Soldagem Manual ao Arco Elétrico com Eletrodo Revestido (SMAW

)
Descrição do Processo
A soldagem a arco elétrico com eletrodo revestido (Shielded Metal Arc Welding – SMAW), também é conhecida como soldagem manual a arco elétrico (Manual Metal Arc – MMA). É realizada com o calor de um arco elétrico mantido entre duas partes metálicas, a extremidade de um eletrodo metálico revestido e a peça de trabalho/metal base. O calor produzido pelo arco elétrico é suficiente para fundir o metal de base, a alma do eletrodo e o revestimento. Quando as gotas de metal fundido são transferidas através do arco para a poça de fusão, são protegidas da atmosfera pelos gases produzidos durante a decomposição do revestimento. A escória líquida flutua em direção à superfície da poça de fusão, onde protege o metal de solda da atmosfera durante a solidificação.

Classificação dos Eletrodos Revestidos
Existem diferentes tipos de eletrodos revestidos, variando de acordo com o material a ser soldado e sua aplicação. A norma mais utilizada para classificação dos eletrodos revestidos é a ASME II Part C (American Society of Mechanical Engineers - Sociedade Americana dos Engenheiros Mecânicos), que segue as definições da AWS (American Welding Society - Sociedade Americana de Soldagem). A classificação é feita de acordo com o tipo de consumível, propriedades mecânicas, posições de soldagem, tipo de revestimento e composição química do metal depositado.

Classificação dos Eletrodos Revestidos Aço Carbono e Aço Baixa Liga segundo ASME II Part C AWS SFA 5.1 e 5.5
Eletrodo Indicam resistência a tração X 1000 psi Refere-se à posição de soldagem (1 = Todas as posições, 2 = horizontal e plana, 3 = plana, 4 = plana, sobrecarga, horizontal, vertical descendente) Indica o grau de utilização do eletrodo. Ex.: o tipo de corrente e o tipo de revestimento Composição química do depósito de soldagem
Ligado ao Molibidênio 0,5%Mo para trabalhos a quente Ligado ao Cromo e Molibidênio para trabalhos a quente. Ligado ao Cromo e Molibidênio com baixo teor de Carbono para BXL trabalhos a quente, com maior dutilidade e menor dureza. Ligado ao Níquel para maior resistência mantendo alta tenacidade a CX baixas temperaturas. Ligado ao Níquel e Molibidênio para evitar a necessidade de tratamento NM termico pós soldagem (TTPS). Ligado ao Manganês e Molibidênio, para combinar resistência DX mecânica com adequada resistência a corrosão. Necessita de um teor mínimo de qualquer um dos seguintes elementos: G 1,00% Mn, 0,80% Si, 0,50% Ni, 0,30% Cr, ou 0,20% Mo, podendo ser desenvolvido para atender requisitos específicos de uma aplicação. M Conforme as composições cobertas pelas especificações militares. PX Ligado a Níquel, Cromo e Molibidênio para soldagem de tubulações. Ligado a Níquel, Cromo e Cobre, para resistência a corrosão WX atmosférica.
AWS SFA 5.5 - X - variações de composição química.

Defeitos na Soldagem
Defeito Exemplo
- Limpeza ineficiente entre passes; - Corrente de soldagem baixa; - Condução incorreta do eletrodo. - Direcionamento incorreto - Corrente de soldagem do arco; elevada; - Corrente de soldagem - Manipulação incorreta do baixa; eletrodo; - Superfície do chanfro suja - Velocidade de soldagem ou oxidada. muito alta.

Falta de penetração

Inclusão de escória

Falta de fusão

Mordeduras

A1 BX

Causa

- Junta com abertura incorreta (menor); - Corrente soldagem baixa; - Velocidade de soldagem alta.

E XX (X) Y Z - XX

Soluções

- Montagem correta da junta; - Corrente de soldagem de acordo com o procedimento; -Velocidade de Soldagem de acordo com o procedimento.

- Direcionar o arco elétrico - Limpeza cuidadosa entre diretamente as faces do - Ajustar a corrente de passes; chanfro; soldagem de acordo com o - Corrente de soldagem de - Ajustar a corrente de procedimento; acordo com o soldagem de acordo com o - Utilizar velocidade de procedimento; procedimento; soldagem de acordo com a - Usar técnica - Limpar adequadamente EPS. “empurrando”. junta antes da soldagem.

Armazenagem e Manuseio de Eletrodos Revestidos
Devem ser tomadas certas precauções na armazenagem e manuseio dos eletrodos revestidos: Armazenagem • Armazenar os eletrodos em locais secos; • Mante-los nas embalagens originais fechadas, na posição de transporte, sobre estrados de madeira ou prateleiras. Ressecagem • Aplicável a eletrodos básicos; • Para eletrodos de altíssimo rendimento, rutílicos, ferro fundido, inoxidáveis, alumínio, quando necessário; • Para eletrodos celulósicos esta deve ser evitada. Tempo real na temperatura efetiva (h) 1,5 ± 0,5 1,5 ± 0,5 1,5 ± 0,5 1,5 ± 0,5 1,5 ± 0,5 1,5 ± 0,5 1,0 Manuseio • Em estufas próprias; • Distribuição Central e/ou Setorial.

E6010 - Resistência à tração do metal depositado, mínima de 60ksi (~430MPa). Soldagem em todas as posições em corrente CC+. Revestimento tipo celulósico ligado com silicato de sódio.

Características
O processo de soldagem com eletrodo revestido é o mais amplamente utilizado. Possui a maior flexibilidade entre todos os processos de soldagem uma vez que a maioria dos metais pode ser unida ou revestida pela soldagem. Existe uma grande variedade de eletrodos revestidos, facilmente encontrados no mercado, cada eletrodo contendo no seu revestimento a capacidade de produzir os próprios gases de proteção dispensando o suprimento adicional de gases, necessário em outros processos de soldagem. Vantagens - Processo de Soldagem de baixo investimento; - Não há necessidade suprimento de gases; - Flexibilidade de aplicação; - Grande variedade de consumíveis; - Equipamentos podem ser usados também para outros processos. Eletrodos revestidos podem ser usado em todas as posições (plana, vertical, horizontal, sobre cabeça), como em praticamente todas as espessuras de metal de base e em áreas de acesso limitado. Também é usado para revestimentos duros, corte e goivagem. É mais simples em termos de necessidades de equipamentos com custo do investimento relativamente baixo.

E6013 - Resistência à tração do metal depositado, mínima de 60ksi (~430MPa). Soldagem em todas as posições em correntes CA, CC+ ou CC-. Revestimento tipo rutílico ligado com silicato de potássio. E7018 - Resistência à tração do metal depositado, mínima de 70ksi (~490MPa). Soldagem em todas as posições em correntes CA, CC+. Revestimento tipo básico de baixo hidrogênio e pó de ferro ligado com silicato de potássio. E8018-B2 - Resistência à tração do metal depositado, mínima de 80ksi (~550MPa) após tratamento térmico. Soldagem em todas as posições em correntes CA, CC+. Revestimento tipo básico de baixo hidrogênio e pó de ferro ligado com silicato de potássio depositando metal de solda com teores de 1,25% Cr e 0,5 Mo (resistente a fluência).

Tipo de eletrodo Básicos Altíssimo Rendimento Rutílicos Ferro Fundido Inoxidáveis Rutílicos Inoxidáveis Básicos Alumínio*

Temperatura efetiva no pacote de eletrodos (ºC) 325 ± 25 275 ± 25 80 ± 10 80 ± 10 275 ± 25 225 ± 25 120 ± 10

Tipo de eletrodo Básicos Altíssimo Rendimento Rutílicos Ferro Fundido Inoxidáveis Alumínio

Temperatura (ºC) Temperatura (ºC) em estufas em cochichos 125 ± 25 110 ± 10 60 ± 10 60 ± 10 110 ± 10 60 ± 10 115 ± 35 100 ± 20 60 ± 10 60 ± 10 100 ± 20 60 ± 10

Desvantagens - Baixa produtividade; - Necessidade de cuidados especiais com os eletrodos; - Volume de gases e fumos gerados no processo.

Juntas Típicas e Posições de Soldagem
SOLDA DE TOPO PLANA HORIZONTAL VERTICAL SOBRE-CABEÇA

* Eletrodos embalados a vácuo dispensam a ressecagem, desde que a embalagem não esteja violada por mais de 12 horas

CHAPAS

Aplicações
A soldagem com eletrodo revestido é usada na fabricação e montagem de diferentes equipamentos e estruturas, tanto em oficinas como no campo, sendo particularmente interessante neste último caso. Pode ser usada em grande número de materiais, como aços baixo carbono, baixa liga, média liga e alta liga, aço inoxidável, ferro fundido, alumínio, cobre, níquel e ligas destes. Diferentes combinações de metais dissimilares também podem ser soldadas com eletrodo revestido. Metais de baixo ponto de fusão como chumbo, estanho e zinco e metais muito refratários ou muito reativos, como o titânio, zircônio, molibdênio e nióbio não são soldáveis por este processo.

Equipamentos para Soldagem
FONTES - Responsáveis pelo fornecimento da corrente (CA ou CC) e tensão necessários para abertura e estabilidade do arco elétrico. Podem ser transformadores, equipamentos AC/DC, retificadores e motosoldadoras.
PG PF ASME 3Gd 3Gu PA - ASME 1G PC - ASME 2G PE - ASME 4G

TRANSFORMADORES ® • Bantam 250 Serralheiro ® • Super Bantam 256 ® • Super Bantam 256 Plus

EQUIPAMENTOS AC / DC ® • Super Bantam 256 AC / DC Plus ™ • Origo Arc 328 AC / DC

Seleção do eletrodo adequado
Muitos fatores devem ser considerados quando se seleciona o eletrodo adequado para uma determinada aplicação. Metal de base • Composição química; • Propriedades Mecânicas: - Limite de Resistencia; - Escoamento; - Alongamento; - Requerimentos de tenacidade. Condições de Serviço • Altas/baixas temperaturas; • Aplicação e tipo de desgaste; • Dureza final desejada; • Atmosfera corrosiva; • Requerimentos de tenacidade; • Necessidade de consumívieis de baixo hidrogênio difusível. Equipamentos disponíveis • Retificador ou Inversor (CC), Transformador (CA) ou Gerador (CA ou CC). Posição de soldagem • Plana, Horizontal, Sobre-cabeça, Vertical (Ascendente e Descendente).
CHAPAS

PA - ASME 1G (Tubo Rodando)

PC - ASME 2G (Tubo Fixo)

PG PF ASME 5Gd 5Gu (Tubo Fixo)

RETIFICADORES • LHN 150 • Origo™ Arc 150 • Origo™ Arc 200 • Origo™ Arc 286iR • Origo™ Arc 406 • Origo™ Arc 426 • Origo™ Arc 456 • Origo™ Arc 458t / 468t • LHI 825 • LHJ 750

MOTOSOLDADORA ™ • Origo Arc 250 EDW

TUBOS

SOLDA DE FILETE
PLANA HORIZONTAL VERTICAL SOBRE-CABEÇA

PA - ASME 1F

PB - ASME 2F

PG PF ASME 3Fd 3Fu

PA - ASME 1G

EPI's e Normas de Segurança
Os equipamentos de proteção individual são projetados com a finalidade de proteger os soldadores de danos e lesões que possam ocorrer durante as operações de soldagem. Máscaras e Óculos: Devem ser usados pelos soldadores durante a operação de soldagem a arco elétrico, exceto para a soldagem a arco submerso. Luvas: Protegem as mãos contra choques elétricos e queimaduras, principalmente aquelas resultantes de radiações emitidas pelo arco elétrico. Casacos, Aventais, Mangas, Polainas e Gorro: Devem ser usados quando houver necessidade em função do tipo de trabalho ou do corte utilizado. Equipamentos Individuais de Respiração: Fazem-se necessários quando ocorrem operações de soldagem e corte em áreas confinadas. Exaustão: Sempre que for necessário, devem ser utilizados exaustores nos locais, para remover as fumaças e gases nocivos que são emanados pelo arco elétrico. Posicionamento de Máquinas, Equipamentos e Acessórios: Devem ser posicionados de tal forma que os caminhos, corredores e escadas, fiquem livres e desimpedidos, a fim de permitir o trânsito do pessoal e fácil acesso em caso de emergência. Anteparos: Com o intuito de proteger os demais trabalhadores que executam serviços numa mesma área, em locais adjacentes aos da operação de soldagem ou de corte, deve-se isolar esses locais com anteparos, lonas ou chapas finas em forma de biombos ou cabines.
06 / 2011 Publicação 1902371 rev 0

Formato da junta • Consumíveis de alta penetração para juntas com pequena abertura e sem chanfro. Consumíveis de baixa penetração para chapas de pequena espessura e juntas de grande abertura. Custos de soldagem • Mão de obra e indiretos, taxa de deposição, eficiência, custo eletrodos.

Normas e Certificações • As normas de fabricação podem restringir os tipos de eletrodos para uma dada aplicação. Para certas aplicações há necessidade de certificação do consumível por órgãos classificadores.

TUBOS

Na soldagem de aços dissimilares • Na soldagem de aços com níveis diferentes de resistência mecânica, o consumível deve ser selecionado de forma a fornecer um depósito de resistência compatível com o aço de menor resistência. O procedimento de soldagem (pré-aquecimento, aporte térmico, tratamento térmico,etc) deve ser especificado de acordo com o aço de maior resistência.

PB - ASME 2F (Tubo Rodando)

PB - ASME 2F (Tubo Fixo)

PG PF ASME 5Fd 5Fu (Tubo Fixo)

PD - ASME 4F (Tubo Fixo)