PORQUE OS JOVENS ESTÃO DEIXANDO A IGREJA? Todos nós sabemos quem eles são: as crianças criadas na igreja.

Eram as estrelas do grupo de jovens. Talvez tenham cantado na equipe de louvor ou lideraram o culto. E então terminam o ensino médio e saem da igreja. O que está acontecendo? Isso tem acontecido com tanta frequência que se torna necessário falar sobre, e para isso, também se torna necessário buscar entender o fenômeno, esse entendimento foi buscado através de pesquisa feita junto à uma categoria de jovens que representa a faixa etária que mais apresenta o problema a que se refere o texto, jovens universitários perto dos seus 20 anos, onde grande parte deles foram criados em típicas igrejas evangélicas. Foram avaliadas dezenas de conversas, e alguns pontos foram observados, tomara que alguns deles te façam ficar com raiva. Não com a mensagem, mas com o fracasso da nossa substituição pragmática do evangelho da cruz pelo evangelho da humanização. Isso não é um texto negativo de “paulada na igreja”. Amamos a igreja, e queremos ver o evangelicalismo da glória pessoal se voltar ao Evangelho de arrependimento e fé em Cristo para o perdão de pecados. As estatísticas são assustadoras: o percentual de jovens que param de frequentar a igreja quando terminam o ensino médio é assustador. Quase uma década depois, cerca de apenas metade deles retornam. Não há uma forma fácil de dizer isso: a igreja evangélica perdeu, está perdendo, e certamente continuará perdendo nossos jovens. Apesar de toda a conversa de serem “nosso melhor recurso”, “nosso tesouro”, e das multimilionárias imitações de atrativos que imitam o sistema secular e das bandas de rock que tocam nelas… a igreja está deixando os jovens na mão. Existem muitas razões pelas quais estamos perdendo nossos jovens, vejamos algumas delas: - A igreja está pegando a fé histórica, 2 mil anos de fé antiga, e travestindo com os costumes usados por aqueles que presumidamente queremos ganhar ou influenciar com a intenção equivocada de vender isso como “legal” para os nossos jovens. Isso não é legal. Isso não é moderno. O que estamos entregando é uma imitação barata do mundo que fomos chamamos para evangelizar. Como diz o ditado, “Quando o navio está no mar, está tudo bem. Quando o mar entra no navio, aí começam os problemas”. - Não se trata de uma queixa pietista sobre “mundanismo” falamos do fato que, como igreja bocejamos por causa da leitura de um texto bíblico de 5 minutos, mas quase tropeçamos ao correr para bajular uma pseudo celebridade ou atleta qualquer que faz alguma vaga referência sobre ser cristão. Nós somos como bajuladores em potencial, apenas esperando que o mundo ache que nós somos legais também, tipo: como vocês são legais! - Nossos jovens conhecem o mundo real e a nossa pose de “olhe como somos legais como você” é facilmente ridicularizada. Em nosso esforço para ser “como eles” nós nos tornamos menos do que realmente somos. O pastor de meia idade tentando parecer que tem 20 e poucos não é relevante. Imitando roupas e costumes tidos como “jovens”, ou trajando o tradicional social, não faz diferença. Isso não é relevante, é comicamente clichê. No momento em que você tenta ser “autêntico”, você não é mais autêntico! - Nossos jovens conhecem poucos elementos da igreja, de um berçário com tema de Arca de Noé, para um painel eletrônico de estádio de futebol no acampamento das crianças, das noites de pizza aos shows de rock, muitos jovens evangélicos foram mimados em uma estufa nemtanto-igreja, nem-tanto-mundo. Eles foram pouco expostos ao valor de aturar o banco da igreja entre pais de primeira viagem com um bebê agitado ou um idoso com um cilindro de oxigênio. Pouco viram do caminho completo do evangelho por todas as fases da vida. Em vez disso, a igreja tem silenciado a mensagem, aumentamos o volume do som e agimos surpresos quando eles ficam espertos, não é que nossos jovens estudantes “ficam mais espertos” quando saem de casa, o que ocorre é que alguém os trata como sendo inteligentes. - Em vez do nosso emburrecimento da mensagem, os agnósticos e ateus tratam nossos jovens como inteligentes e desafiam seu intelecto com “pensamentos profundos” de questionamentos e dúvidas. Muitas dessas “dúvidas” têm sido respondidas, em grande profundidade, ao longo dos séculos de nossa fé. No entanto nós os enviamos ao mundo desarmados, sejamos honestos, a maioria das nossas igrejas está mandando jovens ao mundo vergonhosamente ignorantes de nossa fé.

a igreja perde para outras coisas com um apelo muito maior à nossa natureza humana. enfim adultos: “faça isso ou aquilo”. ISSO é autentico. dos seus pecados diante de Deus. fumar. para ter uma vida melhor. A igreja evangélica não está ensinando os rudimentos da fé aos nossos jovens. percebem que podem ser “espiritualmente realizados” e ter os mesmo tempo princípios subjetivos de auto aperfeiçoamento e outros sentimentos mais “reais” e mais compensadores de algum tipo de guru que lhes pregue uma sonhada libertação do pragmatismo religioso. -Há uma mensagem que se escuta muito deles: “A igreja está cheia de hipócritas”. Com uma fé que não é nada mais que algo do tipo “faça assim” em comunidade. e ao fazerem isso se sentem justificados pelo direito de aproveitar essa chance porque estão cansados de fingir. Sem nada sólido para basear sua fé. Não há descanso nessa lei. Existem líderes de igreja evangélica (“pastores”) que não sabem a diferença entre justificação e santificação. com isso condenamos os jovens ao invés de salvá-los e firma-los na fé. dançar. .. eles abandonam a igreja porque não precisam dela. Eles entenderam a mensagem que nós inconscientemente ensinamos. nós estamos simplesmente tentando incentiva-los a se “se darem bem” ao “amarem Jesus” imitando a nossa forma de viver e sentir. eles têm descoberto que podem experimentar “mudança de vida” e “melhoria de vida” vivenciando sentimentos mais imediatos e compensadores em “comunidades” de vários contextos diferentes. porque iriam querer acordar cedo no domingo para ver uma imitação ineficaz de entretenimento que podem experimentar lá fora. vinho e água.Realmente queremos que eles “sintam” isso também.A igreja tem abandonado o ensino básico da bíblia. objetivo e fiel baseado na graça de Deus dada a nós por um evangelho moderno. E eles encontram isso na comunidade que passam a conhecer. nós estamos dando aos nossos jovens uma fé interna e subjetiva. nossos jovens nunca são atingidos pelo impacto da lei. apenas um trabalho árduo que eles sabem que não estão aptos a cumprir.). Assim. Misture isso com uma fé pragmática e subjetiva. . subjetivo e pragmático baseado em atingir nossos . estaremos tentando firmar a fé deles em sentimentos subjetivos. Nossos jovens são espertos. nas redes sociais. já que não “fazem” nenhuma das coisas que a sua denominação ensina que não pode fazer (beber. Membros de conselho de grandes igrejas que não sabem o que é expiação. O evangelho aparece brevemente como algum “faça isso” para ser salvo. tentando se vestir ou falar como um deles. sem nenhum credo histórico para amarrá-los a séculos de história. e a centésima edição da festa da pizza na igreja local não tem como competir contra escolhas mais fáceis e mais naturalmente atraentes.. nas ruas e em rodas de amigos ou parentes não crentes. Como nós descartamos o evangelho. culto de estudo bíblico ou através de discipulado ou grupos pequenos. Quando escolhemos líderes baseados em suas habilidades de atrair e liderar pessoas ao invés de ensinar a fé bíblica histórica e ortodoxa. se lá não conseguem entender o significado do sacrifício de um Jesus crucificado. e quando confrontados por outras formas de se “sentir bem” propostas pelo mundo fora da igreja a que agora estão sendo expostos na faculdade. . e da necessidade desesperada da obra expiatória de Cristo. Conclusão: Nós trocamos um evangelho histórico. Certamente. e ISSO é algo que o mundo não pode oferecer.Então. Se a igreja é simplesmente uma comunidade para aprender ensinamentos que visam conseguir uma “vida melhor”. Quando mais velhos vão para a classe “Crianças de Deus” e veem mais “faça/não faça”. Quando eles saem de casa. nunca fomos chamados a “evangelizar” nossos sentimentos.Ao invés de uma fé externa. sem os elementos físicos do pão. muito mais espertos do que acreditamos. ou vão perceber que não atingem condições de cumprir o necessário do que Jesus lhes “cobra”. objetiva e histórica.. de qualquer forma. exigem bem menos. sem a mesma cobrança. ISSO é relevante. seja em Escola Dominical.O pastor de meia idade tentando desesperadamente ser “relevante” para eles seria engraçado se não fosse trágico. que cobram menos. nós estamos servindo porcaria como alimento. mas a verdade é que a dieta que lhes foi servida por toda a vida. porém. Não existe como passar adiante esse tipo de fé subjetiva. quando os deixamos no berçário “Arca de Noé” aprenderam o “Faça/Não Faça”. Nossos jovens são espertos. etc. é um tipo de Lei. e aprenderam que a escritura diz que a lei condena. é verdade que alguns de nós temos feito o melhor para transmitir a fé interior/subjetiva que “sentimos”. que sintam o que sentimos. diferente daquela onde passaram toda a sua vida. Porque ou eles vão pensar que são “pessoas boas”. eles saem da igreja e encontram sentimentos melhores. .

e ao se levar em conta a mensagem que a igreja hoje ensina a eles. O problema é que a principal coisa que a nós igreja nos foi incumbida. alcançada com esse evangelho da glória humana. mas quando jovens que se afastaram da igreja. são apresentados à lei e ao evangelho. Divulgação: EstudosGospel. que lhes pareça mais condizente com sua idade e sentimentos.Com. Adaptação do texto de Marc Yoder: 10 razões pelas quais nossos Jovens deixam a igreja.objetivos ao seguir estratégias de vida. Ao invés de sermos fiéis à “ingênua” simplicidade do evangelho da cruz. Esse novo evangelho não salva ninguém. Não é errado entreter os jovens. e podem fazer isso com mais sucesso pragmaticamente em uma comunidade mais relevante para eles. Não deixemos outro jovem sair pela porta sem ser confrontado com todo o peso da lei.BR . Bom seria se não fosse verdade. nessa. temos estabelecido como objetivos o “sucesso” de uma multidão crescente. e com toda a liberdade do evangelho. Nós falhamos com Deus e falhamos com nossos jovens. essa escolha é vista como sendo a mais inteligente. nem fazer as gostosas festas de pizza. Nossos jovens podem marcar todos os itens de uma lista de autoajuda ou simplesmente um espiritualismo auto concebido. a resposta é sempre a mesma: “eu nunca ouvi sobre isso”. Estão saindo da igreja porque ao ser-lhes dada uma escolha. Nossos jovens saem porque nós não conseguimos entregar-lhes a fé “que uma vez por todas foi entregue” à igreja. estamos falhando.