEOLOGIA DA DEFESA SOCIAL E AS POLÍTICAS ALTERNATIVAS DE CONTROLE. Eduardo Granzoto Melo RAZÃO CRÍTICA E DIREITO PENAL MÍNIMO: UMA APROXIMAÇÃO DIALÉTICA À RELAÇÃO MINIMALISMO-ABOLICIONISMO Eduardo Granzoto Melo OS ECOS DO EFICIENTISMO PENAL NA POLÍTICA CRIMINAL CATARINENSE Marcel Soares de Souza SISTEMA DE JUSTIÇA PENAL ABOLICIONISMO E FEMINISMO Helena Klein Oliveira A CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE CRIMINOSO NA SOCIEDADE CAPITALISTA: UM DEBATE PARA O SERVIÇO SOCIAL Arnaldo Xavier 8.ORIENTAÇÕES EM DESENVOLVIMENTO SUPERVISÃO DE PÓS-DOUTORADO TEORIA CRIMINOLÓGICA ACERCA DA REFORMA PENAL BRASILEIRA ( anteprojeto do Código penal) Mário Ramidoff DOUTORADO CRIMINOLOGIA CRÍTICA E UTOPIA CARCERÉRIA: EM BUSCA DE UM PROGRAMA DE DESCARCERIZAÇÃO RADICAL PARA O BRASIL Marcelo Mayora Alves CRIMINOLOGIA MARGINAL Jackson da Silva Leal MESTRADO A CRIMINOLOGIA NO ENSINO JURÍDICO NO BRASIL 33 .

Mariana Dutra Garcia A TRADUÇÃO DO PARADIGMA DA REAÇÃO SOCIAL E DA CRIMINOLOGIA CRÍTICA NO BRASIL Fernanda Martins A TRADUÇÃO DO PARADIGMA ETIOLÓGICO DE CRIMINOLOGIA NO BRASIL: De Lombroso a Nina Rodrigues Luciano Góes CRIMINOLOGIA FEMINISTA E PRISÃO: MULHERES ENCARCERADAS NO PRESÍDIO FEMININO DE FLORIANÓPOLIS Vanessa Lema CRIMINOLOGIA CRÍTICA E CONTROLE PENAL BRASILEIRO NA GLOBALIZACÃO NEOLIBERAL Eduardo Granzotto Melo 34 .