You are on page 1of 39

Engenharia Ambiental Gestão Industrial Prof. Dr.

Gerson Araújo de Medeiros

Aproveitamento da água de chuva para fins não potáveis na empresa Von Berkoff - Blumenau-SC

Julia Koury Ferreira Renê Delabarba Vivian Farias de Lima Vladson Braulino Nunes

Sorocaba – Abil/2014

Sumário 1. Introdução .................................................................................................. 3 1.1. 1.2. 1.3. 1.3.1. 1.3.1.1. Panorama do uso urbano da água ........................................................ 3 Captação de águas pluviais para uso não potável industrial ............. 5 Empresa fictícia – Von Berkoff .............................................................. 6 A cidade de Blumenau – dados pluviométricos ............................... 8 Fornecimento de água em Blumenau .......................................... 11

2. Objetivos .................................................................................................. 12 3. Materiais e métodos ................................................................................ 13 3.1. 3.2. 3.3. 3.4. 3.5. Método de Rippl.................................................................................... 13 Método da simulação ........................................................................... 14 Determinação do valor economizado ................................................. 15 Dimensionamento de bomba............................................................... 15 Reservatórios para armazenamento ................................................... 19

4. Resultados ............................................................................................... 23 4.1. 4.2. 4.3. 4.4. 4.5. 4.6. 4.7. Quantificação da demanda de água para uso não potável ............... 23 Quantificação do volume de água disponível .................................... 25 Método de Rippl.................................................................................... 26 Método da simulação ........................................................................... 27 Determinação do valor economizado ................................................. 30 Perda de carga e altura manométrica total ........................................ 31 Potência da bomba e do motor e NPSH ............................................. 33

5. Conclusão ................................................................................................ 37 Referências ..................................................................................................... 38

2

1. Introdução 1.1. Panorama do uso urbano da água

A vida no planeta Terra deve-se principalmente à água. Este recurso natural é responsável por ajustar o clima e a temperatura do planeta, faz parte dos processos metabólicos e e está presente na composição das células dos seres vivos. Além disso, o ser humano utiliza esse recurso de diversas formas como atividades domésticas, industriais e agrícolas (figura 1). Por isso mesmo que as civilizações sempre buscaram se estabelecer em locais de fácil acesso à água (MENDONÇA, 2009). Assim sendo as ações humanas interferem no ciclo da água na natureza, interferência essa que tem aumentado cada vez mais com o crescimento populacional e o consequente crescimento de centros urbanos (WEIERBACHER, 2008).
Figura 1: Usos múltiplos da água. Fonte: PROSAB, 2006.

3

No entanto entanto. criam-se novos ciclos menores de natureza antrópica. 2006. e com a água não é diferente. afastamento. Figura 2: Esquema dos ciclos das águas. o de geração de energia elétrica. Fonte: PROSAB. 2006). tratamento e disposição de águas residuárias. Esse tipo de ciclo é chamado de ciclo urbano das águas como pode ser ilustrado na figura 2 e dentre eles têm-se o abastecimento público de água. Assim. uqe além de afetar a população. limita as atividades econômicas e retarda o progresso (GONÇALVES. 2006). que ocorrem dentro das cidades. o de manejo das águas pluviais. há uma grande preocupação quanto à escassez da água. o de coleta.Quando o ser humano passa a intervir no ciclo natural da água. 4 . tem ocorrido o uso desenfreado dos recursos naturais para atender a demanda proveniente da indutrialização e do crescimento populacional. entre outros (PROSAB.

5 . Estes ainda se aproveitam do marketing desse tipo de ação. diversos setores da sociedade passaram a ver o aproveitamento da água da chuva como rentável. . instituições de ensino. . supermercados. . são: .Processos industriais gerais. minimizar riscos de enchentes e preservar o meio ambiente reduzindo a escassez de recursos hídricos (MAY.Lavagem de veículos e maquinarias. Algumas das vantagens da utilização de sistemas de aproveitamento de água pluvial incluem: reduzir o consumo de água potável diminuindo os custos de água fornecida pelas companhias de abastecimento. As principais aplicações para essas águas. empresas de ônibus.Torres de resfriamento.2.Reservas de proteção contra incêndios. . dentro de indústrias. estádios.Descarga sanitária em banheiros. Captação de águas pluviais para uso não potável industrial Diante desse cenário de possível escassez. . empresas de limpeza pública. já que estas práticas refletem responsabilidade social e ambiental ou ecológicas na imagem das empresas (THOMAZ. Os custos elevados da água industrial associados às demandas crescentes têm levado as indústrias a avaliar as possibilidades internas de reúso.Caldeiras. 2003). e até mesmo estabelecimentos comerciais como empresas de lavagem de carros.Preparação e cura de concreto em obras de construção. Assim.1. indústrias. . tem utilizado água da chuva em buscando economizar na água que consomem. .Irrigação de áreas gramadas e ajardinadas. bem como as de captação de águas pluviais. 2004).

para higienizá-los. que são utilizados tanto para a coleta de produtos agrícolas nas propriedades rurais. Empresa fictícia – Von Berkoff O presente trabalho criou uma empresa fictícia para realizar um projeto de utilização de água captada das chuvas para uso não potáveis. bem como na diminuição da demanda de tratamento de água e na captação de corpos hídricos. A empresa conta com quatro caminhões. que reúne a produção de pequenos e médios produtores de agricultura familiar da região. Figura 3: Processo simplificado de produção da Von Berkoff. uma central de cooperativa de produtos orgânicos localizada na cidade de Blumenau-SC. Recebimento de produtos orgânicos Higienização Embalagem Lavagem e higienização dos caminhões Distribuição 6 .A utilização de águas pluviais para suprimento de tais atividades pode resultar em uma considerável economia.3. O resumo do processo produtivo realizado pela empresa. 1. trazendo assim vantagens econômicas e ambientais. embalálos e distribuí-los para a venda. Trata-se da empresa Von Berkoff. como para a distribuição em supermercados da região. encontra-se na figura 3.

A primeira das construções é o galpão principal. e áreas com trâmite constante de pessoas. Dentro desse espaço. onde os quatro caminhões que a empresa possui se localizam em posição estratégica para serem carregados e descarregados. e o refeitório para os funcionários. onde são realizadas as atividades da empresa. As áres externas referem-se à entrada da empresa. A figura 4 apresenta um croqui de representação do layout da empresa. lavagem de pátios internos e externos. A região localizada nos fundos da empresa. a diretoria. Mais especificamente. há duas construções principais térreas. para a utilização em descargas de todos os banheiros. onde trabalham 46 funcionários. atrás da garagem de caminhões. além das áreas de pátio externo e de gramado. a cooperativa Von Berkoff busca e melhoria contínua e deseja empregar água de reúso em seu processo produtivo. Os gramados são áreas que apresentam apenas função decorativa e são cobertos por gramíneas. que são realizadas no próprio local. Na segunda construção estão localizados os escritórios. 7 . Anexado à ela. estacionamento. irrigação das áreas de gramado e para lavagens dos caminhões da empresa. é aonde os caminhões são lavados. está a garagem de caminhões. como por exemplo o emprego de descargas ecológicas que gastam menos água que as demais – apenas 6 L. A empresa Von Berkoff conta com uma área física de 6250 metros quadrados (125 m x 50 m). O projeto para a empresa resume-se à captação de águas pluviais para utilização não potável. Entretanto.A empresa já adota alguns cuidados com o meio ambiente.

segundo o censo do 8 . e das 8h00 às 12h00 no sábado. ao invés de instalação subterrânea. e não será. A cidade de Blumenau – dados pluviométricos Blumenau é uma cidade localizada no norte do estado de Santa Catarina. A área que proverá a captação será o telhado do galpão principal de operações. Conta. que apresenta uma área de 1980 m² (sem contar os 225 m² do telhado da garagem de caminhões. na região do Vale Europeu (Figura 5). A empresa Von Berkoff trabalha de segunda-feira à sábado. A intenção do projeto é instalar o reservatório sobre o pátio. portanto. 1. que é onde se encontram as caixas d’água d a empresa e onde se encontrará o reservatório destino das águas pluviais captadas.1.3. utilizada para captação).Figura 4: Planta da empresa com vista superior Pátios de áreas internas – 2865 m² Pátios de áreas externas – 1873 m² Áreas de gramado – 1512 m² Local a instalar o reservatório de captação A região em vermelho indica o local disponível para instalação do reservatório para armazenar a água coletada da chuva. sendo seu horário de funcionamento: 8h00 às 16h00 de segunda a sexta-feira.

com temperatura média anual aproximada de 21°C e alta pluviosidade.furb. mecânica. 9 . Em relação ao clima. 2014) Figura 5: Mapa de Santa Catarina. Já no setor agronômico. com 330 mil habitantes em uma área de quase 520 mil km² (IBGE. destacam-se a metalúrgica. os dados de precipitação de Blumenau encontram-se na tabela 1.inf. devido às características de colonização alemã de povoamento durante o século XIX. materiais elétricos e softwares. referentes à média dos últimos dez anos que foram obtidos no banco de dados do Inmet (2014). a cidade conta com uma forte estrutura de programas de agricultura familiar.br O principal setor econômico da região é a indústria têxtil. o munícipio apresenta um tipo climático caracterizado como clima subtropical úmido. 2014) Sendo o foco deste estudo a captação de água da chuva.IBGE de 2013. Além desse setor. atingindo por vezes a marca de 2000 mm (SANTA CATARINA. contando com várias indústrias de grande porte nacional. Fonte: Adaptado de campeche.

Gráfico 1: Precipitação média mensal em Blumenau.Tabela 1: Precipitação média mensal e anual na cidade de Blumenau. Mês Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Precipitação [mm] 266 174 143 111 107 79 119 129 167 174 185 158 1812 O gráfico 1.SC. 2014. traz de forma ilustrativa a precipitação apresentada na tabela 1.SC 300 250 200 150 100 50 0 Novembro Precipitação [mm] Dezembro Fevereiro Setembro Outubro Janeiro Abril Agosto Maio Junho Março Julho 10 . Fonte: INMET. Precipitação Média em Blumenau .

sendo que uma área de captação com uma área satisfatória apresenta a possibilidade de suprir os usos não potáveis durante todo o ano. com as chuvas bem distribuídas ao longo dos meses. e no site da mesma constam os preços para o uso industrial no ano de 2014. estabelecido em R$ 8. já incluindo a tarifa de esgoto.04 (SAMAE. 1. Fornecimento de água em Blumenau Á agua é fornecida para a cidade de Blumenau pela SAMAE (Serviço Autônomo Municipal de Água Esgoto).1.3. Isso é um fator favorável para a implementação de um sistema de coleta de águas pluviais. 2014) 11 .Pelos dados é possível observar um alto índice de precipitação durante o ano.1.

bem como do sistema de bombeamento. Objetivos O objetivo deste trabalho foi criar uma empresa fictícia.2. e realizar para a mesma um projeto de captação de águas pluviais. verificando a viabilidade do mesmo e realizando o dimensionamento do reservatório para armazenagem. 12 .

usa-se os seguintes parâmetros e equações: ( ) ( ) ( ) ( ) ( ( ) ( ( ) ) ) ( ( ) ( ) ) 13 . foi realizada a quantificação da demanda mensal de água para uso não potável da empresa. Consiste em somar o volume de água faltante em cada um dos meses. apontando como tamanho mínimo a soma desses volumes. para todos os meses do ano.1. altura de sucção e altura de recalque. Por fim. Método de Rippl O método de Rippl visa estimar o tamanho mínimo para o reservatório. que estão descritos logo abaixo. Para seu cálculo. foi calculada a potência da bomba a ser utilizada.3. Em seguida. foram utilizados os métodos de Rippl e da simulação. Para possibilitar o dimensionamento do tanque e para avaliar a viabilidade dos mesmos. através de cálculos de perda de carga. considerando que toda a água demandada deva ser suprida pela precipitação. 3. foi elaborada a planta da empresa fictícia e o dimensionamento de suas diferentes áreas. Materiais e métodos Inicialmente.

estabelece-se que o reservatório está sempre cheio no tempo t0. Os parâmetros e equações utilizados são: ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ( ) ( ( ) ) ( ) ( ) ) ( ) ( ) 14 . Para o método.( ) ( ) ( ) ( ) ∑ ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) (3) Os dados são. onde calcula-se. as mudanças da água disposta no reservatório. do volume de água desperdiçado quando o reservatório já está cheio (overflow). 3. Para o método. estabelece-se que o reservatório está sempre cheio no tempo t0. comparar reservatórios de diferentes dimensões em relação à sua viabilidade. portanto. Permite. Método da simulação O método da simulação é um método aplicado para um reservatório com volume definido. calculados para cada um dos meses e o objetivo final é obter o valor de V. desse modo.2. e da água requerida por suprimento externo para suprir a demanda. mês a mês.

que será implantada juntamente a outra caixa d’água que recebe água de suprimento externo. foram realizadas análises econômicas envolvendo o gasto que haveria sem o reservatório e o gasto real com a presença do reservatório.3. que permitiram determinar a economia anual total e o tempo de retorno (tempo necessário para cobrir o gasto com a implantação do reservatório). a mesma deve ser transportada para outro reservatório menor (caixa d’água). o volume do reservatório fixado e o suprimento externo de água anual. Determinação do valor economizado Uma vez determinada a demanda anual de água para os fins não potáveis. ( ) ( ) ( ( ( ( ( ( ) ( ) ) ) ) ) ) ( ) 3. 15 .4.( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) 3. Dimensionamento de bomba Para disponibilizar a água coletada no reservatório para seus diversos usos. localizada no telhado da garagem de caminhões.

a perda de carga de sucção foi considerada como zero. na sua parte inferior – sendo a altura de sucção correspondente à altura do reservatório (sucção afogada). os mesmos foram desprezados. Os parâmetros necessários para o dimensionamento da bomba estão listados a seguir: a) Perda de carga distribuída ( ) ( ) ( ( ) ( ( ) ) ) ( ) ( ) ( ( ) Devido à presença de poucos acessórios extras na tubulação. Hf pode ser calculado para a tubulação de sucção e de recalque. sendo a perda de carga total apenas aquela ocorrendo na tubulação de recalque. Como a tubulação de sucção é muito curta (altura do reservatório). a água sofrerá o deslocamento horizontal correspondente (7.5 metros). 16 . Como a caixa d’água se localiza no centro do telhado.A bomba será implantada juntamente ao reservatório. e a altura de recalque correspondente à altura do telhado (5 metros) mais a da caixa d’água (1 metro).

b) Altura de sucção (para sucção afogada) ( ) ( ) ( ) c) Altura de recalque ( ) ( ) ( ) d) Altura manométrica total ( ) ( ) ( ) e) Vazão máxima ∑ ( ( ) ) ( ) 17 .

Uma vez obtido o valor do NPSH real. NPSH real e disponível A perda de carga total.f) Potência da bomba e do motor. juntamente com a vazão máxima. Utilizou-se os gráficos de referência para a bomba selecionada para determinar o diâmetro do rotor. utilizou-se uma tabela de conversão relacionando-a com a potência da bomba. que foi utilizada para o dimensionamento da bomba. utilizou-se o catálogo de bombas KSB (2014) para encontrar uma bomba compatível com a altura manométrica e com a vazão. As seguintes fórmulas foram utilizadas: ( ( ( ) ) ) ( ) ( ) Para encontrar o fator de rendimento do motor. [8] ( ) ( ) ( ( ) ) 18 . A partir desses dados. altura de sucção e altura de recalque foram utilizados para obter a altura manométrica total. a potência da bomba e o NPSH real. calculou-se o NPSH disponível para conferir a viabilidade do projeto.

com. já instalada em local apropriado.br 19 . A maioria das cisternas vendidas no mercado possuem 5 mil litros de capacidade. Fonte: http://www. Figura 6: Cisterna horizontal Fortlev instalada.5. é comum as empresas utilizarem reservatórios subterrâneos – normalmente cisternas que já vêm prontas para a instalação e de fácil adaptação em covas rasas.( ) ( ) ( ( ) ) ( ) 3. Reservatórios para armazenamento Para o sistema de armazenamento de águas pluviais.fortlev. como a da marca Fortlev mostrada na figura 6.

e para esta forma de uso há outros reservatórios com preços mais acessíveis. em março de 2014.00 (LEROY MERLIN. de diversos volumes diferentes. pelo valor de R$ 8849. 20 . 2014) Porém. A própria marca Fortlev conta com uma linha de reservatórios de fibra de vidro. localizada no site do próprio fabricante. conforme mostrado na tabela 2.Em relação ao custo da cisterna horizontal Fortlev (figura 7). no projeto desta empresa não há a intenção de instalar um reservatório subterrâneo. a mesma foi encontrada para venda no site Leroy Merlin. O reservatório deverá ficar sobre o solo.

fortlev.com.br 21 . Fonte: http://www.Tabela 2: Modelos de reservatórios da marca Fortlev e suas dimensões.

0 6.90 4929.fortlev.5 10. e estão apresentados na tabela abaixo: Tabela 3: Custo dos reservatórios externos Fortlev. Os preços para esses modelos de reservatórios externos de fibra de vidro foram novamente pesquisados no site da loja Leroy Merlin.90 2419.90 2849.com.br.90 7189.br.0 Preço [R$] 1989.00 22 .0 25.leroymerlin.0 7.90 10290.0 15. Fonte: http://www.Figura 7: Reservatório Fortlev. Capacidade [m³] 4.90 3369.com. Fonte: www.0 20.

Quantificação da demanda de água para uso não potável Para a quantificação da demanda. e por 4 horas aos sábados. das áreas de pisos e gramados e da frequência de utilização dos serviços. 3 vezes por semana / 12 vezes ao mês (em junho). 2. c) Irrigação de áreas gramadas Taxa adotada: 2 L por dia por metro quadrado (de setembro a março). maio. b) Lavagem de pisos internos e externos Taxa adotada: 2 L por dia por metro quadrado. 3 L por dia por metro quadrado (de abril a agosto).29 m³ por mês (abril. aos sábados. Frequência: 2 vezes por semana / 8 vezes por mês. considerando que a empresa opera por 8 horas de segunda a sexta-feira.81 m³ por mês. Os dados estão indicados abaixo: a) Descargas sanitárias Taxa adotada: 6 L por descarga. 36. Frequência: 5 vezes ao dia por funcionário.20 m³ por mês (de setembro a março). Total: 24. definiram-se todos os usos que a empresa fará da água captada.4. tomouse uso do número de funcionários.1.5 vezes ao dia por funcionário. 23 . Resultados 4. julho e agosto). Total: 75. Frequência: 2 vezes por semana / 8 vezes por mês (todo mês exceto junho).36 m³ por mês. Número de funcionários: 46 Total: 30. de segunda a sexta. Para os cálculos.

. Tabela 4: Previsão de consumos e dados relevantes Dados referentes ao consumo Área do telhado (m²) Área do piso interno (m²) Área do gramado e jardins (m²) Número de Funcionários Dias trabalhados Segunda à sexta Sábado Consumo da descarga em bacias sanitárias (L/descarga) Frequência (utilizações/dia) de seg-sex Frequência (utilizações/dia) de sábado Taxa de Consumo por descarga (L) Lavagem do piso interno e externo Frequência (utilizações/mês) Taxa de consumo (L/m²) Irrigação do gramado (Setembro a Março): Frequência (utilizações/mês) Taxa de consumo (L/m²) Irrigação do gramado (Abril a Agosto) Frequência (utilizações/dia) Taxa de consumo (L/m²) Irrigação do gramado (Junho): Frequência (utilizações/mês) Taxa de consumo (L/m²) Lavagem de caminhões 12 3 8 3 8 2 8 2 5 2. Número de caminhões: 4 Frequência: 2 vezes por semana / 8 vezes por mês. 2009).54.5 6 20 4 1980 2865 1512 46 24 .4 m³ por mês.43 m³ por mês (junho). Total: 10. Os dados supracitados encontram-se de forma sintética na tabela 4. d) Lavagem de caminhões Taxa adotada: 325 L por lavagem por caminhão (CABRAL et al.

2.77 140. Quantificação do volume de água disponível Através dos dados pluviométricos da tabela 1.77 140.77 1767.83 4. Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total D(t) [m³] 140. os valores para a demanda em cada um dos meses ficaram definidos como: Tabela 5: Demandas mensais durante o ano.86 152.77 152.Frequência (utilização/mês) Taxa de consumo (L/caminhão) Número de caminhões 8 325 4 Assim sendo. do valor da área do telhado de captação (1980 m²) e da equação (1).77 140.86 171.77 140.86 140.86 152.00 152. obteve-se Q(t).77 140. que se refere ao volume de água disponível em cada mês: 25 .

83 4.77 140.77 152. Método de Rippl Através das equações apresentadas.86 140.77 140. utilizou-se a tabela 7 para a determinação do tamanho mínimo do reservatório através do método de Rippl: 26 .86 152.00 152.77 140.77 1767.77 140. Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total Área [m²] 1980 1980 1980 1980 1980 1980 1980 1980 1980 1980 1980 1980 - D(t) [m³] 140.77 140.86 171.3.86 152.Tabela 6: Volume de água disponível em cada mês.

61 293.87 45.50 -1102.77 1767. para que toda a demanda seja suprida pela água captada foi então determinado como 45.87 -35.86 140. 27 .27 -109. [m³] 0 0 0 0 0 45.34 275. 10000 L / 10 m³ (intermediário) e 25000 L /25 m³ (maior).47 -123.4.87 45.62 45.2 Ac.86 171.77 140. 4.52 275.74 -22.77 152.49 204.87 45.87 45. 9 e 10. com valores apresentados nas tabelas 8.75 -134. Método da simulação Para efeitos de comparação.21 S(t) [m³] -280.47 -134.33 264.77 140.61 226.77 140.82 169.27 2870.86 152.51 175.84 -152.86 152.04 250.48 125.00 152.87 45.96 -16.13 188.87 O tamanho mínimo do reservatório estimado.87 45.Tabela 7: Método de Rippl Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total P [mm] 266 174 143 111 107 79 119 129 167 174 185 158 1812 D(t) [m³] 140.84 -85.87 m³.63 -51.87 45.77 140.77 140. foram realizados os cálculos do método da simulação para três diferentes reservatórios: 4000 L / 4 m³ (menor).83 A [m²] 1980 1980 1980 1980 1980 1980 1980 1980 1980 1980 1980 1980 - Q(t) [m³] 421.

13 188.77 140.61 293.34 275.51 175.77 1767.83 Q(t) [m³] 421.00 152.21 S(t-1) [m³] 4 4 4 4 4 4 0 4 4 4 4 4 - S(t) [m³] 4 4 4 4 4 0 4 4 4 4 4 4 - Ov [m³] 280.21 S(t-1) [m³] 10 10 10 10 10 10 0 10 10 10 10 10 - S(t) [m³] 10 10 10 10 10 0 10 10 10 10 10 10 - Ov [m³] 280.04 250.63 51.77 140.86 171.13 188.82 169.49 204.52 275.86 140.77 140.84 85.51 175.62 0 31.48 125. Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total P [mm] 266 174 143 111 107 79 119 129 167 174 185 158 1812 D(t) [m³] 140.57 134.77 152.86 171.77 140.86 152.20 Sup[m³] 0 0 0 0 0 35.27 2870.82 169.61 226.74 22.27 2870.49 204.75 134.84 152.77 140.33 264.47 123.86 140.74 22.96 16.47 123.96 16.84 152.83 Q(t) [m³] 421.20 Sup[m³] 0 0 0 0 0 41.62 0 25.86 152.50 1144.48 125.77 140.87 0 0 0 0 0 0 41.04 250.57 134.00 152.77 152.63 51.86 152.27 109.87 28 .87 0 0 0 0 0 0 35.77 140.Tabela 8: Método da simulação com reservatório de 4 m³.34 275.61 226.87 Tabela 9: Método da simulação com reservatório de 10 m³.77 140.75 134.77 140.77 140.77 1767.86 152.84 85.50 1138.33 264.61 293.27 109. Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total P [mm] 266 174 143 111 107 79 119 129 167 174 185 158 1812 D(t) [m³] 140.52 275.

83 Q(t) [m³] 421.87 Com os três tamanhos de reservatório. Porém.20 Sup[m³] 0 0 0 0 0 20.84 152.86 152.27 109.00 152.27 2870. exceto junho.77 152.62 0 10.63 51.75 134. Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total P [mm] 266 174 143 111 107 79 119 129 167 174 185 158 1812 D(t) [m³] 140.82 169.50 1123. de 4 m³.13 188.48 125.52 275. notou-se que o método da simulação não considera o intervalo entre as chuvas.49 204.77 140. como há a possibilidade de haver vários dias sem chuva. quando há a necessidade de suprimento externo. um reservatório maior seria mais adequado.04 250.57 134.87 m³ para o de 25 m³.Tabela 10: Método da simulação com reservatório de 25 m³. e que o mesmo supõe que todo o volume de água precipitado seja aproveitado.86 152.33 264. 35.61 226. e supre a demanda da empresa em todos os meses. Com esses dados.61 293.21 S(t-1) [m³] 25 25 25 25 25 25 0 25 25 25 25 25 - S(t) [m³] 25 25 25 25 25 0 25 25 25 25 25 25 - Ov [m³] 280.87 m³ para o reservatório de 10 m³ e 20.47 123.87 0 0 0 0 0 0 20. Porém.87 m³ para o reservatório de 4 m³.77 1767.51 175.77 140.96 16. seria suficiente para o projeto.74 22.77 140. observou-se que o mesmo permanece cheio durante praticamente todo o ano.84 85.77 140. 29 .34 275. seria possível concluir que o menor reservatório. O suprimento externo necessitado foi 41.77 140.86 140.86 171.

Assim sendo.64 288.68 14206. No caso. 30 . estabeleceu-se que o reservatório mais viável para o projeto seria um que pudesse suprir. o de 25 m³ seria o mais apropriado – sem considerar.83 1767.733 O tempo de retorno para todos os reservatório é menor que um ano. 4.68 14206.89 Res [R$] 1989. Os reservatórios de 4 e 10 m³ não seriam capazes de supri-la. ainda. ao passo que o de 25 m³ a supriria por 1 dia e meio. que será abordada a seguir. portanto. a viabilidade econômica.68 G2 [R$] 336.87 35. Determinação do valor economizado A tabela 11 traz os cálculos de economia com a implementação dos reservatórios de 4.39 167. Abordando novamente a questão já citada de poder garantir a demanda de pelo menos um dia.A maior demanda possível diária. a demanda de um dia inteiro. Tabela 11: Valor economizado com cada reservatório D(t) [m³] 1767.243 0. 10 e 25 m³. o consumo seria de 16.83 1767. no mínimo. no mês de maior demanda (junho).04 13918.79 m³.79 Eco [R$] 13870. e considerando que o tempo de retorno de investimento será rápido mesmo para o reservatório maior.29 14038.87 G1 [R$] 14206. determinou-se que o reservatório adequado para o projeto é o de 25 m³.5.83 V [m³] 4 10 25 Sup [m³] 41. em um dia em que todas as operações de demanda fossem realizadas.87 20.144 0.00 T [anos] 0.90 10290.90 3369.

encontram-se a seguir. juntamente com os encanamentos envolvidos e suas dimensões. Perda de carga e altura manométrica total A figura 8 representa o perfil vertical da maneira como o reservatório será instalado.4. Figura 8: Perfil vertical do sistema hidráulico Garagem de caminhões Reservatório coletor da água da chuva Caixa d’água secundária Bomba de sucção Dutos de recalque Os cálculos para encontrar a altura manométrica total. a) Vazão máxima ∑ 31 .6.

09 m. e o comprimento total da tubulação de 13.b) Diâmetro da tubulação ( ) c) Perda de carga.5 m (conforme imagem 2). têm-se que: d) Altura manométrica total 32 . altura de recalque e altura de sucção Sendo a altura do reservatório escolhido de 4.

7. 2014) que a bomba ideal é a KSB MEGANORM 32-125. determinou-se através do catálogo de bombas (KSB. cujos dados seguem na figura 9.1.4. 33 . Potência da bomba e do motor e NPSH Pelos valores da altura manométrica total e da vazão máxima.

1. Fonte: KSB. 34 .Figura 9: Bomba KSB MEGANORM 32-125. 2014.

35 . c = 1.5 (AZEVEDO NETO.Através de análise do gráfico. os seguintes dados foram obtidos: Fator de correção: Para potências menores de 2 hp. 1998) ( ) A bomba encontrada através dos cálculos de dimensionamento encontra-se ilustrada na figura 10.

Fonte: Folheto Ilustrativo KSB. ar condicionado. Fonte: KSB (2014). serviços de refrigeração e indústrias em geral. Segundo a KSB (2014). 36 . instalações prediais. a bomba KSB Megabloc é indicada preferencialmente para abastecimento geral. circulação de condensadores.Figura 10: Bomba centrífuga para uso geral. irrigação. Tamanhos Vazões Elevações Temperatura de operação Pressão de sucção máxima Pressão de descarga máxima Rotações DN 25 até 150 Até 500 m³/h Até 130 m Ate 90ºC 3 bar 13 bar Até 3500 rpm A tabela 12 apenas confirma que a bomba dimensionada atende todos os requisitos do sistema de aproveitamento de água da chuva na empresa Von Berkoff. Os dados de operação da bomba encontram-se na tabela 12. Tabela 12: Dados de operação da bomba KSB Megabloc 32 – 125.

Considerando que o tempo de retorno de investimento será rápido mesmo para o reservatório maior. no mínimo. determinou-se que o reservatório adequado para o projeto é o de 25 m³. Por fim. rápido retorno do investimento e ainda uma contribuição para o meio ambiente. Em apenas um dos meses a precipitação média é menor do que 100 mm. As características pluviométricas de Blumenau são bastante compatíveis com um sistema de aproveitamento de águas de chuva. O tempo de retorno para todos os reservatório é menor que um ano. 37 . Conclusão O reservatório estabelecido como o mais viável para o projeto foi escolhido de modo a suprir.5. concluiu-se que a implantação de um sistema de reaproveitamento de água para fins não potáveis na Von Berkoff é totalmente viável. visto que há uma grande economia. e esta é a Bomba Centrífuga para usos gerais KSB Megabloc 32 – 125. sem períodos secos. uma vez que este supre a demanda e atende ao rápido retorno de investimento. pois a precipitação anual é alta e apresenta uma grande regularidade e constância durante todo o ano. a demanda de um dia inteiro. Encontrou-se a bomba que atende os requisitos de distribuição de água da chuva para reaproveitamento no mercado.

br>.br/saneamento/Bomb03. Censo 2013. – INMET Instituto Nacional de Meteorologia.dec. GONÇALVES. IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Acesso em 30. São Paulo.ibge. Impactos Socioambientais dos lava-jatos da cidade de Palmas-TO.gov.pdf>.gov. Disponível em <http://www. ET AL. Disponível em <http://www. São Paulo: Pearson Prentice Hall. F. Edgar Blucher. 38 .edu. Vitória: ABES. CABRAL. 332p. 669p.inmet. Bombas centrífugas. Palmas. J. Catálogo de bombas KSB ANS.2014. 30.2014. KSB. 2005.ufcg. 1998.Referências AZEVEDO NETO.ufrrj. Introdução à Engenharia Ambiental: O desafio do desenvolvimento sustentável. Ed. 2ª ed. B. R.html>. BENEDITO ET AL.2014. Manual de hidráulica.mar. Disponível em <http://www. 2009. Uso Racional da Água em Edificações. BRAGA.mar. 30.br/institutos/it/deng/daniel/Downloads/Material/Graduacao/IT% 20503/MC_A2740_42_44_4P_E_S_5%5B1%5D. Acesso em KSB.mar.M.br>. 2006. PROSAB – Programa de Pesquisa em Saneamento Básico. Acesso em 30. Dissertação. Disponível Acesso em em <http://www. Universidade Católica do Tocantins.mar.2014.

br>. 2006.2014.LEROY MERLIN.mar. Acesso em 30.br/blumenau/>. SAMAE – Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto. MAY. L.mar.com.blumenau. Estudo da Viabilidade do Aproveitamento de Água de Chuva para Consumo Não Potável em Edificações. Canoas: 2008. SANTA CATARINA. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Engenharia Civil da Universidade Luterana do Brasil para obtenção do grau de Engenheiro Civil. T.samae. Conservação de Água em Residências Unifamiliares. Acesso em: 02 abr. 2004. Dados Geográficos. MENDONÇA. 2009. Disponível em <http://www. Acesso em 30. Disponível em: <http://www. Estudo de Capitação e aproveitamento de Água da Chuva na Indústria Moveleira Bento Móveis de Alvorada – RS.leroymerlin. São Paulo: Navegar. PROSAB. TOMAZ. 39 .br>. 2014. 2003.com. S. Rio de Janeiro : ABES. WEIERBACHER. Universidade de São Paulo. Curso de Pós-Graduação em Engenharia da Construção Civil. PREFEITURA DE BLUMENAU. Escola Politécnica. Plínio.2014. R.sc. Aproveitamento da Água de Chuva. Dissertação (Mestrado). Uso Racional da Água em Edificações. L.gov. Disponível em <http://www. Trabalho de conclusão de Curso de Graduação em Engenharia Civil pela UFS.