You are on page 1of 5

DIÁLOGO, PARTICIPAÇÃO E AUTONOMIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA – APROXIMAÇÕES ENTRE PAULO FREIRE E OTTO PETERS

Melita Hickel Instituto Ecumênico de Pós-Graduação/Escola Superior de Teologia - IEPG/EST melita_h@terra.com.br Educação e Diálogo

Ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo, os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo.

Paulo Freire

A participação em eventos regionais, nacionais e internacionais, tanto no Brasil quanto no Exterior, que abordam o tema da Educação a Distância (EAD) e a pesquisa que vem sendo desenvolvida pela autora, pesquisa esta que culminará em sua tese de doutorado, tem confirmado uma resposta positiva a um questionamento posto há alguns anos, quando do início de sua trajetória na Pós-Graduação Stricto Sensu em Teologia - Área de Concentração: Religião e Educação - no IEPG/EST, em São Leopoldo/RS. A pergunta feita é: É possível afirmar que a "pedagogia" de Paulo Freire pode contribuir para o entendimento e para o desenvolvimento da Educação a Distância? E a resposta objetiva é: SIM. Sim, é possível verificar traços do que Paulo Freire nos ensinou (e seus escritos continuam a nos ensinar!!!) nesta modalidade de ensino que, a cada dia que passa, mais e mais merece destaque nas manchetes dos jornais, nas Instituições de Ensino de todos os níveis e nas vidas das pessoas das mais diversas esferas sociais. Se é possível responder com apenas uma palavra e sermos enfáticos ao afirmar que os ensinamentos de Paulo Freire contribuem para esta modalidade de ensino, a justificativa para isso exige uma reflexão um pouco mais aprofundada, para que a leviandade de uma resposta rápida e curta não possa ser imputada a este tema tão sério e de tão grande relevância para a área da educação em todo o mundo.

como nos ensinamentos do Prof. A Educação a Distância é vista como uma solução viável às restrições em atender a crescente demanda por educação dos atuais sistemas de ensino presencial.. também. são elas: diálogo. .. A tecnologia pode derrubar muros. a encontrar respostas a perguntas que a eles sejam feitas em qualquer época. Estas três categorias estão presentes tanto na obra de Paulo Freire. No Século XXI. Otto Peters. Mesmo aqueles que só trabalham com a modalidade de ensino presencial deverão dominar a tecnologia de Educação a Distância. Devemos. nem é um modismo. Além disso. O bom mestre não apenas faz com que seus alunos decorem regras e mais regras. transformar as aulas em comunidades de trabalho e construir uma nova sociedade. aprender a usá-la crítica e criativamente. por meio da incorporação de uma característica comunicacional chave para esse processo: a interatividade e esta interatividade pode. Além disso. o mais importante. para que esse possa continuar a sua própria capacitação. A Educação a Distância atualmente tem recebido grande destaque e popularidade. o uso da tecnologia é um imperativo ético tanto para o professor. a chamada sociedade do conhecimento. para que esse não seja excluído. cada vez mais. A Educação a Distância é pensada como uma modalidade que precisa romper com as lógicas que permeiam a aprendizagem no ensino presencial. mas ensiná-os a procurar e. professor. sabe-se que. Dr. em que tantas pessoas são analfabetas de fato e há outros tantos cidadãos analfabetos funcionais. fundador e primeiro reitor da FernUniversität de Hagen. monitor). Ela apenas ressurgiu com muita força devido aos grandes avanços tecnológicos ocorridos nas últimas décadas. para reproduzi-las em provas e trabalhos. não é uma modalidade de ensino que tenha surgido recentemente. escolhemos três categorias de análise para justificar a resposta dada. como para o aluno. quem trabalha com educação tem um vasto campo para atuar. é o aprender a aprender que tem que ser ensinado. porém.Num país com tantas desigualdades sociais como o Brasil. Alemanha. temos que continuar aprendendo. pois essa servirá de enriquecimento àquela. além de ter uma grande importância como agente democratizador da educação na nova era. portanto. ser chamada de diálogo: diálogo entre todos os atores envolvidos nos cursos a distância (aluno. local ou situação. Mas voltando ao “SIM”. temos vida e trabalho mediados pela tecnologia. tutor. participação e autonomia.

Para MOORE (1993). Cada uma das partes contribui com algo para seu desenvolvimento e se refere às contribuições do outro partido. Experiências e estágio da discussão numa visão internacional. didáticoteleducativo. no entanto. calor humano. p.2 Este diálogo faz com que a segunda categoria apareça. há o diálogo também na construção da legislação brasileira de educação a distância. Nestas ocasiões. p. consideração. 73. filosófico. É através do diálogo entre os diversos atores envolvidos com a Educação a Distância e entre os participantes de cursos nesta modalidade de ensino que a participação acontece. pedagógico. refere-se ao diálogo que de fato acontece. São Leopoldo : Unisinos. também. respeito. O mais recente exemplo é a trajetória do Decreto 5622 de 2005. Além disso. Idem. antes de ser publicado. 1 Dessa forma. Destacando tal relevância. onde o diálogo de pessoa para pessoa tem importância central. circulou pelas caixas postais da comunidade interessada no assunto e recebeu sugestões antes de ser aprovado e entrar em vigor. sociológico. PETERS (2001) refere-se à interação lingüística direta e indireta entre docentes e discentes. Um diálogo é direcionado. isto é. didático-universitário. O termo diálogo. Podem ocorrer interações negativas e neutras. nos inúmeros eventos e reuniões que abordam este tema e que têm contado com pesquisadores de diversas regiões do Brasil e do mundo. fazendo análises dos seguintes aspectos: didático-científico. a participação. antropológico. seus anseios e projetos. Cada uma das partes presta respeitosa e interessada atenção ao que o outro tem a dizer. Com a concepção Diálogo. sinceridade e autenticidade. desde que transcorra sem estruturas e sem fim predeterminados. 1 2 PETERS. e faz um balanço intermediário sobre o diálogo. desejando chegar a uma compreensão mais profunda dos estudantes. que. Didática do ensino a distância. Tradução de Ilson Kayser. apud PETERS (2001). . construtivo e é apreciado pelos participantes. portanto. sempre se reporta a interações positivas. as pessoas têm espaço para expressar seus pensamentos e opiniões. compreensão empática. Dá-se importância a uma solução conjunta do problema discutido. 2001.O diálogo acontece. A aprendizagem dialogal exige dos estudantes parceria. PETERS detém-se no estudo detalhado dessa concepção. Otto. O diálogo tem uma importância muito grande no ensino e na aprendizagem na Educação a Distância. essa concepção está comprometida com a pedagogia humanista. 76 – 85.

______. São Paulo : UNESP. 2001. 18ª ed. Bibliografia Consultada FREIRE. em curso a distância. por este ser totalmente estruturado e não admitir obviamente a autonomia do estudante. p. a saber. ______. Para PETERS (2001). isto é. O conceito “autonomia” desempenhou papel importante na pedagogia alemã. Segundo PETERS. 18ª ed. ______. Idem. Pedagogia da Autonomia. Se o estudante não tem iniciativa e autonomia de estudo. p. detémse nessa concepção apresentando o termo autonomia nas dimensões filosófica. “o estudo autônomo desempenha papel importante na educação de adultos e nas educações complementares”5. 2003. diálogo. assim como faz na primeira concepção apresentada. (2001). São Paulo : Paz e Terra. 7ª ed. 103. . Cartas a Cristina. São Paulo : UNESP. que é a autonomia. p. Pedagogia da Esperança. abrangência e por o mesmo “estar ancorado multidimensionalmente em nosso pensamento”4. Certo é que a valorização ou o emprego de uma categoria em detrimento das outras traz resultados negativos. porque foi relacionada tradicionalmente à questão da pedagogia em sua fase de emancipação em relação às demais ciências. São Paulo : Paz e Terra. aliás. Idem. Cartas Pedagógicas e outros escritos. Reflexões sobre minha vida e minha práxis. São Paulo : Cortez. rev. 94. São Paulo: Paz e Terra. devido a sua profundidade. 30ª ed. A autonomia contrapõe-se ao ensino programado. A Importância do Ato de Ler em três artigos que se completam . Pedagogia do Oprimido. ______. pedagógica e didática. ou seja. 1987. Paulo. ele nem escolhe o curso. 2000. 3 4 5 Idem.3 Peters. Saberes necessários à prática educativa. 93. ninguém obriga ninguém a nada. 2000. ele não acessa as páginas do curso que escolheu. 2ª ed. o ideal é haver o equilíbrio no uso delas. ______. 2001. Um reencontro com a Pedagogia do Oprimido.E esta participação ocorre em função da terceira categoria de análise. Pedagogia da Indignação.

. 2001. São Leopoldo : Unisinos. Tradução de Ilson Kayser. Didática do ensino a distância. Experiências e estágio da discussão numa visão internacional.PETERS. Otto.