1

ESTADO DO MARANHÃO
PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA
SEGUNDA CÂMARA CÍVEL

Sessão do dia 02 de março de 2010.
Apelação Cível nº 32646-2009 – São Luís.
Apelante: Diordio Leno Bezerra de Araujo.
Advogado: Natanael Estevão Correa e outros.
APELADO: ESTADO DO MARABHÃO.
Procurador: Raimundo Henrique N. Soares
Relator: Des. Raimundo Freire Cutrim
Revisora: Desa. Nelma Sarney Costa
ACÓRDÃO Nº:.89.895/2010

EMANTA
CONSTITUCIONAL. ADMINISTRATIVO E PENAL. AÇÃO
CRIMINAL. INEXISTÊNCIA DO FATO. RESPONSABILIDADE
ADMINISTRATIVA AFASTADA. ATO NULO.
1 – A absolvição do autor na ação criminal por inexistência
do fato, afasta sua responsabilidade administrativa e civil.
2 – Cabe ao judiciário examinar a legalidade do ato
administrativo e declará-lo nulo.
3 – apelo provido. Unanimidade.

Gabinete do Desembargador Raimundo Freire Cutrim
Endereço: TJMA - Praça D. Pedro II, s/n, centro, São Luís-MA – CEP: 65010450
Telefone: (98) 2106-9968

por unanimidade e de acordo com o parecer da Procuradoria Geral de Justiça em dar provimento ao apelo. acordam os Senhores Desembargadores da Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão. centro. Carlos Nina Everton Cutrim. relatados e discutidos estes autos. Pedro II. São Luís-MA – CEP: 65010450 Telefone: (98) 2106-9968 . Participaram do julgamento os Senhores Desembargadores: Raimundo Freire Cutrim – Relator. para que seja reformada a sentença atacada e. s/n.2 ESTADO DO MARANHÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL Vistos.Nelma Sarney Costa Presidente Des.Praça D. 02 de março de 2010. julgar procedente a ação de reintegração. Nelma Sarney Costa e Jorge Rachid Mubárack Maluf. Raimundo Freire Cutrim Relator Gabinete do Desembargador Raimundo Freire Cutrim Endereço: TJMA . Desa. Funcionou pela Procuradoria Geral de Justiça o Dr. nos termos do voto do Desembargador Relator. São Luís.

quando ocupava o cargo de 2º Tenente. o inocentou da falsa acusação de concussão. constituiu-se um Conselho de Justificação que levou o mesmo a ser demitido. ex-ofício. foi instaurada Sindicância na 5ª Companhia da Polícia Militar Independente que. sofrera calúnia por parte do Prefeito Municipal de Itinga/MA. em 1994. dos condutores de veículos.Praça D. no entanto. ante a inexistência de crime. dando azo à Denuncia Crime nº 37/2003 e conseqüente ação penal.3 ESTADO DO MARANHÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL RELATÓRIO DIORDIO LENO BEZERRA DE ARAUJO ajuizou. ao final. no curso de formação de Soldado e. em 23/06/2008. em 1999. Sustenta ainda que ao tempo da ação penal. centro. 439. sendo. razão pela qual ajuizou a presente ação. enviado à Auditoria Militar. “a”. que o acusou de realizar operação de trânsito com o fim de auferir vantagem econômica (propina). Pedro II. pelo Governador do Estado. sendo aprovado. s/n. do Código Penal Militar. Gabinete do Desembargador Raimundo Freire Cutrim Endereço: TJMA . embora eivada de vícios. para apurar os fatos. São Luís-MA – CEP: 65010450 Telefone: (98) 2106-9968 . em 1993. culminou pela sua condenação. com fulcro no art. sido graduado em 20/12/1996. Diz mais que. ação ordinária declaratória de nulidade de ato jurídico c/c reintegração em cargo público contra ESTADO DO MARANHÃO. logrou êxito no concurso vestibular para Formação de Oficiais na UEMA. sob o fundamento de que pertencia às fileiras da PMMA. servindo de subsídio ao Inquérito Policial Militar instaurado que. razão pela qual. na Justiça Militar do Estado do Maranhão. embora tenha sido julgado e absolvido em 25/11/2008 pela Auditoria Militar.

45/49. Tribunal e. s/n. Inconformado com a decisão. Requer seja julgado improcedente o pedido do autor. 68/72). Sem contra-razões (fl. São Luís-MA – CEP: 65010450 Telefone: (98) 2106-9968 . haja vista o mesmo não possuir idoneidade necessária ao desempenho do mister exifgido pela PMMA. para que seja reformada a sentença de 1º grau (fls. nos autos do processo nº 19590/2003. por ter praticado ato que afetou a honra pessoal. em que lhe foi dado a mais ampla defesa. deu cumprimento a decisão do TJMA. retornando com manifestação pelo provimento do apelo. 148/153). ante a impossibilidade jurídica do pedido. através de processo que transcorreu na mais absoluta normalidade. 103/109). o MM. o autor apelou sustentando que o ato de sua demissão foi assinado pelo Governador do Estado face determinação do Conselho de Justificação e que não consta nos autos qualquer prova do processo 19590-2003. pudonor policial-militar ou decoro de classe. É o Relatório. Juiz de base julgou extinto o processo. ao demitir o autor. Pedro II. os autos ascenderam a este E.Praça D. afirmando que o autor foi demitido em razão do procedimento incorreto no desempenho do cargo. em resolução de mérito. 141). centro. tomado como referência na sentença (fls. vez que a Administração. Após manifestação do Ministério Público Militar pela procedência do pedido (fls. enviados à Procuradoria Geral de Justiça. Gabinete do Desembargador Raimundo Freire Cutrim Endereço: TJMA .4 ESTADO DO MARANHÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL O ESTADO DO MARANHÃO apresentou contestação de fls.

23. São Luís-MA – CEP: 65010450 Telefone: (98) 2106-9968 . Entende-se caber ao Judiciário examinar a legalidade e a legitimidade (não o mérito) do ato administrativo. Gabinete do Desembargador Raimundo Freire Cutrim Endereço: TJMA . que o apelante foi demitido das fileiras da PMMA. Ora. datado de 27 de março de 2003. cabendo-lhe declará-lo nulo e de nenhum efeito ou ratificá-lo. embora tenha o ato tomado como base decisão do TJMA. O Judiciário não pode deixar de apreciar o presente caso. por ato do Governador do Estado de onde se vê: ”O GOVERNADOR DO ESTADO DO MARANHÃO. no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o que dispõe o Processo do Conselho de Justificação da Polícia Militar do Estado do Maranhão. do Quadro da Secretaria de Estado Da Segurança Cidadã. centro. Juiz de base extinguisse o processo. RESOLVE Demitir.5 ESTADO DO MARANHÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL VOTO Na espécie. s/n.590/2003 (Representação por Indignidade para o Oficialato e Perda de Posto e Patente)”. das fileiras da Polícia Militar do Estado do Maranhão. matrícula nº 111443. verifica-se às fls. instaurado por Ato do Governador do Estado. pretende a presente ação desconstituir ato do Governador do Estado do Maranhão.Praça D. Pedro II. o 1º Tenente QOPM DIORDIO LENO BEZERRA DE ARAÚJO. ex-ofício. com base na decisão unânime do Pleno do Tribunal de Justiça do Estado no Processo nº 19. não havendo razão para que o MM.

centro. Pronuncia-se. Maria do Socorro Assunção Gomes: "No decorrer de todo esse infortúnio acontecido à pessoa do autor desta Ação de Reintegração de Cargo. “estar provado a inexistência dos fatos”. na apreciação dos fatos delineados no ato administrativo. A absolvição na ação penal. pela Constituição de 1988. "A absolvição criminal só afasta a responsabilidade administrativa e civil quando ficar decidida a inexistência do fato ou a não autoria imputada ao servidor. motivadores da demissão. através de denúncia formulada pelo Ministério Público. que pode. se esta se fundamentar nos mesmos fatos que foram levados ao Poder Judiciário para a sua análise. s/n. assim. Com acerto. dada a independência das três jurisdições. 16ª ed.6 ESTADO DO MARANHÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL A Auditoria Militar. atual. com apoio na jurisprudência. ou seja. não se pode negar que a absolvição em processo criminal. ser punido administrativamente e responsabilizado civilmente. Revista dos Tribunais. São Luís-MA – CEP: 65010450 Telefone: (98) 2106-9968 .sem os destaques do original). 411 . 1991. e concluiu pela ausência de tipicidade. ponderou a ilustre Promotora de Justiça.Praça D. quanto à matéria. vejamos: Gabinete do Desembargador Raimundo Freire Cutrim Endereço: TJMA . Conquanto independentes as instâncias administrativa e judicial. não exclui a culpa administrativa e civil do servidor público. em processo criminal. p. tem o condão de afastar a exclusão disciplinar. São Paulo: Ed. por falta de prova ou ausência de dolo. pela inexistência da infração ou de autoria. Hely Lopes Meirelles." (Direito Administrativo Brasileiro. Pedro II.

sou de parecer que o autor seja reintegrado nas fileiras da Polícia Militar do Maranhão. s/n. ex vi do artigo 66 do CPC e artigo 1525 do CC. centro. “a” do CPPM. 2ª ed. “Estar provado a inexistência dos fatos. Conselho de Justificação. 439. ou quem seja o seu autor. não foi constatado qualquer tipo de infração administrativa. JÚLIO FABRINI MIRABETE. São Luís-MA – CEP: 65010450 Telefone: (98) 2106-9968 . Editora Atlas: "Faz também coisa julgada no cível a sentença absolutória quando reconhecida categoricamente a inexistência material do fato. diante do exposto. in "Processo Penal". Daí a pertinência dos ensinamentos do PROF.Civil: "A responsabilidade civil é independente da criminal. não se poderá.525 do C. 1. e como não foi apontada qualquer outra infração ou procedimento que tenha sido instaurado contra o mesmo. não pode ser proposta ação civil tendo como objeto o reconhecimento do fato objeto da sentença penal". porém. pelo contrário.Praça D. as acusações constantes são tipificadas como crime e estão constantes na Ação Penal nº 037/2003-JME. 88). 1993.. Evidentemente. nos termos solicitado pelo autor nas iniciais desta Ação” (fl. da qual o autor foi absolvido com fulcro no art. Inquérito Policial Militar. quando estas questões se acharem decididas no crime". É o que dispõe o art.7 ESTADO DO MARANHÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL Sindicância. nessa hipótese. Precedente: Gabinete do Desembargador Raimundo Freire Cutrim Endereço: TJMA . Pedro II. questionar mais sobre a existência do fato.

a apreciação dos fatos delineados no ato administrativo. Face ao exposto. em conhecer e dar provimento ao apelo. Des. centro. 02 de março de 2010. s/n. a parir de sua exclusão. em processo criminal. com todos os direitos advindos. a exclusão do autor. É como voto.APELAÇÃO CÍVEL Nº 000. Des. pelo Tenente Coronel PM Comandante do Batalhão da Polícia de Choque. motivadores da dispensa.624-1/00 – 2ª Câmara Cível – Rel. perdeu. Tendo a Terceira Auditoria Militar promovido. voto de acordo com o parecer da Procuradoria Geral de Justiça. Pinheiro Lago – DJ 16/06/1999). Raimundo Freire Cutrim Relator Gabinete do Desembargador Raimundo Freire Cutrim Endereço: TJMA .Praça D. e concluído pela ausência de tipicidade.8 ESTADO DO MARANHÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL “Administrativo. para que seja reformada a sentença atacada e julgar procedente a ação de reintegração para: a) Decretar nulo o ato jurídico que excluiu o apelante das fileiras da PMMA. Pedro II. b) Reintegrar o autor nas fileiras da PMMA. Sanção Disciplinar. não podendo subsistir. Insubsistência daquela.121. c) Condenar o apelado em honorários advocatícios no valor correspondente a 10% (dez por cento) sobre os valores devidos com a reintegração. Sala das Sessões da Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão. São Luís-MA – CEP: 65010450 Telefone: (98) 2106-9968 . a sua eficácia.” (TJMG . em São Luís. por força do pronunciamento judicial. Processo Criminal em que se conclui pela ausência de tipicidade.

São Luís-MA – CEP: 65010450 Telefone: (98) 2106-9968 . Pedro II. s/n.Praça D.9 ESTADO DO MARANHÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL Gabinete do Desembargador Raimundo Freire Cutrim Endereço: TJMA . centro.