EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA ...

ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE SÃO PAULO – ESTADO DE SÃO PAULO

Henrique, nacionalidade...,estado civil..., ator de telenovelas...,RG..., CPF..., residente e domiciliado .... , por seu advogado que esta subscreve, constituídos nos termos da procuração em anexo,... vem respeitosamente à presença de Vossa Excelência, com fundamento nos atigos 282 e seguintes do Código de Processo Civil e nos artigos 927 e seguintes do Código Civil, propor a presente

AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MATERIAS, MORAIS E ESTÉTICOS, pelo RITO ORDINÁRIO

em face de DREAM BOAT, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ nº..., com sede no endereço..., Cidade de Santos-SP, nesse ato representado por seu diretor..., conforme contrato social anexo, BLUE OCEAN DELUX, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ nº..., com sede no endereço..., Rio de Janeiro-RJ, nesse ato representado por seu diretor..., conforme contrato social anexo e NAVIENG LTDA pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ nº..., com sede no endereço..., Rio de Janeiro-RJ, nesse ato representado por seu diretor..., conforme contrato social anexo, pelos motivos de fato e de direito que a seguir passa a expor.

I – DOS FATOS Ocorre que o Senhor Henrique se dirigiu a Loja Dream Boat e adquiriu uma Lancha modelo INTERMARINE 2000, cuja fabricação é composta por uma parceria entre duas empresas do ramo naval, qual seja BLUE OCEAN DELUX e NAVIENG LTDA, ambas com sede no Rio de Janeiro-RJ, sendo como referência neste ramo, no que tange a maior capacidade de segurança agregado a conforto. Pois bem, no primeiro final de semana após aquisição da referida Lancha, Henrique navegava em alto mar, quando de repente ocorreu um superaquecimento do motor do transporte, ocasionando uma explosão e incendiando toda embarcação. Por consequência da referida explosão Henrique teve lesões de escoriações no braço e no rosto, ficando horas a deriva em alto mar no aguardo da prestação de socorro. A lancha que explodiu, com Henrique a bordo, foi comprada no valor de R$ 200.000,00 (duzentos mil reais). Dentro da embarcação haviam equipamentos de guarnição, com valores estimados no total de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais). Henrique teve despesas hospitalares no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais), conforme demonstrativos em documento anexo. O autor labora na função de Ator de Telenovela, sendo de suma importância a preservação de sua imagem física, uma vez se tratar de seu “cartão de visita” perante os telespectadores. De modo que Henrique já estava escalado para trabalhar em uma Minissérie de televisão, porém em razão dos ferimentos que sofreu teve de abandonar a

estava estipulado no valor de R$ 1. II – DO DIREITO Aplicação do Código de Defesa do Consumidor Os fabricantes e a Loja (fornecedora) requeridos atuam de forma solidária na lide. restando perfeitamente incluído no rol dos prestadores de serviços do Código de Defesa do Consumidor. fórmulas. da Lei 8. A verossimilhança está comprovada através dos indícios apresentados nessa exordial e a hipossuficiência é evidente." Mais ainda. O fabricante. independentemente da existência de culpa.078/90: Art. pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços." Necessário.000. ainda. em relação a solidariedade das requeridas. independentemente da existência de culpa. assim como por aqueles decorrentes da disparidade. rotulagem ou mensagem publicitária. 12. manipulação. o construtor. disciplina a questão ao preceituar: "Art.) VIII . respeitadas as variações decorrentes de sua natureza.. Os fornecedores de produtos de consumo duráveis ou não duráveis respondem solidariamente pelos vícios de qualidade ou quantidade que os tornem impróprios ou inadequados ao consumo a que se destinam ou lhes diminuam o valor.a facilitação da defesa de seus direitos. inclusive com a inversão do ônus da prova. da embalagem. for verossímil a alegação. fabricação. uma vez que as rés se recusam a indenizar o prejuízo causado. preceitua artigo 18. no caso presente. a critério do juiz. podendo o consumidor exigir a substituição das partes viciadas. Não restou outra alternativa se não a viajudiciária. montagem. 18. quando. no processo civil. o Código de Defesa do Consumidor. é cabível a inversão do ônus da prova. e o importador respondem.produção artística. Senão vejamos artigo 12 da Lei 8. o produtor. uma vez que. a seu favor. Desta forma. que Henrique deixou de lucrar ao ter de abandonar o papel que iria realizar. que também é direito básico do consumidor a informação adequada.000. Saliente-se que. em virtude de estarem devidamente atendidos os requisitos para a ocorrência de tal inversão. segundo as regras ordinárias da experiência. bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua utilização e riscos. ressaltar.00 (um milhão de reais). assim como a apresentação dos riscos: . 6º . com a indicações constantes do recipiente. pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos decorrentes de projeto. Ressalta para o fato de que o contrato firmado entre o ator e a produção da Minissérie. nacional ou estrangeiro. Nesse sentido. tendo em vista que os requeridos possuem maiores condições técnicas de trazer aos autos do processo elementos fundamentais para a resolução da lide.078/90: Art.078/90 o qual contém o seguinte teor: "O fornecedor de serviços responde. construção. bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos..São direitos básicos do consumidor: (. além de uma equipe renomada de advogados para realizarem sua defesa. incide aqui o artigo 14 da Lei 8. ou quando for ele hipossuficiente. apresentação ou acondicionamento de seus produtos.

nos termos de nossa legislação que resguarda os direitos de quem se viu lesado e deseja recompor seu patrimônio. poderá o juiz reduzir. deixando de perceber um lucro pela participação na Minissérie num valor contratual de R$ 1. independente de qualquer atuação dolosa ou culposa do responsável. evidente que o REQUERENTE sofreu diversos prejuízos de ordem material. com especificação correta de quantidade." Dano material A indenização material compreende a reposição de tudo quanto a vítima perdeu.. qualidade e preço. bem como sobre os riscos que apresentem. estabelecem os parâmetros ou preceituam o modus operandi para se estabelecer o quantum indenizatório. No caso de lesão ou outra ofensa à saúde.. juntamente com todos equipamentos perdidos. anteriormente acordado. com despesas totalizando R$ 5.) (. Aquele que. o que razoavelmente deixou de lucrar.. Diante do caso ocorrido.000. . como também tudo quanto ficou impedida de ganhar (lucros cessantes)..00 (cinco mil reais). haja vista que foi obrigado a pagar diversos exames laboratoriais. por ato ilícito (arts.” Os artigos 944 e seguintes.000. que se encontrava na embarcação. além de algum outro prejuízo que o ofendido prove haver sofrido. uma vez que necessários para sua recuperação. além do que ele efetivamente perdeu.00 (um milhão de reais). que diz: “Art. A indenização mede-se pela extensão do dano.. como facilmente se pode inferir: "Art. Faça-se constar o dispositivo do artigo 927. 6º (.000. 949. as perdas e danos devidas ao credor abrangem. especialmente os artigos 949. fica obrigado a repara-lo.000. caput: "Art. há de se anotar ainda as disposições concernentes à mensuração da indenização: “Art.00 (cinquenta mil reais) Não bastasse. num valor de R$ 50. 950 e 951. 944.. consoante se vislumbra especificamente no artigo 402 do Código Civil de 2002. Parágrafo único. eqüitativamente. sendo necessário que tenham acontecido durante atividades realizadas no interesse ou sob o controle da pessoa responsável. composição. a indenização. 402 Salvo as exceções expressamente previstas em lei. características. por um período de. o ofensor indenizará o ofendido das despesas do tratamento e dos lucros cessantes até ao fim da convalescença. diante das lesões decorrentes da explosão no acidente com a Lancha. foi obrigado a abandonar suas atividades profissionais de ator. 927. adquirir inúmeros medicamentos para o tratamento. causar dano a outrem.) III . Se houver excessiva desproporção entre a gravidade da culpa e o dano." A partir do momento em que resta configurado o dano.” A responsabilidade objetiva apresenta-se como a obrigação de reparar determinados danos causados a outrem. pode-se buscar o seu devido reparo. 186 e 187)."Art.a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços. Neste ínterim..

requer: a) A citação das rés por Oficial de Justiça. em virtude da ação ilícita do lesionador. a reparação. compensa os dissabores sofridos pela vítima. 5º (. no prazo de 15 dias apresentar defesa sob pena de revelia (artigo 311. Código de Processo Civil).. há de ser ressaltado o que está prescrito na Constituição Federal de 1988: "Art. acrescidos de juros e atualização monetária.00 (um milhão duzentos e cinquenta mil reais) mais os valores de dano moral a serem arbitrados por este juízo. Dessa forma. cumpre salientar. incluirá pensão correspondente à importância do trabalho para que se inabilitou. além das despesas do tratamento e lucros cessantes até ao fim da convalescença. as conseqüências do prejuízo sofrido. III – DO PEDIDO Isso posto.. ou da depreciação que ele sofreu. que possibilite ao lesado uma satisfação compensatória da sua dor íntima. a reparação do dano há de ser fixada em montante que desestimule o ofensor a repetir o cometimento do ilícito. Sendo assim. cabendo aos REQUERIDOS.são invioláveis a intimidade. (.. arbitrada pelo consenso do juiz. vez que não existem critérios determinados e fixos para a quantificação do dano moral. em parte. reside no pagamento de uma soma pecuniária. devidamente recolhida. que inseriu em seu texto a admissibilidade da reparação do dano moral.) X . a vida privada. responder pelos danos causados pela explosão da Lancha e consequente lucro que deixou de ganhar. para que em querendo. Assim. Desta feita. que o REQUERENTE deve ser indenizado nos termos do artigo supracitado. Em que pese o grau de subjetivismo que envolve o tema da fixação da reparação. conforme explanado anteriormente. pelos danos patrimoniais.Art. 950. sua integridade psíquica.000. inúmeras legislações vêm sendo editadas no país. em tais casos. a indenização pecuniária em razão de dano moral é como um lenitivo que atenua. ou se lhe diminua a capacidade de trabalho. no valor de R$ 1. enfim.. b) A procedência do pedido para o fim de condenar as rés ao pagamento . seu bem-estar íntimo. devido ao estrago causado pelo animal pertencente aos REQUERIDOS. Dano Moral Inicialmente.250. d) A juntada da inclusa guia de custas. causando-lhe mal-estar ou uma indisposição de natureza espiritual. Se da ofensa resultar defeito pelo qual o ofendido não possa exercer o seu ofício ou profissão. suas virtudes.)" Com o advento da Carta Magna de 1988. . eis que a condição em que se encontra se enquadra perfeitamente na intelecção do mesmo. diante da impossibilidade do REQUERENTE continuar a manutenção da produção. assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação. c) A condenação das rés nas custas e honorário advocatícios a serem arbitrados por vossa excelência. sua honra. superando o déficit acarretado pelo dano. Existem circunstâncias em que o ato lesivo afeta a personalidade do indivíduo. a honra e a imagem das pessoas. a indenização. ampliando o leque de opções para a propositura de ações nessa área. nada mais justo do que a devida indenização para que possa se reestruturar.

Local e data. f) Informa que as intimações serão dirigidas ao advogado.. ADVOGADO. Atribui-se o valor da causa de R$ 1..00 (um milhão duzentos e cinquenta mil reais)....000. Termos em que. no endereço abaixo indicado..250. pede deferimento.e) Protesta provar o alegado por todos meios de prova em direito admitidos.. ... OAB.