You are on page 1of 4

TUBERCULOSE PULMONAR: DO TRATAMENTO A CURA Moreira, R. S.T(1); Lima, S.T(2). Universidade Castelo branco (1)taism22@gmail.com;(2)thamires_sl@live.

com

1. INTRODUÇÃO A tuberculose é uma doença infectocontagiosa constituindo-se ainda um sério problema de saúde pública permanescente no Brasil, devido à sua crescente incidência em diferentes grupos populacionais e pelo maior número de mortes, entres todas as outras doenças infecto-contagiosas. Esse fato é preocupante porque se trata de uma doença evitável e curável, com tratamento específico (RUFFINO, 2004). Nas Américas, apesar de alguns autores sugerirem que está doença já existia antes da colonização, é de consenso geral que foram os europeus que trouxeram durante as suas expedições, causando milhares de mortes nas populações indígenas, virgens de contato com Mycobacterium tuberculosis, o agente causal da doença (Leite; Telarolli Jr, 1997). No Brasil, alguns colonizadores chegavam doentes, mantinham contato permanente com os índios e infectavam dezenas de nativos. Acreditam – se que o padre Manoel de Nóbrega, que chegou no Brasil em 1549, tenha sido o primeiro morador ilustre do país a morrer da doença (Hijar, 1994, Leite; Telarolli Jr, 1997). Sendo uma das doenças infecciosas mais prevalentes em todo o mundo, endêmica em alguns países, responsável pela morte anual de mais de dois milhões de pessoas, sendo 450.000 com menos de 15 anos de idade (World Helth Organization, 1999). Estima – se em oito milhões o número de novos casos a cada ano, com ais de 80% deles em 22 países. ( Wolrd Helth Organization, 2006). A OMS (organização mundial da saúde) definiu a TB como emergência global e, 1993 e hoje estima – se sua prevalência em 32%. A iniciativa chamada Stop TB veio a seguir, estabelecendo metas para 2005 (detecção de 70% e cura de 85% dos casos), para 2015 e para 2050(Quadro 1). Em 2000, a Organização das Nações Unidas estabeleceu

que propõe a redução das iniquidades em saúde. o Ministro da Saúde do Brasil.251 municípios.) Quadro 1 . Dispõe-se de 30.as ―Metas do Milênio‖.1% da população brasileira. o desenvolvimento global deve ser norteado por estratégias que contribuam para a redução da vulnerabilidade de grupos sociais e de países. Em outubro de 2011. integralidade e equidade em um contexto de descentralização e controle social. realizada no Rio de Janeiro. com uma cobertura de 53.Metas. Piller. alvos e indicadores para o controle de tuberculose.328 equipes em 5. (Portal Saúde da Família – Atenção Básica. Presente à conferência. Fonte: Organização Mundial da Saúde. B. pactuando ações globais sobre os determinantes sociais da saúde. Epidemiologia da Tuberculose. resultou na ―Declaração do Rio‖. A estratégia denominada Saúde da Família vem cumprir um importante papel nessa missão. adotando--se soluções e sinergias intersetoriais. Alexandre Padilha. na medida em que se fundamenta nos eixos transversais da universalidade. a Conferência Mundial sobre os Determinantes Sociais da Saúde. citou a melhoria dos indicadores de saúde e a redução dos índices de tuberculose no país por conta dos investimentos do governo brasileiro na área social — saneamento. (Raquel V. Para tanto. habitação e combate à fome.) . que incluíram o controle da tuberculose até 2015.

039) em 2012. determinadas informações iram ser utilizadas como parâmetros e utilizados para a elaboração desse estudo. Descrever os principais sintomas do adoecimento. a taxa é de 68. 11. . 3. em todo o estado. OBJETIVO GERAL Informar sobre a prevenção e tratamento da tuberculose. Descrever as formas de tratamento. OBJETIVO ESPECÍFICO       Métodos de diagnósticos. De acordo com dados preliminares. De acordo com o Ministério da Saúde. 954 se referem a pacientes que retomaram o tratamento depois de abandoná-lo. Discutir os principais fatores de risco de infecção. 33 municípios fluminenses diagnosticaram 551 pacientes resistentes. o estado registrou 14. Segundo a Organização Mundial de Saúde.41% se referem a casos novos da doença.149 ou 79. para considerar a tuberculose uma doença sob controle.039 casos da doença em 2012 — em torno de 15% do total. Entre os 14.De acordo com os dados disponíveis no site da Prefeitura do Rio de Janeiro. selecionados através de buscas em bancos de dados bibliográficos.1. o Brasil é o 17º país com maior incidência de tuberculose entre os 22 de alta carga. O Rio também concentra a maior parte dos casos em pacientes que apresentam resistência à medicação usada no tratamento. Depois com base nas informações obtidas. Das notificações realizadas no estado do Rio (14. Relatar os sintomas de progressão da doença. 2. Relatar as formas de prevenção. o estado do Rio de Janeiro nos anos de 2012 a 2013 apresentou a maior incidência de tuberculose do país. a taxa de incidência não deve ultrapassar cinco casos em cada 100 mil habitantes — atualmente.7 para cada 100 mil habitantes. De 2009 a dezembro de 2012. 2.039 casos de tuberculose estado. MATERIAL E MÉTODOS Este estudo será realizado a partir de leituras de artigos científicos.

uerj.Abordagem primária do tratamento da tuberculose.hupe.br/revista/2012_21_1/02. Disponível < http://revista. Miguel A.B. Piller – Epidemiologia da Tuberculose – Disponível < http://www. Ivana Lúcia Damásio Montinho . 2.Tuberculose: Aspectos imunológicos na infecção e na doença. 4. 5.4.ufmg.br/detalhe_artigo.nescon.Tuberculose – Epidemiologia e controle no Brasil.br/index.medicina. 3. Maria José Procópio . .br/imprensa-noticias/18537- secretaria-de-estado-de-saude-lanca-plano-de-acao-contra-tuberculose-eaids.rj. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1.ufmg. Flávio Janor de Castro .pdf. Governo do Estado do Rio de Janeiro.html. Disponível < http://rmmg. Hijar. Secretaria de Estado de Saúde – Disponível < http://www. Disponível < https://www.pdf.php/rmmg/article/viewFile/337/325.medicina. Raquel V.gov.sopterj.asp?id=228 >.br/biblioteca/imagem/3787.com.saude.