Lançamento Horizontal

_______________________________________ Uma análise do movimento bidimensional

Andrei Michel Sontag Rafaela Esequiel Danilo Lessa Bernardineli

k é uma constante que independe da velocidade inicial do lançamento e t é o tempo de queda. onde h é a altura da queda. régua e trena para medição das alturas. microfone para captura do som e computador para análise do áudio e determinação do tempo de queda.t² de um lançamento horizontal. Equipamento: Rampa para o lançamento de um corpo. .Visão Geral Objetivo: Verificar a relação h = k.

Através das medições. verificando também a independência do tempo de queda em relação à velocidade horizontal do lançamento. Parte-se da premissa de que diferentes alturas da bolinha na rampa. gerarão diferentes velocidades horizontais finais para a mesma. a altura da bola em relação à rampa (h) e o tempo de queda da bolinha.O Experimento O desenvolvimento experimental consiste no lançamento de uma bolinha a partir de uma rampa. medese a altura da rampa em relação ao chão (H). pretende-se verificar a relação antes mencionada. . Dessa maneira.

Dessa forma: É a relação que queremos verificar. a gravidade) e t é o tempo.O Experimento Modelo Teórico: O modelo teórico consiste na aplicação da cinemática escalar. a é a aceleração (no caso. podemos escrever a seguinte relação para o movimento vertical da bolinha: Onde ∆S é a variação de posição vertical. Voy é a velocidade vertical inicial. . Seja H a altura da rampa.

Desprezar a resistência do ar. entre elas. . podemos citar: . .O Experimento Aproximações: As esquações anteriormente usadas são válidas para um modelo experimental perfeito. Portanto. .Desprezar o atrito da bola com a rampa. devemos fazer algumas aproximações.Desprezar a rotação da bolinha.

sendo cada medida repetida 3 vezes.O Experimento Medições: Foram feitas medidas para a rampa em 6 alturas diferentes (H). foram feitas 3 medições de alturas da bolinha na rampa (h) para obtermos diferentes velocidades. Para as 3 últimas alturas da rampa. foram feitos 3 lançamentos para a bolinha na altura h = 15 cm na rampa. . Para as 3 primeiras alturas da rampa.

foi usado um microfone de forma a gravar o momento em que a bolinha sai da rampa e o momento em que a mesma chega ao chão. faz-se a análise da forma da onda sonora no computador e determina-se o momento de saída e de chegada da bolinha. .O Experimento Medição do tempo: Para a medição do tempo. De posse do áudio. obtendo-se assim o tempo de queda.

81 0.84.48 0.02 0.00 Lançamento IV .02 0.320 cm Alturas na Rampa 26.02 0.44 0.02 0.7 cm 15 cm 5 cm Modelo Teórico Tempo medido (s) 0.02 0.00 Tempo medido (s) 0.3 cm Lançamento III .02 0.212.43 0.00 Tempo medido (s) 0.00 .68 0.49 0.38 0.108.43 0.Resultados Dados Obtidos: Após as medições.83 0.41 Incerteza 0.38 0.48 0.47 0.02 0.110.37 Incerteza 0.66 0.1 cm Tempo medido (s) Incerteza Lançamento VI .02 0.02 0.00 0.7 cm 15 cm 5 cm Modelo Teórico 0.1 cm Lançamento II .2 cm Alturas na Rampa 26.02 Tempo medido (s) Incerteza Lançamento V .68.02 0.51 0.00 0.1 cm Tempo medido (s) Incerteza 0.47 Incerteza 0. os resultados de cada altura na rampa foram arredondados e foi feita uma média aritmética para obter um valor final.02 0.36 0. Os valores são apresentados na tabela abaixo: Lançamento I .

Resultados .

Resultados .

Resultados .

.Conclusões A primeira conclusão que podemos obter a partir dos gráficos e do experimento é a de que a hipótese (H = k. Tais divergencias na teoria se devem principalmente às limitações de medição e das aproximações feitas (inexistência de atrito e resistência do ar).t²) (apesar de pequenas divergências) consegue prever de modo satisfatório o movimento de queda da bolinha. uma vez que os valores obtidos são próximos dos valores teóricos.

6 m/s² e um coeficiente linear de aproximadamente 0 cm. Para as duas retas obtemos um coeficiente angular de aproximadamente 4.6 = 9.Conclusões Outro ponto importante a se notar são os valores dos coeficientes das retas.2 m/s² O que é um valor muito próximo do valor real (9.78 m/s²).t² e lembrando que k = (g/2). Dessa forma: g = 2.k = 2 x 4. podemos calcular facilmente o valor da gravidade local. . Lembrando que o coeficiente angular refere-se a constante k da relação H = k.

sendo em boa parte das vezes iguais para 2 ou mais lançamentos. além de imprecisões nas medições realizadas. . As pequenas divergências no tempo se devem principalmente ao maior atrito da bolinha com o ar nos lançamentos com velocidades maiores. podemos ver também que os valores dos tempos medidos para cada velocidade da bolinha numa mesma altura de rampa (H) foram muito próximos.Conclusões Além disso.