UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO “LATU

SENSU” EM ACUPUNTURA VETERINÁRIA

DERMATITE ACRAL POR LAMBEDURA: TRATAMENTO PELA ACUPUNTURA

Maria Silvia Nogueira Affonso

SÃO PAULO, 2009

Maria Silvia Nogueira Affonso Aluna do Curso de Especialização “Lato Sensu” em Acupuntura Veterinária

DERMATITE ACRAL POR LAMBEDURA: TRATAMENTO PELA ACUPUNTURA

Trabalho monográfico do curso de pós graduação “Lato Sensu” em Acupuntura Veterinária apresentado à UCB como requisito parcial para obtenção do título de especialista em Acupuntura Veterinária, sob orientação do Profº Mendes Netto. Ms. Daniel

SÃO PAULO, 2009

ii

DERMATITE ACRAL POR LAMBEDURA
TRATAMENTO PELA ACUPUNTURA

Elaborado por Maria Silvia Nogueira Affonso Aluna do Curso de Acupuntura Veterinária

Foi analisado e aprovado com grau:............................

São Paulo, _______de _______________ de ________

____________________________________ Membro ___________________________________ Membro ___________________________________ Professor Orientador

São Paulo, 2009

iii

Conteúdo

1. INTRODUÇÃO ....................................................................................................................... 4 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA – DERMATITE ACRAL POR LAMBEDURA ................... 6 2.1 VISÃO GERAL ................................................................................................................. 6 2.2 ETIOLOGIA E PATOGENIA .......................................................................................... 6 2.3 CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS ................................................................................. 11 2.4 DIAGNÓSTICO .............................................................................................................. 14 2.5 TRATAMENTO .............................................................................................................. 15 2.5.1 Tratamento com drogas Psicológicas ................................................................. 16 2.5.2 Tratamento da Lesão............................................................................................. 17 3. MEDICINA TRADICIONAL CHINESA .............................................................................. 18 3.1 BREVE HISTÓRICO .................................................................................................... 18 3.2 MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E DERMATOLOGIA ................................. 23 3.3 DERMATITE ACRAL POR LAMBEDURA E MEDICINA TRADICIONAL CHINESA .............................................................................................................................................. 28 3.4 DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO ............................................................................ 30 3.5 NOMENCLATURA E LOCALIZAÇÃO DE PONTOS .............................................. 33 4. CONCLUSÃO ....................................................................................................................... 49 BIBLIOGRAFIA......................................................................................................................... 51

Lista de Figuras:
Figura 1 Lesões por lambedura ......................................................................................... 1212 Figura 2 Lesões por lambedura ........................................................................................... 122 Figura 3 Lesões ulcerada ..................................................................................................... 133 Figura 4 Medida “cun” no cão (XIE & PRIEST, 2007) ...................................................... 355 Figura 5 de “cun” do abdome ventral (XIE & PRIEST, 2007) ......................................... 366 Figura 6 Pontos do meridiano do Baço Pâncreas ............................................................ 376 Figura 7 Pontos do meridiano da Bexiga (XIE & PRIEST, 2007)................................... 377 Figura 8 Pontos do Meridiano do Coração no Cão (XIE & PRIEST, 2007) .................. 388 Figura 9 Pontos do Meridiano do Estômago do Cão (XIE & PRIEST, 2007)..................39 Figura 10 Pontos do Meridiano do Fígado no Cão (XIE & PRIEST, 2007).....................40 Figura 11 Pontos do Meridiano do Intestino Delgado (XIE & PRIEST, 2007).................41 Figura 12 Pontos do Meridiano do Intestino Grosso (XIE & PRIEST, 2007)...................42 Figura 13 Pontos do Meridiano do Pericárdio (XIE & PRIEST, 2007)..............................43 Figura 14 Pontos do Meridiano do Pulmão (XIE & PRIEST, 2007).................................44 Figura 15 Pontos do Meridiano do Triplo Aquecedor (XIE & PRIEST, 2007).................45 Figura 16 Pontos do Meridiano do Vaso Governador (XIE & PRIEST, 2007)................46 Figura 17 Localização do Ponto Extra An Shen (XIE & PRIEST, 2007).........................47 Figura 18 Localização do Ponto Extra Da Feng Men (XIE & PRIEST, 2007).................47

2

.....................Figura 19 Localização do Ponto Extra Er Jian (XIE & PRIEST.................48 Figura 20 Localização do Ponto Extra Tai Yang (XIE & PRIEST.....48 Figura 21 Localização do Ponto Extra Wei Jian (XIE & PRIEST... 2007).49 3 ..... 2007).. 2007)...........................

2006). pruriginosa. parasitas. outros fatores são usualmente importantes (MEDLEAU & HNILICA. oval e espessada (SCHOEN. as psicodermatoses resultam do autotraumatismo local ou multifocal constante. um acompanhamento pode revelar uma doença orgânica. Deve-se sempre eliminar as causas físicas antes que um diagnóstico de dermatose psicogênica seja efetuado. mas o componente psicológico pode ser suficientemente significativo a ponto de o tratamento ser necessário para o controle adequado de toda a condição (SCOTT et al. ou doenças internas (SCOTT et al. sendo que. 2006). 2006).1999). osteopatia. O problema do diagnóstico preciso pode considerar o fato de os fatores psicogênicos poderem desempenhar um papel parcial na doença. alergia. se for ignorado. demodiciose. resultando em uma placa firme. na maioria dos casos não é detectada uma causa física subjacente. hipersensibilidade. Acredita-se que o papel dos fatores emocionais nas doenças de pele seja de tal significância que. 1996). o tratamento eficaz de pelo menos 40% dos pacientes humanos que chegam aos departamentos de dermatologia seja impossível (SCOTT et al. INTRODUÇÃO Dermatite acral por lambedura (granuloma por lambedura) é notada inicialmente por lambedura excessiva e compulsiva em uma área focal de pele. ulcerada. infecções fúngicas ou bacterianas. Este processo inclui o descarte de fatores causativos como trauma. hipotiroidismo. embora o estresse possa ser um fator contribuidor. artrite (MEDLEAU & HNILICA. conseqüente a um distúrbio comportamental ou de automutilação obsessivo-compulsivo. Esse pensamento está de acordo com a Medicina 4 . e as lesões têm sido descritas como resultantes de tédio. Entretanto. Segundo HARVEY & McKEEVER. 2006). neoplasias (PATERSON. As causas de lambedura são multifatoriais. falta de estímulo ambiental. alopécica (MEDLEAU & HNILICA. ansiedade de separação e “estressantes psíquicos”. 2004. dor local. 1996). neuropatia. como a chegada de um novo animal ao domicílio ou alterações na rotina de trabalho de um morador da residência (HARVEY & McKEEVER. 2004). 1996).1.

Tradicional Chinesa (MTC). e acalmar o espírito (Shen) (SCHOEN. que dá grande ênfase ao papel das emoções na patogenia da doença.2006). 5 . sendo a acupuntura um meio eficaz para tratar dermatite acral por lambedura. Os princípios de tratamento são revigorar o Qi e o Sangue no canal.

2. em que há constante repetição de um gesto ou padrão de comportamento sem significado. ulcerativa ou espessada. embora tenha sido relatado um funcionamento neurológico anormal nos nervos sensitivos de cães com granuloma por lambedura acral (WILKINSON & HARVEY.2 ETIOLOGIA E PATOGENIA Na psicodermatose verdadeira não é identificada qualquer causa discernível. geralmente localizada na face dorsal de carpo. Uma forte associação parece existir entre lambedura e ansiedade em cães. tarso ou metatarso. Notando-se previamente. a definição de Dermatite Acral por Lambedura é de uma placa firme. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA – DERMATITE ACRAL POR LAMBEDURA 2. nesse caso. Isto reporta que 70% dos cães 6 . embora mais de um membro possa ser afetado. dermatite acral por lambedura pode ter origem dermatológica e psicogênica. metacarpo. As lesões são comumente unilaterais. 1996). frequentemente tal gesto ou padrão de comportamento resulta em autolesão (WILKINSON & HARVEY. Essas dermatoses são consideradas como exemplos de um comportamento estereotipado. o prognóstico é mais reservado (WILKINSON & HARVEY. Tem-se estimado que a dermatite acral por lambedura psicogênica e idiopática compreendem mais de 50% dos casos. Segundo RHODES. Quando efetuado em excesso.1 VISÃO GERAL As dermatoses conhecidas como psicogênicas em origem ou que tenham um componente psicogênico significativo incluem a dermatite acral por lambedura (granuloma de lambedura) (SCOTT et al. 1996). 1996). 2005. 2. 1996).

e em gatos também α – MSH. apesar de a maioria dos cães ter mais de cinco anos de idade 7 . 1996). como as endorfinas. fobia por barulho) (VIRGA. independente de sua raça ou estilo de vida. podem desenvolver dermatoses psicogênicas. medroso ou tímido. Um animal rival na mesma casa ou um animal vizinho agressivo podem desencadear um distúrbio psicogênico. 1998). ansiedade relatada com agressão. Segundo SCOTT et al. contenção contínua em corrente. Confinamentos prolongados em jaulas. levando o animal à lambedura compulsiva (SCOTT et al. 1998). Raças que são emocionais e nervosas desenvolvem mais dermatoses psicogênicas. tais como presença de um novo bebê. mudança para uma nova casa. isolados ou com solidão. A produção e liberação de endorfinas causadas pela lambedura excessiva faz com que o animal sinta-se melhor (eufórico) e ao mesmo tempo produzindo um efeito analgésico que diminui a percepção de dor do animal. favorecendo assim o comportamento de excessivos autocuidados e lambeduras (WILLENSE. pode ser particularmente nervoso. O estresse induzido provavelmente resulta na produção de peptídios opióides. 1996. Estas anormalidades cutâneas podem ocorrer em qualquer idade (WILLENSE. WILLEMSE (1998) aborda outros fatores que podem induzir estresse. 3) O animal individualmente falando. três fatores gerais estão envolvidos na etiopatogenia: 1) Predisposição racial. a morte de um animal de companhia. Quando os indivíduos de raças não predispostas são forçados a situações estressantes.com diagnóstico de dermatite acral por lambedura combinam medo e/ou ansiedade com condições base (ansiedade de separação. pequeno canil ou dominação por um proprietário ditador ou sem consideração podem precipitar os problemas. 2) O estilo de vida pode ser causador ou contribuinte. hiperestético. e estão sem companhia humana ou canina. 2003).

as desordens psicofisiológicas são condições dermatológicas primárias que podem ser afetadas pelo estresse emocional. Pela ação dos mediadores vasoativos. comportamentos como correr atrás da cauda e sucção do flanco eram considerados sintomáticos de desordens relacionados a ataques. o período entre o primeiro estresse e as manifestações clínicas poderá variar desde algumas semanas até vários anos. Já SCOTT et al. em animais com desordens psicofisiológicas. 1996).quando apresentada para o tratamento (SCOTT et al. mas foi suficientemente intenso para dar início a um círculo vicioso de compulsão pelo autocuidado e lambeduras (WILLENSE. e o tratamento com drogas ansiolíticas não apresentavam sucesso. dermatoses inflamatórias crônicas e dermatite acral por lambedura. pesquisadores do Instituto Nacional de Saúde reconheceram que os 8 . Em animais de companhia. alguns casos refratários devem ser considerados como desordem comportamental primária. Neste último caso. Embora muitos casos de dermatite acral por lambedura respondam ao tratamento dermatológico padrão. 1998). Na mesma época. o fator estressante deflagrador pode não estar presente. O traumatismo da lesão estabelece um ciclo prurido-lambida que leva a um Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) (PATERSON. a ativação de mediadores psico-neuro-endócrino-imunológicos tem contribuído para uma exacerbação dos sinais clínicos. a dermatite acral por lambedura seja um modelo de distúrbio obsessivo compulsivo. 1999). Comportamentos repetitivos e aparentemente anormais foram descritos em várias espécies de animais de fazenda e zoológico. O interesse em animais inclui dermatite atópica. Em 1991 foi proposto que os comportamentos anormais dos animais de companhia fossem homólogos aos comportamentos estereotipados de animais de produção e animais de zoológico. citam que com base na fenomenologia da condição e na resposta farmacológica. Segundo VIRGA (2003). Ainda segundo VIRGA (2003). o estresse emocional pode precipitar ou perpetuar o ciclo prurido lambida associado às desordens psicofisiológicas. (1996).

pensamentos. 9 . S. Obsessões são definidas por idéias persistentes. TIOSSO.R. 2003).comportamentos anormais são similares às desordens obsessivas compulsivas humanas (LUESCHER. a uma aproximação mais específica do tratamento (LUESCHER. que os comportamentos obsessivos compulsivos em animais de companhia são passíveis ao mesmo tratamento farmacológico que os comportamentos em pessoas. onde. 2003). 2003). resultando em comportamentos esteriotipados. a química do cérebro sempre vai mudar de acordo com o desenvolvimento do esteriótipo. A extensão da similaridade das condições entre humanos e caninos ainda não é bem entendida. as obsessões de contaminação. O reconhecimento desses fatos poderá auxiliar na definição diferenciada das várias classes de esteriotipagem e. Compulsões nos humanos são definidas como comportamentos repetitivos e ações mentais que têm como meta a prevenção ou redução da ansiedade ou tristeza. assim. de qualquer maneira. 1995). A. A. a primeira conexão entre as desordens humanas e caninas é feita em cães que apresentam dermatite acral por lambedura.M. rituais de limpeza e obsessões somáticas são sintomas de interesse para a área de dermatologia. sobretudo. proporcionando um pouco de prazer e gratificação (VIRGA. 1991). havendo inclusive descrições de cães com dermatites acrais por lambedura constante nas patas (TORRES. SMAIRA. sendo aparentemente similares às pessoas que lavam as mãos repetida e excessivamente) (LUESCHER. Uma similaridade é.I. Ocorrem múltiplas alterações bioquímicas no cérebro. Em humanos. impulsos ou idéias vivenciadas como obsessivas e inapropriadas que levam à ansiedade ou tristeza.. Uma definição satisfatória sobre esteriotipagem e distúrbio obsessivo compulsivo pode estar baseada em mudanças neuropatológicas específicas que ocorrem no cérebro dos animais levando a estas performances comportamentais.. Outra similaridade é o tipo de comportamento repetitivo exibido (atualmente. Alguns autores acreditam que tal comportamento possa ser algo como um resquício de comportamentos higiênico-instintivos (“grooming behaviors”) importante no decorrer das espécies.

sucção do flanco. agressividade repentina a humanos Em medicina veterinária comportamental. lamber objetos compulsivamente. são chamados de comportamentos esteriotipados.Quadro 1: Classificação das Manifestações Clínicas do Distúrbio Obsessivo Compulsivo em Cães (LUESCHER. que é necessário para atingir uma real ou potencial meta e em um modo relativamente invariável. latir para o alimento. pular no mesmo lugar. rosnar e grunir sem motivo Neurose Morder excessivamente patas ou rabo com ou sem vocalização. caçar moscas imaginárias. Para diagnosticar uma desordem compulsiva. arranhar-se Alucinações Olhar fixo. Porque qualquer evidência de comportamento excessivo em espécies não humanas é 10 . ficar estático Vocalização Latidos rítmicos. esfregar-se na parede e no chão. sequência de movimentos que não tem um propósito ou função óbvia e ocorre repetitivamente. A maioria dos comportamentos esteriotipados não são compulsivos em natureza. Na maioria dos casos. sucção de pelos Locomotor Andar em forma de “8”. manter o focinho apontado para o chão Comer e Beber Polidipsia. 1991) Classificação Alisar os pêlos – “Grooming” Sinais Clínicos Mastigar patas e unhas. mastigar pedras. fora de contexto. eles são derivados de comportamentos que fazem parte do repertório comportamental normal dos animais. polifagia. o comportamento interfere com as habilidades do paciente em realizar as funções normais dentro do seu ambiente social. granuloma por lambedura. com frequência excessiva ou longa duração.

A dermatite acral por lambedura é uma condição relativamente comum. o termo desordem compulsiva mais especificamente descreve esses comportamentos em nossas espécies de animais de companhia.1996). Akita. Outras raças. em que uma placa cutânea firme. Pastor Alemão (SCOTT et al. algumas fontes sugerem ser mais freqüente em machos. também podem desenvolver dermatite acral (SCOTT et al. espessada e oval se forma na parte distal dos membros dianteiros ou traseiros. 2005). 2006). Sharpeis.problemático e devem ser comprovados. 1998). Golden Retriever. 2003). Setter Irlandês. ulceração. Dados concretos que denotam a incidência de desordem compulsiva ou uma porcentagem relativa de distúrbios auto mutilantes compulsivos em populações de caninos e felinos não estão disponíveis atualmente (VIRGA. fibrose e piodermatite secundária (WILLENSE. 1996). 11 . Como na medicina humana. outras indicam não haver predominância. inclusive de cães de porte menores. erosões. 2. Dálmatas.3 CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS As raças predispostas incluem o Doberman Pinscher. A sequência das anormalidades cutâneas envolve eritema. Segundo RHODES (2005). Dinamarquês. uma desordem compulsiva pode ser considerada uma manifestação de desordem de ansiedade. Labrador Retriever. Weimaraners (RHODES. Dogue Alemão e Boxers (MEDLEAU & HNILICA. 1996). alopecia. em decorrência de uma lambedura persistente (WILKINSON & HARVEY.

O local mais comum para uma lesão é a área carpal ou metacarpal cranial. 2005). Os locais seguintes mais frequentes são as regiões radial. 1996). As lesões muitas vezes ocorrem de forma isolada. Fonte: Edmon Marcelo Zogbi. Fonte: Edmon Marcelo Zogbi 12 . Figura 2. embora possam ocorrer em mais de uma localização (RHODES.Lesões por lambedura em face látero dorsal de articulação de carpo (à esquerda) e face dorsal de carpo (à direita). metatársica e tibial craniais (SCOTT et al.Lesões por lambedura em face dorsal de metatarso (à esquerda) e face dorso lateral (à direita) em articulação metacarpo falangeana.Figura 1.

a doença afeta geralmente indivíduos de raça pura com temperamento nervoso (MUELLER. As manifestações clínicas mais óbvias nos gatos são os autocuidados e lambeduras intensas. Já segundo WILKINSON & HARVEY (1996). mas também evita a infecção bacteriana superficial secundária. 2003).As lesões crônicas tornam-se endurecidas. em forma de placas ou nódulos espessados que apresentam uma superfície ulcerada e um halo hiperpigmentado (SCOTT et al. 1998). a lambedura constante provoca o surgimento e mantém uma ulceração da superfície da placa.Lesão ulcerada em face dorsal de metacarpianos em membro esquerdo de cão. Em gatos. 1996). 1996). A lambedura impede a úlcera de cicatrizar e predispõe o local à infecção secundária (SCOTT et al. Embora as raças felinas como os Abissínios e Siameses pareçam estar predispostas à doença. Fonte: Edmon Marcelo Zogbi. gatos mestiços e gatos de pêlos curtos europeus também são comumente afetados (WILLENSE. flancos. Os pêlos remanescentes não são facilmente epilados. O novo crescimento nas áreas afetadas 13 . parte caudomedial das coxas e patas dianteiras. abdome. Figura 3. As manifestações cutâneas ficam comumente confinadas à hipotricose e à alopecia parcial com pêlos curtos (partidos) na linha média dorsal.

Em cães. 2004). cultura bacteriana e testes de sensibilidade (se indicado) para determinar antibióticos apropriados. dietas de exclusão alimentar. Os gatos podem vir a lesar a pele com persistência. útil para animais atópicos (RHODES. 2.1996). granulomas micóticos ou micobacterianos. granuloma dos pontos de pressão. doenças esqueléticas e neuromusculares (WILLENSE. 2005). traumatismos.1996). reação a corpo estranho. 14 . membros posteriores ou axilas (WILLENSE. reações de corpo estranho e doenças esqueléticas e neuromusculares subjacentes são as desordens mais importantes que devem ser descartadas como possibilidades diagnósticas. endocrinopatias. Examinar raspados de pele e esfregaços de Tzanck para descartar demodiciose ou uma infecção bacteriana. Ocasionalmente. 1996). 1998). além de uma ferida crônica de cicatrização lenta ( WILKINSON & HARVEY. a piodermatite em ponto de pressão. neoplasia. 1996). Com esta finalidade. distúrbios básicos de hipersensibilidade (SCOTT et al.4 DIAGNÓSTICO Uma tentativa diagnóstica geralmente pode ser feita a partir do exame físico e da história (SCOTT et al. O diagnóstico de uma dermatose psicogênica é comumente obtido por exclusão (WILKINSON & HARVEY. 1998). dermatofitose.poderá resultar em pêlos com a cor alterada (escurecidos). teste intradérmico para alergia. abdome. para um diagnóstico definitivo há necessidade de se descartar outros diagnósticos diferenciais que incluem neoplasias. são mais apropriadas radiografias e a histopatologia das biópsias cutâneas (WILLENSE. 1998). As culturas fúngicas confirmam diagnóstico de lesões induzidas por micose (SCOTT et al. há uma dermatite exsudativa na linha média dorsal ou lesões em forma de placas eosinofílicas na linha média dorsal. 1996). resultando em erosão seguida por ulceração (HARVEY & McKEVEER. sendo assim. demodiciose (RHODES. 2005).

Deve-se inicialmente identificar e eliminar a causa primária (MEDLEAU & HNILICA.17% dos casos estudados tratava-se de dermatopatias psicogênicas. cultura fúngica. 2005). além de ser necessário tempo e paciência para o tratamento (RHODES. é imprescindível que se demonstre que as pulgas não são causa do problema (HARVEY & McKEEVER. 2005. Os resultados mostraram que apenas dois animais apresentavam dermatite psicogênica. e exame histopatológico de biópsia de pele. 1996). o principal diagnóstico diferencial da alopecia auto-induzida é hipersensibilidade à picada de pulga e. tais como hemograma completo. Esse fato foi sugerido por WAISGLASS et al. mostrou que apenas 1. onde foi feita revisão em 257 casos diagnosticados de alguma doença de pele primária ou secundária.5 TRATAMENTO O aconselhamento psicológico do cliente deve ser o primeiro passo no tratamento da dermatite acral por lambedura de origem psicogênica. 1996). O proprietário do animal necessita saber que o problema do cão está “na cabeça” e não no membro (SCOTT et al. O estudo iniciou-se com um protocolo de testes diagnósticos incluindo citologia de pele. bioquímica e urinálise (RHODES. 2005). portanto. avaliação para atopia e endocrinopatias. exclusão de dieta.O tricograma pode ser útil em qualquer animal alopécico (MUELLER. Em gatos. SCOTT et al. 2. No gato. Quando não for encontrada uma causa primária. 2004). Uma doença interna subjacente pode ser descartada com testes laboratoriais adequados (HARVEY & McKEEVER. sugerindo o excessivo diagnóstico da doença. 2004). 2003). (2008) em dermatopatias em cães. 2003). (2006) em seu estudo sobre dermatite psicogênica em gatos. a alopecia psicogênica é excessivamente diagnosticada (MUELLER. O estudo feito por CARDOSO et al. Foi realizado um estudo em 21 gatos com diagnóstico presuntivo de alopecia psicogênica. exames parasitológicos. o 15 .

na dose de 0. PATERSON. ambiente em que vive. 2.2 mg/kg. 1999. na dose de 2. antidepressivo ou ansiolítico pode ser benéfica nesses casos. 2008. 2x/dia e de 1 a 2 mg/kg. sendo necessária a colaboração do proprietário e dos membros da família no manejo e no tratamento desse distúrbio (ANDRADE. cada 12 horas. e Hidroxizine. na dosagem de 2 a 4 mg/kg. Diazepam. As drogas psicológicas podem ser necessárias apenas para um curto período. estímulos sensoriais que recebe e outros fatores que podem estressar ou traumatizar esse animal. até que o hábito seja eliminado por modificação no comportamento ou que a solidão ou estresse sejam eliminados (SCOTT et al. 2005). 1x/dia. 2008). na dose de 2. cada 12 horas. as drogas ansiolíticas orais podem ser úteis. Segundo PATERSON (1999) e SCOTT et al (1996).2 mg/kg cada 8 horas. 1996). VO. Demonstrou-se eficaz em casos resistente aos medicamentos antidepressivos tricíclicos e antidepressivos inibidores seletivos da captação de serotonina. SCOTT et al 1996). O tratamento efetivo dos distúrbios de comportamento envolve uma visão global do convívio do animal com o proprietário.2 a 6. Períodos de tentativa do tratamento de até 4 semanas devem ser utilizados para descobrir o medicamento mais eficaz (MEDLEAU & HNILICA. Clomipramina e Fluoxetina (ANDRADE.tratamento com medicamentos modificadores de comportamento pode ser benéfico (MEDLEAU & HNILICA. sendo elas: Fenobarbital. O uso de fármacos na maioria dos casos não resolverá o problema. 16 . 2008).6 mg/kg. 2005). respectivamente (ANDRADE.1 Tratamento com Drogas Psicotrópicas Uma variedade de drogas que afetam os neurotransmissores de sistema nervoso central ou endorfinas. VO.5. ou que apresentam efeito sedativo.

cada 8 horas (PATERSON. Já SCOTT et al (1996).A Amitriptilina. A Fluvoxamina é citada por ANDRADE (2008) na dose de 1 a 2 mg/kg. bandagens e colete podem ser úteis para permitir a cicatrização inicial. como Naltrexona na dose de 2. 2005). uma injeção tópica de triamcinolona acetonida ou acetato de metilprednisolona pode aliviar o prurido (MEDLEAU & HNILICA. As tentativas de evitar a lambedura mecanicamente pelo uso de colares elizabetanos. não recomendam a extirpação cirúrgica devido à freqüente deiscência pós operatória em curto prazo. MEDLEAU & HNILICA (2005) e PATERSON (1999). 1996). pode-se utilizar flunexin meglumine e fluocinolona em sulfóxido de dimetila (combinados). 1996). em alguns casos. 1999) e cada 12 horas (SCOTT et al. além de peróxido de benzoíla a 5% tópico e produtos de capsaicina (RHODES.2 mg/kg por via oral a cada 24 horas (PATERSON. 1996). SCOTT et al. 1996). indica. 1999. mas se o animal traumatizar o local de cirurgia antes de ter ocorrido a cicatrização completa. 1999. a ferida resultante será muito difícil de tratar. a excisão cirúrgica de toda e lesão como tratamento de escolha. 2. A criocirurgia pode ser usada como último recurso para lesões tão grandes que não tenham respondido a nenhum outro tratamento (SCOTT et al. a lesão de pele deve ser tratada até cicatrizar. é citado como eficaz na dosagem de 1 a 3 mg/kg (PATERSON. VO. No caso de lesões iniciais pequenas. focinheiras. SCOTT et al 1996). RHODES. No tratamento tópico. 1x/dia. um antidepressivo tricíclico. 2005.5. mas em geral são malsucedidos sozinhos (SCOTT et al. O 17 . 2005).2 Tratamento da Lesão Junto com o tratamento psicológico. Os inibidores da endorfina também podem ser eficazes.

2008). 2005). meridianos associados. 1996 e PATERSON. MEDICINA TRADICIONAL CHINESA 3. Um não pode existir sem o outro porque ambos formam o todo. 2008). a fitoterapia. 1996). Os medicamentos fitoterápicos são derivados de fontes vegetais.. sendo que a doença ocorre quando existe desigualdade entre essas forças (BEDI & SHENEFELT. a acupressão. É baseada nas forças complementares Yin e Yang (BEDI & SHENEFELT. 1999). no entanto. Na saúde individual. 2007). a fitoterapia na China originou-se no século III a. Os dois contêm elementos um do outro. A MTC inclui a acupuntura.lamber (SCOTT et al. bloqueando o ciclo coçar. A dermatite acral por lambedura é um dos mais obstinados distúrbios cutâneos. na fisiologia e na patologia do corpo (MACIOCIA.C.2006). 3.2002).congelamento destrói as terminações nervosas (SCOTT et al. animais e minerais (SCHWARTZ. As ervas têm sabores. Historicamente.1 BREVE HISTÓRICO A Medicina Tradicional Chinesa (MTC) data de mais de 4000 anos. a dietoterapia. Yin e Yang estão balanceados. de forma que nada é totalmente Yin ou totalmente Yang. 1996). mas no mínimo não apresentam risco de morte (SCOTT et al. Yin e Yang são opostos polares. com o tratado médico mais antigo sendo “O Clássico de Medicina Interna do Imperador Amarelo”. O prognóstico é variável. predominando sempre um dos aspectos (SCHOEN. também são complementares e interdependentes. A terapia fitoterápica funciona por intermédio da ingestão de ervas. a meditação e exercícios (SCHWARTZ.2002). 18 . as quais exercem uma influência interna direta. mas há combinações relativas dos dois. Lesões crônicas muito fibrosadas e aquelas para as quais não se encontra uma causa primária apresentam piores prognósticos (MEDLEAU & HNILICA.

A acupuntura foi utilizada em animais há mais de 3500 anos. agulhas de pedra e espinha de peixe foram utilizadas na China durante a Idade da Pedra (cerca de 3000 anos AC). a acupuntura vem sendo usada com finalidades preventiva e terapêutica há vários milênios. No oriente. restaurar e manter uma boa saúde (SCHWARTZ. diagnósticos e terapêuticos das moléstias à luz da medicina oriental. Os clínicos de MTC utilizam a Dietoterapia. patológicos. SCOGNAMILLO. Neste caso há aplicações locais de calor por intermédio da combustão de bastões de moxa (folhas de Artemísia envolvidas por papel. Assim podemos falar de um outro método terapêutico que está intimamente ligado à Acupuntura: a moxibustão (vem de Moxa = Mogusa – tipo de preparação de Artemísia.SZABÓ & BECHARA. texto clássico e fundamental da MTC. 2001).energias térmicas. e bustum = queimadura). Nesse tratado. Eles são considerados como uma extensão das ervas. assim. assim. ou “Clássico do Imperador Amarelo sobre Medicina Interna”. quando. Artemísia vulgaris) nos pontos de Acupuntura (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN. sob controle do coração. fisiológicos. cada alimento é associado com as características de direção. O termo acupuntura é originário das palavras em latim accus = agulha e pungere = espetar. um elefante foi tratado de um distúrbio estomacal semelhante ao timpanismo. De fato. 1994). Desde então. Esta palavra não traduz a expressão chinesa “Zhen Jiu” para esta terapia. Na Medicina Tradicional Chinesa. já se afirmava que o sangue flui continuamente por todo o corpo. que quer dizer “espetar e queimar”. Cerca de 2000 anos depois. direção. 2008). William Harvey proporia sua teoria sobre a circulação sanguínea (ALTMAN. descreve aspectos anatômicos. Essas qualidades são usadas para restabelecer o equilíbrio do Yin e Yang no indivíduo. os alimentos são analisados muito diferentemente. o que é vital à saúde (SCHWARTZ. segundo a lenda. Nei Jing. sistema de órgãos e natureza ou temperatura. ações e categorias. 1992. sabor. 2008). mais precisamente em 1628. recomendando certos alimentos para equilibrar e melhorar uma variedade de condições e. a acupuntura e as outras formas da MTC têm sido utilizadas para tratar 19 .

 Acupressão = aplicação da pressão do dedo à superfície do corpo.  Implante = implante de vários materiais no tecido próximo ao acuponto para se obter uma estimulação prolongada dos pontos de acupuntura. o mais comum é a implantação de contas metálicas esterilizadas de ouro. Esse sistema local de pontos de acupuntura representa órgãos do corpo e funções e agem sinalizando os distúrbios funcionais dos órgãos aos quais estão ligados e podem ser usados para estimular os mesmos órgãos e harmonizar suas funções. artrite. renais. incluindo dor.  Eletroacupuntura = implica em passar energia elétrica através de pontos de acupuntura. entretanto. Suas vantagens são: ser um método não invasivo e 20 . que usa pontos específicos na aurícula para fins de diagnósticos e terapêuticos. Materiais de sutura como fio “catgut” e aço inoxidável podem ser inseridos em pontos de acupuntura para propiciar uma estimulação a longo prazo. SCHOEN (2006) descreve que além da Acupuntura tradicional corporal. 2008). alérgicas. pulmonares.uma variedade de problemas. sendo um microssistema. A acupressão é provavelmente um dos métodos mais antigos de estímulo de pontos de acupuntura. com exceção dos casos que requerem cirurgias (SCHWARTZ. hormonais. em um padrão geral (massagem) ou em pontos ou locais designados. existem outros métodos:  Acupuntura Auricular = ramo da acupuntura geral. A eletroestimulação pode produzir um nível mais elevado e mais contínuo de estimulação do que o produzido manualmente. prata ou aço inoxidável. doenças cardíacas. a MTC pode ser utilizada para tratar quase todo desequilíbrio.  Terapia a Laser = uso de laseres de baixa intensidade (“frios”) para estimular pontos de acupuntura. Esse processo normalmente é feito anexando-se dispositivos eletrônicos em agulhas inseridas nos locais. mas já existem vários aparelhos que fazem estimulação elétrica transcutânea sem uso de agulhas. digestivas. reprodutivas e mentais. Na verdade.

anexado a um cabo ou o martelo de sete pontas. analgésicos. Outro instrumento é o carretel de rolamento. A erva usada (Artemisia vulgaris) está relacionada com a família do crisântemo.  Aquapuntura = método terapêutico no qual um agente injetável é introduzido em um acuponto.  Acupuntura Cutânea = aplicada sobre uma área mais ampla. composto por um cilindro com agulhas muito pequenas em sua superfície.  Moxibustão = é o aquecimento dos pontos de acupuntura por meio da queima de uma erva sobre ou acima da pele sobre os acupontos. deve-se tricotomizar a região. podendo-se utilizar a moxa sobre um meio isolante. onde vácuo é criado à medida que o fogo consome o oxigênio no seu interior. Ateia-se fogo no interior da ventosa. isso faz com que a pele e o tecido subjacente sejam puxados para dentro da ventosa. também presa a um cabo. moxabustão indireta evita o contato direto da moxa com a pele. em pontos de acupuntura selecionados. Moxabustão direta é a queima dos cones de moxa diretamente sobre a pele. Os agentes injetáveis usados pelos chineses são vitaminas. 21 . que tem sete agulhas de aço inoxidável em uma cabeça. combinando a estimulação da agulha com um agente farmacológico. antiinflamatórios. prolongando a estimulação. com uso de potes globulares de boca estreita feitos de vidro ou cerâmica. dando pequenos golpes com instrumentos como a agulha em flor de ameixeira. O princípio da acupuntura cutânea demonstra que as camadas superficiais da pele são estimuladas sem que a agulha penetre os tecidos mais profundos  Ventosaterapia = técnica antiga que envolve a aplicação de uma pressão negativa nos pontos de acupuntura. A técnica de ventosa não é muito utilizada pelos acupunturistas veterinários. pois antes de empregar essa técnica em animais. antitoxinas e substâncias herbáceas.asséptico. que é um aglomerado de 9 (nove) ou 7 (sete) agulhas em um pequeno maço. antibióticos. Os agentes injetáveis permanecem no acuponto por certo período. seu uso ser indolor e requerer contenções mínimas e curto período de tratamento. onde a aplicação é feita rolando-o.

22 . do ponto de vista da acupuntura chinesa. e Xue significa orifício ou saída. sendo a “parte externa” do corpo energético. Embora a pele sobre o acuponto possa mostrar o fenômeno de menor resistência galvânica da pele ou refletir as condições do órgão Zang-fu. ou outras estruturas profundas. situados nos meridianos e projetados na pele. Os pontos de acupuntura. Quando essas estruturas são estimuladas por uma agulha de acupuntura. Segundo DRAEHMPAEHL & ZOHMANN (1994). 1994) e portanto uma alta condutibilidade elétrica. 2006). é caracterizado por uma resistência elétrica reduzida (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN. fáscia ou músculo. na maioria dos tratamentos com acupuntura a profundidade da inserção da agulha se estende além da espessura da pele e alcança estruturas subcutâneas de hipoderme. Acredita-se. Na acupuntura veterinária tradicional chinesa. Os Órgãos e Vísceras se comunicam com os Meridianos. Sonopuntura = terapia que usa a estimulação ultra-sônica em pontos de acupuntura. 1997). O ponto de Acupuntura é definido geralmente como um ponto da pele com sensibilidade espontânea ao estímulo. que a sensação Deqi seja essencial à obtenção dos efeitos terapêuticos da acupuntura (SCHOEN. o tratamento pela acupuntura restabelece o equilíbrio entre estados de função desarmônicas e com isso homeostase. o significado original de Shu Xue é orifício na pele que se comunica com um ou mais órgãos internos por meio de um meridiano (Jing) ou de seu colateral (Luo) (SCHOEN. pode-se evocar uma sensação única conhecida como Deqi: captura de Energia Vital (Qi). Portanto. A palavra Shu denota passagem ou comunicação. que através dos pontos de acupuntura se comunicam com o meio exterior (TORRO. formam a camada mais superficial de comunicação dos Órgãos e Vísceras (Zang fu) da Medicina Tradicional Chinesa com o exterior.2006). o termo acuponto (ou ponto de acupuntura) é Shu Xue.

2006). escrito em 610. No livro The General Treatise on the Cause and Symptoms of Disease (Tratado Geral sobre a Causa e os Sintomas da Doença). mudanças na regulação do fluxo sanguíneo e alterações na função imunológica (BAKER. 3. tendões e ossos estavam sob domínio da medicina externa (wai ke). desenvolvendo-se uma matéria médica em constante expansão por meio da criação de substâncias medicinais e técnicas de acupuntura para tratar doenças de pele (SCHOEN. endócrino. A dermatologia era estudada juntamente com traumatologia. e neuro hormônios.A acupuntura tem mostrado influenciar os sistemas neurológico. também é um espelho que reflete o milieu interieur (meio interno) e. Tradicionalmente. músculos. ao mesmo tempo. À medida que ela “respira”. ativação do eixo hipotálamo-pituitária. o mundo caprichoso ao qual está exposta. filtra toxinas e protege contra os raios violetas do sol. Muitos textos vieram em seguida. O ponto de vista da Medicina Tradicional Chinesa (MTC) sobre a pele é surpreendentemente similar à descrição anterior e reflete a sugestão de “inspecionar o exterior para examinar o interior” (SHOEN. Age como uma conexão entre o ambiente externo e interno do corpo. o diagnóstico e o tratamento das doenças de pele e pêlos. Chao YuanFang explica quase 100 distúrbios cutâneos. ortopedia e cirurgia. da chuva e da neve. A pele não é apenas um órgão com seus próprios padrões de reação. do Vento. A textura saudável da pele depende dos órgãos 23 . alteração nos neurotransmissores central e periférico. 2008). Intensas pesquisas com animais e seres humanos têm confirmado que os efeitos biológicos da acupuntura incluem liberação de opióides endógenos. A pele é como um terceiro Pulmão. a pele é mais afetada pelo Vento e Calor que ressecam e por uma deficiência interna de fluidos que também gera secura. imunológico e psíquico.2 MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E DERMATOLOGIA O campo da dermatologia (pi fu ke) só recentemente se tornou uma especialidade na medicina chinesa. Com sua vasta área de superfície. 2006).

quantidade e localização de um problema. é classificado se o padrão da doença ou sua resposta tem tendência Yin ou Yang. 2005). 2003). são mutáveis e produzem vermelhidão. 2008). e conforme os Padrões de Desarmonia (ou Síndromes). fria ou quente. Estimulação focal de nervos cutâneos com agulha de acupuntura em lugares específicos é reportado como benéfico no tratamento de acne. dos canais (SCHOEN. são agudas. 2005). No campo da dermatologia. apresentam prurido intenso. psoríases e urticária (SHENEFELT. úmida e com hiperpigmentação (SCHOEN. 24 . dos Fatores Patogênicos. neuralgia pós terapêutica. e a localização depende dos aspectos interiores e exteriores (SCHWARTZ.digestivos cuja absorção de nutrientes alimenta a superfície do corpo (SCHWARTZ. Geralmente esses relatos de casos isolados ou seriais são citados na literatura chinesa (SHENEFELT. independentemente de serem externos ou internos. A) Identificação dos Padrões conforme os Oito Princípios Os Oito Princípios são um sistema baseado na qualidade. edema e dor localizados. De acordo com BAKER (2008) não existem muitos estudos sobre acupuntura para tratamento de doenças de pele. porém muitos relatos de casos mostram a eficiência da acupuntura em casos agudos e crônicos de certas doenças dermatológicas. e tendem a ser de natureza crônica. As doenças dermatológicas do tipo Yang tendem a ser de Calor. 2006). Na qualidade do sistema. das Substâncias Vitais. dermatite atópica. do Sistema de Órgãos e Vísceras (Zang-fu). 2006). As doenças da pele podem ser identificadas de acordo com os Padrões dos Oito Princípios (Ba Gang). Na quantidade. deficiência e interior. 2008). o uso da agulha cutânea tem especial papel no tratamento das doenças crônicas e refratárias ao tratamento alopático (CHEN & YU. excesso e exterior. Os distúrbios do tipo Yin são geralmente causados por Frio. classifica-se quanto aos aspectos de Deficiência ou Excesso da condição.

para o totalmente imaterial. variando do completamente material. e calor no Sangue (SCHOEN.B) Identificação dos Padrões conforme as Substâncias Vitais A Medicina Chinesa considera a função do corpo e da mente como resultado de interação de determinadas Substâncias Vitais. 2006).2006). Os fatores que aumentam a estagnação do Qi e do Sangue (por exemplo. 25 . Fluidos Corpóreos (Jin Ye) e Mente (Shen) (MACIOCIA. o tratamento de sucesso é focado mais no equilíbrio das causas emocionais da coceira de que nas causas físicas (SCHWARTZ. Sendo as Substâncias Vitais: Qi. tal como os fluidos corpóreos. Esse método é usado sobretudo para diagnosticar problemas crônicos internos (SCHOEN. deficiência de Sangue. Essas Substâncias Vitais manifestam-se em vários graus de “substancialidade”. 2006). Os padrões comumente vistos na dermatologia incluem estagnação de Qi e de Sangue. Essência (Jing). C) Identificação dos Padrões conforme o Sistema de Órgãos e Vísceras (Zang Fu) A identificação dos padrões de acordo com os órgãos Zang-fu propicia as informações mais detalhadas por meio da aplicação dos Oito Princípios para órgãos Zang-fu específicos. Muitos profissionais sentem que. pois quando a coceira se instala. Na base de tudo está o Qi: todas as outras Substâncias Vitais são manifestações do Qi em vários graus de materialidade. falta de exercícios e alimentação de má qualidade) podem agravar as lesões cutâneas associadas à estagnação de Sangue ou ao acúmulo de Umidade ou de Calor (SCHOEN. em larga escala. o animal fica irritado. tal como a Mente (Shen). Sangue e Líquidos Corporais. emoções reprimidas.2007). 2008). Sangue (Xue). A identificação dos padrões conforme as Substâncias Vitais baseia-se no reconhecimento das desarmonias de Qi. Todos os tratamentos de pele incluem componentes para acalmar o espírito (Shen).

O Rim tem uma participação na função do sistema 26 . 2006). governa o Sangue. em particular. O Rim é referido como a “Raiz da Vida” ou “Raiz do Qi pré-Celestial”. conduzindo Sangue através dos vasos do corpo (SCHWARTZ. as lesões são doloridas. prurido e chuang (lesões cutâneas) de todos os tipos são atribuídos ao Coração”.2007). Isso ocorre porque ele armazena a Essência (Jing) que. Quando o seu sangue encontra-se deficiente. O Fígado tem muitas funções importantes dentre as quais estão: armazenar Sangue. pode surgir Vento interno que preenche os vasos sanguíneos. A principal função do Baço consiste em auxiliar a digestão do estômago por meio do transporte e da transformação das essências dos alimentos. 2006).O Pulmão governa o Qi e a respiração e. juntamente com o Estômago. que servem para proteger contra invasões e fornecer calor. é derivada dos pais e estabelecida na concepção (MACIOCIA. 2006). O Vento seca os Líquidos Corporais e pode deixar a pele seca e pruriginosa (SCHOEN. assegurar o movimento homogênio do Qi ao longo do corpo (MACIOCIA. O Coração é o Príncipe da Circulação. 2007). 2006). em sua forma pré-Celestial. está encarregado da inalação do ar (MACIOCIA. O Baço. absorvendo os nutrientes destes e separando as partes utilizáveis das inutilizáveis (MACIOCIA. 2007) e regular o volume de Sangue. elas coçam (SCHOEN. fornecendo nutrição à pele e aos músculos. além de abrigar a Mente (MACIOCIA. Quando o Calor é extremo. quando é menos intenso. 2007). umidade e nutrição à pele e aos músculos. Sua função é dispersar o Wei Qi (Qi de defesa) e os Líquidos Corporais pelo corpo. pode haver acúmulo de Umidade e/ou Fleuma. refletindo a força constitucional do animal. Por isso é que se diz que eles controlam a pele e os pêlos (SCHOEN. 2008). 2007). é freqüentemente denominado Raiz do Qi pós-Celestial. Isso é um importante fator na patogenia de muitas condições dermatológicas (SCHOEN. Se sua função de transformar e transportar os líquidos estiver comprometida. O Huan Di Nei Jing (Clássico de Medicina Interna do Imperador Amarelo) afirma: “dor.

1992). A umidade é fator patogênico Yin que tende a agredir o Yang. melancolia ou excesso de pensamento. As emoções. 2006). além de se manifestarem nos pêlos. Elas se tornam causa de doença apenas quando são particularmente intensas ou quando são reprimidas durante períodos prolongados (SCHOEN. calor. calor e umidade são os três fatores mais freqüentes de causar dermatites em animais de companhia (WATERS. D) Identificação dos Padrões conforme os Fatores Patogênicos A identificação dos padrões de acordo com os fatores patogênicos se fundamenta nas alterações que ocorrem quando o corpo é invadido por fatores patogênicos. são uma parte natural da existência. Na Medicina Chinesa. possui natureza pesada e causa exsudação. As seis causas externas de enfermidade são vento. sendo esse fator patogênico externo um pouco diferente dos outros porque está definitivamente relacionado a uma condição sazonal específica (SCHOEN. edemaciadas e quentes ao toque.imunológico. 2006). a Alma Etérea (Hun) e a Alma 27 . 2006). Vento. frio. Embora a etiologia das doenças dermatológicas possa ser dividida em externas e internas. O Frio é um fator patogênico Yin que pode agredir o Yang Qi. A secura é um fator patogênico Yang e. os quais dependem do Jing do Rim para serem nutridos (SCHOEN. O Calor causa lesões vermelhas. O Calor de Verão ocorre após exposição ao Calor patogênico durante o verão. alegria. 2006). preocupação. as emoções (entendidas como causa de doença) são estímulos mentais que perturbam a Mente (Shen). à semelhança do tempo e das estações. secura e umidade. A Medicina Tradicional Chinesa vê as sete emoções (raiva. essa distribuição raramente é clara. pode agredir o Sangue e o Yin. tristeza ou pesar e choque) como as causas internas da doença. portanto. ocorrendo uma grande sobreposição entre as duas (SCHOEN. independentemente de serem externos ou internos (SCHOEN. O Vento tem natureza Yang e tende a agredir o Sangue e o Yin. 2006). calor de verão. também provoca estagnação do Qi e do Sangue nos canais.

elevado e ulcerado (WILKINSON & HARVEY. A apresentação clássica é de um nódulo discreto. Na teoria da Medicina Tradicional Chinesa. 1996). É amiúde encontrada no aspecto craniolateral ou craniomedial do carpo ou metacarpo. Quando os pontos são escolhidos para acalmar o espírito. A seleção de pontos locais 28 . alteram o equilíbrio dos Órgãos Internos e a harmonia do Qi e do Sangue (MACIOCIA.Corpórea (Po) e. 2007). o componente mental ou emocional é abordado diretamente. 1991). A identificação do padrão do canal precisa ser baseada no conhecimento detalhado dos canais principais e de seus trajetos profundos (MACIOCIA. 2003) e comportamentos estereotipados (LUESCHER. 3. A identificação dos padrões de acordo com a distribuição no canal é usada no tratamento de certas condições superficiais. 2006). 2006). como locais quentes. SCHOEN.3 DERMATITE ACRAL POR LAMBEDURA E MEDICINA TRADICIONAL CHINESA A dermatite acral por lambedura (granuloma por lambedura) pode ter origem psicogênica. 1996). dermatite acral por lambedura ou granuloma por lambedura pode ser considerada por dois caminhos (WATERS.2006). 2007). relacionado a desordens psicológicas (VIRGA. mas é importante se excluírem as causas orgânicas (SCHOEN. em que a distribuição dos sinais e sintomas pode estar relacionada a um canal específico (SCHOEN.1992. E) Identificação dos Padrões conforme a Distribuição no Canal A identificação de padrão do canal é importante para que se possa identificar o canal afetado por meio dos sintomas e sinais. A maioria das lesões de dermatoses psicogênicas em animais é resultado de trauma auto-induzido (SCOTT et al. otite e granuloma por lambedura. por meio destas.2006). ao longo da distribuição do meridiano do Triplo Aquecedor e/ou Intestino Grosso (SCHOEN.

2006). Desordens do Espírito (Shen) ou perturbação do Shen. O Shen (Espírito) é um termo metafísico ou psicológico. patógenos ou emoções. Qi é vitalidade (SCHWARTZ. sem o Qi. muito denso e material. uma vez que o Qi proporciona vida ao Sangue. 2008). Esse regula a mente. Além disso. o Sangue seria um fluido inerte. atividades mentais. É o espírito e a psique do corpo (SCHWARTZ. referem-se às desordens mentais e problemas de comportamento (XIE & PREAST. 2006). memória e sono (a consciência). Qi e Sangue estão intimamente relacionados (SCHWARTZ. é comum haver sintomas concomitantes que refletem condições patológicas dos Zang-Fu. o sangue é inseparável do Qi. Normalmente. 2008). 29 . O Espírito (Shen) é a aparência exterior das atividades vitais de todo o corpo. inchaços dolorosos e coágulos de sangue (SCHOEN.baseia-se no princípio de “identificação dos padrões de acordo com os canais” visando remover bloqueio de Qi e de Sangue do meridiano afetado. 2007). o Qi circula livremente por todo o corpo sem nenhum bloqueio. nódulo. na maioria dos casos) (MACIOCIA. WATERS (1992) comenta também que dermatite acral por lambedura comumente tem como causa a obstrução da corrente de energia no canal de acupuntura ou meridiano subjacente a lesão. mas ainda sim Qi. Esta condição é causada por obstrução no fluxo normal do Sangue ou por acúmulo de Sangue em uma área. o fluxo é bloqueado (SCHOEN. 2006). 2003). devendo-se tratar essas condições adequadamente (SCHOEN. A obstrução normalmente ocorre em decorrência de trauma e caracteriza-se por sinais como contusões. 2008). Embora essa síndrome se manifeste como um problema de canal. Na medicina chinesa. o Sangue é por si só uma forma de Qi. O Sangue pode falhar para se movimentar adequadamente e estagnar (MACIOCIA. A estagnação de sangue pode ser provocada pela estagnação de Qi (do Fígado. onde se inclui a dermatite acral por lambedura como uma desordem comportamental primária (VIRGA. 2007). 20007). Se houver algum distúrbio decorrente de trauma.

4 DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO Segundo SCHOEN (2006). Além disso. são causa e efeito da estagnação de Qi do Fígado (SCHOEN. A) Diagnóstico e Tratamento conforme a Distribuição no Canal A seleção de pontos inclui P-7. além de suas responsabilidades circulatórias. o estado do Shen é visto em seus padrões de comportamento. IG-15. flutuação do estado mental e “exaltação”. IG-4. As agulhas são inseridas oblíqua ou transversalmente ao longo 30 . um componente integral de muitos casos dermatológicos. Na MTC o Coração é o guardião do Espírito ou Shen. 3. 2006). nos distúrbios das extremidades não existem pontos distais que podem ser usados. portanto devem ser escolhidos pontos proximais. Respostas mentais e emocionais normais são guiadas pelo Coração e. TA-10 e TA14. Em animais. devem ser agulhados pontos locais e adjacentes nos meridianos afetados. pelo seu protetor. mau humor. além de sintomas concomitantes que refletem condições patológicas dos Zang-Fu. onde o Fogo perturba a Mente provocando inquietude mental e a Fleuma obstrui a Mente levando ao comportamento maníaco (MACIOCIA. mas são normalmente tratados pelo guardião do Coração . IG-5. incluindo dermatite acral por lambedura. Comportamentos maníacos são manifestações clínicas de Fleuma-Fogo perturbando o Pericárdio.o Pericárdio. TA-5. depressão. 2007). Por definição. IG-11. Além disso. 2008). o Pericárdio. também. Os comportamentos anormais caem sob os prenúncios do Shen (do Coração). A estagnação do Qi do Fígado pode apresentar manifestações clínicas emocionais tais como melancolia. Tais distúrbios mentais/ comportamentais são considerados um problema criado quando os fluidos normais do corpo são transformados em “muco” ou “fluidos turvos e opacos” (SCHWARTZ. como IG-7. pode-se empregar a clássica técnica de inserção de agulha chamada de “cercar o dragão”.Os desequilíbrios emocionais. TA-3. os princípios de tratamento são revigorar o Qi e o Sangue no canal e acalmar o espírito.

o Vento tende a transportar outros fatores patogênicos consigo.da borda da lesão. são direcionadas para o centro da lesão e formam um padrão circular ao redor da área afetada (SCHOEN. se a lesão no carpo dorsal estiver localizada sobre parte transversal do antebraço no canal do intestino grosso. esta lesão deve ser tratada com inserção de agulhas bilaterais em IG-4. 1992). Essa técnica é simples. causando lesões exsudativas que tendem a se distribuir nas partes inferiores do corpo. Para WATERS. dispersar vento e fleuma são VG-14. O sintoma cardinal do Vento é o prurido. elevada e crostosa. 2006). A agulha em forma de pequeno martelo é inserida sobre a pele para promover o livre fluxo do Qi nas áreas afetadas. A Umidade possui natureza pesada. O uso de uma agulha em flor de ameixeira ou de sete estrelas é bastante útil para tratar distúrbios dermatológicos e neurológicos. sendo assim a técnica de “cercar o dragão”. Por exemplo. IG-4. Quatro a seis agulhas devem ser inseridas em um ângulo pouco profundo no tecido subjacente a lesão. 1992). B-13. Agulhas proximais e distais devem ser conectadas ao aparelho de eletroacupuntura e a corrente deve correr ao longo do canal por 10 a 20 minutos. sendo que. eficaz e bem tolerada pelos pacientes (SHOEN. pruriginosa.1992. 31 . edemaciadas e quentes ao toque (SCHOEN. O Calor causa lesões vermelhas. a conduta de tratamento com acupuntura para dermatite acral por lambedura é de clarear a obstrução colocando agulhas em pontos localizados próximos e distantes da lesão. o diagnóstico em Medicina Chinesa é de vento. IG-11. sendo o tratamento similar ao de piodermite (WATERS. como Vento–Calor e Vento–Umidade–Calor que quase sempre são observados juntos. que está localizado no segundo osso metacarpiano e IG-11 na articulação do cotovelo. 2006). 2006). calor e umidade. BP-9 e B-40 (WATERS. Pontos de acupuntura a serem escolhidos para limpar calor. B) Diagnóstico e Tratamento conforme os Fatores Patogênicos Quando a lesão de dermatite acral por lambedura apresenta-se vermelha. Eletroacupuntura pode ser usada para tratamento de dermatite acral por lambedura.

Em distúrbios do Shen. 2006). e E-40 é ponto Luo de Conexão. remove as obstruções do canal e o calor do canal. o diagnóstico em Medicina Chinesa é de excesso de calor e fleuma. nutre a medula e beneficia o cérebro e acalma a Mente e abre os orifícios da Mente. SCHOEN. An-shen. Os pontos de acupuntura utilizados por XIE & PREAST (2007) para distúrbios do Shen apresentando sinais clínicos de comportamentos maníacos são VG-14. Er-jian. regula o Qi Nutritivo e Defensivo. transforma a Fleuma e a Umidade (MACIOCIA. expele o Vento exterior. ID-3 para abrir o Vaso Governador e acalmar o shen e F-3 e F-2 para acalmar e esfriar o Fígado. tonifica a deficiência. utiliza os seguintes pontos no tratamento de desordens maníacas: VG-14. Fleuma combinada com calor estagna no canal do Coração e leva a um distúrbio do Shen. regula Qi e o Sangue. 2007. As estratégias de tratamento são limpar o calor. Da-feng-men. C) Diagnóstico e Tratamento conforme Sistema de Orgãos e Vísceras (Zang Fu) 32 . IG-11 clareia o Calor e esfria o sangue. acalma a mente. remove obstruções do canal. E-40 para limpar fleuma. 2007). B-13 é ponto Shu dorsal para o pulmão. VG-2. elimina o vento. VG-16 extingue o Vento interior. cessa o prurido. pacifica o Vento interno. clareia o Calor. IG-4 expele o Vento. SCHOEN. Os pontos têm as seguintes ações: VG-2 extingue o Vento interior. transformar a fleuma. Taiyang. B-40 clareia o Calor e esfria o sangue. remove e obstrução do canal. Wei-jian e E-44 para limpar o calor. PC-6 e E-40. acalmar o coração e tranqüilizar a mente (XIE & PREAST. BP-9 resolve umidade. C-7 e PC-6 são os principais para acalmar o coração e shen. 2006). harmoniza a subida e a descida do Qi. Já DHARMANANDA (s/d). VG-16. 2007. remove Calor de Verão (MACIOCIA. tonifica Qi e consolida o Exterior. C-9 e PC-9 para acalmar a mente. remove calor.A ação dos pontos acima citadas são: VG-14 expele o Vento. onde os sinais clínicos incluem comportamentos maníacos.

Para SCHWARTZ (2008) existem muitos tipos de problema que podem entrar na classificação de desequilíbrios do pericárdio. Isso é especialmente verdade nos casos de traumas mentais ou emocionais (SCHWARTZ. F-3 move o Qi do Fígado. VG-20. SCHOEN. em grande parte. F-13 e F-14 regulam o Qi do Fígado no Aquecedor Médio. O estado de frustração. sendo que alguns pontos podem ser úteis como PC-6. promove o livre fluxo de Qi e acalma o espírito. Os princípios de tratamento para a estagnação do Qi do Fígado são suavizar o Fígado e mover o Qi. situações estressantes ou contenção contínua em corrente ou canil pequeno (SCOTT et al. conhecido como “Portão Interno” que acalma o espírito e regula o fluxo de Qi por todo o corpo. 3.O Pericárdio guarda o Coração. absorvendo os primeiros golpes das agressões. 1996). Os problemas emocionais são causas importantes da estagnação de Qi do Fígado. conhecido como “Encontro dos 100 Pontos” que acalma o Shen e F-3 conhecido como “Grande Enxurrada” que circula o sangue do Fígado que banha e acalma todos os sistemas de órgãos e restaura deficiências de sangue. Os pontos são listados de acordo com o sistema de numeração do meridiano 33 . TA-6 move o Qi do Fígado e PC-6 regula o Qi. 2007). resultando em estagnação do Qi do Fígado (MACIOCIA. foi transposta da acupuntura humana. 2006). Estas condições podem estar presentes nos animais com dermatite acral por lambedura causada por solidão. acalma o espírito.5 NOMENCLATURA E LOCALIZAÇÃO DE PONTOS As informações sobre os pontos. 2008). 2007. falta de atenção. sendo esse ponto particularmente indicado quando a estagnação do Qi do Fígado é causado por problemas emocionais (MACIOCIA. sendo os principais pontos VB-34 que move o Qi do Fígado. raiva reprimida ou ressentimento por um longo período. de forma que o Qi não flua suavemente. pode fazer o fluxo de Qi ficar impedido.

ou parte dele. Na cabeça. Na escápula são 3 cun da extensão da borda cranial até a caudal. ao longo da linha média. ou tsun (ou ainda cun ou “polegada”). em tsun (TORRO. do centro do joelho ao maléolo lateral da tíbia são 16 cun. além dos acidentes anatômicos.e os nomes tradicionais em chinês pinyin (SCHOEN. Como observa-se na Figura 4 do cão. não é possível usar medidas absolutas em polegadas ou centímetros. O “cun” é uma unidade de medida relativa ou proporcional ao tamanho ou parte de cada animal. e na região medial são 13 cun do epicôndilo medial da tíbia até o maléolo medial. é a medida proporcional. a distância do trocanter maior ao centro do joelho é de 18 cun. A distância do tubérculo maior do úmero até o cotovelo é de 9 cun. utilizada para localizar os pontos de acupuntura (XIE & PREAST. Trata-se de uma unidade de medida diferente de qualquer outra e que divide o corpo. Na lateral do membro posterior. 2007). Do centro do cotovelo até a região proximal do carpo a medida é de 12 cun. 2007). sendo que na acupuntura prática utiliza-se a unidade “cun” para medir o corpo. 34 . 2006). Uma forma de referir-se à localização de um ponto de acupuntura. 1997). Pontos de acupuntura devem estar localizados a distâncias exatas de marcações do corpo ou outros acupontos. Devido a diferenças de tamanho entre um indivíduo e outro. apresenta 12 cun (XIE & PREAST. a distância da região posterior do crânio até a região frontal entre os olhos.

mostra a distância do púbis até a cicatriz umbilical que é de 5 cun. 2007) A ilustração na figura 5. 35 . 2007). A distância da cicatriz umbilical até o processo xifóide é de 8 cun (XIE & PREAST.Figura 4 Medida “cun” no cão (XIE & PRIEST.

na depressão ventral ao côndilo medial da tíbia. 36 . 2007) Localização dos pontos segundo MACIOCIA.Figura 5 de “cun” do abdome ventral. Pontos do Meridiano do Baço Pâncreas: BP-9 – Yin Ling Quan. XIE & PREAST. TORRO. entre a borda e o músculo gastrocnêmio. 2006. 1997. 2007. 2007. Localizado no aspecto medial da perna. (XIE & PRIEST. SCHOEN.

Localizado no centro da fossa poplítea. Figura 7 Pontos do meridiano da Bexiga (XIE & PRIEST. Localizado na região caudal do antebraço. Localizado na margem ungueal medial do quinto dedo do membro torácico. entre os tendões dos flexores ulnar do carpo e digital superficial. B-40 – Pi Shu. C-9 – Shao Chong. 37 . ao longo da linha longitudinal dos tubérculos costais. 2007) Pontos do Meridiano da Bexiga: B-13 – Fei Shu.Figura 6 Pontos do meridiano do Baço Pâncreas (XIE & PRIEST. imediatamente proximal ao osso acessório do carpo. 2007) Pontos do Meridiano do Coração: C-7 – Shen Men. Localizado lateral à borda caudal do processo espinal da terceira vértebra torácica.

Figura 8 Pontos do Meridiano do Coração no Cão (XIE & PRIEST. entre os músculos da tíbia cranial e extensor longo digital. E-44 – Nei Ting. 38 . Localizado no ponto médio entre E-35 e o maléolo lateral da fíbula. 2007) Pontos do Meridiano Estômago: E-40 – Feng Long. e proximalmente à margem da membrana digital. na depressão entre a segunda e a terceira falange proximal. Localizado no dorso da pata posterior.

2007) Pontos do Meridiano do Fígado: 39 . Pontos do Meridiano do Estômago no Cão (XIE & PRIEST.Figura 09.

F-14 – Qi Men. no ponto médio entre os aspectos dorsal e medial do osso. Localizado no aspecto ventrolateral do tronco. no meio do segundo osso metatarsiano. Pontos do Meridiano do Fígado no Cão (XIE & PRIEST.F-2 – Xing Jian. na cartilagem costal da décima segunda costela. Figura 10. Localizado no aspecto medial da pata posterior. F-3 – Tai Chong. distal à articulação falangiana-metatarsiana do segundo dígito. Localizado no sexto espaço intercostal no nível da linha láctea (mamária). F-13 – Zhang Men. 2007) Pontos do Meridiano do Intestino Delgado: 40 . Localizado no aspecto dorsomedial da pata posterior.

Figura 11. 2007) Pontos do Meridiano do Intestino Grosso: IG-4 – He Gu. Na linha traçada entre IG-5 e o IG-11. Localizado no terço proximal do segundo metacarpo. 41 . IG-7 – Wen Liu.ID-3 – Hou Xi. face medial do membro torácico. IG-5 – Yang Xi. Na articulação do osso rádio com os ossos do carpo. proximal à articulação metacarpo falangeana do quinto dedo. Localizado na face lateral de extremidade distal do membro torácico. situa-se quase no meio desta linha. entre o segundo e o terceiro ossos metacarpianos. Localizado na face látero medial do punho quando em estação forçada. Pontos do Meridiano do Intestino Delgado (XIE & PRIEST.

Figura 12. Localizado na face lateral do membro torácico.IG. localiza-se no ponto médio entre o tendão do bíceps braquial e o epicôndilo lateral do úmero. na margem cranial da parte distal do músculo deltóide.11 – Qu Chi. 2007) Pontos do Meridiano do Pericárdio: 42 . Pontos do Meridiano do Intestino Grosso (XIE & PRIEST. IG-15 – Jian Yu. quando a articulação do cotovelo é fletida em ângulo reto. Localizado no ponto médio entre o acrômio e o tubérculo maior do úmero.

Localizado na face da extremidade distal do membro torácico. Pontos do Meridiano do Pericárdio (XIE & PRIEST. PC-9 – Zhong Chong. ao lado do tendão do músculo flexor radial do carpo.PC-6 – Nei Guan. Figura 13. 2007) Pontos do Meridiano do Pulmão: P-7 – Lie Que. 43 . Localizado no aspecto medial do membro anterior. na sua linha vertical central. proximal ao processo estilóide radial e medial ao tendão extensor radial do carpo. dois tsun proximal à prega de flexão do punho. Localizado na borda coronária ventrolateral da terceira falange.

entre os ossos rádio e ulna. Pontos do Meridiano do Pulmão (XIE & PRIEST. TA-5 – Wai Guan. Localizada na extremidade distal do espaço interósseo entre o rádio e a ulna. 2007) Pontos do Meridiano do Triplo Aquecedor: TA-3 – Zhong Zhu. Contraponto lateral do PC-6. quando da posição em estação forçada. em uma depressão entre o quarto e o quinto osso metacarpiano. Localizado no dorso da pata anterior. TA-6 – Zhi Gou. Localizado na face cranial do terço distal do membro torácico. proximal à cabeça (extremidade distal) do quinto osso metacarpiano. TA-10 – Tian Jing. 44 . numa depressão proximal ao processo do olecrano.Figura 14. Localizado ao longo da borda caudal do antebraço.

Localizado na face lateral do terço proximal do membro torácico. quando da posição em estação forçada. VG-14 – Da Zhui. 45 .TA-14 – Jian Liao. na depressão entre o acrômio e o tubérculo maior do úmero. Localizado na linha média dorsal entre os processos espinhosos da segunda e da terceira vértebra sacral. na articulação atlantoccipital. Pontos do Meridiano do Triplo Aquecedor (XIE & PRIEST. Figura 15. VG-16 – Fong Fu. Localizado no plano mediano entre os processos espinhosos da sétima vértebra cervical e da primeira vértebra torácica. Localizado na linha média dorsal. 2007) Pontos do Meridiano do Vaso Governador: VG.02 – Yao Shu. O nome apropriado para esse ponto usado na acupuntura veterinária é Wei Gen (base da cauda).

46 . Pontos Extras An Shen: Ao lado da cabeça. Localizado na linha média dorsal do crânio. na extremidade rostral da crista sagital externa.VG-20 – Bai Hui. Pontos do Meridiano do Vaso Governador (XIE & PRIEST. Figura 16. na intersecção da linha coronal proveniente dos dois lados da base rostral da orelha. caudal a base da orelha. Indicado em distúrbios comportamentais e do Shen. 2007).

Localização do ponto extra: 02 Da Feng Men (XIE & PRIEST. 47 . Localizado na veia na ponta orelha. Figura 18.Figura 17. 2007) Da Feng Men: Na linha média dorsal da cabeça com a extremidade cranial da base das orelhas. 2007) Er Jian. Indicado para distúrbios do Shen e comportamentos hiperativos. Localização do ponto extra: 15 An Shen (XIE & PRIEST. Indicado para dissipar calor.

2007) Tai Yang. Localizado na veia facial transversa. 48 . Indicado para limpar vento calor. a cerca de 3 cm do canto lateral do olho. Localização do ponto extra: 19 Er Jian (XIE & PRIEST.Figura 19.

Figura 21. 2007) 4. 2007) Wei jian. O aspecto psicológico do cão. os pontos escolhidos irão acalmar o aspecto mental. revigorando o Qi e o 49 . Indicado para limpar calor. Ponto único. onde muitos tratamentos são instituídos. CONCLUSÃO A Dermatite Acral por Lambedura apresenta um prognóstico reservado. Desenho da localização do ponto extra: 39 Wei jian (XIE & PRIEST. Localização do ponto extra: 04 Tai Yang (XIE & PRIEST. sendo que muitas vezes não apresentam o resultado esperado. Localizado na ponta da cauda. além de tratar o canal afetado. além de melhorias no ambiente e convívio do proprietário com o animal. A acupuntura só vem a somar ao tratamento das dermatoses psicogênicas. Quando o diagnóstico é feito na Medicina Tradicional Chinesa.Figura 20. seu tratamento. torna-se de suma importância para o sucesso do tratamento.

50 . devendo ser tratados a fim de restabelecer o equilíbrio. Alterações emocionais podem alterar os Zang fu.Sangue.

S.1.1996. São Paulo. São Paulo. S. CHEN. electrostimulation.. Manual de Terapêutica Veterinária.M. 1994..K.A. C. Clinics Dermatology. Dermatologic Therapy.G. Acupuntura no Cão e no Gato: princípios básicos e prática científica. & YU.A. CABRERA N. M. Roca. v. v. & HART. & CASALI.L. Rio de Janeiro.. MELUSSI M. 3ª ed. BAKER.J.BIBLIOGRAFIA ALTMAN. fevereiro 2002. 51 . BEDI. D. FERREIRA JUNIOR. Acupuncture.D. Treatment of Canine Acral Lick Dermatitis by Behavior Modification Using Electronic Stimulation.N. p. Herbal Therapy in Dermatology. Roca.87-92. R. visitado em DRAEHMPAEHL.454-459..C. 138. Manual Colorido de Dermatologia do Cão e do Gato – Diagnóstico e Tratamento.M. FELÍCIO. Tratado de Medicina Interna Veterinária: Moléstias do Cão e do Gato.org/shen. HARVEY. Manole..itmonline. P. p. p. J. H. ECKSTEIN..F.28. CARNIELLI. S.. São Paulo. 232-242.16. ANDRADE.J. 3ª ed. 2008. 2008. v. 28 (Supl). p. Ed. R. P. Ed. B.L. Journal of the American Animal Hospital Association. v. D. Terapia pela Acupuntura na Clínica de Pequenos Animais. 2003. Ed. In ETTINGER. A. setembro 2008.. Dermatopatias em Cães: revisão de 257 casos. A. & SHENEFELT. p. 309-311.J.225-230. Ed. S. v. Towards a Spirit at Peace – Understanding the Treatment of Shen Disorders with Chinese Medicine. CARDOSO.J. D. & McKEEVER. M. Getting to the point: the potential for modern medical acupuncture in dermatological therapy. Arch Dermatol. and reflex therapy in dermatology. Revinter. CASTANHO GRACIELLE. 32. & ZOHMANN. 1992. DHARMANANDA. website: http// www. C.J.S. P. 2004. Pesquisa Veterinária Brasileira.C.

2003. The Veterinary Clinics Small Animal Practice.S. 52 . & HNILICA K. Revinter. & HALIP J. Dermatologia de Pequenos Animais – Consulta em 5 Minutos.V. Icone. Ed. p. 2005.U. SCHOEN. SCHWARTZ. Ed. Ed. 2003. Dermatologia de Pequenos Animais. & BECHARA. Rio de Janeiro. março 1991.B. p 401-413. MACIOCIA. M.W. W.33. Enfermidades de La Piel En El Perro. R.21.. 253-267. v.B. Roca. v. & GRIFFIN. Ed. Diagnosis and management of compulsive disorders in dogs and cats. 1999. SHENEFELT.2. v.23. A. n. Muller e Kirk. São Paulo. n. Acupuntura Veterinária: da arte antiga à medicina moderna. p. PATERSON. 1996.. Acupuntura: Bases Científicas e Aplicações. C. P. Roca.R. SCOTT. 5ª ed. 2ª ed. A. Buenos Aires. D. SCOGNAMILLO-SZABÓ. Ed Roca. Ed Inter Médica. 2006.LUESCHER. Interlivros. Ciência Rural.723-734. A. Dermatologia de Pequenos Animais – Atlas Colorido e Guia Terapêutico. v. M. L. Quatro Patas. McKEOWN. Dermatologia para o Clínico de Pequenos Animais.. RHODES.H. MUELLER. 2008. G.D. LUESCHER. São Paulo. Os Fundamentos da Medicina Chinesa: um texto abrangente para acupunturistas e fitoterapeutas. K.6.. São Paulo.A. Complementary Psychocutaneous Therapies in Dermatology. cinco direções: um guia de medicina chinesa para cães e gatos. Rio de Janeiro. MILLER. Dermatologic Clinics. 2003. São Paulo.31. 2007 MEDLEAU. Ed. C. D. Veterinary Clinics of North America Small Animal Practice. 2005.Roca. H.U.E. Ed. Santa Maria. S.. Stereotypic or ObsessiveCompulsive Disorders in Dogs and Cats. dezembro 2001. 2ª ed.H.

I. TORRO. 239-243. Manole. V. Underlying medical conditions in cats with presumptive psychogenic alopecia. Atlas Colorido de Dermatologia dos Pequenos Animais – Guia para o Diagnóstico.. Dermatologia Clínica de Cães e Gatos. & PREAST. São Paulo. 1ª ed.G. São Paulo.. Ed. v. Iowa. WILLENSE. Behavioral dermatology. WILKINSON. março 1992.T. Manole. Ed. 1996. S. n. WAISGLASS.. São Paulo. 1998.. Journal of American Veterinary Medicine Association. 4.. v.E.R. A.TORRES. 194-199. & HARVEY. p. WATERS. et al.1. Distúrbio obsessivo-compulsivo e quadros correlatos na clínica dermatológica. Acupuncture for Dermatologic Disorders. USA. VIRGA. junho 2006. Ed. 11.70(3). G. Xie’s Veterinary Acupuncture. K. 2ª ed. H. V. R. XIE. maio/jun 1995. TIOSSO. A. p. Atlas Prático de Acupuntura do Cão. An bras Dermatol. 1705-1709. 53 . v. 2ª ed. v. 2007. p. 1997. Rio de Janeiro. 2003. SMAIRA.231-251. Varela. Problems in Veterinary Medicine. Ed.228.C. p. Blackwell Publishing.M. A. n. T. S.33. The Veterinary Clinics Small Animal Practice.