Confira a seguir o roteiro para um pré-projeto de pesquisa em pós-graduação: # Introdução A apresentação do tema.

Deve contar como se chegou a este "questionamento" e porque e de onde ele surgiu. A a explicação do porquê a inquietação em questão existe. # Justificativa A justificativa deve descrever o porquê se deseja pesquisar este tema # Metodologia e procedimentos Este é o espaço para informar como se pretende reali ar a pesquisa na pr!tica. " primeiro item # $etodologia # refere#se a como ser! feita a o%tenção dos dados necess!rios. &or exemplo' (m pesquisador em Educação que queira estudar "A aprendi agem de matem!tica por crianças que vivem em acampamentos de )em#*erra" dever! explicitar como pretende recolher os dados de sua pesquisa. &ode ser que julgue necess!rio assistir as aulas ministradas em um acampamento. &ode considerar necess!rio conversar com a professora que d! as aulas. +er o que j! foi escrito so%re o assuntotc. *udo isso dever! ser descrito como $etodologia. " segundo item # &rocedimentos # deve explicar como se pretende recolher e reter estes dados o%tidos. ,o exemplo usado acima' o pesquisador pode querer filmar as aulas- gravar as conversasescrever um di!rio de pesquisa- etc. # efer!nciais teóricos Este é- geralmente- o ponto que apresenta maior dificuldade para os iniciantes em pesquisa e que ser! revisto e redirecionado no momento de se ela%orar o projeto final. Deve indicar como se pretende analisar os dados encontrados. Eles serão tra%alhados . lu de qual autor- de qual linha de pensamento- de qual proposta de estudo/ Deve#se ter referências de pensadores que j! se dedicaram ao tema para se poder adicionar dados novos- re%ater ou reforçar o que tinha sido defendido anteriormente. # "i#liografia Devem ser listadas as referências %i%liogr!ficas utili adas para escrever o pré#projeto •
5. 51 INTRODUÇÃO Este projeto tem por objetivo descrever qual o papel da prova !o"mbito escolar e a!alisa#la como $errame!ta da avalia%&o do apre!di'ado do educa!do(parti!do de um pressuposto de o!de a prova e a m dia escolar resultam !o desti!o doprocesso escolar do alu!o. Dura!te al)umas leituras ai!da !o pr #projeto sur)iu um )ra!de i!teresse pelotema( ap*s ter se)uido a leitura do autor +uc,esi -1../0 co!se)uiu#se obter uma claraproblem1tica dia!te da avalia%&o da apre!di'a)em e que vai de e!co!tro com osrespectivos pe!same!tos apo!tados dura!te a leitura do assu!to. Dia!te da compatibilidade do assu!to de alto a)rado que ao dese!volver otema em tor!o do co!ceito de !otas e2plicarem o re!dime!to do alu!o e justi$icar umaaprova%&o ou reprova%&o. 3ssim +uc,esi -1../0 e2p4e o se)ui!te5 67...8 9or m oco!ceito :avalia%&o; $ormulado a partir das determi!a%4es da co!duta de :atribuir umvalor ou qualidade a al)uma coisa( ato( ou curso de a%&o;( que por si implica umposicio!ame!to positivo ou !e)ativo em rela%&o ao objeto( ato ou curso de a%&oavaliado 7...8.< E dia!te das a!1lises biblio)r1$icas e e!trevistas com pro$essores( pais ealu!os co!se)uir uma

M !ecess1rioesclarecer qual a co!cep%&o de avalia%&o para o pro$essor. • C.C0( co!cebem#se os passos para uma boa avalia%&o5 N Haber o !Evel atual de desempe!=o do alu!o -dia)!*stico0O N Jomparar i!$orma%4es com aquilo que !ecess1rio e!si!ar -quali$ica%&o0O N Tomar decis4es que possibilitem ati!)ir os resultados esperadosO Tomam#se por base estes t*picos para poder co!=ecer o se!tido da avalia%&ode!tro da sala de aula. Desse modo o processo de avalia%&o tem de ser co!tE!uo( ou seja( i!dispe!s1vel que o pro$essor avalie outros aspectos dos educa!dos. C Na vis&o de +uc. PD OG@ETIKOHD.. 3ssim como +uc.. O pro$essor tem de co!=ecer seu alu!o( e $a'er um processo de e!si!oapre!di'a)em para co!statar o que aquele alu!o apre!deu( e !&o usar a avalia%&o comoum medidor de apre!di'a)em( pois a avalia%&o serve para o alu!o mesmo se avaliar( ese auto#co!=ecer( saber o!de ele $al=a e ir em busca de cami!=os se)uros para umaapre!di'a)em e mostrar que errado atestar que tais !otas ou co!ceitos possam por sis* e2plicar o re!dime!to do alu!o e justi$icar uma decis&o de aprova%&o ou reprova%&o(sem que seja a!alisado o processo de e!si!o#apre!di'a)em. Esclarecer que a prova !&o pode decidir a aprova%&o ou reprova%&o dorespectivo alu!o( a!alisar outras $ormas de avalia%&o( como por e2emplo( trabal=os em)rupo( semi!1rios( tare$as de casa( observa%&o de cader!os e mostrar que a m dia obtida!o $i!al do bimestre !&o mostra a qua!tidade e qualidade de apre!di'ado que aquelealu!o adquiriu. 1D0 que em al)umas reu!i4es com pro$essores dialo)a!do sobreavalia%&o pode#se e!te!der que os educadores e2pressam car1ter classi$icat*rio emtor!o da avalia%&o. • /. O objetivo pri!cipal da avalia%&o ajudar o alu!o a se auto#avaliar( a perceber suas $al=as.esi( @ussara Ao$$ma!! e2p4e em seu livro 3valia%&o5 Bito eDesa$io -1.F @UHTIIIJ3TIK3 3 ra'&o de se pesquisar a avalia%&o escolar( a de poder e2ami!ar quais asco!cep%4es de avalia%&o( os m todos utili'ados !a apre!di'a)em escolar( e quais osoutros cami!=os para uma avalia%&o coere!te aos alu!os.T REIERENJI3+ TEURIJO O termo 6avaliar< quer di'er dar valor a al)uma coisa( e assim co!$orme +uc.C/0 !um trec=o do seu livro 3valia%&o da 3pre!di'a)em Escolar 67. $ormulado .esi-1.8 9or m oco!ceito :avalia%&o. E isso que )ostaria de mostrar de!tro destaproblem1tica sobre a avalia%&o. • P. Nessa perspectiva busco respostas a se)ui!te quest&o de pesquisa5 De que $ormao pro$essor se utili'a da prova para avaliar seu alu!oLF.C( p.. Ia'er com que se auto#co!=e%a( e busque !ovoscami!=os para a sua reali'a%&o. E !esta sociedade que rei!a( a obte!%&o de tEtulos e status muito importa!te eacaba toma!do o lu)ar de muitas outras coisas !ecess1rias para o dese!volvime!to docar1ter de pessoas( =oje pais( pro$essores e alu!os talve' se preocupem mais com oava!%o dos !Eveis escolares e se desape)am !a parte o!de se questio!a como esse alu!oco!se)uiu c=e)ar a seu objetivo. /F 9ROG+EB3 E @UHTIIIJ3TIK3F.1 9ROG+EB3 O co!te2to avalia%&o muito abra!)e!te( por isso pode#se delimitar o seuprocesso( a!alisa!do some!te esta etapa do apre!di'ado em ambie!te escolar.compree!s&o acerca da avalia%&o escolar e e2por um ol=ardi$ere!te em rela%&o > prova e o porqu? os doce!tes escol=em est1 $orma de avaliar.F OG@ETIKOH EH9EJIISJOH I!vesti)ar a import"!cia da avalia%&o escolar E2ami!ar se a prova um i!strume!to dia)!*stico ou classi$icat*rio !o processoapre!di'a)em dos alu!os 3!alisar como os pro$essores se utili'am das provas • ..1 OG@ETIKO QER3+ I!vesti)ar a co!cep%&o de avalia%&o dos pro$essores e veri$icar se a prova umco!tribui!te ou o R!ico i!strume!to de avalia%&o da apre!di'a)em do alu!o.C( p... .D.esi -1.

.que( por si( implica umposicio!ame!to positivo ou !e)ativo em rela%&o ao objeto( ato ou curso de a%&oavaliado 7. -TRIKINZH( 1. .1 TI9O DE BETODO+OQI3 Neste projeto $oi i!serida uma proposta metodol*)ica qualitativa de estudo decaso( para que se pudesse i!vesti)ar o papel da avalia%&o !a sociedade( pois se tor!a!ecess1rio utili'ar a pesquisa de estudo de caso para poder e!te!der esse processo deavalia%&o de!tro do seu co!te2to real. 3ssim pode!do evide!ciar a validade e a co!$iabilidade do estudo atrav s dosdados obtidos. 6Na avalia%&o i!clusiva( democr1tica e amorosa !&o =1 e2clus&o( mas sim dia)!*stico e co!stru%&o.. 115 BETODO+OQI35. M impresci!dEvel que o doce!te de$i!a ao!dese quer c=e)ar( para que assim co!si)a tra%ar metas e procedime!tos assim =ave!douma rela%&o e!tre pro$essor e alu!o( pois atrav s da avalia%&o que o alu!o vaico!se)uir ver seus ava!%os e di$iculdades e o pro$essor au2ilia#lo a superar estasdi$iculdades e saber ol=ar para os erros e i!vesti)ar seus si)!i$icados( observ1#losse)u!do di$ere!tes po!tos de vista e( desse modo( possibilitar uma postura mais crEticasobre o que se sabe e o que $alta apre!der. He!do o pro$essor um compa!=eiro( ele !&o poderia prejudicar um alu!o( poisuma avalia%&o mal elaborada !&o ape!as prejudica a apre!di'a)em do alu!o( mas comotamb m atrapal=a seu dese!volvime!to escolar( pois toda ve' que a cria!%a reprovada(ela volta ao po!to de partida e e!te!dem isso como um $racasso a$eta!do seu ladopsicol*)ico( assim s&o claras as palavras de Demo -FXXF( p. Ha!tos( acervo particular( FXX.Observa!do seus atos( quais atividades dese!volvem .. 1X Qravura 1 Y 3valia%&o Io!te5 3lessa!dra J. N&o =1 c=e)ada de$i!itiva( mas sim travessia perma!e!te em busca do mel=or. E acaba$ica!do descomprometida com a apre!di'a)em do mesmo( co!tribui!do para umaima)em !e)ativa( e co!seque!teme!te o $racasso escolar( se!do cada ve' mais comume!co!trar !o "mbito escolar uma avalia%&o que pre!u!cia medo !o educa!do.esi -1....PC( p. 3 a!1lise dos erros uma das $ormas maisle)Etimas de uma avalia%&o elaborada com cari!=o. HempreV< +UJWEHI( 1.1510 6Toda avalia%&o $ormativa baseia#se !a apostabasta!te otimista de que o alu!o quer apre!der e deseja ajuda para isso( isto ( que est1pro!to para revelar suas dRvidas( suas lacu!as( suas di$iculdades de compree!s&o datare$a.5... N&o =1 medo( mas sim espo!ta!eidade e busca. 9ara 9erre!oud -1. N&o =1 submiss&o( mas sim liberdade.F HU@EITOH Os sujeitos da pesquisa ser&o alu!os !a $ai2a et1ria de . 9or m( !o e!te!der de +uc.1DD0. 6O estudo de caso uma cate)oria de pesquisacujo objeto uma u!idade que se a!alisa pro$u!dame!te<. 3tualme!te !a escola( a avalia%&o tem sido usada para aprovar oureprovar( caracteri'a!do#se como bic=o de sete cabe%as que i!timida o alu!o.a partir das determi!a%4es da co!duta de :atribuir umvalor ou qualidade a al)uma coisa( ato( ou curso de a%&o.8<.D 9ROJEDIBENTOH 93R3 JO+ET3 E 3N]+IHE DOH D3DOH 3 a!1lise dos dados ser1 $eita atrav s da observa%&o em sala( a!alisa!dodiversos mome!tos em que o pro$essor $a' qualquer tipo de avalia%&o com os alu!os. Ou seja( !ecess1rio que o pro$essor saiba avaliar o !Evel de apre!di'a)em doalu!o sem desmerec?#lo em outras partes./0 $1cil de compree!der que oportu!otra!s$erir uma pr1tica avaliativa autorit1ria e co!servadora em uma pr1tica dia)!*stica.( p. • 11.5.<.C. • 1X..9ois o co!ceito de educa%&o que se mostra de que o pro$essor dei2a de ser umtra!smissor de co!=ecime!to( para ser um compa!=eiro( um )uia !esta lo!)a jor!adaque a educa%&o. Jlaro que !&o se pode ver a prova como uma coisa ruim( !ecess1rio que odoce!te saiba das limita%4es e promova outros m todos de avalia%&o( pois =1 outrosi!strume!tos que se e!cai2am !as possibilidades de uma avalia%&o $ormativa. a!os do [uarto a!o doE!si!o Iu!dame!tal da escola \.T50 qua!do e2p4e que arepet?!cia !&o $avorece a apre!di'a)em.

F 3!1lise dos dados • 1D.H3NTOH( 3lessa!dra Jristia!e. 9ERQUNT3 OG@ETIKO 3N]+IHE9ROIEHHOR Jite $atores que Keri$icar se o Observa!do a e2ercem i!$lue!cia pro$essor usa o resposta ser1 !o bom di!amismo em sala( a!alisado os aproveitame!to e se utili'a outros $atores ess?!cias dos alu!os !as m todos e recursos para uma boa avalia%4es.+UJWEHI( Jipria!o Jarlos. 9orto 3le)re5 Bedia%&o( 1.. Os produtos elaborados !a pesquisa atrav s do $ormul1rio( e !a observa%&o emsala ser&o a partir de al)u!s docume!tos escolares de avalia%&o( e!t&o ser1 !ecess1rioa!alisar provas( cader!os e di1rio do pro$essor.em sala e qual o m todo deavalia%&o do pro$essor. 3valia%&o. 3tlas( 1.. 1T / JRONOQR3B33TIKID3DEH HEBEHT REH K KI KII[UEHTION]RIO 2IOTOQR3II3 2 2ENTREKIHT3 23N]+IHE 2 2 2RED3ÇÃO TJJ 2 2REKIHÃO TJJ 2DEIEH3 TJJ 2ENTREQ3 TJJ 2 • 15.AOIIB3NN( @ussara. • 1T. 1D 3trav s do m todo da tria!)ula%&o de dados( ser1 possEvel comparar osresultados obtidos a!teriorme!te !a observa%&o( pode!do compree!der estes processosa!)ariados. Kisa!do tamb m a rela%&o alu!o# pro$essor( por quais situa%4eseles passam( qual a participa%&o dos alu!os de!tro de uma atividade que e!)loba asala. F. [uais as e2peri?!cias avaliativas por quais passam os alu!os( qual ocomportame!to deste alu!o dia!te de uma pr1tica avaliativa.. Uma 9erspectivaJo!strutivista. 3valia%&o da 3pre!di'a)em Escolar5 estudos eproposi%4es... avalia%&o.( /(521XcmTRIKINZH( 3u)usto Nivaldo Hilva.5. de apre!di'a)em. H&o 9aulo5 Jorte'( 1.PC. 9orto 3le)re5 3rtBed( 1. 15REIER`NJI3HDEBO( 9edro. E atrav s disso ser1 possEvel obter#se um relat*rio socioeco!_mico dosi!divEduos estudados( pode!do assim saber que tipo de escola o$erecido a este alu!o( ai!$lu?!cia da classe social prese!te em sala( que tipo de pro$essor e apre!di'a)em o$erecido. FC. 1 Qravura.. . Jampi!as( 3utores 3ssociados... FXX.aedi%&o. 1.a ed. Bitolo)ias da 3valia%&o5 De como i)!orar( em ve' de e!$re!tarproblemas. 1Festes e outros procedime!tos para obter dados para a a!1lise deste projeto de pesquisa5. I!trodu%&o > 9esquisa em Ji?!cias Hociais5 apesquisa qualitativa em educa%&o.5. 3valia%&o5 Bito e Desa$io.D.9ERRENOUD( 9=ilippe...1 Joleta de Dados^Bateriais 3 coleta de dados ser1 $eita atrav s do $ormul1rio( pois caber1 a ele propiciarcerto co!=ecime!to da 1rea !o qual est1 $ocado o tema( assim a!alisa!do com mais?!$ase qua!do se !ecessita recol=er i!$orma%4es das mais vari1veis 1reas( j1 que aavalia%&o escolar vai abra!)er um leque de pessoas( como alu!os e pro$essores(pode!do capturar um )ra!de !Evel de repostas( assim pree!c=e!do mel=or as lacu!as !oprojeto.D. M !ecess1rio descrever • 1F. 3valia%&o5 da e2cel?!cia > re)ula%&o das apre!di'a)e!s #e!tre duas l*)icas.