You are on page 1of 170

CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS

Antônio de A. e Silva & Marivaldo P. Matos
Prefácio
Este texto é produto da experiência dos autores quando ministraram, por diversas vezes, disciplinas
envolvendo cálculo diferencial e integral para os cursos de Ciências Exatas e Engenharias da UFPB e
de Licenciatura em Matemática a Distância da UFPBVirtual.
O principal objetivo deste texto é fazer com que os alunos compreendam com clareza os conceitos
envolvendo funções de várias variáveis, de um ponto de vista geométrico e algébrico, e desenvolvam a
capacidade de modelar problemas matemáticos e provas envolvendo conceitos topológicos, bem como
as noções intuitivas de limites, continuidade, derivadas parciais, diferenciabilidade, comportamento de
funções, integrais de linha e de superfície.
O público a que o livro se destina são os estudantes com conhecimento prévio de cálculo diferencial
e integral, equivalente a um período letivo, familiarizados com as ideias de derivada e integral, em
seus aspectos fundamentais, e com uma noção razoável sobre simbologia e lógica matemática, de
modo a compreender etapas que vão da formulação à demonstração de resultados matemáticos pouco
so…sticados. Conhecimentos básicos sobre cálculo vetorial, retas, planos, cônicas e quádricas são
recomendados, mas não indispensáveis.
É nossa expectativa que este texto assuma o carater de espinha dorsal de uma experiência perma-
nentemente renovável, sendo, portanto, bem vindas as críticas e/ou sugestões apresentadas por todos
- professores ou alunos que dele …zerem uso.
Os termos ou expressões que consideramos pouco comuns foram grafados em itálico e indicam
que estão sendo de…nidos naquele ponto do texto, ou que serão formalizados nas seções ou capítulos
posteriores. Como parte do processo de treinamento e para desenvolver a capacidade do estudante de
pensar por si mesmo em termos das novas de…nições, incluímos no …nal de cada seção uma extensa
lista de exercícios.
O livro é composto de uma parte sobre cálculo diferencial e outra sobre cálculo integral, onde
apresentamos os conceitos e métodos fundamentais, com vistas às aplicações. Por se tratar de um
texto de cálculo, julgamos conveniente omitir a demonstração de alguns resultados, principalmente
na parte de cálculo integral, mas levando em consideração dois aspectos: primeiro, a formulação
matemática adequada e, depois, a exempli…cação de como utilizá-los.
No capítulo 1 apresentaremos algumas de…nições e resultados sobre conceitos topológicos, funções
reais de duas ou mais variáveis reais, limites e continuidade, que serão necessárias para o entendimento
dos próximas capítulos.
No capítulo 2 apresentaremos as de…nições de derivadas parciais, diferenciabilidade, Regra da
Cadeia, derivada direcional e gradiente que serão necessárias para as aplicações.
No capítulo 3 apresentaremos os problemas de maximazação e minimização, o Método dos Multi-
plicadores de Lagrange, derivação implícita e transformações.
No capítulo 4 apresentaremos algumas de…nições e resultados sobre integrais múltiplas e mudança
de coordenadas.
No capítulo 5 apresentaremos algumas de…nições e resultados sobre campos de vetores, funções
vetoriais, integrais de linha e independência do caminho.
Finalmente, no capítulo 6 apresentaremos os conceitos de superfícies parametrizadas e integrais de
superfície, além dos teoremas clássicos do cálculo integral: Teorema de Green, Teorema da Divergência
de Gauss e o Teorema de Stokes.
Agradecimentos
Os autores reconhecem e agradecem a gentileza dos colegas Ailton Ribeiro de Assis, Inaldo Bar-
bosa de Albuquerque, João Bosco Batista Lacerda, João Bosco Nogueira, Jorge Costa Duarte Filho,
José Gomes de Assis e Shirley Santos e Souza, todos do Departamento de Matemática do CCEN -
UFPB, pelas sugestões incorporadas ao texto e, sobretudo, pelo encorajamento para realizar esta obra.
Agradecemos especialmente a Luizalba Santos e Souza pela leitura cuidadosa e revisão linguística da
primeira versão. Aos nossos inúmeros ex-alunos, que de alguma forma contribuíram para o sucesso
deste trabalho, registramos nossos sinceros agradecimentos.
Antônio de A. e Silva
Marivaldo P. Matos
Sumário
1. Campos Escalares 1
1.1 Conceitos Topológicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.1.1 Posição Relativa Ponto Conjunto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.2 Funções Reais de Várias Variáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
Curvas e Superfícies de Nível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.3 Limite e Continuidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.3.1 Motivação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.3.2 Conceito e Regras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.3.3 Continuidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Respostas & Sugestões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Seção 1.1 - conceitos topológicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Seção 1.2 - funções de várias variáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Seção 1.3 - limite e continuidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
2. Diferenciabilidade 33
2.1 Derivadas Parciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
2.1.1 Derivadas Parciais de Ordem Superior . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
2.1.2 Exemplos Clássicos I . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
2.2 Campos Diferenciáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
2.2.1 A Diferencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
2.2.2 A Derivada como Aplicação Linear . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
2.2.3 Exemplos Clássicos II . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
2.3 Regra da Cadeia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
2.4 Derivada Direcional e Gradiente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
2.4.1 Variação Estimada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
2.4.2 Reta Tangente e Reta Normal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
Respostas & Sugestões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
Seção 2.1 - derivadas parciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
Seção 2.2 - campos diferenciáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
vi SUMÁRIO
Seção 2.3 - regra da cadeia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
Seção 2.4 - derivada direcional e gradiente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
3. Derivadas: aplicações 79
3.1 Máximos e Mínimos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
3.1.1 Classi…cação dos Pontos Críticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
3.1.2 Funções Contínuas em Compactos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
3.2 Multiplicadores de Lagrange . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
3.2.1 Considerações Finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
3.3 Derivação Implícita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
3.3.1 Uma Equação e duas Variáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
3.3.2 Uma Equação e três Variáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
3.3.3 Duas Equações e quatro Variáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
3.4 Transformações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
3.4.1 Coordenadas Polares, Cilíndricas e Esféricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
Respostas & Sugestões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
Seção 3.1 - máximos e mínimos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
Seção 3.2 - multiplicadores de lagrange . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
Seção 3.3 - derivação implícita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
Seção 3.4 - transformações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
4. Integrais Múltiplas 129
4.1 Integral Dupla . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
4.1.1 Integral Dupla sobre Retângulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
4.1.2 Integral Dupla sobre Regiões não Retangulares . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
4.1.3 Invertendo a Ordem de Integração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
4.1.4 Considerações Físicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
4.1.5 Integral Dupla Imprópria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
4.1.6 Mudança de Variável em Integral Dupla . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
4.2 Integral Tripla . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
4.2.1 Mudança de Variável em Integral Tripla . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
4.2.2 Considerações Físicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
Respostas & Sugestões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
Seção 4.1 - integral dupla . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
Seção 4.1.6 - mudança de variável . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
Seção 4.2 - integral tripla . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168
CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS SUMÁRIO vii
5. Integral de Linha 171
5.1 Campos Vetoriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172
5.1.1 Operadores Diferenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
5.2 Caminhos Regulares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
5.2.1 Curvas Orientadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
5.3 Calculando Integral de Linha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
5.3.1 Integrando um Campo Vetorial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
5.3.2 Integrando um Campo Escalar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
5.3.3 Considerações Físicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199
5.4 Independência do Caminho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201
5.4.1 O Potencial como Integral de Linha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210
5.5 O Teorema de Green no Plano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211
5.5.1 Regiões Multiplamente Conexas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215
5.5.2 Aplicações do Teorema de Green . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 220
Respostas & Sugestões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221
Seção 5.2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221
Seção 5.3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223
Seção 5.4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 224
Seção 5.5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 225
Seção 5.6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 226
6. Integral de Superfície 229
6.1 Superfícies Regulares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 227
6.1.1 Superfícies Orientadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 234
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 237
6.2 Área de uma Superfície . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 238
6.2.1 Forma Parametrizada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 243
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 246
6.3 Integral de Superfície . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 247
6.3.1 Massa, Centro de Massa e Momento de Inércia . . . . . . . . . . . . . . . . . . 251
6.3.2 Integrando Formas Diferenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 253
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 255
6.4 Fluxo e o Teorema de Gauss . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256
6.4.1 Considerações Físicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 262
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 265
6.5 Circulação e o Teorema de Stokes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267
6.5.1 Interpretação do Rotacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 275
Exercícios e Complementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 276
viii SUMÁRIO
Respostas & Sugestões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277
Seção 6.1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277
Seção 6.2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278
Seção 6.3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279
Seção 6.4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280
Seção 6.5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281
Referências Bibliográ…cas 285
Índice Remissivo 287
Os problemas de “medida”, relacionados com os conceitos de comprimento, área e volume, remon-
tam aos tempos dos egípcios há mais de 4.000 anos, às margens do rio Nilo, quando problemas como o
cálculo de áreas de campos e volumes de grãos começaram a ter importância. Com os conhecimentos
das integrais simples obtemos áreas de regiões planas limitadas por grá…cos de funções, volumes de
sólidos de revolução, usando os métodos das fatias e dos discos circulares, de aplicações na geometria,
na física, etc. Neste Capítulo, esses problemas relacionados ao conceito de integrais simples serão
estendidos para integrais múltiplas.
No Capítulo 3 calculamos derivadas parciais de funções reais de duas variáveis reais, considerando
uma das variáveis independentes como sendo constante e diferenciando em relação à outra. De modo
inteiramente análogo, é possível considerar uma integral inde…nida como uma função em relação a
uma dessas variáveis. Por exemplo,
_
r
3
j
2
dr = j
2
_
r
3
dr = j
2
_
r
4
4
_
+C.
No cálculo da integral mantivemos a variável j temporariamente com um valor constante, no entanto,
valores …xados e distintos assumidos por j poderiam requerer diferentes valores da constante de inte-
gração C. Assim, devemos considerar a constante de integração como uma função de j e escreveremos
_
r
3
j
2
dr = j
2
_
r
3
dr = j
2
_
r
4
4
_
+C(j).
Da mesma forma que as integrais simples, as integrais duplas ou triplas podem ser utilizadas como
e…cientes ferramentas de modelagem em diversas situações-problema, sobretudo aquelas que envolvem
o cálculo de área ou volume de uma determinada região. Como exemplo, mostraremos que o volume
do elipsoide
r
2
a
2
+
j
2
/
2
+
.
2
c
2
= 1,
sendo a 0, / 0 e c 0, é igual a
4
3
¬a/c. Mais geralmente, calcularemos o volume do sólido
descrito por
= ¦(r, j, .) ¸ R
3
: (r, j) ¸ ¹ e 0 _ . _ )(r, j)¦,
sendo ) (r, j) uma função contínua na região compacta ¹ do plano rj e
4.1 Integral Dupla
Sabemos do cálculo de uma variável que a integral simples
_
b
o
) (r) dr,
onde ) : 1 ÷ R é uma função contínua e não negativa (o grá…co de ) se situa acima do eixo r)
no intervalo 1 = [a, /], é de…nida como a área delimitada pelo eixo r, pelas retas r = a e r = / e
130 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
acima pelo grá…co da função j = ) (r). Esse conceito de integral simples pode ser estendido a uma
função real de duas variáveis reais ) : 1 _ R
2
÷R contínua na região compacta 1, por exemplo, no
retângulo
1
aj
= ¦(r, j) ¸ R
2
: a _ r _ / e c _ j _ d¦.
4.1.1 Integral Dupla sobre Retângulos
Consideremos uma função . = ) (r, j) , contínua no retângulo compacto
1
aj
= [a, /] [c, d] = ¦(r, j) ¸ R
2
: a _ r _ / e c _ j _ d¦ (4.1)
e, para melhor clareza, suponhamos que ) seja não negativa, isto é, o grá…co de ) é uma superfície
situada acima do plano rj. Para melhor compreensão do conceito, de…niremos a integral dupla de
função contínua ) sobre o retângulo compacto 1 passo a passo e faremos referência a uma partição
do intervalo [a, /] como um particionamento de [a, /] .
Etapa 1: Particionando o retângulo D
xy
Particionemos os intervalos [a, /] e [c, d], respectivamente, por
a = r
0
< r
1
< < r
n÷1
< r
n
= / e c = j
0
< j
1
< < j
a÷1
< j
a
= d,
e com essas partições formemos :: retângulos 1
i)
= [r
i
, r
i+1
] [j
)
, j
)+1
] , de lados iguais a
r = r
i+1
÷r
i
=
/ ÷a
:
e j = j
i+1
÷j
i
=
d ÷c
:
,
de modo que
r
i
= r
i÷1
+ r, i = 1, . . . , : e j
)
= j
)÷1
+ j, , = 1, . . . , :.
Quando : e : tornam-se arbitrariamente grandes (: ÷· e : ÷·), então os lados dos retângulos
se aproximam de zero, isto é, r ÷0 e j ÷0.
Etapa 2: Avaliando f em um ponto (u
i
; v
j
) do retângulo R
ij
Em cada retângulo 1
i)
escolhemos um ponto (n
i
, ·
)
) , i = 1, . . . , : e , = 1, . . . , :, e nesse ponto
avaliamos a função ), isto é, calculamos o valor .
i)
= ) (n
i
, ·
)
).
Etapa 3: Construindo as Somas de Riemann
Cada parcela ) (n
i
, ·
)
) rj que …gura na soma
o
n,a
=
n

i=0
a

)=0
.
i)
rj, (4.2)
é uma aproximação do volume da caixa retangular de base 1
i)
e altura .
i)
= ) (n
i
, ·
)
) e cada soma
o
n,a
nos dá uma aproximação por falta ou por excesso do volume do sólido cuja base é o retângulo
1 e o topo é o grá…co da função ). As somas o
n,a
são denominadas somas de Riemann de ).
Com esses ingredientes, de…niremos a integral de Riemann (integral dupla) de ) sobre o retângulo
1. Quando a função ) é contínua no retângulo 1, demonstra-se que o limite
lim
n,a÷o
n

i=0
a

)=0
.
i)
rj
CAPÍTULO 4 INTEGRAL MÚLTIPLA 131
existe e esse limite é, por de…nição, a integral dupla de ) sobre o retângulo 1 e anota-se:
__
1
) (r, j) d¹ = lim
(a,j)÷(0,0)
n

i=0
a

)=0
.
i)
rj.
O elemento d¹ é a área in…nitesimal ou área elementar, usualmente indicada por drdj. No cálculo
de integrais, quando for necessário enfatizar as variáveis de integração, a notação
__
1
) (r, j) drdj
é mais adequada. A Figura 4.1 ilustra a construção da integral dupla sobre o retângulo 1.
Figura 4.1: Área elementar d¹ = drdj.
As propriedades básicas da integral dupla são similares àquelas para integral simples e o seguinte
resultado, admitido sem demonstração, é na verdade consequência das propriedades do limite
Proposição 4.1 Se ), q : 1 _ R
2
÷ R são funções contínuas no retângulo compacto 1 e ` é uma
constante real, então
1. Linearidade.
__
1
[)(r, j) +`q(r, j)] d¹ =
__
1
)(r, j)d¹+`
__
1
q(r, j)d¹.
2. Aditividade.
__
1
)(r, j)d¹ =
__
1
1
)(r, j)d¹ +
__
1
2
)(r, j)d¹, sendo 1 = 1
1
' 1
2
e
1
1
e 1
2
têm apenas pontos de fronteira em comum.
3. Valor Médio. Existe ao menos um ponto 1(a, /) no retângulo 1 tal que
__
1
)(r, j)d¹ = )(a, /)¹(1) ,
onde ¹(1) é a área da região 1.
Exemplo 4.2 Vamos ilustrar, neste exemplo, como usar a de…nição para calcular a integral dupla da
função ) (r, j) = rj
2
sobre o retângulo
1 = ¦(r, j) ¸ R
2
: 0 _ r _ 1 e 0 _ j _ 1¦.
132 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Solução Usando o Método de Indução Finita, demonstra-se que
1 + 2 + +: =
a

I=1
/ =
:(: + 1)
2
e 1
2
+ 2
2
+ +:
2
=
a

I=1
/
2
=
:(: + 1)(2: + 1)
6
e consideramos a partição do retângulo 1 determinada pelos pontos
0 = r
0
< r
1
< r
2
< < r
a÷1
< r
a
= 1 e 0 = j
0
< j
1
< j
2
< < j
a÷1
< j
a
= 1,
onde
r
I
= /r e j
I
= /j, / = 1, 2, . . . :, sendo r = j =
1
:
.
As somas de Riemann (4.2), com n
i
= r
i
e ·
)
= j
)
, são
o
a,a
=
a

i=0
a

)=0
) (n
i
, ·
)
) rj =
a

)=0
_
a

i=0
i(r)
2
_
,
2
(j)
3
=
: + 1
2:
_
_
a

)=0
,
2
(j)
3
_
_
=
(: + 1)
2
(2: + 1)
12:
3
,
e, consequentemente,
__
1
rj
2
drdj = lim
a÷o
o
a,a
= lim
a÷o
(: + 1)
2
(2: + 1)
12:
3
=
1
6
.
O Exemplo 4.2 é uma demonstração clara de que o cálculo de integrais duplas pela de…nição pode
não ser uma tarefa fácil, exceto em casos elementares. O cálculo de integral dupla sobre retângulos e,
também, sobre regiões compactas simples não retangulares, será feito como uma integral repetida ou
integral iterada, com auxílio do Teorema de Fubini
12
.
Teorema 4.3 (Teorema de Fubini) Seja ) : 1 _ R
2
÷R uma função contínua no retângulo
1 = ¦(r, j) ¸ R
2
: a _ r _ / e c _ j _ d¦.
Então
__
1
) (r, j) drdj =
_
o
c
__
b
o
) (r, j) dr
_
dj =
_
b
o
__
o
c
) (r, j) dj
_
dr. (4.3)
As integrais
_
o
c
__
b
o
) (r, j) dr
_
dj e
_
b
o
__
o
c
) (r, j) dj
_
dr
que …guram em (4.3) são as integrais iteradas ou integrais repetidas de ) (r, j) sobre o retângulo 1 e
nelas estão especi…cadas a ordem de integração. Por exemplo, na integral iterada
_
o
c
__
b
o
) (r, j) dr
_
dj
primeiro calculamos a integral parcial
_
b
o
) (r, j) dr, mantendo j temporariamente constante, e o
resultado integramos com respeito à variável j no intervalo [c, d] .
12
Guido Fubini (1879-1943), matemático italiano.
CAPÍTULO 4 INTEGRAL MÚLTIPLA 133
Corolário 4.4 Se q (r) e /(j) são contínuas em [a, /] e [c, d], respectivamente, então
__
[o,b][c,o]
q (r) /(j) drdj =
__
b
o
q (r) dr
_ __
o
c
/(j) dj
_
.
Exemplo 4.5 Reconsiderar o Exemplo 4.2 e calcular, via Teorema de Fubini, a integral dupla
__
[0,1][0,1]
rj
2
d¹.
Solução No retângulo 1 = [0, 1] [0, 1] o Teorema de Fubini nos dá
__
1
rj
2
d¹ =
_
1
0
__
1
0
rj
2
dr
_
dj =
_
1
0
j
2
__
1
0
rdr
_
dj =
_
1
0
j
2
_
1
2
r
2
¸
a=1
a=0
dj
=
1
2
_
1
0
j
2
dj =
1
2
_
1
3
j
3
¸
j=1
j=0
=
1
2

1
3
= 1,6.
Exemplo 4.6 (o volume como integral dupla) Calcular o volume do sólido acima da região
1 = [0, 1] [0, 1] do plano rj e abaixo do plano r +j +. = 2.
Figura 4.2: Volume abaixo do plano r +j +. = 2.
Solução Quando integramos uma função contínua e não negativa . = ) (r, j) sobre uma região 1,
o resultado é o volume do sólido acima da região 1 e abaixo do grá…co de ). Neste exemplo, o
sólido é limitado superiormente pelo grá…co da função . = 2 ÷r ÷j e está ilustrado na Figura 4.2.
O volume, calculado por integral dupla, é dado por
vol () =
__
1
(2 ÷r ÷j) d¹ =
_
1
0
__
1
0
(2 ÷r ÷j) dr
_
dj
=
_
1
0
_
2r ÷
1
2
r
2
÷rj
¸
a=1
a=0
dj =
_
1
0
_
3
2
÷j
_
dj =
_
3
2
j ÷
1
2
j
2

¸
1
0
= 1.
Exemplo 4.7 Calcular o volume do sólido acima do retângulo 1 = [÷1, 1] [0, 1] e abaixo do
cilindro . = 1 ÷r
2
.
Solução A base do sólido é o retângulo 1 e superiormente ele é limitado pelo grá…co da função
. = 1 ÷r
2
, como está ilustrado na Figura 4.3. O volume, calculado por integral dupla, é dado por
vol () =
__
1
_
1 ÷r
2
_
d¹ =
_
1
÷1
__
1
0
_
1 ÷r
2
_
dj
_
dr =
_
1
÷1
_
1 ÷r
2
_
__
1
0
dj
_
dr
=
_
1
÷1
_
1 ÷r
2
_
dr =
_
r ÷
1
3
r
3

¸
1
÷1
= 4,3.
134 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Figura 4.3: Volume abaixo do cilindro . = 1 ÷r
2
.
Exemplo 4.8 O volume de um sólido é dado por
vol () =
_
2
0
_
1
÷1
_
r
2
+j
2
_
djdr.
Por observação da integral, vemos que a base do sólido é o retângulo 1 = [0, 2][÷1, 1] e superiormente
o sólido é delimitado pelo paraboloide . = r
2
+j
2
. Um cálculo direto nos dá vol () = 20,3.
4.1.2 Integral Dupla sobre Regiões não Retangulares
Do ponto de vista teórico, a integral de uma função contínua . = ) (r, j) sobre uma região compacta
1 do plano rj se reduz ao caso em que a região de integração é retangular.
Figura 4.4: Volume elementar d\ = )(r, j)d¹.
De fato, seja 1
aj
= [a, /] [c, d] um retângulo contendo a região 1 e consideremos a extensão
~
) de )
ao retângulo 1
aj
, nula fora de 1, isto é,
~
) : 1
aj
÷R é de…nida por
~
)(r, j) =
_
) (r, j) , se (r, j) ¸ 1
0, se (r, j) , ¸ 1.
CAPÍTULO 4 INTEGRAL MÚLTIPLA 135
Embora a extensão
~
) não seja, em geral, contínua na região 1
aj
, sua integral dupla pode ser de…nida
de forma similar ao caso de uma função contínua em um retângulo. Então, a integral dupla de ) sobre
1 é, por de…nição, a integral dupla da extensão
~
) sobre o retângulo 1
aj
, isto é,
__
1
) (r, j) d¹ =
__
1
xy
~
) (r, j) d¹.
A Figura 4.4 ilustra a situação geométrica, que mostra o volume elementar d\ = ) (r, j) d¹ e
sugere que a integral dupla
__
1
) (r, j) d¹, no caso em que a função ) é não negativa, representa o
volume do sólido com base 1 e limitada superiormente pelo grá…co de . = ) (r, j) .
O cálculo da integral dupla sobre regiões compactas 1 não retangulares é feito, também, por meio
de integrais iteradas, como estabelece o Teorema de Fubini, em sua versão um pouco mais geral, desde
que a região 1 tenha um formato simples, como descreveremos a seguir.
Região Vertical Simples
Uma região do tipo
1
a
= ¦(r, j) ¸ R
2
: a _ r _ / e q
1
(r) _ j _ q
2
(r)¦,
onde q
1
, q
2
: [a, /] _ R ÷ R são funções contínuas, é denominada região vertical simples. A Figura
4.5 exibe uma região vertical simples, onde observamos que as retas verticais (paralelas ao eixo j)
r = /, a < / < /, intercepta a fronteira da região em exatamente dois pontos. A integral dupla de )
sobre a região 1
a
é calculada pelo Teorema de Fubini para regiões não retangulares:
__
1
x
) (r, j) drdj =
_
b
o
_
_
j
2
(a)
j
1
(a)
) (r, j) dj
_
dr.
Figura 4.5: Região vertical simples Figura 4.6: Região horizontal simples
Região Horizontal Simples
Denomina-se região horizontal simples qualquer região do tipo
1
j
= ¦(r, j) ¸ R
2
: /
1
(j) _ r _ /
2
(j) e c _ j _ d¦,
onde /
1
, /
2
: [c, d] _ R ÷ R são funções contínuas. A integral dupla de ) sobre a região 1
j
é, via
Teorema de Fubini, dada por:
__
1
y
) (r, j) drdj =
_
o
c
_
_
I
2
(j)
I
1
(j)
) (r, j) dr
_
dj.
136 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
A Figura 4.6 mostra uma região horizontal simples, em que as retas horizontais (paralelas ao eixo
r) j = /, c < / < d, intercepta a fronteira da região em exatamente dois pontos.
Exemplo 4.9 Exemplos de regiões que são, ao mesmo tempo, vertical e horizontal simples citamos
as regiões retangulares 1 = [a, /] [c, d] e os discos r
2
+j
2
_ a
2
.
Suponhamos que 1 seja uma região limitada com a seguinte propriedade: qualquer reta vertical
(paralela ao eixo j) ou horizontal (paralela ao eixo r) intercepta a fronteira de 1 em no máximo dois
pontos. Uma tal região pode ser decomposta em regiões simples do tipo vertical 1
a
ou horizontal
1
j
e a integral dupla sobre 1 é calculada usando a propriedade aditiva da integral. Veja na Figura
4.7 uma decomposição em regiões simples 1
1
e 1
2
do tipo 1 ou 2 e a integral sobre 1 é a soma das
integrais sobre 1
1
e sobre 1
2
, isto é,
__
1
) (r, j) d¹ =
__
1
1
) (r, j) d¹+
__
1
2
) (r, j) d¹.
Figura 4.7: Decomposição em regiões simples.
Exemplo 4.10 Calcular a integral de ) (r, j) = rj
2
sobre o quarto de círculo do primeiro quadrante
1 = ¦(r, j) ¸ R
2
: r _ 0, j _ 0 e r
2
+j
2
_ 1¦.
Solução A região 1 pode ser descrita por
1 = 1
a
=
_
(r, j) ¸ R
2
: 0 _ r _ 1 e 0 _ j _
_
1 ÷r
2
_
e, do Teorema de Fubini, resulta
__
1
rj
2
drdj =
_
1
0
_
_
_
1÷a
2
0
rj
2
dj
_
dr =
_
1
0
r
_
1
3
j
3
¸
j=
_
1÷a
2
j=0
dr =
1
3
_
1
0
r(1 ÷r
2
)
3¸2
dr.
Assim, fazendo a substituição n = 1 ÷r
2
, obtemos
1
3
_
1
0
r(1 ÷r
2
)
3¸2
dr = ÷
1
6
_
0
1
n
3¸2
dn =
1
6
_
1
0
n
3¸2
dn =
1
15
n
5¸2
¸
¸
¸
1
0
= 1,15
e, portanto,
__
1
rj
2
drdj =
1
15
.
CAPÍTULO 4 INTEGRAL MÚLTIPLA 137
Exemplo 4.11 Calcular a integral
__
1
_
r
3
+ 3j
_
d¹, onde 1 é a região delimitada pelas curvas
j = r
2
e j = 2r.
Solução Para encontrar os pontos de interseção das curvas j = r
2
e j = 2r, resolvemos a equação
r
2
= 2r e obtemos r = 0 e r = 2. A regiaõ 1 é a região vertical simples
1 = ¦(r, j) ¸ R
2
: 0 _ r _ 2 e r
2
_ j _ 2r¦,
ilustrada na Figura 4.8.
Figura 4.8: Região entre as curvas j = r
2
e j = 2r.
Do Teorema de Fubini resulta
__
1
_
r
3
+ 3j
_
drdj =
_
2
0
__
2a
a
2
_
r
3
+ 3j
_
dj
_
dr =
_
2
0
_
r
3
j +
3
2
j
2

¸
j=2a
j=a
2
dr
=
1
2
_
2
0
(÷2r
5
+r
4
+ 12r
2
)dr
=
_
÷
2
6
r
6
+
1
5
r
5
+
12
3
r
3

¸
2
0
= 128,15.
Exemplo 4.12 Calcular o volume do tetraedro delimitado pelo plano r +j +. = 1 e pelos planos
coordenados.
Solução A Figura 4.9 ilustra o tetraedro , onde observamos que as seções pelos planos r = c, c
constante real, são triângulos.
O volume elementar é d\ = .drdj, sendo . = )(r, j) = 1 ÷r ÷j e, portanto, o volume de é
vol () =
__
1
.drdj,
onde a integração é feita sobre a região vertical simples
1 = ¦(r, j) ¸ R
2
: 0 _ r _ 1 e 0 _ j _ 1 ÷r¦.
Do Teorema de Fubini, temos
vol () =
__
1
(1 ÷r ÷j) drdj =
_
1
0
__
1÷a
0
(1 ÷r ÷j) dj
_
dr
=
_
1
0
_
j ÷rj ÷
j
2
2
_
j=1÷a
j=0
dr =
1
2
_
1
0
(1 ÷2r +r
2
)dr = 1,6.
138 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Figura 4.9: Esboço do tetraedro.
Exemplo 4.13 (área como integral dupla) Calcular, por integral dupla, a área da região 1 de-
limitada pelas curvas r
2
+ 2j = 16 e r + 2j = 4.
Solução Se ) (r, j) = 1 em 1, então o volume elementar é d\ = d¹ e, sendo a integral dupla a
soma desses volumes elementares, o resultado é a área ¹(1) da região 1, isto é,
vol () =
__
1
d¹ = ¹(1) .
Para descrever e esboçar a região de integração 1, primeiro determinamos os pontos de interseção das
curvas r
2
+2j = 16 e r+2j = 4, os quais são obtidos a partir das soluções da equação 16÷r
2
= 4÷r.
Essas soluções são r = ÷3 e r = 4 e, portanto, as curvas se interceptam nos pontos ¹(÷3, 7,2) e
1(4, 0) indicados na Figura 4.10.
Figura 4.10: Área por integral dupla.
A região 1 é descrita por
1 = ¦(r, j) ¸ R
2
: ÷3 _ r _ 4 e 2 ÷
r
2
_ j _ 8 ÷
r
2
2
¦
e pelo Teorema de Fubini, temos
¹(1) =
__
1
drdj =
_
4
÷3
_
_
8÷a
2
¸2
2÷a¸2
dj
_
dr =
1
2
_
4
÷3
(12 +r ÷r
2
)dr =
343
12
.
CAPÍTULO 4 INTEGRAL MÚLTIPLA 139
Exemplo 4.14 Calcular, por integral dupla, a área da região 1 entre as curvas j = r
2
e r = j
2
.
Solução A área da região 1 é dada por
¹(1) =
__
1
d¹ =
_
1
0
_
_
_
a
a
2
dj
_
dr =
_
1
0
__
r ÷r
2
_
dr =
_
2
3
r
3¸2
_
1
0
÷
_
1
3
r
3
¸
1
0
=
1
3
.
4.1.3 Invertendo a Ordem de Integração
Ao fazer a decomposição da região 1 em regiões simples, a escolha da região 1
a
ou 1
j
depende,
naturalmente, do formato da região 1. Em uma determinada ordem de integração, o integrando pode
não ter uma primitiva elementar e, neste caso, uma inversão na ordem de integração deve ser efetuada.
Vale ressaltar, contudo, que ao inverter a ordem de integração a região 1 não sofre alteração, apenas
o cálculo da integral iterada se processa na ordem inversa. Na Figura 4.11 exibimos uma região
1 = 1
1
' 1
2
sobre a qual expressamos a integral dupla como uma integral iterada nas duas ordens
de integração possíveis: drdj e djdr.
Figura 4.11: Decomposição de 1 em regiões simples.
Vejamos como descrever a região 1 = 1
1
'1
2
. A Figura 4.11 (a) sugere a seguinte descrição para
a região 1:
1 : c _ j _ d e /
1
(j) _ r _ /
2
(j)
e a integral dupla sobre 1 é calculada pela integral iterada
__
1
) (r, j) d¹ =
_
o
c
_
_
I
2
(j)
I
1
(j)
) (r, j) dr
_
dj. (4.4)
Por outro lado, da Figura 4.11 (b) vemos que as regiões simples 1
1
e 1
2
são descritas por
1
1
: a _ r _ c e c _ j _ q
2
(r) e 1
2
: c _ r _ / e c _ j _ q
1
(r)
e a integral dupla, com a ordem invertida, é
__
1
) (r, j) d¹ =
_
c
o
_
_
j
2
(a)
c
) (r, j) dj
_
dr +
_
b
c
_
_
j
1
(a)
c
) (r, j) dj
_
dr. (4.5)
Aparentemente o cálculo da integral (4.4) é mais simples, porque só há uma integral iterada a calcular.
Isso aparentemente, porque o cálculo depende do integrando ) (r, j) . Como ressaltamos no início, em
uma determinada ordem, que pode ser aquela em (4.4), o integrando pode não ter primitiva elementar.
140 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Figura 4.12: Região de integração.
Exemplo 4.15 Como primeira ilustração, vamos calcular
__
1
rjd¹ nas duas ordens, onde 1 é a
região do plano rj exibida na Figura 4.12.
Solução A região 1 pode ser decomposta em regiões simples verticais ou horizontais e para descrevê-
la é fundamental observar cuidadosamente a Figura 4.12. .
1. Como uma região vertical simples, temos
1 =
_
(r, j) ¸ R
2
: 0 _ r _ 1 e r _ j _ 2 ÷r
_
e, neste caso, o cálculo da integral …ca assim:
__
1
rjd¹ =
_
1
0
__
2÷a
a
rjdj
_
dr =
_
1
0
r
_
1
2
j
2
¸
¸
j=2÷a
j=a
_
dr =
1
2
_
1
0
r
_
(2 ÷r)
2
÷r
2
_
dr
=
1
2
_
1
0
r(4 ÷4r) dr =
1
2
_
1
0
_
4r ÷4r
2
_
dr =
1
2
_
2r
2
÷
4
3
r
3

¸
1
0
= 1,3.
2. Decompondo 1 em regiões horizontais simples, temos 1 = 1
1
' 1
2
, onde a região simples 1
1
é descrita por
1
1
=
_
(r, j) ¸ R
2
: 0 _ j _ 1 e 0 _ r _ j
_
e a região 1
2
é descrita por
1
2
=
_
(r, j) ¸ R
2
: 1 _ j _ 2 e 0 _ r _ 2 ÷j
_
.
Neste caso, invertendo a ordem de integração, temos
__
1
rjd¹ =
__
1
1
rjd¹+
__
1
2
rjd¹ =
_
1
0
__
j
0
rjdr
_
dj +
_
2
1
__
2÷j
0
rjdr
_
dj =
=
_
1
0
j
_
1
2
r
2
¸
¸
a=j
a=0
¸
dj +
_
2
1
j
_
1
2
r
2
¸
¸
a=2÷j
a=0
_
dj
=
1
2
_
1
0
j
3
dj +
1
2
_
2
1
j (2 ÷j)
2
dj =
1
8
+
1
2
_
2
1
_
4j ÷4j
2
+j
3
_
dj
=
1
8
+
1
2
__
8 ÷
32
3
+ 4
_
÷
_
2 ÷
4
3
+
1
4

=
1
8
+
1
2
_
4
3
÷
11
12
¸
= 1,3.
CAPÍTULO 4 INTEGRAL MÚLTIPLA 141
Exemplo 4.16 (uma função sem primitiva elementar) Neste exemplo vamos calcular a integral
dupla da função ) (r, j) = exp
_
÷j
2
_
sobre a região 1 entre as retas r = 0, j = 4 e j = 4r.
Solução Este é um daqueles exemplos onde o cuidado na escolha da ordem de integração deve ser
redobrado. Inicialmente observamos que a ordem de integração djdr não é adequada neste caso,
porque a integral
_
exp
_
j
2
_
dj não pode ser calculada pelos métodos elementares do cálculo integral,
isto é, a função q (j) = exp
_
÷j
2
_
não tem primitiva elementar. Com um esboço do grá…co da região
1, que deixamos para o leitor como treinamento, é fácil deduzir que ela é descrita por
1 = ¦(r, j) ¸ R
2
: 0 _ j _ 4 e 0 _ r _ j,4¦ (uma região horizontal simples)
e usando o Teorema de Fubini, encontramos
__
1
exp(÷j
2
)drdj =
_
4
0
exp(÷j
2
)
_
_
j¸4
0
dr
_
dj =
1
4
_
4
0
j exp(÷j
2
)dj.
Com a substituição n = ÷j
2
, obtemos
1
4
_
4
0
j exp(÷j
2
)dj = ÷
1
8
_
÷16
0
exp(n)dn = ÷
1
8
exp(÷j
2
)
¸
¸
÷16
0
= ÷
1
8
(c
÷16
÷1)
e, portanto,
__
1
exp(÷j
2
)drdj =
1
8
(1 ÷c
÷16
).
Encerramos esta seção com um exemplo mostrando que a inversão da ordem de integração nem
sempre produz resultados iguais.
Exemplo 4.17 Calcular a integral iterada
_
1
0
_
1
0
r ÷j
(r +j)
3
d¹,
nas duas ordens possíveis.
Solução Temos
_
1
0
r ÷j
(r +j)
3
dj =
_
1
0
2r ÷(r +j)
(r +j)
3
dj =
_
1
0
2r
(r +j)
3
dj ÷
_
1
0
1
(r +j)
2
dj
= ÷
r
(r +j)
2
¸
¸
¸
¸
1
0
+
1
(r +j)
¸
¸
¸
¸
1
0
=
1
(1 +r)
2
.
Logo,
_
1
0
__
1
0
r ÷j
(r +j)
3
dj
_
dr =
_
1
0
1
(1 +r)
2
dr = ÷
1
1 +r
¸
¸
¸
¸
1
0
=
1
2
. (4.6)
Se em (4.6) permutarmos as variáveis r e j, obteremos
_
1
0
__
1
0
j ÷r
(r +j)
3
dr
_
dj =
1
2
e, assim, na ordem drdj
_
1
0
__
1
0
r ÷j
(r +j)
3
dr
_
dj = ÷
_
1
0
__
1
0
j ÷r
(r +j)
3
dr
_
dj = ÷
1
2
.
142 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Por que isso não contradiz o Teorema de Fubini? Uma das condições de aplicabilidade do Teorema
de Fubini é que o integrando ) (r, j) seja uma função limitada na região de integração 1, o que não
ocorre com a função
)(r, j) =
r ÷j
(r +j)
3
.
De fato, ao longo da reta j = 2r, obtemos
lim
(a,j)÷(0,0)
r ÷j
(r +j)
3
= lim
a÷0
r ÷2r
(r + 2r)
3
= lim
a÷0
÷r
27r
3
= ÷ lim
a÷0
1
27r
2
= ÷·.
O que dizer da integral dupla
__
1
) (r, j) d¹ neste caso? Se a integral dupla existisse, as integrais
iteradas seriam iguais e como isso não ocorreu, a função não é integrável na região 1. Uma coisa é a
integral dupla e a outra é a integral iterada.
4.1.4 Considerações Físicas
Vimos nos fundamentos teóricos que se ) : 1 _ R
2
÷R é uma função contínua e não negativa na
região compacta 1, a integral dupla
__
1
) (r, j) drdj ou
__
1
) (r, j) d¹
representa o volume do sólido acima da região 1 e limitado superiormente pelo grá…co de ), como
na Figura 4.1. No caso em que ) (1) < 0, para todo 1 ¸ 1, então de…nimos vol () por
vol () = ÷
__
1
) (r, j) drdj.
Além disso, se ) (r, j) = 1, para todo ponto (r, j) em 1, então a integral dupla representa a área da
região 1, isto é,
¹(1) =
__
1
drdj.
Quando interpretamos o integrando ) (r, j) como densidade super…cial de massa o (r, j), isto é,
como massa por unidade de área, e a região 1 como uma lâmina (placa …na), a integral dupla assume
outros signi…cados. Na Figura 4.13 ilustramos uma lâmina 1 de massa ' e a área elementar d¹.
Figura 4.13: Lâmina 1 de massa '
Massa e Centro de Massa
CAPÍTULO 4 INTEGRAL MÚLTIPLA 143
Representemos por d: a massa elementar da porção d¹, de modo que rd: e jd: representam
os momentos da massa d: em relação aos eixos j e r, respectivamente, isto é,
rd: = ro (r, j) d¹ e jd: = jo (r, j) d¹,
sendo o (r, j) a densidade no ponto (r, j) da lâmina. A massa total ' da lâmina é a soma (integral
dupla) das massas elementares d:, ou seja,
' =
__
1
o (r, j) d¹ (4.7)
e se representarmos por C
A
(r, j) o centro de massa da lâmina 1, isto é, o ponto que concentra toda
massa da placa, é razoável de…nir os momentos da placa 1 pelas relações
r' =
__
1
rd: =
__
1
ro (r, j) d¹ e j' =
__
1
jd: =
__
1
jo (r, j) d¹.
Os momentos da massa ', isto é, da lâmina 1, são de…nidos pelas integrais
'
a
=
__
1
jd: =
__
1
jo (r, j) d¹ e '
j
=
__
1
ro (r, j) d¹ (4.8)
e as coordenadas do centro de massa são, portanto,
r =
'
j
'
e j =
'
a
'
. (4.9)
Momento de Inércia
Figura 4.14:
Imaginemos a lâmina 1 girando em torno de um eixo 1, com velocidade
angular constante . e seja c (r, j) a distância da massa elementar (pontual)
d: ao eixo 1, como na Figura 4.14. Se d1 representa a energia cinética da
massa d:, então
d1 =
1
2
(.c)
2
d: =
1
2
(.c)
2
o (r, j) d¹,
onde .c é a velocidade escalar do corpo e a energia cinética total é, portanto,
1 =
__
1
d1 =
1
2
.
2
__
1
c
2
d: =
1
2
.
2
__
1
c
2
o (r, j) d¹. (4.10)
A integral que …gura do lado direito de (4.10) é o momento de inércia da placa 1 em relação ao eixo
1 e anota-se
1
1
=
__
1
c
2
o (r, j) d¹.
Em relação aos eixos coordenados, os momentos de inércia da placa 1 são:
1
a
=
__
1
j
2
o (r, j) drdj e 1
j
=
__
1
r
2
o (r, j) drdj, (4.11)
enquanto o momento de inércia polar em relação à origem é dado por
1
0
= 1
a
+1
j
=
__
1
(r
2
+j
2
)o (r, j) drdj. (4.12)
O termo r
2
+j
2
que aparece na expressão do momento de inércia polar é precisamente o quadrado
distância de um ponto 1(r, j) da placa 1 à origem O(0, 0).
Podemos interpretar o momento de inércia como uma resistência ao movimento. Quanto maior o
momento de inércia, maior deve ser a energia para colocar o corpo em movimento ou fazê-lo parar.
144 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Exemplo 4.18 Uma lâmina tem o formato da região 1 : r
2
+ j
2
_ a
2
no primeiro quadrante.
Determinar a massa, o centro de massa e os momentos de inércia 1
a
e 1
j
da lâmina 1, se a densidade
em um ponto 1 (r, j) da lâmina é o (r, j) = rj.
Solução Um esboço da região 1 ajudará no cálculo da integral dupla. A Figura 4.15 sugere as
seguintes descrições para a região 1 :
1 : 0 _ r _ a, 0 _ j _
_
a
2
÷r
2
ou 1 : 0 _ j _ a, 0 _ r _
_
a
2
÷j
2
.
Figura 4.15: O quarto de círculo r
2
+j
2
_ a
2
.
1. A massa é calculada pela fórmula (4.7). Temos
' =
__
1
o (r, j) d¹ =
_
o
0
_
_
_
o
2
÷a
2
0
rjdj
_
dr =
_
o
0
r
_
1
2
j
2
¸
¸
j=
_
o
2
÷a
2
j=0
_
dr
=
1
2
_
o
0
r
_
a
2
÷r
2
_
dr = (faça t = a
2
÷r
2
) =
1
4
_
o
2
0
tdt = a
4
,8.
2. As coordenadas r e j do centro de massa são calculadas pelas fórmulas (4.9). Temos
'
a
=
__
1
jo (r, j) d¹ =
__
1
rj
2
d¹ =
_
o
0
r
_
_
_
o
2
÷j
2
0
j
2
dr
_
dj
=
1
3
_
o
0
r
_
a
2
÷r
2
_
3¸2
dr = (faça t = a
2
÷r
2
) =
1
6
_
o
2
0
t
3¸2
dt = a
5
,15
e, portanto, j = '
a
,' = 8a,15. De modo inteiramente análogo encontra-se r = 8a,15 e o
centro de massa é o ponto C
A
(8a,15, 8a,15) .
3. Os momentos de inércia 1
a
e 1
j
são dados pelas fórmulas (4.11). Temos
1
a
=
__
1
j
2
o (r, j) d¹ =
__
1
rj
3
d¹ =
_
o
0
r
_
_
_
o
2
÷j
2
0
j
3
dr
_
dj
=
1
4
_
o
0
r
_
a
2
÷r
2
_
2
dr = (faça t = a
2
÷r
2
) =
1
8
_
o
2
0
t
2
dt = a
6
,24.
O momento de inércia 1
j
é calculado de modo similar e encontra-se 1
j
= a
6
,24.
CAPÍTULO 4 INTEGRAL MÚLTIPLA 145
Exemplo 4.19 O centroide
13
da região triangular de vértices O(0, 0) , ¹(1, 1) e 1(1, 0) é o ponto
C
A
(1,3, 1,6) , cujas coordenadas são dadas por:
r =
_
1
0
_
a
0
rdjdr = 1,3 e j =
_
1
0
_
a
0
jdjdr = 1,6.
4.1.5 Integral Dupla Imprópria
Para integrar uma função ) (r, j) sobre uma região 1 do plano rj, a função não precisa ser
contínua nem a região ser limitada. O fato é que a continuidade do integrando ) e a compacidade da
região 1 implicam na integrabilidade da função em 1. Existem funções que não são contínuas em
uma região e, ainda assim, são integráveis. Uma condição necessária para a integrabilidade é que a
função seja limitada na região de integração. Uma integral dupla
__
1
) (r, j) d¹ recebe a denominação
de integral imprópria em duas situações: (i) a região de integração 1 não é limitada ou (ii) a função
) (r, j) que desejamos integrar não é limitada na região 1. Quando a integral dupla imprópria existir,
isto é, for um número real, diremos que a integral é convergente e caso contrário a integral imprópria
será denominada divergente.
Exemplo 4.20 Vamos investigar a convergência da integral imprópria
__
1
r ÷j
(r +j)
3
drdj.
no compacto 1 = [0, 1] [0, 1] .
Solução Trata-se de uma integral imprópria, porque a função ) (r, j) náo é limitada em 1, embora
a região seja compacta. Vimos no Exemplo 4.17 que a função ) não é integrável em 1. Logo, a
integral dupla é divergente.
Exemplo 4.21 (uma função contínua não integrável) Na região 1 =
_
(r, j) ¸ R
2
: 0 _ j < r _ 1
_
a função ) (r, j) =
1
r ÷j
não é integrável, embora seja contínua.
Solução Temos uma situação em que a função é continua, a região é limitada e, contudo, a função
não é integrável. Na Figura 4.16 esboçamos a região 1 e a região auxiliar
1
.
: 0 _ r _ 1 e 0 _ j _ r ÷-
que é compacta e na qual ) é contínua, tornando aplicável o Teorema de Fubini.
Ressaltamos que a função não é limitada, o que caracteriza uma integração imprópria. Temos que
__
1
) (r, j) drdj = lim
.÷0
+
__
1
"
) (r, j) drdj
e do Teorema de Fubini resulta
__
1
"
) (r, j) drdj =
_
1
.
__
a÷.
0
dj
r ÷j
_
dr =
_
1
.
__
a
.
dt
t
_
dr =
_
1
.
(log r ÷log -) dr
= (rlog r ÷r)[
1
.
÷(1 ÷-) log - = - ÷1 ÷log -.
13
centroide é a denominação dada ao centro de massa de um corpo homogêneo de densidade 1:
146 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Figura 4.16: Região auxiliar 1
.
.
Portanto,
__
1
) (r, j) drdj = lim
.÷0
+
__
1
"
) (r, j) drdj = lim
.÷0
+
(- ÷1 ÷log -) = +·
e a integral dupla é divergente.
Exercícios & Complementos.
1. Em cada caso, esboce a região de integração e calcule a integral iterada. Se achar conveniente
inverta a ordem de integração.
(a)
_
1
÷1
_
[a[
0
djdr (l)
_

2
0
_

2
0
(rcos j ÷j cos r) djdr
(b)
_
¬
0
_
a
0
cos
_
r
2
_
djdr (m)
_
1
0
_
a
2
a
3
rjdjdr
(c)
_
3
0
_
2
1
_
12rj
2
÷8r
3
_
djdr (n)
_
1
0
_
a
0
rsenjdjdr
(d)
_
3
1
_
_
a
1÷a
rjdjdr (o)
_
2
0
_
2
1
_
2rj ÷j
3
_
djdr
(e)
_
¬
0
_
j
÷j
senrdrdj (p)
_
_
2
0
_
_
4÷2j
2
÷
_
4÷2j
2
jdrdj
(f)
_
2
1
_
1
0
(r ÷3 log j) drdj (q)
_
2
0
_
exp(a)
1
djdr
(g)
_
1
0
_
a
a
2
exp(
j
a
)djdr (r)
_
p
2
2
0
_
_
1÷j
2
j
rjdrdj
(h)
_
1
0
_
a
0
exp(r
2
)djdr (s)
_
1
÷2
_
3a+2
a
2
+4a
djdr
(i)
_
2
0
_
3
1
[r ÷2[ senjdrdj (t)
_
4
0
_
y4
2
÷
_
4÷j
rjdrdj
(j)
_
¬
0
_
cos j
÷1
rsenjdrdj (u)
_
1
0
_
a
2
0
sen
_
r
3
_
djdr
(k)
_
1
0
_
_
1÷a
2
0
jdjdr (v)
_
1
0
_
1¸j
1
lnr drdj +
_
1
0
_
2
1
lnr drdj
2. Em cada caso, decomponha a região em regiões verticais simples ou horizontais simples e escreva
a integral dupla
__
1
) (r, j) d¹ nas duas ordens.
CAPÍTULO 4 INTEGRAL MÚLTIPLA 147
3. Em cada caso, esboce a região 1 e calcule a integral dupla
__
1
) (r, j) d¹. Escolha a ordem de
integração de modo a tornar o cálculo mais simples.
(a) 1 = ¦(r, j) ¸ R
2
: 0 _ r _ 1 e 2r _ j _ 2¦; ) = exp(j
2
).
(b) 1 = ¦(r, j) ¸ R
2
: 0 _ j _ 8 e
3
_
j _ r _ 2¦; ) = rj.
(c) 1 = ¦(r, j) ¸ R
2
: r _ 0 e 1 _ r
2
+j
2
_ 2¦; ) = r
2
.
(d) 1 = ¦(r, j) ¸ R
2
: ÷1 _ r _ 2 e ÷
_
4 ÷r
2
_ j _ 4 ÷r
2
¦; ) = 1.
4. Ao calcular o volume de um sólido abaixo de um paraboloide e acima de certa região 1 do
plano rj, obteve-se a seguinte expressão:
vol () =
_
1
0
_
j
0
_
r
2
+j
2
_
drdj +
_
2
1
_
2÷j
0
_
r
2
+j
2
_
drdj.
Identi…que a região 1, expresse vol () por uma integral dupla com a ordem invertida e calcule
o volume.
5. Identi…que o sólido cujo volume é dado pela expressão
vol () =
_
1
0
_
_
1÷a
2
0
(1 ÷r) djdr
e em seguida calcule vol () .
6. Em cada caso, use integral dupla e calcule a área da região 1 indicada na …gura.
7. Calcular, por integral dupla, o volume do sólido delimitado acima pelo cilindro r
2
+ .
2
= a
2
,
abaixo pelo plano rj e nos lados pelos planos j = r e j = 2r.
148 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
8. Calcular o volume da cunha cortada do primeiro octante pelo cilindro . = 12 ÷3j
2
e pelo plano
r +j = 2.
4.1.6 Mudança de Variável em Integral Dupla
Ao calcular uma integral por substituição, na verdade efetuamos uma mudança de variável para
obter uma primitiva. Mais precisamente, se ) : [a, /] ÷ R é uma função contínua e q : [c, d] ÷ R é
uma função derivável, com derivada q
t
integrável, e, além disso, q(c) = a e q (d) = /, então
_
j(o)
j(c)
) (r) dr =
_
o
c
) (q (n)) q
t
(n) dn.
Exemplo 4.22 Por meio de uma mudança de variável, calcular a integral simples
_
1
0
_
1 ÷r
2
dr.
Solução Se ) (r) =
_
1 ÷r
2
, 0 _ r _ 1, então com a substituição r = q(n) = senn, obtemos
) (q(n)) =
_
1 ÷sen
2
n = cos n e q
t
(n) = cos n, 0 _ n _ ¬,2,
e, portanto,
_
1
0
_
1 ÷r
2
dr =
_
¬¸2
0
cos
2
ndn =
1
2
_
¬¸2
0
(1 + cos(2n))dn =
¬
4

Para deduzirmos uma fórmula de mudança de variável para integral dupla, deixe-nos considerar
uma transformação T : R
2
÷R
2
T :
_
r = r(n, ·)
j = j (n, ·) ,
onde as funções coordenadas r(n, ·) e j (n, ·) têm derivadas parciais de primeira ordens contínuas em
uma região 1

do plano n· e suponhamos que o Jacobiano
J (T) =
¸
¸
¸
¸
¸
r
&
r
·
j
&
j
·
¸
¸
¸
¸
¸
não se anula em 1

. A transformação T é localmente invertível e, como estabelece o Teorema da
Função Inversa, as coordenadas da inversa n = n(r, j) e · = · (r, j) têm derivadas parciais de primeira
ordem contínuas na região 1
aj
= T (1

), imagem de 1

pela transformação T. Usaremos a Figura
4.17 como orientação para a dedução da fórmula. Se r (n, ·) = r(n, ·) i + j (n, ·) j é o vetor posição
do ponto Q(r, j) e a região 1
aj
for particionada pelas curvas de nível n = c
1
e · = c
2
, então a área
elementar drdj será aproximada pela área do paralelogramo de lados a = r
&
dn e / = r
·
d·. Temos
a = r
&
dn = r
&
i +j
&
j e b = r
·
d· = r
·
i +j
·
j
e, consequentemente,
a b = (r
&
r
·
) dnd· =
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
i j k
r
&
j
&
0
r
·
j
·
0
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
dnd· = [(r
&
j
·
÷r
·
j
&
) dnd·] k.
CAPÍTULO 4 INTEGRAL MÚLTIPLA 149
Logo, as áreas elementares drdj e dnd· estão relacionadas por
drdj = [a b[ = [J (T)[ dnd· (4.13)
e se ) (r, j) é uma função integrável sobre a região 1
aj
, então da de…nição de integral dupla, resulta
__
1
xy
) (r, j) drdj -
n

i=1
a

)=1
) (r
i
, j
)
) drdj
-
n

i=1
a

)=1
) (r(n
i
, ·
)
) , j (n
i
, ·
)
)) [J(n
i
, ·
)
)[ dnd·
-
__
1
uv
) (r(n, ·) , j (n, ·)) [J(T)[ dnd·.
Figura 4.17: Mudança de variável
Formalmente, temos o seguinte resultado:
Teorema 4.23 (Mudança de Variável) Seja ) : 1 _ R
2
÷R uma função com derivadas parciais
de primeira ordem contínuas em um domínio 1, contendo a região 1
aj
. Se as funções r = r(n, ·) e
j = j(n, ·) têm derivadas parciais de primeira ordem contínuas na região 1

e o Jacobiano J(n, ·)
não se anula em 1

, então
__
1
xy
) (r, j) drdj =
__
1
uv
) (r(n, ·) , j (n, ·)) [J(n, ·)[ dnd·. (4.14)
A fórmula (4.14) é conhecida como Fórmula de Mudança de Variável em integral dupla.
Observação 4.24 Se a transformação T : R
2
÷ R
2
de…nida por T(n, ·) = (r(n, ·) , j (n, ·)) for
localmente invertível, vimos como consequência do Teorema 3.54 que
J(n, ·) J(r, j) = 1
e, se for conveniente, podemos usar a fórmula de mudança de variável (4.14) na ordem inversa. Se
a transformação T tem Jacobiano J (T) constante (isso ocorre com as transformações lineares) e a
função ) (r, j) = 1, segue de (4.14) que
¹(1
aj
) = ¹(T (1

)) = [J[ ¹(1

) (4.15)
e o Jacobiano pode ser visto como fator de relação entre as áreas de 1
aj
e 1

.
150 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Exemplo 4.25 Calcular a integral dupla da função ) (r, j) = exp
_
j ÷r
j +r
_
sobre a região 1 delimi-
tada pelas retas r +j = 1, r +j = 2, r = 0 e j = 0.
Solução Se considerarmos n = j ÷r e · = j +r, teremos
r =
1
2
(· ÷n) e j =
1
2
(n +·)
e a transformação (linear) T (n, ·) = (r, j) tem Jacobiano
J(T) =
0(r, j)
0(n, ·)
=
¸
¸
¸
¸
¸
÷1,2 1,2
1,2 1,2
¸
¸
¸
¸
¸
= ÷1,2.
Além disso, sendo T linear ela transforma retas em retas e um cálculo direto nos dá:
r +j = 1 =· = 1, r +j = 2 =· = 2, r = 0 =· = n e j = 0 =· = ÷n
e a Figura 4.18 expõe as regiões de integração 1
aj
e 1

.
Figura 4.18: Regiões de integração 1
aj
e 1

.
Da fórmula de mudança de variável (4.14), resulta
__
1
exp
_
j ÷r
j +r
_
d¹ =
1
2
__
1
uv
c
&¸·
dnd· =
1
2
_
2
1
__
·
÷·
c
&¸·
dn
_

=
1
2
_
2
1
_
·c
&¸·
¸
¸
¸
·
÷·
_
d· =
1
2
_
c ÷
1
c
_
_
2
1
·d· =
3
4
_
c ÷
1
c
_
.
Exemplo 4.26 Com a mudança de coordenadas n = j ÷r e · = j +r, calcular
__
[a[+[j[¸¬
(r +j)
2
[sen(r ÷j)]
2
d¹.
Solução A transformação linear T (n, ·) = (r, j) transforma o quadrado 1

: [÷¬, ¬] [÷¬, ¬] na
região 1
aj
: [r[ +[j[ _ ¬, como mostra a Figura 4.19.
CAPÍTULO 4 INTEGRAL MÚLTIPLA 151
Figura 4.19: Regiões de integração 1
aj
e 1

.
Temos
J(T
÷1
) =
0(n, ·)
0(r, j)
=
¸
¸
¸
¸
¸
1 1
1 ÷1
¸
¸
¸
¸
¸
= ÷2
de onde segue que J (T) = ÷1,2 e da fórmula (4.14), resulta
__
1
xy
(r +j)
2
[sen(r ÷j)]
2
d¹ =
1
2
__
1
uv
n
2
(sen·)
2
dnd· =
1
2
_
¬
÷¬
__
¬
÷¬
n
2
(sen·)
2
dn
_

=
1
2
_
¬
÷¬
_
1
3
n
3
¸
¬
÷¬
(sen·)
2
d· =
¬
3
3
_
¬
÷¬
(sen·)
2

=
¬
3
3
_
¬
÷¬
1
2
(1 ÷cos 2·) d· = ¬
4
,3.
Exemplo 4.27 Calcular, por integral dupla, a área da elipse
r
2
a
2
+
j
2
/
2
= 1, a 0 e / 0.
Solução Se representarmos por 1
aj
a região delimitada pela elipse, isto é,
1
aj
= ¦(r, j) ¸ R
2
:
r
2
a
2
+
j
2
/
2
_ 1¦,
então a área da região 1
aj
é dada por ¹(1
aj
) =
__
1
xy
drdj. O cálculo da integral dupla torna-se
mais simples por meio de uma mudança de variáveis que transforma a elipse em uma circunferência.
Consideremos, então, a transformação linear r = an e j = /·, com Jacobiano
J =
0(r, j)
0(n, ·)
=
¸
¸
¸
¸
¸
a 0
0 /
¸
¸
¸
¸
¸
= a/,
que leva a região 1
aj
sobre o disco compacto
1

= ¦(r, j) ¸ R
2
: n
2

2
_ 1¦
e usemos a fórmula de mudança de variáveis. Temos
¹(1
aj
) =
__
1
xy
drdj = a/
__
1
uv
dnd·. (4.16)
A integral dupla que aparece do lado direito de (4.16) nada mais é do que a área do círculo de raio
r = 1, cujo valor é ¬. Logo,
¹(1
aj
) = a/ ¹(1

) = ¬a/.
152 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Exemplo 4.28 Seja 1 a lâmina do primeiro quadrante delimitada pelas hipérboles rj = 1, rj = 3,
r
2
÷j
2
= 1 e r
2
÷j
2
= 4, e suponhamos que a densidade da lâmina seja constante o = 1. Calcular o
momento de inércia polar da lâmina 1.
Solução A transformação n = rj e · = r
2
÷j
2
leva o retângulo 1

= [1, 3] [1, 4] sobre a região
1
aj
, como sugere a Figura 4.20, onde a lâmina 1 está representada pela região 1
aj
.
Figura 4.20: Regiões de integração 1
aj
e 1

.
O Jacobiano dessa transformação é
0 (n, ·)
0 (r, j)
=
¸
¸
¸
¸
¸
j r
2r ÷2j
¸
¸
¸
¸
¸
= ÷2(r
2
+j
2
),
que não se anula em 1 e, portanto,
0 (r, j)
0 (n, ·)
= ÷
1
2(r
2
+j
2
)
. A densidade da lâmina 1 é o (r, j) = 1,
o momento de inércia polar 4.12, neste caso, se reduz a
1
0
=
__
1
_
r
2
+j
2
_
drdj
e, usando a fórmula de mudança de variável, obtemos
1
0
=
__
1
xy
_
r
2
+j
2
_
drdj =
__
1
uv
_
r
2
+j
2
_
¸
¸
¸
¸
0 (r, j)
0 (n, ·)
¸
¸
¸
¸
drdj =
1
2
_
4
1
_
3
1
dnd· = 3.
Exemplo 4.29 Seja T : R
2
÷R
2
a transformação linear T(r, j) = (ar +cj, /r +dj) e suponhamos
que ad ÷ /c ,= 0. Se ¹ é o paralelogramo gerado pelos vetores linearmente independentes a = ai + /j
e b = ci +dj, então
¹(T(¹)) = [J(T)[ ¹(¹) . (4.17)
Como consequência, calcular a área do paralelogramo ¹ com três vértices nos pontos O(0, 0), ¹(2, 1)
e 1(3, ÷1).
Solução Se n = ar +cj e · = /r +dj, então
J(r, j) =
0(n, ·)
0(r, j)
=
¸
¸
¸
¸
¸
a c
/ d
¸
¸
¸
¸
¸
= ad ÷/c ,= 0 e J(n, ·) =
1
ad ÷/c
CAPÍTULO 4 INTEGRAL MÚLTIPLA 153
e a relação (4.17) é uma variante de (4.15), contida na Observação 4.24. O paralelogramo ¹ é gerado
pelos vetores a = 2i + j e b = 3i ÷ j e se considerarmos a transformação T : R
2
÷ R
2
é de…nida por
T(r, j) = (2r + 3j, r ÷ j), com Jacobiano J (r, j) = ÷5, teremos ¹ = T(o), onde o é o quadrado
[0, 1] [0, 1]. Portanto, a área do paralelogramo ¹ é igual [J(T)[ = [÷5[ = 5.
A Integral Dupla em Coordenadas Polares
Sempre que usamos coordenadas polares, substituímos a área elementar d¹ = drdj por rdrd0.
Isso é consequência do Teorema de Mudança de Variável, mas pode ser deduzido facilmente usando
argumentos geométricos. De fato, observando a Figura 4.21, vemos que d¹ = drd:, onde d: = rd0 é
o comprimento do arco.
Figura 4.21: Área elementar d¹ = rdrd0.
Exemplo 4.30 Determinar a imagem pela transformação r = r cos 0, j = r sen0 da região 1
aj
do
primeiro quadrante, delimitada pelos círculos r
2
+ j
2
= 1 e r
2
+ j
2
= 4, e em seguida calcular a
integral dupla
__
1
xy
log
_
r
2
+j
2
_
d¹.
Solução Se T é a transformação em coordenadas polares r = r cos 0 e j = r sen0, então
J =
0(r, j)
0(r, 0)
=
¸
¸
¸
¸
¸
cos 0 ÷r sen0
sen0 r cos 0
¸
¸
¸
¸
¸
= r
e a imagem da região 1
aj
pela transformação T
÷1
é o retângulo
1
v0
=
_
(r, 0) ¸ R
2
: 1 _ r _ 2 e 0 _ 0 _ ¬,2
_
no plano r0. A Figura 4.22 mostra as ações da transformação T e de sua inversa T
÷1
.
Em coordenadas polares r
2
+j
2
= r
2
e a área elementar é d¹ = rdrd0 e, sendo assim,
__
1
xy
log
_
r
2
+j
2
_
d¹ =
_
¬¸2
0
_
2
1
r log r
2
drd0 = (usar t = r
2
) =
¬
4
_
4
1
log tdt
=
¬
4
(t log t ÷t)
¸
¸
4
1
=
¬
4
(4 log 4 ÷3) .
Exemplo 4.31 Calclular a área da região 1
aj
delimitada pelas retas j = r e j = 0 e pelos círculos
r
2
+j
2
= 2r e r
2
+j
2
= 4r.
154 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Figura 4.22: Regiões de integração 1
aj
e 1
v0
.
Solução Em coordenadas polares as curvas j = r, r
2
+ j
2
= 2r e r
2
+ j
2
= 4r são descritas,
respectivamente, por 0 = ¬,4, r = 2 cos 0 e r = 4 cos 0 e na Figura 4.23 mostramos a região 1
aj
, onde
…zemos o eixo polar coincidir com o eixo r.
Figura 4.23: Regiões de integração 1
aj
e 1
v0
.
Usando a fórmula de mudança de variáveis, temos:
¹(1
aj
) =
__
1
xy
drdj =
_
¬¸4
0
_
4 cos 0
2 cos 0
rdrd0 =
1
2
_
¬¸4
0
12 cos
2
0d0
= 6
_
¬¸4
0
1
2
(1 + cos 20) d0 = 3
_
0 +
1
2
sen20
¸
¬4
0
= 3
_
1
2
+¬,4
_
.
Exemplo 4.32 Consideremos a região do primeiro quadrante
1
aj
=
_
(r, j) ¸ R
2
: a
2
_ r
2
+j
2
_ /
2
, r _ 0 e j _ 0
_
.
1. Expressar a integral dupla
__
1
xy
r
2
d¹ nas duas ordens drdj e djdr e na forma polar.
2. Calcular a integral.
Solução A região 1
aj
é semelhante àquela do lado direito da Figura 4.22.
CAPÍTULO 4 INTEGRAL MÚLTIPLA 155
1. Em coordenadas a integral dupla se expressa nas formas:
na ordem djdr
__
1
xy
r
2
d¹ =
_
o
0
_
_
b
2
÷a
2
_
o
2
÷a
2
r
2
djdr +
_
b
o
_
_
b
2
÷a
2
0
r
2
djdr.
na ordem drdj
__
1
xy
r
2
d¹ =
_
o
0
_
_
b
2
÷j
2
_
o
2
÷j
2
r
2
drdj +
_
b
o
_
_
b
2
÷j
2
0
r
2
drdj.
forma polar:
__
1
xy
r
2
d¹ =
_
¬¸2
0
_
b
o
r
3
cos
2
0drd0 (r = r cos 0, d¹ = rdrd0).
2. O cálculo da integral é mais simples na forma polar. Temos
__
1
xy
r
2
d¹ =
_
¬¸2
0
_
b
o
r
3
cos
2
0drd0 =
1
4
_
/
4
÷a
4
_
_
¬¸2
0
cos
2
0d0 =
0
16
_
/
4
÷a
4
_
.
Exemplo 4.33 Determinar o volume do sólido interior à esfera r
2
+ j
2
+ .
2
= 25 e exterior ao
cilindro r
2
+j
2
= 9.
Solução No primeiro octante o sólido é limitado inferiormente pela região 1
aj
: 9 _ r
2
+j
2
_ 25
e superiormente pelo hemisfério . =
_
25 ÷r
2
÷j
2
. O volume de é, portanto:
vol () = 8
__
1
xy
_
25 ÷r
2
÷j
2

e usando coordenadas polares encontramos
vol () = 8
_
¬¸2
0
_
5
3
_
25 ÷r
2
rdrd0 = (usar t = 25 ÷r
2
) = 2¬
_
16
0
_
tdt =
256¬
3
.
Exemplo 4.34 Calcular o volume do sólido interior ao cilindro r
2
+ j
2
= 2j, . _ 0, e abaixo do
cone . =
_
r
2
+j
2
.
Solução O sólido é a porção interior ao cilindro r
2
+ (j ÷ 1)
2
= 1, limitada inferiormente pelo
plano rj, porque . _ 0, e acima pelo cone . =
_
r
2
+j
2
, como sugere a Figura 4.24.
Figura 4.24: Volume abaixo do cone . =
_
r
2
+j
2
.
Como subconjunto do R
3
, o sólido é descrito por
=
_
(r, j, .) ¸ R
3
: 0 _ . _
_
r
2
+j
2
e (r, j) ¸ 1
aj
_
156 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
onde 1
aj
= ¦(r, j) ¸ R
2
: r
2
+ (j ÷1)
2
_ 1¦ é a projeção do sólido no plano rj. Em coordenadas
polares a região1
aj
é descrita por
0 _ 0 _ ¬ e 0 _ r _ 2 sen0
e, portanto,
vol () =
__
1
_
r
2
+j
2
drdj =
_
¬
0
_
2 sen 0
0
r
2
drd0 =
8
3
_
¬
0
(sen0)
3
d0
=
8
3
_
¬
0
_
1 ÷cos
2
0
_
sen0d0 = (usar t = cos 0) =
8
3
_
1
÷1
_
1 ÷t
2
_
dt =
32
9
.
Exemplo 4.35 (Integral Gaussiana) Calcular a integral imprópria
__
R
2
exp
_
÷r
2
÷j
2
_

e com o resultado deduzir que
_
+o
÷o
c
÷t
2
dt =
_
¬. (4.18)
A integral (4.18) é a Integral Gaussiana, utilizada em teoria de probabilidade.
Solução Em coordenadas polares temos que r
2
+ j
2
= r
2
e a área elementar é d¹ = rdrd0. Além
disso,
R
2
= ¦(r, 0) ; 0 _ 0 _ 2¬ e 0 _ r < ·¦ ,
e, portanto,
__
R
2
exp
_
÷r
2
÷j
2
_
d¹ = lim
1÷o
_

0
_
1
0
c
÷v
2
rdrd0 = 2¬ lim
1÷o
_
1
0
c
÷v
2
rdr
= (usar t = ÷r
2
) = ¬ lim
1÷o
_
0
÷1
2
c
t
dt = ¬ lim
1÷o
_
1 ÷c
÷1
2
_
= ¬.
Por outro lado, usando o Corolário 4.4, obtemos
¬ =
__
R
2
exp
_
÷r
2
÷j
2
_
d¹ =
_
+o
÷o
__
+o
÷o
c
÷a
2
dr
_
c
÷j
2
dj
=
__
+o
÷o
c
÷a
2
dr
_ __
+o
÷o
c
÷j
2
dj
_
=
__
+o
÷o
c
÷t
2
dt
_
2
de onde resulta que
_
+o
÷o
c
÷t
2
dt =
_
¬.
Exercícios & Complementos.
1. Em cada caso, esboce a região 1 e calcule a integral dupla
__
1
) (r, j) drdj.
(a) 1 é a região triangular de vértices (2, 9), (2, 1) e (÷2, 1); ) = rj
2
.
(b) 1 é a região retangular de vértices (÷1, ÷1), (2, ÷1), (2, 4) e (÷1, 4); ) = 2r +j.
CAPÍTULO 4 INTEGRAL MÚLTIPLA 157
(c) 1 é a região delimitada por 8j = r
3
, j = ÷r e 4r +j = 9; ) = r.
(d) 1 é a região do 1.
c
quadrante delimitada por r
2
+j
2
= 1; ) =
_
1 ÷r
2
÷j
2
.
(e) 1 é a região triangular de vértices (0, 0), (1, ÷1) e (÷1, 4); ) = r
2
÷j
2
.
(f) 1 é a região delimitada por j
2
= r, r = 0 e j = 1; ) = exp(r,j).
(g) 1 é a região delimitada por 2j = r
2
e j = r; ) = r
_
r
2
+j
2
_
÷1
.
(h) 1 é a região delimitada por j = r, j = 0, r = 5 e rj = 16; ) = 1.
(i) 1 é a região delimitada por j = expr, j = log r, r +j = 1 e r +j = 1 +c; ) = 1.
(j) 1 é a região delimitada por j = r
2
, j = 0 e r +j = 2; ) = rj.
2. Use coordenadas polares para calcular as seguintes integrais duplas:
(a)
_
2
0
_
_
2j÷j
2
÷
_
2j÷j
2
rdrdj (d)
_
o
÷o
_
_
o
2
÷a
2
0
exp
_
÷r
2
÷j
2
_
djdr
(b)
_
2
1
_
a
0
_
r
2
+j
2
_
÷1
djdr (e)
__
a
2
+j
2
¸1
_
r
2
+j
_
drdj
(c)
_
3
0
_
a
0
_
r
2
+j
2
djdr (f)
__
1
(r +j) drdj, sendo 1 : r
2
+j
2
÷2j _ 0
3. A fronteira da região 1 é o paralelogramo de vértices (0, 1), (1, 2), (2, 1) e (1, 0). Use a mudança
de coordenadas do Exemplo 4.26 e calcule a integral dupla sobre 1 da função
) (r, j) = (r ÷j)
2
cos
2
(r +j) .
4. Ainda com a mudança de variável do Exemplo 4.26 calcule a integral dupla da função
) (r, j) = sen
_
r ÷j
r +j
_
sobre a região 1 delimitada pelo quadrilátero de vértices (1, 1), (2, 2), (4, 0) e (2, 0).
5. Use a mudança de coordenadas n = rj; j = · e calcule a integral dupla
__
1
_
r
2
+ 2j
2
_
drdj,
sobre a região 1 do plano rj delimitada pelas curvas
rj = 1, rj = 2, j = [r[ e j = 2r.
6. Use a mudança de coordenadas r = n ÷·, j = 2n ÷· e calcule a integral dupla
__
1
rjdrdj,
sobre a região 1 do plano rj delimitada pelas retas j = 2r, j = 2r ÷2, j = r e j = r + 1.
7. Use a mudança de coordenadas n =
1
2
j, · = r ÷2j e calcule a integral dupla da função
) (r, j) =
_
r ÷2j +j
2
,4,
sobre a região 1 do plano rj delimitada pelo triângulo de vértices (0, 0), (4, 0) e (4, 2).
158 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
8. Use coordenadas polares e calcule a integral dupla
__
1
_
r
2
+j
2
drdj,
sobre a região 1 do plano rj delimitada pelas curvas j =
_
2r ÷r
2
e j = r.
9. Em cada caso, calcule a área da região 1 do plano rj delimitada pelas curvas indicadas:
(a) r = 1, r = 2, j = ÷r
2
e j = 1,r
2
.
(b) r = 1, r = 4, j = ÷r e j =
_
r.
(c) j = r
2
e j = 2,(1 +r
2
).
(d) j
2
= ÷r, r ÷j = 4, j = ÷1 e j = 2.
(e) j = 0, r +j = 3a e j
2
= 4ar, a 0.
(f) j = c
a
, j = senr, r = ¬ e r = ÷¬.
10. Investigue a convergência ou não das integrais impróprias.
(a)
__
1
drdj
_
r
2
+j
2
, 1 : r
2
+j
2
_ 1.
(b)
__
1
drdj
_
1 ÷r
2
÷j
2
, 1 : r
2
+j
2
_ 1.
(c)
__
1
drdj
1 +r
2
+j
2
, 1 : r
2
+j
2
_ 1.
(d)
__
1
drdj
_
rj
, 1 : [0, 1] [0, 1] .
(e)
__
1
c
a¸j
drdj, 1 : 0 _ r _ j
2
e 0 _ j _ 1.
11. A área de uma região 1 vem dada por
¹(1) =
_
¬¸2
0
_
1+cos 0
1
rdrd0.
Identi…que a região e calcule o valor da área.
12. Calcule o volume do sólido comum aos cilindros r
2
+j
2
= a
2
e r
2
+.
2
= a
2
, a 0.
4.2 Integral Tripla
A de…nição e propriedades da integral dupla se estendem de modo inteiramente análogo à integral
tripla. Para de…nir a integral tripla de uma função contínua ) (r, j, .) em uma região compacta ¸ R
3
,
começamos particionando a região em pequenos blocos retangulares
i)I
, i, ,, / = 1, 2, 3, . . . , : de
lados in…nitesimais (que se aproximam de zero) dr, dj e d. e volume elementar d\ = drdjd.. Em
cada bloco
i)I
selecionamos um ponto 1
i)I
e formamos as somas de Riemann
o
a
=
a

i,),I=1
) (1
i)I
) drdjd.
CAPÍTULO 4 INTEGRAL MÚLTIPLA 159
cujo limite, com : ÷·, é, por de…nição, a integral tripla de ) sobre a região e anota-se
___

) (r, j, .) d\ = lim
a÷o
o
a
.
Quando a função ) (r, j, .) é constante e igual a um em , então a integral tripla representa o volume
da região . De fato,
___

d\ = lim
a÷o
a

i,),I=1
d\ = vol () .
Dada uma função ) : _ R
3
÷R contínua na região compacta (paralelepípedo)
= ¦(r, j, .) ¸ R
3
: a _ r _ /, c _ j _ d e c _ . _ ,¦,
então a integral tripla de ) sobre é calculada como a integral iterada
___

) (r, j, .) drdjd. =
_
b
o
__
o
c
__
o
c
) (r, j, .) d.
_
dj
_
dr, (4.19)
semelhante ao cálculo da integral dupla sobre retângulos, e a ordem de integração pode ser permutada,
com base no Teorema de Fubini. Por exemplo,
_
b
o
__
o
c
__
o
c
) (r, j, .) d.
_
dj
_
dr =
_
o
c
__
o
c
__
b
o
) (r, j, .) dr
_
dj
_
d..
Exemplo 4.36 Calcular a integral tripla de ) (r, j, .) = rj. sobre a região
= ¦(r, j, .) ¸ R
3
: ÷1 _ r _ 2, 0 _ j _ 1 e 1 _ . _ 2¦.
Solução A região de integração é o paralelepípedo = [1, 2] [0, 1] [1, 2] e usando (4.19), temos
___

rj.d\ =
_
2
1
_
1
0
__
2
÷1
rj.dr
_
djd. =
3
2
_
2
1
_
1
0
j.djd.
=
3
2
_
2
1
__
1
0
j.dj
_
d. =
3
4
_
2
1
.d. =
9
8
.
Suponhamos que uma região do R
3
seja descrita por:
= ¦(r, j, .) ¸ R
3
: (r, j) ¸ 1
aj
e /
1
(r, j) _ . _ /
2
(r, j)¦,
onde 1
aj
é uma região compacta do R
2
, que pode ser um retângulo, uma região vertical simples ou
horizontal simples, e na qual as funções /
1
(r, j) e /
2
(r, j) são contínuas. Se ) (r, j, .) é uma função
contínua em , a integral tripla de ) sobre é calculada por
___

) (r, j, .) d\ =
__
1
xy
_
_
I
2
(a,j)
I
1
(a,j)
) (r, j, .) d.
_
drdj, (4.20)
onde vemos que o cálculo de uma integral tripla se reduz ao cálculo de uma integral simples seguida
de uma integral dupla. É claro que existem outras formas de descrever a região e as mudanças na
ordem de integração são feitas de acordo com a região. Por exemplo, se é a região
= ¦(r, j, .) ¸ R
3
: (r, .) ¸ 1
a:
e q
1
(r, .) _ j _ q
2
(r, .)¦,
160 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
então
___

) (r, j, .) d\ =
__
1
xz
_
_
j
2
(a,:)
j
1
(a,:)
) (r, j, .) dj
_
drd..
Dependendo da região, a integral tripla pode ser calculada de forma iterada como três integrais simples.
Além dos paralelepípedos (blocos retangulares), também se enquadra neste caso a região descrita
por
= ¦(r, j, .) ¸ R
3
: a _ r _ /, j (r) _ j _ ¡ (r) e q
1
(r, j) _ . _ q
2
(r, j)¦,
onde j (r) e ¡ (r) são contínuas no intervalo [a, /] e as funções q
1
(r, j) e q
1
(r, j) são contínuas na
projeção de sobre o plano rj. A integral tripla neste caso é calculada de forma iterada
___

) (r, j, .) d\ =
_
b
o
_
_
q(a)
j(a)
_
_
j
2
(a,j)
j
1
(a,j)
) (r, j, .) d.
_
dj
_
dr. (4.21)
Exemplo 4.37 Calcular a integral tripla
1 =
___

_
r
2
+j
2
+.
2
_
d\,
sobre a região delimitada pelos planos r +j +. = 2, r = 0, j = 0 e . = 0.
Solução A região é limitada pelos planos coordenados e pelo plano r +j +. = 2. A projeção no
plano rj é o triângulo de vértices O(0, 0, 0) , ¹(2, 0, 0) e 1(0, 2, 0), como mostra a Figura 4.25.
Figura 4.25: Região e projeção 1
aj
.
Em coordenadas cartesianas temos
= ¦(r, j, .) ¸ R
3
: 0 _ r _ 2, 0 _ j _ 2 ÷r e 0 _ . _ 2 ÷r ÷j¦
e usando (4.21), resulta
1 =
___

_
r
2
+j
2
+.
2
_
d\ =
_
2
0
__
2÷a
0
__
2÷a÷j
0
_
r
2
+j
2
+.
2
_
d.
_
dj
_
dr
=
1
3
_
2
0
_
2÷a
0
(2 ÷r ÷j)
_
3r
2
+ 3j
2
+ (2 ÷r ÷j)
2
¸
djdr
=
1
3
_
2
0
2 (r ÷2)
2
_
r
2
÷r + 1
_
dr =
8
5
. .
CAPÍTULO 4 INTEGRAL MÚLTIPLA 161
Exemplo 4.38 Calcular a integral tripla de ) (r, j, .) = rj. sobre a região cilíndrica
: r
2
+j
2
_ 1, 0 _ . _ 1.
Solução A integral tripla neste caso é calculada por uma integral simples, seguida de uma integral
dupla onde usaremos coordenadas polares. Temos
___

rj.d\ =
__
a
2
+j
2
¸1
__
1
0
rj.d.
_
d¹ =
__
a
2
+j
2
¸1
rj
__
1
0
.d.
_

=
1
2
__
a
2
+j
2
¸1
rjd¹ =
1
2
_

0
_
1
0
r
3
cos 0 sen0drd0
=
1
2
__

0
cos 0 sen0d0
_ __
1
0
r
3
dr
_
= 0.
4.2.1 Mudança de Variável em Integral Tripla
Consideremos a transformação T : ¹ _ R
3
÷R
3
de…nida pelo sistema de equações simultâneas
_
¸
_
¸
_
r = r(n, ·, n)
j = j (n, ·, n)
. = . (n, ·, n)
sendo r(n, ·, n) , j (n, ·, n) e . (n, ·, n) funções com derivadas parciais de primeira ordem contínuas
na região ¹ onde o Jacobiano
J(T) =
0 (r, j, .)
0 (n, ·, n)
não se anula. Se = T(¹), como na Figura 4.26, temos a seguinte fórmula de mudança de coorde-
nadas:
___

) (r, j, .) d\ =
___
1
) (r(n, ·, n) , j (n, ·, n) , . (n, ·, n)) [J(T)[ dnd·dn (4.22)
Figura 4.26: Região = T (¹) .
Exemplo 4.39 Calcular o volume do elipsoide
r
2
a
2
+
j
2
/
2
+
.
2
c
2
= 1, a 0, / 0 e c 0.
162 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Solução Se representa o sólido delimitado pelo elipsoide, então
vol () =
___

d\
e considerando a transformação r = an, j = /· e . = cn, que leva a esfera n
2
+ ·
2
+ n
2
= 1 sobre o
elipsoide, então segue da fórmula 4.22 que
vol () =
___

d\ =
___
1
[J (n, ·, n)[ dnd·dn,
onde ¹ é a região delimitada pela esfera n
2

2
+n
2
= 1, isto é,
¹ =
_
(n, ·, n) ¸ R
3
: n
2

2
+n
2
_ 1
_
.
Ora,
J(n, ·, n) =
0(r, j, .)
0(n, ·, n)
=
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
a 0 0
0 / 0
0 0 c
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
= a/c
e, consequentemente,
vol () =
___

d\ = a/c
___
1
dnd·dn = a/c vol (¹) =
4
3
¬a/c.
O volume de uma esfera de raio 1 é
4
3
¬1
3
, como veremos no Exemplo 4.41.
Integral Tripla em Coordenadas Cilíndricas
Vimos no Capítulo 3 que a transformação em coordenadas cilíndricas
T (r, 0, .) = (r cos 0, r sen0, .)
tem Jacobiano r e, neste caso, a fórmula de mudança de variável (4.22) se reduz a
___

) (r, j, .) d\ =
___
1
) (r cos 0, r sen0, .) rd.drd0. (4.23)
Em coordenadas cilíndricas, o volume elementar d\ pode ser deduzido por meio de argumentos geo-
métricos, tal qual …zemos com a área elementar em coordenadas polares. Com base na Figura 4.27
deduzimos que d\ = rd.drd0.
Figura 4.27: Volume elementar d\ = rd.drd0.
CAPÍTULO 4 INTEGRAL MÚLTIPLA 163
Exemplo 4.40 Calcular, por integral tripla, o volume de um cilindro de raio 1 e altura /.
Solução O sólido delimitado pelo cilindro é descrito em coordenadas cilíndricas por
: 0 _ 0 _ 2¬, 0 _ r _ 1, 0 _ . _ /
e, portanto,
vol () =
___
1
rd.drd0 =
_

0
_
1
0
_
I
0
rd.drd0 = 2¬/
_
r
2
2
_
1
0
= ¬1
2
/.
Integral Tripla em Coordenadas Esféricas
A transformação em coordenadas esféricas T (j, 0, c) = (j senccos 0, j sencsen0, j cos c) tem Ja-
cobiano
J(j, 0, c) =
0(r, j, .)
0(r, 0, c)
=
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
senccos 0 j cos ccos 0 ÷j sencsen0
sencsen0 j cos ccos 0 ÷j senccos 0
cos c ÷j senc 0
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
= j
2
senc
e as variáveis j, 0, c são tais que 0 _ j < ·, 0 _ 0 _ 2¬ e 0 _ c _ ¬. O volume elementar em
coordenadas esféricas é d\ = j
2
sencdjdcd0 e pode ser deduzido observando a Figura 4.28, onde
destacamos o bloco elementar de lados dj, jdc e j sencd0.
Figura 4.28: Volume elementar d\ = j
2
sencdjdcd0.
Em coordenadas esféricas, a fórmula de mudança de variável (4.22) se reduz a:
___

) (r, j, .) d\ =
___
1
)(j senccos 0, j sencsen0, j cos c)j
2
sencdjdcd0. (4.24)
Exemplo 4.41 Calcular, por integral tripla, o volume de uma esfera de raio 1.
Solução Em coordenadas esféricas a esfera de centro na origem e raio 1 tem equação j = 1 e o
sólido por ela delimitado é descrito por
: 0 _ j _ 1, 0 _ 0 _ 2¬, 0 _ c _ ¬.
O volume de é, portanto,
vol () =
___
1
j
2
sencdjdcd0
_

0
_
1
0
_
¬
0
j
2
sencdcdjd0
= 2¬
_
¬
0
_
1
3
j
3
¸
j=1
j=0
sencdc =
2
3
¬1
3
[÷cos c]
¬
0
=
4
3
¬1
3
164 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Exemplo 4.42 O volume do sólido interior à esfera r
2
+j
2
+.
2
= . e ao cone . =
_
3 (r
2
+j
2
).
Solução O sólido tem o formato de um sorvete, como sugere a Figura 4.29.
Figura 4.29: Volume interior à esfera j = cos c e ao cone c = ¬,6.
Em coordenadas esféricas, a esfera r
2
+j
2
+.
2
= . é descrita por j = cos c e o cone .
2
= 3(r
2
+j
2
)
tem equação c =
¬
6
. Assim, a região se transforma, via coordenadas esféricas, na região
¹ =
_
(j, 0, c) ¸ R
3
: 0 _ j _ cos c, 0 _ 0 _ 2¬ e 0 _ c _ ¬,6
_
e, por conseguinte,
vol () =
___

d\ =
___
1
j
2
sencdjdcd0 =
_

0
_
¬¸6
0
_
cos ç
0
j
2
sencdjdcd0
=
_

0
_
4
0
_
senc
1
3
j
3

¸
¸
¸
cos ç
0
dcd0 =
1
3
_

0
_
¬¸6
0
senccos
3
cdcd0
=
1
3
_

0
_
÷
1
4
cos
4
c

¸
¬¸6
0
d0 =
1
12
_
1 ÷
9
16
_
_

0
d0 =

96
.
4.2.2 Considerações Físicas
Os conceitos de massa, centro de massa e momento de inércia de um corpo tridimensional são
semelhantes ao caso bidimensional. Se a função ) (r, j, .) é interpretada como densidade volumétrica,
então a integral tripla
___

) (r, j, .) d\
representa a massa do corpo. A densidade volumétrica será indicada por j (r, j, .) e quando a densi-
dade j for constante o corpo diz-se homogêneo.
Massa e Centro de Massa
Se ' representa a massa do corpo , as coordenadas r, j e . do centro de massa são dadas por:
r =
1
'
___

rj (r, j, .) d\, j =
1
'
___

jj (r, j, .) d\ e . =
1
'
___

.j (r, j, .) d\.
Momento de Inércia
O momento de inércia 1
1
do corpo em relação a um eixo 1 é, por de…nição,
1
1
=
___

j (r, j, .) c
2
d\,
CAPÍTULO 4 INTEGRAL MÚLTIPLA 165
onde c = c (r, j, .) é a distância de um ponto 1 (r, j, .) do corpo ao eixo 1. No caso em que o eixo 1
é um eixo coordenado, temos os momentos de inércia 1
a
, 1
j
ou 1
:
, conforme seja 1 o eixo r, j ou .,
e são calculados pelas fórmulas:
1
a
=
___

_
j
2
+.
2
_
jd\, 1
j
=
___

_
r
2
+.
2
_
jd\ e 1
:
=
___

_
r
2
+j
2
_
jd\.
Exemplo 4.43 Calcule a massa, o centro de massa e momento de inércia 1
:
do sólido , de densidade
constante j = 1, delimitado pelo grá…co do cilindro parabólico . = 4 ÷ r
2
e os planos r = 0, j = 0,
j = 6 e . = 0.
Solução O corpo é descrito por
= ¦(r, j, .) ¸ R
3
: (r, j) ¸ 1
a
e 0 _ . _ 4 ÷r
2
¦
e, portanto, a massa de é
' =
___

d\ =
__
1
x
_
_
4÷a
2
0
d.
_
drdj
=
__
1
x
(4 ÷r
2
)drdj =
_
2
0
_
6
0
(4 ÷r
2
)djdr = 32.
As coordenadas do centro de massa são:
r =
1
32
___

rd\ =
1
32
_
2
0
_
6
0
_
4÷a
2
0
rd.djdr =
6
32
_
2
0
r
_
4 ÷r
2
_
dr =
3
4
j =
1
32
___

jdrdjd. =
1
32
_
2
0
_
6
0
_
4÷a
2
0
jd.djdr =
18
32
_
2
0
_
4 ÷r
2
_
dr = 3
. =
1
32
___

.drdjd. =
1
32
_
2
0
_
6
0
_
4÷a
2
0
.d.djdr =
6
64
_
2
0
_
4 ÷r
2
_
2
dr =
8
5
.
Portanto, o centroide tem coordenadas
_
3
4
, 3,
8
5
_
. O momento de inércia 1
:
é dado por
1
:
=
___

_
r
2
+j
2
_
j (r, j, .) d\ =
_
2
0
_
6
0
_
4÷a
2
0
_
r
2
+j
2
_
d.djdr
=
_
2
0
_
6
0
_
r
2
+j
2
_ _
4 ÷r
2
_
djdr =
_
2
0
_
48 + 6r
2
÷6r
4
_
dr =
2048
5
.
Exemplo 4.44 Um corpo de massa ' e densidade ) (r, j, .) =
_
r
2
+j
2
+.
2
_
÷1¸2
tem o formato da
região descrita por
: r
2
+.
2
_ j
2
e r
2
+j
2
+.
2
_ 4j.
Expressar ' por uma integral tripla de três formas: em coordenadas cartesianas, em coordenadas
cilíndricas e em coordenadas esféricas e, em seguida, calcular '.
Solução O primeiro passo é descrever a região em coordenadas cartesianas, cilíndricas e esféricas.
Temos:
1. Em Coordenadas Cartesianas
Em Coordenadas Cartesianas a região é descrita pelas desigualdades:
÷2 _ r _ 2, ÷
_
4 ÷r
2
_ . _
_
4 ÷r
2
e
_
r
2
+.
2
_ j _ 2 +
_
4 ÷r
2
÷.
2
166 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
e sua massa é calculada por:
' =
_
2
÷2
_
_
4÷a
2
÷
_
4÷a
2
_
2+
_
4÷a
2
÷:
2
_
a
2
+:
2
_
r
2
+j
2
+.
2
_
÷1¸2
djd.dr. (4.25)
2. Em Coordenadas Cilíndricas
As equações do cone e da esfera nessas coordenadas são, respectivamente, j = r e j = 2 +
_
4 ÷r
2
e o sólido é descrito pelas desigualdades
0 _ 0 _ 2¬, 0 _ r _ 2 e r _ j _ 2 +
_
4 ÷r
2
.
A densidade é ) (r, 0, j) =
_
r
2
+j
2
_
÷1¸2
e a massa do sólido é, portanto:
' =
_

0
_
2
0
_
2+
_
4÷v
2
v
_
r
2
+j
2
_
÷1¸2
rdjdrd0. (4.26)
3. Em Coordenadas Esféricas
Neste caso, o cone e a esfera são descritos, respectivamente, por , = ¬,4 e j = 4 cos , e o sólido
assume a caracterização
0 _ 0 _ 2¬, 0 _ , _ ¬,4 e 0 _ j _ 4 cos ,.
A densidade é ) (j, 0, ,) =
_
r
2
+j
2
+.
2
_
÷1¸2
= j
÷1
e a massa ' do sólido é, portanto:
' =
_

0
_
¬¸4
0
_
4 cos ,
0
j sen,djd,d0. (4.27)
A massa ' pode ser calculada por (4.25), (4.26) ou (4.27) e essa última opção nos conduz ao cálculo
mais simples. Temos
' =
_

0
_
¬¸4
0
_
4 cos ,
0
j sen,djd,d0 = 2¬
_
¬¸4
0
1
2
(4 cos ,)
2
sen,d,
= 16¬
_
1
_
2¸2
t
2
dt =
16¬
3
[t
3
]
1
_
2¸2
=

3
(4 ÷
_
2).
Exercícios & Complementos.
1. Expresse a integral tripla
___
1
) (r, j, .) d\
como uma integral iterada e, em seguida, calcule o seu valor no caso em que ) (r, j, .) = rj. e
a região 1 é descrita por:
(a) ÷1 _ r _ 2, 0 _ j _ 1, 1 _ . _ 2.
(b) ÷
_
j _ r _
_
j, 0 _ j _ 4, 0 _ . _ 4 ÷j.
(c) 0 _ r _ 1, r
2
_ j _ 1, 0 _ . _ r +j.
(d) 0 _ r _ .
2
, r ÷. _ j _ r +., 1 _ . _ 2.
CAPÍTULO 4 INTEGRAL MÚLTIPLA 167
2. Escreva cada uma das integrais abaixo na ordem d.djdr:
(a)
_
1
0
_
3
1
_
5
4
) (r, j, .) drdjd. (c)
_
1
0
_
1÷:
0
_
_
(:÷1)
2
÷j
2
0
) (r, j, .) drdjd.
(b)
_
1
0
_
j
0
_
1
_
a
2
+j
2
) (r, j, .) d.drdj (d)
_
1
0
_
1÷:
0
_
1÷:÷j
0
) (r, j, .) drdjd.
3. Descreva o sólido do R
3
, cujo volume é:
(a)
_
1
0
_
_
4÷:
_
1÷:
_
3
2
drdjd. (d)
_
1
0
_
3a
0
_
1
0
d.djdr
(b)
_
1
0
_
_
:
:
3
_
4÷a
0
djdrd. (e)
_
2
1
_
_
:
÷
_
:
_
_
:÷a
2
÷
_
:÷a
2
djdrd.
(c)
_
2
0
_
2a
a
2
_
a+j
0
d.djdr (f)
_
4
1
_
:
÷:
_
_
:
2
÷j
2
÷
_
:
2
÷j
2
drdjd.
4. Em cada caso, identi…que o sólido e calcule seu volume por integração tripla.
(a) é delimitado pelo cilindro j = r
2
e pelos planos j +. = 4 e . = 0.
(b) é delimitado pelo cilindro . = 1 ÷j
2
e pelos planos r = ., r = 0 e j = 0.
(c) é delimitado pelos cilindros . = 3r
2
e . = 4 ÷r
2
e pelos planos j +. = 6 e j = 0.
(d) é a interseção dos paraboloides . _ 1 ÷r
2
÷j
2
e . _ r
2
+j
2
÷1.
(e) é delimitado pelos cilindros r = j
2
e j
2
= 2 ÷r e pelos planos . = 5 +r +j e . = 0.
(f) é a interseção da bola r
2
+j
2
+.
2
_ 6 com o paraboloide . _ r
2
+j
2
.
(g) é delimitado pelo plano rj e pelas superfícies r
2
+j
2
= 2r e . =
_
r
2
+j
2
.
5. Em cada caso calcule o volume do sólido descrito pelas desigualdades.
(a) 0 _ r _ . _ 1 ÷j
2
(d) r
2
+j
2
_ . _ 2r
(b) r
2
+ 4j
2
_ 4 e r +j _ . _ r +j + 1 (e)
_
r
2
+j
2
_ . _ 6 ÷r
2
÷j
2
(c) r
2
+j
2
_ . _ 1 ÷r
2
(f) 0 _ . _
_
r
2
+j
2
6. Use coordenadas cilíndricas e calcule as seguintes integrais:
(a)
_
1
0
_
_
1÷j
2
0
_
_
4÷a
2
÷j
2
0
.d.drdj (c)
___
1
rjd\, 1 : r
2
+j
2
_ 1, 0 _ . _ 1
(b)
_
_
2
1
_
_
2÷a
2
0
_
1
0
rd.djdr (d)
_
2
0
_
_
2a÷a
2
÷
_
2a÷a
2
_
a
2
+j
2
0
_
r
2
+j
2
_
d.djdr
7. Use coordenadas esféricas e calcule as seguintes integrais:
(a)
_
2
÷2
_
_
4÷a
2
÷
_
4÷a
2
_
_
8÷a
2
÷j
2
_
a
2
+j
2
_
r
2
+j
2
+.
2
_
d.djdr.
(b)
_
_
2
0
_
_
4÷j
2
j
_
_
4÷a
2
÷j
2
0
_
r
2
+j
2
+.
2
d.drdj.
8. Faz-se um orifício circular em uma esfera, o eixo do orifício coincidindo com o eixo da esfera. O
volume do sólido resultante vem dado por
vol () = 2
_

0
_
_
3
0
_
_
4÷:
2
1
rdrd.d0.
Por observação da integral determine o raio do orifício e o raio da esfera. Calclule vol () .
168 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
9. Calcule a massa de uma bola de raio 1, se a densidade de massa no ponto 1 da bola é propor-
cional à distância r do ponto 1 ao centro da bola.
10. Determine o centro de massa do hemisfério r
2
+ j
2
+ .
2
_ 1
2
, . _ 0, se a densidade em um
ponto (r, j, .) do hemisfério é o (r, j, .) = ..
11. Determine o centroide do hemisfério 0 _ . _
_
1
2
÷r
2
÷j
2
.
12. Calcule o momento de inércia em relação ao seu eixo de um cilindro circular reto de altura / e
raio 1, se a densidade em um ponto (r, j, .) do cilindro é o (r, j, .) =
_
r
2
+j
2
.
Respostas & Sugestões
Seção 4.1 - integral dupla
1. (a) 1, (b)
1
2
sen¬
2
, (c) ÷36, (d) 1, (e) 0, (f)
5
2
÷6
_
2, (g)
c
2
÷1, (h)
c÷1
2
, (i) 1÷cos 2,
(j) ÷
2
3
, (k)
1
3
, (l) 0, (m)
1
48
, (n)
3
2
÷ sen1 ÷ cos 1, (o) ÷
3
2
, (p)
8
3
, (q) c
2
÷ 1, (r)
1
16
,
(s)
9
2
, (t) ÷
8
3
, (u)
1
3
(1 ÷cos 1), (v)
1
2
.
2. Veja a seção 4.1.2 sobre as regiões horizontais e verticais simples.
3. (a)
1
4
_
c
4
÷1
_
, (b) 16, (c) 9 +
_
3
2
+

3
, (d)

8
.
4. 1 é o triângulo de vértices (0, 0) , (0, 2) e (1, 1). O volume do sólido é 4/3.
5. ¬,4 ÷
1
3
.
6. (a)
¬
4
+
15
2
+ arctg 2 (b)

2
+ 27 (c)
56
3
7. a
3
,3.
8. 20.
Seção 4.1.6 - mudança de variável
1. (a)
1504
5
, (b)
75
2
, (c)
209
30
, (d)
¬
6
, (e) ÷3, (f)
1
2
, (g) log 2, (h) 8 + 16 log
_
5
4
_
, (i)
1
2
c
2
+
c ÷3, (j)
7
24
.
2. (a) 0, (b)
¬
4
log 2, (c)
¬
2
[1 ÷exp
_
÷a
2
_
], (d)
9
2
(
_
2 + log(1 +
_
2), (e)
¬
4
, (f)

8
.
3.
1
3
+
1
12
(sen6 ÷sen2) .
4. 3 ÷3 cos 1.
5. 15,8.
6. 7.
CAPÍTULO 4 INTEGRAL MÚLTIPLA 169
7. Note que a mudança de variáveis n =
1
2
j e · = r ÷ 2j transforma o triângulo 1 de vértices
(0, 0), (4, 0) e (4, 2) no plano rj no triângulo 1

de vértices (0, 0), (1, 0) e (0, 4) no plano n·.
Então
J(r, j) =
¸
¸
¸
¸
¸
n
a
n
j
·
a
·
j
¸
¸
¸
¸
¸
=
¸
¸
¸
¸
¸
0
1
2
1 ÷2
¸
¸
¸
¸
¸
= ÷
1
2
e J(n, ·) = ÷2.
Logo,
__
1
_
_
r ÷2j +
1
4
j
2
_
drdj = 2
__
1
uv
(
_
· +n
2
)dnd·
= 2
_
1
0
__
÷4&+4
0
(
_
· +n
2
)d·
_
dn
= 2
_
1
0
_
2
3
·
3
2
+·n
2
¸
¸
¸
÷4&+4
0
_
dn =
74
15
.
8.
1
9
(16 ÷10
_
2).
9. (a)
17
6
, (b)
73
6
, (c) ¬ ÷
2
3
, (d)
33
2
, (e)
10o
2
3
, (f) c
¬
÷c
÷¬
.
10. (a) 2¬, (b) 2¬, (c) ·, (d) 4, (e) 1,2.
11. Região do 1
o
quadrante exterior ao círculo r = 1 e interior à cardioide r = 1 + cos 0. A área é
1 +¬,8.
12. vol () = 16a
3
,3.
Seção 4.2 - integral tripla
1. (a)
7
8
; (b) 0; (c)
671
4320
; (d)
1022
27
.
2. (c) Sendo
_
1
0
_
1÷:
0
_
_
(:÷1)
2
÷j
2
0
) (r, j, .) drdjd.
temos que 0 _ . _ 1, 0 _ j _ 1 ÷ . e 0 _ r _
_
(. ÷1)
2
÷j
2
. Note que queremos primeiro
integrar em relação a ., então …xado r e j, obtemos
r =
_
(. ÷1)
2
÷j
2
=(. ÷1)
2
= r
2
+j
2
=. = 1 ÷
_
r
2
+j
2
,
pois 0 _ . _ 1. Como a projeção do cone (. ÷1)
2
= r
2
+j
2
sobre o plano rj (. = 0) é o círculo
r
2
+j
2
= 1 temos que 0 _ j _
_
1 ÷r
2
e 0 _ r _ 1. Portanto,
_
1
0
_
_
1÷a
2
0
_

_
a
2
+j
2
0
) (r, j, .) d.djdr.
3. (c) Na integral
_
2
0
_
2a
a
2
_
a+j
0
d.djdr
vemos que 0 _ r _ 2, r
2
_ j _ 2r e 0 _ . _ r + j e, portanto, o sólido é delimitado pelos
planos r = 0, r = 2, j = 2r, . = 0, . = r +j e o cilindro j = r
2
.
170 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
4. (a) Para identi…car o sólido esboce a parábola j = r
2
no plano rj (. = 0) e sobre ela faça
deslizar uma reta paralela ao eixo . para obter o cilindro; em seguida corte o cilindro com os
planos . = 0 e j +. = 4. O volume do sólido é
vol () =
_
4
0
_
_
j
÷
_
j
_
4÷j
0
d.drdj =
256
15
.
(b)
4
15
, (c)
304
15
, (d) ¬, (e)
32
3
, (f) 2¬(2
_
6 ÷
11
3
), (g)
32
9
.
5. (a)
8
15
, (b)
64
9
÷

2
, (c)
¬
2
_
2
. (d). A desigualdade r
2
+j
2
_ . _ 2r signi…ca que o sólido
é a porção interna ao paraboloide . = r
2
+ j
2
, abaixo do plano . = 2r, e a projeção de no
plano rj é o disco 1 : r
2
+j
2
÷2r _ 0. Assim,
vol () =
__
1
_
2a
a
2
+j
2
d.djdr =
__
1
(2r ÷r
2
÷j
2
)d¹
e em coordenadas polares o disco 1 é descrito por 0 _ r _ 2 cos 0 e ÷
¬
2
_ 0 _
¬
2
. Portanto,
vol () =
__
1
xy
(2r ÷r
2
÷j
2
)djdr =
_
2
÷

2
_
2 cos 0
0
(2r cos 0 ÷r
2
)rdrd0
=
_
2
÷

2
_
2
3
r
3
cos 0 ÷
1
4
r
4

¸
¸
¸
2 cos 0
0
d0 =
4
3
_
2
÷

2
cos
4
0d0 =
¬
2
.
6. (a). O sólido é a porção do 1
o
octante, interna ao cilindro r
2
+j
2
= 1 e à esfera :r
2
+j
2
+.
2
= 1.
Como r = r cos 0, j = r sen0 e . = ., segue que J(r, 0, .) = r e, potanto,
_
1
0
_
_
1÷j
2
0
_
_
4÷a
2
÷j
2
0
.d.drdj =
_
2
0
_
1
0
_
_
4÷v
2
0
.rd.drd0
=
1
2
_
2
0
_
1
0
r(4 ÷r
2
)drd0 =
7
16
¬.
(b) 1,3, (c) 0, (d) 10¬,3.
7. (a) A região é interna ao cone . =
_
r
2
+j
2
e à esfera r
2
+ j
2
+ .
2
= 8. Em coordenadas
esféricas a esfera e o cone são descritos por j = 2
_
2 e c =
¬
4
, respectivamente. Assim, a região
é descrita por 0 _ j _ 2
_
2, 0 _ 0 _ 2¬ e 0 _ c _
¬
4
e, portanto,
_
2
÷2
_
_
4÷a
2
÷
_
4÷a
2
_
_
8÷a
2
÷j
2
_
a
2
+j
2
_
r
2
+j
2
+.
2
_
d.djdr =
_

0
_
4
0
_
2
_
2
0
j
4
sencdjdcd0
=
256¬
5
(
_
2 ÷1,2).
(b) ¬1
4
,16.
8. r = 1; 1 = 2 e vol () = 4¬
_
3.
9. /¬1
4
.
10. C
A
(0, 0, 81,15) .
11. C
A
(0, 0, 1,3) .
12. 2¬/1
5
,3.
Para motivar o que será apresentado neste capítulo, deixe-nos reescrever a integral simples
_
b
o
)(r)dr
de outra forma. Imaginemos o intervalo [a, /] como sendo a curva ¸ descrita pelas equações paramétri-
cas
¸ : r = r(t) , j = j (t) e . = . (t) , a _ t _ /,
sendo r(t) = t, j (t) = 0 e . (t) = 0 e consideremos a função vetorial F(r, j, .) = ) (r) i, de…nida
em uma região contendo a curva ¸. Se r (t) = r(t) i +j (t) j +. (t) k representa o vetor posição do
ponto 1 (r, j, .) da curva ¸, então
F(r (t)) « r
t
(t) = ) (t)
e, portanto,
_
b
o
)(r)dr =
_
b
o
F(r (t)) « r
t
(t) dt. (5.1)
A integral do lado direito de (5.1) recebe o nome de Integral de Linha ou Integral Curvilínea do campo
vetorial F sobre o caminho ¸.
A partir de considerações físicas, apresentaremos as formas como as integrais de linha aparecem na
prática. O conceito e as propriedades básicas da integral de linha serão formalizados posteriormente.
O conceito de trabalho
Por campo de forças entendemos uma função que associa a cada ponto um vetor que representa
algum tipo de atração ou repulsão. Uma partícula de massa :, sob a ação de um campo de forças F,
se move ao longo de uma curva ¸. O trabalho \ realizado pelo campo F para transportar a partícula
ao longo da curva ¸, do ponto ¹ até o ponto 1, é dado por
\ = 1
1
÷1
¹
,
onde 1
¹
e 1
1
são, respectivamente, a energia cinética da partícula nos instantes t = a e t = / em que
a partícula ocupa as posições ¹ e 1. Se ·
¹
e ·
1
representam as velocidades nesses instantes, então
\ =
1
2

2
1
÷
1
2

2
¹
. (5.2)
Para representar o trabalho (5.2) por uma integral, imaginemos a curva ¸ orientada de ¹ para 1, que
corresponde aos valores crescentes de t, e descrita por
r (t) = r(t) i +j (t) j +. (t) k, a _ t _ /,
de modo que ¹ = r (a) e 1 = r (/) são, respectivamente, as posições inicial e …nal da partícula. Ora,
no instante t a velocidade · (t) da partícula é · (t) = [r
t
(t)[ e resulta de (5.2)
\ =
1
2
:
_
¸
¸
r
t
(/)
¸
¸
2
÷
¸
¸
r
t
(a)
¸
¸
2
_
=
1
2
:
_
¸
¸
r
t
(t)
¸
¸
2
_
t=b
t=o
=
1
2
:
_
b
o
d
dt
¸
¸
r
t
(t)
¸
¸
2
dt.
172 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Da Regra da Cadeia, segue que
o
ot
_
r
t
(t)
2
_
= 2r
t
(t) « r
tt
(t) e, consequentemente,
\ =
_
b
o
:r
tt
(t) « r
t
(t) dt. (5.3)
A derivada r
tt
(t) representa a aceleração da partícula e, de acordo com a 2
a
Lei de Newton, temos
que F(¸ (t)) = :r
tt
(t) , resultando de (5.3) que
\ =
_
b
o
F(r (t)) « r
t
(t) dt. (5.4)
A integral do lado direito de (5.4) se representa na forma vetorial
_
¸
F « dr, onde
dr = r
t
(t) dt ou dr = (dr) i + (dj) j + (d.) k.
mede o deslocamento in…nitesimal da partícula. Essa notação vetorial, além da robusteza, sugere a
interpretação física de trabalho como força deslocamento.
O conceito de massa
Consideremos um arame com o formato da curva ¸ (t) e seja r (t) = r(t) i +j (t) j +. (t) k, a _
t _ /, o vetor posição do ponto 1 (r, j, .) do arame. Se representarmos por c (r, j, .) a densidade
linear, isto é, massa por unidade de comprimento, e por d: uma porção in…nitesimal (comprimento
elementar) do arame, a massa elementar d: da porção d: será, portanto
d: = c (r, j, .) d:.
A massa total do arame é obtida somando, isto é, integrando, as massas elementares d:. Assim, a
massa do arame é
: = lim
oc÷0

d: =
_
¸
c (r, j, .) d:. (5.5)
Em (5.5) o símbolo

tem carater apenas intuitivo, já que não podemos, literalmente, somar in-
…nitésimos. O que fazemos na verdade é integrar sobre o caminho.
Com esta motivação desejamos ressaltar que as integrais de linha se apresentam sob duas formas
equivalentes:
1.
_
¸
F « dr =
_
b
o
F(r (t)) « r
t
(t) dt, interpretada como trabalho realizado pelo campo de forças F.
2.
_
¸
) (r, j, .) d:, interpretada como massa do …o de densidade linear ) (r, j, .) .
O vetor tangente unitário à curva ¸ no ponto 1 = r (t) é T =
r
t
(t)
[r
t
(t)[
, como sugere a Figura 5.1, e se
representarmos por : (t) o comprimento do arco da curva ¸ de ¹ até 1, então
: (t) =
_
t
o
¸
¸
r
t
(t)
¸
¸
dt e d: =
¸
¸
r
t
(t)
¸
¸
dt.
Assim,
dr = r
t
(t) dt =
¸
¸
r
t
(t)
¸
¸
Tdt = Td:,
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 173
Figura 5.1: Vetor tangente T = r
t
(t), [r
t
(t)[ .
onde vemos que [dr[ representa o comprimento d: ao longo da direção tangencial, e temos
_
¸
F « dr =
_
¸
(F « T)d:.
Se enfatizarmos as coordenadas do campo F(r, j, .) = 1(r, j, .) i +' (r, j, .) j +· (r, j, .) k, então
1 « dr = (1i +'j +·k) « (dri +djj +d.k) = 1dr +'dj +·d.
e a integral de linha se apresenta sob a forma
_
¸
F « dr =
_
¸
1dr +'dj +·d..
A expressão 1dr +'dj +·d. recebe o nome de forma diferencial de primeira ordem.
5.1 Campos Vetoriais
Um campo vetorial sobre uma região _ R
3
é uma função F : _ R
3
÷ R
3
, que a cada ponto
1 (r, j, .) de associa um vetor F(r, j, .) do R
3
. A terminologia campo vetorial deve-se a exemplos
físicos tais como campo gravitacional, campo eletrostático, campo de velocidades de um ‡uido em
movimento, etc.
Fixado um sistema de coordenadas, por exemplo, o sistema de coordenadas cartesianas, o campo
vetorial F = F(r, j, .) é representado por suas componentes ou coordenadas 1, ' e ·, que são funções
escalares de…nidas em e que determinam as propriedades analíticas do campo F. Por exemplo, o
campo
F = 1(r, j, .)i +'(r, j, .)j +·(r, j, .)k,
é contínuo (resp. diferenciável) no ponto 1 (r, j, .) de se, e somente se, as componentes 1, ' e ·
são funções contínuas (resp. diferenciáveis) em 1.
De modo similar, de…ne-se campo vetorial bidimensional como sendo uma função F : 1 _ R
2
÷R
2
,
que associa a cada ponto de uma região 1, do plano rj, um vetor
F(r, j) = 1(r, j)i +'(r, j)j,
174 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
sendo 1, ' : 1 _ R
2
÷R funções escalares que determinam (e herdam) as propriedades analíticas do
campo F. A visualização geométrica de um campo vetorial F(r, j) é obtida esboçando-se uma coleção
de setas de comprimento [F(r, j)[, com origem no ponto 1 (r, j), representando os vetores F(r, j).
Exemplo 5.1 (Campo Radial) O campo vetorial F : R
2
÷R
2
de…nido por F(r, j) = ri +jj é tal
que [F[ =
_
r
2
+j
2
e, nos pontos de uma dada circunferência de centro na origem, a intensidade do
campo F é a mesma e igual ao raio da circunferência, como ilustra a Figura 5.2.
Figura 5.2: Visualização do campo radial.
Exemplo 5.2 (Campo Tangencial) Analisar o campo vetorial F de…nido em R
2
÷¦(0, 0)¦ por
F(r, j) =
÷j
_
r
2
+j
2
i +
r
_
r
2
+j
2
j
Solução Primeiro observamos que F é um campo de vetores unitários, isto é, em qualquer ponto
1 (r, j) , a intensidade do campo é [F(r, j)[ = 1. Além disso, se r = OP = ri +jj é o vetor posição do
ponto 1(r, j), então F« r = 0, e isso nos diz que o campo vetorial F é perpendicular ao vetor posição
r. Portanto, em cada ponto 1, o campo vetorial F é tangente à circunferência de centro na origem e
raio r = [OP[ , como mostra a Figura 5.3.
Figura 5.3: Visualização do campo tangente.
Exemplo 5.3 (Campo Quadrado Inverso) Se r = ri+jj+.k é o vetor posição do ponto 1 (r, j, .)
de uma região do R
3
, a expressão
F(r) =
/
[r[
2

r
[r[
,
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 175
sendo / constante, de…ne um campo vetorial sobre , denominado campo quadrado inverso, que aparece
com bastante frequência nas ciências físicas. Em coordenadas, o campo quadrado inverso se expressa
sob a forma
F(r, j, .) =
/(ri +jj +.k)
(r
2
+j
2
+.
2
)
3¸2
e, no ponto 1, a intensidade do campo é [F(1)[ =
/
[r[
2
, inversamente proporcional ao quadrado da
distância do ponto 1 à origem.
Exemplo 5.4 (Campo Gravitacional) Veri…car que o campo gravitacional é um campo vetorial
quadrado inverso.
Solução De acordo com a Lei de Gravitação Universal de Newton, o campo gravitacional na super-
fície da terra é dado por
F(r, j, .) = ÷
G':
[r[
2

r
[r[
,
onde ' representa a massa da terra, G é a constante gravitacional, : é a massa de uma partícula
situada no ponto 1 (r, j, .) e r = OP representa o vetor posição do ponto 1. A intensidade do campo
vetorial F é igual a
[F(1)[ =
G':
[r[
2
,
inversamente proporcional ao quadrado da distância do ponto 1 à origem.
De…nição 5.5 Um campo vetorial F : _ R
3
÷ R
3
denomina-se campo conservativo ou campo
gradiente se existir uma função diferenciável , : _ R
3
÷R, tal que
F(r, j, .) = \,(r, j, .) , em .
Uma tal função , denomina-se potencial (escalar) ou primitiva do campo F.
Exemplo 5.6 O campo gravitacional apresentado no Exemplo 5.4 é conservativo.
Solução No Exercício 13 da seção 2.4 vimos que
\(1, [r[) = ÷
r
[r[
3
e se considerarmos
,(r, j, .) =
G':
[r[
,
teremos
\,(r, j, .) = G':\(1, [r[) = ÷
G':r
[r[
3
= 1 (r, j, .) , \(r, j, .) ,= 0.
Imitando o que foi feito no Exemplo 5.6, demonstra-se que qualquer campo vetorial F quadrado
inverso é conservativo. De fato, basta observar que
F(r) =
/
[r[
2

r
[r[
= \
_
÷
/
[r[
_
.
176 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
De forma geral, um potencial , de um campo vetorial conservativo F = 1i +'j +·k é determinado
como solução da equação vetorial F = \,, que é equivalente ao sistema de equações diferenciais
parciais
_
¸
_
¸
_
,
a
= 1
,
j
= '
,
:
= ·.
(5.6)
Portanto, o campo vetorial F = 1i + 'j + ·k será conservativo quando o sistema de equações
diferenciais parciais (5.6) possuir uma solução ,, que será um potencial para o campo F. Se as
derivadas parciais de primeira ordem das componentes 1, ' e · são contínuas, e isso acarreta a
diferenciabilidade do campo F, então
1 = ,
a
=1
j
= ,
aj
= ,
ja
= '
a
' = ,
j
='
:
= ,
j:
= ,
:j
= ·
j
· = ,
:

a
= ,
:a
= ,
a:
= 1
:
e, portanto,
'
a
= 1
j
, ·
j
= '
:
e 1
:
= ·
a
. (5.7)
Como veremos adiante, sob certas condições, as relações (5.7) constituem uma condição não apenas
necessária, mas, também, su…ciente para que o campo F = 1i +'j +·k seja conservativo.
Exemplo 5.7 O campo vetorial F(r, j) = r
2
ji + sen(rj)j não é conservativo, porque
1
j
= r
2
,= j cos(rj) = '
a
.
Exemplo 5.8 Mostrar que o campo F(r, j, .) = r
2
i +jj ÷3.k é conservativo e encontrar a família
de potenciais do campo.
Solução Temos 1 = r
2
, ' = j e · = ÷3. e as condições (5.7) são facilmente comprovadas. O
sistema (5.6), neste caso, se reduz a:
_
¸
_
¸
_
,
a
= r
2
(I)
,
j
= j (II)
,
:
= ÷3. (III)
A busca do potencial é feita por etapas, usando o processo de derivação e integração. Como efetuaremos
integração parcial em relação às variáveis r, j e ., as constantes de integração são na verdade funções
das variáveis não envolvidas na integração e o processo se encerra com uma constante numérica.
Etapa 1: integrar (I) com respeito a x
Integrando (I) com respeito à variável r, obtemos
,(r, j, .) =
_
¸
r
2
dr =
1
3
r
3
+) (j, .) , (5.8)
onde ) (j, .) é a constante de integração.
Etapa 2: derivar com respeito a y e comparar com (II)
Derivando (5.8) em relação a j, usando (II) e integrando o resultado em relação a j, encontramos
,
j
= )
j
=j = )
j
=) (j, .) =
1
2
j
2
+q (.) ,
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 177
onde q (.) representa a constante de integração. Assim, (5.8) assume a forma
,(r, j, .) =
1
3
r
3
+
1
2
j
2
+q (.) (5.9)
Etapa 3: derivar com respeito a z e comparar com (III)
Derivando (5.9) com respeito a . e comparando com (III), obtemos
,
:
= q
t
(.) =÷3. = q
t
(.) = (5.10)
Integrando (5.10), encontramos q (.) = ÷
3
2
.
2
+ /, onde / é a constante de integração, e substituindo
q (.) na expressão (5.9) que de…ne ,, obtemos
,(r, j, .) =
1
3
r
3
+
1
2
j
2
÷
3
2
.
2
+/,
que é a família de potenciais procurada.
5.1.1 Operadores Diferenciais
No cálculo integral de várias variáveis, sobretudo nos teoremas clássicos, alguns operadores dife-
renciais (operadores que envolvem derivação) aparecem em sua formulação. Os operadores que tratare-
mos neste texto são: o Gradiente, o Laplaciano, o Divergente e o Rotacional. Esses operadores atuam
em campos escalares ou vetoriais, produzindo campos escalares ou vetoriais. Vejamos a ação de cada
um deles.
Operador Gadiente: grad' = r'
Dado um campo escalar diferenciável ) : _ R
3
÷ R, o gradiente de ) no ponto 1, interior ao
conjunto , foi de…nido no Capítulo 2 como sendo o vetor
\) (1) = )
a
(1) i +)
j
(1) j+)
:
(1) k.
Essa expressão de…ne o operador gradiente \ = 0
a
i +0
j
j+0
:
k, cujo valor no campo escalar ) é
\) = (0
a
i +0
j
j+0
:
k) ) = )
a
i +)
j
j+)
:
k.
Dado um vetor unitário u com ângulos diretores c, , e ¸, isto é, u =(cos c) i + (cos ,) j+(cos ¸) k,
então
\) « n = )
a
cos c +)
j
cos , +)
:
cos ¸
e isso indica que \) não depende do sistema de coordenadas escolhido. Se F é um campo conservativo
com potencial ), então em cada ponto 1 da superfície de nível ) (r, j, .) = /, temos OP«\)(1) = 0,
isto é, OP« F(1) = 0 e isso indica que o campo F é normal à superfície de nível de ) em 1.
Operador Laplaciano: ' = r (r')
No Exercício 8 da seção 2.2, de…nimos o operador de Laplace ou Laplaciano em R
2
por
= 0
aa
+0
jj
.
No R
3
, o Laplaciano é de…nido de forma similar como sendo o operador diferencial de segunda ordem
= 0
aa
+0
jj
+0
::
178 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
cujo valor no campo escalar ) : _ R
3
÷R é
) = (0
aa
+0
jj
+0
::
) ) =
0
2
)
0r
2
+
0
2
)
0j
2
+
0
2
)
0.
2
.
É comum usar a notação = \
2
, decorrente da relação
) = (0
a
i +0
j
j +0
:
k) « (0
a
i +0
j
j +0
:
k) = \« \ = \
2
,
onde entendemos a operação 0
&
« 0
·
como a derivada de segunda ordem 0

. Enquanto o operador
Gradiente transforma campos escalares em campos vetoriais, o Laplaciano transforma um campo
escalar em um campo escalar.
Operador Divergente: div F = r F
O operador Divergente faz o papel inverso do Gradiente, transformando campos vetoriais em
campos escalares. Dado um campo vetorial F = 1i +'j +·k, o divergente de F é de…nido por
div F =
01
0r
+
0'
0j
+

0r
.
É comum expressar o operador divergente na forma simbólica div = 0
a
+ 0
j
+ 0
:
e, neste contexto,
temos
div F = \« F = (0
a
i +0
j
j+0
:
k) « F = 1
a
+'
j

:
.
Se olharmos a matriz Jacobiana do campo F
J (F) =
_
¸
_
1
a
1
j
1
:
'
a
'
j
'
:
·
a
·
j
·
:
_
¸
_
observamos que as parcelas de div F aparecem na diagonal principal da matriz.
Exemplo 5.9 Determinar o divergente do campo F = rj
2
.
4
i +
_
2r
2
j +.
_
j +j
3
.
2
k.
Solução As coordenadas do campo são 1 = rj
2
.
4
, ' = 2r
2
j +. e · = j
3
.
2
. Assim,
1
a
= j
2
.
4
, '
j
= 2r
2
e ·
:
= 2j
3
.
e, portanto, div F = j
2
.
4
+ 2r
2
+ 2j
3
..
Sejam ` e j números reais, ) um campo escalar dieferenciável e F e G campos vetoriais diferen-
ciáveis. O operador divergente goza das seguintes propriedades:
1. Linearidade: \« (`F+jG) = `\« F+j\« G ou div(`F+jG) = `div F+jdiv G.
2. Distributividade: \« (,F) = ,(\« F) + (\,) « F ou div(,G) = ,div F +\, « F.
Estas e outras propriedades do operador div são decorrentes das regras de derivação. Como ilustração,
vamos mostrar a propriedade linear do divergente. Se F = 1i +'j +·k, então
,F =(,1) i + (,') j + (,·) k
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 179
e a regra do produto para derivação parcial acarreta
div (,F) =
0
0r
(,1) +
0
0j
(,') +
0
0.
(,·)
= ,1
a
+,
a
1 +,'
j
+,
j
' +,·
:
+,
:
·
= ,(1
a
+'
j

:
) +
_
,
a
1 +,
j
' +,
:
·
_
= ,(div F) + (\,) « F
Operador Rotacional: rot F = rF
Dado um campo vetorial diferenciável F = 1i +'j +·k, o rotacional de F é de…nido por
rot F = (·
j
÷'
:
) i+(1
:
÷·
a
) j+('
a
÷1
j
) k
e o operador rotacional pode ser visto como o produto vetorial do gradiente pelo campo, isto é, o
determinante simbólico
rot F = \F =
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
i j k
0
a
0
j
0.
1 ' ·
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
.
Alguns "produtos" decorrentes do desenvolvimennto deste determinante em relação à primeira linha
devem ser entendidos como derivação. Por exemplo, o "produto" 0
a
· signi…ca a derivada parcial
·
a
da função · em relação à variável r. O operador rot também goza das propriedades linear e
distributiva, tal qual o div . Temos
1. Linearidade: \(`F+jG) = `\F+j\G ou rot(`F+jG) = `rot F+jrot G.
2. Distributividade: \(,F) = ,(\F) +(\,) F ou rot(,F) = ,rot F+\,F.
As coordenadas de rot 1 aparecem naturalmente nas entradas da matriz antissimétrica
J (F) ÷J (F)
T
=
_
¸
_
0 1
j
÷'
a
1
:
÷·
a
÷(1
j
÷'
a
) 0 '
:
÷·
j
÷(1
:
÷·
a
) ÷('
:
÷·
j
) 0
_
¸
_
.
Observação 5.10 Se j = j(r, j, ., t) é a densidade e v = v(r, j, ., t) é o campo de velocidades de
um ‡uido em movimento, em mecânica dos ‡uidos a equação
div F +
0j
0t
= 0 ou div F = ÷
0j
0t
,
sendo F = jv, denomina-se equação de continuidade e quando a densidade j for constante, diremos
que o ‡uido é incompressível. O divergente do campo vetorial F surge como uma medida da taxa de
variação da densidade do ‡uido em um ponto. Portanto, concluímos que:
1. Quando o divergente for positivo em um ponto do ‡uido, a sua densidade está diminuindo com
o tempo, isto é, existe uma fonte de ‡uxo no ponto. Caso contrário, existe um poço (sumidouro)
de ‡uxo no ponto.
2. Se div F = 0 em todos os pontos da região, então o ‡uxo de entrada é exatamente equilibrado
pelo ‡uxo de saída.
180 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
3. O campo rotacional pode ser interpretado como uma medida do movimento angular (circular) de
um ‡uido. Quando rot v = 0, diremos que o campo de velocidade v é irrotacional. É oportuno
ressaltar que rot F = 0 é equivalente a matriz J (F) ser simétrica, ou seja,

0j
=
0'
0.
,
01
0.
=

0r
e
0'
0r
=
01
0j
Exemplo 5.11 Determinar o divergente e o rotacional do campo vetorial
F = rj
2
.
4
i +
_
2r
2
j +.
_
j +j
3
.
2
k
Solução As coordenadas do campo F são 1 = rj
2
.
4
, ' = 2r
2
j + . e · = j
3
.
2
e da de…nição de
divergente resulta
div F =
01
0r
+
0'
0j
+

0.
= j
2
.
4
+ 2r
2
+ 2j
3
..
Da mesma forma, usando a de…nição de rotacional, encontramos
rot F =
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
i j k
0
a
0
j
0
:
rj
2
.
4
2r
2
j +. j
3
.
2
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
= (3j
2
.
2
÷1)i + 4rj
2
.
3
j +
_
4rj ÷2rj.
4
_
k
Exemplo 5.12 (Um campo irrotacional) Seja F : _ R
3
÷R
3
um campo vetorial conservativo
sobre que deriva de um potencial , : _ R
3
÷ R, com derivadas parciais de segunda ordem
contínuas em . Mostre que rot F = 0, ou seja, o campo 1 é irrotacional.
Solução Como , possui derivadas parciais de segunda ordem contínuas em , temos que ,
aj
= ,
ja
,
,
a:
= ,
:a
e ,
j:
= ,
:j
e, além disso, sendo F=\, = ,
a
i +,
j
j +,
:
k, obtemos
rot F =
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
i j k
0
a
0
j
0
:
,
a
,
j
,
:
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
=
_
,
:j
÷,
j:
_
i + (,
a:
÷,
:a
) j +
_
,
ja
÷,
aj
_
k = 0
Encerrando esta seção, exibimos na Figura 5.4 um esquema mostrando a atuação dos operadores
diferenciais e a grandeza (vetorial ou escalar) por eles produzidas.
Figura 5.4: Atuação dos operadores diferenciais.
Exercícios & Complementos.
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 181
1. Se ,(r, j, .) = r
2
j.
3
e F = r.i ÷ j
2
j + 2r
2
jk. Determine (a) \,, (b) div F, (c) rot F, (d)
div(,F), (e) rot(,F) e (f) rot (\,).
2. Veri…que se o campo F é conservativo. Nos casos a…rmativos determine um potencial do qual
ele deriva.
(a) F = ri +jj.
(b) F = 3r
2
ji +r
3
j .
(c) F = (2rc
j
+j) i +
_
r
2
c
j
+r ÷2j
_
j.
(d) F = ri +jj +.k.
(e) F =
_
j
2
÷3r
_
i + (2rj + cos j) j.
(f) F = (1,r) i +rexp(rj)j.
(g) F = sen(rj)i + cos(rj)j.
(h) F = exp(rj)i + exp(r +j)j.
(i) F = 3r
4
j
2
i +r
3
jj.
(j) F = 5r
4
ji +rcos(rj)j.
(k) F = 2ri + 3jj + 4.k.
(l) F = (j +.)i + (r +.)j + (r +j)k.
(m) F = 2rj.i +r
2
.j +r
2
jk
(n) F = j sen.i +rsen.j +rj cos .k.
3. Sejam c e , constantes reais, n e · campos escalares e F e G campos vetoriais diferenciáveis.
Usando regras de derivação, deduza as seguintes relações do cálculo diferencial:
(a) \(cn +,·) = c\n +,\· (b) \(n·) = ·\n +n\·
(c) \(n,·) =
_
1,·
2
_
[·\n ÷n\·] (d) div(rot(F)) = 0
(e) div(·\n) = ·n +\n \· (f) div(F G) = G rot(F) ÷F rot(G)
4. Se F = ri ÷.j + 2jk, mostre que não existe um campo vetorial G tal que rot(G) = F.
5. Seja F um campo solenoidal, isto é, div F = 0, em um domínio simplesmente conexo _ R
3
e seja G
0
um campo potencial de F, isto é, rot(G
0
) = F. Mostre que qualquer solução G da
equação rot(G) = F é da forma G = G
0
+grad,, sendo , um campo escalar. Embora não seja
óbvio, um tal campo G pode ser de…nido pela expressão
G(1) =
_
1
0
[tF(tr, tj, t.) OP] dt.
6. Veri…que que div F = 0 e determine todos os campos de vetores G, tais que rot G = F.
(a) F = 2ri +jj ÷3.k.
(b) F = 2ji ÷.j + 2rk.
(c) F = i +j +k.
(d) F = 2ji + 2.j.
182 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
(e) F = (c
a
÷c
j
)k.
(f) F = 6j
2
i + 6.j + 6rk.
(g) F = 3j
2
i ÷3r
2
j ÷(j
2
+ 2r)k.
(h) F =
÷ji+rj
r
2
+j
2
, (r, j) ,= (0, 0).
5.2 Caminhos Regulares
A cada t do intervalo 1 = [a, /] da reta R, associamos um vetor r(t) do R
3
e essa associação de…ne
uma função vetorial r, cujo domínio é o intervalo 1. Escolhido um sistema de coordenadas no espaço,
a função vetorial r = r(t) é representada por suas coordenadas
r(t) = r(t)i +j(t)j +.(t)k,
sendo r = r(t) , j = j (t) e . = . (t) funções reais de…nidas no intervalo 1, denominadas componentes
ou coordenadas da função vetorial r (t). Reciprocamente, se r, j e . são funções reais de…nidas no
intervalo 1 = [a, /], então a expressão
r(t) = r(t)i +j(t)j +.(t)k, a _ t _ /,
de…ne uma função vetorial no intervalo 1 = [a, /] .
Quando tratamos do movimento de uma partícula, o vetor r(t) = r(t)i+j(t)j+.(t)k é interpretado
como o vetor posição da partícula no instante t e as equações escalares (ou paramétricas)
r = r(t), j = j(t) e . = .(t)
representam uma curva ¸, descrita por r quando o parâmetro t varia no intervalo 1. Para facilitar a
linguagem, faremos referência a r(t) como a “curva ¸ de equação paramétrica r = r(t)".
As noções de limite, continuidade, diferenciabilidade, etc. de uma função vetorial são introduzidas
por meio das funções componentes r(t), j (t) e . (t). Por exemplo, r será uma função vetorial dife-
renciável, se as coordenadas r(t), j (t) e . (t) o forem. O grá…co ou o traço de ¸ em R
3
é o conjunto
¦¸ (t) : t ¸ [a, /]¦ das imagens ¸ (t) da função ¸.
De modo similar ao conceito de função vetorial r = r(t) em R
3
, de…ne-se função vetorial r = r(t)
em R
2
, ou seja,
r(t) = r(t)i +j(t)j,
sendo r, j : 1 _ R ÷R funções escalares.
Uma curva ¸ : r = r (t) , t ¸ 1, denomina-se curva regular ou suave ou lisa se as funções compo-
nentes r, j, . : 1 _ R ÷R possuem derivadas contínuas em 1 e o vetor velocidade
r
t
(t) = r
t
(t)i +j
t
(t)j +.
t
(t)k
é não nulo, em cada instante t. O vetor velocidade r
t
(t) está localizado na origem e quando transladado
para o ponto r(t), ele torna-se tangente à curva ¸. Se no instante t
0
, o vetor tangente v = r
t
(t
0
) é não
nulo, a reta tangente à curva ¸ no ponto 1
0
= r(t
0
) é descrita pela equação vetorial
OP = r (t
0
) +:v, : ¸ R,
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 183
sendo 1 (r, j, .) um ponto genérico da reta. Na forma paramétrica, a reta tangente é descrita pelas
equações
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
r = r
0
+:r
t
(t
0
)
j = j
0
+:j
t
(t
0
)
. = .
0
+:.
t
(t
0
) , : ¸ R.
O plano normal à curva ¸ no ponto 1 = r(t
0
) é governado pela equação
(PQ) « r
t
(t
0
) = 0,
sendo Q um ponto genérico do plano. A equação cartesiana do plano normal é, portanto,
r
t
(t
0
)(r ÷r
0
) +j
t
(t
0
)(j ÷j
0
) +.
t
(t
0
)(. ÷.
0
) = 0.
Exemplo 5.13 Seja ¸ a curva descrita por:
r = cos t, j = sent e . = t, t ¸ R.
Encontrar as equações paramétricas da reta tangente à curva ¸, no ponto correspondente a t = ¬.
Solução Temos que r(t) = (cos t) i + (sent) j +tk e o ponto correspondente a t = ¬ é 1 (÷1, 0, ¬) .
O vetor tangente no ponto 1 é
v = r
t
(¬) = (÷sen¬) i + (cos ¬) j +k = ÷j +k
e, consequentemente, a reta tangente é descrita pelas equações paramétricas
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
r = ÷1
j = ÷:
. = ¬ +:, : ¸ R.
O plano normal à curva ¸, no ponto 1, é governado pela equação
(PQ) « v = 0, isto é, ÷j +. = ¬.
Uma curva ¸ (t) , a _ t _ /, denomina-se regular por partes ou parcialmente regular, se suas
componentes r, j, . : [a, /] ÷ R são funções contínuas e ¸ é regular, exceto, possivelmente, em uma
quantidade …nita de pontos t
1
, . . . , t
a
do intervalo [a, /]. Gra…camente uma curva parcialmente regular
tem o aspecto ilustrado na Figura 5.5.
Figura 5.5: Curva parcialmente regular.
184 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Exemplo 5.14 A curva ¸ descrita pelas equações paramétricas
r = t
2
e j = t
3
, ÷1 _ t _ 2,
deixa de ser regular na origem (0, 0), porque r
t
(0) = 0. Ela é parcialmente regular. No ponto 1 (1, 1),
que corresponde a t = 1, o vetor tangente é
r
t
(1) = r
t
(1) i +j
t
(1) j = 2i + 3j.
Com o objetivo de tornar a leitura mais dinâmica, entre as várias referências citadas, usaremos a
terminologia arco, caminho, trajetória ou contorno, com o mesmo signi…cado de curva.
5.2.1 Curvas Orientadas
Uma parametrização de uma curva ¸ = r(t), a _ t _ /, ordena os pontos da curva ¸, de acordo com
os valores crescentes de t, do ponto inicial (origem) ¹ = ¸ (a) ao ponto …nal (extremidade) 1 = ¸ (/) .
Neste caso, a curva ¸ está orientada de ¹ para 1. De forma precisa, orientar uma curva ¸ é …xar um
campos de vetores tangentes unitários u(t) à curva ¸.
Consideremos duas curvas ¸
1
e ¸
2
, com representações paramétricas
r
1
(t) = r
1
(t)i +j
1
(t)j +.
1
(t)k, t ¸ [a, /] e r
2
(:) = r
2
(:)i +j
2
(:)j +.
2
(:)k, : ¸ [c, d],
respectivamente. Diremos que ¸
1
é equivalente a ¸
2

1
e ¸
2
possuem o mesmo traço) quando existir
uma bijeção , : [a, /] ÷ [c, d], de classe C
1
, crescente (com derivada positiva) ou decrescente (com
derivada negativa) no intervalo [a, /] e tal que
¸
1
(t) = ¸
2
(,(t)), t ¸ [a, /].
Uma tal bijeção recebe o nome de mudança de parâmetros e, se considerarmos : = ,(t), resulta da
Regra da Cadeia que
¸
0
1
(t) = ¸
0
2
(:) ,
t
(t).
Portanto, ¸
1
e ¸
2
possuem as mesmas orientações se ,
t
(t) 0 (, for crescente) e, caso contrário, ¸
1
e
¸
2
possuem orientações opostas. Quando invertemos a orientação de uma curva ¸ (t) = r (t) , obtemos
uma nova curva, representada por ÷¸, para a qual serão consideradas as seguintes parametrizações:
÷¸ : r
1
(t) = r(a +/ ÷t), t ¸ [a, /], ou ÷¸ : r
1
(t) = r(÷t), t ¸ [÷/, ÷a],
determinadas pelas mudanças de parâmetros ,(t) = a+/÷t e ,(t) = ÷t, respectivamente. Em ambos
os casos, temos ,
t
(t) = ÷1 < 0.
Exemplo 5.15 Veri…quemos que as curvas ¸
1
e ¸
2
, com representações paramétricas
¸
1
: r
1
(t) = (cos t) i + (sent) j, t ¸ (÷¬, ¬), e ¸
2
: r
2
(t) =
_
1 ÷t
2
1 +t
2
_
i +
_
2t
1 +t
2
_
j, t ¸ R,
são equivalentes e têm mesma orientação.
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 185
Figura 5.6: Duas parametrizações da circunferência.
Solução Elas são equivalentes, porque representam a circunferência ¸ de centro na origem e raio 1,
excluindo o ponto (÷1, 0). Para veri…car que ¸
1
e ¸
2
têm a mesma orientação, consideremos a reta
que passa nos pontos distintos (÷1, 0) e (r
1
, j
1
) de ¸, cuja equação cartesiana é
j = :(r + 1),
sendo : = tan, (con…ra a Figura 5.6).
Para determinarmos o ponto (r
1
, j
1
) substituimos na equação r
2
+j
2
= 1 a variável j por :(r+1)
e encontramos
(:
2
+ 1)r
2
+ 2:
2
r + (:
2
÷1) = 0,
cujas raízes são r
0
= ÷1 e r
1
=
_
1 ÷:
2
_ _
1 +:
2
_
÷1
. Portanto,
j
1
=
2:
1 +:
2
e r
2
(:) =
_
1 ÷:
2
1 +:
2
,
2:
1 +:
2
_
, : ¸ R.
Considerando que , = 0,2 e usando identidades trigonométricas, obtemos
cos 0 =
1 ÷tan
2
(0,2)
1 + tan
2
(0,2)
=
1 ÷:
2
1 +:
2
e sen0 =
2 tan(0,2)
1 + tan
2
(0,2)
=
2:
1 +:
2
,
e, sendo assim, a mudança de parâmetro , : (÷¬, ¬) ÷R, de…nida por ,(t) = tan(t,2) , tem derivada
,
t
(t) = sec
2
(t,2) positiva e r
1
(t) = r
2
(,(t)), t ¸ (÷¬, ¬). Logo, as curvas ¸
1
e ¸
2
possuem as mesmas
orientações. Finalmente, note que
lim
t÷±o
r
2
(t) = (÷1, 0).
Diremos que ¸ (t) , a _ t _ /, é uma curva fechada, quando ¸(a) = ¸(/), isto é, o ponto inicial
e o ponto …nal coincidem; ela denomina-se curva simples se ¸(t) ,= ¸(:), sejam quais forem t e : do
intervalo (a, /), com : ,= t. Quando ¸ não for uma curva simples, existem : e t no intervalo (a, /),
com : ,= t, e ¸(t) = ¸(:). Neste caso, a curva ¸ denomina-se laço e o ponto 1 = ¸(t) = ¸(:) é uma
autointerseção do laço ¸. Em alguns problemas práticos, consideramos curvas ¸ (t) , com o parâmetro
t variando em intervalos do tipo:
(a, /), (a, /], (÷·, /], etc.
Neste caso, a curva deixa de ter origem ou extremidade ou ambos. Na Figura 5.7 ilustramos, de forma
genérica, algumas curvas e suas orientações: em (a) temos um laço; em (b) temos uma curva simples
e parcialmente regular; em (c) a curva ¸ é simples, fechada e regular.
186 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Figura 5.7: Curvas orientadas.
Exemplo 5.16 Identi…car a curva ¸ dada pelas equações paramétricas
r = 2t e j = t
2
÷1, ÷1 _ t _ 2,
esboçando o grá…co e indicando sua orientação.
Solução Eliminando o parâmetro t (nem sempre é possível este método), obtemos
j =
1
4
r
2
÷1
e vemos que a curva ¸ é um arco de parábola simétrica em relação ao eixo j, com vértice no ponto
(0, ÷1). Quando t cresce de ÷1 até 2, os pontos 1(r, j) de ¸ estão ordenados da esquerda para a
direita, sendo ¹(÷2, 0) a origem e 1(4, 3) a extremidade de ¸. Na Figura 5.8 ilustramos a curva ¸ e
sua orientação.
Figura 5.8: A parábola j =
1
4
r
2
÷1.
Exemplo 5.17 (parametrizando o círculo) Um ponto se move no plano rj, de tal forma que a
sua posição 1(r, j) no instante t é dada por
r = r cos t e j = r sent, 0 _ t _ 2¬,
sendo r 0. Descrever o movimento do ponto.
Solução Escrevendo as equações paramétricas sob a forma
r
r
= cos t e
j
r
= sent,
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 187
obtemos
_
r
r
_
2
+
_
j
r
_
2
= cos
2
t + sen
2
t = 1 =r
2
+j
2
= r
2
,
de onde deduzimos que o ponto 1(r, j) move-se sobre uma circunferência ¸, com centro na origem e
raio r. Quando o centro da circunferência ¸ é o ponto C (a, /), como ilustra a Figura 5.9, podemos
parametrizá-la pelas equações
Figura 5.9: Parametrizando o círculo.
¸ :
¸
¸
¸
¸
¸
r = a +r cos t
j = / +r sent, 0 _ t _ 2¬,
onde o parâmetro t representa o ângulo orientado entre o eixo r e o raio C1.
Exemplo 5.18 (parametrizando um segmento de reta) Seja ¸ o segmento de reta orientado do
ponto ¹(r
¹
, j
¹
, .
¹
) ao ponto 1(r
1
, j
1
, .
1
). Dado um ponto 1 (r, j, .) em ¸, existe um escalar t, no
intervalo [0, 1], tal que 1 = ¹+t (1 ÷¹) e daí resulta a parametrizanão natural do segmento ¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
r = r
¹
+t (r
1
÷r
¹
)
j = j
¹
+t (j
1
÷j
¹
)
. = .
¹
+t (.
1
÷.
¹
) , 0 _ t _ 1.
Por exemplo, o segmento com origem no ponto ¹(1, 1, 0) e extremidade no ponto 1(0, 0, 1) exibido
na Figura 5.10, é parametrizado pelas equações r = 1 ÷t, j = 1 ÷t e . = t, 0 _ t _ 1.
Figura 5.10: Parametrizando um segmento de reta.
188 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Exemplo 5.19 (parametrizando a elipse) Consideremos a elipse ¸ :
r
2
a
2
+
j
2
/
2
= 1, representada
na Figura 5.11. Se 1 (r, j) é um ponto sobre a elipse ¸ e o parâmetro t representa o ângulo orientado
entre o eixo r e o raio O¹, obtemos a seguinte parametrização para elipse:
r = OC = a cos t e j = 11 = / sent, 0 _ t _ 2¬.
Figura 5.11: Parametrizando a elipse.
Exemplo 5.20 (parametrizando a hipocicloide) A curva ¸ do plano rj, descrita pela equação
cartesiana r
2¸3
+ j
2¸3
= a
2¸3
, é conhecida pelo nome de hipocicloide. Seu grá…co está ilustrado na
Figura 5.12, onde vemos tratar-se de uma curva simples, fechada e parcialmente regular. Uma parame-
trização para ¸ é motivada pela identidade trigonamétrica cos
2
t+sen
2
t = 1, que aparece naturalmente
ao considerarmos r = a cos
3
t e j = a sen
3
t, 0 _ t _ 2¬.
Figura 5.12: Parametrizando a hipocicloide.
Exemplo 5.21 (parametrizando a hélice) A curva ¸ do R
3
de equações paramétricas
r = a cos t, j = a sent, . = /t, 0 _ t _ 2¬,
é tal que r
2
+j
2
= a
2
, e isso nos diz que a curva ¸ se enrosca no cilindro circular reto r
2
+j
2
= a
2
,
à medida que t varia de 0 até 2¬. O formato de ¸ é de uma hélice (mola), começando na origem e
com extremidade no ponto ¹(a, 0, 2/¬) .
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 189
Exemplo 5.22 (usando a variável r como parâmetro) Quando a curva ¸ é o grá…co de uma
função contínua j = ) (r) , a _ r _ /, a variável r pode ser usada como parâmetro e, neste caso,
teremos a seguinte parametrização para a curva ¸ :
r = r e j = )(r), a _ r _ /.
Outra parametrização de ¸ é dada pelas equações
r = : +:t e j = )(: +:t), (a ÷:) ,: _ t _ (/ ÷:) ,: e :, : ¸ R, : ,= 0.
Neste caso, a mudança de parâmetro é a função ,(t) = : +:t.
Exemplo 5.23 (usando o ângulo polar como parâmetro) Consideremos a circunferência
¸ : r
2
+j
2
÷2r = 0,
com centro em C (1, 0) e raio 1 = 1. As coordenadas polares do ponto 1 (r, j) de ¸ são r = r cos 0 e
j = r sen0, onde ressaltamos que a quantidade r varia com 0, de acordo com a equação r = 2 cos 0,
que descreve ¸. Por substituição do r, obtemos a seguinte parametrização de ¸ :
¸
¸
¸
¸
¸
r = 2 cos
2
0
j = 2 sen0 cos 0, 0 _ 0 _ 2¬.
Finalizaremos esta seção apresentando uma maneira prática para ilustrar gra…camente um campo
vetorial, a partir dos vetores tangentes de suas curvas integrais. Consideremos um campo vetorial
F = 1i +'j +·k, de classe C
1
, em uma região do R
3
. Por curva integral do campo F entendemos
uma curva ¸, contida em , cujo vetor tangente em cada ponto 1 coincide com F(1). Se
r(t) = r(t)i +j(t)j +.(t)k, t ¸ 1,
é uma representação paramétrica para ¸, a cada ponto 1 corresponde um escalar `, tal que
dr = (dr) i + (dj) j + (d.) k = `F(1) ,
de onde resulta o sistema de equações diferenciais
dr
1
=
dj
'
=
d.
·
, (5.11)
que de…ne as curvas integrais. O sistema (5.11) é equivalente a
dr
dt
= 1,
dj
dt
= ' e
dj
dt
= · (5.12)
e, ao resolver o sistema (5.11) ou (5.12), encontramos as curvas integrais do campo F.
Exemplo 5.24 Determinar as curvas integrais do campo F do Exemplo 5.2.
Solução O campo F é de…nido em R
2
÷¦(0, 0)¦ por
F(r, j) =
÷ji+rj
_
r
2
+j
2
190 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
e as curvas integrais são as soluções do sistema
dr
dt
= ÷
j
_
r
2
+j
2
,
dj
dt
=
r
_
r
2
+j
2
e . = 0. (5.13)
De (5.13), resulta que rdr +jdj = 0 e por integração, encontramos
r
2
+j
2
= `,
sendo ` _ 0 uma constante real. Portanto, as curvas integrais de F são circunferências no plano rj
de centro na origem e raio
_
`.
Exemplo 5.25 Determinar a curva integral do campo vetorial F = ÷ji +rj +`k, ` constante, que
passa no ponto 1(1, 0, 0).
Solução O sistema (5.11) é, neste caso,
dr
÷j
=
dj
r
=
d.
`
,
de onde resulta que r
2
+j
2
= j
2
, ou, na forma paramétrica,
r = jcos t e j = jsent, t ¸ R.
Logo,
dj
r
=
d.
`
=
jcos tdt
jcos t
=
d.
`
=d. = `dt.
Assim, . = `t +i, i constante real e, portanto, as curvas integrais de F são descritas por
r (t) = (jcos t) i + (jsent) j + (`t +i)k, t ¸ R. (5.14)
Se considerarmos em (5.14) t = 0, observando que r (0) = (1, 0, 0), obteremos j = 1 e i = 0 e,
portanto, a curva integral é
r (t) = (cos t) i + (sent) j + (`t) k, t ¸ R,
que representa uma hélice circular.
Exercícios & Complementos
1. Esboce o grá…co de cada curva dada abaixo, indicando a orientação positiva.
(a) r (t) = ti + (1 ÷t) j, 0 _ t _ 1 (d) r (t) = ti +
_
1 ÷t
2
j, 0 _ t _ 1
(b) r (t) = 2ti +t
2
j, ÷1 _ t _ 0 (e) r (t) = ti + (log t) j, 1 _ t _ c
(c) r (t) = (1,t) i +tj, 1 _ t < · (f) r (t) = cos ti + sentj +tk, 0 _ t _ 2¬.
2. Mostre que a curva ¸ de…nida por r (t) = ti +t
2
sen(1,t) j, se 0 < t _ 1, e r (0) = 0 não é regular.
3. Considere a curva ¸
1
de…nida por r
1
(t) = ti + t
2
j, 1 _ t _ 2, e seja ¸
2
a curva de…nida por
r
2
(t) = r
1
(3 ÷t), 1 _ t _ 2. Esboce os grá…cos de ¸
1
e ¸
2
e determine a relação entre essas
duas curvas.
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 191
4. Determine a reta tangente e o plano normal a cada curva no ponto indicado.
(a) r (t) = ti + 2tj +t
2
k, no ponto 1(1, 2, 1).
(b) r (t) = cos(4t)i + sen(4t)j +tk, no ponto em que t = ¬,8.
(c) r (t) = exp(3t)i + exp(÷3t)j +
_
18tk, no ponto em que t = 1.
(d) r (t) = ti +t
3
j +t
4
k, no ponto 1(1, 1, 1).
(e) r (t) = (t ÷cos t)i + (3 + 2 sent)j + (1 + 3 cos t)k, no ponto em que t = ¬,2.
5. Considere a curva ¸ de…nida por
r (t) =
_
2t
1 +t
2
,
1 ÷t
2
1 +t
2
, 1
_
, t ¸ R.
Mostre que o ângulo entre os vetores r (t) e r
t
(t) é constante.
6. Em cada caso, determine as curvas integrais do campo F.
(a) F = ri +jj.
(b) F = ri +jj +.k.
(c) F = ai +/j +ck, com a, / e c constantes reais.
(d) F = r
2
i ÷j
2
j +.
2
k, que passa no ponto 1 (1,2, ÷1,2, 1).
(e) F = (. ÷j)i + (r ÷.)j + (j ÷r)k.
5.3 Calculando Integral de Linha
5.3.1 Integrando um Campo Vetorial
O conceito de integral de linha, como limite de somas, segue o mesmo roteiro da integral dupla
e será apresentado por etapas. Seja 1 : _ R
3
÷ R um campo escalar contínuo em uma região ,
contendo uma curva orientada ¸, simples e regular, de equações paramétricas
r = r(t), j = j(t) e . = .(t), a _ t _ /.
Inicialmente vamos de…nir a integral de linha do campo 1 ao longo da curva ¸, na direção r.
Etapa 1: Particionando o intervalo [a; b]
Particionamos o intervalo [a, /], escolhendo : segmentos de comprimentos iguais a t
a = t
0
< t
1
< < t
a÷1
< t
a
= /, sendo t =
/ ÷a
:
.
Temos que t
i
= t
i÷1
+ t, i = 1, . . . , :, e quando : torna-se arbitrariamente grande (: ÷·), então
t ÷0. Esta partição do intervalo [a, /] determina, na curva ¸, os pontos
1
i
= ¸ (t
i
) = (r(t
i
) , j (t
i
) , . (t
i
)), i = 1, 2, 3, . . . , :
192 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Figura 5.13: Partição da curva ¸.
e a curva ¸ é aproximada pela poligonal constituida pelos : segmentos retilíneos 1
0
1
1
, 1
1
1
2
, . . . , 1
a÷1
1
a
,
como sugere a Figura 5.13.
Etapa 2: Construindo as Somas de Riemann
Em cada segmento 1
i÷1
1
i
da poligonal que aproxima ¸, escolhemos um ponto Q
i
= ¸ (t
+
i
) e
formamos a soma de Riemann de 1
o
a
=
a

i=1
1(Q
i
)r,
sendo r = r
i
÷r
i÷1
, i = 1, . . . , :.
Etapa 3: De…nindo a Integral de Linha
A integral de linha de 1 sobre ¸, na direção r, é de…nida por
_
¸
1(r, j, .)dr = lim
a÷o
a

i=1
1(Q
i
) r. (5.15)
Como consequência do Teorema do Valor Médio, para cada i = 1, . . . , :, existe 0
i
entre t
i÷1
e t
i
,
tal que
r = r(t
i
) ÷r(t
i÷1
) = r
t
(0
i
)t
e de (5.15) resulta que
_
¸
1(r, j, .)dr = lim
a÷o
a

i=1
1(r(t
+
i
) , j (t
+
i
) , . (t
+
i
)) r
t
(0
i
)t =
_
b
o
1(r(t), j(t), .(t))r
t
(t)dt.
De modo similar, encontramos as seguintes regras para o cálculo das integrais de linha sobre ¸,
nas direções j e .:
_
¸
'(r, j, .)dj =
_
b
o
'(r(t), j(t), .(t))j
t
(t)dt (direção j)
_
¸
·(r, j, .)d. =
_
b
o
·(r(t), j(t), .(t)).
t
(t)dt. (direção .)
No caso em que ¸ é uma curva simples e regular do plano rj, parametrizada pelas equações
r = r(t) , j = j (t) , a _ t _ /, temos
_
¸
1(r, j)dr =
_
b
o
1(r(t), j(t))r
t
(t)dt e
_
¸
'(r, j)dj =
_
b
o
'(r(t), j(t))j
t
(t)dt.
Exemplo 5.26 Calcular as integrais de linha
_
¸
rj
2
dr e
_
¸
rj
2
dj,
sendo ¸ o arco da parábola j = r
2
, da origem ao ponto ¹(2, 4).
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 193
Solução Inicialmente, vamos parametrizar a curva ¸ pelas equações
r = t e j = t
2
, 0 _ t _ 2,
e ressaltar que a variável r poderia ter sido usada como parâmetro, no lugar do t. Com as substituições
r = t, j = t
2
, dr = dt e dj = 2tdt, obtemos
_
¸
rj
2
dr =
_
2
0
t
5
dt =
32
3
e
_
¸
rj
2
dj =
_
2
0
2t
6
dt =
256
7
.
Em uma situação mais geral, as integrais de linha aparecem sob as formas equivalentes
_
¸
1dr +'dj +·d. ou
_
¸
F « dr,
sendo a forma diferencial 1dr +'dj +·d. contínua em uma região compacta do R
3
, contendo a
curva ¸ no seu interior. Neste caso, a integral de linha é a soma
_
¸
1dr +
_
¸
'dj +
_
¸
·d.,
e o cálculo se reduz a
_
¸
1dr +'dj +·d. =
_
b
o
_
1(r (t)) r
t
(t) +' (r (t)) j
t
(t) +· (r (t)) .
t
(t)
¸
dt,
onde r (t) = (r(t), j(t), .(t)) representa uma parametrização da curva ¸. Quando desejamos enfatizar
as extremidades ¹ = r (a) e 1 = r (/) da curva ¸, escrevemos
_
1
¹
1dr +'dj +·d..
Proposição 5.27 Seja F : _ R
3
÷ R
3
um campo vetorial contínuo em uma região compacta
¸ R
3
, e seja ¸ uma curva orientada e parcialmente regular, contida no interior de .
1. Se ¸
+
é uma reparametrização de ¸, mantendo a orientação, então
_
¸

F « dr =
_
¸
F « dr.
2. Se ÷¸ representa a curva ¸, com a orientação invertida, então
_
÷¸
F « dr = ÷
_
¸
F « dr.
Demonstração Se r (t) e r
1
(t) são representações paramétricas de ¸ e ¸
+
, respectivamente, existe
uma mudança de parâmetro q : [c, d] ÷ [a, /], com derivada q
t
(t) positiva, tal que r
1
(t) = r (q (t)) .
Temos que q (t) é crescente, q (c) = a, q (d) = / e, efetuando a substituição t = q (t), encontramos
_
¸
F « dr =
_
b
o
F(r (t)) « r
t
(t) dt =
_
o
c
F(r(q (t))) « r
t
(q (t))q
t
(t) dt
=
_
o
c
F(r
1
(t)) « r
t
1
(t)dt =
_
¸

F « dr.
194 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Isso prova (1). Para demonstrar (2), consideramos a mudança de parâmetros t = a+/÷t, que inverte
a orientação, e obtemos:
_
÷¸
F « dr =
_
b
o
F(r
1
(t)) « r
t
1
(t) dt =
_
b
o
F(r(a +/ ÷t)) «
_
÷r
t
(a +/ ÷t)
¸
dt
= ÷
_
o
b
F(r(n)) « r
t
(n) (÷dn) = ÷
_
¸
F « dr,
onde r
1
(t) = r(a +/ ÷t), a _ t _ /.
Exemplo 5.28 Calcular a integral de linha
_
¸
(r +j)dr + (j ÷r)dj,
sendo ¸ o segmento de reta de origem ¹(1, 1) e extremidade 1(4, 2).
Solução No Exemplo 5.18, aprendemos como parametrizar um segmento de reta e, neste caso, temos
r = 1 + 3t e j = 1 +t, 0 _ t _ 1,
e com as substituições r = 1 + 3t, j = 1 +t, dr = 3dt e dj = dt, obtemos
_
¸
(r +j)dr + (j ÷r)dj =
_
1
0
[(2 + 4t)3 + (÷2t)]dt =
_
1
0
(6 + 10t)dt = 11.
Exemplo 5.29 Calcular a integral de linha da forma diferencial r
2
jdr + .dj + rjd., ao longo do
arco da parábola j = r
2
, . = 1, do ponto ¹(÷1, 1, 1) ao ponto 1(1, 1, 1) .
Solução Usando a variável r como parâmetro e observando que d. = 0, já que . = 1 ao longo de ¸,
encontramos
_
1
¹
r
2
jdr +.dj +rjd. =
_
1
÷1
_
r
4
+ 2r
_
dr = 2,5.
Exemplo 5.30 Calcular a integral do campo F = rji ÷ rj
2
j, ao longo do triângulo de vértices
O(0, 0) , ¹(1, 0) e 1(1, 1) .
Solução Adotando a orientação positiva (anti-horária), vemos que o caminho ¸ de integração é
parcialmente regular e composto dos segmentos ¸
1
, ¸
2
e ¸
3
, como na Figura 5.14.
Figura 5.14: Curva ¸ do Exemplo 5.30
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 195
Decorre da propriedade aditiva da integral da linha que
_
¸
F « dr =
_
¸
1
F « dr+
_
¸
2
F « dr+
_
¸
3
F « dr (5.16)
e cada segmento, que …gura nas integrais do lado direito de (5.16), é parametrizado imitando o que
foi feito no Exemplo 5.18. Temos:
segmento ¸
1
: r = t, j = 0, 0 _ t _ 1,
segmento ¸
2
: r = 1, j = t, 0 _ t _ 1,
segmento ¸
3
: r = t, j = t, 0 _ t _ 1,
e observando as orientações, encontramos:
_
¸
1
F « dr =
_
¸
1
rjdr ÷rj
2
dj =
_
1
0
0dt = 0. (j = 0, dj = 0)
_
¸
2
F « dr =
_
¸
2
rjdr ÷rj
2
dj =
_
1
0
_
÷t
2
_
dt = ÷
1
3
. (r = 1, dr = 0)
_
¸
3
F « dr =
_
¸
3
rjdr ÷rj
2
dj =
_
1
0
_
t
2
÷t
3
_
dt = ÷
1
3
+
1
4
. (r = j = t, dr = dj = dt)
Logo,
_
¸
F « dr = 0 ÷
1
3
÷
1
3
+
1
4
= ÷
5
12
.
5.3.2 Integrando um Campo Escalar
Se representarmos por d: o comprimento do arco
\
1
i÷1
1
i
da curva ¸, a integral de linha de ) sobre
¸, em relação ao comprimento de arco :, é de…nida por
_
¸
)(r, j, .)d: = lim
a÷o
a

i=1
) (Q
i
) d:.
Como
d: =
_
dr
2
+dj
2
+d.
2
=
_
r
t
(t)
2
+j
t
(t)
2
+.
t
(t)
2
dt =
¸
¸
r
t
(t)
¸
¸
dt,
temos que
_
¸
)(r, j, .)d: =
_
b
o
)(r(t))
¸
¸
r
t
(t)
¸
¸
dt
e se )(r, j, .) = 1, a integral de linha de ) sobre ¸ coincide com o comprimento da curva ¸, isto é,
1(¸) =
_
b
o
¸
¸
r
t
(t)
¸
¸
dt =
_
b
o
_
r
t
(t)
2
+j
t
(t)
2
+.
t
(t)
2
dt.
A função comprimento de arco : (t) sobre ¸ é dada por
:(t) =
_
t
o
¸
¸
r
t
(n)
¸
¸
dn
e mede o comprimento do arco ¸, de ¹ = r (a) até 1 = r (t). Assim, :(a) = 0 e :(/) = 1(¸).
196 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Quando ¸ for uma curva fechada, a integral de linha sobre ¸ será indicada por
_
¸
)(r, j, .)d:.
Uma curva ¸, orientada e regular, descrita pelas equações paramétricas
r = r(t), j = j(t) e . = .(t), a _ t _ /,
pode ser parametrizada usando como parâmetro o comprimento de arco :. Para isso, consideramos
t = q(:), 0 _ : _ 1, a inversa da função comprimento de arco :(t), a _ t _ /, e obtemos
r = r(q(:)), j = j(q(:)) e . = .(q(:)), 0 _ : _ 1,
que é a parametrização de ¸ com respeito ao comprimento de arco :. Como [r
t
(t)[ 0, decorre do
Teorema da Função Inversa que
q
t
(:) =
1
:
t
(t)
=
1
[r
t
(t)[
0
e se …zermos q(:) = r(q (:)), teremos
¸
¸
q
t
(:)
¸
¸
=
¸
¸
q
t
(:)
¸
¸
¸
¸
r
t
(t)
¸
¸
= 1,
isto é, q
t
(:) é um vetor unitário colinear com o vetor velocidade r
t
(t). Diremos que a curva ¸ está
parametrizada pelo comprimento de arco :, quando [q
t
(:)[ = 1, para todo : ¸ [0, 1]. Finalmente,
observamos que
_
¸
)(r, j, .)d: =
_
b
o
)(r(t))
¸
¸
r
t
(t)
¸
¸
dt =
_
1
0
)(q(:))d:.
Exemplo 5.31 Seja ¸ a semicircunferência r
2
+ j
2
= 9, j _ 0. Parametrizar ¸ pelo comprimento
do arco e calcular a integral de linha
_
¸
(r + 2j)d:.
Solução A parametrização natural para ¸ é
r = 3 cos t e j = 3 sent, 0 _ t _ ¬,
e o comprimento do arco é
: (t) =
_
t
0
¸
¸
r
t
(t)
¸
¸
dt = 3t.
Invertendo a função : = 3t, encontramos t = q(:) = :,3, : ¸ [0, 3¬] e a parametrização de ¸ pelo
comprimento do arco é
r = r(:) = 3 cos (:,3) e j = j(:) = 3 sen(:,3) , 0 _ : _ 3¬.
Com as substituições r = r(:) e j = j(:), obtemos
_
¸
(r + 2j)d: =
_

0
[3 cos (:,3) + 6 sen(:,3)] d:
= [9 sen(:,3) ÷18 cos (:,3)][

0
= 36.
Exemplo 5.32 Calcular
_
¸
_
r
2
+j
2
+.
2
_
d:, sendo ¸ a hélice do Exemplo 5.21, com a = 1 e / = 1.
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 197
Solução O cálculo da integral de linha pode ser feito diretamente, não sendo necessário reparame-
trizar a curva pelo comprimento do arco. De fato, para a hélice do Exemplo 5.21, temos
d: =
_
r
t
(t)
2
+j
t
(t)
2
+.
t
(t)
2
dt =
_
(÷sent)
2
+ (cos t)
2
+ 1
2
dt =
_
2dt
e, portanto,
_
¸
_
r
2
+j
2
+.
_
d: =
_
2
_

0
_
(cos :)
2
+ (sent)
2
+t
2
_
dt =
_
2
_

0
_
1 +t
2
_
dt =
_
2
_
2¬ +
8
3
¬
3
_
.
Proposição 5.33 Sejam ), q : _ R
3
÷ R campos escalares contínuos em uma região ¸ R
3
,
contendo uma curva orientada, parcialmente regular ¸ no seu interior, e seja / uma constante real.
1.
_
¸
[/)(r, j, .) +q (r, j, .)]d: = /
_
¸
)(r, j, .)d: +
_
¸
q(r, j, .)d:.
2. Se ¸ = ¸
1
' ' ¸
a
, então
_
¸
)(r, j, .)d: =
_
¸
1
)(r, j, .)d: + +
_
¸
n
)(r, j, .)d:.
3. Se / 0 é tal que [)(r, j, .)[ _ / sobre ¸, então
¸
¸
¸
¸
_
¸
)(r, j, .)d:
¸
¸
¸
¸
_ /1(¸) .
Observação 5.34 O valor da integral de linha
_
¸
) (r, j, .) d: não é alterado quando a curva ¸ tiver
sua orientação invertida, isto é,
_
÷¸
) (r, j, .) d: =
_
¸
) (r, j, .) d:.
De fato, considerando a mudança de parâmetros t = a +/ ÷t, obtemos
_
¸
) (r, j, .) d: =
_
b
o
) (r (t))
¸
¸
r
t
(t)
¸
¸
dt = ÷
_
o
b
) (r (a +/ ÷t))
¸
¸
r
t
(a +/ ÷t)
¸
¸
dt
=
_
b
o
) (r
1
(t))
¸
¸
r
t
1
(t)
¸
¸
dt =
_
÷¸
) (r, j, .) d:,
onde r
1
(t) = r (a +/ ÷t) , a _ t _ /, é uma paramentrização de ÷¸. Recordemos que tal procedi-
mento faz com que a integral
_
¸
1 « dr mude de sinal, conforme vimos na Proposição 5.27.
Exemplo 5.35 Integrar a função ) (r, j, .) = r +
_
j ÷.
2
, sobre o caminho ¸ = ¸
1

2
, sendo
¸
1
: r (t) = ti +t
2
j, 0 _ t _ 1 c ¸
2
: r (t) = i +j +tk, 0 _ t _ 1.
Solução A curva ¸
1
é a porção da parábola j = r
2
, . = 0, da origem ao ponto ¹(1, 1, 0), enquanto
¸
2
é o segmento de reta paralelo ao eixo ., do ponto ¹(1, 1, 0) até o ponto 1(1, 1, 1) , como ilustrado
na Figura 5.15. Sobre o caminho ¸
1
temos d: =
_
1 + 4t
2
dt e, portanto,
_
¸
1
)(r, j, .)d: =
_
1
0
(t +t)
_
1 + 4t
2
dt =
1
4
_
1
0
8t
_
1 + 4t
2
dt
=
1
4
_
5
1
_
ndn =
1
4
2
3
_
n
3¸2
_
5
1
=
1
6
_
5
3¸2
÷1
_
.
198 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Figura 5.15: Curva ¸ do Exemplo 5.35
Sobre o caminho ¸
2
temos d: = dt e, portanto,
_
¸
2
)(r, j, .)d: =
_
1
0
_
2 ÷t
2
_
dt =
_
2t ÷
1
3
t
3
¸
1
0
= 5,3.
Logo,
_
¸
)(r, j, .)d: =
_
¸
1
)(r, j, .)d: +
_
¸
2
)(r, j, .)d: =
1
6
_
5
3¸2
+ 9
_
.
5.3.3 Considerações Físicas
Além da massa de um arame (…o físico delgado), a integral de linha, com respeito ao comprimento
de arco, pode ser usada no cálculo de outros entes físicos como momento de inércia, coordenadas
do centro de massa, intensidade do campo elétrico, etc. Por exemplo, se : representa a massa de
um arame ¸ de densidade linear o(r, j, .), então d: = o(r, j, .)d: representa a massa elementar da
porção d: do arame, de modo que a massa total do arame é
: =
_
¸
d: =
_
¸
o(r, j, .)d:.
As coordenadas r, j e . do centro de massa do arame são calculadas pelas fórmulas
r =
1
:
_
¸
rd:, j =
1
:
_
¸
jd: e . =
1
:
_
¸
.d:,
onde os integrandos rd:, jd: e .d: são interpretados como momento da massa d: em relação aos
planos j., r. e rj, respectivamente. O momento de inércia em relação a um eixo 1 é dado por
1
1
=
_
¸
c
2
d:,
onde c = c (r, j, .) representa a distância de um ponto 1 (r, j, .) do arame ao eixo de rotação 1. Em
relação aos eixos coordenados, temos os momentos de inércia:
1
a
=
_
¸
(j
2
+.
2
)d:, 1
j
=
_
¸
(r
2
+.
2
)d: e 1
:
=
_
¸
(r
2
+j
2
)d:.
Exemplo 5.36 Determinar a massa de um …o de densidade o(r, j, .) = /., com formato da hélice
¸ dada pelas equações paramétricas
¸ : r = 3 cos t, j = 3 sent e . = 4t, 0 _ t _ ¬.
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 199
Solução Temos
d: =
_
r
t
(t)
2
+j
t
(t)
2
+.
t
(t)
2
dt = 5dt
e, portanto, d: = o(r, j, .)d: = 20/tdt. Logo,
: =
_
¸
d: =
_
¬
0
20/tdt = 10/¬
2
.
Seja ¸ uma curva regular e orientada, com representação paramétrica
r(t) = r(t)i +j(t)j +.(t)k, a _ t _ /,
e consideremos um campo vetorial F =1i +'j +·k, contínuo em uma região compacta , contendo
a curva ¸ no seu interior. O vetor tangente unitário à curva ¸ no ponto 1 = r(t) é
u(t) =
r
t
(t)
[r
t
(t)[
=
dr
d:
e a componente tangencial de F em 1, ou seja, a componente de F na direção do vetor unitário u(t),
na direção crescente de t, é dada por
F « T = [F(r(t))[ cos 0 = F(r(t)) « u(t),
sendo 0 o ângulo entre os vetores u(t) e F. Logo,
_
¸
(F « T)d: =
_
b
o
[F(r(t)) « u(t)]
¸
¸
r
t
(t)
¸
¸
dt =
_
b
o
_
F(r(t)) «
r
t
(t)
[r
t
(t)[
_
¸
¸
r
t
(t)
¸
¸
dt
=
_
b
o
F(r(t)) « r
t
(t)dt =
_
¸
F « dr
e daí resultam as representações equivalentes para a integral de linha:
_
¸
1dr +'dj +·d. =
_
¸
F « dr =
_
¸
(F « T)d:.
Exemplo 5.37 (efetuando uma mudança de base.) Um arame, disposto conforme a circunfer-
ência ¸, interseção da esfera r
2
+j
2
+.
2
= 1 com o plano r+j+. = 0, possui densidade o (r, j, .) = r
2
.
Calcular a massa do arame.
Solução A massa ' do arame é calculada pela integral de linha
' =
_
¸
r
2
d:
e a …m de parametrizar a curva ¸, consideramos no plano r + j + . = 0 dois vetores unitários e
ortogonais u e v e, olhando ¸ como se fosse uma circunferência do plano rj, em que u e v são
substituídos por i e j, respectivamente, escrevemos
¸ : r (t) = (cos t) u + (sent) v = r(t) i +j (t) j +. (t) k,
onde . (t) = ÷r(t) ÷ j (t), tendo em vista que a curva ¸ jaz no plano r + j + . = 0. A base ¦u, v¦
é construida considerando, por exemplo, os pontos O(0, 0, 0) , ¹(1, ÷1, 0) , 1(1, 1, ÷2) do plano e
fazendo
u =
OA
[OA[
=
1
_
2
(i ÷j) e v =
OB
[OB[
=
1
_
6
(i +j ÷2k) .
200 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Figura 5.16: Curva ¸ do Exemplo 5.37
Dessa forma, uma parametrização para a curva ¸ é
r(t) =
1
_
2
cos t +
1
_
6
sent, j (t) =
1
_
6
sent ÷
1
_
2
cos t e . (t) = ÷
2
_
6
sent, 0 _ t _ 2¬,
de onde resulta, por um cálculo simples, que
d: =
_
r
t
(t)
2
+j
t
(t)
2
+.
t
(t)
2
dt.
Logo, a massa do arame é
' =
_

0
_
r(t)
2
_
dt =
_

0
_
1
_
2
cos t +
1
_
6
sent
_
2
dt
=
1
2
_

0
(cos t)
2
dt +
2
_
12
_

0
(cos t sent) dt +
1
6
_

0
(sent)
2
dt
=
¬
2
+ 0 +
¬
6
=

3
.
Exercícios & Complementos.
1. Calcule o comprimento da hélice r = cos t, j = sent, . = t, 0 _ t _ 2¬.
2. Calcule as seguintes integrais de linha ao longo da curva indicada:
(a)
_
¸
2jdr ÷3rdj, sendo ¸ a curva de…nida por r = 1 ÷t e j = 5 ÷t, 0 _ t _ 1.
(b)
_
(1,1)
(÷1,1)
rjdr ÷j
2
dj, ao longo da parábola j = r
2
.
(c)
_
(4,÷2)
(3,÷1)
j
r
dr ÷
r
j
dj, ao longo da reta j = 2 ÷r.
(d)
_
¸
jdr + 2rdj, com ¸ a fronteira da região
1 = ¦(r, j) ¸ R
2
: r
2
+j
2
_ 1 e ÷j _ r _ j, com j _ 0¦.
(e)
_
¸
rjd:, ¸ é a curva r = t e j = t, 0 _ t _ 1.
(f)
_
¸
r
2
d:, ¸ é a curva r = cos 2t e j = sen 2t, 0 _ t _ 2¬.
(g)
_
¸
jdr + 2rdj, ¸ é o triângulo de vértices (0, 0) , (1, 0) e (1, 1).
(h)
_
¸
_
r
2
÷j
2
_
d:, ¸ é o círculo r
2
+j
2
= 4.
(i)
_
(0,1)
(0,÷1)
j
2
dr +r
2
dj, ¸ é o semicírculo r =
_
1 ÷j
2
.
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 201
(j)
_
(0,1)
(1,0)
jdr ÷rdj
r
2
+j
2
, ¸ é a curva r = cos
3
t e j = sen
3
t, 0 _ t _
¬
2
.
(k)
_
¸
(ar +/j) dr + (cr +,j) dj, ¸ é o círculo r
2
+j
2
= 4.
(l)
_
¸
rj (3jdr + 7rdj), ¸ é a elipse 9r
2
+ 4j
2
= 36.
(m)
_
¸
rjdr +
_
j
2
÷r
2
_
dj, ¸ é de…nida pelos arcos j = r
2
e j =
_
r, 0 _ r _ 1.
(n)
_
¸
(r +j +.) dr + (r ÷2j + 3.) dj + (2r +j ÷.) d., ¸ é a curva que liga a origem ao
ponto ¹ = (2, 3, 4), através de três segmentos retilíneos: o primeiro uma porção do eixo r,
o segundo paralelo ao eixo j e o terceiro paralelo ao eixo ..
3. Nos seguintes casos, calcule
_
¸
F « dr.
(a) F =
_
r
2
+j
2
_
i + 3rj
2
j, ¸ é o círculo r
2
+j
2
= 9.
(b) F =
_
3r
2
÷8j
2
_
i + (4j ÷6rj) j, ¸ é a fronteira da região
1 = ¦(r, j) ¸ R
2
: r _ 0, j _ 0 e r +j _ 2¦.
(c) F = rji ÷jj +k, ¸ é o segmento de reta ligando a origem ao ponto ¹ = (1, 1, 1).
(d) F = j
2
i +r
2
j, ¸ é o arco da parábola r = t, j = t
2
e . = 0, 1 _ t _ 2.
(e) F = .
2
i + r
2
k, ¸ é o segmento de (1, 0, 1) a (2, 0, 1), seguido do segmento de (2, 0, 1) a
(2, 0, 4).
4. Calcule
_
¸
rdr +jdj
r
2
+j
2
,
ao londo da curva ¸ consistindo do arco da parábola j = r
2
÷ 1, ÷1 _ r _ 2, seguido do
segmento de reta que une os pontos (2, 3) e (÷1, 0).
5. Calcular a integral da forma r.dr +rdj ÷j.d., ao logo do caminho ¸ descrito na Figura 5.17,
consistindo de um quarto de circunferência e de dois segmentos retilíneos.
Figura 5.17: Caminho para o Exercício 5
6. Seja ¸ a porção da curva do primeiro octante, que corresponde à interseção do plano r = j com
o cilindro 2j
2
+.
2
= 1, percorrida do ponto ¹(0, 0, 1) ao ponto 1
__
2,2,
_
2,2, 0
_
. Calcule
_
¸
r
_
1 ÷j
2
j
2
+.
2
_
1¸2
dr
202 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
7. Sejam F = 1i +'j +·k e 0 é o ângulo entre o campo F e dr. Mostre que
_
¸
F(r) « dr =
_
¸
_
1
2
+'
2

2
cos 0d:.
8. Se ¸
1
e ¸
2
são duas curvas equivalentes e F : _ R
3
÷ R
3
é um campo vetorial contínuo em
uma região contendo às curvas ¸
1
e ¸
2
, mostre que
_
¸
1
F « dr = ±
_
¸
2
F « dr.
5.4 Independência do Caminho
Iniciaremos esta seção mostrando, através de um exemplo simples, que o valor da integral de linha
pode mudar, ao longo de caminhos distintos ligando dois pontos. Sejam ¸
1
, ¸
2
e ¸ os seguintes
caminhos ligando os pontos ¹(1, 1) e 1(2, 4)
¸
1
: r = 1 +t, j = 1 + 3t, 0 _ t _ 1 ( segmento de reta)
¸
2
: r = t, j = t
2
, 1 _ t _ 2 ( parábola)
e ¸ consiste do segmento horizontal, do ponto ¹(1, 1) ao ponto C (2, 1), seguido do segmento vertical
do ponto C (2, 1) ao ponto 1(2, 4), como mostra a Figura 5.18.
Figura 5.18: Caminhos ligando os pontos ¹ e 1.
1. Ao longo de ¸
1
, temos
_
¸
1
jdr + 2rdj =
_
1
0
[(1 + 3t) + 2(1 +t)3]dt =
_
1
0
(7 + 9t)dt =
23
2
.
2. Sobre ¸
2
, fazemos as substituições r = t, j = t
2
, dr = dt e dj = 2tdt e obtemos
_
¸
2
jdr + 2rdj =
_
2
1
[t
2
+ (2t)2t]dt =
_
2
1
5t
2
dt =
35
3
.
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 203
3. A poligonal ¸ é composta dos segmentos ¸
3
e ¸
4
e observando que j = 1, sobre ¸
3
, e r = 2,
sobre ¸
4
, obtemos
_
¸
jdr + 2rdj =
_
¸
3
jdr + 2rdj +
_
¸
4
jdr + 2rdj =
_
2
1
dr +
_
4
1
4dj = 13.
Nesta seção estabeleceremos condições necessárias e su…cientes para que a integral de linha
_
1
¹
F«dr
não dependa do caminho ¸ que liga os pontos ¹ e 1. Se F = 1i + 'j + ·k é um campo vetorial
contínuo em uma região _ R
3
, diremos que a integral de linha
_
¸
F« dr (ou
_
¸
1dr+'dj +·d.) é
independente do caminho em se, para quaisquer dois pontos ¹ e 1 em , o valor da integral linha
_
1
¹
F« dr é o mesmo, seja qual for o caminho parcialmente regular ¸, contido em , ligando os pontos
¹ e 1.
Teorema 5.38 (1
o
Teorema Fundamental) Se , : _ R
3
÷R tem derivadas parciais de primeira
ordem contínuas no domínio (aberto e conexo) do R
3
, então
_
1
¹
\, « dr = ,(1) ÷,(¹),
sejam quais forem os pontos ¹ e 1 em .
Demonstração Seja ¸ : r = r (t) , a _ t _ /, um caminho regular em ligando os pontos ¹ e 1.
Da Regra da Cadeia, veja (2.22) no Capítulo 2, sabemos que
d
dt
[,(r (t))] = \,(r (t)) « r
t
(t) ,
de onde resulta
\, « dr =
d
dt
[,(r (t))] ,
e do Teorema Fundamental do Cálculo para função de uma variável, obtemos:
_
1
¹
\, « dr =
_
b
o
d
dt
[,(r (t))] dt = ,(r (/)) ÷,(r (a)) = ,(1) ÷,(¹) .
Corolário 5.39 Se F = 1i +'j +·k é um campo vetorial contínuo e conservativo, em um domínio
(aberto e conexo) do R
3
, então a integral de linha
_
¸
F « dr
é independente do caminho.
Demonstração Sendo F contínuo e conservativo, existe um campo escalar ,, o potencial de F,
de classe C
1
, tal que F = \, e, portanto,
_
1
¹
F « dr =
_
1
¹
\, « dr = ,(1) ÷,(¹).
Isso mostra que a integral de linha do campo F só depende dos pontos ¹ e 1, e não do caminho ¸
ligando esses pontos.
204 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Teorema 5.40 (2
o
Teorema Fundamental) Se F = 1i +'j +·k é um campo vetorial contínuo
no domínio (aberto e conexo) _ R
3
, e a integral de linha
_
¸
F « dr
é independente do caminho, então o campo F é conservativo.
Demonstração A partir de um ponto ¹ …xado no domínio , de…nimos , : _ R
3
÷R por
,(A) =
_
A
¹
F « dr =
_
A
¹
1dr +'dj +·d.,
onde a integral de linha é calculada ao longo de uma poligonal ligando o ponto ¹ ao ponto A (r, j, .).
A escolha do caminho é arbitrária, tendo em vista que a integral de linha não depende do caminho.
Consideremos / su…cientemente pequeno, de modo que A +H = (r +/, j, .) esteja em , e seja ¸ o
segmento de reta r (t) = (r +t) i + jj + .k, 0 _ t _ /, que liga o ponto A ao ponto A + H. Temos
que r
t
(t) = i e, usando a propriedade aditiva da integral de linha, obtemos
,(A +H) ÷,(A)
/
=
1
/
_
A+1
A
F « dr =
1
/
_
I
0
F(r (t)) « r
t
(t) dt =
1
/
_
I
0
1(r +t, j, .) dt.
Como a função t ÷1(r +t, j, .) é contínua em alguma vizinhança de t = 0, a função
q (t) =
_
t
0
1(r +t, j, .) dt
é diferenciável em uma vizinhança de t = 0, q (0) = 0 e q
t
(0) = 1(r, j, .), como consequência do
Teorema Fundamental do Cálculo de uma variável. Logo,
,
a
(r, j, .) = lim
I÷0
,(A +H) ÷,(A)
/
= lim
I÷0
q (0 +/) ÷q (0)
/
= q
t
(0) = 1(r, j, .) .
De modo similar, obtém-se que ,
j
(r, j, .) = ' (r, j, .) e ,
:
(r, j, .) = · (r, j, .). Assim, F = \, e
com isso mostramos que F é conservativo.
Observação 5.41 Combinando os dois Teoremas Fundamentais para a integral de linha, vemos que
um campo vetorial F = 1i + 'j + ·k, contínuo em um domínio (aberto e conexo) do R
3
, é
conservativo se, e somente se, a integral de linha
_
¸
F « dr
é independente do caminho. Neste caso, se , é um potencial do campo F, isto é, F = \,, então
_
1
¹
F « dr =
_
1
¹
\, « dr = ,(1) ÷,(¹),
para quaisquer dois pontos ¹ e 1 em . Em particular, se ¸ é uma curva fechada, parcialmente regular
e F é contínuo e conservativo, então
_
¸
F « dr = 0.
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 205
Exemplo 5.42 Mostrar que o campo bidimensional F(r, j) =
÷ji +rj
r
2
+j
2
não é conservativo no domínio
: 0 < r
2
+j
2
< 1 do R
2
.
Solução Consideremos em a circunferência ¸ : r
2
+ j
2
= -, 0 < - < 1, parametrizada por
r = - cos t, j = - sent, 0 _ t _ 2¬. Então
_
¸
F « dr =
_
¸
÷jdr +rdj
r
2
+j
2
=
1
-
2
_

0
[(÷- sent) (÷- sent) + (- cos t) (- cos t)] dt
=
1
-
2
_

0
_
-
2
(sent)
2
+-
2
(cos t)
2
_
dt =
1
-
2
_

0
-
2
dt = 2¬.
Se fosse F um campo conservativo, a integral de linha de F sobre a curva fechada ¸ seria 0.
Exemplo 5.43 Seja ¸ a curva descrita por
r(t) = exp (÷t) i + (1 + 2 sent)j + (t ÷cos t) k, t ¸ R.
Determinar a derivada direcional de ,(r, j, .) = r
2
j.
3
, na direção da curva ¸, no ponto 1 correspon-
dente a t = 0.
Solução A derivada direcional de , no ponto 1 = r(t), na direção da curva ¸, é, por de…nição, a
derivada direcional de , no ponto 1 = r(t), na direção do vetor unitário
u(t) =
r
t
(t)
[r
t
(t)[
,
tangente à curva ¸ em 1. O ponto 1 correspondente a t = 0 é r(0) = (1, 1, ÷1) e o vetor tangente
unitário à curva ¸ no ponto 1 é
u =
r
t
(0)
[r
t
(0)[
=
1
_
6
(÷i + 2j +k) .
Como \, = (2rj.
3
)i + (r
2
.
3
)j + (3r
2
j.
2
)k, obtemos \,(r (0)) = ÷2i ÷j + 3k e, portanto,
0,
0u
(1) = \,(1) « u =
_
6
2
.
Exemplo 5.44 Seja / uma constante real e consideremos o campo vetorial F =
/r
[r[
3
, sendo r = OP
o vetor posição do ponto 1. Calcular a integral de linha
_
¸
F « dr,
ao longo do segmento ¸, que vai do ponto ¹(1, 1, 1) ao ponto 1(1, 2, ÷1).
Solução Vimos, no Exemplo 5.6, que F = \,, onde a função , : R
3
÷¦(0, 0, 0¦ ÷R é de…nida por
,(r, j, .) = ÷/, [r[ Portanto, pela Observação 5.41,
_
¸
F « dr = ,(1) ÷,(¹) = ÷/
_
1
[OB[
÷
1
[OA[
_
= ÷/
_
1
_
6
÷
1
_
3
_
.
Observamos que se os pontos ¹ e 1 estão sobre uma circunferência de centro na origem e raio 1,
então [OA[ = [OB[ = 1 e, sendo assim,
_
¸
F « dr = ÷/ (1,1 ÷1,1) = 0.
206 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Teorema 5.45 Para que um campo vetorial contínuo F = 1i + 'j + ·k seja conservativo em um
domínio _ R
3
, é necessário e su…ciente que
_
¸
F « dr = 0,
ao longo de qualquer curva simples, fechada e parcialmente regular ¸, contida em .
Demonstração Suponhamos que F seja conservativo e seja ¸ uma curva fechada, simples e par-
cialmente regular contida em . Fixemos dois pontos ¹ e 1 sobre ¸, de modo que ¸ …ca particionada
em ¸
1
e ¸
2
, como sugere a Figura 5.19. Como F é conservativo, a integral de linha
_
¸
F « dr
é independente do caminho e, consequentemente,
_
¸
F « dr =
_
¸
1
F « dr +
_
÷¸
2
F « dr =
_
¸
1
F « dr ÷
_
¸
2
F « dr = 0.
Figura 5.19: Partição do caminho ¸.
Reciprocamente, suponhamos que
_
¸
F « dr = 0,
ao longo de qualquer curva fechada, simples e parcialmente regular ¸ em . Dados dois pontos ¹ e 1
em , sejam ¸
1
e ¸
2
duas curvas simples, parcialmente regulares e sem ponto em comum, ligando ¹
e 1. Então ¸ = ¸
1
÷¸
2
é uma curva simples, fechada e parcialmente regular e, portanto,
0 =
_
¸
F « dr =
_
¸
1
F « dr +
_
÷¸
2
F « dr =
_
¸
1
F « dr ÷
_
¸
2
F « dr,
de onde resulta
_
¸
1
F « dr =
_
¸
2
F « dr.
Se as curvas ¸
1
e ¸
2
se interceptam em um ponto 1, então 1 divide cada uma delas em duas novas
curvas e aplicamos o raciocício precedente.
Corolário 5.46 Seja F = 1i+'j+·k um campo vetorial de classe C
1
no domínio (aberto e conexo)
, isto é, as componentes 1, ', · : _ R
3
÷R têm derivadas parciais de 1
a
ordem contínuas em .
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 207
1. Se a integral de linha
_
¸
F « dr ou
_
¸
1dr +'dj +·d.
é independente do caminho, então F é um campo irrotacional, isto é, rot F = 0 e, neste caso,

0j
=
0'
0.
,
01
0.
=

0r
e
0'
0r
=
01
0j
.
2. Se é um domínio simplesmente conexo e F é um campo irrotacional (rot F = 0), então a
integral de linha
_
¸
F « dr ou
_
¸
1dr +'dj +·d.
é independente do caminho e o campo F é conservativo.
Exemplo 5.47 (conservação da energia) Seja r = r(t) a equação horária de uma partícula que
se desloca, da posição inicial ¹ = r(t
0
) à posição …nal 1 = r(t
1
), sob a ação de um campo de
forças conservativo F = F(r(t)). Mostrar que a soma de suas energias cinética e potencial permanece
constante.
Solução Como F é um campo conservativo temos que F = ÷\,(t) (o sinal “÷” é frequentemente
usado em Física), onde ,(t) é a energia potencial. O trabalho realizado é
\ =
_
¸
F « dr =
_
¸
(÷\,) « dr = ,(¹) ÷,(1) .
Por outro lado, se representarmos por : a massa da partícula e por ·
¹
e ·
1
as energias cinéticas, nos
pontos ¹ e 1, respectivamente, temos
\ =
1
2

2
1
÷
1
2

2
¹
e, portanto,
1
2

2
¹
+,(¹) =
1
2

2
1
+,(1) .
Exemplo 5.48 No domínio = ¦(r, j) ¸ R
2
: (r÷3)
2
+j
2
< 4¦, mostrar que o campo F do Exemplo
5.42 é conservativo. Mais geralmente, F é conservativo em qualquer região simplesmente conexa ,
que não contém a origem.
Solução O campo F é de classe C
1
no domínio simplesmente conexo e será conservativo se
rot (F) = 0 em . As componentes do campo 1 são
1 = ÷
j
r
2
+j
2
, ' =
r
r
2
+j
2
e · = 0
e, portanto,
rot F =
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
i j k
0
a
0
j
0
:
1 ' 0
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
= ('
a
÷1
j
) k =
_
j
2
÷r
2
(r
2
+j
2
)
2
÷
j
2
÷r
2
(r
2
+j
2
)
2
_
k = 0, em .
Ao longo de qualquer curva ¸ simples, fechada e parcialmente regular em , temos
_
¸
÷
j
r
2
+j
2
dr +
r
r
2
+j
2
dj = 0.
208 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
A família de potenciais de F são as soluções , do sistema
,
a
= 1 = ÷
j
r
2
+j
2
(I) e ,
j
= ' =
r
r
2
+j
2
. (II)
Integrando (I) parcialmente em relação a r e mantendo j …xado, obtemos
,(r, j) = ÷
_
j
r
2
+j
2
dr =,(r, j) = arctan(j,r) +/(j)
e derivando a última equação em relação a j, e comparando com (II), resulta
,
j
=
r
r
2
+j
2
+/
j
=
r
r
2
+j
2
.
Logo, /
j
= 0, ou seja, / = /, sendo / uma constante real. Assim, a família de potenciais é dada por
,(r, j) = arctan(j,r) +/.
Exemplo 5.49 (um campo irrotacional e não conservativo) No Exemplo 5.42 vimos que o campo
F(r, j) =
÷ji +rj
r
2
+j
2
não é conservativo no domínio : 0 < r
2
+ j
2
< 1, embora nesse domínio ele seja de classe C
1
e
irrotacional, isto é, rot (F) = 0. Isto não contradiz o resultado contido no Corolário 5.46, porque o
domínio não é simplesmente conexo.
Para usar a linguagem de forma diferencial, recordemos que a expressão
F « dr = 1dr +'dj +·d.
recebe o nome forma diferencial e ela denomina-se exata ou total quando o campo F = 1i +'j +·k
for conservativo, isto é, quando existir campo escalar diferenciável , : _ R
3
÷R tal que
1dr +'dj +·d. =
0,
0r
dr +
0,
0j
dj +
0,
0.
d. = d,.
Se as funções 1, ' e · têm derivadas parciais contínuas no domínio simplesmente conexo , então
a forma diferencial 1dr +'dj +·d. é exata se, e somente se,

0j
=
0'
0.
,
01
0.
=

0r
e
0'
0r
=
01
0j
ou, equivalentemente, a matriz Jacobiana J (F) é simétrica.
Exemplo 5.50 Veri…car que jdr +rdj + 5d. é uma forma diferencial exata e calcular a integral de
linha
_
¸
jdr +rdj + 5d.,
sendo ¸ o segmento de reta de origem ¹(1, 1, 1) e extremidade 1(2, 3, ÷1).
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 209
Solução Como a matriz Jacobiana
J =
_
¸
_
1
a
1
j
1
:
'
a
'
j
'
:
·
a
·
j
·
:
_
¸
_
=
_
¸
_
0 1 0
1 0 0
0 0 0
_
¸
_
é simétrica, segue que a forma diferencial é exata. Assim,
jdr +rdj + 5d. = ,
a
dr +,
j
dj +,
:
d. = d,,
para alguma função , : _ R
3
÷R e o cálculo da integral de linha se reduz a
_
¸
jdr +rdj + 5d. =
_
1
¹
d, = ,(1) ÷,(¹).
Neste caso, usando as regras de derivação e manipulações simples, encontramos
d, = jdr +rdj + 5d. = d(rj) +d(5.) = d(rj + 5.)
e, portanto, ,(r, j, .) = rj + 5. +/, com / uma constante real. Assim,
_
¸
jdr +rdj + 5d. = ,(1) ÷,(¹) = (1 +/) ÷(6 +/) = ÷5.
5.4.1 O Potencial como Integral de Linha
Domínio Admissível
Um domínio _ R
3
denomina-se admissível, quando possuir a seguinte propriedade: existe em
um ponto ¹(a, /, c) tal que a poligonal de vértices ¹(a, /, c) , 1(r, /, c) , C (r, j, c) e 1 (r, j, .) jaz
em , seja qual for o ponto 1 (r, j, .) de . Em dimensão : = 2, o domínio é admissível quando
existir um ponto ¹(a, /) em , tal que a poligonal de vértices ¹(a, /) , 1(a, j) e 1 (r, j) jaz em ,
para todo 1 (r, j) de . A Figura 5.20 ilustra essas poligonais.
Figura 5.20: Poligonais admissíveis em R
3
e R
2
.
210 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Por exemplo, as vizinhanças e o próprio R
3
são domínios admissíveis. O domínio = R
2
÷¦(0, 0)¦
não é admissível; de fato, dado ¹(a, /) em , a poligonal de vértices ¹(a, /) , 1(a, 0) e C (÷1, 0) não
jaz em .
Em um domíno admissível, podemos usar as poligonais para determinar o potencial de um campo
conservativo. Dado um campo vetorial conservativo F : _ R
3
÷ R
3
em um domínio admissível ,
então …xado um ponto ¹(a, /, c) em o potencial , : _ R
3
÷R de F é determinado pela fórmula
,(1) =
_
1
¹
F « dr =
_
1
¹
1dr +'dj +·d.
e usando a poligonal ¸ = ¸
1

2

3
da Figura 5.20, obtemos
,(1) =
_
1
¹
F « dr =
_
a
o
1(t, /, c) dt +
_
j
b
' (r, t, c) dt +
_
:
c
· (r, j, t) dt. (5.17)
Teorema 5.51 Para que um campo vetorial F = 1i + 'j + ·k, de classe C
1
, seja conservativo
em um domínio admissível _ R
3
, é necessário e su…ciente que rot (F) = 0 em . Neste caso, o
potencial ,(r, j, .) é dado por (5.17). Em dimensão : = 2, o campo F(r, j) = L(r, j) i +M(r, j) j
é conservativo se, e somente se, '
a
= 1
j
em .
Exemplo 5.52 Mostrar que o campo vetorial F = (j + .)i + (r + .)j + (r + j)k é conservativo e
encontrar um potencial do qual ele deriva.
Solução Um cálculo direto nos dá rot F = 0 no domínio admissível R
3
e, portanto, F é um campo
conservativo. Para determinar um potencial de F, escolhemos ¹(0, 0, 0) como ponto de partida e
usamos (5.17) para obter:
,(r, j, .) =
_
a
0
(0 + 0)dr +
_
j
0
(r + 0)dj +
_
:
0
(r +j)d. = rj +r. +j..
É claro que se / é uma constante, então ,(r, j, .) +/ é, também, um potencial do campo F.
Domínio Estrelado
Um domínio _ R
3
denomina-se estrelado, em relação ao ponto 1 de , se o segmento de reta 1Q
está inteiramente contido em , seja qual for o ponto Q de . Por exemplo, no plano R
2
, o interior
de um paralelogramo, o disco e o próprio R
2
são domínios estrelados, em relação a qualquer um de
seus pontos. O domínio R
2
÷¦(0, 0)¦ não é estrelado em relação a ponto algum. Se é estrelado em
relação ao ponto 1, e ¸ é uma curva fechada em , então a deformação contínua
¸
c
(t) = (1 ÷:) ¸ (t) +:1, 0 _ : _ 1,
reduz a curva ¸ ao ponto 1, sem sair de , porque ¸
c
(t) ¸ , \:, t, e, além disso, ¸
0
= ¸ e ¸
1
= 1.
Portanto, é simplesmente conexo. Se retirarmos do R
2
o eixo r, obtemos um domínio simplesmente
conexo e não estrelado.
Seja F : _ R
3
÷R
3
um campo vetorial conservativo sobre um domínio , e suponhamos que
seja estrelado em relação ao ponto ¹(a, /, c) de . O potencial , : _ R
3
÷ R de F é determinado
pela fórmula
,(r, j, .) =
_
1
¹
F « dr +/, (5.18)
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 211
sendo / uma constante real e 1(r, j, .) um ponto genérico de . A integral de linha em (5.18) não
depende do caminho, e se considerarmos o segmento de reta r (t) = ¹+tAP, 0 _ t _ 1, obtemos
,(r, j, .) =
_
1
¹
F « dr +/ =
_
1
0
_
F(r (t)) « r
t
(t)
¸
dt
=
_
1
0
[F(a +t (r ÷a) , / +t (j ÷/) , c +t (. ÷c)) « (r ÷a, j ÷/, . ÷c)] dt.
Exemplo 5.53 Mostrar que o campo vetorial F = (c
a
senj)i +(c
a
cos j)j +k é conservativo e deter-
minar um potencial do qual ele deriva.
Solução O campo F é de classe C
1
no domínio simplesmente conexo R
3
e, nesse domínio, rot F = 0.
Logo, F é um campo conservativo. Considerando R
3
como um domínio estrelado em relação à origem,
obtemos
,(r, j, .) =
_
1
0
[F(tr, tj, t.) « (r, j, .)] dt +/
= r
_
1
0
c
ta
sen(tj)dt +j
_
1
0
c
ta
cos(tj)dt +.
_
1
0
dt +/ = c
a
senj +. +/.
Exemplo 5.54 Vamos reconsiderar o campo F = r
2
i + jj ÷ 3.k do Exemplo 5.8. Naquele exemplo,
resolvendo o sistema de equações diferenciais
,
a
= 1 = r
2
, ,
j
= ' = j e ,
:
= · = ÷3.,
encontramos a família de potenciais
,(r, j, .) =
1
3
r
3
+
1
2
j
2
÷
3
2
.
2
+/.
Agora, o potencial será encontrado via integral de linha. Considerando a origem O(0, 0, 0) como ponto
de partida, usamos (5.17) e obtemos o potencial
c (r, j, .) =
_
a
0
1(t, 0, 0) dt +
_
j
0
' (r, t, 0) dt +
_
:
0
· (r, j, t) dt
=
_
a
0
t
2
dt +
_
j
0
tdt ÷
_
:
0
3tdt =
1
3
r
3
+
1
2
j
2
÷
3
2
.
2
.
Observamos que o potencial c (r, j, .) encontrado pela integral de linha, corresponde ao valor / = 0,
que é exatamente ,(0, 0, 0) .
Exercícios & Complementos.
1. Veri…que se a forma é exata e, nos casos a…rmativos, determine um potencial do qual ele deriva.
(a) (senj ÷j senr +r) dr + (cos r +rcos j +j) dj.
(b) [sen(jr) +rj cos (rj)] dr +
_
r
2
cos (rj)
¸
dj.
(c) (r +.) dr ÷(j +.) dj + (r ÷j) d..
(d) 2rj
3
dr +r
2
j
3
dj + 3r
2
j.
2
d..
212 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
(e) 3j
4
.
2
dr + 4r
3
j
2
dj ÷3r
2
j
2
d..
(f)
_
2r
2
+ 8rj
2
_
dr +
_
3r
3
j ÷3rj
_
dj ÷
_
4j
2
.
2
+ 2r
3
.
_
d..
(g)
_
j
2
cos r +.
3
_
dr ÷(4 ÷2j senr) dj +
_
3r.
2
+ 2
_
d..
(h)
_
4rj ÷3r
2
.
2
+ 1
_
dr +
_
2r
2
+ 2
_
dj ÷
_
2r
3
. + 3.
2
_
d..
(i) (c
a
sen. + 2j.) dr + (2r. + 2j) dj +
_
c
a
cos . + 2rj + 3.
2
_
d..
2. Veri…que que o campo de forças F = ji + .j + j.k não é conservativo e calcule o trabalho
realizado pelo campo F, para mover uma partícula do ponto ¹(1, 0, 1) ao ponto 1(÷1, 0, c
¬
) ,
ao longo da curva r (t) = (cos t) i + (sent) j +
_
c
t
_
k.
3. Mostre que não existe um campo vetorial F, cujo rotacional é ri +jj +.k.
4. Seja ) : [a, /] ÷ R uma função com derivada contínua em [a, /]. Determine em que região do
plano rj o campo vetorial F(r, j) = j) (rj) i +r) (rj) j é conservativo.
5. Seja ¸ um caminho parcialmente regular que liga os pontos ¹(1, 2) e 1(2, 1) e não intercepta o
eixo r. É verdade que
_
¸
jdr ÷rdj
j
2
= 3,2?
5.5 O Teorema de Green no Plano
Para motivar o que será desenvolvido nesta seção, deixe-nos considerar a região 1 do plano rj,
delimitada pelas parábolas j = r
2
e r = j
2
, e vamos orientar a curva 01, fronteira da região 1, de
modo que ao percorrê-la, a região 1 permaneça do nosso lado esquerdo. Na Figura 5.21, ilustramos
a região 1, onde vemos que 01 = ¸
1

2
é um contorno simples, fechado e parcialmente regular.
Figura 5.21: Região entre as curvas j = r
2
e j =
_
r.
Vamos comparar as integrais:
_
01
1(r, j) dr +' (r, j) dj (I) e
__
1
_
0'
0r
÷
01
0j
_
d¹, (II)
sendo 1(r, j) = rj e ' (r, j) = j
2
÷r
2
. Calculando a integral dupla (II), obtemos
__
1
_
0'
0r
÷
01
0j
_
d¹ =
__
1
(÷2r ÷r) d¹ =
_
1
0
_
_
a
a
2
(÷3r) djdr
= ÷3
_
1
0
r
__
r ÷r
2
_
dr = ÷9,20
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 213
e para calclular a integral de linha (I), usaremos a propriedade aditiva:
_
01
1dr +'dj =
_
¸
1

2
1dr +'dj =
_
¸
1
1dr +'dj +
_
¸
2
1dr +'dj.
A curva ¸
1
é descrita por j = r
2
, 0 _ r _ 1, e usando r como parâmetro, obtemos:
_
¸
1
1dr +'dj =
_
¸
1
rjdr +
_
j
2
÷r
2
_
dj =
_
1
0
_
r
3
+ 2r
_
r
4
÷r
2

dr
=
_
1
0
_
2r
5
÷r
3
_
dr = 1,12.
Por outro lado, a curva ¸
2
é descrita por r = j
2
e ao longo desta curva, o percurso do ponto ¹ até a
origem é feito com j variando de 1 até 0. Usando j como parâmetro, obtemos:
_
¸
2
1dr +'dj =
_
¸
2
rjdr +
_
j
2
÷r
2
_
dj = ÷
_
1
0
_
2j
4
+
_
j
2
÷j
4

dj
= ÷
_
1
0
_
j
4
+j
2
_
dj = ÷8,15.
Assim, encontramos
_
01
1dr +'dj =
_
¸
1
1dr +'dj +
_
¸
2
1dr +'dj =
1
12
÷
8
12
= ÷9,20.
O resultado ÷9,20, encontrado para integrais (I) e (II), não é uma coincidência. O Teorema de
Green,
14
que formularemos a seguir, estabelece que, sob determinadas condições, é válida a relação
_
01
1dr +'dj =
__
1
_
0'
0r
÷
01
0j
_
d¹.
Estamos tratando com integrais ao longo de caminhos orientados e, é claro, a orientação da tra-
jetória é relevante.
Figura 5.22: Fronteira ¸ = 01 orientada.
Na Figura 5.22 ilustramos a orientação positiva da fronteira de uma região 1, delimitada por uma
curva simples, fechada e parcialmente regular ¸. A orientação positiva corresponde àquela em que o
campo de vetores normias n, obtido por rotação anti-horária de 90
·
do campo tangente
T =
r
t
(t)
[r
t
(t)[
,
sempre aponta para dentro da região 1. Intuitivamente, a orientação positiva de ¸ corresponde àquela
que, ao percorrê-la, deixa a região 1 à nossa esquerda.
14
George Green (1793-1841), matemático inglês.
214 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Teorema 5.55 (Teorema de Green) Seja ¸ uma curva simples, fechada e parcialmente regular,
que delimita uma região 1 do plano rj. Se 1(r, j) e ' (r, j) são funções de classe C
1
, isto é, com
derivadas parciais de primeira ordem contínuas, na região 1 ' 01, então
_
¸
1dr +'dj =
__
1
_
0'
0r
÷
01
0j
_
drdj,
onde a curva ¸ = 01 é orientada no sentido positivo (anti-horário).
Demonstração Por simplicidade, vamos considerar o caso particular em que 1 é a região da
Figura 5.23, delimitada por um retângulo de lados paralelos aos eixos coordenados.
Figura 5.23: Região retangular 1.
A fronteira de 1 é a curva simples, fechada e parcialmente regular, formada pelos segmentos de
reta ¸
1
, ¸
2
, ¸
3
e ¸
4
, isto é, 01 = ¸
1
+¸ +¸
3

4
. Temos pela propriedade aditiva que
_
01
1dr +'dj =
4

i=1
_
¸
i
1dr +'dj. (5.19)
Sobre o segmento ¸
1
, temos j = c, dj = 0, a _ r _ / e, portanto,
_
¸
1
1dr +'dj =
_
b
o
1(r, c) dr.
Sobre o segmento ¸
2
, temos r = /, dr = 0, c _ j _ d e, portanto,
_
¸
2
1dr +'dj =
_
o
c
' (/, j) dj.
Sobre o segmento ¸
3
, temos j = d, dj = 0, a _ r _ / e, portanto,
_
¸
3
1dr +'dj = ÷
_
b
o
1(r, d) dr.
Sobre o segmento ¸
4
, temos r = a, dr = 0, c _ j _ d e, portanto,
_
¸
4
1dr +'dj = ÷
_
o
c
' (a, j) dj.
O sinal "÷" que …gura nas integrais sobre ¸
3
e ¸
4
é devido a orientação. De (5.19), resulta
_
01
1dr +'dj =
_
÷
_
b
o
[1(r, d) ÷1(r, c)]dr
_
+
__
o
c
[' (/, j) ÷' (a, j)] dj
_
(5.20)
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 215
e aplicando o Teorema Fundamental do Cálculo
15
a cada integral do lado direito de (5.20), encontramos
_
01
1dr +'dj = ÷
_
b
o
__
o
c
1
j
(r, j) dj
_
dr +
_
o
c
__
b
o
'
a
(r, j) dr
_
dj
=
_
b
o
_
o
c
['
a
(r, j) ÷1
j
(r, j)] djdr =
__
1
('
a
÷1
j
) d¹.
Exemplo 5.56 Com auxílio do Teorema de Green, calcular a integral de linha
_
01
3rjdr + 2r
2
dj,
onde 1 é a região delimitada pela reta j = r e a parábola j = r
2
÷2r.
Solução A região 1 é do tipo vertical simples, e está ilustrada na Figura 5.24; ela é descrita pelas
desigualdades 1 : 0 _ r _ 3, r
2
÷2r _ j _ r.
Figura 5.24: Região 1 entre as curvas j = r e j = r
2
÷2r.
As componentes da forma diferencial são 1 = 3rj e ' = 2r
2
, de modo que '
a
÷1
j
= 4r ÷3r, e
usando o Teorema de Green, obtemos
_
01
3rjdr + 2r
2
dj =
__
1
rdrdj =
_
3
0
__
a
a
2
÷2a
rdj
_
dr =
_
3
0
r
2
(3 ÷r) dr =
27
4
.
Exemplo 5.57 Os possíveis valores para a integral de linha
_
¸
÷jdr +rdj
r
2
+j
2
,
onde ¸ é uma circunferência que não passa pela origem, são ±2¬ e 0. De fato, se ¸ é uma circun-
ferência centrada na origem de raio -, com orientação positiva, vimos no Exemplo 5.42 que a integral
tem valor 2¬. Invertendo a orientação, o valor da integral passa a ser ÷2¬. Por outro lado, se a
circunferência ¸ não envolve a origem, podemos usar o Teorema de Green na região 1, delimitada
por ¸, e considerando que 1
j
= '
a
, em 1, resulta
_
¸
1dr +'dj =
__
1
('
a
÷1
j
) drdj = 0.
Ressaltamos que o Teorema de Green não se aplica, se a circunferência ¸ envolver a origem.
15
Teorema Fundamental do Cálculo:
R
b
a
G
x
(x; ) dx = G(b; ) G(a; ) ; G de class C
1
:
216 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Exemplo 5.58 Calcular
_
¸
jdr + 3rdj, onde ¸ resulta da interseção do cone . =
_
r
2
+j
2
com o
plano . = 2.
Solução A curva ¸ é a circunferência de raio 1 = 2, situada no plano . = 2, com centro C (0, 0, 2).
Pelo Teorema de Green, temos
_
¸
jdr + 3rdj =
__
1
(3 ÷1)drdj = 2¹(1) = 8¬.
5.5.1 Regiões Multiplamente Conexas
Desejamos usar o Teorema de Green para calcular a integral de linha
_
¸
÷jdr +rdj
r
2
+j
2
,
ao longo de uma curva simples, fechada e parcialmente regular ¸, que envolve a origem, como ilustrado
na Figura 5.25.
Figura 5.25: Região 1 multiplamente conexa.
O Teorema de Green não pode ser aplicado diretamente, tendo em vista que a forma não é de classe
C
1
, na região delimitada pela curva ¸. Para contornar a situação, consideramos uma circunferência
centrada na origem, de raio - 0, su…cientemente pequeno, de modo que ¸
.
¨¸ = ?, e um segmento
de reta servindo de ponte de ligação, entre as curvas ¸ e ¸
.
. Com esses artifícios, construimos uma
região simplesmente conexa 1, com fronteira 01 = ¸ +¸
.

1

2
, de modo que a forma diferencial
é exata e de classe C
1
, em 1 ' 01. Como ¸
2
= ÷¸
1
, temos que
_
¸
1
1dr +'dj +
_
¸
2
1dr +'dj = 0
e, portanto,
_
01
1dr +'dj =
_
¸
1dr +'dj +
_
¸
"
1dr +'dj. (5.21)
Do Teorema de Green, resulta
_
01
1dr +'dj =
__
1
('
a
÷1
j
) drdj = 0
e de (5.21), obtemos
_
¸
÷jdr +rdj
r
2
+j
2
= ÷
_
¸
"
÷jdr +rdj
r
2
+j
2
= 2¬,
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 217
conforme encontramos no Exemplo 5.42.
Para encerrar esta seção, analisaremos a aplicabilidade do Teorema de Green, no caso em que a
região multiplamente conexa 1 tem dois buracos, como na Figura 5.26.
Figura 5.26: Região 1 com dois buracos.
Se F = 1(r, j) i +' (r, j) j é um campo de classe C
1
, na região 1'01, obtemos a partir do Teorema
de Green a seguinte relação:
__
1
('
a
÷1
j
) d¹ =
_
¸
1dr +'dj +
_
¸
2
1dr +'dj +
_
¸
5
1dr +'dj.
Se o campo F for conservativo, então '
a
÷1
j
= 0 e teremos
_
¸
1dr +'dj +
_
¸
2
1dr +'dj +
_
¸
5
1dr +'dj = 0.
Observamos que ¸
3
= ÷¸
1
e ¸
6
= ÷¸
4
, de modo que
_
¸
1
1dr +'dj +
_
¸
5
1dr +'dj = 0 e
_
¸
4
1dr +'dj +
_
¸
6
1dr +'dj = 0.
5.5.2 Aplicações do Teorema de Green
Cálculo de Áreas Planas
Seja 1 uma região do plano rj, delimitada por uma curva ¸, simples, fechada e parcialmente
regular. Se considerarmos no Teorema de Green 1(r, j) = 0 e ' (r, j) = r, obteremos
_
¸
rdj =
__
1
d¹ = ¹(1) . (5.22)
Da mesma forma, considerando 1(r, j) = ÷j e ' (r, j) = 0, resulta
÷
_
¸
jddr =
__
1
d¹ = ¹(1) . (5.23)
Finalmente, somando (5.22) e (5.23), membro a membro, obtemos
¹(1) =
1
2
_
¸
rdj ÷jdr. (5.24)
Exemplo 5.59 (área da elipse) Calcular, por integral de linha, a área da região 1 limitada pela
elipse
r
2
a
2
+
j
2
/
2
= 1, a 0, / 0.
218 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Solução Considerando a parametrização
r = a cos t e j = / sent, 0 _ t _ 2¬,
da elipse, obtida no Exemplo 5.19, segue da fórmula (5.22) que
¹ =
_

0
a (cos t) / (cos t) dt = a/
_

0
cos
2
tdt = ¬a/.
Exemplo 5.60 (área em coordenadas polares) Calcular a área da cardioide de equação polar
r = a(1 ÷cos 0), a 0, 0 _ 0 _ 2¬.
Solução Em coordenadas polares r e 0, temos r = r cos 0 e j = r sen0 e, portanto,
dr = cos 0dr ÷r sen0d0 e dj = sen0dr +r cos 0d0.
Assim, em coordenadas polares, a fórmula da área (5.24) se escreve
¹(1) =
1
2
_
¸
[r cos 0(sen0dr +r cos 0d0) ÷r sen0(cos 0dr ÷r sen0d0)] =
1
2
_
¸
r
2
d0,
onde a região 1 é delimitada pela curva ¸, simples, fechada e parcialmente regular. No caso da
cardioide, obtemos
¹(1) =
a
2
2
_
¸
(1 ÷cos 0)
2
d0 =

2
a
2
.
Fluxo e Circulação por Integral Dupla
Suponhamos que o campo bidimensional F(r, j) = 1(r, j) i + ' (r, j) j representa o campo de
velocidades de um ‡uido, e que desejamos medir a quantidade de ‡uido que atravessa a curva ¸, na
unidade de tempo. Observando a Figura 5.27, vemos que a quantidade de ‡uido (‡uxo) que atravessa
a porção d:, na direção da normal, é medida pela área do retângulo de base d: e altura F « n, onde
n = Tk é a normal unitária exterior à curva ¸.
Figura 5.27: Fluxo do campo F.
O ‡uxo total do campo F através de ¸, na direção n, é, portanto,
_
¸
(F « n)d:. (5.25)
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 219
A integral (5.25) denomina-se a integral do ‡uxo do campo F ao longo de ¸. Considerando que
Td: = (dr) i + (dj) j + (d.) k, obtemos
n = Tk =
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
i j k
dr dj d.
0 0 1
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
= (dj) i ÷(dr) j
e, dessa forma, obtemos a seguinte regra para o cálculo do ‡uxo do campo F:
_
¸
(F « n)d: =
_
¸
(1i +'j) « [(dj) i ÷(dr) j] d: =
_
¸
1dj ÷'dr. (5.26)
Quando a curva ¸ for fechada, a integral
_
¸
(F « T)d: =
_
¸
1dr +'dj (5.27)
denominar–se-á circulação do campo F ao longo de ¸. Além disso, o trabalho total realizado por um
campo de forças F, para deslocar uma partícula ao longo de ¸, do ponto ¹ até o ponto 1, é dado por
\ =
_
1
¹
(F « T)d:.
Exemplo 5.61 Calcular a circulação e o ‡uxo do campo F = ÷ji + rj, através da circunferência
¸ : r
2
+j
2
= 1.
Solução A circulação do campo F é dada pela integral (5.27) e temos
_
¸
(F « T)d: =
_
¸
(÷jdr +rdj) =
_

0
[(÷sent) (÷sent) + (cos t) (cos t)] dt
=
_

0
_
(cos t)
2
+ (sent)
2
_
dt = 2¬.
Por outro lado, o ‡uxo do campo F é dado por (5.26) e temos
_
¸
(F « n)d: = ÷
_
¸
rdr +jdj = ÷
_

0
[(cos t) (÷sent) + (sent) (cos t)] dt = 0.
Se o campo bidimensional F = 1(r, j) i +' (r, j) j é de classe C
1
, em uma região 1, delimitada
por uma curva simples, fechada e regular ¸, podemos expressar, via Teorema de Green, o ‡uxo e a
circulação de F por uma integral dupla. Para o ‡uxo temos por (5.26)
_
¸
(F « n)d: =
_
¸
1dj ÷'dr = (usar Green) =
__
1
('
a
+1
j
) drdj =
__
1
div (F) drdj.
A fórmula
_
¸
(F « n)d: =
__
1
(div F)drdj (5.28)
é conhecida como Fórmula da Divergência ou Fórmula de Gauss em R
2
. Por outro lado, temos
rot(F) « k = (\F) « k =
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
0 0 1
0
a
0
j
0
:
1 ' 0
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
= '
a
÷1
j
220 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
e, portanto, a circulação do campo F se expressa por
_
¸
(F « T) d: =
_
¸
1dr +'dj = (usar Green) =
__
1
('
a
÷1
j
) drdj =
__
1
[rot(F) « k] drdj.
A seguinte formulação vetorial do Teorema de Green
_
¸
(F « T)d: =
__
1
(rot(F) « k)drdj (5.29)
é conhecida por Fórmula de Stokes em R
2
.
Exemplo 5.62 Calcular, por integral dupla, o ‡uxo e a circulação do campo F = (r÷j)i+rj, através
da circunferência r
2
+j
2
= 1.
Solução Usando as formulações vetoriais do Teorema de Green, com 1 a região delimitada pela
circunferência r
2
+j
2
= 1, obtemos
‡uxo
_
¸
(F « n)d: =
__
1
(div F)drdj =
__
1
drdj = ¬
circulação
_
¸
(F « T)d: =
__
1
[rot(F) « k] drdj =
__
1
2drdj = 2¬.
Exemplo 5.63 Calcular o ‡uxo e a circulação do campo F = (rj)i + 4jj, através da fronteira da
região trinagular 1, de vértices O(0, 0) , ¹(2, 2) e 1(0, 2) .
Solução Na Figura 5.28 ilustramos a região 1 que será interpretada, para efeito de integral dupla,
como uma região vertical simples.
Figura 5.28: Região triangular do Exemplo 5.63.
Temos que div F = j + 4 e para o ‡uxo encontramos
_
01
(F « n)d: =
__
1
(div F)d¹ =
__
1
(j + 4) d¹ =
=
_
2
0
_
2
a
(j + 4) djdr =
_
2
0
_
4j +
1
2
j
2
¸
2
a
dr
=
_
2
0
_
10 ÷4r ÷
1
2
r
2
_
dr = 32,3.
Por outro lado, rot(F) « k = ÷r e a circulação do campo F é
_
01
(F « T)d: =
__
1
[rot(F) « k] d¹ =
__
1
(÷r) d¹
= ÷
_
2
0
_
2
a
rdjdr = ÷
_
2
0
_
2r ÷r
2
_
dr = ÷4,3.
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 221
Identidades de Green
Para obter as Identidades de Green, usaremos a fórmula da divergência com uma escolha adequada
para o campo vetorial F. Seja 1 uma região compacta do R
2
, delimitada por uma curva simples,
fechada e parcialmente regular, onde estão de…nidos dois campos escalares n e ·, com derivadas
parciais de 2
a
ordem contínuas em 1 (esta classe de diferenciabilidade torna possível a aplicabilidade do
Teorema de Green). Se na Fórmula da Divergência (5.28) …zermos F = ·\n, e usarmos a propriedade
div (·\n) = ·n +\n « \·, obteremos
__
1
(·n) drdj +
__
1
(\n « \·) drdj =
_
01
·
0n
0n
d:, (5.30)
conhecida como 1
a
Identidade de Green.
Se na identidade (5.30) permutarmos n com · e subtrairmos os resultados, chegaremos à 2
a
Iden-
tidade de Green
__
1
(·n ÷n·) drdj =
_
01

0n
0n
÷n

0n
)d:. (5.31)
As identidades (5.30) e (5.31) aparecem com frequência no estudo do comportamento na fronteira
01, de soluções de certas equações diferenciais que modelam fenômenos físicos.
Exercícios & Complementos
1. Calcule as seguintes integrais de linha:
(a)
_
¸
(senr + 4rj) dr +
_
2r
2
÷cos j
_
dj, ¸ é qualquer curva regular fechada simples.
(b)
_
¸
_
r
2
+j
2
dr+j ln(r+
_
r
2
+j
2
)dj, ¸ é qualquer curva regular fechada simples, que não
envolve a origem.
(c)
_
¸
2dr +
_
r
2
÷j tanj
_
dj, ¸ é o círculo (r ÷1)
2
+j
2
= 1.
(d)
_
¸
1(r) dr +' (j) dj, ¸ é um círculo de raio r e 1(r) e ' (j) são funções contínuas, com
derivadas parciais de primeira ordem contínuas na região delimitada pela curva ¸.
(e)
_
¸
exp(r) senjdr + exp(r) cos jdj, ¸ é a elipse 3r
2
+ 8j
2
= 24.
(f)
_
¸
r
2
dr +rjdj. ¸ é a cardioide r = 1 + cos 0, 0 _ 0 _ 2¬.
2. Sejam 1 o anel descrito por 1 _ r
2
+j
2
_ 4 e 1(r, j) e ' (r, j) funções contínuas, com derivadas
parciais de primeira ordem contínuas em 1, tais que 1
j
= '
a
na região 1. Quantos valores são
possíveis para a integral de linha
_
¸
1dr +'dj,
sendo ¸ uma curva regular por partes, fechada, simples e contida em 1? Este resultado pode
ser ilustrado com campo vetorial Faraday
16
F(r, j) =
÷ji +rj
r
2
+j
2
.
16
Michael Faraday (1791-1867), físico e químico inglês.
222 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
3. Sejam ¸ uma curva regular fechada simples, orientada, que não passa por (0, 0), e ) (r, j) =
ln
_
r
2
+j
2
_
. Mostre que se n é o vetor normal unitário exterior à curva ¸, então a integral de
linha
_
¸
(\) « n)d:
assume apenas os valores 0 e 4¬, caso a curva ¸ envolva ou não a origem.
4. Seja ) : 1 _ R
2
÷R uma função contínua, com derivadas parciais de segunda ordem contínuas
tal que ) = 0 em 1. Mostre que
_
01
)
j
dr ÷)
a
dj = 0.
5. Com as hipóteses do exercício precedente, mostre que
_
01
()
a
dj ÷)
j
dr) q =
__
1
(q
a
)
a
+q
j
)
j
) drdj,
para qualquer função q : 1 _ R
2
÷R, com derivadas parciais de 1
a
ordem contínuas em 1.
6. Seja ¸ uma curva orientada, simples, fechada e regular que delimita uma região 1 _ R
2
. Se
n = :
1
i +:
2
j representa o vetor normal unitário exterior à curva ¸, mostre que
_
¸
:
1
(r, j) d: =
_
¸
:
2
(r, j) d: = 0.
7. Se ) : 1 _ R
2
÷R
2
tem derivadas parciais de 1
a
ordem contínuas em 1, mostre que
__
1
0)
0r
drdj =
_
01
):
1
d:,
com n = :
1
i +:
2
j, o vetor normal unitário exterior à fronteira 01.
Respostas & Sugestões
Seção 5.2 Campos Vetoriais
1. (a) 2rj.
3
i +r
2
.
3
j +3r
2
j.
2
k, (b) ÷2j +., (c) 2r
2
i +(r÷4rj)j, (d) 3r
2
j.
4
÷3r
2
j
2
.
3
+6r
4
j
2
.
2
,
(e) (4r
4
j.
3
+ 3r
2
j
3
.
2
)i + (4r
3
j.
3
÷8r
3
j
2
.
3
)j ÷(2rj
3
.
3
+r
3
.
4
)k.
2. Siga as etapas do Exemplo 5.8 para encontrar o potencial.
(a) ,(r, j) =
1
2
_
r
2
+j
2
_
+1.
(b) ,(r, j) = r
3
j +1.
(c) ,(r, j) = r
2
exp(j) +rj ÷j
2
+1.
(d) ,(r, j, .) =
1
2
_
r
2
+j
2
+.
2
_
+1.
(e) ,(r, j) = rj
2
÷
3
2
r
2
+ senj +1.
(f) não.
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 223
(g) não.
(h) não.
(i) não.
(j) não.
(k) ,(r, j, .) = r
2
+
3
2
j
2
+ 2.
2
+1.
(l) ,(r, j, .) = rj +r. +j. +1.
(m) ,(r, j, .) = r
2
j. +1
(n) ,(r, j, .) = rj sen. +1
3. Consequência direta das regras de derivação.
4. Se existisse um tal campo G, então div (F) = div (rot G) = 0.
5. Calcule rot (G÷G
0
) e conclua que G÷G
0
é conservativo.
6. É imediato veri…car que div F = 0. Os campos potenciais G são determinados com base no
Exercício 5.
(a) Como 1 = 2r, ' = j e · = ÷3. temos que
F OP = 4tj.i ÷5tr.j +trjk
e, portanto
G = (4j.i ÷5r.j +rjk)
_
1
0
t
2
dt =
1
3
(4j.i ÷5r.j +rjk).
Se considerarmos G
0
= j.i ÷2r.j e
grad, = G÷G
0
=
1
3
(j.i +r.j +rjk),
teremos
,
a
=
1
3
j., ,
j
=
1
3
r. e ,
:
=
1
3
rj
e, portanto, ,(r, j, .) =
1
3
rj. +/, / constante.
(b) G = r
2
j + (r. +j
2
)k + grad,. Neste caso, G
0
« i = 0.
(c) G = rj + (j ÷r)k + grad,.
(d) G = (j
2
÷2r.)k + grad,.
(e) G = (exp(r) ÷rexp(j))j + grad,.
(f) G = 3r
2
j + (2j
3
÷6r.)k + grad,.
(g) G = ÷r(r +j
2
)j + (r
3
+j
3
)k + grad,.
(h) Temos 1 = ÷
j
r
2
+j
2
, ' =
r
r
2
+j
2
e · = 0 e, portanto,
F OP =
tr.
r
2
+j
2
i +
tj.
r
2
+j
2
j ÷tk,
obtemos
G =
_
r.
r
2
+j
2
i +
j.
r
2
+j
2
j ÷k
__
1
0
t
2
dt =
1
3
_
r.
r
2
+j
2
i +
j.
r
2
+j
2
j ÷k
_
.
224 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Seção 5.3 Caminhos Regulares
1. No item (f) se considerarmos r = cos t, j = sent e . = t, obteremos r
2
+ j
2
= 1, . = t e,
portanto, o grá…co da curva ¸ é uma hélice circular.
2. A coordenada j (t) da curva ¸ é dada por: j (0) = 0 e para 0 < t _ 1 temos j(t) = t
2
sen(1,t),
com derivada j
t
(t) dada por: j
t
(0) = 0 e
j
t
(t) = 2t sen(1,t) +t
2
cos (1,t)
_
÷1,t
2
_
= 2t sen(1,t) ÷cos (1,t) , t ¸ (0, 1],
Se considerarmos t
a
= 1,:¬, com : ¸ N, teremos t
a
÷ 0 e, contudo, j
t
(t
a
) = (÷1)
a
não tem
limite, com : ÷·. Assim, j
t
(t) é descontínua em t = 0. Portanto, a curva r (t) não é regular.
3. Pondo r = t e j = t
2
, obtemos j = r
2
. Logo, o grá…co da curva ¸
1
é um arco de parábola. As
curvas ¸
1
e ¸
2
possuem o mesmo traço, com orientações opostas, pois a mudança de parâmetro
c(t) = 3 ÷t tem derivada negativa c
t
(t) = ÷1.
4. Vamos provar apenas o item (a).
(a) Como r (t) = ti + 2tj + t
2
k e 1 = r(1) = (1, 2, 1), o vetor velocidade nesse ponto é
r
t
(1) = i + 2j + 2k, e a reta tangente à curva ¸ no ponto 1 é dada por
r = 1 +:, j = 2 + 2:, . = 1 + 2:, : ¸ R.
O plano normal à curva ¸ no ponto 1 é dado por
PX« r
t
(1) = 0 =r + 2j + 2. = 8.
(b)
¸
¸
¸
¸
¸
reta tangente: r = ÷4:, j = 1, . = ¬,8 +:, : ¸ R,
plano normal: ÷4r +. = ¬,8.
(c)
¸
¸
¸
¸
¸
reta tangente: r = c
3
(1 + 3:) , j = c
÷3
(1 ÷3:) , . = 3
_
2 (1 +:) , : ¸ R,
plano normal: rc
3
÷jc
÷3
+
_
2. = c
6
÷c
÷6
+ 6.
(d)
¸
¸
¸
¸
¸
reta tangente: r = 1 +:, j = 1 + 3:, . = 1 + 4:, : ¸ R,
plano normal: r + 3j + 4. = 8.
(e)
¸
¸
¸
¸
¸
reta tangente: r = ¬,2 + 2:, j = 5, . = 1 ÷3:, : ¸ R,
plano normal: 2r ÷3. = ¬ ÷3.
5. Como
r (t) =
2ti
1 +t
2
+
(1 ÷t
2
)j
1 +t
2
+k e r
t
(t) =
2(1 ÷t
2
)i
(1 +t
2
)
2
+
÷4tj
(1 +t
2
)
2
,
temos que
[r (t)[ =
_
2,
¸
¸
r
t
(t)
¸
¸
=
2
1 +t
2
e r (t) « r
t
(t) = 0
e, portanto,
cos 0 =
r (t) « r
t
(t)
[r (t)[ [r
t
(t)[
= 0,
mostrando que o ângulo entre os vetores r (t) e r
t
(t) é constante, isto é, não depende de t.
6. Em cada caso, /, /
1
e /
2
representam constantes e exibiremos alguns detalhes para o item (e).
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 225
(a) j = /r.
(b) j = /
1
r e . = /
2
r.
(c) j = /r,a +/
1
e . = cr,a +/
2
.
(d) . ÷r = r. e r + 2j
2
= 8rj
2
.
(e) De acordo com (5.11), as curvas integrais do campo F = 1i +'j +·k são as soluções do
sistema
dr
1
=
dj
'
=
d.
·
e manipulações com essas equações nos levam à relação
dr +dj +d. =
1
3
(1 +' +·)
_
dr
1
+
dj
'
+
d.
·
_
.
Como 1 +' +· = 0, resulta
dr +dj +d. = 0 =r +j +. = /
1
.
Ainda de (5.11), obtemos
rdr
r1
=
jdj
j'
=
.d.

=rdr +jdj +.d. = 0 =r
2
+j
2
+.
2
= /
2
,
com /
2
0. Portanto, as curvas integrais de F são as circunferências
_
r +j +. = /
1
r
2
+j
2
+.
2
= /
2
, /
2
0,
.
resultante do corte das esferas r
2
+j
2
+.
2
= /
2
pelos planos r +j +. = /
1
.
Seção 5.4 Calculando Integral de Linha
1. Como
r = cos t, j = sent e . = t, t ¸ [0, 2¬],
temos que
: =
_

0
_
r
t
(t)
2
+j
t
(t)
2
+.
t
(t)
2
dt =
_
2
_

0
dt = 2
_
2¬.
2. (a) ÷
15
2
, (b) 0, (c) log
_
4
9
_
÷ 2, (d)
¬
4
, (e)
_
2
3
, (f) 2¬, (g)
1
2
, (h) 0, (i)
4
3
, (j) ÷
¬
2
, (k) 4¬(c ÷ /),
(l) 0, (m) ÷
9
20
, (n) 19.
3. (a)
243¬
4
, (b)
40
3
, (c)
5
6
, (d)
137
10
, (e) 13.
4. 0.
5. 1/4
6. 1/3
7. Segue diretamente da relação F « dr = (F « T) d: = [F[ cos 0d:.
226 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
8. Sejam r
1
(t), t ¸ [a, /] e r
2
(n), n ¸ [¸, d] as representações paramétricas de ¸
1
e ¸
2
, respectiva-
mente. Existe uma bijeção , : [a, /] ÷[¸, d], n = ,(t), com derivada contínua e de mesmo sinal
em [a, /], tal que
r
1
(t) = r
2
(,(t)), t ¸ [a, /].
Se F é um campo vetorial contínuo na região contendo as curvas ¸
1
e ¸
2
, então
_
¸
F(r) « dr
1
=
_
b
o
F(r
1
(t)) « r
t
1
(t)dt
e como n = ,(t) e r
1
(t) = r
2
(n), temos que dn = ,
t
(t)dt e
r
t
1
(t) =
dr
1
dt
=
dr
2
dn
,
t
(t) = r
t
2
(n),
t
(t).
Logo,
_
b
o
F(r
1
(t)) « r
t
1
(t)dt = ±
_
¸
F(r
2
(n)) « (r
t
2
(n)),
t
(t)dt = ±
_
¸
F(r
2
(n)) « r
t
2
(n)dn.
pois ,
t
(t) 0 ou ,
t
(t) < 0.
Seção 5.5 Independência do Caminho
1. Como ilustração, vamos exibir as soluções para os itens (a) e (i).
(a) Temos 1 = senj ÷j senr +r e ' = cos r +rcos j +j, de modo que
'
a
= ÷senr + cos j = 1
j
e a forma diferencial é exata. O potencial é solução do sistema
,
a
= senj ÷j senr +r (I) e ,
j
= cos r +rcos j +j. (II)
Integrando (I) parcialmente em relação a r, obtemos
,(r, j) = rsenj +j cos r +
1
2
r
2
+/(j).
Derivando a última equação em relação a j e comparando com (II), vem
,
j
= rcos j + cos r +/
j
= cos r +rcos j +j.
Logo, /
j
= j, ou seja, / =
1
2
j
2
. Assim,
,(r, j) = rsenj +j cos r +
1
2
(r
2
+j
2
) +/.
(b) ,(r, j) = rsenrj +/.
(c) ,(r, j, .) = (r ÷j) . +
1
2
_
r
2
÷j
2
_
+/.
(d) não.
(e) não.
(f) não.
CAPÍTULO 5 INTEGRAL DE LINHA 227
(g) ,(r, j, .) = j
2
senr +r.
3
÷4j + 2. +/.
(h) ,(r, j, .) = r + 2r
2
j ÷r
3
.
2
+ 2j ÷.
3
+/.
(i) O campo F = (c
a
sen. + 2j.) i + (2r. + 2j) j +
_
c
a
cos . + 2rj + 3.
2
_
k é de classe C
1
no
domínio estrelado R
3
e um cálculo direto nos dá
rot F = (2r ÷2r) i + (c
a
cos . + 2j ÷(c
a
cos . + 2j)) j + (2. ÷2.) k = 0
e, portanto, F é um campo conservativo. Como
F(tr, tj, t.) =
_
c
ta
sen(t.) + 2t
2
j.
_
i +
_
2t
2
r. + 2tj
_
j
+
_
c
ta
cos(t.) + 2t
2
rj + 3t
2
.
2
_
k,
temos que
F(tr, tj, t.) « r(r, j, .) = r
_
c
ta
sen(t.) + 2t
2
j.
¸
+j
_
2t
2
r. + 2tj
_
+.
_
c
ta
cos(t.) + 2t
2
rj + 3t
2
.
2
¸
e o potencial ,(r, j, .) é
,(r, j, .) =
_
1
0
r
_
c
ta
sen(t.) + 2t
2
j.
_
+j
_
2t
2
r. + 2tj
_
+.
_
c
ta
cos(t.) + 2t
2
rj + 3t
2
.
2
_
dt +/
= c
a
sen. + 2rj. +j
2
+.
3
+/,
sendo / constante.
2. 2c

÷5c
¬
÷5¬ ÷
3
10
.
3. Calcule div(rot F).
4. Em qualquer região contida em 1 = ¦(r, j) ¸ R
2
: a _ rj _ /¦.
Seção 5.6 Teorema de Green
1. (a) 0, (b) 0, (c) 2¬, (d) 0, (e) 0, (f) 0.
2. Veja o Exemplo 5.57.
3. Inteiramente análogo ao Exercício 2.
4. Como 1 = )
j
e ' = ÷)
a
temos, pelo Teorema de Green, que
_
01
)
j
dr ÷)
a
dj =
__
1
(÷)
aa
÷)
jj
) drdj = ÷
__
1
)drdj = 0.
5. Aplicando o Teorema de Green, com 1 = ÷q)
j
e ' = q)
a
, resulta
_
01
()
a
dj ÷)
j
dr) q =
__
1
[0
a
(q)
a
) +0
j
(q)
j
)] drdj.
228 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Observando que
0
a
(q)
a
) = q
a
)
a
+q)
aa
e 0
j
(q)
j
) = q
j
)
j
+q)
jj
,
obtemos
0
a
(q)
a
) +0
j
(q)
j
) = q
a
)
a
+q
j
)
j
+q ()
aa
+)
jj
) = q
a
)
a
+q
j
)
j
e, portanto,
_
01
()
a
dj ÷)
j
dr) q =
__
1
(q
a
)
a
+q
j
)
j
) drdj.
6. O campo vetorial F = i tem componentes 1 = 1, ' = 0 e div F = 0. Da fórmula da divergência
(5.28), obtemos
_
¸
:
1
(r, j)d: =
_
¸
(F « n)d: =
__
1
(div F)drdj = 0,
onde a região 1 é delimitada por ¸. Procedendo de forma similar com o campo F = j, obtemos
_
¸
:
2
(r, j)d: =
_
¸
(F « n)d: =
__
1
(div F)drdj = 0.
7. Considerando o campo vetorial F = ) (r, j) i, obtemos 1 = ) (r, j), ' = 0 e div F = )
a
. Assim,
pela fórmula vetorial do Teorema de Green, obtemos
_
01
:
1
)(r, j)d: =
_
01
(F « n)d: =
__
1
(div F)drdj =
__
1
)
a
drdj.
Não sendo possível utilizar um instrumento adequado de medição, para conhecermos a área de
uma superfície qualquer seria necessário nos deslocar sobre todos os pontos da superfície e, então,
aferir a extensão percorrida. Em muitos casos, deslocar-se de um ponto a outro pode constituir tarefa
praticamente impossível de ser realizada, em razão da inexistência de meios de locomoção ou em
virtude de um consumo excessivo de tempo e recursos, como seria o caso de avaliarmos a área de uma
região montanhosa.
A integral de superfície é uma excelente ferramenta para resolver problemas relacionados ao cálculo
de áreas, quando métodos comuns de medição não puderem ser aplicados. Nesta direção, determinare-
mos a área de uma superfície dada pelo grá…co de uma função de duas variáveis . = )(r, j), contínua
em uma região compacta.
Os fundamentos teóricos que iremos desenvolver neste capítulo, mesmo que em nível elementar,
formarão o alicerce para as aplicações à Física e às Engenharias, tais como escoamento de ‡uidos,
projetos de cabos de transmissão subaquáticos e cálculo do trabalho necessário para colocar um satélite
em órbita.
6.1 Superfícies Regulares
Antes de abordarmos área e integral de superfície propriamente ditas, discutiremos as várias formas
como as superfícies do R
3
são descritas por meio de equações matemáticas. Recordemos que nos capí-
tulos precedentes vimos duas maneiras de descrever uma superfície, usando coordenadas cartesianas.
Forma Cartesiana Explícita
Neste caso a superfície é descrita como o conjunto dos pontos (r, j, .) do R
3
satisfazendo a uma
equação da forma
1 (r, j, .) = 0. (6.1)
Forma Cartesiana Implícita
A superfície se identi…ca com o grá…co de uma função de duas variáveis e, neste caso, ela é descrita
por uma equação da forma
. = ) (r, j) ou j = q (r, .) ou r = /(j, .) . (6.2)
Isto ocorre quando, por exemplo, a equação 1 (r, j, .) = 0 puder ser resolvida para explicitar uma
variável como função das outras duas. Vejamos o caso da esfera r
2
+ j
2
+ .
2
÷ 1 = 0, de centro na
origem e raio 1. Quando esta equação é resolvida para . em função de r e j, obtemos duas respostas:
. =
_
1 ÷r
2
÷j
2
(forma explícita do hemisfério superior)
. = ÷
_
1 ÷r
2
÷j
2
(forma explícita do hemisfério inferior)
Forma Paramétrica
230 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
A terceira forma de descrever uma superfície, mais precisa e útil no estudo de integrais de superfí-
cies, é a forma parametrizada em que as coordenadas r, j e . dos pontos da superfície são expressas
como funções de dois parâmetros, digamos n e · :
r = r(n, ·) , j = j (n, ·) , . = . (n, ·) . (6.3)
Observação 6.1 Se a superfície o se apresenta sob a forma explícita, por exemplo, . = ) (r, j), com
(r, j) variando em uma região 1 do plano rj, para descrevê-la na forma implícita basta considerarmos
1 (r, j, .) = ) (r, j)÷. e, neste caso, ela é a superfície de nível 1 (r, j, .) = 0. Na forma paramétrica,
ela é descrita pelas equações
r(n, ·) = n, j (n, ·) = · e . (n, ·) = ) (n, ·) , (n, ·) ¸ 1.
De…nição 6.2 Dada uma função r : 1 ¸ R
2
÷R
3
de…nida em um subconjunto 1 ¸ R
2
, o conjunto
r (1) , imagem do conjunto 1 pela função r, é denominado superfície parametrizada, com represen-
tação paramétrica
r (n, ·) = (r, j, .) = r(n, ·) i +j (n, ·) j +. (n, ·) k, (n, ·) ¸ 1. (6.4)
As noções de limite, continuidade, diferenciabilidade, etc. da função vetorial r (n, ·) são introduzi-
das a partir das coordenadas (funções escalares) r(n, ·), j (n, ·) e . (n, ·). Por exemplo, r (n, ·) é
contínua (resp. diferenciável) se, e somente se, r(n, ·), j (n, ·) e . (n, ·) são contínuas (resp. diferen-
ciáveis). Observamos que, embora uma superfície o seja um objeto (conjunto de pontos) do espaço
R
3
, apenas dois parâmetros n e · são necessários para descrevê-la completamente. Por exemplo, se
r(n, ·) = ni +·j +
_
1 ÷n
2
÷·
2
k,
então r transforma o disco unitário 1 : n
2
+ ·
2
_ 1, do plano n·, no hemisfério superior da esfera
unitária
o = r(1) = ¦(n, ·, .) ¸ R
3
: . =
_
1 ÷n
2
÷·
2
¦.
Esta parametrização é bijetora, mas não é diferenciável em 1, porque as derivadas parciais r
&
e r
·
não existem na fronteira de 1. Na Figura 6.1 ilustramos a parametrização de uma superfície o.
Figura 6.1: Superfície parametrizada.
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 231
Consideremos uma superfície o, com representação paramétrica (6.4), e suponhamos que o seja
diferenciável no ponto (n
0
, ·
0
) ¸ 1. A porção da reta n = n
0
, do plano n·, que jaz na região 1, é
transformada em uma curva ¸
&
0
, contida em o, de…nida em um intervalo 1 de centro n
0
e descrita por
¸
&
0
(·) = r (n
0
, ·) , · ¸ 1.
Se o vetor r
·
(n
0
, ·
0
) = r
·
(n
0
, ·
0
) i +j
·
(n
0
, ·
0
) j +.
·
(n
0
, ·
0
) k é não nulo, então ele é tangente à curva
¸
&
0
no ponto r (n
0
, ·
0
), como ilustrado na Figura 6.2. De modo similar, …xado · = ·
0
, a curva ¸
·
0
: n ÷
r (n, ·
0
), n ¸ J, jaz na superfície o e, caso o vetor r
&
(n
0
, ·
0
) = r
&
(n
0
, ·
0
) i +j
&
(n
0
, ·
0
) j +.
&
(n
0
, ·
0
) k
seja não nulo, ele será tangente à curva ¸
·
0
, no ponto r (n
0
, ·
0
) .
Figura 6.2: Vetor Normal à superfície o.
Se os vetores r
&
(n
0
, ·
0
) e r
·
(n
0
, ·
0
) não são colineares, isto é, se o vetor N = r
&
(n
0
, ·
0
)r
·
(n
0
, ·
0
) é
não nulo, então N é normal (perpendicular) ao plano gerado pelos vetores r
&
(n
0
, ·
0
) e r
·
(n
0
, ·
0
) . Esse
plano é denominado plano tangente à superfície o no ponto ¹ = r (n
0
, ·
0
) . Neste caso, demonstra-se,
como consequência do Teorema da Função Implícita que, em uma vizinhança do ponto ¹, a superfície
o é o grá…co de uma função diferenciável de duas variáveis. O plano tangente no ponto ¹(r
0
, j
0
, .
0
)
é governado pela equação
N« AP = 0, (6.5)
onde 1 (r, j, .) é um ponto genérico do plano. Temos
N =
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
i j k
r
&
j
&
.
&
r
·
j
·
.
·
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
= (j
&
.
·
÷j
·
.
&
) i + (r
·
.
&
÷r
&
.
·
) j+(r
&
j
·
÷r
·
j
&
) k
e, em coordenadas, a equação (6.5) se reduz a
¹(r ÷r
0
) +1(j ÷j
0
) +C (. ÷.
0
) = 0,
sendo ¹ = j
&
.
·
÷j
·
.
&
, 1 = r
·
.
&
÷r
&
.
·
e C = r
&
j
·
÷r
·
j
&
as coordenadas do vetor normal N.
De…nição 6.3 Uma superfície o parametrizada por r : 1 ¸ R
2
÷R
3
é denominada regular ou suave
se as derivadas parciais r
&
e r
·
são contínuas em 1 e, além disso, o vetor normal N = r
&
r
·
é não
nulo em cada ponto de 1. Em cada ponto ¹ = r (n
0
, ·
0
) da superfície o o plano tangente está de…nido
e é governado pela equação (6.5). É comum se referir ao produto vetorial r
&
r
·
como produto vetorial
fundamental.
232 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Exemplo 6.4 Seja o a superfície descrita na forma explícita por . = ) (r, j) , (r, j) ¸ 1, com
) : 1 ¸ R
2
÷ R uma função de classe C
1
, isto é, com derivadas parciais contínuas em 1. A
superfície o pode ser parametrizada por
r (n, ·) = ni +·j +) (n, ·) k, (n, ·) ¸ 1,
de onde resulta
N = r
&
r
·
=
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
i j k
1 0 )
&
0 1 )
·
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
= ÷)
&
i ÷)
·
j +k ,= 0
e, portanto, o é regular. O plano tangente a o no ponto r (n
0
, ·
0
) = (r
0
, j
0
, .
0
) tem equação cartesiana
)
&
(n
0
, ·
0
) (r ÷r
0
) +)
·
(n
0
, ·
0
) (j ÷j
0
) ÷. +.
0
= 0.
Exemplo 6.5 (parametrizando o plano) Seja o o plano de equação ar+/j+c. = d e suponhamos
que o coe…ciente c seja não nulo. O plano o é descrito na forma explícita pela equação
. = ) (r, j) =
1
c
(d ÷ar ÷/j)
e, de acordo com o Exemplo 6.4, pode ser parametrizado por
r (n, ·) = ni +·j +
1
c
(d ÷an ÷/·) k, (n, ·) ¸ R
2
.
Neste caso, temos
r
&
r
·
= (a,c) i + (/,c) j +k ,= 0
e o plano é uma superfície regular.
Exemplo 6.6 (parametrizando o cilindro) Seja o o cilindro circular reto r
2
+j
2
= a
2
, de raio a
e altura /, ilustrado na Figura 6.3.
Figura 6.3: Parametrização do cilindro r
2
+j
2
= a
2
.
Se n representa o ângulo polar e · é a coordenada . do ponto 1 (r, j, .) do cilindro o, temos a
seguinte parametrização para o :
r (n, ·) = (a cos n) i + (a senn) j +·k, 0 _ n _ 2¬, 0 _ · _ /.
Um cálculo direto nos dá
N = r
&
r
·
= (a cos n) i+(a senn) j ,= 0,
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 233
e o cilindro é uma superfície regular. É comum usar as variáveis 0 e . no lugar de n e ·, respectiva-
mente, e, neste contexto, a parametrização se expressa sob a forma
r = a cos 0, j = a sen0, . = ., 0 _ 0 _ 2¬, 0 _ . _ /.
Exemplo 6.7 Seja o o cilindro de equação r
2
+j
2
÷2aj = 0, 0 _ . _ /, ilustrado na Figura 6.4, e
representemos por n = 0, o ângulo polar, e · = . a coordenada . de um ponto 1 (r, j, .) do cilindro
o. As coordenadas cilíndricas r, 0, . do ponto 1 (r, j, .) são r = r cos 0, j = r sen0 e . = . e nos
pontos do cilindro o temos que r = 2a sen0. Assim, obtemos a seguinte parametrização para o :
r = 2a sen0 cos 0, j = 2a sen
2
0, . = ., 0 _ 0 _ ¬, 0 _ . _ /.
Figura 6.4: Parametrização do cilindro r
2
+j
2
= 2aj.
Exemplo 6.8 (parametrizando a esfera) Com relação à esfera o : r
2
+j
2
+.
2
= a
2
, ilustrada na
Figura 6.5, consideremos como parâmetros os ângulos esféricos n = 0 e · = c. Dessa forma, obtemos
Figura 6.5: Parametrização da esfera.
a seguinte parametrização para a esfera o :
r = a cos 0 senc, j = a sen0 senc, . = a cos c, 0 _ 0 _ 2¬, 0 _ c _ ¬.
Exemplo 6.9 (parametrizando o cone) Seja o o cone . = ) (r, j) =
_
r
2
+j
2
, ilustrado na
Figura 6.6. Esta superfície pode ser representada na forma paramétrica por
r (n, ·) = ni +·j +
_
n
2

2
k, (n, ·) ¸ R
2
,
como obtido no Exemplo 6.4. Se n é o ângulo polar e · = ., o cone o pode ser parametrizado, também,
por
r (n, ·) = (· cos n) i + (· senn) j +·k, · _ 0, 0 _ n _ 2¬,
234 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
e, neste caso, temos que
r
&
r
·
=
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
i j k
÷· senn · cos n 0
cos n senn 1
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
= (· cos n) i + (· senn) j ÷·k.
Como o vetor r
&
r
·
é nulo no ponto (0, 0), concluímos que o cone não é regular em (0, 0, 0), embora
as coordenadas r(n, ·) , j (n, ·) e . (n, ·) sejam de classe C
1
em todo R
2
.
Figura 6.6: Parametrização do cone.
Observação 6.10 Uma superfície o : r = r (n, ·) , (n, ·) ¸ 1, é parcialmente regular, ou regular por
partes, se suas coordenadas r(n, ·) , j (n, ·) e . (n, ·) são contínuas em 1 e a superfície o é regular,
nas sub-regiões 1
1
, 1
2
, . . . , 1
a
, com 1 = 1
1
' ' 1
a
. Por exemplo, são parcialmente regulares a
superfície do cone do Exemplo 6.9 e a superfície do cubo delimitado pelos planos r = 0, r = 1, j =
0, j = 1, . = 0 e . = 1.
Exemplo 6.11 (parametrizando uma superfície de revolução) Suponhamos que a superfície o
seja gerada pela rotação, em torno do eixo ., da curva ¸ do plano r., parametrizada por
¸ : r = )(·), j = 0 e . = q(·), · ¸ [a, /].
Cada ponto 1 (r, j, .) da superfície o está a uma altura q (·) do plano rj e jaz em alguma circun-
ferência de centro no eixo . e raio ) (·), como ilustra a Figura 6.7. Se n representa o ângulo polar,
Figura 6.7: Superfície de revolução.
temos a seguinte parametrização para a superfície o :
r(n, ·) = ()(·) cos n)i + ()(·) senn)j +q(·)k, (n, ·) ¸ [0, 2¬] [a, /] ,
e, neste caso, temos
r
&
= (÷)(·) senn) i + ()(·) cos n) j e r
·
=
_
)
t
(·) cos n
_
i +
_
)
t
(·) senn
_
j +q
t
(·)k.
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 235
Assim, o produto vetorial fundamental r
&
r
·
é dado por
r
&
r
·
=
_
)(·)q
t
(·) cos n
¸
i +
_
)(·)q
t
(·) senn
¸
j ÷
_
)(·))
t
(·)
¸
k
e, além disso, os vetores r
&
e r
·
são ortogonais, isto é, r
&
« r
·
= 0. Isso indica que as curvas n = c
1
e
· = c
2
são ortogonais. As curvas n = c
1
são cópias de ¸, denominadas meridianos, e estão contidas
em planos que passam pelo eixo .; já as curvas · = c
2
são círculos, denominados paralelos, com
centros no eixo . e contidas em planos paralelos ao plano rj.
Exemplo 6.12 Suponhamos que a curva ¸, do plano r., seja dada em coordenadas cartesianas por
. = ) (r) , j = 0, a _ r _ /,
e seja o a superfície gerada pela rotação de ¸ em torno do eixo .. Parametrizando a curva ¸ por
r = ·, j = 0 e . = )(·), a _ · _ /,
segue, do Exemplo 6.11, que a superfície o é parametrizada por
r (n, ·) = (· cos n) i + (· senn) j +) (·) k, 0 _ n _ 2¬, a _ · _ /,
e o produto vetorial fundamental r
&
r
·
é dado por
r
&
r
·
=
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
i j k
÷· senn · cos n 0
cos n senn )
t
(·)
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
=
_
·)
t
(·) cos n
¸
i +
_
·)
t
(·) senn
¸
j ÷·k.
É claro que o cilindro, a esfera e o cone, dos exemplos precedentes, podem ser parametrizados
como superfícies de revolução. Como ilustração, vamos parametrizar um cone e um paraboloide como
superfícies de revolução.
Exemplo 6.13 Parametrizar a superfície do cone o gerado pela rotação, em torno do eixo ., da reta
¸ : . = 2r, j = 0, 0 _ r _ /,
Solução Se considerarmos no Exemplo 6.12, ) (r) = 2r, obteremos para o cone o a seguinte para-
metrização:
r(n, ·) = (· cos n)i + (· senn)j + 2·k, 0 _ n _ 2¬ e 0 _ · _ /,
e o produto vetorial fundamental r
&
r
·
é, neste caso,
r
&
r
·
= 2(· cos n)i + 2(· senn)j ÷·k.
Como r = · cos n, j = · senn e . = 2·, temos que a equação cartesiana de o é
4r
2
+ 4j
2
= .
2
.
Exemplo 6.14 Parametrizar o paraboloide o gerado pela rotação, em torno do eixo r, da parábola
¸ : . =
_
r, j = 0, 0 _ . _ /,
236 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Solução Inicialmente, vamos colocar a curva ¸ na forma padrão do Exemplo 6.12, já que o eixo de
rotação é o eixo r. Temos
¸ : r = ) (.) = .
2
, j = 0, 0 _ . _ /,
e a parametrização do paraboloide o é, portanto,
r(n, ·) = ·
2
i + (· senn) j + (· cos n)k, 0 _ n _ 2¬, 0 _ · _ /.
Como r = ·
2
, j = · senn e . = · cos n, deduzimos que a equação cartesiana de o é
j
2
+.
2
= r.
Exemplo 6.15 Determinar o plano tangente e a reta normal à esfera
o : r
2
+j
2
+.
2
= 25,
no ponto ¹(3, 4, 0).
Solução Consideremos, como no Exemplo 6.8, a seguinte parametrização para o :
r(0, c) = (5 cos 0 senc)i + (5 sen0 senc)j + (5 cos c)k, 0 _ 0 _ 2¬, 0 _ c _ ¬,
com produto vetorial fundamental dado por
N = r
0
r
ç
= ÷25
_
(cos 0 sen
2
c)i + (sen0 sen
2
c)j + cos csenck
¸
.
As coordenadas esféricas do ponto ¹(3, 4, 0) são j = 5 , 0 = arccos (3,5) e c = ¬,2, de modo que
AP = (r ÷3)i + (j ÷4)j +.k e N = r
0
r
ç
= ÷15i ÷20j = ÷5(3i + 4j),
sendo 1 (r, j, .) um ponto de o. O plano tangente é governado pela equação AP « N = 0 e em
coordenadas temos
3r + 4j ÷25 = 0.
Já a reta normal à superfície o passa no ponto ¹, é paralela ao vetor N e, portanto, é descrita por
AP = tN, isto é,
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
r = 3 ÷15t,
j = 4 ÷20t
. = 0,
com o parâmetro t variando em R.
6.1.1 Superfícies Orientadas
Consideremos uma superfície regular o, parametrizada por r : 1 _ R
2
÷R
3
. Orientar a superfície
o signi…ca …xar, sobre o, um campo : de vetores normais unitários, que varia continuamente sobre
a superfície o, sempre apontando para fora ou para dentro de o. Ao par (o, n) damos o nome de
superfície orientada. Quando a superfície o for fechada, isto é, quando o for a fronteira de uma região
sólida , adotaremos, como orientação positiva, aquela em que o campo de vetores normais aponta
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 237
Figura 6.8: Superfície orientada.
para fora de o. Se representarmos por ¸ a fronteira fechada da superfície orientada o, uma orientação
na superfície o induz, na curva ¸, uma orientação de modo que é possível escolher, em cada ponto
de ¸, um terno positivo ¦T, n, N¦ de vetores, em conformidade com a regra da mão direita, sendo T
tangente e N = Tn normal à curva ¸, como ilustramos na Figura 6.8.
No caso em que a superfície o é parcialmente regular, como ocorre com o cubo do Exemplo 6.16,
ilustrado na Figura 6.9, podemos orientá-la de modo que cada curva ¸, fronteira comum de duas
porções regulares o
1
e o
2
, tem orientações opostas em relação a cada uma dessas partes.
Figura 6.9: Orientação do cubo.
Exemplo 6.16 (uma superfície não orientável) Um exemplo clássico de uma superfície não ori-
entável é dado pela Faixa de Möbius
17
. Para construir uma tal superfície, recortamos de uma folha de
papel um retângulo (Figura 6.10(a)) de base e altura medindo, por exemplo, 20c: e 1c:, respectiva-
mente, e damos uma meia-volta, colando os lados de 1c:, como na Figura 6.10(b) e obtemos a Faixa
de Möbius da Figura 6.10(c). Um vetor deslizando sobre a faixa, a partir de determinado ponto 1,
terá seu sentido invertido, no outro lado da faixa, ao retornar ao ponto de partida. Prosseguindo com
o percurso, o vetor retornaria ao ponto inicial, sem, contudo, cruzar a borda da faixa. Isso sugere que
a Faixa de Möbius tem um só lado. Fogem ao objetivo deste texto detalhes sobre essa superfície, e em
um texto de Geometria Diferencial encontra-se, entre outras coisas, que ela é parametrizada por
r (t, 0) = (4 +t cos (0,2)) cos 0i + (4 +t cos (0,2)) sen0j +t sen(0,2) k, ÷1 _ t _ 1, 0 _ 0 _ 2¬.
17
August Ferdinand Möbius (1790-1868), matemático alemão.
238 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Figura 6.10: Construção de uma Faixa de Möbius.
Diremos que a superfície parametrizada
o
1
: r
1
(:, t) = r
1
(:, t)i +j
1
(:, t)j +.
1
(:, t)k, (:, t) ¸ 1
1
é equivalente à superfície parametrizada
o
2
: r
2
(n, ·) = r
2
(n, ·)i +j
2
(n, ·)j +.
2
(n, ·)k, (n, ·) ¸ 1
2
,
quando existir uma função bijetora , : 1
1
÷ 1
2
, ,(:, t) = n(:, t)i + ·(:, t)j, de 1
1
sobre 1
2
, com
derivadas parciais de primeira ordem contínuas, tal que
r
1
(:, t) = r
2
(,(:, t)), :, t ¸ 1
1
.
A função , recebe o nome de mudança de coordenadas ou mudança de parâmetros. Se este for o caso,
diremos que as superfícies o
1
e o
2
jazem na mesma classe de equivalência e teremos a seguinte relação
entre os produtos vetoriais fundamentais:
0r
1
0:

0r
1
0t
= J (,)
_
0r
2
0n

0r
2

_
,
onde J (,) é o Jacobiano
0(n, ·)
0(:, t)
. De fato, como r
1
(:, t) = r
2
(n, ·), n = n(:, t) e · = ·(:, t) temos,
pela Regra da Cadeia, que
0r
1
0:
=
0r
2
0n
0n
0:
+
0r
2


0:
e
0r
1
0t
=
0r
2
0n
0n
0t
+
0r
2


0t
e, sendo assim,
0r
1
0:

0r
1
0t
=
_
0r
2
0n
0n
0:
_

_
0r
2


0t
_
+
_
0r
2


0:
_

_
0r
2
0n
0n
0t
_
=
_
0r
2
0n

0r
2

_
0n
0:

0t
÷
_
0r
2
0n

0r
2

_
0n
0t

0:
=
_
0r
2
0n

0r
2

__
0n
0:

0t
÷
0n
0t

0:
_
=
_
0r
2
0n

0r
2

_
0(n, ·)
0(:, t)
.
Portanto, o
1
e o
2
possuem a mesma orientação, se J(,) 0, e orientações opostas, caso contrário.
Exemplo 6.17 O grá…co de uma função diferenciável . = ) (r, j) , (r, j) ¸ 1, é uma superfície o,
em que é sempre possível de…nir um campo de vetores normais e unitários n a o. Neste caso, uma
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 239
orientação para o é dada por (o, n) ou (o, ÷n). Quando o é de…nida implicitamente pela equação
1(r, j, .) = 0, sendo 1 diferenciável em um domínio _ R
3
e \1 ,= 0, consideramos
n =
\1
[\1[
.
Serão consideradas apenas superfícies regulares, exceto, possivelmente, em um número …nito de
pontos, que são imagens de funções ) : 1 ¸ R
2
÷R
3
, tais que:
« 1 é uma região compacta (limitada e fechada) do plano R
2
.
« o é uma superfície simples, isto é, ) é injetora, exceto, possivelmente, na fronteira da região 1. Na
forma parametrizada, r = r (n, ·) signi…ca que r(n
1
, ·
1
) ,= r(n
2
, ·
2
), para todos (n
1
, ·
1
), (n
2
, ·
2
) ¸
1, com (n
1
, ·
1
) ,= (n
2
, ·
2
). Por exemplo, a superfície o de uma esfera é uma superfície regular,
simples e fechada, cuja parametrização é dada no Exemplo 6.8.
Exercícios & Complementos.
1. Determine uma representação paramétrica para as seguintes superfícies:
(a) O plano rj.
(b) O plano . = r.
(c) O plano r +j +. = 1.
(d) O cilindro de revolução r
2
+.
2
= a
2
, com a 0.
(e) O paraboloide . = r
2
.
(f) O cilindro elítico j
2
+ 9.
2
= 9.
2. Determine uma representação cartesiana para as seguintes superfícies:
(a) O elipsoide r = (a cos ncos ·)i + (/ senncos ·)j +¸ sen·k.
(b) O paraboloide elítico r = (ancos ·)i + (/nsen·)j +n
2
k.
(c) O paraboloide hiperbólico r = (ancosh·)i + (/nsenh·)j +n
2
k.
(d) O hiperboloide r = (a senhncos ·)i + (/ senhnsen·)j +¸ coshnk.
3. Seja o o toro de revolução, gerado pela rotação do círculo (r ÷ a)
2
+ .
2
= /
2
, j = 0, com
0 < / < a, em torno do eixo .. Expresse a superfície o na forma paramétrica.
4. Em cada caso, determine o plano tangente e a reta normal à superfície, no ponto indicado.
(a) . = rj, em 1(1, 1, 1) (b) . = r
2
, em 1(2, 1, 4). (c) r
2
+j
2
= 8, em 1(2, 2, 3).
5. Seja o a esfera de raio 2, centrada na origem. Determinar o plano tangente a o, no ponto
¹(1, 1,
_
2), considerando a esfera como:
(a) Uma superfície parametrizada por
r (0, c) = (2 cos 0 senc) i + (2 sen0 senc) j + (2 cos c) k, 0 _ 0 _ 2¬, 0 _ c _ ¬.
240 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
(b) Uma superfície de nível da função 1 (r, j, .) = r
2
+j
2
+.
2
.
(c) O grá…co de ) (r, j) =
_
4 ÷r
2
÷j
2
.
6. Seja o a superfície parametrizada por
r (r, 0) = (r cos 0) i + (r sen0) j +0k, 0 _ 0 _ 2¬, 0 _ r _ 1.
(a) Esboce a superfície o.
(b) Encontre uma expressão para o vetor normal à superfície o.
(c) É a superfície o regular?
7. Seja o o hiperboloide r
2
+j
2
÷.
2
= 1.
(a) Encontre uma parametrização para o.
(b) Encontre um vetor normal à superfície o.
(c) Encontre o plano tangente à superfície o, no ponto ¹(a, /, 0) .
6.2 Área de uma Superfície
Usando a noção de integral dupla calculamos áreas de regiões planas, que são tipos particulares
de superfícies. O que temos em mente, agora, é estabelecer uma fórmula que nos permita calcular a
área de uma superfície do R
3
, não necessariamente plana, usando como ferramenta a integral dupla.
Seja o uma superfície do R
3
, descrita na forma cartesiana implícita pela equação 1 (r, j, .) = 0,
e representemos por 1 a projeção ortogonal de o sobre um plano ¬ que, em geral, é um dos planos
coordenados: rj, r. ou j.. Se representarmos por do a porção elementar (in…nitesimal) da superfície
o e por d¹ a área elementar (projeção de do no plano ¬), para obtermos uma relação entre do e d¹,
o primeiro passo é aproximar do pela porção do plano tangente a o, como ilustra a Figura 6.11.
Figura 6.11: Área elementar do - [u v[.
Se n
¬
é um vetor unitário, normal ao plano ¬, então os vetores PQ e n
¬
são paralelos, de modo que
u = w+PQ = w+`n
¬
e, portanto,
u v = (w+`n
¬
) v = wv +`(n
¬
v) . (6.6)
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 241
Como wv e n
¬
são paralelos e n
¬
v é ortogonal a n
¬
, segue de (6.6) que
(u v) « n
¬
= (wv) « n
¬
+`(n
¬
v) « n
¬
= [wv[ = d¹. (6.7)
e, por conseguinte,
[(u v) « n
¬
[ = [u v[ [cos 0[ = do [cos 0[ . (6.8)
Comparando (6.7) e (6.6), obtemos a seguinte expressão para o do:
do =

[cos 0[
=
[\1[ d¹
[\1 « n
¬
[
. (6.9)
A área da superfície o é obtida pela soma (integração) das áreas elementares do, isto é,
A
(o) =
__
S
do =
__
1
[\1[ d¹
[\1 « n
¬
[
.
Se, por exemplo, o plano ¬, onde projetamos a superfície o, é o plano rj, então n
¬
= k e [\1 « n
¬
[ =
[1
:
[ e, neste caso, teremos
A
(o) =
__
S
do =
__
1
[\1[ drdj
[1
:
[
.
Um caso particular interessante ocorre quando a superfície o é descrita, na forma explícita, pela
equação . = ) (r, j) , (r, j) ¸ 1, e o plano ¬ é o plano rj. Se esse for o caso, temos n
¬
= k e
consideramos 1 (r, j, .) = ) (r, j) ÷. para obtermos:
do =
_
1 +
_
0)
0r
_
2
+
_
0)
0j
_
2
drdj
e a área da superfície o é calculada pela fórmula
A
(o) =
__
S
do =
__
1
_
1 + ()
a
)
2
+ ()
j
)
2
drdj. (6.10)
Exemplo 6.18 Determinar a área da superfície o, delimitada pela elipse obtida por interseção do
plano . = 2r + 2j + 1 com o cilindro r
2
+j
2
= 1.
Solução A projeção de o sobre o plano rj é o disco 1 : r
2
+j
2
_ 1 e, como . = )(r, j) = 2r+2j+1,
resulta de (6.10) que
A
(o) =
__
1
_
1 + ()
a
)
2
+ ()
j
)
2
drdj =
__
1
_
1 + 2
2
+ 2
2
drdj
= 3
__
1
drdj = 3
A
(1) = 3¬.
Exemplo 6.19 (área de uma esfera) Como segunda ilustração, vamos calcular a área de uma es-
fera de raio 1. A superfície da esfera de raio 1, com centro na origem, é descrita pela equação
r
2
+j
2
+.
2
= 1
2
e a projeção de o no plano rj é o disco 1
aj
: r
2
+j
2
_ 1. A função 1 (r, j, .) que
…gura na fórmula (6.9) é dada por 1 (r, j, .) = r
2
+j
2
+.
2
÷1
2
, de modo que \1 = 2ri +2jj +2.k
e, portanto,
do =
[\1[
[1
:
[
drdj =
2
_
r
2
+j
2
+.
2
drdj
2 [.[
=
1drdj
[.[
.
242 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Em coordenadas polares (r, 0), temos .
2
= 1
2
÷r
2
e, considerando o hemisfério superior, obtemos
A
(o) =
__
1
xy
1drdj
[.[
= 21
_
¬
0
_
1
0
rdrd0
_
1
2
÷r
2
= 21
_
¬
0
_
1
0
rdrd0
_
1
2
÷r
2
= 4¬1
_
1
0
rdr
_
1
2
÷r
2
= 2¬1
_
1
2
0
dt
_
t
= (2¬1)
_
2
_
t
_
t=1
2
t=0
= 4¬1
2
.
Exemplo 6.20 (área de um cilindro) Área de um cilindro circular reto de raio a e altura /.
Solução Consideremos o cilindro circular reto, de raio a e altura /, da Figura 6.12, cuja equação
cartesiana é
1 (r, j, .) = r
2
+j
2
÷a
2
= 0, 0 _ . _ /.
Figura 6.12: Área do cilindro circular reto.
A projeção de o no plano r. é a região retangular 1
a:
: ÷a _ r _ a, 0 _ . _ /, e, portanto,
do =
[\1[
[\1 « j[
drd. =
adrd.
[j[
.
Logo,
A
(o) = 2
_
o
÷o
_
I
0
adrd.
_
a
2
÷r
2
= 2a/
_
o
÷o
dr
_
a
2
÷r
2
(fazer r = a cos 0)
= 2a/
_
¬
0
a sen0d0
_
a
2
(1 ÷cos
2
0)
= 2¬a/.
Exemplo 6.21 (área de um cone) Área de um cone circular reto de raio a e altura /.
Solução Na Figura 6.13 ilustramos um cone circular reto, de altura / e raio a, onde destacamos o
disco 1
aj
: r
2
+j
2
_ a
2
, projeção do cone no plano rj. Se c representa o ângulo entre a geratriz q e
o eixo ., então
tanc =
a
/
=
r
.
=
a
/
=
_
r
2
+j
2
.
e daí resulta que o cone é descrito, na forma cartesiana, pela equação
. =
/
a
_
r
2
+j
2
.
Assim,
do =
_
1 +.
2
a
+.
2
j
drdj =
1
a
_
a
2
+/
2
drdj
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 243
e, consequentemente,
A
(o) =
__
1
xy
1
a
_
a
2
+/
2
drdj =
1
a
_
a
2
+/
2
A
(1
aj
)
= ¬a
_
a
2
+/
2
= ¬aq.
Figura 6.13: Área do cone circular reto.
Exemplo 6.22 Calcular a área da porção do plano r + j + . = a, a 0, interna ao cilindro
j
2
+.
2
= a
2
.
Solução A superfície o é descrita por 1 (r, j, .) = r+j+. ÷a = 0 e o cilindro j
2
+.
2
= a
2
delimita
a porção a ser considerada. Estamos diante de uma situação em que é adequado projetar a superfície
no plano j.. A projeção no plano j. é o disco 1
j:
: j
2
+.
2
_ a
2
, r = 0, de modo que
A
(o) =
__
1
yz
[\1[ djd.
[\1 « i[
=
__
1
yz
_
3djd.
[1
a
[
=
_
3
__
1
yz
djd. =
_
3¹(1
j:
) = ¬a
2
_
3.
Exemplo 6.23 Calcular a área da porção do paraboloide . = 1 ÷ r
2
÷ j
2
, delimitada pelo cilindro
vazado 1 _ r
2
+j
2
_ 9, r _ 0, j _ 0.
Solução Inicialmente faça um esboço do grá…co para se familiarizar com a situação geométrica.
Temos que do =
_
1 + 4r
2
+ 4j
2
drdj e, usando coordenadas polares, encontramos:
A
(o) =
__
S
do =
__
1
xy
_
1 + 4r
2
+ 4j
2
drdj
=
_
¬¸2
0
_
3
1
_
1 + 4r
2
rdrd0 =
¬
2
_
37
5
_
t
_
1
8
dt
_
=
¬
24
_
37
_
37 ÷5
_
5
_
· 30.71.
Exemplo 6.24 Calcular a área da porção do cilindro j
2
+.
2
= 16, acima da região triangular
1
aj
: 0 _ r _ 2, 0 _ j _ 2 ÷r.
Solução Na Figura 6.14 destacamos a superfície o e sua projeção 1
aj
no plano rj. A superfície o
é descrita por . =
_
16 ÷j
2
, de modo que
do =
_
1 +.
2
a
+.
2
j
drdj =
4drdj
_
16 ÷j
2
.
244 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Assim, a área de o é dada por
A
(o) = 4
__
S
do =
__
1
xy
4drdj
_
16 ÷j
2
= 4
_
2
0
_
2÷j
0
drdj
_
16 ÷j
2
= 4
_
2
0
(2 ÷j) dj
_
16 ÷j
2
. (6.11)
Para calcular a integral do lado direito de (6.11), observamos que
4
_
2
0
(2 ÷j) dj
_
16 ÷j
2
= 4
_
_
2
0
2dj
_
16 ÷j
2
÷
_
2
0
jdj
_
16 ÷j
2
_
= 4
_
2
_
1¸2
0
dn
_
1 ÷n
2
÷
_
16
12
dn
2
_
n
_
= 8 [arcsen (1,2) ÷arcsen(0)] ÷4
_
_
16 ÷
_
12
_
= 4¬,3 + 8
_
3 ÷16.
Figura 6.14: Porção do cilindro j
2
+.
2
= 16.
Exemplo 6.25 Calcular a área da porção o do cone . =
_
r
2
+j
2
, interna ao cilindro r
2
+j
2
= 2r
e externa ao cilindro r
2
+j
2
= 1.
Solução Na Figura 6.15 ilustramos a superfície o e sua projeção no plano rj.
Figura 6.15: Parte do cone entre dois cilindros.
A superfície o é descrita pela equação . =
_
r
2
+j
2
, de modo que
do =
_
1 +.
2
a
+.
2
j
drdj =
_
2 drdj.
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 245
A projeção de o no plano rj é região 1 entre as circunferências r
2
+j
2
= 2r e r
2
+j
2
= 1. Usando
coordenadas polares no cálculo da integral dupla, obtemos
A
(o) =
_
2
__
1
xy
drdj =
_
2
_
¬¸3
÷¬¸3
_
2 cos 0
1
rdrd0
=
_
2
2
_
¬¸3
÷¬¸3
_
4 cos
2
0 ÷1
_
d0 = 2
_
2
_
¬¸3
÷¬¸3
cos
2
0d0 ÷
¬
_
2
3
=
_
2
_
¬¸3
÷¬¸3
(1 + cos 20) d0 ÷
¬
_
2
3
=
_
2 sen(2¬,3) +
¬
_
2
3
=
_
2
_
¬,3 +
_
3,2
_
.
6.2.1 Forma Parametrizada
Quando a superfície o é dada na forma parametrizada
r (n, ·) = r(n, ·) i +j (n, ·) j +. (n, ·) k, (n, ·) ¸ 1,
as retas n = ` e · = j particionam a região 1, do plano n·, em retângulos elementares de áreas
d¹ = dnd·, as curvas n ÷ r(n, j) e · ÷ r(`, ·), com n e · variando na região 1, são usadas para
particionar a superfície o em áreas elementares do, e cada do é aproximada pela porção correspondente
do plano tangente de área [a b[, sendo a = r
&
dn e b = r
·
d· vetores tangentes, como ilustrado na
Figura 6.16.
Figura 6.16: Área elementar do - [r
&
r
·
[dnd·.
Assim, a área elementar, na forma parametrizada, é
do = [r
&
r
·
[ dnd·
e, portanto, a área da superfície o é calculada pela fórmula
¹(o) =
__
1
uv
[r
&
r
·
[ dnd·. (6.12)
246 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Se representarmos por 0 o ângulo entre os vetores r
&
e r
·
, teremos
[r
&
r
·
[
2
= [r
&
[
2
[r
·
[
2
[sen0[
2
= [r
&
[
2
[r
·
[
2
_
1 ÷cos
2
0
_
= [r
&
[
2
[r
·
[
2
÷([r
&
[ [r
·
[ cos 0)
2
= [r
&
[
2
[r
·
[
2
÷(r
&
« r
·
)
2
e a fórmula (6.12) para o cálculo da área de o se escreve sob a forma
¹(o) =
__
1
uv
_
1G÷1
2
dnd·,
onde 1 = [r
&
[
2
, 1 = r
&
« r
·
e G = [r
·
[
2
.
Exemplo 6.26 (o do em coordenadas cilíndricas) Usando as coordenadas cilíndricas 0 e ., ob-
tivemos, no Exemplo 6.6, a seguinte parametrização para o cilindro r
2
+j
2
= a
2
:
r (0, .) = (a cos 0) i + (a sen0) j +.k, 0 _ 0 _ 2¬, 0 _ . _ /.
Neste caso, temos [r
0
r
:
[ = a e obtemos a expressão para o do em coordenadas cilíndricas
do = [r
0
r
:
[ d.d0 = ad.d0.
Para o cilindro r
2
+j
2
= 2aj, do Exemplo 6.7, a parametrização é
r (0, .) = (a sen20) i + 2a
_
sen
2
0
_
j +.k, 0 _ 0 _ ¬, 0 _ . _ /
e obtemos [r
0
r
:
[ = 2a. Neste caso, do = 2ad.d0.
Exemplo 6.27 Calcular a área da porção do cilindro o : r
2
+ .
2
= a
2
, delimitada pelo cilindro
j
2
= a (r +a) , a 0.
Solução O cálculo da área será apresentado de duas maneiras: a primeira usando o do em coorde-
nadas cartesianas e depois em coordenadas cilíndricas. Observemos a Figura 6.17, onde ilustramos a
porção superior da superfície o e sua projeção 1 no plano rj.
Figura 6.17: Área entre os cilindros do Exemplo 6.27
Em coordenadas cartesianas
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 247
Neste caso,
o : r
2
+.
2
= a
2
e do =
a drdj
[.[
e, portanto,
A
(o) = 2
__
1
a drdj
.
= 2a
__
1
drdj
_
a
2
÷r
2
= 2a
_
o
÷o
_
_
o
2
+oa
÷
_
o
2
+oa
drdj
_
a
2
÷r
2
= 4a
_
o
÷o
_
a
2
+ar dr
_
a
2
÷r
2
= 4a
3¸2
_
o
÷o
dr
_
a ÷r
= 8a
2
_
2.
Em coordenadas cilíndricas
Usando as coordenadas cilíndricas 0 e j, temos que do = ad0dj e a região 1 é descrita por
1 : 0 _ 0 _ 2¬, ÷a
_
1 + cos 0 _ j _ a
_
1 + cos 0.
Logo,
A
(o) =
_

0
_
o
_
1+cos 0
÷o
_
1+cos 0
adjd0 = 2a
2
_

0
_
1 + cos 0 d0
= 2a
2
_

0
[sen0[
_
1 ÷cos 0
d0 = 2a
2
__
¬
0
sen0
_
1 ÷cos 0
d0 ÷
_

¬
sen0
_
1 ÷cos 0
d0
_
= 4a
2
__
2
0
dt
_
t
_
= 4a
2
_
2
_
t
_
t=2
t=0
= 8a
2
_
2.
Exemplo 6.28 (o do em coordenadas esféricas) Usando os ângulos esféricos 0 e c, encontramos,
no Exemplo 6.8, a seguinte parametrização para a esfera de centro na origem e raio a :
r (0, c) = (a cos 0 senc) i + (a sen0 senc) j + (a cos c) k, 0 _ 0 _ 2¬, 0 _ c _ ¬.
O do em coordenadas esféricas é, portanto,
do = [r
0
r
ç
[ dcd0 = a
2
sencdcd0.
Exemplo 6.29 Vamos calcular a área da superfície do cone de revolução o gerado pela rotação, em
torno do eixo ., da reta . = r, j = 0, entre r = 0 e r = 1.
Solução Vimos, no Exemplo 6.9, que uma representação paramétrica para o é dada pela equação
vetorial
r(n, ·) = (· cos n)i + (· senn)j +·k, 0 _ n _ 2¬ e 0 _ · _ 1,
e, portanto,
r
&
= ÷(· senn)i + (· cos n)j e r
·
= cos ni + sennj +k,
de onde resulta que
r
&
r
·
= (· cos n)i + (· senn)j ÷·k.
Assim,
A
(o) =
__
1
[r
&
r
·
[ dnd· =
_

0
_
1
0
_

2
d·dn = ¬
_
2.
248 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Exemplo 6.30 (área de uma superfície de revolução) A superfície o, gerada pela rotação, em
torno do eixo ., da curva ¸ do plano r., dada por
¸ : . = ) (r) , r ¸ [a, /],
é descrita, na forma cartesiana, pela equação . = )(±
_
r
2
+j
2
) e, para parametrizá-la, designemos
por · a distância de um ponto 1 de o ao eixo de rotação . e por n o ângulo polar. Dessa forma, a
superfície o é descrita por
r(n, ·) = (· cos n)i + (· senn)j +)(·)k, (n, ·) ¸ [0, 2¬] [a, /] ,
e um cálculo simples nos dá
r
&
r
·
=
_
·)
t
(·) cos n
¸
i +
_
·)
t
(·) senn
¸
j ÷·k.
Assim,
do = [r
&
r
·
[ dnd· = ·
_
1 +)
t
(·)
2
dnd·
e a área de o é calculada pela fórmula
A
(o) =
_

0
_
b
o
·
_
1 +)
t
(·)
2
dnd· = 2¬
_
b
o
·
_
1 +)
t
(·)
2
d·. (6.13)
Se ¸ é o grá…co da função . = ) (r) , a _ r _ /, então a integral do lado direito de (6.13) nada mais
é do que a integral de linha, ao longo da curva ¸, do campo escalar ,(r, j, .) = r, e, portanto,
A
(o) = 2¬
_
¸
rd:. (6.14)
Exemplo 6.31 (a fórmula de Pappus) Suponhamos que a curva ¸, do exemplo precedente, repre-
senta um …o delgado uniforme, de massa ' e comprimento 1, com densidade linear constante o.
Observando que o = ',1, obtemos a partir de (6.14), que
A
(o) =

o
_
¸
ord: = 2¬
1
A
_
¸
ord: = 2¬1r,
sendo r a abscissa do centroide e 1 o comprimento de ¸. Representando por / a distância do centroide
de ¸ ao eixo de rotação, então / = r e obtemos a Fórmula de Pappus
A
(o) = 2¬1/.
Exercícios & Complementos.
1. Em cada caso, calcule a área da superfície o.
(a) o é uma esfera de raio j.
(b) o é a porção do plano r +j +. = a, com a 0, interna ao cilindro r
2
+j
2
= a
2
.
(c) o é a porção da esfera r
2
+j
2
+.
2
= a
2
, interna ao cilindro r
2
+j
2
= aj.
(d) o é a porção do cone .
2
= r
2
+j
2
, . _ 0, interna ao cilindro r
2
+j
2
= 2ar.
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 249
(e) o é a porção do paraboloide r
2
+.
2
= 2aj, com a 0, abaixo do plano j = a.
(f) o é a porção do cilindro j
2
+.
2
= 16, compreendida acima da região triangular 0 _ r _ 2
e 0 _ j _ 2 ÷r.
(g) o é a porção do plano 3r + 2j +. = 7 no primeiro octante.
(h) o é a porção do cilindro parabólico .
2
= 8r, compreendida acima da região 0 _ r _ 1 e
0 _ j _
_
r.
(i) o é a porção do cilindro j
2
+.
2
= 4, interna ao cilindro parabólico r
2
= 2j +4 e acima do
plano . = 0.
(j) o é o triângulo com vértices nos pontos ¹(2, 0, 0), 1(0, 3, 0) e C (0, 0, 2).
2. Seja o a superfície de um paralelogramo em R
3
e represente por o
1
, o
2
e o
3
as projeções de o
nos planos coordenados. Mostre que
¹(o) =
_
¹(o
1
)
2
+¹(o
2
)
2
+¹(o
3
)
2
.
3. Calcule a área total da região ilustrada na Figura 6.18. Use as aproximações: ln2 · 0.7 e
_
2
0.5
_
1 +r
÷4
dr · 2.26.
Figura 6.18: Figura do Exercício 3
6.3 Integral de Superfície
Como motivação ao conceito de integral sobre uma superfície, deixe-nos considerar uma distribuição
de carga elétrica sobre uma superfície o, de…nida na forma cartesiana implícita pela equação
1 (r, j, .) = 0,
e representemos por j (r, j, .) a densidade super…cial de carga, isto é, a carga elétrica por unidade de
área. A carga total distribuída na porção elementar do é aproximada por dQ = j (r, j, .) do e o lógico
é que, sendo a porção do de dimensão (área) in…nitesimal, a densidade j sobre do está próxima de um
valor constante. A carga total Q sobre o é o somatório das cargas elementares dQ e esse somatório,
denominado integral de superfície, é representado por
__
S
j (r, j, .) do.
250 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Admitindo que a distribuição j (r, j, .) e as derivadas parciais de primeira ordem da função 1 (r, j, .)
que representa o sejam contínuas, usamos a expressão (6.9) e obtemos
__
S
j (r, j, .) do =
__
1
j (r, j, .)
[\1[ d¹
[\1 « n
¬
[
,
sendo 1 a projeção da superfície o no plano ¬. Se o plano ¬ é o plano rj e 1
:
,= 0, então n
¬
= k e
teremos
__
S
j (r, j, .) do =
__
1
j (r, j, .)
_
1
2
a
+1
2
:
+1
2
:
drdj
[1
:
[
.
Há dois casos interessantes que devemos ressaltar.
Forma Cartesiana Explícita
No caso em que a superfície o é o grá…co de uma função . = ) (r, j) , (r, j) ¸ 1, de classe C
1
,
então a integral de superfície da função contínua j (r, j, .) sobre o é calculada pela fórmula
__
S
j (r, j, .) do =
__
1
j (r, j, .)
_
1 + ()
a
)
2
+ ()
j
)
2
drdj.
Forma Parametrizada
Quando a superfície o for parametrizada por
r (n, ·) = r(n, ·) i +j (n, ·) j +. (n, ·) k, (n, ·) ¸ 1,
e as componentes r(n, ·) , j (n, ·) e . (n, ·) possuirem derivadas parciais de primeira ordem, contínuas
em 1, então do = [r
&
r
·
[ dnd· e teremos
__
S
j (r, j, .) do =
__
1
j (r(n, ·) , j (n, ·) , . (n, ·)) [r
&
r
·
[ dnd·.
Exemplo 6.32 Calcular a integral da função j (r, j, .) = rj sobre a superfície cilíndrica o, dada por
r
2
+j
2
= 4 e ÷1 _ . _ 1.
Solução De acordo com o Exemplo 6.6, uma representação paramétrica para o é dada por
r(n, ·) = (2 cos n)i + (2 senn)j +·k, 0 _ n _ 2¬ e ÷1 _ · _ 1,
de modo que
r
&
= (÷2 senn)i + (2 cos n) j, r
·
= k e r
&
r
·
= (2 cos n)i + (2 senn)j.
Portanto,
__
S
rjdo =
__
1
4 cos nsenn[r
&
r
·
[ dnd·
= 4
_

0
_
1
÷1
sen(2n)d·dn = 0.
Exemplo 6.33 (usando a propriedade aditiva) Calcular a integral da função j (r, j, .) = rj.
sobre o cubo, no primeiro octante, delimitado pelos planos r = 1, j = 1 e . = 1.
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 251
Figura 6.19: Superfície o = o
1
+o
2
.
Solução Iniciamos mencionando a propriedade aditiva para a integral de superfície. Quando a
superfície o for composta por duas ou mais superfícies regulares, digamos o = o
1
+ o
2
, como ilustra
a Figura 6.19, teremos
__
S
jdo =
__
S
1
jdo +
__
S
2
jdo.
A função j (r, j, .) = rj. se anula nas faces do cubo o que jazem nos planos coordenados e nessas
faces a integral de j (r, j, .) é zero. Na face o
1
, sobre o plano r = 1, temos j (r, j, .) = j. e do = djd.,
de modo que
__
S
1
jdo =
_
1
0
_
1
0
j.djd. = 1,4.
De modo similar, nas faces o
2
e o
3
sobre os planos j = 1 e . = 1, respectivamente, encontramos
__
S
2
jdo =
_
1
0
_
1
0
r.drd. = 1,4 e
__
S
3
jdo =
_
1
0
_
1
0
rjdrdj = 1,4
e, sendo assim,
__
S
rj.do =
__
S
1
j.do +
__
S
2
r.do +
__
S
3
rjdo = 3,4.
Exemplo 6.34 Calcular
__
S
r.do, sobre a esfera o : r
2
+j
2
+.
2
= a
2
.
Solução No Exemplo 6.8, com os ângulos esféricos 0 e c, parametrizamos a esfera o por
r = a cos 0 senc, j = a sen0 senc, . = a cos c, 0 _ 0 _ 2¬, 0 _ c _ ¬,
e, no Exemplo 6.28, encontramos do = a
2
sencdcd0. Logo,
__
S
r.do =
_

0
_
¬
0
a cos 0 senc
. ¸¸ .
a
a cos c
. ¸¸ .
:
a
2
sencdcd0
. ¸¸ .
oS
= a
4
__

0
cos 0d0
_ __
¬
0
sen
2
ccos cdc
_
= 0.
Exemplo 6.35 Seja o é a porção do cilindro r = j
2
, situada no primeiro octante, entre os planos
. = 5, j = 1 e j = 4. Calcular
__
S
r.
j
do.
252 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Figura 6.20: Projetando o no plano j..
Solução Ilustramos, na Figura 6.20, a superfície o e sua projeção no plano j..
Temos que
do =
_
1 + (r
j
)
2
+ (r
:
)
2
djd. =
_
1 + 4j
2
djd.,
e, consequentemente,
__
S
r.
j
do =
_
4
1
_
5
0
j.
_
1 + 4j
2
djd. =
25
2
_
4
1
j
_
1 + 4j
2
dj
=
25
16
_
65
5
_
t dt =
25
24
_
65
_
65 ÷5
_
5
_
.
Exemplo 6.36 Seja o a porção da esfera r
2
+ j
2
+ .
2
= 9, entre os planos . = 1 e . = 2. Calcular
a integral de superfície
__
S
.
_
r
2
+j
2
do.
Solução Na Figura 6.21 ilustramos a superfície o e sua projeção no plano rj. O cálculo da integral
será apresentado de duas maneiras.
Figura 6.21: Corte da esfera por 2 planos.
Usando coordenadas cartesianas Neste caso, temos
. =
_
9 ÷r
2
÷j
2
e do =
3drdj
.
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 253
e, portanto,
__
S
.
_
r
2
+j
2
do = 3
__
1
_
r
2
+j
2
drdj
= 3
_

0
_
_
8
_
5
r
2
drd0
= 2¬
_
8
_
8 ÷5
_
5
_
.
Usando coordenadas esféricas Neste caso, temos
r = 3 cos 0 senc, j = 3 sen0 senc, . = 3 cos c, 0 _ 0 _ 2¬, c
1
_ c _ c
2
,
e observando a Figura 6.21, vemos que senc
1
=
_
5,3 e senc
2
=
_
8,3. Logo,
__
S
.
_
r
2
+j
2
do =
_
ç
2
ç
1
_

0
3 cos c
. ¸¸ .
:
3 senc
. ¸¸ .
_
a
2
+j
2
9 senc
. ¸¸ .
oS
d0dc
= 162¬
_
sen ç
2
sen ç
1
n
2
dn =
54¬
3
_
(senc
2
)
3
÷(senc
2
)
3
_
= 2¬
_
8
_
8 ÷5
_
5
_
.
Exemplo 6.37 Seja o a porção do paraboloide 2. = r
2
+j
2
, acima do quadrado
1
aj
: 0 _ r _ 1, 0 _ j _ 1.
Calcular a integral de supaerfície
__
S
rjdo.
Solução Temos que
do =
_
1 +.
2
a
+.
2
j
drdj =
_
1 +r
2
+j
2
drdj
e, consequentemente,
__
S
rjdo =
_
1
0
_
1
0
rj
_
1 +r
2
+j
2
drdj ( fazer n = 1 +r
2
+j
2
)
=
_
1
0
j
_
_
2+j
2
1+j
2
1
2
_
ndn
_
dj
=
1
2
2
3
_
1
0
j
_
_
2 +j
2
_
3¸2
÷
_
1 +j
2
_
3¸2
_
dj ( fazer : = 1 +j
2
e t = 2 +j
2
)
=
1
3
_
3
2
1
2
t
3¸2
dt ÷
1
3
_
2
1
1
2
:
3¸2
d: =
1
15
(9
_
3 ÷8
_
2 + 1).
6.3.1 Massa, Centro de Massa e Momento de Inércia
Suponhamos que a superfície o representa uma placa de densidade (massa por unidade de área)
super…cial o = o (r, j, .) e que ' representa a massa da placa o. Se representarmos por d' a massa
elementar da porção do, teremos
d' = o (r, j, .) do
254 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
e a massa da superfície o será, portanto,
' =
__
S
o (r, j, .) do.
As coordenadas do centro de massa C (r, j, .) da superfície o são calculadas pelas fórmulas:
r =
1
A
__
S
ro (r, j, .) do, j =
1
A
__
S
jo (r, j, .) do e . =
1
A
__
S
.o (r, j, .) do
e o momento de inércia 1
1
de o, em relação a um eixo 1, é calculado pela fórmula
1
1
=
__
S
c
2
o (r, j, .) do,
onde c = c (r, j, .) representa a distância de um ponto 1 (r, j, .) da superfície o ao eixo de rotação
1. Em relação aos eixos coordenados, os momentos de inércia 1
a
, 1
j
e 1
:
são dados por:
1
a
=
__
S
_
j
2
+.
2
_
odo, 1
j
=
__
S
_
r
2
+.
2
_
odo e 1
:
=
__
S
_
r
2
+j
2
_
odo.
Exemplo 6.38 Suponha que o hemisfério o : r
2
+ j
2
+ .
2
= a
2
, . _ 0, seja uniforme, isto é, tenha
densidade o constante. Calcular o centro de massa e o momento de inércia 1
:
do hemisfério o.
Solução Como a densidade é constante, a massa de o é
' =
__
S
odo = o
__
S
do = o
A
(o) = 2¬a
2
o.
A projeção de o no plano rj é o disco 1
aj
: r
2
+j
2
_ a
2
e um cálculo direto nos dá:
do =
|\1|
[\1 « k[
=
adrdj
.
=
adrdj
_
a
2
÷r
2
÷j
2
.
Assim,
r =
1
A
__
S
rodo =
o
A
__
1
xy
ardrdj
_
a
2
÷r
2
÷j
2
=
oo
A
_

0
_
o
0
r
2
cos 0drd0
_
a
2
÷r
2
=
oo
A
__

0
cos 0d0
_ _
o
0
r
2
dr
_
a
2
÷r
2
= 0.
Num cálculo similar, ou considerando a simetria de o em relação ao eixo ., encontramos j = 0. A
coordenada . é dada por
. =
o
A
__
S
.do =
o
A
__
1
xy
adrdj =
ao¹(1
aj
)
'
= a,2
e o centro de massa de o é o ponto C (0, 0, a,2) do eixo .. Finalmente,
1
:
=
__
S
_
r
2
+j
2
_
odo = o
__
1
xy
_
r
2
+j
2
_
adrdj
_
a
2
÷r
2
÷j
2
= ao
_

0
_
o
0
r
3
drd0
_
a
2
÷r
2
= 2¬ao
_
o
0
r
3
dr
_
a
2
÷r
2
(fazer t = a
2
÷r
2
)
= ¬ao
_
o
2
0
_
a
2
÷t
_
dt
_
t
=
4¬a
4
o
3
.
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 255
6.3.2 Integrando Formas Diferenciais
No Capítulo 5, vimos que a integral de linha
_
¸
) (r, j) d: se expressa na forma diferencial, como
_
¸
1dr+'dj, e a expressão 1dr+'dj denomina-se, também, 1-forma diferencial. Com o objetivo de
expressar a integral de superfície
__
S
) (r, j, .) do como a integral de uma forma diferencial, deixe-nos
considerar a expressão
1djd. +'d.dr +·drdj, (6.15)
denominada de 2-forma diferencial ou forma diferencial de segunda ordem, onde as funções 1, '
e · são supostas contínuas, em uma região compacta do espaço R
3
, contendo uma superfície o
parametrizada por:
o : r (n, ·) = r(n, ·) i +j (n, ·) j+. (n, ·) k, (n, ·) ¸ 1.
Se n é a normal unitária à superfície o e se representarmos por c, , e c os ângulos diretores do vetor
n, isto é,
n = (cos c) i + (cos ,) j + (cos c) k,
teremos
n =
r
&
r
·
[r
&
r
·
[
=
1
[r
&
r
·
[
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
i j k
r
&
j
&
.
&
r
·
j
·
.
·
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
=
1
[r
&
r
·
[
_
0(j, .)
0(n, ·)
i +
0(., r)
0(n, ·)
j +
0(r, j)
0(n, ·)
k
_
e, portanto,
cos c =
1
[r
&
r
·
[
0(j, .)
0(n, ·)
, cos , =
1
[r
&
r
·
[
0(., r)
0(n, ·)
e cos c =
1
[r
&
r
·
[
0(r, j)
0(n, ·)
.
Se c ,= ¬,2, como indica a Figura 6.22, a projeção ortogonal (com sinal) da área elementar do, sobre
o plano rj, é igual a
Figura 6.22: Projeção sobre o plano rj.
do = sec cd¹ ou d¹ = do cos c. (6.16)
256 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
De fato,
±d¹ = [Pr (r
&
) Pr (r
·
)] « k =
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
0 0 1
r
&
j
&
0
r
·
j
·
0
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
=
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
0 0 1
r
&
j
&
.
&
r
·
j
·
.
·
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
= (r
&
r
·
) « k = [r
&
r
·
[ [k[ cos c = do cos c.
Motivados pela relação (6.16), de…nimos
__
S
)(r, j, .)drdj =
__
S
)(r, j, .) cos cdo =
__
1
)(r(n, ·))
¸
¸
¸
¸
0(r, j)
0(n, ·)
¸
¸
¸
¸
dnd·,
e a integral da forma diferencial (6.15) sobre o será, portanto,
__
S
1djd. +'d.dr +·drdj = ±
__
1
_
1
0(j, .)
0(n, ·)
+'
0(., r)
0(n, ·)

0(r, j)
0(n, ·)
_
dnd·,
onde o sinal depende da orientação da superfície o. Se é uma região compacta do R
3
, contendo a
superfície o, e F = 1i +'j +·k é um campo vetorial de classe C
1
em , então
__
S
1djd. +'d.dr +·drdj =
__
1
(1cos c +' cos , +· cos c) [r
&
r
·
[ dnd·
=
__
S
(F « n) do.
Exemplo 6.39 Se o é o grá…co de uma função . = )(r, j), com derivadas parciais )
a
e )
j
contínuas
na região compacta 1, usando a parametrização canônica
r = n, j = · e . = ) (n, ·) , (n, ·) ¸ 1,
obtemos, após um cálculo simples,
0 (r, j)
0 (n, ·)
= 1,
0 (., r)
0 (n, ·)
= ÷)
j
e
0 (j, .)
0 (n, ·)
= ÷)
a
e, portanto,
__
S
1djd. +'d.dr +·drdj =
__
1
(÷1)
&
(n, ·) ÷')
·
(n, ·) +·) dnd·. (6.17)
Encerrando esta seção, determinaremos o comprimento elementar (ou elemento linear) d:, de uma
curva ¸ que jaz sobre a superfície o, dada pelas equações paramétricas
o : r = r(n, ·) , j = j (n, ·) e . = . (n, ·) , (n, ·) ¸ 1,
sendo 1 uma região compacta do plano n·. Expressando a diferencial dr = (dr) i +(dj) j +(d.) k sob
a forma
dr = (r
&
dn +r
·
d·) i + (j
&
dn +j
·
d·) j + (.
&
dn +.
·
d·) k
= r
&
dn +r
·

vemos que o elemento linear d: da curva ¸ é dado por
d:
2
= [dr[
2
= (r
&
dn +r
·
d·) « (r
&
dn +r
·
d·)
= [r
&
[
2
dn
2
+ 2r
&
« r
·
dnd· +[r
·
[
2

2
= 1 (dn)
2
+ 21 (dn) (d·) +G(d·)
2
,
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 257
onde 1 = [r
&
[
2
, 1 = r
&
« r
·
e G = [r
·
[
2
. A forma diferencial quadrática
1 (dn)
2
+ 21 (dn) (d·) +G(d·)
2
denomina–se primeira forma fundamental de o.
Exemplo 6.40 Considerando o plano rj, parametrizado em coordenadas polares
r(r, 0) = (r cos 0)i + (r sen0)j, r _ 0, 0 _ 0 _ 2¬,
temos que
0r
0r
= (cos 0) i + (sen0) j e
0r
00
= (÷r sen0)i + (r cos 0) j
e daí resulta
1 =
¸
¸
¸
¸
0r
0r
¸
¸
¸
¸
2
= 1, 1 =
0r
0r
«
0r
00
= 0 e G =
¸
¸
¸
¸
0r
00
¸
¸
¸
¸
2
= r
2
.
Assim, para o plano rj, encontramos d:
2
= dr
2
+r
2
d0
2
.
Exercícios & Complementos.
1. Calcule as seguintes integrais de superfícies:
(a)
__
S
rdo; o é o cilindro r
2
+j
2
= r
2
, ÷1 _ . _ 1.
(b)
__
S
(F « n)do; o é a esfera r
2
+j
2
+.
2
= j
2
, comr _ 0 e F = j j +.k.
(c)
__
S
(F « n)do; o é a porção do cilindro r
2
+ j
2
= r
2
, r _ 0, j _ 0, 0 _ . _ a e
F = sen.i +rjj ÷cos .k.
(d)
__
S
rjdo; o é a porção do paraboloide r
2
+j
2
= 2., 0 _ r _ 1 e 0 _ j _ 1.
(e)
__
S
_
r
2
+j
2
+.
2
_
do; o é a esfera: r
2
+j
2
+.
2
= j
2
.
(f)
__
S
.
2
do; o é a porção do cilindro r
2
+ j
2
= 4, compreendida entre os planos . = 0 e
. = r + 3.
(g)
__
S
rdo; o é a porção do plano r +j +. = 1 no primeiro octante.
(h)
__
S
rdo; o é a fronteira da região delimitada pelo cilindro r
2
+ j
2
= 1 e pelos planos
. = 0 e . = r + 2.
(i)
__
S
r
2
do; o é a porção do plano . = r, interna ao cilindro r
2
+j
2
= 1.
(j)
__
S
r
2
do; o é porção do cone r
2
+j
2
= .
2
, 1 _ . _ 2.
(k)
__
S
(r +j) do; o é a porção do plano 2r + 3j +. = 6 no primeiro octante.
2. Determine a primeira forma fundamental das seguintes superfícies:
(a) r (n, ·) = ni +·j.
(b) r (n, ·) = 2ni + 3·j.
(c) r (n, ·) = (n +·)i + (n ÷·)j.
(d) r (n, ·) = ni +·j +n
2
k.
258 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
(e) r (n, ·) = cos ni + sennj +·k.
(f) r (n, ·) = ni +·j +n·k.
(g) r (n, ·) = 2 cos ni + 2 sennj +·k.
(h) r (n, ·) = ncos ·i +nsen·j +n
2
k.
3. Se r = r(n, ·) é uma parametrização da superfície o, mostre que a família de curvas n = c
1
e
· = c
2
, sobre o, são ortogonais se, e somente se, r
&
« r
·
= 0. Teste a ortogonalidade da família
de curvas n = c
1
e · = c
2
, no caso da superfície o dada por
r(n, ·) = ni +·j + (n
2

2
)k.
4. Se o
1
e o
2
são duas superfícies equivalentes, mostre que existe uma função ) : _ R
3
÷ R
3
,
contínua em uma região contendo as superfícies o
1
e o
2
, tal que
__
S
1
)(r, j, .)do
1
= ±
__
S
2
)(r, j, .)do
2
.
6.4 Fluxo e o Teorema de Gauss
Suponhamos que o campo vetorial F seja dado por F = jv, onde j = j (r, j, .) e v = v (r, j, .)
são, respectivamente, a densidade de massa e a velocidade de um ‡uido em movimento, con…nado em
um recipiente o, como ilustrado na Figura 6.23.
Figura 6.23: Fluxo do campo F.
O ‡uxo, ou a quantidade de ‡uido, que atravessa a área elementar do, na unidade de tempo, na
direção da normal n, é medida pelo volume do cilindro de base do e altura F « n, isto é, j(v « n)do
é a massa de ‡uido que atravessa do, na direção da normal n. A massa de ‡uido que atravessa a
superfície o, na direção da normal, é, portanto,
__
S
(F « n)do =
__
S
j(v « n)do. (6.18)
Motivados por esta situação física, denominamos a integral de superfície, do lado esquerdo de (6.18),
de ‡uxo do campo vetorial F, através da superfície o, na direção da normal n.
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 259
Exemplo 6.41 Determinar o ‡uxo do campo F = ri ÷ .k, através da superfície lateral do cilindro
r
2
+j
2
= a
2
, 0 _ . _ /.
Solução Se considerarmos ) (r, j, .) = r
2
+j
2
÷a
2
, a normal unitária exterior à superfície cilíndrica
o : r
2
+j
2
÷a
2
= 0 é dada por
n =
\)
[\)[
= (r,a) i + (j,a) j,
e o ‡uxo do campo F é, portanto,
T =
__
S
(F « n)do =
__
S
[(ri ÷.k) « ((r,a) i + (j,a) j)] do =
1
o
__
S
r
2
do.
Em coordenadas cilíndricas (con…ra o Exemplo 6.26), temos do = ad.d0 e, assim,
T =
1
o
__
S
r
2
do =
1
o
_

0
_
I
0
_
a
2
cos
2
0
_
ad.d0
= a
2
/
_

0
1
2
(1 + cos 20) d0 = ¬a
2
/.
Exemplo 6.42 Seja o o corte do cilindro j
2
+.
2
= 1, . _ 0, pelos planos r = 0 e r = 1. Determinar
o ‡uxo do campo F = j.j +.
2
k através de o.
Solução A equação da superfície o é ) (r, j, .) = 0, com ) (r, j, .) = j
2
+.
2
÷1, de modo
do =
[\)[ drdj
[\) « k[
=
_
j
2
+.
2
drdj
.
e n =
\)
[\)[
=
jj +.k
_
j
2
+.
2
.
Sobre a superfície o temos j
2
+.
2
= 1 e, consequentemente,
F « n = j
2
. +.
3
= .
_
j
2
+.
2
_
= . e do =
drdj
.
.
Assim, o ‡uxo do campo F é
T =
__
S
(F « n)do =
__
S
.do =
__
1
xy
drdj =
_
1
0
_
1
÷1
djdr = 2.
Na Figura 6.24, ilustramos a superfície o e sua projeção 1
aj
, no plano rj.
Figura 6.24: Superfície o do Exemplo 6.42
260 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Exemplo 6.43 Seja o a fronteira da esfera sólida : r
2
+ j
2
+ .
2
_ a
2
, e consideremos o campo
vetorial F = ri +jj +.k, de…nido sobre . Calcular as integrais
__
S
(F « n)do e
___

div (F) d\.
Solução Primeiro, observamos que div (F) = 1
a
+'
j

:
= 3 e, portanto,
___

div (F) d\ = 3
___

d\ = 3 vol () = 4¬a
3
.
Por outro lado, a superfície o é descrita por ) (r, j, .) = r
2
+j
2
+.
2
÷a
2
= 0, de modo que
n = (r,a) i + (j,a) i + (.,a) k e F « n =
1
o
_
r
2
+j
2
+.
2
_
,
de onde resulta que,
__
S
(F « n)do =
1
a
__
S
_
r
2
+j
2
+.
2
_
do
=
1
a
__
S
a
2
do = a
A
(o) = a
_
4¬a
2
_
= 4¬a
3
.
A igualdade, entre a integral de superfície
__
S
(F « n)do e a integral tripla
___

div (F) d\, ve-
ri…cada no Exemplo 6.43, não é um fato isolado, como veremos a seguir, mas uma consequência do
Teorema da Divergência, também conhecido por Teorema da Divergência de Gauss
18
, um dos mais
importantes teoremas do cálculo integral de funções vetoriais, o qual relaciona a integral de superfície
com a integral tripla.
Teorema 6.44 (Teorema da Divergência) Seja F = 1i + 'j + ·k um campo vetorial de classe
C
1
, sobre uma região compacta _ R
3
, cuja fronteira o é uma superfície parcialmente regular, fechada
e orientada pela normal exterior n. Então
__
S
(F « n)do =
___

div (F) drdjd.. (6.19)
A Fórmula de Gauss (6.19) estabelece que o ‡uxo de F através de o coincide com a integral tripla de
div (F) sobre e, na forma diferencial, ela se escreve como
__
S
1djd. +'d.dr +·drdj =
___

(1
a
+'
j

:
) d\.
Observação 6.45 (‡uxo bidimensional) No Capítulo 5, consideramos um campo bidimensional
F(r, j) = 1(r, j) i +' (r, j) j, (r, j) ¸ 1,
com componentes 1 e ' de classe C
1
(com derivadas parciais de primeira ordem contínuas), em uma
região compacta 1 _ R
2
, delimitada por uma curva ¸ simples, fechada e parcialmente regular. Naquela
ocasião, obtivemos (con…ra (5.26)), como consequência da Fórmula de Green, a seguinte expressão para
o ‡uxo bidimesional:
_
¸
(F « n)d: =
_
¸
1dj ÷'dr =
__
1
(1
a
+'
j
)drdj
=
__
1
(div F)drdj
que, se comparada com (6.19), nada mais é do que a Fórmula de Gauss em R
2
.
18
Carl Friedrich Gauss (1777-1855), matemático alemão.
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 261
Exemplo 6.46 Seja a região delimitada pelos planos coordenados e pelos planos r = 1, j = 1 e
. = 1. Calcular, via Fórmula de Gauss, o ‡uxo do campo F = (2r ÷ .)i + r
2
j ÷ r.
2
k, através da
superfície o, fronteira de .
Solução Temos que
div F = 2 + 0 ÷2r. = 2(1 ÷r.)
e o ‡uxo de F é, por de…nição, a integral de superfície
__
S
(F « n)do.
Da Fórmula de Gauss (6.19), encontramos
__
S
(F « n)do = 2
___

(1 ÷r.)drdjd. = 2
_
1
0
_
1
0
_
1
0
(1 ÷r.)drdjd. = 3,2.
Exemplo 6.47 Calcular o ‡uxo do campo F = j.i + r.j + r.k, através da fronteira do tetraedro
determinado pelos planos coordenados e pelo plano r +j +. = 1.
Solução Temos que div (F) = r e, se representa a região sólida delimitada pelo tetraedro, usamos
a Fórmula de Gauss (6.19) e obtemos
__
S
(F « n)do =
___

div (F) d\ =
___

rdrdjd.
=
_
1
0
_
1÷a
0
_
1÷a÷j
0
rd.djdr =
_
1
0
_
1÷a
0
r(1 ÷r ÷j) djdr
=
1
2
_
1
0
r(1 ÷r)
2
dr =
1
24
.
Exemplo 6.48 Seja a região sólida delimitada pelo cilindro circular reto r
2
+ j
2
= 4, 0 _ . _ 3,
e represente por o sua fronteira. Calcular o ‡uxo de F = r
3
i +j
3
j +.
3
k através de o.
Solução Usando a Fórmula de Gauss (6.19), obtemos
T =
__
S
(F « n)do =
___

div (F) d\ = 3
___

(r
2
+j
2
+.
2
)drdjd..
Usando as coordenadas cilíndricas r = r cos 0, j = r sen0 e . = ., cujo Jacobiano é J(r, 0, .) = r,
obtemos
T = 3
___

(r
2
+j
2
+.
2
)drdjd.
= 3
_
3
0
_

0
_
2
0
(r
2
+.
2
)rdrd0d. = 180¬.
Exemplo 6.49 Seja r = ri + jj + .k o vetor posição do ponto 1 (r, j, .) e sobre a região sólida
: a
2
_ r
2
+j
2
+.
2
_ /
2
, considere o campo radial
F(1) =
r
r
3
.
Calcular o ‡uxo do campo F, através da fronteira da região . Qual o ‡uxo do campo F através de
uma esfera de centro na origem e raio 1?
262 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Solução Considerando que o campo F é de classe C
1
e que div (F) = 0 em , segue do Teorema de
Gauss que o ‡uxo de F, através da fronteira de , é igual a zero. Aliás, o ‡uxo do campo F, através
de qualquer superfície o, simples, fechada, regular, que não contenha a origem no seu interior, é igual
a zero. Se representarmos por o
o
e o
b
as esferas de centro na origem e raios a e /, respectivamente,
veremos que os ‡uxos do campo F, através de o
o
e o
b
, são simétricos, já que o ‡uxo total é zero (note
que as normais exteriores têm sentidos opostos); ressaltamos, contudo, que os ‡uxos através de o
o
e
o
b
, nas direções radiais, partindo da origem, são iguais.
Figura 6.25: Fluxo na direção radial.
O ‡uxo através de uma esfera o
1
, de centro na origem e raio 1, não pode ser calculado pela fórmula
de Gauss, porque o campo F não está de…nido na origem (ele torna-se ilimitado quando r ÷ 0) e,
neste caso, o ‡uxo deve ser calculado diretamente. Temos:
__
S
R
(F « n)do =
__
S
R
ri +jj +.k
1
3
«
ri +jj +.k
1
do
=
1
1
4
__
S
R
_
r
2
+j
2
+.
2
_
do =
1
1
4
__
S
R
1
2
do
=
1
1
2
__
S
R
do =
1
1
2
A
(o
1
) =
1
1
2
_
4¬1
2
_
= 4¬.
O resultado seria o mesmo, caso a esfera o
1
fosse substituída por qualquer superfície o, simples,
fechada, regular, contendo a origem no seu interior.
Exemplo 6.50 Seja o a fronteira do sólido , delimitado pelo cilindro . = 4 ÷ r
2
e pelos planos
j = 5, j = 0 e . = 0. Calcular o ‡uxo do campo F = (r
3
+ sen.)i + (r
2
j + cos .)j + exp(r
2
+ j
2
)k,
através de o.
Solução Primeiro faça um esboço da superfície e de sua orientação. O cálculo direto da integral de
superfície é bastante trabalhoso, e ele torna-se mais simples quando usamos Teorema de Gauss. Como
1 = r
3
+ sen., ' = r
2
j + cos . e · = exp(r
2
+j
2
),
temos que
div F = 1
a
+'
j

:
= 3r
2
+r
2
+ 0 = 4r
2
e do Teorema de Gauss, resulta
__
S
(F « n)do = 4
___

r
2
drdjd.
= 4
_
2
÷2
_
4÷a
2
0
_
5
0
r
2
djd.dr =
512
3
.
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 263
Exemplo 6.51 Calcular o volume do elipsoide sólido :
r
2
a
2
+
j
2
/
2
+
.
2
c
2
_ 1, a, /, c 0.
Solução Se considerarmos 1 = ' = 0 e · = ., obteremos
vol() =
___

drdjd. =
___

(1
a
+'
j

:
) drdjd.
=
__
S
(F « n)do =
__
S
1djd. +'d.dr +·drdj
=
__
S
.drdj,
sendo o a superfície do elipsoide. Parametrizando o elipsoide o por
r(0, c) = (a cos 0 senc)i + (/ sen0 senc)j + (c cos c)k, 0 _ 0 _ 2¬ e 0 _ c _ ¬,
obtemos
0(r, j)
0(0, c)
= ÷a/ senccos c
e de (6.17) resulta,
vol() =
__
S
.drdj = c
_

0
_
¬
0
cos c
¸
¸
¸
¸
0(r, j)
0(0, c)
¸
¸
¸
¸
d0dc
= a/c
_

0
_
¬
0
cos
2
csencdcd0 =
4
3
¬a/c.
Exemplo 6.52 (volume da esfera :-dimensional) Segue do Exemplo 6.51, com a = / = c = j,
que o volume da esfera sólida o
3
j
: r
2
+j
2
+.
2
_ j
2
, de centro na origem e raio j 0, é
vol(o
3
j
) =
4
3
¬j
3
= j
3
vol(o
3
1
)
e, se representarmos por o
2
1
o disco r
2
+ j
2
_ 1, e por o
1
c
o segmento vertical de . = ÷c até . = c,
com c =
_
1 ÷r
2
÷j
2
, teremos
vol(o
1
c
) =
_
S
1

d. = c vol(o
1
1
),
e, portanto,
vol(o
3
1
) =
___
S
3
1
drdjd. =
__
S
2
1
_
_
S
1

d.
_
drdj
=
__
S
2
1
_
c vol(o
1
1
)
¸
drdj
= vol(o
1
1
)
__
S
2
1
_
1 ÷r
2
÷j
2
drdj.
Agora, usando coordenadas polares r = r cos 0 e j = r sen0, chegamos a
vol(o
3
1
) = vol(o
1
1
)
_

0
_
1
0
r
_
1 ÷r
2
drd0 =

3
vol(o
1
1
).
Ressaltamos que o
2
1
é o disco unitário, cujo volume (área) é vol
_
o
2
1
_
= ¬, e que o
1
1
é o segmento
vertical de extremidades ¹(0, 0, ÷1) e 1(0, 0, 1), cujo volume (comprimento) é vol
_
o
1
1
_
= 2. Em
dimensão : _ 3, temos a seguinte fórmula de recorrência:
vol(o
1
1
) = 2, vol(o
2
1
) = ¬ e vol(o
a
1
) =

:
vol(o
a÷2
1
), : _ 3.
264 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
6.4.1 Considerações Físicas
Interpretação do Divergente
Para interpretar …sicamente o divergente, representemos por
c
a esfera sólida compacta, com
centro no ponto 1
0
e raio c 0, com fronteira o
c
. Dado um campo vetorial F, de classe C
1
sobre
c
,
segue, do Teorema da Média para integrais triplas, que existe um ponto 1 na bola
c
, tal que
___

div (F) d\ = div (F) (1) vol (
c
) ,
e, usando a Fórmula da Divergência, resulta
div (F) (1) =
1
vol (
c
)
___

div (F) d\
=
3
4¬c
3
__
S

(F « n)do.
Como a função 1 ÷ div (F) (1) é contínua em 1
0
, temos que div (F) (1
0
) = lim
1÷1
0
[div (F) (1)] e,
sendo assim,
div (F) (1
0
) = lim
1÷1
0
[div (F) (1)]
= lim
c÷0
+
3
4¬c
3
__
S

(F « n)do.
Poderíamos ter usado essa última expressão para de…nir o divergente do campo F, no ponto 1
0
, como
sendo o ‡uxo limite de F em 1
0
. Destacamos as seguintes situações:
1. As linhas de campo são paralelas
As linhas de campo de F são as curvas ¸, cujo vetor tangente no ponto 1 é F(1). Quando as
linhas do campo forem paralelas e [F(1)[ for constante em ¸, teremos div (F) (1
0
) = 0 e, neste caso,
o ‡uxo positivo em uma parte da fronteira, é compensado pelo ‡uxo negativo na outra parte, como
indica a Figura 6.26(a).
2. As linhas de campo são divergentes ou convergentes
Quando as linhas de campo forem divergentes (Figura 6.26(b)) ou convergentes (Figura 6.26(c)),
então div (F) (1
0
) ,= 0.
Figura 6.26: Linhas de campo: paralelas (a), divergentes (b) e convergentes (c).
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 265
Equação de Conservação da Massa
Seja uma região compacta do R
3
, inserida em um meio contendo um ‡uido em movimento. A
Fórmula da Divergência de Gauss estabelece que
___

div (jv) d\ =
__
S
(jv « n)do,
onde o é a fronteira da região , · é a velocidade e j é a densidade de massa do ‡uido. A integral
tripla
___

jd\
representa a quantidade de massa ‡uida presente em , em um dado instante, e a variação de massa
contida em por unidade de tempo é, portanto,
d
dt
___

jd\ =
___

0j
0t
d\.
Admitindo que a redução de massa contida em ocorra apenas pelo seu ‡uxo através de o, resulta
da conservação da massa que
÷
___

0j
0t
d\ =
__
S
(jv « n)do =
___

div (jv) d\
e, consequentemente,
___

_
0j
0t
+ div (jv)
_
d\ = 0. (6.20)
Considerando em (6.20) =
c
= ¦1 ¸ R
3
; [1 ÷1
0
[ _ c¦, a bola de centro 1
0
e raio c, e usando o
Teorema da Média para integral tripla, encontramos
_
0j
0t
+ div (jv)
_
(1
0
)
= lim
c÷0
1
vol (
c
)
___

_
0j
0t
+ div (jv)
_
d\ = 0 (6.21)
e de (6.21) resulta a equação de continuidade ou equação de conservação da massa:
0j
0t
+ div (jv) = 0.
Equação de Conservação da Carga Elétrica
Consideremos uma distribuição de carga elétrica sobre uma superfície o e representemos por j a
densidade de carga elétrica, v a velocidade das cargas e J = jv o vetor densidade de corrente elétrica.
De forma similar ao que foi feito para a conservação da massa, chegamos à equação de conservação da
carga elétrica
0j
0t
+ div (J) = 0.
O ‡uxo de J através de o é a intensidade de corrente elétrca 1, e esta é dada por
1 =
__
S
(J « n)do
Equação Fundamental da Eletrostática
Consideremos uma superfície fechada o (uma esfera, por exemplo) contendo uma carga pontual ¡
no seu interior, situada no ponto 1
0
, e representemos por E(1) o campo elétrico no ponto 1 de o,
produzido pela carga ¡, como ilustra a Figura 6.27.
266 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Figura 6.27: Fluxo do campo elétrico.
Se r = P
0
P e r = [r[, como consequência da Lei de Coulomb, temos que
E(1) = /¡
r
r
3
= ÷\,,
onde , = /¡,r é o potencial eletrostático, e o ‡uxo do campo E através de o é, portanto,
__
S
(E« n)do = /¡
__
S
1
r
2
(
r
r
« n)do = /¡
__
S
cos cdo
r
2
. (6.22)
Se representarmos por d. a área elementar sobre a esfera unitária, teremos d. =
cos cdo
r
2
e a partir
de (6.22) obteremos a seguinte relação:
__
S
(E« n)do = /¡
__
S
cos c
r
2
do = /¡
__
S
d. = 4/¬¡.
No caso de uma distribuição de carga Q, com densidade j (r, j, .), a carga total na região , delimitada
por o, é
Q =
___

j (r, j, .) d\
e o ‡uxo do campo elétrico será
__
S
(E« n)do = 4/¬Q = 4/¬
___

j (r, j, .) d\. (6.23)
Comparando (6.23) com a Fórmula de Gauss, obtemos
___

[4/¬j ÷div (E)] d\ = 0,
de onde resulta a Equação Fundamental da Eletrostática
div (E) = 4/¬j. (6.24)
Se ,(1
0
) representa o potencial eletrostático no ponto 1
0
, isto é,
,(1
0
) = /
__
S
j
r
do (6.25)
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 267
então E = ÷\, e obtemos de (6.24)
, = div (\,) = ÷div (E) = ÷4/¬j,
de onde resulta a equação de Poisson para o potencial:
, = ÷4/¬j.
Exemplo 6.53 Calcular o potencial eletrostático e o campo elétrico, em um ponto 1 (0, 0, ¸) do eixo
., devido a uma distribuição uniforme de carga elétrica no disco o : r
2
+j
2
_ a
2
, . = 0.
Solução Segue de (6.25) que o potencial eletrostático no ponto 1 (0, j, ¸), devido a distribuição de
carga de densidade j (r, j, .) sobre o disco o é
,(c, j, ¸) =
__
S
j (r, j, .)
r
do, r =
_
(c ÷r)
2
+ (j ÷j)
2
+ (¸ ÷.)
2
.
e, admitindo que a densidade j seja constante, o potencial no ponto (0, 0, ¸) do eixo . será:
,(0, 0, ¸) =
__
S
jdo
_
r
2
+j
2

2
= j
__
a
2
+j
2
¸o
2
drdj
_
r
2
+j
2

2
= j
_

0
_
o
0
rdrd0
_
r
2

2
= 2¬j
_
o
2

2
¸
2
dt
2
_
t
= 2¬j
_
_
a
2

2
÷[¸[
_
.
Figura 6.28: Distribuição de carga sobre o disco.
O campo elétrico no ponto 1 pode ser calculado diretamente, usando a Lei de Coulomb:
E =
__
S
/j
r
r
3
do
ou usando o potencial, como faremos neste caso:
E(0, 0, ¸) = ÷\,(0, 0, ¸) = ÷2¬j
0

_
_
a
2

2
÷[¸[
_
k = ÷2¬j
_
1
_
a
2

2
÷
1
[¸[
_
k.
Exercícios & Complementos.
1. Calcule as integrais
__
S
(F « n)do e
___

(div F)drdjd.,
sendo F(r, j, .) = r
2
i +j
2
j +.
2
k e a esfera sólida delimitada por o : r
2
+j
2
+.
2
= a
2
.
268 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
2. Em cada caso, calcule a integral
_
¸
(F « n)d:,
onde ¸ representa a curva que delimita a superfície o.
(a) F = 3ji ÷2rj; o é a região delimitada pelo hipocicloide r
2
3
+j
2
3
= 1.
(b) 1 = F = r
2
i +j
2
j; o é a região delimitada pela elipse 4r
2
+ 25j
2
= 100.
3. Em cada caso, calcule o ‡uxo do campo vetorial F, através da superfície o.
(a) F = ri +jj +.k e o é a superfície do sólido limitado pelo semiesfera . =
_
a
2
÷r
2
÷j
2
e
pelo plano . = 0.
(b) F = 2i + 5j + 3k e o é a porção do cone . =
_
r
2
+j
2
interna ao cilindro r
2
+j
2
= 1.
(c) F = ri + jj + .k e o é a fronteira do sólido no primeiro octante, limitado pelos planos
r = 1, j = 2 e 3r + 2j +. = 12.
4. Seja o uma superfície regular por partes, fechada, simples e orientável, que delimita a região
no espaço. Mostre que o volume da região é dada por
vol() =
__
S
rdjd. =
__
S
jd.dr =
__
S
.drdj
=
1
3
__
S
(rdjd. +jd.dr +.drdj).
5. Se ) e q são funções com derivadas parciais de segunda ordem, contínuas, em uma região com-
pacta ¸ R
3
, mostre que
\« (q\)) = q) +\) « \q, em .
Use esse fato e a Fórmula de Gauss para mostrar que
___

(q) +\) « \q)drdjd. =
__
0
q
0)
0n
do.
onde a fronteira 0 é suposta regular, fechada, orientada pela normal exterior n.
6. Seja _ R
3
uma região delimitada por uma superfície o regular, fechada e orientada pela normal
exterior n. Se ) é um campo escalar com derivadas parciais de segunda ordem, contínuas, em
uma região aberta contendo , mostre que
___

()) +[\)[
2
)drdjd. =
__
S
)
0)
0n
do.
7. Se ) : _ R
3
÷R é uma função contínua com derivadas parciais de segunda ordem, contínuas,
em uma região compacta , mostre que
___

)drdjd. =
__
S
0)
0n
do,
sendo o a superfície regular, fechada, orientada pela normal exterior n, que delimita .
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 269
8. Se ), q : _ R
3
÷R são funções nas condições do Exercício 7, mostre que
___

(q) ÷q))drdjd. =
__
S
_
q
0)
0n
÷)
0q
0n
_
do.
9. Sejam ) = j
2
+.
2
, q = r
2
+j
2
e o a superfície da esfera r
2
+j
2
+.
2
= 1. Calcule a integral
__
S
q
0)
0n
do,
10. Considere os campos escalares ) = r
2
+ j
2
+ r + 2. e q = r
2
+ j
2
+ r + . e seja o a superfície
lateral do cilindro r
2
+j
2
= a
2
e 0 _ . _ /. Calcule a integral
__
S
_
q
0)
0n
÷)
0q
0n
_
do.
11. Sejam o a porção do plano r +j +. = 1 no primeiro octante e ) = c
a
senj. Calcule a integral
__
S
)
0)
0n
do.
6.5 Circulação e o Teorema de Stokes
Para motivar o que será apresentado nesta seção, inicialmente recordemos que no Capítulo 5
estabelecemos uma relação entre a integral de linha e a integral dupla, dada pela Fórmula de Green
(5.29). Mais precisamente, encontramos
_
¸
(F « T)d: =
_
¸
1dr +'dj =
__
1
[rot (F) « k] drdj, (6.26)
onde F(r, j) = 1(r, j) i + ' (r, j) j é um campo vetorial de classe C
1
, em uma região compacta 1
do plano rj, simplesmente conexa, com fronteira ¸ = 01, orientada no sentido anti-horário. Nosso
propósito, agora, é generalizar a fórmula (6.26) para campos tridimensionais F = 1i + 'j + ·k, de
classe C
1
, sobre uma região aberta _ R
3
, contendo uma superfície orientada o, delimitada por uma
curva ¸ = 0o, denominada bordo de o, simples, fechada e parcialmente regular. O resultado que será
estabelecido é devido a Stokes
19
e ele relaciona a integral de linha, ao longo de ¸, com a integral de
superfície sobre o.
Como ilustração, supohamos que rot (F) = .i e representemos por ¸ o corte do paraboloide . =
r
2
+ j
2
pelo plano . = 1, com orientação positiva, e sejam o
1
a superfície do paraboloide . =
r
2
+j
2
, 0 _ . _ 1, e o
2
o disco
o
2
= ¦(r, j, 1) ¸ R
3
; r
2
+j
2
_ 1¦,
como exibido na Figura 6.29.
19
George Gabriel Stokes (1819-1903), matemático e físico irlandês.
270 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Figura 6.29: Superfícies com bordo comum.
Podemos olhar a curva ¸ como o bordo comum das superfícies o
1
e o
2
e, por meio de cálculos
diretos, comprovaremos as seguintes relações:
_
¸
(F « T)d: =
__
S
1
[rot(F) « n
1
] do =
__
S
2
[rot(F) « n
2
] do,
onde n
1
e n
2
são, respectivamente, as normais unitárias exteriores às superfícies o
1
e o
2
.
1. Cálculo da integral de linha
Parametrizando o bordo ¸ pelas equações r = cos t, j = sent e . = 1, 0 _ t _ 2¬, obtemos
_
¸
(F « T)d: =
_
¸
rdr +jdj +j.d.
=
_

0
[cos t (÷sent) + sent (cos t)] dt = 0.
2. Cálculo das integrais de superfícies
A partir das descrições das superfícies o
1
e o
2
, obtemos
do
1
=
_
1 + 4r
2
+ 4j
2
drdj; n
1
=
2ri + 2jj ÷k
_
1 + 4r
2
+ 4j
2
do
2
= drdj; n
2
= k
e um cálculo direto nos dá rot (F) = .i. Portanto,
__
S
1
[rot(F) « n
1
] do =
__
1
xy
2r.drdj = 2
_

0
_
1
0
r
4
cos 0drd0 = 0 e
__
S
2
[rot(F) « n
2
] do =
__
S
2
0do = 0,
como queríamos.
A integral de linha
_
¸
(F « T)d: recebe o nome de circulação do campo F ao redor da curva ¸,
enquanto a integral de superfície
__
S
[rot(F) « n] do é o ‡uxo de rot (F) através da superfície o, na
direção da normal n. A Fórmula de Stokes estabelece que: "a circulação do campo F ao redor de ¸ é
igual ao ‡uxo do rotacional de F através da superfície o, da qual ¸ é o bordo". Em símbolos, temos
_
¸
(F « T)d: =
__
S
[rot(F) « n] do, (6.27)
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 271
que coincide com a Fórmula de Green (6.26), no caso em que · = 0 e n = k e o = 1.
Teorema 6.54 (Teorema de Stokes) Seja o uma superfície regular, orientada pela normal exterior
n, e representemos por ¸ = 0o o bordo orientado de o, suposto simples, fechado e parciamente regular.
Se F = 1i +'j +·k, é um campo vetorial de classe C
1
, em uma região aberta _ R
3
, contendo o,
então
_
¸
(F « T)d: =
__
S
[rot(F) « n] do. (6.28)
Com a notação diferencial, temos a forma equivalente:
_
¸
1dr +'dj +·d. =
__
S

j
÷'
:
) djd. + (1
:
÷·
a
) d.dr + ('
a
÷1
j
) drdj. (6.29)
Demonstração Suponhamos que a superfície regular o seja o grá…co de uma função . = ) (r, j),
com derivadas parciais de segunda ordem contínuas, em uma região compacta 1 do plano rj, e tenha
bordo ¸ caracterizado por (r, j, 0) ¸ 01 =(r, j, ) (r, j)) ¸ ¸, como sugere a Figura 6.30.
Figura 6.30: Superfície o com bordo ¸.
Como consequência do Teorema de Green, temos
_
¸
1(r, j, .) dr =
_
¸
1(r, j, ) (r, j)) dr = ÷
__
1
0
j
[1(r, j, ) (r, j))] drdj
= ÷
__
1
(1
j
+1
:
.
j
) drdj
e, de modo similar, encontramos
_
¸
' (r, j, .) dj =
__
1
('
a
+'
:
.
a
) drdj.
272 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Por outro lado, considerando que d. = .
a
dr +.
j
dj, obtemos, ainda do Teorema de Green,
_
¸
· (r, j, .) d. =
_
¸
·.
a
dr +·.
j
dj
=
__
1
[0
a
(·.
j
) ÷0
j
(·.
a
)] drdj
=
__
1

a
.
j
+·.
aj
÷·
j
.
a
÷·.
ja
) drdj
=
__
1

a
.
j
÷·
j
.
a
) drdj.
Assim,
_
¸
(F « T)d: =
_
¸
1dr +'dj +·d.
=
__
S
[(·
j
÷'
:
) (÷.
a
) + (1
:
÷·
a
) (÷.
j
) + ('
a
÷1
j
)] drdj
=
__
S
[rot(F) « N] drdj,
onde N = ÷.
a
i ÷z
j
j +k é normal à superfície o. Como n = N, [N[, temos que
_
¸
(F « T)d: =
__
S
[rot(F) « n]
_
1 +.
2
a
+.
2
j
drdj =
__
S
[rot(F) « n] do.
Exemplo 6.55 Calcular, com auxílio da Fórmula de Stokes (6.29), a integral de linha
_
¸
j
2
dr +.
2
dj +r
2
d.,
sendo ¸ o bordo da porção o do plano r +j +. = a, a 0, no primeiro octante.
Solução A projeção de o no plano rj é o triângulo 1
aj
, de vértices O(0, 0, 0) , ¹(a, 0, 0) e 1(0, a, 0)
e, usando a fórmula (6.29), com 1 = j
2
, ' = .
2
e · = r
2
, obtemos, via (6.17),
_
¸
j
2
dr +.
2
dj +r
2
d. =
__
S
(÷2.)djd. + (÷2r)d.dr + (÷2j)drdj
= ÷2
__
S
.djd. +rd.dr +jdrdj = ÷2
__
1
xy
(r +j +.) drdj
= ÷2
__
1
xy
adrdj = ÷2a
A
(1
aj
) = ÷a
3
.
Exemplo 6.56 Calcular, via Fórmula de Stokes (6.28) , a integral de linha
_
¸
(3r
2
+j
2
)dr + 2rjdj + 3.
2
d.,
sendo ¸ a fronteira (o bordo) de uma dada superfície o, regular, fechada e orientável.
Solução Quando o campo F for irrotacional, isto é, rot (F) = 0, como é o caso do campo
F(r, j, .) = (3r
2
+j
2
)i + 2rjj + 3.
2
k,
segue diretamente de (6.28) que
_
¸
(3r
2
+j
2
)dr + 2rjdj + 3.
2
d. =
_
¸
(F « T)d: =
__
S
[rot(F) « n] do
=
__
S
(0 « n) do = 0.
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 273
Observação 6.57 (a) Na orientação do bordo da superfície o, os sentidos dos vetores T e n obedecem
à regra da mão direita;
(/) Se o campo vetorial F for conservativo, digamos F = \,, então rot (F) = rot (\,) = 0.
Reciprocamente, se rot (F) = 0 em uma região simplesmente conexa _ R
3
, então o campo F será
conservativo. De fato, se ¸ é uma curva em , simples, fechada, regular, vista como o bordo de uma
superfície regular o ¸ , então
_
¸
F « dr =
_
¸
(F « T)d: =
__
S
[rot(F) « n] do = 0
e, portanto, F é conservativo.
Exemplo 6.58 Se ¸ é uma curva simples, fechada, regular, contida no plano ¬ : 2r + 2j + . = 2
mostrar que a circulação do campo F = 2ji + 3.j ÷ rk depende apenas do valor da área da região
plana o, delimitada por ¸.
Solução Temos que rot (F) = ÷3i +j ÷2k e considerando o vetor unitário n =
2
3
i +
2
3
j +
1
3
k, normal
ao plano ¬, então
_
¸
(F « T)d: =
__
S
[rot(F) « n] do
= ÷
__
S
2do = ÷2
A
(o) .
Assim, a circulação do campo F, ao redor da curva ¸, é ÷2
A
(o). Na Figura 6.31 ilustramos a situação
geométrica.
Figura 6.31: Circulação Área.
Exemplo 6.59 (bordo comum) Se duas superfícies o
1
e o
2
, orientadas pelos respectivos vetores
normais exteriores n
1
e n
2
, têm o mesmo bordo ¸, então
__
S
1
[rot(F) « n
1
] do =
__
S
2
[rot(F) « n
2
] do.
A situação geométrica está ilustrada na Figura 6.32.
Da Fórmula de Stokes, temos
__
S
1
[rot(F) « n
1
] do =
_
¸
(F « T)d:
274 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Figura 6.32: Superfícies com bordo comum.
e, por outro lado,
__
S
2
[rot(F) « (÷n
2
)] do =
_
÷¸
(F « T)d:.
Exemplo 6.60 Seja ¸ a interseção da fronteira do cubo sólido 0 _ r _ a, 0 _ j _ a, 0 _ . _ a com
o plano 2r + 2j + 2. = 3a. Calcular, com auxílio da Fórmula de Stokes, a integral de linha
_
¸
_
j
2
÷.
2
_
dr +
_
.
2
÷r
2
_
dj +
_
r
2
÷j
2
_
d..
Solução A Figura 6.33 ilustra a superfície o, delimitada pela curva ¸, e sua projeção no plano rj.
Figura 6.33: Corte do cubo sólido pelo plano r +j +. = 3a,2.
A superfície o é a porção do plano 2r + 2j + 2. = 3a, delimitada pelo polígono de vértices ¹, 1, C,
1, 1 e 1 e com normal unitária n =
1
_
3
(i +j +k). A projeção de o no plano rj é a região 1
delimitada pelo hexágono com vértices nos pontos ¹, 1, C
t
, 1
t
, 1
t
e 1
t
, com lado de comprimento
a,2. O campo
F =
_
j
2
÷.
2
_
i +
_
.
2
÷r
2
_
j +
_
r
2
÷j
2
_
k
tem rotacional dado por
rot (F) =
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
i j k
0
a
0
j
0
:
j
2
÷.
2
.
2
÷r
2
r
2
÷j
2
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
= ÷2 (j +.) i÷2 (r +.) j÷2 (r +j) k
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 275
e, sobre a superfície o, temos
rot (F) « n = ÷
4
_
3
(r +j +.) = ÷
4
_
3
_
3a
2
_
= ÷2a
_
3.
Sobre o plano 2r + 2j + 2. = 3a, a área elementar é do =
_
3 drdj e da Fórmula de Stokes, resulta
_
¸
(F « T)d: =
_
¸
_
j
2
÷.
2
_
dr +
_
.
2
÷r
2
_
dj +
_
r
2
÷j
2
_
d.
=
__
S
[rot(F) « n] do =
__
1
(÷2a
_
3)
_
3drdj
= ÷6a
__
1
drdj = ÷6a
A
(1) = ÷6a
_
a
2
,2 +a
2
,8 +a
2
,8
_
= ÷9a
3
,2.
Exemplo 6.61 Calcular a integral
__
S
[rot(F) « n] do, sendo F = ji + (r +j) k e o a superfície
parametrizada por
r (n, ·) = ni +·j +
_
2 ÷n
2
÷·
2
_
k, n
2

2
_ 1.
Solução A integral
__
S
[rot(F) « n] do representa o ‡uxo do campo rot (F), através da superfície o,
e pode ser calculado de várias maneiras. A superfície o é o paraboloide de equação . = 2 ÷ r
2
÷ j
2
,
cujo bordo é a circunferência ¸ de equações paramétricas
r = cos t, j = sent . = 1, 0 _ t _ 2¬,
situada no plano . = 1.
Com a fórmula de Stokes
Usando a fórmula de Stokes, temos
__
S
[rot(F) « n] do =
_
¸
(F « T)d: =
_

0
(sent) (÷sent) dt
= ÷
1
2
_

0
(1 ÷cos 2t) dt = ÷¬.
Por meio de um cálculo direto
Temos
r
&
r
·
= (2n) i + (2·) j +k e do = [r
&
r
·
[ dnd·
e, considerando que rot (F) = i ÷j ÷k, obtemos
__
S
[rot(F) « n] do =
__
S
(i ÷j ÷k) «
r
&
r
·
[r
&
r
·
[
do
=
__
&
2

2
¸1
(2n ÷2· ÷1) dnd·
=
_

0
_
1
0
(2r cos 0 ÷2r sen0 ÷1) rdrd0
=
2
3
_

0
(cos 0 ÷sen0 ÷
3
4
)d0 = ÷¬
Com a fórmula de Gauss
A superfície o, embora regular, não delimita um sólido compacto do R
3
, de modo que a fórmula
de Gauss não pode ser aplicada diretamente. Para aplicar a fórmula de Gauss, fechamos a superfície
276 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Figura 6.34: Superfície do Exemplo 6.61.
e subtraimos o ‡uxo excedente. Seja, então, o
1
o disco delimitado pelo bordo ¸ e representemos por
o
+
a superfície parcialmente regular o +o
1
, como sugere a Figura 6.34.
Pelo Teorema e Gauss, temos
__
S

[rot(F) « n] do =
___

div [rot(F)] d\ = 0
e, por conseguinte,
__
S
[rot(F) « n] do = ÷
__
S
1
[rot(F) « n] do. (6.30)
Ora, a normal exterior à superfície o
1
é n = ÷k e, assim,
__
S
1
[rot(F) « n] do =
__
&
2

2
¸1
dnd· =
A
(1) = ¬
e de (6.30) concluímos que
__
S
[rot(F) « n] do = ÷¬.
Exemplo 6.62 Sejam F(r, j, .) = ji ÷r
2
j + 5k e o a superfície parametrizada por
r (n, ·) = ni +·j +
_
1 ÷n
2
_
k, n _ 0, · _ 0 e n +· _ 1.
Calcular
__
S
[rot(F) « n
S
] do de duas maneiras: por um cálculo direto e, depois, usando a Fórmula
de Stokes.
Solução Na Figura 6.35 ilustramos a superfície o e sua projeção 1 no plano rj.
Por um cálculo direto
Sobre a superfície o, temos
rot (F) = (÷2r ÷1) k =(÷2n ÷1) k,
e a normal unitária a o é
n
S
=
r
&
r
·
[r
&
r
·
[
=
(2n) i +k
[r
&
r
·
[
,
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 277
Figura 6.35: Superfície do Exemplo 6.62.
de modo que
[rot (F) « n
S
] do =
÷2n ÷1
[r
&
r
·
[
[r
&
r
·
[ dnd· = (÷2n ÷1) dnd·.
Logo,
__
S
[rot(F) « n
S
] do =
__
1
(÷2n ÷1) dnd·
=
_
1
0
_
1÷&
0
(÷2n ÷1) d·dn = ÷5,6.
Com a fórmula de Stokes
O bordo da superfície o é a curva ¸ = ¸
1

2

3
, parcialmente regular, e da fórmula de Stokes,
resulta
__
S
[rot(F) « n
S
] do =
_
¸
(F « T) d:
=
_
¸
1
(F « T) d: +
_
¸
2
(F « T) d: +
_
¸
3
(F « T) d: = ÷5,6.
De fato, calculando as integrais parciais, encontramos:
(i) Sobre ¸
1
: j = 1 ÷r, . = 1 ÷r
2
, 0 _ r _ 1 =
_
¸
1
(F « T) d: = ÷
_
1
0
_
r
2
÷11r + 1
_
dr = 25,6.
(ii) Sobre ¸
2
: r = 0, . = 1, 0 _ j _ 1 =
_
¸
2
(F « T) d: = 0.
(iii) Sobre ¸
3
: j = 0, . = 1 ÷r
2
, 0 _ r _ 1 =
_
¸
3
(F « T) d: =
_
1
0
(÷10r) dr = ÷5.
6.5.1 Interpretação do Rotacional
Representemos por v (r, j, .) a velocidade de um ‡uido em movimento e por j (r, j, .) a densidade
do ‡uido. A integral de linha
_
¸
(jv) « dr =
_
¸
(jv « T)d:
é a circulação do campo F = jv, suposto de classe C
1
, ao redor da curva fechada ¸ e, se representarmos
por o a superfície delimitada por ¸, segue da Fórmula de Stokes que
_
¸
(F « T)d: =
__
S
[rot(F) « n] do.
278 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Consideremos uma direção unitária u, com origem em um ponto Q, …xado no domínio do campo F,
e seja ¸ um pequeno círculo de raio c, centrado no ponto Q, contido em um plano perpendicular ao
vetor u. Então, da continuidade do campo 1 ÷rot(F) (1), resulta
[rot(F) « u]
Q
= lim
c÷0
1
¬c
2
__
S
[rot(F) « u] do = lim
c÷0
1
¬c
2
_
¸
F « dr. (6.31)
O lado esquerdo de (6.31) atinge seu valor máximo quando u apontar na direção do vetor rot(F) e,
para pequenos valores do raio c, é razoável considerar
[rot(F) « u]
Q
=
1
¬c
2
_
¸
F « dr
que é a densidade de circulação, isto é, a circulação de F ao redor de ¸, dividida pela área do disco.
A direção que produz maior densidade de circulação é a direção de rot(F). Vemos, dessa forma, que
rot (F) fornece informações sobre aspectos rotacionais do campo F e quando este representar o campo
de velocidades de um ‡uido em movimento circulatório, então rot (F) será paralelo ao eixo de rotação,
como indica a Figura 6.36.
Figura 6.36: Interpretação do rotacional.
Exercícios & Complementos.
1. Em cada caso, calcule a integral
_
¸
F « dr,
onde a curva ¸ representa o bordo da superfície o.
(a) F = j
2
i +.
2
j +r
2
k e o é a porção do plano r +j +. = 1 no primeiro octante.
(b) F = 3ji ÷r.j +j.
2
k e o é a superfície do paraboloide 2. = r
2
+j
2
abaixo do plano . = 2.
(c) F = 2ji+.j+3k e o é a parte do paraboloide . = 4÷r
2
÷j
2
interior ao cilindro r
2
+j
2
= 1.
(d) F = .i +rj +jk e o é o hemisfério . =
_
1 ÷r
2
÷j
2
.
(e) F = r
2
i +j
2
j +r
2
k e o é a superfície do cone .
2
= r
2
+j
2
, 0 _ . _ 1.
2. Calcule as seguintes integrais de linha:
(a)
_
¸
jdr +.dj +rd., com ¸ a fronteira de r
2
+j
2
+.
2
= a
2
, r +j +. = 0.
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 279
(b)
_
¸
(j +.) dr + (r +.) dj + (r +j) d., com ¸ a fronteira de r
2
+j
2
= 2j j = ..
(c)
_
¸
r
3
d., com ¸ a fronteira da superfície . = j + 4, 1 _ r
2
+j
2
_ 4.
(d)
_
¸
jdr ÷r
2
dj + 5d., com ¸ a fronteira da superfície r (n, ·) = ni +·j +
_
1 ÷n
2
_
k, n _ 0,
· _ 0 e n +· _ 1.
3. Calcule a circulação do campo vetorial F ao redor da curva ¸, de duas maneiras: (i) por um
cálculo direto e (ii) usando o Teorema de Stokes.
(a) F = .i +rj +jk, com ¸ a curva r
2
+j
2
= 4 e . = 0.
(b) F = ji ÷rj +.k, com ¸ a curva r
2
+j
2
+.
2
= 4, r
2
+j
2
= .
2
e . _ 0.
(c) F = 2r.i ÷jj +.k, com ¸ a curva obtida pela interseção do plano r +j + 2. = 2 com os
planos coordenados.
(d) F = ji ÷rj + (r +j)k, com ¸ a curva r
2
+j
2
= . e . = 1.
(e) F = .
2
i, com ¸ a curva r
2
+j
2
+.
2
= 16, r = 0, j = 0 e . = 0.
(f) F = .j
2
i ÷r.
2
j +r
2
jk, com ¸ a curva r = j
2
+.
2
, r = 9 e n = i.
(g) F = j
2
i +.
2
j, com ¸ a curva r
2
+j
2
= 9, 3j + 4. = 5 e n =
1
5
(3j + 4k).
(h) F = ji ÷rj +.k, com ¸ a curva r
2
+j
2
+.
2
= 1, r = . e n =
1
_
2
(÷i +k).
4. Seja o a superfície dada na forma paramétrica por
r(n, ·) = ni +·j +
_
2 ÷n
2

2
_
k, n
2

2
_ 1,
e considere o campo vetorial F(r, j, .) = ji + (r +j) k. Calcule o ‡uxo de rot (F) , através de
o, de duas maneiras: (i) por um cálculo direto e (ii) pelo Teorema de Stokes.
Respostas & Sugestões
Seção 6.1 superfícies regulares
1. Como ilustração, resolveremos o item (a).
(a) O plano rj pode ser parametrizado pelas equações
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
r = n
j = ·
. = 0
com n, · ¸ R, ou na forma vetorrial r (n, ·) = ni +·j. Outra parametrização para o plano
rj é dada pelas equações
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
r = a
0
+a
1
n +a
2
·
j = /
0
+/
1
n +/
2
·
. = 0
com n, · ¸ R, em que a mudança de parâmetros é
(r, j) = ,(n, ·) = (a
0
+a
1
n +a
2
·, /
0
+/
1
n +/
2
·),
com Jacobiano J(,) = a
1
/
2
÷a
2
/
1
,= 0.
280 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
(b) r(n, ·) = ni +·j +nk.
(c) r(n, ·) = ni +·j + (1 ÷n ÷·)k.
(d) r(n, ·) = a cos ni +·j +a sennk, com a 0.
(e) r(n, ·) = (· cos n)i + (· senn)j +·
2
k.
(f) r(n, ·) = ·i + 3 cos nj + sennk.
2. Apresentaremos os detalhes para o item (d).
(a)
r
2
a
2
+
j
2
/
2
+
.
2
c
2
= 1.
(b)
r
2
a
2
+
j
2
/
2
= .
2
.
(c)
r
2
a
2
÷
j
2
/
2
= .
2
.
(d) Como r = a senhncos ·, j = / senhnsen· e . = c coshn, obtemos
÷
r
2
a
2
÷
j
2
/
2
+
.
2
c
2
= ÷senh
2
n(cos
2
· + sen
2
·) + cosh
2
n
= ÷senh
2
n + cosh
2
n = 1.
3. Uma pararametrização para o círculo (r ÷a)
2
+.
2
= /
2
é dada pelas equações
r = a +/ cos ·, j = 0 e . = / sen·, · ¸ [0, 2¬],
de modo que, após um giro de um ângulo n no sentido de r para j, obtemos uma cópia do
círculo, cuja parametrização em coordenadas cilíndricas é dada pelas equações
r = a +/ cos ·, 0 = n e . = / sen·, · ¸ [0, 2¬] e n ¸ [0, 2¬].
Como r = r cos 0 e j = r sen0, temos que
r(n, ·) = (a +/ cos ·) cos ni + (a +/ cos ·) sennj +/ sen·k, n, · ¸ [0, 2¬],
é a parametrização do toro de revolução.
4. Representemos por ¬ o plano tangente e por r a reta normal.
(a) ¬ : r +j ÷. = 1 r : r = 1 +t, j = 1 +t, . = 1 ÷t, t ¸ R.
(b) ¬ : 4r ÷. = 4 r : r = 2 + 4t, j = 1, . = 4 ÷t, t ¸ R.
(c) ¬ : r +j = 4 r : r = 2 + 4t, j = 2 + 4t, . = 3, t ¸ R.
Seção 6.2 área de uma superfície
1. (a) 4¬j
2
(b) ¬a
2
_
3 (c) (2¬ ÷4) a
2
(d) ¬a
2
_
2 (e)
(3
_
3÷1)2¬o
2
3
(f) 8
_
3 +

3
÷ 16 (g)
49
_
14
12
(h)
2
3
(3
_
3 ÷2
_
2) (i) 16
_
2 (j)
_
22.
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 281
2. Sejam a e b os vetores que geram o paralelogramo o e representemos por c, , e ¸ os ângulos
diretores do vetor a b. Então a área ¹(o
1
) , da projeção de o sobre o plano rj, é dada por
¹(o
1
) = [Pr (a) Pr (b)] « k =
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
0 0 1
a
1
a
2
0
/
1
/
2
0
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
=
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
0 0 1
a
1
a
2
a
3
/
1
/
2
/
3
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
= (a b) « k
= [a b[ [k[ cos ¸ = ¹(o) cos ¸,
De modo similar, obtemos ¹(o
2
) = ¹(o) cos , (no plano r.) e ¹(o
3
) = ¹(o) cos c (no plano
j.). Assim,
¹(o
1
)
2
+¹(o
2
)
2
+¹(o
3
)
2
= ¹(o)
2
(cos
2
c + cos
2
, + cos
2
¸) = ¹(o)
2
.
3. A área total externa da edi…cação é
A
(o) = 19.32.
Seção 6.3 integral de superfície
1. (a) 0 (b)
4
3
¬j
3
(c) (1 ÷cos a) r +
1
3
ar
3
(d)
1
15
(9
_
3 ÷8
_
2 + 1) (e) 4¬j
4
(f) 60¬ (g)
_
3
6
( h) ¬ (i)
_
2
4
¬ (j)
15
_
2
4
¬ (k) 5
_
14.
2. Os detalhes serão apresentados para os itens (c) e (e).
(a) d:
2
= dn
2
+d·
2
.
(b) d:
2
= 4dn
2
+ 9d·
2
.
(c) Como r
&
= i +j e r
·
= i ÷j, temos que
1 = [r
&
[
2
= 2, 1 = r
&
« r
·
= 0 e G = [r
·
[
2
= 2
e, portanto, d:
2
= 2dn
2
+ 2d·
2
.
(d) d:
2
= (1 + 4n
2
)dn
2
+d·
2
.
(e) Neste caso, temos r
&
= (÷senn) i + (cos n) j e r
&
= k. Logo,
1 = [r
&
[
2
= 1, 1 = r
&
« r
·
= 0 e G = [r
·
[
2
= 1
e, portanto, d:
2
= dn
2
+d·
2
.
(f) d:
2
= (1 +·
2
)dn
2
+ 2n·dnd· + (1 +n
2
)d·
2
.
(g) d:
2
= 4dn
2
+d·
2
.
(h) d:
2
= (1 + 4n
2
)dn
2
+n
2

2
.
3. Como
r(n, ·) = r(n, ·)i +j(n, ·)j +.(n, ·)k,
os vetores tangentes às curvas r(n, c
2
) e r(c
1
, ·), no ponto onde elas se interceptam, são
r
&
= r
&
i +j
&
j +.
&
k e r
·
= r
·
i +j
·
j +.
·
k,
respectivamente. Portanto, a família de curvas n = c
1
e · = c
2
sobre o se interceptam em um
ângulo reto se, e somente se, r
&
« r
·
= 0.
282 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
4. Como o
1
e o
2
são equivalentes, existe uma bijeção ,(:, t) = n(:, t)i + ·(:, t)j, de 1
1
sobre 1
2
,
com derivadas parciais de primeira ordem contínuas, tal que
r
1
(:, t) = r
2
(,(:, t)), :, t ¸ 1
1
,
onde r
1
(:, t), (:, t) ¸ 1
1
e r
2
(n, ·), (n, ·) ¸ 1
2
parametrizam o
1
e o
2
, respectivamente. Se
) : _ R
3
÷ R
3
é uma função contínua em uma região , contendo as superfícies o
1
e o
2
,
então
__
S
2
)(r, j, .)do
2
=
__
1
2
) (r
2
(n, ·))
¸
¸
¸
¸
0r
2
0n

0r
2

¸
¸
¸
¸
dnd·
e do Teorema de Mudança de Variáveis 4.23, resulta
__
1
2
) (r
2
(n, ·))
¸
¸
¸
¸
0r
2
0n

0r
2

¸
¸
¸
¸
dnd· =
__
1
1
) (r
1
(:, t))
¸
¸
¸
¸
0(n, ·)
0(:, t)
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
0r
2
0n

0r
2

¸
¸
¸
¸
d:dt.
Ora,
0r
1
0:

0r
1
0t
=
_
0r
2
0n

0r
2

_
0(n, ·)
0(:, t)
=
_
0r
2
0n

0r
2

_
J(,),
e, como J(,) 0 ou J(,) < 0, segue que
__
S
2
)(r, j, .)do
2
=
__
1
1
) (r
1
(:, t))
¸
¸
¸
¸
0(n, ·)
0(:, t)
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
0r
2
0n

0r
2

¸
¸
¸
¸
d:dt
= ±
__
1
1
) (r
1
(:, t))
¸
¸
¸
¸
0r
1
0:

0r
1
0t
¸
¸
¸
¸
d:dt
= ±
__
S
1
)(r, j, .)do
1
Seção 6.4 ‡uxo e o Teorema de Gauss
1. 0.
2. Como ilustração, resolveremos o item (b).
(a) 0.
(b) Como 1 = r
2
, ' = j
2
e · = ., temos que div (F) = 2(r + j) e do Teorema de Gauss
resulta
_
¸
(F « n)d: = 2
__
S
(r +j)drdj.
Usando a mudança de variável r = 5n e j = 2·, que transforma a região delimitada pela
elipse em um disco unitário, encontramos
_
¸
(F « n)d: = 2
__
S
(r +j)drdj
= 20
__
&
2

2
¸1
(5n + 2·)dnd·
= 20
_

0
_
1
0
(5r cos 0 + 2r sen0) rdrd0 = 0.
3. Veja a resolução do item (a).
CAPÍTULO 6 INTEGRAL DE SUPERFÍCIE 283
(a) Como 1 = r, ' = r e · = ., temos que div (F) = 3 e do Teorema de Gauss, obtemos
T =
__
S
(F « n)do = 3
___

drdjd.
= 3 vol () = 2¬a
3
.
(b) ÷3¬ (c) 0 (d) 51.
4. Como 1 = r, ' = 0 e · = 0, segue do Teorema de Gauss que
__
S
rdjd. =
___

div (F) drdjd. =
___

drdjd. = vol () .
5. Usando regras de derivação, obtemos
div(q\)) = div [(q)
a
)i + (q)
j
)j + (q)
:
)k]
= 0
a
(q)
a
) +0
j
(q)
j
) +0
:
(q)
:
)
= q
a
)
a
+q)
aa
+q
j
)
j
+q)
jj
+q
:
)
:
+q)
::
= q) +\) « \q.
Considerando no Teorema de Gauss F = q\), obtemos
__
S
(F « n)do =
___

(div F)drdjd. =
___

(q) +\) « \q)drdjd.
e observando que
F « n = (q\)) « n = q(\) « n) = q
0)
0n
chegamos a
___

(q) +\) « \q)drdjd. =
__
S
q
0)
0n
do.
6. Considere ) = q no Exercício 5.
7. Considere q = 1 no Exercício 5.
8. Basta permutar ) e q no Exercício 5 e em seguida subtrair.
9. 16¬,5.
10. ÷2¬a
2
/
2
.
11.
1
8
(c
2
÷5).
Seção 6.5 circulação e o Teorema de Stokes
1. (a) ÷1 (b) 20¬ (c) ÷2¬ (d) ¬ (e) 0.
2. (a) ÷
_
3¬a
2
(b) 0 (c)
45¬
4
(d) ÷
5
6
.
3. (a) 4¬ (b) ÷4¬ (c)
4
3
(d) ÷2¬ (e)
128
3
(f) 729¬ (g) 0 (h) ÷
_
2¬.
4. ÷¬.
284 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Referências Bibliográ…cas
[1] Ávila, G., Cálculo, Vol. 3, Editora LTC, 7
a
Edição, 2006.
[2] Boulos, P. & Abud, Z., Cálculo Diferencial e Integral, Vol. 2, Editora Makron Books, 2000.
[3] Courant, R. & John, F. Introduction to Calculus and Analysis, Vol. II, Springer-Verlag, 1989.
[4] Guidorizzi, H. L., Um Curso de Cálculo, Vol. 3, Editora LTC, 5
a
Edição, 2002.
[5] Munem M. A. & Foulis D. J., Cálculo, Vol. 2, Editora Guanabara Dois, 1983.
[6] Protter, M. H. & Morrey, C. B., Modern Mathematical Analysis, Editora Addison-Wesley, 1964.
[7] Spiegel, M. R., Cálculo Avançado, Editora MacGraw-Hill, 1976.
[8] Swokowski, E., Cálculo com Geometria Analítica, Vol. 2, Editora Makron Books, 2
a
Edição, 1983.
[9] Thomas, G. B., Cálculo, Vol. 2, Editora Addison-Wesley, 10
a
Edição, 2003.
[10] Williamson, R. E., Crowell, R. H. & Trotter, H. F., Calculus of Vector Functions, Editora Prentice-
Hall, 3
a
Edição, 1972.
286 CÁLCULO DE VÁRIAS VARIÁVEIS A. A. e SILVA & M. P. MATOS
Índice Remissivo
A
Ângulos diretores, 176
Área
de uma superfície, 238
elementar, 130, 238
em coordenadas cilíndricas, 244
em coordenadas esféricas, 244
in…nitesimal, 130
Aproximação linear, 40
C
Campo
conservativo, 174
de forças, 170
escalar, 9
gradiente, 174
gravitacional, 174
quadradoinverso, 174
radial, 173
tangencial, 173
Centro de massa
de uma placa, 142
de uma superfície 252
Circulação, 218, 266
Classe de equivalência, 236
Compenente tangencial, 198
Componentes
de um campo vetorial, 172
Conjunto de nível, 10
Conjunto
aberto, 3
compacto, 5
conexo, 6
de pontos, 1
fechado, 4
fronteira de um, 4
limitado, 5
Coordenadas
polares, 21, 114
cilíndricas, 114
esféricas, 115
Curva
de nível, 10
integral, 188
D
Densidade
de circulação, 275
de corrente elétrica, 263
linear, 171
super…cial, 141
volumétrica, 163
Derivada
de Newton-Leibniz, 32
direcional, 57
parcial, 33
parcial de ordem superior, 35
parcial mista, 36
Descontinuidade
essencial, 22
removível, 22
Distribuição de carga elétrica, 264, 265
Divergente, 177
Domínio 6
admissível, 207
estrelado, 209
E
Elemento linear, 254
Energia
cinética, 142, 170
potencial, 206
Equação
288 ÍNDICE REMISSIVO
de conservação da carga elétrica, 263
de conservação da massa, 263
de continudade, 178
de Laplace, 40
de Poisson para o potencial, 265
de transmissão de calor, 39
fundamental da eletrostática, 264
Equações de Cauchy-Riemann, 40
Extremos
condicionados, 92
vinculados, 92
F
Fluxo, 255, 258
Forma Diferencial, 172, 207
de segunda ordem, 253
exata, 207
total, 207
Fórmula de Gauss
bidimensional, 217
tridimensional, 258
Fórmula de Green, 212
Fórmula de Stokes
bidimensional, 219
tridimensional, 268
Fórmula da Divergência, ver Fórmula de Gauss
Função, 8
valor de uma, 9
antissimétrica, 35
contínua, 21
derivável, 32
diferenciável, 41
diferencial de uma, 46
elementar, 23
grá…co de uma, 9
homogênea, 56
imagem de uma, 9
incremento da, 46
simétrica, 35
valor máximo de uma, 78
valor mínimo de uma, 79
G
Gauss, ver Fórmula de Gauss
Green, ver Fórmula de Green
I
Identidade de Green, 220
In…nitésimos, 46
Integral de linha
independente do caminho, 201
Integral dupla, 129, 130
imprópria,144
convergente, 144
divergente, 144
Integral
de Riemann, 129
de superfície, 247
iterada, 131
repetida, 131
simples, 128
Intensidade de corrente elétrica, 263
J
Jacobiano, 107
L
Laplaciano, 177
Lei de Coulomb, 264
Lema Fundamental, 45
Limite, 14
iterados, 18
propriedades básicas
confronto, 15
linearidade, 15
produto, 15
quociente, 15
Linhas de um campo, 262
M
Massa
elementar, 142
de uma superfície, 252
Matriz
autovalores de uma, 85
Jacobiana, 49, 177
Hessiana, 84, 87
polinômio característico de uma, 85
simétrica, 85
ÍNDICE REMISSIVO 289
Máximo
absoluto, 78
global, 78
local, 78
relativo, 78
Método
de Indução Finita, 131
dos Multiplicadores de Lagrange, 93
Mínimo
absoluto, 79
global, 79
local, 79
relativo, 79
Momento, 142
Momento de inércia
de uma placa, 142
de uma superfície, 252
polar, 142
Mudança de coordenadas, 111
Mudança de Variável
em integral dupla, 147
em integral tripla, 160
Multiplicador de Lagrange, 93
O
Operador
divergente, 177
gradiente, 176
rotacional, 178
Ordem de integração,
na integral dupla, 131
invertendo a ordem, 138
na integral tripla, 158
P
Paralelepípedo, 157
Parametrização
da esfera, 231
do cilindro, 230, 231
do cone, 231
de uma superfície de revolução, 232
Plano tangente, 41, 61, 229
Ponto
crítico, 81
de acumulação, 6
de fronteira, 2, 4
de sela, 82
estacionário, 81
exterior, 2
extremo, 79
interior, 2
isolado, 6
Potencial eletrostático 264
Primeira Forma Fundamental, 255
Produto Vetorial Fundamental, 229
R
Região, 6
simplesmente conexa, 6
horizontal simples, 134
vertical simples, 134
Regra da Cadeia
1
o
caso, 52
2
o
caso, 53
3
o
caso, 53
diagrama em árvore, 54
Regra de Cramer, 108
Regras de derivação, 65
Reta normal
equação vetorial, 62
Reta tangente
no espaço, 63
no plano, 32
S
Somas de Riemann, 129
Superfície
de revolução, 232
meridianos de uma, 233
paralelos de uma, 233
de nível, 10
fechada, 237
forma cartesiana explicita, 227
forma cartesiana implícita, 227
forma paramétrica, 228
orientada, 234
parametrizada, 228
parcialmente regular, 232
290 ÍNDICE REMISSIVO
regular por partes, 232
regular, 229
simples, 237
Stokes, ver Fórmula de Stokes
Superfícies equivalentes, 236
T
Taxa instantânea de variação, 56
Teorema da Divergência, 258
Teorema da Média
para integral dupla, 130
para integral tripla, 262
Teorema de Gauss, 258
Teorema de Green, 213
Formulação Vetorial, 219
Teorema de Stokes, 269
Teorema
da Função Implícita 1, 104
da Função Implícita 2, 106
da Função Implícita 3, 107
da Função Inversa, 105, 113
de Fubini, 131, 134
de Weierstrass, 88
do valor médio - TVM, 45
Fundamental do Cálculo, 54
Teste
da Segunda Derivada, 83, 86
do Hessiano, 83, 84
Toro de revolução, 237
Trabalho, 170
Trajetórias ortogonais, 112
Transformações, 110
V
Vetor gradiente, 61
Vizinhança
circular, 2
retangular, 2
Volume elementar, 134, 157
em coordenadas cilíndricas, 161
em coordenadas esféricas, 162