Curso Intensivo SLC500

$Nßll
l06l0
008180lll8








Íß8l00.


Rev. 2

(021) 560 7224
(021) 446-6653
e-mail: microsis@microsis.com.br



MICROSIS RIO - EQUIP. & SERVIÇOS LTDA
Distribuidor Autorizado Rockwell Automation
Rua Mallet , 214 - Higienópolis
Cep: 21.061-130 – Rio de Janeiro RJ
M I C R O S I S - RIO

DISTRIBUIDOR
AUTORIZADO

MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 2
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


INTRODUÇÃO: .......................................................................................................................... 6
1. CONCEITOS INICIAIS:...................................................................................................... 8
1.1 - CARACTERÍSTICAS DE UM CLP: ..........................................................................................8
1.2 - TIPOS DE CPU'S: ...........................................................................................................................8
1.3 - MEMÓRIA DO CLP .....................................................................................................................9
1.4 - CICLO DE OPERAÇÃO. ...........................................................................................................10
1.5 - FONTE DE ALIMENTAÇÃO. .................................................................................................10
1.6 - VELOCIDADE. ............................................................................................................................10
1.7 - TIPOS DE ENTRADAS E SAÍDAS: ...........................................................................................10
1.8 - COMUNICAÇÃO DE DADOS: ..................................................................................................14
1.8.1 Redes do tipo Origem-destino............................................................................................................. 14
1.8.2 - Redes Produtor- Consumidor.............................................................................................................. 14
1.8.3 - COMUNICAÇÃO MASTER-SLAVE:............................................................................................... 15
1.8.4 - COMUNICAÇÃO MULTIMESTRE. ................................................................................................. 16
1.8.5 - COMUNICAÇÃO PEER TO PEER ................................................................................................... 16
1.8.6 - MULTICAST: ..................................................................................................................................... 17
1.8.7 - TOKEN PASS: .................................................................................................................................... 17
1.8.8 - MÉTODOS DE TROCA DE DADOS: ............................................................................................. 17
1.8.8.1 - Cíclica: ........................................................................................................................................ 17
1.8.8.2 - Mudança de estado. ................................................................................................................ 18
1.8.8.3 - Polling. ........................................................................................................................................ 18
1.8.9 - MODOS DE COMUNICAÇÃO: ...................................................................................................... 19
1.8.9.1 - Modo de comunicação System. .......................................................................................... 19
1.8.9.2 - Modo de comunicação user. ................................................................................................ 19
1.8.10 - PROTOCOLOS: .................................................................................................................................. 19
1.8.10.1 - DF1 : ........................................................................................................................................... 19
1.8.10.2 - DH485:........................................................................................................................................ 19
1.8.10.3 - REMOTE I/O : .......................................................................................................................... 20
1.8.10.4 - DH + :.......................................................................................................................................... 20
1.8.10.5 - CONTROL NET : ..................................................................................................................... 20
1.8.10.6 - DEVICE NET: .......................................................................................................................... 20
- ETHERNET: .................................................................................................................................................. 21
1.8.11 - SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO: .............................................................................................. 21
1.8.12 - Software de programação do PLC: .................................................................................................. 22
1.8.13 - SISTEMAS DE SUPERVISÃO E ATUAÇÃO NO PROCESSO: ................................................... 22
1.8.14 - INTERFACES HOMEM - MÁQUINA: ............................................................................................. 22
2. SLC500............................................................................................................................... 23
2.1 - INTRODUÇÃO: ...........................................................................................................................23
2.2 - ARQUITETURA FIXA: "SHOEBOX"........................................................................................23
2.3 - ARQUITETURA MODULAR....................................................................................................24
2.4 - TIPOS DE CHASSIS:...................................................................................................................25
2.5 - FONTES: ......................................................................................................................................25
2.6 - CPU'S:...........................................................................................................................................25
2.6.1 - Chave Rotativa da CPU: ...................................................................................................................... 25
2.6.2 - Modelos de CPU's: ............................................................................................................................ 26
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 3
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

2.6.3 - Led's de diagnóstico:......................................................................................................................... 27
2.7 - MÓDULOS DE ENTRADA E SAÍDA:......................................................................................27
2.7.1 MÓDULOS DE E/S DISCRETA: ...................................................................................................... 27
2.7.2 MÓDULOS ANALÓGICOS: ............................................................................................................... 29
2.7.3 MÓDULOS ESPECIAIS: ..................................................................................................................... 30
2.8 - Configurações em Rede e ligações ponto a ponto: .....................................................................33
2.8.1 - PROGRAMAÇÃO PONTO A PONTO ( DF1 FULL DUPLEX) :................................................. 33
2.8.2 - CONFIGURAÇÃO EM REDE DH485............................................................................................... 34
2.8.3 - CONFIGURAÇÃO EM REDE ETHERNET / DH+ / DH485: ......................................................... 35
2.8.4 - CONTROL NET:................................................................................................................................ 36
2.8.5 - DEVICE NET:.................................................................................................................................... 36
3. - ENDEREÇAMENTOS .................................................................................................... 38
3.1 - ENDEREÇOS DE ENTRADAS E SAÍDAS................................................................................38
3.1.1 - SLC 500 FIXO:.................................................................................................................................. 38
3.1.2 - SLC 500 MODULAR RACK LOCAL............................................................................................ 38
3.1.3 - SLC500 MODULAR : RACK REMOTO. ................................................................................... 39
3.1.3.1 - ENDEREÇAMENTO DE 1/2 SLOT ........................................................................................... 39
3.1.3.2 - ENDEREÇAMENTO DE 1 SLOT .......................................................................................... 39
3.1.3.3 - ENDEREÇAMENTO DE 2 SLOT ........................................................................................ 40
3.1.3.4 - ARQUIVO “G”................................................................................................................................. 41
3.1.3.5 - TIPOS DE ENDEREÇAMENTOS - módulo SN...................................................................... 42
3.2 - TIPOS DE ARQUIVOS:.............................................................................................................45
3.2.1 ARQUIVOS DE PROGRAMA: ............................................................................................................ 45
3.2.2 ARQUIVOS DE DADOS-TABELA DE DADOS: ............................................................................. 45
3.3 - ENDEREÇAMENTO DE ARQUIVOS (PILHAS)...............................................................47
3.4 - ENDEREÇAMENTO INDIRETO: ..............................................................................................48
3.5 - ENDEREÇAMENTO COMPLEMENTAR. ...............................................................................48
3.6 - ENDEREÇAMENTO INDEXADO: ...........................................................................................48
4. - INSTRUÇÕES: .................................................................................................................. 49
4.1 INSTRUÇÕES DO TIPO RELÊ.....................................................................................................49
4.1.1 - Generalidades: ..................................................................................................................................... 49
4.1.2 - Instruções “Examinar”:....................................................................................................................... 49
4.1.2.1 - Examinar se Energizado ( XIC ): ............................................................................................ 50
4.1.2.2 - Examinar se Desenergizado ( XIO ): ..................................................................................... 50
4.1.3 - Instruções Energizar/Desenergizar Saída: ........................................................................................... 50
4.1.3.1 - Energizar saída ( OTE ) ........................................................................................................... 51
4.1.3.2 - Energizar Saída com Retenção ( OTL ) e desenergizar Saída com Retenção ( OTU ): 51
4.1.4 - Monoestável Sensível à Borda de Subida:.............................................................................52
4.1.4.1 Parâmetros da Instrução OSR: ................................................................................................. 52
4.2 - Instruções de temporizador e contador ........................................................................................54
4.2.1 - Generalidades: ..................................................................................................................................... 54
4.2.2 - Descrição: ............................................................................................................................................ 54
4.2.3 - Instruções de Temporizador................................................................................................................. 55
4.2.3.1 Bits de Estado.............................................................................................................................. 55
4.2.3.2 Base de Tempo ........................................................................................................................... 55
4.2.3.3 Precisão........................................................................................................................................ 55
4.2.3.4 - Temporizador de Energização ( TON ) ................................................................................. 56
4.2.3.5 - Temporizador na Desenergização ( TOF ) ........................................................................... 57
4.2.3.6 - Temporizador Retentivo ( RTO ) ............................................................................................ 58
4.2.3.7 - Instruções de Contador Crescente/Decrescente ( CTU e CTD ): ..................................... 59
4.2.3.8 - Instrução de Rearme de Temporizador/Contador ( RES ) ................................................. 61
4.3 . Instruções de Mensagem comunicação de E/S:............................................................................62
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 4
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

4.3.1 - Generalidades: ..................................................................................................................................... 62
4.3.2 - Instrução de MSG: ............................................................................................................................... 62
4.3.3 - Parâmetros da Instrução MSG: ............................................................................................................ 64
4.3.4 Bits de Estado da Instrução MSG.......................................................................................................... 66
4.4 - Instruções de Comparação ...........................................................................................................68
4.4.1 - Generalidades: ..................................................................................................................................... 68
4.4.2 - Igual a ( EQU ) .................................................................................................................................... 68
4.4.3 - Diferente ( NEQ ) ................................................................................................................................ 69
4.4.4 - Menor que ( LES ) ............................................................................................................................... 69
4.4.5 - Menor ou igual a ( LEQ )..................................................................................................................... 70
4.4.6 - Maior que ( GRT ) ............................................................................................................................... 70
4.4.7 - Maior ou igual a ( GEQ ) ..................................................................................................................... 71
4.4.8 - Igual Mascarada ( MEQ ) .................................................................................................................... 71
4.4.9 - Teste limite ( LIM ) ............................................................................................................................. 72
4.5 - Instruções Matemáticas................................................................................................................74
4.5.1 - Generalidades: ..................................................................................................................................... 74
4.5.2 - Adição ( ADD ) ................................................................................................................................... 75
4.5.3 - Subtração ( SUB ) ................................................................................................................................ 75
4.5.4 - Multiplicação ( MUL )......................................................................................................................... 76
4.5.5 - Divisão ( DIV ) .................................................................................................................................... 77
4.5.6 - Negação ( NEG ) ................................................................................................................................. 77
4.5.7 - Zeramento ( CLR )............................................................................................................................... 78
4.5.8 - Raiz Quadrada ( SQR ) ........................................................................................................................ 78
4.6 - Instruções Lógicas e de movimentação.........................................................................................79
4.6.1 - Generalidades: ..................................................................................................................................... 79
4.6.2 - Movimentação ( MOV ) ...................................................................................................................... 80
4.6.3 - Movimento com Máscara ( MVM )..................................................................................................... 81
4.6.4 - E ( AND ) ............................................................................................................................................ 82
4.6.5 - Ou ( OR ) ............................................................................................................................................. 82
4.6.6 - Ou Exclusivo ( XOR ) ......................................................................................................................... 83
4.6.7 - Complementação NOT........................................................................................................................ 83
4.7 - Instruções de cópia e preenchimento de arquivo ........................................................................85
4.7.1 - Generalidades: ......................................................................................................................85
4.7.2 - Cópia Arquivo ( COP ) ..........................................................................................................85
4.7.3 - Preenchimento de Arquivo ( FLL )........................................................................................86
4.8 . Instrução de Deslocamento de Bit, FIFO e LIFO..........................................................................87
4.8.1 - Generalidades: .......................................................................................................................87
4.8.2 - Instruções de Deslocamento de Bit à Esquerda ( BSL ) e à Direita ( BSR ). ...............87
4.8.2.1 - Deslocamento de Bit à Esquerda:.............................................................................89
4.8.2.2 - Deslocamento de Bit à Direita: ................................................................................89
4.8.3 - CARGA E DESCARGA FFL E FFU. ......................................................................90
4.8.4 - Carga e descarga LIFO: ........................................................................................................92
4.9 - Instruções de sequenciador: ..........................................................................................................93
4.9.1 - SQO: ......................................................................................................................................94
4.10 - INSTRUÇÃO DE SALTO PARA SUBROTINA: .......................................................................95
4.11 - INSTRUÇÃO PID: ......................................................................................................................96
4.11.1 - FUNÇÃO PID: ................................................................................................................................... 96
4.11.2 - INSTRUÇÃO PID: ............................................................................................................................ 97
4.12 - Instruções de E/S imediatas: ....................................................................................................102
4.13 - Manutenção & LOCALIZAÇÃO DE FALHAS......................................................................103
4.13.1 - Generalidades: ................................................................................................................................... 103
4.13.2 - Limpando as Falhas ........................................................................................................................... 103
4.13.3 - Descrição de Código de Erro e Ação Recomendada ......................................................................... 104
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 5
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

5 - Software de Comunicação Rslinx................................................................................ 117
5.1 - Acessando o software:.................................................................................................................117
5.2 - Configurando drivers. ................................................................................................................117
6. Software de programação Rslogix500. ...................................................................... 120
7. - Exercícios Aplicativos : ................................................................................................ 135
8. - GLOSSÁRIO................................................................................................................. 139
9. Referências bibliograficas............................................................................................... 143
10. ANEXOS: ...................................................................................................................... 144
10.1 - Indentificando componentes do controlador. ...........................................................................145
10.2 - Instalando componentes de Hardware: .....................................................................................146
10.3 - Procedimentos para interligação das redes: .......................................................................147
10.4 - Recomendação para fiação de Dispositivos de Entradas e saídas..........................................148
10.5 - Manutenção do sistema de controle. .......................................................................................149
10.6 - Localização de falhas pelos Leds de Diagnóstico..................................................................150
10.7 - Instalando Redes DH485...........................................................................................................151
10.8 - Instalando Redes DH+ ..............................................................................................................152
10.9 - Interfaces de Comunicação RS232. ......................................................................................153
10.10 - Consumo dos módulos e processadores. .............................................................................154
10.11 - Comunicação de dispositivos em Ethernet. .......................................................................155
10.12 - Arquivo de Status dos Controladores. ............................................................................156














MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 6
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

INTRODUÇÃO:
Em vista da variedade de aplicações deste equipamento, e considerando
sua distinta diferença com relação aos equipamentos eletromecânicos, deverá
ser verificada a aplicabilidade para cada caso em específico.
As instruções, gráficos e exemplos de configuração que aparecem neste
descritivo têm por finalidade auxiliar no entendimento do texto.
As instruções de programa presentes neste descritivo são as de maior
aplicação, para maiores detalhes deverá ser consultado o manual de
instruções do software aplicativo corresponde ao tipo de CLP. Devido às
muitas variáveis e exigências associadas com qualquer instalação em
particular, a Microsis não assumirá responsabilidade pelo uso real baseado
em ilustrações de aplicações.
A cada dia que passa os equipamentos elétricos vão dando lugar aos
microprocessadores. Tanto na vida profissional como na cotidiana estamos
sendo envolvidos por microprocessadores e computadores. Na indústria,
estas máquinas estão sendo empregadas para otimizar os processos, reduzir
os custos e aumentar a produtividade e a qualidade dos produtos, estamos
passando por um momento de automação dos processos ou Automação
Industrial.
Um microprocessador pode por exemplo tomar decisões no controle de uma
maquina, ligá-la, desligá-la, movimentá-la, sinalizar defeitos e até gerar
relatórios operacionais. Mas detrás destas decisões, está a orientação do
microprocessador, pois elas são baseadas em linhas de programação(códigos
de máquina).
AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL.
Automação Industrial é um conjunto de técnicas destinadas a tornar
automáticos vários processos numa indústria: o comando numérico, os
controladores programáveis, o controle de processos e os sistema
CAD/CAM (computer aided design manufacturing - projetos e manufatura
apoiados em computador).
CONTROLADOR PROGRAMÁVEL.
Um sistema de controle de estado sólido, com memória programável para
armazenamento de instruções para o controle lógico, pode executar funções
equivalentes as de um painel de relês ou de um sistema de controle
analógico. É ideal para aplicações em sistemas de controle de relês e
contatores, os quais se utilizam principalmente de fiação,dificultando desta
forma, o acesso a possíveis modificações e ampliações do circuito de
controle existente. O controlador programável monitora o estado das
entradas e saídas, em resposta às instruções programadas na memória do
usuário, e energiza, desenergiza, ou faz um controle proporcional das saídas
dependendo do resultado conseguido com as instruções do programa. Na
automação industrial, as máquinas substituem tarefas tipicamente
mentais,tais como memorizações,cálculos e supervisões.
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 7
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Os controladores programáveis dominam os dispositivos pneumáticos,
hidráulicos, mecânicos e eletromecânicos. Os Controladores Programáveis
substituem a ação do homem como sistema de controle,e podem controlar
grandezas tais como vazão, temperatura, pressão, nível, torque, densidade,
rotação, tensão e corrente elétrica (variáveis de controle).

SLC500 - ALLEN BRADLEY.

Família de controladores programáveis para aplicações de pequeno e médio
porte, instruções avançadas de programação, módulos para aplicativos
distintos,comunicação por redes proprietárias (DH +, DH485 , Remote I/O) e
redes abertas Control Net,Device Net e Ethernet.
Antes de se começar a abordagem da família SLC500 alguns conceitos em
Automação Industrial devem ser observados.










MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 8
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

1. CONCEITOS INICIAIS:
1.1 - CARACTERÍSTICAS DE UM CLP:
Na escolha do CLP alguns aspectos devem ser abordados são eles o tipo de
processador ou CPU, Tipos de Entradas e saídas, possibilidades de
comunicação,versatilidade do software de programação, sistemas de
supervisão e atuação no processo, interfaces homem-máquina existentes e
suporte técnico dado pelo fabricante de CLP.
ESQUEMA GERAL DE UM CLP:




















1.2 TIPOS DE CPU'S:
Define a memória de programação, recursos avançados de programação,
canais de comunicação existentes e os tempos de execução das instruções e
de varredura das entradas e atualização das saídas (tempo de scan).
A Função da CPU consiste em se ler entradas executar a lógica segundo o
programa aplicativo e acionar ou controlar proporcionalmente as saídas.

C
I
R
C
U
I
T
O
S

DE

EN
TRA
DAS
C
I
R
C
U
I
T
O
S

DE

S
AI
DAS


UNIDADE
CENTRAL
DE
PROCESSAMENTO
DISPOSITIVOS DE PROGRAMAÇÃO
E COMUNICAÇÃO.
MEMÓRIA
PROGRAMA E DADOS
FONTE DE ALIMENTAÇÃO
ISOLAMENTO
Acoplamento ótico Acoplamento ótico
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 9
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

1.3 - MEMÓRIA DO CLP
A memória do CLP divide-se em memória de aplicação, memória do
usuário e programa executável ou memória do sistema.
MEMÓRIA DE APLICAÇÃO.
Onde são armazenados os arquivos de programa ou seja o programa
aplicativo em diagrama Ladder.
Existem dois tipos: Volátil e não-volátil.
VOLÁTIL.
Pode ser alterada ou apagada (gravar ou ler), se ocorrer uma queda de
alimentação perde-se o programa, são usadas baterias e capacitores para
resguardar o programa.
O exemplo amplamente utilizado é a memória RAM ( memória de acesso
aleatório ).
NÃO - VOLÁTIL.
Possui a mesma flexibilidade da memória RAM e retém o programa mesmo
com a queda da alimentação.
Exemplo: EEPROM ( Memória de leitura eletricamente apagável e
programável ).
MEMÓRIA DO USUÁRIO.
Constituida de bit's que são localizaões discretas dentro da pastilha de
silício, pode ser submetido a tensão, portanto lido como “1” ou não
submetido à tensão lido como “0” .
Os dados são padrões de cargas elétricas que representam um valor
numérico.
A cada conjunto de 16 Bit`s denomina-se palavra, estas palavras possuem
uma localização na memória chamada endereço ou registro. Onde são
armazenados valores referentes aos Arquivos de Dados, que são valores
associados ao programa tais como: status de E/S, valores Pré-selecionados e
acumulados de temporizadores e contadores e outras constantes e variáveis.

PROGRAMA EXECUTÁVEL OU MEMÓRIA DO SISTEMA.
Direciona e realiza as atividades de operação, tais como: Execução do
programa do usuário e coordenação das varreduras das entradas e
atualização das saídas, programada pelo fabricante e não pode ser acessada
pela usuário.


MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 10
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

1.4 - CICLO DE OPERAÇÃO.
O ciclo de operação do CLP consiste no modo com que o CLP examina as
instruções do programa , usa o estado armazenado na tabela Imagem das
entradas para determinar se uma saída será ou não energizada. O resultado
é armazenado numa região da memória chamado de tabela imagem das
saídas.
1.5 - FONTE DE ALIMENTAÇÃO.
Encarregada de fornecer alimentação ao barramento do CLP, em 5VCC ou
24 VCC. Protege os componentes contra picos de tensão, garante a operação
normal com flutuações de 10 à 15%, estas flutuações podem ser provocadas
por quedas na rede, partidas e paradas de equipamentos pesados. Em
condições instáveis de tensão deve-se instalar estabilizador.
Suporta perdas rápidas de alimentação permitindo ao controlador salvar os
dados e o programa do usuário.
Se o painel onde está instalado o CLP for susceptível à interferência
eletromagnética ou ruído elétrico aconselha-se a instalação de um
transformador de isolação.

1.6 - VELOCIDADE.

A velocidade que um CLP genérico executa o seu ciclo de operação fica
em torno de 1 à 25 mseg para 1024 instruções do programa aplicativo, cada
instrução possui o seu tempo de processamento. Na soma do tempo total de
processamento ou ciclo de operação devem ser considerados: Tempo para o
dispositivo de campo acionar a entrada,Tempo para o CLP detectar o
sinal,Tempo para a varredura da entrada, Tempo para varredura do programa
, Tempo para a varredura da saída, Tempo para o acionamento do circuito de
saída ,Tempo para o acionamento do dispositivo de campo, Tempos para os
canais de comunicação.

1.7 - TIPOS DE ENTRADAS E SAÍDAS:
As entradas e saídas podem estar acopladas a CPU, ou, podem ser cartões
para os CLP'S que são divididos em módulos (Modulares).
ENTRADAS.
São denominadas entradas os dispositivos de campo que são conectados ao
CLP como botões,chaves thumbwhell,chaves limite,chaves
seletoras,sensores de proximidade e sensores fotoelétricos.
Os circuitos de entrada filtram os sinais de tensão para classificá-los como
válidos, determinam a validade de um sinal pela sua duração ou seja
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 11
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

esperam para poder confirmar se o sinal é uma ruído elétrico ou uma
referência de um dispositivo de entrada. Este tempo de filtragem varia em
torno de 8mseg. mas, pode ser ajustado através do software de programação.
Quanto maior o tempo de resposta melhor será a filtragem do sinal, um
menor tempo de resposta é usado em aplicações que requerem uma maior
velocidade de resposta como interrupções e contagens.

SAÍDAS.
São exemplos de saídas para o CLP: Solenóides, relês, contatores, partidas
de motores, luzes indicadoras, válvulas e alarmes. As CPU’s utilizam como
circuitos de saída: Relês, Transistores e Triacs.
Os Relês funcionam tanto em CA como CC, resistem à cargas de até 2,5 A e
suportam melhor os picos de tensão pois possuem uma camada de ar entre os
os seus contatos o que elimina a possibilidade de corrente de fuga. Mas, são
lentos e desgastam com o tempo.
Os Transistores, são silenciosos chaveiam corrente contínua e não tem peças
móveis sujeitas ao desgaste , são rápidos e reduzem o tempo de resposta .
Mas suportam cargas de no máximo 0,5A.
Os Triacs, possuem características semelhantes aos transistores,
diferenciando no aspecto de que os mesmos chaveiam Corrente alternada.
As saídas de estado sólido ( transistores e triacs ) podem ser mais facilmente
danificadas por sobretensão ou sobrecorrente que as à relê.
LIGAÇÕES.
Nos cartões de E/S DC deve ser observada a polaridade dos mesmos,
sabendo-se que em sensores do tipo PNP ( + ) são usadas com cartões do
tipo Sink e sensores NPN ( - ) são usados em cartões do tipo source.

LIGAÇÃO PARA CARTÕES DE ENTRADA SINKING:
Quando o dispositivo de campo está ativo ele fornece corrente ao circuito de
entrada. ver figura abaixo:
I I


+

_ I DC .com



FONTE
DC
DISPOSITI-
VO DE
CAMPO
CIRCUI
_
TO DE

ENTRA_
DA DC
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 12
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

LIGAÇÃO PARA CARTÕES DE ENTRADA SOURCING:
Quando o dispositivo de campo está ativo a corrente sai dos módulos de
entrada para o dispositivo , ver figura abaixo:

I I


_

+ I VDC




LIGAÇÃO PARA CARTÕES DE SAÍDA SINK
O dispositivo de campo está conectado no positivo da fonte de alimentação e
o negativo é fechado no módulo de saída do CLP. ver figura abaixo:

VDC

I
+

_


DC COM








FONTE
DC
FONTE
DC
DISPOSITI-
VO DE
CAMPO
DISPOSITI-
VO DE
CAMPO
CIRCUI
_
TO DE

ENTRA_
DA DC
CIRCUI
_
TO DE
SAÍDA
DC
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 13
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

LIGAÇÃO PARA CARTÕES DE SAÍDA SOURCE
Quando a saída fornece a corrente da fonte ao dispositivo de campo. ver
figura abaixo:


VDC

I
+

_


DC COM




ENTRADAS E SAÍDAS DIGITAIS:
São definidas como sinais discretos em níveis lógicos 1 ou 0, sendo que 1
corresponde a um nível alto de tensão que pode ser 100/120/200/240/24
VAC (tensão alternada) ou 24 VDC,30-55 VDC (tensão contínua) , 0
corresponde a um nível baixo de tensão que pode ser Neutro (corrente
alternada) ou DC COMUM ( corrente contínua).

ENTRADAS E SAÍDAS ANALÓGICAS:
São definidos como sinais variantes no tempo podem ser : 4 à 20 mA, 0 à 10
volts, -20 à +20mA , -10 à +10 volts. ver figuras abaixo:
v , I V.I




Tempo tempo
Sinais Digitais Sinais analógicos
FONTE
DC
DISPOSITI-
VO DE
CAMPO







CIRCUI
_
TO DE

SAÍDA
DC
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 14
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

1.8 - COMUNICAÇÃO DE DADOS:
Os tipos de comunicação dos dados entre os CLP'S ou entre Terminal de
programação/Supervisão e CLP devem ser definidos, existem CLP'S que se
comunicam em redes abertas (tipo de rede utilizada por diferentes
fabricantes ) ou redes proprietárias (tipo de rede do fabricante do CLP).
Definimos dois modelos de redes: descritas como origem / destino e
produtor / consumidor.
EXEMPLOS DE MODELOS DE REDES:











1.8.1 Redes do tipo Origem-destino.
Nestes tipos de configurações os dados são transmitidos/recebidos do
nó fonte para um destino específico.
A A a aç çã ão o s si in nc cr ro on ni iz za ad da a e en nt tr re e o os s n nó ós s é é m mu ui it to o d di if fi ic ci il l u um ma a v ve ez z q qu ue e o os s d da ad do os s c ch he eg ga am m
a ao os s n nó ós s e em m m mo om me en nt to os s d di if fe er re en nt te es s e ex xi ia as st te e o o d de es sp pe er rd dí íc ci io o d de e r re ec cu ur rs so os s e em m f fu un nç çã ão o d da a
r re ep pe et ti iç çã ão o d do os s m me es sm mo os s d da ad do os s q qu ua an nd do o a ap pe en na as s o o d de es st ti in no o é é d di if fe er re en nt te e


1.8.2 - Redes Produtor- Consumidor

Nestes tipos de configurações os dados são transmitidos/recebidos do
nó fonte para todos os nós da rede simultaneamente.
Numa mesma rede podem trafegar dados de controle de E/S ( BTR- BTW)
e dados de configuração (MSG). Pode-se priorizar os dados de E/S. Estes
sistemas podem ser Mestre/escravo, Multimestre ou Peer-to-peer para E/S e
mensagens. A troca de dados pode ser do tipo cíclica ou seja dispositivos
produzem dados a uma taxa configurada pelo usuário.












ORIGEM / DESTINO
MESTRE/ESCRAVO MULTIMESTRE

RIO
DH 485
DH+

PRODUTOR CONSUMIDOR

DEVICE NET
CONTROL NET

MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 15
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Em uma rede produtor- consumidor as mensagens são identificadas pelo
conteúdo e não pelo origem/destino. O cabeçalho da mensagem diz,esta é a
mensagem 75. Os dispositivos que precisam destes dados “consomen” a
mensagem.
Esta nova Tecnologia de redes permite que os dados síncronos (I/O) sejam
adquiridos em intervalos específicos e que dados não síncronos como “up-
Loads”, “down-Loads” configuração, programação sejam transferidos em
intervalos não programados. Estes dois tipos de tráfego são suportados pela
rede sem que um tipo venha interferir sobre o outro.











1.8.3 - COMUNICAÇÃO MASTER-SLAVE:
( MESTRE - ESCRAVO )
Neste tipo de topologia a estação mestre é fixa e somente ela é capaz de
iniciar as mensagen. Dispositivos escravos trocam dados apenas com o
mestre. Um mestre e múltiplos escravos.











C CT TL L
R R1 1
H H
M MI I
S Se en ns s
o or r
C CT TL L
R R2 2
ALLEN-BRADLEY
7 8 9
4 5 6
1 2 3
. 0 -
<-----------------'
<
-
-

F1
F6
F2
F7
F3
F8
F4
F9
F5
F1
0
PanelView 550
< >
^
v
# #
1 1
# #
Z Z
ALLEN-BRADLEY
7 8 9
4 5 6
1 2 3
. 0 -
<-----------------'
<
-
-

F1
F6
F2
F7
F3
F8
F4
F9
F5
F1
0
PanelView 550
< >
^
v
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 16
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

1.8.4 - COMUNICAÇÃO MULTIMESTRE.
Pode-se ter mais de um mestre e cada mestre tem o seu próprio conjunto de
escravos.













1.8.5 - COMUNICAÇÃO PEER TO PEER
Um par de estações toma o controle da rede por vez não há necessidade de
polling ( forma de se controlar uma linha de comunicação com o envio de
um sinal para uma estação a fim de verificar se a mesma possui mensagens a
transmitir).
Dispositivos podem trocar dados com mais de um dispositivo ou múltiplas
trocas com o mesmo dispositivo


ALLEN-BRADLEY
7 8 9
4 5 6
1 2 3
. 0 -
<-----------------'
<
-
-

F1
F6
F2
F7
F3
F8
F4
F9
F5
F1 0
PanelView550
< >
^
v
ALLEN-B RADLEY
7 8 9
4 5 6
1 2 3
. 0 -
< -----------------'
<
--

F1
F6
F2
F7
F3
F8
F4
F9
F5
F1
0
P a n e l V i e w 5 5 0
< >
^
v
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 17
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

1.8.6 - MULTICAST:

Dados são transmitidos simultaneamente a todos os nós.


1.8.7 - TOKEN PASS:

A cada instante uma estação está no controle da rede envia e recebe seus
dados e envia o polling para o próxima a fim de saber se a mesma esta
pronta para receber o controle, se a mesma estiver esta passará a ter o
controle da rede.


1.8.8 - MÉTODOS DE TROCA DE DADOS:
1.8.8.1 - Cíclica:












N Ne es st te e t ti ip po o d de e m mé ét to od do o o os s d di is sp po os si it ti iv vo os s p pr ro od du uz ze em m d da ad do os s a a u um ma a t ta ax xa a c co on nf fi ig gu ur ra ad da a p pe el lo o u us su uá ár ri io o
e es st ta a t tr ra an ns sf fe er rê ên nc ci ia a c cí íc cl li ic ca a é é e ef fi ic ci ie en nt te e d de ev vi id do o a ao o f fa at to o d de e q qu ue e o os s d da ad do os s s sã ão o t tr ra an ns sf fe er ri id do os s n nu um ma a t ta ax xa a
a ad de eq qu ua ad da a a ao o d di is sp po os si it ti iv vo o/ /a ap pl li ic ca aç çã ão o. . C Co om m i is st to o r re ec cu ur rs so os s p po od de em m s se er r p pr re es se er rv va ad do os s p p/ / d di is sp po os si it ti iv vo os s c co om m
a al lt ta a v va ar ri ia aç çã ão o e e m me el lh ho or r d de et te er rm mi in ni is sm mo o. .
C Co om mp pa at tí ív ve el l c co om m M Me es st tr re e/ /E Es sc cr ra av vo o, , M Mu ul lt ti im me es st tr re e, , “ “p pe ee er r- -t to o- -p pe ee er r” ” e e M Mu ul lt ti ic ca as st t




8 8ß ß8 8l l0 0
0 0 l ll l0 0
a a c ca ad da a
1 10 00 0m ms s
a a c ca ad da a
2 20 00 00 0m ms s
a a c ca ad da a
5 5m ms s
ALLEN-BRADLEY
7 8 9
4 5 6
1 2 3
. 0 -
<-----------------'
<
-
-

F1
F6
F2
F7
F3
F8
F4
F9
F5
F1
0
Panel Vi ew 550
< >
^
v
ALLEN-BRADLEY
7 8 9
4 5 6
1 2 3
. 0 -
<-----------------'
<
-
-

F1
F6
F2
F7
F3
F8
F4
F9
F5
F1
0
Panel Vi ew 550
< >
^
v
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 18
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

1.8.8.2 - Mudança de estado.











N Ne es st te e t ti ip po o d de e t tr ro oc ca a d de e d da ad do os s o os s d di is sp po os si it ti iv vo os s p pr ro od du uz ze em m d da ad do os s a ap pe en na as s q qu ua an nd do o t te em m s se eu u e es st ta ad do o
a al lt te er ra ad do o. . U Um m s si in na al l e em m s se eg gu un nd do o p pl la an no o é é t tr ra an ns sm mi it ti id do o c ci ic cl li ic ca am me en nt te e p pa ar ra a c co on nf fi ir rm ma ar r q qu ue e o o d di is sp po os si it ti iv vo o
e es st tá á o ok k. . A A M Mu ud da an nç ça a d de e e es st ta ad do o é é e ef fi ic ci ie en nt te e d de ev vi id do o a ao o f fa at to o d de e q qu ue e s se e r re ed du uz z s si ig gn ni if fi ic ca at ti iv va am me en nt te e o o
t tr rá áf fe eg go o d da a r re ed de e e e r re ec cu ur rs so os s n nã ão o s sã ão o d de es sp pe er rd di iç ça ad do os s p pr ro oc ce es ss sa an nd do o- -s se e d da ad do os s a an nt ti ig go os s. .

1.8.8.3 - Polling.









O O P Po ol ll li im mg g é é u um m s si in na al l e en nv vi ia ad do o n na a r re ed de e q qu ua an nd do o o os s d di is sp po os si it ti iv vo os s r re ec ce eb be em m d da ad do os s ( (n no or rm ma al lm me en nt te e
s sa aí íd da as s) ) i im me ed di ia at ta am me en nt te e e en nv vi ia am m s se eu us s d da ad do os s ( (n no or rm ma al lm me en nt te e e en nt tr ra ad da as s) )
U Ut ti il li iz za ad do o e em m s si is st te em ma as s M Me es st tr re e/ /E Es sc cr ra av vo o & & M Mu ul lt ti im me es st tr re e. .




8 8l l0 0l ll l8 8
l l l ll l0 0
ALLEN-BRADLEY
7 8 9
4 5 6
1 2 3
. 0 -
<-----------------'
<
-
-

F1
F6
F2
F7
F3
F8
F4
F9
F5
F1
0
Panel Vi ew 550
< >
^
v
ALLEN-BRADLEY
7 8 9
4 5 6
1 2 3
. 0 -
<-----------------' <--
F1
F6
F2
F7
F3
F8
F4
F9
F5
F1 0
PanelView 550
< >
^
v
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 19
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


1.8.9 - Modos de Comunicação:
1.8.9.1 - Modo de comunicação System.
O CLP está em comunicação com dispositivos do sistema do seu
fabricante.
1.8.9.2 - Modo de comunicação user.
O CLP está em comunicação com equipamentos dedicados.

1.8.10 - Protocolos:
Conjunto de regras, requisitos e procedimentos que devem ser obedecidos
para que se possa transmitir uma informação em uma rede de comunicação
de dados digital, é o idioma utilizado na rede ou seja o dispositivo
transmissor necessita ser compreendido pelo receptor e cada fabricante tem
seus próprios padrões
1.8.10.1 - DF1 :
Protocolo proprietário usado para comunicação ponto - a - ponto (conexão
direta) ou remota através de modens.
Considera-se dois tipos:
DF1 FULL-DUPLEX : Transmissão se dá nas duas direções,
recebe-se e transmite-se simultaneamente.
DF1 HALF-DUPLEX : Transmissão em ambos os sentidos porém não
simultaneamente.
1.8.10.2 - DH485:
Rede "Token Pass" com topologia em barramento, de comprimento de
cabo até 1.219 metros, com Baud rate: 1200, 2400, 9600, 19.200.
Possibilidade de até 32 dispositivos.
Exclusiva para CLP's da família SLC500,Micrologix e dispositivos Homem
- máquina e softwares de supervisão.


MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 20
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

1.8.10.3 - REMOTE I/O :
Rede de entradas, saídas e dispositivos físicos remotos. A quantidade de
dispositivos acoplados na mesma depende da CPU utilizada. A extensão
máxima dos cabos depende da velocidade de transmissão e pode ir até 3000
metros. Presente nos processadores PLC5 e cartão Scanner do SLC500.
1.8.10.4 - DH + :
Rede proprietária da Allen Bradley de maior performance possui uma maior
quantidade de Drivers para comunicação. Possui uma taxa de comunicação
de 57,6 Kbps, comprimento do cabo da rede até 3.000 metros e do cabo da
rede secundária 30 metros. Pode-se ter até 64 estações na rede. Presente em
todos os CLP's família 5 e SLC500-5/04.

1.8.10.5 - CONTROL NET :
Este tipo de protocolo garante a opção de meio físico redundante,é uma
rede baseada no modelo "PRODUTOR CONSUMIDOR", posssui taxa de 5
Mbps. , conexão por cabo coaxial , até 99 estações na rede, distância de 3Km
no tronco principal,usando repetidores pode-se extender em até 30Km, e até
500m no secundário, é uma rede determinística na qual pode-se Ter dados de
I/O e dados entre CPU's trafegando na mesma rede.

1.8.10.6 - DEVICE NET:
É uma rede complemente aberta de dispositivos de campo, com
possibilidade de cada Scanner poder endereçar até 63 estações, com
distância de até 500m com velocidade de 125K baud. Possui possibilidade
de interligação de diferentes fornecedores, suporta comunicação produtor
consumidor. Os dados de I/O e configuração trafegam no mesmo meio físico
sem interferências. Neste modelo pode-se trafegar os dados a todos que
necessitam ao mesmo tempo. Baseada no protocolo CAN ( Controller Area
Network ),desenvolvido pela Bosch para industria automobilística,o que
garante a sua robustez em ambientes ruidosos. Pode-se fazer a remoção de
nós sem afetar a integridade da rede, possui sinal e alimentação de 24 VCC
no mesmo cabo. Cabo de rede constituído por dois pares trançados: Um par
“sinal” e um par “alimentação” até 8 A com blindagem.




MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 21
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

1.8.10.7 - ETHERNET:
Rede de comunicação de dados local com taxa de comunicação de 10Mbit/s
presente nos controladores da família 5: 5/20E, 5/40E , 5/80E e SLC500 5/05.
Esta rede possui grande versatilidade (inúmeros fabricantes à acessão), grande
estabilidade e velocidade de processamento dos dados. Com uma rede
Ethernet você tem recursos de rede quase ilimitados,pois pode maximizar a
comunicação entre a grande variedade de equipamentos oferecidos por varios
fornecedores.

COMPARANDO REDES:






















1.8.11 - SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO:

INTERBUS-S PROFIBUS DEVICE NET

* Todas as interfaces * Interfaces desenvolvidas * Comunicação Produtor-con-
desenvolvidas pela pela Bosh,Siemens e Klockner sumidor.
Phoenix Contact. Moeler. * Dados de I/O e configuração no
* Participantes predo- * Participantes Europeus. mesmo meio físico sem interfe-
minante Europeus. * Possui 03 opções de protocolo rência.
* Taxa de velocidade * Baixa documentação,desem- * Constituido de uma linha tronco
500Kpbs (2 palavras) penho,alto custo por nó instala- + derivações.
* Cada “byte”de da- do. * Remoção de nós sem afetar in-
dos adicional requer * Pequeno alcance (100m) a tegridade da rede.
um ciclo de rede adi- 12Mbps,Lenta para 24 KM * Até 64 nós endereçados.
cional . 9K. * Sinal e alimentação 24VCC no
* Usuário necessita * Requer o uso de repetidores mesmo cabo.
mapear “manualmen- * Taxas selecionáveis com a dis-
te os dispositivos da ASI tancia.
rede no CLP. * Baixo custo meio físico. * Terminações de 121 Ω ΩΩ Ω em am-
* Sistema Origem- * Fácil de instalar (conectores bos os extremos.
destino: apenas um vampiro). * Rede constituida por dois pares
mestre. * Alimentação pela rede. trançados.
* Dispositivos não * Limitada a dispositivos sim- * Qualquer nó pode acessar o
são alimentados pela ples. barramento quando disponível.
rede. * Alcance ( 300 m c/repetidores) * Como na Ethernet cada nó tenta
* Não se pode remo- * Velocidade ( 167 Kbps ) transmitir quando o barramento
ver um dispositivo da * Mestre / Escravo ( apenas 01 está livre ,ao contrario da Ethernet.
rede. mestre ) .
* Topologia em anel * Não hà limitação quanto a quant.
c/ derivações. de dispositivos ,a base de dados de
cada um dos 64 dispositvos
independe dos demais.
* Baseada no protocolo CAN,o que
garante uma boa imunidade a ruidos

MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 22
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

1.8.12 - Software de programação do PLC:

Cada tipo de fabricante de CLP possui o seu software de programação, cuja
linguagem de programação pode ser: ladder, CSF(diagrama lógico), ou SFC
(linguagem em Grafcet). Através do qual o usuário desenvolve o seu
aplicativo.
Os CLP'S ALLEN BRADLEY utilizam linguagem em ladder e SFC
(PLC5), as instruções lógicas são incorporadas no ladder.

1.8.13 - SISTEMAS DE SUPERVISÃO E ATUAÇÃO NO
PROCESSO:

Basicamente existem dois tipos de sistemas de controle:
SISTEMAS SCADA: Sistemas de Controle e Aquisição de Dados.
Este controle e aquisição de dados pode ser feito por uma interface homem-
máquina ou por um software de supervisão. Se caracterizam por suas
unidades remotas fazerem somente a aquisição dos dados
SDCD : Sistema Digital de Controle Distribuído:
Sistema de controle no qual as suas unidades remotas além de realizarem
aquisição de dados também atuam no processo. O controle da planta fica
distribuído nas diversas etapas.

1.8.14 - INTERFACES HOMEM - MÁQUINA:

Dispositivos de controle com os quais é possível monitoração e atuação no
processo e geração de relatórios de Alarmes (Dtam Plus, Panel View - Allen
Bradley).






MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 23
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

2. SLC500
2.1 - INTRODUÇÃO:
Família de controladores para aplicações na indísstria de máquinas e
pequenos e médios processos industriais.
Apresenta-se sobre duas versões: Arquitetura fixa e Arquitetura modular.
Desenvolve-se a seguir uma apresentação das diversas características destes
dois tipos de arquiteturas.

2.2 - ARQUITETURA FIXA: "SHOEBOX"













Unidade compacta contendo CPU, entradas, saídas e fonte, possui versões
com 20, 30 ou 40 pontos e 24 tipos de combinações diferentes de acordo
com os níveis de tensão de entrada e os tipos de saídas.
TIPOS DE UNIDADES:
1747-L20 : 12E + 8 S
1747-L30 : 18E + 12S
1747-L40 : 24E + 16S
Possui um chassi para expansão com duas ranhuras para que possam ser
acoplados mais dois cartões digitais ou analógicos ou algum módulo de
comunicação compatíveis* (consultar System Overview pg.55).
Velocidade de varredura (Tempo de Scan ) 8ms/K instrução.

UNIDADE FIXA
RACK
A2 C/02
Cartões


1747 -
PIC
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 24
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Capacidade de Memória : 1k instruções = 4k palavras = 8k bytes. Esta
memória tem backup por capacitor que retém o programa por menos 2
semanas, ainda possui uma bateria opcional e módulos de memória
EEPROM e UVPROM.
Canal de comunicação com a rede DH485, mas não há a possibilidade de
enviar dados na mesma, o CLP Fixo somente recebe dados de outros
processadores. Para a alteração da tabela de dados no mesmo há a
possibilidade de se interligar um dispositivo da família DTAM ao mesmo.
Para se programá-lo utiliza-se o conversor DH485 para RS232, (1747 PIC ).
Nos processadores de 24 Vcc a entrada 0 é configurável como um contador
de freqüências de até 8Khz.
Possui uma fonte 24Vcc para o usuário com capacidade de até 200 mA, nos
modelos com alimentação de 110/220 Vca.
Suporta todas as instruções das família SLC 500 exceto PID e MSG.
2.3 - ARQUITETURA MODULAR
Engloba chassis, fontes, CPU'S, módulos de E/S, módulos de Comunicação,
módulos especiais e cabos para interligação.


















FONTE
UMA P/
CADA
CHASSI
C
P
U
ou
A
S
B
MÓDULOS


CABO C7 ou C9
A PARTIR DO 2º
CHASSI A 1º
RANHURA É
UTIL
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 25
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

2.4 - TIPOS DE CHASSIS:
Quatro tamanhos: 1746 A4,A7, A10,A13 com respectivamente 4,7,10 e 13
ranhuras.
Cada CPU ou ASB pode endereçar até 30 Slot's (ranhura ou trilho), a CPU
ou ASB ocupa a primeira ranhura do primeiro chassi nos demais chassis a
primeira ranhura é disponível para um módulo de E/S, a ligação entre os
chassis é feita através de um simples cabo paralelo 1747-C7 ou C9 e
quantidade de chassis é limitada a 03 por CPU ou ASB.

2.5 - FONTES:

Existem 4 tipos de fontes para SLC500:










2.6 - CPU'S:
2.6.1 - Chave Rotativa da CPU:
Permite ao operador localmente alterar o modo de operação do controlador,
existem três modos: Remoto,programação e operação.
• Programação-PROG: Nesta posição o processador não atualiza os pontos
de E/S e permite alterar a tabela de dados do PLC. O led de PROC fica
apagado.
• Operação-RUN: Nesta posição o processador executa o programa e
atualiza os pontos de E/S e permite-se também alterar a tabela de dados
do PLC. O led de PROC fica verde.
• Remoto - REM: Nesta posição o processador permite uma alteração do
modo remotamente através de um terminal de programação.
1746-P1
1746-P2
1746-P3
1746-P4
Tensão de
Entrada
Corrente
em 5 vcc
Corrente em
24 Vcc
Corrente em
24Vcc p/Usu
110/220Vca
110/220Vca
24 Vcc
110/220Vca
2,0 A
5,0 A
3,6 A
10 A
0,46 A
0,96 A
0,87 A
2,88A
200 mA
200mA

1A
1746-P5 90-146 Vcc 5 A 0.96A 200 mA
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 26
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

• Remoto Programação- REM PROG. Nesta posição o processador não
atualiza os pontos de E/S e permite alterar a tabela de dados do PLC. O
led de PROC fica apagado.
• Remoto Operação-REM RUN. Nesta posição o processador atualiza os
pontos de E/S . O led de PROC fica verde.
Nota: Os modos de teste são possíveis através do software de programação.

2.6.2 - Modelos de CPU's:














CÓDIGO DE
CATÁLAGO

MEMÓRIA

E/S LOCAL
E/S REM.
SCAN TÍP.
Temp.Exec.xic

5/05

5/02

5/03

5/04
1747 - L551
1747 - L552
1747 - L553
16K
32K
64K
960
32 palavras E
32 palavras S


0.9 ms/K

0.37us

1747 - L524

4K
480
32 palavras E
32 palavras S

4.8 ms/K
2.4 us
16K
32K
64K
1747 - L541
1747 - L542
1747 - L543
1747 - L531
1747- L532


8 K
16K
960 960
32 palavras E
32 palavras S
32 palavras E
32 palavras S

1ms/K

0.9 ms/K
0.44us 0.37us
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 27
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


2.6.3 - Led's de diagnóstico:

















2.7 - MÓDULOS DE ENTRADA E SAÍDA:
Recomendações para fiação dos dispositivos de E/S se encontram nos
anexos.
2.7.1 MÓDULOS DE E/S DISCRETA:
Existem 34 módulos de 4,8,16 ou 32 pontos ou combinados ( Módulos de 4
ou 8 pontos não têm borneira destacável), isolação para placa de fundo de
1500 V e potência de saída limitada a 1440 VA por módulo.
Módulos de saídas se apresentam sobre três tipos: saídas à relê, à Triac, à
transistor. As saídas à relê podem ser usadas em AC ou DC, a desvantagem
deste tipo de saída é chaveamento mais lento que o triac e a grande
vantagem é uma maior potência e maior qualidade no chaveamento. As
Saídas á triac garantem um chaveamento mais rápido,mas são usadas
somente em corrente alternada.
As saídas à transistor são aplicadas em sistemas com tensão CC e baixa
potência.
Módulos de 32 pontos de entrada: IB32, IV32; Faixa de operação: 18 à 30
VDC a 50ºC, 18 a 26,4 VDC à 60ºC. Consumo = 106 mA.
PROG
SLC 5/03
RUN
FLT
BATT
FORCE
RS232
DH485
RUN REM
ENET

CANAL 1 : Pode ser
DH485,DH+,e
ETHERNET TCP/IP
CANAL 0 : RS232
PODE SER DF1 ,
DH485 ,ASCII
LED'S DE DIAGNÓSTICO
O ESTADO DOS LED'S SE
ENCONTRAM NOS ANEXOS
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 28
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Módulos de 32 pontos de saída: OB32 , OV32: Faixa de operação: 5 à 50
VDC a 60º C. Consumo = 452 mA.
Módulos de 32 pontos incluem Kit (conector + contatos) para montagem de
cabo (1746 N3), possui também cabo pronto opcional e terminal para
montagem em trilho DIN ( 1746 - C15 + 1492-RCM40).
Códigos de catálago:
* Módulos de Entrada. 1746 - I _ _ _
- A = 100/120 VAC.
- C = 48 VDC I/P
- M = 200/240 VAC.
- N = 24 VAC/VDC(sink).
- B = 24 VDC (sink).
- V = 24 VDC (source).
- TB = 24 VDC (sink),resposta rápida on-0,3 ms/ off-0,5 ms (tempo para
reconhecer o nível lógico).
- G = 5VDC (display TTL)
* Módulos de Saída. 1746 - O_ _ _
- A = 120/240 VAC
- AP12 = 120/240VAC 1A
- B = 24 VDC (source),tensão de operação de 10 à 50 volts.
- BP = 20.4 - 26.4 VDC (source)
- BP8 = 24VDC 2A O/P
- V = 24 VDC (sink)
- VP = 20.4 - 26.4 VDC (sink)
- G = 5 VDC (display)
- W = VAC/VDC (Relê)
- X = VAC/VDC (Relê) individualmente isolados.
Módulos Digitais de saída de alta corrente*
- OAP12 = 85 - 265VAC, Corrente por ponto 2A à 30º C , corrente de pico
por ponto: 17A por 25mseg.
- OBP8 = 20,4 - 26,4VDC , 8 pontos tipo sourcing ( 4 comuns ),corrente por
ponto 2A à 60º C , corrente de pico 4 A por 10mseg.
- OAP16 ( sourcing ) e OVP16 ( sinking ) = 20,4 - 26,4 VDC , 16 pontos por
comun / módulo, corrente por ponto: 1,5 A à 30ºC , corrente de pico por
ponto 4,0 A por 10mseg.
- OC16 ( sinking ) = 30 - 55VDC 60ºC, 16 pontos por comum.
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 29
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

* Permitem uma maior abrangência de aplicações nas linhas automotivas,
empacotamento, manuseio de materiais pelo fato de controlar diretamente
solenóides, contatores, motores etc.
Com corrente contínua entre 1 e 2 A à 60ºC.
Módulos com proteção por fusível e diagnóstico de fusível queimado.
Módulos de saída AC tem 2 fusíveis removíveis( um para cada comun ) com
proteção contra curtos.
Tempo de desligamento para cargas indutivas com módulos 1746-OBP16 e
OVP-16 foram reduzidos em 70% em relação aos outros módulos.

Módulos Combinados:
1746 - IO4 - 2 entradas 120 Vac / 2 saídas à relê.
1746 - IO8 - 4 entradas 120 Vac / 4 saídas à relê.
1746 - IO12 - 6 entradas 120 Vac / 6 saídas à relê.

2.7.2 MÓDULOS ANALÓGICOS:
Existem 7 módulos analógicos com 4 pontos de E/S diferenciais, resolução
de 16 bits para as entradas e 14 bits para as saídas.
Todos os módulos possuem isolação para placa de fundo = 500 V
Módulos de entrada
Módulos de entrada para corrente ou tensão selecionáveis por ponto,módulos
para termopar/mV e RTD.
NI4 - 4 entradas diferenciais de V/I
NI8 - 8 entradas diferenciais de V/I
NT4 - 4 entradas para termopar.
NR4 RTD - 4 entradas para resistência.
Módulos Combinados
NIO4I - 2 entradas de V/I, 2 saídas de corrente.
NIO4V- 2 entradas de V/I, 2 saídas de tensão.
Módulos de saída
NO4I - 4 saídas de corrente
NO4V- 4 saídas de tensão
SLC FAST ANALOG *
Entradas Analógicas de alta velocidade
FIO4V - Tem saídas de 0-10v
FIO41 - Tem saídas de 0 a 20mA
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 30
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

* Entradas analógicas de alta velocidade ( 7khz , 3dB ), 2 Entradas e 2 saídas
, outros cartões de entrada analógica são para 10 Hz.

2.7.3 - MÓDULOS ESPECIAIS:

1746 - HSCE:
É um módulo contador de alta velocidade com 1 canal, freqüência de até 50
KHz, possui entradas para encoders de quadratura, pulso + direção ou pulso
up/down. É compatível com SLC 5/02 ou maior.
1746 - DCM:
É um módulo para ligar o SLC á Remote I/O aberta por um CLP 5.
1746 - BAS : MÓDULO BASIC.
Módulo usado para fazer a interface com computadores, modens,
impressoras, balanças e outros equipamentos, é programável em basic,
protocolo DF1 incorporado, possui capacidade de cálculo de funções
trigonométricas e ponto flutuante e relógio de tempo real, portas RS 232,
422, 423, 485 e DH485. Memória de 24KRAM.
1747- KE:
É um módulo para interface DF1/DH485. Se conecta ao SLC através do cabo
C13, usado para aplicações SCADA em programação e supervisão.
1747 - DSN
É um módulo scanner para block I/O.
1770 - KF3
Interface DH485 / DF1, conecta o micro a rede DH485 utilizando protocolo
aberto DF1 sem sobrecarregar o micro e sem ocupar um slot no chassi.
Usado para programação e supervisão (SCADA).
1746 - HSTP1:
Módulo Controlador de motor de passos, fornece controle para um eixo para
aplicações micro-passos. Este módulo de ranhura simples opera com uma
ampla variedade de controladores SLC500 e encoders compatíveis. O
usuário pode programar o módulo para movimentos tanto incrementais
quanto absolutos, dependendo da aplicação, o módulo é programado com o
software de programação do SLC500.
1746 - HS
O sistema de controle de movimento IMC110 é um módulo de servo
posicionamento de malha fechada mono-eixo que se conecta em uma ranhura
simples do SLC500. Quando utilizado com servo acionadores, motores e
encoders, o IMC110 torna-se componente chave de um eficiente sistema de
controle de movimento de baixo custo. A Linguagem de gerenciamento de
movimento (MML) e a Linguagem Gráfica de Controle de Movimento
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 31
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

(GML), fornecem duas ferramentas de programação offline de fácil uso, as
quais auxiliam na depuração e interface gráfica. O IMC 110 substitui
métodos mecânicos de controle de velocidade e posicionamento de
máquinas. O IMC110 orienta o movimento de um mono-eixo,ou haste,por
meio de um sequenciador pré-programado, enquanto monitora um encoder
para realimentação de posição.
1761 NET- AIC:
Módulo Stand Alone responsável pela conexão do CLP Micrologix 1000
na rede DH485, usado também quando se necessita comunicar o SLC500 5
/04 na rede DH485, pode ser interface de programação para CLP’s
conectados em rede DH485 ou acesso à mesma através de modem.
1747 - SN:
Cria um Link de Remote I/O no SLC500 (5/02 ou maior), funciona em 57.6
Kbps( 3.000m), 115.2Kbps (1.500m) e 230.4 Kbps (750m). Suporta 4 Rack’s
lógicos numerados de 0 à 3. O módulo SN série B realiza funções do tipo
“block transfer” e suporta endereçamento complementar.

TABELA IMAGEM
1747 - SN RACK LÓGICO GRUPO
LOGICO








1747 ASB :
Módulo adaptador de Entradas e saídas remotas, funcionalidade baseada na
serie C do Módulo 1771 - ASB , pemite que os processadores SLC & PLC5
controlem módulos da família 1746.
Suporta endereçamento de 1/2, 1 e 2 Slot's e módulos discretos e especiais,
parâmetros de operação configurados através de DIP switches de oito posições
cada. Cada módulo ASB pode controlar até 30 módulos de qualquer tipo
utilizando cabo C7 ou C9 operando a 57.6, 115.2, e 230.4 Kbaud. Suporta I/O
complementar.
Através das chaves miniseletoras pode-se definir: número do rack, número do
grupo lógico inicial, velocidade de transmissão, definicão de chassis primário ou

RACK
LOGICO 0
RACK
LOGICO 1
RACK
LOGICO 2
RACK
LOGICO 3

Grupo lógico 1
Grupo lógico 2
Grupo lógico 3
Grupo lógico 4
Grupo lógico 5
Grupo logico 0
Grupo lógico 6
Grupo lógico 7
16 bits 16 bits
Palavra de
Entrada
Palavra de
Saída
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 32
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

complementar, se não estiver sendo utilizado chassi complementar, todos os
módulos 1747- ASB deverão ser configurados como complementar.
Mini Seletoras.
SW1 : Mini seletoras de 0 à 6 , Rack lógico inicial .
7 e 8 , Grupo lógico inicial.
SW2 : Miniseletoras 1,2 - Baud Rate ( velocidade de acordo com o tamnho
3 - Chassi primário ou complementar.
4,5,6,7,8 : Total de grupos lógicos.
SW3 : 1 , Saídas permanecem no ultimo estado quando alguma falha
ocorrer.
2 , Reset automático da rede.
3 , Tempo de resposta de comunicação.
4 , Estabelece o ultimo chassi.
5 , 6 : Tipo de endereçamento 1 Slot, 2 Slot , ½ Slot.
7 , Endereçamento Discreto ou Block Transfer ( Módulos especiais
e analógicos ).
OBS: Para maiores informações sobre configuração das mini-seletoras utilize
o manual Remote I/O Adapter Module, publicação: 1747-NU002, cap 4.

1784 KR:
Placa compatível com IBM-PC para colocação do micro na rede DH485

1794 Flex I/O:
Equipamento Allen Bradley que possibilita a alocação das remotas junto ao
processo, economizando cabos para transmissão dos dados. Possibilita a
diminuição do tamanho do painel e do custo de instalação devido ao seu
tamanho reduzido. Montado em trilho DIN é composto de um módulo de
acoplamento de remotas "ASB" que é alimentado em 24 VDC,uma base
onde são instaladas as E/S discretas e analógicas. A cada ASB podem ser
conectados até 8 módulos, devido ao custo do ASB deve-se ligar o máximo
de módulos ao mesmo. Este equipamento tem a possibilidade de se poder
trocar os módulos com a processador energizado.





MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 33
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

2.8 - Configurações em Rede e ligações ponto a ponto:

A seguir apresentamos algumas configurações típicas da família SLC500.
Os procedimentos para interligação das redes bem como dispositivos se
encontram nos anexos.

2.8.1 - Programação Ponto A Ponto ( Df1 Full Duplex) :






























PIC
RS232
CANAL 0
RS232
COM1
COM2
5/03
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 34
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

2.8.2 CONFIGURAÇÃO EM REDE DH485

REDE DH485




DTAM-E
DTAM-MICRO
DATAM-PLUS SLC FIXO
1747L20
5/03 (Canal 1-DH485)






Canal 0 (RS 232 )








MODEM OU RADIO MODEM




5/02 OU SUPERIOR


SN
REMOTE I/O

ASB + I/O REMOTOS














PIC
1747 AIC 1747 AIC 1747 AIC
1747 AIC
PANELVIEW 550
PANELVIEW 900
PANELVEIW 1200
PANELVIEW 1400
VERSÃO R/IO
Cabo CD
Cabo C10
Cabo CP3
Cabo C10
Cabo CR
Cabo C10
Cabo C10
Cabo C10


NET
AIC


MICROLOGIX
1000
Cabo
CBLHM02
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 35
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

2.8.3 CONFIGURAÇÃO EM REDE ETHERNET / DH+ / DH485:


REDE ETHERNET

PLC5 - 5/40E





REDE DH+


5/04.






1747-AIC
DH485 5/20B.



PANELVIEW 550
5/02 PROCESSOR OU SUPERIOR
COM MÓDULO 1747-SN 1771 ASB + I/O 1771 ( PLC5)

REMOTE I/0





NET
AIC






5/05
CABO
1761 CBL
PM02
1761 - NET AIC
SN


Placa NE2000
ou Similar.

SUPERVISÓRIO
Cabo CR
Cabo C10
Cabo C10
Cabo CD
Cabo CD

Transciever
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 36
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

2.8.4 - CONTROL NET:
















2.8.5 - Device Net:


















MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 37
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


EXERCÍCIO APLICATIVO:
Elaborar uma configuração para um sistema composto por 4 tipos de processos.
Nos processos 1 & 2 já têm-se controlando-os repectivamente um PLC 5/80E e
um SLC500 5/03. Todos os processos são dependentes.
No processo 3: Têm-se 45 entradas e 18 saídas digitais, há a necessidade de se
alterar valores nos tempos em que serão acionadas algumas bombas e o
operador terá de saber qual a bomba esta funcionando.
No processo 4: Têm-se 182 entradas e 18 saídas digitais que deverão estar
localizadas em um painel na sala de controle e 32 entradas digitais, 10 entradas
analógicas, 8 saídas digitais e 6 saídas analógicas em um painel distante 200
metros da sala de controle. Neste processo necessita-se que o operador tenha
acesso a visualização dos estados dos equipamentos bem como emtrar com um
valor de setpoint para um controle de temperatura, e o supervisor geral precisa
ter um acesso ao estado da planta em seu escritório localizado a 800m do
procesoo, e os técnicos de manutenção deverão ter acesso ao programa do CLP
em suas residencias.
OBS:
- Tensões : considerar E/S = 110 VCA.
- E/S Analógicas : considerar sinais de 4 a 20 mA.
- Os processos 1 e 2 já estão implantados e não há necessidade de especificá-los
.
Especificar todos os equipamentos Allen Bradley, interligações, módulos e
cabos e desenhar a configuração do sistema proposto para minimizar custos.













MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 38
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

3. - ENDEREÇAMENTOS
3.1 - ENDEREÇOS DE ENTRADAS E SAÍDAS.
Define-se como sendo CHASSI, o compartimento físico. Solta ranhura ou
trilho onde serão conectados os módulos e a CPU (sempre no slot 0). RACK
LÓGICO OU GAVETA ao conjunto de 8 grupos lógicos e um GRUPO
LÓGICO pode conter até 16 terminais de entrada e 16 terminais de saída ( 1
palavra de entrada e uma palavra de saída ). RACK FÍSICO é o chassi onde
serão encaixados os módulos e CPU.
Considera-se ainda, k = Nº inteiro igual a 1024. Uma palavra é igual a 16
bits.

3.1.1 SLC 500 FIXO:
Os endereços de I/O para o "SHOEBOX" são fixos e dependem do modelo
utilizado por exemplo:
para a L20 : Entradas - I:0/00 à I:0/11
Saídas - O:0/00 à O:0/07
Os endereços encontram-se discriminados no chassi do CLP.
Para se endereçar o chassi de expansão: I:1 /__ ou O:1/__



3.1.2 - SLC 500 MODULAR RACK LOCAL

I : 1 / 01










Nº SLOT
1 ou 2
NºdoBIT
00 à 15
Tipo
I - Entrada
O - Saída
Nº SLOT
01 à 30
Nº BIT
00 à 15
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 39
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

3.1.3 - SLC500 MODULAR : RACK REMOTO.
Para configuração do módulo ASB considera-se 3 tipos de endereçamentos de
1 slot ( cada slot corresponde a um grupo), 2 slot's (cada 02 Slot's correspondem
a um grupo) e 1/2 Slot (cada 1/2 Slot é um grupo . utilizado em módulos de 32
pontos).
3.1.3.1 - ENDEREÇAMENTO DE 1/2 SLOT
A cada 1/2 Slot contém um grupo lógico.
Este tipo de endereçamento é utilizado com cartões de 32 pontos.
CPU CARTÕES CHASSI - 1771

A4B


0 1 2 3 4 5 6 7 01 23 45 67 01 23 45 67 01 23 45 67
0 1 2 3
3.1.3.2 ENDEREÇAMENTO DE 1 SLOT
A cada 1 Slot contém um grupo lógico.
Este tipo de endereçamento é utilizado com cartões de 16 pontos.
CPU CARTÕES CHASSI - 1771

A4B


0 1 2 3 4 5 6 7 0 1 2 3 4 5 6 7









0 1
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 40
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

3.1.3.3 ENDEREÇAMENTO DE 2 SLOT
A cada 2 Slot contém um grupo lógico.
Este tipo de endereçamento é utilizado com cartões de 8 pontos.
CPU CARTÕES CHASSI - 1771

A4B


0 1 2 3 4 5 6 7
Rack 0

_______ : ______ ______ _____ / ____ ____
O: Saída Rack Lógico Grupo Bit 00 à 07 / 10 à 17.
I: Entrada

No módulo SN , considera-se dois tipos de endereçamentos. discreto e block
transfer.



















PROCESSADOR
SLC




1747 RIO SCANNER

M FILES
I/O IMAGE
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 41
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.





.
.














3.1.3.4 ARQUIVO “G”
Quando se utiliza o módulo SN deve-se configurar o arquivo G, este é baseado
nos dispositivos que você tem em sua rede remote I/O . Neste arquivo
configura-se o endereço de partida do dispositivo,o tamanho imagem do
dispositivo e o endereço fisico do dispositivo no adaptador.
Não pode-se programar o arquivo “G” ON-LINE. Faz-se as mudanças em OFF
LINE e em seguida descarrega-se para ON-LINE Este arquivo consta de 5
palavras:











S
N
A
S
B
A
S
B
FONTE
1746 NI4
1746NO4I
M1 : 1 . 101 = 4
M1 : 1.102 =001
MO : 1 .101 = 4
MO : 1 .102 = 052
EXEMPLO:
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 42
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Word 0 :Setada automaticamente e não pode ser alterada.
Word 1:Endereço Lógico do dispositivo,consiste do rack lógico (0,1,2 ou 3)
e grupo lógico inicial (0,2,4 ou 6 ).
Word 2: Tamanho imagem do dispositivo.








Word 3: Endereço Lógico do dispositivo ultilizando I/O Complementar
,consiste do rack lógico (0,1,2 ou 3)e grupo lógico inicial (0,2,4 ou 6 ).
Word 4: Tamanho imagem do dispositivo no I/O complementar.
No software RSLogix pode-se configurar automaticamente o arquivo G.
3.1.3.5 TIPOS DE ENDEREÇAMENTOS - módulo SN.
3.1.3.5.1 - Modo Discreto. (Módulos discretos)





e: número do slot do módulo SN.






ENTRADAS
I : e . 0 atè I : e. 31

SAIDAS
O : e . 0 atè O : e. 31

1 1
1 1 1 1
1
0 1 1 0
1 1 1 0
¼ Rack.
Rack Completo
½ Rack
¾ Rack.
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 43
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

3.1.3.5.2 - Modo Block Transfer. ( Módulos Especiais e
analógicos )
O módulo RIO SCANNER realiza transferências de block transfer direto
e aloca nos arquivos M0 e M1 do módulo SN.
Para BTW’s o M0 BT Buffer contém dados de controle da BTW e dados da
BTW enquanto que a correspondente M1 BT Buffer contém somente
informações de STATUS da BTW.
Para BTR’s,o M0 BT Buffer cotém somente dados de controle da
BTR,enquanto uma correspondente M1 BT Buffer contém informações de
STATUS da BTR e dados da BTR . Os Block Transfer ocorrem assíncronos
as transferências discretas.
Existem um total de 32 Block Transfer de controle e Status no M0 (saídas /
Controle ) e 32 Block Transfer de saídas e controle.
O Buffer de block Transfer consiste de:
* 3 BT, palavras de controle em um buffer de BT no arquivo MO.
* 4 BT, palavras de Status em um Buffer de BT no arquivo M1.
* 64 BT, palavras de BTW no arquivo M0 e 64 palavras de BTR no arquivo
M1.
Usa-se o arquivo M0, buffer de controle de BT para iniciar a block transfer
e o correspondente arquivo M1 para mostrar o Status da Block Transfer.
Os Buffers de BT consistem de 100 palavras nos arquivos M0 e M1 partindo
da palavra 100.
Por exemplo: BT Buffer 1 está no M0:e.100 e M1:e.100 ; o BT Buffer 2
está localizado no M0:e.200 e M1:e.200.
Todos os buffers de block transfer são zerados quando do inicio do ciclo de
ligação do CLP.
ARQUIVO M0: BLOCK TRANSFER OUTPUT / CONTROL BUFFERS.
Existem 32 Buffer de BT alocados no arquivo M0, estes buffers contém
informações de controle de BTR/BTW e saídas de dados da instrução
BTW.
M0 : e . x 00
e = numero de slot do módulo SN.
x = numero da BT. ( 1 À 32 )
- M0 : e . X 00 => BIT’S DE CONTROLE.
- M0 : e . X 01 => TAMANHO DA BT. 0 À 64.
- M0 : e . X 02 => ENDEREÇO ( RACK,GRUPO,SLOT ).
- M0 : e . X 03 => ATÉ 09 RESERVADO.
- MO : e . 10 ATÈ MO : e X 73 => LOCALIZAÇÃO DOS DADOS.
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 44
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


ARQUIVO M1: BLOCK TRANSFER IMPUT / STATUS BUFFERS.
Existem 32 Buffer de BT alocados no arquivo M1, estes buffers contém
informações de STATUS de BTR/BTW e ENTRADAS de dados da
instrução BTR.
M1 : e . x 00
e = numero de slot do módulo SN.
x = numero da BT. ( 1 À 32 )
- M1 : e . X 00 => BIT’S DE CONTROLE.
- M1 : e . X 01 => TAMANHO DA BT. 0 À 64.
- M1 : e . X 02 => ENDEREÇO ( RACK,GRUPO,SLOT ).
- M1 : e . X 03 => ATÉ 09 RESERVADO.
- M1 : e . 10 ATÈ M1 : e X 73 => LOCALIZAÇÃO DOS DADOS.
( 0 À 63 ).
Para informações mais detalhadas favor consultar o manual do
módulo SN publicação - 1747 - 6.6


















MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 45
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

3.2 - TIPOS DE ARQUIVOS:

3.2.1 ARQUIVOS DE PROGRAMA:
Arquivos onde são armazenadas as subrotinas do programa aplicativo,pode-se
ter de 0 à 255 arquivos de programa. Os arquivos 0 e 1 são arquivos
reservados , o arquivo 2 é o arquivo principal, o processador "varre" este arquivo
e a partir dele faz a leitura dos demais, portanto se o usuário quiser que os
outros arquivos sejam varridos deverá usar uma instrução de salto para
subrotina neste arquivo 2.
Do arquivo 3 ao 255 são arquivos utilizados pelo usuário.
Este arquivos são visualizados na tela de diretório de programa do software
APS.

3.2.2 ARQUIVOS DE DADOS-TABELA DE DADOS:

São os endereços presentes na memória do CLP.

Nº do Arquivo: Tipo: NºElementos NºW.
0 -------------------- Saídas. ( O ) P/El.
1 --------------------- Entradas. ( I )
2 ------------------------- Status ( S2 )
3 -------------------- Bit ( B3) B3:0 ------ B3:255 01
4 ---------------------Temporizador ( T4 ) T4:0 -------- T4:255 03
5 -------------------- Contador ( C5 ) C5:0 -------- C5:255 03
6 -------------------- Controle ( R6 ) R6:0 -------- R6:255 01
7 -------------------- Nº inteiro ( N7 ) N7:0 -------- N7:255 01
8 -------------------- Ponto flutuante ( F8 ) F8:0 --------- F8:255 02 *
9 ----- 255 configuráveis pelo usuário.
* presente no 5/03 série C em diante e 5/04. Armazenam valores na faixa de
± 1,754944 x 10 ^-38 à ± 3,4028 x 10 ^ +38 .





MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 46
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


ARQUIVOS DE ENTRADA:
Identificados pela letra "I" ,correspondem aos endereços das entradas na
memória do CLP.

ARQUIVOS DE SAÍDA:
Identificados pela letra "O", correspondem aos endereços das saídas na
memória do CLP.

ARQUIVOS DE STATUS "S2":
São arquivos onde são armazenados valores relativos ao status do
processador tais como relógio de tempo real, falhas ocorridas, habilitação
dos Slot’s, situações decorrentes da execução do programa,funcionalidade da
memória,modos de operação, tempos de varredura,taxas de
transmissão,estado das chaves miniseletoras e outras informações.
Descricão das palavras do arquivo de Status se encontram nos anexos.
ARQUIVO DE BIT "B3":
São arquivos onde são armazenados valores usados pelo programa
aplicativo: Cada arquivo possui 256 elementos B3:0 à B3:255 e cada
elemento pode armazenar valores de 0 à 32767, com cerca de 16 bits.
O SLC 500 possui 4096 bits internos no arquivo B3. Cada bit desses pode
por exemplo armazenar o estado de um equipamento ou significar uma etapa
de processo etc.

ARQUIVO TEMPORIZADOR "T4":
São arquivos onde são armazenados os dados referentes às instruções de
temporizadores.

ARQUIVO CONTADOR "C5".
São arquivos onde são armazenados os dados referentes às instruções de
contadores.
ARQUIVO DE CONTROLE "R6".
São arquivos onde são armazenados endereços de controle de determinadas
instruções, estes endereços são o status da instrução ou seja como ela esta se
comportando durante a execução do programa aplicativo.



MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 47
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


ARQUIVO DE NUMERO INTEIRO "N7"
Este arquivo armazena valores de números inteiros a serem usados pelo
programa aplicativo. Este arquivo possui 256 elementos ( N7:0 à N7:255) e
gasta 01 palavra por elemento.
Armazena valores na faixa de -32768 à 32767.

ARQUIVO DE PONTO FLUTUANTE "F8".
Este arquivo armazena valores numéricos decimais, possui 256 elementos e
gasta 02 palavras por elemento, trabalha com valores na faixa de
± 1,754944 x 10 ^-38 à ± 3,4028 x 10 ^ +38.

ARQUIVOS PARA USO ALEATÓRIO DE 9 À 255.
Estes arquivos podem representar qualquer um dos arquivos anteriores , pode-
se criar um arquivo N10 , T11, C200, no entanto se criado o arquivo 10 ,por
exemplo, não pode-se associar mais nenhum endereço a ele ou seja se você o
criou N10 não poderá criar, por exemplo, um C10.
3.3 - ENDEREÇAMENTO DE ARQUIVOS (PILHAS).

Neste tipo de endereçamento usado em algumas instruções,pode-se definir
índices de pilhas de dados ou seja você pode endereçar blocos de memória.
Define-se o caractere # para configurar estes blocos. Por exemplo se temos
# N7:0 , isto significa que temos uma pilha de dados começando em N7:0
cujo tamanho o usuário define na sua instrução.


N7:0 # N7:0
N7:1 Lenght: 6
N7:2
N7:3
N7:4
N7:5




MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 48
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

3.4 - ENDEREÇAMENTO INDIRETO:

Neste tipo de endereçamento o usuário poderá especificar um endereço como
indireto através da troca do numero de arquivo,número de elemento ou sub-
elemento com o símbolo "[ Xf:e.s ]" . A parte interna do colchete será então
preenchida por um valor. Esse valor poderá corresponder a um endereço de
arquivo,elemento ou sub- elemento.
ex. Endereçamento indireto : B3:[ N10:2 ]
SE ........... N10:2 = 5
Então ....... B3: [ N10:2 ] indicará o endereço B3:5
N[ N7:0 ] : [ N7:1 ]

3.5 - ENDEREÇAMENTO COMPLEMENTAR.
É utilizado quando se deseja obter a capacidade máxima dos pontos de
Entrada e Saída do processador para tanto um rack deverá conter cartas que
sejam simétricas às do chassi complementar. Por exemplo se tem na R I/O
um módulo ASB e configura-se como complementar e no grupo 1 contêm
um cartão de entrada , no Grupo 1 do cartão complementar terá de ser
inserido um cartão de saída, pois sabe-se que um grupo pode conter até 16
terminais de entrada e 16 terminais de saída. Deste modo obtêm-se a
capacidade máxima do processado
3.6 - ENDEREÇAMENTO INDEXADO:

Define-se um apontador de pilhas de dados , o valor em S:24, será o valor
atual do elemento do endereço posterior à instrução designada pelo #.









MOV

SOURCE: C5:0.ACC


DEST S:24
ADD

SOURCE A: N7:10
SOURCE B: # N7:50
DEST N32:20
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 49
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


4. - INSTRUÇÕES:
4.1 INSTRUÇÕES DO TIPO RELÊ
4.1.1 - Generalidades:
- Examinar se Energizado ( XIC )
- Examinar se Desenergizado ( XIO )
- Energizar Saída ( OTE )
- Energizar Saída com Retenção ( OTL )
- Desenergizar Saída com Retenção ( OTU )
- Monoestável Sensível à Borda de Subida ( OSR )
Essas instruções são utilizadas em um único bit de dado, o qual pode ser
endereçado sempre que necessário. Durante a operação, o controlador pode
energizar ou desenergizar o bit, baseado na continuidade lógica das linhas do
programa de aplicação.
Os seguintes arquivos de dados utilizam as instruções de bit:
- Arquivos de entrada e saída. As instruções representam entradas e saídas
externas.
- Arquivos de status.
- Arquivo de bit. As instruções são utilizadas para a lógica de relê interna do
programa.
- Arquivos de temporizador, contador e controle. As instruções utilizam os
vários bits de controle.
- Arquivo de inteiro. As instruções são utilizadas ( a nível de bit ) á medida
que são necessárias ao programa de aplicação.
4.1.2 - Instruções “Examinar”:
- Examinar se Energizado ( XIC )
- Examinar se Desenergizado ( XIO )
Essas instruções permitem que o controlador verifique o estado
energizado/desenergizado de um endereço específico de bit na memória.
“Um” ou “Zero”, armazenado no, endereço do bit, pode representar o estado
real energizado ou desenergizado de um único dispositivo de E/S.




MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 50
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

4.1.2.1 - Examinar se Energizado ( XIC ):


Quando um dispositivo de entrada fecha seu circuito, o terminal de entrada
conectado ao mesmo indica um estado energizado, que é refletido no bit
correspondente do arquivo de entrada.
Quando o controlador localiza uma instrução com o mesmo endereço, ele
determina que o dispositivo de entrada está energizado, ou fechado, e ajusta
a lógica da instrução para verdadeira.
Quando o dispositivo de entrada não mais fecha seu circuito, o controlador
verifica que o bit está desenergizado e ajusta a lógica dessa instrução para
falsa ( tabela 1.A ).

4.1.2.2 - Examinar se Desenergizado ( XIO ):



Quando um dispositivo de entrada não é acionado, o terminal de entrada
conectado a ele indica um estado desenergizado, que é refletido no bit
correspondente do arquivo de entrada. Ao localizar uma instrução XIO com
o mesmo endereço, o controlador determina que a entrada está desenergizada
e ajusta a lógica da instrução para verdadeira. Quando o dispositivo é
acionado, o controlador ajusta a lógica dessa instrução para falsa.

4.1.3 - Instruções Energizar/Desenergizar Saída:
Essas instruções são as seguintes:
- Energizar Saída ( OTE )
- Energizar Saída com Retenção ( OTL )
-Desenergizar Saída com Retenção ( OTU )






MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 51
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

4.1.3.1 - Energizar saída ( OTE ): ( )
O estado de um terminal de saída é indicado através de um bit específico
do arquivo de saída. Ao ser estabelecida uma lógica verdadeira na linha de
programa que contém a instrução OTE, o controlador energiza o respectivo
bit, fazendo com que o terminal seja acionado. Caso essa lógica verdadeira
não seja estabelecida, o controlador desenergiza o bit, a instrução OTE é
desabilitada e o dispositivo de saída associado é desenergizado.
A instrução OTE é não-retentiva e a mesma é desabilitada quando:
- O controlador for alterado para o modo Operação ou teste, ou quando a
alimentação é restaurada;
- Ocorrer um erro grave;
- A instrução OTE for programada dentro de uma zona MCR falsa.
Deve-se observar que uma instrução OTE habilitada em uma área de
subrotina permanecerá habilitada até que haja uma nova varredura na área de
subrotina.
4.1.3.2 - Energizar Saída com Retenção ( OTL ) e desenergizar
Saída com Retenção ( OTU ):
Essas instruções são instruções de saída retentiva e, geralmente, são
utilizadas aos pares para qualquer bit da tabela de dados controlado pelas
mesmas. Também podem ser empregadas para inicializar valores de dados a
nível de bit.

( L ) ( U )

Quando se determina um endereço para a instrução OTL que corresponde
ao endereço de um terminal do módulo de saída, o dispositivo de saída
conectado a este terminal será energizado assim que o bit na memória for
energizado. O estado habilitado deste bit é determinado pela lógica da linha
anterior às instruções OTL e OTU.
Caso a lógica verdadeira seja estabelecida com instruções de entrada, a
instrução OTL é habilitada. Se a mesma não for estabelecida e o bit
correspondente na memória não tiver sido energizado previamente, a
instrução OTL não será habilitada. Entretanto, se a lógica verdadeira foi
estabelecida previamente, o bit na memória será retido energizado, assim
permanecerá, mesmo após as condições da linha terem se tornado falsas.
Uma instrução OTU com o mesmo endereço da instrução OTL rearma (
desabilita ou desenergiza ) o bit na memória. Quando uma lógica verdadeira
é estabelecida, a instrução OTU desenergiza seu bit correspondente na
memória.
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 52
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Quando o controlador passa do modo Operação para programação., ou na
queda de alimentação ( desde que haja uma bateria de back-up instalada ou
um capacitor ), a última instrução verdadeira de Energizar ou Desenergizar
Saída com Retenção continua a controlar o bit na memória. O dispositivo da
saída energiza com retenção é energizado mesmo que a condição na linha,
que controla a instrução de energizar saída com retenção, passe a falsa.
Ao retornar ao modo Operação ou no caso da alimentação ser restaurada, o
controlador inicialmente varre todas as linhas como se fossem falsas. As
instruções retentivas mantêm o seu estado.
O programa de aplicação pode examinar um bit controlado pelas instruções
OTL e OTU sempre que necessário.
4.1.4 - Monoestável Sensível à Borda de Subida:
Esta instrução torna a linha verdadeira durante uma varredura com uma
transição de falsa para verdadeira da condição anterior à atual da linha.
As aplicações para esta instrução incluem iniciar eventos acionados por um
botão de comando, como por exemplo, “congelar” valores exibidos muito
rapidamente ( LED ).
As figuras 1.6, 1.7 e 1.8, ilustradas a seguir, exibem a utilização da instrução
ONS.

I:1/0 B3/0 O:0001/00
[OSR ] ( )
Figura 1.6
Na figura 1.6, quando a instrução de entrada passa de falsa para verdadeira,
a instrução OSR condiciona a linha de forma que a saída fique verdadeira
durante uma varredura do programa. A saída passa a falsa e assim
permanece durante várias varreduras até que a entrada realize uma nova
transição de falsa para verdadeira.
Importante: As condições de entrada não devem ser posicionadas depois da
instrução OSR em uma linha. Caso contrário, operação imprevista pode
ocorrer.
4.1.4.1 Parâmetros da Instrução OSR:
Deve-se utilizar um endereço de bit de arquivo de bit ou do arquivo de
inteiro. Esse bit endereçado é energizado á medida que as condições
anteriores à instrução OSR são verdadeiras e o mesmo é desenergizado
quando as condições anteriores à instrução OSR são falsas.
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 53
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

O endereço do bit utilizado para esta instrução deve ser específico, ou seja,
não deve ser empregado em nenhuma outra parte do programa de aplicação.
No PLC5 têm ainda a instrução de monestável sensível a borda de descida.
Importante: Recomenda-se não utilizar um endereço de entrada ou saída
juntamente com a instrução OSR.

Exercícios Aplicativos:

1 - Energizar uma lâmpada quando uma chave fim de curso fechar no
campo.


2 - Acionar uma sirene quando um pressostato (NF) atuar no campo.


3 - Desenvolver o programa aplicativo para uma partida direta de um motor
com sinalização de ligado,desligado e sobrecarga.


DESL. (NF)

NF ( T ) C1
C2 T


NA
LIGA C1


L1 L2 L3





MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 54
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.



4.2 - Instruções de temporizador e contador
4.2.1 - Generalidades:
-Temporizador na Energização ( TON ): conta intervalos de bases de tempo
quando a instrução é verdadeira. A base de tempo é selecionada entre 0,01s
ou 1,0s
- Temporizador na Desenergização ( TOF ): conta intervalos de base de
tempo quando a instrução é falsa. A base de tempo é selecionada entre 0,01s
ou 1,0s .
- Temporizador Retentivo ( RTO ): este temporizador retém o seu valor
acumulado quando a instrução se torna falsa.
- Contador Crescente ( CTU ): a contagem é incrementada a cada transição
de falso para verdadeiro. - Contador Decrescente ( CTD ): a contagem é
decrementada a cada transição de falso para verdadeiro.
- Rearme de Temporizador/Contador ( RES ): esta instrução zera o valor
acumulado e os bits de estado de um contador ou temporizador, sendo que a
mesma não pode ser utilizada com uma instrução TOF.
4.2.2 - Descrição:
As instruções de temporizador e contador requerem três palavras do arquivo
de dados. A palavra 0 é a palavra de controle que contém os bits de estado
da instrução. A palavra 1 é o valor pré-selecionado. A palavra 2 corresponde
ao valor acumulado.
Para os temporizadores, o valor acumulado é o número atual de intervalos
temporizados que transcorreram; para contadores, é o número de transições
de falso para verdadeiro que ocorreram. O valor pré-selecionado é o valor
inserido para controlar a temporização ou contagem da instrução.
Quando o valor cumulado for igual ou maior que o valor pré-selecionado, o
bit de estado será energizado. Pode-se utilizar este bit para controlar um
dispositivo de saída.
Os valores pré-selecionado e acumulado para temporizadores variam de 0 a
+ 32.767 e os valores para contadores variam de -32.768 a + 32.767.
Se o valor acumulado ou pré-selecionado do temporizador for um número
negativo, ocorrerá um erro de run-time, causando falha no controlador.





MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 55
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

4.2.3 - Instruções de Temporizador
- Temporizador na Energização ( TON )
- Temporizador na Desenergização ( TOF )
- Temporizador Retentivo ( RTO )
Essas instruções encontram-se descritas nas seções a seguir.
4.2.3.1 Bits de Estado
Os dados da palavra de controle para as instruções de Temporizadores
incluem ( figura 2.2 ):
- Três bits de estado do temporizador
- Oito bits utilizados internamente para precisão da instrução de
temporizador ( não é possível acessar esses bits a partir do dispositivo de
programação ).
Figura 2.1
15 14 13





4.2.3.2 Base de Tempo
- 1,0 segundos
- 0,01 segundo ( 10 milisegundos )
4.2.3.3 Precisão

A precisão de temporização está entre - 0,01 a 0 segundos com uma
varredura de programa de até 2,5 segundos.
A precisão aqui descrita se refere apenas à duração de tempo entre o
momento que uma instrução de temporizador é habilitada ( bit de habilitação
é energizado ) e o momento que o intervalo temporizado é completo ( bit de
executado é energizado ). A imprecisão causada pela varredura do programa
EN TT DN
Valor Pré-selecionado
Valor Acumulado
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 56
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

pode ser maior que a base de tempo do temporizador. Deve-se também
considerar o tempo necessário para energizar o dispositivo de saída.
Os resultados do temporizador podem ser imprecisos se as instruções
JMP/LBL ou JSR/SBR fizerem com que o programa pule a linha que contém
a instrução de temporizador, enquanto o temporizador está registrando o
tempo. Se a linha ficar 2,5 segundos sem ser varrida, não haverá perda de
tempo, porém, se o tempo exceder 2,5 segundos, um erro de temporização
não detectável irá ocorrer.
4.2.3.4 - Temporizador de Energização ( TON )
Figura 2.2
Formato da Instrução ( TON )
( EN)

(DN)



A instrução de Temporizador na Energização ( TON ) inicia a contagem
dos intervalos da base de tempo quando a condição da linha se torna
verdadeira. À medida que a condição da linha permanece verdadeira, o
temporizador incrementa seu valor acumulado ( ACC ) a cada varredura até
atingir o valor pré-selecionado ( PRE ). O valor acumulado é zerado quando
a condição da linha for falsa independente do temporizador ter ou não
completado a temporização. O bit de executado ( DN ) é energizado quando
o valor acumulado é igual ao valor pré-selecionado e é desenergizado
quando a condição da linha se torna falsa. O bit de temporizador ( TT ) do
temporizador é energizado quando a condição da linha é verdadeira e o valor
acumulado é menor que o valor pré-selecionado. Quando o bit de executado
é energizado ou a condição da linha é falsa, esse bit é desenergizado. O bit
de habilitação ( EN ) do temporizador é energizado quando a condição da
linha é verdadeira. Caso contrário, esse bit é desenergizado. Se o controlador
for passado do modo Operação ou Teste para Programação, ou então, se a
alimentação for perdida enquanto uma instrução TON está contando o tempo
sem ainda ter atingido o valor pré-selecionado, ocorre o seguinte:
- os bits de habilitação e temporizados permanecem energizados;
- o valor acumulado permanece o mesmo.
Quando o controlador retorna ao modo Operação ou Teste, pode acontecer o
seguinte:
TON
Timer on delay

Timer:
Time Base:
Preset:
Accum
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 57
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

- se a linha for verdadeira, o valor acumulado é zerado e os bits de
habilitação e temporizado permanecem energizados.
- se a linha for falsa, o valor acumulado é zerado e os bits de controle são
desenergizados.
4.2.3.5 - Temporizador na Desenergização ( TOF )
A instrução de temporizador na desenergização ( TOF ) inicia a contagem
dos intervalos da base de tempo quando a linha realiza uma transição
verdadeira para falsa. À medida que a condição da linha permanece falsa, o
temporizador incrementa o seu valor acumulado
( ACC ) a cada varredura até atingir o valor pré-selecionado ( PRE ). O valor
acumulado é zerado quando a condição da linha for verdadeira, independente
do temporizador ter realizado a temporização.
O bit de executado ( DN ) é desenergizado quando o valor acumulado é igual
ao valor pré-selecionado e o mesmo é energizado quando a condição da linha
se torna verdadeira.
O bit de temporizado ( TT ) é energizado quando a condição da linha é falsa
e o valor acumulado é inferior ao valor pré-selecionado. Esse bit é
desenergizado quando a condição for verdadeira ou quando o bit de
executado for desenergizado.
O bit de habilitação ( EN ) é energizado quando a condição da linha é
verdadeira. Caso contrário, esse bit é desenergizado.
Se o controlador foi passado do modo Teste ou Operação para Programação,
ou então, se a alimentação for perdida enquanto uma instrução TOF estiver
contando o tempo, sem ter atingido o valor pré-selecionado, ocorre o
seguinte:
- o bit de habilitação permanece desenergizado;
- os bits de executado e temporizado permanecem energizados;
- o valor acumulado permanece o mesmo.
Quando o controlador retorna ao modo Operação ou Teste, pode acontecer o
seguinte:
- se a linha for verdadeira, o valor acumulado é zerado, o bit de temporizado
é desenergizado, o bit de habilitação é energizado e o bit de executado
permanece energizado.
- se a linha for falsa, o valor acumulado e ajustado conforme especificado no
valor pré-selecionado e os bits de controle serão desenergizados.
A instrução RES de contador/temporizador não deve ser empregada com a
instrução TOF.
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 58
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

4.2.3.6 - Temporizador Retentivo ( RTO )
A instrução RTO inicia a contagem dos intervalos da base de tempo quando
a condição da linha se torna verdadeira. À medida que a condição da linha
permanece verdadeira, o temporizador incrementa o seu valor acumulado (
ACC ) a cada varredura até atingir o valor pré-selecionado( PRE ). O valor
acumulado é retido quando:
- a condição da linha se torna falsa;
- o controlador é alterado de Operação ou Teste para Programação;
- o controlador perde a alimentação ( desde que seja mantida a bateria de
back up );
- ocorre uma falha.
Quando o controlador retorna ao modo Operação ou Teste e/ou a condição
da linha passa a verdadeira, a temporização continua a partir do valor
acumulado retido. Ao reter o seu valor acumulado, o temporizador retentivo
mede o período em que a condição da linha está verdadeira. Pode-se utilizar
esta instrução para energizar ou desenergizar uma saída dependendo da
lógica do programa.
Os bits de estado da instrução RTO operam como descrito a seguir:
- o bit executado ( DN ) é energizado quando o valor acumulado é igual ao
valor pré-selecionado. No entanto, esse bit não é desenergizado quando a
condição da linha se torna falsa; ele só é desenergizado quando a instrução
RES é habilitada.
- o bit de temporizado ( TT ) da instrução de Temporizador Retentivo é
energizado quando a condição da linha é verdadeira e o valor acumulado é
menor que o valor pré-selecionado. Quando a condição da linha passa a
falsa ou quando o bit de executado é energizado, o bit de temporizado é
desenergizado.
- o bit de habilitação (EN ) é energizado quando a condição da linha é
verdadeira e é desenergizado quando a condição se torna falsa.
O valor acumulado deve ser zerado pela instrução RES. Quando essa
instrução com o mesmo endereço da instrução RTO for habilitada, o valor
acumulado e os bits de controle são desenergizados.
Quando o controlador é passado do modo Operação ou Teste para
Programação ou Falha, ou então quando a alimentação é perdida enquanto o
temporizador está registrando o tempo sem ainda ter atingido o valor pré-
selecionado, o bit de habilitação e o de temporizado permanecem
energizados e o valor acumulado permanece o mesmo.
Quando se retorna ao modo Operação ou Teste ou a alimentação é
restaurada, se a linha for verdadeira. O valor acumulado permanecerá o
mesmo e continuará registrando o tempo a partir de onde parou, e o bit de
temporizado e de habilitação permanecerão energizados. Se a linha for falsa,
o valor acumulado permanecerá o mesmo e os bits de temporizado e
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 59
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

habilitação serão desenergizados e o bit de executado permanecerá em seu
último estado.
4.2.3.7 - Instruções de Contador Crescente/Decrescente ( CTU e CTD ):
Figura 2.5
Formato das Instruções CTU e CTD

(CU )

( DN)

As instruções de Contador Crescente ( CTU ) e Contador Decrescente(CTD )
contam as transições de falsa para verdadeira, as quais podem ser causadas
por eventos que ocorrem no programa, tais como peças que passam por um
detetor.
Cada contagem é retida quando as condições da linha se tornam falsas e,
assim permanece até que uma instrução RES, com o mesmo endereço da
instrução de contador, seja habilitada.
Cada instrução de contador possui um valor pré-selecionado e acumulado, e
uma palavra de controle associada.
A palavra de controle para as instruções de contador incluem seis bits de
estado, conforme ilustra a figura 2.

Figura 2.6
Palavra de Controle da Instrução de Contador
15 14 13 12 11 10




Os valores acumulado e pré-selecionado são armazenados como números

Quando as condições da linha para uma instrução CTU passam de falsa
para verdadeira, o valor acumulado é incrementado de um, desde que haja
uma varredura entre essas transições. Quando isto ocorre sucessivamente até
CTU

Count Up.
Counter:
Preset:
Accum
CU CD DN OV UN UA Não Utilizada
Valor Pré-selecionado
Valor Acunulado
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 60
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

que o valor acumulado se torne igual ao valor pré-selecionado, o bit de
executado é energizado, permanecendo neste estado se o valor acumulado
exceder o valor pré-selecionado.
O bit 15 da palavra de controle da instrução de Contador é o bit de
habilitação de Contador Crescente ( CU ). Esse bit é energizado quando a
condição da linha é verdadeira e desenergizado quando a condição da linha
se torna falsa ou uma instrução RES, com o mesmo endereço da instrução
CTU, é habilitada.
A instrução CTU pode contar além de seu valor pré-selecionado. Quando a
contagem ultrapassa o valor pré-selecionado e atinge ( 32.767+1 ), ocorre
uma condição de overflow. Isso é indicado quando o bit 12, bit de overflow (
OV ), é energizado.
Pode-se desenergizar o bit de overflow habilitando-se uma instrução RES
com o mesmo endereço da instrução CTU. Também é possível desenergizá-
lo, decrementando a contagem para um valor menor ou igual a 32.767 com
uma instrução CTD.
Quando o bit de overflow ( OV ) é energizado, o valor acumulado atinge -
32.768 e continua a contagem crescente a partir daí.
As instruções CTD também contam as transições da linha de falsa para
verdadeira. O valor acumulado do contador é decrementado a cada transição
de falsa para verdadeira. Quando ocorrer um número suficiente de contagens
e o valor acumulado se tornar menor que o valor pré-selecionado, o bit de
executado ( bit 13 ) do contador é desenergizado.
O bit 14 da palavra de controle da instrução de contador é o bit de
habilitação de contador crescente ( CD ). Esse bit é energizado quando a
condição da linha é verdadeira e é desenergizado quando a condição da linha
se torna falsa ( contador decrescente desabilitado ) ou a instrução apropriada
de desenergização é habilitada.
Quando a instrução CTD conta além do seu valor pré-selecionado e atinge ( -
32.768 - 1 ), o bit de underflow ( bit 11 ) é energizado. Pode-se desenergizar
esse bit, habilitando-se a instrução RES apropriada. Pode-se também
desenergizá-lo, incrementando a contagem para um valor maior ou igual a -
32.768 com uma instrução CTU com o mesmo endereço da instrução CTD.
Quando o bit de underflow ( UN ) é energizado, o valor acumulado atinge +
32.767 e continua a contagem decrescente a partir daí.
As instruções CTU e CTD são retentivas. O valor acumulado é retido depois
que a instrução CTU ou CTD passa a falsa e quando a alimentação do
controlador é removida e, a seguir, restaurada.
Os estados energizado ou desenergizado dos bits de executado, overflow e
onderflow também são retentivos. Esses bits de controle e o valor acumulado
são zerados quando a instrução RES é habilitada.
O bit 10 da palavra de controle da instrução de contador é o bit de
atualização de acumulador ( UA ) utilizado para o contador de alta
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 61
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

velocidade ( HSC ) nos controladores de E/S fixa. Quando esse bit é
energizado, o valor acumulado no registrador interno do controlador é lido e
armazenado no valor acumulado da instrução. A seguir, o bit de atualização
do acumulador ( UA ) é desenergizado.
4.2.3.8 - Instrução de Rearme de Temporizador/Contador ( RES )
Figura 2.8
Formato da Instrução RES
( RES )

Utiliza-se uma instrução RES para zerar instruções de Contador e
Temporizador. Quando a instrução RES é habilitada, ela zera a instrução de
Temporizador, Contador Crescente ou Contador Decrescente com o mesmo
endereço da instrução RES.
Em uma instrução de Temporizador, quando uma instrução RES é habilitada,
são zerados o valor acumulado, o bit de executado, o bit de temporizado e o
bit de habilitação.
Já em uma instrução de Contador Crescente ou Decrescente são zeradas o
valor acumulado, os bits de overflow ou underflow, o bit de executado e o
bit de habilitação.
Se a linha do contador for habilitada, o bit CU ou CD será desenergizado
assim que a instrução RES for habilitada.
Caso o valor pré-selecionado seja negativo, a instrução RES coloca o valor
acumulado em zero. Isto, então, leva o bit de executado a ser energizado pela
instrução de contador crescente ou decrescente.
Atenção: Já que a instrução zera o valor acumulado, o bit de executado e o
bit de temporizado de uma instrução de temporizador, não utilize-a para
zerar uma instrução TOF.
Exercício Aplicativo:
Programar um relógio que conte horas,minutos e segundos.





MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 62
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


4.3 . Instruções de Mensagem comunicação de E/S:
4.3.1 - Generalidades:
Instruções utilizadas com controladores com estrutura de E/S fixa,
controladores SLC - 5/01 e SLC - 5/02, em diante.

- Mensagem ( MSG )
- Executa Comunicação ( SVC )

4.3.2 - INSTRUÇÃO DE MSG:

Utilizada fazer uma escrita ou leitura de mensagens na rede ou em um
canal do CLP. A instrução não pode ser programada no "shoebox" ou 5/01.
Os dados são enviadas ao final de cada varredura . A instrução é executada a
qualquer momento ou pode ficar aguardando para serem executadas em uma
ordem seqüencial.






Endereço do bloco de controle
instrução.


Tamanho do bloco de controle.

Esta é uma instrução de saída que permite a transferência de dados de uma
estação para outra na rede de comunicação DH-485. A instrução de
mensagem pode ser programada para realizar uma escrita ou leitura de
mensagem.
A estação destino pode ser um outro controlador SLC 500 da rede, ou
qualquer outro dispositivo diferente do SLC 500 ( utilizando o arquivo de
dados 9 nos Controladores SLC 500 ).

MESSAGE

READ/WRITE

TARGET DEVICE

CONTROL BLOCK

CONTROL BLOCK
LENGHT
Read: controlador local está recebendo os
dados.
Write: controlador está enviando os dados.
Estação destino: 485 CIF - dispositivo na rede
DH485.
500CPU - Uma cpu SLC500 na rede.
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 63
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Quando a estação destino é o SLC 500, a comunicação pode ocorrer entre
dois Controladores ou entre um controlador e um controlador com estrutura
fixa ou controlador SLC - 5/01. ( A instrução não pode ser programada no
controlador com estrutura fixa ou no controlador SLC - 5/01 ).
Os dados associados a uma instrução de escrita de mensagem não são
enviadas ao habilitar a instrução. Preferencialmente, esses dados são
enviados ao final da varredura ou quando uma instrução SVC ou REF do
programa de aplicação for habilitada. Em alguns casos, é necessário
armazenar dados no seu programa de aplicação.
O controlador pode executar uma instrução de mensagem a qualquer
momento, mas pode manter várias mensagens “habilitadas e aguardando”.
As mensagens que estão aguardando são executadas uma de cada vez em
uma ordem seqüencial ( a primeira a entrar é a primeira a sair ).
Três bits do arquivo de estado referem-se á instrução MSG:
Bit S:2/5 Envio de Resposta Pendente na Rede DH - 485.
Somente leitura. Este bit é energizado quando o controlador determina que
uma outra estação da rede DH - 485 solicitou informações. Esse bit pode ser
energizado a qualquer momento e o mesmo é desenergizado quando o
controlador executa a solicitação ( ou comando ). Pode-se utilizar este bit
como condição de uma instrução SVC para melhorar a capacidade das
comunicações de seu controlador.
Bit S:2/6 Resposta de Mensagem Pendente na Rede DH - 485
Somente leitura. Este bit é energizado quando uma outra estação da rede DH
- 485 forneceu as informações solicitadas na instrução MSG do controlador.
Este bit é desenergizado quando o controlador armazena a informação e
atualiza a instrução MSG. Pode-se utilizar este bit como condição de uma
instrução SVC para melhorar o desempenho das comunicações de
controlador.
Bit S:2/7 Comando de Envio de Mensagem Pendente
Somente leitura. Este bit é energizado quando uma ou mais mensagens no
programa são habilitadas e estão aguardando mas nenhuma mensagem está
sendo transmitida no momento. Assim que é iniciada a transmissão de uma
mensagem, o bit é desenergizado. Ao término da transmissão, o bit é
novamente energizado se houver mais mensagens aguardando, ou permanece
desenergizado se não tiver mais nenhuma mensagem aguardando.
Esse bit pode ser utilizado como uma condição da instrução SVC para
melhorar o desempenho das comunicações do controlador.
Deve-se considerar a condição dos bits do arquivo de estado S:2/15,
( “Bit de Seleção de Execução de Comunicação DH - 485” ) e S:2/8 ( “Modo
de Endereçamento CIF” ), sendo que para maiores informações, consulte o
capítulo 12.

MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 64
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.




4.3.3 - PARÂMETROS DA INSTRUÇÃO MSG:
Depois de introduzir a instrução MSG na linha, deve-se especificar se a
mensagem será lida ou escrita. A seguir, deve-se especificar a estação
destino e o bloco de controle para a instrução MSG.
- Read/Write ( Leitura/Escrita ) - A leitura indica que o controlador local (
controlador em que a instrução se encontra localizada ) está recebendo
dados; a escrita indica que o controlador está enviando dados.
- Target Device ( Estação Destino ) - A estação destino pode ser um
controlador com estrutura de E/S fixa, um controlador SLC - 5/01 ou SLC -
5/02 ( 500 CPU ) ou um outro dispositivo diferente do SLC 500 ( 485 CIF ).
Para instruções de leitura de mensagem, a estação destino é o controlador
que está enviando os dados.
- Control Block ( Bloco de Controle ) - Este é um endereço de arquivo
inteiro introduzido pelo usuário. É um arquivo de 7 elementos que contém os
bits de estado, endereço do arquivo destino e outros dados associados com a
instrução de mensagem.

- Control Block Lengh ( Tamanho do Bloco de Controle ) - Esse parâmetro
é fixo em 7 elementos e o mesmo não pode ser alterado.
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 65
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Assim que o endereço do bloco de controle foi introduzido, o software de
programação RSLOGIX exibirá a tela da figura abaixo.
Figura 3.2
Tela de Introdução de Dados

















Na tela da figura 3.2, a coluna à esquerda apresenta os dados que já foram
introduzidos para os parâmetros Read/Write, Target Device e Control Block.
No caso da instrução de leitura de mensagem ( Read ), o parâmetro
configurado por esta tecla de função corresponde ao endereço no controlador
local que irá receber os dados ( Local Destination File Address ). Se for uma
instrução de escrita de mensagem ( Write ), este parâmetro corresponde ao
endereço no controlador local que irá enviar os dados ( Local Source File
Address ). Os tipos de arquivos válidos são S, B, T , C E N.
Permite introduzir o número da estação do controlador que irá se
comunicar com o controlador local.
Se a estação destino for um 500 CPU, este parâmetro corresponde ao
endereço do arquivo destino ou fonte no controlador destino. Os tipos de
arquivos válidos são S, B, T, C, R e N. Se a estação destino for um 485 CIF,
este é o valor da primeira palavra do arquivo de interface comum.
Essa tecla corresponde ao tamanho da mensagem ( em elementos ). Os
elementos de uma palavra são limitados em um tamanho máximo de 42.

MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 66
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Os elementos de três palavras ( T, C, R ) são limitadas em um tamanho
máximo de 13.
O tipo de arquivo destino determina o número de palavras transferidas.
Exemplos: uma instrução de leitura de mensagem que especifique o arquivo
origem do tipo C ( Contador ), um arquivo destino do tipo N ( inteiro ) e
tamanho com valor 1 irá transferir uma palavra de informação. Uma
instrução de leitura de mensagem que especifique um arquivo origem do tipo
N, um arquivo destino do tipo C e um comprimento com valor 1 irá
transferir 3 palavras.
4.3.4 BITS DE ESTADO DA INSTRUÇÃO MSG
Na tela da figura, a coluna a direita ilustra os vários bits de estado
associados à instrução MSG.
- EN - Bit de Habilitação - Este bit é energizado quando a estação da linha
passa a verdadeira e a instrução está sendo executada. O bit EN permanece
energizado até que a transmissão da mensagem seja completada e a linha
passe a falsa.
- EW - Bit de Habilitado e Aguardando - Este bit é energizado assim que o
bit de habilitação é energizado e indica que uma mensagem está aguardando
para ser enviada.
- ST - Bit de Partida - Este bit é energizado quando o controlador recebe a
confirmação da estação destino. O bit ST é desenergizado quando o bit de
executado ( DN ) ou bit de erro ( ER ) é energizado.
- DN - Bit de Executado - Este bit é energizado quando a mensagem é
transmitida com sucesso. O bit DN é desenergizado na próxima vez que a
linha associada a instrução passar de falsa para verdadeira.
- NR - Bit de Resposta Não Recebida - Este bit é energizado se o
controlador destino não responder à primeira solicitação de mensagem. O bit
NR é desenergizado quando o bit de erro ( ER ) ou o bit de executado ( DN )
é energizado.
- ER - Bit de Erro - Este bit é energizado quando a falha na transição da
mensagem. O bit ER é desenergizado na próxima vez que a linha associada
passa de falsa para verdadeira.
- TO - Bit de Timeout ( limite de tempo excedido ) - Pode-se energizar este
bit para remover uma instrução de mensagem ativa do controlador. O
programa de aplicação deve fornecer o seu próprio valor do timeout.





MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 67
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Bloco de Controle
A figura 3.3 ilustra o bloco de controle quando um controlador com estrutura
de E/S fixa ou um SLC - 5/01 ou SLC - 5/02 ( 500 CPU ) for selecionado
como estação destino.
Figura 3.3
Bloco de Controle ( 500 CPU )

15 14 13 12 11 10 09 08 07 06 05 04 03 02 01 00











A figura 3.4 ilustra o bloco de controle quando um dispositivo diferente
do SLC 500 ( 485 CIF ) for selecionado como estação destino.
Figura 3.4
Bloco de Controle ( 485 CIF )

15 14 13 12 11 10 09 08 07 06 05 04 03 02 01 00




A figura 3.4 ilustra o bloco de controle quand500 ( 485 CIF


EN ST DN ER EW NR TO
CODIGO DE ERRO
EN ST DN ER EW NR TO
CODIGO DE ERRO
Numero do Nó
Numero do Nó
Reservado para tamanho em palavras
Reservado para tamanho em palavras
Número do arquivo
Palavra offset
Tipo de Arquivo
Não Utilizada
Numero do elemento


Reservado
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 68
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

4.4 - Instruções de Comparação
4.4.1 - Generalidades:
Instruções utilizadas em controladores PLC5
- Igual a ( EQU );
- Diferente ( NEQ );
- Menor que ( LES );
- Menor ou igual a ( LEQ );
- Maior que ( GRT );
- Maior ou igual a ( GEQ );
- Igual mascarada ( MEQ ).
- Teste limite ( LIM )

4.4.2 - Igual a ( EQU )
Figura 4.1
Formato da instrução EQU


( )



Quando os valores dos parâmetros Source A ( Fonte A ) e Source B ( Fonte
B ) forem iguais, esta instrução será logicamente verdadeira. Se estes valores
não forem iguais, a instrução será falsa.

Parâmetros da Instrução EQU
Deve-se introduzir um endereço de palavra para Source A. Pode-se
introduzir uma constante de programa ou um endereço de palavra Source B.





EQU

EQUAL

SOURCE A:

SOURCE B:

MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 69
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

4.4.3 - Diferente ( NEQ )
Figura 4.2
Formato da instrução NEQ



( )





Quando os valores dos parâmetros Source A e Source B não forem iguais,
esta instrução será logicamente verdadeira. Se esses dois valores forem
iguais, esta instrução será falsa.
Parâmetros da Instrução NEQ
Deve-se introduzir um endereço de palavra para o parâmetro Source A.
Pode-se introduzir uma constante de programa ou um endereço de palavra
para Source B.
4.4.4 - Menor que ( LES )
Figura 4.3
Formato da instrução LES


( )



Quando o valor do parâmetro Source A for menor que o valor de Source B,
esta instrução será logicamente verdadeira. Se o valor de Source A for
menor ou igual ao valor de Source B, esta instrução será falsa.



NEQ

NOT EQUAL

SOURCE A:

SOURCE B:

LES

LESS THAM

SOURCE A:

SOURCE B:

MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 70
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Parâmetros da instrução LES
Deve-se introduzir um endereço de palavra para o parâmetro Source A.
Pode-se introduzir uma constante de programa ou endereço de palavra para
Source B. Números inteiros com sinal são armazenados na forma de
complemento de 2.
4.4.5 - Menor ou igual a ( LEQ )
Figura 4.4
Formato da instrução LEQ


( )




Quando o valor do parâmetro de Source A for menor ou igual ao valor de
Source B, esta instrução será logicamente verdadeira. Se o valor de Source A
for maior que o valor de Source B, esta instrução será falsa.

Parâmetros da instrução LES
Deve-se introduzir um endereço de palavra para o parâmetro Source A.
Pode-se introduzir uma constante de programa ou um endereço de palavra
para Source B. Números inteiros com sinal são armazenados na forma de
complemento de 2.
4.4.6 - Maior que ( GRT )
Figura 4.5
Formato da instrução GRT


( )



LES

LESS THAM

SOURCE A:

SOURCE B:

GRT

GREATER THAM

SOURCE A:

SOURCE B:

MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 71
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Quando o valor do parâmetro Source A for maior que o valor de Source B,
esta instrução será logicamente verdadeira. Se o valor de Source A for
menor ou igual ao valor de Source B, esta instrução será falsa.
Parâmetros da instrução GRT
Deve-se introduzir um endereço de palavra para o parâmetro Source A.
Pode-se introduzir uma constante de programa ou um endereço de palavra
para Source B. Números inteiros com sinal são armazenados na forma de
complemento de 2.
4.4.7 - Maior ou igual a ( GEQ )
Figura 4.6
Formato da instrução GEQ


( )




Quando o valor do parâmetro de Source A for maior ou igual ao valor de
Source B, esta instrução será logicamente verdadeira.
Parâmetros da instrução GEQ
Deve-se introduzir um endereço de palavra para o parâmetro Source A.
Pode-se introduzir uma constante de programa ou um endereço de palavra
para Source B.
4.4.8 - Igual Mascarada ( MEQ )
Figura 4.7
Formato da instrução 4.7


( )




GEQ

GRTR THAN OR EQUAL

SOURCE A:

SOURCE B:

MEQ

MASKED EQUAL

SOURCE :

MASK:

COMPARE:
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 72
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Esta instrução de entrada, compara dados de um endereço fonte com dados
de um endereço de referência, permitindo que parte desses dados sejam
mascaradas através de uma palavra.
Parâmetros da instrução MEQ
Os parâmetros da instrução MEQ são os seguintes:
- Source - endereço fonte do valor que se deseja comparar;
- Mask - endereço da máscara através da qual a instrução movimenta os
dados ou um valor hexadecimal;
- Compare - valor inteiro ou endereço de referência para a comparação.
Se os 16 bits de dados de um endereço fonte forem iguais aos 16 bits de
dados do endereço de referência ( exceto os bits mascarados ), a instrução é
verdadeira. A instrução é verdadeira. Os bits da palavra de máscara iguais a
0 mascaram os dados, já os bits iguais a 1 permitem que seja realizada a
comparação.





4.4.9 - Teste limite ( LIM )
Figura 4.8
Formato da instrução LIM


( )




Esta instrução de entrada testa os valores dentro ou fora de uma faixa
específica, dependendo de como foram ajustados os limites.
Parâmetros da instrução LIM
Os valores dos parâmetros identificados por Low Limit, Test e High Limit
podem ser programados com endereços de palavra ou constantes do
programa, observando-se as seguintes restrições:
LIM

LIMIT TEST

LOW LIM:

TEST:

HIGH LIM:


MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 73
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

- se o parâmetro Test for uma constante do programa, tanto o Low Limit
como o High Limit devem ter endereços de palavra;
- se o parâmetro Test for um endereço de palavra, o Low Limit e o High
Limit podem ser constante de programa ou um endereço de palavra.
Estado Verdadeiro/Falso da Instrução
Se o Low Limit ( limite inferior ) possuir um valor menor que High Limit (
limite superior ), a instrução será verdadeira quando o valor estiver entre os
limites ou for igual a um dos limites. Se o valor de Test estiver fora dos
limites, a instrução será falsa.
Se o Low Limit possui um valor maior que o High Limit, a instrução será
falsa quando o valor do parâmetro Test estiver entre os limites. Se o valor de
Test for igual a um dos limites ou estiver fora dos limites, a instrução será
verdadeira.
Exercícios aplicativos:
1 ) - Energizar uma lâmpada quando o valor de um tanque armazenado em
N7:6 for igual à 100 metros.


2 ) - Acionar uma sirene quando a temperatura de um forno armazenada em
N7:10 estiver entre 1000° C e 1500° C.


3) - Desejamos supervisionar a rotação de um tambor. Se a rotação cair de
20 % deverá desligar o motor que aciona este tambor . A rotação é de 60
RPM. Neste tambor está instalado um sensor que a cada rotação energiza à
entrada 0 de CLP













TAMBOR
MOTOR
SENSOR
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 74
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

4.5 - Instruções Matemáticas
4.5.1 - Generalidades:

- Adição ( ADD );
- Subtração ( SUB );
- Multiplicação ( MUL );
- Divisão ( DIV );
- Dupla Divisão ( DDV );
- Negação ( NEG );
- Zeramento ( CLR );
- Decodificação ( DCD ).
- Raiz quadrada ( SQR );
Parâmetros das Instruções
- Source - endereço (s) do (s) valor (res) em que a operação matemática será
executada; pode ser endereço (s) de palavra ou constante (s) de programa. Se
a instrução tiver dois operandos Source, não é possível introduzir constantes
de programas nos dois operandos.
- Dest - endereço destino referente ao resultado da operação.
Bits de Estado Aritméticos
Depois que uma instrução for executada, os bits de estado aritméticos ( C, V,
Z e S ) do arquivo de estado são atualizados.
- Carry (C), S:0/0 - Energizado se for gerado um carry ( vai 1 ); caso
contrário, desenergizado;
- Overflow (V), S:0/1 - Indica que o resultado de uma instrução matemática
é muito grande para o destino;
- Zero (Z), S:0/2 - Indica um valor 0 depois de uma instrução matemática,
movimentação ou lógica;
- Sinal (S), S:0/3 - Indica um valor negativo ( menor que 0 ) após uma
instrução matemática, movimentação ou lógica.





MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 75
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

4.5.2 - Adição ( ADD )
Figura 5.1
Formato da instrução ADD








O valor de Source A é somado ao valor de Source B e, então, armazenado no
destino.
Bits de Estado Aritméticos S:0

C - energizado se for gerado um carry ( vai 1 ); caso contrário,
desenergizado.
V - energizado se for detectado overflow no destino; caso contrário,
desenergizado. Em overflow, o bit de erro de overflow também é energizado.
O valor -32.768 ou 32.767 é introduzido no destino.
Z - energizado se o resultado for zero; caso contrário, desenergizado.
S - energizado se o resultado for um valor negativo; caso contrário,
desenergizado.
4.5.3 - Subtração ( SUB )
Figura 5.2
Formato da Instrução SUB






O valor do parâmetro Source B é subtraído do valor de Source A e, então,
armazenado no destino.
ADD

SOURCE A:

SOURCE B:

DEST:

SUB

SOURCE A:

SOURCE B:

DEST:

MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 76
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Bits de Estado Aritméticos
C - energizado se for gerado um borrow ( vem 1 ); caso contrário,
desenergizado.
V - energizado se for detectado underflow; caso contrário, desenergizado.
Em underflow, o bit de erro de overflow também é energizado, e o valor -
32.768 ou 32.767 é colocado no destino.
Z - energizado se o resultado for zero; caso contrário, é desenergizado.
S - energizado se o resultado for negativo; caso contrário é desenergizado.
4.5.4 - Multiplicação ( MUL )
Figura 5.4
Formato da Instrução MUL







O valor do parâmetro Source A é multiplicado pelo valor de Source B e,
então, armazenado no destino.
Bits de Estado Aritméticos
C - sempre desenergizado;
V - energizado se um overflow for detectado no destino; caso contrário, será
desenergizado. Em overflow, o bit de erro de overflow também é energizado.
O valor 32.767 ou -32.768 é introduzido no destino.
Z - energizado se o resultado for zero; caso contrário, é desenergizado.
S - energizado se o resultado for um valor negativo; caso contrário, é
desenergizado.






MUL

SOURCE A:

SOURCE B:

DEST:

MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 77
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

4.5.5 - Divisão ( DIV )
Figura 5.5
Formato da Instrução DIV







O valor do parâmetro Source A é dividido pelo valor de Source B com o
quociente arredondado sendo armazenado no destino. O quociente não
arredondado é armazenado na palavra mais significativa do registrador
matemático. O resto é colocado na palavra menos significativa do
registrador matemático.
Bits de Estado Aritméticos
C - sempre desenergizado;
V - energizado no caso de divisão por zero ou overflow; caso contrário,
desenergizado. Em overflow, o bit de erro de overflow é energizado. O valor
32.767 é colocado no destino.
Z - energizado se o resultado for zero; caso contrário, é desenergizado;
indefinido se o bit de overflow estiver energizado.
S - energizado se o resultado for um valor negativo; caso contrário, será
desenergizado; indefinido se o bit de overflow estiver energizado.
4.5.6 - NEGAÇÃO ( NEG )
Figura 5.7
Formato de Instrução NEG






O valor do parâmetro Source é subtraído de 0 e armazenado no destino.

DIV

SOURCE A:

SOURCE B:

DEST:

NEG

SOURCE:

DEST:


MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 78
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Bits de Estado Aritméticos
C - desenergizado se 0 ou overflow; caso contrário, será energizado;
V - energizado se overflow; caso contrário, desenergizado. Em overflow, o
bit de erro de overflow também é energizado. O valor 35.767 é colocado no
destino.
Z - energizado se o resultado for zero; caso contrário, será desenergizado.
S - energizado se o resultado for um valor negativo; caso contrário, será
desenergizado.
4.5.7 - ZERAMENTO ( CLR )
Figura 5.8
Formato de Instrução CLR







O valor destino é zerado.
4.5.8 - RAIZ QUADRADA ( SQR )

A figura 5.17 apresenta o formato da Instrução de Raiz Quadrada ( SQR ).
Figura 5.17
Formato da instrução SQR








CLR

DEST


SQR

SQUARE ROAT:

SOURCE :

DEST:

MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 79
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Quando esta instrução é verdadeira, a raiz quadrada do valor absoluto da
fonte é calculada e o resultado arredondado é colocado no destino.
A instrução irá calcular a raiz quadrada de um número negativo sem
apresente overflow ou falhas. Nas aplicações onde o valor do endereço fonte
pode ser negativo, deve-se utilizar uma instrução de comparação para avaliar
esse valor a fim de determinar se o destino pode ser um número não-válido.
Bits de Estado Aritméticos
C - reservado;
V - sempre desenergizado;
Z - energizado quando o valor destino é zero; caso contrário, desenergizado;
S - sempre desenergizado.

4.6 - Instruções Lógicas e de movimentação

4.6.1 - GENERALIDADES:
As instruções de saída utilizadas com os Controladores, permitem realizar as
operações lógicas e de movimentação. Essas instruções são as seguintes:
- Movimentação ( MOV );
- Movimento com Máscara ( MVM );
- E ( AND );
- Ou ( OR );
- Ou Exclusivo ( XOR );
- Complementação ( NOT ).
Parâmetros das Instruções
- Source - Este é o endereço fonte referente ao valor onde a operação lógica
ou de movimentação é executada. Pode ser um endereço de palavra ou uma
constante de programa. Se a instrução tiver dois operandos fonte, não é
possível introduzir constantes de programa nos dois operandos.
- Dest - Este é o endereço destino referente ao resultado da operação lógica
ou de movimentação. Deve ser um endereço de palavra.
Bits de Estado Aritméticos
Depois que uma instrução for executada, os bits de estado aritméticos (
C, V, Z e S ) do arquivo de estado são atualizados.
- Carry (C), - Energizado se for gerado um carry ( vai 1 ); caso contrário,
desenergizado;
- Overflow (V), - Indica que o resultado de uma instrução matemática é
muito grande para o destino;
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 80
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

- Zero (Z), - Indica um valor 0 depois de uma instrução matemática,
movimentação ou lógica;
- Sinal (S), S- Indica um valor negativo ( menor que 0 ) após uma instrução
matemática, movimentação ou lógica.
Bit de Erro de Overflow ( S:5/0 )
Bit de falha de advertência energizado na detecção de um overflow ou
divisão por 0. Se este bit estiver energizado na execução da declaração de
fim de programa ( END ) ou uma instrução TND, uma falha grave será
indicada.
Registrador Matemático ( S:13 e S:14 )
As instruções lógicas e de movimentação não afetam o registrador
matemático.
4.6.2 - MOVIMENTAÇÃO ( MOV )
Figura 6.1
Formato de instrução MOV








O controlador move o valor da fonte ( Source ) para o destino ( Dest ).
Parâmetros da Instrução MOV
- Source - endereço fonte do dado que se deseja mover;
- Dest - endereço destino para onde a instrução move o dado.
Bits de Estado Aritméticos
C - sempre desenergizado;
V - sempre desenergizado;
Z - energizado se o resultado for zero;
S - energizado se o resultado for um valor negativo ( bit mais significativo é
energizado ); caso contrário, será desenergizado.

MOV
MOVE

SOURCE :

DEST:


MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 81
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

4.6.3 - MOVIMENTO COM MÁSCARA ( MVM )
Figura 6.2
Formato da Instrução MVM








A instrução de movimento com máscara é uma instrução de palavra que
move os dados de uma localização fonte para um destino e permite que
partes desses dados sejam mascarados por uma palavra.
Parâmetros da Instrução MVM
- Source - endereço fonte dos dados que se deseja movimentar;
- Mask - endereço da máscara através do qual a instrução movimenta os
dados ( pode ser um valor em hexa ).
- Dest - endereço destino para onde a instrução move os dados.
Bits de estado Aritméticos
C - sempre desenergizado;
V - sempre desenergizado;
Z - energizado se o resultado for zero;
S - energizado se o resultado for uma valor negativo; caso contrário, será
desenergizado.
Operação da Instrução MVM
Quando a condição da linha que contém esta instrução for verdadeira, os
dados no endereço fonte passam através da máscara para o endereço destino
. Enquanto a linha permanecer verdadeira, a instrução movimenta os mesmos
dados a cada varredura.
Os dados são mascarados quando os bits da palavra de máscara estão
desenergizados e são transferidos quando os bits da palavra de máscara estão
energizados. Os bits da palavra de máscara podem ser fixados utilizando-se
um valor constante ou podem ser alterados atribuindo à máscara um
endereço direto. Os bits da palavra de destino, palavra correspondente aos
zeros da palavra de máscara, não são alterados.
MVM
MASKED MOVE

SOURCE :
MASK
DEST:


MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 82
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

4.6.4 - E ( AND )
Figura 6.4
Formato da instrução AND








É executado um AND, bit a bit, entre o valor do parâmetro Source A e o
valor de Source B e, então, armazenado no destino.
Bits de Estado Aritméticos
C - sempre desenergizado;
V - sempre desenergizado;
Z - energizado se o resultado for zero;
S - energizado se o bit mais significativo estiver energizado; caso contrário,
será desenergizado.
4.6.5 - OU ( OR )
Figura 6.5
Formato da Instrução OR








É executado um OR, bit a bit, entre o valor do parâmetro Source A e o valor
de Source B e, então, armazenado no destino.

AND

BITWISE AND:

SOURCE A:
SOURCE B:

DEST:

OR

BITWISE INCLUSIVE OR

SOURCE A:
SOURCE B:

DEST:

1 1
1
1 X
1
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 83
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Bits de Estado Aritméticos
C - sempre desenergizado;
V - sempre desenergizado;
Z - energizado se o resultado for zero; caso contrário, será desenergizado;
S - energizado se o resultado for um valor negativo ( bit mais significativo é
energizado ); caso contrário, será desenergizado.
4.6.6 - OU EXCLUSIVO ( XOR )
Figura 6.6
Formato da Instrução XOR







É executado um XOR, bit a bit, entre o valor do parâmetro Source A e o
valor de Source B e, então, armazenado no destino.
Bits de Estado Aritméticos
C - sempre desenergizado;
V - sempre desenergizado;
Z - energizado se o resultado for zero; caso contrário, será desenergizado;
S - energizado se o resultado for um valor negativo ( bit mais significativo é
energizado ); caso contrário, será desenergizado.

4.6.7 - COMPLEMENTAÇÃO NOT
Figura 6.7
Formato da Instrução NOT





OR

BITWISE EXCLUSIVE OR

SOURCE A:
SOURCE B:

DEST:

NOT


SOURCE

DEST:


= 0
# 1
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 84
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

O valor na fonte é complementado bit a bit e armazenado no destino.

Bits de Estado Aritméticos
C - sempre desenergizado;
V - sempre desenergizado;
Z - energizado se o resultado for zero; caso contrário, será desenergizado;
S - energizado se o resultado for um valor negativo ( bit mais significativo é
energizado ); caso contrário, será desenergizado.
Exercício Aplicativo:
Programar um conjunto de contadores ( 1 CTU e 1 CTD ) para realizar as
seguintes comparações :
1 - ACC1=20
2 - ACC2 == 30
3 - ACC1 + ACC2 < 15
4 - ACC2 >= 45
5 - ACC2 / ACC1 ENTRE 62 E 70
6 - ACC2 > 72
Energizar uma lâmpada a cada comparação.
Mostrar o valor acumulado dos contadores nos endereço N7:0 e N7:1
Resetar automaticamente os contadores quando o acumulado for igual a 100.












MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 85
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

4.7 - Instruções de cópia e preenchimento de arquivo
4.7.1 - GENERALIDADES:
Este capítulo descreve as instruções de Cópia ( COP ) e Preenchimento de
arquivo ( FLL ).

A figura 7.1 apresenta o formato da instruções COP e FLL.









O tipo de arquivo do parâmetro destino ( Dest ) determina o número de
palavras que a instrução transfere. Por exemplo, se o arquivo destino ( Dest )
é do tipo contador e o arquivo fonte ( Source ) inteiro, três palavras inteiras
são transferidas para cada elemento no arquivo do tipo contador.
4.7.2 - CÓPIA ARQUIVO ( COP )
Esta instrução copia dados de um local para outro e não utiliza bits de
estado. Caso seja necessário um bit de habilitação, pode-se programar uma
saída paralela utilizando-se um endereço de armazenamento.
Os parâmetros a serem introduzidos na instrução COP são os seguintes:
- Source - é o endereço fonte referente ao arquivo que se deseja copiar.
Deve-se utilizar o símbolo indicador de arquivo # no endereço.
- Dest - é o endereço destino referente ao arquivo em que a instrução
armazena a cópia. Deve-se introduzir o símbolo indicador de arquivo # no
endereço.
- Length - é o número de elementos do arquivo que se deseja copiar. Se o
tipo de arquivo destino é de três palavras por elemento, pode-se especificar
um comprimento máximo de 42 elementos. Se o tipo de arquivo destino é
uma palavra por elemento, pode-se especificar um comprimento máximo de
128.
Os elementos são copiados do arquivo fonte para o arquivo destino a cada
varredura em que a linha é verdadeira e são copiados em ordem crescente
sem transformação dos dados. Os elementos são copiados até totalizarem o
valor especificado no campo length ou até que o último elemento do arquivo
destino seja atingido.
COP

COP FILE

SOURCE
DEST

LENGHT

FLL

FILL FILE

SOURCE
DEST

LENGHT

MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 86
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Se o destino for um temporizador, contador ou arquivo de controle,
certifique-se que as palavras do arquivo fonte corresponde às palavras de
estado do arquivo destino contenham zeros.
Certifique-se que o endereço da primeira palavra do arquivo e o
comprimento do bloco que se está copiando sejam devidamente
especificados. A instrução não irá escrever fora do limite do arquivo (
como, por exemplo, entre os arquivos N16 e N17 ) no destino.
Nota: Caso haja uma tentativa de escrever fora do limite do arquivo,
ocorrerá um erro.
O deslocamento de arquivo pode ser realizado especificando-se, dentro do
arquivo, o endereço do elemento fonte, maior que o endereço do elemento
destino. Deste modo, os dados são deslocados para o endereço menor.
4.7.3 - PREENCHIMENTO DE ARQUIVO ( FLL )
Esta instrução carrega elementos de um arquivo com uma constante de
programa ou com um valor de um endereço de elemento. Os parâmetros de
FLL são os seguintes:
- Source - é a constante de programa ou endereço de elemento. ( O símbolo
indicador de arquivo # não é necessário para um endereço de elemento ).
- Dest - é o endereço do arquivo que se deseja preencher. Deve-se utilizar o
símbolo indicador de arquivo # no endereço.
- Length - é o número de elementos no arquivo a ser preenchido. Se o tipo
de arquivo destino é de 3 palavras por elemento, pode-se especificar um
comprimento máximo de 42 elementos. Se o tipo de arquivo destino é uma
palavra por elemento, pode-se especificar um comprimento máximo de 128.
Os elementos do valor fonte ( constante de programa ) preenchem o arquivo
destino a cada varredura em que a linha é verdadeira. Os elementos são
preenchidos na ordem crescente até que o número de elementos (
comprimento inserido ) seja atingido.

Nota: Caso haja uma tentativa de escrever fora do limite do arquivo,
ocorrerá um erro.








MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 87
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

4.8 . Instrução de Deslocamento de Bit, FIFO e LIFO
4.8.1 - GENERALIDADES:

Este capítulo descreve as seguintes funções de saída:
- Deslocamento de Bit à Esquerda ( BSL );
- Deslocamento de Bit à Direita ( BSR ).
Essas instruções de saída são utilizadas para construir e manipular um
registro de deslocamento síncrono de bit. Os dados são deslocados através
do registro e descarregados um bit de cada vez.
- Carga e Descarga FIFO ( FLL e FFU )
- Carga e Descarga LIFO ( LFL e LFU )
As instruções FIFO são utilizadas em conjunto para construir um registro de
deslocamento assíncrono de palavras. Eles permitem transferir palavras para
um arquivo e retirá-las na mesma ordem em que foram introduzidas. O termo
FIFO se refere à expressão “first in first out ” ( 1
0
a entrar e 1
0
a sair ).
As aplicações das instruções FIFO e LIFO incluem as linhas de transferência
ou montagem, controle de inventário e diagnóstico do sistema.

4.8.2 - INSTRUÇÕES DE DESLOCAMENTO DE BIT À ESQUERDA ( BSL )
E À DIREITA ( BSR ).
Figura 8.1
Formato da Instrução BSL e BSR


( EN )

( DN )








BSL

BIT SHIFT LEFT

FILE
CONTROL

BIT ADRESS:

LENGHT
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 88
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


( EN )

( DN )





Parâmetros das Instruções
- File - é o endereço da série de bits que se deseja manipular. Deve-se
utilizar o símbolo indicador de arquivo # no endereço da série de bits.
- Control - é o endereço da instrução e o elemento de controle que
armazena o byte de estado da mesma, o tamanho da série ( em número de
bits ) e o apontador de bit ( figura 8.2 ).
Figura 8.2
Elemento de Controle da Instrução de Deslocamento de Bit
15 13 11 10 00





ATENÇÃO: O endereço de controle não deve ser utilizado para nenhuma
outra instrução, pois pode ocorrer operação imprevista de máquina
resultando em possíveis avarias ao equipamentos e/ou danos pessoais.

O byte de estado indica o estado da instrução, conforme o seguinte:
- EN ( bit 15 ) - bit de habilitação. É energizado na transição da linha de
falsa para verdadeira e indica que a instrução foi habilitada.
- DN ( bit 13 ) - bit de executado. Quando energizado, indica que a série de
bits deslocou uma posição.
- ER ( bit 11 ) - bit de erro. Quando energizado, indica que a instrução
detectou um erro, tal como inserção de um número negativo para o
BSR

BIT SHIFT RIGHT

FILE
CONTROL

BIT ADRESS:

LENGHT
EN DN ER UL NÃO ULTILIZADO


MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 89
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

comprimento ou posição. Quando este bit estiver energizado, deve-se evitar
a utilização do bit de saída.
- UL ( bit 10 ) - bit de descarga. Armazena o estado do bit retirado da série
cada vez que a instrução é habilitada. Depois de cada deslocamento de bit,
quando a condição de entrada passa a falsa, esse bit é resetado. ( os
bits de habilitação ( EN 15 ), executado ( DN 13 ) e erro ( ER 11 ) também
são resetados ). A instrução invalida todos os bits que ultrapassem o último
bit na série, até o próximo limite de palavra.
- Bit Address - é o endereço do bit fonte que a instrução insere no local do
primeiro bit da série BSL ou do último bit da série BSR.
- Lenght - é o número de bits na série, até 2047 bits. O valor 0 faz com que
o bit de entrada seja transferido para o bit UL.
Um valor que ultrapasse o fim do arquivo de programa faz com que ocorra
uma falha grave de run-time. Se o valor do comprimento for alterado pelo
programa de aplicação, certifique-se que este valor seja válido.
4.8.2.1 - Deslocamento de Bit à Esquerda:
Quando a condição da linha passa de falsa para verdadeira, o bit de
habilitação (EN 15) é energizado e o bloco de dados é deslocado ( para um
número de bit mais elevado ) uma posição à esquerda. o bit especificado no
bit fonte é deslocado para a posição do primeiro bit. O último bit é
deslocado para fora da série e armazenado no bit de descarga
(UL 10 ) no byte de estado do elemento de controle. O deslocamento é
completado em uma varredura. Em operações cíclicas, deve-se ajustar a
posição do bit fonte para o ultimo bit da série ou para o bit fonte para último
bit da série ou para o bit UL.
4.8.2.2 - Deslocamento de Bit à Direita:
Quando a condição da linha passa de falsa para verdadeira, o bit de
habilitação (EN 15) é energizado e o bloco de dados é deslocado ( para um
número de bit mais baixo ) uma posição à direita. o bit especificado no bit
fonte é deslocado para a posição do ultimo bit. O primeiro bit é deslocado
para fora da série e armazenado no bit de descarga (UL 10 ) no byte de
estado do elemento de controle. O deslocamento é completado em uma
varredura. Em operações cíclicas, deve-se ajustar a posição do bit fonte para
o primeiro bit da série ou para o bit fonte para primeiro bit da série ou para o
bit UL.



MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 90
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

4.8.3 - CARGA E DESCARGA FFL E FFU.

Formato da instrução:


( EN )
( DN )
( EM )







( EN )
( DN )
( EM )





As instruções FFL e FFU são utilizadas em conjunto. A instrução FFL
transfere as palavras para um arquivo criado pelo usuário e denominado
pilha FIFO. A instrução FFU descarrega palavras do arquivo FIFO na
mesma ordem em que foram introduzidas.








FFL

FIFO LOAD

SOURCE
FIFO
CONTROL
LENGHT
POSITION
FFU

FIFO UNLOAD

FIFO
DEST
CONTROL
LENGHT
POSITION
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 91
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

N7:2





# N7:12
Length: 11
Position: 7








Quando a condição da linha passar de falsa para verdadeira o conteúdo do
parâmetro especificado em Source é carregado na posição determinada pelo
parâmetro Position à cada transição na entrada da instrução o conteúdo X é
transferido para uma posição mais baixa na pilha FIFO em direção à
posição 0 quando este conteúdo X é carregado no parâmetro especificado
em DEST .

Palavra de controle:
15 14 13 12... 00














EN EU DN EM

Tamanho
Posição

X
X



MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 92
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Bits de Estado:

. EN ( bit 15 ) : Bit de habilitação da instrução FFL. Esse bit é energizado
em uma transição de falsa para verdadeira da condição da linha (FFL) e é
desenergizado em uma transição de verdadeiro para falsa.
- EU ( bit 14 ) : Bit de habilitação da instrução FFU. Esse bit é energizado
em uma transição de falsa para verdadeira da condição da linha (FFU) e é
desenergizado numa transição de verdadeira para falsa.
- DN ( bit 13 ) : Bit de executado. É energizado pela instrução FFL para
indicar que a pilha está cheia e inibe a carga da pilha.
- EM ( bit 12 ) : Bit de vazio. É energizado pela instrução FFU para indicar
que a pilha esta vazia.

4.8.4 - CARGA E DESCARGA LIFO:


( EN )
( DN )
( EM )





( EN )
( DN )
( EM )



Essas instruções são idênticas ás instruções de carga e descarga FIFO com
exceção de que o último dado introduzido é o primeiro dado a ser retirado




LFL

LIFO LOAD

SOURCE
LIFO
CONTROL
LENGHT
POSITION
LFU

LIFO UNLOAD

LIFO
DEST
CONTROL
LENGHT
POSITION
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 93
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.



N7:2





# N7:12










Os dados são descarregados do ultimo elemento transferido para a linha e o
valor da posição é então diminuído. Portanto a cada transição de falsa para
verdadeira LFL carrega o conteúdo do elemento source na pilha na posição
indicada pelo parâmetro Position. Esta posição (“n” ) é então decrementada (
“n - 1” ) com o valor X sendo deslocado para ela. O conteúdo da posição
atual ( “n - 1” ) será transferido para o destino quando ocorrer uma transição
de falsa para verdadeira da condição de linha da instrução LFU.
4.9 - Instruções de sequenciador:
SQO : Saída de sequenciador. Transfere dados de 16 bits para endereços de
palavra a fim de controlar operações sequenciais de maquina.
SQC : Sequenciador de Comparação. Compara dados de 16 bits com dados
armazenados para monitorar as condições de operação da máquina ou para
fins de diagnóstico . Compara dados de uma palavra ou arquivo com uma
referência se o estado do bits for igual o bit de encontrado da instrução
é energizado (FD).
SQL : Carga de sequenciador. Carrega dados de 16 bits em um arquivo a
cada etapa de operação do sequenciador. Carrega o conteúdo de um
endereço especificado no parâmetro source em um arquivo especificado por






X
X





MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 94
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

FILE. A cada transição de falsa para verdadeira da condição da linha a
posição é incrementada e o conteúdo de source é armazenado nesta.
4.9.1 - SQO:

( EN )
( DN )





File : indica a pilha de dados ( # ) onde serão inseridos os passos para a
seqüência, ou seja qual os bits da palavra especificada em dest deverão ser
acionados em cada passo.
Mask: Código em Hexadecimal ou endereço do código por onde se
movimenta os dados ou pode-se bloquear determinados bit’s durante a
movimentação.
Dest : Endereço para onde deverão ser enviados os dados referentes a cada
passo.
Control : Endereço de controle da instrução.
OPERAÇÃO:
A cada transição de falsa para verdadeira da condição da linha os elementos
especificados em File são transferidos para o parâmetro dest, e a posição na
pilha é incrementada.
• TRANSFERE OS PASSOS DE 1 À 10.
Exercício de Aplicação:
1- Num sistema têm-se um valor de vazão (totalizado) que deverá ser
coletado de 3 em 3 seg. no endereço N7:0 estes valores deverão ser
armazenados em N7:10 até N7:20 e descarregados em N7:30.
2 - Este mesmo programa deverá fazer uma seqüência de acionamentos em
um sistema de válvulas conforme descrito abaixo:
1 ) - Ligar V1,V2,V3,V4,V11
2 ) - Ligar V3,V5,V12,V13,V15
3 ) - Ligar V3,V6,V7,V13
5 ) - Ligar V1,V4,V6,V10
Estes acionamentos deverão ocorrer de 5 em 5 seg, e uma botoeira retentiva
deverá acioná-los.
SQO

SEQUENCER OUTPUT

FILE
MASK
DEST
CONTROL
LENGTH
POSITION
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 95
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

4.10 INSTRUÇÃO DE SALTO PARA SUBROTINA:
-






























MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 96
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

4.11 - INSTRUÇÃO PID:
4.11.1 - FUNÇÃO PID:
Consiste no controle de uma variável vindo do processo com a comparação
com um valor ideal (Set point) da mesma,gerando um sinal que fará com que
esta variável atinja este valor ideal de acordo com um algoritmo
proporcional,integral e derivativo. A diferença entre este valor real e valor
ideal da variável é chamado de Erro, no inicio do ajuste este erro é chamado
de Erro em regime transitório (ert) e após Erro em regime permanente (erp).
O objetivo do algoritmo PID é diminuir este tempo em que ocorre o "ert" e
anular o "erp". Para tanto a parte proporcional (Kc) irá atuar na variação do
erro, a derivativa ( rate ) na velocidade com que o algoritmo irá atuar no
processo, e a integral (reset) atuará eliminando o erro em regime
permanente.


SET POINT + ERRO Variável
SP CV
+ Controlada
PV
Variável
de processo
















EQUAÇÃO PID
C(t)
t
TA TS
Set
point
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 97
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

4.11.2 - INSTRUÇÃO PID:

Devem ser configurados parâmetros neste instrução:
Control Block : Endereço do bloco de controle da instrução .
Process Variable : Variável de processo coletada no campo. A entrada da
PID recebe valores na faixa de 0 à 4095.
Control Variable : saída controlada.
Control block length: Tamanho do bloco de controle: 80 Words.










PID
Proporcional Integral Derivativo

Control Block
Process Variable
Control Variable
Control Block Length 23


MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 98
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


Palavra de controle:

15 14 13 12 11 10 09 08 07 06 05 04 03 02 01 00






























EN DN PV SP LL UL DB TF SC OL CM AM TM
Rearme Ti
Feed Forwad Bias
Zona Morta
Saída Min
Erro de escala SE
Codigo de Erro da Subrotina PID
Ganho Kc
Referência Max (Smax)
Saída Max
Atualização da Malha
Saída de controle (0 - 100 %)
Referência SP
Taxa Td
Referência Min (Smin)
Uso interno
Variável do processo em escala




Uso interno
0
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16

17



ao








22
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 99
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


Devem ser configurados parâmetros neste instrução:
Control Block : Endereço do bloco de controle da instrução .
Process Variable : Variável de processo coletada no campo. A entrada da
PID recebe valores na faixa de 0 à 16384. Portanto deve-se converter a
entrada analógica para este range.
Control Variable : saída controlada.
Control block length: Tamanho do bloco de controle


Na Tela da instrução configura-se:
( X / Y ) : X = PALAVRA DO BLOCO DE CONTROLE
Y = BIT DA PALAVRA


AUTO/MANUAL ( 0/1 ): Em Auto a PID está atuando no processo e
controlando a saída. Em Manual pode-se alterar o valor da saída CV.
MODE ( 0/0 ) : Timed : PID atualiza a sua saída de acordo com a
atualização da malha.
STI : PID é colocada na subrotina STI ,que deverá ter um tempo (S:11)
igual ao da atualização da malha ( Loop update )
CONTROL ( 0/2 ) : Seleciona a ação de controle de controle usada:
Direta: Ocorre quando têm-se uma variável de processo com tendência
a ser inferior ao valor de set point - E = SP - PV : CV aumenta se
PV < SP. ( Ex: um processo de aquecimento ).
Reversa: Ocorre quando têm-se uma variável de processo com tendência
a ser superior ao valor de set point - E = PV - SP : CV aumenta se
PV > SP. ( Ex: aplicação de resfriamento ).
SET POINT SP: ( WORD 2 ) , Valor ideal para variável de processo de ( 0
à 16383 ).
SCALED PROCESS , PV , ( WORD 14 ) : Somente para exibição .
SCALED ERROR ( WORD 15 ) : Erro em scala , para exibição
DEAD BAND ( WORD 9 ) : Zona Morta, Seleciona-se uma faixa abaixo e
acima da referência ( Set point ) .
OUTPUT CV ( WORD 10 ) : No modo AUTO este parâmetro é somente
para exibição; no modo MANUAL ,pode-se introduzir a porcentagem de
saída desejada. ( 0 à 100 ).
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 100
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

LOOP UPDATE: ( WORD 13 ) : Intervalo de tempo entre os cálculos
PID, introduzir um tempo 5 ou 10 vezes o período natural da carga (Fazer
reset e rate igual à 0 e aumentar o ganho ate à saída começar a oscilar ).
Kc,GANHO PROPORCIONAL ( WORD 3 ) Ganho ajustado para a
metade do valor necessário para fazer com que a saída oscile quando os
termos reset e rate são ajustados em zero. ( 1 à 255 )
RESET TI ( WORD 4 ) TEMPO INTEGRAL ,ajustado igual ao período
natural medido na calibração do ganho. Responsável pela eliminação do
erro. ( 1 à 255 )
RATE TD ( WORD 5 ) TEMPO DERIVATIVO ,ajustado para 1/8 do
tempo integral ( 1 à 255 ) atua no tempo em que a variável leva para se
estabilizar.
MIN SCALED SMIN ( WORD 8 ) Valor mínimo da escala interna da
PID para a variável de processo.
MAX SCALED SMAX ( WORD 9 ) Valor máximo da escala interna da
PID para a variável de processo.
BITS INTERNOS DA PALAVRA 0:
0 - TM : modo timed =1, modo STI =0.
1 - AUTO =0 , MANUAL= 1
2 - CM = 1 ( AÇÃO DE CONTROLE DIRETA) , CM = 0 ( AÇÃO DE
CONTROLE REVERSA )
3 - OL = 1 ( LIMITA A VARIÁVEL DE CONTROLE )
5 - SC = 1 , SC= 0 ( QUANDO FOR ESPECIFICADO O VALOR DA
ESCALA DE REFERENCIA )
6 - TF = 0 , TF = 1 ( Tempo de atualização da malha não pode ser
alcançado pelo programa fornecido,devido a limitações no tempo de
varredura ,procurar atualizar a PID em uma velocidade mais lenta ou
programar em STI
8 - DB= 1 , Variável de processo está dentro da faixa de zona morta.
9 - UL = 1 , Ocorre quando a saída de controle CV, calculada exceder o
limite superior de CV.
10 - LL = 1 , Saída de controle CV,calculada exceder o limite inferior de
CV.
11 - SP = 1 , Bit energizado quando a referência exceder o valor máximo de
escala ou o valor mínimo .
12 - PV =1 Quando PV > 16383
13 - DN = 1 , Durante as varreduras que o PID é computado.
15 - EN = 1 , Segue a linha da PID

MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 101
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

OBS:
- Faixas de E/S: * Inserir um valor de SET POINT multiplicado por 100
e ajustar Smáx e Smin também multiplicado por 100,para facilitar
ajustes da PID.
- Deve-se escalonar o variável de processo para valores de 0 à 16.383 ,
que é faixa interna de variação da PID.
- Com a zona morta a saída não é alterada enquanto o erro permanecer
dentro desta faixa, durante o tempo em que a PID permanece na zona
morta a instrução considera o valor de erro igual a zero ou seja a PID não
atua no processo.
- Pode-se limitar a saída ,para tanto basta energizar o bit de habilitação
de limite ( 3 )
- No Modo Manual Pode-se inserir um valor de CV de 0 à 100 % .
Este valor é convertido em um número de o à 16383 e escrito no endereço
da variável de controle.
- FEEDFORWARD: Valor que será adicionado à saída para evitar
distúrbios.
- Quando se utilizar válvula reversa na saída,pode-se subtrair o valor
máximo 16.384 do valor de CV.
- Pode-se estabelecer limites para as saídas de 0 à 100%.
- Um aumento de Kc, pode gerar instabilidade no sistema.
- Geralmente usa-se o termo derivativo para controles de temperatura e
controles de Pressão e Vazão usa-se controlador PI, Proporcional e
Integral.











MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 102
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

4.12 - Instruções de E/S imediatas:
• IIM
Busca o ultimo dados de entrada e o deixa disponível para as instruções
que se seguem . Configurando o slot no qual o módulo se encontra.
• IOM
Atualiza as saídas de acordo com a lógica precedente. Configurando o slot
no qual o módulo se encontra.









• Slot: Localização do módulo na ranhura.

• Mask: Pode-se desabilitar alguns Bit's.

• Length: Quantidade de palavras por módulo.














IIM ou IOM
Slot
Mask
Length
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 103
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

4.13 - Manutenção & LOCALIZAÇÃO DE FALHAS

4.13.1 - GENERALIDADES:
Existem dois modos de se localizar falhas: através dos Led's de
diagnóstico (se encontram nos Anexos) e através do arquivo de status
cujos códigos de falha de erro grave, as prováveis causas das falhas e a
recomendação sobre a ação corretiva encontram-se descritos neste capítulo.
A descrição das Palavras do arquivo se Status dos controladores se
encontram nos anexos bem como manutenção do siatema de controle.
Os códigos de falhas descritos a seguir se referem aos controladores
5\01,5\02,5\03,5\04,5\05 e shoebox, sendo que do 5\03 em diante existem
outros códigos que se referem a aplicações mais complexas e que se
encontram no manual do produto.
4.13.2 - LIMPANDO AS FALHAS
Pode-se limpar uma falha sem a utilização da rotina de erro do usuário,
através dos seguintes métodos:
• Desenergizando-se manualmente o bit de falha grave S:1/13 no arquivo de
status, através do dispositivo de programação ou DTAM. O controlador
então entra no modo Programação para que a condição que causa a falha
seja corrigida e, a seguir, o controlador entra no modo de Operação ou
Teste.
• Energizando-se o bit de Falha na Energização (Fault Override) S:1/8 no
arquivo de status, a fim de que a falha seja limpa quando a alimentação
for aplicada, presumindo-se que o programa de aplicação não está
corrompido.
• Energizando-se um dos bits de autocarga S:1/10, S:1/11 ou S:1/12 no
arquivo de status do programa numa EEPROM, para automaticamente
transferir um novo programa sem falha do módulo de memória para
RAM, quando a alimentação for aplicada.
Nota de Aplicação: A falha grave específica de uma aplicação pode ser
determinada pelo usuário, escrevendo-se seu valor único para S:6 e então
energizando-se S:1/13.
Utilização da Rotina de Erro do Usuário - Apenas Controladores SLC-
5/02 e demais SLC’s
Ao designar um arquivo de sub-rotina de erro do usuário, a ocorrência de
falhas do usuário, recuperáveis ou não recuperáveis, fará com que a sub-
rotina indicada seja executada em uma varredura. Se a falha for recuperável,
a sub-rotina pode ser usada para solucionar o problema e limpar o bit de
falha S:1/13. O controlador então continuará no modo Operação. Se a falha
for não recuperável, a sub-rotina pode ser empregada para enviar uma
mensagem através da instrução de mensagem para outro nó da rede DH-485
com informação do código de erro e/ou efetuar uma parada do processo.
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 104
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

A sub-rotina só é executada nas falhas referentes ao usuário
4.13.3 - DESCRIÇÃO DE CÓDIGO DE ERRO E AÇÃO RECOMENDADA
As tabelas a seguir contêm a descrição, a causa prováveis e a ação
recomendada para a correção dos seguintes tipos de erros:
• Erros na Energização (tabela 0.A)
• Erros na Operação (tabela 0.B)
• Erros de Run-time (tabela 0.C)
• Erros da Instrução de Programa do Usuário (tabela 0.D)
• Erros de E/S (tabela 0.E)
Tabela 0.A
Erros na Energização
Cód.
Erro
(Hex)

Descrição

Causa Provável

Ação Recomendada
0001 Erro de NVRAM • Ruído
• Raio
• Aterramento inadequado
• Falta de supressão de surto
nas saídas com cargas
indutivas
• Fonte de alimentação com
potência inadequada
• Perda de back-up de
bateria ou capacitor
Solucionar o problema,
recarregar o programa e
colocar o controlador em
Operação. Pode ser usada a
característica de autocarga
com um módulo de memória
p/ automaticamente recarregar
o programa e introduzir o
modo Operação.
0002 Tempo de Watchdog
inesperado
• Ruído
• Raio
• Aterramento inadequado
• Falta de supressão de surto
nas saídas c/cargas
indutivas
• Fonte de alimentação com
potência inadequada
Solucionar o problema,
recarregar o programa e
colocar o controlador em
Operação. Pode ser usada a
característica de autocarga
com um módulo de memória
p/ automaticamente recarregar
o programa e introduzir o
modo Operação.
0003 Erro na memória do módulo
de memória
A memória do módulo de
memória está corrompida
Reprogramar o módulo de
memória. Se o erro persistir,
substituir o módulo de
memória.
0004 Erro de memória ocorreu
durante o modo Operação
• Ruído
• Raio
• Aterramento inadequado
• Falta de supressão de surto
nas saídas com cargas
indutivas
• Fonte de alimentação com
potência inadequada
Solucionar o problema,
recarregar o programa e
colocar o controlador em
Operação. Pode ser usada a
característica de autocarga
com um módulo de memória
p/ automaticamente recarregar
o programa e introduzir o
modo Operação.
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 105
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Tabela 0.B
Erros na Operação
Cód.
Erro
(Hex)

Descrição

Causa Provável

Ação Recomendada
0010 O controlador não está na
revisão adequada
A revisão do controlador não
é compatível com o nível de
revisão para o qual o
programa foi desenvolvido.
Consultar a Allen-Bradley.
0011 O arquivo executável
número 2 está ausente
Programa incompatível ou
corrompido
Recarregar o programa ou
reprogramar com Software
APS da Allen-Bradley.
0012 O programa de aplicação
tem um erro de memória
• Ruído
• Raio
• Aterramento inadequado
• Falta de supressão de surto
nas saídas com cargas
indutivas
Solucionar o problema,
recarregar o programa e
colocar o controlador em
Operação. Se o erro persistir,
assegurar que seja usado o
Software de Programação
APS da Allen-Bradley para
desenvolver e carregar o
programa.
0013 • O módulo de memória
necessário não está
instalado, ou
• S:1/10 ou S:1/11 não está
energizado como
requerido pelo programa
• Um dos bits de status está
energizado no programa
mas o módulos de
memória requerido não
está instalado.
• Bit de status S:1/10 ou
S:1/11 não está energizado
no programa armazenado
no módulo de memória,
mas está energizado no
programa do SLC 500.
• Instalar um módulo de
memória no controlador,
ou
• carregar o programa do
controlador p/ o módulo de
memória.
0014 Erro no arquivo interno • Ruído
• Raio
• Aterramento inadequado
• Falta de supressão de surto
nas saídas c/ cargas
indutivas
• Fonte de alimentação c/
potência inadequada
Solucionar o problema,
recarregar o programa e
colocar o controlador em
Operação. Se o erro persistir,
assegurar que seja usado o
Software de Programação
APS da Allen-Bradley para
desenvolver e carregar o
programa.
0015 Erro no arquivo de
configuração
• Ruído
• Raio
• Aterramento inadequado
• Falta de supressão de
surtos nas saídas com
cargas indutivas
• Fonte de alimentação com
potência inadequada
Solucionar o problema,
recarregar o programa e
colocar o controlador no
modo Operação. Se o erro
persistir, assegurar que seja
usado o Software APS da
Allen-Bradley para
desenvolver e carregar o
programa.
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 106
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Cód.
Erro
(Hex)

Descrição

Causa Provável

Ação Recomendada
0016 Proteção na inicialização
após perda de alimentação.
A condição de erro existe na
energização quando o bit
S:1/9 está energizado e na
ocorrência de perda de
alimentação durante a
operação.
Bit de status S:1/9 foi
energizado pelo programa do
usuário.
• Reenergizar o bit S:1/9 se
isto for consistente com os
requisitos de aplicação, e
alterar o modo para voltar
à operação, ou
• apagar S:1/13, bit de falha
grave, antes que o fim da
primeira varredura de
programa seja atingido.

























MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 107
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Tabela 0.C
Erros de Run-time
Cód.
Erro
(Hex)

Descrição

Causa Provável

Ação Recomendada
0020 Um bit de erro de
advertência está energizado
no final da varredura
• Ocorrência de overflow
em uma instrução
matemática ou FRD
• Detecção de erro na
instrução de sequenciador
ou registro de
deslocamento.
• Um erro grave foi
detectado enquanto
executando uma rotina de
falha do usuário.
• Endereços de arquivo MO-
M1 foram refereciado no
programa do usuário para
uma ranhura desabilitada.
Solucionar o problema de
programação, recarregar o
programa e entrar no modo
Operação.
0021 Ocorreu uma falha na
alimentação de uma gaveta de
expansão de E/S.

Nota: Um sistema modular
que encontra uma condição de
sobretensão ou sobrecorrente,
em alguma de suas fontes de
alimentação, pode produzir
qualquer dos códigos de erros
listados na tabela 0.E (em vez
de cód. 0021). O LED da
fonte de alimentação estando
desligado é indicação de
condição de sobretensão ou
sobre corrente.
Controladores com estrutura
de E/S fixa e SLC-5/01 FRN
1-4: Alimentação foi
removida ou a alimentação
caiu baixo da especificação
para uma gaveta de expansão.

Controladores SLC-5/02 e
Controladores SLC-5/01 FRN
5: Este código de erro está
presente somente enquanto
não for aplicada alimentação a
uma gaveta de expansão. Este
é o único código de erro de
auto-apagamento. Quando a
alimentação for reaplicada à
gaveta de expansão a falha
será apagada.
Controladores com estrutura
de E/S fixa e SLC-5/01 FRN
1-4: Aplicar alimentação à
gaveta local.

Controladores SLC-5/02 e
Controladores SLC-5/01 FRN
5: reaplicar alimentação à
gaveta de expansão.













MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 108
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Cód.
Erro
(Hex)

Descrição

Causa Provável

Ação Recomendada
0021
Atenção: Controladores com
estrutura fixa e Controladores
SLC-5/01 FRN 1-4 - Se
ocorreu a falha na
alimentação remota enquanto
o controlador estava no modo
Operação, o erro 0021 fará
com que o bit de erro de
advertência do bit de erro
grave (S:1/13) seja
desenergizado na próxima
energização da gaveta local.
Controladores SLC-5/02 e
Controladores SLC-5/01 FRN
1 a 4 - A alimentação à gaveta
local não precisa ser reciclada
para retornar ao modo
operação. Assim que a gaveta
remota for realimentada, a
CPU irá reiniciar o sistema.

0022 O tempo de varredura de
Watchdog foi excedido.
• O tempo de watchdog para
o programa do usuário está
fixado muito baixo.
• O programa do usuário foi
apanhado num loop.
• Aumentar o tempo de
watchdog no arquivo de
status (S:38), ou
• solucionar o problema do
programa do usuário.
0023 Arquivo de interrupção STI
inválido ou inexistente
• No arquivo de status foi
designado um número de
arquivo STI, mas não foi
criado o arquivo de sub-
rotina.
• O número de arquivo de
STI designado foi 0, 1 ou
2.
• Desabilitar o valor de
referência (S:30) de
Interrupção de STI e o
número de arquivo (S:31)
no arquivo de status, ou
• criar um arquivo de sub-
rotina de interrupção STI
para o número de arquivo
designado no arquivo
status (S:31). O número de
arquivo não deve ser 0, 1
ou 2.








MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 109
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Cód.
Erro
(Hex)

Descrição

Causa Provável

Ação Recomendada
0024 Intervalo de interrupção STI
inválido
O valor de referência de STI
está fora da faixa (superior a
2550ms, ou negativo).
• Desabilitar o valor de
referência (S:30) de
Interrupção de STI e o
número de arquivo (S:31)
no arquivo de status, ou
• criar uma rotina de
interrupção STI para o
número de arquivo
designado no arquivo
status (S:31). O número de
arquivo não deve ser 0, 1
ou 2.
0025 Tamanho da pilha em
excesso/JSR chama por
rotina STI.
Uma instrução JSR está
chamando um número de
arquivo designado para uma
rotina de STI.
Corrigir o programa do
usuário para satisfazer os
requisitos e restrições da
instrução JSR. Recarregar o
programa e iniciar a
operação.
0026 Tamanho da pilha em
excesso/JSR chama por
rotina de interrupção de E/S.
Uma instrução JSR está
chamando um número de
arquivo designado para uma
rotina de interrupção de E/S.
Corrigir o programa do
usuário para satisfazer os
requisitos e restrições da
instrução JSR. Recarregar o
programa e iniciar a
operação.
0027 Tamanho da pilha em
excesso/JSR chama por
rotina de falha do usuário.
Uma instrução JSR está
chamando um número de
arquivo designado para uma
rotina de falha do usuário.
Corrigir o programa do
usuário para satisfazer os
requisitos e restrições da
instrução JSR. Recarregar o
programa e iniciar a
operação.
0028 Valor do arquivo de rotina
de falha "proteção na
energização" inválido ou
inexistente.
• Um número de arquivo de
rotina de falha foi criado
no arquivo de status, mas o
arquivo não foi criado
fisicamente.
• O número de arquivo
criado foi 0, 1 ou 2.
• Desabilitar o número
(S:29) de arquivo de rotina
de falha no arquivo de
status, ou
• Criar uma rotina de falha
para o número de arquivo
referenciado no arquivo
status (S:29). O número de
arquivo não deve ser 0, 1
ou 2.












MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 110
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.



002A

Referência de endereço
indexado está além do
arquivo de dados específico
referenciado.
Referência de endereço
indexado está fora do espaço
de arquivo de dados.

Por meio de endereçamento
indexado, o programa está
referenciando um elemento
situado além do limite de
um arquivo.
Por meio de endereçamento
indexado, o programa está
referenciado um elemento
situado além da faixa
permitida. A faixa vai de
B3:0 ao último elemento do
último arquivo de dados
criado pelo usuário

Corrigir o programa do
usuário, alocar mais espaço
de dados usando o mapa de
memória ou salvar
novamente o programa
permitindo ultrapassagem
dos limites de arquivo.
Recarregar o programa do
usuário. Este problema não
pode ser solucionado
escrevendo-se no registro de
índice (S:24).

Tabela 0.D
Erros de instrução do Programa
Cód.
Erro
(Hex)

Descrição

Causa Provável

Ação Recomendada
0030 Foi feita uma tentativa para
pular para um dos arquivos
de sub-rotina encadeada.
Este código pode também
significar que um programa
tem rotinas potencialmente
recursivas.
• Mais do que no máximo 4
(8 se estiver usando o
Controlador SLC-5/02)
níveis de sub-rotinas
encadeadas são chamadas
no programa do usuário.
• Sub-rotinas encadeadas
estão chamando sub-
rotinas de um nível
anterior.
Corrigir o programa do
usuário para satisfazer os
requisitos e restrições para a
instrução JSR, então
recarregar o programa e
iniciar a operação.
0031 Foi detectada uma referência
de instrução não suportada.
O tipo ou nível de série do
Controlador SLC-500 não
suporta uma instrução que
está no programa do usuário.
• Substituir o SLC-500 por
um que suporte o
programa do usuário, ou
• modificar o programa de
maneira que todas as
instruções sejam
suportadas pelo SLC-500,
recarregar o programa e
iniciar a operação.
0032 Um parâmetro de
comprimento/posição de
instrução de sequenciador
ultrapassa o fim de um
arquivo de dados.
O programa está
referenciando um elemento
que excede um limite de
arquivo estabelecido pela
instrução de sequenciador.
Corrigir o programa do
usuário ou alocar mais espaço
de arquivo de dados usando o
mapa de memória, recarregar
e iniciar a operação.



MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 111
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


0033

O parâmetro de
comprimento de uma
instrução LFU, LFL, FFU,
FFL, BSL ou BSR
ultrapassa o fim de um
arquivo de dados.

O programa está
referenciando um elemento
que ultrapassa o limite de
arquivo definido pela
instrução.
Corrigir o programa do
usuário ou alocar mais espaço
de arquivo de dados, usando o
mapa de memória, recarregar
e iniciar a operação.



0034 Foi introduzido um valor
negativo para o valor
acumulado ou pré-
selecionado de
temporizador.
O valor acumulado ou pré-
selecionado de um
temporizador no programa
do usuário foi detectado
como sendo negativo.
Se o programa do usuário está
transferindo valores para o
acumulado ou pré-selecionado
de um temporizador,
assegurar que esses valores
não sejam negativos. Corrigir
o programa do usuário,
recarregar e iniciar a
operação.
0034
(HSC)
Um valor pré-selecionado de
HSC negativo ou zero foi
detectado numa instrução
HSC.
O valor pré-selecionado para
a instrução HSC está fora da
faixa válida.
Faixa válida é 1-32767.
Se o programa do usuário está
transferindo valores para a
palavra pré-selecionada de
HSC, assegurar que estes
estejam dentro da faixa válida.
Corrigir o programa do
usuário, recarregar e iniciar a
operação.
0035 Uma instrução TND, SVC
ou REF é chamada dentro de
uma rotina de falha do
usuário ou interrupção.
Uma instrução TND, SVC
ou REF está sendo usada
numa rotina de falha do
usuário ou interrupção, o
que não é permitido.
Corrigir o programa do
usuário, recarregar e iniciar
a operação.
0036 Um valor inválido está
sendo usado para um
parâmetro de instrução PID.
Um valor inválido foi
carregado em uma instrução
PID pelo programa, ou pelo
usuário através da função de
monitoração de dados desta
instrução.

0038 Uma instrução RET foi
detectada em um arquivo
que não é de sub-rotina.
Uma instrução RET reside
no programa principal.
Corrigir o programa do
usuário, recarregar e iniciar
a operação.




MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 112
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Tabela 0.E
Erros de E/S

Códigos de Erro: Os caracteres xx nos seguintes códigos representam o número de ranhura (em
hexa). Os caracteres xx se tornam 1F se a ranhura exata não puder ser determinada.
Falhas de E/S Recuperáveis (somente Controladores SLC-5/02): Muitas falhas de E/S são
recuperáveis. Para recuperar, deve-se desabilitar a ranhura específica, xx, na rotina de falha do
usuário. Se não desabitar a ranhura xx, o controlador irá falhar no final da varredura.

Número da Ranhura (xx) em Hexadecimal


00







Cód.
Erro
(Hex)

Descrição

Causa Provável

Ação Recomendada
xx50 Foi detectado um erro de
dados na gaveta.
• Ruído
• Raio
• Aterramento inadequado
• Falta de supressão de surto
em saídas com cargas
indutivas
• Fonte de alimentação com
potência inadequada
Solucionar o problema,
apagar a falha e reintroduzir
o modo Operação.
xx51 Foi detectado um erro de
run-time de impedimento de
continuidade ("stuck" run-
time error) em um módulo
de E/S.
Se for um módulo de E/S
discreta, o problema é de
ruído. Se for um módulo
especial de E/S, consultar o
respectivo manual.
Aplicar alimentação ao
sistema. Se o problema não
for solucionado, substituir o
módulo.




Ranhura xx

0 00
1 01
2 02
3 03
4 04
5 05
6 06
7 07
Ranhura xx

0 00
1 01
2 02
3 03
4 04
5 05
6 06
7 07
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 113
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Cód.
Erro
(Hex)

Descrição

Causa Provável

Ação Recomendada
xx52 Um módulo necessário para
o programa de aplicação foi
detectado como ausente ou
removido.
Um módulo de E/S
configurado para uma
ranhura específica está
faltando ou foi removida.
• Desabilitar a ranhura no
arquivo de status (S:11 e
S:12), ou
• inserir na ranhura o
módulo requerido.
xx53
Ao ir para Operação, um
programa declara uma ranhura
como não utilizada, e essa
ranhura é detectada como
tendo um módulo de E/S
inserido. Este código pode
também significar que um
módulo de E/S foi auto-
reinicializado.
• A ranhura de E/S não está
configurada para um
módulo, mas um módulo
está presente.
• O módulo de E/S se
reinicializou.
• Desabilitar a ranhura no
arquivo de status (S:11 e
S:12), apagar a falha e
iniciar a operação, ou
• remover o módulo,
eliminar a falha e iniciar a
operação ou
• modificar a configuração
de E/S para incluir o
módulo, recarregar o
programa e iniciar a
operação.
• se o módulo se
reinicializou, eliminar a
falha e iniciar a operação.
xx54
Um módulo necessário para o
programa de aplicação é
detectado como sendo o tipo
errado.
Um módulo de E/S numa
ranhura específica é de tipo
diferente da configuração feita
pelo usuário para essa
ranhura.
• Substituir o módulo
diferente pelo módulo
correto, eliminar a falha e
iniciar a operação, ou
• alterar a configuração de
E/S para a ranhura,
recarregar o programa e
iniciar a operação.
xx55
Um módulo de E/S discreta,
necessário para o programa do
usuário, foi detectado como
tendo o contador de E/S ou o
driver de E/S errado. Este
código pode também
significar que o driver de
placa especial está incorreto.
• Se este é um módulo de
E/S discreta, a contagem
de E/S está diferente da
selecionada na
configuração de E/S.
• Se este é um módulo
especial de E/S, o driver da
placa está incorreto.
• Se este é um módulo de
E/S discreta deve-se
substituí-lo por outro que
tenha o contador de E/S
selecionado na
configuração de E/S.
Eliminar a falha e iniciar a
operação, ou
• alterar a configuração de
E/S para corresponder ao
módulo existente, então
recarregar o programa e
iniciar a operação.
• Se este módulo de E/S
especial, deve-se consultar
o respectivo manual.


MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 114
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.



Cód.
Erro
(Hex)

Descrição

Causa Provável

Ação Recomendada
xx56 A configuração da gaveta
está incorreta.
A configuração de gaveta
especificada pelo usuário não
corresponde ao hardware.
Corrigir a configuração de
gaveta, recarregar o programa
e iniciar a operação.
xx57
Um módulo especial de E/S
não respondeu a um comando
de Memória de Bloqueio
Compartilhado dentro do
limite de tempo requerido.
O módulo especial de E/S
não está respondendo ao
controlador no tempo
permitido.
Reciclar a alimentação na
gaveta. Se isto não solucionar
o problema, consultar o
respectivo manual do módulo
especial de E/S. Se
necessário, substitua o
módulo.
xx58
Um módulo especial de E/S
gerou uma falha genérica. O
bit de falha do módulo é
energizado (1) no byte de
status do módulo.
Consultar o manual do
usuário para o módulo
especial de E/S.
Reciclar a alimentação na
gaveta. Se isto não solucionar
o problema, consultar o
respectivo manual do módulo
especial de E/S. Se
necessário, substitua o
módulo.
xx59
Um módulo especial de E/S
nào respondeu a um comando
que tinha sido completado
dentro do limite de tempo
solicitado.
Um módulo especial de E/S
não completou um comando
de um controlador.
Consultar o manual do
usuário do módulo especial de
E/S. Se necessário, substitua o
módulo.
xx5A
Problema de interrupção no
hardware ("stuck").
No caso de um módulo de
E/S discreta, este é um
problema de ruído. Se este é
um módulo especial de E/S,
deve-se consultar o
respectivo manual.
Reciclar a alimentação na
gaveta. Verificar o problema
de ruído e assegurar que
foram adotadas práticas de
aterramento adequadas. Se
este é um módulo especial de
E/S, consultar o respectivo
manual. Pode ser necessário
substituir o módulo.
xx5B
Erro de configuração no
arquivo G - tamanho do
arquivo G do programa de
aplicação excede a capacidade
do módulo.
Arquivo G está incorreto
para o módulo nesta
ranhura.
Consultar o manual do
módulo especial de E/S.
Reconfigurar o arquivo G
como descrito no manual.
Recarregar e iniciar a
operação.
xx5C
Erro de configuração de
arquivo M0-M1 - O tamanho
do arquivo M0-M1 do
programa excede a capacidade
do módulo.
Arquivos M0-M1 estão
incorretos para o módulo
nesta ranhura.
Consultar o manual do
usuário para o módulo
especial de E/S. Reconfigurar
o arquivo M0-M1 como
descrito no manual.
Recarregar e iniciar a
operação.






MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 115
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

xx5D
Interrupção solicitada não é
suportada pelo controlador.
O módulo especial de E/S
solicitou serviço que o
controlador não suporta.
Consultar o respectivo manual
do módulo para determinar
quais controladores suportam
o módulo. Trocar o
controlador por um que
suporte o módulo.

Cód.
Erro
(Hex)

Descrição

Causa Provável

Ação Recomendada
xx5E
Erro no driver de E/S do
controlador (software).
O software do driver de E/S
do controlador está
corrompido.
Recarregar o programa
usando o Software APS da
Allen-Bradley.
xx60
a
xx6F
Identifica um erro grave
recuperável no módulo de E/S
específico. Consultar o
manual do usuário para
detalhes sobre o módulo
especial.


_______


_______
xx60
a
xx6F
Identifica um erro grave não
recuperável em um módulo de
E/S específico. Consultar o
manual do usuário para
detalhes sobre o módulo
especial.


_______


_______
xx90 Problema de interrupção
numa ranhura desabilitada.
Um módulo especial de E/S
solicitou o serviço enquanto
uma ranhura estava
desabilitada.
Consultar o respectivo manual
do módulo especial de E/S. Se
necessário, substitua o
módulo.
xx91 Uma ranhura desabilitada
apresentou falha.
Um módulo especial de E/S
numa ranhura desabilitada
apresentou falha.
Reciclar a alimentação na
gaveta. Se isto não solucionar
o problema, consultar o
manual do módulo especial de
E/S. Se necessário, substitua o
módulo.
xx92 Arquivo (ISR) de sub-rotina
de interrupção de módulo é
inválido ou inexistente.
Estão incorretas as
informações de configurações
de E/S/arquivo ISR para um
módulo especial de E/S.
Corrigir as informações de
configuração de E/S/arquivo
ISR para o módulo especial.
Consultar o respectivo manual
para informações corretas de
arquivo ISR. Recarregar o
programa e iniciar a operação.
xx93 Erro grave específico não
suportado no módulo de E/S.
O controlador não reconhece
o código de erro de um
módulo especial de E/S.
Consultar o respectivo manual
do módulo especial de E/S.




























MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 116
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

xx94 No modo Teste ou Operação,
um módulo foi detectado
como sendo inserido sob
energização. Esse código
pode também significar que
um módulo de E/S se
reinicializou.
O módulo foi inserido na
gaveta energizada, ou o
módulo se reinicializou.
Nenhum módulo deve ser
inserido em uma gaveta que
estiver recebendo
alimentação. Se isto ocorrer e
o módulo não for danificado,
deve-se:
• remover o módulo, apagar
a falha e iniciar a
operação, ou
• adicionar o módulo à
configuração de E/S,
referenciar o módulo no
programa usuário,
recarregar o programa e
iniciar a operação.
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 117
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


5. - SOFTWARE DE COMUNICAÇÃO RSLINX.
5.1 - Acessando o software:


























5.2 configurando drivers.














Comunicação através
Do canal serial do
CLP
Utilizando cartão KTC

MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 118
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.









Acione a
configuração
Automática

Selecione as configurações
constantes no hardware da placa
KTC
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 119
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.
































Drivers Ativos no PC
Clicar duas
Vezes para
visualizar os
dispositivos
ativos
Após certificar-se que os dispositivos estão ativos minimizar
o RSLinx e abrir o RSLogix
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 120
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.



6. SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO RSLOGIX500.
Após acessar o software vamos criar um novo programa.















Selecione o tipo
de CPU utilizada
Criar um novo
programa
Aceitar as
Escolhas
Seleciona-se o driver
Para comunicação
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 121
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.



MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 122
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Ler a configuração dos
cartões se você estiver
Com o driver ativo
Configurar
Os cartões de
I/O chassis e
fontes
Configurar
automaticamente
Selecione Chassis
utilizados
Selecione oos módulos e
arraste-os até o chassi
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 123
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


Selecione os módulos
Arraste e após feche
esta tela
Configurando Canais de comunicação
MENU
CONFIGURAÇÃO
DOS CANAIS
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 124
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.




ENDEREÇO DA CPU
NA REDE ETHERNET
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 125
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


Inserindo comentarios às rungs e endereços
Configurando o Canal
Serial do controlador

Inserido comentarios
e simbolos à base de
dados.
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 126
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.



ALTERANDO PROPRIEDADES DO CONTROLADOR:

MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 127
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


ACESSANDO O
ARQUIVO DE
STATUS DO
CONTROLADOR

Através desta
tela pode-se habilitar e
desabilitar os slots
Impedindo que o
Processador execute a
varredura dos mesmos
Após verificar qual erro
ocorreu apagar a falha
através da tecla indicada
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 128
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


Altera-se data e hora do
controlador.
Através do editor de
Multipoint pode-se
supervisionar endereços
do controlador
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 129
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


CRIANDO ARQUIVOS DE PROGRAMA OU SUBROTINAS DO USUÁRIO

Imprimindo programa aplicativo
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 130
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Exibindo um preview
Da impressão
Configurando página para
impressão

ACESSANDO O PLC ON-LINE
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 131
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


Selecione o driver
A ser utilizado
Verifica quais são as CPU's
Que estão ON-line
Acessa "On-Line" a
CPU selecionada em
"Processor Node"
Grava o programa do
micro para o CLP
Grava o programa do
CLP para o Micro

Através deste
submenu pode-se
forçar pontos de
De E/S
Habilita-se
os forces
Inserindo forces ao programa aplicativo
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 132
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.































Clicar e arrastar
o contato ou digitar
a linha.
Após digitada
A linha aceitá-la
Escolha as
instruções

Escolha o paralelo arraste
Para linha e solte no ponto
verde
Algumas Instruções
necessitam configurações
Determinadas na tela de
setup "clicar duas vezes"
neste ponto.
Editando uma linha de programação.
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 133
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 134
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

Comando de procura e troca de endereços


Utilizando o Help
Este comando lhe permite
Obter informações sobre todas
as instruções do CLP bem
como dúvidas sobre a
utilização dos recursos do
software
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 135
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


7. - EXERCÍCIOS APLICATIVOS :
Desenvolver os Exercícios apresentados para melhor
fixação do aprendizado.

EXERCÍCIO1:

Um tanque pode conter dois tipos de misturas diferentes dependendo da
seqüência e do tempo que as bombas A,B e C são ligadas. o tipo de mistura
poderá ser acionada mediante uma chave ou botão na entrada do PLC.
Considerando que a bomba A bombeia 10 litros do produto por segundo
mostrar em um endereço N7;10 o total do produto de "A" descarregado
após algumas operações. E após o final de cada mistura informar qual a
mistura foi executada. O total do produto de A deverá ser convertido para
o rangue de 0 à 32767 para que possa ser coletado por um sistema
supervisório no endereço N7:10.
MISTURA 1 MISTURA 2
Seqüência : A B C B C A
Tempos(seg) 6 8 4 8 6 4

EXERCÍCIO 2 :
As figuras apresentadas na próxima página se referem a um sistema
industrial de maquina de extrusão saem tubos a uma velocidade"v" e em
caso de defeito o operador desliga a maquina.
O sistema de corte se processa quando o carrinmho se encontra na posição
C2 e o tubo alcança a chave fim de curso C1 . o carrinho através de um
acionamento atinge a velocidade "v" em C3 ,quando a morsa fecha e a serra
circular baixa serrando o tubo (a serra circular funciona constantemente) .
O carrinho retorna à sua posição inicial e antes de alcançar esta posição o
seu acionamento é desligado por C7 . atingindo por inércia a chave C2.
C1 - Posicionamento do tubo
C2 - Posição inicial do carrinho
C3 - Sincronismo do carrinho com o tubo
C6 - fechar a morsa
C4 - Baixar a serra
C5 - Subir a serra
C7 - retornar carrinho
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 136
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.



Algoritmo.
1 - Posicionamento do tubo em C1 e posição do carrinho em C2
2- Acionar carrinho para frente
3- Sincronizar carrinho com o tubo - Chave C3
4- Desligar carrinho para frente
5- Fechar morsa até C6
6- Descer Serra até C4
7- Subir serra até C5
8- Abrir morsa
9- Tempo de espera para reversão
10- ligar retorno do carrinho
11- Desligar retorno do carrrinho C7
Fluxograma:



















INICIO
POSICIONAR C1 ,C2
ACIONAR CARRO
SINCRONIZAR C3
FECHAR MORSA
1
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 137
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.






















Desenvolver um programa aplicativo para o exercício proposto.












C6
C5
C4
VISTA
FR0NTAL
C1
C7 C3
C2
VISTA
LATERAL
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 138
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.




Exercício 3 - Observe o processo abaixo:
Motor Baixa rotação
4 À 20
mA












Elaborar um programa aplicativo para CLP que irá fazer o controle de nível
e de temperatura para o tanque descrito acima sabendo-se que temperatura
ideal é de 80 ºC e que o nível deverá ser mantido entre nível mínimo ( A ) e
nível 1 ( B ). Quando o nível estiver entre A e B e a temperatura estiver
entre 80 e 85 º C pode-se retirar o liquido através de V2 e B2



M
F1 B1
F2 B2
AQUECEDOR
NIVEL EMERGENCIA
NIVEL 1

TRANSMISSOR
Termopar
Nível Mínimo
A
B
V2
V1
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 139
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

8. - GLOSSÁRIO
ATENÇÃO! Este glossário visa somente a tradução, para o português, de algumas palavras que
aparecem nas teclas de funções do software. Temos assim a intenção de facilitar o aprendizado
e a manipulação do software. Para esclarecer qualquer dúvida com relação ao objeto de cada
função, deve ser consultado o manual do software de programação.


A

ACTIVE - Ativo
ADDRESS COMENT - Comentários de endereço
ALL - Todos
APPEND - Acrescentar

B

BEGIN OPER.. - Começa operação

C

CANCEL EDITS - Cancela edição
CHANGE FILE NAME - Mudo o nome do arquivo
CHANGE MODE - Muda o modo
CHANGE PASSWORD - Muda a senha
CLEAR MEMORY - Apaga a memória
COMPARE - Comparação
CONFIG DISPLAY - Configuração de tela
CONFIG. DOCUMENT - Configura a documentação
CONNECT TYPE - Tipo de conexão
COPY - Copiar
CREAT REPORTS - Criar relatórios
CREAT - Criar
CREAT FILE - Criar arquivo
CREAT LADDER FILE - Criar arquivo ladder

D

DATA MONITOR - Monitora dados
DEFINE DIR. - Define diretório
DELETE FILE - Apaga arquivo
DELETE - Apagar
DESTINATION - Destino
DISABLE - Desabilita
DISCARD - Descartar
DOCUMENT - Documentação




MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 140
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

E

EDIT DBASE - Editar base de dados (símbolos)
EDIT - Editar
ENABLE - Habilita
EXIT SYSTEM - Sai do sistema
EXIT TO DOS - Sai para o DOS
EXIT - Sair

F

FILE UTILS - Utilitários de arquivo
FORCE - Forçar
FUNCTION - Função

G

GENERAL OPTIONS - Opções gerais
GENERAL UTILITY - Utilitários gerais

I

INACTIVE - Inativo
INSERT - Inserir
INSTRUCT. COMMENT - Comentários de instrução

K

KEY - Chave

L

LIST - Lista

M

MEMORY MAP - Mapa de memória
MODIFY - Modificar
MONITOR FILE - Monitorar arquivos
MONITOR INPUTS - Monitorar entradas
MONITOR OUTPUTS - Monitorar saídas
MULT - Vários
MUT. RUNG - Múltiplas linhas





MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 141
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


N

NAME - Nome
NO - Não
NUMBER - Número

O

OFF - Desligar
OFF-LINE PROG. - Programação em OFF-LINE
OFF-LINE CONFIG. - Configuração em OFF-LINE
OFF-LINE REPORTS - Gerar relatórios em OFF-LINE
ON - Ligar
ON-LINE CONFIG. - Configuração em ON-LINE
ON-LINE PROG. - Programação em ON-LINE

P

PAGE LENGTH - Altura da página
PAGE WIDTH - Largura da página
PLC ADRESS - Endereço do PLC
PORT NUMBER - Número da porta
PRESS - Pressionar
PRINTER CONFIG. - Configuração da impressora
PRINTER TYPE - Tipo de impressora
PRINT/VIEW - Imprimir / observar
PROC. FUNCTIONS - Funções do processador
PROC. STATUS - Estado do processador
PROGRAM DIRECTORY - Diretório do programa

R
REMOVE - Remover
RENAME PROC. - Renomear o processador
RENAME - Renomear
REPORTS - Gerar relatórios
RESET REPORTS - Desmarca relatórios para impressão
RESTAURE - Restaurar
RETURN TO MENU - Retornar para o menu
RUNG COMMENT - Comentários de linha
RUNG -Linha








MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 142
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

S

SAVE CONFIG. - Salvar configuração
SAVE - Salva
SEARCH -Procura
SELECT ALL - Seleciona todos
SELECT DEVICE - Seleciona dispositivo
SELECT NAME - Seleciona nome
SELECT RUNG - Seleciona linha
SELECT - Seleciona
SINGLE RUNG - Linha simples
SINGLE - Único
SOFWTARE CONFIG. - Configuração do software
SPECIFY BIT -Especifica um bit
SUPPRESS - Suprime
SYMBOL - Símbolo

T

TERM. ADRESS - Endereço do terminal
TITLE - Título
TOGGLE REPORTS - Marca relatórios para impressão
TO/FROM FLOPPY - Para / do disquete

U

UNDELETE - Recuperar

W

WHO - Quem

Y

YES - Sim
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 143
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.



9. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS.

1 . SLC 500 Family of Small Programmable controllers - System
Overview - 1.995 Allen Bradley Company
2 . Advanced Programing Software - 1747 PA2E User Manual -
Publication IC-942 Dated August 1992 Allen Bradley Company
3 - NATALE, FERDINANDO - Automação Industrial - Editora Erica:
São Paulo 1.995.
4 - SLC 500 Modular Hardware Style - Installation and Operation Manual ,
March 1.993 Allen Bradley Company.
5 - OLIVEIRA,JÚLIO CÉSAR P. - Controlador programável . São Paulo.
Makron Books, 1.993.
6 - Micro mentor , Entendendo e utilizando os microcontroladores
programáveis. Allen Bradley Company, Inc. 1.996.
7- 1785-2.36BR - PLC5 - Visão Geral do sistema - Rockwell Automation,
outubro 1.996.

Elaborado por:
··/.· ./·.·· (·.··.~ ··./~ . ··/.· ./·.·· (·.··.~ ··./~ . ··/.· ./·.·· (·.··.~ ··./~ . ··/.· ./·.·· (·.··.~ ··./~ .
Microsis Equipamentos & 8erviços LTDA.
Depto. Técnico.
1f0lß8M0ßl0 8 N8fk0llß0.
Manual para treinamento em SLC500 - Ver. 6.0 de 26/01/1999.
Sujestões e Críticas: email: microsis@microsis.com.br
Tel: 021 446 – 6665.








MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 144
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.






10. ANEXOS:

MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 145
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


10.1 - Indentificando componentes do controlador.
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 146
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


10.2 - Instalando componentes de Hardware:







MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 147
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


10.3 - Procedimentos para interligação das redes:

MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 148
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


10.4 - Recomendação para fiação de Dispositivos de Entradas e saídas.

MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 149
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


10.5 - Manutenção do sistema de controle.
MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 150
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


10.6 - Localização de falhas pelos Leds de Diagnóstico









MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 151
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

10.7 - Instalando Redes DH485














MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 152
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.

10.8 - Instalando Redes DH+





























MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 153
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


10.9 - Interfaces de Comunicação RS232.























MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 154
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.


10.10 - Consumo dos módulos e processadores.























MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 155
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.





10.11 - Comunicação de dispositivos em Ethernet.




















MICROSIS RIO - EQUIPAMENTOS & SERVIÇOS LTDA. 156
Curso de Controlador Lógico Programável - SLC500
CAMC.




10.12 - Arquivo de Status dos Controladores.