Projeto de Pesquisa – Iniciação Científica ANÁLISE DE REDES SEM FIO USANDO PROGRAMAÇÃO LINEAR

RELATÓRIO FINAL

Submetido por: Aluno: Silvano Ressurreição de Jesus Filho Orientador: Prof. Paulo Cardieri Departamento de Comunicações Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação – UNICAMP

Em seguida. Primeiramente são descritas características das redes ad hoc e é feita uma breve introdução sobre a Programação Linear. que estabelece a condição de interferência por meio de distâncias entre terminal interferente e receptor. Essas características de uma redes ad hoc torna o seu estudo um tanto mais complexo. Nesse projeto usamos o modelo de protocolo da interferência [1]. por exemplo.1 Introdução Este relatório descreve os resultados obtidos durante o projeto de iniciação científica realizado no último ano. esses terminais estabelecem ligações sem a necessidade de uma estação central ou ponto de acesso. Na primeira parte do projeto estudamos a influência da interferência numa rede ad hoc na qual existe apenas um enlace fonte-destino. Por fim. encaminhando de forma comunitária as mensagens advindas dos terminais vizinhos. se faz necessário o uso de técnicas de otimização para encontrar a melhor rota das comunicações. Isso significa que as mensagens passam de terminal para terminal até chegar ao seu destino. cada terminal atua como roteador. utiliza estações de comunicação para controlar o fluxo de informações e estabelecer conexões entre terminais (aparelhos celulares). Para isso. principalmente quando não há uma infra-estrutura de comunicação montada. A ausência de uma entidade que controla as comunicações faz com que os próprios terminais tenham que encontrar as rotas ligando fonte e destino. Uma rede de telefonia celular. Numa rede ad hoc. estudamos a 2 . já que a responsabilidade pela organização e controle da rede é distribuída entre os próprios terminais. Em seguida. é feito um estudo mais detalhado acerca da interferência em uma rede mais complexa. Assim. A versatilidade das redes ad hoc as torna úteis para vários tipos de aplicações. é feita a análise de uma rede simples para apenas um enlace fonte-destino e para dois enlaces fonte-destino. Outro fator que complica o estudo das redes ad hoc sem fio é a presença da interferência. 2 Redes Ad Hoc Redes Ad Hoc sem fio são um tipo de rede caracterizado por não possuir um terminal especial para o qual todas as comunicações convergem e que as encaminha para os respectivos destinos. Não há necessidade de uma infraestrutura de suporte.

Os terminais podem se comunicar de acordo com os enlaces representados. aprofundamos o nosso estudo variando o raio de interferência dos terminais. O algoritmo simplex [2]. Por fim. chamada função objetivo. é um importante método de resolução de problemas de programação linear. sendo que a intensidade de fluxo de dados em cada enlace depende das características do sistema de transmissão adotado e das condições de propagação. 3 Programação Linear Problemas de programação linear são problemas de otimização em que a idéia é minimizar ou maximizar uma função linear. neste exemplo.influência da interferência para dois enlaces fonte-destino. como o problema de transporte e o problema de fluxo de redes. se algumas condições forem assumidas. 4 Análise da Capacidade de uma Rede Ad Hoc Sem Fio Para ilustrar o estudo da capacidade de redes ad hoc. mas esses terminais não podem se comunicar diretamente. formando-se. uma rota com múltiplos saltos. que serão descritas mais adiante nesse relatório. Notese que. existe um único terminal fonte e um terminal destino. O algoritmo simplex foi estudado na primeira parte do projeto em algumas de suas aplicações mais comuns. desenvolvido por George Dantzig. consideremos a rede mostrada na Figura 1. 3 . O objetivo aqui é determinar a máxima intensidade de fluxo de informação entre os terminais fonte e destino. cuja capacidade de transmissão de dados dependerá da capacidade dos enlaces constituintes. Desta forma. a mensagem da fonte tem de passar de terminal em terminal até o destino. usamos as técnicas de programação linear. Para otimizar o fluxo de informação nessas redes. É o caso do problema tratado nesse projeto. Este algoritmo é popular por ser bastante eficiente na prática e chegar ao ótimo global com certeza. pois muitos problemas práticos em pesquisa operacional podem ser expressos como problemas de programação linear. assim. na presença de restrições também lineares. o que aproximou nosso modelo ainda mais da realidade. Problemas de programação linear devem receber uma atenção especial. O objetivo foi possibilitar uma familiarização com problemas de otimização e com as ferramentas computacionais para resolver tais problemas.

codificação. logicamente. 3. O terminal fonte não pode receber mensagens. que depende da técnica de transmissão (modulação.Figura 1: Rede sem Fio: Representação através de grafos.) empregada nos terminais. podemos modelar o problema da determinação da máxima intensidade de fluxo entre fonte e destino como um problema de programação linear. Os terminais intermediários só repassam as mensagens que receberam. O valor mínimo é. etc. 2. zero. eles não geram nem armazenam mensagens.ଷ ݂௦௜ Sujeito a: ∑ ݂௜௦ = 0 ݂௜௝ ≤ ‫ܨ‬௜௝ ݂௜௝ ≥ 0 ∑ ݂௜௝ = ∑ ݂௝௜ condição 1 para os nós intermediários condição 2 para o nó fonte condição 3 para o nó destino condição 4 condição 4 maximizar o fluxo de informação que sai da fonte ∑ ݂ௗ௜ = 0 4 . Algumas observações a respeito do funcionamento da rede podem ser feitas: 1. 4. O terminal destino não transmite mensagens. A partir dessas observações. ou seja. Existe um valor máximo para o fluxo de um enlace. max ∑௜ୀଶ.

5 . por não exercerem interferência um no outro. As equações listadas acima representam um problema de programação linear. encontramos os conjuntos independentes mostrados na Tabela 1. 3-4 e 4-5). que acontece quando um terminal recebe um sinal indesejado. como descrito a seguir. e os terminais próximos (2 e 4) não podem estar transmitindo nenhum sinal. como transmitir e receber simultaneamente. Ou seja. Um conjunto independente é um conjunto de enlaces que podem estar ativos ao mesmo tempo. enquanto está recebendo um sinal desejado. o primeiro não pode estabelecer conexão com outro terminal. nos dois casos acima não pode haver comunicação entre os terminais. são necessários três saltos (1-3. que acontece quando um terminal tenta executar duas tarefas de comunicação ao mesmo tempo. vamos. ݂௜௝ é o fluxo de informação do terminal i para o terminal j e computacional que implemente o algoritmo. de forma a obter um resultado mais próximo do real. e interferência secundária. e supondo que o raio de interferência é aproximadamente igual ao raio de transmissão. ou seja. um terminal interfere apenas no seu vizinho imediato. enquanto que os outros enlaces têm fluxos que são iguais a zero. sem perda de generalidade. A modelagem apresentada acima não leva em conta a influência da interferência que a transmissão de um terminal provoca nos outros terminais. Podemos aperfeiçoar esse modelo considerando a interferência. Analisando o exemplo levando em conta a interferência primária e a secundária. Assim. que pode ser resolvido pelo método simplex. encontramos a solução ótima que é ݂ଵଷ = ݂ଷସ = ݂ସହ = 1. 5 Interferência em redes sem fio Interferência em redes sem fio aparece em duas formas: a interferência primária. o terminal 3 recebe o sinal do terminal 1.‫ܨ‬௜௝ é a capacidade do enlace i-j. sendo que o fluxo máximo é unitário e depende apenas da capacidade de transmissão dos enlaces envolvidos. Empregando algum programa Nas equações acima. De acordo com o modelo de interferência utilizado nesse projeto. se. Nesse caso. Existem enlaces que podem estar ativos simultaneamente. considerar ‫ܨ‬௜௝ como sendo unitário para todos os enlaces. no exemplo da Figura 1.

Devemos. apenas os enlaces do conjunto 1 ficarão ativos. λ1. então. os enlaces conflitantes não podem estar ativos. digamos. até que toda informação gerada no terminal fonte tenha sido transmitida. alocar um certo intervalo de tempo para que cada conjunto independente de enlaces possa transmitir sem interferência. durante o intervalo de tempo. l46 l34 l43 A Figura 2 mostra com a mesma cor os enlaces de um mesmo conjunto independente. l64 l13.Tabela 1: Conjuntos Independentes Conjunto C1 C2 C3 C4 C5 C6 C7 C8 Enlaces l12. l56 l31. Figura 2: Enlaces de um mesmo conjunto independente são mostrados com a mesma cor Uma saída para o problema da interferência em redes sem fio é estabelecer que. l65 l32. os enlaces do conjunto 2 estarão ativos. l54 l23. A análise da interferência da maneira apresentada acima leva a duas restrições que devem ser adicionadas ao Programa Linear anterior: ݂௜௝ ≤ ‫ܨ‬௜௝ ∀௞|௟೔ೕ ∈ௌೖ ෍ λ௞ ෍ ߣ௞ = 1 6 . e assim por diante até o conjunto 8. E o processo se repetirá periodicamente. quando certo enlace estiver ativo. l45 l21. durante o intervalo λ2. Assim.

o conjunto 1 estará ativo com o enlace 4-5 transmitindo. O terminal 2 passa a ser um terminal fonte. o conjunto 7 estará ativo e o enlace 3-4 estará transmitindo. basta fazer algumas poucas modificações no programa linear anterior. comparando com os resultados obtidos da análise sem interferência. Nesse caso. e precisa obedecer à restrição 7 . Para resolver esse problema. considerando essas duas novas restrições. Primeiramente. encontramos o resultado: ݂ଵଷ = ݂ଷସ = ݂ସହ = 0. o conjunto 4 (ver Tabela 1) estará ativo e o enlace 1-3 estará transmitindo. e precisa obedecer à restrição 2. podemos estudar o que acontece se adicionarmos mais um enlace. o ciclo se repete a cada segundo. concluímos que a interferência reduz a capacidade da rede. É importante notar que a interferência faz com o que a capacidade de transmissão para o enlace fonte-destino citado seja reduzida a 1/3 da capacidade dos terminais. Durante a segunda parte. A segunda restrição diz que a soma de todas as frações do tempo tem de ser igual a 1. 6 Análise da Capacidade da Rede para dois enlaces fonte-destino Podemos aprofundar ainda mais o estudo dessa rede. Vamos considerar o caso em que. Pode acontecer de um enlace pertencer a mais de um conjunto independente. ele teria uma capacidade de transmissão duas vezes maior que a dos outros enlaces. Por fim. Em casos reais.333 ߣସ = ߣ଻ = ߣଵ = 0. Portanto. Sendo assim. pois no nosso caso. logo estes não precisam mais obedecer à condição 1 para nós intermediários. Resolvendo novamente o problema. o terminal 2 estará também enviando mensagens para o terminal 6.A primeira restrição diz que os terminais só transmitirão nos intervalos de tempo que foi alocado aos conjuntos a que eles pertencem. os terminais 2 e 6 deixam de ser terminais intermediários. E o terminal 6 passa a ser um terminal destino. geralmente não é comum ter apenas um enlace fonte-destino ativo.333s. Durante a primeira parte.333 A interpretação desse resultado é a seguinte: tomemos um intervalo de duração de um segundo e dividamo-lo em três partes de 0. além de o terminal 1 estar enviando mensagens para o terminal 5.

333s. Isso porque. metade do exemplo anterior. não estipulamos que ambos os terminais precisam transmitir.3.167 ߣ଻ = 0.167 ߣଵ = ߣଷ = ߣସ = ߣ଺ = 0. na prática. Com o problema totalmente formulado. para resolver o programa linear. ou seja. podemos acrescentar mais duas restrições ao nosso problema.4 ݂ଷସ = 0. Por fim. é possível que a resolução encontrada seja indesejada.167. é necessário fazer uma mudança na função objetivo. que passa a ser a soma de tudo que é transmitido pelos terminais 1 e 2. bem como não estipulamos que ambos os terminais 5 e 6 precisam receber. É interessante notar que é alocado um intervalo de tempo maior para o enlace 34.2 ߣଵ = ߣଷ = ߣସ = ߣ଺ = 0. quando descrevemos a função objetivo como sendo a soma das transmissões dos terminais 1 e 2. É uma hipótese razoável que pode ser facilmente testada. o que significa que esse enlace tem o dobro da capacidade dos outros enlaces. Mas. Para contornar esse problema. chegamos ao seguinte resultado: ݂ଵଷ = ݂ଶଷ = ݂ସହ = ݂ସ଺ = 0. Isso acontece porque esse enlace tem mais dados a transmitir. sendo quatro partes de 0.167s e uma parte de 0. O fluxo total transmitido por 1 tem de ser igual ao fluxo total transmitido por 2. e a solução matemática pode privilegiar um terminal em detrimento do outro.333 A interpretação do resultado é a seguinte: o intervalo de 1 segundo é agora divido em cinco partes. Somente essas restrições descrevem o problema perfeitamente. e o fluxo total recebido por 5 tem de ser igual ao fluxo total recebido por 6.2 ߣ଻ = 0.333 8 . Para esse novo problema chegamos aos seguintes resultados: ݂ଵଷ = ݂ଶଷ = ݂ସହ = ݂ସ଺ = 0. Isso nos leva a crer que poder-se-ia aumentar a capacidade da rede consideravelmente se aumentássemos a capacidade de transmissão desse enlace. O fluxo máximo para ambos enlaces é 0. e a sua capacidade de escoamento de mensagens está limitando a capacidade da rede. Basta substituir nas equações anteriores F34 e F43 de 1 para 2.4 ݂ଷସ = 0.

tal como foi feito no exemplo anterior. Vamos considerar também todos os enlaces tem a mesma capacidade. A capacidade para cada enlace fonte-destino agora é de 0. Uma análise com base no raio de interferência.Este é um resultado importante. vamos usar uma rede como 16 terminais. e inicialmente vamos considerar que o raio de interferência RI seja igual ao raio de transmissão. ou seja. Figura 3: Rede em Formato de Grade No nosso estudo. a distância de transmissão é RT = d . O primeiro passo é modelar a interferência provocada por cada terminal. dobrássemos a capacidade do enlace 1-2. ou seja. Se. 7 Rede em Formato de Grade Para aprofundar o estudo das redes sem fio. Estamos interessados em determinar o fluxo máximo entre o terminal 1 e o terminal 16. vamos analisar o exemplo de uma rede em formato de grade. na qual n2 terminais estão dispostos como mostrado na figura 3. 9 . o que apresenta um aumento de 20% modificando apenas um enlace. ao contrário. leva aos conjuntos independentes mostrados na Tabela 2. com distância entre terminais igual à d. Isso quer dizer que cada terminal. igual à unidade. interfere apenas nos quatros terminais mais próximos. obteríamos um aumento de apenas 9% na capacidade da rede. ao transmitir.2. Consideraremos aqui o caso em que cada terminal pode se comunicar apenas com os seus quatro terminais mais próximos. indicados na Figura 3. uma grade 4x4.

l1612 l21. l1014. ݂଺଻. l67. l1115. l65.15 ߣହ = ߣ଻ = 0. l117. l43. l1211. ݂଻ଵଵ. ݂ଵସଵହ = 0. l711. l1615 l15. ݂ଵ଴ଵଵ. l1514 l59. l62. ݂ଵ଴ଵସ. l610.25 ݂ଵହ = ݂ଶ଺ = ݂ଵଵଵହ = ݂ଵଶଵ଺ = 0. l76. A figura abaixo ajuda a ilustrar melhor o resultado Figura 4: Capacidade do enlace 1-16 10 . l1413. ݂ସ଼. l106.1 ߣଵ = ߣଷ = 0. l48. l1011. l139. l128 Desse modo. l910. ଼݂ଵଶ. l1314. l1112.15 Todas as outras variáveis são iguais a zero. l87.1 ݂ହ଺ = ݂ଵଵଵଶ = 0. l1110. Modelando novamente o programa linear. ݂ଽଵ଴. l56. é alocada uma fração λi do tempo para os enlaces do conjunto Ci transmitirem. l1216 l23. l1511. l1415 l32. l34. l26. ݂଺ଵ଴. l78. l73. chegamos ao seguinte resultado ݂ଵଶ = ݂ଵହଵ଺ = 0.25 ݂ଶଷ. l37.05 ߣଶ = ߣସ = 0. l1516 l51. l84. ݂ଷସ. l913. l1410. ݂ହଽ.Tabela 2: Conjuntos Independentes para rede 5x5 Conjunto C1 C2 C3 C4 C5 C6 C7 C8 Enlaces l12. l812 l95. l109.

Nos exemplos anteriores. faremos RT = 2d . 8 Variando o raio de interferência Podemos aproximar ainda mais nosso modelo da realidade. é de 0.Pode-se ver na figura que a capacidade total do enlace 1-16. o que é. ou seja. mas dessa vez vamos aumentar o raio de interferência RI. Figura 5: Rede em Formato de Grade para um Raio de Interferência maior Esse problema é bem parecido com o problema anterior. Os conjuntos independentes que nós definimos já não são mais válidos. Uma rede que satisfaça tal hipótese requereria um sistema de transmissão bastante robusto contra interferência. uma hipótese pouco realista e muito otimista. Vamos analisar a seguir como a capacidade é afetada ao aumentarmos o raio de interferência. Como exemplo. na realidade. de modo que agora cada terminal cause interferência nos oito terminais mais próximos. Façamos novamente o raio de transmissão RT = d . da maneira que a interferência está modelada. mas vamos ter que fazer algumas modificações no nosso modelo de interferência.4 (soma das intensidades de fluxo dos dois enlaces que saem do terminal 1). implicando em uma eficiência espectral reduzida. que estão no conjunto independente C1 já não podem estar ativos ao mesmo 11 . consideramos que o raio de interferência era igual ao raio de transmissão. os enlaces l12 e l56.

l1110 l76. l87. l1413. l1115 l51. E chegamos ao seguinte resultado: ݂ଵଶ = 0. ݂ଵହଵ଺ = 0. l1410. l109. l43. l1514 l59. E isso certamente limitará a capacidade da rede. l139. l1011 l67.307 ߣ଻ = 0. ݂ଵସଵହ. l1615 l65. l1112 l56. Podese ver que ocorreu um aumento considerável no número de conjuntos. ݂ସ଼. l37. l48.153 ߣଵ = 0. l711 l95. l1511 l26.230 ݂ଶ଺ = ݂ଵଶଵ଺ = 0. l1612 l23. Isso acontece porque o raio de interferência do terminal 1 agora alcança o terminal 6.153 12 . ݂଺଻. l34. l913. l117 l610. Tabela 3: Conjuntos Independentes Conjunto C1 C2 C3 C4 C5 C6 C7 C8 C9 C10 C11 C12 C13 C14 C15 C16 Enlaces l12. ݂ଷସ. l1415 l32.307 ݂ଶଷ. ݂ଵଵଵଶ. Quando o terminal 1 está transmitindo. ݂଻଼. l1516 l15. Os conjuntos independentes desse exemplo estão mostrados na Tabela 3. l1314. l812 l106. l1014. l1211 l21. temos um programa linear que pode ser resolvido com a técnica simplex.076 ଼݂ଵଶ = ݂଺ଵ଴ = 0. l128 Usando novamente as equações do primeiro exemplo.tempo. l78. ݂ଵ଴ଵସ. l1216 l62. l84. l910. l73.076 ߣଵହ = 0. ݂ଵ଴ଵଵ. o terminal 6 não pode receber nenhum sinal.230 ߣଶ = ߣସ = ߣଽ = ߣଵ଴ = 0.

E ela seria ainda mais acentuada quanto maior fosse o raio de interferência. Essa informação pode ser útil se desejarmos aumentar a capacidade da rede.O resultado fica mais claro na figura abaixo com valores aproximados. O emprego de programação linear na análise da capacidade da rede requer a modelagem apropriada.4 para 0. como enlaces de múltiplos saltos e interferência. que resultou em uma capacidade máxima limitada pela capacidade dos enlaces de um salto. Esse modelo foi aperfeiçoado considerando a interferência entre transmissões próximas. que leve em conta os diversos aspectos da rede. em particular aqueles relacionados com a operação de redes ad hoc. no qual apenas o alcance de transmissão foi levado em conta. considerando-se os efeitos do alcance de interferência. O estudo foi aprofundado ainda mais. empregando programação linear. Figura 6: Capacidade Máxima para Rede em Formato de Grade 7 Conclusões Esse relatório apresentou os resultados de uma análise de capacidade em redes ad hoc sem fio de múltiplos saltos. O estudo começou com um modelo simples. agora usando uma rede em grade. menor será a capacidade da rede. 13 . Podemos ver que a capacidade da rede cai de 0. A queda na capacidade acontece porque é necessário mais um conjunto independente para transmitir os dados.307. Os resultados mostram que quanto maior for o alcance de interferência. Os resultados mostraram podemos identificar o enlace de um salto que limita a capacidade. o que levou a uma redução na capacidade máxima.

o que indica a importância da escolha de modelos corretos para a interferência.8 Continuidade do Trabalho O presente trabalho mostrou o impacto da interferência na capacidade da rede. A principal vantagem desse modelo é a sua simplicidade. o que facilita a sua aplicação em programação linear. denominado Modelo de Protocolo de Interferência. Nesse trabalho empregamos um modelo de interferência simples. esse modelo não considera a interferência agregada (soma da interferência de diversos transmissores). No próximo período (agosto 2010 – julho 2011) será desenvolvido um trabalho de iniciação cientifica. o que o torna limitado. já aprovado. visando o estudo de outros modelos de interferência. No entanto. 14 .

SHERALI. P.. J. John. 1977.11. “Impact of Interference on Multihop Wireless Network Performance”.471-487. Mokhtar. The Simplex Method.Jain. [2] BAZARAA. Vol.Qiu.Padmanabhan. 2009. 2005. Linear Programming and Network Flows. In: BAZARAA. [3] K. 81-123. pp.7 Referências [1] CARDIERI. JARVIS. 15 . Wireless Networks. Hanif.Padhye. V. Modeling Interference in Wireless Ad Hoc Networks. Seattle: Wiley. L. Mokhtar. IEEE Communications Surveys and Tutorials. p.N.