You are on page 1of 97

Universidade de Caxias do Sul Centro de Ciências Agrárias e Biológicas Curso de Medicina Veterinária Disciplina de Anatomia Veterinária II

ANATOMIA VETERINÁRIA II
Semestre 2014/1 Profa. Raquel Arnoni
rakarnonichui@gmail.com

1

CALENDÁRIO PARA DISCIPLINA DE ANATOMIA VETERINÁRIA II SEMESTRE 2014/1
Semana 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 Data 07/03/2014 14/03/2014 21/03/2014 28/03/2014 04/04/2014 11/04/2014 18/04/2014 25/04/2014 02/05/2014 09/05/2014 16/05/2014 23/05/2014 30/05/2014 06/06/2014 13/06/2014 20/06/2014 27/06/2014 04/07/2014 11/07/2014 Assunto Apresentação, Reprodutor macho Reprodutor femea, Anexos embrionários Urogenital/ Renal Glândulas mamárias Respiratório Glândulas endócrinas Feriado Prova Feriado Neuroanatomia descritiva Estesiologia (sentidos) Tegumento Comum pele e anexos Digestório não ruminantes Digestório ruminantes Apresentações Aves (rep/resp/osteo/dig) Feriado Apresentações Peixes (rep/resp/osteo/dig) Prova Recuperação

2

Ementa
Estudo comparado do Aparelho Digestório dos animais domésticos.
Aparelho Urogenital: Trato urinário, trato reprodutor masculino e trato reprodutor feminino. Glândulas mamárias. Anexos embrionários. Neuroanatomia descritiva. Estesiologia. Tegumento comum: estudo da pele e anexos. Glândulas endócrinas: estudo comparado nos animais domésticos. Aparelho Respiratório.
3

.Identificar e compreender os aspectos morfofuncionais do aparelho digestório dos diferentes animais domésticos. .Capacitar o aluno quanto a postura e o manuseio das peças anatômicas e quanto ao domínio da linguagem científica. 4 . ESPECÍFICOS: . -Identificar e compreender os aspectos morfofuncionais do sistema respiratório e demais anexos e sistemas.Objetivo GERAL: Conferir ao aluno a base anatômica dos sistemas orgânicos das espécies domésticas de interesse veterinário a fim de permitir uma melhor compreensão dos tópicos abordados nas disciplinas profissionalizantes do curso.Identificar e compreender os aspectos morfofuncionais do aparelho urogenital e glândula mamária dos diferentes animais domésticos.

2. Glândulas endócrinas: estudo comparado nos animais domésticos. 5. Aparelho Respiratório. 7. trato reprodutor masculino e trato reprodutor feminino). Tegumento comum: estudo da pele e anexos.Conteúdo Programado 1. Estudo comparado do Aparelho Digestório dos animais domésticos. 6. 5 . 9. 4. 3. Glândulas mamárias. Neuroanatomia descritiva. Estesiologia (órgãos dos sentidos). Anexos embrionários. 8. Aparelho Urogenital: (trato urinário.

No final do período será considerado aprovado o aluno que obtiver uma nota igual ou superior a seis (6. com todo conteúdo do semestre. Avaliação A avaliação será realizada através de provas teórico-práticas distribuídas ao longo do semestre de acordo com o conteúdo ministrado. Os alunos que não atingirem este conceito poderão fazer uma avaliação de recuperação de uma das notas. filmes. 6 . Podendo ou não ser solicitada a realização de trabalhos individuais ou em grupo para compor a nota final. Aulas práticas: Manuseio e reconhecimento de peças anatômicas e seus detalhes relevantes e dissecação de peças anatomicas. Diversos recursos poderão ser utilizados como palestras.Metodologia As aulas serão divididas em teóricas e práticas.0) e 75% de frequencia. debates e seminários de acordo com o interesse e da participação dos alunos.

SEMINÁRIOS:  Serão 8 (Aves.  Grupos de alunos (alunos por grupo proporcional aos matriculados). Peixes. repr. dig. 7 . osteo ). resp.  Temas sorteados.

Seminários no email do professor no prazo máximo de 24 horas antes da data da apresentação. 8 .  Professor disponibilizará orientações prévias (itens a ser abordados) que originarão as questões dos seminários. professor escolhe uma para cair na prova.SEMINÁRIOS:  5 questões em cada seminário.

 Apresentação do seminário vale 10. 9 .SEMINÁRIOS:  Questões relativas aos seminários não cairão nas provas para retardatários e nem no exame final do semestre.0.

RAYMOND R. 2012. PETER C. WENSING. GOODY.G. DONE. SALOMON. K. Editora: ELSEVIER / MEDICINA NACIONAIS. W. DONE. RAYMOND R. 360 pág.J. ELSEVIER / MEDICINA NACIONAIS. Tratado de Anatomia Veterinária. DONE. 2011. NEIL C. Editora ARTMED : Porto Alegre.Bibliografia Básica HORST ERICH KÖNING HANS-GEORG LIEBICH. 272 pág. SUSAN A. 2010. 788 pág. Anatomia dos Animais Domésticos. 10 . ASHDOWN. ASHDOWN.M. 2011. DYCE. Edição. 254 pág. Atlas colorido de anatomia veterinária do cão e gato 2ª Edição. C. 1º Edição.O. SACK. Editora: REVINTER. 2010. Anatomia topográfica veterinária. Editora: GUANABARA KOOGAN. Bibliografia Complementar MERIGHI. GEYER. 544 pág. EVANS. A. 337 pág. 2010. Atlas colorido de anatomia veterinária dos ruminantes 2ª Edição. 4ª Edição. Atlas de Anatomia Aplicada dos Animais Domésticos. Editora: ELSEVIER / MEDICINA NACIONAIS. STANLEY H. 856 pág. Atlas colorido de anatomia veterinária de equinos 2ª. Editora: ELSEVIER / MEDICINA NACIONAIS. 2ª Edição. 2006. 4a edição. STANLEY H. STANLEY H. STICKLAND.

.. 11 .O tempo urge e a Sapucaí é grande.

Raquel Arnoni 12 .Universidade de Caxias do Sul Centro de Ciências Agrárias e Biológicas Curso de Medicina Veterinária Disciplina de Anatomia Veterinária II ANATOMIA COMPARADA DO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO Profa.

Funções aparelho reprodutor  Produção de gametas  Produção de hormonios  Armazenamento e condução de gametas  Cópula  Procriação 13 .

DNA 14 . os machos são definidos como aqueles que produzem o gameta (célula reprodutiva) menor e geralmente móvel – o espermatozóide.Definição de Macho Embriologia.

Divisões do Aparelho Reprodutor do macho Escroto Testículos Epidídimo Ductos deferentes Uretra Pênis Prepúcio Glândulas Anexas 15 .

Componentes do Sistema Reprodutor Masculino  Escroto  Testículos  Epidídimo  Ducto Deferente  Uretra  Glandulas Genitais acessórias Próstata Vesiculas seminais Glandulas bulbouretrais  Uretra masculina  Penis 16  Prepúcio .

pregas transversais e com pelos esparsos. Fascia do escroto.Escroto O escroto é uma bolsa músculo-cutânea (divertículo do abdomen) testículos epidídimo 1 porção dos ductos deferentes. tabique sagital mediano denominado septo do escroto. Na linha mediana encontramos a rafe do escroto. Pele. Túnica Dartos. Camada parietal da Túnica Vaginal Ocupa compartimento completamente separados. Cútis: é a pele. Túnica dartos: músculo cutâneo 17 .

Fáscia espermática externa: lâmina conjuntiva que provem do músculo oblíquo externo Fáscia cremastérica: delgada lâmina conjuntiva que prende inúmeros feixes de fibras musculares estriados de direção vertical. 18 .Escroto O escroto é uma bolsa músculo-cutânea (divertículo do abdomen) testículos epidídimo 1 porção dos ductos deferentes. Camada parietal da Túnica Vaginal = peritonio.

e: corpo do epidídimo ct: tecido conjuntivo dar: túnica dartos dd: ducto deferente der: derme e: epiderme c med: mediastino testicular t.: túnica albugínea c t.ESTRUTURA DO ESCROTO corp.: parênquima testicular 19 .u.p.

Localização extra-abdominal nos mamíferos e na região pré-pubica Maioria dos casos no interior de uma bolsa cutânea na região inguinal. ovóide. Posição varia conforme a espécie. Divertículo do abdomen = escroto Variações de tamanho. Funções:   Produção de gametas Produção de Hormonios Testosterona 20 .Testículos Conceito:        gônada dupla.

Extremidades Capitada: epidídimo associada com a cabeça do Caudada: epidídimo associada com a cauda do 21 .

onde o testículo está suspenso pelo funículo Livre: borda oposta. ventral e convexa 22 .Bordas De inserção ou epididimária: local em que o epidídimo está inserido.

Faces Lateral e medial: convexas. sendo a medial mais achatada pelo contato com septo escrotal Orientação do testículo dentro do escroto depende da espécie – extremidade caudada 23 .

Testículos Particluaridades relacionadas à espécies Equinos Formato Ovóide Eixo Horizontal Região inguinal Bovinos Alongado e oval Pendular Ovinos e Caprinos Ovóide e simetricos Eixo longo Vertical Pendular Ovino> Caprino 24 .

Testículos Particluaridades relacionadas à espécies Suínos Elípticos longo orientado dorsal e cadalmente Posição perineal Gato Testículo perineal Cão Testículo: horizontal Aves: Intracavitario 25 .

26 .

Ductos eferentes testiculares 27 . formam a rede testicular Rede testicular Mediastino testicular juntamente c/ as Células de Leydig Mediastino testicular Comunicação testículo e epidídimo.Estrutura Testicular Parenquima Testicular Tubulos seminiferous Celulas de Sertoli e Celulas Germinativas Tubulos seminiferous retos Parte terminal.

Testículos Estruturas Tubulos seminíferos Epitélio estratificado Células de Espermatogenicas Células de Sertoli Túbulos retos Rede Testicular Túbulos Eferentes Tecido Intersticial – células de Leydig Túnica albuginea 28 .

Testículos 29 .

Testículos 30 .

Forma-se no seu interior um ducto muito longo e espiralado chamado de ducto epididimário É o local em que ocorre o transporte. maturação e o armazenamento dos espermatozóides O epidídimo. 31 . estende-se longitudinalmente na borda do testículo.Epidídimo Considerações: Forma de C presa a borda posterior do Testículo e que têm a função de armazenar SPTZ. Estão intimamente apostos sobre a superfície testicular e pode ser dividido em 3 partes.

relação com com a borda posterior do testículo Fixado por uma lamina serosa Cauda do Epidídimo Ângulo agudo para trás e para cima ducto deferente. Armazenagem dos espermatozóides Fixado por ligamentos: Ligamento proprio do testículo ( testículo) Ligamento da cauda do Epidídimo ( Túnica vaginal) 32 . une-se os ductos eferentes com o canal do epidídimo (formação do ducto do epidídimo) Corpo do Epidídimo Porção mais longa.Epidídimo Divisões Cabeça do Epidídimo Corpo do Epidídimo Cauda do Epidídimo Cabeça do Epidídimo Fixada no testículo.

Ligamentos Cauda: Ligamento próprio do testículo: inserido na extremidade caudada do testículo Ligamento da cauda do epidídimo: inserido na camada parietal da túnica vaginal 33 .

Ligamentos Cauda: Ligamento próprio do testículo: inserido na extremidade caudada do testículo Ligamento da cauda do epidídimo: inserido na camada parietal da túnica vaginal 34 .

Ligamentos Mesórquio A túnica vaginal parietal e a visceral se unem em um certo ponto Mesoepididimmo Porção proximal do merórquio 35 .

Conjunto da Ópera Particluaridades relacionadas à espécies Equinos Eixo horizontal-dorsal Bovinos Ovinos e Caprinos Eixo longo do testículo é vertical  Escroto é pendicular  Mais cranial  Abertura do ducto deferente é = EQ 36 .

vesicular  Eixo longo é oblíquo Gato Testículos abaixo do ânus  Eixo longo oblíquo  Sem ampola do ducto deferente Cão Relativamente pequenos  Epidídimo grande e arqueado  Escroto na metade da distância entre ânus e região inguinal  Eixo longo é oblíquo 37 .Conjunto da Ópera Suínos Particluaridades relacionadas à espécies Testículos muito grandes  Ducto deferente não forma ampola distinta  Ducto deferente abre-se separadamente do ducto excretório da gl.

cauda posterior 38 . corpo dorso medial.Epididímo COMPARADA Cão cabeça anterior.

Epididímo

COMPARADA

Gato

cabeça anterior, corpo dorso medial, cauda posterior

39

Epididímo

COMPARADA

Equinos

Cabeça anterio, corpo dorso lateral, cauda posterior

40

Epididímo

COMPARADA

Bovinos

cabeça dorsal, corpo posterior, cauda ventral

41

Epididímo COMPARADA Ovinos e Caprinos cabeça dorsal. corpo posterior e cauda ventral 42 .

corpo e cauda dorsal 43 .Epididímo COMPARADA Suínos cabeça ventral.

Ducto Deferente A primeira porção do ducto deferente é mais ou menos sinuosa e ascende imediatamente por trás do epidídimo. Continuação do ducto do epidídimo que conecta este com a porção pélvica da uretra Cauda do epidídimo Cordão espermático Canal inguinal Cav abdominal Colo da bexiga 44 Apresenta uma porção dilatada denominada Ampola (exceto nos suínos) .

Testículo seccionado 45 .

Funículo espermático Artéria testicular Veias Testicular ( plexo pampiniforme) Vasos linfáticos Ductos deferentes Feixe musculo Cremaster Camada Visceral da Túnica Vaginal 46 .

47 .

= refrigera sg arterial p testículo 48 .Irrigação e Drenagem Artéria testicular ramo da aorta abdominal Veia testicular forma o plexo pampiniforme e chega na veia cava caudal P.P.

PLEXO PAMPINIFORME E FUNÍCULO ESPERMÁTICO 49 .

CORDÃO ESPERMÁTICO Veias do plexo pampiniforme Cavidade vaginal Fáscia Músculo cremaster Túnica vaginal parietal Túnica vaginal visceral Ductos deferentes Artéria testicular Circulação testicular 50 .

C) 51 .C) Veia espermátic a (39 o.C) Artéria testicula r (34 o.C) Veia testicula r (33 o.CIRCULAÇÃO TESTICULAR Artéria espermática (39 o.

Glândulas genitais acessórias Agrupadas ao redor da uretra Diferem grandemente entre as espécies Influenciadas pelos hormônios sexuais Castração cedo= não se desenvolvem inteiramente Castração depois da maturidade= atrofiam e param a secreção Palpadas via retal (+ EQ e BOV) 52 .

Glândulas genitais acessórias Vesícula Seminal Todas espécies exceto no carnívoros Aspéctos variáveis Produto amarelado  Pares  Dorsolateral ao colo da vesícula urinária  2 sacos alongados e piriformes  São retroperitoniais  + ductos deferentes= ducto ejaculatório 53 .

Glândulas genitais acessórias Próstata Presente em todas espécies Ruminates: disseminada Equinos: compacta  Intimamente fusionada com a uretra pélvica  Parte disseminada: difusa na parede da parte pélvica  Corpo da próstata: sobre a uretra  Ductos excretórios abrem-se ao lado do colículo seminal 54 .

Glândulas genitais acessórias Bulbouretrais Estruturas pares localizadas próximo a saída da pelve Secretam substância clara e viscosa  Pares  Situadas na superfície dorsal da extremidade caudal da uretra pélvica. próxima ao arco isquiático  Intimamente ligada com o bulbo do pênis 55 .

Glândulas genitais acessórias FELINO Próstata envolve uretra pélvica Bulbo-uretrais Pequenas e redondas CANINOS Próstata: grande e envolve toda a uretra pélvica 56 .

8 ductos que se abrem na uretra pélvica Próstata: no meio da vesicular Bulbouretrais: cilíndrica e comprida 57 .Glândulas genitais acessórias SUÍNO Gl. Vesiculares: maior e piramidal EQUINO Vesícula seminal Próstata: forma de borboleta Bulbo-uretrais: redonda.

Vesiculares: lobulada Próstata: pequena Gl.Glândulas genitais acessórias RUMINANTES Gl. Bulbouretrais: bem caudal e redonda 58 .

Orifício ejaculatório 59 .

 Ducto ejaculatório  Orifício ejaculatório  Colículo seminal 60 .

Pênis Órgão copulatório masculino Tecido Erétil contendo a parte extrapélvica da uretra Firmemente inserido no arco isquiático ARCO ISQUIÁTICO – COXAS – REGIÃO UMBILICAL Composição 2 corpos cavernosos (espaço cavernoso) 1 corpo esponjoso Uretra peniana Tubo mucoso Estende-se da bexiga até o pênis Localização Bolsa cutânea (prepúcio) 61 .

Porções  Porção esponjosa ou extrapélvica da uretra  Porção livre do pênis ou pré-escrotal = prepúcio 62 .

Divisão do pênis Raíz Inserida na porção lateral do arco isquiático por dois pilares Fixado na superfície pélvica pelo ligamento suspensório Par de corpo cavernosos. uretra com seu corpo esponjoso Corpo Extremidade livre e aumentada do órgão Forma diferente nas espécies Glande 63 .

PUDENDA INTERNA A. MÉDIA A. DO PÊNIS A. CRANIAL DO PÊNIS 64 . PROFUNDA A. DORSAL A.OBTURATÓRIA (EQ) A. PUDENDA EXTERNA A. DO BULBO A.Irrigação e drenagem A.

Corpo cavernoso *Afuncional Ruminantes Uretra Corpo esponjoso 65 .

ventral e contém o sulco uretral Superfícies laterais: altas e achatadas 66 .CORPO Dorso do pênis: estreito e com vasos e nervos dorsais Superfície uretral: arredondada.

GLANDE Apresenta: Coroa da glande Fossa da glande Processo Uretral 67 .

Estrutura do pênis Musculomembranoso: EQ/CAR Fibroelástico: RUM/SUI 68 .

Pênis musculomembranoso EQ/CARN 2 corpos eréteis: Corpo cavernoso: grande massa do pênis. exceto na glande Corpo esponjoso: envolve a uretra e se une ao da glande na extremidade EQ 69 .

Pênis fibroelástico RUM/SUI Cilíndrico e mais longo Flexura sigmóide (S peniano):  Pós-escrotal: RUM  Pré-escrotal: SUI Denso e firme Pouco tecido erétil Aumenta a rigidez e não volume na ereção 70 Vale um bombom SUI .

bulbo-uretrais 71 . auxilia na contração das gl.Músculos do pênis Bulbo-esponjoso: envolve a uretra e o bulbo do pênis.

Músculos do pênis  Isquiocavernoso (eretor do pênis): origina-se no arco isquiático. mantém a ereção pela compressão das veias dorsais 72 .

Músculos do pênis Retrator do pênis:  RUM: no S peniano  EQ: bulbo do pênis Puxa o pênis para posição normal após a cópula 73 .

Uretra Porção pélvica: glândulas genitais acessórias abrem-se nela Porção extrapélvica ou esponjosa Orifício uretral externo 74 .

Prepúcio Bainha cutânea que envolve a porção livre do pênis em repouso Nos animais: aplicado na parede abdominal ventral e coberto com pele somente ventral e lateral 75 .

Prepúcio Porção externa: contínua com a pele da parede abdominal Porção interna: contato com o pênis Óstio prepucial 76 .

Prepúcio Frênulo prepucial: liga prepúcio à glande Ânulo prepucial: borda grossa que envolve o óstio 77 .

Comparada .EQUÍNO Tipo musculomembranoso Frênulo e ânulo prepuciais Prepúcio com porção externa e interna Glande: coroa. fossa e processo uretral 78 .

RUM Pênis longo.Comparada . fino e firme Tipo fibro-elástico Flexura sigmóide (“S” peniano) pós-escrotal Músculos prepuciais craniais e caudais: auxiliam na retração do prepúcio 79 .

BOV: sem processo uretral destacado PEQ RUM: com processo uretral = apêndice vermiforme 80 .

Comparada . fino e firme Tipo fibro-elástico Flexura sigmóide pré-escrotal Glande levemente espiral Divertículo prepucial Sem processo uretral 81 .SUI Pênis longo.

82 .

Comparada – CANINO Pênis cilíndrico Tipo musculomembranoso Osso peniano Glande: porção longa e bulbo da glande 83 .

84 .

FELINO Pênis curto e direcionado caudalmente Tipo musculomembranoso Osso peniano Espículas do pênis 85 .Comparada .

86 .

87 .

88 .

89 .

90 .

91 .

Questionamentos? 92 .

? 93 .

Este penis é do tipo?????????????????

94

95

PENSAMENTO DO DIA! :P

96

Por hoje era isso… 97 .