You are on page 1of 5

Resumo de capítulos do livro: “INTRODUÇÃO À ECONOMIA” DE GREGORY MANKIW Introdução a Economia 1 – PRINCÍPIOS GERAIS DA ECONOMIA O capítulo começa com

uma breve introdução sobre a economia e o trabalho dos economistas. Segundo Mankiw Economia é o estudo de como a sociedade administra seus recursos escassos, sendo Escassez a limitação dos recursos para evitar que as pessoas tenham tudo o que desejam. O economista tem a função de analisar o comportamento das pessoas, tanto na sua particularidade, quanto na interação com outros. Os Dez Princípios da Economia são divididos em 3 temas centrais: como as pessoas tomam decisões, como interagem e como a economia funciona. Os 4 primeiros princípios tratam das decisões, como as pessoas fazem suas escolhas. Trade Off, custo de oportunidade, racionalidade, mudanças marginais e incentivos são que envolvem escolhas a serem feitas pelas pessoas, sejam escolhas próprias ou incentivadas por algo ou alguém. Os 3 princípios em diante envolvem as interações das pessoas umas com as outras. As relações de mercado são de fundamental importância para bem-estar da sociedade, pois o comércio permite a especialização em serviços e consequentemente uma maior variedade de bens e serviços. Quando o mercado fica centralizado, e não com uma economia de mercado, tende a não visualizar as necessidades reais do consumidor causando insatisfação. Só que sem o poder central seria inviável o controle da economia de mercado, porque o governo é quem garante direitos dos produtores ou consumidores sob os produtos, além de poder promover a eficiência e a igualdade. Os 3 últimos descrevem o funcionamento da economia, que é baseado nas decisões e interações feitas nos princípios anteriores. O padrão de vida de uma sociedade está inteiramente ligado a sua capacidade de produção, trabalhadores que possuam conhecimentos elevados, ferramentas necessárias e a mais nova tecnologia do mercado produzem mais e com uma melhor qualidade, causando uma maior demanda pelos seus produtos, e assim uma maior injeção monetária naquele país. A inflação é a elevação dos preços no mercado, geralmente ocorre devido a uma maior emissão de notas pelo governo, podendo ocorrer também devido a uma baixa no desemprego, pois com a população empregada mais dinheiro se tem circulando para ser gasto. Assim sendo existe um Trade off entre desemprego e inflação, pois, ao reduzir a taxa de desemprego, aumenta a inflação. 3 - GANHOS COMERCIAIS E INTERDEPENDÊNCIA O capítulo vai tratar sobre interdependência das pessoas, ou seja, porque elas optam por depender dos outros para bens e serviços de que precisam. Um dos motivos para a escolha dessa dependência é a capacidade de espacialização naquilo que se saber fazer melhor. Então um arquiteto decide por estabelecer uma interdependência comercial com várias pessoas porque essas pessoas são treinadas para produzir bens e serviços específicos, que um arquiteto não conseguiria, poupando-lhe tempo e dinheiro. O comércio realizado entre países gera a importação, bens produzidos no exterior e vendidos internamente, e exportação, bem vendidos ao exterior e produzidos internamente. As possibilidades de produção são também forte influencia para uma maior relação entre mercados. Os produtores podem focar em apenas bens que eles têm uma maior facilidade em produzir, e negociar outros produtos necessários com comerciantes especializados naquilo, aumentado seu lucro. Nesse contexto existem duas ocasiões que um produtor pode levar vantagem sobre outro, podendo ser vantagem absoluta ou vantagem comparativa. A vantagem absoluta é a comparação de produtividade de uma pessoa, empresa ou nação com a da outra, estabelecendo quem consegui produzir um bem com a menor quantidade de insumos, tendo o vencedor vantagem absoluta sob os outros. A vantagem comparativa expressa o custo de oportunidade de dois produtos, pois o produtor que abre mão de uma menor quantidade de um determinado produto para produzir outro, desfruta de uma vantagem comparativa de produção, obtendo mais lucros que outros produtores.

OFERTA E DEMANDA Oferta e demanda é o tópico do capítulo 4. pois. pois se o preço do bem no mercado está alto. A curva de demanda pode sofrer deslocamento se ocorrer algo que altere a quantidade demandada a cada preço dado. que é um gráfico de relação entre o preço de um bem e a quantidade demandada. a definição do mercado. A elasticidade-preço demanda calcula quanto à mudança nos preços afeta a quantidade demandada. certificando a lei da oferta. O calculo é feito com a variação da quantidade ofertada dividida pela variação percentual do preço Há outros tipos de elasticidades da demanda que são usados para analisar o comprador em determinado mercado: elasticidade-renda da demanda e a elasticidade-preço cruzada da demanda. Umas das causas mais influenciadoras na demanda de um produto é seu preço. quando ele estiver acima do ponto de equilíbrio a quantidade ofertada é maior do que a quantidade demandada. A demanda é a quantidade de produtos que o consumidor deseja e pode comprar. expectativas quanto ao aumento ou diminuição do consumo do bem analisado. a quantidade ofertada é a mesma da quantidade demandada. Se resultado for maior que 1. a quantidade e o preço tendem a ficarem no ponto de equilíbrio. O calculo é feito com a variação do percentual de quantidade demandada divida pela varação percentual do preço. Subdivide-se em elasticidade da demanda e da oferta. Para estabelecer a relação demanda e preço usando a curva de demanda. alterações nos preços dos bens substitutos e complementares. o vendedor pode aumentar a oferta. 5 . Ocorre o equilíbrio da oferta e da demanda no ponto de cruzamento entre a curva da oferta e da demanda.ELASTICIDADE Elasticidade é a medida da reação dos compradores e vendedores as condições de mercado.4 . a demanda diminui. determinam a quantidade produzida de cada bem e por quanto ele será vendido. 7 . o deslocamento da curva para a direita ocasiona um aumento da demanda. desenvolvimento da tecnologia. com isso. Tende a ser a mais elástica ao longo prazo. a curva de ofertas também pode ser deslocar para direita ou para esquerda. Quando estiver abaixo haverá um excesso de demanda. surgindo assim a lei da demanda. levando em consideração se o bem é um bem normal ou inferior. PRODUTORES E A EFICIÊNCIA DO MERCADO . Para os economistas oferta e demanda é o que fez a economia funcionar. se o bem é necessário ou supérfluo. Sendo o preço o impulsor das relações dos recursos escassos. alteração no número de vendedores.CONSUMIDORES. A relação oferta e preço é demostrada na curva de oferta. que é um gráfico da relação entre um bem e a quantidade ofertada. Assim como a de demanda. com isso. A oferta é a quantidade que os vendedores querem e podem vender. as expectativas quanto ao aumento da produção do bem e a alteração no número de compradores. tendo na primeira um aumento e na segunda uma diminuição. menor que 1 é inelástica e igual a 1 possui elasticidade unitária. O que pode levar a alterações na curva de oferta é variação nos preços dos insumos necessários para a produção do bem. a curva de demanda é considerada elástica. O que pode levar a um deslocamento são variações na renda. A elasticidade-preço oferta mede o quanto a quantidade ofertada responde a mudanças no preço. Assim. Isso acontece devido a um ajuste no preço do bem de modo a igualá-los. e quanto o preço sobe. os gostos da população com relação ao produto. e horizonte do tempo. A lei diz que quando o preço do bem diminui a quantidade demandada aumenta. podendo ainda possuir características elásticas ou inelásticas tanto na oferta quanto na demanda. sendo o preço mais uma vez responsável pela quantidade ofertada. levando em consideração a disponibilidade de substitutos próximos. ocorrendo um excesso de oferta.

o consumidor compra menos e consequentemente o vendedor recebe menos. é quando um imposto afeta os ganhos dos consumidores e vendedores no comércio. Os custos são as despesas que o empresário tem para produzir um bem. a quantidade de vendedores que poderá oferecer o mesmo produto pode ser grande e assim reduzir o preço. o vendedor marginal também será o que abandonará a oferta primeiro. Quando o tributo é aplicado sobre os compradores. pois. que é a disposição que ele tem para pagar menos o valor que ele realmente paga. tem-se o excedente do produtor. a curva de oferta se move para cima. 8 . contudo. Eficiência e equidade também são abordados nesse capítulo. os vendedores oferecerem o produto para quem pega mais. o que tiver a menor disposição para pagar será o comprador marginal. Quando há uma ocorrência de maximização de excedentes tanto do comprador quanto do vendedor. O custo total de uma empresa é a soma dos custos fixos e variáveis. Quando há uma queda no excedente total. maior será o peso morto do imposto. A eficiência é quando a empresa disponibiliza para todos o bem que produz. e equidade é ser imparcial na distribuição desses bens. e sim por não está disposto a diminuir o preço do seu serviço. as perdas do consumidor e do vendedor são maiores que a receita obtida pelo governo. isto é. mas não por capital inferior. Em mercados livres. Em outras palavras. já é considerado um custo. precisa vender o produto por um valor maior do que o gasto. levaria ao produto . A função de produção é a relação entre a quantidade de investimento e quantidade produzida. a curva de demanda se move para baixo e quando recai sobre os vendedores. O vendedor por sua vez. Se comprador pagar um preço menor do que o atribuído por ele mesmo. O efeito inicial de uma tributação sobre um bem é a perda de ganhos para o comprador e para o comerciante. Assim. temos uma situação de mercado livre. Os contadores apenas se interessam no fluxo corrente de dinheiro da empresa. se tem um caso de peso morto. numa calculo simples de valor dos impostos x quantidade de bens vendidos. e os custos fixos sempre serão gastos independente da recita. buscando sempre melhorar a vida da população. Assim. quanto mais elástica for a oferta e demanda. ou seja. Enquanto os economistas consideram os custos de oportunidade. levando em consideração que um vendedor só tem lucros se seu custo total for menor que a receita total. ou seja. assim.O sonho do consumidor é ter o que deseja pagando menos. A receita arrecadada vai para a manutenção da sociedade. terá um excedente do consumidor. A decisão do empresário em aumentar o investimento para aumentar a produção. O governo participa aplicando os impostos e depois cobrando. Os custos explícitos e implícitos distinguem economistas e contadores. pois só poderá pagar o menor preço oferecido. o quanto os impostos afetam o bem-estar dos vendedores e consumidores de um mercado. 13 – CUSTOS DE PRODUÇÃO O capítulo 13 fala sobre os custos de produção dos bens e serviços levando em consideração empresas de maximização de lucros.TRIBUTAÇÃO O capitulo 8 trata dos custos da tributação que o governo impõe. ao decidir o bem que quer ele atribui um valor mínimo ao objeto. gerando sua disposição para pagar. caso o empresário não invista em algo que poderia lucrar futuramente. Para sabermos como os tributos afetam o bem – estar usamos os excedentes. O custo total está diretamente ligado com os lucros que a empresa vai obter. quando o comerciante vende por um preço que abate os gastos de produção e ainda eleva o lucro. Havendo concorrência. que é o capital recebido pela venda de produtos. Os excedentes do consumidor (quantia que os consumidores estão dispostos a gastar menos o que efetivamente pagam) e do vendedor (quantia que os vendedores ganham pelos produtos menos os seus custos) são o “lucro” que cada um tem ao comprar ou vender um bem. Havendo concorrência entre consumidores. mesmo que não havendo movimentação financeira. O que determina o peso morto é a elasticidade da oferta e da demanda. podendo ainda ser implícito ou explícito a Os custos variáveis são os custos que dependem da receita. por ser o primeiro a desistir do bem. como o aumento da tributação gera um aumento no preço do produto.

ainda possui mais duas características: os vendedores oferecem os bens em grande escala. O mercado de terra e capital é regido por dois tipos de preços: preço de compra. Caso não ocorra a maximização de lucros a empresa poderia ser forçada a interromper suas atividades a curto ou longo prazo. Este se torna decrescente quando há um grande numero insumos e pouca estrutura para produção. as empresas podem entrar ir sair quando quiser do mercado.EMPRESAS EM MERCADOS COMPETITIVOS O objetivo deste capítulo é analisar como as empresas tomam decisões nos mercados competitivos. terra e capital também são citados no fim do capítulo. e decide quanto quer contratar e quanto quer vender e as maximizadoras de lucros que não se importam com a quantidade de trabalhadores ou produtos disponíveis e sim o máximo que pode ganhar a partir deles. Mas para tentar mantê-la em equilíbrio. capital humano e conhecimento tecnológico. visto que a demanda por mão de obra é uma demanda derivada. a terra e o capital. Para decidir se aumenta a produção o empresário leva em consideração custo total médio. A Economia de escala quando o custo total médio de longo prazo declina com o aumento da quantidade produzida e a Deseconomia quando o custo total médio de longo prazo aumenta junto com o aumento da produção. que aceita as condições do mercado. Contudo. se uma empresa é capaz de influenciar o preço do mercado dizemos que esta tem poder de mercado. Existem ainda a receita média (receita total divida pela quantidade produzida) e receita marginal (variação da receita total originada da venda de cada unidade adicional de produto). que é quanto um comprador paga para ser proprietário do fator terra ou capital por tempo indeterminado. Os fatores de produção. Dentre eles destacamos a mão de obra. Um mercado competitivo é aquele em que os compradores e vendedores não têm influência sobre os preços do mercado. já o preço de arrendamento é quanto o comprador pagar para ser proprietário de um mesmo fator por tempo limitado. que é o quanto a mais uma empresa produz com a contratação de mais um trabalhador. que é o custo total dividido pela quantidade produzida. é o responsável pela decisão da empresa de empregar ou não mais funcionários. As empresas de mercado competitivo têm como meta a maximização de lucros. No curto prazo o preço do produto está abaixo dos seus custos variáveis e no longo preço do produto está menor do que seu Custo Total Médio 18 – MERCADOS E FATORES DE PRODUÇÃO Neste capítulo autor trata da análise de mercado de fatores. Assim. a empresa irá buscar por trabalhadores até que o valor do produto marginal seja o mesmo do salário. O Valor do Produto Marginal do Trabalho é igual ao preço x produto marginal do trabalho. Outro fator importante em relação a custos é o curto e longo prazo. O salário pode variar de acordo com tempo devido a três fatores: Capital físico. e crescente quando tudo que é produzido é vendido. É sabido que o mercado de trabalho se difere de outros mercados.marginal do insumo no processo de produção. O Produto Marginal do Trabalho. a curva de oferta de trabalhadores pode se deslocar. devido a grande quantidade de empresas que oferecem o mesmo serviço ou bem impossibilitando uma variação de preços. Sendo assim. 14 . . O aumento na produção de bem traria consigo um investimento chamado custo marginal. A maximização de lucros só é atingida quando a empresa iguala o seu Custo Marginal à sua Receita Marginal. A receita total é a quantidade de produzida x preço pago pelos consumidores. Além de possuir a característica de muitos consumidores e vendedores. e a melhor ferramenta pra isso é calcular custos de receitas. assim os compradores e vendedores são chamados de tomadores de preços. existem dois tipos de empresas que se encacham nesse mercado: as competitivas. Assim como toda curva de oferta e demanda. o salário se ajusta a oferta e a demanda por mão-de-obra. Os fatores de produção são os meios usados para produzir bens e serviços.

não se cruzam. levando em consideração que o consumidor tem uma maior facilidade para abrir mão de um bem que ele já tem em grande quantidade. considera que um bem está mais caro do que o outro e passa a consumir mais do outro. Existem 4 propriedades para curva de indiferença: as curvas mais elevadas são preferíveis. são convexas ao eixo principal. . A Curva de Indiferença do Consumidor indica as combinações de consumo que o consumidor está igualmente satisfeito. é usado a Curva de Restrição Orçamentária e a Curva de Indiferença do Consumidor. Ao acontecer mudanças na renda ou no preço dos produtos. se acha mais confortável e passa a consumir mais dos 2 produtos.TEORIA DA ESCOLHA DO CONSUMIDOR A teoria de escolha do consumidor observa como os consumidores tomam decisões e como reagem as mudanças em seu ambiente. De acordo com o efeito renda. o consumidor por observar uma diminuição do preço relativo de um dos bens. o efeito substituição. A otimização é atingida quando a TMGs é a mesma do preço relativo (taxa o que o mercado está disposto a trocar um produto por outro). Uma alteração no preço de um dos produtos tem dois efeitos sobre o consumidor: renda e substituição. A Curva de Restrição Orçamentária indica as combinações de consumo que o consumidor pode ter. que agora ficou mais barato.21 . pois refletem a TMGs-Taxa Marginal de Substituição (disposição do consumidor a trocar um bem pelo outro). O outro efeito. o ponto ótimo se move. a tendência da Curva de Indiferença é a mesma da Restrição Orçamentária. Para isso. elas se inclinam para baixo. No ponto ideal para o consumidor.