You are on page 1of 5

Universidade Estadual do Centro-Oeste – UNICENTRO Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação – PROPESP Diretoria de Pesquisa – DIRPES

Coordenação de Ini iação Cient!"i a

MODELO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA T!tulo do Pro#eto$ Os impactos socioambientais do cultivo de soja transgênica no Paraná no período de 1990 a 2010 Palavras- %ave$ plantation; soja (Glycine max); Paraná (estado brasileiro) &luno$ elipe !aul !ac"elle Orientador$ #o $lanovic% (&lanov'gmail(com ) "ttp*++unicentro(academia(edu+#o$lanovic%) 1 INTRODU'(O E )USTI*IC&TI+& ,m pes-uisa anterior .oram levantadas notícias na imprensa paranaense sobre o cultivo de soja (Glycine max) transgênica no estado/ numa perspectiva "ist0rica( ,ssa pes-uisa levou em conta -ue/ em 1991 .oi aprovada a lei 2(934+91/ durante o governo de ernando 5enri-ue 6ardoso( 7 lei vin"a estabelecer normas para o uso das t8cnicas de engen"aria gen8tica e libera9:o no meio ambiente de organismos geneticamente modi.icados (O;<s)/ os transgênicos( 7inda em 2001 .oi publicada a medida provis0ria 2191=9/ -ue modi.icou a re.erida lei( >0 em 2001 8 -ue uma nova lei/ a 11(101+2001 = ?@ei da Aiosseguran9aB regulamentou e aceitou a produ9:o e o com8rcio de O;<s( 7 lei estabeleceu as normas de seguran9a e a .iscali%a9:o -ue envolveriam os organismos geneticamente modi.icados( Co centro da lei/ .igurava um produto agrícola cobi9ado pelo seu valor de mercado/ atacado por ambientalistas por ser uma monocultura de alto impacto/ a soja( 6om a entrada em vigor da @ei de Aiosseguran9a/ o debate em torno desse tema alongou=se e gerou polêmica/ tornando=se um importante ingrediente da agenda política e ambiental brasileira/ .a%endo emergir/ na es.era pDblica/ oposi9Ees declaradas entre diversos setores/ entre estados e Fni:o/ entre o setor t8cnico do <inist8rio da 7gricultura e os interesses políticos do 6ongresso Cacional( Ca 8poca/ o produto agrícola mais visado era a soja/ carro=c"e.e da agricultura nacional (o Arasil já era o segundo maior produtor mundial do gr:o)( 7 libera9:o do cultivo n:o contentou todo o setor produtivo/ tampouco os setores t8cnicos/ ou os movimentos ambientalistas( 7 lei trouGe consigo di.eren9as de interpreta9:o e acabou sendo re.utada na justi9a/ como 8 o caso dos recursos agravados pelo ;overno do ,stado do Paraná/ contrário ao cultivo de transgênicos por ra%Ees econHmicas( Ocorre -ue a pr0pria decis:o do Paraná em recorrer da libera9:o dos transgênicos n:o signi.icava -ue todos os sojicultores eram contrários aos organismos geneticamente modi.icados( Os jornais paranaenses/ na 8poca/ noticiaram a polêmica/ dando margem Is divergências de posicionamento( 7 imprensa tamb8m serviu para dar visibilidade a outros problemas inerentes ao cultivo de soja transgênica no Paraná/ -ue eGcediam esse cultivo/ abrigando a -uest:o dos riscos ecol0gicos e econHmicos de se cultivar monoculturas( O debate em torno do cultivo de soja transgênica .oi perdendo intensidade/ at8 estancar/ na imprensa/ em 2001( Cote=se -ue/ nesse período/ o Paraná converteu=se em espa9o de produ9:o de monoculturas transgênicas( O cultivo agora liberado respondia I demanda de produtores interessados em obter mais lucro/ e reelaborava as rela9Ees entre biologia e capital/ a partir de novas intera9Ees ecol0gicas/ isso sem .alar na rede.ini9:o das rela9Ees de trabal"o/ ou entre setor t8cnico e setor
_____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Programa Jnstitucional de Jnicia9:o 6ientí.ica da FCJ6,CK!O L P!OJ6 "ttp*++MMM(unicentro(br+pes-uisa+iniciacao+

>KJ.lito entre grandes produtores de soja e pe-uenos produtores da cultura/ dentre eles/ os povos &aigangues nas regiEes de @aranjeiras do >ul e Aoa Qista)( Objetivo 4* OJ F>SO dos resultados da pes-uisa( Objetivo 1* 6O@7AO!7RSO na discuss:o sobre 5ist0ria 7mbiental e desastres no Nmbito da FCJ6.icos/ como pe-uenos produtores e indígenas( O projeto está atrelado I lin"a de pes-uisa 5ist0ria 7mbiental/ 7gricultura e 6iência/ do .!/ do ponto de vista de "ist0ria ambiental/ os debates e posicionamentos "istoriográ.icados/ ou com rela9:o I percep9:o eGtra=t8cnica dos problemas ambientais( 7 discuss:o -ue agora está proposta busca tra%er I tona/ no debate de "ist0ria ambiental/ as implica9Ees do cultivo de soja transgênica no Paraná/ bem como -uais .!Q7RSO da postura governamental no -ue tange I regulamenta9:o da soja transgênica em caráter .por meio de bolsa de produtividade em pes-uisa L nível 2( .eta a sociedade/ do ponto de vista "ist0rico e por meio da produ9:o da imprensa implica alguns deslocamentos de interpreta9:o "istoriográ.orma esse cultivo a.oram seus impactos na sociedade em -uest:o/ e de -ue .leGibilidade no -ue tange a -uest:o de .orma isso a..etados de .CK!O e do sul do Arasil( 4 5ETODO6OGI& Oiscutir a polêmica em torno do cultivo e comerciali%a9:o de soja transgênica no Paraná/ bem como de -ue .oram os impactos nos Nmbitos ambientais e sociais ocorridos no período tratado( .ica sobre a rela9:o entre agricultura _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Programa Jnstitucional de Jnicia9:o 6ientí.CO.Universidade Estadual do Centro-Oeste – UNICENTRO Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação – PROPESP Diretoria de Pesquisa – DIRPES Coordenação de Ini iação Cient!"i a produtivo( Por outro lado/ a resistência do estado em produ%ir transgênicos e a visibilidade dada pela imprensa com a respectiva varia9:o/ diminui9:o da intensidade e seu desaparecimento posterior das páginas jornalísticas eGpEe a ansiedade contemporNnea com rela9:o ao risco de se consumir produtos alimentícios contaminados/ modi.orma de cultivo( Objetivo T* JCQ.icos sobre a utili%a9:o da soja transgênica no estado do Paraná/ entre as d8cadas de 1990 e 2010( Objetivo 2* OA>..a% parte de projeto maior desenvolvido pelo Pro.icos e econHmicos pelo poder político para legitimar suas decisEes/ ora aprovando ou n:o o uso dos transgênicos/ e da .CK!O L P!OJ6 "ttp*++MMM(unicentro(br+pes-uisa+iniciacao+ ./ O0#etivo Geral 6O<P!.ederal e estadual/ bem como da postura dos grupos populacionais a.7RSO dos modos de apropria9:o dos discursos/ cientí..orma negativa por essa nova .rupo de Pes-uisas em 5ist0ria 7mbiental/ .avorecer um lado e acabar prejudicando o outro (o con.ica da FCJ6./ por meio dos peri0dicos impressos e online/ dos discursos políticos e cientí. O0#etivo1s2 es3e !"i o1s2 Objetivo 1* 7CP@J>. O-)ETI+OS .etou grupos populacionais especí..essor Or( #0 $lanovic%/ Monoculturas modernas no sul do Brasil a partir de 1950/ mantido pelo 6CP.icos acerca da ideia do cultivo de soja transgênica no estado do Paraná/ e -uais .

ica/ contudo/ particulari%ar em demasia determinada narrativa de vida/ ou evento( .erramentas da 5ist0ria 7mbiental torna=se .oco por meio do -ual 8 possível interpretar de maneira mais apropriada a s8rie diária e compleGa de rela9Ees e tensEes envolvendo "umanos e nature%a( 7 redu9:o de .orma9Ees/ as regras/ práticas e discursos desenvolvidos para dialogar ou ignorar essas mudan9as.era do pDblico e do privado/ e I incorpora9:o dessas nuances de pes-uisa I leitura mais ampla sobre a rela9:o tecida entre a agroecologia da cultura e os agentes de trans. <auc" e 5elmut Krisc"ler (2010)/ ao pensarem as rela9Ees entre ambiente e "ist0ria/ e -ual 8 o papel dela no trato de tais -uestEes ambientais/ a.ontes pode condu%ir ao desenvolvimento de abordagens "íbridas socioambientais(B Cesse sentido/ ainda 8 -ue !( Y( >andMell (2002) a. e ainda o do con"ecimento e sociedades do con"ecimento/ marcados pela a emergência do con"ecimento sobre nature%a/ as implica9Ees ecol0gicas da pes-uisa cientí.orme <osleX/ ?na "ist0ria ambiental/ o estudo centrado no lugar tem=se tornado a principal .ica acerca da pr0pria temática ambiental/ o debate sobre a comodi.orma9:o das paisagens/ altamente voltada I "ist0ria agrária e de trans.or9a para a inova9:o em pes-uisa* e sua modesta escala e relativa maneabilidade das .undamental ao trabal"o( 6om a 5ist0ria 7mbiental/ a leitura de grandes planta9Ees volta=se para a problemati%a9:o das rela9Ees entre "ist0ria econHmica/ agroecologia da soja e "ist0ria ambiental e social/ entre as narrativas de vida -ue mostram tensEes decorrentes do processo de moderni%a9:o da agricultura e os eventos macrosc0picos do mercado/ da política/ da ciência/ -ue atingem a es.V/ 200W)( 6on.ica9:o da atividade da sojicultura com o recorte voltado ao estado do Paraná( !edu%ir a escala de leitura na "ist0ria ambiental/ uma ve% -ue os problemas globais tem rea9Ees e sentidos locais/ pode o. o -ue perpassa pelo imperialismo ecol0gico/ -ue incorpora -uestEes sobre como regimes coloniais deiGaram n:o apenas as sociedades coloniais em escasse%/ mas com problemas ambientais.or9a bruta/ 8 necessário percorrer as trajet0rias das tensEes entre o con"ecimento agronHmico e o con"ecimento local de agricultores e pe-uenos produtores no devir da moderni%a9:o e para reposicionar alguns "umanos eGemplarmente no coletivo -ue os aproGima a n:o "umanos( 6"risto.irmam -ue a nature%a ainda representa/ contudo/ um desa.Universidade Estadual do Centro-Oeste – UNICENTRO Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação – PROPESP Diretoria de Pesquisa – DIRPES Coordenação de Ini iação Cient!"i a e sociedade/ e dentre essas necessidades/ incorporar a categoria de ambiente e .erecer valiosos insig"ts como as sociedades e ambientes alteram a si mesmo e entre si (<O>@.n-uanto a "ist0ria dada nessa escala redu%ida permite eGperimentar as atitudes diárias de uma pessoa com um lugar/ com um inseto/ com uma .ica da FCJ6.loresta/ a "ist0ria ambiental voltada Is grandes rela9Ees entre "umanos e n:o "umanos permite aumentar o entendimento das rela9Ees entre pessoas e lugares por meio da aten9:o Is particularidades do mundo . o da trans. o -ue trata da 8tica ambiental/ voltada ao entendimento das concep9Ees Dnicas de grupos com rela9:o ao uso da nature%a.io cultural para "istoriadores e "istoriadoras( 5á inDmeros camin"os -ue podem ser percorridos pela 5ist0ria 7mbiental/ tais como o uso de recursos e conserva9:o/ -ue compreende rea9Ees sociais e individuais I diminui9:o de recursos vitais/ as percep9Ees sobre essas trans. o dos desastres naturais e cultura de risco/ compreendendo percep9Ees culturais sobre o risco/ sobre .ica9:o da nature%a (<7F65 e K!J>65@.ísico( _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Programa Jnstitucional de Jnicia9:o 6ientí.orma9:o da paisagem( Cas diversas leituras da "ist0ria ambiental das planta9Ees ancoradas na tecnologia de .orma9:o dos regimes agrícolas e urbanos.ica9:o da nature%a/ ou seja/ no processo de trans.!/ 2010)( U no debate sobre a comodi.irma -ue uma leitura em menor escala proporciona um .orma9:o do mundo natural em espa9o de produ9:o de alimentos/ -ue este projeto insere=se/ propondo uma redu9:o de escala da leitura da intensi.atores sociais e ecol0gicos.CK!O L P!OJ6 "ttp*++MMM(unicentro(br+pes-uisa+iniciacao+ .oco n:o signi.

ec9:o de relat0rio . d) !elat0rio inal( _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Programa Jnstitucional de Jnicia9:o 6ientí.ic"amento de bibliogra.ia/ Mebgra.inal 7presenta9:o de trabal"os em eventos cientí.Universidade Estadual do Centro-Oeste – UNICENTRO Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação – PROPESP Diretoria de Pesquisa – DIRPES Coordenação de Ini iação Cient!"i a Para esta pes-uisa/ utili%aremos alguns tipos de documentos( Cum primeiro momento/ trabal"aremos com a mídia impressa paranaense/ por entendermos -ue a imprensa desempen"a papel .undamental de apoio aos 0rg:os de o. b) 7presenta9:o de teGtos em congressos.usora dos projetos agrícolas modernos em diversos outros estados/ como já a.irmaram !einaldo @o"n (1993) e !og8rio @ui% de >ou%a (2001)( O -ue c"ama a aten9:o 8 -ue a moderni%a9:o agrícola e a di.ica da FCJ6.ia e coleta de dados 7nálise de dados Oi.ev Z .8/9 mar abr mai jun jul @eitura e .CK!O L P!OJ6 "ttp*++MMM(unicentro(br+pes-uisa+iniciacao+ .undamental como vetor da ideia de se plantar soja como uma atividade agrícola moderna( 7 imprensa desempen"a papel de di.icos Z Z Z Z Z Z Z Z Z Z Z Z Z Z 9 RESU6T&DOS ESPER&DOS 6omo resultados e produtos esperados podemos citar* a) Publica9:o de artigo.us:o de resultados 7presenta9:o de relat0rio parcial 6on.8/7 ago set Z out Z nov de% Z Z jan Z .erecimento de assistência t8cnica e eGtens:o rural entre as d8cadas de 19W0 e 1930( Cesse sentido 8 -ue se .us:o do cultivo de plantas como a soja pela imprensa era um ponto .a% importante visuali%ar/ tamb8m/ documentos de ordem t8cnica/ provenientes das autar-uias de eGtens:o/ assistência t8cnica e pes-uisa( 7 CRONOGR&5& &TI+ID&DES & SERE5 DESEN+O6+ID&S PE6O &6UNO . c) !elat0rio Parcial.

radua9:o em 5ist0ria( Fniversidade ederal do Paraná( 6uritiba/ 2001( >K.radua9:o em 5ist0ria( Fniversidade ederal de >anta 6atarina( lorian0polis/ 2003( @O5C/ !( @( 6ampos do atraso/ campos modernos( 1993( Oisserta9:o (<estrado em 5ist0ria)( Programa de P0s= .nvironmental 5istorX( Jn* <76.nvironmental 5istorX( #ournal o. t"e plantation( <unic"* !ac"el 6arson 6enter .V/ >( 6ommon .all o.ield( K"e "istorX teac"er( v(T1/ n(T/ T11= TW2/ 1992( <.p"emeral plantations* t"e rise and .ducation/ 2002( p(12W=1TW( >OF[7/ !( @( 7 igreja cat0lica e o novo limiar capitalista( 2001( Kese (Ooutorado em 5ist0ria)( Programa de P0s=..ica da FCJ6. >ocial 5istorX( v(T9/ n(T/ p(911=9TT/ 200W( >7COY. @iberian co.!/ 5( Jnternational . KF!$.or .nvironmental 5istorX* Cature as a 6ultural 6"allenge( <unic"* !66 Perspectives/ 2010( <c6OO$/ >( .765.NCI&S .round* Jntegrating >ocial and .erence* 6omparing 7pples/ Or anges/ and 6otton( #ulX 2011( #O>.( >( Oas araucárias Is macieiras* trans.CK!O L P!OJ6 "ttp*++MMM(unicentro(br+pes-uisa+iniciacao+ .!C/ 7(.ee/ 1230=1900( 6omparing apples/ oranges/ and cotton* environmental "istories o.ile o. a developing .orma9Ees da paisagem em raiburgo+>6( lorian0polis* Jnsular/ 2001( $@7COQJ6[/ #( Cature%a corrigida* uma "ist0ria ambiental dos pomares de macieira no sul do Arasil (19W0= 1990)( 2003( Kese (Ooutorado em 5ist0ria)( Programa de P0s=.P5>OC/ P( !( Jndustriali%ed nature( Aoston* 5arvard Fn( Press/ 2003( $@7COQJ6[/ #(.@@/ !( Y( 5istorX on t"e . COO7!J/ .uarapuava+P!/ 3 de abril de 2014( _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Programa Jnstitucional de Jnicia9:o 6ientí.nvironment and >ocietX/ 22=T1 #ulX/ 2011( <O>@.Y7!K/ <( .Universidade Estadual do Centro-Oeste – UNICENTRO Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação – PROPESP Diretoria de Pesquisa – DIRPES Coordenação de Ini iação Cient!"i a : RE*ER. K!J>65@.7@@JCJ( >( Plantations in @atin 7merica( <unic"* !ac"el 6arson 6enter( 6on.@/ Y( #( (eds() <et"od and meaning in 6anadian environmental "istorX( Koronto* Celson .radua9:o em 5ist0ria da Fniversidade ederal de >anta 6atarina( lorian0polis/ 1993( <7F65/ 6(.round* <icro"istorX and .nvironmental "istorX* pro. &NE=OS 1se %ouvere>2 .