LECIONÁRIO DOMINICAL: ANO ABC – 6ª FEIRA DA SEMANA SANTA – TEXTOS BÍBLICOS: BÍBLIA J. F.

DE ALMEIDA REVISTA E ATUALIZADA

cf. LECIONÁRIO em: CCT - Consultation on Common Texts, (www.commontexts.org/Default.html)

-

DESENHO: www.servicioskoinonia.org/cerezo/

JESUS: SERVO, REI, SACERDOTE
1ª Leitura: O Servo Sofredor: A redenção pelo sofrimento “5.8 Por... causa [das nossas] transgressões... foi ele ferido” Leitura do Livro do Profeta Isaías (Is 52,13 – 53,12)
13 Eis que o meu Servo procederá com prudência; será exaltado e elevado e será mui sublime. 14 Como pasmaram muitos à vista dele (pois o seu aspecto estava mui desfigurado mais do que o de outro qualquer e a sua aparência mais do que a dos outros fil!os dos !omens" 15 assim causará admira#$o às na#%es e os reis fec!ar$o a sua boca por causa dele; porque aquilo que n$o l!es foi anunciado ver$o e aquilo que n$o ouviram entender$o. 53,1 &uem creu em nossa prega#$o' E a quem foi revelado o bra#o do SE()*+' 2 ,orque foi subindo como renovo perante ele e como rai- de uma terra seca; n$o tin!a aparência nem formosura; ol!amo.lo mas nen!uma bele-a !avia que nos agradasse. 3 Era despre-ado e o mais re/eitado entre os !omens; !omem de dores e que sabe o que 0 padecer; e como um de quem os !omens escondem o rosto era despre-ado e dele n$o fi-emos caso. 4 Certamente ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e n1s o reputávamos por aflito ferido de 2eus e oprimido. 5 3as ele foi traspassado pelas nossas transgress%es e mo4do pelas nossas iniq5idades; o castigo que nos tra- a pa- estava sobre ele e pelas suas pisaduras fomos sarados. 6 6odos n1s andávamos desgarrados como ovel!as; cada um se desviava pelo camin!o mas o SE()*+ fe- cair sobre ele a iniq5idade de n1s todos. Ele foi oprimido e !umil!ado mas n$o abriu a boca; como cordeiro foi levado ao matadouro; e como ovel!a muda perante os seus tosquiadores ele n$o abriu a boca. 8 ,or /u4-o opressor foi arrebatado e de sua lin!agem quem dela cogitou' ,orquanto foi cortado da terra dos viventes; por causa da transgress$o do meu povo foi ele ferido. ! 2esignaram.l!e a sepultura com os perversos mas com o rico esteve na sua morte posto que nunca fe- in/usti#a nem dolo algum se ac!ou em sua boca. 1" 6odavia ao SE()*+ agradou moê.lo fa-endo.o enfermar; quando der ele a sua alma como oferta pelo pecado verá a sua posteridade e prolongará os seus dias; e a vontade do SE()*+ prosperará nas suas m$os. 11 Ele verá o fruto do penoso trabal!o de sua alma e ficará satisfeito; o meu Servo o 7usto com o seu con!ecimento /ustificará a muitos porque as iniq5idades deles levará sobre si. 12 ,or isso eu l!e darei muitos como a sua parte e com os poderosos repartirá ele o despo/o porquanto derramou a sua alma na morte; foi contado com os transgressores; contudo levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu.

0+$a%a12o ao 3va'4e$5o (6& 2,8(!): 78 ... [$esus] tornando-se obediente at% & morte e morte de cru'. ! Pelo "ue tamb%m (eus o e)altou sobremaneira e l#e deu o nome "ue est* acima de todo nome8 3va'4e$5o: Jesus, nico e verdadeiro Rei

“1+... 9$esus: Amou-os at% ao fim8 Pai82o de 9esus ,risto se4u'do 9o2o (9o 18,1(1!,42) “12 ... Prenderam $esus, manietaram-no8 9(aquele tempo : 1 ... 7esus ... saiu /untamente com seus disc4pulos para o outro lado do ribeiro Cedrom onde !avia um /ardim; e a4 entrou com eles. 2 E 7udas o traidor tamb0m con!ecia aquele lugar porque 7esus ali estivera muitas ve-es com seus disc4pulos. 3 6endo pois 7udas recebido a escolta e dos principais sacerdotes e dos fariseus alguns guardas c!egou a este lugar com lanternas toc!as e armas. 4 Sabendo pois 7esus todas as coisas que sobre ele !aviam de vir adiantou.se e perguntou.l!es; > quem buscais' 5 +esponderam.l!e; > 7esus o (a-areno. Ent$o 7esus l!es disse; Sou eu. *ra 7udas o traidor estava tamb0m com eles. 6 &uando pois 7esus l!es disse; Sou eu recuaram e ca4ram por terra. 7esus de novo l!es perguntou; > quem buscais' +esponderam; > 7esus o (a-areno. 8 Ent$o l!es disse 7esus; 7á vos declarei que sou eu; se 0 a mim pois que buscais deixai ir estes; ! para se cumprir a palavra que dissera; ($o perdi nen!um dos que me deste. 1" Ent$o Sim$o ,edro puxou da espada que tra-ia e feriu o servo do sumo sacerdote cortando.l!e a orel!a direita; e o nome do servo era 3alco. 11 3as 7esus disse a ,edro; 3ete a espada na bain!a; n$o beberei porventura o cálice que o ,ai me deu' 13a Condu'iram [$esus] primeiramente a An*s 12 >ssim a escolta o comandante e os guardas dos /udeus prenderam 7esus manietaram.no 13 e o condu-iram primeiramente a >nás; pois era sogro de Caifás sumo sacerdote naquele ano. 14 *ra Caifás era quem !avia declarado aos /udeus ser conveniente morrer um !omem pelo povo. 15 Sim$o ,edro e outro disc4pulo seguiam a 7esus. Sendo este disc4pulo con!ecido do sumo sacerdote entrou para o pátio deste com 7esus. 16 ,edro por0m ficou de fora /unto à porta. Saindo pois o outro disc4pulo que era con!ecido do sumo sacerdote falou com a encarregada da porta e levou a ,edro para dentro. 1 Ent$o a criada encarregada da porta perguntou a ,edro; ($o 0s tu tamb0m um dos disc4pulos deste !omem' ($o sou respondeu ele. 18 *ra os servos e os guardas estavam ali tendo acendido um braseiro por causa do frio e aquentavam.se. ,edro estava no meio deles aquentando.se tamb0m. 1! Ent$o o sumo sacerdote interrogou a 7esus acerca dos seus disc4pulos e da sua doutrina. 2" 2eclarou.l!e 7esus; Eu ten!o falado francamente ao mundo; ensinei continuamente tanto nas sinagogas como no templo onde todos os /udeus se re?nem e nada disse em oculto. 21 ,or que me interrogas' ,ergunta aos que ouviram o que l!es falei; bem sabem eles o que eu disse. 22 2i-endo ele isto um dos guardas que ali estavam deu uma bofetada em 7esus di-endo; @ assim que falas ao sumo sacerdote' 23 +eplicou.l!e 7esus; Se falei mal dá testemun!o do mal;

#a$%o res&o'soria$: 31, 1.5,11(12,14(15,16.24 ().* L+ 23,46) R. “(L+ 23,46) ... Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito!...8.
1 Em

5 (as

ti SE()*+ me refugio; n$o se/a eu /amais envergon!ado; livra.me por tua /usti#a. 9...: tuas m$os entrego o meu esp4rito; tu me remiste SE()*+ 2eus da verdade. 9...: R.

opr1brio para todos os meus adversários espanto para os meus vi-in!os e !orror para os meus con!ecidos; os que me vêem na rua fogem de mim. 12 Estou esquecido no cora#$o deles como morto; sou como vaso quebrado. 9...:R. 14 &uanto a mim confio em ti SE()*+. Eu disse; tu 0s o meu 2eus. 15 (as tuas m$os est$o os meus dias; livra.me das m$os dos meus inimigos e dos meus perseguidores. R. 16 <a-e resplandecer o teu rosto sobre o teu servo; salva.me por tua miseric1rdia. 9...: 24 Sede fortes e revigore.se o vosso cora#$o v1s todos que esperais no SE()*+. R. 2ª Leitura: Jesus, Sumo Sacerdote digno de fé em relação a Deus e misericordioso em relação às pessoas “8 [Ele]... aprendeu a obediência... ! e... tornou-se o Autor da sal a!ão eterna para todos os "ue l#e obedecem 8 Leitura da ,arta aos -e.reus (-. 4,14(16/5, (!) 9=rm$os;: 14 6endo pois a 7esus o <il!o de 2eus como grande sumo sacerdote que penetrou os c0us conservemos firmes a nossa confiss$o. 15 ,orque n$o temos sumo sacerdote que n$o possa compadecer.se das nossas fraque-as; antes foi ele tentado em todas as coisas à nossa semel!an#a mas sem pecado. 16 >c!eguemo.nos portanto confiadamente /unto ao trono da gra#a a fim de recebermos miseric1rdia e ac!armos gra#a para socorro em ocasi$o oportuna. 9...: 5, Ele 7esus nos dias da sua carne tendo oferecido com forte clamor e lágrimas ora#%es e s?plicas a quem o podia livrar da morte e tendo sido ouvido por causa da sua piedade 8 embora sendo <il!o aprendeu a obediência pelas coisas que sofreu ! e tendo sido aperfei#oado tornou.se o >utor da salva#$o eterna para todos os que l!e obedecem

11 6ornei.me

LECIONÁRIO DOMINICAL: ANO ABC – 6ª FEIRA DA SEMANA SANTA – TEXTOS BÍBLICOS: BÍBLIA J. F. DE ALMEIDA REVISTA E ATUALIZADA

cf. LECIONÁRIO em: CCT - Consultation on Common Texts, (www.commontexts.org/Default.html)

-

DESENHO: www.servicioskoinonia.org/cerezo/

JESUS: SERVO, REI, SACERDOTE
mas se falei bem por que me feres' 24 Ent$o >nás o enviou manietado à presen#a de Caifás o sumo sacerdote. 25. ... +s tu, por entura, um dos discípulos dele, [Pedro] negou e disse- .ão sou.
25 2"

Aá estava Sim$o ,edro aquentando.se. ,erguntaram.l!e pois; @s tu porventura um dos disc4pulos dele' Ele negou e disse; ($o sou. 26 Bm dos servos do sumo sacerdote parente daquele a quem ,edro tin!a decepado a orel!a perguntou; ($o te vi eu no /ardim com ele' 2 2e novo ,edro o negou e no mesmo instante cantou o galo. “36 ... / meu reino não % deste mundo8
28 2epois levaram 7esus da casa de Caifás para o pret1rio. Era cedo de man!$. Eles n$o entraram no pret1rio para n$o se contaminarem mas poderem comer a ,áscoa. 2! Ent$o ,ilatos saiu para l!es falar e l!es disse; &ue acusa#$o tra-eis contra este !omem' 3" +esponderam.l!e; Se este n$o fosse malfeitor n$o to entregar4amos. 31 +eplicou.l!es pois ,ilatos; 6omai.o v1s outros e /ulgai.o segundo a vossa lei. +esponderam.l!e os /udeus; > n1s n$o nos 0 l4cito matar ningu0m; 32 para que se cumprisse a palavra de 7esus significando o modo por que !avia de morrer. 33 6ornou ,ilatos a entrar no pret1rio c!amou 7esus e perguntou.l!e; @s tu o rei dos /udeus' 34 +espondeu 7esus; Cem de ti mesmo esta pergunta ou to disseram outros a meu respeito' 35 +eplicou ,ilatos; ,orventura sou /udeu' > tua pr1pria gente e os principais sacerdotes 0 que te entregaram a mim. &ue fi-este' 36 +espondeu 7esus; * meu reino n$o 0 deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo os meus ministros se empen!ariam por mim para que n$o fosse eu entregue aos /udeus; mas agora o meu reino n$o 0 daqui. 3 Ent$o l!e disse ,ilatos; Aogo tu 0s rei' +espondeu 7esus; 6u di-es que sou rei. Eu para isso nasci e para isso vim ao mundo a fim de dar testemun!o da verdade. 6odo aquele que 0 da verdade ouve a min!a vo-. 38 ,erguntou.l!e ,ilatos; &ue 0 a verdade' 6endo dito isto voltou aos /udeus e l!es disse; Eu n$o ac!o nele crime algum. 3! @ costume entre v1s que eu vos solte algu0m por ocasi$o da ,áscoa; quereis pois que vos solte o rei dos /udeus' 4" Ent$o gritaram todos novamente; ($o este mas DarrabásE *ra Darrabás era salteador.

3uitos /udeus leram este t4tulo porque o lugar em que 7esus fora crucificado era perto da cidade; e estava escrito em !ebraico latim e grego. 21 *s principais sacerdotes di-iam a ,ilatos; ($o escrevas; +ei dos /udeus e sim que ele disse; Sou o rei dos /udeus. 22 +espondeu ,ilatos; * que escrevi escrevi. “24. ... 4epartiram entre si as min#as estes ...8 *s soldados pois quando crucificaram 7esus tomaram.l!e as vestes e fi-eram quatro partes para cada soldado uma parte; e pegaram tamb0m a t?nica. > t?nica por0m era sem costura toda tecida de alto a baixo. 24 2isseram pois uns aos outros; ($o a rasguemos mas lancemos sortes sobre ela para ver a quem caberá Hpara se cumprir a Escritura; +epartiram entre si as min!as vestes e sobre a min!a t?nica lan#aram sortes. >ssim pois o fi-eram os soldados. “26. ...5ul#er, eis aí teu fil#o. 2 a ... Eis aí tua mãe...8
25 23

E /unto à cru- estavam a m$e de 7esus e a irm$ dela e 3aria mul!er de Clopas e 3aria 3adalena. 26 Cendo 7esus sua m$e e /unto a ela o disc4pulo amado disse; 3ul!er eis a4 teu fil!o. 2 2epois disse ao disc4pulo; Eis a4 tua m$e. 2essa !ora em diante o disc4pulo a tomou para casa. “3" ... Est* consumado! ...8 2epois vendo 7esus que tudo /á estava consumado para se cumprir a Escritura disse; 6en!o sedeE 2! Estava ali um vaso c!eio de vinagre. Embeberam de vinagre uma espon/a e fixando.a num cani#o de !issopo l!a c!egaram à boca. 3" &uando pois 7esus tomou o vinagre disse; Está consumadoE E inclinando a cabe#a rendeu o esp4rito. 0:;I <=>=# #3 09=3L-0? 3 60@(#3 ;?0 P0;#0.
34. 31 28

... E logo saiu sangue e *gua8

“3 ... 0al e, rei dos 1udeus! ...8
1!,1 2

Ent$o por isso ,ilatos tomou a 7esus e mandou a#oitá.lo. *s soldados tendo tecido uma coroa de espin!os puseram.l!a na cabe#a e vestiram.no com um manto de p?rpura. 3 C!egavam.se a ele e di-iam; Salve rei dos /udeusE E davam.l!e bofetadas. 4 *utra ve- saiu ,ilatos e l!es disse; Eis que eu vo.lo apresento para que saibais que eu n$o ac!o nele crime algum. 5 Saiu pois 7esus tra-endo a coroa de espin!os e o manto de p?rpura. 2isse.l!es ,ilatos; Eis o !omemE 6 >o verem.no os principais sacerdotes e os seus guardas gritaram; Crucifica.oE Crucifica.oE 2isse.l!es ,ilatos; 6omai.o v1s outros e crucificai.o; porque eu n$o ac!o nele crime algum. +esponderam.l!e os /udeus; 6emos uma lei e de conformidade com a lei ele deve morrer porque a si mesmo se fe- <il!o de 2eus. 8 ,ilatos ouvindo tal declara#$o ainda mais atemori-ado ficou ! e tornando a entrar no pret1rio perguntou a 7esus; 2onde 0s tu' 3as 7esus n$o l!e deu resposta. 1" Ent$o ,ilatos o advertiu; ($o me respondes' ($o sabes que ten!o autoridade para te soltar e autoridade para te crucificar' 11 +espondeu 7esus; (en!uma autoridade terias sobre mim se de cima n$o te fosse dada; por isso quem me entregou a ti maior pecado tem. “15a ... 2ora! 2ora! 3rucifica-o!8 > partir deste momento ,ilatos procurava soltá.lo mas os /udeus clamavam; Se soltas a este n$o 0s amigo de C0sarE 6odo aquele que se fa- rei 0 contra C0sarE 13 *uvindo ,ilatos estas palavras trouxe 7esus para fora e sentou.se no tribunal no lugar c!amado ,avimento no !ebraico Fabatá. 14 E era a parasceve pascal cerca da !ora sexta; e disse aos /udeus; Eis aqui o vosso rei. 15 Eles por0m clamavam; <oraE <oraE Crucifica.oE 2isse.l!es ,ilatos; )ei de crucificar o vosso rei' +esponderam os principais sacerdotes; ($o temos rei sen$o C0sarE 16 Ent$o ,ilatos o entregou para ser crucificado. “18 ... / crucificaram e com ele outros dois...8
1 6omaram eles pois a 7esus; e ele pr1prio carregando a sua crusaiu para o lugar c!amado Calvário F1lgota em !ebraico 18 onde o crucificaram e com ele outros dois um de cada lado e 7esus no meio. 1! ,ilatos escreveu tamb0m um t4tulo e o colocou no cimo da cru-; o que estava escrito era; 7ESBS (>G>+E(* * +E= 2*S 7B2EBS. 12

Ent$o os /udeus para que no sábado n$o ficassem os corpos na cruvisto como era a prepara#$o pois era grande o dia daquele sábado rogaram a ,ilatos que se l!es quebrassem as pernas e fossem tirados. 32 *s soldados foram e quebraram as pernas ao primeiro e ao outro que com ele tin!am sido crucificados; 33 c!egando.se por0m a 7esus como vissem que /á estava morto n$o l!e quebraram as pernas. 34 3as um dos soldados l!e abriu o lado com uma lan#a e logo saiu sangue e água. 35 >quele que isto viu testificou sendo verdadeiro o seu testemun!o; e ele sabe que di- a verdade para que tamb0m v1s creiais. 36 E isto aconteceu para se cumprir a Escritura; (en!um dos seus ossos será quebrado. 3 E outra ve- di- a Escritura; Eles ver$o aquele a quem traspassaram. “4" 6omaram, pois, o corpo de $esus e o en ol eram em len!7is com os aromas...8 2epois disto 7os0 de >rimat0ia que era disc4pulo de 7esus ainda que ocultamente pelo receio que tin!a dos /udeus rogou a ,ilatos l!e permitisse tirar o corpo de 7esus. ,ilatos l!o permitiu. Ent$o foi 7os0 de >rimat0ia e retirou o corpo de 7esus. 3! E tamb0m (icodemos aquele que anteriormente viera ter com 7esus à noite foi levando cerca de cem libras de um composto de mirra e alo0s. 4" 6omaram pois o corpo de 7esus e o envolveram em len#1is com os aromas como 0 de uso entre os /udeus na prepara#$o para o sepulcro. 41 (o lugar onde 7esus fora crucificado !avia um /ardim e neste um sepulcro novo no qual ningu0m tin!a sido ainda posto. 42 >li pois por causa da prepara#$o dos /udeus e por estar perto o t?mulo depositaram o corpo de 7esus.
38

=ra12o do dia (Livro de =ra12o ,o%u% – L=,, &4. 12") I 3isericordioso 2eus que criaste todo o gênero !umano e n$o aborreces coisa alguma do que fi-este nem dese/as a morte do pecador mas antes seu arrependimento e salva#$o; tem compaix$o dos que n$o te con!ecem tal como te revelaste no Evangel!o de teu <il!o. Aiberta.os de toda a ignorJncia dure-a de cora#$o e despre-o de tua ,alavra; condu-e.os pois 1 bendito Sen!or ao teu aprisco a fim de que constituam um s1 reban!o sob um ?nico ,astor 7esus Cristo Sen!or nosso que vive e reina contigo e com o Esp4rito Santo um s1 2eus agora e sempre. Am%m. Ae'12o (#e%a'a #a'ta: Livro de =ra12o ,o%u% – L=,, &4. 1"6): Cristo crucificado vos atraiu a Si mesmo a fim de que encontreis (ele o alicerce seguro da f0 o firme sustentáculo da esperan#a e a certe-a dos pecados perdoados; e a Dên#$o de 2eus *nipotente ,ai <il!o e Esp4rito Santo se/a convosco e convosco !abite eternamente. Am%m.