Modelagem e Análise de Sistemas Elétricos em Regime Permanente

Fundamentos para solução de circuitos elétricos – Sérgio Haffner Versão: 10/9/2007 Página 1 de 20

Fundamentos para solução de circuitos elétricos

Representação fasorial
• Aplicada a circuitos assintoticamente estáveis
1
, para o estudo do seu regime permanente senoidal.
• Correntes e tensões representadas por números complexos (amplitude e ângulo de fase).
• Freqüência considerada implicitamente.

t
[rad]
g(t)
−φ
G
-G
ω

( ) ( ) φ ω + = t Y t y cos
max

( ) ( )
t j
e Y t y
ω
Re 2 =

3 parâmetros:
max
Y
– amplitude

ω
– velocidade angular

φ
– ângulo de fase

φ
φ
2 2
max max
Y
e
Y
Y
j
= =
representação fasorial de
( ) t y
ou a
transformada fasorial de
( ) t y
.
Y contém
2
/
3
das informações de
( ) t y
a saber,
max
Y
e
φ
.


1
Nenhuma raiz da equação característica está no eixo imaginário ou no semiplano direito do plano complexo.
A resposta natural tende a zero:
( ) 0 lim =
∞ →
t y
n t

A resposta completa tende à resposta forçada:
( ) ( ) ( ) ( ) t y t y t y t y
f f n t t
= + =
∞ → ∞ →
lim lim

Modelagem e Análise de Sistemas Elétricos em Regime Permanente
Fundamentos para solução de circuitos elétricos – Sérgio Haffner Versão: 10/9/2007 Página 2 de 20

π/2 ω t [rad]
cos
sen

Um ângulo de fase
2
π
φ

=
, transforma a função cosseno
em seno:

|
¹
|

\
|
− =
2
cos sen
π
ω ω t t


|
¹
|

\
|
+ =
2
sen cos
π
ω ω t t


α
g
1
(t) g
2
(t)
ω t [rad]

Defasagem é a diferença entre os ângulos de fases de
duas funções do tipo senoidal de mesma velocidade
angular ω.
Sendo
( ) ( )
1 1 1
cos φ ω + = t G t g


( )
|
|
|
¹
|

\
|
− + =
8 7 6
2
1 2 2
cos
φ
α φ ωt G t g

A defasagem entre
( ) t g
1
e
( ) t g
2
é

( ) α α φ φ φ φ = − − = −
1 1 2 1

( ) t g
1
está adiantada em relação à
( ) t g
2
do ângulo α αα α
( ) t g
2
está atrasada em relação à
( ) t g
1
do ângulo α αα α.
Modelagem e Análise de Sistemas Elétricos em Regime Permanente
Fundamentos para solução de circuitos elétricos – Sérgio Haffner Versão: 10/9/2007 Página 3 de 20

Impedância [Ω ΩΩ Ω] e admitância [Ω ΩΩ Ω
-1
ou siemens]

Circuito
linear
invariante
em regime
permanente
senoidal
( ) [ ]
t j
e V t v
ω
Re 2 =
+

( ) [ ]
t j
e I t i
ω
Re 2 =
( )
Y
j Z
1
= ω

( ) jX R
I
V
j Z + = =

ω

( )
( )
jB G
V
I
j Z
j Y + = = =

ω
ω
1


reatância
a resistênci
=
=
X
R

ia susceptânc
a condutânci
=
=
B
G

Resistor
( ) ( ) t Ri t v =

[ ]
( )
[ ]
( )
[ ]
t j
t i
t j
t v
t j
e I R e I R e V
ω ω ω
Re 2 Re 2 Re 2 = =
48 47 6 4 48 4 47 6

I R V =

( ) R j Z R = ω

( )
R
j Y R
1
= ω

Indutor
( ) ( ) t i
dt
d
L t v =

[ ]
( )
[ ] ( )
( )
( ) [ ]
t j t j
t i
t j
t v
t j
e I L j e
dt
d
I L e I
dt
d
L e V
ω ω ω ω
ω Re 2 Re 2 Re 2 Re 2 =
(
¸
(

¸

= =
4 48 4 47 6 4 48 4 47 6

I L j V ω =
com
L X
L
ω =

( ) L j j Z L ω ω =

( )
L
j
L j
j Y L
ω ω
ω
1 1
− = =

Capacitor
( ) ( ) t v
dt
d
C t i =

[ ]
( )
[ ] ( )
( )
( ) [ ]
t j t j
t v
t j
t i
t j
e V C j e
dt
d
V C e V
dt
d
C e I
ω ω ω ω
ω Re 2 Re 2 Re 2 Re 2 =
(
¸
(

¸

= =
4 4 8 4 4 7 6 4 48 4 47 6

V C j I ω =

C j
I
V
ω
=

( )
C
j
C j
j Z C
ω ω
ω
1 1
− = =

( ) C j j Y C ω ω =

Modelagem e Análise de Sistemas Elétricos em Regime Permanente
Fundamentos para solução de circuitos elétricos – Sérgio Haffner Versão: 10/9/2007 Página 4 de 20

Elemento Equações Relação de fase
Forma fasorial:
( ) [ ]
t j
e I t i
ω
Re 2 =
( ) [ ]
t j
e V t v
ω
Re 2 =
Diagrama fasorial Relação no tempo
( ) t v
+

( ) t i
R

( ) ( ) φ ω + = t V t v cos
max


( ) ( ) φ ω + = t I t i cos
max

( ) t i
e
( ) t v

em fase
I R V =

I
φ
V

i(t)
v(t)

( ) t v
+

( ) t i
L

( ) ( ) φ ω + = t V t v cos
max


( ) |
¹
|

\
|
− + =
2
cos
max
π
φ ωt I t i

( ) t i
atrasada
de
( ) t v
de 90
°
I L j V ω =


L X
L
ω =

I
φ
V

i(t)
v(t)

( ) t v
+

( ) t i
C

( ) ( ) φ ω + = t V t v cos
max


( ) |
¹
|

\
|
+ + =
2
cos
max
π
φ ωt I t i

( ) t i
adiantada
de
( ) t v
de 90
°

I
C j
V
ω
1
=


C
X
C
ω
1
=

I
φ
V

i(t)
v(t)

Modelagem e Análise de Sistemas Elétricos em Regime Permanente
Fundamentos para solução de circuitos elétricos – Sérgio Haffner Versão: 10/9/2007 Página 5 de 20

Associação de Impedâncias
Série

– –
V
+

1 V
+
I
2 V
+ +
1 Z
2 Z n Z
V
+

I
eq Z ≡
n V


n eq Z Z Z Z + + + = K 2 1


n
n n
eq
Z Z Z
I
V
I
V
I
V
I
V V V
I
V
Z + + + = + + + =
+ + +
= = K K
K
2 1
2 1 2 1
LKT

Paralela

V
+

I
1 Z
2 Z n Z
V
+

I
eq Z

1 I 2 I n I

n
eq
Z Z Z
Z
1 1 1
1
2 1
+ + +
=
K


n
n
n
eq
Z Z Z
Z
V
Z
V
Z
V
V
I I I
V
I
V
Z
1 1 1
1
2 1
2 1
2 1
LKC
+ + +
=
+ + +
=
+ + +
= =
K
K
K
Modelagem e Análise de Sistemas Elétricos em Regime Permanente
Fundamentos para solução de circuitos elétricos – Sérgio Haffner Versão: 10/9/2007 Página 6 de 20

Potência complexa
+
) cos( ) (
max
φ ω + = t V t v
) cos( ) (
max
θ φ ω − + = t I t i
-
) (t v
) (t i
φ
V
I
θ
Re
Im
φ
2
max
V
V =
θ φ − =
2
max
I
I
SISTEMA


Potência instantânea fornecida para o sistema:


( ) ( ) ( ) ( ) ( ) θ φ ω φ ω − + + = = t t I V t i t v t p cos cos
max max


( ) ( ) [ ] ( ) φ ω θ φ ω θ 2 2 sen sen
2
2 2 cos 1 cos
2
max max max max
+ + + + = t
I V
t
I V
t p



( ) ( ) [ ] ( ) φ ω θ φ ω θ 2 2 sen sen 2 2 cos 1 cos + + + + = t VI t VI t p



Modelagem e Análise de Sistemas Elétricos em Regime Permanente
Fundamentos para solução de circuitos elétricos – Sérgio Haffner Versão: 10/9/2007 Página 7 de 20


0 1 2 3 4 5 6
-5
0
5
10
Corrente em fase com a tensão
wt
v
(
t
)
,

i
(
t
)
,

p
(
t
)
v(t)
i(t)
p(t)

0 1 2 3 4 5 6
-5
0
5
Corrente atrasada de 90 graus
wt
v
(
t
)
,

i
(
t
)
,

p
(
t
)
v(t)
i(t)
p(t)



0 1 2 3 4 5 6
-5
0
5
Corrente adiantada de 90 graus
wt
v
(
t
)
,

i
(
t
)
,

p
(
t
)
v(t)
i(t)
p(t)

0 1 2 3 4 5 6
-5
0
5
10
Corrente atrasada de 30 graus
wt
v
(
t
)
,

i
(
t
)
,

p
(
t
)
v(t)
i(t)
p(t)

Modelagem e Análise de Sistemas Elétricos em Regime Permanente
Fundamentos para solução de circuitos elétricos – Sérgio Haffner Versão: 10/9/2007 Página 8 de 20

Potência ativa (eficaz, útil, que produz trabalho): valor médio da potência instantânea:

( ) [ ] ( ) [ ]
∫ ∫
+ + + + = ∆
T T
dt t VI t VI
T
dt t p
T
P

0

0
2 2 sen sen 2 2 cos 1 cos
1
) (
1
φ ω θ φ ω θ


θ cos VI P =
[W]


Potência reativa: corresponde ao valor máximo da parcela em sen(2ω ωω ωt+2φ φφ φ) da potência instantânea:

θ θ sen sen I VI V Q = ∆
[var]
Convenção
2
: INDUTOR: “consome” potência reativa
CAPACITOR: “gera” potência reativa


Potência aparente: obtida pela combinação das potências ativa e reativa P e Q:

2 2
Q P VI S + = =
[VA]
S
P
jQ
I V ∠ − ∠ = θ
Característica INDUTIVA


S
P
jQ
I V ∠ − ∠ = θ
Característica CAPACITIVA


2
Observar que a parcela representada pela potência reativa apresenta valor médio nulo, ou seja, não existe geração nem consumo
efetivo, na metade do ciclo o elemento absorve energia que será devolvida na metade seguinte do ciclo. A convenção é adequada porque
na metade do ciclo em que o indutor está absorvendo energia o capacitor está devolvendo e vice-versa.
Modelagem e Análise de Sistemas Elétricos em Regime Permanente
Fundamentos para solução de circuitos elétricos – Sérgio Haffner Versão: 10/9/2007 Página 9 de 20


Fator de potência é obtido pela relação entre as potências ativa e aparente:

θ
θ
cos
cos
= = =
VI
VI
S
P
FP



Potência complexa: obtida pelo produto do fasor tensão pelo conjugado do fasor corrente


jQ P jVI VI VI I V I V S + = + = = + − = ⋅ = θ θ θ θ φ φ sen cos
*


O ângulo da potência só depende do ângulo entre a tensão e a corrente (θ)

φ
V
I
θ
Re
Im
φ φ V
V
V = =
2
max
θ φ θ φ − = − = I
I
I
2
max

Modelagem e Análise de Sistemas Elétricos em Regime Permanente
Fundamentos para solução de circuitos elétricos – Sérgio Haffner Versão: 10/9/2007 Página 10 de 20

Sentido do fluxo de potência

+
-
V
I
α V V =
β I I =
SISTEMA
A
SISTEMA
B

Potência complexa fornecida para o Sistema B pelo Sistema A:

( ) ( ) jQ P jVI VI VI I V I V S + = − + − = − = − = ⋅ = β α β α β α β α sen cos
*


o o
90 0
:
:
< <


ψ
B A
B A
Q
P
o o
180 90
:
:
< <


ψ
B A
A B
Q
P

o o
360 270
:
:
< <


ψ
A B
B A
Q
P
o o
270 180
:
:
< <


ψ
A B
A B
Q
P

P [W]
Q [var]
β α ψ − =
α V V =
β I I =

Modelagem e Análise de Sistemas Elétricos em Regime Permanente
Fundamentos para solução de circuitos elétricos – Sérgio Haffner Versão: 10/9/2007 Página 11 de 20

Fonte trifásica ideal

BN
V
AN
V
+
+
N
CN
V
+
AB
V
BC
V
CA
V
+

+


+
(opcional)
A
B
C


AB
V
BC
V
CA
V
+
+
+
AB
V
BC
V
CA
V
+



+
+
N

Conexão estrela Conexão triângulo.

AN
V
ω
CN
V
BN
V
AB
V
BC
V
CA
V


Modelagem e Análise de Sistemas Elétricos em Regime Permanente
Fundamentos para solução de circuitos elétricos – Sérgio Haffner Versão: 10/9/2007 Página 12 de 20


Tensões de fase e de linha


Tensões de Fase (φ):
AN
V
ω
CN
V
BN
V
CN BN AN
V V V ; ;
AB
V
BC
V
CA
V
AN
V
ω
CN
V
BN
V
AB
V
BC
V
CA
V

Tensões de Linha (L):
CA BC AB
V V V ; ;
CA CB BA
V V V ; ;
BA
V
CB
V
AC
V
φ
V V
L
3 =

Modelagem e Análise de Sistemas Elétricos em Regime Permanente
Fundamentos para solução de circuitos elétricos – Sérgio Haffner Versão: 10/9/2007 Página 13 de 20


Carga trifásica ideal


N
Y
Z
Y
Z
Y
Z
A
B
C


N

Z

Z

Z
A
B
C

Ligação estrela. Ligação malha ou triângulo.

Equivalência estrela/triângulo

Y Z Z 3 = ∆
Modelagem e Análise de Sistemas Elétricos em Regime Permanente
Fundamentos para solução de circuitos elétricos – Sérgio Haffner Versão: 10/9/2007 Página 14 de 20

Potência complexa em circuitos trifásicos equilibrados


1
φ
2
φ
3
φ
1 I
2 I
3 I
N I
N
V
1
+
N V 2
+
N
V
3
+
N
Sistema A
Sistema B
3 3
3
2 2
2
1 1
1
3 3
3
2 2
2
1 1
1
β
β
β
α
α
α
I I
I I
I I
V V
V V
V V
N
N
N
N
N
N
=
=
=
=
=
=
3 3 3
2 2 2
1 1 1
β α θ
β α θ
β α θ
− =
− =
− =


Potência complexa fornecida para o Sistema B pelo Sistema A:
3 3 3 3 2 2 2 2 1 1 1 1
*
3 3
*
2 2
*
1 1
3 3
3
β α β α β α
φ φ
φ
− + − + − = ⋅ + ⋅ + ⋅ = + = I V I V I V I V I V I V jQ P S
N N N
N N N

Fator de potência médio:

φ
φ
3
3
médio
S
P
FP =


Modelagem e Análise de Sistemas Elétricos em Regime Permanente
Fundamentos para solução de circuitos elétricos – Sérgio Haffner Versão: 10/9/2007 Página 15 de 20


Sistema trifásico é simétrico e alimenta uma carga equilibrada:


θ θ
φ φ
cos 3 cos 3
3 L L L
I V I V P = =


θ θ
φ φ
sen 3 sen 3
3 L L L
I V I V Q = =

θ
φ
φ
φ
cos
3
3
3
= =
S
P
FP

L L L
I V I V S 3 3
3
= =
φ
φ




( ) ( ) ( ) ( )
θ θ θ
θ φ ω θ φ ω θ φ ω θ
φ
φ
cos 3 3 cos
2
3 cos 3
2
1
120 2 2 cos 120 2 2 cos 2 2 cos cos 3
2
1
1
0
3
VI P
I V
I V
t t t I V t p
m m
m m
m m
= = = =
=
(
(
¸
(

¸

− − + + + − + + − + + =
=
4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 8 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 7 6
o o


A potência trifásica instantânea fornecida para um sistema equilibrado
3
, através de tensões
simétricas, é constante. Assim, embora a potência instantânea fornecida por intermédio de cada uma
das fases seja variável, o somatório de todas as contribuições é constante.

3
Observar que o resultado obtido pode ser estendido para qualquer sistema polifásico simétrico que alimente cargas
equilibradas, ou seja, a potência polifásica instantânea fornecida para um sistema equilibrado, alimentado por tensões
simétricas, é constante.
Modelagem e Análise de Sistemas Elétricos em Regime Permanente
Fundamentos para solução de circuitos elétricos – Sérgio Haffner Versão: 10/9/2007 Página 16 de 20

Análise por fase e diagrama unifilar

Justificativas:
• as fontes do sistema são consideradas simétricas;
• as impedâncias das fases são consideradas iguais e
• as cargas são consideradas equilibradas.

O resultado (
V
, I ,
S
, etc.) de uma fase pode ser estendido para as demais.



Exemplo I.1 – Uma fonte trifásica, 2400 V, seqüência ABC, alimenta duas cargas conectadas em
paralelo:
• Carga 1: 300 kVA, fator de potência igual a 0,8 indutivo e
• Carga 2: 144 kW, fator de potência igual a 0,6 capacitivo.

Se a fase A é utilizada como referência angular (ou seja o ângulo de fase de AN
V
é igual a zero),
determinar:
a) O circuito equivalente por fase (diagrama de impedância).
b) As três correntes de linha das fases A, B e C.


Modelagem e Análise de Sistemas Elétricos em Regime Permanente
Fundamentos para solução de circuitos elétricos – Sérgio Haffner Versão: 10/9/2007 Página 17 de 20


G
1

G
2
1 2 3
4
T
1
T
2

Y-Y Y-Y
• • • •
(a) Diagrama unifilar.
• • • •
• • • •
• • •
• • •
• • •
• • •
• • • • • • •
• • • • • • •




(b) Diagrama trifilar de impedância.
• • •
• • •
(c) Diagrama de impedância por fase (em pu).
Gerador Transformador 1 Transformador 2
Carga e
Gerador 2
G
1

G
1

G
1

G
1

G
2

G
2

G
2

G
2

Linha de
Transmissão

Modelagem e Análise de Sistemas Elétricos em Regime Permanente
Fundamentos para solução de circuitos elétricos – Sérgio Haffner Versão: 10/9/2007 Página 18 de 20

O sistema por unidade (pu)

Na análise de sistemas de energia elétrica são utilizadas unidades relativas (pu).

Justificativas:
• Manter os parâmetros do sistema elétrico dentro de uma faixa de valores conhecidos (evitando
erros grosseiros) Valores em pu próximos a unidade significam proximidades do valor nominal;
valores de tensão muito abaixo ou acima de 1 pu representam condições anormais de operação.
• Eliminar todos os transformadores ideais do sistema elétrico.
• Tensão de operação do sistema permanece sempre próxima da unidade.
• Todas as grandezas possuem a mesma unidade (embora os valores de base sejam diferentes)

base valor
atual valor
pu em valor =
(valor base = número real)

Para todo o sistema define-se a potência base:

base base 3
base 3
base
3
3
φ φ
φ
φ
S S
S
S = ⇔ =
[MVA]

Tensão base,
base
V
, (tensão nominal do sistema na região de interesse):

base base
base
base
3
3
φ φ
V V
V
V
L
L
= ⇔ =
[kV]
Modelagem e Análise de Sistemas Elétricos em Regime Permanente
Fundamentos para solução de circuitos elétricos – Sérgio Haffner Versão: 10/9/2007 Página 19 de 20

Corrente base,
base
I
, e a impedância base,
base
Z
(obtidas a partir da potência e da tensão de base)

base
base 3
base
base 3
base
base
base base
3
3
3
L
L
Y L
V
S
V
S
V
S
I I
φ
φ
φ
φ
= = = =

base
base 3
base
base
3
3
L
L
V
S
I
I
φ
= =




base 3
2
base
base
base
base
φ
φ
S
V
I
V
Z
L
Y
Y
= =

base 3
2
base
base
base
base base
3 3 3
φ
φ
S
V
I
V
Z Z
L
Y
Y
= = =



Duas classes de grandezas de base:
• Primárias – Nesta classe se incluem a potência base, definida para todo o sistema, e a tensão
base, que varia em função da tensão nominal da região em análise.
• Secundárias – Nesta classe se incluem a corrente base e a impedância base que são calculadas
em função da potência base (definida para todo o sistema) e dos valores nominais de tensão,
utilizados como tensão base na região em análise.

Mudança de base de uma impedância na base 1,
( ) 1 base pu Z
, para a base 2,
( ) 2 base pu Z
:

( ) ( )
2 base
1 base
1 base pu 2 base pu
Z
Z
Z Z =

( ) ( )
1 base 3
2 base 3
2
2 base
1 base
1 base pu 2 base pu
φ
φ
S
S
V
V
Z Z
L
L
(
¸
(

¸

=


Modelagem e Análise de Sistemas Elétricos em Regime Permanente
Fundamentos para solução de circuitos elétricos – Sérgio Haffner Versão: 10/9/2007 Página 20 de 20

Exemplo I.2 – Considere o sistema do Exemplo I.1. Supondo que
kVA 300
base 3
=
φ
S
e
kV 4 , 2
base
=
L
V
,
determinar:
a) As bases do sistema por unidade.
b) Desenhar o circuito equivalente por fase em valores por unidade.
c) Determinar o fasor corrente da fase A em valores por unidade e em ampères.

Exemplo I.3 – A Figura mostra o diagrama unifilar de um sistema elétrico trifásico.

G
1

1 2 3 4
T
1
:
1 2
: N N
Y-Y Y-Y
T
2
:
′ ′
2 1
: N N
2,4 kV 24 kV 12 kV
1000 A

Considere que o comprimento da linha entre os dois transformadores é desprezível, que a capacidade do
gerador
φ 3
é de 4160 kVA (2,4 kV e 1000 A), que este opera em condição nominal
( ) A 1000 =
L
I
alimentando
uma carga puramente indutiva. A potência nominal do transformador trifásico T
1
é 6000 kVA (2,4/24 kV Y/Y)
com reatância de 0,04 pu. T
2
tem capacidade nominal de 4000 kVA, sendo constituído por um banco de três
transformadores monofásicos (24/12 kV Y/Y) com reatância de 4% cada. Determinar:
a) A potência base.
b) A tensão de linha base.
c) A impedância base.
d) A corrente base.
e) Resumir valores base em uma tabela.

f) Os valores das correntes em A.
g) A corrente em pu.
h) O novo valor das reatâncias dos transformadores
considerando sua nova base.
i) O valor pu das tensões das barras 1,2 e 4.
j) A potência aparente nas barras 1,2 e 4.