You are on page 1of 2

Drogas são substâncias naturais ou sintéticas que, ao serem introduzidas no organismo, atuam sobre um ou mais de seus sistemas, produzindo

alterações em seu funcionamento. A Lei nº 11.343, de 23 de agosto 2006, acrescenta, ainda, que drogas são substâncias ou produtos capazes de causar dependência. Muitas vezes relacionamos esse termo a substâncias cujo uso é proibido, mas esse fato não é regra. Remédios, por exemplo, são considerados drogas, pois são contemplados na descrição dada no parágrafo anterior; e seu uso indevido ou excessivo pode provocar efeitos que vão além do tratamento de males e doenças. Cigarros e bebidas alcoólicas também são drogas, embora seu uso não seja proibido por lei – mesmo podendo provocar muitos danos ao organismo e também à sociedade. O uso de drogas pela nossa espécie é bem antigo e, inclusive, muitas civilizações recorriam a substâncias psicoativas, encontradas em certas plantas, para serem utilizadas em rituais religiosos. Além disso, algumas drogas, como a maconha, são utilizadas para o tratamento de doenças. No entanto, os mesmos produtos, quando ministrados em contextos e quantidades diferentes, podem provocar efeitos também diferentes. Tal fato, relacionado também ao período de uso, pode provocar diversas consequências que ficam a desejar, e que muitas vezes não envolvem somente o usuário e sua saúde – principalmente se se tratarem de drogas proibidas por lei. Uma informação enganosa muitas vezes difundida é a de que drogas naturais, por não terem origem sintética, são melhores ou fazem menos danos do que estas. Basta lembrar que veneno de cobra, vermes e substâncias de plantas também são naturais, o que não significa que fazem bem à nossa saúde ou que não podem provocar efeitos sérios, caso sejam introduzidos em nosso organismo. Resumidamente, a questão primeira é o fato de que nenhuma droga é incapaz de alterar nossa saúde física e/ou mental... Diante dos fatos apresentados, esta seção tem o objetivo de informar características e efeitos de diversas drogas, para que nossos leitores tenham acesso a um material de qualidade para obter informações e também para utilizar em suas pesquisas escolares. No entanto, é válido lembrar que não temos a intenção de fazer apologia ao uso de tais substâncias, até porque muitas delas, além de fazerem mal ao organismo dos usuários, são responsáveis por sérios problemas sociais, políticos, econômicos – e até ambientais. Boa leitura! Por Mariana Araguaia Graduada em Biologia

Vale ressaltar. Em longo prazo. vernizes. também. Seu uso contínuo e/ou em altas doses pode conferir queda na pressão. em alguns casos. alucinações. Assim. Excitação. Seus efeitos são rápidos. seja acidentalmente ou intencionalmente. o usuário pode sofrer problemas cardíacos agudos. hepáticos. Colas. thinners. dentre outros. salivação e rubor. tintas. conferindo voz mole. cheirinho de loló. em busca de seus efeitos – facilitando sua dependência. e até mesmo coma e morte. são alguns produtos que possuem solventes em sua composição. renais e relacionados à medula óssea e nervos também podem ocorrer devido à intoxicação. que tais substâncias deixam o coração mais sensível à ação da adrenalina: uma das responsáveis pelo aumento dos batimentos cardíacos em situações de sobrecarga. permitindo com que sejam facilmente inaladas pelo nariz e/ou boca. logo depois.Solventes são substâncias geralmente inflamáveis e voláteis. São drogas mais frequentemente usadas por adolescentes. . palidez e. Problemas musculares. convulsões. e se encerram também rapidamente: uma situação propícia para que o indivíduo a aspire novamente. tanto pela facilidade de serem encontradas quanto pelo preço mais acessível. dor de cabeça. déficit de atenção e concentração. geralmente acompanhada de zumbidos. como impactos emocionais. o indivíduo tende a ter suas células neurais lesionadas de forma irreversível. causando. são seus primeiros efeitos que. dentre outros sintomas. inconsciência. em situações tais como estas. desorientação. lança perfume. ou um grande esforço físico. dão espaço para uma diminuição das atividades cerebrais do indivíduo. esmaltes.