ROUSSEAU (1712-1778

)

Foi um contratualista democrático, seu pensamento ira!a em torno da participação do povo na política , pois n"o poderia conce#er a id$ia de li#erdade em %ue apenas al uns poderiam da lei se #ene&iciar, portanto o sentido %ue deu ' li#erdade era de %ue todos tin(am o direito de opinar e de&inir os rumos da na)"o* Suas id$ias in&luenciaram a Re!olu)"o Francesa de 178+* SO,ERA-O . /O0ER-O

 Atribui ao povo a soberania inalienável.
1rans&ere o conceito de so#erania da pessoa do

o!ernante para todo o po!o (corpo pol2tico ou sociedade de cidad"os)* A so#erania $ inaliená!el e indi!is2!el e de!e ser e3ercida pela !ontade eral (so#erania popular*) Os revolucionários franceses resumiram o pensamento social de Rousseau em três palavras: liberdade,

igualdade e fraternidade, que, untas, compuseram o
lema da Revolução !rancesa.

de!e se ori inar do 8consentimento9 necessariamente un:nime* • . por3m desde que o $omem sentiu necessidade do outro. viveram livres.-A .6 4ara Rousseau a li#erdade (umana de!eria ser constru2da a #ase da educa)"o. de modo %ue se5a capa6 de desen!ol!er a sa#edoria* 7O(*RA*O )O7-A+ 7 4ara ser le 2timo. a#dica sem reser!a de todos os seus direitos em &a!or da comunidade < .omo todos a#dicam i ualmente. cada um nada perde* . sadios. no %ual as crian)as aprenderiam a se tornarem su5eitos sadios. inteli entes."#nquanto o $omem se dedicava a obras que um %nico $omem podia criar.ada associado se aliena totalmente.O /O0 )#+1A. !irtuosos e capa6es de entrar em contato com seus sentimentos e dese5os sem se corromperem diante os !2cios sociais* O ideal $ %ue ela n"o se torne !aidosa. introdu&iu4se a propriedade.#02. ou se5a. o trabal$o tornou4se necessário e as vastas florestas transformaram4se em campos apra&íveis que se imp5s a regar com o suor dos $omens e nas quais logo se viu a escravidão e a mis3ria germinarem e crescerem com as col$eitas. desapareceu a igualdade. bons e feli&es '(O)*A+. &ortes. com &alsa pretens"o de ser mel(or %ue os outros e nem !2tima.

-R#*A < S= se mant$m a so#erania do po!o atra!$s de assem#l$ias &re%Centes de todos os cidad"os.O1#R(O 7 Os depositários do poder n"o s"o sen(ores do po!o.8#+O 8A7*O o (omem a#dica de sua li#erdade. o#edece a si mesmo e.O) 8O.O-SE-1?AE-1O H >E?* .#R#). portanto. mas sendo ele pr=prio parte inte rante e ati!a do todo social. por$m este pro5eto s= $ poss2!el em uma sociedade de redu6idas propor)Des* 7R-*-7A A A:*O(O0-A . constituem apenas O EOAEA F >?0RE -A AEB?BA EA GUE BH O >?0RE . $ >?0RE* O 7O(*RA*O n"o &a6 o indi!2duo perder sua so#erania* )O/#RA(O # . mas seus o&iciais e o po!o podem ele @-los ou destitu2-los %ue %uando l(e o aprou!er* o!erno OS AA/?S1RABOS e3ecutam as leis* 8R#7O(-9A A .#0O7RA7-A 8AR*-7-8A*-1A O: . ao o#edecer a lei.