Cultura digital: da origem às ações de um grupo de trabalho no âmbito da educação ambiental

Maria de Nazaré dos R. Sodré¹, Márcia Hellen S. M. Santos², Tânia Roberta C. de Oliveira3, Neriane Nascimento da Hora4 Universidade do Estado do Pará - Centro de Ciências Sociais e Educação - Núcleo de Estudos em Educação Científica, Ambiental e Práticas Sociais -Necaps - IV Bloco-Térreo, Sala 1306 – Belém – Pará – Brasil.
marinazdre@gmail.com, marciasantos@uepa.br, troberta@uepa.br, neri.dahora@hotmail.com
1234

Abstract. This paper presents the origin and the actions developed by the working group on at digital culture, whose purpose is to expand the possibilities of training teachers, the students and from the community for environmental education, considering the computer as a resource to the releasing imagination, playing an important role in the creative act, offering a more structured experience, an organization of time and space, a full assessment, procedural and emancipatory. Resumo. Este artigo apresenta a origem e as ações desenvolvidas pelo grupo de trabalho sobre a cultura digital, cujo objetivo é ampliar as possibilidades de formação dos professores, dos alunos e da comunidade para a educação ambiental, considerando o computador como um recurso para soltar a imaginação, desempenhando um papel importante no acto criativo, oferecendo uma experiência mais estruturada, uma organização do tempo e do espaço, uma avaliação completa, processual e emancipadora.

Da Origem do Grupo de Trabalho Cultura Digital
O Grupo de Trabalho Cultura Digital foi criado no ano de 2008, e sua concepção pedagógica visa o desenvolvimento de um trabalho educativo com enfoque interdisciplinar articulando ações de ensino, pesquisa e extensão, em um processo de reflexão-ação a partir dos temas trabalhados, sintonizadas com o desafio da construção da cidadania. O GT Cultura Digital origina-se de um programa proposto ao Conselho Técnico Científico, sendo pelo mesmo avaliado e aprovado. As idéias articuladoras para o direcionamento das ações educacionais informatizadas têm como recurso as tecnologias da informação e comunicação, que constituem redes disseminadoras de um ensino e de uma aprendizagem bastante atuante, sendo que todas estão sinalizadas pelas necessidades sociais regionais e/ou locais, e que se encontram presentes nas etapas que constituem a proposta deste grupo. Assim, este grupo organizou-se na perspectiva de ampliar as possibilidades de formação e capacitação do professor, dos alunos e da comunidade, considerando o computador não como um instrumento que ensina, mas uma ferramenta que possibilita o desenvolvimento de uma atividade promovendo a aprendizagem e, portanto, um recurso liberador da espontaneidade e do imaginário, desempenhando papel importante no ato de

XX Simpósio Brasileiro de Informática na Educação, Florianópolis - SC - 2009, ISSN: 2176-4301

Esta última se obtém quando: Se toma em conta e se harmoniza em interrelação dialógica. para sua efetivação utilizamo-nos do conceito de webquest criado por Bernie Dodge. os sujeitos que influem na prática educativa. e o cultural compreendendo o conhecimento e a valorização dos hábitos. como: o pedagógico que trata dos aspectos cognoscitivos. ISSN: 2176-4301 . criação de Home Page e redes sociais. Em 2009. Assim.criar. por outro. por meio de pesquisa participante e pesquisa-ação. oferecendo uma vivência mais estruturada. tem-se como ideário didático-pedagógico e cultural.SC . Isto implica que na formação pedagógica voltada para a aplicabilidade da tecnologia na educação. como elementos integradores que subsidiam a produção de conhecimento. palestras e mesas redondas como veremos em seguida. como uma proposta metodológica para usar a internet de forma XX Simpósio Brasileiro de Informática na Educação. as mudanças estão subsidiadas por uma melhor formação teórica e metodológica. numa sociedade tecnologicamente educada. por um lado. psicoafetivas e ativas do aluno como sujeito central do processo de aprender que dinamiza social e cooperativamente (ESTÉVEZ. o educativo voltado para formação de valores e cidadania. oficinas pedagógicas. As Ações do Cultura Digital em 2009 Todas as ações do GT são definidas. adotamos os enfoques da investigação qualitativa. no início do ano letivo. o desenvolvimento integrado das capacidades cognoscitivas. curso ofertado de 16/03/2009 a 27/04/2009. Apresenta-se como uma integração entre os eixos exigidos por qualquer projeto pedagógico. Ressalta-se a relevância do conjunto de intenções apontadas pelo grupo. elaboração e aplicação de objetos de aprendizagem. como projeto de ensino. Esses recursos têm a pesquisa como eixo fundamental da aprendizagem.2009. Florianópolis . 35). tendo em vista a construção de um Plano Coletivo de Trabalho sintonizado com o desafio da implementação de uma proposta educativa mediada pelas tecnologias. Tecnologias para aprender: webquest na construção de significados para a Educação Ambiental Escolar. com a criação de site para a publicação dos recursos pedagógicos produzidos para testagem em escolas de ensino fundamental. como também na valorização dos saberes aprendidos pelos alunos. p. 1996) do conhecimento. capacitação docente. viabiliza a vivência da “construção contextualizada” (VALENTE. 1996. enfatizando o desejo de mudar e vivenciar o novo. 1. costumes e lendas. emancipatória e integral. abordagem que fundamenta o uso do computador na aprendizagem. repensar o fazer docente mediante o uso da tecnologia da informação e comunicação. da proposição de temáticas ambientais e da programação do Núcleo. uma organização de tempo e de espaço e uma avaliação processual. Na atualidade as tecnologias são os instrumentos fundamentais para uma mudança significativa na educação e. para melhor compreender essa realidade. públicas e privadas. assim como na comunidade envolvida de forma a contribuir significativamente com a sociedade. tanto na formação como na atuação de professores. cursos. a partir da programação individual de cada membro. foram planejadas e executadas atividades curriculares e extracurriculares. além de suas riquezas históricas. resultando em um produto que seja significativo ao aluno. Utilizar-se da cultura digital.

Implementação da Home Page do GT. 2007 p. gente de vários cursos como Matemática. A primeira experiência foi a criação da página do próprio GT. com o objetivo de promover a interatividade entre os estagiários e docentes do grupo e de experimentar as possibilidades da escrita colaborativa na web.IFPA. estagiários. 106). palestra para 35 (trinta e cinco) professores do ensino fundamental e médio da Rede Particular de ensino. Informática.SC . São alunos de graduação e pós-graduação. Ciência e Tecnologia . Computação. Webquest. Blogs. Florianópolis . Figuras 2 e 3 – Screenshots da comunidade no Orkut e da Rede Social no NING XX Simpósio Brasileiro de Informática na Educação. O Ning passou a ser mais um recurso utilizado. Criação de espaços do GT em comunidades virtuais. abordando as principais possibilidades de utilização dos recursos tecnológicos na Educação. 4. atualmente com 135 membros. mesa redonda no I Fórum de Educação Digital para a Amazônia. Secretariado e interessados em Cultura Digital. 3.Cultura Digital no WikiSpaces. professores.2009. Redes Sociais.Tecnologias para aprender: webquest em sala de aula. no dia 27/06/2009. “Software livre e inclusão digital na Amazônia”. “Possibilidades e utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) na Educação”. 2. Educação Ambiental Escolar. amigos do GT. testagem do modelo para 48 (quarenta e oito) alunos de 4ª série do ensino fundamental. Ciências. Implementação da Home Page Webquest no WikiSpaces 6. Figura 1 . como: Wikis. 5. que ainda encontra-se em fase experimental. no Instituto Federal de Educação. Chats e Fóruns de discussão. Webquest em escola da Rede Particular de ensino. ISSN: 2176-4301 . Pedagogia.criativa e por ele definida como “uma atividade investigativa em que alguma ou toda a informação com que os alunos interagem provém da internet” (MORAN.

MORAN.SC . A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. Considerações finais De sua origem. 10. O Professor no Ambiente Logo: Formação e Atuação. (2007) Tecnologias no ensino e aprendizagens inovadores. S. a partir do acesso responsável e orientado a informações pela Internet. ISSN: 2176-4301 . Contudo. graduação e pós-graduação (lato sensu). 89-124. até a presente data.7. promovido pela VIII Jornada Interna do NECAPS. mas assumimos junto aos participantes o compromisso da construção do conhecimento próprio em um ambiente desafiador. Ambiental e Práticas Sociais”. promovido pelo GT Formação. Referências ESTÉVEZ. I Ciclo de Oficinas Pedagógicas do NECAPS sobre Educação Científica. destinada a jovens do entorno da instituição e de escolas públicas. 9. São Paulo: Papirus. não nos limitamos a fornecer apenas informações. fazendo parte do projeto “Oficinas Itinerantes de Educação Científica. Ambiental e Saúde para a Juventude: articulação Universidade-Escola”. no dia 08/06/2009 para jovens de 9 a 14 anos. da criatividade. ainda. que por meio da metodologia trabalhada favoreceu a atuação do grupo. Florianópolis . da criticidade e da auto-estima de cada um dos envolvidos. C. J. Oficina “Navegar é Preciso: o uso responsável da Internet”. Ambiental e Saúde para a Juventude da Educação Básica. dos problemas ambientais mundiais. realizada na Semana Acadêmica do Centro de Ciências Sociais e Educação. M. Conseguiu. em 2008. do ensino superior. este grupo atendeu cerca de 340 (trezentos e quarenta) participantes entre professores e alunos da educação básica. gibis e práticas de Ensino em Ciências Naturais: Uma Vivencia Pedagógica por meio de projetos de Aprendizagem. XX Simpósio Brasileiro de Informática na Educação. Projeto de Ensino Computadores. In. com o auxílio das tecnologias digitais buscou a aproximação da escola e da comunidade em geral. Oficina “Atividade investigativa com o uso da internet: importância das aves para o equilíbrio e para a preservação do meio ambiente.2009. Colombia: Cooperativa Editorial Magistério. nosso campo de ação. Campinas: NIED-UNICAMP Gráfica Central Unicamp. A. Mesa redonda “Práticas Científicas e Educativas para a Amazônia: a experiência do Núcleo de Estudos em Educação Científica. (Educação) p. VALENTE. (1996). 8. Una experiencia construída desde y en el aula. no dia 30/05/2009. realizar a maioria das ações previstas no planejamento anual. A ênfase na Educação Ambiental. em que a tecnologia auxilia e promove o desenvolvimento da autonomia. ___. (1996) Evaluación integral por processos. no dia 03/07/2009.