CNPJ 06.312.584/0001-17 CNPJ 06.312.

584/0001-17 DESDE 2004

Declaração de Funcionamento Regular DECLARAÇÃO DE FUNCIONAMENTO REGULAR DE ENTIDADE PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS (Inciso IV, art. 32 Lei nº 10.707 de 30 de Julho de 2003)

Eu, MARLENE DE SOUZA OLIVEIRA, DECLARO, para os devidos fins, que a Instituição INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA, inscrita no CNPJ 06.312.584/0001-17, sediada na Rua Daniel de Toledo, 200 - CEP: 02765-000 - Vila Nívea - Freguesia do Ó – São Paulo/SP, vem funcionando regularmente há mais de três anos cumprindo suas finalidades estatutárias e prestando serviços relevantes a sociedade.

São Paulo, 20 de janeiro de 2014.

MARLENE DE SOUZA OLIVEIRA Nome e Assinatura

CNPJ 06.312.584/0001-17 CNPJ 06.312.584/0001-17 DESDE 2004

Declaração de não divida DECLARAÇÃO

Na qualidade de representante legal do proponente, declaro, para fins de prova junto ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, para os efeitos e sob as penas do art. 299 do Código Penal, que a entidade INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA, inscrita no CNPJ Nº 06.312.584/0001-17, não possui mora ou débito junto a qualquer órgão do Poder Público, bem como não existem dívidas da entidade nos bancos de dados públicos e privados de proteção ao crédito.

São Paulo, 20 de janeiro de 2014.

MARLENE DE SOUZA OLIVEIRA Presidenta

alíneas a e b do Decreto 6. judiciário do Ministério Público.CNPJ 06. 20 de janeiro de 2014. portadora do CPF/MF nº 103. São Paulo.089.312. colateral ou por afinidade até 2º grau. servidor público do Ministério do Planejamento. Orçamento e Gestão. MARLENE DE SOUZA OLIVEIRA Presidenta . 2º Inciso III. do Tribunal de contas.108-38 e do RG nº 20. DECLARO que em conformidade ao Art. companheiros e parentes em linha reta.584/0001-17 DESDE 2004 Declaração de Não Vínculo DECLARAÇÃO Eu Marlene de Souza Oliveira . não sou membro dos poderes executivo. Diretora Presidenta legalmente constituída da associação INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA.17.584/0001-17 CNPJ 06.758. legislativo.198-4.312. bem como nenhum de meus respectivos: cônjuges.

SP. inscrita no CPF/MF nº 228. MARLENE DE SOUZA OLIVEIRA Presidenta .584/0001-17 DESDE 2004 (Relação Nominal de Dirigentes) DECLARAÇÃO Eu. Branca nº 5.Freguesia do Ó– São Paulo/SP.563-5. 5 – Diretor(a) de Políticas Públicas e Projetos Sociais: Marileide Cavalcanti da Silva. Vila Souza. inscrita no CNPJ sob nº 06.600. inscrita no CPF/MF nº 633.584/0001-17 CNPJ 06. inscrito no CPF/MF nº 228. CEP: 02617-140. solteira. SP. 4 – Diretor de Relações Institucionais e Políticas Públicas: Alberto Augusto Pereira. São Paulo. brasileira.108-38 e do RG nº 20. São Paulo. P. brasileiro. representante legal da Instituição INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. São Paulo.101.312.814-7. 2 – Diretor Administrativo: José Sérgio Ribeiro da Silva. casada. domiciliado em São Paulo e residente na Rua Octavio R.551958-48 e portador do RG nº 7.CEP: 02765-000 Vila Nívea . com sede à Rua Daniel de Toledo. SP.903. brasileira. domiciliado em São Paulo e residente na Rua Daniel de Toledo 200.198-4. domiciliada em São Paulo e residente na Rua Dalva Barbosa Vilas Verde n°118 CEP: 02878-000 – Jardim Vista Alegre. vendedora. portadora do CPF/MF nº 103.688. 200 . domiciliado em São Paulo na Rua Daniel de Toledo nº 219 CEP: 02765000 – Vila Nívea.570-4. divorciado. inscrito no CPF/MF n º 900.089. 3 – Diretora Financeira: Maria Elizabeth Messias Teixeira. DECLARO. casada.758. SP. Freguesia do Ó. 20 de janeiro de 2014.312. abaixo a relação dos dirigentes da atual diretoria da Instituição: Diretoria Executiva: 1 – Diretora Presidente: Marlene de Souza Oliveira.605-3.314. motorista. doméstica.328-47 e portador do RG nº 33. CEP: 02765-000.314. CEP: 08473-484.550. brasileira.584/000117. 27. SP. vendedora.808-59 e portadora do RG nº 8. MARLENE DE SOUZA OLIVEIRA. São Paulo.328-47 XXX e portadora a Cédula de Identidade nº 20. casado. São Paulo. brasileiro.CNPJ 06.758.312. domiciliada em São Paulo e residente na Rua Professor Mário Dapico nº 39 – Jardim Cachoeira CEP: 02763-050.569. São Paulo.

584/0001-17 CNPJ 06. colateral ou por afinidade até o 2º grau.584/0001-17 DESDE 2004 (Declaração de não Parentesco – Diretoria) DECLARAÇÃO Eu. b) servidor público vinculado ao órgão ou entidade concedente.584/0001-17. bem como seus respectivos cônjuges. inscrita no CNPJ sob nº 06. que a Instituição não possui em seu quadro de dirigentes: a) membro dos Poderes Executivo. e parentes em linha reta. d) responsável por contas julgadas irregulares pelo Tribunal de Contas da União – TCU. DECLARO. São Paulo. 200 .CEP: 02765-000 Vila Nívea . e e) condenado pelo Poder Judiciário por crimes de improbidade administrativa ou por desvio de recursos públicos.312.312. bem como seus respectivos cônjuges.Freguesia do Ó – São Paulo/SP. companheiros. com sede à Rua: Daniel de Toledo. MARLENE DE SOUZA OLIVEIRA. Legislativo.CNPJ 06. do Ministério Público e do Tribunal de Contas da União. companheiros. e parentes em linha reta. com registro no SIAFI.312. colateral ou por afinidade até o 2º grau. 20 de janeiro de 2014. representante legal da Instituição INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. Judiciário. MARLENE DE SOUZA OLIVEIRA Presidente . c) responsabilizado em processo de Tomada de Contas Especial.

CEP: 02765-000 Vila Nívea .SP. inscrita no CNPJ sob nº 06. MARLENE DE SOUZA OLIVEIRA.584/0001-17 DESDE 2004 (Declaração de Responsabilidade) DECLARAÇÃO Eu. são responsáveis por assinatura de contratos e convênios os seguintes Diretores: MARLENE DE SOUZA OLIVEIRA – Diretora Presidenta MARIA ELIZABETH MESSIAS TEIXEIRA – Diretora Financeira São Paulo. Capítulo III – Da Administração. representante legal da associação INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA com sede à Rua Daniel de Toledo. do Artigo 23.584/0001-17. MARLENE DE SOUZA OLIVEIRA Presidenta . 200 .312.São Paulo .312.Freguesia do Ó . DECLARO.312. 20 de janeiro de 2014. que conforme inciso VII.CNPJ 06. constante de Estatuto Social da Instituição.584/0001-17 CNPJ 06.

o que segue: ATA DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DO INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. em seguida foi realizada sua votação. 200 – CEP: 08475-000 – Vila Nívea – Freguesia do Ó. São Paulo – SP. que representa uma conquista para a ampliação das ações da instituição. Finda a leitura o Senhor Presidente submeteu-o à apreciação e discussão.312. Os trabalhos da Assembleia foram presididos por Manoel Rangel que apresentou a pauta para a qual fora convocada a presente Assembleia Geral. fundada em 10 de novembro de 2004 e inscrita no CNPJ sob o n. realizou-se em primeira convocação. . SP.584/0001-17 CNPJ 06. a reger a associação. a Assembleia Geral Extraordinária do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA.584/000117 DESDE 2004 As associadas e os associados da associação “INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA”. passando a vigorar.584/0001-17. de comum acordo e na melhor forma do direito .312. foi apresentado pela equipe de colaboradores um documento final elaborado a partir das discussões e decisões ocorridas nas significativas reuniões da comissão de reforma do estatuto.406/2002 (Código Civil). item por item. por unanimidade. Dando início às discussões.584/0001-17 DESDE 2004 INSTRUMENTO PARTICULAR DE ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA”. (Lei das OSCIPs) 10. Em seguida o presidente da assembleia solicitou a leitura do projeto do novo estatuto da associação na integra. 200 – CEP: 08475-000 – Vila Nívea – Freguesia do Ó. e secretariados por José Sérgio Ribeiro da Silva. CEP: 02739-000. Aos 04 de fevereiro de dois mil e quatorze. e na defesa dos direitos das crianças e adolescentes. expressando os pontos positivos do novo espaço.312. por 2/3 dos associados resolvem entre si. Eleger e referendar a composição da nova Diretoria que assim passa a integrar o quadro societário. Freguesia do Ó – São Paulo. O Senhor Presidente da mesa relembrou a todos os presentes as razões e objetivos comuns que levaram à criação da associação e ressaltou particularmente o objetivo comum na luta pela moradia.312. Concluído este ponto deu-se início ao seguinte ponto da pauta: Eleger e empossar a nova Diretoria. com sede na Rua: Daniel de Toledo. Alterar a sede da Entidade para o endereço: Avenida Itaberaba 2214. Freguesia do Ó – São Paulo. CEP: 02739-000. SP. às 15h: 00 (quinze horas) na Rua Daniel de Toledo. finalidade precípuas que deve constar do novo Estatuto. CNPJ 06. convocada. 8069/1990 (ECA) e. 06.CNPJ 06. exclusivamente para esses fins. 11. na sua integralidade e. Na sequência comunicou a mudança do endereço da sede para a Avenida Itaberaba 2214. exclusivamente para discutir os seguintes pontos de pauta: a) b) c) d) Alterar os objetivos sociais da entidade ampliando seu rol de finalidades. no que foi aprovado sem ressalvas. Adequar o estatuto social às normativas das leis: 9970/99. reunidos em 04 de janeiro de dois mil e quatorze em Assembleia Geral Extraordinária convocada por edital expedido em 20 de janeiro de 2013. cuja aprovação passaria pelo crivo de todos os presentes. São Paulo – SP.127/2005.

SP. brasileira. recepcionista.312.551958-48 e portador do RG nº 7. São Paulo.328-47 e portador do RG nº 33. inscrita no CPF/MF nº 306.089. CEP: 08473-484. portadora do CPF/MF nº 103.198-4. segurança.584/0001-17 DESDE 2004 Pediu a palavra o senhora Marlene Rangel que indicou a seguinte chapa: Diretoria Executiva: 1 – Diretora Presidente: Marlene de Souza Oliveira.570-4. doméstica. pelo tempo necessário à lavratura desta ATA. Reabertos os trabalhos. domiciliado em São Paulo e residente na Rua Daniel de Toledo 200. Nada mais havendo a tratar. São Paulo. pelo Presidente da Assembleia e por todos os participantes.758.314. domiciliada em São Paulo e residente na Rua Dalva Barbosa Vilas Verde n°118 CEP: 02878-000 – Jardim Vista Alegre. 63 – Vila Nívea. CEP: 02617-140. tendo sido assinada pela Secretária da Assembleia. 219. e os trabalhos suspensos. Vila Nívea. divorciado. vendedora. 3 – Magali Aparecida Ribeiro da Silva. 2 – Paula Alves Canuto. inscrita no CPF/MF nº 069. São Paulo. Branca nº 5.101.312. .758. motorista. a proposta foi aprovada por unanimidade. inscrita no CPF?MF nº 306. brasileira. brasileira.903. 3 – Diretora Financeira: Maria Elizabeth Messias Teixeira. CEP: 02863-080 – Vila Cachoeirinha. 2 – Diretor Administrativo: José Sérgio Ribeiro da Silva. SP. 5 – Diretor(a) de Políticas Públicas e Projetos Sociais: Marileide Cavalcanti da Silva. P. SP. solteira. SP. Não havendo outra chapa. divorciada.323-1. na ausência de manifestos a Diretoria Executiva e o Conselho Fiscal foram empossados para um mandato de cinco anos. inscrita no CPF/MF nº 633.828-77 e portadora da Cédula de Identidade Nº 15. casada.264.792-2. São Paulo. foi a presente ata lida e aprovada.756. brasileira. brasileiro. 4 – Diretor de Relações Institucionais e Políticas Públicas: Alberto Augusto Pereira. São Paulo. passadeira.168-43 e portadora da Cédula de Identidade nº 26. SP. Conselho Fiscal: 1 – Ariana Malaquias da Silva. casado. brasileira . São Paulo.605-3.405.206. com início em 04/01/2014 e termino em 03/01/2019. conforme lista de presença anexa.814-7. inscrito no CPF/MF nº 228.550. domiciliado em São Paulo e residente na Rua Octavio R. Freguesia do Ó. São Paulo. CEP: 02765-000.CNPJ 06. domiciliada em São Paulo e residente na Rua Barreiro do Nascimento nº 145. CEP: 02765-000. Vila Souza. inscrita no CPF/MF nº 228. SP.020. domiciliada em São Paulo e residente na Rua Professor Mário Dapico nº 39 – Jardim Cachoeira CEP: 02763-050. casada.584/0001-17 CNPJ 06.328-47 XXX e portadora a Cédula de Identidade nº 20.569.600. 27. a Assembleia foi encerrada às 19 horas. Encerrados esses procedimentos o Senhor Presidente deu a palavra para quem quisesse se manifestar e. domiciliada em São Paulo e residente na Rua Daniel de Toledo. São Paulo.515.314.563-5.808-59 e portadora do RG nº 8.458-33 e portadora da Cédula de Identidade nº 26. 04 de janeiro de 2014. domiciliado em São Paulo na Rua Daniel de Toledo nº 219 CEP: 02765-000 – Vila Nívea. brasileira.688. SP. vendedora. domiciliada em São Paulo e residente na Rua Daniel de Toledo.108-38 e do RG nº 20. SP. solteira. inscrito no CPF/MF n º 900. casada.587. São Paulo. brasileiro.

de caráter assistencial. § 1º . Artigo 2º .584/0001-17 CNPJ 06. em todas as suas condutas e ações acata os princípios basilares que norteiam o ordenamento jurídico brasileiro e a vida em sociedade.O INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA reserva como característica fundamental a importância na organização da comunidade para viabilizar a elaboração e execução de projetos na área de serviços: sociais. não faz distinção de credo. sendo que. Parágrafo único: O INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. publicidade.O INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. não distribui entre seus .CNPJ 06. recursos e eventual resultado operacional serão aplicados integralmente na manutenção e desenvolvimento dos objetivos institucionais. § 2º A Associação se manterá através de contribuições dos associados e de outras atividades. é uma associação sem fins lucrativos. humanos e financeiros. econômicos. e profissionais de interesse de seus associados. recreativo e educacional. eficiência. orientação sexual. § 3º .312. da doação de recursos físicos. essas rendas.O INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA se dedica às suas atividades por meio da execução direta de projetos. programas ou planos de ações. de seus familiares e de membros da comunidade constituída por tempo indeterminado. economicidade. de participação e cooperação de associados. programas e serviços. sem cunho político-partidário. e gênero. de assessoria. Freguesia do Ó – São Paulo. tendo como foco principal a preservação do meio ambiente e orientando suas atividades para propiciar de forma integrada a utilização recíproca de seus projetos. os associados e associadas do “INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA” estabelecem que os artigos do Estatuto Social. educacionais.584/0001-17. através de parceria pública e privada. abaixo discriminados passa a ter a seguinte redação: ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA CAPÍTULO I – DA DENOMINAÇÂO. ou atuem em áreas afins. com a finalidade de atender a todos que a ela se associem. etnia. SP. CEP: 02739-000. NATUREZA.312. impessoalidade. classe social. assim como. moralidade. promocional. Artigo 1º O INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. raça. sediada na Avenida Itaberaba 2214. disciplinará seu funcionamento.O INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA terá um Regimento Interno que aprovado em Assembleia Geral. Artigo 4º . Artigo 3º No desenvolvimento de suas atividades observará os princípios da legalidade.312. doravante simplesmente designada neste estatuto por Associação ou INSTITUTO. com sede e foro nesta cidade na inscrita no CNPJ 06.584/0001-17 DESDE 2004 _________________________ Manoel Rangel Presidente da Assembleia Geral _________________________ José Sergio Ribeiro da Silva Secretário da Assembleia Geral Eleitos e empossados a Diretoria Executiva e o Conselho Fiscal. ou prestação de serviços intermediários de apoio a outras organizações sem fins lucrativos e a órgãos do setor público que tenham interesses em comum. no território nacional. SEDE.

Promoção do esporte. desde que sejam comuns aos da coletividade. individual ou coletivamente.CNPJ 06. CAPÍTULO II – DAS FINALIDADES Artigo 6º . defender e garantir os direitos à educação contidos na Lei 9394/96 Lei de Diretrizes e Bases da Educação. XII. de educação de adultos. cujas atuações são inteiramente gratuitas. VIII. Promover a união da comunidade. Promover gratuitamente a educação de forma complementar ao governo. a defesa e a garantia de seus direitos e interesses. e de estratégias de conscientização do “eu” cidadão. em juízo ou fora dele.312. Promover ações para o desenvolvimento econômico e social à segurança alimentar e nutricional visando o combate à fome. 11 Ação Advocacy é uma ação política-social que busca interferir sobre determinados procedimentos – principalmente nas políticas públicas. e os aplica integralmente na consecução do seu objetivo social. Representar os membros da comunidade. Promover ações de cooperação e parcerias com o setor público e privado visando defender e realizar o direito à moradia.257. A defesa.584/0001-17 DESDE 2004 associados.312. mas não somente.069/1990 (ECA). Diretores. ações de informações de saúde da população. Desenvolver de forma gratuita ações sociais para crianças. lazer e recreação. sob qualquer forma. V. jovens. IV. preservação e conservação do meio ambiente com promoção do desenvolvimento sustentável por meio da conscientização e programas de reciclagem. conselheiros. dividendos. XIII. bonificações. X. defender e garantir os direitos das crianças e adolescentes preconizados pela lei 8. Abrange também a interferência sobre legislação visando garantir direitos universais coletivos ou individuais e o monitoramento dos orçamentos públicos através de controle social. garantido pela constituição brasileira nos moldes da Lei nº 10.742/1993 (LOAS).O INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA não remunera. II. visando assim à defesa dos seus interesses. adultos e idosos em situação de vulnerabilidade. através de cursos profissionalizantes. IX. Adotar como princípio a “Ação Advocacy” 1 em todas as ações e projetos desenvolvidos pela associação. VI. empregados ou doadores eventuais excedentes operacionais. XI. de línguas. brutos ou líquidos. de 10 de 2001 (Estatuto da Cidade) e legislação correlata. bem como as atividades de seus associados. Promover a Assistência Social conforme diretrizes estabelecidas pela LEI Nº 8. Fomentar.584/0001-17 CNPJ 06. . VII. Artigo 5º . Fomentar. à distância e da educação ambiental. sem qualquer distinção. participações ou parcelas de seu patrimônio.Constituem objetivos e finalidades do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA: I. III. auferidos mediante o exercício de suas atividades. os cargos de sua Diretoria Executiva e do Conselho Fiscal. Promover gratuitamente.

ou em convênios com outras instituições. Experimentação e gerenciamento. rejeitando-a em todas as suas formas. XX. § 4º Fica definido como “PROGRAMA INCLUSÃO E CIDADANIA” para os fins deste Estatuto qualquer atividade realizada pelo INSTITUTO.584/0001-17 CNPJ 06. XIX. produção e divulgação de informações e conhecimentos técnicos e científicos que digam respeito às atividades mencionadas neste estatuto. que diretamente desenvolva a promoção. quantas se fizerem necessárias. o implemento e a plena realização dos princípios. XXII.312. Artigo 7º . para os intercâmbios científicos entre pessoas em matérias relativas à prestação de serviços às comunidades. com respeito aos princípios da democracia. XXI. as . a promoção da cidadania. com plena participação das mulheres. § 3º No atendimento de seus objetivos.584/0001-17 DESDE 2004 XIV. A defesa da democracia. comércio e emprego. de modo a criar novas formas de solidariedade. Promover a solidariedade. XVIII. Capacitar para o desenvolvimento do cooperativismo. as quais se regerão pelas disposições estatutárias. defesa e conservação do patrimônio histórico e artístico. § 1º No atendimento de seus objetivos. § 5º Os Projetos oriundos do “PROGRAMA INCLUSÃO E CIDADANIA” são obrigatoriamente filiais do INSTITUTO. Realizar estudos e pesquisas. em qualquer parte do território nacional.Para a consecução dos seus objetivos sociais O INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA poderá realizar. XV. § 2º A fim de cumprir suas finalidades. XXIV. acatando a legislação vigente. Promover o voluntariado através do estimulo e fortalecimento do espírito de colaboração mútua e de solidariedade humana.CNPJ 06. conforme determina o parágrafo único do artigo 70 da Constituição Federal. Desenvolver ações de formação e capacitação profissional visando integrar os beneficiários no mercado de trabalho. O INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. associativismo e outras organizações populares. por si só. não lucrativo. dos direitos humanos. O INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. 2º. com exceção dos previsto no artigo 7º. de novos modelos sócio produtivos e de sistemas alternativos de produção. para o desenvolvimento de tecnologias alternativas. contribuindo para o desenvolvimento da comunidade. para fomento de políticas alternativas. dos grupos discriminados. O INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA se organizará em tantos departamentos ou unidades de prestação de serviços. poderá abrir filiais. XVI. Promover a cultura. por deliberação da Diretoria Executiva. especialmente no que se refere á prestação de contas de recursos e bens de origem pública. deste Estatuto. XVII. alínea “l”. dignidade humana e outros valores universais.312. objetivos e finalidades da associação nos moldes do Art. Experimentação e gerenciamento. comércio e emprego. Promover uma cultura de paz: educação para a não violência ativa. de novos modelos sócio produtivos e de sistemas alternativos de produção. poderá firmar termos de parceria com as instituições públicas e privadas para a consecução de seus objetivos. Promover o interesse do poder público e da sociedade. não lucrativo. contando inclusive com organizações nacionais e internacionais. XXIII.

coordenação e realização de cursos. para o desenvolvimento de tecnologias alternativas. CEP: 02739-000. feiras. organizações nacionais e internacionais. família. pedagógicos. planejamento e realização de projetos e produção de textos nas áreas da infância. conveniar. diagnóstico e intervenção em grupos e instituições. entre outros. o) Atuar como modelo na elaboração de projetos sociais e desenvolver organismo de informações sobre métodos inovadores para assessoria das entidades parceiras. Administrativa e Contábil. estimular e assessorar organizações e grupos para a execução de seus objetivos. administrativos e financeiros desenvolvidos pelos projetos financiados pelo “PROGRAMA INCLUSÃO E CIDADANIA”. Promover o intercâmbio de experiências pedagógicas e organizacionais entre os Projetos constituintes do “PROGRAMA INCLUSÃO E CIDADANIA” e Associações congêneres. humanos e financeiros. Monitorar e avaliar o resultado dos trabalhos sociais.584/0001-17 CNPJ 06. cultura. c) Análise institucional. congressos. h) i) j) k) Contratar. e) Assessoria em produção e promoção de eventos nas áreas artísticas em geral. programas. ou ainda pela prestação de serviços de apoio a outras organizações sem fins lucrativos e a órgãos do setor público e privado que atuem em áreas afins. d) Organização. seminários. criança e adolescente. § 2º As ações previstas na alínea “a” realizar-se-ão mediante parcerias e . adolescência. Programa Saúde da Família (PSF). n) Proporcionar consultorias técnicas a outras instituições. Recrutar. responsabilidade social. g) Recorrer a todos os meios viáveis e legais para arrecadar os fundos necessários para aplicação e manutenção dos projetos do “PROGRAMA INCLUSÃO E CIDADANIA”. f) Constituir uma gerência executiva. Consultoria. voluntariado corporativo entre outros. b) Pesquisa.312. exposições. SP”. § 1º As ações previstas neste artigo. intervir e gerenciar contratos e convênios para a execução de seu objetivo. de convênios. apoiar. subconveniar. através da doação de recursos físicos. p) Realizar estudos e pesquisas.584/0001-17 DESDE 2004 seguintes ações: a) Assessoria Jurídica. q) Desenvolver no interesse do poder público e da sociedade. Formação e Capacitação de Recursos Humanos nas áreas de associativismo e cooperativismo. intercâmbios científicos entre pessoas. em matérias relativas à prestação de serviços às comunidades. produção e divulgação de informações e conhecimentos técnicos e científicos que digam respeito às atividades mencionadas neste estatuto. educação. para gerir e administrar o “ Avenida Itaberaba 2214. criados ou desenvolvidos por parceiros. Freguesia do Ó – São Paulo. saúde mental. com empresas e entidades públicas ou privadas para administração.CNPJ 06. planos de ações. no país ou no exterior. teatros e eventos culturais. direitos humanos. m) Intermediar. subcontratar. implementação e execução de projetos: próprios.312. meio ambiente. l) Estabelecer parcerias ou convênios. configuram-se mediante a produção e execução direta de projetos. selecionar e capacitar agentes multiplicadores de políticas públicas para garantir o bom funcionamento dos projetos que compõem o “PROGRAMA INCLUSÃO E CIDADANIA”. por meio de parcerias.

jogos e auxiliares. g) serviços de caráter desportivo. estúdio fotográfico.O INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA poderá receber patrocínios. ensino e educação. O INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA terá a propriedade de marca e das expressões ou sinais de propaganda e o seu uso exclusivo. recreativo. após a sua constituição. Tanto os associados fundadores quanto os associados efetivos têm os mesmos direitos e obrigações perante a Entidade. bolsas e sacolas em geral. Tanto os associados fundadores quanto os associados efetivos têm os mesmos direitos e obrigações perante a Entidade. para distinguir: I . Associados Honorários: aqueles que se fizerem credores dessa homenagem por serviços de notoriedade prestados à Associação. por proposta da Diretoria Executiva à Assembleia Geral. doações e permutas. ter afinidades com os seus princípios. Móveis restaurados.Serviços de: a) b) c) d) e) f) comunicação. em virtude dos relevantes serviços prestados ou que tenham feito doações representativas do INSTITUTO. § 3º No exercício das suas atividades. ideais e finalidades. de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. heranças ou subvenções de qualquer natureza. sem finalidade lucrativa. joias e bijuterias. roupas e acessórios em geral. jogos e brinquedos em geral. espetáculos artísticos desportivos e culturais. h) serviços de caráter filantrópico.584/0001-17 CNPJ 06. e serão distribuídos nas seguintes categorias: a) b) c) Associados Fundadores: são todos aqueles que participaram da Assembleia de Constituição da associação e que assinaram no livro próprio à ata de fundação.Produtos ou mercadorias de: a) b) c) d) e) f) g) h) papel. legados. diversão.312. social e cultural. d) § 1º. cinematográfico e similar. requisito indispensável à admissão no quadro social. Associados Efetivos: são aqueles que se filiaram ao INSTITUTO. entretenimento e auxiliares. tanto nacionais e/ou internacionais voltadas para a consecução de suas atividades retro relacionadas. Artigo 8º . O INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA é constituído por número ilimitado de associados e associadas. publicidade e propaganda. congressos. livros e impressos de todos os tipos.CNPJ 06. .312. sendo. bazares. comunitário e beneficente. calçados. II . inclusive cama e mesa. artigos ou artefatos de couro ou de imitação de couro. organização de feiras.584/0001-17 DESDE 2004 convênios com profissionais ou instituições tecnicamente habilitados e legalmente autorizados para o exercício das atividades especificadas. Associados Beneméritos: são aqueles aos qual a Assembleia Geral conferir esta distinção espontaneamente ou por proposta da Diretoria. CAPÍTULO III – DOS ASSOCIADOS E ASSOCIADAS Artigo 9º. remodelados e reformados. sorteio. exposições. artigos de decoração e artefatos de armarinho.

sem impedimentos legais. II.CNPJ 06. que apoiem as finalidades do Instituto e façam através de seus representantes legais solicitação para tal. para que lhes seja assegurada à condição de sócio membro da Entidade. através de ajuda mútua. os associados que: a) Cometerem qualquer falta contra o patrimônio moral ou material do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. por escrito. Os associados deverão pagar mensalmente ao INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. serão advertidos. sem impedimentos legais. que deverá. no prazo de dez dias. A inclusão de associados será condicionada à apresentação de proposta por qualquer associado ou associada do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA à Diretoria Executiva e seu deferimento referendado posteriormente pela Assembleia Geral pelo voto da maioria simples dos associados. A qualidade e o direito de associados são personalíssimos. 12. § 3º. Art. § 5º. A qualidade e o direito de associados se extinguem com a morte.584/0001-17 DESDE 2004 §2º. Os associados que infringirem do disposto neste estatuto estarão sujeitos às penalidades de advertência. aprovadas pelos órgãos dirigentes ou Assembleias. nos termos deste estatuto: I. quando não for o caso de suspensão ou exclusão do quadro social.312. maior e capaz. Parágrafo único: Os associados beneméritos e honorários terão direito à voz. inclusive de ordem técnica e ética. de votar ou de ser votados. contados da audiência.584/0001-17 CNPJ 06. para a execução dos objetivos do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. impedidos. Art. Os novos membros serão Diplomados na categoria de Associado. sob pena de nulidade. serão excluídos do quadro social. III. § 2º. ser precedida de audiência do associado. b) Comprovadamente. A inscrição de associado (a) se efetiva com a aprovação da proposta para sócio e o pagamento da primeira mensalidade. mas não terão direito a voto e nem poderão ser votados. a título de contribuição. uma quantia a ser estabelecida pela coordenação. Art. II. serão suspensos os direitos dos associados que se encontrarem atrasados em mais de três meses no pagamento de suas contribuições. não podendo ser transferidos ou cedidos seja a que título for. o qual poderá apresentar defesa. os associados que descumprirem o presente estatuto. conforme previsto no artigo 57 do Novo Código Civil. deixarem de cumprir as resoluções. 10. concorde com o seu Estatuto e faça sua solicitação para tal. 11. que tenham como disposição contribuir. de acordo com o disposto no artigo 9º.312. Poderá ser admitido como Associado Honorário ou Benemérito: I. suspensão ou de exclusão do quadro social. § 2º Das decisões que determinarem a aplicação das penas previstas neste . § 4º. ainda. Pessoa jurídica. § 1º As penalidades serão impostas por prévia deliberação da Diretoria ExecutivaGeral. § 1º. por escrito. O associado aprovado pela Diretoria Executiva fará sua inscrição em livro próprio para este fim. na forma estabelecida neste Estatuto e respectivos regulamentos. Pessoa natural. não podendo participar de Assembleias ou reuniões dos órgãos dirigentes.

reivindicar direitos ou recorrer quando julgar prejudicado em seus direitos. ou. ou liquidem seus débitos. São deveres das (os) associadas (os): I. entre outras. II. mediante carta protocolada no próprio Instituto. §3º A imposição de penalidade de exclusão do quadro social deverá contar com aprovação de 2/3 da Diretoria Executiva e somente poderá ser aplicada após ser submetida à votação da Assembleia Geral Extraordinária. §4º Os associados que tenham sido excluídos do quadro social poderão reingressar no Instituto. Parágrafo único. III. promover palestras e atividades de interesses coletivos. colaborar com o INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA quando for solicitado e contribuir ordinariamente. É direito de todo associado (a) que esteja quite com as suas obrigações para com o INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA: I. VI.584/0001-17 CNPJ 06. Art. cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto e as resoluções e deliberações decididas em Assembleias. participar das atividades da associação e receber suas eventuais correspondências e publicações. cumprir com os compromissos e obrigações sociais. no prazo de 10 (dez) dias contados da ciência da aplicação da(s) penalidade(s). VII. a juízo da Assembleia Geral.CNPJ 06. extraordinariamente. §5º Os associados que não mais quiserem integrar o quadro social do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. III. Todos os associados têm poder de representação perante outras entidades sociais desde que esta autoridade específica tenha sido outorgada pela maioria simples dos associados. onde deverá ser aprovada por maioria absoluta. Art. sem efeito suspensivo à Assembleia Geral. participar com direito a voz e voto nas Assembleias Gerais dos Associados. cooperar para a manutenção. 13. direta e indiretamente. acatar as decisões da Diretoria Executiva. zelar pelo nome. votar e ser votado em escrutínio secreto para os cargos eletivos nos moldes deste Estatuto.312. pelo engrandecimento moral e material do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. se houver deliberação de 2/3 dos associados. considerando associado excluído desde a data no protocolo do pedido. VI. V. . especialmente convocada para este fim. § 6º A Diretoria Executiva elaborará o Regulamento Interno de ética e Conduta. beneficiar-se dos serviços oferecidos pelo INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA e de suas atividades culturais. interesse e bens do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA.584/0001-17 DESDE 2004 Artigo caberá recurso. 14. sociais. pugnar.312. por ato de qualquer órgão do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. poderão requerer sua exclusão. esportivas e cívicas. incremento e expansão das atividades do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. IV. comparecer regularmente às Assembleias gerais. II. desempenhar com zelo e lisura o cargo no qual foi investido. desde que se reabilitem. V. quando se tratar de atraso de pagamento de contribuições. IV. IX. especificando e tipificando infrações e penalidades incorporando sugestões e/ou comentários que se fizerem necessários pelo Conselho Fiscal. VIII.

584/0001-17 DESDE 2004 Art. ou a requerimento de pelo menos um terço dos associados.DA ASSEMBLEIA GERAL Art. Assembleia Geral dos Associados Diretoria Executiva Conselho Fiscal CAPÍTULO V .312. ou em nome dele. exerça ou não cargo na Administração. sem prejuízo de outras penalidades que poderão ser aplicadas pela Diretoria. VI e VII. aplicada pela Diretoria Executiva da associação e referendada em Assembleia Geral. e 42. assim como não podem utilizar seus símbolos e falar em seu nome. ainda que subsidiariamente. em segunda convocação com qualquer número de associados: § 1º As deliberações da Assembleia Geral serão tomadas por maioria simples. As Assembleias Gerais serão convocadas com antecedência mínima 15 (quinze) dias mediante edital afixado nas dependências da sede social INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA.584/0001-17 CNPJ 06. por circulares outros meios convenientes devendo constar os assuntos que serão objetos discussão e deliberação. A Assembleia Geral reunir-se-á ordinariamente e extraordinariamente. dentro do prazo de 30 (trinta) dias. 18. Art.CNPJ 06. uma vez por ano. de do ou de II. V.312. os debates e deliberações à matéria inserida na ordem do dia. 19. §3º. salvo quando expressamente autorizado pela Diretoria Executiva e na forma que o forem. cumprindo sanção de qualquer espécie. ligado direta ou indiretamente a qualquer pessoa física ou jurídica que esteja em litígio com o INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. Parágrafo único: Sem distinção de categoria. A Assembleia Geral dos Associados órgãos soberano do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA se constituirá das (os) associadas (os) em pleno gozo de seus direitos estatutários e se reunirá: I. com seus direitos políticos suspensos. 16. com sua situação irregular junto à Tesouraria. As (os) associadas (os) não responderão. não havendo entre os associados quaisquer direitos ou obrigações recíprocas. . 20. 15. 17. III. 14 inciso VII. Art. II. Art. em primeira convocação com no mínimo 50% (cinquenta por cento) mais 01 (um) dos associados presentes e. O INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA terá a seguinte organização: I. objetivo da convocação. CAPÍTULO IV . II.DA ADMINISTRAÇÃO Art. por convocação da Diretoria Executiva. ordinariamente. a contar da infração cometida. para deliberar sobre o planejamento e prestação de contas e aprovar os relatórios de atividades e os relatórios financeiros da Diretoria Executiva e do Conselho Fiscal. a (o) associada (o) que por culpa ou dolo causar dano ao Instituto ficará obrigada (o) a indenizá-lo pelo montante do dano sofrido. extraordinariamente. exceto nos casos previstos nos artigos: 12. III. limitando-se em tais casos. IV. e/ou publicado na impressa local. respondendo processo criminal. pelas obrigações contraídas pelo Instituto. São inelegíveis para qualquer cargo diretivo da associação os que estiverem: I. 21 incisos IV.

584/0001-17 DESDE 2004 § 2º Em segunda convocação a Assembleia Geral realizar-se-á uma hora após a primeira convocação. IX. hipotecar ou permutar bens patrimoniais. A Assembleia Geral se realizará. 25. Compete à Assembleia Geral: I. CAPÍTULO VI . 26. 23. uma vez por ano Aprovar a proposta de programação anual do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. observado o que dispõe os artigos 41 e 42 deste Estatuto. ata em livro próprio que refletirá. a título de contribuições periódicas ou anuidades. quando convocada: I. II. VI. III. por requerimento de 1/5 (um quinto) dos associados quites com as obrigações sociais. Eleger o Presidente e o Secretário da Assembleia Geral. aprovar o Regimento Interno. ainda que de forma resumida. emitir Ordens Normativas para funcionamento interno do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. extraordinariamente. deliberar sobre a dissolução do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA e o destino de seu patrimônio. Art. Art. mediante o voto de 2/3 (dois terços) dos associados regularmente inscritos. Art. Só poderão participar dos trabalhos da Assembleia Geral. eleger. XII. 22. nos moldes deste Estatuto os membros da Diretoria Executiva e do Conselho Fiscal. no todo ou em parte. 21. os associados regularmente inscritos conforme os termos deste Estatuto.312. para: I. fixar o valor das obrigações financeiras dos Associados. submetida pela Diretoria Executiva. IV. II. III. composta por: Diretor(a) Presidente. transigir. apreciar o relatório anual da Diretoria Executiva. pelo Conselho Fiscal. VIII. Art. V.DA DIRETORIA EXECUTIVA Art. Art. III. deliberar sobre a destituição dos membros da Diretoria Executiva e do Conselho Fiscal nos termos deste Estatuto. X. Pela Diretoria Executiva. Das reuniões será lavrada. Diretor(a) . as decisões tomadas e que deverá ser assinada pelos membros presentes. II. VII. incisos I e II. XI.312. O INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA será administrado por uma Diretoria Executiva. o presente Estatuto mediante o voto de 2/3 (dois terços) dos associados regularmente inscritos. deliberar sobre a matéria prevista no Artigo 18. e manifestar-se a respeito. ou quem o substitua. mediante o voto de 2/3 (dois terços) dos associados regularmente inscritos nos termos deste Estatuto. A Assembleia Geral se realizará. decidir os recursos interpostos de associados excluídos. apreciar o relatório de auditoria externa.CNPJ 06. decidir sobre a conveniência de alienar. pelo (a) Diretor (a) Administrativo. discutir e homologar as contas e o balanço aprovado pelo Conselho Fiscal.584/0001-17 CNPJ 06. 24. alterar. ordinariamente.

Ordinariamente. na sua ausência. anualmente. Extraordinariamente sempre que convocada pelo (a) Diretor (a) Geral. Diretor(a) de Relações Públicas e Institucionais e Diretor(a) de Políticas Públicas e Projetos Sociais. elaborar e submeter à Assembleia Geral a proposta de programação anual do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. apresentar à Assembleia Geral dos Associados. o modelo de gestão.312. que participará desta primeira reunião. definir as estruturas administrativas e de gestão da organização. eleita em Assembleia Geral. do Diretor (a) de Finanças. ou. III. reunir-se com instituições públicas e privadas para mútua colaboração em atividades de interesse comum.312. V. X. 28. Compete à Diretoria Executiva em seu conjunto: I. § 2º A primeira reunião de cada Diretoria Executiva eleita deverá ocorrer imediatamente após a Assembleia Geral. aprovar convênios de cooperação científica e financeira “ad referendum” dos associados. VIII. VII. operações ou outras atividades que exijam especialização. a política de gestão de pessoas e . o voto de qualidade será do Diretor (a) Geral e. § 1º Compete à Assembleia Geral indicar e eleger os ocupantes de cada um dos cargos da Diretoria Executiva descritos no caput. organizar e cumprir o Calendário Anual das Reuniões Ordinárias e Atividades do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. e em caso de empate. uma vez por mês nas datas e horários previstos no calendário anual fixado na sede do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA conforme disposição do artigo 28. referendar a aceitação de contribuições e doações feitas ao INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA.584/0001-17 CNPJ 06. o relatório de atividades e a prestação de contas. VI. § 4º A Diretoria Executiva poderá contratar pessoas para exercerem as funções de gerência de finanças. § 3º Em caso de vacância de um dos Diretores. executar os convênios celebrados pelo Instituto. mediante solicitação de pelo menos 02 (dois) Diretores ou 1/3 de associados. sendo permitida uma reeleição consecutiva. Art. aprovar. deliberar sobre a filiação do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA às instituições ou organizações congêneres nacionais ou internacionais. a Diretoria Executiva poderá indicar dentre seus associados um substituto para ocupar o cargo vago. IX. até que ocorra nova eleição.CNPJ 06. para um mandato de 05 (cinco) anos. § 3º As deliberações serão tomadas pela maioria simples. II. cabendo a ele aprovar o organograma. § 2º Os membros eleitos para a Diretoria Executiva apresentarão atestado de idoneidade e declaração de bens para a posse em seus respectivos cargos. 27. inciso VII. constituirá para encaminhamento das § 1º A Diretoria Executiva se deliberações aprovadas pelos associados. Art. II. onde a posse será dada pelo Presidente da Assembleia Geral. IV.584/0001-17 DESDE 2004 Administrativo(a) Diretor (a) de Finanças. executar a programação anual de atividades do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. A Diretoria Executiva se reunirá: I.

celebrar contratos. ordens de pagamento e . XII. para submeter à Diretoria Executiva. XIII. V. delegar ampla ou restritivamente quaisquer dos poderes que aqui lhe são atribuídos. Compete ao (a) Diretor (a) Presidente (a): I. 30.Em suas ausências ocasionais.312. visando estruturar a realização de Projetos Sociais do “PROGRAMA INCLUSÃO E CIDADANIA”. § 2º . XVI. a um ou mais membros da Diretoria Executiva.584/0001-17 CNPJ 06. dando-lhes a aplicação conveniente. Administrar o INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA em conjunto com a Diretoria Executiva e representá-la ativa e passivamente em juízo ou fora dele. IV. III. com exceção do estipulado no § 3º do Artigo 26. planejar e organizar o orçamento do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. organizar e manter os serviços de contabilidade. Receber e guardar e gerir as importâncias recebidas pelos associados e resultantes de outras fontes. 29. VIII. de acordo com a deliberação dos associados. Diretor (a) Administrativo. XV. projetar a imagem pública do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. designado por esta. aceitar contribuições e doações. visando à consecução de seus objetivos. XIV. § 1º A responsabilidade da associação em cheques.CNPJ 06. através de Editais. II. Diretor (a) de Finanças. ou impedimentos momentâneos o Diretor ausente será substituído por outro membro da Diretoria Executiva.elaborar plano de Ação. XVII. assegurar que os recursos sejam gerenciados com eficiência em conjunto com os demais Diretores. aprovados pelos associados. XI.312.584/0001-17 DESDE 2004 a política financeira. através de procuração ou indicação por escrito. regulamentar as Ordens Normativas da Assembleia Geral e emitir Ordens Executivas para disciplinar o funcionamento interno do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. Art. contratar auditoria externa independente. Elaborar planos de Captação de Recursos. Art. convênios e assemelhados com instituições nacionais ou estrangeiras.Em caso de ausência ou impedimento temporário do (a) Diretor (a) Geral sua substituição obedecerá à seguinte ordem de preferência: I. II. Constituir Comitês de Captação de Recursos. determinar ad referendum da Assembleia Geral o valor da contribuição mensal dos Associados. § 1º – O (a) Diretor (a) Geral poderá. XVIII. VII. Compete ao Diretor (a) de Finanças: I. zelar pela integridade legal e ética dentro do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. Parágrafo único . III. Captar recursos adequados aos propósitos do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. VI. contratar prestação de serviços e outros artigos necessários ao bom funcionamento do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. em nome do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA “ad referendum” dos associados. Buscar financiamento para Projetos Sociais. II. firmar convênios de cooperação científica e financeira.

VI. IV. educação. habitação. se afastar sem licença.CNPJ 06. II. elaborar proposta de Calendário de Reuniões e Atividades da Diretoria Executiva. cultural e patrimonial do Instituto. empréstimos e estabelecimento de acordo e convênios que beneficiem o Instituto. portadores de deficiência. III. 31. Art. III. elaborar atas e relatórios das atividades do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. V. II. utilizar a organização para fins escusos e de promoção pessoal. visando divulgar o trabalho do Instituto.584/0001-17 DESDE 2004 quaisquer outros títulos de crédito depende da assinatura de 02 (dois) Diretores. assim como estabelecer parcerias. orientar e envolver. VIII. II. 32. acompanhar e coordenar os prestadores de serviços da Gerência Executiva de Projetos. 33 – Compete ao Diretor de Relações Públicas e Institucionais I. Mapear e reunir grupos culturais e pessoas envolvidas com as artes em geral da região onde o projeto se instala. Zelar por todo o material de captação audiovisual e documentos referentes às manifestações de reivindicações. Compete ao (à) Diretor (a) Administrativo (a): I. entre outros. Art. previsto no inciso VII do art. artísticas e sociais do Instituto. reforma urbana. Art. recrutar. . Acompanhar Organizar o Observatório de Políticas Públicas das administrações públicas em geral e da região. substituir o (a) Diretor (a) Geral em suas ausências ou impedimentos. órgãos.312. a fim de promover mostras culturais. Orientar. infringir as normas legais e regulamentares que disciplinam o funcionamento do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA e regem a gestão da coisa pública. designados pela Diretoria Executiva. V. sendo obrigatoriamente uma das assinaturas a do (a) Diretor (a) de Finanças.312. empresas. meio ambiente. 34 . VII. entendido que as licenças serão concedidas pela Diretoria Executiva. VI. transportes. coordenar o relacionamento com o público. 28. II. Representar o Instituto em eventos culturais. encaminhar correspondências e publicações aos associados. executar todos os serviços e encargos de Secretaria. Manter contatos e desenvolver ações junto às entidades públicas e privadas para obtenção de recursos. por mais de 30 dias consecutivos. Coordenar o Programa de Políticas Públicas e Projetos Sociais do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA.Compete ao (à) Diretor (a) de Políticas Públicas e Projetos Sociais: I. III. IV. Organizar cursos e seminários para ativistas de direito e integrantes dos movimentos populares. Assessorar os movimentos sociais nas áreas de atuação setorial como saúde. crianças e adolescentes. objetivando o conhecimento e elaboração de propostas em políticas públicas e projetos sociais. social. doações. Art. procurando interação com grupos culturais da região. Perderá o cargo o (a) Diretor (a) que no exercício de suas funções comprovadamente: I. III. IX.584/0001-17 CNPJ 06. Arquivar e catalogar todo o material artístico. gerenciar os talentos humanos. orientar a elaboração do plano e relatório referentes às atividades sociais desenvolvidas nos projetos desenvolvidos pelo “ INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA”. entre outros. novos associados e novos amigos do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. IV.

584/0001-17 CNPJ 06. sendo o órgão incumbido de examinar e emitir parecer sobre as contas do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA.CNPJ 06. II. contratação de auditoria de acordo com a regulamentação legal. II. dentre os associados titulares. 35. § 1º. IV. Art. por convênios com órgãos e entidades governamentais ou instituições privadas. Acompanhar a atuação dos Conselhos Municipais e Estaduais vinculados às administrações públicas. fiscalizar os atos da Diretoria Executiva e dos associados. V.584/0001-17 DESDE 2004 V. de operações patrimoniais realizadas. para desenvolvimento e/ou execução de projetos na área de sua atuação. 37. O Conselho Fiscal será constituído por 03 (três) membros titulares. III. O período do mandato do Conselho Fiscal será concomitante com o mandato da Diretoria Executiva. Os recursos financeiros necessários à manutenção da entidade serão obtidos: I. VI. até o seu término. Através dos Termos de Parceria. Convênios e Contratos firmados com o Poder Púbico pra financiamento de projetos na sua área de atuação. estudar e opinar a respeito do desempenho financeiro e contábil. III. sempre que necessário. Compete ao Conselho Fiscal: I. meses e. VII. examinar balancetes. por renúncia ou desligamento da entidade de quaisquer membros do Conselho Fiscal. emitindo pareceres para organismos superiores da entidade. por contratos e acordos firmados com empresas e agências nacionais e internacionais. por contratos de produção e comercialização de bens ou serviços desenvolvidos pela entidade. CAPITULO VII – DO CONSELHO FISCAL Art. quanto à observância das resoluções e deliberações da Assembleia Geral dos Associados e quanto ao cumprimento deste presente Estatuto. assessorando a participação dos representantes da sociedade civil. Parágrafo Único: O Conselho Fiscal se reunirá ordinariamente a cada 03 (três). para custeio de projetos de interesse social nas áreas e atividades da entidade. VI. extraordinariamente. V. permitida uma reeleição. dar publicidade no encerramento do Exercício Fiscal. CAPITULO VIII – DOS RECURSOS FINANCEIROS Art.312. Em caso de vacância. a suplência para o cargo vago será decida em reunião ampliada e o respectivo mandato será assumido pelo indicado. VI.312. 36. § 2º. por contratos com órgãos e entidades governamentais ou instituições privadas. por rendimento de aplicações de seus ativos financeiros e outros pertinentes . emitindo pareceres a respeito. § 3º. Orientar a elaboração do plano e relatório referentes às atividades sociais desenvolvidas nos projetos que compõem o “PROGRAMA INCLUSÃO E CIDADANIA”. O Conselho Fiscal será eleito pela Assembleia Geral. aprovar a prestação de contas da Diretoria Executiva realizada anualmente em Assembleia Geral dos Associados. convocar extraordinariamente a Assembleia Geral. IV.

39. legados e heranças destinadas a apoiar suas atividades. CAPÍTULO X . conforme previsto em regulamento. Parágrafo único: Os eventuais excedentes financeiros serão obrigatoriamente investidos no desenvolvimento das atividades sociais da entidade.790/99. pelo recebimento de direitos autorais. Art. quando se tornar impossível a continuação de suas atividades. incluindo as certidões negativas de débitos junto ao INSS e ao FGTS. 41. de forma individual ou coletiva. a publicidade. II. IV. no encerramento do exercício fiscal. 42. CAPÍTULO XI . a prestação de contas de todos os recursos e bens de origem pública recebidos será feita. veículos. A associação INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA será dissolvida. XI. não terão direito a perceber. o respectivo patrimônio líquido será transferido à outra pessoa jurídica qualificada nos termos da Lei 9. VIII. por outros que porventura lhe forem destinados. 4º da Lei 9. por decisão da Assembleia Geral Extraordinária. Parágrafo único: Os membros associados. em decorrência da participação no respectivo processo decisório. 70 da Constituição Federal. será contabilmente apurado e transferido a outra pessoa jurídica qualificada nos termos da mesma Lei. inciso VII): I. colocando-os à disposição para o exame de qualquer cidadão. conforme determina o parágrafo único do Art. Art. inclusive por auditores externos independentes se for o caso. qualquer contribuição ou doação prestada ao patrimônio da mesma.790/99 (OSCIP). a realização de auditoria. 4º da Lei 9. conforme estabelece o inciso V do art.584/0001-17 CNPJ 06.790/99. 38. necessárias e suficientes a coibir a obtenção.584/0001-17 DESDE 2004 ao patrimônio sob sua administração. O patrimônio do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA será constituído de bens móveis. CAPÍTULO IX . VII. ações e títulos da dívida pública. V.DA DISSOLUÇÃO Art. adoção de práticas e gestão administrativa. em caso de dissolução. por subvenções sociais que lhe forem transferidas pelo Poder Público.DA PRESTAÇÃO DE CONTAS Art.DO PATRIMÔNIO Art. preferencialmente que tenha o mesmo objetivo social. posteriormente. A prestação de contas do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA observará no mínimo (Lei 9. No caso de dissolução do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA.CNPJ 06. o acervo patrimonial disponível adquirido com recursos públicos durante o período em que perdurou aquela qualificação.312. IX. conforme assevera o inciso IV do art. art. em restituição. semoventes. X. . por doação. perder a qualificação instituída pela Lei 9.970/99. 4º. imóveis. III. de benefícios ou vantagens pessoais. 40.312.790/99. ao relatório de atividades e das demonstrações financeiras da entidade. da aplicação dos eventuais recursos e bens de origem pública objetos de Termo de Parceria. por contribuições voluntárias dos associados. Na hipótese do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA obter e. preferencialmente que tenha o mesmo objetivo social. os princípios fundamentais de contabilidade e as Normas Brasileiras de Contabilidade. por qualquer meio eficaz.

O Estatuto de constituição foi aprovado em 04 de janeiro de 2014 e registrado no 3º Cartório de Títulos e Documentos de São Paulo. Parágrafo único. 44. entretanto. no mínimo 2/3 (dois terços) dos associados. sendo necessário o voto favorável de. entidades classistas ou a organizações governamentais podendo.736 . 43. 04 de janeiro de 2014. CAPÍTULO XII . É vedado ao INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA participar em campanhas de interesse político-partidário ou eleitorais. entrará em vigor na data de seu registro em Cartório. em assembleia geral. Art. até que esta se conclua. ainda.CNPJ 06. um liquidante. A associação INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA só poderá ser dissolvida compulsoriamente. 46. ____________________________ MARLENE DE SOUZA OLIVEIRA Diretora Presidenta INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA ____________________________ MEIRE ROSE DE MORAIS Advogado OAB/SP nº 335.312.584/0001-17 DESDE 2004 § 1º A dissolução da associação será deliberada em Assembleia Geral especialmente convocada para esse fim. cassada a autorização para o seu funcionamento. Art. por deliberação dos associados. 48. Art. Art. §3º No caso de dissolução do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. 47. não poderá contrariar os fins do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA nem a sua forma de administração. com antecedência mínima de 15 (quinze) dias. de quaisquer meios ou formas. Fica designado o Foro da Cidade de São Paulo para a resolução de eventuais conflitos decorrentes da interpretação e aplicação deste Estatuto. Os casos omissos serão resolvidos pela Diretoria Executiva e referendados pela Assembleia Geral. Art. a qualquer tempo por decisão da maioria absoluta dos associados. via decisão judicial. A reforma constante do Caput. em Assembleia Geral especialmente convocada para esse fim e. § 2º. e será designado. O INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA não se vinculará a partidos políticos. ou. São Paulo.584/0001-17 CNPJ 06.312.DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 45. desenvolver as modalidades de parceria legalmente autorizadas com quaisquer entidades ou órgãos com objetivos afins. O presente Estatuto poderá ser reformado. ela subsistirá para fins de liquidação. sindicatos.

que será realizada em 04 de janeiro de 2014. para participarem da ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA de constituição de associação. Freguesia do Ó – São Paulo.312.584/0001-17 CNPJ 06. CEP: 02739-000. 8069/1990 (ECA) e. c) Sem mais e certos da presença de todos. SP.584/0001-17 DESDE 2004 EDITAL DE CONVOCAÇÃO Convocamos a quem possa interessar. (Lei das OSCIPs) 10. com as seguintes ordens do dia: a) b) Alterar os objetivos sociais da entidade ampliando seu rol de finalidades.312. Adequar o estatuto social às normativas das leis: 9970/99. às 15h: 00 em primeira chamada e meia hora depois em segunda chamada.127/2005. Eleger e referendar a composição da nova Diretoria que assim passa a integrar o quadro societário.CNPJ 06. na Avenida Itaberaba 2214. . desde já agradecemos. 11.406/2002 (Código Civil).

CEP: 08473-484. motorista.758. São Paulo. 63 – Vila Nívea. São Paulo. SP.312.328-47 XXX e portadora a Cédula de Identidade nº 20.605-3. domiciliada em São Paulo e residente na Rua Daniel de Toledo. inscrita no CPF/MF nº 633. brasileira. SP.328-47 e portador do RG nº 33. inscrito no CPF/MF n º 900. solteira. casada. vendedora. brasileira.550. solteira.758.314.264.108-38 e do RG nº 20. SP.312. inscrita no CPF/MF nº 306. SP. 3 – Diretora Financeira: Maria Elizabeth Messias Teixeira. SP. DIRETORIA EXECUTIVA 1 – Diretora Presidenta: Marlene de Souza Oliveira. brasileiro. passadeira. domiciliado em São Paulo e residente na Rua Daniel de Toledo 200. CEP: 02765-000. doméstica.688. domiciliado em São Paulo na Rua Daniel de Toledo nº 219 CEP: 02765-000 – Vila Nívea.563-5.405.792-2. Freguesia do Ó. 20 de dezembro de 2014. domiciliada em São Paulo e residente na Rua Dalva Barbosa Vilas Verde n°118 CEP: 02878-000 – Jardim Vista Alegre. casado. domiciliada em São Paulo e residente na Rua Barreiro do Nascimento nº 145. inscrito no CPF/MF nº 228. domiciliado em São Paulo e residente na Rua Octavio R. .584/0001-17 DESDE 2004 São Paulo.903. P.814-7. 2 – Diretor Administrativo: José Sérgio Ribeiro da Silva. 27.551958-48 e portador do RG nº 7. São Paulo.089. recepcionista. domiciliada em São Paulo e residente na Rua Professor Mário Dapico nº 39 – Jardim Cachoeira CEP: 02763-050. CEP: 02863-080 – Vila Cachoeirinha. SP. SP. portadora do CPF/MF nº 103.570-4. casada. 5 – Diretor(a) de Políticas Públicas e Projetos Sociais: Marileide Cavalcanti da Silva.808-59 e portadora do RG nº 8.584/0001-17 CNPJ 06. brasileira. São Paulo.756. COMISSÃO ORGANIZADORA RELAÇÃO DA DIRETORIA E DO CONSELHO FISCAL DO INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA Membros eleitos e empossados em 09 /2013 para o mandato de 05 anos compreendido de 04 de janeiro de 2014 a 03 de janeiro de 2019. inscrita no CPF/MF nº 228. São Paulo. brasileira. Vila Souza. 2 – Paula Alves Canuto.458-33 e portadora da Cédula de Identidade nº 26.CNPJ 06.600.020. 4 – Diretor de Relações Institucionais e Políticas Públicas: Alberto Augusto Pereira.569. CONSELHO FISCAL: 1 – Ariana Malaquias da Silva. São Paulo.168-43 e portadora da Cédula de Identidade nº 26. CEP: 02617-140.198-4. inscrita no CPF/MF nº 306.323-1. brasileiro. divorciado. vendedora.314. Branca nº 5.101. casada. São Paulo. brasileira .

04 de janeiro de 2014. tomaram posse para o mandato de 04 de janeiro de 2014 a 03 de janeiro de 2019. inscrita no CPF/MF nº 069. SP. Vila Nívea. domiciliada em São Paulo e residente na Rua Daniel de Toledo. sito à Rua Daniel de Toledo. segurança. brasileira. CEP: 02765-000 – Vila Nívea – Freguesia do Ó – São Paulo. São Paulo. 21.515. 200.CNPJ 06. CEP: 02765-000.584/0001-17 CNPJ 06. SP. perante a Assembleia Geral Extraordinária. na sede do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA.312. art. por chapa única. MARLENE DE SOUZA OLIVEIRA Diretora Geral INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA ATA DE POSSE DA DIRETORIA Aos quatro de janeiro de dois mil e quatro. II. DIREÇÃO EXECUTIVA CARGO Diretora Presidente Diretora de Finanças Diretor Administrativo Diretor de Relações Publica e Institucionais Diretora de Políticas Públicas e Projetos Sociais NOME Marlene de Souza Oliveira Maria Elizabeth Messias José Sergio Ribeiro da Silva Alberto Augusto Pereira ASSINATURA Marileide Cavalcanti da Silva CONSELHO FISCAL Conselheira Conselheira Conselheira Ariana Malaquias da Silva Paula Alves Canuto Magali Aparecida Ribeiro .206. São Paulo. 219.584/0001-17 DESDE 2004 3 – Magali Aparecida Ribeiro da Silva.828-77 e portadora da Cédula de Identidade Nº 15. divorciada. 27 § 2º do estatuto.312.587. e art. nos termos do art. 26 § 1º. os membros eleitos para os cargos da Direção Executiva. período relativo ao quinquênio 2014/2019.

Pede Deferimento . Nestes Termos.584/0001-17 CNPJ 06.312. SP. representante legal da associação denominada INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA com sede sito à Rua Daniel de Toledo.402/02. juntando 02 vias de igual teor e forma.198-4. CEP: 02765-000. assinada por mim. para que possam praticar atos e exercer suas funções em toda sua plenitude.CNPJ 06. São Paulo. cumprindo e fazendo cumprir o Estatuto do INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA. 04 de janeiro de 2014. São Paulo.089. 121 da Lei 6. Alessandra. Freguesia do Ó.108-38 e do RG nº 20. registro do instrumento em anexo. secretária da Mesa. esta ata será lavrada. 04 de janeiro de 2014.758. doméstica. CEP: 02765-000 – Vila Nívea – Freguesia do Ó – São Paulo.312. portadora do CPF/MF nº 103. SP vem requerer. brasileira .015/73 e da Lei 10. ________________________ Manoel Rangel Presidente da Assembleia Geral _________________________ José Sérgio Ribeiro da Silva Secretário da Assembleia ILMO SENHOR OFICIAL DO REGISTRO CIVIL DE PESSOA JURÍDICA DE SÃO PAULO Marlene de Souza Oliveira. 200. solteira. para que surta os efeitos. pelo Presidente da Assembleia e pelos empossados.584/0001-17 DESDE 2004 E. nos termos do art. São Paulo. domiciliado em São Paulo e residente na Rua Daniel de Toledo 200.

312.584/0001-17 DESDE 2004 Marlene de Souza Ribeiro Diretora Presidente INSTITUTO MÃOS DA ESPERANÇA .CNPJ 06.584/0001-17 CNPJ 06.312.