MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS
COORDENAÇÃO-GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS
COORDENAÇÃO DE LEGISLAÇÃO DE PESSOAL E ORIENTAÇÃO TÉCNICA

NOTA TÉCNICA nº

/2012-CGGP/SAA/MEC

Documentação: EUNICE SANTOS DE SOUZA
Assunto: Enquadramento no PCCTAE de integrantes do quadro de pessoal da AGU
pertencentes ao PUCRCE.
Interessado (ª) : Encaminha cópia de Processo de enquadramento

Ementa – Progressão Funcional de servidora da
AGU, pertencente Plano de Carreira dos Cargos
Técnico-Administrativos em Educação, no
âmbito das Instituições Federais de Ensino
vinculadas ao Ministério da Educação prevista
na Lei nº 11.091 de 12 de janeiro de 2005, face o
art. 329 e seguintes da Lei nº 11.907/08.

A Servidora EUNICE SANTOS DE SOUZA, ocupante do cargo de
Assistente em Administração, encaminhou a presente solicitação a esta Coordenação Geral de
Gestão de Pessoas contendo o pedido de Progressão Profissional por Capacitação de que
tratou a Lei nº
2.
Primeiramente, antes de prestarmos quaisquer orientação sobre a matéria, é
importante trazermos a lume algumas informações relativas à vida funcional da postulante
antes de seu ingresso na Advocacia-Geral da União.
3.
Ela é oriunda da Universidade Federal da Bahia admitida em 10/06/80, cedida
para AGU/PUBA, definitivamente, em 03 de julho de 2002, por força da Portaria nº 628 a
interessada teve a sua redistribuição efetivada para o órgão em questão.
4.
Com a estruturação do Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos
em Educação, no âmbito das Instituições Federais de Ensino vinculadas ao Ministério da
Educação prevista na Lei nº 11.091 de 12 de janeiro de 2005 cessou a possibilidade de haver a

de que trata a Lei n 11. Sanando a lacuna deixada pela Lei nº 11.907/09. em exercício nas unidades da Advocacia-Geral da União . § 1o O enquadramento dos servidores de que trata o caput deste artigo na Matriz Hierárquica e no nível de capacitação correspondente às certificações que possuam. 6. Dessa forma. a ser formalizada em até 45 (quarenta e cinco) dias a contar da data de publicação desta Lei.091. de 12 de janeiro de 2005. pela Lei nº 11. os servidores do quadro da AGU advindos de IFE não pertenciam ao plano de carreira da Advocacia. porém. os servidores ocupantes de cargos técnico-administrativos em educação pertencentes PUCRCE foram transpostos para o novo plano. o o § 2 O prazo para exercer a opção a que se refere o § 1 deste artigo. para tanto.091. 19 da Lei nº 11.112. será efetuado pela Comissão de Enquadramento a que se refere o art. de 12 de janeiro de 2005.091/95. 7. quando da conversão da Medida Provisória nº 441/2008 na Lei nº 11. 329.091.redistribuição de servidores de carreiras diferenciadas que é o caso tanto da UFBA e AGU. que quando da criação do PCCTAE. 329. publicada dia 3 seguinte.596. teceremos considerações acerca da imposta pelo art. foram acrescidos os seguintes dispositivos: “Art. conforme disposto nos §§ 1º e 4º do art. de 2 de fevereiro de 2009.PCCTAE. de 10 de abril de 1987.907. a lei apenas se referiu aos servidores em exercício nas instituições federais de ensino. 15 da Lei nº 11.AGU na data de publicação desta Lei serão enquadrados no Plano de Carreira dos Cargos Técnicoo Administrativos em Educação . de 12 de janeiro de 2005. conforme a Tabela de Correlação.091. no caso de servidores afastados nos termos dos arts. 81 e 102 da Lei nº 8. permanecendo no PUCRCE. Recorde-se. passando a pertencer aos quadros da AGU por força da Lei nº 10. Os servidores titulares de cargos de provimento efetivo do Plano Único de o Classificação e Retribuição de Cargos e Empregos. que possibilita o enquadramento no Plano de Carreira dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação dos servidores integrantes do quadro de pessoal da Advocacia-Geral da União (anteriormente pertencentes aos quadros de pessoal das Instituições Federais de Ensino. a princípio. de 12 de janeiro de 2005. plano em extinção.091/05. tampouco puderam ser transpostos para o PCCTAE. estender- . Em referência às inovações trazidas pela Lei nº 11. na forma do Termo de Opção constante do Anexo CLXXIX desta Lei. constante do Anexo VII da Lei nº 11. de 11 de dezembro de 1990. salvo manifestação irretratável do servidor. 5. de acordo com as respectivas atribuições e requisitos de formação profissional. no prazo máximo de 90 (noventa) dias a contar da data de publicação desta Lei.480/02) e pertencentes ao Plano Único de Classificação de Cargos e Empregos – PUCRCE. de que trata a Lei n 7.

7º da Lei no 10. 7 da Lei n 10. em até 90 (noventa) dias da publicação da lei.... 330.... assegurado o direito à opção a partir da data de publicação desta Lei. deve ser nomeada nova comissão..480. o o § 6 Os servidores de que trata o caput deste artigo que... internamente às instituições federais de ensino. 2 -A da Lei n 10.. 11. 331..480/02.... caso esta tenha sido desconstituída.. Art.... até 31 de dezembro de 2009.. 9.se-á até 30 (trinta) dias contados a partir do término do afastamento. passarem a integrar o Quadro de Pessoal da AGU deixarão de fazer jus à Gratificação de o o Representação de Gabinete e à Gratificação Temporária a que se refere o art... § 3o Os servidores que formalizarem a opção a que se refere o § 1 o deste artigo permanecerão na situação em que se encontravam na data de publicação desta Lei.. No entanto. Acerca da matéria em comento.... ao quadro de pessoal da instituição federal de ensino de origem. 7 Poderão perceber a Gratificação de Representação de Gabinete ou a Gratificação Temporária.. A Gratificação Temporária a que se refere o art. 7o da Lei no 10.... de 2 de julho de 2002.. no PCCTAE.480. art. devendo este ser realizado pela instituição federal de ensino a qual pertencia o servidor... os servidores retornam... 10. Ressalte-se que com o enquadramento no novo plano.. na forma do § 5 deste artigo....... é possível a formalização de opção para que volte a integrar os quadros da AGU. Assim.. a Advocacia-Geral da União emitiu o . 329.. dos servidores pertencentes aos quadros da AGU por força da Lei nº 10....091/05 é a responsável.... salvo expressa opção do servidor pela permanência no PUCRCE a ser apresentada em até 45 (quarenta e cinco) dias do mesmo marco temporal..... não pode ser percebida cumulativamente com a Gratificação Temporária da o o Advocacia-Geral da União ... de 2 de julho de 2002.480.... nos termos do §5º.... passa a vigorar com a seguinte redação: o “Art.. O caput do art... § 4o O enquadramento dos servidores referidos no caput deste artigo produzirá efeitos financeiros a partir do primeiro dia do mês seguinte ao do efetivo enquadramento pela Comissão a que se refere o § 1o deste artigo..... vedada qualquer retroatividade.” (NR) Art. ..” 8.. § 5o Os servidores de que trata o caput deste artigo poderão optar por integrar o Quadro de Pessoal da AGU. ficou determinado o enquadramento. de 2 de julho de 2002. 19 da Lei nº 11... pela transposição dos servidores ao PCCTAE.480. os servidores ou empregados requisitados pela Advocacia-Geral da União.... de 2 de julho de 2002... Imperioso se faz insistir que a permanência nos quadros da AGU está condicionada à opção do servidor.. automaticamente....GTAGU de que trata o art.. A Comissão de Enquadramento a que se refere o art.

824. 19 da Lei nº 11. o servidor fará jus às seguintes parcelas: “I – Vencimento básico do PCCTAE. 12. 2 – certificado(s) ou diploma (s) de educação formal em nível superior exigido para o ingresso no cargo de que o servidor é titular. conforme aplicado originalmente para os demais servidores das Ifes. Pois bem. acordo com o Anexo II do Decreto nº 5. que os efeitos financeiros ocorrerão a partir do primeiro dia o mês seguinte ao enquadramento.763-970. Senhora Coordenadora após ter cumprindo todos os ritos essenciais . II – GDAA – Gratificação de Desempenho de Atividade de Apoio TécnicoAdministrativo na AGU. por fim. CEP 70. em nenhuma hipótese. 3 – certificados de cursos de capacitação. as cópias dos seguintes documentos e informações. Saliente-se. Brasília/DF.091/05. Agência Sudoeste 10300634. teriam condições de promover o enquadramento de que tratou o dispositivo legal em comento. IV – GTAGU – Gratificação Temporária da Advocacia-Geral da União. não havendo. III – GEATA – Gratificação Específica de Apoio Técnico-Administrativo da AGU.COMUNICADO 016 – DRH/SGAGU. se falar em retroatividade. No caso da opção em integrar o quadro da AGU. 14. referida no art. editou o Ofício nº 665 de 28 de abril de 2009. para fins concessão do incentivo à Qualificação. de 29 de junho de 2006 ao de no de Ressalta-se que somente de posses destes dados e que as Comissões de enquadramento. Neste ínterim a CGGP/MEC. para efeito de enquadramento nível de capacitação correspondente 4 – especificação do ambiente organizacional de atuação do servidor. no qual expressou o entendimento de que a opção em retornar aos quadros da AGU deve ser formalizada até 03/04/2009 e deve ser encaminhado ao endereço: Caixa Postal nº 7988.” 13. informando ao Dirigentes de Recursos Humanos das Ifes vinculadas a este Ministério determinando e orientado o enquadramento de servidores redistribuídos para a AGU no plano de Carreiras criado para as Instituições Federais de Ensino sendo solicitado da referida Advocacia Geral da União já que a mesma passou a ser detentora das pastas funcionais destes servidores. verbis: 1 – certidão que comprove o tempo de serviço público federal do servidor. DE 17 DE MARÇO DE 2009 (anexo).

a servidora. publicada na Seção 2 pág 18 do Diário Oficial da União do dia 14 de maio de 2009. o ambiente organizacional e a carga horária mínima exigida. teve o seu enquadramento efetivado no referido plano. é de conhecimento de todos que a estrutura de desenvolvimento prevê duas formas de progressão. certificados que a colocam em condições de progredir no plano em questão tal procedimento ainda não se concretizou o que a tem deixado segundo seu entendimento prejudicada financeiramente e estes esclarecimentos é que passaremos a expor neste momento. também. a Comissão de Enquadramento da UFBA. no mesmo cargo e nível de classificação ( mesmo nível de capacitação subseqüente. respeitado o interstício contido no . no âmbito das Instituições Federais de Ensino vinculadas ao Ministério da Educação instituído pela Lei nº 11. De maneira muito simplória esclareceremos que o desenvolvimento dos servidores pertencentes ao Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos em Educação. no mesmo nível de classificação. que a postulante não apresentou nenhum certificado de capacitação o que a impediu de ganhar Progressão Funcional por Capacitação. porém foi concedido a ela o Incentivo à Qualificação no percentual de 27% pela apresentação do certificado de conclusão do curso de PósGraduação em Educação Especial.091/2005. prestou um relato resumido sobre o enquadramentos relativo a 2º fase de alguns servidores sendo verificado. do Reitor da Universidade Federal da Bahia. 6º ao 7º. Ás fls. da Lei 11. Como se observa a indignação da retromencionada servidora é que apesar de pertencer ao plano de cargos criado pela Lei nº 11. Sobre isto achamos despiciendo trazer à tona qualquer comentário até porque o que se analisa neste p.091. totalizando 39 padrões de vencimento básico justapostos com 1 padrão de intervalo entre os níveis e 2 padrões entre os níveis de classificação. por capacitação e por mérito profissional.ao seu enquadramento. segundo ela.091/05 e hoje. é o pedido de progressão funcional na carreira o qual está inserida a Senhora EUNICE SANTOS DE SOUZA. decorrente da obtenção pelo servidor de certificação em programa de capacitação compatível com o cargo ocupado. no PCCTAE. de 7 de maio de 2009. em padrão de vencimento na mesma posição relativa a que ocupava anteriormente. destes autos. por força do ato (Portaria) nº 318. Foi esclarecido. 23. informações relativas à servidora em questão.Resumindo: são 5 níveis de classificação (de A a E). Para isto é preciso registrar que a estrutura do plano de carreira em questão está prevista nos arts.p. mantida a distância entre o padrão que ocupava e o padrão inicial do novo nível de capacitação ). 1º Capacitação Profissional: consiste na mudança de nível de capacitação. possuir. com 4 níveis de capacitação cada um (de I a IV) e cada um destes níveis com 16 padrões de vencimento básico.

dentro do Plano de Carreira dos Cargos Técnicos Administrativos em Educação (PCCTAE). desde que o servidor apresente resultado positivo fixado em programa de avaliação de desempenho. a progressão por capacitação ocorrerá sempre para o próximo nível. por meio de competências individuais. observado o respectivo nível de capacitação. que. não importa se a carga horária do curso. e no ambiente organizacional que foram definidas pelo Decreto nº. Algumas divergências tem surgido com respeito a interpretação da expressão “subseqüente” (que vem imediatamente depois) constante do § 3º. que constitui um processo de desenvolvimento profissional do servidor. Orçamento e Gestão emanado na Nota Técnica nº 756/09. de que tratou a Lei . e nesse diapasão. estando. com o propósito de contribuir para o desenvolvimento de competências institucionais. que a capacitação corresponde a um processo permanente e deliberado de aprendizagem. entendimento. tenha ultrapassado o mínimo exigido. a cada 2 (dois) anos de efetivo exercício. Em linhas gerais. profissionalmente. portanto. 5. Portanto. Requisitos: Cumprir o período de dois anos de efetivo exercício no cargo. mantida a distância entre o padrão que ocupava e o padrão inicial do novo nível de capacitação. de 29 de junho de 2006. essa exegese do dispositivo regulamentador decorre da essência do instituto da progressão funcional. 7.825.diploma legal que é de 18 meses. A estrutura do Programa de Capacitação para os servidores técnico-administrativos em educação está balizada nas linhas de desenvolvimento. estabelecido como interstício mínimo e obter resultado positivo no processo de avaliação de desempenho. deve ser entendida como o posicionamento do servidor. estas são as 2 formas de se progredir. obteve certificação em programa de capacitação. Este. ou atingido a carga horária dos níveis de capacitação superiores. vinculado ao Plano de Desenvolvimento dos Integrantes da Carreira dos Técnico-Administrativos em Educação. compreendidos na matriz hierárquica estruturadora do PCCTAE. 2º Progressão por Mérito Profissional: é a mudança para o padrão de vencimento imediatamente subseqüente. e como tal. sempre no próximo nível de capacitação em padrão de vencimento na mesma posição relativa a que ocupava anteriormente. também. também é o entendimento do Ministério do Planejamento. cuja cópia fizemos questão de juntar aos autos Nunca é demais lembrar. exige-se que o servidor conclua todos os estágios de evolução previstos na carreira.

091. observado o respectivo nível de capacitação. no mesmo nível de classificação. Progressão por Capacitação Profissional ou Progressão por Mérito Profissional. em padrão de vencimento na mesma posição relativa a que ocupava anteriormente. exclusivamente. pela mudança de nível de capacitação e de padrão de vencimento mediante. § 4o No cumprimento dos critérios estabelecidos no Anexo III desta Lei.824.091.091.11. editado em 29 de julho de 2006. também. de 2005. deverá ser respeitado o interstício de dezoito meses contados a partir de 1 o de março de 2005. a cada 2 (dois) anos de efetivo exercício. estabeleceu os procedimentos para a efetivação do enquadramento por nível de capacitação dos servidores integrantes do Plano de Carreira dos Cargos Técnicos-Administrativos em Educação. observado o estabelecido nos §§ 1 º e 3º do art. é vedada a soma de cargas horárias de cursos de capacitação. 10 da Lei no 11. § 2o Progressão por Mérito Profissional é a mudança para o padrão de vencimento imediatamente subseqüente. O Decreto nº 5. o ambiente organizacional e a carga horária mínima exigida. § 5o A mudança de nível de capacitação e de padrão de vencimento não acarretará mudança de nível de classificação. O desenvolvimento do servidor na carreira dar-se-á. 10 da Lei no 11. deverá ser observado o mesmo interstício contado da última progressão concedida ao servidor nos termos do § 1o do art. de 2005. nos termos da tabela constante do Anexo III desta Lei. na seguinte forma: Art. § 3o O servidor que fizer jus à Progressão por Capacitação Profissional será posicionado no nível de capacitação subseqüente. § 2º Para efeito de concessão da primeira progressão por capacitação aos servidores enquadrados nos termos do § 4º do art. desde que o servidor apresente resultado fixado em programa de avaliação de desempenho. respeitado o interstício de 18 (dezoito) meses. na base legal abaixo transcrita: Art. no mesmo cargo e nível de classificação. de 2005.091. 10 da Lei nº 11. 10. que se pode ser visualizado. § 1o Progressão por Capacitação Profissional é a mudança de nível de capacitação. mantida a distância entre o padrão que ocupava e o padrão inicial do novo nível de capacitação.091. 5º Para efeito do enquadramento no nível de capacitação. dentre outras providências. 15 da Lei n o 11. . serão considerados os certificados dos cursos de capacitação obtidos durante o período em que o servidor esteve em atividade no serviço público federal até o dia 28 de fevereiro de 2005. de 2005. nos termos do § 1º do art. § 3º Para as demais concessões de progressão por capacitação. instituído pela Lei nº 11. respectivamente. compatível com o cargo ocupado.091/2006. decorrente da obtenção pelo servidor de certificação em Programa de capacitação. § 1º Os certificados de capacitação obtidos após o dia 28 de fevereiro de 2005 serão considerados para o desenvolvimento do servidor na Carreira.

poderão ser considerados desde que suas cargas horárias satisfaçam a exigência do Anexo III da Lei n.º 11. Quanto a isto. atendam também. Para Capacitação a interessada apresentou às fls. em questão. 10 da mesma Lei. possa exercer a profissão. realizado entre os dias 21 de março de 2011 a 01 de julho de 2011. . mas simeste Serviço de Classificação de Cargos e Concessões encaminhou.º 11. entre outros. entre outros. recentemente. os certificados obtidos em eventos tais como seminários. jornadas. Sobre este certificado temos a esclarecer que não se enquadra na modalidades de curso de capacitação até porque este certificado não é proveniente de curso que visou o aperfeiçoamento da servidora na melhora das atribuições institucionais de seus cargo antes pelo contrário preparou a mesma somente para o “Exame da Ordem dos Advogados -OAB” lembrando que estes exame visa aferir os conhecimentos do futuro advogado afim de que. ( grifei) Por este motivo a mencionada servidora deverá aguardar até que sai uma definição da Comissão Nacional de Supervisão criada pela Lei nº 11. cursou e concluiu devidamente o CURSO PREPARATÓRIO DE ORDEM. que trata da vedação da soma de cargas horárias destes eventos.Mediante todo o exposto não resta dúvidas quanto a legalidade da concessão das progressões tanto por mérito quanto por capacitação à Servidora EUNICE SANTOS DE SOUZA. para consulta à Comissão Nacional de Supervisão (CNS) Processo contendo solicitação de Progressão Funcional por Capacitação cujo certificado é o mesmo da apresentada pela requerente.091/05. Ofício-circular nº 006/05 e Decreto nº 5.824/06) cooperaram para orientar as Comissões de Enquadramento das Instituições Federais de Ensino. não se pode olvidar Senhora Coordenadora que.091 de 12 de janeiro de 2005 bem como. Todos eles comungam com o mesmo entendimento quando mencionam a concessão do referido benefício qual seja: que os certificados obtidos em eventos tais como seminários. no trato das concessões das Progressões funcionais por Capacitação aos seus servidores. simpósios. poderão ser considerados desde que suas cargas horárias satisfaçam a exigência do Anexo III da Lei n.091/05. simpósios.07 um certificado que afirma que a servidora. ao estabelecido no parágrafo 4º do Art. O que nos levou a solicitar tal consulta foi a dificuldade de interpretação da terminologia “entre outros” contida no Ofício-Circular nº 006/2005/MEC/SE/SAA/CGGP que no trato dos curso de capacitação decidiu verbis: “ Na concessão de Progressão por capacitação. 10 da mesma Lei.091 de 12 de janeiro de 2005 e atendam ao estabelecido no parágrafo 4º do Art. que trata da vedação da soma de cargas horárias destes eventos. congressos. se aprovado. os dispositivos legais hoje existentes (Lei 11. Portaria/CGGP/04/05. congressos. jornadas.

27 de março de 2009.091. § 1o A definição dos cursos de capacitação que não sejam de educação formal e que guardem relação direta com os ambientes organizacionais será disciplinada em ato do Ministro de Estado da Educação.091. de 2005. Não obstante. ser a interessada participe do referido plano 9. observado o estabelecido nos §§ 1o e 3o do art. .091. Assim. de 2005. deverão ser observadas as cargas horárias definidas no Anexo III da Lei no 11.824/2006. instituído pela Lei nº 11. de 2005. DAJ. estabeleceu os procedimentos para concessão do incentivo à Qualificação e para a efetivação do enquadramento por nível de capacitação dos servidores integrantes do Plano de Carreira dos Cargos Técnicos-Administrativos em Educação. § 2o Para efeito de concessão da primeira progressão por capacitação aos servidores enquadrados nos termos do § 4o do art. de 2005.091/2006.15. Sendo essas as normas vigentes no que tange ao enquadramento no PCCTAE de servidores pertencentes ao PUCRCE e integrantes dos quadros da AGU. 5. § 1o Os certificados de capacitação obtidos após o dia 28 de fevereiro de 2005 serão considerados para o desenvolvimento do servidor na Carreira. dos aposentados e dos instituidores de pensão no nível de capacitação correspondente às certificações apresentadas. 4o No enquadramento dos servidores ativos. 10 da Lei n o 11. deverá ser respeitado o interstício de dezoito meses contados a partir de 1o de março de 2005. nos termos do § 1o do art.091. 15 da Lei n o 11. submetemos a presente nota técnica à consideração superior. § 2o O enquadramento no nível de capacitação dar-se-á com base na relação dos servidores habilitados de que trata o § 1 o do art. serão considerados os certificados dos cursos de capacitação obtidos durante o período em que o servidor esteve em atividade no serviço público federal até o dia 28 de fevereiro de 2005. 10 da Lei no 11. 1o. faremos menção do disposto nos artigos 4º e 5º: Art. 5o Para efeito do enquadramento no nível de capacitação. e a correlação entre o conteúdo do curso e as atividades que definem o ambiente organizacional de atuação do servidor. Já o Decreto nº 5. Art.

o servidor que fizer jus à Progressão por Capacitação Profissional será posicionado no nível de capacitação subseqüente.091/2005 ((Redação dada pela Lei nº 11. 5 do referido Decreto. Orçamento e Gestão a qual poderá endossar o entendimento deste Serviço de Classificação de Cargos e Concessões. que a capacitação corresponde a um processo permanente e deliberado de aprendizagem. estando. com o propósito de contribuir para o desenvolvimento de competências institucionais. mantida a distância entre o padrão que ocupava e o padrão inicial do novo nível de capacitação. Nunca é demais lembrar. procedente da Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento. .233 de 2005) bem como. antes da adoção de qualquer providência por parte do indigitado Instituto Federal de Ensino é imprescindível que a referida Instituição Federal de Ensino verifique: a carga horaria dos referidos cursos em conformidade com o Anexo III da Lei 11. no mesmo nível de classificação. se os cursos apresentados pelo suplicante tem correlação direta com o seu cargo e também. em padrão de vencimento na mesma posição relativa a que ocupava anteriormente. Assim. cabe destacar que. com o seu ambiente organizacional Para mais esclarecimento fizemos anexar a estes autos a Nota Técnica nº 756/09.§ 3o Para as demais concessões de progressão por capacitação. por meio de competências individuais. de 2005.091. deverá ser observado o mesmo interstício contado da última progressão concedida ao servidor nos termos do § 1o do art. 7. portanto. 2º e 3º do art. 10 da Lei no 11. 6. Considerando a obtenção dos certificados do senhor SANDRO SANTOS DA SILVA ser posterior a 28 de fevereiro de 2005. também. observamos tratar-se de Progressão Funcional por Capacitação verificada no § 1º. Assim. vinculado ao Plano de Desenvolvimento dos Integrantes da Carreira dos Técnico-Administrativos em Educação. 8.