Morfologia da Fibra x Propriedades do Papel

Araucaria angustifolia
Araucariaceae
• Fibra longa • Média 5mm comprimento • 28% lignina • 58,3 celulose Cross e Bevan • 8,6% Pentosanas • 0,2% Cinzas • Densidade média 520610 kg/m3

Pinus sp. - Pinaceae
• • • • • • • Espécies mais usadas P. elliottii e taeda Fibra longa Comprimento médio 3,34mm Largura média 46,75µm Diâmetro médio lume 31,08µm Largura da parede celular 7,83µm Densidade média a 15% umidade 400-520kg/m3

Myrtaceae • Cerca de 600 espécies diferentes • Espécies mais usadas E.Eucalyptus sp. saligna. urophylla. • Fibra curta • Comprimento médio de 1mm • Largura média 20µm • Espessura da parede média 6µm • Densidade média 300-600kg/m3 . . grandis.

Verbenaceae • Fibra curta • Comprimento médio 0.7 – 1.5mm • Densidade 400600kg/m3 .Gmelina arborea .

Acacia mearnsii .Mimosaceae • Fibra curta • Muito utilizada para extração tanino .

.

FIBRAS VEGETAIS NÃO-MADEIRA .

as fibras provenientes de vegetais que não formam madeira constituem somente 5% do total geral de fibras usadas para a fabricação do papel. representam uma das maiores fontes atuais e potenciais de fibras. .• De modo geral. • Para muitos países em desenvolvimento. e mesmo para muitos países industrializados.

impermeável. periódicos e papel jornal. papelões branqueados. fins sanitários. . miolo de papelão ondulado. • Hoje.Bagaço-de-Cana • Antigamente boa apenas em misturas. com a tecnologia. papel de excelente qualidade. escrita. • Esse tipo de celulose é usado para quase todos os tipos de papéis: embalagem. capa para caixas onduladas e papel miolo. impressão.

Bagaço-de-cana .

.Bagaço-de-cana • As fibras verdadeiras do bagaço têm de 0.25 – 1.2 – 20 – 34. 27% de hemicelulose e 22% de lignina. • As fibras de cana-de-açúcar são compostas de 44% de celulose. numa relação de 85:1.8 1.7 mm de comprimento e 10. o que é favorável para a produção de papéis de alta resistência.1 mm de diâmetro.

Bagaço-de-cana .

Bambu .

Bambu .

Bambu .

.

Bambu • Podem ser produzidos os seguintes tipos de papéis: cartão duplex e triplex. substituto para papéis jornal. papéis de embrulho e sacolas de papel. imprimir e escrever – wood free. imprimir e escrever – pasta mecânica. sacos multifoliados. .

• A análise química revela a seguinte composição: celulose Cross & Bevan 72%. ceras e gorduras 3%. pectina 1%. lignina 11%.Sisal (Agave sisalana) • Ao microscópio. polioses 13%. o fio de sisal apresenta -se como um conglomerado de fibrilas celulósicas de 1 a 4 mm de comprimento e de 23 a 25 mm de espessura. .

Sisal .

Abacá (Musa textilis) • é uma espécie de bananeira nativa das Filipinas e foi introduzida na Indonésia e América Central e do Sul. . • É usada para produção de cordas e fibras para papéis especiais • As fibras de suas folhas fornecem papel resistente e de alta densidade. • Tipos de papéis produzidos: papel moeda. papel de filtro. sacolinhas de chá. • O comprimento médio é de 6 mm e largura de 24mm. papéis de segurança.

Abacá (Musa textilis) .

Abacá .

Crotalária
• Originário da Índia, a Crotalaria juncea Linn, arbusto ereto e de rápido crescimento, de ciclo anual, cujas fibras comercialmente interessantes são as da casca. No Brasil, são obtidas por meios mecânicos, constituindo um material utilizável pelas indústrias de celulose e papéis finos, especialmente os de cigarro e papel carbono. • O comprimento das fibras está entre 757 – 8332 15150mm, a largura entre 10 – 29 - 54mm e a espessura da parede com média de 5 mm. • A fibra de crotalária é composta por 12,8% de lignina; 58,51% de celulose Cross & Bevan; 9,91% de pentosanas e 3,38% de cinzas, numa umidade de 8,27%.

Rami

Kenaf .

Palha de cereais Essa matéria -prima é usada na fabricação de papel em regiões onde há escassez de madeira (Europa. é usada na forma branqueada e não branqueada para a fabricação de papéis e papelões. obtida geralmente pelo processo soda. Filipinas e China). A celulose. .

etc. como também na indústria de fibras sintéticas (rayon e acetato de celulose). e as fibras curtas linter são usadas para a fabricação de algodão hidrofílico.Linter de algodão • As fibras longas. papel -moeda. conhecidas por lint são destinadas à indústria têxtil. . As fibras do linter são mais curtas e possuem paredes mais espessas que as fibras do lint.

do lint de 10 a 40mm.As fibras de algodão apresentam as seguintes características: comprimento médio do linter de 2 a 3mm. . com largura variando de 12a 38mm.

Existe ampla variação nas dimensões das fibras em razão da diversidade de espécies e heterogeneidade do material. carbonos. .Linho (Linum usitatissimum) • Constitui-se fonte de fibras para a indústria de papéis especiais (mapas. etc.). • O comprimento médio da fibra é de 33mm e largura de 19mm. cigarros.

Juta .

.

030 0.828 Espessura da Parede (µm) 6.59 15.77 18.81 53.15 3.22 24.14 4.26 3.83 5.34 3.13 6.50 17.75 45.01 46.94 7.02 5.96 0.910 0.80 2.88 34.06 42.915 0.32 31.45 30.33 Largura (µm) 47.15 14.8 47.36 17.885 0.1 7.37 4.34 10.63 3.41 4.61 3.11 36.86 49.14 2.6 32.64 5.Variação nas dimensões das fibras Espécie Nome Científico Comprimento (mm) Araucária Pinus Pinus Pinus Pinus Pinus Pinus/12 anos Pinus/13 anos Pinus/6 anos Eucalipto Araucaria aungustifolia Pinus elliottii Pinus elliottii Pinus elliottii Pinus taeda Pinus caribaea Pinus oocarpa Pinus oocarpa Pinus oocarpa Eucalyptus saligna Eucalyptus grandis Eucalyptus urophylla Eucalyptus citriodora Eucalyptus maculata Eucalyptus tereticornis 5.69 3.68 17.76 3.44 5.71 3.51 4.78 3.96 5.91 31.28 43.16 10.75 8.80 .23 Diâmetro do lume (µm) 34.31 43.82 9.95 10.900 1.08 34.

VISTA SUPERIOR E LATERAL DOS PAPÉIS DE acacia eucalipto pinus .

largura da fibra (D).D2)/ (L2 + D2) FONTE: Análise comparativa de pastas branqueadas de eucalipto .D2)/ L2 (L2 .Características mais importantes das fibras para a fabricação de papel Morfológicas: Comprimento médio da fibra (C).Campos) .. Denominação Índice de Enfeltramento Coeficiente de Flexibilidade Relação C/D (L/D) x 100 Fração Parede Índice de Runkel Índice de Mulsteph Índice de Boiler (2E/D) x 100 2E/L (L2 . (E.S.. espessura da parede (E) e largura do lume (L).

65 a 0. Muito pouca superfície de contato. Pouca união fibra – fibra Fibras parcialmente colapsadas.50 a 0. Boa superficie de contato.fibra Muito delgada Largura da fibra (D) e largura do lume (L).30 De 0. Pouca superfície de contato.8 Maior de 0.65 De 0. Boa união fibra – fibra Igual à anterior As fibras se colapsam. Pobre união fibra – fibra As fibras se colapsam muito pouco. . Boa união entre fibra.80 Tipo da parede celular Muito espessa Grossa Media Delgada Propiedades As fibras não se colapsam.Fatores de qualidade das fibras para fabricação de papel Classificação do Coeficiente de Flexibilidade = CF = L/D Grupo Menor de 0.50 De 0.30 a 0. com seção transversal elíptica.

20 Menor de 0.Fatores de qualidade das fibras para fabricação de papel Clasificação do coeficiente de Rigidez (Fração Parede): CR (FP) = 2E/D Grupo Maior que 0. espessura da parede (E).20 Media Delgada Muito delgada Media Baixa Muito baixa Largura da fibra (D). .70 De 0.50 Tipo de parede celular Muito espessa Espessa Rigidez Muito alta Alta De 0.35 De 0.5 a 0.70 a 0.35 a 0.

Fatores de qualidade das fibras para fabricação de papel Clasificação do Índice de Runkel = 2E/L Grupo Índice de Runkel Classificação I II III IV V Menor que 0.00 De 1.50 De 0. .00 Excelente para papel Muito boa para papel Boa para papel Regular para papel Ruim para papel Espessura da parede (E) e largura do lume (L).25 a 0.25 De 0.00 Maior de 2.00 a 2.50 a 1.

fibrilação. grau de refino) .Efeito das características da fibra na resistência do papel • Comprimento das fibras – Resistência intrínseca afeta a resistência ao rasgo – Ligações interfibras afetam a resistência à tração e arrebentamento • Resistência da fibra – Espessura da parede – Grau de polimerização da celulose • Ligações interfibras – Espessura da parede – Teor de lignina – Outros (inchamento.

Superfícies Papel .

Detalhes das ligações entre as fibras FONTE: Eucalyptus Online Book & Newsletter (Celso Foelkel) .

Campos) . S.Efeitos primários da refinação FONTE: Curso de fabricação de papel (E.

Exemplo de fibrilação externa de fibras curtas FONTE: Refinação em baixa consistência para papéis tissue e toalha – GL&V Brasil Ltda – Rui Alexandre Fontoura .

Superfície de uma folha com pasta não refinada Superfície de uma folha com pasta refinada .

Exemplo de fibrilação interna de fibras curtas FONTE: Refinação em baixa consistência para papéis tissue e toalha – GL&V Brasil Ltda – Rui Alexandre Fontoura .

Quebra de ligações na estrutura da fibra (interna) FONTE: Curso de fabricação de papel (E. S. Campos) .

Campos) . resultando numa quebra nas ligações entre microfibrilas. A compressão na região A achata e comprime a fibra e causa uma ruptura na região B. FONTE: Curso de fabricação de papel (E. S.Um mecanismo proposto de como a fibrilação interna pode ser criada por uma ação de compressão.

Colapsabilidade das fibras .

Processos hidrodinâmicos de formação da folha FONTE: Curso de fabricação de papel (E. S. Campos) .

Campos) .) FONTE: Curso de fabricação de papel (E. S.Processos hidrodinâmicos de formação da folha (cont.

ESPESSAMENTO é a deposição em forma de capas discretas.Processos hidrodinâmicos de formação da folha (cont. . quando o movimento das fibras é dependente da interação entre elas.) FILTRAÇÃO é o processo de deposição das fibras enquanto podem mover-se independentemente umas das outras.

Superfície de fibras de celulose kraft .

Organização das microfibrilas e poros nas fibras na parede celular após a conversão em celulose .

.

Resistência da fibra individual .

Flexibilidade da fibra úmida .

Inchamento e hidratação das fibras (refinação) .

Teor de finos na polpa .

Finos .

.

Vasos .

.

.

Fibras residuais processo Kraft .